Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 27 de março de 2019

Multiplus (MPLU)

Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: cfernando (2018) - gguimaraes (2017) - ispholambra (mai/18) - Joe Slovack (2018) - jpma1977 (jul/16) - M Boi Mirim (2018) - NumBroker (2018) - paulo_prof (mar/17) - pinheiro87 (jun/18) - Small Caps (fev/11) - steve ray (jul/17)

Carteiras
Barrueco (ago/18) - Biguelo (mar/18jul/18) - brunospc (set/18) - calabro (mai/18) - CAP7 (mar/17nov/17mar/18mai/18jul/18) - Chupim PRO (ago/15) - crypto_spud (mai/18) - Danielrp1986 (set/17nov/17) - disc126 (mai/18) - effexop (mai/18) - escalador (fev/18) -  fridao (mar/17mai/17ago/17dez/17fev/18mai/18jun/18,  jul/18) - gguimaraes (mar/17) - Gusmaran (mar/17mai/17) - ikkii (nov/15jan/16fev/16mar/16, abr/16, mai/16jun/16jul/16, ago/16set/16out/16, nov/16dez/16,  jan/17fev/17mar/17abr/17) - ispholambra (abr/18) - Jonas_Schwingel (set/17jan/18jul/18) - jpma1977 (jul/16, ago/16) - Lucro Liquido (mai/18jun/18) - Minkowski (jul/17) - mocosta (nov/17) - MOL5ON (dez/17) - paulo_prof (jun/18) - pinheiro87 (jul/16jun/18) - rafamcl (dez/17) - Rocha Preta inc (mar/18mai/18) - Sidnei Roberto (ago/15) - TLT123 (fev/18) - ulyssys (jun/18)

Códigos de Negociação
Tipo


Balanços
A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Há quantos meses a Tam colocou o bode na sala? Vai saber porque est[a levando tanto tempo assim para finalmente proceder para a OPA de cancelamento de seu registro.
Não li as entrelinhas, mas parece que o operacional está ok. No 4T18 a curva de resultados que apontava para baixo foi revertida. Ao que parece, os comprados ao prçeo atual estão contratando um DY de aprox. 8% líquidos. O preço vai oscilar em torno do valor atual. Não há como levantar a âncora colocada pela Tam.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Resultados pífios decrescentes ... De qualquer forma, os resultados são irrelevantes. pois o controlador ofereceu R$ 27,22 pçor ação para fechar o capital da empresa. Com a decisão de não renovar o contrato com a empresa (expira em 2025), o valor "justo" do ativo não chega perto do valor oferecido. Isto porque o contrato com o controlador representa pelo menos 75% da receita. De fato, uma avaliação efetuada por órgão independete chegou a um valor entre R$ 15,23 e 16,75.
Os proventos recentemente distribuídos (aprox. R$ 0,38 por ação) deverão ser subtraídos do preço ofertado. Ou seja, o preço oferecido na OPA deve ser ajustado para algo aprox. R$ 26,84. A questão que se apresenta é se é mais vantajoso vender a mercado com desconto (e aproveitar eventuais valorizações de ativos em curso) ou esperar a OPA e receber o valor oferecido.
No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.

marcosvinicius2 -  
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LÍQUIDO = Resultado Líquido de R$ 64,908 milhões no 3T18 x R$ 162,3 milhões no 3T17; RESULTADO OPERACIONAL = R$ 91,961 milhões no 3T18 x 185,6 milhões no 3T17; RESULTADO FINANCEIRO = R$ 21,928 milhões no 3T18 x 54,990 milhões no 3T17; EBITDA = R$ 76,530 milhões no 3T18 x 139,8 milhões no 3T17; RELATORIO DA ADM = "Registramos 21,6 bilhões de pontos emitidos no trimestre, sendo que 28% foram de fontes não aéreas e não financeiras, resultado da estratégia da Multiplus de diversificar as formas de acúmulo de pontos, por meio dos parceiros do varejo, clube Multiplus, seguros, reservas de hotéis, ingressos, entre outros. Foram 20,2 milhões de pontos resgatados, crescimento de 12,3% em comparação com o 3T17. Os resgates de passagens aéreas representaram 86% do total, resultado das campanhas que realizamos em parceria com a LATAM, que comprova que o grande desejo de resgate dos nossos participantes é voar".

2T2018 -
Paulo Prof - 
Sinal de alerta ligado ... resultados sofríveis. É necessário ler o relatório para verificar se há luzes no final do túnel.
No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.

fridao   - 
Numa primeira visualização...um horror...

1T2018 -
Jonas_Schwingel  -  
MPLU deixou minha esposa feliz hoje. Ontem mais que dobrei a posição do papel na carteira dela. Sigo acreditando que o papel oferece risco muito baixo nos preços atuais. Não vejo nada de errado no operacional nem na administração nem nas atitudes recentes do controlador nem na demanda pelos serviços prestados pela cia. Como acredito que a Selic deve parar de cair e quiçá subir devido à pressão que a alta do USD deve exercer sobre os preços, que a pressão negativa sobre o LL da cia. exercida pelo resultado financeiro menor deve estar próximo ao ponto de inflexão e que o mercado não dá a mínima para o passado, os drivers para a manutenção do mercado de baixa podem ter enfim se esgotado. O movimento de hoje me pareceu o de players cobrindo apressadamente posições vendidas. A conferir. Estou bem tranquilo com as posições. Se for o fundo, Ok. Se ainda não for, ok. Sou um cara bem paciente.

Paulo Prof -
A Multiplus está sofrendo não somente para gerar um ganho financeiro razoável com o seu grande caixa. Está sofrendo também na geração de um resultado bruto em linha com o que estava acostumada. Enquanto não inovar nas aplicações financeiras, o seu caixa de aprox. R$ 1,7 bilhões não renderá mais do que R$ 100 milhões anuais. Por outro lado, não vejo como o operacional geral mais de R$ 500 milhões anualmente, antes dos impostos. Isto dá um total de R$ 600 milhões, na melhor das hipóteses, que corresponde a aprox. R$ 400 milhões líquidos, ou R$ 2,469/ação, compatível com um preço justo de aprox. R$ 30,50.
Moral da história ... o mercado pode estar exagerando!

A2017/4T2017 -
Jonas_Schwingel -
Achei razoáveis os resultados da MPLU. Longe de ser uma Brastemp, mas também longe de justificar o pessimismo atual do mercado com o papel.
Houve pífio crescimento do LL na base anual, ou seja, em termos reais houve uma leve perda. E há de se considerar que existe um não recorrente no 3T17 que, se expurgado, anularia o leve crescimento nominal do LL entre 2016 e 2017.
Na base trimestral (tanto comparando com o 3T17 quanto com o 4T16) a foto está mais feia, mas penso que principalmente por causa do resultado financeiro menor devido à queda dos juros. O resultado meio fraco no 4T17 ocasionou um dividendo trimestral em torno de R$ 0,7/ação, abaixo da média mas ainda muito atrativo para os tempos atuais.
No mais me parece tudo normal. Houve crescimento real na receita operacional e aumento na base de clientes. E, como comentado acima, a diretoria comentou recentemente que não reduzirá payout. Como a empresa mantém boa posição de caixa, creio que, apesar dos resultados estarem meios estagnados, a empresa continuará dando um bom yield em relação aos preços atuais.
Acho que está exagerado o pessimismo com o ativo, mas isso que é marca carimbada do Sr. Mercado de onde frequentemente nascem oportunidades. Devo manter posição de 5% da RV na ação e comprar mais caso a tendência de queda permaneça. Vamos ver o que acontece.

NumBroker  -
Achei o resultado de Multiplus de meia boca pra ruim, mas não é o fim do mundo e pra quem tá focado em dividendos, achei bom, como ela tá com um caminhão de caixa ela distribui o lucro todo e mais um pouco, sem problemas.
Resgates em passagens internacionais pesando no custo de resgate de passagem. OK...
Queda da Selic derrubando o resultado financeiro. OK...
Isso aqui que achei curioso:
Custo dos resgates em outros produtos/serviços (smartphone, eletrodomésticos...) aumentou 45%!!! comparando 4T17 x 3T17. Aí você pensa "nossa, virou uma Amazon de tanto resgatar em buginganga", E quando você compara a participação na receita de pontos resgatados em outros produtos/serviços 4T17 x 3T17 vemos a participação aumentar de 15% para 21%. Realmente resgatou muita buginganga.
Trocar pontos por produtos traz margem menor pra Multiplus, por isso a Smiles não entra com vontade nesse terreno. MAS é foco da Multiplus abocanhar o varejo da fidelidade, então é isso aí, o problema foi a receita estagnar mesmo.

paulo_prof  -
A involução dos resultados recorrentes é nítida. A Receita Líquida, que no 1T17 emplacou R$ 598 milhões, no 2T17 caiu para R$ 590 milhões e no 3T17, para R$ 551 milhões. No 4T17 houve uma recuperação (R$ 527 milhões), mas com perda substancial da margem bruta. Em consequência, o Resultado Bruto caiu continuamente em 2017, passando de R$ 205 milhões, no 1T17, para R$ 164 milhões no 4T17 e paradas intermediárias em R$ 195 e R$ 184 milhões. Da mesma forma, o Resultado Financeiro Recorrente caiu continuamente no exercício: R$ 43 milhões, R$ 39 milhões, R$ 32 milhões e R$ 24 milhões. No que concerne o Resultado Antes dos Impostos, há que se analilsar o que ocorreu no 4T17. As depesas operacionais, cuja média trimestral foi de R$ 49,5 milhoes nos 9 primeiros meses do exercício, caíram para R$ 16 milhões no 4T17. Pode ter ocorrido um não recorrente aí ... (se o Resultado Bruto é pior, e o Resultado Financeiro é muito pior do que os valores postados no 3T17, era de se esperar que o Resultado Antes dos Impostos no 4T17 fosse sensivemente pior do que aquele do 3T17. Finalmente, o lucro líquido ... aprsenta a mesma tendência: os R$ 134 milhões do 1T17, cairam para R$ 126 milhões, depois para R$ 112 milhões e finalmente, R$ 94 milhões.
Se eu tivesse hoje que estimar qual deverá ser o lucro líquido do exercício de 2018, diria que dificilmente ultrapassará os R$ 400 milhões e para que este lucro reinicie uma trajetória de crescimento, a empresa terá que se re-inventar. A ver.

3T2017 -
paulo_prof   -
A MPLU teve uma "receita" não recorrente no 3T17. devido a um efeito de atualização monetária e créditos tributários oriundos de antecipações de impostos federais (IRPJ e CSL) no ano de 2010. Esta "receita" impactou o Resultado Financeiro em R$ 23,1 milhões, o IR/CS em R$ 27,2 milh'oes e o lucro liquido em R$ 50,3 milhões. "Expurgando" estes efeitos do resultado do 3T17, as luzes de alerta acenderam. As quedas no Resultado Antes dos Impostos, Lucro Líquido e Ebitda na base trimestral, não parecem conjunturais. É possível que a expansão com o Grupo Latam Airlines e expansão da atuação internacional no Paraguai, México, EUA, Canadá e todos os países da Europa, bem como o acesso irrestrito que a empresa terá aos vôos da cias aéreas que integram o grupo Latam, deverá reverter a sangria ... mas as barbas estão de molho.
De qualquer forma, tendo em vista as perspectivas de recuperação no curto prazo e a situação corrente que de forma alguma pode ser considerada calamitosa, acho que o ativo está só levemente "esticado".
Os múltiplos abaixo projetam um DY bruto de 8,59% para um investimento realizado ao preço atual. Este múltiplo foi calculado com base num lucro líquido expurgado em R$ 50,3 milhões. Re-introduzindo estes R$ 50,3 milhões na última linha leva a DY = 9,47%.

marcosvinicius2  -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E TAMBEM NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 31 TRIMESTRES, 31 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 162.357 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 125.962 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = 134.081. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 195.676 X 3T17 = 183.830. VALOR DE MERCADO (MIL) = 5.370.362; VALOR MAXIMO (MIL) = 7.611.884 NO 2T12; VE PSBE (MIL) = 6.167.239.

2T2017 -
paulo_prof   -
O Ebitda está estacionado em termos nominais. Como os resultados financeiros estão involuindo, não há como o lucro crescer. A taxa de cerscimento do lucro é negativa em termos nominais, tanto na base trimestral, quando anual. Percebe-se, também, uma redução mais forte na base trimestral, o que possivelmente levará a uma deterioração dos resultados nos próximos trimestres.
Em consequência, mesmo estando sensivelmente mais barato que há 3 meses, acho que ainda está caro.

1T2017 -
paulo_prof  -
Na base anual, os resultados medidos em termos de lucro líquido e ebitda estão perdendo levemente da inflação. Na base trimestral parece estar ocorrendo uma recuperação, com lucro líquido e ebitda evoluindo um pouco acima da inflação.
O ativo me parece bem precificado pelo mercado

A2016/4T2016 -
paulo_prof   -
Ativo parece razoavelmente bem precificado.

3T2016 -
pinheiro87   -
Resultado ruim

paulo_prof -
O resultado do 3T16, noque concerne a última linha, acendeu a luz amarela ... Em termos nominais, o lucro líquido do 3T16 foi 7,4% menor do que o resultado do 3T15. Um atenuante foi o resultado em termos da geração de caixa medida pelo Ebitda, aprox igual em termos reais à do ano passado. Em termos anuais, o lucro dos últimos 12 meses em termos reais cresceu aprox. 27% em relação ao lucro dos 12 meses anteriores. Há que se observar, entretanto, como os números se comportarão no próximo trimestre. De qualquer forma, o risco de um investimento no preço atual é, na minha opinião, relativamente baixo, visto que há alguma "gordura" para queimar.

2T2016 -
paulo_prof   -
Uma máquina ... Na minha opinião, o ativo está muito barato! Este preço vai deixar saudade!

3T2015 -
danieljoseaa  -
Muito bom o resultado da Multiplus, porém foi turbinado pelo financeiro já que tem uma parte de suas reservas em fundos cambiais, tendo quase 50 milhões de lucro financeiro graças à valorização do dólar neste trimestre, tendo dobrado o resultado financeiro em relação ao trimestre passado, já o lucro operacional foi semelhante ao 2°tri/15 e 30% maior que o 3° tri/14.
Mesmo sem contar o provável não recorrente da valorização cambial, um resultado muito forte.

paulo_prof  -
Como bem observado pelo danieljoseaa, ótimo resultado turbinado pelo financeiro. Excluindo o financeiro, entretanto, o resultado continua muito bom, coma Receita aumentando 20% em termos nominais e o Ebitda aumentando 39% na base trimestral. Se vc acredita que o lucro poderá crescer à taxa corrente por alguns anos, o ativo estaria barato!

2T2015 -
paulo_prof  -
Vixe ... a empresa continua entregando !!!

1T2015 -
paulo_prof  -
Cada vez mais foguete ... cada vez mais "barata"!

3T2014 -
paulo_prof -
Um foguete ... para justificar o preço atual necessita que a taxa anual real de crescimento do lucro líquido seja 13,5% em média, nos próximos 5 anos ... Esta taxa já foi sensivelmente maior !!!

2T2014 -
paulo_prof -
Vc acredita que a empresa conseguirá continuar entregando um lucro líquido anual crescendo a uma taxa real acima dos 15% nos próximos 5 anos ??? Então o ativo não está caro !!!

Igos1981  -
Belo resultado . Sigo comprado

ch3481 -
Aumento LL de 25% comparativo 1s13 X 1s14
Aumento EBITDA de 24% comparativo 1s13 X 1s14
Endividamento (DL/EBITDA) caiu de 2,94 para 2,81 comparativo trimestres
Bom resultado....;-);-) 

3T2013 -
paulo_prof  -
Para vc que gosta de luxo e não se satisfez com a RADL3, mais um docinho caro !!!!

3T2012 -
israel007 - 
Bem interessante

1T2012 -  
kknove - 
não achou ruim

Características
Atua com o conceito de rede de empresas e programas de fidelização por meio desta rede. Os consumidores podem acumular e resgatar pontos nos estabelecimentos parceiros.
Há quantos meses a Tam colocou o bode na sala? Vai saber porque est[a levando tanto tempo assim para finalmente proceder para a OPA de cancelamento de seu registro.

Não li as entrelinhas, mas parece que o operacional está ok. No 4T18 a curva de resultados que apontava para baixo foi revertida. Ao que parece, os comprados ao prçeo atual estão contratando um DY de aprox. 8% líquidos. O preço vai oscilar em torno do valor atual. Não há como levantar a âncora colocada pela Tam.

No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.

MPLU3

PREÇO: R$ 25,26

PAYOUT (2018): 100,0%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,48

P/VPA 16,35

PSR 6,47

DY 8,71%

EV/EBITDA 6,68

MARGEM BRUTA 95,3%

MARGEM OPERACIONAL 82,7%

MARGEM LÍQUIDA 56,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,200

MARGEM EBITDA 70,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 142,40%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,06


Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -17,29%

RESULTADO BRUTO -18,88%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -25,20%

RESULTADO OPERACIONAL -27,47%

RESULTADO LÍQUIDO -23,67%

EBITDA -26,74%

b 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +20,36%

RESULTADO BRUTO 20,97%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -29,76%

RESULTADO OPERACIONAL +28,79%

RESULTADO LÍQUIDO +26,55%

EBITDA +42,39%

c) lucro (taxa média anual)

UA -23,67%

U2A -16,71%

U3A -9,43%

d) patrimônio líquido médio

UA -18,63%

U2A -8,81%

U3A -4,85%

e) ebitda (taxa média anual)

UA -26,74%

U2A -12,56%

U3A -5,66%

U4A 7,36%

U5A 9,41%

U6A 10,83%

U7A 5,36%

U8A 16,55%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,50

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,5%

357068  - paulo_prof  -  24 Dez 2018, 03:31
Citação: roger35 - Post #357066 - 23/Dez/2018 20:38
Com relacao a MPLU3
,alguém tem alguma ideia do porque deste novo laudo de avaliação pedido ao credit suisse(que já soltou um laudo prévio com valor de 15,99)?será que vão querer fazer média entre os valores de 15,99 e 27 na opa fechamento?parece que ocorreu aumento no volume negociado nos últimos dias......
Em princípio, a Latam pode até desistir da OPA. O que não pode fazer é simplesmente reduzir a oferta de R$ 27,22 que fez em setembro. A base para esta oferta foi a média ponderada das cotações nos 90 dias anteriores + um prêmio (se não me engano, algo na casa dos 10%). Já "pegou" muito mal a "esperteza" da Latam, comunicando que o contrato com a MPLU não seria renovado e em seguida fazendo a ofera dos R$ 27,22.

Até meados/fins de fevereiro, a ação vinha sendo negociada aprox. na faixa dos R$ 35-40. Aí começou o zum-zum de uma possível não renovação de contrato (aposto que a intenção da Latam foi propositalmente vazada), derrubando as ações para um patamar no entorno dos R$ 25. Isto permitiu ao controlador da MPLU "fabricar" uma oferta supostamente interessante nos 27,xx. A avaliação da empresa pelo credit suisse é só para inglês ver ... ou seja, para mostrar que a Latam estaria oferecendo um preço mais do que justo. (Note que, de fato, sem a continuidade do contrado da Latam, a MPLU não deve valer mesmo mais do que os R$ 16 calculados pelo Credit Suisse).

Ocorre que a Latam não pode correr o risco de sua OPA não ser bem sucedida. Ao fechar o capital, ela estará antecipando o final do contrato, ou seja, não terá que esperar para incorporar o programa de milhagem e se beneficiar das sinergias. Não tenho idéia de quanto valeria para a Latam esta antecipação. Certamente mais do que os R$ 11 que está oferecendo acima do preço justo avaliado.

356416 - marcosvinicius2 -  01 Dez 2018, 10:43
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LÍQUIDO = Resultado Líquido de R$ 64,908 milhões no 3T18 x R$ 162,3 milhões no 3T17; RESULTADO OPERACIONAL = R$ 91,961 milhões no 3T18 x 185,6 milhões no 3T17; RESULTADO FINANCEIRO = R$ 21,928 milhões no 3T18 x 54,990 milhões no 3T17; EBITDA = R$ 76,530 milhões no 3T18 x 139,8 milhões no 3T17; RELATORIO DA ADM = "Registramos 21,6 bilhões de pontos emitidos no trimestre, sendo que 28% foram de fontes não aéreas e não financeiras, resultado da estratégia da Multiplus de diversificar as formas de acúmulo de pontos, por meio dos parceiros do varejo, clube Multiplus, seguros, reservas de hotéis, ingressos, entre outros. Foram 20,2 milhões de pontos resgatados, crescimento de 12,3% em comparação com o 3T17. Os resgates de passagens aéreas representaram 86% do total, resultado das campanhas que realizamos em parceria com a LATAM, que comprova que o grande desejo de resgate dos nossos participantes é voar":

MPLU3
PREÇO: R$ 24,72
PAYOUT (2017): 104,04%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,11
P/VPA 20,88
PSR 4,05
DY 8,59%
EV/EBITDA 9,32
MARGEM BRUTA 56,50%
MARGEM OPERACIONAL 52,27%
MARGEM LÍQUIDA 33,46%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,042
MARGEM EBITDA 43,52%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 712,81%
ROE 172,47%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,02

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -56,67%
RESULTADO BRUTO -26,39%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -39,75%
RESULTADO OPERACIONAL -30,23%
RESULTADO LÍQUIDO -38,53%
EBITDA -26,49%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -77,61%
RESULTADO BRUTO -38,48%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -60,12%
RESULTADO OPERACIONAL -50,48%
RESULTADO LÍQUIDO -60,02%
EBITDA -45,27%

c) lucro (taxa média anual)
UA -38,53%
U2A -20,43%
U3A -8,86%

d) patrimônio líquido médio
UA -20,86%
U2A -9,58%
U3A -3,93%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 25,53
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,00% !!!!
[...]

355741 - paulo_prof  - 09 Nov 2018, 01:35
Resultados pífios decrescentes ... De qualquer forma, os resultados são irrelevantes. pois o controlador ofereceu R$ 27,22 pçor ação para fechar o capital da empresa. Com a decisão de não renovar o contrato com a empresa (expira em 2025), o valor "justo" do ativo não chega perto do valor oferecido. Isto porque o contrato com o controlador representa pelo menos 75% da receita. De fato, uma avaliação efetuada por órgão independete chegou a um valor entre R$ 15,23 e 16,75.

Os proventos recentemente distribuídos (aprox. R$ 0,38 por ação) deverão ser subtraídos do preço ofertado. Ou seja, o preço oferecido na OPA deve ser ajustado para algo aprox. R$ 26,84. A questão que se apresenta é se é mais vantajoso vender a mercado com desconto (e aproveitar eventuais valorizações de ativos em curso) ou esperar a OPA e receber o valor oferecido.


No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.



MPLU3

PREÇO: R$ 25,26

PAYOUT (2017): 110,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,35

P/VPA 21,30

PSR 6,87

DY 8,97%

EV/EBITDA 6,88

MARGEM BRUTA 95,1%

MARGEM OPERACIONAL 81,1%

MARGEM LÍQUIDA 55,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,045

MARGEM EBITDA 66,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 172,47%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,02



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -47,45%

RESULTADO BRUTO -22,88%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -31,11%

RESULTADO OPERACIONAL -35,79%

RESULTADO LÍQUIDO -32,20%

EBITDA -32,04%



b 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -33,36%

RESULTADO BRUTO -37,22%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -31,24%

RESULTADO OPERACIONAL -53,26%

RESULTADO LÍQUIDO -42,08%

EBITDA -56,02%



c) lucro (taxa média anual)

UA -32,20%

U2A -20,43%

U3A -4,43%



d) patrimônio líquido médio

UA -20,86%

U2A -9,58%

U3A -3,93%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -36,04%

U2A -19,21%

U3A -3,33%

U4A 3,15%

U5A 7,93%

U6A 8,80%

U7A 4,27%

U8A 20,45%

353449  - paulo_prof -  06 Set 2018, 14:36
De acordo com o Valor, a operação é esperada para o 1o. trimestre de 2019. O Estadão informa que a proposta será apresentada à CVM em outubro. Em consequência, dificilmente a OPA sairá ainda este ano.

353435  - paulo_prof  - 06 Set 2018, 00:38
Sim ... pelo menos por enquanto.

Ninguém pode reclamar do bode na sala, pois a Tam não é obrigada a renovar o contrato. Por outro lado, como a Tam está propondo fechar o capital, a CVM deveria ficar alerta: o que o controlador pretende? De fato, dar uma chance para que o minorit[ario possa se desfazer dos papeis, ou é parte de uma estratégia para comprar barato? De qualquer forma, a Lei permite que o controlador feche o capital da empresa, via OPA, por preço justo. Infelizmente, aqui neste país, não há qualquer garantia de que o preço de fato seja aquele justo. O avaliador, em seu exercício de FCD, vai levar em conta o bode na sala, ou seja, em sua simulação o fluxo de caixa após 2024 cairá violentamente. Em consequência. a avaliação mostrará um valor intrínseco pífio, assim como é super pífio o valor patrimonial. No frigir dos ovos, prevalecerá o valor médio de mercado, os R$ 27,22 que empresa já calculou. A empresa irá adiante com a OPA e ... eu acho que o mercado não terá muitas alternativas a aceitar.

Se eu controlasse a empresa, talvez até preferisse não conseguir fechar o capital agora ... não vejo como o ativo vir a se valorizar se a OPA fracassar. Ainda mais, se 1/3 vender dos minoritários vender e a empresa sair do novo mercado. Se o preço de mercado cair, ninguém impede de eu voltar a carga daqui um ano, ou dois, oferencendo um valor menor do que o atual, mas possivelmente com um premio muito maior (se o preço cair a R$ 15,00, pode oferecer um premio de 50% sem susto). Se a OPA não for bem sucedida, é bastante provável a politica de dividendos mudar.

Eu acho, entretanto, que a Tam não pode exagerar ... ou seja, se as suas ações inequivocamente mostram que está procurando deliberadamente desvalorizar as ações, a justiça pode intervir e o controlador acabando ter que pagar muitgo mais caro pelo controle.

Por ouotro lado, entretanto, não acredito que a Tam tenha "peito" para se desfazer da Multiplus de fato. Se as ações em circulação estiverem nas mãos de profissionais de sangue frio, estes podem decidir pagar para ver. Neste caso acho que nos "finalmentes", a Latam acabaria miando. Começar um programa de fidelidade do zero, tendo que desenvolver o software e tendo que administrar a percepção negativa do mercado (quem garante que o novo programa também não vai deixar o consumidor com a brocha na mão?) é tudo o que a Latam quer evitar.

353380 - pw777a  -  05 Set 2018, 06:03
Bingo ! Como mencionado meses atrás a Latam quer seguir o caminho da Aeroplan, AeroMexico e outras ao adquirir o controle completo de sua empresa de fidelidade, o filé de lucro de seus negócios. Assim, tenta depreciar o valor do ativo para em seguida o comprar mais barato.

Não se cogita, nem a Air Canada cogitou muitos trimestres atrás, desenvolver novo software, competencias, etc - quer mesmo é comprar o controle completo, com desconto.

Bingo !

353437 - HATN -  06 Set 2018, 04:19
Investidores da Multiplus, segundo a LATAM informa na mídia “todos os pontos dos clientes da Multiplus e benefícios de resgate permanecerão intactos. (...) a meta é incorporar a Multiplus integrando sua operação à rede do Latam Group” ou seja, a Latam vai comprar a Multiplus a um preço muito baixo e continuar lucrando alto com ela. Vamos nos unir e dizer NÃO ao OPA e só vender a no mínimo R$ 45,00 por ação. Vejam bem, se ela não conseguir fechar o capital e não renovar com a Multiplus todos os pontos dos clientes não poderão ser usados para troca em passagens e a credibilidade da Latam perante os clientes vai ser muito afetada e provavelmente um novo programa de fidelidade desta companhia aérea não será bem aceita pelo antigos clientes. Temos que pressionar a LATAM. Também temos que por um bode na sala.

353410 - Jonas_Schwingel -  05 Set 2018, 19:05
Citação: m boi mirim - Post #353407 - 05/Set/2018 16:09
Jonas mas vc acha q é o caso de comprar mais MPLU3 no momento? Trucando essa opa a preços baixos?
Do mais aproveito para perguntar o que anda comprando?
O case ficou complicado e não gosto disso. O mercado também odeia incertezas. Não vou comprar mais, mas não também não vou vender. O tamanho da posição não é tão grande. Se fosse, eu reduziria.

Como salientou o Prof., o poder da TAM na MPLU é bastante elevado pois, além de ter 73% da ações, também controla a principal "matéria prima" da empresa, o que torna esta suposta OPA muito diferente daquela da UNIP, por exemplo. Penso que as receitas providas pela MPLU à TAM são importantes, já que não está fácil ganhar dinheiro com aviação. Isso funciona como um desincentivo para que prejudiquem a empresa de fato, a ponto de espremer suas margens e LL. Então acho que o jogo será de ameaças, incitando desconforto do mercado em relação ao papel, contribuindo para que os preços permaneçam assim ou caiam. Também "acho que aqui o bode na sala tem efeito".

Considerando carteiras minha e da esposa, minhas últimas compras foram UNIP, ITSA, QGEP, TIET, TRIS, ECOR e BTC.

353408 - paulo_prof -  05 Set 2018, 17:58
Até o momento, ao afirmar que o contrato não será renovado, a TAM somente colocou o bode na sala. Afirma que estaria disposta a pagar R$ 27,22 num parágrafo, mas também explica que poderá desistir da oferta no parágrafo seguinte. Ou seja, gera um fato ao acenar com uma valor, mas sem realmente se comprometer. A decisão final ficará para (muito) depois, dando a "oportunidade" ao mercado de, via preço, manifestar a sua "opinião" sobre o real valor da empresa após o bode ter sido colocado na sala. OU alguém tem alguma dúvida de que se o valor de mercado nas próximas semanas cair abaixo dos R$ 20,00 a Tam não vá ajustar o valor da oferta?

O valor R$ 27,22 é o valor médio ponderado dos últimos 90 pregões e o "prêmio" de 11,6% sobre a cotação de fechamento de ontem é circunstancial, inclusive eventualmente influenciado por insiders atuando no mercado nos últimos meses. Ou seja, os R$ 27,22 representam uma das possíveis avaliações do valor da empresa; outra seria o valor patrimonial (ridículo) e uma outra ainda, aquela obtida via uma análise do Fluxo de Caixa Futuro Descontado.

Na minha opinão, acho que não se pode tentar comparar a tentativa de fechamento de capital de uma Multiplus, daquele de uma Whirlpool ou Unipar. Naqueles casos, o operacional das empresas não dependia essencialmente das próprias empresas. Acho que aqui o bode na sala tem efeito. O que será da Multiplus, sem um contrato com a Tam/Latam? Em tese, nestes anos até dezembro de 2024 poderia garimpar novos parceiros, procurando minimizar a sua dependência da Tam. Mas, será que o controlador permitirá que a empresa busque esta independência? Está com a faca e o queijo na mão ... não tem pressa. Pode sempre renovar o contrato com a Multiplus no apagar das luzes. Enquanto isto, manietada, a tendência será a empresa perder valor de mercado. Quanto poderá valer a Multiplus daqui há 3 anos, sem a renovação do contrato e sendo impedida em sua busca por novos parceiros?

Ou seja, eu não apostaria que a Tam não consiga o fechamento de capital numa 2a. tentativa, daqui há 2 ou 3 anos, por um preço sensivelmente menor.

353405 - Jonas_Schwingel -  05 Set 2018, 16:54
MPLU3

O controlador, que é quem sabe tudo sobre a empresa, está querendo comprar todas as ações que não são dele. Para bom entendedor...

Ameaçar prejudicar a própria carne (são donos de 73% da cia) para assustar minoritários é uma coisa. Prejudicar de fato é outra completamente diferente, apesar de que pode acontecer, dependendo do tamanho da má índole do controlador.

É realmente um pena este tipo de conduta no mercado, porém isto não é privilégio brasileiro. Este tipo de coisa acontece no mundo todo quando boas cias estão muito baratas. Faz parte do script.

Lance normal. Segue o jogo. Acho que não será fácil fechar o capital.

353404  - effexop   - 05 Set 2018, 16:23
Essa OPA de MPLU me lembra WHRL e CRUZ. Ninguém quer dividir os dividendo$$$.

Não aderi à OPA de WHRL e vendi ela bem depois com bom lucro, apesar de o DY e a liquidez terem caído muito. Espero que não vingue, as minhas MPLU por esse preço eu não vendo.


352596 - Jonas_Schwingel  07 Ago 2018, 20:55
Li no Valor que o presidente da MPLU creditou o aperto no LL ao aumento dos resgates em passagens internacionais em conjunto com apreciação do dólar no período. E que a cia. preferiu não repassar o aumento destes custos aos clientes para não comprometer a política de aumento na base de participantes, contudo, caso o cenário de dólar alto persista, a cia. deverá cedo ou tarde repassar este custo.

A pergunta que vale milhões aqui é: os resultados já estão no ponto de inflexão ou a piora continuará?

O que já foi já está no preço. O que importa é pra frente. Se for melhorar daqui em diante, o fundo nas cotações provavelmente já ficou pra trás. Do contrário, será necessário mais paciência pra quem acredita no case. Se o payout permanecer nos 100%, a espera incomoda menos para aqueles que focam em fluxo de caixa.

352581  - paulo_prof  -  07 Ago 2018, 19:21
Sinal de alerta ligado ... resultados sofríveis. É necessário ler o relatório para verificar se há luzes no final do túnel.

No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.



MPLU3

PREÇO: R$ 28,24

PAYOUT (2017): 110,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,37

P/VPA 21,82

PSR 2,38

DY 9,75%

EV/EBITDA 5,94

MARGEM BRUTA 35,0%

MARGEM OPERACIONAL 32,5%

MARGEM LÍQUIDA 20,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,336

MARGEM EBITDA 27,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 192,00%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,02



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +21,41%)

RESULTADO BRUTO +15,45%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -34,08%

RESULTADO OPERACIONAL -22,15%

RESULTADO LÍQUIDO -25,89%

EBITDA -17,36%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -37,18%

RESULTADO BRUTO -38,71%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +1,24%

RESULTADO OPERACIONAL -41,62%

RESULTADO LÍQUIDO -41,44%

EBITDA -51,51%



c) lucro (taxa média anual)

UA -27,38%

U2A -13,58%

U3A 8,98%



d) patrimônio líquido médio

UA -8,54%

U2A -3,15%

U3A 2,78%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -17,21%

U2A -6,50%

U3A 10,47%

U4A 12,40%

U5A 15,34%

U6A 9,38%

U7A 13,40%

U8A 61,01%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 29,20

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -0,5%

352532 - fridao   - 06 Ago 2018, 22:34
MPLU3...

Numa primeira visualização...um horror...

https://www.rad.cvm.gov.br/ENETCONSULTA/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?NumeroSequencialDocumento=76706&CodigoTipoInstituicao=2

352323  - pw777a   -  30 Jul 2018, 20:26
Os acionistas da MPLU devem estar muito atentos aos movimentos da Air Canada e da AeroMexico sobre a Aimia, empresa atual detentora de seus programas de Fidelidade, com propostas hostis apresentadas durante uma mesma semana.

No caso da Air Canada, relembrando, esta anunciou formalmente que não renovaria o contrato e que desenvolveria todo um novo programa de Fidelidade. As ações da Aimia despencaram pelo ineditismo da decisão. Agora a Air Canada, que no interim descobriu que criar todo o software para um novo programa de fidelidade é algo muito complicado, se oferece para comprar, com ágio sobre os preços de mercado deprimidos, as ações da Aimia.

A AeroMexico, cujo programa de fidelidade também é administrado pela Aimia, se oferece para comprar de volta os direitos de uso de seu programa de fidelidade.

Em ambos casos temos empresas aéreas que descobrem dois pontos a)Os programas de fidelidade são altamente lucrativos e justificam o desembolso de largas somas de dinheiro para os reaver b)É francamente complexo o desenvolvimento de tecnologia para administrar um programa de fidelidade, tão complexo, que justifica financeiramente reaver os direitos de uso pagando por isso.

Assim, agora, faz muito mais sentido as tentativas de algumas Casas de antecipadamente deprimirem os preços de ativos associados a programas de fidelidade. Sim, existe risco porque são um filão de altíssima lucratividade, mas no caso da MPLU esta empresa é controlada de fato pela LATAM, empresa que possui problemas operacionais muito, muito superiores à Air Canada e AeroMexico, razão porque abrir uma outra frente de batalha não me parece a atitude mais sensata, ao arriscar problemas tanto no núcleo de suas atividades como em uma atividade periférica, de fidelidade de passageiros, que atualmente responde pelo lucro da empresa.

Assim, o risco que EU vejo é no momento de renovação do Multiplus, este ter condições draconianas impostas pela Latam, agora que todos sabemos que são unidades de altíssima lucratividade.

352142 - paulo_prof  -  21 Jul 2018, 20:13
Embora reconhecendo que aos 71 anos os neurônios possam estar entrando em curto, confesso não conseguir fazer sentido dos argumentos utilizados para colocar em dúvida a renovação do contrato entre a Multiplus e a Latam.

No frigir dos ovos, a questão central é: faz ou não sentido uma empresa como a Latam ter um programa de fidelidade? Caso positivo, uma segunda questão é se tal programa deve ser administrtado numa empresa separada ou pela própria Latam. Finalmente, se a resposta à questão anterior for que o programa deve ser administrado numa empresa separada, se esta empresa deve ter o capital fechado ou se é admissível ser negociada em bolsa de valores.

O argumento que achei mais estapafurdio foi a suposta ineficiência fiscal apontada pelos analistas do Santander. Um programa de fidelidade bem gerido é lucrativo, com resultados relativamente estáveis. Em consequência, se este programa estiver centrado numa empresa, esta pagará IR/CS todos os anos. O mesmo não ocorre com o serviço de transporte aéreo. Os resultados são voláteis, por natureza, impactados principalmente pelo preço da nafta e pela concorrência. Num ano de prejuízo, o IR/CS seria negativo. Se o programa de fidelidade está "diluído" entre os serviços da empresa, o seu lucro poderia compensar parte do prejuízo do segmento transporte aéreo, reduzindo o IR/CS a ser desembolsado. Ou seja, para obter o beneficio fiscal, o programa de fidelidade teria que ser um serviço da própria empresa e não de uma subsidiária. Isto, entretanto, não faz o mínimo sentido. O que eventualmente se pudesse ganhar do lado fiscal seria consumido pela certeza de perda no lado operacional. Uma Lufthasa da vida é expert em fornecer o serviço de transporte aéreo. Administrar programas de fidelidade está completamente fora de seu core business. É por isto que a Miles & More é uma empresa subsidiária. O mesmo ocorre com o Avios, programa de fidelidade do International Airlines Group, dono da Iberia, British e Meridiana. É administrado por uma empresa separada.

Podem escrever ... a Latam, pelo seu tamanho e market share global, nunca irá administrar diretamente o seu programa de fidelidade.

Resta, então, a questão se a empresa que vai administrar o programa de fidelidade da Latam após 2024 será uma empresa de capital aberto ou fechado. Embora as principais empresas de progarmas de fidelidade de empresas aétreas sejam todas fechadas e embora a Air Canada não tenha renovado o contrato com a Aeroplan (a Air Canada não é acionista da Aeroplan) creio fazer muito mais sentido a Multiplus continuar a administrar o programa de fidelidade da Latam. A expertise da Multiplus vale muito mais do que os 27% da empresa na mão do mercado. O programa Latam Fidelidade (que vigorava no Brasil antes da fusão) está em extinção. Por outro lado, aposto que a Multiplus e o Latam Pass serão fundidos. Evidentemente, como o Latam Pass pertence 100% à Latam, a empresa procurará maximizar o "lucro" na transação, ou seja, procurará maximizar a sua participação na empresa resultante da fusão dos dois programas.

352138  - fridao   -  21 Jul 2018, 03:35
Causa certa estranhesa quando esse tipo de notícia é divulgada às vésperas da divulgação de resultados trimestrais, no caso o 2T2018.
De acordo com o que li por aí, existe um certo mistério sobre quem realmente divulgou essas "informações"...muito estranho.
Todo caso, o MS hoje ficou com um saldo comprador de +- 71K em MPLU3.

352135 - ispholambra  -  21 Jul 2018, 02:57
Sai do fato de varios bancos estarem divulgando que a partir de 2024 a MPLU3 nao sera renovada como empresa gestora do programa de relacionamento da Latam... segundo os analistas corrobora para a conclusao que a Latam tem gestora propria de programa de relacionamento...
Num primeiro momento parecem mais boatos... tem chao ainda para chegarmos em 2024... nao vejo porque suscitar essa discussao agora... acho que o objetivo e gerar oscilacoes bruscas no papel...

352126 - ispholambra  -  20 Jul 2018, 21:12
Fiz bons trades ate agora com a MPLU3...mas nao tenho ela pra longo prazo nao...perdi de recomprar nos 26 baixos... daria ate daytrade...
A grande bosta no caso da MPLU3 e que a TAM nao existe mais... quem manda sao os Chilenos... entao faz sentido sim uma possivel nao renovacao... mesmo a Latam possuindo 70% da empresa...
Mas por outro lado faria muito mais sentido ao inves de nao renovar... de fechar o capital... logico que se forem fechar o capital essa boateira se vier a virar vias de fato vai proporcionar a oportunidade de comprarem a parte dos minotiratios quase de graça...
Mas se a renovacao ou nao vai ser somente em 2024, qual o sentido de levantar essa lebre já?
Tem realmente algo estranho nessa pamonha toda...

352124  - CAP7  -  20 Jul 2018, 20:30
Caso MPLU3

O resultado próximo será tão positivo que Santander, UBS, etc..... tentam derrubar de qualquer jeito o papel.

Simples assim.....

352117  - pw777a   - 20 Jul 2018, 19:03
Requentamos notícia, damos outra roupagem e insistimos na manchete, é isso mesmo ?

A matéria está centrada naquele relatório do Santander já exaustivamente discutido aqui porque desatualizado, que ainda acha existir o LanPass; Depois, para dar alguma credibiidade "o outro lado" lembra que não existe mais o LanPass... ah é ?!

Quanto a benefícios fiscais para daqui a não sei quantos anos... temos um Governo novo já no próximo ano e necessidade de reforma tributária, será que vamos insistir em futurologia para arbitrar valores para a Multiplus ?

Me chamou muito a atenção a "fonte" e o "analista de mercado", ambos não identificados, que asseguram seu convencimento que tal acordo não será renovado. Ora eu também posso ter uma "fonte" e um "analista de mercado", não identificados, que assegurem o oposto. E daí, qual a relevância ?

Entre os motivos que levam os bancos a apostar no fim da parceria estão a relevância relativamente pequena da Multiplus dentro da Latam

Pioneira no setor de fidelidade no País, a Multiplus começou a ser questionada por não ser um programa criado pela chilena LAN, que comprou a TAM em 2010, formando a Latam

A parceria entre a companhia aérea Latam e a empresa de fidelidade Multiplus pode estar perto do fim. Desde o fim de maio, analistas do mercado financeiro têm colocado em dúvida a renovação do contrato entre as duas, que vence em 2024. O fim do acordo poderia fazer o valor de mercado da Multiplus cair 66%, segundo o banco suíço UBS. Hoje, a empresa é avaliada em R$ 4,5 bilhões.
Entre os motivos que levam os bancos a apostar no fim da parceria estão a relevância relativamente pequena da Multiplus dentro da Latam (11% do valor de mercado do grupo), ineficiências fiscais e o fato de a Latam ter seu próprio programa de fidelidade no Chile.
“Presumimos que o contrato Multiplus-Latam não será renovado”, afirmaram os analistas Henrique Navarro e Olavo Arthuzo, do Santander. “Achamos que a renovação do contrato é muito improvável”, escreveram Lucas Barbosa e Rogério Araujo, do UBS.
Pioneira no setor de fidelidade no País, a Multiplus começou a ser questionada por não ser um programa criado pela chilena LAN, que comprou a TAM em 2010, formando a Latam. O grupo tem outro programa de fidelidade no Chile e, segundo analistas, uma marca única fortaleceria o serviço.
A questão de ineficiência fiscal, entretanto, é apontada como preponderante para o fim da parceria. Com resultados voláteis, as companhias aéreas, não raramente, são isentas de impostos de renda por apresentarem prejuízos. O mesmo não vale para as empresas de fidelidade, que apresentam resultados mais sólidos. Incluir o programa de fidelidade dentro da própria aérea acabaria, portanto, reduzindo pagamento de tributos.
Segundo cálculos do Santander, essa ineficiência fiscal seria de R$ 771 milhões para a Latam e de R$ 892 milhões para a Gol. No caso da última, porém, o banco dá uma probabilidade de 50% para o fim de contrato. O fato de o acordo entre Smiles e Gol ter vigência maior – até 2032 – e a situação financeira menos sólida da Gol pesam a favor de uma renovação. Como a Smiles compra passagens da Gol com antecedência, essa parceria acaba sendo mais importante para a aérea.
Geração de valor
Um analista do mercado financeiro que não quis se identificar destaca que o fim do contrato entre Multiplus e Latam colocaria a empresa de fidelidade em posição delicada, já que sua principal geração de valor estaria ameaçada.
A mesma fonte afirma que, por enquanto, a probabilidade maior é de não renovação dos contratos, mas lembra que as empresas anunciaram, recentemente, que a Multiplus é a responsável pelo programa de fidelidade do grupo no Brasil e no Paraguai, no México, nos EUA, no Canadá e na Europa, enquanto o Latam Pass trabalha nos mercados do Chile e da Argentina. “Isso joga a favor da tese da renovação”, disse.
O analista lembra ainda que a participação de 72,7% da Latam na Multiplus também pode favorecer a renovação do contrato. Para UBS e Santander, porém, isso não seria suficiente.
Mais moderado do que UBS e Santander, o Credit Suisse incorpora uma possibilidade de 25% de não renovação tanto para Multiplus e Latam como para Smiles e Gol. “É um risco relevante de longo prazo, principalmente para a Multiplus, cujo contrato se encerra no fim de 2024”, escreveram os analistas Felipe Vinagre, Thiago Casseb e Alejandro Zamacona.
Apesar de apontar para o fim da parceria, o Santander afirma que esse não seria o fim da Multiplus. A companhia deixaria de ter descontos na compra de bilhetes aéreos e dependeria mais de seu faturamento no varejo.

352107 - fridao  -  20 Jul 2018, 14:40
Será?...

Bancos colocam em dúvida renovação de contrato entre Multiplus e Latam
Por questões fiscais, instituições passaram a considerar improvável a manutenção do acordo
http://economia.estadao.com.br/

351459  - pw777a  -  23 Jun 2018, 20:04
Excelente observação financeira; Obrigado pelo pertinente adendo sobre MPLU !

Não por acaso os executivos da LAN mataram seu LanPass e forçaram todos os clientes a compulsoriamente migrar para o Multiplus.

Conforme os jornais de Março/2018 publicaram "Os resultados do Brasil foram fundamentais para o lucro exibido pela Latam Corp", que não vieram das operações aéreas da Latão Brasil, como se depreende ao analisar o número final.

351455 - mecn  -  23 Jun 2018, 14:56
A LATAM teve lucro líquido em torno de 500 milhões em 2017. A MULTIPLUS rendeu para a LATAM em torno de 400 milhões em dividendos e proventos. Ou seja da quase 80% de seu lucro líquido. Qual a lógica dela acabar com sua GALINHA DE OVOS DE OURO?????

351423 - paulo_prof  -  21 Jun 2018, 20:49
Vcs lembram da lambança que o Santander fez no caso da Unipar, não? https://static.btgpactual.com/media/20170322-laudo... A menos de 2 anos atrás (6JUL2016), avaliou a ação da Unipar entre R$ 5,25 e R$ 5,78. Incompetência? Dificilmente ... muito mais provável ter sido má fé!

Acho que está claro que há problemas de relacionamento do Santander com a Multiplus. No ano passado, o Santander decidiu não permitir mais promoções de transferências bonificadas feitas pela Multiplus. Por outro lado, aumentou o número de pontos Esfera necessários para solicitar transferência para o Multiplus, 30 mil, quando somente 15 mil são exigidos para troca de qualquer outro programa de milhagem de parceiros. Os caras têm a cara de pau de usar o Lanpass como base do argumento de que o compromisso da Latam com a Multiplus seria mais fraco do que aquele da Gol com o Smiles ... mesmo se o Lanpass não tivesse sido extinto, usar o mesmo como argumento prova a má fé do Santander ... classificar o Lanpass como um programa efetivo de milhagem é brincadeira. Finalmente, como o papel aceita tudo (qualquer hipótese, por mais maluca que seja), o Santander se viu obrigado a usar a sua bola de cristal de longo prazo para prever que o contrato não será renovado em 2025!

Cada vez estou mais convencido que este Santander é um lixo!

351426 - tadeutad  -  21 Jun 2018, 21:59
Apenas um ponto importante, os bancos (leia-se fundos destes bancos) não utilizam suas próprias corretoras para fazerem suas compras/vendas, isso tem o objetivo de dificultar a visão do que cada um está fazendo.

351420 - pw777a  -  21 Jun 2018, 20:41
Fato:
No fechamento do dia 21/Jun o Santander aparece entre os maiores compradores de MPLU3, com mais de 1/3 de todas as compras; Inexiste sequer uma única açãozinha de MPLU3 vendida pela corretora Santander, nem no fracionário.

Será que os clientes do Santander não tomaram conhecimento do relatório ?!

351406 - pw777a  -  21 Jun 2018, 17:40
Quanto ao Smiles, também discordo do Santander, independentemente de hoje ter uma balancete robusto, explico :

Uma empresa de fidelidade necessita de credibilidade para ter longevidade, para os investidores poderem confiar no case.

A Smiles, na minha opinião, tem tido sucesso porque o setor está em crescimento. Basta no entanto uma zapeada por foruns para perceber o descontentamento de clientes no momento do resgate de premios. O que o ano passado custava 10 este ano custa 20 e este mês está por 30. A inflação é venezuelana no SMLS3, com resgates de 100,000 milhas e custos mais altos para bilhetes de ida em classe economica.

No comparativo SMLS / MPLU, claramente o MPLU visa médio prazo enquanto a Smiles visa ganhos imediatos, talvez por isso entre mais facilmente no radar de analistas. Como qualquer piramide, os primeiros entrarão e terão tempo para sair felizes. Para nem entrar no quesito essencial que o Smiles sequer pertence a nenhuma aliança global, ao contrário da MPLU.

Pensando melhor... o relatório do Santander está de fato muito, muito estranho; Valeria uma consulta ao Head de Análises do Santander, mas depois que aquela executiva, que falou que votar em Dilma seria prejudicial a investimentos e, a pedido do Lula talvez por isso, demitida, vale analisar criteriosamente os motivos atuais para estes relatórios do Santander !

Belo comentário. Esse 777 é pq vc é do setor? rs


Sobre o latam pass foi só Brasil, não?

Bem-vindo à Multiplus!

A partir de agora, seus pontos acumulados na LATAM Airlines serão concentrados na Multiplus. Isso porque nós somos a parceira oficial da LATAM Airlines no seu país.

Dessa forma, você pode resgatar passagens aéreas para mais de 1.000 destinos ao redor do mundo com a LATAM Airlines e as companhias aéreas parceiras da aliança global oneworld.

Por que ocorreu essa mudança?

Durante o mês de maio, as plataformas de acúmulo e resgate foram unificadas em todos os países onde operamos. No seu país de residência funciona a plataforma Multiplus, em que você acumula pontos e resgata passagens aéreas. A seguir mais detalhes sobre essa mudança:

Interessante o ponto sobre a latam, há um consenso no mercado que qm tá pior é a gol, mas já ouvi que por lá o negócio tá bem redondo (claro que o benchmark era horroroso). Talvez, a saída seja comprar AZUL4, ou ficar longe do setor na bolsa hehehe

351400 - pw777a  -  21 Jun 2018, 17:03
O caso do Santander quanto à Multiplus é interessante...mas me parece existirem algumas falhas.

De fato a LAN poderia implementar seu LanPass, e destruir a Multiplus; Mas, este ano a LAN fez exatamente o oposto: Destruiu todo o LanPass e adotou as práticas, sistema, numeração de cliente, políticas do Multiplus. Efetivamente não se pode mais falar em LanPass porque deixou de existir. Agora todos os clientes LAN/LATAM são todos Multiplus, em plataforma única. Esta foi a primeira falha que detectei no relatório, que era uma preocupação antes que a corporação LATAM decidisse por um dos dois sistemas; Adotaram o Multiplus.

Existe paralelo entre Air Canada/Aeroplan com Latam/Multiplus ? Não. A Air Canada fez um spin-off de seu programa de fidelidade, por um tempo, para a empresa Aeroplan. Venderam-se ações da Aeroplan, que era uma empresa autonoma de fato. Clientes e acionistas da Aeroplan descobrem que a Air Canada opta por, em algum tempo, criar um outro programa de fidelidade, uma outra empresa. Acionistas e Clientes Aeroplan terão prejuizo. A questão "fidelidade" está em discussão no Canada quanto à... Air Canada (não mais Aeroplan). Vale a pena confiar na Air Canada que desprestigia seus próprios clientes ? No case Latam/Multiplus, além da junção de todos os clientes sob o guarda-chuva Multiplus, qual o ganho para a Latam de destruir a Multiplus onde detëm 73% da empresa, arriscando clientes, investidores que passam a não mais confiar no compromisso de médio e longo prazo ?

Entendo que a Latam tem desafios muito mais urgentes dentro de seu negócio, como estancar perdas, ou aumentar o nivel de satisfação de seus clientes em seu produto, do que criar uma nova frente de batalha em uma área que, justamente, é altamente lucrativa. A Latam, creio, não pode com tantos problemas financeiros destruir sua única galinha de ovos de ouro, aquela que lhe gera proventos polpudos a cada trimestre. E, por isso mesmo, aperfeiçoaram tanto o regulamento Multiplus, tornando-o muito mais parecido com um AA/AAdvantage, o programa de milhagem mais longevo, mais respeitado e entre os mais lucrativos de companhias aéreas.

Finalmente, este relatório do Santander parece ter sido preparado há longos meses, mas somente agora copy/paste e sem uma revisão por um analista senior. Se buscarem na internet LanPass e tentarem se inscrever no tal sistema de fidelidade... automaticamente são informados que MULTIPLUS é a nova plataforma. Enquanto LanPass sempre foi um simples, ênfase no simples de simplório, programa de fidelidade, o Multiplus é uma plataforma de acúmulo e resgate entre diversos parceiros. Iria mais longe, o Multiplus se assemelha em sua complexidade a uma plataforma Avios (British Airways + Iberia) do que a um simples LanPass ou Aeroplan, até pela abrangência geográfica. Fundamentos desta tese é que o LanPass nunca conseguiu emitir bilhetes one-way, bilhetes em outras companhias aéreas sempre pelo atendente e parceiros reduzídissimos. Era basicamente um sistema idel para acumular voos Lan e resgatar voos Lan de ida e volta. Sequer havia plataforma de TI elaborada para algo de baixa complexidade, como a emissão de um simples bilhete de um trecho.

Em suma, qual a evidência concreta que o Santander encontrou para fundamentar toda sua tese que, daqui a sete anos, mais de setenta meses à frente, provavelmente um outro CEO, a Latam irá rescindir o contrato com a Multiplus ? O Santander afimar que em Janeiro de 2025... se existe dificuldade para analisar este ano e os próximos o Santander emite previsões para sete anos ?! Qual seu histórico de nível de acerto ? Mais fácil prever extinção das atuais agências bancárias para essa data, ou não ?

351399 - Rocha Preta inc -  21 Jun 2018, 16:15
Não falavam a mesma coisa de Wizs? Como falei, em Março a gol destruiu 1 bi de valor da smiles em 1 dia.

A Tam é alguma coisa dentro da Latam? Qual o sentido de manter mplu se tem Latam pass? Apesar de alguns verem como risco, pode até sair um deal interessante pra qm tem mplu. Um exemplo de quebra de contrato foi a Air canada que anunciou a não-renovação, as ações viraram pó e eles ofereceram uma OPA com premio.

Nessa questão de ter um "plus a mais", a smiles saiu na frente, com o sonho do mercado de comprar e levar uma CVC de brinde, enquanto a mplu ficou mais preocupada em trocar por caneca no netshoes. Ainda assim não me apetece.

351392 - Lucro Liquido -  21 Jun 2018, 14:19
Qual a lógica da TAM ou da GOL, que são os maiores acionistas da Multiplus e do Smiles que sao as maiores fonte de receita para as cia aéreas, não renovarem com seus programas de fidelidade ? Eles gostam de destruir valor ? Completamente sem sentido pra mim.

Um negócio que vejo que está caindo de maduro é Smiles e Multiplus, é entrar no segmento de viagens e turismo, vejo muito diferencial competitivo frente a qualquer outra empresa.

351390 - Rocha Preta inc  -  21 Jun 2018, 13:29
Em nenhum momento disse que o sell side estava certo e esse relatório não é do nível gratuito do infomoney, mas os argumentos são plausíveis, bem mais do que os do buy side que desde 40 reais falam que estava descontada, na promoção, de graça, aqui no forum mesmo já falaram que mplu valia 60 reais.

A smiles tem uma gestão bem melhor que mplu e a gol parece ter "arrumado" a casa em relação às finanças, mas ainda assim o risco de falência precisa ser colocado, e pra piorar mostrou em março um tiro no pé reduzindo dividendos pra melhorar balanço consolidado. O dolar alto e juros baixos devem continuar até o fim do ano, ruim pras duas. Com relação aos contratos é um tiro no escuro.

Se o upside fica pra depois, sobra o DY atrativo, sendo que vários outros papéis já estão na mesma faixa e com menos issues do que a duplinha da milha.

350019 - CAP7  -  16 Mai 2018, 18:10
Na minha limitada e humilde interpretação seria sim o caixa da empresa, ou seja, a Multiplus faz aplicações ultra conservadoras com o caixa, com a queda da selic também ocorre queda no financeiro. Poderia compensar com o operacional, porém com a alta galopante do dólar, fica mais complicado.

Mesmo assim, acredito no papel, visando principalmente os dividendos.

350018  - SuporteTrader -  16 Mai 2018, 17:16
Desculpe a ignorância, mas qual a correlação entre a Selic e a MPLU3? Seria o caixa da empresa?

350015  - CAP7  -  16 Mai 2018, 15:53
Esperando a Selic cair mais hoje e a partir de amanhã começar a comprar aos poucos MPLU3......abaixo de 27,00.

[...]
MPLU3 2% - tomando ferro, essa alta do dolar tbm não ajuda, mas 8% de dividendo e provável crescimento do mercado me mantem.
[...]

[...]
MPLU deixou minha esposa feliz hoje. Ontem mais que dobrei a posição do papel na carteira dela. Sigo acreditando que o papel oferece risco muito baixo nos preços atuais. Não vejo nada de errado no operacional nem na administração nem nas atitudes recentes do controlador nem na demanda pelos serviços prestados pela cia. Como acredito que a Selic deve parar de cair e quiçá subir devido à pressão que a alta do USD deve exercer sobre os preços, que a pressão negativa sobre o LL da cia. exercida pelo resultado financeiro menor deve estar próximo ao ponto de inflexão e que o mercado não dá a mínima para o passado, os drivers para a manutenção do mercado de baixa podem ter enfim se esgotado. O movimento de hoje me pareceu o de players cobrindo apressadamente posições vendidas. A conferir. Estou bem tranquilo com as posições. Se for o fundo, Ok. Se ainda não for, ok. Sou um cara bem paciente.

Os 3 papeis seguem nas carteiras que administro.


Muito obrigado ao prof. Paulo pelo excelente trabalho altruísta aqui prestado. +1 x 10¹°°°°°°°

349775  - paulo_prof   -  09 Mai 2018, 14:28
A Multiplus está sofrendo não somente para gerar um ganho financeiro razoável com o seu grande caixa. Está sofrendo também na geração de um resultado bruto em linha com o que estava acostumada. Enquanto não inovar nas aplicações financeiras, o seu caixa de aprox. R$ 1,7 bilhões não renderá mais do que R$ 100 milhões anuais. Por outro lado, não vejo como o operacional geral mais de R$ 500 milhões anualmente, antes dos impostos. Isto dá um total de R$ 600 milhões, na melhor das hipóteses, que corresponde a aprox. R$ 400 milhões líquidos, ou R$ 2,469/ação, compatível com um preço justo de aprox. R$ 30,50.

Moral da história ... o mercado pode estar exagerando!


No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.



MPLU3

PREÇO: R$ 26,72

PAYOUT (2017): 110,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,05

P/VPA 20,01

PSR 2,30

DY 11,02%

EV/EBITDA 4,59

MARGEM BRUTA 37,6%

MARGEM OPERACIONAL 35,4%

MARGEM LÍQUIDA 22,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,658

MARGEM EBITDA 30,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 199,12%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,07



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +2,44% (observar que houve mudança na norma IFSR)

RESULTADO BRUTO -5,74%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -38,74%

RESULTADO OPERACIONAL -13,29%

RESULTADO LÍQUIDO -17,37%

EBITDA -3,87%



b) 1T18 vs 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -16,31%

RESULTADO BRUTO -17,42%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -41,88%

RESULTADO OPERACIONAL -27,64%

RESULTADO LÍQUIDO -26,95%

EBITDA -22,45%



c) lucro (taxa média anual)

UA -17,37%

U2A -7,81%

U3A 13,78%



d) patrimônio líquido médio

UA -2,91%

U2A -0,22%

U3A 4,85%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -3,87%

U2A 0,75%

U3A 16,11%

U4A 16,67%

U5A 18,83%

U6A 12,13%

U7A 15,84%

U8A 64,04%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 33,22

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -4,5%

349004  - jhcecato  -  17 Abr 2018, 14:29
[...]
MPLU3 eu não gosto muito da relação entre as empresas de fidelidade e as aéreas controladoras mas ai eu sei que é preconceito meu mesmo, os fundamentos do ativo em si parecem muito bons.

348679  - paulo_prof  - 04 Abr 2018, 03:54
Os resultados da empresa (Latam Airlines Group) em 2017, quando comparados com aqueles de 2016, foram muito bons. A Receita por Assento Disponivel por Kilômetro (RASK) cresceu 5,3% (4% no doméstico Brasil), os Acentos Disponíveis por Kilômetro (ASK) cresceram 2,3% (0,9% no doméstico Brasil) e a taxa de ocupação média emplacou 85,1%, com aumento de 0,5% (+1,5% no doméstico Brasil). Números semelhantes também se aplicam ao transporte de cargas. Como consequência, a Receita Líquida cresceu 6,7% no ano. As despesas Operacionais cresceram 5,5% e o Resultado Operacional, 25,8%. Outras Despesas Líquidas, incluindo as Financeiras, aumentaram 15,74% e o Resultado Antes dos Impostos, 36,6%. Finalmente, o Lucro Líquido Atribuivel aos acionistas da empresa cresceu 124,4% e o Ebitda, 12,3%.

No que se refere a TAM especificamente, a Receita Líquida Líquida total de USD 4,181 bilhões foi composta por USD 3,726 bilhões em venda de passagens e USD 0,455 bilhões (10,9%) via Multiplus. Em 2016 estes números emplacaram USD 3,373 bilhões em passagens e USD 0,401 bilhões via Multiplus.

Finalizando, se vc acha que as ações brasileiras estão caras, a ADR da Latam está caríssima ... o P/L está na faixa dos 57-58!!!

348665  - CAP7  -  03 Abr 2018, 18:14
Professor Paulo
Gosto muito de MPLU3 e para tanto, creio ser importante conhecer o resultado de 2017 da Latam.

O senhor poderia dar uma resumidinha?

348416  - NumBroker   -  27 Mar 2018, 02:06
Interessante...

Tam corta o preço por assento cobrado da Multiplus

A Multiplus (MPLU3) atualizou o custo por assento e as tabelas de resgates de pontos em seu acordo anual com a Tam, mostra um comunicado enviado à CVM nesta segunda-feira (26). A atualização acordada representará, em média, uma redução no custo por assento de 5% para os voos domésticos e de 2% para os voos internacionais, aplicada retroativamente a partir do mês de janeiro/2018.

“As administrações da Companhia e da TLA acompanharam os estudos realizados e entendem que a atualização ora acordada é positiva para manter o alinhamento de interesses de ambas as Companhias, além de manter a competitividade e as alavancas para geração de valor para os seus acionistas”, aponta a empresa.
Fonte: https://moneytimes.com.br/fast/tam-corta-o-preco-por-assento-cobrado-da-multiplus

348374  - Jonas_Schwingel -  24 Mar 2018, 17:23
As pessoas que estão vendendo o papel barato estão pessimistas, ou seja, enxergam o copo meio vazio. É perfeitamente normal as pessoas verem mais os defeitos dos ativos quando os preços estão em queda e verem só qualidades quando está subindo. Tem fatores negativos? Tem. Mas também tem os positivos.

A empresa está perfeitamente saudável, com um belo caixa, excelente expectativa de dividendos, operacional parou de crescer, mas está rodando normalmente e até melhorando em certas frentes, há programa de recompras aberto, o business da empresa é muito rentável e com baixa necessidade de capital para crescer, etc. Penso que devemos ter capacidade de identificar qualidades onde todos estão vendo defeitos, caso elas realmente existam. Infelizmente as pessoas olham muito pra preço. É perfeitamente possível que daqui 2 ou 3 anos, caso o papel esteja 50 reais, a maioria esteja vendo somente as qualidades que ninguém está vendo hoje, o que é óbvio porque o mercado é eficiente apenas no sentido de refletir a opinião das pessoas sobre valor, não o valor em si.

Gosto de aumentar exposição em pessimismos injustificados. Entretanto, não há certezas na bolsa de valores. Posso perder dinheiro aqui, porém minha visão é que nesses preços há mais chances de ganho do que de perda. E não considero o curto prazo. Pode ir a 25,00, a 20,00. nunca se sabe até onde vai a loucura da manada e dos short sellers. Porém no preço atual aceito, e como aceito, correr este risco.

No mais, deixa o mercado rolar. Só o tempo dirá se vai dar certo.

348368 - calabro -  24 Mar 2018, 14:49
Na minha opinião, só faz sentido fazer aquisições se forem negócios que tenham rentabilidade tão boa ou melhor que as Multiplus e Smiles apresentam atualmente. Também tenho Mplu e prefiro ela do que ser sócio dos Constantino. Pense, o caixa de Mplu já tem destino... É para comprar passagens da TAM e as outras bugigangas que são trocadas por pontos, mas principalmente passagens aéreas. Minha ideia é continuar comprando!!!

348356  - cfernando -  23 Mar 2018, 21:00
Empresas como Multiplus e Smiles podem (e devem) fazer grandes aquisições e/ou fusões no médio prazo. O modelo de negócio é bom, entretanto é necessário maior escala e capilaridade na possibilidade de troca dos pontos.

Eu acredito que os 2 papéis são ótimos mas pelo preço MPLU está mais atrativa. Aliás... Bem atrativa. OBS.: Apenas uma opinião. Não é recomendação.

348355  - Tnl  -  23 Mar 2018, 18:01
O resultado financeiro de multiplus vai piorar ainda mais com essa queda adicional da selic! Qual o seu racional pra aumentar a sua exposição? Acha q eles vão arrumar uma maneira melhor pra aplicar o dinheiro? Como eles melhorarão os lucros?

348179  - Rocha Preta inc -  18 Mar 2018, 00:07
MPLU3

O Resultado financeiro deve ser ridículo em 2018 com a taxa de juros bem mais baixa que 2017. O panorama atual não está bom. Eu vejo o segmento de fidelidade com pouca penetração no Brasil ainda e espaço pra crescer, mas a MPLU parece estar ficando um pouco pra trás e indo muito pro viés de Troque 500 pontos por 2 canetas e uma caneca. O risco da governança tbm assusta e acabou de mostrar suas garras na Smiles.

Se convenceu d comprar mplu3?
Na minha opinião, a MPLU3 está aprox. no preço justo ... se não se reinventar, acho que vai marcar passo com o lucro anual na faixa dos R$ 400 milhões baixos. No exercício passado, o caixa líquido médio de R$ 1,44 bilhões produziu um Resultado Financeiro recorrente de R$ 139 milhões. No exercício de 2018, não deverá chegar a R$ 100 milhões. Acho que a empresa deveria inovar no uso do caixa líquido e não ficar dependendo de rendimentos pífios de renda fixa.

Ao preço atual, o investidor garante um DY na faixa de 8%. mas não vejo drivers para a valorização do ativo, especialmente se o resultado do 1T18 vier pífio (abaixo dos R$ 100 milhões). Em consequência, o meu apetite pelo ativo é pequeno.

347925  - Jonas_Schwingel  -  08 Mar 2018, 13:26
Ainda sobre MPLU, creio que o papel tem lugar numa carteira de dividendos onde o investidor não está procurando um ganho de capital imediato. É bem possível que o papel fique de lado. Me lembra a TAEE, guardadas as devidas diferenças de risco nos negócios.

Eu acredito na capacidade da MPLU continuar remunerando seus acionistas com dividendos interessantes, o que ameniza o custo de oportunidade de deixar o papel em carteira caso as cotações não andem. Atualmente o humor da comunidade financeira com o papel não é favorável, o que é natural, visto que antes o papel era visto como uma growth stock que pagava bons dividendos, algo que une o útil ao agradável. No entanto, acho racional estar posicionado em ativos que estão passando por trimestres ruins mas que podem pagar dividendos e possuem probabilidade aceitável de que voltem a crescer no futuro sem grandes necessidade de CAPEX para isso.

O business de fidelidade é bastante frágil e cheio de riscos, mas o nível de penetração em se encontra no Brasil me faz crer que há mais possibilidades de voltar a evoluir do que de involuir. Como parte considerável do resultado de MPLU vinha da aplicação de seu caixa e os juros estão pela metade do que foram, a empresa tem o desafio de fazer o operacional crescer para compensar estas "perdas" e voltar postar resultados que agradem a comunidade financeira, o que certamente será um driver para que voltem a andar. A diretoria acredita nessa possibilidade de evolução do operacional e vejo que estão fazendo o que está em seu alcance. Estão colocando as fichas no aquecimento da economia que pode estar se iniciando.

Em resumo, creio que os odds de um investimento no papel são favoráveis. Considerando apenas 3 cenários: (1) recuperação do crescimento, (2) ficar do jeito que está e (3) piora, creio que as chances do cenário 3 ocorrer são menores que 50%. O cenário 1 obviamente é o que traria mais retorno, pois estaríamos fixando um dividend on cost muito bom e a cereja do bolo seria o ganho de capital. O cenário 2, que seria resultados estáveis com perenidade de dividendos, também deve trazer algum retorno real ao investidor, principalmente se ele for competente para reinvestir os dividendos. Outros pontos favoráveis da cia. é que ela possui dívida liquida negativa de mais de R$ 1 bilhão, baixa necessidade de CAPEX para manter e aumentar seu faturamento e ótimo ROE/ROIC, apesar disto ser devido ao baixo valor patrimonial da cia. Vejo que está bem precificada para uma perspectiva de estabilidade de resultados. Caso volte a crescer, está barata. Mas isso não há como saber.

É um risco que topo correr. Vou manter posição e exercitar a paciência, pois acho que poderá ser necessária. Em caso de estar errado, a diversificação deve pagar a conta.

347914  - paulo_prof  -  08 Mar 2018, 04:44
A involução dos resultados recorrentes é nítida. A Receita Líquida, que no 1T17 emplacou R$ 598 milhões, no 2T17 caiu para R$ 590 milhões e no 3T17, para R$ 551 milhões. No 4T17 houve uma recuperação (R$ 527 milhões), mas com perda substancial da margem bruta. Em consequência, o Resultado Bruto caiu continuamente em 2017, passando de R$ 205 milhões, no 1T17, para R$ 164 milhões no 4T17 e paradas intermediárias em R$ 195 e R$ 184 milhões. Da mesma forma, o Resultado Financeiro Recorrente caiu continuamente no exercício: R$ 43 milhões, R$ 39 milhões, R$ 32 milhões e R$ 24 milhões. No que concerne o Resultado Antes dos Impostos, há que se analilsar o que ocorreu no 4T17. As depesas operacionais, cuja média trimestral foi de R$ 49,5 milhoes nos 9 primeiros meses do exercício, caíram para R$ 16 milhões no 4T17. Pode ter ocorrido um não recorrente aí ... (se o Resultado Bruto é pior, e o Resultado Financeiro é muito pior do que os valores postados no 3T17, era de se esperar que o Resultado Antes dos Impostos no 4T17 fosse sensivemente pior do que aquele do 3T17. Finalmente, o lucro líquido ... aprsenta a mesma tendência: os R$ 134 milhões do 1T17, cairam para R$ 126 milhões, depois para R$ 112 milhões e finalmente, R$ 94 milhões.

Se eu tivesse hoje que estimar qual deverá ser o lucro líquido do exercício de 2018, diria que dificilmente ultrapassará os R$ 400 milhões e para que este lucro reinicie uma trajetória de crescimento, a empresa terá que se re-inventar. A ver.



No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido, ocorridos no 3T17.



MPLU3

PREÇO: R$ 33,28

PAYOUT (2017): 110,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,56

P/VPA 22,51

PSR 2,34

DY 9,59%

EV/EBITDA 6,67

MARGEM BRUTA 32,4%

MARGEM OPERACIONAL 31,2%

MARGEM LÍQUIDA 20,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,880

MARGEM EBITDA 26,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 194,74%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,10



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,02%

RESULTADO BRUTO +1,20%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -29,61%

RESULTADO OPERACIONAL -4,67%

RESULTADO LÍQUIDO -9,13%

EBITDA +4,36%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,41%

RESULTADO BRUTO +0,46%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -47,87%

RESULTADO OPERACIONAL +1,46%

RESULTADO LÍQUIDO -18,73%

EBITDA +18,75%



c) lucro (taxa média anual)

UA -9,13%

U2A -1,35%

U3A 20,48%



d) patrimônio líquido médio

UA 2,18%

U2A 2,88%

U3A 7,32%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 4,36%

U2A 7,05%

U3A 21,94%

U4A 20,95%

U5A 20,40%

U6A 11,94%

U7A 24,54%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 36,00

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,5%

347907  - NumBroker  -  08 Mar 2018, 00:01
Achei o resultado de Multiplus de meia boca pra ruim, mas não é o fim do mundo e pra quem tá focado em dividendos, achei bom, como ela tá com um caminhão de caixa ela distribui o lucro todo e mais um pouco, sem problemas.

Resgates em passagens internacionais pesando no custo de resgate de passagem. OK...

Queda da Selic derrubando o resultado financeiro. OK...

Isso aqui que achei curioso:
Custo dos resgates em outros produtos/serviços (smartphone, eletrodomésticos...) aumentou 45%!!! comparando 4T17 x 3T17. Aí você pensa "nossa, virou uma Amazon de tanto resgatar em buginganga", E quando você compara a participação na receita de pontos resgatados em outros produtos/serviços 4T17 x 3T17 vemos a participação aumentar de 15% para 21%. Realmente resgatou muita buginganga.

Trocar pontos por produtos traz margem menor pra Multiplus, por isso a Smiles não entra com vontade nesse terreno. MAS é foco da Multiplus abocanhar o varejo da fidelidade, então é isso aí, o problema foi a receita estagnar mesmo.

347904  - Rocha Preta inc -  07 Mar 2018, 22:54
De certa forma a MPLU tem um caixa mais pomposo que Smiles. Será que a Smiles não vai cobrir algum buraco da Gol?
No resultado de hoje o LL anual ficou estável, mas o 4T foi sofrido.

É interessante ver o gráfico no release de como a MPLU tá apanhando do IBOV nesses ultimos dois anos. Pelos números é injustificável, deve de ter algo além.

347903  - Jonas_Schwingel -  07 Mar 2018, 22:53
Achei razoáveis os resultados da MPLU. Longe de ser uma Brastemp, mas também longe de justificar o pessimismo atual do mercado com o papel.

Houve pífio crescimento do LL na base anual, ou seja, em termos reais houve uma leve perda. E há de se considerar que existe um não recorrente no 3T17 que, se expurgado, anularia o leve crescimento nominal do LL entre 2016 e 2017.

Na base trimestral (tanto comparando com o 3T17 quanto com o 4T16) a foto está mais feia, mas penso que principalmente por causa do resultado financeiro menor devido à queda dos juros. O resultado meio fraco no 4T17 ocasionou um dividendo trimestral em torno de R$ 0,7/ação, abaixo da média mas ainda muito atrativo para os tempos atuais.

No mais me parece tudo normal. Houve crescimento real na receita operacional e aumento na base de clientes. E, como comentado acima, a diretoria comentou recentemente que não reduzirá payout. Como a empresa mantém boa posição de caixa, creio que, apesar dos resultados estarem meios estagnados, a empresa continuará dando um bom yield em relação aos preços atuais.

Acho que está exagerado o pessimismo com o ativo, mas isso que é marca carimbada do Sr. Mercado de onde frequentemente nascem oportunidades. Devo manter posição de 5% da RV na ação e comprar mais caso a tendência de queda permaneça. Vamos ver o que acontece.

347902  - Jonas_Schwingel - 07 Mar 2018, 22:23
Ao contrário de Smiles, Multplus ressaltou no áudio da reunião no fim de 2017 (http://ri.pontosmultiplus.com.br/download_arquivos...) que não reduzirá payout.

345676 - cap7 - 31/Dez/2017 00:07
professor Paulo
Qual o motivo de não investir em MPLU3?
345678  - paulo_prof   - 31 Dez 2017, 01:28
O sinal amarelo acendeu ... No pregão de 19 de outubro, o ativo fechou em R$ 41,32. No fechamento do pregão de 14 de novembro, o preço atingiu R$ 33,04, uma desvalorização de 20% em menos de um mes. Há que se ver se a empresa será capaz de retomar a trajetória de crescimento do lucro líquido. Se no 4T17 vier acima dos R$ 120 milhões ... tudo bem!
                                                         ▲                                               ▲
344163 - paulo_prof   -  20 Nov 2017, 21:54
Só efetuo um expurgo quando:

a) me dou conta de que há, nitidamente, um evento que é não recorrente; e

b) quando os números expurgados dão uma melhor idéia da evolução dos resultados

No caso da MPLU, ao copiar os dados para a planinlha, deparei com os seguintes resultados para o 3T17

RESULTADO FINANCEIRO 54.990

RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS 185.690

RESULTADO LÍQUIDO 162.327

Logo percebi que estes números não podiam ser "normais" porque o Resultado Bruto foi sensivelmente menor do que os Resultados Brutos do 1T17 e 2T17.

Moral da História: Nitidamente teria que haver não recorrências no Resultado Financeiro, Resultado Antes dos Impostos, Impostos e Resultado Líquido.

Do relatório:
mplu5a134e6c0a9c2.png

Expurga R$ 23,1 milhões do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos e R$ 50,3 milhões do Resultado Líquido e vc terá limpado a área! O Ebitda não muda.

344146  - paulo_prof   -  19 Nov 2017, 21:54
A MPLU teve uma "receita" não recorrente no 3T17. devido a um efeito de atualização monetária e créditos tributários oriundos de antecipações de impostos federais (IRPJ e CSL) no ano de 2010. Esta "receita" impactou o Resultado Financeiro em R$ 23,1 milhões, o IR/CS em R$ 27,2 milh'oes e o lucro liquido em R$ 50,3 milhões. "Expurgando" estes efeitos do resultado do 3T17, as luzes de alerta acenderam. As quedas no Resultado Antes dos Impostos, Lucro Líquido e Ebitda na base trimestral, não parecem conjunturais. É possível que a expansão com o Grupo Latam Airlines e expansão da atuação internacional no Paraguai, México, EUA, Canadá e todos os países da Europa, bem como o acesso irrestrito que a empresa terá aos vôos da cias aéreas que integram o grupo Latam, deverá reverter a sangria ... mas as barbas estão de molho.

De qualquer forma, tendo em vista as perspectivas de recuperação no curto prazo e a situação corrente que de forma alguma pode ser considerada calamitosa, acho que o ativo está só levemente "esticado".

Os múltiplos abaixo projetam um DY bruto de 8,59% para um investimento realizado ao preço atual. Este múltiplo foi calculado com base num lucro líquido expurgado em R$ 50,3 milhões. Re-introduzindo estes R$ 50,3 milhões na última linha leva a DY = 9,47%.


No que segue foram, expurgados R$ 23,1 milhões não recorrentes do Resultado Financeiro e Resultado Antes dos Impostos, e R$ 50,3 milhões não recorrentes do Resultado Líquido

MPLU3

PREÇO: R$ 35,09

PAYOUT (2016): 100.0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,64

P/VPA 19,02

PSR 2,49

DY 8,59%

EV/EBITDA 7,21

MARGEM BRUTA 33,3%

MARGEM OPERACIONAL 31,4%

MARGEM LÍQUIDA 21,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,014

MARGEM EBITDA 25,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 163,36%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,14



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +2,38%

RESULTADO BRUTO -2,07%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -16,53%

RESULTADO OPERACIONAL -7,14%

RESULTADO LÍQUIDO -6,62%

EBITDA -3,57%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,58%

RESULTADO BRUTO -6,05%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -41,21%

RESULTADO OPERACIONAL-18,48%

RESULTADO LÍQUIDO -16,43%

EBITDA -7,81%



c) lucro (taxa média anual)

UA -6,62%

U2A 13,46%

U3A 16,73%



d) patrimônio líquido médio

UA 3,30%

U2A 5,85%

U3A 9,37%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 38,64

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,0%

344017  - marcosvinicius2  -  16 Nov 2017, 12:19
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E TAMBEM NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 31 TRIMESTRES, 31 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 162.357 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 125.962 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = 134.081. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 195.676 X 3T17 = 183.830. VALOR DE MERCADO (MIL) = 5.370.362; VALOR MAXIMO (MIL) = 7.611.884 NO 2T12; VE PSBE (MIL) = 6.167.239:

MPLU3
PREÇO: 33,10
PAYOUT (2016): 101,58%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,96
P/VPA 17,95
PSR 2,35
DY 10,19%
EV/EBITDA 8,77
MARGEM BRUTA 33,26%
MARGEM OPERACIONAL 32,46%
MARGEM LÍQUIDA 23,58%
LUCRO POR AÇÃO 3,322
MARGEM EBITDA 25,65%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 312,80%
ROE 180,18%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,14

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 2,30%
RESULTADO BRUTO -2,28%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -3,73%
RESULTADO OPERACIONAL -4,16%
RESULTADO LÍQUIDO 2,99%
EBITDA -3,83%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 1,58%
RESULTADO BRUTO -6,05%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 1,37%
RESULTADO OPERACIONAL -6,90%
RESULTADO LÍQUIDO 21,09%
EBITDA -7,81%

c) lucro (taxa média anual)
UA 2,99%
U2A 10,97%
U3A 20,61%

d) patrimônio líquido médio
UA 3,30%
U2A 5,85%
U3A 9,37%

RECEITA LÍQUIDA = Receita líquida totalizou R$ 550,8 milhões no terceiro trimestre de 2017, um crescimento de 1,6% quando comparado ao mesmo período do ano anterior e uma queda 6,6% quando comparado ao 2T2017.

LUCRO BRUTO = Foi de R$ 183,8 milhões, queda de 6,1% quando comparado com 3T2016 devido a uma menor receita de pontos e com aumento do cuso no período. Quando compararmos com o trimestre anterior, queda de 5,8% principalmente pela menor receita líquida e um maior custo de resgate.

LUCRO LÍQUIDO = Foi de R$ 162,3 milhões, aumento de 21,1% quando comparado ao ano anterior e 28,9% maior quando comparado ao 2T2017, devido principalmente a um efeito não recorrente de atualização monetária e créditos tributários oriundos de antecipações de impostos federais (IRPJ e CSL) no ano de 2010.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

343769  - ehfranco   -  10 Nov 2017, 12:59
Análise técnica

10/11/2017SOLICITAR ANÁLISE
No médio prazo, a tendência para os preços da MULTIPLUS ON (MPLU3) é de lateralização, já que não há fatores suficientes para se configurar uma tendência de alta ou de baixa neste momento. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 38,00 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e de retomada da tendência de alta de médio prazo para a MULTIPLUS ON (MPLU3). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 34,15 representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia ocasionar a retomada das altas da MPLU3.

2ª RESISTÊNCIA
R$ 41,55
1ª RESISTÊNCIA
R$ 38,00
1º SUPORTE
R$ 34,15
2º SUPORTE
R$ 329,15
Gráfico

AVALIAR COMPRAS

Possíveis oportunidades de compra para as ações da MULTIPLUS ON poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 34,15 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 38,00 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, iniciando uma nova tendência de alta de médio prazo.

AVALIAR VENDAS

As pessoas que têm ações da MULTIPLUS ON em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 38,00, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 34,15, que caso venha aconteça poderia recolocar a ação em tendência de baixa no médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

A Multiplus é uma rede de fidelização formada por várias empresas e programas de fidelidade. A companhia foi fundada em 2009 como uma unidade de negócios do Grupo TAM e, no final daquele ano, tornou-se legalmente uma operação independente. Hoje a Multiplus é uma empresa subsidiária da TAM, a qual detém 72,74% das suas ações. A companhia permite aos seus participantes acumularem e resgatarem pontos em empresas de diferentes segmentos, como companhias aéreas, operadores turísticos, postos de gasolina, produtos esportivos, brinquedos, livrarias, entre outros. Desde de fevereiro de 2009, a empresa é listada na BM&FBovespa sob o código MPLU3.

PONTOS POSITIVOS

Modelo de negócios permite necessidade negativa de capital de giro e alta capacidade de geração de caixa; Administração da Multiplus é exercida de forma autônoma da administração da TAM e é independente em relação a esta. Essa estrutura de governança favorece o alinhamento de interesses entre os acionistas da MPLU3 e a administração da empresa; Número de clientes da Multiplus gera um atrativo para os parceiros comerciais e induz um ciclo virtuoso que favorece a expansão da base da companhia; Procura por programas de fidelidade tem se intensificado em um cenário em que as empresas buscam incentivar o aumento da demanda de seus clientes; Espaço para crescimento em comparação com a penetração de programas de fidelidade no mercado internacional.
PONTOS NEGATIVOS

Resultados financeiros depreciados considerando o desempenho do setor de fidelidade; Programas de milhagem têm estado na mira de órgãos de proteção e defesa do consumidor em função de práticas consideradas abusivas na precificação de benefícios. Esse ambiente expõe a empresa a processos judiciais que podem impactar seu resultado; Alto grau de dependência da companhia em relação a seus parceiros comerciais. Dessa forma, uma eventual quebra contratual tem alto potencial de afetar a rentabilidade da empresa; Contração da demanda visto o cenário macroeconômico leva à redução dos gastos das famílias brasileiras e à mitigação na acumulação de pontos.
Visão dos Analistas

Os impactos da crise político-econômica brasileira influenciaram os resultados da Multiplus (MPLU3) ao contribuir para a queda da quantidade de pontos emitidos e resgatados. O principal fator de influência foi o alto desemprego e as expectativas de endividamento, os quais trazem impactos ao setor de fidelização ao causar a queda dos gastos das famílias brasileiras e, como consequência, a mitigação da acumulação de pontos. Além disso, o setor de fidelidade ainda tem dificuldades de retomada de crescimento pelo baixo faturamento bruto. No quarto trimestre de 2016, a Multiplus (MPLU3) apresentou um lucro líquido de R$ 116,22 milhões, queda de 7,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita líquida, por sua vez, somou R$ 547,43 milhões, queda de 5,7% frente ao 4T15 e a margem bruta apresentou 2,3 p.p. de queda. A depreciação das margens está relacionada à queda de 0,6% da receita bruta dos pontos vendidos tendo em vista a redução de 3,2% no volume de pontos resgatados e também à queda de 28,9% na receita de breakage (milhas vencidas e não resgatadas). O faturamento bruto de venda de pontos, por sua vez, totalizou R$ 540,8 milhões no trimestre, redução de 16,2% frente ao mesmo período do ano anterior. Os pontos emitidos no período totalizaram 20,1 bilhões, redução de 5,9% frente ao mesmo período do ano anterior. Essa queda está relacionada a quantidade de pontos emitidos para os bancos, que apresentou um decréscimo de 11,3%, impactado pelos menores gastos no cartão de crédito. É importante observar que o número de pontos acumulado com os parceiros no varejo apresentou um crescimento de 30,6% e os pontos acumulados pelas companhias aéreas, especialmente a Latam, mostrou um crescimento de 19,5%. A taxa burn/earn (relação entre a quantidade de milhas resgatadas e a quantidade de milhas acumuladas) atingiu 89%, queda de 3,2% em relação ao 4T15. Enquanto isso, no ano, os pontos resgatados foram de 85,6%, representando uma queda de 9,1% na comparação 2015 x 2016. O Ebitda alcançou R$ 128,93 milhões no período, queda de 15,07% em relação ao mesmo período do ano anterior. A margem Ebitda, por sua vez, foi registrada em 23,6%, queda de 2,5 p.p. na comparação com o quarto trimestre do ano anterior. Em relação ao endividamento, a empresa apresentava uma dívida líquida de R$ 217,43 milhões até dezembro/2016, alta de 18,65% em relação ao mesmo mês do ano anterior. O índice de alavancagem financeira, relação entre o endividamento líquido e o total de capital, foi registrado em 45,9% para 2016, contra 41,27% na comparação anual. No 4T16, a geração de caixa, excluindo os efeitos de proventos e variação de antecipação a fornecedores, capital e antecipação de clientes, totalizou R$ 81,2 milhões, queda de 43,7% em comparação ao quarto trimestre do ano anterior. No trimestre ganhou destaque o Black Week, o qual resultou um incremento de 127% em pontos resgatados em comparação aos volumes das semanas que antecederam o evento. O ticket médio de pontos resgatados aumentou 19% comparado ao Black Week do ano anterior. O catálogo mais resgatado foi com smartphones e tarifas promocionais em rotas domésticas e internacionais da LATAM. Além disso, observamos a ampliação do portfólio de facilidades através do lançamento do programa “Pontos + Dinheiro” para o resgate de produtos e serviços não aéreos. Essa nova funcionalidade permitirá que os participantes que não possuem saldo suficiente de pontos para o resgate nos parceiros da rede possam complementar com o pagamento em dinheiro. Por fim, foi importante o lançamento do cartão Multiplus Itaucard, o qual busca acúmulo de pontos por dólar gasto, bônus promocional e resgate de pontos. Do ponto de vista de projeção de crescimento, entendemos que a empresa ainda tem um grande mercado potencial. No comparativo internacional, a penetração de programas de fidelidade é mais intensa do que no Brasil e a sua expansão tem ocorrido em ritmo elevado. No entanto, considerando os resultados financeiros que vêm sendo divulgados nos últimos balanços e o aumento do índice de alavancagem financeira, avaliamos que as ações da Multiplus (MPLU3) apresentam tendência neutra para o longo prazo. Dessa forma, apesar do espaço de crescimento para as empresas do segmento na comparação com o cenário internacional, consideramos que o desempenho financeiro da empresa dentro do setor deve fazer com que as suas ações operem lateralizadas no longo prazo.

342466 - Gersonlp   -  28 Set 2017, 21:45
MPLU3

FATO RELEVANTE
Barueri, 28 de setembro de 2017 – A Multiplus S.A. (B3: MPLU3) (“Companhia”), em atendimento ao disposto na Lei nº 6.404/76 e na Instrução da Comissão de Valores Mobiliários (“CVM”) nº 358/02, conforme alteradas, vem divulgar a seus acionistas e ao mercado em geral, que o Conselho de Administração da Companhia, após discussões entre a Companhia e o grupo LATAM Airlines (“LATAM”) sobre formas de ampliar a atuação internacional da Companhia, aprovou, na presente data, as premissas básicas que nortearão os documentos definitivos a serem celebrados com o grupo LATAM (“Operação”), conforme a seguir descritas:
(i) Manutenção das duas coalizões “MULTIPLUS” e “LATAMPASS”;
(ii) a Companhia passará a ter acesso irrestrito aos voos das companhias aéreas que integram e/ou que venham a integrar o grupo LATAM – incluindo, mas não se limitando, a LATAM Brasil e a LATAM Airlines Chile (“Companhias Aéreas”), duplicando assim as opções de resgate por passagens aéreas pelos participantes da rede de coalizão da Companhia, com destaque para destinos como Sydney, Melbourne, Miami, Nova York, Los Angeles, Barcelona, Madrid, Lima, Cusco, Cartagena, Buenos Aires, Bariloche, Ilha de Páscoa. (iii) a Companhia terá o direito de atuar exclusivamente como coalizão nas seguintes regiões: Brasil, Paraguai, México, Estados Unidos e em todos os países da Europa, enquanto que a LATAM terá o direito de explorar o negócio de coalizão exclusivamente na América Central e América do Sul (exceto no México, Paraguai e Brasil) ; e
(iv) a Companhia e o grupo LATAM envidarão os seus melhores esforços para definir qual das duas coalizões, atenderão os demais países, não listados acima, quando tais países superarem 200 mil participantes. Temporariamente, até que se atinja 200 mil participantes, os residentes no Canadá acumularão pontos MULTIPLUS e os residentes dos demais países acumularão quilômetros LATAMPASS.
A administração da Companhia acredita que a implementação da Operação é positiva, permitindo, inclusive, possível maximização de oportunidade de crescimento em diversos mercados e regiões. Os parceiros e participantes eventualmente impactados da rede de  coalizão da Companhia serão comunicados oportunamente a respeito das mudanças específicas na sua relação com a Companhia e das novas regras que lhes serão aplicáveis. A aprovação pelo Conselho de Administração da Companhia se deu após opinião favorável do Comitê de Finanças, Auditoria, Governança e Partes Relacionadas e fairness opinion favorável emitida pela empresa de consultoria Stern Value Management. A Companhia não espera que tal operação produza impactos contábeis e/ou fiscais
relevantes. Nesta operação, o escritório de advocacia BMA - Barbosa Müssnich Aragão foi contratado como assessor jurídico da Companhia.
Estima-se que a conclusão da Operação se dará no primeiro semestre de 2018, sendo certo que a Companhia manterá seus acionistas e o mercado informados sobre o assunto objeto do presente Fato Relevante.
Barueri, 28 de setembro de 2017

340999  - paulo_prof   -  12 Ago 2017, 11:09
O Ebitda está estacionado em termos nominais. Como os resultados financeiros estão involuindo, não há como o lucro crescer. A taxa de cerscimento do lucro é negativa em termos nominais, tanto na base trimestral, quando anual. Percebe-se, também, uma redução mais forte na base trimestral, o que possivelmente levará a uma deterioração dos resultados nos próximos trimestres.

Em consequência, mesmo estando sensivelmente mais barato que há 3 meses, acho que ainda está caro.

MPLU3

PREÇO: R$ 36,90

PAYOUT (2016): 100.0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,71

P/VPA 23,39

PSR 2,63

DY 8,53%

EV/EBITDA 7,68

MARGEM BRUTA 33,9%

MARGEM OPERACIONAL 33,2%

MARGEM LÍQUIDA 22,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,150

MARGEM EBITDA 26,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 199,67%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,12



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,030%

RESULTADO BRUTO +1,91%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -22,37%

RESULTADO OPERACIONAL -4,80%

RESULTADO LÍQUIDO -4,36%

EBITDA +0,87%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,65%8,42

RESULTADO BRUTO +1,52%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -25,30%

RESULTADO OPERACIONAL+6,23%

RESULTADO LÍQUIDO -7,69%

EBITDA +0,74%



c) lucro (taxa média anual)

UA -4,36%

U2A 26,02%

U3A 21,79%



d) patrimônio líquido médio

UA -0,26%

U2A 6,98%

U3A 10,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 40,38

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,0%

339847  - Minkowski -  04 Jul 2017, 11:51
Para quem tem MPLU3 na carteira de dividendos:
http://www.braziljournal.com/multiplus-quer-avanca...

339134  - jpma1977 -  08 Jun 2017, 12:27
por outro lado temos MPLU3 com P/L aproximadamente de 11 e DY de 8%, sem dividas e com 25% do seu valor em cash (disponibilidades)

na minha opiniao uma das melhores relacoes risco/beneficio da bolsa, ponderado pelo preço (tem ate outras eventuais barbadas por ai, mas penso q sejam mais "arriscadas")

P/VPA nao faz sentido olhar pq com um patrimonio pequeno produz um caminhao de lucro.

nao vejo muito estes riscos de controlador, mas eventualmente pode acontecer ne...

acho MPLU tao boa p/ renda qto FIIS (melhor até q varios deles)... sempre q fica abaixo de 35 eu compro.. qto mais baixo mais compro, hj já representa 1/12 me minha renda passiva anual

só uma opiniao :)

337492  - TraderCenter -  03 Mai 2017, 21:37
[...]
A Multiplus registrou lucro líquido de R$ 134,419 milhões no primeiro trimestre. A margem líquida ficou em 22,5%, incremento de 0,1 ponto porcentual em comparação ao mesmo intervalo de 2016.

A empresa de programa de fidelidade por coalização controlada pela companhia aérea Latam, registrou lucro líquido de R$ 134,4 milhões no primeiro trimestre de 2017, o que representa alta de 5,8% frente a igual intervalo do ano passado. Segundo a Multiplus, o resultado foi impulsionado, entre outros fatores, pela maior receita de venda de pontos.

Na mesma base de comparação, a receita líquida da companhia cresceu 5,7%, para R$ 597,9 milhões.

Os pontos emitidos totalizaram 24,6 bilhões nos primeiros meses do ano, alta de 22,2%, enquanto os resgatados somaram 19,3 bilhões, incremento de 7,7%.

O lucro líquido da companhia no período avaliado foi de R$ 134,4 milhões (alta de 5,8%). A base de participantes, por sua vez, teve um crescimento anual de 16,9%, fechando o período em 17,1 milhões.

337459 - paulo_prof  -  03 Mai 2017, 15:43
Último comentário sobre Resultados da MPLU pode ser encontrado em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=mplu3&us...

Na base anual, os resultados medidos em termos de lucro líquido e ebitda estão perdendo levemente da inflação. Na base trimestral parece estar ocorrendo uma recuperação, com lucro líquido e ebitda evoluindo um pouco acima da inflação.

O ativo me parece bem precificado pelo mercado

MPLU3

PREÇO: R$ 42,32

PAYOUT (2016): 100.0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,16

P/VPA 26,69

PSR 3,07

DY 7,59%

EV/EBITDA 8,95

MARGEM BRUTA 34,5%

MARGEM OPERACIONAL 34,4%

MARGEM LÍQUIDA 23,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,215

MARGEM EBITDA 26,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 202,76%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,11



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,70%

RESULTADO BRUTO +4,51%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -13,68%

RESULTADO OPERACIONAL +1,40%

RESULTADO LÍQUIDO +2,84%

EBITDA +5,60%



b) 1T17 vs 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,65%

RESULTADO BRUTO +9,08%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -0,64%

RESULTADO OPERACIONAL+6,07%

RESULTADO LÍQUIDO +5,81%

EBITDA +7,99%



c) lucro (taxa média anual)

UA 2,84%

U2A 33,51%

U3A 26,11%



d) patrimônio líquido médio

UA 2,55%

U2A 8,96%

U3A 14,06%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 41,22

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +1,0%

336647  - Gusmaran  -  12 Abr 2017, 00:52
Na carta da Rio Bravo de setembro do ano passado eles explicaram o modelo de negócio da Multiplus:
ScreenHunter_190Apr.1115.1458ed1d64c0a7d
ScreenHunter_191Apr.1115.1558ed1d6a527fd
Sempre gostei dessa ação. Histórico de cash call e crescimento dos lucros. Os pares internacionais valem bastante. Itau BBA, no entanto, diz que o lucro deve diminuir em 2017, mas mesmo assim seu preço alvo é R$ 41. Se pegarmos o cálculo do Decio Bazin ela deveria valer R$ 3,2 x 16,6 (6% de dividendos) = R$ 53 por ação.

336637  - Peter Lynch do Agreste -  11 Abr 2017, 19:17
Exatamente. Os cartões dos bancos pagam pontos em dolares. Se o dolar se valoriza, e os gastos estão em reais, menos pontos serão gerados; se o dolar deprecia então mais pontos serão gerados pelos cartões de crédito. Mas a analise não é tão simples assim. Depois de enviados os pontos a Multiplus, Smiles, e/ou outras companhias, em sua maioria, as passagens aéreas podem sofrer oscilação de preço em dolar. Caso as passagens encareçam a empresa de fidelidade pode exigir mais pontos para o mesmo trecho. Por exemplo, no ano passado o trecho de Curitiba a Miami de executiva custava 65k pontos. Hoje, o mesmo trecho na MPLU3 custa 88k. Na SMLE3 custa entre 65k e 80k, dependendo do dia.

336601  - Gusmaran  -  10 Abr 2017, 17:15
Exatamente. Os cartões dos bancos pagam pontos em dolares. Se o dolar se valoriza, e os gastos estão em reais, menos pontos serão gerados; se o dolar deprecia então mais pontos serão gerados pelos cartões de crédito. Mas a analise não é tão simples assim. Depois de enviados os pontos a Multiplus, Smiles, e/ou outras companhias, em sua maioria, as passagens aéreas podem sofrer oscilação de preço em dolar. Caso as passagens encareçam a empresa de fidelidade pode exigir mais pontos para o mesmo trecho. Por exemplo, no ano passado o trecho de Curitiba a Miami de executiva custava 65k pontos. Hoje, o mesmo trecho na MPLU3 custa 88k. Na SMLE3 custa entre 65k e 80k, dependendo do dia.

336595  - paulo_prof   -  10 Abr 2017, 15:33
A menos que esteja enganado, todo o "esquema" de pontos da Multiplus é dolarizado. Em consequência, para uma determinada compra em reais, se o real valoriza um maior número de pontos é gerado/emitido.

336591  - Fallas -  10 Abr 2017, 15:21
Também quero conferir a resposta. Como o aumento do dólar diminui a quantidade de milhas emitidas – o que reduz a utilização do programa, tanto pela menor quantidade de pontos quanto pelas amarras de limite mínimo para transferências e aproveitamento de promoções, etc –, a gente intui que dólar alto machuca os resultados.

Prof Paulo, tem acompanhado Movi3? Preço saiu abaixo do esperado pelo IPO, parece uma empresa consolidada e ganhando market share. Alguma opinião? Abraço

335902  - Gusmaran  -  23 Mar 2017, 10:16
Essa é compra. Tem metade da share da RENT3 e vale 1/5 da concorrente. O relatório do BTG é muito bom: https://www.btgpactual.com/Research/OpenPdf.aspx?file=37302.pdf. Tem uma passagem em que o analista diz que a movida deve aumentar sua frota de 57k para 100k veículos em 2018. Só pra ter idéia a RENT3 tem 120k veiculos na frota. Muita gente boa está comprada e indicando o papel: eleven (PA R$ 16), e o sell side também.
                                                         ▲                                               ▲

professor e demais colegas,
MPLU3 parece bem interessante no preço atual, pensando em DY futuro (talves 8%).
O setor tem ainda batante espaço para crescimento, mesmo com a concorrência Smiles
ROE = 200% gostaria de entender.....
PL = 11,50% (bem alto)

Há que se estudar bastante, inclusive os relatórios para formar uma ideia de como o lucro líquido será impactado com as alterações no cenário econômico (recuperação lenta da economia, juros declinantes, etc).

Paria desenvolver a sua atividade, a MPLU não necessita de capital. Em consequência, o PatLiq pode ser ridiculamente pequeno e a empresa pode distribuir 100% do lucro líquido.

Em minha planilha, só vejo números. Há que se entender por que a margem bruta caiu tanto no 4T16. Foi 33,2% no 1T16, 35,4% no 2T16, 36,1% no 3T16 e 32,2% no 4T16. Por outro lado, nos últimos 5 trimestres, o percentual do ganho financeiro sobre o Resultado Antes dos Impostos vem crescendo. 23% no 4T15, 23,14% no 1T16, 26,13% no 2T16, 27,20% no 3T16 e 27,71% no 4T16. Se a parcela do ganho financeiro sobre o ganho total aumenta e, com a queda dos juros, o ganho financeiro também deve cair, a tendência seria uma redução na taxa de crescimento do lucro. Para compensar, a Receita Líquida teria que aumentar a uma taxa maior do que a inflação.

Para o meu consumo pessoal, o preço atual (R$ 35,40) seria compatível com uma taxa real de crescimento do lucro líquido de -2,5% nos próximos anos. Ou seja, um investimento hoje seria seguro se o lucro líquido de 2016 for mantido no médio prazo.

Pra variar, em MPLU3 existe um imenso risco de o controlador simplesmente passar a mão na empresa pra pagar suas próprias dívidas. Não há tag along de 100% que consiga impedir isso.

Se vc conseguir ignorar este fato (talvez numa dor de barriga possa se juntar a CGRA3 ou ABCB4 kkk), os números são os seguintes:

Ano Pat.Líq. Lucro P/L "FCL" (FCO - FCI) FCI / LL
2010 758 118 46,13x -518,78 15,69%
2011 260 274 18,91x 579,92 9,49%
2012 149 224 34,50x 433,69 18,83%
2013 186 232 20,89x 195,26 -
2014 221 325 15,98x 289,29 14,82%
2015 261 480 12,62x 433,47 11,93%
2016 256 514 10,67x 519,60 3,26%
Como pode ser visto acima, o negócio não precisa mais de investimento pesado pra se manter, vai indo no embalo. Sem dívidas.

O mercado está com medo de um eventual achaque por parte do controlador mais até que uma piora nos resultados, aparentemente. Fosse só do jeito que o prof coloca, os resultados já teriam desacelerado fortemente, mais lá se vão 2 anos de estagnação e nada...

Mais uma das grandes oportunidades que o mercado nos presenteia... ou uma arapuca (value trap)? 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
334626  - paulo_prof   -  24 Fev 2017, 00:57
Ativo parece razoavelmente bem precificado.

MPLU3

PREÇO: R$ 39,01

PAYOUT (2016): 100.0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,30

P/VPA 24,67

PSR 2,87

DY 8,13%

EV/EBITDA 8,31

MARGEM BRUTA 34,2%

MARGEM OPERACIONAL 34,4%

MARGEM LÍQUIDA 23,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,172

MARGEM EBITDA 26,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 200,63%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,10



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,76%

RESULTADO BRUTO +6,77%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -10,72%

RESULTADO OPERACIONAL +5,46%

RESULTADO LÍQUIDO +7,10%

EBITDA +9,80%



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,72%

RESULTADO BRUTO -12,06%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +9,07%

RESULTADO OPERACIONAL-9,33%

RESULTADO LÍQUIDO -7,56%

EBITDA -15,17%



c) lucro (taxa média anual)

UA 7,10%

U2A 38,73%

U3A 30,33%



d) patrimônio líquido médio

UA 3,59%

U2A 9,98%

U3A 16,62%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 39,65


Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 0%

329565  - pinheiro87   -  07 Nov 2016, 17:11
Citação: rafnob - Post #329559 - 07/Nov/2016 16:40
Pq essa caganeira generalizada em MPLU?
Resultado ruim semana passada.

329450  - paulo_prof -  03 Nov 2016, 22:28
O resultado do 3T16, noque concerne a última linha, acendeu a luz amarela ... Em termos nominais, o lucro líquido do 3T16 foi 7,4% menor do que o resultado do 3T15. Um atenuante foi o resultado em termos da geração de caixa medida pelo Ebitda, aprox igual em termos reais à do ano passado. Em termos anuais, o lucro dos últimos 12 meses em termos reais cresceu aprox. 27% em relação ao lucro dos 12 meses anteriores. Há que se observar, entretanto, como os números se comportarão no próximo trimestre. De qualquer forma, o risco de um investimento no preço atual é, na minha opinião, relativamente baixo, visto que há alguma "gordura" para queimar.

MPLU3
PREÇO: R$ 41,00
PAYOUT (2015): 99,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,69
P/VPA 24,89
PSR 2,97
DY 7,87%
EV/EBITDA 8,86
MARGEM BRUTA 34,8%
MARGEM OPERACIONAL 34,7%
MARGEM LÍQUIDA 23,4%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,231
MARGEM EBITDA 27,2%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 196,14%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,10

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,48%
RESULTADO BRUTO +26,90%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +27,47%
RESULTADO OPERACIONAL +36,16%
RESULTADO LÍQUIDO +37,85%
EBITDA +38,40%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,49%
RESULTADO BRUTO +10,59%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -44,40%
RESULTADO OPERACIONAL -8,98%
RESULTADO LÍQUIDO -7,37%
EBITDA +11,00%

c) lucro (taxa média anual)
UA 37,85%
U2A 30,52%
U3A 33,66%

d) patrimônio líquido médio
UA 8,46%
U2A 12,54%
U3A 19,08%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 32,31

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +6,0%

325345  - paulo_prof   - 03 Ago 2016, 21:49
Uma máquina ... Na minha opinião, o ativo está muito barato! Este preço vai deixar saudade!
MPLU3
PREÇO: R$ 43,25
PAYOUT (2015) 99,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 13,12
P/VPA 26,81
PSR 3,08
DY 7,62%
EV/EBITDA 9,54
MARGEM BRUTA 33,3%
MARGEM OPERACIONAL 34,9%
MARGEM LÍQUIDA 23,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,296
MARGEM EBITDA 26,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 204,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,38

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,32%
RESULTADO BRUTO +30,79%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +163,96%
RESULTADO OPERACIONAL +66,21%
RESULTADO LÍQUIDO +66,04%
EBITDA +48,31%

b) 2T16 vs 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,02%
RESULTADO BRUTO +12,68%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +19,64%
RESULTADO OPERACIONAL +22,24%
RESULTADO LÍQUIDO +24,90%
EBITDA +21,97%

c) lucro (taxa média anual)
UA 66,04%
U2A 37,44%
U3A 33,68%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,75%
U2A 16,76%
U3A 14,83%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 32,96

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +7,0% !!!

310438  - paulo_prof  -  04 Nov 2015, 01:02
Como bem observado pelo danieljoseaa, ótimo resultado turbinado pelo financeiro. Excluindo o financeiro, entretanto, o resultado continua muito bom, coma Receita aumentando 20% em termos nominais e o Ebitda aumentando 39% na base trimestral. Se vc acredita que o lucro poderá crescer à taxa corrente por alguns anos, o ativo estaria barato!

MPLU3
PREÇO: R$ 34,97
PAYOUT (2014): 99,8%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 14,92
P/VPA 20,87
PSR 2,75
DY 6,69%
EV/EBITDA 9,29
MARGEM BRUTA 29,7%
MARGEM OPERACIONAL 27,6%
MARGEM LÍQUIDA 18,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,344
MARGEM EBITDA 21,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 139,91%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,09

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 3T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,42%
RESULTADO BRUTO +20,19%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +20,89%
RESULTADO OPERACIONAL +23,03%
RESULTADO LÍQUIDO +23,58%
EBITDA +24,88%

b) 3T15 sobre 3T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +20,45%
RESULTADO BRUTO +21,35%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +177,91%
RESULTADO OPERACIONAL +70,94%
RESULTADO LÍQUIDO +66,92%
EBITDA +38,92%

c) lucro líquido, nominal
UA 23,58%
U2A 31,61%
U3A 16,14%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 16,78%
U2A 24,77%
U3A 5,39%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 23,44

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +14,5%

310433  - danieljoseaa  -  04 Nov 2015, 00:05
Muito bom o resultado da Multiplus, porém foi turbinado pelo financeiro já que tem uma parte de suas reservas em fundos cambiais, tendo quase 50 milhões de lucro financeiro graças à valorização do dólar neste trimestre, tendo dobrado o resultado financeiro em relação ao trimestre passado, já o lucro operacional foi semelhante ao 2°tri/15 e 30% maior que o 3° tri/14.

Mesmo sem contar o provável não recorrente da valorização cambial, um resultado muito forte.

https://www.rad.cvm.gov.br/enetconsulta/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?CodigoTipoInstituicao=2&NumeroSequencialDocumento=51246

302905  - paulo_prof  -  05 Ago 2015, 01:31
Vixe ... a empresa continua entregando !!!

MPLU3
PREÇO: R$ 41,56
PAYOUT (2014): 99,8%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 17,74
P/VPA 28,28
PSR 3,28
DY 5,62%
EV/EBITDA 12,44
MARGEM BRUTA 29,7%
MARGEM OPERACIONAL 27,6%
MARGEM LÍQUIDA 18,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,342
MARGEM EBITDA 21,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 159,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,34

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 2T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,39%
RESULTADO BRUTO +27,81%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +35,77%
RESULTADO OPERACIONAL +32,91%
RESULTADO LÍQUIDO +34,30%
EBITDA +33,59%

b) 2T15 sobre 2T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +34,31%
RESULTADO BRUTO +29,46%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +32,74%
RESULTADO OPERACIONAL +34,73%
RESULTADO LÍQUIDO +36,67%
EBITDA +35,84%

c) lucro líquido, nominal
UA 34,30%
U2A 30,32%
U3A 18,69%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 18,81%
U2A 14,87%
U3A 2,81%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 23,42

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +14,5%

296368  - paulo_prof  -  05 Mai 2015, 02:53
Cada vez mais foguete ... cada vez mais "barata"!

MPLU3
PREÇO: R$ 34,36
PAYOUT (2014): 99,8%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 15,91
P/VPA 24,97
PSR 2,91
DY 6,27%
EV/EBITDA 11,71
MARGEM BRUTA 29,9%
MARGEM OPERACIONAL 27,5%
MARGEM LÍQUIDA 18,3%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,160
MARGEM EBITDA 21,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 156,95%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,07

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 1T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,35%
RESULTADO BRUTO +24,88%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +58,37%
RESULTADO OPERACIONAL +35,22%
RESULTADO LÍQUIDO +34,86%
EBITDA +30,61%

b) 1T15 sobre 1T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +21,26%
RESULTADO BRUTO +26,29%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +21,19%
RESULTADO OPERACIONAL +29,15%
RESULTADO LÍQUIDO +34,06%
EBITDA +33,95%

c) lucro líquido, nominal
UA 34,86%
U2A 29,31%
U3A 9,77%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 24,98%
U2A 12,25%
U3A -1,06%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 21,60

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +11,5%

281762  - paulo_prof -  03 Nov 2014, 23:55
Um foguete ... para justificar o preço atual necessita que a taxa anual real de crescimento do lucro líquido seja 13,5% em média, nos próximos 5 anos ... Esta taxa já foi sensivelmente maior !!!

MPLU3
PREÇO: R$ 35,25
PAYOUT (2013): 100,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 18,64
P/VPA 25,68
PSR 3,27
DY 5,36%
EV/EBITDA 13,61
MARGEM BRUTA 29,0%
MARGEM OPERACIONAL 26,4%
MARGEM LÍQUIDA 17,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,891
MARGEM EBITDA 20,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 137,78%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,08

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,63%
RESULTADO BRUTO +18,80%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +108,59%
RESULTADO OPERACIONAL +42,66%
RESULTADO LÍQUIDO +40,17%
EBITDA +29,37%

b) 3T14 sobre 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,05%
RESULTADO BRUTO +26,52%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +63,50%
RESULTADO OPERACIONAL +36,59%
RESULTADO LÍQUIDO +39,43%
EBITDA +30,73%

c) lucro líquido, nominal
UA 40,17%
U2A 12,60%
U3A 7,59%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 33,31%
U2A 0,11%
U3A -25,85%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 18,91

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +13,5%

271357  - paulo_prof -  10 Ago 2014, 21:41
Vc acredita que a empresa conseguirá continuar entregando um lucro líquido anual crescendo a uma taxa real acima dos 15% nos próximos 5 anos ??? Então o ativo não está caro !!!

MPLU3
PREÇO: R$ 32,29
PAYOUT (2013): 100,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 18,53
P/VPA 24,89
PSR 3,01
DY 5,40%
EV/EBITDA 12,04
MARGEM BRUTA 27,5%
MARGEM OPERACIONAL 24,6%
MARGEM LÍQUIDA 16,3%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,743
MARGEM EBITDA 18,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 134,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,08

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,84%
RESULTADO BRUTO +14,50%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +62,15%
RESULTADO OPERACIONAL +28,88%
RESULTADO LÍQUIDO +26,45%
EBITDA +22,35%

b) 2T14 sobre 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,72%
RESULTADO BRUTO +17,78%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +230,64%
RESULTADO OPERACIONAL +46,47%
RESULTADO LÍQUIDO +39,87%
EBITDA +24,01%

c) lucro líquido, nominal
UA 26,45%
U2A 11,58%
U3A 5,63%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 11,06%
U2A -4,37%
U3A -32,32%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 17,43

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +15,5%

269708  - Igos1981  -  28 Jul 2014, 23:32
Belo resultado . Sigo comprado

269693  - ch3481  -  28 Jul 2014, 21:41
Ainda saiu um "qualquer"....

O lucro líquido e o FFO cresceram 32,7% e 31,5%, respectivamente. O lucro líquido foi de R$93,4 milhões e o FFO atingiu R$143,9 milhões no 2T14. O FFO por ação foi de R$0,77 no 2T14, equivalente a um CAGR de 15,4% em cinco anos.

Em 30 de junho de 2014 a Multiplan anunciou o pagamento de R$70,0 milhões de Juros sobre Capital Próprio (JCP), antes de impostos.

269688 - ch3481 - 28/Jul/2014 21:16
MULT3
http://ri.multiplan.com.br/ptb/1628/ER2T14.pdf

Aumento LL de 25% comparativo 1s13 X 1s14
Aumento EBITDA de 24% comparativo 1s13 X 1s14

Endividamento (DL/EBITDA) caiu de 2,94 para 2,81 comparativo trimestres

Bom resultado....;-);-)

Não li. Depois escuto web

257113  - paulo_prof  -  08 Mai 2014, 21:43
MPLU3
PREÇO: R$ 30,40
PAYOUT (2013): 100,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 18,95
P/VPA 24,99
PSR 2,87
DY 5,28%
EV/EBITDA 11,73
MARGEM BRUTA 26,6%
MARGEM OPERACIONAL 22,7%
MARGEM LÍQUIDA 15,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,604
MARGEM EBITDA 18,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 131,82%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,07

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 1T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +14,36%
RESULTADO BRUTO +17,93%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +12,84%
RESULTADO OPERACIONAL +23,14%
RESULTADO LÍQUIDO +23,99%
EBITDA +27,88%

b) 1T14 sobre 1T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -18,02%
RESULTADO BRUTO +25,11%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +239,52%
RESULTADO OPERACIONAL +62,19%
RESULTADO LÍQUIDO +59,24%
EBITDA +38,27%

c) lucro líquido, nominal
UA 23,99%
U2A -0,97%
U3A 12,64%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 0,81%
U2A -11,97%
U3A -37,85%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 16,04

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +16,5%

244013  - paulo_prof  -  04 Mar 2014, 01:24
MPLU3
PREÇO: R$ 25,66
PAYOUT (2013): 100,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 17,91
P/VPA 22,36
PSR 2,52
DY 5,58%
EV/EBITDA 10,14
MARGEM BRUTA 26,2%
MARGEM OPERACIONAL 20,9%
MARGEM LÍQUIDA 14,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,433
MARGEM EBITDA 17,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 124,86%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,07

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,84%
RESULTADO BRUTO +12,77%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -34,50%
RESULTADO OPERACIONAL +1,48%
RESULTADO LÍQUIDO +3,47
EBITDA +18,%23

b) 4T13 sobre 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,33%
RESULTADO BRUTO +5,20%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +39,77%
RESULTADO OPERACIONAL +27,94%
RESULTADO LÍQUIDO +24,46%
EBITDA +24,72%

c) lucro líquido, nominal
UA 3,47%
U2A -8,01%
U3A 25,16%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -7,89%
U2A -34,28%
U3A -38,93%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 14,33

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +15,0%

222413  - paulo_prof  -  09 Nov 2013, 16:53
Para vc que gosta de luxo e não se satisfez com a RADL3, mais um docinho caro !!!!

MPLU3
PREÇO: R$ 28,87
PAYOUT (2012): 99,2%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 21,34
P/VPA 27,78
PSR 2,79
DY 4,65%
EV/EBITDA 13,97
MARGEM BRUTA 25,5%
MARGEM OPERACIONAL 19,4%
MARGEM LÍQUIDA 13,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,353
MARGEM EBITDA 15,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 130,23%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,06

Taxas de Crescimento:

a) últimos 9 meses sobre 9 meses terminados no 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,92%
RESULTADO BRUTO +15,53%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -52,11%
RESULTADO OPERACIONAL -6,21%
RESULTADO LÍQUIDO -3,00
EBITDA +16,25%

b) 3T13 sobre 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +24,42%
RESULTADO BRUTO +10,02%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -28,79%
RESULTADO OPERACIONAL -7,85%
RESULTADO LÍQUIDO -6,58%
EBITDA +4,59%

c) lucro líquido, nominal
UA -9,55%
U2A -5,74%
U3A 42,90%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -24,82%
U2A -44,70%
U3A -33,59%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 16,91

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +13,0%

201726  - paulo_prof  -  09 Ago 2013, 01:30
MPLU3
PREÇO: R$ 24,14
PAYOUT (2012): 99,2%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 17,49
P/VPA 25,98
PSR 2,47
DY 5,67%
EV/EBITDA 12,01
MARGEM BRUTA 26,4%
MARGEM OPERACIONAL 21,0%
MARGEM LÍQUIDA 14,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,380
MARGEM EBITDA 16,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 148,55%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,04

Taxas de Crescimento:

a) últimos 6 meses sobre 6 meses terminados no 2T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +15,80%
RESULTADO BRUTO +18,74%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -23,44%
RESULTADO OPERACIONAL --5,18%
RESULTADO LÍQUIDO -0,73%
EBITDA +23,64%

b) 1T13 sobre 1T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +24,74%
RESULTADO BRUTO +34,98%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -50,51%
RESULTADO OPERACIONAL +23,47%
RESULTADO LÍQUIDO +32,29%
EBITDA +52,16%

c) lucro líquido, nominal
UA -1,54%
U2A -3,46%
U3A 94,01%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -17,65%
U2A -47,17%
U3A -20,71%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,25

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +8,0%

171918 - dusteffen - 11 Mar 2013, 10:43
Aproveitaram a onda da oferta da Smiles... rsrs

Multiplus faz oferta para dar recursos para TAM


Por Ana Paula Ragazzi | Do Rio


A Multiplus fará uma oferta pública de ações para captar R$ 800 milhões. Como a empresa não precisa de recursos, o mercado imediatamente entendeu que a principal motivação da oferta é abastecer o caixa da TAM, que hoje tem 72,8% da Multiplus, empresa de fidelização de clientes e milhagens.

"A oferta acende um alerta para a liquidez da TAM", diz Victor Mizusaki, analista do UBS. "Isso revela que a TAM está com uma fraca estrutura de capital, já que, em vez de captar com uma emissão de dívida, por exemplo, optou por fazer a oferta que vai diluir sua fatia na Multiplus, o que a nosso ver será muito mais custoso para a empresa no futuro." Como a TAM não deverá acompanhar a operação, terá sua fatia na Multiplus reduzida para entre 59,2% e 62,4%, dependendo da venda de lotes extras.

A Multiplus informou que os recursos da oferta irão para a compra de passagens da TAM. O aumento de capital possibilitará o pagamento de dividendos - que mais uma vez beneficiam a TAM. De quebra, também vai fazer concorrência à recém-anunciada abertura de capital da Smiles, o braço de fidelização e milhagens da Gol.

Quando chegou à bolsa, em 2010, a Multiplus também captou recursos para comprar passagens da TAM. Mas, agora, o mercado tinha a expectativa de que uma nova oferta de ações seria acompanhada da junção com a Lanpass, o programa de milhagens da chilena Lan, que se associou à TAM na Latam Airlines. O mercado aceitaria a diluição porque a nova captação traria incremento ao negócio.

As ações da Multiplus chegaram a recuar 16,58% na sexta-feira, e fecharam em queda de 7,77%.

Também não escapou aos investidores o "timing" da operação. Ela foi anunciada dias depois de a Gol iniciar os procedimentos para listar a Smiles. De saída, por conta da desvalorização da Multiplus e do mal-estar em relação ao conflito de interesses com o controlador nesse perfil de empresa, a sinalização é que a precificação da Smiles ficará mais baixa. A diferença é que, assim como a Multiplus, em 2010, o negócio Smiles vai se beneficiar da capitalização.

Analistas avaliam a Smiles em perto de R$ 4 bilhões. Como no Novo Mercado a empresa tem de colocar 25% de seu capital na bolsa, a oferta seria de R$ 1 bilhão. A Smiles pode reduzir o preço desejado ou sair com uma oferta menor e acordar com a bolsa aumentos graduais na quantidade de ações no mercado.

A possibilidade de a Smiles captar menos recursos para comprar também passagens da Gol derrubou as ações da aérea na sexta -recuo de 5,43%. Misuzaki, do UBS, pondera que a Gol em fevereiro emitiu US$ 200 milhões em bônus e não tem hoje problemas de liquidez. "A Gol pode reduzir o tamanho da oferta para preservar a avaliação de valor da Smiles." Se não houver percalços, ambas têm condições sair com a oferta em abril.
Leia mais em:
http://www.valor.com.br/empresas/3039132/multiplus-faz-oferta-para-dar-recursos-para-tam#ixzz2NE

Aproveitando...oferta da Mplu3, junto com IPO Smaile da goll, será que não pode ser uma boa entrar na MPLU3 durante a oferta???
171625 - small caps -  09 Mar 2013, 03:04
O problema da Multiplus, além deste, são os seguintes:

a) controlador (TAM) viu uma nova fonte de receitas baratas, aumentou o preço das passagem e passou a pagar menos pelos pontos;

b) Smiles vai gerar concorrência no mercado para compra de pontos e para atrair o consumidor;

c) o Banco Itaú já andou diminuindo a conversão de pontos para Multiplus, dificultando o aumento da receita desta;

Três novos dados que afetaram as premissas anteriores. Mercado passou a não mais precificar aquele céu de brigadeiro com crescimento acelerado ...

O risco de pagar por ativos que embutem premissas muito otimistas é que, quando elas não se concretizam... tem chão para a queda...
                                                         ▲                                               ▲

170170 - paulo_prof -  04 Mar 2013, 20:29
MPLU3
PREÇO: R$ 36,42
PAYOUT 2012: 99,2%

P/L 26,30
P/VPA 39,52
PSR 4,00
DY 3,77%
EV/EBITDA 20,64
MARGEM BRUTA 26,0%
MARGEM OPERACIONAL 23,1%
MARGEM LÍQUIDA 15,2%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,385
MARGEM EBITDA 15,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 150,29%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,06

Taxas de Crescimento Nominal

a) exercício de 2012 vs 2011
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 18,38%
RESULTADO BRUTO -5,23%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO 10,22%
RESULTADO OPERACIONAL -16,07%
RESULTADO LÍQUIDO -18,21%
EBITDA -24,12%

b) 4T12 vs 4T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,20%
RESULTADO BRUTO 21,65%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -41,21%
RESULTADO OPERACIONAL -18,24%
RESULTADO LÍQUIDO -25,40%
EBITDA -6,61%

c) lucro (taxa média anual)
UA -18,21%
U2A 37,65%

d) patrimônio líquido médio
UA -53,11%
U2A -50,27%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,31

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +18,5%

167177 - small caps -  15 Fev 2013, 02:25
WK, provavelmente isto explica um pouco da sua pergunta sobre a queda MPLU... além da confirmação da oferta das ações da Smiles no mesmo dia... pancada dupla:

"Queda de Multiplus foi exagerada e Santander vê ótima oportunidade de compra

No pior dos cenários, impacto da mudança de taxa de conversão de milhas do Itaú ainda traria um potencial de valorização de 30% para as ações da Multiplus, avalia o banco

Por Rodrigo Tolotti Umpieres

SÃO PAULO - Após a notícia de que o Itaú está alterando sua política de conversão de pontos em milhas, as ações da Multiplus (MPLU3) caíram forte. Em quatro sessões, os papéis da empresa responsável pelo programa de fidelidade da TAM acumulam queda de mais de 14%, fechando a última quarta-feira (13) a R$ 37,63 - menor patamar desde abril de 2012. Porém, para a equipe de análise do Santander, esse movimento é bastante exagerado e, por conta disso, há uma grande oportunidade nas ações da companhia.

A partir de 1º de março, o programa de fidelidade do Itaú “Sempre Presente" irá mudar sua taxa de conversão de pontos no cartão de crédito para milhas, exigindo 25% a mais de pontos. Antes, era necessário 1 ponto por milha, sendo que agora o programa irá exigir 1,25 ponto por milha. Além disso, algumas categorias de seu programa de fidelidade terão o período de expiração de seus pontos reduzido.

Para o Santander, o impacto dessa mudança para a Multiplus não deve ser alto nem no pior dos cenários. "Mesmo se ajustássemos nosso preço-alvo a todos os possíveis impactos relativos ao Itaú (ou seja, uma redução de 20% nos lucros provenientes do Itaú), ainda teríamos um potencial de alta acima de 30% [para as ações da Multiplus]", escrevem em relatório os analistas Henrique Navarro e Renata Cabral. "Portanto, acreditamos que esta fragilidade representa uma oportunidade de compra e recomendamos o investimento nas ações MPLU3", complementam.

Impacto pequeno
O banco explica que aproximadamente 40% da receita da Multiplus com venda de pontos para instituições financeiras são provenientes do Itaú, representando 34% do faturamento bruto de pontos da empresa. Com a mudança na taxa, o Itaú compraria 20% a menos de pontos da Multiplus, pois os clientes do banco seriam afetados por essa nova taxa de conversão. Isso faz com que o faturamento bruto de pontos da Multiplus seja prejudicado em 7%, o que provocaria uma redução de aproximadamente 5% no lucro líquido.

Além disso, o Santander afirma que os outros bancos não irão seguir a estratégia do Itaú, o que pode afetar diretamente a participação de mercado do banco no segmento de cartões de crédito."

155572 - paulo_prof -  07 Nov 2012, 23:38
MPLU3
PREÇO: R$ 46,26
PAYOUT (2011): 98,7%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses:
P/L 30,90
P/VPA 30,97
PSR 5,19
DY 3,19%
EV/EBITDA 25,88
MARGEM BRUTA 25,3%
MARGEM OPERACIONAL 24,8%
MARGEM LÍQUIDA 16,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,497
MARGEM EBITDA 16,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 100,23%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,12

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 9M12 em relação aos Resultados dos 9M11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +23,2%
RESULTADO BRUTO -12,3%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +39,1%
RESULTADO OPERACIONAL -15,4%
RESULTADO LÍQUIDO -15,7%
EBITDA -28%

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 3T12 em relação aos Resultados dos 3T11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,7%
RESULTADO BRUTO -0,1%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +1481%
RESULTADO OPERACIONAL +29,3%
RESULTADO LÍQUIDO +29,7%
EBITDA -9,1%

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal:
a) do lucro líquido:
UA -1,76%
U2A 79,61%

b) do patrimônio líquido médio
UA -59,32%
U2A -37,59%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: + 38,0%

129100 - wakkomg - 02/Mai/2012 21:08
Sobre a MPLU

Receita de serviços e pontos resgatados: R$ 347,1 milhões no 1T12 comparado a R$ 242,0 milhões no 1T11 devido principalmente ao crescimento no volume de pontos resgatados


Custos dos serviços e resgate de pontos: R$ 252,6 milhões no 1T12 comparado a R$ 136,2 milhões no 1T11 devido ao aumento da quantidade de resgate dos pontos Multiplus disponíveis.

Despesas Operacionais: R$ 33,7 milhões no 1T12 comparado a R$22,2 milhões no 1T11 devido principalmente ao aumento do quadro de funcionários, das despesas com assessorias e consultorias, pricipalmente relacionadas à area de TI.

Resultado financeiro: R$34,1 milhões no 1T12 comparado a R$ 25,2 milhões no 1T11 pricipalmente devido aos juros sobre as aplicações financeiras do caixa da Multiplus, líquido de outras despesas financeiras como juros passivos, impostos sobre as operações financeiras e hedge accounting.

Lucro Líquido: R$61,6 milhões no 1T12 comparado a R$70,9 milhões no 1T11 principalmente devido à queda na receita de breakage.

129099 de 12913802/Mai/2012 21:03 1
 paulo_profComentários: 6333 - Desde: Jul 2009
MPLU3
PREÇO: R$ 42,00
PAYOUT (2011): 95,3%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L      25,58
P/VPA            44,36
PSR     5,01
DY      3,73%
EV/EBITDA  20,59
MARGEM BRUTA  29,1%
MARGEM OPERACIONAL          29,0%
MARGEM LÍQUIDA          19,6%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,642
MARGEM EBITDA 21,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       0,0%
ROE    173,39%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,01

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      45,74%
U2A    495,15%

b) do patrimônio líquido médio
UA -69,02%
U2A    15,71%

Para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja 1,5 vezes a cotação atual, adotando uma perpetuidade real nula e uma taxa de desconto anual real de 8%, é necessário que a taxa anual média de crescimento real do lucro líquido, nos próximos 3 anos, seja superior a 49%


Nem MPLU tá se safando dessa nuvem de resultados ridículos do 1T12...
E olha q eh uma p#$ empresa. Analisemos os números.
Uqaz, tá f... mesmo.
129097 - kknove- 02/Mai/2012 20:51
MPLU3 não li o release do pq da receita ter aumentado tanto em relação ao01T e o lucro diminuído.


Mas não tá fácil ganhar dinheiro/comprar ações boas e com resultados consistentes.

Por enquanto só GRND3 com resultado bom mesmo. As outras que comentamos por aqui meia boca ou ruim.

Tirando as que o estado mete a mão, revisão tarifária, amianto... sobra o que?
Ou melhor, sobra o que barato??

Pouquíssimas ações para se comprar e ficar tranquilo.

Vou te dizer que o que me deu mais alegrias nos últimos tempos foram os FIIs.

Não achei o resultado de MPLU3 tão ruim assim. A base de cadastro cresceu 400 mil pessoas no tri, isso é quase o mesmo numero de pessoas físicas cadastradas na bovespa hoje e estagnado há anos.

A margem líquida se estabilizou em 17%, que deve ser um patamar mais realista, considerando que já deu tempo de muita gente acumular milhas e resgatar.

Cresceram despesas de segurança em TI, o que acho saudável pq as fraudes podem acabar com a credibilidade do negócio.

Reduziu em 20% o valor que a TAM paga pelas milhas, isso não foi bom. Mas por outro lado hoje a TAM só responde por 12% do faturamento com venda de milhas e este percentual vem caindo em todos os tri.

De qq jeito, acho que é muito importante ouvir a teleconf. pq é um modelo de negócio completamente diferente do usual.
                                                         ▲                                               ▲

116878 - fazambuj - 24/Fev/2012 12:01
citação: small capsForte geradora de caixa!

ROE extratosférico;
O negócio dela é quase imprimir dinheiro.
Pay-out de 100%.
Crescimento animalesco.
Lider de mercado.
Já foi bastante discutido por aqui e esta noite sonhei com ela :)

116866 - small caps - 24/Fev/2012 11:33
citação: eliseumanicajrMPLU


Bingo!

Vinha namorando o ativo há um tempo...

Mas ontem escutei a teleconferência do quarto trimestre não mais resisti:

http://multiplus.riweb.com.br/Multiplus/Show.aspx?id_materia=eNFxxX6DcMEDlA6x2f1HnQ==&id_canal=I08bp4C7v0ZExON8xtTF3g==

Que geração de caixa!

114547 - fazambuj - 09/Fev/2012 22:33
MPLU3

LL 70.872M 4T11

Shares (M)      146,724
Preco   30.80
LPA (l12m)    1.87
P/L (u12m)     16.48
P/VP   17.44
PSR 5.33
DY (l12m)      5.77%
Payout 0.95
ROE (u12m)   105.83%

Crescimento do LPA; 12 meses YoY           131.65%
Crescimento do LPA; 12 meses QoQ           63.77%

Pouco histórico. Crescimento querendo dar uma pausa, mas deve continuar mais adiante. Eu realmente não consigo chutar o que vai ocorrer no futuro. Parece que está barato pelo crescimento. Se alguém puder ajudar...

Target – DCF 47.33
EPS (last12m) 1.87
Growth Rate (%)        50
Years of Growth        2
Maturity Growth (%) 2
Discount Rate (%)      10.50

Margin (%)     53.7%

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:
 A Multiplus (BM&FBOVESPA: MPLU3) iniciou operacionalmente em janeiro de 2010 como uma rede de coalizão criada a partir do programa TAM Fidelidade estabelecido em 1993. Essa rede é composta por 161 parcerias nos quais os 8,6 milhões de membros podem acumular pontos (dados de 2T11). Atualmente, os principais parceiros que permitem tanto acúmulo quanto resgate de pontos são: TAM, TAM Viagens, Postos Ipiranga e Texaco, Livraria Cultura, rede de hotéis Accor, Oi, Editora Globo, SKY, Luigi Bertolli, Microlins, Wizard, Drogaria Rosário, BM&FBOVESPA, PontoFrio.com, Extrafarma, Unicasa, Droga Raia, Icatu Seguros, Ofertas.com.br e Groupon     

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
04/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
MPLU3
  29,48
19,3
18,29
352,8
13,0%
5,2%
0,0
23%
5,2%
-47,0%

·  PONTOS POSITIVOS:
- Receita bruta:  353M  +12,4% 3T11 vs 2T11 e  +145,7% 3T11 vs 3T10
- Receita Líquida: 321M  +12,8% 3T11 vs 2T11 e  +147,1% 3T11 vs 3T10
-    
·  PONTOS NEGATIVOS
- Total dos Custos dos Serviços Prestados: 217M  +25,0% 3T11 vs 2T11 e  +214,8% 3T11 vs 3T10
- Lucro Bruto: 103M  -6,4% 3T11 vs 2T11 e  +70,4% 3T11 vs 3T10
- Total das Despesas Operacionais: 27M  +30,9% 3T11 vs 2T11   +100% 3T11 vs 3T10
- Total dos Custos e Despesas Operacionais: 244M +25,6% 3T11 vs 2T11  +196% 3T11 vs 3T10
- Margem Operacional: 23,9%  Variações: -7,8% 3T11 vs 2T11  e   -12,6% 3T11 vs 3T10  
- Lucro antes do IR e CS: 78M -36,5%  3T11 vs 2T11 e  32,2% 3T11 vs 3T10
- Lucro Líquido no período: 51M  -36,8% 3T11 vs 2T11  e   15,3% 3T11 vs 3T10   
- Margem Líquida: 16%   Variações: -12,5% 3T11 vs 2T11  e   -18,2% 3T11 vs 3T10
·  VISÃO ESTRATÉGICA
- Um pouco mais de dois anos após a criação da Multiplus, pudemos discutir e entender melhor o nosso papel no mercado brasileiro de fidelização. Assim, no dia 1º de setembro, anunciamos um novo posicionamento e uma nova identidade visual. Por meio da visão “juntos podemos muito mais”, a nova Multiplus reforça sua missão de conectar empresas e pessoas por meio de uma rede de relacionamentos onde todos ganham.
A nova proposta de valor, totalmente alinhada ao futuro da companhia, posiciona a Multiplus como uma empresa de fidelização que, por meio da melhor rede de parceiros, oferece reconhecimento e recompensa pelas escolhas de consumo de seus participantes. A nova logomarca apresenta um desenho de pontos que se unem em tons coloridos de dégradé, por meio de uma imagem subliminar de espiral, mostrando que a experiência de juntar pontos é algo simples, leve e prazeroso. Nos próximos anos a empresa espera estar na rotina do consumidor de forma definitiva, por meio de uma rede de coalizão forte, completa e atrativa.    
·  OPINIÃO DO ANALISTA
- Os resultados anuais impressionam, com 3 dígitos de variação mas não devem ser visto como uma promessa de crescimento vigoroso, aliás ao contrário, o trimestre surpreendeu negativamente com um aumento acentuado nas despesas fazendo a companhia ter suas margens degradadas. O novo mix não tem volume suficiente ainda para fazer frente aos pontos de milhagem aéreas, agora sem reservas de estoques e com mais pontos lançados, a tendência deve continuar nos próximos meses. Acredito que muito em breve os controladores vão se arrepender de terem restituído o capital aos acionistas por não saberem o que fazer com ele. Torcer para os resgates de pontos não continuarem a crescer e o mix ganhar representatividade

100750 - fazambuj - 04/Nov/2011 11:25
MPLU3
Grande crescimento em faturamento. Porém, os custos cresceram mais que proporcionalmente, pressionando a margem liquida para 16%, sendo 30% em condições normais.
Parece ser uma situação pontual, voltando à normalidade nos próximos trimestres.
"Essa margem foi negativamente impactada pelo esperado aumento do custo unitário dado o fim do estoque de passagens adquiridas com recursos do IPO e um efeito não caixa de marcação a mercado das operações de hedge cambial."

Ou seja, quem acredita na história que eles contam diz que o papel está barato e aproveita para comprar. Quem não quer saber de papo e quer resultado, vende.

Lucro (12M) 246,647
Crescimento LPA (1 YoY , 9 MESES; falta base anualizada) 83.37%

Shares (M) 161,294
Preco 29.00
P/L (U12M) 18.96
P/VPA 17.98
PSR 4.44
LPA (U12M) 1.53
DY (U12M) 5.01%
Payout 0.95
ROE (U12M) 94.83%
Margem Bruta 37.37%
Margem Liquida 23.40%
Liquidez corrente 1.10

Target DCF | 37.05
LPA (u12m) | 1.50
Crescimento (%) | 25
Anos cresc. | 5
Cresc. Maturidade (%) | 2
Desconto (%) | 12.00

Margem (%) | 27.8%

Nenhum comentário: