Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 5 de abril de 2020

Serviços Educacionais
















Boa noite prof, é nítido o interesse do nosso ministro da economia em privatizar ou enfraquecer os Institutos e Universidades federais, focando os investimentos nas áreas de ensino básico. O movimento do mercado parece se antecipar e os preços das empresas ligadas ao setor educacional vem subindo. Existe alguma queridinha que está na patuá do Sr? Comecei a acompanhar a KROT3, SEER3, ESTC3.

349221  - marcosvinicius2 -  23 Abr 2018, 22:57
COMPARAÇÃO ENTRE EMPRESAS DO MESMO SETOR (KROT3 X SEER3 X ESTC3): 

No caso de comparativo entre 3 empresas, uma das alternativas pode ser a montagem de uma TABELA com dados operacionais para melhor avaliação (aproveitei o EXEMPLO utilizado pelo prof. com FIBR3 X KLBN4 X SUZB5).

Image and video hosting by TinyPic

CONCLUSÃO: Na comparação entre empresas do mesmo segmento (KROT3 X SEER3 X ESTC3), utilizando os PARÂMETROS DE ATRATIVIDADE mais convencionais, a melhor sequencia seria KROT3 > SEER3 > ESTC3, levando em consideração os indicadores: P/L, P/VPA, Div. Yield, EV/EBITDA, MARGEM BRUTA, MARGEM OPERACIONAL, MARGEM LIQUIDA, MARGEM EBITDA, DB/PL E LIQUIDEZ CORRENTE, PSR E LUCRO POR AÇÃO. 

DESEMPENHO FINANCEIRO (KROTON): Receitas Bruta e Líquida–a Kroton encerrou o exercício social de 2017 com receita bruta de R$ 7.151,6 milhões, um aumento de 6,2% frente ao ano anterior, impulsionado pelos resultados positivos dos processos de captação e rematrículas, tanto no Ensino Superior Presencial quanto no Ensino Superior a Distância,mesmo em um cenário macroeconômico desafiador, além dos impactos iniciais dos novos campi e dos novos polos lançados em 2017. Também contribuiu para este resultado o aumento no ticket médio presencial, por sua vez amparado pelo melhor mix de cursos e reajustes anuais das mensalidades. Estes efeitos mais que compensaram a perda de receita com a venda de ativos (FAIR, FAC/FAMAT) realizada em agosto. Com isso,a receita líquida totalizou R$ 5.557,7 milhões, 6,0% superior em relação a 2016, e em linha com o comportamento observado na receita bruta.; 

EBITDA–Em 2017, a Kroton registrou um EBITDA ajustado de R$ 2.450,7 milhões, aumento de 6,5%, com uma margem de 44,1%, alta de 0,2p.p. em relação ao ano anterior. Esse resultado é fruto do aumento de receita e alavancas de eficiência e controle de custos já detalhados. Juros e mora sobre mensalidades em atraso estão incluídos no montante do EBITDA. Se incluídos eventos e despesas não recorrentes (R$ 194,4 milhões negativos, relacionados a rescisões, reestruturação de unidades, projetos de M&A e expansão e outros projetos, parcialmente compensados pelo impacto positivo do ganho de capital da venda da FAIR/FAC/FAMAT), o EBITDA seria de R$ 2.256,3 milhões em 2017,com uma margem de 40,6%, uma redução de 5,3p.p. na comparação anual, como consequência do impacto do ganho de capital da venda da Uniasselvi em 2016.

349183  - marcosvinicius2 -  22 Abr 2018, 23:24
COMPARAÇÃO ENTRE EMPRESAS DO MESMO SETOR (KROT3 X ESTC3):

KROT3
PREÇO: 13,50
PAYOUT (2017): 36,87%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,77
P/VPA 1,46
PSR 3,98
DY 3,13%
EV/EBITDA 10,03
MARGEM BRUTA 62,11%
MARGEM OPERACIONAL 34,56%
MARGEM LÍQUIDA 33,87%
LUCRO POR AÇÃO 1,147
MARGEM EBITDA 37,99%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,95%
ROE 12,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,63

O P/VPA da KROT3 corrente é 1,46. O seu (P/L)U3M = 14,17 (anualizando o lucro do último trimestre) e o seu (P/L)U6M = 13,16 (anualizando o lucro do último semestre). Até mesmo o (P/L)U12M = 11,77 é bastante "RAZOAVEL". Note que o lucro vem mantendo-se estavel, trimestre a trimestre. O seu (ROE)U3M = 10,28%, (ROE)U6M = 11,07%, ou (ROE)U12M = 12,38% ESTÁ EM LINHA com o setor.

ESTC3
PREÇO: 35,32
PAYOUT (2017): 20,64%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 25,74
P/VPA 3,94
PSR 3,23
DY 0,80%
EV/EBITDA 15,20
MARGEM BRUTA 47,41%
MARGEM OPERACIONAL 12,79%
MARGEM LÍQUIDA 12,57%
LUCRO POR AÇÃO 1,372
MARGEM EBITDA 21,83%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 29,18%
ROE 15,29%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,97

O P/VPA da ESTC3 corrente é 3,94. O seu (P/L)U3M = -213,68 (anualizando o lucro do último trimestre) e o seu (P/L)U6M = 40,03 (anualizando o lucro do último semestre). SOMENTE o (P/L)U12M = 25,74 é considerado "RAZOAVEL". Note que o lucro vem mantendo-se estavel, trimestre a trimestre (EXCEÇÃO 4T17). O seu (ROE)U3M = -1,84%, (ROE)U6M = 9,83%, ou (ROE)U12M = 15,29% ESTÁ EM LINHA com o setor.

O valor de mercado é da ESTC3= R$ 10.929 milhões (BANCO DE DADOS = 309.434 x 35,32) e P/VPA = 3,94. Considerando o P/VPA MAIOR da ESTC3 quando comparada a KROT3, vamos admitir um P/L, para ESTC3, IGUAL (P/L KROT3 = P/L ESTC3). Um lucro líquido anual de R$ 931 milhões produziria um P/L de 35,32 X 309.434/931 = 11,74!!! Para conseguir de forma recorrente um lucro líquido anual de R$ 931 milhões, o lucro operacional teria que ser de R$ 938 milhões. Como a despesa operacional anual é de aprox. R$ 1.058 milhões, o lucro bruto teria que ser de R$ 2.108 milhões, ou seja, quase R$ 527 milhões por trimestre. Mesmo admitindo uma margem bruta de 54,26% (que a empresa nunca apresentou em sua história), a receita líquida teria que ser de R$ 971 milhões por trimestre. Hoje a média trimestral está em R$ 844 milhões, ou seja, praticamente 87% do que é necessário.

CONCLUSÃO: Na comparação entre empresas do mesmo segmento (KROT3 X ESTC3), os PARÂMETROS DE ATRATIVIDADE da KROT3 > ESTC3, KROT3 levando vantagem nos indicadores: P/L, P/VPA, Div. Yield, EV/EBITDA, MARGEM BRUTA, MARGEM OPERACIONAL, MARGEM LIQUIDA, MARGEM EBITDA, DB/PL E LIQUIDEZ CORRENTE, mas levando desvantagem com PSR E LUCRO POR AÇÃO.

Prof Paulo, qual a sua opinião ?
O que vc acha dessa diferença entre as educacionais #KROT3 #SEER3 e #ESTC3, porque o mercado não enxerga o potencial da KROT3 mesmo sabendo que a mesma que tem margem muito,retorno aos sócios em crescimento e dividendos?
Recomendações de banco
Bank Of America Merrill Lynch: O BoFA manteve recomendações de compra para os ativos da (KROT3), (SEER3) e (ESTC3); além disso, optou por cortar os preços-alvo dos papeis para R$ 19, R$ 33 e R$ 44, respetivamente.

298803 - NumBroker  -  09 Jun 2015, 19:19
Educacionais

Os papéis do setor educacional registram forte alta nesta sessão, refletindo o anúncio do Ministro da Educação, Renato Janine, de que o Fies será reaberto no 2º semestre de 2015. Na Bolsa, avançam as ações de todas empresas expostas ao programa: Kroton (KROT3, R$ 12,05, +3,43%), Estácio (ESTC3, R$ 19,30, +6,04%), Anima (ANIM3, R$ 22,28, +2,63%) e Ser Educacional (SEER3, R$ 14,07, +4,22%).

O desempenho da Ser, no entanto, descola das demais na Bolsa nesta sessão. Hoje, o Bradesco BBI soltou um relatório destacando que o valuation da empresa parece atrativo mesmo com os desafios econômicos. A recomendação do banco para a ação é outperform (desempenho acima da média), com preço-alvo de R$ 26,00.

Além disso, segundo o anúncio do ministro, a prioridade do Fies serão as regiões Norte e Nordeste - que a Ser possui forte exposição.

fonte: http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/4091742/concessionarias-caem-apos-anuncio-estacio-dispara-com-fies-petrobras-sobe

Sigo comprado na SEER...

Análise Coin Valores
As perspectivas para 2011 são positivas, baseadas em vários fatores que vêm impulsionando o setor educacional privado nos últimos anos. Assim como observado em outros diversos setores, chama atenção a ascensão da classe C, que depois de concentrar seu consumo em bens duráveis ao longo dos últimos anos, está aumentando o consumo de serviços como educação e saúde. Dentre os 21 milhões de brasileiros da classe C com idade entre 18 e 35 anos, apenas 9% cursou ou está cursando o ensino superior. Desta forma, o mercado de ensino superior tem a chance de crescer significativamente buscando penetração nos níveis de renda mais baixos. Uma das barreiras de entrada para o ensino superior esta relacionado à renda, diante disso, observa-se que a penetração é elevada nas classes A e B, porém baixa nas
demais, desta maneira abre-se para as intuições a oportunidade de investimentos focados na classe C e D.
De acordo com dados do Ministério da Educação e Cultura (MEC), cerca de um terço da população brasileira é composta por jovens estudantes matriculados no Ensino Básico.
Este contingente é de 60 milhões de alunos. Mas apenas 4,7 milhões ascendem ao ensino superior (1,2 milhão estuda em instituições públicas e 3,5 milhões em faculdades privadas).
Segundo informações divulgadas na mídia, para transpor as barreiras do ensino superior as instituições privadas de ensino superior contam com duas ferramentas: financiamento estudantil (FIES - Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - pelo governo) e tecnologia.
No rol de medidas de estímulo governamental, vale destacar que em 20 de outubro deste ano foi anunciada a criação do Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC), e a partir de então o estudante que pleitear recursos do Fies não precisará mais apresentar fiador. O fundo será o fiador do estudante, desde que ele esteja matriculado em cursos de licenciatura ou que tenha renda familiar mensal per capita de até um salário mínimo e meio. A noticia foi positiva para o setor e beneficiará as companhias que aderirem ao fundo. A principal barreira para o financiamento estudantil era a necessidade de um fiador. A conclusão desta medida é que a partir de agora podemos esperar crescimento das matriculas no ensino superior, redução no número de evasão e queda significativa nos índices de inadimplência.
Outro ponto importante no tabuleiro deste setor é o uso da tecnologia. Com a popularização da internet e da banda larga o Ensino a Distância (EAD) começou a ganhar cada vez mais espaço. Segundo o censo da Associação Brasileira de Educação a Distancia (Abed) havia 649.854 pessoas matriculadas no curso on-line superior em 2009. Entre 2005 e 2008, os estudantes do ensino a distância cresceram mais de 600%.
Segundo apuramos via mídia, novas tecnologias viabilizam a entrega de conteúdo digital à distância, seja via satélite ou pela Internet. Deste modo, reduz-se os principais custos do negócio em aproximadamente 75%, o que permite reduzir a mensalidade. Na opinião de especialistas, essas ferramentas serão importantes para que as instituições privadas de ensino superior deixem para trás uma incômoda situação de baixo crescimento e elevada inadimplência. Em nossa opinião, a combinação de crescimento econômico, ajuda governamental, baixa penetração e investimento em tecnologia, são os ingredientes necessários para o sucesso das companhias listadas em bolsa e para o setor como um todo
-->


-->
33683 - danielbehar - 26/Abr/2010 09:59
» Educação: revisão do setor
A analista Juliana Rozenbaum revisou suas estimativas para as empresas do setor de educação, que agora têm novas recomendações e preços justos para o final de 2010. No curto prazo, a analista acredita que o foco recaia mais sobre a expansão de margem e menos sobre o crescimento. Após a onda de fusões e aquisições nos últimos anos e o impacto negativo que a crise econômica teve sobre o número de matrículas e o capital de giro das empresas do setor, as companhias do segmento de educação agora estão focadas em ganhos de eficiência, a fim de recuperar as margens e compensar o menor crescimento orgânico esperado. A execução e os valuations, no entanto, devem ser monitorados de perto. A ação preferida no setor é Kroton (KROT11), que tem preço justo de R$ 22,20. Na opinião da analista, o mercado teve uma reação exagerada a respeito da reestruturação operacional da empresa. As ações KROT11 estão sendo negociadas com desconto de 22% em relação a seus pares, mesmo antes de se considerar a total integração de sinergias neste ano, e devem se beneficiar da eficiência acadêmica da IUNI. As recomendações de Anhanguera (AEDU11) e Estácio (ESTC3) continuam sendo de outperform (desempenho acima da média do mercado) e market perform (desempenho em linha com a média do mercado), respectivamente, enquanto SEB (SEBB1) foi rebaixada para market perform – de acordo com a analista, apesar de ainda considerar a SEB uma empresa diferenciada no setor, seu valuation relativo está menos atraente devido ao desempenho abaixo do mercado de seus pares.

Nenhum comentário: