Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 11 de outubro de 2009

Rossi Resid (RSID)




Recomendações
Comprajoaoricci (2017) - SmallCaps (set/08).
Carteiras
BAC 1000 (jan/13, jan/17) - Chinese_Wall (jan/16, fev/16) - egidiosantanna (jan/13) - FoxHoundBR (out/17) - jonathanmelo (fev/13) - M84 (fev/13)
Balanços
A2017/4T2017 -
marcosvinicius2 -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO OPERACIONAL LIQUIDO = o resultado operacional liquido tem diminuído de forma bastante significativa nos últimos anos: 1.226 milhões em 2015, 538 milhões em 2016 e 326 milhões em 2017.; RESULTADO FINANCEIRO = Depois de dois anos apresentando valores negativos, o resultado financeiro terminou 2017 no positivo: -198 milhões em 2015, -215 milhões em 2016 e +80 milhões em 2017.; RESULTADO LIQUIDO = Nos últimos três (03) anos tem apresentado PREJUIZO: -558 milhões em 2015, -514 milhões em 2016 e -338 milhões em 2017.; EBITDA = Não poderia ser diferente, como conseqüência dos demais resultados, indica um aumento expressivo do prejuízo em 2017: -317 milhões em 2015, -292 milhões em 2016 e -418 milhões em 2017.

3T2016 -
marcosvinicius2  -
RECEITA LIQUIDA: A receita líquida proveniente da venda de imóveis e serviços, reconhecida pela evolução das obras (“Poc”), totalizou R$ 139,5 milhões no trimestre, variação de -46,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano a receita líquida foi de R$ 367,4 milhões. Esta queda foi provocada pelo menor volume de vendas e os distratos de unidades prontas.
EBITDA = O EBITDA Ajustado foi negativo em R$ 80,0 milhões no trimestre, com margem negativa de 57,3%. No acumulado do ano totalizou R$ 184,4 milhões, com margem negativa de 50,2%. Os principais impactos no EBITDA estão descritos nos itens Lucro Bruto e Despesas Operacionais.
RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = O resultado financeiro líquido no 3º Trimestre de 2016 foi negativo em R$ 62,3 milhões, aumento de 64,9% ante o mesmo período do ano anterior. No ano, o resultado foi negativo em R$ 156,3 milhões ante R$ 141,9 milhões em 2015.
LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO = No 3º trimestre a Rossi apurou um prejuízo líquido de R$ 160,3 milhões, como detalhado nos itens acima. O prejuízo acumulado em 2016 totalizou R$ 427,4 milhões.
ENDIVIDAMENTO = A Rossi encerrou o 3T16 com uma posição de caixa de R$ 99,9 milhões e endividamento total de R$ 2,02 bilhões, em linha com o 2T16. Em linha com a estratégia de foco na geração de caixa, a Rossi registrou uma queda no consumo de caixa, (calculada pela variação da dívida líquida), atingindo R$ 40,2 milhões (IFRS) no trimestre. As operações de crédito imobiliário são compostas por financiamentos à produção (SFH) e cédulas de crédito Bancário (CCB)¹ contratadas para a construção e desenvolvimento de empreendimentos habitacionais pré-determinados.

4T2012 - 
jbegood -  
acho que gostei de rossi tbm
Características
Compra e venda de imóveis. Desmembramento e loteamento de terrenos. Incorporação imobiliária. Construção de imóveis destinados à venda. Participação em outras sociedades.
Links
349043  - marcosvinicius2 -  18 Abr 2018, 12:16
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO OPERACIONAL LIQUIDO = o resultado operacional liquido tem diminuído de forma bastante significativa nos últimos anos: 1.226 milhões em 2015, 538 milhões em 2016 e 326 milhões em 2017.; RESULTADO FINANCEIRO = Depois de dois anos apresentando valores negativos, o resultado financeiro terminou 2017 no positivo: -198 milhões em 2015, -215 milhões em 2016 e +80 milhões em 2017.; RESULTADO LIQUIDO = Nos últimos três (03) anos tem apresentado PREJUIZO: -558 milhões em 2015, -514 milhões em 2016 e -338 milhões em 2017.; EBITDA = Não poderia ser diferente, como conseqüência dos demais resultados, indica um aumento expressivo do prejuízo em 2017: -317 milhões em 2015, -292 milhões em 2016 e -418 milhões em 2017:

RSID3
PREÇO: 6,36
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -0,32
P/VPA 0,29
PSR 0,33
DY 0,00%
EV/EBITDA -5,78
MARGEM BRUTA -21,00%
MARGEM OPERACIONAL -109,07%
MARGEM LÍQUIDA -103,95%
LUCRO POR AÇÃO -19,757
MARGEM EBITDA -128,22%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 624,82%
ROE -89,99%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,73

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -39,40%
RESULTADO BRUTO -296,31%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -137,20%
RESULTADO OPERACIONAL -32,61%
RESULTADO LÍQUIDO -34,12%
EBITDA 43,02%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -39,40%
RESULTADO BRUTO -296,31%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -137,20%
RESULTADO OPERACIONAL -32,61%
RESULTADO LÍQUIDO -34,12%
EBITDA 43,02%

c) lucro (taxa média anual)
UA -34,12%
U2A -22,07%
U3A -18,21%

d) patrimônio líquido médio
UA -56,40%
U2A -48,45%
U3A -43,69%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND% !!!!
[...]

335909  - marcosvinicius2  -  23 Mar 2017, 13:16
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 4T07 X 1T08, 3T08 X 4T08 E 3T12 X 4T12 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
RECEITA LIQUIDA: A receita líquida proveniente da venda de imóveis e serviços, reconhecida pela evolução das obras (“Poc”), totalizou R$ 139,5 milhões no trimestre, variação de -46,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano a receita líquida foi de R$ 367,4 milhões. Esta queda foi provocada pelo menor volume de vendas e os distratos de unidades prontas.

RSID3
PREÇO: 7,49
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -0,21
P/VPA 0,16
PSR 0,22
DY 0,00%
EV/EBITDA -7,59
MARGEM BRUTA -2,57%
MARGEM OPERACIONAL -103,57%
MARGEM LÍQUIDA -102,24%
LUCRO POR AÇÃO -35,440
MARGEM EBITDA -64,23%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 358,24%
ROE -75,85%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,81

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -51,25%
RESULTADO BRUTO -110,36%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -7,88%
RESULTADO OPERACIONAL -11,98%
RESULTADO LÍQUIDO -17,74%
EBITDA -16,36%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -46,20%
RESULTADO BRUTO -99,75%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 64,85%
RESULTADO OPERACIONAL 6,83%
RESULTADO LÍQUIDO -6,31%
EBITDA -12,45%

c) lucro (taxa média anual)
UA -17,74%
U2A 54,26%
U3A 26,57%

d) patrimônio líquido médio
UA -36,27%
U2A -33,89%
U3A -24,30%

EBITDA = O EBITDA Ajustado foi negativo em R$ 80,0 milhões no trimestre, com margem negativa de 57,3%. No acumulado do ano totalizou R$ 184,4 milhões, com margem negativa de 50,2%. Os principais impactos no EBITDA estão descritos nos itens Lucro Bruto e Despesas Operacionais.

RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = O resultado financeiro líquido no 3º Trimestre de 2016 foi negativo em R$ 62,3 milhões, aumento de 64,9% ante o mesmo período do ano anterior. No ano, o resultado foi negativo em R$ 156,3 milhões ante R$ 141,9 milhões em 2015.

3c4211b9c0.png

3c4381ab1e.png

LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO = No 3º trimestre a Rossi apurou um prejuízo líquido de R$ 160,3 milhões, como detalhado nos itens acima. O prejuízo acumulado em 2016 totalizou R$ 427,4 milhões.

ENDIVIDAMENTO = A Rossi encerrou o 3T16 com uma posição de caixa de R$ 99,9 milhões e endividamento total de R$ 2,02 bilhões, em linha com o 2T16. Em linha com a estratégia de foco na geração de caixa, a Rossi registrou uma queda no consumo de caixa, (calculada pela variação da dívida líquida), atingindo R$ 40,2 milhões (IFRS) no trimestre. As operações de crédito imobiliário são compostas por financiamentos à produção (SFH) e cédulas de crédito Bancário (CCB)¹ contratadas para a construção e desenvolvimento de empreendimentos habitacionais pré-determinados.

164391 - paulo_prof -  23 Jan 2013, 14:36
Citação: maspimentel
Prof. Paulo,
RSID3, o que vc acha? Para LP, boa aposta?
Não gosto da empresa ... a menos que provem o contrário, acho que "enrola" o acionista ... eu não acredito mais em seus balanços ...

Agora, se o mercado acreditar que depois do "lapso" cometido recentemente as coisas entraram nos eixos, não duvido que o ativo possa valorizar razoavelmente bem ...

162665 - edbmsev -  07 Jan 2013, 23:36
As obras entregues com atraso, como foi o caso da Rossi, ainda devem gerar muita dor de cabeça para as incorporadoras construtoras. Será que ela está provisionando adequadamente os passivos contingenciais vinculados a ações judiciais?

Na cidade em que moro, um amigo comprou um apartamento da Rossi e, dado o grande atraso na entrega do imóvel, ajuizou uma ação contra a empresa. Teve ganho de causa que corresponde a quase um terço do valor pago pelo apartamento, em primeira instância. Diversos moradores do mesmo empreendimento também tiveram êxito. Enfim, é uma bola de neve o número de ações judiciais relacionadas com atrasos de obras. A conta pode sair cara e ser um esqueleto no balanço das incorporadoras que ainda não está claro.

Por isso acho melhor focar nas empresas que não tiveram problemas da espécie, como é o caso da Even.

162663 - edbmsev -  07 Jan 2013, 23:32
Também achava que a Rossi seria uma boa oportunidade de compra, pela força da marca. Porém as trapalhadas contábeis, com efeito retroativo, me afastaram do papel. Não há a menor chance de comprar um papel no qual não se pode confiar na administração. Melhor pagar múltiplos mais salgados em Eztec, Helbor e JHSF.

151328 - jbegood -  08 Out 2012, 13:51
herdsman, essa reportagem do valor é bem esclarecedora!

http://www.impostoderenda.org/2012/10/05/rossi-residencial-muda-balanco-e-adota-padrao-mais-conservador/

alguns trechos:

"Nos últimos anos, a empresa usou um sistema de reconhecimento de receita que a favoreceu. Ela divulgou margens brutas compatíveis com a das concorrentes, mas usando um critério que a favorecia perante as rivais."

"Enquanto as rivais amargavam quedas de margem por conta de estouro de orçamento na incorporação, a Rossi tinha no reconhecimento antecipado dos terrenos, com margem maior, um fator que sustentava seus resultados na parte superior da média do mercado.

Agora que se aproxima o período da entrega da maior parte dos empreendimentos, em que a tendência das margens era diminuir (para abaixo da média do setor, para compensar o efeito positivo anterior), já que o peso da incorporação seria maior no resultado total, em detrimento dos terrenos, ela muda a prática contábil.

Fazendo o ajuste retroativo, quem olhar o passado verá que as margens da empresa não eram tão boas quanto pareciam. Mas passado é passado. Daqui para frente, chamarão mais atenção as novas margens que serão divulgadas."

150943 - M84 -  04 Out 2012, 10:52
SÃO PAULO - A Rossi Residencial (RSID3) apresentou nesta quinta-feira (4) o resultado financeiro preliminar em que registra lucro líquido de R$ 51 milhões no segundo trimestre. No balanço divulgado em 15 de agosto, o resultado para o período havia sido de prejuízo de R$ 9,064 milhões.

Segundo a companhia o novo balanço para o período incluiu revisão de práticas contábeis adotadas anteriormente. A empresa informou que decidiu fazer a alteração incidir desde janeiro de 2009 para "aprimoramento de demonstrações financeiras".

122795 - paulo_prof - 27/Mar/2012 23:37 
PREÇO: R$ 10,20

PAYOUT (2011): 23,75%

multiplos baseados nos últimos 12 meses:

P/L      8,00
P/VPA            0,98
PSR     0,88
DY      2,97%
EV/EBITDA  8,43
MARGEM BRUTA  30,0%
MARGEM OPERACIONAL          13,9%
MARGEM LÍQUIDA          11,1%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,275
MARGEM EBITDA 18,2%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       116,5%
ROE    12,20%
LIQUIDEZ CORRENTE     2,65

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA      -2,87%           
U2A    24,81%          
U3A    42,00%          

b) do patrimônio líquido médio
UA      9,97%
U2A    31,83%
U3A    32,82%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido necessária para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10% seja 50% superior ao preço atual: +7,0%

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:
- A Rossi faz parte do Grupo Rossi, fundado em 1913, hoje, na 4ª geração da família Rossi, um dos principais grupos de engenharia, construção e incorporação do Brasil. Ao longo de sua história colaborou com o desenvolvimento do País não só por meio das soluções de engenharia e habitação, mas também em outras áreas de atuação.
Desde sua fundação, o Grupo Rossi se caracteriza pelo desenvolvimento de métodos administrativos e operacionais modernos, pela utilização de tecnologias construtivas eficientes e pela experiência cada vez maior em todos os tipos de construção.
Nesses 30 anos de atuação na área de construção e engenharia, sua qualidade tecnológica e empresarial foi atestada em algumas das mais importantes obras do país, tanto no desenvolvimento de projetos quanto no gerenciamento e execução das obras, como por exemplo: o Elevado Arthur da Costa e Silva (“Minhocão”) e a Praça Roosevelt, em São Paulo; o Elevado do Joá, no Rio de Janeiro; o projeto de Itaipu; a Estrada de Ferro Carajás; o projeto e gerenciamento técnico das hidrelétricas de Tucuruí, no rio Tocantins, PA, e de Palmar, no Uruguai; o primeiro trecho de metrô no Brasil, entre as estações Santa Cruz e da Praça da Árvore em SP, entre muitas outras.       

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
16/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
RSID3
  10,15
8,0
0,98
7,9
3,1%
12,4%
1,2
12%
12,4%
27,2%

·  PONTOS POSITIVOS:
- Consumo de Caixa cai para R$ 93 milhões -53% no trimestre. Sólida posição em caixa de R$1,4 bilhão;   
- Vendas contratadas Totais ¹ de R$ 1,2 bilhão +9% 3Tx2T11   (R$ 917 milhões parte Rossi, 14% acima do 3T10);
- Lucro líquido atinge R$ 96 milhões +1%  3Tx2T11;
- Em 22 de agosto, a Rossi anunciou um programa de recompra de ações com o objetivo de maximizar a geração de valor aos acionistas. A duração será de 365 dias, sendo que serão adquiridas até 7.904.851 ações ordinárias. Até o final de outubro já foi realizado 17% do programa, que representa 1.315.200 ações. 
·  PONTOS NEGATIVOS
- Receita Líquida atinge R$ 749 milhões -0,5% 3Tx2T11, crescimento de 16% em relação ao 3T10; 
- Lucro bruto totaliza R$ 226 milhões -2,6% 3Tx2T11, crescimento de 18% em relação ao 3T10 com 
- Margem Bruta de 30%  -1p.p   3Tx2T11;
- Custo dos Imóveis e Serviços Vendidos 524M  +0,5%
- Total do Endividamento 3,24B  +7%  3Tx2T11 ( sendo que 68% são de longo prazo).
- Endividamento Líquido 1,83B +6% 3Tx2T11


·  VISÃO ESTRATÉGICA
- Plano de Redução das Despesas Administrativas
A Rossi iniciou um plano para reduzir as despesas administrativas, de forma a melhorar sua eficiência operacional e rentabilidade. A meta será reduzir despesas administrativas em aproximadamente 10% (valor nominal), ou seja, o valor absoluto de 2012 deverá ser igual ao valor das despesas reportado no final de 2011. Com isso, será possível acelerar a diluição destas despesas em 2012, conforme exemplo teórico abaixo.     

·  CURIOSIDADES
-  Ações em Tesouraria 
        # de Ações Ações em Tesouraria (jun/2011) 486.539
       (+) Programa de Recompra até out/2011   1.315.200 
       (=) Ações em Tesouraria atual 1.801.739

- No Segmento Econômico foram lançados 15 empreendimentos no trimestre, com um VGV total de R$ 667 milhões (R$ 582 milhões parte Rossi) com 3.585 unidades, que representou 73% do total das unidades lançadas. No ano, o segmento econômico totalizou VGV de R$ 1,5 bilhão (R$ 1,2 bilhão parte Rossi).


·  OPINIÃO DO ANALISTA
- Vejo construtoras com margens estreitas e aumento de endividamento e começo a ter urticária aqui. A empresa está inserida no nicho mais econômico, com a maioria das aquisições provenientes de clientes que financiaram a compra, imagino o que vai acontecer se passarmos por uma piora no cenário econômico, restrição de crédito e aumento de inadimplênci; suas vendas vão cair vertiginosamente. Quanto tempo ela resiste ao consumo de caixa? Essa atitude da companhia de reduzir o consumo de caixa já mostra que a preocupação não é só minha... 

Números operacionais abaixo de nossa previsão, mas próximos do consenso do mercado. Esperamos impacto neutro nas ações da empresa.

A Rossi anunciou os resultados do 3T11 ontem, após o fechamento do mercado. A empresa divulgou números operacionais abaixo de nossa previsão, devido a custos de construção e despesas com vendas, gerais e administrativas mais elevados. Todavia, os resultados ficaram próximos do consenso do mercado, portanto, esperamos que os resultados do 3T11 tenham um impacto neutro nas ações da Rossi.

O lucro bruto foi de R$ 225,6 milhões (projeção de R$ 233,3 milhões) e a margem bruta foi de 30,1% (3 pontos percentuais abaixo de nossa projeção). Excluindo os juros capitalizados no COGS, a margem bruta foi de 37,0%, menor do que nossa estimativa (38,9%), mas em linha com o 2T11 (37,2%). Por outro lado, a margem de resultados a reconhecer encontra-se em 26,8%, mais alta do que 26,7% no trimestre anterior.

O EBITDA foi de R$ 139 milhões (R$ 163,7 milhões projetado) e a margem EBITDA foi de 18,6% (2,8 pontos percentuais abaixo de nossa estimativa). O EBITDA foi afetado  por despesas de marketing não recorrentes relacionadas à campanha de comemoração do 30o aniversário da Rossi, totalizando R$ 10 milhões. O EBITDA ajustado, excluindo este evento, foi de R$ 149 milhões, e a margem EBITDA ajustada foi de 19,9%, também abaixo de nossa estimativa, sobretudo devido a custos de construção mais elevados. A Rossi apresentou um plano para reduzir as despesas administrativas, esperando manter estáveis as despesas com vendas, gerais e administrativas em 2012 ante 2011 (em termos nominais).

A notícia positiva vem do cash burn operacional de R$ 103 milhões, banco de terrenos de R$ 22,1 bilhões e entrega de 4.149 unidades. Se excluirmos as despesas não recorrentes relacionadas ao aniversário da Rossi, o cash burn operacional teria sido R$ 93 milhões e R$ 385 milhões nos 9 meses de 2011, 34% abaixo do mesmo período de 2010. Vale mencionar que a maior parte do aumento do banco de terrenos vem da consolidação da Norcon Rossi JV. Além disso, a empresa entregou 4.149 unidades (ante 2.535 no 1º semestre de 2011), com VGV de R$ 899 milhões.

No geral, acreditamos que os resultados do 3T11 da Rossi foram ligeiramente negativos, com números operacionais mais baixos e algumas indicações positivas. Em nossa opinião, a empresa deve divulgar melhores resultados nos próximos trimestres. Portanto, mantemos nossa recomendação de COMPRA, com preço-alvo de R$ 20,00 para dezembro de 2012.

Análise Coin Valores
A Rossi completou 30 anos em 2010, e tem presença em 81 cidades do País sendo uma das principais incorporadoras e construtoras do Brasil. Atua em diversos segmentos do mercado imobiliário e tem no seu portfólio inúmeros sucessos de vendas de imóveis residenciais e comerciais, nos mais variados perfis de renda. A gestão é totalmente integrada por meio de um sistema SAP, que permite administrar e controlar todas as etapas da incorporação, e com isso reduzir o custo de construção, aumentar as margens e rentabilidade. Nossa administração possui mais de 25 anos de experiência no setor imobiliário. Em 2007, foi estruturada a equipe própria de vendas com o objetivo de garantir um serviço de qualidade e com alto grau de comprometimento, já que os corretores são constantemente treinados e estão alinhados aos valores da Rossi. A Rossi integra o Novo Mercado da Bovespa e é negociada com o código RSID3 e ADRs nível 1 na Bolsa de Nova Iorque, sob o código SRZY, no mercado OTC.

RETROSPECTIVA 2010
A Companhia registrou recorde histórico de lançamentos e vendas contratadas em 2010, que
acompanhou o crescimento vigoroso da economia brasileira, com destaque para o setor de construção civil. Continuamos com sua estratégia de diversificação geográfica e possui presença em mais de 80 cidades no Brasil e opera em todos os segmentos de renda, inclusive o programa Minha Casa Minha Vida. A maior disponibilidade de crédito, tanto para o consumidor quanto aos incorporadores, a melhora da confiança do consumidor, elevada demanda por imóveis e o aumento do rendimento dos trabalhadores foram pilares essenciais para o desenvolvimento do setor, tendência que deve continuar nos próximos anos. O ano também foi marcado pelo reconhecimento da marca Rossi como uma das principais empresas do setor, tanto em inovação quanto geração de valor, por meio de diversos prêmios. No lançamento do empreendimento Fibrasa Connection, em Vitória-ES, investimos em realidade aumentada gigante, que culminou como o maior marcador de realidade aumentada do mundo no Guinness World Records™, o livro dos recordes. Além disso, a Rossi venceu o prêmio ABRASCA de Criação de Valor, na categoria Destaque Setorial em Construção Civil & Mercado Imobiliário, que é concedido às empresas que, tiveram o melhor modelo de criação de valor no período de 2007 a 2009, apresentaram sustentabilidade nos resultados e excelência em controle de riscos, transparência e atuação socioambiental.

PERSPECTIVA 2011
A Rossi continua otimista com o desempenho da economia brasileira e o setor de construção civil. Apesar do forte crescimento nos últimos 5 anos, o financiamento imobiliário ainda representa apenas 3% do PIB, ou seja, existe espaço para expansão do crédito sem riscos. A Companhia continuará focada na estratégia de diversificação regional por meio de parcerias e
aproveitará as oportunidades provenientes para o segmento econômico e o programa Minha


Casa Minha Vida. O déficit habitacional continua significativo, combinado com o crescimento populacional, mudanças em termos de idade e capacidade de pagamento, além da expansão da classe média, garantem excelentes perspectiva de crescimento.

32538 - small caps - 08/Abr/2010 21:47
citação: FOCKINKsmall..você se arriscaria em Micos que começaram a pagar dividendios, quase turnaround, que estão sendo desovados por um Fundo ??

vamos a prática: RSIP3/4 sendo desovados pela Geração Futuro a 0,38; 0,40 ??? sei que a empresa sempre foi meia boca...mas:: vão pagar din din em dividendos...

FOCKINK, lucro líquido no quarto trimestre superior ao EBITDA indica grande possibilidade de lucro não recorrente... Não tem preço de mico falido...

Atualmente, novas posições só estou fazendo com troca de ações e ainda assim em defensivas, como a recente CSMG3... Não é o momento para ingresso de capital novo, muito menos para ganho de capital...

O momento já passou... Aliás, ficou ARREGAÇADO por um bom tempo...

Assim, tem melhores: FRAS4, BGIP4, PRBC4, PINE4, EZTC3, HBOR3, CTAX4, etc...

13050 - sussuca - 29/Ago/2009 14:03
A empresa registra crescimento de 79% do lucro líquido e aumento de 48% nas vendas contratadas em relação ao primeiro trimestre de 2009

A Rossi, uma das principais incorporadoras e construtoras do Brasil, anuncia os resultados do segundo trimestre de 2009. A empresa registrou R$ 51,2 milhões de lucro líquido, o que representa um crescimento de 79%, se comparado aos R$ 28,6 milhões do primeiro trimestre deste ano.

Já as vendas contratadas somaram R$ 506 milhões, com crescimento de 48% em comparação aos três primeiros meses de 2009. “A Rossi retomou o crescimento e apresentou maior lucratividade”, afirma o diretor superintendente da Rossi, Heitor Cantergiani.

Segundo o CFO e diretor de RI da empresa, Cássio Audi, os lançamentos somaram, em VGV (Valor Geral de Vendas), R$ 454 milhões, registrando crescimento de 183%, se comparado com o primeiro trimestre deste ano. O montante representa um total de 2.147 unidades lançadas, neste período.

De janeiro a julho, a Rossi lançou 5.012 unidades no segmento econômico e em linha com o programa “Minha Casa, Minha Vida”. Somente no mês de julho, foram lançadas 2.595 unidades.

Segundo Audi, a Rossi está bem posicionada para atender a atual demanda no segmento econômico. “Estamos bastante confiantes com a melhoria do cenário macro econômico e com o andamento do programa do governo “Minha Casa, Minha Vida”. Como planejado, aumentamos a exposição ao segmento econômico para 52% do total de lançamentos, no acumulado em 2009, e estamos confortáveis para atingir a meta de 13 a 15 mil unidades lançadas até dezembro de 2009”, ressalta o executivo.

“O programa “Minha Casa, Minha Vida” gerou uma demanda muito importante, fazendo com que as vendas da Rossi no segmento econômico, em unidades, aumentassem 143% em relação ao primeiro semestre do ano passado”, destaca Cantergiani.

A empresa detém 143 terrenos em carteira para futuros empreendimentos, distribuídos em 61 cidades brasileiras. Esse estoque de terrenos equivale a um VGV potencial de R$ 20,9 bilhões, sendo que R$ 9,9 bilhões são voltados para projetos com unidades de até R$ 160 mil. Destaca-se que 75% dos terrenos foram adquiridos por meio de permutas.

A Rossi Vendas, braço imobiliário da Rossi, registrou vendas de R$ 156 milhões no segundo trimestre de 2009, o que representa 31% das vendas contratadas. Desse total vendido, 37% foram estoque e 63%, lançamentos. Atualmente, essa extensão da empresa está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Campinas, e com projeções para expansão de suas atividades para as cidades de Fortaleza e Curitiba.

Em junho de 2009, a empresa somava 111 canteiros de obras, o que representa 147 empreendimentos e 26.138 unidades em fase de construção. Desde 1992, a Rossi lançou 57.915 imóveis, em um total de 5.781.221 metros quadrados de área construída, dos quais 30.501 unidades já foram entregues.

No segundo trimestre de 2009, as margens apresentaram aumento. A margem bruta - excluindo os efeitos de ordem financeira - ficou em 34,7%, 5,7 pontos percentuais acima do registrado no segundo trimestre de 2008. Já a margem líquida foi de 13,9%.

Para tornar os números comparáveis com empresas do setor, a Rossi adotou uma nova metodologia de cálculo do EBITDA. Sendo assim, no segundo trimestre de 2009, o EBTIDA registrou R$ 90 milhões e a margem ficou em 24,4%, 5,4 pontos percentuais acima do registrado no mesmo período do ano passado.

Neste trimestre, as despesas administrativas e comerciais totalizaram R$ 48 milhões, registrando uma redução de 22% em relação ao mesmo período de 2008. Vale ressaltar que, na medida em que os lançamentos do segmento econômico representam uma fatia maior dos lançamentos totais da empresa, as despesas comerciais, que são padronizadas nesse segmento, serão reduzidas naturalmente.

A Rossi preza pela estratégia de diversificação geográfica e de produtos por segmento de renda da população. Por isso, além do bom desempenho no segmento econômico, a empresa obteve crescimento de 65% nas vendas para os demais nichos do mercado imobiliário em relação ao primeiro trimestre do ano.

Sobre a Rossi

A Rossi é hoje uma das principais incorporadoras e construtoras do Brasil. Presente em mais de 60 cidades, atua em diversos segmentos do mercado imobiliário e tem no seu portfólio inúmeros sucessos de vendas de imóveis residenciais e comerciais, nos mais variados perfis de renda.

Com base em valores como inovação, valorização das pessoas e sustentabilidade, a empresa acredita na construção de relacionamentos de longo prazo com colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e acionistas. A Rossi acredita que seu trabalho vai além da construção de residências e locais de trabalho. Seu compromisso é com projetos de vida. 

5936 - jgerardo - 19/Mai/2009 09:23
Rossi: lucro sobe 80% no 1º trimestre
Publicado por Gandalf às 5/17/2009 02:03:00 PM
A Rossi (RSID3) encerrou o primeiro trimestre de 2009 com lucro líquido R$ 28,5 milhões, valor 80,2% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. As receitas cresceram 36,6%, beirando R$ 296 milhões.
De acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (15), a construtora manteve boa participação no segmento econômico, destinando 68% do Valor Geral de Vendas lançado a esse nicho de mercado.
A companhia encerrou o trimestre com recorde de vendas de estoques, totalizando R$ 265 milhões. "Estamos muito bem posicionados para atender a atual demanda estimulada pelo Pacote Habitacional", disse a Rossi.
(em R$ milhões) 1T09 1T08 Variação
Receita Líquida 296,4 217,0 +36,6%
Ebitda* 31,9 19,4 +63,7%
Lucro líquido 28,5 15,8 +80,2%
As vendas contratadas atingiram R$ 342 milhões no trimestre, sendo R$ 283 milhões por parte da Rossi. "Nós notamos uma recuperação nos meses de março e abril, caracterizando uma tendência positiva para o ano".
Os administradores ressaltaram ainda que as vendas no segmento econômico cresceram 392% frente aos três primeiros meses de 2008, indo de R$ 31 milhões para R$ 152 milhões. Cerca de 42% do landbank é destinado a esse mercado.
Infomoney


Link: Lucro da Rossi sobe 80% e empresa destaca atuação no segmento econômico



1672 - paulorizzi - 15/Fev/2009 21:46
"Eu tenho ETER3, BISA3, CCIM3, EZTC3 e HBOR3 em carteira. Entre RSID3 e KSSA3, apesar de um pouco mais cara, eu daria preferência a RSID3. A dívida é relativamente menor, o ROE é maior, e o papel tem ""grife"". Na minha opinião, em igualdade de condições, um papel mais líquido e que sempre está na tela do radar responde muito mais rápido. Recentemente, o mercado se decepcionou com os números divulgados pela Rossi e o papel despencou (ficando mais atraente). Qualquer fato positivo, entretanto, certamente impulsionará o papel rapidamente para cima."

1496 - paulorizzi - 07/Fev/2009 12:23
"citação: ALTOBELLI9SMALL,"
"Qual a sua análise do momento por que passa RSID3. Será que não seria uma boa hora para entrar nela uma vez que a maioria a ""está desprezando"" no momento?"
Grato...
"Não li os relatórios. A julgar pelas planilhas Fundamentus e GuiaInvest, não há realmente nenhum multiplicador fundamentalista especialmente atrativo. Os melhores deles, na minha opinião, são o P/VPA = 0,62 e o PSR=0,69. Mas relativamente, por exemplo, a BISA3, CCIM3, EZTC3 e HBOR3, o preço (P/L; P/EBIT) está caro."
"Por outro lado, entretanto, como vc afirma, há que se levar também em consideração, o efeito ""griffe"" (ou efeito ""manada"", cujo melhor representante talvez seja LAME4). Neste sentido, o papel talvez devesse ser avaliado em confronto com os seus reais ""competidores"", CYRE3, GFSA3 e PDGR3."
CYRE3 GFSA3 PDGR3 RSID3
"P 10,40 13,01 12,86 3,79"
"P/L 10,03 8,60 9,13 5,28"
"P/VPA 1,58 1,02 1,23 0,62"
"P/EBIT 6,79 6,66 6,30 5,61"
"PSR 1,43 1,16 1,78 0,69"
"EV/EBIT 8,68 8,92 7,64 10,29"
"DY 0,4% 1,6% 1,7% 4,3%"
"LPA 1,04 1,51 1,41 0,72"
"ROE 15,7% 11,9% 13,5% 11,7%"
"DIV/PAT 0,75 0,82 0,49 0,66"


"Como pode ser observado nesta tabela, relativo às figurinhas carimbadas do setor, RSID3 está, de fato, barata, explicando a sua impressão de que ""a maioria estaria desprezando o papel no momento""."

33 - small caps - 18/Set/2008 23:26
"rafael234, "RSID3 está relativamente atrativa. O problema é a necessidade de caixa para conseguir impulsionar todos os seus projetos. Em situação de boa liquidez para captações, seria uma oportunidade excepcional. O ideal é escolher um pool de empresas do setor, especialmente aquelas com boa solvência, como a EZTC3..."

Nenhum comentário: