Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

terça-feira, 17 de março de 2020

Log-in (LOGN)


Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: SmallCaps (dez/08)
Carteiras
BAC 1000 (jul/16)  - effexop (jun/19, jul/19) - Gersonlp (jun/18) - letzow (jul/16, ago/16) - paulo_prof (nov/19, dez/19) - PURAT (out/16, nov/16)
Códigos de Negociação
Tipo
LOGN3
Novo Mercado 
Balanços
3T2019 -

2T2019 -

1T2019 -

A2018/4T2018 -

3T2018 -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LÍQUIDA = A receita operacional líquida em 30 de setembro de 2018 somou R$728,1 milhões, um aumento de 18,1% em relação ao mesmo período de 30 de setembro de 2017, quando foi de R$616,5 milhões (reduzida de R$23,1 milhões por valores reclassificados para “resultado mensurado com ativos não circulantes mantidos para venda”, conforme Nota explicativa 24 das DFs).; RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = Em 30 de setembro de 2018 o resultado financeiro líquido foi negativo em R$108,5 milhões, composto por R$97,4 milhões de despesas financeiras e por R$58,6 milhões de resultado dos efeitos cambiais líquidos, negativo, face aos efeitos da variação da moeda americana frente ao Real (depreciação de 21,0%) nos primeiros nove meses de 2018, incidentes sobre o saldo dos financiamentos das embarcações em dólar norte-americano e de empréstimos com operações de capital de giro, bem como de contas a receber e a pagar indexados, compensado pelas receitas financeiras de R$47,5 milhões no período.

2T2018 -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). Resultado Financeiro = O Resultado Financeiro montou saldo negativo de R$81,6 milhões no 2T18, frente ao saldo negativo de R$50,8 milhões no 2T17. O resultado do 2T18 é composto por: receitas financeiras de R$1,4 milhão, despesas financeiras de R$37,1 milhões e variações monetárias e cambiais que somaram um saldo negativo de R$45,9 milhões. As variações monetárias e cambiais são compostas por despesas de variação cambial no valor de R$39,5 milhões sobre empréstimos e financiamentos de longo prazo indexados ao Dólar (R$3,86 em 30/06/2018 versus R$3,32 em 31/03/2018), e pelo saldo de R$6,4 milhões em despesas referentes às variações cambiais no Contas a Receber e em Fornecedores.; Resultado Líquido = No 2T18, o resultado foi negativo em R$52,9 milhões, resultado este inferior ao prejuízo de R$559,1 milhões no 2T17, impactado pelo montante não recorrente de R$502,9 milhões de impairment realizado no período.

1T2015 -
danieljoseaa  -
Terrível o resultado financeiro da LOGN3
Características
Empresa de logistica que oferece soluções integradas para o transporte de contêineres por meio marítimo. Com Ponta Rodoviária. Além dos serviços referentes aos seus terminais portuário e intermodais.
Assuntos mais Comentados

Links

Balanços (Calendário)
16/03/2020
 DFP 2019

 ITR 1T 2020

 ITR 2T 2020

 ITR 3T 2020





17/03/2020 - Apresentações a analistas/agentes do mercado

17/03/2020 - DFP - 31/12/2019

16/03/2020 - Press-release

06/03/2020 - Aquisição de Navio Porta-Contêiner
vem informar que sua subsidiária Log-In International GmbH (“Log-In GmbH”), sediada na Áustria, concluiu no dia 05 de março de 2020 a operação de compra de uma embarcação porta-contêiner. A embarcação foi adquirida da Lomar Shipping e o valor da transação foi US$13,1 milhões. O navio,   que será   denominado Log-In   Endurance, possui capacidade   nominal   de   2.800   TEUs e foi construído  no  estaleiro  chinês  Guangzhou  Wenchong Shipyard.

LOGN3
O modal hidroviario e de longe o mais economico e vantajoso, ferroviario vem em seguida e o mais caro e o rodoviario... tanto que em paises aonde houve um minimo de preocupacao com a logistica, a ordem de importancia e abrangencia dos modais e exatamente essa...
Porem o Professor Paulo mencionou muito bem a total falta de estrutura do Brasil para, num momento que o pais esta quebrado, fazer uma grande alteracao na participacao atual entre os modais...
Logico que muita coisa ja esta sendo gestada na area de infraestrutura, porem como e uma area altamente intensiva de capital, os projetos sao demoram bastante para sair do papel e bem na verdade o Brasil nao ta dando conta nem de terminar os projetos que ja estao em andamento...vide a ferrovia Norte-Sul, que começou nno governo do Sarney...e la ja se foram mais de 30 anos e ela ainda nao esta acabada...Transposicao do Rio São Fracisco idem...
Inclusive Guedes esta sendo extremamente otimista quando diz que em menos de 5 anos teremos um custo baixo de gas natural no Brasil por causa da quebra do monopolio da Petro no transporte e dos estados na distribuicao...
Realmente muito esta sendo feito... mas os efeitos serao sentidos bem mais tardiamente que nas previsoes otimistas do Guedes...nas estamos começando...
Na questao da cabotagem... o grande impecilhos e a extrema carencia de portos minimamente estruturados... e por incrivel que pareca, a unica regiao aonde o transporte fluvial e relevante e a Regiao Norte... justamente a mais carente... e em grande parte porque a construcao de rodovias ou ferrovais por la e extremamente cara e dificil... conhecemos bem a historia da ferrovia Madeira-Mamore e da rodovia transamazonica...
Disto isto, e altamente improvavel que a LOGN3, ou qualquer outra empresa que opere cabotagem, tenha um aumento expressivo na demanda por seus servicos no curto prazo (4/5 anos)porem se os investimentos nos portos e teminais forem intensificados, ela vai crescer gradativamente...
O que acontece com a LOGN3 e que agora ela tem dono... o Alaska nao vai largar o osso tao facil... alias e mais facil eles comprarem todo o capital da empresa do que largarem esse ossão que eles abocanharam... mas acreditem que o investimento é para o longo prazo... Se a Cia tiver uma boa governanca,se o Brasil crescer, os juros ficarem nesse patamar ou abaixo por uma decada ou mais e os investimentos em infra estrutura, os quais deverao ser encabeçados por grandes bancos e fundos de pensao forem intensificados... a LOGN3 terá um ceu de brigadeiro para voar livremente no futuro... algo que, de forma bem semelhante ja esta acontecendo com a Eneva, guardadas as devidas diferencas entre as atividades "core"... porque ambas sao referencia no setor que atuam...
365464  - paulo_prof  -  24 Nov 2019, 17:44
Há um outro detalhe que pode interferir nos resultados futuros da LOGN. Hoje, o governo não tem os recursos para investir no que é necessário (portos e respectivas rodovias de acesso). Caberá à iniciativa privada faze-lo. No cenário de hoje, entretanto, não há uma justificativa econômica para que a iniciativa privada coloque grana no negócio. Para tanto será necessário que a efetiva demanda pela cabotagem cresça a taxas muito maiores do que as atuais (em relação a 2017, o aumento de carga transportada em 2018 foi de apenas 4,1%).

Está no forno o Plano de Estímulo à Cabotagem (o tal Projeto BR do Mar mencionado pelo Periquito Verde) que deverá ir ao congresso até o final do Ano. Neste projeto de Lei há diversas propostas que de fato aumentariam significativamente a competitividade da cabotagem, mas dependem do congresso aprovar. Por exemplo, uma delas diz respeito a zerar o ICMS do bunker de cabotagem. Será que os deputados vão aprovar algp que mexe com o bolso dos estados?

Outra medida já foi tomada pela Camex, de zerar o imposto de importação das embarcações de transporte de cabotagem. De acordo com a avaliação do Secretário Nacional de Portis e Transportes Aquários: “A iniciativa vai desenvolver o transporte marítimo, dinamizar os investimentos privados na constituição de frota no Brasil, reduzir a barreira de entrada para novos players, ampliar a oferta de transporte marítimo na costa brasileira, reduzir os custos logísticos nacionais e otimizar o uso dos recursos públicos nos investimentos em infraestrutura”..

Mas o principal ponto do projeto é a abertura do mercado a empresas estrangeiras. Em princípio, para usar embarcação estrangeira sem suspensão de bandeira (sem precisar se submeter às regras brasileiras), a empresa de cabotagem teria que operar com um percentual ainda não definido (tipo, 50% da capacidade das embarcações), de embarcações brasileiras. Aí há divergência entre os Ministérios da Infraestrutura e Economia. Se a decisão coubesse ao Paulo Guedes, a empresa estrangeira poderia operar no Brasil sem lastro. O Ministério da Infraestrutura afirma que o lastro é necessário para proteger o nosso mercado de flutuações internacionais (nos períodos em que as coisas vão mal no exterior, o nosso mercado seria inundado de embarcações, como fuga em massa quando a situação adversa fosse revertida) e não para proteger as nossas empresas.

Embora, em qualquer das hipóteses de lastro, a LOGN possa também ter embarcações com bandeira estrangeira, o fato é que se o plano do governo der certo, a competição deve aumentar. No curto e médio prazos, portanto, a probabilidade dos resultados da LOGN piorarem não pode ser totalmente desprezada. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

Alguém comprado em LOGN3?
Melhor segurar e esperar uma recuperação ou seria ladeira abaixo?
365426  - paulo_prof  -  22 Nov 2019, 14:03
A base de ações ex-tesouraria vai para 96,4 milhões. Se vc considerar que o preço de subscrição, de R$ 14,50, é justo, para que o resultado da fórmula do FCD, com uma taxa de desconto real de 8% e taxa de crescimento real nula do LPA para todo o sempre, fosse o mesmo, o LPA teria que ser de R$ 1,12. Isto é equivalente a um lucro líquido anual de aprox. R$ 110 milhões, ou R$ 27,5 milhões por trimestre!

Desejo muita sorte aos comprados porque acho que a empresa não tem as mínimas condições de postar lucros nesta faixa. Por outro lado, se não estou enganado, o Alaska estava se desfazendo do papel, mas não sei em que pé estão as coisas hoje (se o Alaska já se desfez do papel, continua vendendo, ou comprando).

Tenho um colega de turma que trabalha no setor de logística e tem experiência em navegação de cabotagem. Segundo ele, no Brasil, não há como a navegação de cabotagem (ou trem) competir com o transporte rodoviário sem subsídios. Ou seja, para que a LOGN consiga postar os lucros implícitos em sua precificação, necessitará de MUITO SUBSÍDIO.

É claro que, considerando a liquidez, a LOGN3 é um papel manipulável no mercado. Um fundo de ações eventualmente interessado em lucrar não teria muitas dificuldades em levantar o preço do papel durante um período (como foi o caso do Alaska). Ocorre que hoje, na minha opinião, o papel está caro. Dificil um fundo de ações decidir entrar com os dois pés visando turbinar o preço.

365448 - periquito verde - 22/Nov/2019 21:13
Tua análise está correta mas desconsidera alguns fatos que estão começando a alterar a realidade do setor.

Atualmente, o modal mais subsidiado no Brasil é o de transporte rodoviário. Tal subsídio ocorre através da baixa carga tributária incidente sobre o diesel, muito menor que a incidente sobre a gasolina. É por isso que na saída da refinaria o preço do diesel é maior que o da gasolina mas nos postos há situação inversa. Esse subsídio existe há tanto tempo que nem me recordo quando foi implantado.

O governo atual, através do ministro que considero o mais competente do time, lançou um pacote de medidas que vai turbinar o setor. Citando os links:

Citação: links
“Optamos por BR do Mar porque não é somente um fomento à navegação, mas, sim, uma alternativa logística à rodovia. Vale ressaltar, entretanto, que nosso interesse é desenvolver a cabotagem de forma perene. Por isso não se trata de concorrência”, disse. Uma das metas do programa é duplicar, ou até mesmo triplicar, a movimentação de cargas por esse tipo de transporte, até 2022. “Estudamos o mercado e pensamos em operações especiais de incentivo à consolidação da frota, além de instrumentos diferenciados para cada tipo de cabotagem.”

"O 'BR do Mar', como vem sendo chamado o programa, prevê mudanças no sistema de afretamento de embarcações e no Adicional ao Frete da Marinha Mercante (AFRMM). O ministro da infraestrutura, Tarcísio de Freitas, acredita que o modal, que vem crescendo 10% a 12% anualmente, tem condições de crescer 30% ao ano."
"“Vamos nos libertar de determinadas amarras que durante muito tempo focaram a proteção da indústria naval e acabaram tirando potencial da cabotagem”, afirmou Freitas na última quarta-feira (31), durante o programa Central Globonews. Na ocasião, ele disse que o programa vem sendo conversado com representantes da construção naval e dos sindicatos de marítimos. As novas regras, que mexem com o marco regulatório do setor da navegação (Lei 9432/1997), devem vir por meio de uma medida provisória."


O governo atual quer retirar dos caminhoneiros o poder de parar o país, além de tornar a logística brasileira mais eficiente e moderna, reduzindo através disso o "Custo-Brasil". Os pronunciamentos de agentes governamentais até agora foram no sentido de estimular investimentos privados no modal ferroviário e principalmente na cabotagem. Não me recordo de governo anterior que tenha olhado com carinho para o abandonado setor de cabotagem. Considerando a competência do ministro Tarciso, aposto no setor e considero sua atual situação deprimida como propícia para grandes ganhos de volume e margens.

https://renovamidia.com.br/tarcisio-prepara-pacote-de-estimulo-a-navegacao-de-cabotagem/

https://twitter.com/tarcisiogdf/status/1158152977422721024

https://twitter.com/tarcisiogdf/status/1192417942262231041

http://transportes.gov.br/ultimas-noticias/9134-br-do-mar-%C3%A9-tema-de-evento-realizado-pela-ag%C3%AAncia-infra.html

https://www.portosenavios.com.br/noticias/navegacao-e-marinha/br-do-mar-vai-libertar-cabotagem-de-amarras-que-retiram-seu-potencial-diz-ministro

periquito verde

365452  - paulo_prof  - 23 Nov 2019, 03:24
Acho que é meio forçar a barra afirmar que a menor taxação do diesel é subsídio. Por outro lado, se a taxação da gasolina fosse reduzida, em nada beneficiaria a navegação de cabotagem.

Ou seja, não há como encarecer o transporte rodoviário para viabilizar o crescimento da cabotagem a taxas chinesas. Infelizmente (de acordo com o meu colega de turma), a única forma é o subsídio aplicado diretamente na veia.

Devido as suas características, não há como a cabotagem ter aplicação universal. Nem todas as cargas são eficientemente transportadas. A estrutura de vários portos, bem como a capacidade das rodovias de acesso são deficientes, inadequadas. Se é para a cabotagem crescer 30% ao ano, quem é que irá investir para adequar rodovias e portos? Hoje, estoques tendem a ser pequenos. O "just in time" torna-se mais importante do que preço. Se uma empresa de transporte não consegue entregar no tempo acertado, bau, bau. No esquema caminhão - porto - cabotagem - porto - caminhão é necessário muito mais "azeite" do que no esquema caminhão da orígem ao destino.

Hoje, o subsídio à cabotagem está limitado ao AFRMM que, em maior parte, é pago pelos contratantes de fretes de longo curso. Mas parte é paga pelo contratante do frete de cabotagem, ,ou seja, deixa de ser subsídio.

Enfim ... falar é fácil; muito mais difícil é transferir do papel para a prática!

Veremos!

365454  - PERIQUITO VERDE -  23 Nov 2019, 12:00
Nós concordamos que a situação atual do setor de transporte marítimo no Brasil é ruim; divergimos apenas quanto às suas perspectivas. O setor hoje é um grande gargalo na logística nacional. Não há como o Brasil se desenvolver tendo o modal rodoviário como principal meio de transporte. Nenhum país desenvolvido com as nossas dimensões transporta cargas através de rodovias de uma região a outra porque essa é a opção mais cara para médias e longas distâncias.



O lucro grande vem quando compramos algo ruim que depois se torna bom.
EIxX9fWsAAe6gq5dd91d93d75a4.jfif

EIxX9SbWkAEiq7m5dd91da72cdb3.jfif

365456  - paulo_prof  - 23 Nov 2019, 14:08
Tudo bem ... mas para, digamos, "destravar' o transporte de cabotagem será necessário investir em infraestrutura, além de subsidiar. Mas com o país falido, como é que isto poderá ser feito?

No Brasil, o custo de aquisição de um navio é de 30% a 50% maior do que aquele que vigora no exterior. Além disto, navio também paga um nota de IPVA. Do ponto de vista econômico, se sou dono de um negócio de operação de transporte de CARGA GERAL tenderei a investir em transporte rodoviário. Os equipamentos têm evolução tecnológica a cada ano e posso trocá-los todos os anos. Com o trem e o navio leva-se pelo menos 20 anos para trocar a tecnologia de equipamento.

No mercado de carga geral se considera o mercado de fretes. Na iniciativa privada temos concorrência. O mercado funciona. O cliente usa um binômio custo e tempo de entrega. Para alguns tipos de mercadoria, o tempo de entrega é determinante pois estão no processo de just in time. O transporte é um pouco mais complexo do que apenas o custo de operação.

Esta sua figura mostrando que o frete rodoviário entre Belém e São Paulo é 83% mais caro do que a cabotagem envolve uma série de premissas que na prática não se confirmam. O custo da cabotagem certamente foi baseado na hipótese de navio 100% carregado. Ou seja, a premissa supõe um mercado já plenamente desenvolvido.

Qual é hoje a demanda de carga geral entre São Paulo e Belém que possa ser colocada em containers e com exigências de prazo parecidas? Na figura faltam entrepostos e pontas rodoviárias. Carga sai de caminhão de diversas orígens em Belém. Num entreposto são "containerizadas", aí percorrem o trajeto de sua figura. Na outra ponta ocorre a "descontainerização" ... e tudo isto sendo obrigado a satisfazer os requisitos de prazo de entrega.

Não é tão simples!






                                                                                           ▲                                                                      ▲
365083 - paulo_prof -  08 Nov 2019, 21:06
Se o lucro líquido anual fosse constante em termos reais, o preço atual corresponderia a um lucro anual de aprox. R$ 73 milhões para uma taxa de desconto de 8% reais, ou de R$ 55 milhões para uma taxa de desconto real de 6%.

Se uma taxa de crescimento real do lucro, constante e perene, de 4% for assumida, para uma taxa de desconto real de 8%, um lucro anual atualizado de R$ 35 milhões seria necessário.

A empresa parece estar longe disto. A Receita Líquida está crescendo lentamente. Nos últimos 12 meses, a taxa de crescimento nominal foi de apenas 5,3%. Felizmente, houve uma aumento considerável da margem bruta e, em consequência, o Resultado Bruto dos últimos 12 meses cresceu 67% sobre o resultado dos 12 meses terminados no 3T18. Ocorre que a margem bruta, que emplacou 22,1% no 3T19, não poderá melhorar significativamente. Em consequência, a melhora dos resultados terá que vir via crescimento da receita.

No 3T19 o Resultado Financeiro impactou sensivelmente os Resultados. A desvalorização do real impactou negativamente o Resultado Antes dos Impostos em R$ 37,2 milhões (no 3T18 haviam sido R$ 13,2 milhões). Como o Resultado Antes dos Impostos totalizou R$ 21,6 milhões negativos, não fosse a correção cambial desfavorável o resultado do trimestre teria sido um pequeno lucro.

De qualquer forma, entretanto, para uma cenário de estabilidade cambial, ainda falta Receita Líquida para que o preço atual seja justificado.

Tenho um colega de turma do curso de engenharia que é especialista no setor de transporte de cabotagem. Segundo ele, no Brasil dificilmente a cabotagem consegue ser competitiva. Só mesmo com fortes subsídios e oara cargas especiais. A maior mecanismo de subsídio é o AFRMM (Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante). Nos 9M19, a empresa reconheceu R$ 43 milhões na rubrica. Estes recursos basicamente só podem ser utilizados na compra, transformação ou reparo de embarcações mas, infelizmente, são cobrados do contratante do frete, encarecendo o mesmo.

Embora ache que o ativo esteja caro para os resultados do momento, acredito que o risco de um investimento no ativo seja baixo porque há fundos que têm interesse em não deixar o preço cair.

M0=

LOGN3

PREÇO: R$ 19,22

PAYOUT: 0,0% (prejuízos acumulados)



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -93,13

P/VPA -2,75

PSR 0,88

DY 0,00%

EV/EBITDA 11,30

MARGEM BRUTA 20,2%

MARGEM OPERACIONAL -2,1%

MARGEM LÍQUIDA -0,9%

LUCRO POR AÇÃO -R$ 0,206

MARGEM EBITDA 18,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -417,7%

ROE 2,95% (deu positivo porque tanto o Lucro quanto o Pat Liq são negativos)

LIQUIDEZ CORRENTE 1,13

364939 - keep_calm  -  04 Nov 2019, 17:44
Log-In (LOGN3): O registrou prejuízo de R$ 17,2 milhões no terceiro trimestre de 2019, revertendo assim o lucro líquido de R$ 2 milhões no mesmo período de 2018.

364011  - paulo_prof   -  05 Set 2019, 01:15
No comentário feito acima, há aprox. 3 meses, considerei os resultados contábeis sem expurgos. Lendo as Notas Explicativas com atenção, entretanto, cheguei à conclusão que no caso da LOGN não dá para desconsiderar os efeitos não recorrentes:

No 3T18 houve uma venda de ativo que propiciou uma receita não recorrente de aprox. R$ 12 milhões. No 4T18 houve uma receita não recorrente de aprox. R$ 34,4 milhões relativa à recuperação de créditos fiscais.

Em consequência, os resultados líquidos expurgados do 3T18 e 4T18 foram negativos. No que segue, portanto, anualizei os resutados do 1S19 para obter os múltiplos. Não arrisco a especular se a empresa será capaz de postar, nos próximos semestres, lucros líquidos crescendo na taxa real exigida para justificar o preço corrente.
Q=


LOGN3

PREÇO: R$ 19,90

PAYOUT: 0,0% (prejuízos acumulados)



Múltiplos baseados nos últimos 6 meses anualizados

P/L 24,42

P/VPA -2,16

PSR 0,72

DY 0,00%

EV/EBITDA 7,02

MARGEM BRUTA 20,9%

MARGEM OPERACIONAL 5,6%

MARGEM LÍQUIDA 2,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,815

MARGEM EBITDA 27,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -403,5%

ROE -8,84%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,00



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 10,19

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +16,5% !!!!

361853  - vidadetrader  -  10 Jun 2019, 14:55
LOGN3

https://www.einnews.com/pr_news/486913517/world-s-first-digital-shipping-company-brazil-s-log-in

Traduzido :

Primeira empresa de remessa digital do mundo: o login do Brasil

Fundador da Loginno Shachar Tal

Fundador da Loginno Amit Aflalo

Log-In CEO Marco Cauduro

Marco Cauduro, CEO da Log-In

O visionário da Logística da IoT Loginno revela o vencedor do The Contopia Factor e a primeira empresa de navegação digital do mundo: Brazilian Log-In Logistica Intermodal

Um incrível avanço para a Log-In, a primeira empresa de envio digital do mundo. Nossos clientes terão visibilidade de ponta a ponta, inúmeros valores Contopia. É um jogo totalmente diferente agora ”- Marco Cauduro, CEO da Log-In AVTEL, ISRAEL, 6 de junho de 2019 /EINPresswire.com/ - Exatamente seis meses atrás, Loginno, uma startup visionária de logística de IoT de Israel, lançou uma competição chamada O fator Contopia (Container Utopia), entre todas as companhias de navegação de médio a pequeno porte. O vencedor do The Contopia Factor recebe toda a sua frota de contêineres convertidos em contêineres inteligentes, para se tornar a primeira empresa de navegação realmente digital do mundo.

17 empresas de navegação de todo o mundo passaram pelo processo de candidatura, quatro de diferentes regiões foram selecionadas como finalistas, com a Log-In Logística Intermodal (BVMF: LOGN3), um dos principais players de cabotagem da América Latina, para finalmente conquistar a vitória. Em um dos eventos mais comentados e aguardados da Nor-Shipping, a maior conferência global de embarque de 2019, os fundadores da Loginno Shachar Tal e Amit Aflalo entregaram o prêmio First Digital Shipping Company ao CEO da Log-In, Marco Cauduro e Log-In Operations. e o gerente geral de fretamento, Luis Henrique Godoi.

“Os fatores vitoriosos da Log-In”, disse Shachar Tal no evento, “foram sua prontidão para lidar com um projeto estratégico e complexo da Contopia, sua abertura e honestidade durante todo o processo de seleção e a qualidade, paixão e dedicação da Log-In. equipe executiva, que demonstrou comprometimento e brilhantismo ao formarmos juntos o plano vencedor. Tudo isso, juntamente com uma operação bem adequada, que acreditamos poder demonstrar muito claramente os valores da Contopia, e alcançar um retorno fantástico sobre o investimento; algo que é crítico para nós provarmos. ”

Marco Cauduro, CEO da Log-In, acrescenta: “Este é um incrível avanço para a Log-In, sendo a primeira empresa de envio digital do mundo. Aqueles que conhecemos não podem esperar para compartilhar as novidades com nossos colegas de trabalho, clientes, parceiros e acionistas. A vitória é ainda mais doce, considerando que os concorrentes da Log-In na região são duas das três principais linhas de expedição. Temos sido bem-sucedidos até agora como uma empresa de navegação menor contra esses gigantes, mas agora esperamos ter uma vantagem substancial em nosso mercado, permitindo que nossos clientes tenham acesso a uma visibilidade de ponta a ponta e a inúmeros valores da Contopia. É um jogo totalmente diferente agora. ”

Acrescenta Luis Henrique Godoi, Gerente Geral de Operações e Fretamento da Log-In e gerente de projetos da Contopia: “Será uma grande honra fazer parceria com a Loginno para interromper o setor. Agradecemos à equipe da Loginno por sua confiança em nossas capacidades e esforços para tornar este projeto uma realidade. Agora, é hora de a Log-In, juntamente com a Loginno e os parceiros muito respeitados da Contopia, brilhar e mostrar ao mundo o que é a Contopia! ”

Nas próximas semanas, a Log-In e a Loginno estarão finalizando o plano de implementação da Contopia, com a implementação do serviço em si prevista para o final de 2019, para consistir em um plano de eficiência operacional interno baseado em tempo real e Aplicativo de visibilidade em tempo hábil para os expedidores, para ser vendido como um serviço opcional de valor agregado para todas as remessas de Log-In, acessíveis diretamente no portal de Log-In. “Normalmente somos elogiados pela parte de hardware do nosso serviço, mas também planejamos algumas surpresas realmente agradáveis para os clientes da Log-In no aplicativo”, sugere o Loginno Founder Amit Aflalo. “Os primeiros clientes da empresa de navegação digital terão valor que você não encontrará em nenhum outro lugar do mundo, mesmo em outros serviços de contêineres inteligentes existentes”.

Sobre Loginno:

A Loginno está liderando uma iniciativa all-star para selecionar uma empresa de transporte, cuja frota de contêineres será digitalizada em 2019, o primeiro marco na criação da Contopia (Container Utopia), a infra-estrutura mundial de contêineres, carga de mineração e dados de viagem. Os dados da Contopia revelam inúmeras possibilidades e modelos de negócios em toda a cadeia logística de contêineres.

Para esse fim, a Loginno está liderando uma iniciativa all-star para selecionar uma empresa de transporte, cuja frota de contêineres inteira será digitalizada em 2019.

https://loginno.com/

Sobre o log-in:

A Log-In planeja, gerencia e opera as melhores soluções para o movimento de cargas por meio da cabotagem, complementadas pelo principal transporte rodoviário. A Log-In possui uma rede integrada que facilita o movimento portuário e o transporte porta-a-porta, graças a uma extensa rede intermodal que permite um alcance geográfico que abrange todo o Brasil e o Mercosul. A Log-In também oferece armazenamento de carga nos terminais.

www.loginlogistica.com.br

361586  - paulo_prof  -  30 Mai 2019, 02:46
A margem bruta total alcançada no 1T19 foi de 21,4%, mais do que o dobro daquela do 1T18. No segmento navegação costeira, a margem bruta alcançou 24,5% (no 1T18 havia sido de 14,3%). Em consequência, embora a receita líquida tenha crescido apenas 8,91% em relação ao 4T18, o resultado bruto cresceu 118,60%.

Não há como comparar o Resultaado Antes dos Impostos e Lucro devido à Receita não recorrente contabilizada no 1T18, referente aos juros de créditos fiscais.

O lucro contabilizado no 1T19 somou R$ 5,2 milhões, abaixo dos R$ 6,5 milhões trimestrais necessários para justificar o preço atual. Há que se observar, entretanto, que a despesa de IR/CS contabilizada no 1T19 corrrespondeu a 68% do Lucro Operacional, ou seja, bem acima dos 34% usuais.

Ao que tudo indica, se o lucro trimestral médio contabilizado nos últimos 3 trimestres puder ser mantido, o ativo pode estar barato.


LOGN3

PREÇO: R$ 8,80

PAYOUT: 0,0% (prejuízos acumulados)



Múltiplos baseados nos últimos 9 meses anualizados

P/L 10,94

P/VPA -0,94

PSR 0,32

DY 0,00%

EV/EBITDA 7,01

MARGEM BRUTA 18,3%

MARGEM OPERACIONAL 3,4%

MARGEM LÍQUIDA 2,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,805

MARGEM EBITDA 22,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -368,3%

ROE -8,56%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,05



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 10,06

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,0% !!!!

359554 - paulo_prof  - 21 Mar 2019
Beneficiado por uma Receita de Variação Cambial de R$ 7,7 milhões e uma Receita de IR/CS de R$ 8,9 milhões, a empresa lucrou R$ 15,2 milhões no 4T18. Como se pode observar, a empresa está fortemente flertando com o turn around.

No que se refere o segmento da navegação costeira, embora a Receita Líquida tenha caído em relação ao 3T18, a margem bruta aumentou, de modo a propiciar um maior Resultado Bruto. A margem bruta do segmento Navegação Costeira vem evoluindo anualmente. No 4T18 emplacou 37,1%, a melhor da série. Em 2017 havia sido 17,1%; em 2018 aumentou para 28,8%! Em 2019 deverá situar-se acima de 30%.

Um outro fator que tem melhorado sensivelmente é a alavancagem. O endividamento líquido ao final do 4T18 era 6,22 vezes o Ebitda dos [ultimos 12 meses. Em 30DEZ2017 a alavancagem era de 8,8 vezes o ebitda anualizado do 4T17.

O preço corrente é compatível com um lucro trimestral de aprox. R$ 6,4 milhões de hoje, constante no tempo em termos reais. Em consequência, não me parece que o ativo esteja caro. Tudo indica que o turn around se concretizará nos p´roximos trimestres.
[...]

358232 - paulo_prof  -  05 Fev 2019, 01:52
Se o processo de aumento de capital da LOGG for bem sucedido (no mínino R$ 280 milhões), tudo indica que a empresa conseguirá apresentar taxas anuais robustas de crescimento do FFO ... em consquência, o ativo ao preço de hoje estaria muito barato. O upside seria grande.

Se a capitalização foi mal sucedida (menos de R$ 140 milhões), a empresa não terá a grana necessária para crescer na velocidade dos últimos 18 meses. Terá que reduzir os investimentos e, em consequência, a velocidade de crescimento do FFO será reduzida. Em consequência, o seu preço justo vai diminuir. Embora o ativo ainda esteja barato, o upside seria bem menor.

358469  - paulo_prof  -  14 Fev 2019, 20:19
Há pouco mais de um mês postei o comentário abaixo, ao qual o gcn1 respondeu..

No momento, não acho que há reais elementos para opiniar de forma distinta. Ou seja, temos perspectivas favoráveis, mas não há garantia alguma de que de fato se tornem realidade. Nesta situação, favoreço muito mais investir em quem na crise estava nadando de braçada, e que também deve ser favorecido se as perspectgivas positivas se confirmarem.

De fato, nem sei que margem bruta deve admitir, para iniciar uma análise. Como não conheço o setor, não faço idéia se os 17% postados no 3T18 são recorrentes. Nunca na história da empresa conseguiu postar algo semelhante. No exercicio de 2017, a margem bruta emplacou 8,6%, praticamente a metade. A margem bruta da LUXM, que também atua na área de transporte hidroviário, tem margem bruta de quase 30%!!! O que se deve usar para uma simulação? Os 29% da LUXM ou, digamos, uns 20% que a a LOGN nunca conseguiu?

Suponha as seguintes premissas:

Capex Anual necessário para manter as atividades: R$ 60 milhões

Serviço do Endividamento: R$ 120 milhões

Depreciação/Amortização: R$ 60 milhões

Despesas Operacionais: R$ 70 milhões

Amortização do Endividamento: R$ 50 milhões

Imposto de 34% sobre EBIT - Serviço do Endividamento

Toda a Depreciação está contabilizada no custo dos serviços

Margem Bruta = 20%

De acordo com estas premissas, montei um simuladorzinho e cheguei à conclusão que seria necessária uma Receita Líquida Anual na faixa dos R$ 1,325 bilhões, um Resultado Bruto de R$ 265 milhões e a empresa postaria R$ 49,5 milhões de lucro líquido.

A Receita Líquida dos últimos 12 meses é 984 milhões e a do 3T anualizado é R$ 1,1 bilhões. O Resultado Bruto dos U12M emplacou R$ 126 milhões; do 3T anualizado, R$ 187 milhões.

Ainda está faltando ... vamos ver o 4T18.

358229 - paulo_prof - 05 Fev 2019, 00:51
Os resultados da LOGG vieram dentro do esperado. Os múltiplos, excetuando P/VPA, seriam ruins se não se levar em consideração a taxa absurda de crescimento anual do FFO observada nos últimos 12 meses. Do Valor Justo das Propriedades para Investimento, que a LOGG estima em R$ 2,485 bilhões, os projetos concluídos representam somente 51% (R$ 1,267 bilhões). Praticamente a metade do ativo contabilizado é composto por terrenos (R$ 0,186 bilhões) e Projetos em Andamento (R$ 1,032 bilhões). É esta metade que ainda não está operacional que deverá garantir altas taxas de crescimento do FFO nos próximos anos. Isto se a estrutura de capital da empresa for capaz de financiar este crescimento, intensivo de capital.


Para se ter uma idéia, o endividamento líquido da empresa em termos nominais cresceu de R$ 716 milhões ao final do 4T17, para R$ 784 milhões ao final do 4T18. A alavancagem corrente em termos de FFO RECORRENTE é de 15 vezes e de EBITDA RECORRENTE é de 9 vezes. Não é a toa que o controlador está correndo atrás de investidores para que a capitalização da empresa não seja um fiasco.

34yVscW6h%20NPtfPWS6xepuIiJplqVErTwFw=

LOGG3

PREÇO: R$ 20,05

PAYOUT MÍNIMO EM FFO (basado aprox. no payout de 23,75% do lucro):



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/FFO RECORRENTE 26,50

P/VPA 0,65

PSR 13,24

DY (EM TERMOS DE FFO) 1,17%

EV/FFO RECORRENTE 41,48

EV/EBITDA RECORRENTE 25,09

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 42,58%

MARGEM EBITDA RECORRENTE 41,48%

MARGEM LÍQUIDA 44,9%

FFO RECORRENTE POR AÇÃO R$ 0,757

MARGEM FFO RECORRENTE 50,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 43,8%

ROE (em termos de FFO) 2,44%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,70



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,30%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -18,06%

RESULTADO OPERACIONAL 84,9%

RESULTADO LÍQUIDO +25,86%

EBITDA RECORRENTE +8,50%

FFO RECORRENTE +42,64%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,95%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -15,29%

RESULTADO OPERACIONAL +46,97%

RESULTADO LÍQUIDO +29,15%

EBITDA RECORRENTE +9,57%

FFO RECORRENTE +51,78%



c) Lucro Líquido (taxa média anual)

UA 25,86%

U2A 14,93%

U3A 39,90%



d) patrimônio líquido médio

UA 14,07%

U2A 16,30%

U3A 13,22%



e) FFO RECORRENTE (taxa média anual)

UA 42,64%

U2A 22,07%

U3A 18,74%

U4A 23,67%

U5A 20,80%

U6A 22,86%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do FFO RECORRENTE dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,46

Ou, taxa de crescimento real do FFO RECORRENTE dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +18,5%

356571 - PERIQUITO VERDE -  06 Dez 2018, 10:13
O Senhor está certo em tudo. Há uma informação importante ausente: a empresa está trabalhando para substituir os afretados por navios próprios. A previsão é que os próprios entrem em operação em breve. Portanto, essa despesa de 156 milhões com navios afretados deverá reduzir consideravelmente.

356567  - paulo_prof  -  06 Dez 2018, 02:34
Sem dúvida ... pois o balanço e o relatório não fornecem as informações necessárias (qual é a atual taxa de utilização dos navios próprios e afretados da empresa? qual é a capacidade ociosa do TVV? e assim por diante ...).

Mas, uma vez conhecidos os detalhes, podes crer ... tudo se resume a números e projeções!

O "negócio" da Log-In pode ser dividido em 4 áreas:

containers

veículos

TVV

Intermodais

O negócio de Intermodais está gerando um ebit menor do que R$ 3 milhões e um ebitda menor do que R$ 4 milhões trimestrais. Portanto, não será uma variação neste ramo de negócio da empresa que está a solução para a sua perpetuação.

O negócio de veículos, uma vez que os navios para o seu transporte são afretados, também não tem produzido resultados de monta. Não há informação se estes navios estão operando a plena carga. Se não estiverem, é possível/provável que a operação possa ser melhorada. De qualquer forma, nos 9M2018, a empresa teve uma Receita Líquida de R$ 162 milhões com a cabotagem de veículos, tendo dispendido R$ 156 milhões no afretamento dos navios necessários. Moral da história ... esquece, não será aí que reside a esperança de melhora.

O TVV é o negócio de melhor margem. Os custos parecem ser razoavelmente fixos e as receitas provavelmente poderão aumentar ... os serviços prestados pelo TVV podem ser divididos em 3 grupos: conteiners (certamente o principal), carga geral (esquece) e armazenagem e outros. Este último propicia uma Receita Líquida de aprox. R$ 40 milhões por ano que, acredito eu, não deve variar muito além deste valor. O serviço de movimentação de TEUs, importação e exportação, sim, muito provavelmente poderá crescer. Resta saber como está ou vai se comportar a demanda.

Finalmente, há o serviço de transporte de containers: cabotagem, Mercosul, feeder (transporte entre os portos de Santos, Rio e Vitória).

Embora sendo auxiliado pelos demais serviços, a chave para o sucesso da empresa está no serviço de transporte de containers. Na minha avaliação, ele terá que crescer muito para que a empresa consiga cumprir com o cronograma de amortização da dívida apresentado na penúltima página do arquivo de Apresentação 2T18, em http://ri.loginlogistica.com.br/

A empresa promete amortizar algo na faixa dos R$ 110 milhões ao ano. Sinceramente ... não vejo como! Um ano recheado com trimestres iguais ao 3T18 (de longe o melhor na história da empresa), com uma taxa de câmbio suposta estável e premissas favoráveis, não conservativas, não é capaz de produzir mais do que R$ 50 milhões de caixa livre para a referida amortização. Em consequência, os volumes de TEUs transportados têm que aumentar ... e não é pouco!

De qualquer forma ... veremos.

356558 - PERIQUITO VERDE -  05 Dez 2018, 19:50
A empresa opera num setor em que o volume operacional e sua margem de ganho dependem muito do nível de atividade econômica. Com a crise pela qual passamos, o volume transportado pela empresa despencou, bem como suas margens. Com a recuperação econômica, espera-se que o volume transportado e a margem de ganho tripliquem. É um negócio em que com o aumento do volume de transportes, a empresa poderá selecionar as cargas mais lucrativas.

O senhor é ótimo com números e sempre positivo teus comentários, mas neste caso um entendimento pleno sobre o case exige mais que apenas a análise dos números do balanço.

356520 - gcn1 -  05 Dez 2018, 20:10
Prof Paulo,
Se me permite gostaria de fazer um comentário. O Alaska está apostando muito forte no novo governo que irá assumir em 2019, ele acredita que o novo governo será bom para á economia (reforma prev. , reforma tributária, resolver deficit's etc...) quanto para a própria infraestrutura do país, pois um país de volta aos eixos será uma nação com condições fortes de investir em infra estrutura e novas soluções de logística já que hoje dependemos majoritariamente do transporte rodoviário via caminhões e a empresa Log IN trabalha justamente com novas soluções de transportes multimodais ( envolvendo uma combinação de mais de 1 modal de transporte, para cortar custos e melhorar o tempo de entrega da carga ) , sendo que a empresa possui como principais rotas as marítimas de cabotagem, a logística no BR ainda é meio sucateada no que tange a portos (por incrível que pareça) e um ''turnaround'' nessa situação iniciado pelo novo gov irá justamente impactar na empresa já que é a única ou uma das únicas no país a explorar esse tipo de transporte.

Tanto que se forem ver há empresas com envolvimento no transporte ferroviário (que pode receber grandes investimentos no novo gov) que estão na carteira Alaska, como por exemplo, Rumo logística.

https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2018/10/17/internas_economia,997883/bolsonaro-quer-destravar-projetos-de-infraestrutura-com-dinheiro-priva.shtml

Como diz no texto: ''incentivos a navegação de cabotagem e transporte ferroviário''

356518  - paulo_prof -  05 Dez 2018, 00:26
Eu gostaria de saber o que o Alaska sabe do LOGN que ninguém mais sabe! Ou será que o Alaska está diligentemente cevando o pesqueiro para oportunamente desovar a sua posição com grande lucro?

Suponha que o 3T18 tenha sido um trimestre de resultados sem não recorrentes.

EBIT = R$ 44 milhões

Resultado Financeiro, desconsiderando a variação cambial negativa = (R$ 27,8 milhões)

Resultado Antes dos Impostos, desconsiderando a despesa de variação cambial = R$ 16,2 milhões

IR/CS, desconsiderando a despesa da variação cambial = (R$ 5,5 milhões)

Lucro Líquido = R$ 10,7 milhões

Depreciação: R$ 16,6 milhões

EBITDA = EBIT + Depreciação = R$ 60,6 milhões

CAPEX = R$ 16,6 milhões

Subtraindo, do Ebitda de R$ 60,6 milhões, os R$ 27,8 do Resultado Financeiro negativo, os R$ 5,5 milhões de IR/CS e os R$ 16,6 milhões de Capex, obtém-se R$ 10,7 milhões.

É esta "sobra" de R$ 10,7 milhões que poderia ser utilizada na amortização do endividamento bruto. Como o endividamento bruto é de R$ 1,27 bilhões, está claro que nestas condições a empresa levaria mais de 20 anos para pagar a dívida.

Considerando que a margem bruta conseguida no 3T18 (17%) é das mais altas já postadas pela empresa, é necessário que a Receita Líquida aumente consideravelmente para que a empresa seja viável.

356291 - marcosvinicius2 -  29 Nov 2018, 20:11
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LÍQUIDA = A receita operacional líquida em 30 de setembro de 2018 somou R$728,1 milhões, um aumento de 18,1% em relação ao mesmo período de 30 de setembro de 2017, quando foi de R$616,5 milhões (reduzida de R$23,1 milhões por valores reclassificados para “resultado mensurado com ativos não circulantes mantidos para venda”, conforme Nota explicativa 24 das DFs).; RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = Em 30 de setembro de 2018 o resultado financeiro líquido foi negativo em R$108,5 milhões, composto por R$97,4 milhões de despesas financeiras e por R$58,6 milhões de resultado dos efeitos cambiais líquidos, negativo, face aos efeitos da variação da moeda americana frente ao Real (depreciação de 21,0%) nos primeiros nove meses de 2018, incidentes sobre o saldo dos financiamentos das embarcações em dólar norte-americano e de empréstimos com operações de capital de giro, bem como de contas a receber e a pagar indexados, compensado pelas receitas financeiras de R$47,5 milhões no período.:

LOGN3
PREÇO: R$ 6,40
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -8,81
P/VPA -0,63
PSR 0,24
DY 0,00%
EV/EBITDA 7,94
MARGEM BRUTA 12,76%
MARGEM OPERACIONAL -3,38%
MARGEM LÍQUIDA -2,74%
LUCRO POR AÇÃO R$ -0,726
MARGEM EBITDA 19,02%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -343,13%
ROE 7,20%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,98

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 38,67%
RESULTADO BRUTO -772,58%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -21,22%
RESULTADO OPERACIONAL -93,79%
RESULTADO LÍQUIDO -94,86%
EBITDA -167,94%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 24,53%
RESULTADO BRUTO 120,95%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 43,16%
RESULTADO OPERACIONAL -111,72%
RESULTADO LÍQUIDO -113,04%
EBITDA 266,60%

c) lucro (taxa média anual)
UA -94,86%
U2A 60,42%
U3A -59,32%

d) patrimônio líquido médio
UA 331,62%
U2A ND
U3A -205,06%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND !!!!
[...]

353907 - RRunner -  19 Set 2018, 14:25
Citação: gersonlp - Post #353902 - 19/Set/2018 10:30
LOGN3
https://thegameneverstops.com.br/fundo-alaska-assu...
...Dessa forma, a Log-in pode ser um dos maiores casos de valorização na bolsa dos próximos anos. A aquisição do controle da companhia por um fundo de value investing tão bem-sucedido quanto o Alaska reforça essa impressão...
mas não é isso que enxergamos quando lemos o balanço da empresa .. .dívida enorme!!

353419 - marcosvinicius2 -  05 Set 2018, 20:49
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). Resultado Financeiro = O Resultado Financeiro montou saldo negativo de R$81,6 milhões no 2T18, frente ao saldo negativo de R$50,8 milhões no 2T17. O resultado do 2T18 é composto por: receitas financeiras de R$1,4 milhão, despesas financeiras de R$37,1 milhões e variações monetárias e cambiais que somaram um saldo negativo de R$45,9 milhões. As variações monetárias e cambiais são compostas por despesas de variação cambial no valor de R$39,5 milhões sobre empréstimos e financiamentos de longo prazo indexados ao Dólar (R$3,86 em 30/06/2018 versus R$3,32 em 31/03/2018), e pelo saldo de R$6,4 milhões em despesas referentes às variações cambiais no Contas a Receber e em Fornecedores.; Resultado Líquido = No 2T18, o resultado foi negativo em R$52,9 milhões, resultado este inferior ao prejuízo de R$559,1 milhões no 2T17, impactado pelo montante não recorrente de R$502,9 milhões de impairment realizado no período.:

LOGN3
PREÇO: R$ 4,36
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -3,57
P/VPA -0,42
PSR 0,17
DY 0,00%
EV/EBITDA 10,07
MARGEM BRUTA 10,75%
MARGEM OPERACIONAL -6,75%
MARGEM LÍQUIDA -4,73%
LUCRO POR AÇÃO R$ -1,221
MARGEM EBITDA 15,38%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -350,81%
ROE 11,64%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,05

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 34,62%
RESULTADO BRUTO -411,84%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -31,05%
RESULTADO OPERACIONAL -89,03%
RESULTADO LÍQUIDO -91,84%
EBITDA -148,88%

b) 2T18 sobre 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,04%
RESULTADO BRUTO -7,32%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 60,52%
RESULTADO OPERACIONAL -87,78%
RESULTADO LÍQUIDO -90,53%
EBITDA -105,51%

c) lucro (taxa média anual)
UA -91,84%
U2A -51,31%
U3A -43,41%

d) patrimônio líquido médio
UA -1074,90%
U2A ND
U3A -196,06%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND !!!!
[...]

351450 - Maico2013   -  23 Jun 2018, 00:31
Alaska, já deve ter o controle faz tempo, o outro acionista relevante á a Petros com 10,x%. Tinha a COX com 5,8%, que agora tem menos que que 5%.

351363 - Gersonlp  -  19 Jun 2018, 19:33
LOGN3
mais um pouquinho e o Alaska assume o controle da Login
Aumento de Participação Acionária Relevante
A Log-In - Logística Intermodal S.A. (“Log-In” – B3: LOGN3), atendendo ao disposto no artigo 12, da Instrução CVM 358/02, informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que recebeu correspondência da Alaska Investimentos Ltda., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 11.752.203/0001-50, informando que os fundos sob sua gestão atingiram a participação acionária agregada de 15.928.314 (quinze milhões, novecentas e vinte e oito mil e trezentas e quatorze)ações ordinárias, que correspondem a, aproximadamente, 44,20% (quarenta e quatro inteiros e vinte por cento) das ações de emissão da Log-In.

Herds e Prof, já que levantaram a bola de WSON33, o que acham de LOGN3?
Já botando lenha pra queimar, segue uma análise dessa semana do Bugg. Coloquei só a conclusão, mas tem uma análise grande no site.

Conclusão

LogIn é um case complexo, e por isso o investimento só faz sentido se a assimetria for grande. No valuation atual me parece haver essa assimetria, ou seja, penso que a empresa poderia sim valer 2x 3x mais o que vale hoje. Basicamente ela tem um negócio principal de navegação com uma dívida colossal e com um fornecedor quebrado. Frota atual é pequena para fazer frente aos desembolsos que tem, mas os navios prontos e em processamento tem um valor que permitiria a ela liquidar sua dívida. Logo restam o negócio de Intermodais e TVV, os quais geram caixa e tem algum valor. Obviamente isso numa situação de liquidação da empresa.

Ainda assim o desconto de mais de 60% ao seu valor de patrimônio e a mudança decorrente do novo management da empresa me fazem acreditar que há espaço para o ativo ser reprecificado em bolsa.

Trigger agora, a meu ver seria uma resolução na questão do estaleiro EISA (que está construindo seus navios) ou uma melhora da atividade industrial de forma consistente e continuada. Log-In “pega na veia” qualquer melhora na atividade industrial.

Chama atenção que o fundo Alaska (melhor performance em 2016) montou posição no papel e tem hoje 20% da empresa.

Fonte: http://bugg.com.br/2017/01/15/logn3-nao-sabe-brincr-nao-desce-pro-play/

332683  - paulo_prof   - 18 Jan 2017, 21:56
Se uma leitura dinâmica sobre os números do balanço patrimonial e demonstração de resultados que constam de minha planilha indica que as perspectivas não são boas, não perco o tempo lendo os relatórios para entender as razões. Nestes casos, só leio os relatórios se alguém que pareça conhecer o case seja capaz de me convencer que vale a pena.

No que concerne a LOGN, a minha planilha indica um endividamento líquido ao final do 3T16, de R$ 1,723 bilhões.

No que concerne o ebitda, a minha planilha mostra:

2014: R$ 187 milhões

2015: R$ 136 milhões

U12M: R$ 71 milhões



Aí surge a pergunta óbvia: como pode uma empresa sobreviver com um endividamento líquido que é 24 vezes o ebitda anual? Não há como!



De fato, nos últimos 12 meses a conta até que fechou, pois o Resultado Financeiro Líquido foi negativo em apenas R$ 32 milhões, facilmente coberto pelo ebitda gerado no mesmo período.



Mas, aí, surge a questão: como é que um endividamento líquido de R$ 1,855 bilhões ao final do 3T15 foi capaz de gerar um resultado financeiro negativo só em R$ 32 milhões, quando numa situação "normal" vc esperaria um valor acima dos R$ 200 milhões? Evidentemente, só pode ter sido uma receita cambial devida a uma valorização do real sobre passivos em moeda estrangeira. Bingo! nos 9M2016 a variação cambial produziu uma receita de R$ 319 milhões.



Na hora em que o real parar de valorizar ... a empresa terá que voltar a enfrentar a dura realidade.

Mais uma vez, informo que não li uma linha dos releases da empresa ...

Lendo o balanço patrimonial, percebe-se que empresa tem ativos que colocou à venda. Não faço ideia de quais seriam estes ativos. De qualquer forma, contabilmente, estes ativos são escriturados pelo valor de R$ 427 milhões. Mas associados a estes ativos colocados à venda, há passivos totalizando R$ 472 milhões. Ou seja, contabilmente, os ativos que a empresa colocou à venda correspondem a um patrimônio negativo em R$ 45 milhões.

Agora, se me demonstrarem que a empresa conseguirá vender estes ativos por um preço extraordinário, aí as coisas podem mudar de figura .. mas mesmo assim não seria trivial porque aparentemente, o ebitda que era gerado pelos ativos colocados à venda era importante (não é isto que explica que o ebitda dos últimos 12 meses é praticamente a metade daquele gerado em 2015?

332685  - NumBroker  -  18 Jan 2017, 22:39
Prof, só pela curiosidade, a venda retirou uns 20% da receita.

Segue mais um trecho referente ao negócio de transporte marítimo.

"Navegação. Esse é o principal negócio da Log-In. Nada mais é do que o transporte de cargas..a Log-In é uma transportadora, o que não é um business sensacional, mas sendo marítimo tem umas vantagens interessantes. Mas é aqui também onde reside quase todo o endividamento da empresa, pois este nada mais é do que os empréstimos para construção de seus navios.

Recentemente ela concluiu a venda da operação de granel que representa cerca de 15% da receita total e 20% da receita do segmento de navegação.

Mais que isso, ela teve de se desfazer de uma operação interessante de transporte de bauxita para Alunorte…um contrato relativamente bom para Log-In. Com isso, ela também abriu mão de uma geração de caixa interessante

Esse é o gráfico da geração de caixa e margem ao longo do tempo.

Operação oscila bastante então um chute via média, tal qual fiz acima é arriscado. Mas considerando a venda de granel e um cenário de alguma recuperação econômica, penso que esse business da empresa poderia voltar a gerar uns R$ 70MM de caixa (já chegou a 150MM em 12 meses com a operação de Granel contando).

Além disso, se os navios que ela contratou saíssem do papel, fica totalmente factível não só atingir esses números, como superá-los. E a meu ver um negócio que gera, que seja os 70MM de caixa, tem seu valor."
LOGN3_10-1.png
332722  - pinheiro87  - 19 Jan 2017, 15:41
Parece que a venda foi por 200M em dinheiro + 483M em dívidas.

Mesmo assim o endividamento continuará alto e o ebitda vai diminuir mais ainda. Pode ser até que dê certo, mas tem muitos SE's envolvidos. Teria que alcançar um ebitda de 300M para ficar bonita.

Até a análise que o NumBroker postou me pareceu bem otimista.

Só cresci o olho quando vi a queda de 90% do papel, mas parece justificado. Questão toda se resume aos navios atrasados... Recuperação econômica mesmo que discreta deve ocorrer. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
326130  - paulo_prof  -  18 Ago 2016, 04:10
Na minha opinião, na estrutura atual de capital, a LOGN é uma empresa inviável.

Na média, quanto é que custaria um endividamento líquido de R$ 1,7 bilhões? Vamos ser super camaradas? R$ 200 milhões ao ano (na realidade, para uma empresa como a LOGN custaria uns R$ 270-280 milhões ... mas vamos lá!)

Ocorre que a geração anual de caixa medida pelo Ebitda não está chegando nem a R$ 150 milhões. Em 2014, quando gerou mais caixa, foram R$ 187 milhões!!!

O lucro líquido postado no 1S16, de R$ 59 milhões, engana muito!!! Isto só foi possível porque o Resultado Financeiro no 1S16 foi positivo em R$ 107 milhões!!! Ocorre que a empresa tem uma dívida em moeda estrangeira superior a R$ 1 bilhão ... a grande desvalorização do dólar no 1S16 beneficiou a empresa ... mas quando o dólar parar de desvalorizar, o que era doce vai acabar! Os R$ 107 milhões positivos vão virar R$ 100 milhões negativos ... um "swing" de R$ 200 milhões!

297312  - danieljoseaa  -  15 Mai 2015, 00:10
Terrível o resultado financeiro da LOGN3:
https://www.rad.cvm.gov.br/enetconsulta/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?CodigoTipoInstituicao=2&NumeroSequencialDocumento=47252

287246  - paulo_prof  -  30 Dez 2014, 19:53
Sinceramente ... não gosto do setor ...

No que concerne a LOGN especificamente, acho que é uma empresa cujo endividamento líquido é incompatível com a geração de caixa ... Na melhor das hipóteses, a geração anual de caixa medida pelo Ebitda é de R$ 200 milhões ... o endividamento líquido é de R$ 1,3 bilhões, 6,5 vezes mais !!!

A única forma de tentar compatibilizar uma dívida deste quilate com capacidade limitada de geração de caixa é o endividamento em moeda estrangeira, a juros camaradas. Mas aí entra o risco da moeda ... a desvalorização do real, moeda na qual a empresa fatura. Este risco enseja a montagem de hedge, via derivativos financeiros, que nem sempre funcionam a contento.

Para uma empresa "amiga do rei" (leia-se BNDES) costumo calcular o custo anual médio do endividamento líquido na faixa dos 12%. Ou seja, para o caso da LOGN, na faixa dos R$ 150 milhões anuais. No 3T14, devido à desvalorização cambial e hedge eventualmente mal colocado, o resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 75 milhões. No 3T14, a desvalorização do real foi de 11,3%. No 4T14 chegará a 8,4% ... ou seja, mais uma vez a empresa registrará um prejuízo trimestral devido ao resultado financeiro desfavorável.

A ver!

155350 - renato1631 -  07 Nov 2012, 00:21
Log-in sai de prejuízo para lucro de R$ 12,6 milhões no 3º trimestre

A Log-in Logística Intermodal fechou o terceiro trimestre com lucro líquido atribuível aos acionistas controladores de R$ 12,6 milhões, revertendo um prejuízo de R$ 19,9 milhões observado em igual período do ano passado.

A reversão foi causada principalmente pelas variações monetárias e cambiais e pelos recursos obtidos com o Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM). O AFRMM é uma taxa equivalente a 10% do valor do frete nas importações e ao qual as empresas de navegação nacionais têm direito para uso em manutenções, reformas e construções de novos navios.

A companhia informou que em 2012 passou a reconhecer o benefício do AFRMM no resultado "na medida em que cumulativamente ocorre aplicação pela companhia e registro pelo Fundo da Marinha Mercante (FMM) desses recursos".

Com isso, o AFRMM representou um ganho de R$ 12,5 milhões nas receitas operacionais da companhia no terceiro trimestre, contra zero em igual período do ano passado.

Segundo a companhia, nos primeiros nove meses de 2012 houve a realização do montante de R$ 38,5 milhões para construção, manutenção e pagamento de financiamentos junto ao FMM, fonte de financiamento de longo prazo para o setor. A empresa assumiu compromissos junto ao FMM para a construção de sete navios, dos quais cinco porta-contêineres e dois graneleiros, que estão sendo construídos pelo Estaleiro Ilha S.A. (Eisa).

Já as variações monetárias e cambiais líquidas representaram no terceiro trimestre um ganho de R$ 718 mil, revertendo perdas de R$ 35,570 milhões em igual período do ano passado.

17029 - victorfleite - 18/Nov/2011 18:43
Aí vai mais um:

Log-in (LOGN3)

A Log-in tem um plano ambicioso para navegação em cabotagem. Pretende ampliar o transporte em navios próprios (porta-contêiners) de 6200 TEUs atuais para 17.400 TEUs em 2014, além de 2 navios graneleiros de 80mil toneladas cada. No momento, tem capacidade de 13mil TEUs ( 6200 TEUs próprio e 6800 TEUs afretados). A empresa estima que o mercado potencial de cabotagem é cerca de 4vezes maior que o atual, já que em distâncias maiores que 1500km, esse modal é o mais barato. O problema é, claro, a grande burocracia e o despreparo dos portos brasileiros, onde há filas e mais filas, atrasando em muito a entrega de produtos, com aumento de custos e perda de receitas. A grande questão, portanto, é saber se o aumento da capacidade instalada da LOGN se traduzirá em maior receita na mesma proporção.

Cabotagem
A empresa tem receita assim distribuída (75% contêiner e 25% granel). O transporte a granel é devido a um contrato take or pay de 90% para transporte de bauxita para a Alunorte por 25 anos. No momento esse transporte é feito com navios alugados, com altos custos, quase trabalhando a preço de custo. Em 2014 a empresa deverá ter seus 2 navios graneleiros com 80mil toneladas cada,com aumento da rentabilidade.

Segundo informações da empresa, esses são os custos totais de cada navio (incluindo afretamento):
#Afretado Bandeira Brasileira (Santos e Rio = 2,4mil TEUs) é de R$29/TEU
#Time Charter (Sta Giuletta e RR Europa=4,4mil TEUs) é de R$10/TEU
#Navio Próprio Antigo (Amazônia e Pantanal=3,4mil TEUs) é de R$12/TEU
#Navio Próprio Novo (Jacarandá=2,8mil TEUs) é de R$6/TEU.

Considerando que em 2014 a empresa terá 14mil TEUs em navios próprios novos e 3,4mil TEUs em navios próprios antigos, podemos esperar que seu custo médio/TEU saia de atuais R$14 para R$8,90. Com isso, podemos esperar que sua margem EBITDA salte de 7% para 40% em 2014. ( Parece alto né? Já refiz os cálculos algumas vezes, mas não consigo encontrar nenhum erro.. O Jacarandá, que está em funcionamento há 1 mês, já tem EBITDA de 16%)
Considerando que em 2010 a empresa teve receita de 468M em cabotagem, com capacidade de 13mil TEUs, podemos supor que em 2014, com 17,4mil TEUs, terá 626M de receita. Com margem EBITDA de 25% (conservador em relação ao cálculo anterior), podemos esperar EBITDA de 156M em 2014 para a cabotagem

TVV
O TVV é um dos terminais portuários de maior produtividade no Brasil, porém está quase em capacidade máxima. O TCU liberou a ampliação do calado (entre 6,5m-11m) para 14m, além de alargamento do canal de acesso para 120m, que, aliado aos investimentos feitos pela Log-in, podem resultar em maior produtividade ainda.
O TVV teve receita de 142M e EBITDA de 58,4M (Mg EBITDA = 40%) em 2010. Nos 9M11 já teve EBITDA de 66M, maior que todo o 2010, com Margem ao redor de 50%. Estimando um EBITDA 2011= 88MM, com crescimento de 15%aa até 2014, estimo EBITDA de 134MM em 2014.


Conclusão: Trazendo os EBITDAs para valor presente, com desconto de 12% e adicionando o valor do financiamento para os 4º e 5º porta-conteiner, temos que:
-Preço=5,82
-Numero de ações=91.711.600
-EV=1,56Bi
-EBITDA cabotagem= 111M
-EBITDAtvv= 95M
-EBITDAtotal=206
-EV/EBITDA= 7,57

EBITDA/juros= 2,06
Imobilizado/Pat Liq=2,4
Pat Liq/Passivo Total= 32% (31% da dívida em U$)

Riscos Positivos
-Entrada em operação das indústria próximas ao Porto de Suape, melhorando a ocupação Southbound do Sistema Atlântico-Sul
-Liberação de instalação do Porto Lajes, no AM
-Entrada da Operação Logistica da Dow em São Francisco do Sul no 4T11

Riscos Negativos
-Manutenção do protecionismo argentino, que prejudica o transporte de cargas
-Aumento do dólar, com explosão da dívida da empresa
-Redução do calado no Rio Amazonas durante período de seca
-Infra-estrutura portuária não acompanhar o desenvolvimento da empresa
-Aumento do preço do bunker (combustível)

Análise Coin Valores
A Log-In Logística Intermodal S.A. (Log-In, BMF&Bovespa: LOGN3) atua na área de logística oferecendo ao mercado soluções integradas para movimentação portuária e transporte de contêineres porta-a-porta, por meio marítimo ou ferroviário, complementado por transporte
rodoviário de curta distância, bem como para a armazenagem de contêineres em terminais terrestres intermodais de carga.

RETROSPECTIVA 2010
Os indicadores divulgados ao longo de 2010 mostram boa recuperação nos fluxos de comércio
exterior, inclusive na movimentação de cargas entre Brasil e Argentina, além de crescimento na economia brasileira. Dados informados pelo Boletim Focus do Banco Central indicam projeção de aumento de 7,5% para o PIB em 2010 e 4,5% em 2011. A produção física industrial acumula alta de 8,8% de janeiro a agosto de 2010 comparado ao mesmo período do ano passado. Para 2010, perspectivas indicam crescimento de 11,3%. A corrente de comércio exterior nos primeiros nove meses deste ano subiu 36,9% em relação ao mesmo período de 2009. E no comércio entre o Brasil e a Argentina, as exportações aumentaram 57,4% e as importações, 34%. A Log-In conquistou novos clientes, novas rotas e novos mercados foram desenvolvidos e a representatividade nas cadeias logísticas de clientes já existentes, incrementada. Na cabotagem e na rota ferroviária entre São Paulo e Centro Oeste, a Companhia passou a atender segmentos que anteriormente utilizavam outros modais de transporte, com captura de ganhos de Market share sobre o transporte rodoviário de longa distância. O desempenho macroeconômico favorável observado nos últimos meses e a necessidade de uma menor dependência no transporte rodoviário na movimentação de cargas por médias e longas distâncias, aliados aos esforços realizados pelas diversas áreas da Companhia traduzem-se nas melhorias obtidas pela Log-In ao longo de 2010.

PERSPECTIVA 2011
A economia no Brasil vem crescendo em ritmo superior aos investimentos que estão sendo realizados para incrementar a infraestrutura logística do País. Este descompasso gera oportunidades para as empresas que atuam no setor.
O segmento de logística apresenta perspectivas de crescimento para os próximos anos. Hoje são limitadas as alternativas para a movimentação da produção nacional de forma competitiva e o preço pago pela falta de investimentos em infraestrutura é elevado, o que reforça a necessidade da consolidação de uma companhia de logística integrada. Além disso, a tendência de conteinerização de cargas presente em todas as regiões do mundo é verificada também no Brasil. As empresas cada vez mais buscam a padronização no acondicionamento de suas cargas, que se traduz em menores custos envolvidos na movimentação das mesmas, o que para as empresas que atuam no segmento de logística intermodal é uma tendência positiva, pois gera oportunidades para o desenvolvimento de novos mercados.
O Brasil tem dimensões continentais, são mais de 8 mil quilômetros de costa e a distribuição de renda entre as regiões brasileiras cria desafios no setor de logística e transporte. Hoje há um maior fluxo na movimentação de cargas originadas nas regiões sul e sudeste em direção ao
nordeste e ao norte, o que acarreta um desbalanceamento no sistema de transporte do país.
Aliado a essas características, para distâncias acima de 1.500 quilômetros, o modal de transporte mais eficiente é a navegação costeira, sendo os benefícios advindos pela utilização mais intensa deste modal substanciais para o desenvolvimento do País.
A Log-In segue com o desenvolvimento de seu Plano de Investimentos iniciado em 2007, que
tem por base a construção de uma matriz de transporte eficiente e sustentável para o Brasil,


onde a navegação de cabotagem tem grande importância e tende a ser o principal pilar de crescimento frente aos demais negócios da Companhia.

55065 - Dr Invest - 11/Nov/2010 16:43
Mais uma aposta certa...

Excelente resultado da LOGN3

LL do 1T10= (-3,8) M
LL do 2T10= 2,8 M
LL do 3T10= 12,3 M

obs lucros recorrentes...

Melhora de todas as margens, lucros todos recorrentes. Liderança absoluta em seu segmento !!

divida toda de LP com ótimos juros pela fundo da marinha mercante,

excelente perspectivas (cabotagem), vai acompanhar o aumento do comércio interno (NE região que mais cresce c o Sul e sudeste) e com o exterior.

transportes acima de 1.500 km de distancia o modal da navegaçao costeira é muito mais interessante financeiramente. Brasil país continental !!
tendencia nacional (e mundial), a conteinerização do transporte.

No sofre impacto c a queda do dólar.

focada no mercado interno.



em resumo, excelentes perspectivas para esse TURNAROUND...

3620 - danieljoseaa - 05/Abr/2009 19:44
"Pobre, veja bem, eu não sugeri a colocação da logn3 acima da Tegma, se for para escolher entre as duas, ainda fico com a Tegma, pelos seus fundamentos e principalmente pelo seu respeito aos acionistas na distribuição dos lucros, pois adoro dividendos, penso que os dividendos são a única garantia que temos de lucro em determinada ação, pois se o mercado mantiver o preço de uma ação lá em baixo por 10 anos, se ela for boa pagadora de dividendos, não teremos a menor preocupação, já se não for, o negócio já muda de figura, com os dividendos dependemos apenas da empresa e não apenas do bom ou do mau humor do mercado, é uma garantia principalmente em tempos de crise."


"E outra, se somos donos de um negócio, temos que receber seus lucros e não o resto dele."

3617 - gustgef - 05/Abr/2009 19:03
"Concordo com seu pensamento, principalmente porque acho que a tegma está um pouco ""valorizada"", entretanto, o P/L da Tegma deve melhorar muito depois desse 1ºTri. Eu considero essa situação parecida com a situação do Varejo, temos algumas companhias a preços muito atrativos, CGRA4, LLIS3 e LREN3, a diferença é que CGRA4 é voltada para renda média/baixa e é conservadora, já LREN3 é voltada para renda média/baixa mas é agressiva, e a LLIS3 é voltada para renda alta e é agressiva, faltava apenas alguma voltada para renda alta conservadora para fechar!! hehe!"


"A Tegma é muito melhor pagadora de dividendos, o payout dela foi espetacular em 2008, ela pagou 48 milhões em dividendos enquanto lucrou 53! Por conta disso seu DY alcança 12%! Dá um payout de 89%, payout digno de elétricas! E vai se beneficiar da alta da indústria automobilística nesse primeiro semestre! Já o payout da LOGIN em 2008 foi o minimo do mínimo 23,75%. Isso demonstra pouca preocupação com o acionista, ao contrário da Tegma que até programa de recompra de ações tem. MAS, a Login é agressiva na aquisição de contratos. É tudo uma questão de preferência, em tempos de crise como os nossos, as ações da Tegma têm poucas chances de cair graças a seus polpudos dividendos e poderia até ser chamada de uma empresa mais ""defensiva"". Humilde opinião minha. Como disse antes, estou reduzindo minha posição em Tegma existem opções com melhor custoxbenefício, mas no setor, eu ainda prefiro ela."

3615 - pobre - 05/Abr/2009 18:26
"Somando se a isso, temos que a login tem 6,6% de suas ações em tesouraria e após o cancelamento teremos uma melhora desses 6,6% nos atuais números que já são bons. Este ano ela também já assinou contrato para a logística de duas empresas (braskem e monsanto) o que ajudará a aumentar o seu lucro que já foi recorde o ano passado."
"Concluindo, acho uma bela opção de investimento."


"Small, vc poderia analisar este nosso raciocínio, pois em sua carteira está a Tegma em vez da Login."

3570 - danieljoseaa - 04/Abr/2009 18:36
"Vou comentar baseado nos indicadores, já que não acompanho a empresa, vamos lá:"
"P/l de 7,15 ( bom, mas nem tanto, hoje em dia existem muitas outras mais atrativas por este índice)"
"P/VPA de 0,99- Bom"
"Outros pontos, talvez os principais do lado positivo, seriam sua liquidez corrente de 3,30 (3 reais e trinta centavos para cada real de dívida) e sua Divbr/patrimônio quase zerada 0,06."
"Ainda tem em caixa 145.632.000 milhões, ou seja grande candidata a passar sem grandes dificuldades por uma crise, só com aplicação pode ter quase 5 milhões de reais por trimestre."
"Lados negativos seriam, para os padrões atuais seu ""alto P/L"", um baixo ROE de 13,9% e sua pão-durice em distribuir dividendos, DY de 2,8% e talvez uma menor demanda por seus serviços, apesar de que creio que o pior da crise tenha passado e ela passou impune no 4° tri, vamos ver como se comporta no início de 2009."
Dados: site Fundamentus.


"OBS: Caso seu interesse seja de comprar, eu, isso eu, esperaria ela soltar seu resultado do 1° tri, já que seu trimestre de comparação do ano passado foi seu maior lucro no ano de 2008, por volta de 36 milhões, ou seja muito provavelmente terá um lucro menor neste 1/tri de 2009 se comparado ao 1° tri de 2008, isso pode eventualmente gerar uma queda no preço de suas ações."

668 - small caps - 16/Dez/2008 13:51
"(652) diogoafonso, LOGN3 considero uma compra interessante nos preços atuais para diversificação e exposição ao setor de logística, juntamente com TGMA3. Tem sólida situação de caixa para atravessar a crise. Provavelmente deve sofrer um pouco com a queda de demanda de commodities, mas no médio prazo o preço atual pode representar uma oportunidade."

Nenhum comentário: