Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sábado, 18 de janeiro de 2020

Ultrapar (UGPA)


Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: Ronimendes (jan/17dez/17
Carteiras
ch3481 (abr/16mai/16) - dissenha (fev/18) - RRunner (jul/18)
Códigos de Negociação
Tipo
UGPA3
 Novo Mercado
Balanços
1T2018 -


PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). EBITDA Ajustado –Total de R$ 508 milhões (-46%) em função da redução no EBITDA da Ultragaz, afetado pelo pagamento da multa de R$ 286 milhões em vista a decisão do CADE pela não aprovação da aquisição da Liquigás, e da redução no EBITDA dos demais negócios, com exceção da Ultracargo. Vale ressaltar que o EBITDA da Oxiteno foi afetado pela reversão de provisão ocorrida no 1T17 no valor de R$ 49 milhões. Em relação ao 4T17, o EBITDA Ajustado apresentou queda de 51%, com redução no EBITDA de todos os negócios exceto Ultracargo, sendo a comparação também afetada pelo pagamento da multa. Em bases comparáveis, a queda do EBITDA Ajustado ex-não recorrentes foi de 12% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.; Resultado financeiro – O endividamento líquido da Ultrapar em 31 de março de 2018 foi de R$ 8,5 bilhões (2,4x LTM EBITDA Ajustado) em comparação a R$ 6,3 bilhões em 31 de março de2017 (1,5x LTM EBITDA Ajustado), principalmente em função do menor EBITDA do trimestre, influenciado pela multa contratual de R$ 286 milhões pela não aprovação da aquisição da Liquigás pelo CADE, e de maiores investimentos no período. A despesa financeira líquida da Ultrapar totalizou R$ 107 milhões, R$ 14 milhões menor quando comparado ao 1T17, devido à queda do CDI na comparação anual, apesar da maior dívida líquida, aos efeitos cambiais dos períodos e ao efeito da reversão da provisão constituída referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins no 1T17. Em relação ao 4T17, a despesa financeira líquida apresentou queda de R$ 12 milhões devido à queda do CDI entre trimestres, apesar da maior dívida líquida, e aos efeitos cambiais dos períodos.

A2017/4T2017 -

PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). EBITDA = O EBITDA consolidado da Ultrapar atingiu R$ 4.064 milhões em 2017, com redução de 4% em relação a 2016. Caso ajustado pelos eventos pontuais positivos, no caso da reversão de provisão constituída referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofinspela Oxiteno, e negativos, registrados pela assinatura do TCC, na Ultragaz e, efeitos referentes ao incidente de 2015 em Santos, na Ultracargo, o EBITDA registrado pela Ultrapar apresentaria estabilidade em comparação ao resultado de 2016.; Lucro líquido do exercício = O lucro líquido consolidado da Ultrapar de 2017 atingiu R$ 1.574 milhões, mantendo-se estável em relação a 2016, principalmente pela menor despesa financeira do período. O crescimento foi compensado, em parte, pela redução do EBITDA e por uma maior amortização e depreciação, em função dos investimentos realizados ao longo de 2017
Características
A Ultrapar é uma holding financeira que atua nos segmentos: Ultragaz (12%), Ipiranga (80%), Oxiteno (7%) e Ultracargo (1%). O setor de holdings é composto por Bahema, Bradespar, etc., mas nenhuma destas hodings atua no mesmo segmento. Como pode ser observado acima, o maior negócio da Ultrapar é a Ipiranga, cujos negócios são o refino (parcial) e distribuição de combustíveis. Distribuição de combustíveis e de GLP através da Ipiranga e da Ultragaz, produção de químicos através da Oxiteno e armazenagem para granéis líquidos através da Ultracargo.

Distribuição de Combustíveis. Químicos. Armazenagem Para Granéis Líquidos E Varejo Farmacêutico
Assuntos mais Comentados

Links

Balanços (Calendário)
19/02/2020
 DFP 2019

 ITR 1T 2020

 ITR 2T 2020

 ITR 3T 2020



365075  - keep_calm  -  08 Nov 2019, 19:05
Ultrapar (UGPA3): Anunciou nesta quarta-feira, 6, após o pregão, que teve lucro líquido ajustado de R$ 307 milhões no 3T19. Esse valor corresponde a queda em relação ao 3T18, quando teve lucro de R$ 323,2 milhões.O Ebitda ajustado após IFRS 16 foi de R$ 979 milhões.

352236 - RRunner -  26 Jul 2018, 02:03
Citação: mbsilva - Post #352223 - 25/Jul/2018 20:38
Alguém com Ultrapar(ugpa3), me parece bem descontada!
Sucesso!!
Peguei no R$ 40,78! Impacto da multa sobre a negociação da Liquigás azedou a última linha. Vamos ver ...

350689  - marcosvinicius2  -  03 Jun 2018, 22:40
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). EBITDA Ajustado –Total de R$ 508 milhões (-46%) em função da redução no EBITDA da Ultragaz, afetado pelo pagamento da multa de R$ 286 milhões em vista a decisão do CADE pela não aprovação da aquisição da Liquigás, e da redução no EBITDA dos demais negócios, com exceção da Ultracargo. Vale ressaltar que o EBITDA da Oxiteno foi afetado pela reversão de provisão ocorrida no 1T17 no valor de R$ 49 milhões. Em relação ao 4T17, o EBITDA Ajustado apresentou queda de 51%, com redução no EBITDA de todos os negócios exceto Ultracargo, sendo a comparação também afetada pelo pagamento da multa. Em bases comparáveis, a queda do EBITDA Ajustado ex-não recorrentes foi de 12% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.; Resultado financeiro – O endividamento líquido da Ultrapar em 31 de março de 2018 foi de R$ 8,5 bilhões (2,4x LTM EBITDA Ajustado) em comparação a R$ 6,3 bilhões em 31 de março de2017 (1,5x LTM EBITDA Ajustado), principalmente em função do menor EBITDA do trimestre, influenciado pela multa contratual de R$ 286 milhões pela não aprovação da aquisição da Liquigás pelo CADE, e de maiores investimentos no período. A despesa financeira líquida da Ultrapar totalizou R$ 107 milhões, R$ 14 milhões menor quando comparado ao 1T17, devido à queda do CDI na comparação anual, apesar da maior dívida líquida, aos efeitos cambiais dos períodos e ao efeito da reversão da provisão constituída referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins no 1T17. Em relação ao 4T17, a despesa financeira líquida apresentou queda de R$ 12 milhões devido à queda do CDI entre trimestres, apesar da maior dívida líquida, e aos efeitos cambiais dos períodos.:

UGPA3
PREÇO: 51,41
PAYOUT (2017): 60,79%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 22,35
P/VPA 3,13
PSR 0,35
DY 2,72%
EV/EBITDA 10,77
MARGEM BRUTA 8,66%
MARGEM OPERACIONAL 2,39%
MARGEM LÍQUIDA 1,56%
LUCRO POR AÇÃO 2,300
MARGEM EBITDA 4,26%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 166,29%
ROE 14,02%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,74

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,15%
RESULTADO BRUTO 1,82%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -38,43%
RESULTADO OPERACIONAL -13,15%
RESULTADO LÍQUIDO -17,13%
EBITDA -15,45%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 10,80%
RESULTADO BRUTO -9,82%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -11,73%
RESULTADO OPERACIONAL -81,60%
RESULTADO LÍQUIDO -79,94%
EBITDA -58,53%

c) lucro (taxa média anual)
UA -17,13%
U2A -7,74%
U3A -2,46%

d) patrimônio líquido médio
UA 7,45%
U2A 6,91%
U3A 6,18%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 28,75
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +14,10% !!!!
[...]

349551  - Lucro Liquido  -  03 Mai 2018, 18:34
Citação: Brazil Journal
Os números que podem destruir a ação da Ultrapar

A lua de mel com o mercado acabou

Natalia Viri e Geraldo Samor

Historicamente uma das empresas mais bem avaliadas da Bolsa, a Ultrapar divulgou resultados que decepcionaram até mesmo as expectativas já conservadoras do mercado, mostrando que está com dificuldades para crescer e ganhar margens, num ambiente em que o caminho de expansão via fusões e aquisições se estreitou após os vetos do CADE à compra da Liquigás e da AleSat.

A empresa surpreendeu também com duas movimentações no seu management. Marcando o fim de uma era, Paulo Cunha — o icônico industrialista que comandou a companhia de 1981 a 2006 — renunciou à presidência do conselho. Aos 77 anos, Cunha vai passar o bastão a Pedro Wongtschowski, que já o havia sucedido como CEO de 2007 a 2012 e era o atual o vice-presidente do conselho.

André Covre, um ex-CFO, está saindo da companhia após 14 anos de casa. Desde 2015, Covre estava estava encarregado da Extrafarma, o negócio de farmácias do grupo, que ainda não conseguiu ganhar tração. Ele será substituído por Rodrigo Pizzinatto, o atual diretor comercial da Extrafarma.

Os males da Ultrapar se dividem em duas categorias.

Primeiro, a companhia está sofrendo com o aumento da concorrência na distribuição de combustíveis. No último ano, por causa de seu IPO, a BR Distribuidora acordou de seu berço esplêndido e tem agido mais como empresa privada do que como a estatal que é. A própria Petrobras tem sido mais ativa na importação de gasolina, o que tem aumentado a arbitragem no mercado e espremido as margens dos grandes distribuidores.

Além disso, para tentar manter o crescimento de EBITDA, a estratégia da Ultrapar foi sacrificar volumes por margens ao longo do último ano, permitindo que Raízen e BR Distribuidora ganhassem mercado. A estratégia alienou donos de postos embandeirados pela Ipiranga. "Para reconquistar a base, eles terão que deixar dinheiro na mesa," diz um investidor.

Há duas semanas, o UBS havia previsto em relatório que a Ipiranga reportaria um volume com crescimento zero e uma margem EBITDA de 115/metro cúbico vendido. Veio pior.

O EBITDA caiu 48% na comparação anual e o lucro minguou 79% para R$ 74 milhões. A multa de R$ 286 milhões referente à compra frustrada da Liquigás poluiu os números mas, mesmo desconsiderando esse fator, o EBITDA teria caído 12% ano contra ano.

O desempenho da Ipiranga, de longe o maior negócio do grupo, foi o mais decepcionante. As margens despencaram, passando de R$ 124 por metro cúbico no primeiro tri do ano passado para R$ 108 neste ano, sinalizando que houve menos ganhos com importação de combustíveis e que o ambiente competitivo está mais acirrado.

Os números dispararam uma onda de revisões negativas no sellside, que já previa números fracos. O UBS, que no papel ainda tem uma recomendação de compra com preço-alvo de R$ 84/ação, disse que vai revisar os números.

O Credit Suisse se perguntou se 'a lua de mel acabou?' e cortou o preço-alvo da ação de R$ 89 para R$ 77. "Há algum ponto de inflexão próximo? Essa é a questão que o mercado tem se perguntado," disseram os analistas do banco.

Nas demais divisões, o desempenho não foi muito superior: na Oxiteno, foram pressionados por baixos volumes e custos maiores, enquanto na Ultragaz, sem o pagamento das multas, o resultado operacional teria ficado estável.

A saída de Covre mostra que a Extrafarma, o braço de farmácias que teve início em 2013, está demorando para decolar. Foram abertas sete lojas no primeiro trimestre totalizando 401 unidades em 13 Estados. Mas o resultado operacional ainda ficou no zero a zero, com a contribuição negativa das lojas abertas nos últimos meses e que ainda não atingiram a maturidade.

No ano passado, a Ultrapar já havia frustrado as expectativas do mercado, após a direção da empresa prever um crescimento de 10% do EBITDA e entregar um avanço de apenas 2%. Desde o começo de fevereiro, quando foram divulgados os resultados referentes a 2017, as ações já caíram 25%.

349534  - mantonio01 -  02 Mai 2018, 22:56
Ainda com relação a ULTRAPAR, houve reconhecimento de multa significativa que impactou bastante negativamente os resultados do 1Tri2018:
"O 1T18 apresentou-se mais desafiador do que o esperado com os nossos mercados apresentando crescimento mais lento. Neste contexto, a Ultrapar apresentou EBITDA Ajustado de R$ 508 milhões e lucro líquido de R$ 73 milhões, ambos com impacto importante da multa contratual relacionada à aquisição da Liquigás no valor de R$ 286 milhões.
Excluindo o efeito da multa, o EBITDA Ajustado ex-não recorrente seria de R$ 794 milhões, redução de 12% sobre o 1T17."

349533  - Rocha Preta inc -  02 Mai 2018, 22:54
Se cielo já foi ruim, ultra foi muito feio. Os 40 parecem ser realidade em breve.

349532  - mantonio01 -  02 Mai 2018, 22:49
Economia melhorou só um pouquinho neste início de ano. Contudo, os resultados de ULTRAPAR pioraram com MUITA FORÇA. Acho que esse resultado tão ruim não foi devidamente precificado ainda. O preço da ação sai de 82,00 em meados de janeiro/2018 para a cotação atual de cerca de 60,00. Acho que o papel ainda tem bastante chão para buscar. Parece que cai muito mais do que já caiu. Talvez belisque uns 40,00 ou menos.

Algum pararelo com BRFS3. Acho que um pouco. Mas na UGPA3 não tem o Abílio Diniz. Pelo menos isso.

349159  - marcosvinicius2  -  20 Abr 2018, 22:28
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). EBITDA = O EBITDA consolidado da Ultrapar atingiu R$ 4.064 milhões em 2017, com redução de 4% em relação a 2016. Caso ajustado pelos eventos pontuais positivos, no caso da reversão de provisão constituída referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofinspela Oxiteno, e negativos, registrados pela assinatura do TCC, na Ultragaz e, efeitos referentes ao incidente de 2015 em Santos, na Ultracargo, o EBITDA registrado pela Ultrapar apresentaria estabilidade em comparação ao resultado de 2016.; Lucro líquido do exercício = O lucro líquido consolidado da Ultrapar de 2017 atingiu R$ 1.574 milhões, mantendo-se estável em relação a 2016, principalmente pela menor despesa financeira do período. O crescimento foi compensado, em parte, pela redução do EBITDA e por uma maior amortização e depreciação, em função dos investimentos realizados ao longo de 2017.:

UGPA3
PREÇO: 65,96
PAYOUT (2017): 60,79%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 23,31
P/VPA 3,91
PSR 0,46
DY 2,61%
EV/EBITDA 10,93
MARGEM BRUTA 9,09%
MARGEM OPERACIONAL 3,02%
MARGEM LÍQUIDA 1,97%
LUCRO POR AÇÃO 2,829
MARGEM EBITDA 5,08%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 149,04%
ROE 16,78%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,17

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,43%
RESULTADO BRUTO 3,73%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -43,71%
RESULTADO OPERACIONAL 6,28%
RESULTADO LÍQUIDO 0,81%
EBITDA -3,63%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,43%
RESULTADO BRUTO 3,73%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -43,71%
RESULTADO OPERACIONAL 6,28%
RESULTADO LÍQUIDO 0,81%
EBITDA -3,63%

c) lucro (taxa média anual)
UA 0,81%
U2A 2,33%
U3A 8,24%

d) patrimônio líquido médio
UA 8,71%
U2A 6,77%
U3A 6,54%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 35,36
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +15,15% !!!!
[...]

348433  - Rocha Preta inc  -  27 Mar 2018, 15:40
Avaliação de UGPA3 pelos vencedores do Constellation Challenge desse ano.
http://braziljournal.com/pdf/constellation-challen...

347444 - Rocha Preta -  24 Fev 2018, 05:53
Ultrapar divulgou resultados, houve queda no LL impactado por redução no EBITDA de Ultragaz (questão do termo do cade) e do restante do grupo que tbm reduziu no QoQ.

Ainda assim considero números muito bons. Os investimentos para 2018 me pareceram acertados, em especial na Extrafarma.

258249  - renato1631  -  14 Mai 2014, 23:13
Fala CH

Lucro da Ultrapar sobe 1% no trimestre

Por Stella Fontes | Valor

ÃO PAULO - A Ultrapar, holding com atuação nas áreas de distribuição de combustíveis (Ipiranga e Ultragaz), especialidades químicas (Oxiteno), armazenagem de granéis líquidos (Ultracargo) e varejo farmacêutico (Extrafarma), registrou lucro líquido atribuído aos acionistas da companhia — base para distribuição de dividendos — de R$ 246,9 milhões no primeiro trimestre, uma alta de 0,9% frente ao registrado em igual intervalo de 2013.

Já o resultado final que considera a participação de acionistas não controladores das controladas ficou em R$ 249 milhões, com crescimento de 1%.

A receita líquida da Ultrapar avançou 17% na mesma base de comparação, para R$ 15,9 bilhões. Já o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) totalizou R$ 702 milhões no trimestre, com expansão de 14%.

Ao fim de março, a dívida líquida da companhia era de R$ 4,3 bilhões, frente a R$ 3,7 bilhões um ano antes.

Os resultados financeiros da Extrafarma, cuja aquisição foi concluída em 31 de janeiro, passaram a ser consolidados pela Ultrapar em 1º de fevereiro.

“Consequentemente, as demonstrações financeiras da Ultrapar em períodos anteriores a 1º de fevereiro de 2014 não incluem os resultados da Extrafarma, e os dados de desempenho da mesma incluídos neste relatório referem-se, para o primeiro trimestre de 2014, somente aos meses de fevereiro e março de 2014”, informa a companhia.

(Stella Fontes | Valor)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/empresas/3547806/lucro-da-ultrapar-sobe-1-no-trimestre#ixzz31jbjnV4c

168846 - rafnob - 24 Fev 2013, 02:10
Tens razão professor,
Na verdade eu confundi na hora de extrair o dado do balanço. No ITR3T12, eles ainda contabilizam a Ultrapar como ONs e PNs, sendo que pelo que pude averiguar no ri da Ultrapar as PNs se transformaram em ONs em fev/2011. Mas isso não justifica o erro porque 10,54% era posse de ONs e 4,6446% do capital total (foi aqui que extraí o dado errado.

A partir daí bate tudo, pelo RI existem 544.383.996 papéis da Ultrapar (4,6446% resulta em 25.390.070 ações, que a 15,79 cada resultam em uma participação de 1.337.548.865, ou seja, uma participação total de 2.338.634.865.

Somadso à participação os investimentos de 176Mi supracitados, a MOAR vale 66,94% do que potencialmente vale.


Complementando a informação, sua margem líquida é de -2800% seu EBIT é negativo no fundamentus mas pelas minhas contas o EBIT dá:

Resultado antes dos Tributos sobre o Lucro => 36772k (pág 5 do pdf ITR 3T12 item 3.07)+ Despesas Financeiras 21226k (pág 5 do pdf ITR 3T12 item 3.06.02)resultando em 57948k no 3T12. Se no fundamentus diz que seu EBIT é negativo, onde estou errando? Isso é normal em holdings que tem prejuízo em seus negócios próprios e expande seu valor patrimonial através da valorização das ações controladas?

Agora que eu vi o post do pppadv, fui checar e reparei que esse último dividendo de cerca de R$19,00 não condiz com o histórico de pagamentos.

155564 - renato1631 -  07 Nov 2012, 23:16
Lucro da Ultrapar avança 29% e atinge R$ 291 milhões
Brasil Econômico (redacao@brasileconomico.com.br)
07/11/12

Retomada econômica beneficiou o desempenho das divisões Ipiranga, Oxiteno e Ultracargo.

A Ultrapar teve lucro líquido de R$ 291 milhões no terceiro trimestre deste ano, valor 29% superior ao ganho de R$ 225 milhões registrado um ano antes.

A receita líquida cresceu 9% entre julho e setembro, em relação a igual período de 2011, somando R$ 14,123 bilhões.

O resultado reflete a expansão na receita da Ipiranga (R$ 12,2 bilhões), Oxiteno (R$ 796 milhões) e Ultracargo (R$ 79 milhões) em 9%, 27% e 15%, respectivamente.

Tais divisões da companhia também impulsionaram o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), que atingiu R$ 647 milhões, caracterizando um aumento de 21% sobre o terceiro trimestre do ano passado.

No trimestre, os investimentos totais, líquidos de desinvestimentos e repagamentos, somaram R$ 343 milhões.

Em Junho de 2009 pelo Forum do ADVFN - Nos últimos três anos o lucro subiu cerca de 4x. A expansão aumentou os custos financeiros e se esse extinguisse, poderia baixar o P/L. Mas se repararmos o P/EBIT é o dobro da petro e outras blues. Isto é, o futuro já está precificado ou mesmo superavaliado (a menos que se espere que os lucros operacionais aumentem ainda mais - sendo assim, só vale a pena se houver bons estudos).

Análise Coin Valores
RETROSPECTIVA 2010

Em 2010, a Ultrapar apresentou mais um ano de forte desempenho, com patamares recordes de EBITDA e lucro líquido, fruto da expansão da economia brasileira, da maturação dos investimentos recentes e da captura das sinergias das aquisições realizadas. Na Ipiranga, os efeitos positivos na venda de combustíveis da continuidade do crescimento da frota de veículos leves e do maior dinamismo da economia brasileira contribuíram para uma evolução significativa nos resultados. Demos mais um passo no plano de expansão da Ipiranga no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil com a aquisição da DNP, a quarta maior distribuidora de combustíveis no Norte do país, e com os investimentos em embandeiramentos e abertura de novos postos na região. Na Ultragaz, os programas de excelência operacional implementados e o desempenho no segmento granel colaboraram para mais um ano de crescimento importante nos resultados. Na Oxiteno, o patamar de resultados atingido foi viabilizado pelo forte desempenho das vendas de especialidades químicas, decorrente da maior atividade econômica e das expansões de capacidade realizadas, e pela recuperação das margens, para a qual contribuíram a melhor composição de vendas e a estabilidade nos preços das matérias-primas ao longo do ano. A Ultracargo, por sua vez, concluiu a venda de seus negócios de logística interna, armazenagem de sólidos e transporte rodoviário, concentrando suas atividades e investimentos na armazenagem para granéis líquidos, que permitiu forte evolução na armazenagem efetiva em seus terminais e nos resultados.

Nenhum comentário: