Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

terça-feira, 7 de abril de 2020

Ecorodovias (ECOR)


Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: FRBRAVIM (ago/18) - Jonas_Schwingel (jun/18) - leocardoso (jun/18) - Paulo Prof (ago/182019) - pinheiro87 (jun/18)

Carteiras
Barbado (fev/13abr/16)  - Barrueco (ago/18) - crypto_spud (abr/18) - effexop (set/17) - escalador (mar/18) - fridao (mar/18) - harleyhr (nov/17) - jhcecato (abr/18) - Jonas_Schwingel (jun/18jul/18) - leocardoso (mar/18) - linelson (abr/19) - Lucro Liquido (abr/18mai/18jun/18) - MuadibGV (abr/18) - paulo_prof (fev/17dez/17mar/18mai/18jun/18jul/18mai/19jun/19jul/19nov/19) - pocunha (mar/18) - RRunner (jun/18ago/18) - steve ray (ago/17)

Códigos de Negociação
Tipo
ECOR3
  Novo Mervado

Balanços

2T2019 -

1T2019 -

A2018/4T2018 -

3T2018 -

2T2018 -


1T2018 -

PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). EBITDA = O EBITDA pró-forma, cresceu 10,7% totalizando R$490,1 milhões no 1T18 e a margem EBITDA foi de 74,1%, crescimento de +3,4 p.p. quando comparado com o 1T17, devido, principalmente, à melhora do resultado do segmento de concessões rodoviárias que teve incremento de R$33,3 milhões (+7,5%) e também dos resultados do Ecoporto (+R$9,7 milhões) e das empresas de Serviços e Holding (+R$4,4 milhões). RESULTADO FINANCEIRO = O resultado financeiro do 1T18, apresentou redução de 19,5%, sendo as variações mais representativas destacadas abaixo: i. Juros sobre debêntures: queda de R$7,1 milhões em função da redução do CDI e decréscimo do spreaddas novas emissões; ii. Juros sobre financiamentos: redução de R$7,7 milhões em função da queda do CDI; iii. Variação monetária e cambial sobre empréstimos e financiamentos: aumento de R$0,6 milhão devido, principalmente, à valorização do Dólar em relação ao Real no 1T18 (+0,5%); iv. Receita de aplicações financeiras: aumento de R$3,4 milhões devido a maior disponibilidade de caixa e compensado pela redução do CDI; v. Outros efeitos financeiros: resultado positivo em função do reconhecimento de crédito do Fundaf do Ecoporto no valor de R$7,4 milhões.; LUCRO LÍQUIDO = O lucro líquido comparável foi de R$146,7 milhões (+49,6%) no 1T18, impactado positivamente pelo aumento no EBITDA pró-forma comparável (+R$47,4 milhões) e pela menor despesa financeira (+R$25,0 milhões) e compensado pela maior amortização e depreciação (-R$11,7 milhões).

A2017/4T2017 -


3T2017 -

2T2017 -
O resultado financeiro do 2T17, excluindo os resultados dos ativos mantidos para venda (Elog), apresentou queda de 17,5%, sendo as variações mais representativas destacadas abaixo: i. Juros sobre debêntures: redução de R$8,7 milhões em função da redução da SELIC e decréscimo do spread das novas emissões; ii. Variação monetária sobre debêntures: redução de R$24,9 milhões devido à queda do IPCA registrado no período; iii. Juros sobre financiamentos: redução de R$8,6 milhões em função da queda da SELIC; iv. Variação monetária e cambial sobre empréstimos e financiamentos: aumento de R$13,5 milhões devido principalmente à apreciação do Dólar em relação ao Real no 2T17(+4,4%); v. Receita de aplicações financeiras: redução de R$11,5 milhões devido à menor disponibilidade de caixa no 2T17 e redução da SELIC.


1T2017 -

3T2016 -


3T2010 - 
rodrigoset - 
achou excelente.

Características
Exploração direta ou indireta de negócios de concessão de obras e serviços públicos e organização logísitica do transporte de carga.

Apresentações
30/03/2020 - Apresentação Institucional – Março/2020

20/02/2020 - Apresentações a analistas/agentes do mercado

Notas Promissórias Comerciais
Sétima Emissão

Balanços (Calendário)
18/02/2020
 DFP 2019

 ITR 1T 2020

 ITR 2T 2020

 ITR 3T 2020



O Resultado Líquido do 4T19 foi impactado positivamente pelo diferimento do IR/CS.

Na minha opinião, o "custo" efetivo do endividamento líquido, aprox. 11,4%, é algo excessivo para o operacional corrente da empresa. O Resultado Financeiro o negativo em R$ 700 milhões e o grande aumento nas despesas operacionais (expurgadas as despesas relativas ao acordo de leniência, foram R$ 337 milhões em 2019, para R$ 205 milhões em 2018), foram os responsáveis pela redução do resultados antes dos impostos e líquido no exercício.

Acho todos os indicadores "esticados", considerando o preço corrente. De forma alguma pagaria este preço (ou mesmo um preço sensivelmente menor) para ter o ativo em carteira.

p.php?pid=chartscreenshot&u=1HuAB36tge88


No que segue foi expurgada, dos resultados antes dos impostos e líquido, bem como do ebitda, a despesa de R$ 466,834 milhões referente ao acordo de leniência,



ECOR3

PREÇO: R$ 17,18

PAYOUT (2018): 32,4%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 33,98

P/VPA 21,00

PSR 2,42

DY 1,25%

EV/EBITDA 9,40

MARGEM BRUTA 38,0%

MARGEM OPERACIONAL 11,8%

MARGEM LÍQUIDA 7,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,506

MARGEM EBITDA 43,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1909,0%

ROE 61,79%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,58



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +24,73%

RESULTADO BRUTO +8,25%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +51,94%

RESULTADO OPERACIONAL -35,47%

RESULTADO LÍQUIDO -24,87%

EBITDA +6,78%



b) 4T19 vs 4T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +27,10%

RESULTADO BRUTO +22,46%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +110,50%

RESULTADO OPERACIONAL -61,41%

RESULTADO LÍQUIDO +18,19%

EBITDA +52,52%



c) lucro (taxa média anual)

UA -24,87%

U2A -15,33%

U3A 1,43%



d) patrimônio líquido médio

UA -15,86%

U2A -1,52%

U3A -7,68%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 6,78%

U2A 2,94%

U3A 6,86%

U4A 6,81%

U5A 7,96%

U6A 6,33%

U7A 7,13%

U8A 7,66%

U9A 26,62%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,36

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +25,0%

19/02/2020 - Apresentacao a analistas/agentes mercado


18/02/2020 - Dados Financeiros - Press-release
365299  - paulo_prof  -  15 Nov 2019, 00:15
Uma análise realista do ativo é praticamente inviável. De um lado, há a questão da não cobrança de pedágio dos eixos suspensos. A empresa nada tem a ver com isto. Um acerto terá que ser efetuado mais cedo ou mais tarde.

No release, a empresa informa que, entre maior de 2018 e setembro de 2019, deixou de cobrar R$ 173,8 milhões. Só no 3T19, foram R$ 34 milhões e nos 9M19, R$ 96 milhões.

Agora, no 3T19, junta-se o acordo de leniência, nos termos informados abaixo.

Em 12 de agosto de 2019, a Companhia e suas controladas Ecorodovias Concessões e Serviços (“ECS”) e as Concessionárias do Paraná (Ecovia Caminho do Mar e Ecocataratas), celebraram acordo de leniência com o Ministério Público Federal, pelo qual se comprometeram: (a) a Companhia ou a ECS a pagar o valor de R$30 milhões a título de multa; (b) a Ecovia a arcar com R$20 milhões de obras e R$100 milhões de redução tarifária; e (c) a Ecocataratas a arcar com R$130 milhões de obras e R$120 milhões de redução tarifária totalizando R$ 400 milhões.

Adicionalmente, em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 13 de setembro de 2019, foram deliberados os termos dos contratos celebrados entre a Companhia e seus ex-executivos (“Acordo com Ex-Executivos Colaboradores”), que disciplinam a sua colaboração com as autoridades públicas, onde a Companhia obrigou-se a pagar ao longo de 5 anos o montante total de R$67,3 milhões.

A contabilização dos referidos acordos foi registrada no 3T19 na rubrica Outras Receitas/Despesas no valor de R$466,8 milhões, sendo R$400,0 milhões referente ao Acordo de Leniência e R$66,8 milhões ao Acordo com Ex-Executivos Colaboradores.

Acho este acordo o fim da picada ... quem se ferra mesmo é só o minoritário. A empresa vai pagar R$ 67 milhões para que os ex-executivos envolvidos na corrupção se defenderem. Por outro lado, em vez do controlador ser punido diretamente pelos atos de corrupção, livra-se da cadeia e quem paga a conta é a empresa. Ou seja, o minoritário que absolutamente nada tem a ver com isto paga da mesma forma que o controlador corrupto.

Estou fora ... Zerei a minha posição no dia 8.

p.php?pid=chartscreenshot&u=jZiJVBZfRDec



No que segue foi expurgada, dos resultados antes dos impostos e líquido, bem como do ebitda, a despesa de R$ 466,834 milhões referente ao acordo de leniência,



ECOR3

PREÇO: R$ 14,62

PAYOUT (2018): 32,4%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 30,22

P/VPA 21,66

PSR 2,19

DY 1,40%

EV/EBITDA 8,87

MARGEM BRUTA 38,4%

MARGEM OPERACIONAL 15,3%

MARGEM LÍQUIDA 7,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,484

MARGEM EBITDA 46,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2701,2%

ROE 71,66%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,72



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +14,49%

RESULTADO BRUTO -7,27%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +24,33%

RESULTADO OPERACIONAL -22,24%

RESULTADO LÍQUIDO -32,77%

EBITDA +3,46%



b) 3T19 vs 3T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +26,19%

RESULTADO BRUTO +13,18%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +39,47%

RESULTADO OPERACIONAL -23,31%

RESULTADO LÍQUIDO -36,53%

EBITDA +10,53%



c) lucro (taxa média anual)

UA -32,77%

U2A -15,40%

U3A 4,82%



d) patrimônio líquido médio

UA -9,82%

U2A 5,83%

U3A -14,61%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 3,46%

U2A 4,52%

U3A 8,13%

U4A 6,82%

U5A 7,98%

U6A 6,48%

U7A 7,67%

U8A 8,31%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,05

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +22,0%

362971 - paulo_prof  -  26 Jul 2019, 03:17
Em 01 de abril de 2019, a concessionária Eco135 iniciou a cobrança de pedágio nas 6 praças da

concessão. No 2T19, a Eco135 atingiu EBITDA pró-forma de R$39,8 milhões e margem de 75,5%.

Em 30 de maio de 2019, foi concluída a aquisição da Eco050 (MGO) no valor de R$654,8 milhões. A partir

de 31 de maio de 2019, a concessão foi consolidada no balanço da Companhia.

A isenção da cobrança de pedágio para eixos suspensos reduziu a receita de pedágio em R$139,8 milhões

entre maio de 2018 e junho de 2019, sendo R$32,1 milhões no 2T19 e R$63,0 milhões no 1S19. Estes valores, que vêm sendo absorvidos pela empresa, constituem um ativo que deverá, mais dia, menos dia, ser objeto de um rebalanceamento de contratos. Ainda não há propostas na mesa, que eu saiba, mas provavelmente a compensação se dará via extensão da concessão.

Embora a não cobrança dos eixos suspensos tenha tambpem impactado o ebitda do 2T18 (a isenção está vigorando desde maio de 2018), os Resultados das concessionárias ECO 135 e ECO 050 resultou num aumento razoável de Ebitda. Os resultados do 3T19 permitirão avaliar melhor a situação porque o 3T18 foi integralmente impactado pela isenção dos eixos suspensos.

A alavancagem medida em termos da raz'ao Endividamento Líquido / Ebitda atingiu 4,10, um pouco alta para o meu gosto. Se o Ebitda do 2T19 for anualizado, a razão cairia para 3,79, ainda excessivamente alta para o meu gosto. Há que se monitorar nos próximos trimestres para verificar qual será a curva de atenuação da alavancagem.

Não tenho uma idéia clara de como considerar a isenção dos eixos suspensos no "valuation". Não sei quais margens ebitda e líquida considerar. De qualquer forma, a impressão que tenho é que o ativo está mais para caro do que barato.
p.php?pid=chartscreenshot&u=avuBXzc17f%2
ECOR3

PREÇO: R$ 11,15

PAYOUT (2018): 32,4%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 20,33

P/VPA 7,70

PSR 1,72

DY 2,09%

EV/EBITDA 7,89

MARGEM BRUTA 39,3%

MARGEM OPERACIONAL 17,1%

MARGEM LÍQUIDA 8,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,536

MARGEM EBITDA 45,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1245,5%

ROE 37,86%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,86



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,96%

RESULTADO BRUTO -11,86%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +23,03%

RESULTADO OPERACIONAL -24,54%

RESULTADO LÍQUIDO -32,53%

EBITDA -4,84%



b) 2T19 vs 2T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +34,90%

RESULTADO BRUTO +11,58%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +43,64%

RESULTADO OPERACIONAL -21,58%

RESULTADO LÍQUIDO -22,28%

EBITDA +9,75%



c) lucro (taxa média anual)

UA -32,53%

U2A -3,17%

U3A 16,86%



d) patrimônio líquido médio

UA 7,70%

U2A 20,57%

U3A -17,25%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -4,84%

U2A 2,69%

U3A 5,25%

U4A 5,98%

U5A 6,10%

U6A 5,24%

U7A 7,27%

U8A 11,66%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 7,40

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10,0%

360800  - paulo_prof  -  30 Abr 2019, 04:19
Os resultados continuam sendo impactados pela não cobrança do 3o. eixo. São aprox. R$ 31 milhões a menos na Receita do 1T19, e aprox. R$ 108 milhões desde meados de 2018.

Em 1o. de abri iniciou-se a cobrança de pedágio nas 6 praças da concessionária ECO135, o que reforçará a Receita a partir do 2T19.

A AGO de 2019 aprovou a constituição da reserva de capital no valor de R$196,8 milhões, com o objetivo de reforçar a estrutura de capital da Companhia. Em consequência, não haverá pagamento de dividendos em 2019. A partir de 2020, a ideia é praticar um payout de 50%.

Embora, tudo somado, o ativo pareça estar aprox. bem precificado, acho que deverá andar de lado, por não ter drivers claros para a valorização. Some-se a isto o risco da Lava Jato e a suspensão da distribuição de proventos no curto prazo, acho que o ativo não é opção de investimento no curto prazo.


ECOR3

PREÇO: R$ 8,24

PAYOUT (2018): 32,4%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,52
P/VPA 6,31
3T18+A1466:B1+A1469467 1,41
DY 2,92%
EV/EBITDA 6,19
MARGEM BRUTA 41,2%
MARGEM OPERACIONAL 19,4%
MARGEM LÍQUIDA 9,7%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,567
MARGEM EBITDA 47,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1052,8%
ROE 43,46%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,43


Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -0,40%

RESULTADO BRUTO -14,58%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +13,38%

RESULTADO OPERACIONAL -21,78%

RESULTADO LÍQUIDO -28,19%

EBITDA -6,90%



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,87%

RESULTADO BRUTO -11,26%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +26,29%

RESULTADO OPERACIONAL -36,36%

RESULTADO LÍQUIDO -40,60%

EBITDA -12,42%



c) lucro (taxa média anual)

UA -28,19%
U2A 2,79%
U3A 28,43%


d) patrimônio líquido médio

UA 3,45%

U2A 22,81%

U3A -24,15%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -6,90%
U2A 3,54%
U3A 4,74%
U4A 6,36%
U5A 5,20%
U6A 5,72%
U7A 7,05%
U8A 17,10%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 7,09

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,0%

360394  - paulo_prof  -  15 Abr 2019, 17:44
De um lado, há a questão da lava jato ... até o momento nada há de definitivo, nem para o sentido de envolvimento em pagamento de propinas e corrupção, nem no sentido contrário.

Por outro lado, depois que o Bolsonaro abriu as pernas aos caminhoneiros no que concerne o óleo diesel, será que alguém tem dúvidas de que haverá um forte barulho por ocasião de eventual decisão de aumento dos pedágios.

Finalmente, até o momento nada ouvi relativo à questão dos eixos suspensos. As concessionárias estão bancando integralmente o "subsídio".

360385 - rogeriortms  -  15 Abr 2019, 15:03
Professor! O que será que vem ocorrendo com ECOR3 que cai paulatinamente sem que eu encontre notícia nenhuma? Saberias dizer algo?

Demais foristas.... Alguém sabe de alguma notícia?

359451 - paulo_prof  -  18 Mar 2019, 22:04
Não gostei dos resultados. Menos ainda do Relatório. Detesto iniciativas de dourar a pílula, partindo da premissa que o leitor é um idiota. O lucro da ECOR no 4T18 correspondente aos acionistas da controladora foi de R$ 56,6 milhões. Por outro lado, os ativos classificados como de operações descontinuadas (Ecopátio Logística Cubatão Ltda.) e "rebarbas" da venda da Elog produziram, em 2018 (quase que integralmente contabilizado no 4T), um prejuízo de R$ 18,5 milhõe. Estes ativos, em 31DEZ2018 foram avaliados para venda, em aprox .R$ 74 milhões. Um patrimônio de R$ 74 milhões, produzindo um prejuízo de 18,5 milhões é simplesmente ignorado no relatório. O relatório só comenta o lucro das operações continuadas (aprox. R$ 75 milhões).

De positivo, o fato de que no exercício a empresa foi prejudicada pela greve e pela suspensão do pedágio de 3o. eixo, que deverá (vai saber quando?) ser objeto de um um contrato de re-equilibrio.

Considerando que o Estado de São Paulo está "devendo" para a empresa, e o fato de que cedo ou tarde, assim como a Elog, o Ecopátio Cubatão será vendido, acho que o ativo está relativamente bem precificado.

ECOR3

PREÇO: R$ 9,93

PAYOUT (2017): 95%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,75

P/VPA 8,63

3T18+A1466:B1+A1469467 1,74

DY 6,44%

EV/EBITDA 6,38

MARGEM BRUTA 43,8%

MARGEM OPERACIONAL 22,8%

MARGEM LÍQUIDA 11,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,673

MARGEM EBITDA 51,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1172,7%

ROE 58,49%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,54



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -0,98%

RESULTADO BRUTO -10,81%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +1,17%

RESULTADO OPERACIONAL -4,32%

RESULTADO LÍQUIDO -4,58%

EBITDA -0,75%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,93%

RESULTADO BRUTO -30,06%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -0,94%

RESULTADO OPERACIONAL -12,04%

RESULTADO LÍQUIDO -39,11%

EBITDA -10,81%



c) lucro (taxa média anual)

UA -4,58%

U2A 17,84%

U3A 50,91%



d) patrimônio líquido médio

UA 15,28%

U2A -3,29%

U3A -24,42%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -0,75%

U2A 6,91%

U3A 6,82%

U4A 8,26%

U5A 6,24%

U6A 7,19%

U7A 7,78%

U8A 29,35%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,41

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,0%

355423 - paulo_prof  -  01 Nov 2018, 03:07
Os resultados foram impactados pela não cobrança de pedágio dos eixos suspensos. Embora não haja dados para saber exatamente o tamanho deste impacto, certamente foi maior do que eu tinha antecipado. Em princípio, o fato não deveria importar porque a empresa deverá ser ressarcida via reequilibrio dos contratos. Em consequência, o ativo me parece bem precificado.

ECOR3

PREÇO: R$ 9,45

PAYOUT (2017 ): 95%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,78

P/VPA 6,76

PSR 1,63

DY 7,43%

EV/EBITDA 5,92

MARGEM BRUTA 47,6%

MARGEM OPERACIONAL 23,1%

MARGEM LÍQUIDA 12,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,740

MARGEM EBITDA 51,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 955,9%

ROE 52,89%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,55



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,63%

RESULTADO BRUTO +16,33%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 0,54%

RESULTADO OPERACIONAL +1,53%

RESULTADO LÍQUIDO +9,42%

EBITDA +5,04%

b) 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,75%

RESULTADO BRUTO -6,62%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +34,50%

RESULTADO OPERACIONAL -24,39%

RESULTADO LÍQUIDO -25,38%

EBITDA -2,44%



c) lucro (taxa média anual)

UA 9,42%

U2A 32,69%

U3A 49,87%



d) patrimônio líquido médio

UA 24,18%

U2A -16,90%

U3A -24,83%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 5,04%

U2A 10,26%

U3A 7,78%

U4A 8,99%

U5A 6,99%

U6A 8,29%

U7A 8,94%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,25

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,5%

352497  - paulo_prof  -  03 Ago 2018, 02:23
Em tudo o que é concessão, contratos antigos vencem e novos são licitados. O problema ocorre só quando uma empresa "aventureira" participa da concorrência. Normalmente, que operou uma concessão de rodovia tem uma enrome vantagem sobre os concorrentes porque além de ter uma noção exata dos custos de manutenção, já otimizou o processo e consegue manter mais barato.

Quero crer que a concorrência para a renovação da concessão da Imigrantes não seja muito distinta daquela levada a cabo para a ponte Rio-Niteroi. A CCR era a concessionária anteror e a Ecor ofereceu o melhor desconto. A julgar pelo que a Ecor informa, está felicíssima com o retorno da concessão, ou seja, ganhou sem ter sido obrigada a fazer uma oferta "predadora".

Acredito haver um risco muito maior no horizonte. Já é praticamente consenso entre os candidatos à presidência que dividendos devam ser taxados. A consequência mais imediata de uma taxação de dividendos é a redução do valor intrínseco dos ativos vacas leiteiras, especialmente se o mercado acreditar que os nossos políticos poderão taxar os dividendos e não reduzir a alíquota de IR/CS sobre o lucro das empresas.

352490  - CAP7  -  02 Ago 2018, 23:10
ECOR3

Ela é uma empresa de concessões. Concessões antigas têm taxa de retorno bem mais alta. A principal concessão dela é a Anchieta-Imigrantes, que o pedágio é 25 reais por um trecho de 50 km, e está pra vencer em 2020 ou 2022.

Seria também esse o motivo da queda?

O senhor não enxerga risco aí não?

352291 - paulo_prof  -  29 Jul 2018, 15:39
Achei os resultados da ECOR muito bons, levando em consideração que a greve dos caminhoneiros teve uma impacto considerável. Os contratos de concessão deverão ser renegociados, para que a empresa seja remunerada pela da gratuidade do eixo suspenso concedida pelo governo federal com o chapéu alheio.

O único aspecto que na minha opinião merece ser observado é a trajetória da alavancagem (endividamento l[iquido / ebitda dos 12 meses anteriores). Até o momento o quadro parece ok, pois ao final do 2T17 a alavancagem era 2,83, passando para 2,77 ao final do 2T18.

Na minha opinião, o ativo está barato. Vou considerar aumentar a posição.


ECOR3

PREÇO: R$ 8,20

PAYOUT (2017 ): 95%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,29

P/VPA 7,36

PSR 1,40

DY 9,23%

EV/EBITDA 5,50

MARGEM BRUTA 47,9%

MARGEM OPERACIONAL 24,5%

MARGEM LÍQUIDA 13,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,797

MARGEM EBITDA 51,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1088,0%

ROE 71,53%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,40

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,14%

RESULTADO BRUTO +19,57%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -14,28%

RESULTADO OPERACIONAL +23,95%

RESULTADO LÍQUIDO +39,49%

EBITDA +10,27%

b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,79%

RESULTADO BRUTO -4,72%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -0,65%

RESULTADO OPERACIONAL -7,15%

RESULTADO LÍQUIDO +4,03%

EBITDA -0,02%

c) lucro (taxa média anual)

UA 39,49%

U2A 54,08%

U3A 35,17%

d) patrimônio líquido médio

UA 34,98%

U2A -27,47%

U3A -27,03%

e) ebitda (taxa média anual)

UA 10,27%

U2A 10,41%

U3A 9,67%

U4A 8,89%

U5A 7,27%

U6A 9,34%

U7A 14,15%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,96

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -4,0%

352252 - RRunner   -  27 Jul 2018, 01:57
Gostei do resultado de ECOR3, mesmo com a greve dos caminhoneiros, a receita no trimestre caiu pouco e no semestre foi bem.

Vou aguardar os comentários do Professor ! :-)

351282  - marcosvinicius2 -  16 Jun 2018, 13:52
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). EBITDA = O EBITDA pró-forma, cresceu 10,7% totalizando R$490,1 milhões no 1T18 e a margem EBITDA foi de 74,1%, crescimento de +3,4 p.p. quando comparado com o 1T17, devido, principalmente, à melhora do resultado do segmento de concessões rodoviárias que teve incremento de R$33,3 milhões (+7,5%) e também dos resultados do Ecoporto (+R$9,7 milhões) e das empresas de Serviços e Holding (+R$4,4 milhões). RESULTADO FINANCEIRO = O resultado financeiro do 1T18, apresentou redução de 19,5%, sendo as variações mais representativas destacadas abaixo: i. Juros sobre debêntures: queda de R$7,1 milhões em função da redução do CDI e decréscimo do spreaddas novas emissões; ii. Juros sobre financiamentos: redução de R$7,7 milhões em função da queda do CDI; iii. Variação monetária e cambial sobre empréstimos e financiamentos: aumento de R$0,6 milhão devido, principalmente, à valorização do Dólar em relação ao Real no 1T18 (+0,5%); iv. Receita de aplicações financeiras: aumento de R$3,4 milhões devido a maior disponibilidade de caixa e compensado pela redução do CDI; v. Outros efeitos financeiros: resultado positivo em função do reconhecimento de crédito do Fundaf do Ecoporto no valor de R$7,4 milhões.; LUCRO LÍQUIDO = O lucro líquido comparável foi de R$146,7 milhões (+49,6%) no 1T18, impactado positivamente pelo aumento no EBITDA pró-forma comparável (+R$47,4 milhões) e pela menor despesa financeira (+R$25,0 milhões) e compensado pela maior amortização e depreciação (-R$11,7 milhões).:

ECOR3
PREÇO: 7,51
PAYOUT (2017): 60,12%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,53
P/VPA 5,61
PSR 1,30
DY 6,31%
EV/EBITDA 5,23
MARGEM BRUTA 47,49%
MARGEM OPERACIONAL 25,03%
MARGEM LÍQUIDA 13,59%
LUCRO POR AÇÃO 0,788
MARGEM EBITDA 51,60%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 946,80%
ROE 58,83%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,07

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 13,98%
RESULTADO BRUTO 15,97%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -16,35%
RESULTADO OPERACIONAL 176,65%
RESULTADO LÍQUIDO -147,68%
EBITDA 45,20%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 5,14%
RESULTADO BRUTO -4,72%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -19,46%
RESULTADO OPERACIONAL 28,43%
RESULTADO LÍQUIDO 48,87%
EBITDA 9,74%

c) lucro (taxa média anual)
UA -147,68%
U2A 79,39%
U3A 27,56%

d) patrimônio líquido médio
UA 45,80%
U2A -35,05%
U3A -28,65%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,85
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -6,0% !!!!
[...]

350586  - paulo_prof -  01 Jun 2018, 02:58
A questão da alavancagem, para mim, ainda não está clara ... pois não conheço os dados do ebitda que as novas aquisições (trecho Norte do Rodoanel, aumento de participação na Ecosul, aquisição da MGO e pacote de rodovias mineiras) vão gerar e o aumento do endividamento que vão exigir.

Na minha opinião, os dados do 1T18 não mostram uma alavancagem excessiva. Supondo que não haja não recorrentes, o endividamento líquido de R$ R$ 4,42 bilhões corresponde a 2,38 vezes o ebitda anualizado de R$ 1,85 bilhões.

350569  - aeronave  -  31 Mai 2018, 20:45
Prof Paulo, a alta alavancagem de ECOR3 não preocupa?

349337  - paulo_prof  -  26 Abr 2018, 22:15
Continuo achando muito bons os resultados da Ecorodovias. A Receita Líquida continua crescendo sensivelmente acima da inflação em ambas as bases, anual e trimestral, e houve uma melhora adicional na margem bruta. O custo do endividamento continua decrescendo, e as despesas estão sendo contidas. O forte impacto no lucro líquido em ambas as bases (crescimento de quase 50%) é mera decorrência destes fatores.

O endividamento líquido continua crescendo, mas a razão endividamento líquido / ebitda está controlada: é 2,65 vezes se for considerado o ebitda dos últimos 12 meses, e 2,39 se for considerado o ebitda do trimestre, anualizado. O endividamento líquido deverá continuar a crescer devido as novas concessões, mas com as contribuições das novas concessões, o ebitda também deverá crescer.

Não fosse o risco da empresa estar de fato envolvida com a Lava Jato, seria mamão com açucar ... ativo muito barato. Pessoalmente, acho que mesmo se a empresa estiver envolvida em esquemas de corrupção, o impacto de eventual leniência será pequeno. Por outro lado, acho que a probabilidade da empresa de fato estar envolvida é pequena.

ECOR3

PREÇO: R$ 9,60

PAYOUT (2017 ): 95%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,13

P/VPA 7,14

PSR 1,63

DY 7,83%

EV/EBITDA 5,84

MARGEM BRUTA 48,1%

MARGEM OPERACIONAL 24,7%

MARGEM LÍQUIDA 13,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,791

MARGEM EBITDA 51,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 931,4%

ROE 58,83%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,07



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,81%

RESULTADO BRUTO +21,84%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -18,27%

RESULTADO OPERACIONAL +41,27%

RESULTADO LÍQUIDO +47,35%

EBITDA +14,87%



b) 1T18 vs 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,57%

RESULTADO BRUTO +4,70%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -19,46%

RESULTADO OPERACIONAL +28,43%

RESULTADO LÍQUIDO +48,87%

EBITDA +9,74%



c) lucro (taxa média anual)

UA 47,35%

U2A 71,89%

U3A 27,56%



d) patrimônio líquido médio

UA 45,80%

U2A -35,05%

U3A -28,65%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 14,87%

U2A 10,96%

U3A 11,10%

U4A 8,40%

U5A 8,38%

U6A 9,52%

U7A 20,95%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,89

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -0,5%

349319 - Lucro Liquido -  26 Abr 2018, 02:37
Resultado de ECOR3
http://www.mzweb.com.br/ecorodovias/web/download_a...
DESTAQUES OPERACIONAIS E FINANCEIROS

Receita líquida pró-forma atingiu R$661,6 milhões no 1T18 (+5,7%). A receita líquida pró-forma das concessões rodoviárias atingiu R$635,1 milhões (+5,7%).

Custos caixa consolidado totalizaram R$180,4 milhões no 1T18, redução de 1,7%, mesmo com a inflação de 2,7% no período. EBITDA pró-forma foi recorde no trimestre atingindo R$490,1 milhões no 1T18 (+10,7%), com margem de 74,1% (+3,4p.p.). O EBITDA pró-forma das concessões rodoviárias atingiu R$479,8 milhões no 1T18 (+7,5%), com margem de 75,6% (+1,3p.p.).

Lucro líquido comparável atingiu R$146,7 milhões no 1T18 (+49,6%).

Alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e EBITDA pró-forma comparável, encerrou março/18 em 2,45x, comparado a 2,69x em março/17.

Em 06 de abril de 2018, o Sr. Nicolò Caffo, com experiência em empresas como Atlantia, Mckinsey & Co. e Bank of America Securities, foi nomeado para o cargo Diretor Executivo de Negócios Rodoviários.

Em 25 de abril de 2018 o conselho de administração da Companhia aprovou o pagamento de dividendos no valor de R$207,4 milhões relativos aos resultados de 2017.

Em 24 de abril de 2018 a Ecovias dos Imigrantes assinou com Artesp um aditivo contratual, que incluiu obras no valor de R$270 milhões no contrato de concessão, que será reequilibrado pelo fluxo de caixa marginal, com extensão do prazo da concessão em 7 meses e 24 dias.

Foram concluídas as emissões de debêntures no valor de R$900 milhões no Ecorodoanel para pagamento da outorga fixa.

348781  - marcosvinicius2 -  09 Abr 2018, 22:18
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA BRUTA = A receita bruta consolidada atingiu R$3.492,9 milhões em 2017, aumento de 13,2% em relação a 2016. Excluindo a receita de construção, a receita bruta atingiu R$2.906,4 milhões, aumento de 10,3% em relação a 2016, devido ao aumento na receita das concessões rodoviárias (+12,2%), em função principalmente do crescimento do tráfego e dos reajustes contratuais nas tarifas de pedágio. EBITDA E MARGEM EBITDA = O EBITDA em 2017 foi de R$1.630,1 milhões. O EBITDA pró-forma comparável, excluindo receita e custo de construção e provisão para manutenção, totalizou R$1.748,8 milhões com crescimento de 15,0% e margem EBITDA de 66,6% (+3,0p.p.).:

ECOR3
PREÇO: 9,03
PAYOUT (2017): 60,12%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,85
P/VPA 7,66
PSR 1,58
DY 4,68%
EV/EBITDA 5,80
MARGEM BRUTA 48,66%
MARGEM OPERACIONAL 23,63%
MARGEM LÍQUIDA 12,26%
LUCRO POR AÇÃO 0,702
MARGEM EBITDA 50,93%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 823,59%
ROE 59,59%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,22

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 13,14%
RESULTADO BRUTO 21,35%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,85%
RESULTADO OPERACIONAL 243,57%
RESULTADO LÍQUIDO -140,69%
EBITDA 46,28%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 13,14%
RESULTADO BRUTO 21,35%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,85%
RESULTADO OPERACIONAL 243,57%
RESULTADO LÍQUIDO -140,69%
EBITDA 46,28%

c) lucro (taxa média anual)
UA -140,69%
U2A 89,78%
U3A -5,96%

d) patrimônio líquido médio
UA -18,87%
U2A -38,81%
U3A -32,68%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,78
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,7% !!!!
[...]

348680  - paulo_prof   -  04 Abr 2018, 04:15
Muita coisa aconteceu neste ano:

a) trecho Norte do Rodoanel - concessão vencida em leilão por R$ 421 milhões

b) compra de 10% do capital da Ecosul, por R$ 60 milhões

c) compra de 100% de uma concessão de 367km em MG, por R$ 600 milhões

d) total de 364 km em MG, concessão vencida em leilão, por R$ 368 prestações mensais de R$ 5,9 milhões, reajustadas pelo IPCA, totalizando R$ 2,06 bilhões

Resta ver se o ebitda que será gerado por estes investimentos vai dar um retorno adequado. Como a empresa foi muito agressiva em a) e d), as margens são menores, aumentando os riscos. Evidentemente, é de se esperar que a empresa tenha feito a lição de casa direitinho, especialmente no que concerne a projeção do tráfego futuro. Mas pode dar com os burros n'água aqui ou acolá.

348677  - MuadibGV  -  04 Abr 2018, 00:13
No release tem várias adições a imobilizado referentes à concessões que estão em andamento, daí minha dúvida.

Se entendermos que os 600 vão gerar EBITDA adicional, parece que ação está bem barata!

348664  - paulo_prof   -  03 Abr 2018, 18:06
O que foi contabilizado como investimento em imobilizado vai gerar ebitda adicional, pois são novas concessões. O capex está associado às obrigações que a empresa tem de acordo com os contratos das concessões que já tinha.

Como a ECOR foi muito agressiva nas últimas licitações, o que está em jogo é se o ebitda das concessões que arrematou é compatível com o custo do respectivo investimento.

348662  - MuadibGV  -  03 Abr 2018, 17:20
Prof , ou quem mais puder ajudar!

Ecorodovias investiu no ano passado uns 750 milhões. Desse total uns 600 foram discriminados como investimentos em imobilizado / intangível e o restante como CAPEX de manutenção.

Alguma idéia de como esses 600 milhões afetam as receitas futuras? Podemos entender (como nas distribuidoras) que esse valor eventualmente vai gerar receita com um determinado retorno regulado por contrato?

Para avaliar se a cia. está cara ou não esse entendimento é vital.

348656  - cfernando  -  03 Abr 2018, 15:36
Concordo. Esse é um momento muito tenso para se investir em ECOR. O ativo em si é muito bom, as receitas são previsíveis, a geração de caixa e muito forte, as dívidas estão sob controle e a possibilidade de crescimento do PIB brasileiro nos próximos anos é real, desde que nos brasileiros não façamos nenhuma bobagem nas eleições.

Eu ainda acredito que vale a pena esperar um pouco, principalmente após o pagamento dos dividendos. Até porque após o pagamento dos dividendos esse papel pode ter um efeito de queda bastante considerável.

348649  - NumBroker   -  03 Abr 2018, 05:18
Prof, não necessariamente pq o serviço foi prestado que não houve quaisquer irregularidades, né. Superfaturar preço e embutir uma comissão marota estaria bem de acordo com essas práticas de lava jato.

A empresa é boa e o preço tb, mas o risco lava jato parece bem latente.

348648  - paulo_prof   -  03 Abr 2018, 03:41
Citação: kknove - Post #348641 - 02/Abr/2018 22:54
Controlador vendendo 
Citação: crypto_spud - Post #348643 - 02/Abr/2018 23:35
ecor? 
A Posição Consolidada dos Valores Mobiliários detidos pelas pessoas ligadas relativos a março só serão divulgados na semana que vem. No caso da ECOR, nem Diretoria, nem Conselho detém ações. Só tem ações o Controlador e a própria empresa, em tesouraria. Sou capaz de apostar que nem um, nem outra, venderiam ações nestas condições. Seria um baita tiro no pé e, portanto, altamente improvável.

348647  - paulo_prof   -  03 Abr 2018, 03:28
Sim ... mas a citação nada traz de novo ... a "suspeita" é que as subsidiárias da ECOR pagaram propina via a tal da Astenge.

A menos que esteja enganado, entretanto, todos os pagamentos estão contabilizados e, segundo as subsidiárias da ECOR que contrataram a Astenge, haveria provas de que os serviços foram de fato prestados (a Astenge é que ainda não teria encontrado as cópias dos relatórios, alegando serem muito antigos).

Por outro lado ao que consta, até este momento não se demonstrou haver um vínculo entre a ECOR ou suas subsidiárias e o DER do Estado de SP, nem um possível racional para o pagamento de propina. Para a coisa realmente começar a feder para o lado da ECOR, é necessário que a polícia e o Ministério Público, além de provar que a Astenge de fato não prestou os serviços contratados, terão também que apontar os ilícitos que teria recebido em sua operação no estado de São Paulo (obrigações contratuais não cumpridas relevadas pela fiscalização, revisões extemporâneas de contratos, etc),. O fato desta Astenge estar envolvida em eventuais falcatruas é irrelevante.

348644  - NumBroker  -  03 Abr 2018, 02:22
Só pra frisar, hoje Ecorodovias foi NOVAMENTE citada.

Ecorodovias (ECOR3)
A Ecorodovias foi o destaque de queda do Ibovespa após o Estadão informar que investigadores da Lava Jato teriam planilhas que mostram pagamentos no valor de R$ 3,2 milhões de duas concessionárias do Grupo a ex-assessor de um órgão da secretaria de logística e transportes do estado de São Paulo. A Ecorodovias não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários feitos pela Bloomberg. A CCR (CCRO3), que também já foi citada na Lava Jato, acabou registrando forte queda.
Fonte: http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7358369/ecorodovias-desaba-com-nova-suspeita-lava-jato-petrobras-cai-forte

Reportagem citada:
http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/planilhas-da-lava-jato-apontam-r-32-mi-de-concessionarias-de-rodovias-a-ex-assessor-do-der-sp/

348290  - paulo_prof  -  21 Mar 2018, 19:29
Pois é ... eu andei comprando nestes preços, apostando que a empresa não está de fato envolvida na lava jato. O simples fato de ter feito negócios com uma empresa envolvida na lava jato nada quer dizer. Se a ECOR puder demonstrar que os serviços pagos de fato foram executados, será difícil ser envolvida ... e se não for envolvida, acho que de fato está barata.

Esta, porém, não é a opinião do Small. Ele acha que estaria aprox. no preço, considerados os riscos, incluindo o possível envolvimento na lava jato. Deve ser lembrado que, recentemente, a ECOR comprou vários ativos. O fluxo de caixa que estes ativos serão capazes de gerar no curto prazo, entretanto, é uma incógnita. Se acabar não se mostrando compatível, não é improvável que a alavancagem acabe maior do que o recomendado.

348258 - cfernando -  20 Mar 2018, 18:52
Estou achando a queda de ECOR3 muito acentuada. Certamente o fato da empresa estar associada a Lava Jato impacta significativamente mas estou realmente achando que a penalização no preço do papel está começando a ficar muito elevado. Nesse momento o papel está sendo cotado a R$ 8,34. Se os dividendos forem aprovados esse papel sairá abaixo dos R$8,00 para quem comprar. Sinceramente estou começando a ver esse ativo como "barato".

OBS.: Estou considerando apenas o que é sabido. Se existirem notícias futuras que envolvam ainda mais a empresa com a Operação Lava Jato aí a história muda e a queda atual se justifica e talvez não pare por aí...

347724  - NumBroker  -  02 Mar 2018, 18:27
"A publicação lembra que o interesse do grupo em consolidar os resultados da concessionária em seu balanço já é público há algum tempo, porém, as conversas nunca avançaram. Com a recente desvalorização nas ações, as conversas devem ser intensificadas."

Parece mais que ressuscitaram uma conversa velha para dar um repique nas ações, mas que a empresa é boa e tá razoavelmente barata, isso num dá pra negar.

A menos que você seja do time "como Décio Bazin dizia, evitem empresas envolvidas em escândalos de corrupção e repercussões do gênero...".

347723  - JoaquimTM   -  02 Mar 2018, 18:05
Vendo essa notícia, começo a pensar na possibilidade do majoritário tentar bater no preço da ação, para comprar mais barato. Talvez até fazer uma OPA.

Vimos o que o pessoal da Prumo passou com a EIG, também o imbroglio da Unipar. Será que vai acontecer o mesmo com os minoritários da ECOR3?

347720  - Rocha Preta inc  -  02 Mar 2018, 14:10
Após atingir a mínima em 10 meses, Ecorodovias avança com interesse de italianos
Investing.com Brasil - 02/03/2018 - 11:07
https://moneytimes.com.br/apos-atingir-minima-em-1...

347681  - paulo_prof   -  01 Mar 2018, 16:32
Citação: rafnob - Post #347674 - 01/Mar/2018 15:00
nos preços atuais, ECOR3 ou CCRO3?
Eu estou indo de ECOR3 ... A AGO do dia 17 vai decidir se aprova, ou não, a proposta de distribuição de dividendos de R$ 0,44/ação.

Se aprovar, vc estaria pagando aprox. R$ 9,00 pela ação. Pos outro lado, se aprovar também será um sinal de que a AGO acredita de que não serão necessários recursos próprios para financiar as recentes aquisições.

Evidentemente, haverá um período no qual o lucro líquido poderá sofrer, resultado de um aumento das despesas financeiras maior do que o aumento do Resultado Antes do Financeiro e Impostos. Mas com a taxa anual nominal de crescimento do ebitda na casa dos dois dígitos, em relativamente pouco tempo a empresa deverá conseguir reduzir a alavancagem e, então, ver um ciclo de crescimento do lucro.

347664  - paulo_prof  -  01 Mar 2018, 03:33
Achei os resultados muito bons. A Receita Líquida cresceu substancialmente acima da inflação em ambas as bases, anual e trimestral. O crescimento da Receita Líquida foi acompanhado de uma melhora sensível na margem bruta, e num melhor resultado financeiro. O impacto no lucro líquido é uma consequência.

No 4T17 houve um aumento do endividamento líquido, provavelmente devido as recentes aquisições. Em consequência, o resultado financeiro negativo do 4T foi maior do que aquele do 3T, impactando o lucro líquido, que foi menor do que aquele do trimestre passado.

A empresa resolveu distribuir todo o lucro disponível. Se esta política for mantida, o DY aos preços atuais fica interessante.

Levando em consideração a agressividade da empresa nas aquisições, a expectativa é que a taxa de cresciimento dos resultados nos próximos anos, fique na casa dos dois dígitos com bastante folga. O risco é dar um passo maior do que a perna. A lógica da distribuição de 95% do lucro, entretanto, parece dizer que a geração de caixa dos ativos recém adquiridos deverá ser suficiente para fazer frente aos compromissos financeiros decorrentes.

Por isto tudo, achoh que o ativo está barato.

No que segue, só foram considerados os resultados das operações continuadas!

ECOR3

PREÇO: R$ 10,05

PAYOUT (2017 ): 95%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,25

P/VPA 8,49

PSR 1,75

DY 6,67%

EV/EBITDA 6,09

MARGEM BRUTA 48,7%

MARGEM OPERACIONAL 23,6%

MARGEM LÍQUIDA 12,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,705

MARGEM EBITDA 50,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 911,4%

ROE 59,59%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,22



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,14%

RESULTADO BRUTO +21,35%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,85%

RESULTADO OPERACIONAL +45,15%

RESULTADO LÍQUIDO +45,54%

EBITDA +15,16%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +14,05%

RESULTADO BRUTO +56,15%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -3,31%

RESULTADO OPERACIONAL +14,64%

RESULTADO LÍQUIDO +21,40%

EBITDA +14,01%



c) lucro (taxa média anual)

UA 45,54%

U2A 89,78%

U3A 14,05%



d) patrimônio líquido médio

UA -18,87%

U2A -38,81%

U3A -32,68%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 15,16%

U2A 10,83%

U3A 11,45%

U4A 8,06%

U5A 8,86%

U6A 9,28%

U7A 34,33%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,81

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +3,5%

347106  - paulo_prof  -  15 Fev 2018, 15:57
Dívida alta em relação a o que?

Se a Dívida é garantida pelo fluxo de caixa (e não por patrimônio) o fato do Endividamento Líquido ser da ordem de 6 vezes o Patrimônio Líquido não é relevante. O que interessa, nestes casos, é a alavancagem do endividamento relativamente à capacifdade de geração de caixa.

Ao final do 3T17, o endividamento líquido era da ordem de 2,65 vezes o ebitda gerado nos últimos 12 meses, ou 2,49 vezes o ebitda do 3T17, anualizado. Isto não me patrece uma alavancagem excessiva.

Ainda não há dados disponíveis para que se possa estimar qual a razão entre o endividamento adicional que foi necessário para efetivar as novas aquisições e o ebitda que estas aquisições serão capazes de gerar. Se a razão continuar abaixo d 3, não vejo com o que se preocupar.

O quadro abaixo resume as informações relativas às debêntures emitidas pela empresa. Não me parece que o mercado esteja "esfolando" a mesma.

A posição das debêntures está resumida a seguir:

347091 - jlc007 -  15 Fev 2018, 02:02
E a dívida ? Não lhe parece alta ???

A agressividade tem custos ....

347067 - paulo_prof  -  14 Fev 2018, 01:35
a) foi classificada em primeiro lugar na Concorrência Internacional nº 01/2017 para a concessão da prestação de serviços públicos de operação, manutenção e realização de investimentos como implantação de equipamentos de tráfego e atendimento ao usuário do Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas por um prazo de 30 anos a partir da assinatura do contrato. A classificação se deu em razão do maior valor do ágio ofertado, correspondente a R$420.632.986,00;

b) via controlada ECS, celebrou Contrato de Compra e Venda de Ações com Grant Concessões e Participações Ltda. (“Grant”) referente a aquisição, pela ECS, de 10% do capital social da Ecosul atualmente detido pela Grant. A conclusão da compra está sujeita ao cumprimento de certas condições precedentes usuais, além da comunicação prévia à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE. A ECS pagará R$60 milhões por essa participação, sendo que (i) a 1ª parcela (R$44 milhões) será paga na data de fechamento, e (ii) a 2ª parcela (R$16 milhões, corrigidos pelo CDI) será paga 60 dias contados do pagamento da 1ª parcela;

c) celebrou contrato de Compra e Venda de Ações entre a ECS e os acionistas da Concessionária de Rodovias Minas Gerais Goiás S.A. (“MGO”), referente a aquisição, pela ECS, de 100% do capital social da MGO, por meio, na data do fechamento, da holding da Argovias Administração e Participações S.A.. O valor da aquisição é de R$600 milhões e será liquidado na data do fechamento. A conclusão da aquisição está sujeita à verificação de certas condições precedentes, as quais incluem a aprovação prévia da Agência Nacional de Transportes Terrestres (“ANTT”), do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE, BNDES e demais credores, bem como a autorização dos acionistas da Companhia em Assembleia Geral Extraordinária. A MGO é responsável pela administração, recuperação, conservação, manutenção, ampliação e operação da BR-050 (GO/MG), no trecho de 436,6 quilômetros que começa no entroncamento com a BR-040, em Cristalina (GO), e se estende até a divisa de Minas Gerais com São Paulo, no munícipio de Delta (MG). O contrato foi assinado em 05/12/2013 e expira em 08/01/2044;

d) foi classificada em primeiro lugar na Concorrência Pública Internacional 006/2017, por meio da Secretária de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais (“SETOP”), para exploração por 30 anos do lote de rodovias do Estado de Minas Gerais composto pelos seguinte trechos: (i) BR-135, com extensão 301,20 km; (ii) MG-231, com extensão 22,65 km; e (iii) LMG-754, com extensão 40,10 km, totalizando 363,95 km conforme edital. A classificação se deu em razão da maior oferta pela outorga da concessão que será paga em 348 parcelas mensais no valor de R$5,9 milhões com reajuste pelo IPCA, a partir do 1º mês do 2º ano de
vigência do contrato da concessão, correspondente a um total de R$2,06 bilhões.

Em 30SET2017, o endividamento líquido da empresa era de quase R$ 4,2 bilhões, para um ebitda anual de aprox. R$ 1,65 bilhões. Resta ver se ovs ativos que comprou e as concessões que arrematou vão gerar o caixa suficiente para manter a alavancagem em níveis razoáveis.

Sem dúvida, parece ser a empresa mais agressiva do setor. Não passa nem pensamento! rsssss

347067  -  paulo_prof   -  14 Fev 2018, 01:35
Veja https://br.advfn.com/forum/advfn/2234977/17194#343...

De lá para cá, a Ecorodvias:

a) foi classificada em primeiro lugar na Concorrência Internacional nº 01/2017 para a concessão da prestação de serviços públicos de operação, manutenção e realização de investimentos como implantação de equipamentos de tráfego e atendimento ao usuário do Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas por um prazo de 30 anos a partir da assinatura do contrato. A classificação se deu em razão do maior valor do ágio ofertado, correspondente a R$420.632.986,00;

b) via controlada ECS, celebrou Contrato de Compra e Venda de Ações com Grant Concessões e Participações Ltda. (“Grant”) referente a aquisição, pela ECS, de 10% do capital social da Ecosul atualmente detido pela Grant. A conclusão da compra está sujeita ao cumprimento de certas condições precedentes usuais, além da comunicação prévia à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE. A ECS pagará R$60 milhões por essa participação, sendo que (i) a 1ª parcela (R$44 milhões) será paga na data de fechamento, e (ii) a 2ª parcela (R$16 milhões, corrigidos pelo CDI) será paga 60 dias contados do pagamento da 1ª parcela;

c) celebrou contrato de Compra e Venda de Ações entre a ECS e os acionistas da Concessionária de Rodovias Minas Gerais Goiás S.A. (“MGO”), referente a aquisição, pela ECS, de 100% do capital social da MGO, por meio, na data do fechamento, da holding da Argovias Administração e Participações S.A.. O valor da aquisição é de R$600 milhões e será liquidado na data do fechamento. A conclusão da aquisição está sujeita à verificação de certas condições precedentes, as quais incluem a aprovação prévia da Agência Nacional de Transportes Terrestres (“ANTT”), do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE, BNDES e demais credores, bem como a autorização dos acionistas da Companhia em Assembleia Geral Extraordinária. A MGO é responsável pela administração, recuperação, conservação, manutenção, ampliação e operação da BR-050 (GO/MG), no trecho de 436,6 quilômetros que começa no entroncamento com a BR-040, em Cristalina (GO), e se estende até a divisa de Minas Gerais com São Paulo, no munícipio de Delta (MG). O contrato foi assinado em 05/12/2013 e expira em 08/01/2044;

d) foi classificada em primeiro lugar na Concorrência Pública Internacional 006/2017, por meio da Secretária de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais (“SETOP”), para exploração por 30 anos do lote de rodovias do Estado de Minas Gerais composto pelos seguinte trechos: (i) BR-135, com extensão 301,20 km; (ii) MG-231, com extensão 22,65 km; e (iii) LMG-754, com extensão 40,10 km, totalizando 363,95 km conforme edital. A classificação se deu em razão da maior oferta pela outorga da concessão que será paga em 348 parcelas mensais no valor de R$5,9 milhões com reajuste pelo IPCA, a partir do 1º mês do 2º ano de
vigência do contrato da concessão, correspondente a um total de R$2,06 bilhões.

Em 30SET2017, o endividamento líquido da empresa era de quase R$ 4,2 bilhões, para um ebitda anual de aprox. R$ 1,65 bilhões. Resta ver se ovs ativos que comprou e as concessões que arrematou vão gerar o caixa suficiente para manter a alavancagem em níveis razoáveis.

Sem dúvida, parece ser a empresa mais agressiva do setor. Não passa nem pensamento! rsssss

343875  - paulo_prof -  13 Nov 2017, 09:22
Muito bons os resultados. Além do crescimento robusto da Receita Líquida e Resultado Bruto (com aumento marginal da margem), o Resultado Financeiro ajudou. Em termos de EV/EBITDA deve ser um dos ativos mais baratos do setor. A credito que o risco de um investimento no ativo seja relativamente baixo.

No que segue, só foram considerados os resultados das operações continuadas!


ECOR3

PREÇO: R$ 11,32

PAYOUT (2016 em relação ao lucro líquido "das operações continuadas"): 55%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 16,75

P/VPA 9,06

PSR 2,03

DY 3,28%

EV/EBITDA 6,63

MARGEM BRUTA 45,8%

MARGEM OPERACIONAL 23,7%

MARGEM LÍQUIDA 12,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,676

MARGEM EBITDA 51,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 711,1%

ROE 54,08%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,75



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,23%

RESULTADO BRUTO +1,94%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -26,36%

RESULTADO OPERACIONAL +73,36%

RESULTADO LÍQUIDO +67,35%

EBITDA +15,73%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,47%

RESULTADO BRUTO +13,16%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -30,96%

RESULTADO OPERACIONAL +67,68%

RESULTADO LÍQUIDO +86,87%

EBITDA +18,53%



c) lucro (taxa média anual)

UA 67,35%

U2A 78,87%

U3A 9,37%



d) patrimônio líquido médio

UA -44,40%

U2A -41,51%

U3A -40,92%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,67

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +7,0%

342011  - marcosvinicius2-  13 Set 2017, 22:09
O EBITDA pró-forma comparável,excluindo os ativos mantidos para venda (Elog), cresceu 16,4% totalizando R$412,0 milhões no 2T17 e a margem EBITDA foi de 65,8%, crescimento de 3,6 p.p. quando comparado com o 2T16, devido, principalmente, à melhora do resultado das Concessões Rodoviárias que teve incremento de R$58,7 milhões (+16,5%). Por outro lado, o EBITDA foi impactado negativamente pelo menor resultado nas empresas de Serviços e Holding e pelo resultado negativo do Ecoporto.

ECOR3
PREÇO: 11,14
PAYOUT (2016): -15,25%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 18,86
P/VPA 10,92
PSR 2,11
DY 4,06%
EV/EBITDA 6,95
MARGEM BRUTA 46,41%
MARGEM OPERACIONAL 22,52%
MARGEM LÍQUIDA 11,18%
LUCRO POR AÇÃO 0,591
MARGEM EBITDA 51,63%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 782,54%
ROE 57,90%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,71

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -0,09%
RESULTADO BRUTO 0,30%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,03%
RESULTADO OPERACIONAL 1128,04%
RESULTADO LÍQUIDO -131,14%
EBITDA 40,24%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 16,41%
RESULTADO BRUTO 13,35%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,51%
RESULTADO OPERACIONAL -181,28%
RESULTADO LÍQUIDO -106,49%
EBITDA 2195,34%

c) lucro (taxa média anual)
UA -131,14%
U2A 35,59%
U3A -15,15%

d) patrimônio líquido médio
UA -61,03%
U2A -46,35%
U3A -37,96%

O resultado financeiro do 2T17, excluindo os resultados dos ativos mantidos para venda (Elog), apresentou queda de 17,5%, sendo as variações mais representativas destacadas abaixo: i. Juros sobre debêntures: redução de R$8,7 milhões em função da redução da SELIC e decréscimo do spread das novas emissões; ii. Variação monetária sobre debêntures: redução de R$24,9 milhões devido à queda do IPCA registrado no período; iii. Juros sobre financiamentos: redução de R$8,6 milhões em função da queda da SELIC; iv. Variação monetária e cambial sobre empréstimos e financiamentos: aumento de R$13,5 milhões devido principalmente à apreciação do Dólar em relação ao Real no 2T17(+4,4%); v. Receita de aplicações financeiras: redução de R$11,5 milhões devido à menor disponibilidade de caixa no 2T17 e redução da SELIC.

O lucro líquido comparável foi de R$80,1 milhões (+77,2%) no 2T17, impactado positivamente pelo aumento no EBITDA pró-forma comparável (R$58,0 milhões) e pela menor despesa financeira (R$25,4 milhões). No 1S17 o lucro líquido comparável foi de R$178,1 milhões (+56,4%).

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340632  - paulo_prof   -  01 Ago 2017, 20:40
Resultado dentro do esperado ... na comparação anual, a estagnação da Receita Líquida e do Resultado Bruto são compensados pelo melhor Resultado Financeiro . Na comparação trimestral, os resultados são sólidos, com evolução em todos os parâmetros. Tenho uma impressão de que o ativo pode estar barato.

No que segue, só foram considerados os resultados das operações continuadas!

ECOR3

PREÇO: R$ 10,59

PAYOUT (2016 em relação ao lucro líquido "das operações continuadas"): 55%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 15,07

P/VPA 10,34

PSR 2,02

DY 3,65%

EV/EBITDA 6,99

MARGEM BRUTA 45,6%

MARGEM OPERACIONAL 19,7%

MARGEM LÍQUIDA 13,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,703

MARGEM EBITDA 49,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 868,8%

ROE 68,63%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,71



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,23%

RESULTADO BRUTO -2,41%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -21,20%

RESULTADO OPERACIONAL +60,01%

RESULTADO LÍQUIDO +109,45%

EBITDA +6,12%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,41%

RESULTADO BRUTO +13,35%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,51%

RESULTADO OPERACIONAL +73,50%

RESULTADO LÍQUIDO +33,20%

EBITDA +18,45%



c) lucro (taxa média anual)

UA 109,45%

U2A 47,61%

U3A 5,52%



d) patrimônio líquido médio

UA -61,03%

U2A -46,35%

U3A -37,96%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,01

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,5%

340622  - steve ray   -  01 Ago 2017, 16:36
Ivan nessa sua linha de raciocínio comprei ECOR3 recentemente pela alta dívida quase que completamente ligada a CDI e TJLP. Qquer respiro no PIB vai gerar lucros crescentes e ainda o processo de desalavancagem vai andando.. pena que parece que com a zona de Brasília as novas concessões de infraestrutura a serem licitadas vão ser jogadas para frente assim reduzindo os futuros gatilhos de valorização da ação..mesmo assim acho uma excelente ação para ser comprada numa derretida de mercado.

337679  - paulo_prof   - 09 Mai 2017, 03:01
Como acredito que a empresa seja capaz de replicar o resultado do 1T17 nos próximos trimestres, sou da opinião de que o ativoh estã bem precificado.

No que segue, sõ foram considerados os resultados das operações continuadas!

ECOR3

PREÇO: R$ 9,36

PAYOUT (2016 em relação ao lucro líquido "das operações continuadas"): 55%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 17,43

P/VPA 10,56

PSR 1,79

DY 3,15%

EV/EBITDA 6,47

MARGEM BRUTA 45,6%

MARGEM OPERACIONAL 19,7%

MARGEM LÍQUIDA 10,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,537

MARGEM EBITDA 49,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1028,6%

ROE 60,57%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,66



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,72%

RESULTADO BRUTO -6,84%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -20,57

RESULTADO OPERACIONAL +78,41%

RESULTADO LÍQUIDO +100,52%

EBITDA +7,19%



b) 1T17 vs 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,01%

RESULTADO BRUTO +12,04%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,73%

RESULTADO OPERACIONAL +38,00%

RESULTADO LÍQUIDO +42,39%

EBITDA +10,28%



c) lucro (taxa média anual)

UA 100,52%

U2A 18,68%

U3A -6,69%



d) patrimônio líquido médio

UA -71,06%

U2A -50,09%

U3A -40,26%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,88

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +8,0%

334909  - paulo_prof   -  03 Mar 2017, 02:48
Analisar a ECOR é um rolo ...

No 2T16 resolveu:

a) vender a ELOG Sul e classificar a ELOG e o Ecopátio Cubatão como ativos colocados à venda e, desta forma, passar a não mais consolidar os respectivos resultados, e

b) efetuar o impairment do ativo Ecoporto e baixa do respectivo imposto diferido.

A ELOG Sul foi alienada por R$ 115 milhões (operação completada em outubro) e o valor de alienação dos ativos colocados à venda foi estimado em R$ 160 milhões. Nestas condições, foi reconhecida uma perda de R$ 689 milhões, para que o valor contábil dos ativos fosse reduzido ao valor justo, menos os custos de venda.

O impairment do Ecoporto, no total de R$ 545 milhões é constituído de duas partes: R$ 301 milhões reconhecidos em outras despesas operacionais e R$ 244 milhões em impostos diferidos.


A classificação dos ativos de logística como ativos colocados a venda e as suas atividades como descontinuadas, impacta diretamente eventual comparação entre o passado (4T15 e 2015), com o presente (4T16 e 2016). Em minha planilha, os resultados dos 4 trimestres de 2016 estão segregados, ou seja, desconsideram as atividades descontinuadas. Evidentemente, este só não é o caso do lucro líquido. No que se refere o exercício de 2015, não tive saco de segregar os números relativos as atividades descontinuadas.

No que segue, então, o Resultado Contábil das Operações Continuadas antes dos Impostos foi aumentado de R$ 301 milhões, tanto no que concerne o exercício, quanto o 2T16. O Resultado Líquido Contábil foi aumentado em R$ 545 milhões relativos ao Ecoporto e R$ 689 milhões relativos ao impairment, digamos assim, das atividades descontinuadas, também no 2T e no exercício.

Em princípio, acho que o ativo pode estar caro ... confesso não ter uma estimativa para a taxa real anual do crescimento do lucro líquido e ebitda nos próximos anos. Tenho lá as minhas dúvidas de que a empresa será capaz de apresentar taxas compatíveis com a precificação atual. Tenho o ativo em carteira. Certamenqe não vou aumentar. Se o mercado der moleza devo liquidar.

ECOR3

PREÇO: R$ 9,27

PAYOUT (2016 em relação ao lucro líquido "recorrente": 55%

Múltiplos relativos aos 12 últimos meses (ajustes conforme relatado acima).


P/L 19,15

P/VPA 10,32

PSR 1,82

DY 2,87%

EV/EBITDA 6,67

MARGEM BRUTA 45,4%

MARGEM OPERACIONAL 18,4%

MARGEM LÍQUIDA 9,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,484

MARGEM EBITDA 50,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 986,3%

ROE 53,88%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,69


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,05

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10.5%

333231  - marcosvinicius2  -  28 Jan 2017, 20:43
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T10 X 2T10 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
O EBITDA pró-forma comparável, excluindo os ativos mantidos para venda (Elog), cresceu 4,9% totalizando R$376,5 milhões no 3T16 e a margem EBITDA foi de 63,5% (+1,8p.p.), devido, principalmente, à melhora do resultado das Concessões Rodoviárias que teve incremento de R$18,3 milhões (+5,2%). Por outro lado, o EBITDA foi impactado negativamente pelos resultados do Ecoporto Santos.

ECOR3
PREÇO: 8,67
PAYOUT (2015): 217,34%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -4,78
P/VPA 10,68
PSR 1,65
DY -45,44%
EV/EBITDA 11,92
MARGEM BRUTA 47,08%
MARGEM OPERACIONAL 4,40%
MARGEM LÍQUIDA -34,55%
LUCRO POR AÇÃO -1,813
MARGEM EBITDA 25,98%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1117,00%
ROE -223,22%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,74

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 2,44%
RESULTADO BRUTO 11,18%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -1,07%
RESULTADO OPERACIONAL -49,69%
RESULTADO LÍQUIDO -928,38%
EBITDA -38,08%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,84%
RESULTADO BRUTO 4,40%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -29,60%
RESULTADO OPERACIONAL 131,75%
RESULTADO LÍQUIDO 233,71%
EBITDA 5,75%

c) lucro (taxa média anual)
UA -928,38%
U2A ND
U3A -232,02%

d) patrimônio líquido médio
UA -38,48%
U2A -29,90%
U3A -21,87%

PSBe - Preço Sugerido pelo Balanço, exponencial no lucro:

Citação: PSBe - Preço Sugerido pelo Balanço, exponencial no lucro

PSBe = ((Patrimônio Líquido + Receita Líquida4T + Resultado ñ operacional + ((Lucro4T - Resultado ñ operacional) * EXP( Margem Líquida * -LN(ABS(Margem Líquida)*100*5,56%*SINAL(Margem Líquida))))*Cotação unitária)/nº de ações

Sendo que;
SE(Cotação unitária;1;1000)
Margem Líquida descontada do 'Resultado ñ operacional'
Obs.: Receita Líquida e Lucro em 4 trimestres ou anual


PSBe = ND; PSBe-TAG = ND/ON e ND/PN

VE PSBe = ND

VE PSBe-TAG = ND

Valor de Mercado = 4.843.920.000 em 27/01/2017

( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

331108  - NumBroker   -  10 Dez 2016, 16:39
Pra quem tiver curiosidade e/ou quiser comentar, revisando os números de Ecorodovias. O que mudou?

O cálculo do Fluxo de caixa livre ao acionista agora desconta o Capex de MANUTENÇÃO (está descriminado no release), juros pagos/recebidos e Imposto de renda/Constribuição social.

O Capex de manutenção faz a manutenção das atuais concessões e existe um Capex remanescente contratados 4,5 bi que inferi ser de serviços de construção, que é uma modalidade que não é o foco da empresa no longo prazo, logo desconsiderado no valuation. O EBITDA pro-forma utilizado também desconsidera receitas e custos dos serviços de construção, dado que não é foco do negócio.

Variações financeira não-caixa foram desconsideradas como varição cambial e valor presente de ativos financeiros (o release descrimina o resultado financeiro) não foram consideradas no cálculo do FCL.

Não coloquei a venda da Elog ou Ecoporto, mas quem quiser basta somar 1,80 por ação. Tá a tanto tempo encalhados que deve demorar um bom ainda...

Ecorodovias (sem venda do Ecoporto R$ 572,4 milhões e Elog R$ 449,4 milhões)
EBITDA pro-forma e comparável ( Exclui Receita e Custo de Construção, Provisão para Manutenção e no 9M16 Impairment do Ecoporto (não recorrente e não caixa))
3T16 | 377
2T16 | 354 | Aumento de 22,6 do 3T16 X 2T16 (6,4%)
3T15 | 359 | Aumento de 17,4 do 3T16 X 3T15 (4,8%)

Margem EBITDA (%)
3T16 | 63,50%
2T16 | 62,20% | Aumento de 1,3p.p. do 3T16 X 2T16
3T15 | 61,70% | Aumento de 1,8p.p. do 3T16 X 3T15

Dívida líquida (DL) | 4.117
DL/EBITDA ajust anualizado | 2,73
No ações | 558.699.000
Cotação | 7,2
Valor de mercado | 4.023
Enterprise value (EV) | 8.139
EV/EBITDA ajust anualizado | 5,40
Preço para EV/EBITDA de 8 | 10,66

EBITDA pro-forma e comparável | 1.130 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
(-) Capex total (MANUTENÇÃO) | -69 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
(-) Juros pagos/recebidos | -273 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
(-) IR/CS | -181 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
Fluxo de caixa livre | 607 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
Fluxo de caixa livre (média 3 TRI) | 202 | média dos 3 trimestres de 2016
Fluxo de caixa livre (anualizado) por ação | 1,45
Período de crescimento (anos) | 0
Taxa de desconto (custo de capital) - Perp. | 10,00%
Valor justo FCD | 13,17

330982  - NumBroker   -  07 Dez 2016, 04:13
NumBroker
 1224
 05/09/2011
Dando uma olhada em Ecorodovias... contas feitas num cenário sem crescimento.

Drivers
Venda do Ecoporto R$ 572,4 milhões e Elog R$ 449,4 milhões
Baixa dos juros longos
Leilões de concessão de rodovias em 2017

EBITDA pro-forma e comparável ( Exclui Receita e Custo de Construção, Provisão para Manutenção e no 9M16 Impairment do Ecoporto (não recorrente e não caixa))
3T16 | 377
2T16 | 354 | Aumento de 22,6 do 3T16 X 2T16 (6,4%)
3T15 | 359 | Aumento de 17,4 do 3T16 X 3T15 (4,8%)

Margem EBITDA (%)
3T16 | 63,50%
2T16 | 62,20% | Aumento de 1,3p.p. do 3T16 X 2T16
3T15 | 61,70% | Aumento de 1,8p.p. do 3T16 X 3T15

Dívida líquida (DL) | 4.117
DL/EBITDA pro-forma e comparável e anualizado | 2,73
No ações | 558.699.000
Cotação | 7,2
Valor de mercado | 4.023
Enterprise value (EV) | 8.139
EV/EBITDA pro-forma e comparável e anualizado | 5,40

Fluxo de caixa livre | 132 | média dos 3 trimestres de 2016
(+) Caixa oriundo das atividades operacionais | 971 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
(-) Capex total (exclui não recorrentes) | 427 | acumulado dos 3 trimestres de 2016
(-) Proventos pagos | 147 | utilizei R$ 0,26 por ação já pagos em novembro

Fluxo de caixa livre (anualizado) por ação | 0,95
Período de crescimento (anos) | 0
Taxa de desconto (custo de capital) - Perp. | 10,00%
Valor justo FCD | 8,60

296946 - paulo_prof  -  11 Mai 2015, 20:53
Para uma análise comparativa entre o 1T15 e o 1T14 da ECOR3 há que se desconsiderar a venda da participação na STP, ou seja, no 1T14 deve-se deduzir R$ 269,2 milhões no Resultado Operacional e Ebitda e R$ 207,3 milhões no lucro.

Nestas condições,

Taxas de Crescimento Nominal (desconsiderada a venda da STP no 1T14)

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,32%
RESULTADO BRUTO -7,33%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +34,01%
RESULTADO OPERACIONAL -37,78%
RESULTADO LÍQUIDO -42,32%
EBITDA -1,12%

b) 1T15 sobre 1T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,52%
RESULTADO BRUTO -2,64%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +78,54%
RESULTADO OPERACIONAL -57,60%
RESULTADO LÍQUIDO -64,68%
EBITDA +6,13%

c) lucro líquido, nominal
UA -42,32%
U2A -29,42%
U3A -18,98%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -14,42%
U2A -6,76%
U3A -0,89%

O que realmente matou a empresa no 1T15 foi o Resultado Financeiro !!! Em termos nominais, foi R$ 80 milhões pior do que no 1T14. Como a dívida líquida, no início do 1T15, era de R$ 3,53 bilhões e o resultado financeiro foi negativo em R$ 181 milhões, o custo anual aprox. do endividamento líquido é de 20,5% !!!! Assim não há quem aguente !!!

47% da dívida bruta está indexada ao IPCA (média de IPCA + 5,34%) e 41% ao CDI (média de CDI + 1,56%) ... Sinceramente, ainda não consegui entender como este endividamento resultado num custo anualizado de mais de 20% !!! Algo está estranho!

ECOR3
PREÇO: 8,41
PAYOUT (2014): 95%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses (desconsiderada a venda da STP no 1T14)

P/L 22,06
P/VPA 2,66
PSR 1,58
DY 4,31%
EV/EBITDA 6,91
MARGEM BRUTA 40,8%
MARGEM OPERACIONAL 12,5%
MARGEM LÍQUIDA 7,2%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,381
MARGEM EBITDA 40,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 247,7%
ROE 12,05%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,65

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 3,81

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +20,5%

173575 - vellinhotrt4 -  18 Mar 2013, 15:12
A Ecorodovias (ECOR3) registrou lucro líquido de R$ 422,1 milhões em 2012, alta de 10,2% na comparação anual ...

164051 – pppadv - 19 Jan 2013, 22:08
Sobre concessões:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/2662081/lupatech-sobe-agro-bate-maxima-desde-2011-cai-veja-destaques

Ecorodovias pressionada por rebaixamento...

Os papéis da Ecorodovias (ECOR3) registraram baixa de 1,86%, fechando aos R$ 17,39. Carlos Müller, analista da Geral Investimentos, avalia que esta queda das ações da Ecorodovias se deve a um relatório do JP Morgan, que rebaixou a recomendação dos papéis de overweight (desempenho acima da média) para neutra. Vale mencionar que os ativos da companhia tiveram um volume financeiro quatro vezes acima da média, totalizando R$ 64,6 milhões.

Este movimento se associa também a uma realização, ressalta o analista, em meio ao aporte feito pelo BTG Pactual (BBTG11) na semana anterior. No último dia 11, o banco de investimentos anunciou a compra de 6,5% da Ecorodovias por US$ 255 milhões, o que fez os papéis subirem 5,82% naquela data.

...mas setor desaba com mais disputa

A perspectiva de maior disputa de novas concessões rodoviárias também acabou afetando outras ações do setor. Este é o caso dos papéis da Triunfo (TPIS3), que tiveram queda de 3,61%, fechando a R$ 12,29, enquanto as ações CCR (CCRO3) registraram desempenho negativo de 0,60%, terminado aos R$ 19,99.

Parte deste movimento está associado às novas rodadas de concessões, que terá licitação no dia 30 e envolverá pelo menos seis grupos, de acordo com informações do jornal Valor Econômico. Além da CCR, Ecorodovias e Triunfo, a Invepar, Odebrecht e Acciona também devem participar da concessão.


No primeiro lote, estarão as concessões da BR-116, em Minas Gerais, e a BR-040, entre Brasília e Juiz de Fora (MG). As ações da Arteris (ARTR3), companhia que não foi citada na matéria, registram desempenho quase estável nesta sessão.

329728  - lapenti012   -  10 Nov 2016, 02:33
Bom resultado de ECOR. VLID parece estar se recuperando.

162575- marcelio2 -  07 Jan 2013, 04:43
São Paulo, 04 de janeiro de 2013 - A EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. (BM&FBOVESPA: ECOR3) ("EcoRodovias"), vem comunicar ao mercado que suas ações irão novamente compor a carteira do ISE - Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA, com vigência de 07 de janeiro de 2013 a 03 de janeiro de 2014.

Resultado do 3º Trimestre de 2012

A empresa divulgou lucro líquido de R$ 99,7 M no terceiro trimestre de 2012, uma variação de 18,1% em relação ao 2° trimestre de 2012 e redução de 3,0% em relação ao 3° trimestre de 2011.

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 2,7 B, acréscimo de 39,5% em relação ao saldo no terceiro trimestre de 2011. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 2,1 B no 3° trimestre de 2012, o que representou uma variação de 10,5% em relação ao saldo no 3° trimestre de 2011.

Ao longo do trimestre, a ação oscilou 9,2% contra 8,9% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 9,9 B contra R$ 7,5 B no 3° trimestre de 2011

São Paulo, 10 de novembro de 2011 Resultado do 3T11
ECORODOVIAS COMPRA
(ECOR3) PREÇO-ALVO: R$18,50

Destaques da Teleconferência do 3T11 da Ecorodovias: Mantida a Perspectiva Favorável
Caio Dias Bruno Amorim Alexandre Amson

Conclusão: De forma geral, a teleconferência não trouxe notícias relevantes e mantemos nossa opinião construtiva sobre a Ecorodovias, com base na perspectiva favorável para a empresa.

Notícia/Análise: No dia 8 de novembro, a Ecorodovias divulgou os resultados do 3T11, cujo maior destaque positivo foi a melhoria significativa na lucratividade de suas operações de logística, uma vez que a margem EBITDA dessa unidade de negócios atingiu 21,8% no período, superando o guidance da empresa (margem EBITDA de 20% no 4T11). No dia 9 de novembro, a Ecorodovias realizou sua teleconferência do 3T11. Apresentamos os destaques a seguir:
A administração afirmou que os resultados do 3T11 ainda foram afetados por itens não recorrentes na divisão de logística intermodal, decorrentes da integração com as operações na Colômbia e EADI Sul. Considerando que, mesmo assim, a unidade de negócios de logística registrou uma margem EBITDA de 21,8% (superando o guidance), esperamos melhorias adicionais nas margens nos próximos trimestres. A administração reiterou que a margem EBITDA do segmento de logística deve atingir 25-30% no final de 2012.

Possíveis mudanças no segmento STP podem ser anunciadas este ano, segundo a Ecorodovias. A administração afirmou que uma parceria com uma empresa de cartões de crédito continua sendo uma opção provável.
O guidance de despesas operacionais para o exercício 2011 foi reduzido em aproximadamente R$190 milhões, devido a atrasos na assinatura de aditivos a contratos de concessão. Consequentemente, parte dos investimentos esperados para a Ecovias dos Imigrantes e Ecopistas foram adiados. Além disso, parte dos investimentos da Elog foram adiados devido a atrasos na obtenção de licenças. Considerando que a administração ainda está em processo de assinatura de aditivos contratuais e obtenção de licenças, o guidance de investimentos para o exercício 2012 ainda se encontra em revisão.
O foco da parceria da Ecorodovias com a Fraport se concentra não apenas na primeira rodada de concessões de aeroportos (Guarulhos, Viracopos e Brasília), mas também em outras concessões que possam surgir nesse segmento, de acordo com a administração. A empresa não descartou a possibilidade de novas empresas entrarem na parceria.
As atividades de F&A continuam sendo uma fonte importante de crescimento para a Ecorodovias, e novas aquisições podem ser anunciadas nos próximos meses, de acordo com a administração. Embora não tenham sido mencionados alvos específicos, eles informaram que aquisições nos setores de rodovias pedagiadas e logísticas podem ser anunciadas em breve. 


Análise Coin Valores
Como uma das maiores empresas de infraestrutura logística integrada do Brasil, as operações da EcoRodovias estão organizadas em sistemas que incluem três terminais logísticos e cinco concessionárias de rodovias nos principais corredores de exportação e importação e de circulação de bens, de produção, de consumo e de turismo do país. Pelos mais de 1.450 quilômetros administrados pelo grupo, passam mais de 110 milhões de veículos por ano, o que representa 70% do fluxo de passageiros e turistas, e 48% de toda carga nacional movimentada para exportação e importação. Em São Paulo, o grupo EcoRodovias controla as concessionárias Ecovias e Ecopistas, que administram, respectivamente, o Sistema Anchieta-Imigrantes, principal acesso ao Porto de Santos e às praias da Baixada Santista, e o corredor Ayrton Senna/Carvalho Pinto, que liga a capital paulista ao Porto de São Sebastião e ao centro industrial Vale do Paraíba, às praias do litoral norte paulista e à região serrana de Campos do Jordão. No Paraná, a Ecovia administra a BR-277 de Curitiba a Paranaguá, acesso ao porto e ao litoral paranaense, e a Ecocataratas, de Guarapuava a Foz do Iguaçu, que, além de ser importante região turística, é também corredor de acesso ao Mercosul. No Rio Grande do Sul, a Ecosul administra o polo rodoviário de Pelotas, que dá acesso ao litoral gaúcho e ao porto de Rio Grande.

RETROSPECTIVA 2010
O ano de 2010 representa um marco na história da companhia. Apenas sete meses após a realização do IPO, que captou, em abril, R$ 872 milhões, a valorização das ações da companhia de quase 50% traduz o quanto a estratégia da empresa foi compreendida pelo mercado. O ano
também foi marcado pela assinatura do acordo de participação acionária da BRZ na Elog, braço de logística do grupo; pela concretização da compra da Armazéns Gerais Columbia e Eadi Sul, que somam, ao todo, 14 novos ativos no Sul e no Sudeste; inauguração do Ecopátio Imigrantes e celebração da assinatura do contrato de arrendamento de uma área de 1,8 milhão de metros
quadrados para desenvolvimento do Ecopátio Viracopos.

PERSPECTIVA 2011
A necessidade de o país garantir níveis de investimentos cada vez mais elevados na área de infraestrutrura em rodovias, portos e aeroportos, para reduzir os gargalos que ainda impedem o crescimento mais acelerado e contínuo da economia, abrem um leque de oportunidades para iniciativa privada, já que o setor público não dispõe de recursos suficientes para cumprir com tamanha demanda de investimentos. Diante desse cenário, a EcoRodovias se posiciona hoje como uma maiores empresas integradoras de logística do país. Além de uma das maiores operadoras de rodovias do Brasil, com a aquisição da Armazéns Gerais Colúmbia e Eadi Sul, por meio de contrato firmado em maio com a Elog, a empresa passa a ser uma das principais operadoras de terminais alfandegados, e a contar com sistemas logísticos em todas as rodovias que controla atualmente, ampliando sua área de influência nas regiões Sul e Sudeste. Com objetivo de ampliar essa cadeia logística, a companhia também observa oportunidades de negócios em portos e aeroportos, focados principalmente no transporte de cargas. No setor rodoviário, a companhia continua acompanhando o desenvolvimento de novos projetos de concessões rodoviárias, para participar de licitações sempre dentro da estratégia do grupo de atuar nos principais corredores de importação e exportação. Também vê oportunidades no mercado secundário e mantém negociações com os poderes concedentes para, por meio de novos investimentos, ampliar a capacidade de tráfego das rodovias sob sua administração. O foco de nossa estratégia é criar sistemas logísticos que integrem todos os serviços de importação e exportação em um único espaço, contribuindo decisivamente para dar mais eficiência à cadeia logística, reduzindo o custo das operações e tornando o Brasil mais competitivo.

Nenhum comentário: