Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Hypera (HYPE)


Subsetor
Segmento


Recomendações
 

Carteiras
Armageddon_BR (nov/12) - BAC 1000 (jan/17) - cesarsousa (ago/17) -  clauc (set/15) -  effexop (ago/18) - fredps (mai/18) - jairmatoso2 (jul/16, ago/16) - Paturi (jul/16, ago/16) - renatosp (jan/17)

Códigos de Negociação
Tipo
CVM
HYPE3
  Novo Mercado
 21431


Razão Social
CNPJ
HYPERA S.A.
02.932.074/0001-91 

Balanços
1T2020 ➤ ITR ➤ Press-release ➤ Apresentação

A2019/4T2019 - DFP ➤ Press-release ➤ Apresentações ao mercado
paulo_prof  -
No que se refere os números, achei os resultados do exercício fracos. Além da Receita Líquida involuir 11,52% em termos nominais, houve uma perda apreci[avel na margem bruta (71,6% em 2018, para 63,3% em 2019). Embora tenha havido uma evolução positiva no resultado financeiro (+R$ 14,3 milhões), o Resultado Operacional involuiu 10,6% em termos nominais. O lucro das operações continuadas cresceu 4,7% em termos nominais somente devido ao diferimento de impostos. Por outro lado, há que se lembrar que o lucro líquido societário (aquele realmente contabilizado) foi R$ 24,9 milhões menor, e no exercício foram contabilizadas receitas não recorrentes de R$ 546 milhões relativas ao ganho de ação judiacial envolvendo impostos.
Pelo que contam os números, considerados isoladamente, o ativo portanto está muito caro.
O "sell-out" é definido como o volume de vendas ao consumidor final, Sem entrar no mérito de como se possa ter uma estimativa do volume de $ pago pelo consumidor final no trimestre e exercício, por seus produtos, e as incertezas envolvidas, a empresa informa taxas de crescimento nominal do sell-out de 11,3% no trimestre e 10,1% no exercício. A empresa já vem praticando a estratégia de maximizar o sell-out, eventualmente com impactos negativos no curto prazo. No 1T19, por exemplo, a empresa reduziu as vendas de produtos para forçar a baixa de estoques nos distribuidores. A expectativa é que no médio prazo, o crescimento da receita e lucro acompanhe o crescimento do sell-out. Na minha percepção leiga do assunto, entretanto, acho isto não se dará num futuro, digamos, imediato. No 4T19, com os estoques dos distribuidores supostantente próximos do que seria adequado, a taxa de crescimento do sell-out, 11,3%, foi muito maior do que a taxa de crescimento da receita (+0,11%).
Em suma, é algo para se acompanhar: monitorar o crescimento da receita e lucro para verificar se estes de fato se aproximam do crescimento do sell-out.

3T2019 -

2T2019 -

1T2019 -

A2018/4T2018 -

3T2018 -

2T2018 -

PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). EBITDA = O EBITDA das Operações Continuadas atingiu R$339,5 milhões no 2T18, com margem de 36,9%, patamar levemente inferior ao registrado no 2T17. A variação da Margem EBITDA resultou do ganho de Margem Bruta e da redução das Despesas Gerais e Administrativas e Outras como percentual da Receita Líquida, compensados principalmente pelo incremento dos investimentos em Marketing em patamar superior ao crescimento da Receita Líquida no período. No semestre, o EBITDA das Operações Continuadas cresceu 18,3% e totalizou R$702,2 milhões, ou 52% do guidance estipulado para o ano, de ao redor de R$1.350,0 milhões. Esse crescimento, em patamar superior ao crescimento da Receita Líquida, resultou principalmente da elevação da Margem Bruta e da diluição das Despesas Gerais e Administrativas como percentual da Receita Líquida.; RESULTADO FINANCEIRO = O Resultado Financeiro do 2T18 foi negativo em R$1,8 milhão, ante resultado positivo de R$26,0 milhões no 2T17. Essa redução é consequência principalmente da menor receita financeira, resultado da diminuição da taxa de juros e da redução da posição de caixa líquido da Companhia nos últimos 12 meses. Essa posição de caixa líquido inferior se deu: (i) pela redução de capital social da Companhia realizada em julho de 2017, no valor de R$821,9 milhões; e (ii) pelo pagamento de Juros Sobre Capital Próprio em 9 de janeiro de 2018, no valor de R$581,3 milhões, referentes ao exercício social de 2017.

1T2018 -

3T2017 -

2T2017 -

1T2017 -

A2016/4T2016 -

3T2016 -
O Lucro Líquido das Operações Continuadas aumentou 211,7% em relação ao 3T15, para R$183,9 milhões no trimestre. Esse crescimento resulta principalmente de uma combinação entre melhoria do desempenho operacional e reversão das despesas financeiras líquidas de R$141,9 milhões no 3T15, para receita financeira líquida de R$0,7 milhão no 3T16. Combinado ao Lucro Líquido das Operações Descontinuadas, esse desempenho levou a um Lucro Líquido de R$202,5 milhões no trimestre, com expansão de 168,7%, na mesma base de comparação. Nos 9M16, o Lucro Líquido aumentou 400,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a R$1.387,0 milhões. Esse desempenho inclui o impacto do ganho de capital resultante da venda do negócio de Cosméticos pela Companhia no 1T16, mas não inclui ainda ganhos relacionados à venda do negócio de Preservativos, que foi concluída no início do 4T16.


3T2015 -
Supondo que a empresa consiga dobrar o lucro de hoje em diante. Ainda assim, para justificar o preço atual este lucro dobrado teria que crescer aprox. 18,8% nos próximos 5/6 anos!!!! Não é pouca !!! Acho pouco provável!

2T2015 -
paulo_prof  -
Embora um pouco menos do que no ano passado ... o ativo continua caro prá caramba!

A2014/4T2014 -
paulo_prof  -
No que concerne a última linha, a empresa continua apresentando taxas estratosféricas de crescimento !!! A geração de caixa medida pelo Ebitda, entretanto, não vem acompanhando ... ano-a-ano, o Ebitda permaneceu constante e trimestre sobre trimestre, mostrou involução. Isto mostra que o crescimento do lucro está sendo conseguido na base de um melhor resultado financeiro. De fato, o resultado financeiro negativo apresentou importante redução ano-a-ano e trimestre sobre trimestre. Se esta tendência não for revertida, ou seja, se a geração de caixa
medida pelo Ebitda não recomeçar a evoluir, a taxa de crescimento do lucro não poderá mais ser sustentada. Há que se estudar o case para entender a substancial melhora que houve na gestão financeira. Em dezembro de 2012, a dívida líquida era de R$ 2,2 bilhões. Em fins de 2013 a dívida líquida havia aumentado em R$ 550 milhões, depois de um resultado financeiro negativo em R$ 580 milhões. Durante o exercício de 2014 a dívida líquida evoluiu aprox. R$ 220 milhões, para um resultado financeiro negativo em R$ 420 milhões.

3T2014 -
paulo_prof  -
Embora incompatíveis com a sua precificação, a empresa já há tempos vem apresentando bons resultados, com uma impressionante taxa de crescimento do lucro líquido.

2T2014 -
paulo_prof  -
Embora eu ache que o ativo esteja absurdamente caro, completamente divorciado dos fundamentos (mais cedo do que tarde o preço vai ter que cair consideravelmente !!!), tenho que reconhecer que a empresa vai muito bem, obrigado ... esta, continua progredindo apesar dos ventos contrários que sopram da incompetente Brasília ...

1T2010 -
pauloprof -
achou péssimo.

Sobre
A Hypera S.A. (“Companhia”), com sede em São Paulo-SP,  é  uma  Companhia  farmacêutica brasileira que detém posição de liderança em diversos mercados em que está presente, segundo dados do IQVIA, e tem como Missão “dar acesso à saúde para a população brasileira, oferecendo produtos de alta qualidade e segurança, investindo continuamente em inovação para crescer de forma sustentável para que as pessoas vivam mais e melhor”.
Principais produtos:
a)        Com  a  marca  guarda-chuva  Mantecorp  Farmasa,  a  Companhia  atua em  diversas especialidades médicas no segmento de Primary Care (Cuidados Básicos), incluindo as 30 maiores  do  país,  segundo  dados  da  Close-Up  International,  com  produtos  como  Predsim, Celestamine,  Maxsulid,  Diprospan,  Mioflex-A  e  Addera  D3;  com  Mantecorp  Skincare, oferece  dermocosméticos  recomendados  por  dermatologistas  em  todo  o  Brasil,  ainda segundo informações da Close-Up International;
b)    A Companhia é líder nos mercados de medicamentos isentos de prescrição no Brasil, segundo  o  IQVIA,  com  marcas  como  Apracur,  Benegrip,  Coristina  d,  Engov,  Epocler, Estomazil,   dentre   outras.   Atua   também   nos   mercados   de   nutricionais,   adoçantes   e suplementos vitamínicos, com marcas como Tamarine, Vitasay 50+, Biotônico Fontoura e Zero-Cal, marca Top of Mind há 16 anos no Brasil, segundo o Datafolha;
c)    A Companhia é líder, com a marca Neo Química, nos mercados de Similares e Genéricos em que está presente, segundo dados do IQVIA. A marca chega a 96% dos pontos de venda do mercado farmacêutico brasileiro, ainda segundo informações do IQVIA, em linha com a Missão da Companhia de promover acesso à saúde para a população.Com longo histórico de crescimento via aquisições, a Companhia anunciou acordo para a compra da família de marcas de Buscopan, da Boehringer Ingelheim,em novembro de 2019, com preço previsto de R$ 1,3 bilhão. Também, firmou acordo para a aquisição de um portfólio selecionado de marcas da Takeda, incluindo Neosaldina e Dramin, em março de 2020, pelo preço de USD 825 milhões  (oitocentos  e  vinte  e  cinco  milhões de  dólares), tendo  assegurado  linhas  de  crédito  de R$ 3,5 bilhões para financiar a transação. O fechamento desses negócios depende do cumprimento de condições precedentes, incluindo a aprovação por órgãos reguladores. Ainda  em  março  de  2020, a  Companhia anunciou acordo com a  Eurofarma  Laboratórios  S.A., para a venda de parte do portfólio a ser adquirido da Takeda em países da América Latina, exceto o  Brasil,  por  US$  161  milhões  (cento  e  sessenta  e  um  milhões  de  dólares),  sujeito  a  certas condições precedentes, incluindo o fechamento do acordo entre a Companhia e a Takeda.A produção de mercadorias é realizada sobretudo nas controladas Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. (“Brainfarma”) e Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A.(“Cosmed”), em unidades situadas no Estado de Goiás. Seu principal centro de distribuição está localizado em Anápolis-GO.
As  atividades  de  pesquisa  e  desenvolvimento  de  produtos  farmacêuticos,  dermocosméticos  e nutricionais estão concentradas em centro de inovação da controlada Brainfarma em Barueri-SP. Em operação desde 2017, as instalações abrigam tecnologias para desenvolvimento de produtos em diversas formas farmacêuticas, nos seis laboratórios que integram o complexo.A Companhia conta ainda com uma  ampla  estrutura de  vendas e distribuição com abrangência nacional. Seus produtos são distribuídos em todo o território brasileiro, diretamente a varejistas ou indiretamente, via distribuidores e atacadistas.

Empréstimos
20/03/2020 - empréstimo - Aprova a celebração de Cédula de Crédito Bancário junto ao Banco Santander (Brasil) S.A., que agirá por sua filial Grand Cayman, por meio do qual será concedido à Companhia, um empréstimo no valor de R$500.000.000,00

Debêntures
30/03/2020 - foi aprovada a 9ª emissão, pela Companhia, de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em duas séries, para distribuição pública com esforços restritos de distribuição, em regime de garantia firme de colocação, no valor total de R$3.500.000.000,00. As Debêntures serão objeto de distribuição pública, com esforços restritos de distribuição, nos termos da Instrução CVM 476, sob regime de garantia firme de subscrição para a totalidade das Debêntures, com a intermediação de instituição integrante do sistema de distribuição de valores mobiliários, e serão destinadas exclusivamente  a  investidores  profissionais. A Emissão será composta por 350.000 Debêntures e será realizada em duas séries, com valor nominal unitário de R$ 10.000,00, na data de emissão das Debêntures, perfazendo o montante total de R$ 3.500.000.000,00,  sendo: (i)  R$2.485.000.000,00 Debêntures da primeira série; e (ii) R$1.015.000.000,00 Debêntures da Segunda Série. As Debêntures da Primeira Série terão prazo de vigência de 6 anos contados da data de emissão das Debêntures da Primeira Série, vencendo-se, portanto, as Debêntures da Primeira Série em 03 de abril de 2026 e as Debêntures da Segunda Série terão o prazo de vigência de 6 anos contatos da data de emissão das Debêntures da Segunda Série, ressalvadas as hipóteses de vencimento antecipado em razão da ocorrência de um dos eventos de inadimplemento e de resgate antecipado a serem previstos na escritura de emissão das Debêntures (“Escritura de Emissão”). 

Balanços (Calendário)


Dividend Yield
2020
2019






2,74%





Payout
2020
2019






57,7%





Receita Liquida
1T2020



18/03/2020 -  Celebração de Quota Purchase Agreement (“Contrato de Compra e Venda”) - 
informa que celebrou um Quota Purchase Agreement (“Contrato”) com a Eurofarma Laboratórios S.A. (“Eurofarma”), para a venda do portfólio de 12 selecionados produtos farmacêuticos isentos de prescrição e de prescrição (“Ativos”) na Argentina, Colômbia, Equador, México, Panamá e Peru (“Operação”) pelo valor total de US$ 161.000.000,00 (cento e sessenta e um milhões de dólares) (“Preço de Aquisição”), sujeito a certas condições precedentes, incluindo o fechamento entre a Companhia e a Takeda da operação divulgada no Fato Relevante datado de 02 de março de 2020, e a aprovação da Operação pelas autoridades antitruste competentes.  Os Ativos fizeram parte da negociação recente com a Takeda Pharmaceuticals International AG (“Takeda”), e o Preço de Aquisição é proporcional à relevância dos Ativos em relação ao negócio adquirido da Takeda. A  Operação  está  alinhada  com  a  estratégia  da  Companhia  de  focar  no  mercado  farmacêutico brasileiro, e está sujeita a certas condições precedentes estabelecidas no Contrato.

367746  - paulo_prof  -  08 Mar 2020, 16:58
No que se refere os números, achei os resultados do exercício fracos. Além da Receita Líquida involuir 11,52% em termos nominais, houve uma perda apreci[avel na margem bruta (71,6% em 2018, para 63,3% em 2019). Embora tenha havido uma evolução positiva no resultado financeiro (+R$ 14,3 milhões), o Resultado Operacional involuiu 10,6% em termos nominais. O lucro das operações continuadas cresceu 4,7% em termos nominais somente devido ao diferimento de impostos. Por outro lado, há que se lembrar que o lucro líquido societário (aquele realmente contabilizado) foi R$ 24,9 milhões menor, e no exercício foram contabilizadas receitas não recorrentes de R$ 546 milhões relativas ao ganho de ação judiacial envolvendo impostos.

Pelo que contam os números, considerados isoladamente, o ativo portanto está muito caro.

O "sell-out" é definido como o volume de vendas ao consumidor final, Sem entrar no mérito de como se possa ter uma estimativa do volume de $ pago pelo consumidor final no trimestre e exercício, por seus produtos, e as incertezas envolvidas, a empresa informa taxas de crescimento nominal do sell-out de 11,3% no trimestre e 10,1% no exercício. A empresa já vem praticando a estratégia de maximizar o sell-out, eventualmente com impactos negativos no curto prazo. No 1T19, por exemplo, a empresa reduziu as vendas de produtos para forçar a baixa de estoques nos distribuidores. A expectativa é que no médio prazo, o crescimento da receita e lucro acompanhe o crescimento do sell-out. Na minha percepção leiga do assunto, entretanto, acho isto não se dará num futuro, digamos, imediato. No 4T19, com os estoques dos distribuidores supostantente próximos do que seria adequado, a taxa de crescimento do sell-out, 11,3%, foi muito maior do que a taxa de crescimento da receita (+0,11%).

Em suma, é algo para se acompanhar: monitorar o crescimento da receita e lucro para verificar se estes de fato se aproximam do crescimento do sell-out.
p.php?pid=chartscreenshot&u=nsUmKEUP46N3


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente. Em 2019 o lucro líquido societário foi R$ 24,9 milhões menor. Em 2018 havia sido R$ 6 milhões menor.

No 1T19 (e 2019) a empresa teve uma receita não recorrente relativa ao ganho de ação referente à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS. Esta Receita, de R$ 546 milhões, NÃO foi expurgada para efeito dos cálculos abaixo. Também não foi expurgada uma freceita não recorrente de R$ 44,6 milhões obtidas no exercício de 2018.



HYPE3

PREÇO: R$ 39,62

PAYOUT (2019) 57,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 21,03

P/VPA 2,87

PSR 7,59

DY 2,74%

EV/EBITDA 20,03

MARGEM BRUTA 63,3%

MARGEM OPERACIONAL 33,4%

MARGEM LÍQUIDA 36,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,884

MARGEM EBITDA 36,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 16,1%

ROE 13,65%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,00



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -11,53%

RESULTADO BRUTO -21,75%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +16.861,18%

RESULTADO OPERACIONAL -10,55%

RESULTADO LÍQUIDO +4,72%

EBITDA -8,55%



b) 4T19 sobre 4T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,11%

RESULTADO BRUTO -13,07%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL -34,77%

RESULTADO LÍQUIDO -18,08%

EBITDA -31,74



c) lucro líquido, nominal

UA 4,72%

U2A 3,43%

U3A 22,48%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 5,93%

U2A 3,35%

U3A -1,52%



e) Ebitda, nominal

UA -8,55%

U2A -1,08%

U3A 3,37%

U4A 5,26%

U5A 3,41%

U6A 3,15%

U7A 4,81%

U8A 6,80%

U9A 5,66%

U10A 8,95%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 23,55

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +13,0% !!!!

02/03/2020 - Takeda no Brasil -
Aprovação da celebração do Contrato de Compra e Venda entre a Companhia e a Takeda Pharmaceuticals  International  AG  (“Takeda”),  que  regulará  os  termos  e  condições  da  aquisição, pela Companhia, de ativos, direitos de propriedade intelectual e outros direitos relativos  à  fabricação  e  à  comercialização  do  portfólio  de  determinados  produtos  de prescrição e de produtos isentos de prescrição da Takeda no Brasil e em determinados países na América Latina (“Operação”).

365595  - paulo_prof  -  30 Nov 2019, 02:15
Na comparação com o 3T18, os Resultados foram positivos, apesar da perda de margem bruta. Na comparação com o 2T19, também pode-se considerar os resultados como positivos, pois houve crescimento de Receita (+3,66%), Resultado Bruto (+2,43%), Resultado Financeiro positivo (+142,95%), Resultado Antes dos Impostos (+8,32%) e Ebitda (+5,27%). O menor Lucro Liquido devei-se ao IR/CS, que no 2T19 foi negativo.

De qualquer forma, os Resultados das Operações Continuadas, apesar de positivos, não são compatíveis com a precificação, que exigiria um Lucro Líquido trimestral médio na casa dos R$ 420 milh'oes.

O ativo está caro.
skmuBLQhEyGxZYfMa7ezrzLI=


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.

No 1T19 a empresa teve uma receita não recorrente relativa ao ganho de ação referente à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS. Esta Receita, de R$ 546 milhões, não foi expurgada para efeito dos cálculos abaixo.



HYPE3

PREÇO: R$ 33,30

PAYOUT (2018) 53,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 16,86

P/VPA 2,43

PSR 6,37

DY 3,20%

EV/EBITDA 15,37

MARGEM BRUTA 65,8%

MARGEM OPERACIONAL 36,6%

MARGEM LÍQUIDA 37,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,975

MARGEM EBITDA 39,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,2%

ROE 14,41%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,73



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -13,06%

RESULTADO BRUTO -21,34%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +51,46%

RESULTADO OPERACIONAL -5,63%

RESULTADO LÍQUIDO -3,31%

EBITDA -3,30%



b) 3T19 sobre 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,35%

RESULTADO BRUTO +1,61%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +232,27%

RESULTADO OPERACIONAL +3,62%

RESULTADO LÍQUIDO +10,96%

EBITDA +3,30



c) lucro líquido, nominal

UA -3,31%

U2A 20,21%

U3A 20,15%

d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 6,30%

U2A 1,01%

U3A -1,23%



e) Ebitda, nominal

UA -3,30%

U2A 6,55%

U3A 7,92%

U4A 7,74%

U5A 3,90%

U6A 5,41%

U7A 5,36%

U8A 9,10%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,69

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +7,5% !!!!

362978  - paulo_prof   -  26 Jul 2019, 23:30
Os resultados operacionais postados no 2T19 foram fracos. O aumento de 5,8% da Receita foi todo perdido na redu;'ao da margem bruta, de 72,7% para 68,3%. O Resultado Financeiro marginalmente melhor nem de longe foi suficente para compensar o aumento de 17,7% das despesas operacionais. O lucro s[o mostrou crescimento devido a empresa ter contabilizado uma receita de IR/CS em vez de uma despesa ... e não foi pouco ... R$ 84 milhões diretamente "na veia" do lucro líquido.

Na minha opinão, o ativo está caro.
p.php?pid=chartscreenshot&u=1SdDJaM7wmS6
No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.

No 1T19 a empresa teve uma receita não recorrente relativa ao ganho de ação referente à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS. Esta Receita, de R$ 546 milhões, não foi expurgada para efeito dos cálculos abaixo.



HYPE3

PREÇO: R$ 30,40

PAYOUT (2018) 53,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 15,77

P/VPA 2,25

PSR 5,94

DY 3,42%

EV/EBITDA 14,25

MARGEM BRUTA 66,7%

MARGEM OPERACIONAL 37,0%

MARGEM LÍQUIDA 37,7%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,927

MARGEM EBITDA 40,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,4%

ROE 14,24%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,21



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,97%

RESULTADO BRUTO -21,23%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -78,65%

RESULTADO OPERACIONAL -6,34%

RESULTADO LÍQUIDO -2,62%

EBITDA -3,03%



b) 2T19 sobre 2T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,80%

RESULTADO BRUTO -0,50%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativoo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL -18,98%

RESULTADO LÍQUIDO +22,02%

EBITDA -16,70%



c) lucro líquido, nominal

UA -2,62%

U2A 20,60%

U3A 25,97%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 5,28%

U2A -1,16%

U3A -0,46%



e) Ebitda, nominal

UA -3,03%

U2A 7,05%

U3A 8,78%

U4A 6,13%

U5A 4,30%

U6A 5,68%

U7A 8,21%

U8A 6,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,09

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +5,5% !!!!

360736  - paulo_prof -  27 Abr 2019, 19:42
Não está fácil analisar os resultados do 1T19 da HYPE. De um lado, a empresa teve uma baita receita não recorrente (R$ 546 milhões) devido a ganho em ação judicial. De outro, teve Receita Líquida e Resultado Bruto super reduzidos (aprox. R$ 500 milhões no Resultado Bruto), devido à implementação de uma outra política de abastecimento dos clientes (acelerar a entrega a partir do pedido), visando a redução de necessidade de capital de giro tanto para a empresa, quanto para clientes. Para a implementação desta política a empresa provavelmente aproveitou o ganho não recorrente informado acima, para reduzir os estoques (e assim a necessidade de capital de giro).

Considerando os dois eventos informados acima como não recorrentes e considerando que os valores envolvidos são da mesma ordem de grandeza, resolvi não fazer expurgos.

Na minha estimativa (que pode estar grosseiramente equivocada) o impacto efetivo nos resultados (antes dos impostos, líquido e ebitda) do trimestre teria sido algo em torno dos R$ 40-45 milhões no Resultado Antes dos Impostos e Ebitda, e algo em torno dos R$ 30-35 milhões no Resultado Líquido,

Em consequência, as taxas de crescimento destes resultados nos últimos 12 meses teria sido menor do que aquela informada abaixo. Por outro lado, a expectativa da empresa, com a redução da necessidade de capital de giro, é tornar mais eficiente a operação. Será necessário observar a performance nos próximos trimestres para se ter uma ideia do novo padrão.

No que se refere a precificação do ativo, o meu "feeling" é que esteja mais para caro do que para barato ... mas isto terá que ser confirmado.


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.

No 1T19 a empresa teve uma receita não recorrente relativa ao ganho de ação referente à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS. Esta Receita, de R$ 546 milhões, não foi expurgada para efeito dos cálculos abaixo.



HYPE3

PREÇO: R$ 26,61

PAYOUT (2018) 53,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,54

P/VPA 2,00

PSR 5,29

DY 3,71%

EV/EBITDA 11,92

MARGEM BRUTA 68,0%

MARGEM OPERACIONAL 39,5%

MARGEM LÍQUIDA 36,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,830

MARGEM EBITDA 42,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,6%

ROE 13,73%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,57



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -11,98%

RESULTADO BRUTO -18,79%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL -1,12%

RESULTADO LÍQUIDO -3,61%

EBITDA +4,04%



b) 1T19 sobre 1T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -58,66%

RESULTADO BRUTO -73,05%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL +7,45%

RESULTADO LÍQUIDO +7,09%

EBITDA +10,67%



c) lucro líquido, nominal

UA -3,61%

U2A 21,34%

U3A 28,58%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 4,42%

U2A -3,60%

U3A 0,44%



e) Ebitda, nominal

UA 4,04%

U2A 9,26%

U3A 12,73%

U4A 6,51%

U5A 5,67%

U6A 6,77%

U7A 9,69%

U8A 7,95%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 22,87

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,0% !!!!

358698 - paulo_prof -  23 Fev 2019, 18:36
Sinal de alerta ligado! Não li o relatório. Os números mostram involução de todos os resultados do 4T18; da Receita Líquida, Resultado Bruto, Resultado Financeiro, Resultado antes dos impostos, Lucro e Ebitda.

Não sei como o Financeiro, com um endividamento líquido médio negativo em aprox. R$ 820 milhões durante o exercício de 2018 conseguiu um Resultado Financeiro Positivo de apenas R$ 85 mil . Algo está estranho. Deve ter feito apostas equivocadas. No 4T18, inclusive, conseguiu um Resultado Financeiro negativo, quando o endividamento líquido negativo médio foi de nais de R$ 1 bilhão negativo (grana em caixa)

Além de um 4T18 fraco em relação ao 4T17, Resultado Financeiro desfavorável em relação a 2017 impactou o Resultado Antes dos Impostos e Lucro Lquido, que praticamente ficou estável em termos reais, com leve queda em termos reais.

Em consequência e a menos de que o 1T19 mostre uma reversão, acho que o atgivo está fincando caro..

No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.



HYPE3

PREÇO: R$ 27,78

PAYOUT (2018) 53,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 15,46

P/VPA 2,12

PSR 4,71

DY 3,49%

EV/EBITDA 12,50

MARGEM BRUTA 71,6%

MARGEM OPERACIONAL 33,0%

MARGEM LÍQUIDA 30,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,7964

MARGEM EBITDA 35,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,9%

ROE 13,73%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,04



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,41%

RESULTADO BRUTO +3,58%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -99,84%

RESULTADO OPERACIONAL +1,36%

RESULTADO LÍQUIDO +2,15%

EBITDA +6,99%



b) 4T18 sobre 4T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -6,49%

RESULTADO BRUTO -12,62%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL -13,51%

RESULTADO LÍQUIDO -32,94%

EBITDA -9.93%



c) lucro líquido, nominal

UA 2,15%

U2A 32,45%

U3A 26,58%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 0,84%

U2A -5,05%

U3A 1,47%



e) Ebitda, nominal

UA 6,99%

U2A 9,90%

U3A 10,31%

U4A 6,64%

U5A 5,66%

U6A 7,21%

U7A 9,20%

U8A 7,59%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 22,45

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +5,5% !!!!

355122 - paulo_prof  -  27 Out 2018, 11:55
Empresa continua entregando bem além de sua precificação. Não fosse a ameaça da lava jato, diria que continua barata.


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.



HYPE3

PREÇO: R$ 29,60

PAYOUT (2017) 60,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,53

P/VPA 2,29

PSR 4,76

DY 4,15%

EV/EBITDA 13,05

MARGEM BRUTA 73,7%

MARGEM OPERACIONAL 32,5%

MARGEM LÍQUIDA 32,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,037

MARGEM EBITDA 34,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,3%

ROE 15,76%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,22



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +15,99%

RESULTADO BRUTO +16,56%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -89,54%

RESULTADO OPERACIONAL +12,23%

RESULTADO LÍQUIDO +49,46%

EBITDA +17,40%



b) 3T18 sobre 3T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,35%

RESULTADO BRUTO +2,69%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -71,40%

RESULTADO OPERACIONAL +0,74%

RESULTADO LÍQUIDO +17,65%

EBITDA +4,95%



c) lucro líquido, nominal

UA 49,46%

U2A 33,93%

U3A 54,61%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA -4,01%

U2A -4,79%

U3A 1,52%



e) Ebitda, nominal

UA 17,40%

U2A 14,01%

U3A 11,70%

U4A 5,78%

U5A 7,24%

U6A 6,88%

U7A 11,00%

U8A 9,20%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 25,46

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,0% !!!!

353548 - marcosvinicius2 -  10 Set 2018, 16:01
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). EBITDA = O EBITDA das Operações Continuadas atingiu R$339,5 milhões no 2T18, com margem de 36,9%, patamar levemente inferior ao registrado no 2T17. A variação da Margem EBITDA resultou do ganho de Margem Bruta e da redução das Despesas Gerais e Administrativas e Outras como percentual da Receita Líquida, compensados principalmente pelo incremento dos investimentos em Marketing em patamar superior ao crescimento da Receita Líquida no período. No semestre, o EBITDA das Operações Continuadas cresceu 18,3% e totalizou R$702,2 milhões, ou 52% do guidance estipulado para o ano, de ao redor de R$1.350,0 milhões. Esse crescimento, em patamar superior ao crescimento da Receita Líquida, resultou principalmente da elevação da Margem Bruta e da diluição das Despesas Gerais e Administrativas como percentual da Receita Líquida.; RESULTADO FINANCEIRO = O Resultado Financeiro do 2T18 foi negativo em R$1,8 milhão, ante resultado positivo de R$26,0 milhões no 2T17. Essa redução é consequência principalmente da menor receita financeira, resultado da diminuição da taxa de juros e da redução da posição de caixa líquido da Companhia nos últimos 12 meses. Essa posição de caixa líquido inferior se deu: (i) pela redução de capital social da Companhia realizada em julho de 2017, no valor de R$821,9 milhões; e (ii) pelo pagamento de Juros Sobre Capital Próprio em 9 de janeiro de 2018, no valor de R$581,3 milhões, referentes ao exercício social de 2017.:

HYPE3
PREÇO: R$ 27,82
PAYOUT (2017): 188,14%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 15,11
P/VPA 2,18
PSR 4,75
DY 12,45%
EV/EBITDA 13,78
MARGEM BRUTA 73,92%
MARGEM OPERACIONAL 32,38%
MARGEM LÍQUIDA 31,41%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,841
MARGEM EBITDA 34,17%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 12,83%
ROE 14,44%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,40

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,91%
RESULTADO BRUTO 7,26%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -73,56%
RESULTADO OPERACIONAL 3,06%
RESULTADO LÍQUIDO 215,92%
EBITDA 6,31%

b) 2T18 sobre 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,95%
RESULTADO BRUTO 4,87%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -107,09%
RESULTADO OPERACIONAL -3,26%
RESULTADO LÍQUIDO 42,51%
EBITDA 6,84%

c) lucro (taxa média anual)
UA 215,92%
U2A -13,14%
U3A 43,76%

d) patrimônio líquido médio
UA -7,21%
U2A -3,21%
U3A 1,76%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 23,01
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,5% !!!!
[...]

352641 - TraderCenter   08 Ago 2018, 21:14
Salve Galera.. várias empresas divulgando lucros.. alguns resultados da semana passada:
[...]
A farmacêutica brasileira Hypera (HYPE3) teve alta no lucro no segundo trimestre, uma vez que a empresa conseguiu passar quase ilesa pelos efeitos da desvalorização do real e da greve dos caminhoneiros, além de ter pago menos impostos.

Logo-Hypera-Marcas-Consulta-Remedios.jpg

A companhia anunciou nesta sexta-feira que o lucro de suas operações continuadas no período somou 278,8 milhões de reais, alta de 22,3 por cento contra um ano antes. Em termos líquidos o lucro líquido cresceu 50,7 por cento, a 277,8 milhões de reais.

O resultado operacional da Hypera medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) das operações continuadas, somou 339,5 milhões de reais, avanço de 12,1 por cento contra um ano antes.

De um lado, a receita líquida da companhia cresceu 12,6 porcento, a 920 milhões de reais, refletindo maiores vendas de produtos de prescrição e genéricos e aumento de preços.

"A greve dos caminhoneiros não provocou impacto relevante sobre o processo de produção ou a entrega de mercadorias a clientes, devido a níveis adequados de estoques", afirmou a Hypera em seu relatório de resultados.
[...]

352302 - paulo_prof -  29 Jul 2018, 20:10
Não fosse a ameaça da çava jato, diria que o ativo está barato!


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.

HYPE3

PREÇO: R$ 28,16

PAYOUT (2017) 60,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,23

P/VPA 2,21

PSR 4,62

DY 4,23%

EV/EBITDA 12,69

MARGEM BRUTA 74,7%

MARGEM OPERACIONAL 33,1%

MARGEM LÍQUIDA 32,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,979

MARGEM EBITDA 34,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 5,3%

ROE 15,52%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,40



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,04%

RESULTADO BRUTO +17,96%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVOP -73.56%

RESULTADO OPERACIONAL +14,53%

RESULTADO LÍQUIDO +49,36%

EBITDA +18,18%



b) 2T18 sobre 2T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,56%

RESULTADO BRUTO +13,25%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL +1,74%

RESULTADO LÍQUIDO +22,28%

EBITDA +12,08%



c) lucro líquido, nominal

UA 49,36%

U2A 43,28%

U3A 47,25%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA -7,21%

U2A -3,21%

U3A 1,76%



e) Ebitda, nominal

UA 18,18%

U2A 15,22%

U3A 9,37%

U4A 6,22%

U5A 7,52%

U6A 10,21%

U7A 8,27%

U8A 10,09%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,74

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +3,0% !!!!

349424 - paulo_prof  -  30 Abr 2018, 02:42
Resultados muito bons. Ativo parece relativamente barato considerados os fundamentos.


No que segue, o lucro liquido e ebitda referem-se às operações continuadas somente.



HYPE3

PREÇO: R$ 31,64

PAYOUT (2017) 60,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 16,66

P/VPA 2,53

PSR 5,33

DY 3,61%

EV/EBITDA 14,96

MARGEM BRUTA 74,6%

MARGEM OPERACIONAL 33,8%

MARGEM LÍQUIDA 32,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,899

MARGEM EBITDA 34,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,2%

ROE 15,17%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,28



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,30%

RESULTADO BRUTO +13,76%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +21,85%

RESULTADO LÍQUIDO +52,75%

EBITDA +14,74%



b) 1T18 sobre 1T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,86%

RESULTADO BRUTO +14,68%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -92,02%

RESULTADO OPERACIONAL +19,61%

RESULTADO LÍQUIDO +141,55%

EBITDA +24,85%



c) lucro líquido, nominal

UA 52,75%

U2A 48,52%

U3A 43,86%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA -11,01%

U2A -1,50%

U3A 1,98%



f) Ebitda, nominal

UA 14,74%

U2A 17,35%

U3A 7,35%

U4A 6,08%

U5A 7,33%

U6A 10,66%

U7A 8,52%

U8A 10,70%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 23,74

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +7,0% !!!!

343761  - marcosvinicius2 -  10 Nov 2017, 12:09
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 39 TRIMESTRES, 06 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (15,3846%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 177.341 FOI MENOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 194.938 E MENOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = 202.514. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MAIOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 608.688 X 3T17 = 712.577. VALOR DE MERCADO (MIL) = 20.737.408; VALOR MAXIMO (MIL) = 20.737.408 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 12.737.408:

HYPE3
PREÇO: 32,80
PAYOUT (2016): 26,91%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 60,41
P/VPA 2,58
PSR 5,80
DY 0,45%
EV/EBITDA 16,53
MARGEM BRUTA 74,28%
MARGEM OPERACIONAL 33,72%
MARGEM LÍQUIDA 9,59%
LUCRO POR AÇÃO 0,543
MARGEM EBITDA 34,35%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 12,19%
ROE 4,27%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,52

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 118,25%
RESULTADO BRUTO 54,70%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -117,75%
RESULTADO OPERACIONAL 73,27%
RESULTADO LÍQUIDO -79,44%
EBITDA 12,22%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 17,70%
RESULTADO BRUTO 17,07%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 1266,86%
RESULTADO OPERACIONAL 17,43%
RESULTADO LÍQUIDO -12,43%
EBITDA 14,94%

c) lucro (taxa média anual)
UA -79,44%
U2A -0,74%
U3A -3,84%

d) patrimônio líquido médio
UA -5,56%
U2A 4,40%
U3A 4,72%

RECEITA LÍQUIDA = No terceiro trimestre de 2017, a Receita Líquida da Hypermarcas aumentou 17,7% em comparação com o mesmo período do ano anterior, atingindo R$954,6 milhões. Esse resultado reflete o avanço da demanda pelos produtos da Companhia, assim como a recuperação da carteira não atendida de cerca de R$35,0 milhões do 2T17. Nos 9M17, a expansão foi de 11,8%.

EBITDA = O EBITDA das Operações Continuadas atingiu R$292,0 milhões no 3T17, com crescimento de 14,3% em relação ao 3T16 e margem de 30,6% da Receita Líquida. Houve contração de 0,4 ponto percentual da Margem EBITDA em relação ao 3T16 sobretudo pela combinação entre redução da Margem Bruta e aumento, como percentual da Receita Líquida, das Despesas com Vendas, Gerais e Administrativas (ex-Marketing) e das Outras Despesas Operacionais, que foi apenas parcialmente compensada pela redução das Despesas com Marketing.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340627  - paulo_prof   -  01 Ago 2017, 17:49
Mais uma vez, o que segue é baseado exclusivamente nas operações continuadas. No 2T17, o lucro líquido foi impactado negativamente pelo prejuízo de R$ 44 milhões nas operações descontinuadas. Em consequência, no que segue o lucro líquido contábil do 2T17 foi aumentado em R$ 44 milhões.

Nestas condições e supondo que transitório negativo das operações descontinuadas seja breve, é possível que o ativo esteja dando uma oportunidade de compra.


HYPE3

PREÇO: R$ 28,03

PAYOUT (2016) 59,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 20,33

P/VPA 2,26

PSR 5,16

DY 2,93%

EV/EBITDA 13,69

MARGEM BRUTA 74,4%

MARGEM OPERACIONAL 33,9%

MARGEM LÍQUIDA 25,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,379

MARGEM EBITDA 34,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8,3%

ROE 11,10%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,35



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,77%

RESULTADO BRUTO +10,16%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -109,86%

RESULTADO OPERACIONAL +134,85%

RESULTADO LÍQUIDO +33,59%

EBITDA +10,28%



b) 2T17 sobre 2T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,17%

RESULTADO BRUTO +14,23%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +137,11%

RESULTADO LÍQUIDO +114,14%

EBITDA +12,60%



c) lucro líquido, nominal

UA 33,59%

U2A 49,14%

U3A 35,86%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 0,96%

U2A 6,56%

U3A 6,24%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,68

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +12,0% !!!!

337430  - TraderCenter -  02 Mai 2017, 23:07
A Hypermarcas, uma das maiores farmacêuticas brasileiras, registrou lucro líquido de R$ 183,5 milhões no 1° trimestre, queda de 81,8% na comparação com o mesmo período de 2016.
Em termos comparáveis, o lucro das operações continuadas subiu 114 por cento no comparativo anual, para 252,3 milhões de reais no primeiro trimestre, uma vez que a redução da dívida fez a companhia ter receita financeira de 14 milhões de reais, contra de despesa de 148,7 milhões de reais em igual etapa de 2016.

O resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) das operações continuadas foi de 349,4 milhões de reais, alta de 12,6 por cento ante mesmo período de 2016.

A receita líquida da empresa subiu para 12,2 por cento ano a ano, para 927,9 milhões de reais no primeiro semestre, refletindo a combinação de aumento do volume de vendas e reajuste de preços.
[...]

337365  - paulo_prof   -  01 Mai 2017, 02:06
Último comentário sobre HYPE3 pode ser encontrado em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=hype3&us...

O que segue é exclusivamente baseado nos resultados das operações continuadas. Os efeitos das operações descontinuadas na DRE foram ignorados (no 1T16, R$ 890 milhões foram deduzidos do lucro; no 2t16 e 3T16, respectivamente, foram deduzidos R$ 285 mil e 18,7 milhões; no 4T16, R$ 409 milhões foram somados ao prejuízo líquido e no 1T17 foram somados R$ 69 milhões.

HYPE3

PREÇO: R$ 30,06

PAYOUT (2016) 59,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 23,31

P/VPA 2,21

PSR 5,56

DY 2,56%

EV/EBITDA 14,98

MARGEM BRUTA 74,6%

MARGEM OPERACIONAL 31,8%

MARGEM LÍQUIDA 23,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,290

MARGEM EBITDA 34,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 10,3%

ROE 9,49%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,41



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,27%

RESULTADO BRUTO +11,87%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -94,58%

RESULTADO OPERACIONAL +189,33%

RESULTADO LÍQUIDO +37,80%

EBITDA +15,77%



b) 1T17 sobre 1T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,17%

RESULTADO BRUTO +14,23%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +137,11%

RESULTADO LÍQUIDO +114,14%

EBITDA +12,60%



c) lucro líquido, nominal

UA 37,80%

U2A 41,66%

U3A 48,98%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 9,02%

U2A 9,16%

U3A 7,93%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 14,17

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +21,0% !!!!

337355  - pedrosousa - 29 Abr 2017, 18:09
Hypermarcas tem lucro líquido de R$183,5 mi no 1º tri

FACEBOOK
TWITTER
GOOGLE +
PÁGINA INICIAL
ALTO CONTRASTE -A +A

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa de produtos famacêuticos Hypermarcas teve lucro líquido de 183,5 milhões de reais no primeiro trimestre, queda de 81,8 por cento ante mesma etapa do ano passado, quando o resultado tinha sido influenciado por efeito não recorrente.

No primeiro trimestre de 2016, a Hypermarcas teve lucro de um bilhão de reais, em resultado inflado pela entrada dos recursos da venda dos braços de cosmésticos e de preservativos, que rendeu 890 milhões de reais.

Em termos comparáveis, o lucro das operações continuadas subiu 114 por cento no comparativo anual, para 252,3 milhões de reais no primeiro trimestre, uma vez que a redução da dívida fez a companhia ter receita financeira de 14 milhões de reais, contra de despesa de 148,7 milhões de reais em igual etapa de 2016.

O resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) das operações continuadas foi de 349,4 milhões de reais, alta de 12,6 por cento ante mesmo período de 2016.

A receita líquida da empresa subiu para 12,2 por cento ano a ano, para 927,9 milhões de reais no primeiro semestre, refletindo a combinação de aumento do volume de vendas e reajuste de preços.

A companhia encerrou o trimestre com uma posição de caixa líquido de 1,26 bilhão de reais (pós hedge), como resultado da redução da dívida bruta de 2,19 bilhões de reais em março de 2016, para 889,6 milhões de reais no fim do primeiro trimestre deste ano.

None

http://noticias.r7.com/economia/hypermarcas-tem-lu...

335435 - BAC 1000   -  14 Mar 2017, 14:24
Hypermarcas à venda? Na noite de ontem, a Hypermarcas (HYPE3) divulgou que seu controlador, Joao Alves de Queiroz – conhecido como Junior – passou a deter 99,49 por cento das ações da Igarapava, dona de 20,1 por cento da Hypermarcas, após comprar a participação de seus irmãos. Além do aumento da participação, o empresário teria transferido para sua pessoa física 44 por cento da Igarapava que anteriormente eram detidos por outro veículo, Monte Cristalina. Assim a estrutura societária fica simplificada entre o controlador e HYPE3, o que pode ser lido como uma preparação para um evento de Fusão ou Aquisição da firma. Em nossa visão é o destino natural da empresa.

335270  - BAC 1000 -  09 Mar 2017, 14:42
http://exame.abril.com.br/negocios/hypermarcas-faz...

Citação: Modo de Leitura
Hypermarcas faz mudanças no setor de farma Após venda de ativos e mudança de foco nos negócios, Hypermarcas promoveu alterações em algumas diretorias Por Estadão Conteúdo access_time 9 mar 2017, 10h54 Farmácias FTB Hypermarcas: cargo de diretor de farma foi extinguido (Top Photo Corporation/Thinkstock) São Paulo – Com a venda de ativos e alterações no foco dos negócios, a Hypermarcas também realizará uma reestruturação organizacional, com o fim do cargo de diretor-presidente de farma. O atual executivo na função, Luiz Eduardo Violland, passará a ocupar o cargo de diretor geral de operações, bem como o conselho de administração. O atual diretor de relação com investidores, Breno Toledo Pires de Oliveira, acumula agora também a função de Diretor Executivo Financeiro. A companhia submeteu à assembleia de acionistas a proposta de criação do cargo estatutário de diretor jurídico e de compliance. Capital social A Hypermarcas submeterá proposta à Assembleia de acionistas de redução do capital social no valor de R$ 821,909 milhões, sem cancelamento de ações. A empresa também fará novo programa de recompra de até 10 milhões de ações. Segundo fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a redução do capital social ocorrerá por considerá-lo excessivo, tendo em vista os desinvestimentos realizados ao longo dos últimos meses, como dos negócios de cosméticos, preservativos e produtos descartáveis, e a estratégia no negócio de farma. De acordo com o documento, os acionistas receberão, a título de restituição de parte do valor de suas ações, o montante de aproximadamente R$ 1,30 por ação, que poderá ser ajustado até a data em que a redução de capital se tornar efetiva, conforme a quantidade de ações em tesouraria à época. Se aprovada, se tornará efetiva 60 dias após a publicação da ata da AGE. Novo programa de recompra acontecerá de 8 de março até 8 de setembro de 2018, com a aquisição de até 10 milhões de ações, que representam até 2,6% do total de 385.868.507 ações de emissão en circulação no mercado.

335269 - BAC 1000   -  09 Mar 2017, 14:36
• A Hypermarcas pretende realizar uma redução do capital social da  companhia no valor de R$ 821,90 milhões, com restituição de R$ 1,30 por  ação.

• A Hypermarcas também pretende abrir um novo programa de recompra de até 2,6% de suas ações em circulação no mercado.

334428 - marcosvinicius2   -  20 Fev 2017, 19:17
ATENÇAO: ESSES DADOS SÃO ATÉ O 3T16, O PROF. POSTOU OS DADOS DO 4T16, RESOLVI POSTAR DEVIDO AO HISTORICO GRAFICO:

EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T07 X 2T07, 3T09 X 4T09 E 4T10 X 1T11 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
Destaques: EBITDA das Operações Continuadas de R$255,5 milhões no 3T16, crescendo 14,3% em relação ao 3T15• Lucro Líquido de R$202,5 milhões no 3T16, aumentando 168,7% em relação ao 3T15• Fluxo de Caixa Livre de R$168,0 milhões no trimestre, contra R$17,3 milhões no 3T15• Posição de Caixa Líquido de R$151,8 milhões, após pagamento de R$158,1 milhões em dividendos e recompra de• ações de R$85,9 milhões no trimestre

HYPE3
PREÇO: 27,25
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,32
P/VPA 1,91
PSR 10,51
DY 0,00%
EV/EBITDA 16,34
MARGEM BRUTA 104,80%
MARGEM OPERACIONAL 42,48%
MARGEM LÍQUIDA 101,86%
LUCRO POR AÇÃO 2,641
MARGEM EBITDA 66,81%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20,15%
ROE 18,49%
LIQUIDEZ CORRENTE 4,09

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -67,62%
RESULTADO BRUTO -44,85%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -37,42%
RESULTADO OPERACIONAL 80,45%
RESULTADO LÍQUIDO 379,33%
EBITDA 9,62%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -38,53%
RESULTADO BRUTO -24,05%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -100,44%
RESULTADO OPERACIONAL 222,47%
RESULTADO LÍQUIDO 168,65%
EBITDA -1,03%

c) lucro (taxa média anual)
UA 379,33%
U2A 107,97%
U3A 72,30%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,42%
U2A 10,27%
U3A 8,16%

A Receita Líquida cresceu 9,8% no trimestre em relação ao 3T15, totalizando R$811,0 milhões. Nos 9M16, esse crescimento foi de 11,1%, em comparação ao mesmo período do ano anterior. O Lucro Líquido da Companhia alcançou R$202,5 milhões no trimestre, com aumento de 168,7% em relação ao 3T15, sobretudo em função da reversão das despesas financeiras líquidas para receita financeira líquida no 3T16, combinada a um melhor desempenho operacional, com aumento da Margem Bruta em 0,3 ponto percentual e queda das despesas com vendas, gerais e administrativas (ex-marketing) para 16,9%, como percentual da Receita Líquida, contra 18,3% no 3T15.

b0b50d809a.png

b0b6a55ac0.png

O EBITDA das Operações Continuadas atingiu R$255,5 milhões no 3T16, com incremento de 14,3% em relação ao 3T15 e aumento de margem de 1,2 p.p., para 31,5% da Receita Líquida. Esse desempenho reflete a melhoria do resultado operacional da Companhia, com aumento da margem bruta e redução das despesas com vendas, gerais e administrativas (ex-marketing), como percentual da Receita Líquida. Nos 9M16, também houve expansão do EBITDA das Operações Continuadas, para R$870,7 milhões, com margem de 35,6% da Receita Líquida. O aumento da margem está relacionado sobretudo à redução das despesas com marketing, vendas, gerais e administrativas, que mais que compensou a redução de margem bruta no período.

O Lucro Líquido das Operações Continuadas aumentou 211,7% em relação ao 3T15, para R$183,9 milhões no trimestre. Esse crescimento resulta principalmente de uma combinação entre melhoria do desempenho operacional e reversão das despesas financeiras líquidas de R$141,9 milhões no 3T15, para receita financeira líquida de R$0,7 milhão no 3T16. Combinado ao Lucro Líquido das Operações Descontinuadas, esse desempenho levou a um Lucro Líquido de R$202,5 milhões no trimestre, com expansão de 168,7%, na mesma base de comparação. Nos 9M16, o Lucro Líquido aumentou 400,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a R$1.387,0 milhões. Esse desempenho inclui o impacto do ganho de capital resultante da venda do negócio de Cosméticos pela Companhia no 1T16, mas não inclui ainda ganhos relacionados à venda do negócio de Preservativos, que foi concluída no início do 4T16.

334353 - paulo_prof   -  18 Fev 2017, 01:45
Analisar a Hype é meio ... enrolado ... por causa da alienação de dois de seus negócios. Devido ao impairment que teve que ser realizado num de seus negócios, a empresa reportou prejuízo de R$ 212 milhões no 4T16.

No que segue, tentei desconsiderar todos os números relativos às operações descontinuadas. Com a venda dos negócios descontinuados, o endividamento líquido que era considerável (mais de R$ 3,2 bilhões), tornou-se negativo. Nos 2 últimos trimestres de 2016 o resultado financeiro foi positivo, turbinando o resultado líquido das operações continuadas.

Não há como estimar a taxa de crescimento do lucro líquido e/ou ebitda nos próximos anos. Depois do salto conseguido em 2016 devido principalmente à drástica diminuição do endividamento, é discutível se nos próximos anos a empresa será capaz de postar as taxas estratosféricas de crescimento anual que o preço atual exige.

Uma outra questão a se considerar é aquela relativa aos proventos. Devido ao enorme caixa amealhado com a venda dos negócios, foi possível praticar um payout super generoso: mais de 100% do lucro líquido das operações continuadas foi distribuído. Dificilmente isto se repetirá. Em consequência, o DY deverá cair bastante no exercício de 2017 em diante.

Na minha opinião, o risco do preço atual ser exagerado não é pequeno!

HYPE3


PREÇO: R$ 27,25

PAYOUT (2016) 105,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 25,14

P/VPA 1,92

PSR 5,16

DY 4,13%

EV/EBITDA 14,24

MARGEM BRUTA 74,3%

MARGEM OPERACIONAL 26,7%

MARGEM LÍQUIDA 20,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,071

MARGEM EBITDA 34,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 10,1%

ROE 7,66%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,07



Taxas de Crescimento



a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,23%

RESULTADO BRUTO +10,49%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -62,75%

RESULTADO OPERACIONAL +138,27%

RESULTADO LÍQUIDO +95,25%

EBITDA +19,12%



b) 4T16 sobre 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,53%

RESULTADO BRUTO +12,01%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +454,79%

RESULTADO LÍQUIDO +147,42%

EBITDA +27,58%


c) lucro líquido, nominal

UA 95,25%

U2A 29,43%

U3A 37,99%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 95,25%

U2A 29,43%

U3A 37,99%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 13,39


Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +17,5% !!!!

329116  - paulo_prof   -  30 Out 2016, 14:47
Ativo muito interessante ... mas por que o controlador resolveu cair fora?

HYPE3
PREÇO: R$ 26,920
PAYOUT (2015): 28,1%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 10,16
P/VPA 1,88
PSR 5,30
DY 2,77%
EV/EBITDA 15,18
MARGEM BRUTA 74,2%
MARGEM OPERACIONAL 21,0%
MARGEM LÍQUIDA 52,2%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,651
MARGEM EBITDA 34,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 15,1%
ROE 18,49%
LIQUIDEZ CORRENTE 4,09

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -8,57%
RESULTADO BRUTO -3,32%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -29,56%
RESULTADO OPERACIONAL +63,49%
RESULTADO LÍQUIDO +379,33%
EBITDA +13,92%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,84%
RESULTADO BRUTO +10,42%
RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo
RESULTADO OPERACIONAL +265,32%
RESULTADO LÍQUIDO +168,65%
EBITDA +14,32%

c) lucro (taxa média anual)
UA 379,33%
U2A 107,97%
U3A 72,30%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,42%
U2A 10,27%
U3A 8,16%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 26,51

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +0,5% 
e HYPE3?
no radar de alguem?
Tenho dificuldades em "enxergar" a empresa depois que todo o transiente gerado pela venda dos segmentos de cosméticos e preservativos tiver sido concluído. 

Quando receber os R$ 600 milhões que que ainda estão faltando relativos à venda do segmento de preservativos, o endividamento líquido será negativo em aprox. R$ 850 milhões. O que a empresa fará com esta grana? Uma redução de capital? Distribuirá como dividendos?

Da forma como está, a empresa parece apta a gerar um Ebitda anual de R$ 1,3 bilhões. Acho pouco, para o valor de mercado de R$ 17,4 bilhões. Ou seja, em princípio (eventualmente não enxergando algum detalhe importante), estou achando HYPE3 cara.

HYPE3
PREÇO: R$ 27,45
PAYOUT (2015): 0%

P/L 11,75 
P/VPA 1,91 
PSR 3,56 
DY 0,00%
EV/EBITDA 12,33 
MARGEM BRUTA 61,2%
MARGEM OPERACIONAL 15,0%
MARGEM LÍQUIDA 30,3%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,337
MARGEM EBITDA 28,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 21,4%
ROE 16,29%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,82

Prof .
Olhando os números acima como uma fotografia talvez não seja possível captar a evolução da companhia. 
Marcada há alguns anos por ser uma serial buyer , a empresa deu uma guinada em direção ao core do negócio ( medicamentos ) , quando se desfez de alguns segmentos .
Desde então vem apresentando melhora expressiva em vários indicadores neste último ano . Destaque para diminuição da dívida bruta/pat liquido de 65% para 20% e elevação do ROE de 5% para 17% .
Levando-se em conta a expectativa do setor de medicamentos e a guinada administrativa não acha que há uma perspectiva de melhora ainda maior que pode se refletir no preço ?

Pois é ... não sei se é assim tão fácil desenvolver o negócio de medicamentos ... 

No que concerne os medicamentos de prescrição, é necessário investir no corpo-a-corpo junto aos médicos, para que prescrevam os produtos da empresa. No que concerne os medicamentos de "consumer health", é necessária propaganda pesada, etc ...

Tenho lá as minhas dúvidas em relação as taxas de crescimento anual de geração de caixa medida pelo ebitda que a empresa conseguirá produzir. Até o momento, no que concerne as operações continuadas, as taxas de crescimento do ebitda são muito robustas:

1S16 sobre 1S15: +18%
2T16 sobre 2T15: +26%

Mas, quais serão as taxas de crescimento quando as coisas entrarem em regime?  
                                                                                           ▲                                                                      ▲
320649 - TraderCenter  -  27 Abr 2016, 17:03
A Hypermarcas (HYPE3) teve lucro líquido atribuível aos sócios controladores de R$ 1,008 bilhão no primeiro trimestre deste ano, mais de 11 vezes os R$ 90,7 milhões de igual período de 2015.


O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) das operações continuadas somou 310,3 milhões de reais, alta de 11,2 por cento na comparação anual. A margem Ebitda caiu 0,3 ponto percentual, para 37,5 por cento.

A Hypermarcas concluiu no trimestre a venda de sua divisão de cosméticos para a francesa Coty, por 3,8 bilhões de reais, como parte dos esforços para reduzir o endividamento e concentrar-se na área farmacêutica.

Em janeiro, a Hypermarcas também anunciou a venda de sua divisão de presevativos para a grupo britânico Reckitt Benckiser por 675 milhões de reais.


No trimestre, a Hypermarcas teve receita líquida de 827,3 milhões, crescimento de 12,1 por cento sobre um ano antes, com destaque para medicamentos de prescrição médica.

Mesmo com esse esforço de desalavancagem, a companhia viu suas despesas financeiras líquidas crescerem 22,4 por cento, para 148,7 milhões, movimento influenciado por gastos com pré-pagamento de dívidas.

No período, a empresa fez a recompra parcial de 272,9 milhões de dólares em bônus no mercado internacional. Sem isso, a despesa financeira líquida teria caído em 59,5 milhões de reais. No fim de março, a posição de caixa líquida era positivo em 216,6 milhões, já considerando o resultado de hedge não realizado.

A coluna de despesas gerais e administrativas recuaram 4,1 por cento sobre um ano antes, para 38,1 milhões de reais
Resultado de imagem para hypermarcas

A Receita Líquida atingiu R$ 827,3 milhões no trimestre, com crescimento de 12,1% em relação ao 1T15, com destaque para medicamentos de prescrição médica. O EBITDA foi recorde e atingiu R$ 310,3 milhões, com margem de 37,5% da Receita Líquida, representando um crescimento de 11,2% contra o mesmo período de 2015. O Lucro Líquido passou de R$ 90,7 milhões para R$ 1.008,1 milhões, principalmente pelo resultado da venda do negócio de Cosméticos.

A Receita Líquida aumentou 12,1% no trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para medicamentos de prescrição médica.
Resultado de imagem para hypermarcas
A Margem Bruta decresceu 2,2 p.p. em relação ao 1T15 e correspondeu a 73,3% da Receita Líquida no 1T16, principalmente pelo aumento de custos de insumos importados. Em comparação com o trimestre imediatamente anterior, entretanto, houve expansão de 0,6 p.p., refletindo sobretudo uma melhoria de mix, que compensou o efeito negativo do câmbio no período.

O EBITDA das Operações Continuadas alcançou R$ 310,3 milhões no trimestre, com crescimento de 11,2% em relação ao 1T15 e margem de 37,5% da Receita Líquida, contra 37,8% no ano anterior. Nesse período, a redução das despesas, em particular das Despesas com Marketing, compensou quase integralmente a queda da Margem Bruta.

O Lucro Líquido das Operações Continuadas totalizou R$ 117,8 milhões, próximo ao patamar atingido no 1T15. Nesse período, o aumento das despesas financeiras, relacionado a gastos com pré-pagamento de dívidas, no total de R$ 86,7 milhões, foi compensado pela melhoria do desempenho operacional.

Somado ao Lucro Líquido das Descontinuadas, que atingiu R$ 890,3 milhões principalmente pelo resultado da venda do negócio de Cosméticos, esse desempenho levou a um Lucro Líquido de R$ 1.008,1 milhões no 1T16.

A Companhia reduziu sua dívida bruta em R$ 2.767,3 milhões em relação ao 4T15, para R$ 2.190,4 milhões ao final do 1T16. Essa redução inclui R$ 1.111,1 milhões relativos ao Bond da Companhia, que correspondiam a 87,3% do total em circulação no mercado.

Mesmo após tais pagamentos, a posição de caixa e equivalentes encerrou o trimestre em R$ 2.054,9 milhões, de modo que a Companhia chegou ao final do período com posição de caixa líquido positivo de R$ 216,6 milhões, já considerando o resultado de hedge não realizado

A Hypermarcas concluiu no trimestre a venda de sua divisão de cosméticos para a francesa Coty, por R$ 3,8 bilhões, como parte dos esforços para reduzir o endividamento e concentrar-se na área farmacêutica.

Em janeiro, a Hypermarcas também anunciou a venda de sua divisão de presevativos para a grupo britânico Reckitt Benckiser por R$ 675 milhões.

Resultado de imagem para hypermarcas
No trimestre, a Hypermarcas teve receita líquida de 827,3 milhões, crescimento de 12,1% sobre um ano antes, com destaque para medicamentos de prescrição médica.

Mesmo com esse esforço de desalavancagem, a companhia viu suas despesas financeiras líquidas crescerem 22,4%, para 148,7 milhões, movimento influenciado por gastos com pré-pagamento de dívidas.

No período, a empresa fez a recompra parcial de US$ 272,9 milhões em bônus no mercado internacional. Sem isso, a despesa financeira líquida teria caído em R$ 59,5 milhões. No fim de março, a posição de caixa líquida era positivo em 216,6 milhões, já considerando o resultado de hedge não realizado.

A coluna de despesas gerais e administrativas recuaram 4,1% sobre um ano antes, para R$ 38,1 milhões.
http://lupamercantil.blogspot.com/

310493  - paulo_prof  -  04 Nov 2015, 21:06
Resultados negativos tanto na base anual quanto trimestral. A venda do setor de cosméticos para a Coty deverá reduzir substancialmente a alavancagem da empresa e reduzir sensivelmente o resultado financeiro negativo, aumentando o lucro.

Supondo que a empresa consiga dobrar o lucro de hoje em diante. Ainda assim, para justificar o preço atual este lucro dobrado teria que crescer aprox. 18,8% nos próximos 5/6 anos!!!! Não é pouca !!! Acho pouco provável!

HYPE3
PREÇO: R$ 21,40
PAYOUT (2014): 0,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 38,83
P/VPA 1,75
PSR 2,67
DY 0,00%
EV/EBITDA 16,82
MARGEM BRUTA 61,5%
MARGEM OPERACIONAL 7,6%
MARGEM LÍQUIDA 6,9%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,551
MARGEM EBITDA 19,7%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 70,6%
ROE 4,50%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,89

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,57%
RESULTADO BRUTO +7,35%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -0,84%
RESULTADO OPERACIONAL -16,15%
RESULTADO LÍQUIDO -9,77%
EBITDA -7,67%

b) 3T15 sobre 3T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,09%
RESULTADO BRUTO +5,22%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +58,31%
RESULTADO OPERACIONAL -49,72%
RESULTADO LÍQUIDO -36,53%
EBITDA -7,19%

c) lucro líquido, nominal
UA -9,77%
U2A 3,30%
U3A 39,32%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 5,36%
U2A 4,71%
U3A 4,45%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 5,51

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +36,5%

301934  - paulo_prof  -  25 Jul 2015, 00:58
Embora um pouco menos do que no ano passado ... o ativo continua caro prá caramba!

HYPE3
PREÇO: R$ 20,11
PAYOUT (2014): 0,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 32,45
P/VPA 1,66
PSR 2,58
DY 0,00%
EV/EBITDA 15,56
MARGEM BRUTA 62,4%
MARGEM OPERACIONAL 9,3%
MARGEM LÍQUIDA 7,9%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,620
MARGEM EBITDA 20,7%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 62,0%
ROE 5,10%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,69

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,51%
RESULTADO BRUTO +7,69%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -14,59%
RESULTADO OPERACIONAL +9,56%
RESULTADO LÍQUIDO +12,74%
EBITDA -3,29%

b) 2T15 sobre 2T14, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,84%
RESULTADO BRUTO +5,34%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -9,68%
RESULTADO OPERACIONAL -13,84%
RESULTADO LÍQUIDO -9,27%
EBITDA -3,76%

c) lucro líquido, nominal
UA 12,74%
U2A 11,58%
U3A passou de negativo para positivo

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 5,58%
U2A 4,64%
U3A 4,24%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 8,20

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +31,0%

289713  - paulo_prof  -  07 Fev 2015, 11:52
No que concerne a última linha, a empresa continua apresentando taxas estratosféricas de crescimento !!! A geração de caixa medida pelo Ebitda, entretanto, não vem acompanhando ... ano-a-ano, o Ebitda permaneceu constante e trimestre sobre trimestre, mostrou involução. Isto mostra que o crescimento do lucro está sendo conseguido na base de um melhor resultado financeiro. De fato, o resultado financeiro negativo apresentou importante redução ano-a-ano e trimestre sobre trimestre. Se esta tendência não for revertida, ou seja, se a geração de caixa
medida pelo Ebitda não recomeçar a evoluir, a taxa de crescimento do lucro não poderá mais ser sustentada. Há que se estudar o case para entender a substancial melhora que houve na gestão financeira. Em dezembro de 2012, a dívida líquida era de R$ 2,2 bilhões. Em fins de 2013 a dívida líquida havia aumentado em R$ 550 milhões, depois de um resultado financeiro negativo em R$ 580 milhões. Durante o exercício de 2014 a dívida líquida evoluiu aprox. R$ 220 milhões, para um resultado financeiro negativo em R$ 420 milhões.

HYPE3
PREÇO: R$ 17,60
PAYOUT (2013 e 2014): 0% (alguém consegue explicar como esta empresa, com os lucros que tem, consegue não pagar proventos?

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 27,63
P/VPA 1,49
PSR 2,38
DY 0,00%
EV/EBITDA 13,83
MARGEM BRUTA 63,7%
MARGEM OPERACIONAL 10,5%
MARGEM LÍQUIDA 8,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,637
MARGEM EBITDA 21,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 64,3%
ROE 5,39%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,52

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,90%
RESULTADO BRUTO +8,49%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,47%
RESULTADO OPERACIONAL +57,16%
RESULTADO LÍQUIDO +56,86%
EBITDA +1,81%

b) 4T14 sobre 4T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,29%
RESULTADO BRUTO +11,15%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -46,28%
RESULTADO OPERACIONAL +60,28%
RESULTADO LÍQUIDO +30,19%
EBITDA -21,62%

c) lucro líquido, nominal
UA 56,86%
U2A 40,53%
U3A

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 4,70%
U2A 4,27%
U3A 5,49%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 6,37

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +26,5%

280227  - paulo_prof  -  25 Out 2014, 00:13
Embora incompatíveis com a sua precificação, a empresa já há tempos vem apresentando bons resultados, com uma impressionante taxa de crescimento do lucro líquido.

HYPE3
PREÇO: R$ 16,74
PAYOUT (2012): 50,1%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 27,40
P/VPA 1,43
PSR 2,35
DY 1,83%
EV/EBITDA 12,29
MARGEM BRUTA 64,5%
MARGEM OPERACIONAL 10,2%
MARGEM LÍQUIDA 8,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,611
MARGEM EBITDA 24,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 61,4%
ROE 5,21%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,12

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,96%
RESULTADO BRUTO +8,96%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +11,79%
RESULTADO OPERACIONAL +16,61%
RESULTADO LÍQUIDO +18,27%
EBITDA +13,30%

b) 3T14 sobre 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,77%
RESULTADO BRUTO +6,42%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -13,31%
RESULTADO OPERACIONAL +37,51%
RESULTADO LÍQUIDO +48,13%
EBITDA +11,44%

c) lucro líquido, nominal
UA 18,27%
U2A 73,12%
U3A

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 4,06%
U2A 3,99%
U3A 7,33%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 6,11

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +26,0%

269509  - paulo_prof  -  26 Jul 2014, 03:22
Embora eu ache que o ativo esteja absurdamente caro, completamente divorciado dos fundamentos (mais cedo do que tarde o preço vai ter que cair consideravelmente !!!), tenho que reconhecer que a empresa vai muito bem, obrigado ... esta, continua progredindo apesar dos ventos contrários que sopram da incompetente Brasília ...

HYPE3
PREÇO: R$ 19,00
PAYOUT (2012): 50,1%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 34,56
P/VPA 1,65
PSR 2,72
DY 1,45%
EV/EBITDA 13,85
MARGEM BRUTA 64,6%
MARGEM OPERACIONAL 9,5%
MARGEM LÍQUIDA 7,9%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,550
MARGEM EBITDA 23,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 59,1%
ROE 4,77%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,57

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,28%
RESULTADO BRUTO +11,27%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +32,06%
RESULTADO OPERACIONAL -3,28%
RESULTADO LÍQUIDO +10,44%
EBITDA +12,88%

b) 2T14 sobre 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,95%
RESULTADO BRUTO +5,51%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -52,53%
RESULTADO OPERACIONAL +988,74%
RESULTADO LÍQUIDO +532,74%
EBITDA +9,48%

c) lucro líquido, nominal
UA 10,44%
U2A
U3A 11,86%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 3,70%
U2A 3,57%
U3A 9,33%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 5,50

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +33,0%

242630  - paulo_prof  -  24 Fev 2014, 14:19
HYPE3
PREÇO: R$ 15,10
PAYOUT (2012): 50,1%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 37,16
P/VPA 1,35
PSR 2,24
DY 1,35%
EV/EBITDA 12,27
MARGEM BRUTA 64,5%
MARGEM OPERACIONAL 7,4%
MARGEM LÍQUIDA 6,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,406
MARGEM EBITDA 23,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 55,2%
ROE 3,63%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,97

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,94%
RESULTADO BRUTO +14,10%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +37,14%
RESULTADO OPERACIONAL -9,20%
RESULTADO LÍQUIDO +25,90%
EBITDA +15,34%

b) 4T13 sobre 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,97%
RESULTADO BRUTO +13,53%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +151,01%
RESULTADO OPERACIONAL -59,57%
RESULTADO LÍQUIDO -55,95%
EBITDA +19,12%

c) lucro líquido, nominal
UA 25,90%
U2A -
U3A -0,66%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 3,85%
U2A 5,88%
U3A 14,65%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 4,06

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +35,0%

220016 - paulo_prof  -  02 Nov 2013, 18:09
HYPE3
PREÇO: R$ 19,51
PAYOUT: 25,2%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 37,72
P/VPA 1,75
PSR 2,96
DY 1,33%
EV/EBITDA 15,99
MARGEM BRUTA 63,9%
MARGEM OPERACIONAL 9,5%
MARGEM LÍQUIDA 7,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,517
MARGEM EBITDA 22,2%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 65,8%
ROE 4,65%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,14

Taxas de Crescimento:

a) últimos 9 meses sobre os 9 meses terminados no 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,29%
RESULTADO BRUTO +14,31%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +9,77%
RESULTADO OPERACIONAL +23,32%
RESULTADO LÍQUIDO +154,64%
EBITDA +13,87%

b) 3T13 sobre 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,03%
RESULTADO BRUTO +15,62%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +107,30%
RESULTADO OPERACIONAL -26,63%
RESULTADO LÍQUIDO +17,26%
EBITDA +9,53%

c) lucro líquido, nominal
UA 153,41%
U2A -
U3A 5,40%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 3,93%
U2A 9,00%
U3A 17,90%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,46

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +28,0%

161806 - renato1631 -  28 Dez 2012, 23:12
Pois é...

Hypermarcas retoma confiança, dobra de tamanho e lidera Ibovespa no ano
Depois de um 2011 ruim, empresa se reestrutura, com o foco voltado para as áreas de farmácia e consumo pessoal

Por Fernando Ladeira |19h15 | 28-12-2012

SÃO PAULO - A primeira semana do ano já sinalizava o que viria pela frente. Depois de despencar 62% em 2011, as ações da Hypermarcas (HYPE3) davam início a este ano com ganhos de 20,6%, aos R$ 10,25. Mas poucos imaginavam que o papel chegasse ao fim de 2012 com praticamente o dobro de seu valor de mercado: valorização de 95,53%, aos R$ 16,62.

Os primeiros dias do ano foram cercados de rumores sobre a empresa. A informação que corria pelo mercado era de que o BTG Pactual (BBTG11) faria uma oferta para entrar no bloco de controle da Hypermarcas. Mesmo depois das duas empresas negarem as informações, surgiam notícias de que o banco de André Esteves ofereceu R$ 1 bilhão para comprar uma participação na empresa.

Esses rumores eram bem vistos pelo mercado, o que levou os analistas do HSBC a elevarem o preço-alvo das ações, mas não evitava que eles mantivessem uma cautela sobre a companhia. A recomendação aos papéis era neutra. Depois do crescimento desenfreado da Hypermarcas no passado, via aquisições, a empresa precisava vender ativos e reduzir a alavancagem.
A empresa resolveu, então, focar nas áreas de farmácia e consumo pessoal e se livrar de alguns ativos. O HSBC elogiava as medidas já adotadas pela companhia, mas defendiam que a administração da empresa ainda tinha que recuperar sua credibilidade perante o mercado.

Resultados mostram melhoras
Em março viria a primeira prova da empresa. Naquele mês a Hypermarcas revelou uma queda de 41% no lucro líquido do quarto trimestre, para R$ 49,6 milhões. Essa piora já era esperada, e mesmo assim as ações chegaram a cair 4,3% no pregão seguinte. Mas, após a empresa confirmar a intenção de montar uma joint venture para entrar no mercado de medicamentos biológicos, as ações voltaram a subir: ganhos de 2,4%, o segundo maior do Ibovespa naquele pregão.
A parceria veio no fim do mês. No dia 23 a Hypermarcas anunciou a parceria com a Aché, EMS e União Química. Para isso foi criada a Bionovis, com investimentos de R$ 500 milhões em cinco anos. A Hypermarcias entrou com 25% de participação no negócio.
Em maio, mais uma prova de confiança. As ações fecharam em forte alta de 5,7% depois de divulgar seus números trimestrais. Apesar do lucro avançar 24% entre janeiro e março, na comparação anual, para R$ 40,8 milhões, o número não surpreendeu o mercado.
O destaque, no entanto, foi a indicação de que ela realmente está cumprindo com o que foi prometido. A desconfiança do mercado começava a se dissipar.
Meses depois, já em agosto, a história se repete: a empresa divulga seus números do segundo trimestre e a ação lidera os ganhos do índice. Isso mesmo com o prejuízo de R$ 30 milhões no período, menor que o aguardado pelo mercado. Na ocasião Claudio Bergamo, presidente da Hypermarcas, disse em teleconferência pretender investir R$ 150 milhões em 2013.

Setembro: o mês em que o mercado se rendeu à Hypermarcas
Com as sinalizações de uma verdadeira reestruturação em curso, o HSBC, que no início do ano se mostrava desconfiado com o futuro da empresa, começava a se render. Os analistas voltaram a elevar o preço-alvo, mas não mexiam na recomendação neutra.
Não era apenas a empresa que tentava mudar para crescer mais. O governo também anunciava diversos estímulos à economia para tentar evitar uma piora no PIB (Produto Interno Bruto), cujas projeções já começavam a se deteriorar. Assim, Dilma Rousseff atuou, basicamente, no corte da tarifa de energia, na redução do spread bancário, no corte de impostos para indústrias e em investimentos em infraestrutura.
Muitas dessas medidas beneficiavam o consumo interno, e em setembro o Bank of America Merrill Lynch elegia a Hypermarcas como uma das principais beneficiadas. Logo em seguida foi a vez do Safra tecer elogios à empresa e elevar o preço-alvo, assim como a Ágora elevou sua recomendação para compra e o Citi a indicou como uma boa oportunidade no curto prazo.
Em novembro a empresa deixou o prejuízo para trás e reportou um lucro de R$ 68,4 milhões no terceiro trimestre do ano, acima do estimado pelo mercado. Dias depois, o HSBC enfim elevou a Hypermarcas para overweight (desempenho acima da média do mercado), ao destacar que ela é uma das poucas alternativas para se apostar no potencial de consumo farmacêutico no Brasil.
Dias depois, os analistas do HSBC voltaram a dizer que o investimento nela está menos arriscado. Mais que isso, disseram que o papel está com um desconto excessivo, sugerindo uma boa oportunidade de investimento.
No fechar das cortinas de 2012, a Hypermarcas anunciou em 13 de dezembro a cisão parcial das ações da Braga Holding e sua posterior incorporação. Essa medida foi justificada como mais um passo para alienar ativos, de modo a vender a antiga fábrica Luper Farmacêutica. Naquele pregão a ação da empresa disparou mais 5,7%, fechando o ano tão bem quanto começou.
Vice campeã, B2W dispara nos últimos meses do ano
Logo em seguida, as ações da B2W (BTOW3) também chamam a atenção. Elas passaram do fundo do poço em 2011, quando caíram 71%, ao posto de segunda melhor ação do Ibovespa em 2012, com valorização de 88,89%, aos R$ 17,00.
No ano passado a varejista sofreu com atraso nas entregas e perda de mercado pela entrada de novos concorrentes, o que levava a rumores de que a Lojas Americanas (LAME4) iria fechar o capital da companhia.
Já em janeiro a empresa de varejo online começou a resolver um de seus principais problemas do ano passado: o dos atrasos em entregas. Em conjunto com sua controladora, elas anunciaram investimentos de R$ 200 milhões em um novo centro de distribuição em Uberlândia.
Mesmo assim, a empresa enfrentava a desconfiança do mercado, já que o centro não entraria em operação imediatamente. As ações da B2W fecharam o primeiro trimestre do ano com queda de 24,5%, após revelar um fraco resultado trimestral para os três últimos meses do ano passado.
Até setembro, ação registrava perdas
Em maio a situação não mudava, já que a empresa divulgou um forte prejuízo no primeiro trimestre deste ano, 26 vezes maior que o visto no ano passado. Em junho a ação atingiu seu valor mais baixo no ano: R$ 5,05. Mas, desde então, o papel engatou uma sequência de alta e em meados de setembro já mostrava uma forte valorização de 70%.
Sem nenhuma explicação clara para esse movimento, em setembro fontes ouvidas pela InfoMoney revelaram que a B2W poderia ser vendida para a norte-americana Amazon. Com isso, o papel praticamente zerava as já fortes perdas no ano e atingiam perdas de apenas 3,6%.
Algum tempo depois, esses rumores perderam força e, em outubro, surgiu a informação de que a Amazon estaria em conversações para comprar a Saraiva (SLED4), o que foi negado pela própria empresa.
Mas ainda em outubro a ação da empresa liderava os ganhos do Ibovespa, com outro foco. Desde setembro a Lojas Americanas fez diversas investidas nas ações da B2W, chegando à participação de 60,4% em novembro. Isso novamente abria margem a especulações sobre o fechamento de capital da varejista online.

Em novembro, ela continuava a chamar atenção. O início do mês foi marcado por um rali que ninguém sabia explicar, nem mesmo a própria empresa. Ainda no mês a empresa divulgou seu resultado do terceiro trimestre, o que surpreendeu o mercado com uma melhora operacional, até então o ponto fraco da empresa. Apenas no mês, a ação disparou 54,8%, e com uma confiança mais forte do mercado abriu caminho para alcançar o posto de segunda maior alta do Ibovespa no ano.

156282 - paulo_prof - 11/Nov/2012 11:22
Antes de mais nada, quero deixar claro que não gosto da empresa (e de sua administração). A ambição da administração resultou em passos muito maiores do que as pernas que tiveram que ser corrigidos, na marra. Desde então, a empresa vem apresentando resultados voláteis, dependendo do resultado financeiro. Se o Resultado Financeiro é melhor do que aprox. R$ 150 milhões negativos, a empresa tem lucro, caso contrário, é prejuízo.


De qualquer forma, acho que HYPE3 está muito caro. Anualizando o lucro do 3T12 (que, considerando o histórico recente de resultados da empresa tem que ser considerado bom, pois foi o melhor desde o 2T11), obtém-se LPA = R$ 0,437.

Para que o preço atual de R$ 15,44 seja igual ao preço justo calculado pela fórmula do FCD, com perpetuidade real nula e uma taxa de desconto real de 8%, admitindo-se que a fase de crescimento da empresa extenda-se por 5 anos, seria necessário que o lucro anualizado do 3T12 crescesse a tna taxa anual real de 26,5%. Ou seja, o lucro do 3T12 teria que crescer, pelos próximos 20 trimestres, a uma taxa média real maior do que 6%!!!

Eu não acredito que a empresa consiga chegar perto desta performance ...
_____________________________________________________________________________
paulo_prof  Nível 5
Analisar a Hype é meio ... enrolado ... por causa da alienação de dois de seus negócios. Devido ao impairment que teve que ser realizado num de seus negócios, a empresa reportou prejuízo de R$ 212 milhões no 4T16.

No que segue, tentei desconsiderar todos os números relativos às operações descontinuadas. Com a venda dos negócios descontinuados, o endividamento líquido que era considerável (mais de R$ 3,2 bilhões), tornou-se negativo. Nos 2 últimos trimestres de 2016 o resultado financeiro foi positivo, turbinando o resultado líquido das operações continuadas.

Não há como estimar a taxa de crescimento do lucro líquido e/ou ebitda nos próximos anos. Depois do salto conseguido em 2016 devido principalmente à drástica diminuição do endividamento, é discutível se nos próximos anos a empresa será capaz de postar as taxas estratosféricas de crescimento anual que o preço atual exige.

Uma outra questão a se considerar é aquela relativa aos proventos. Devido ao enorme caixa amealhado com a venda dos negócios, foi possível praticar um payout super generoso: mais de 100% do lucro líquido das operações continuadas foi distribuído. Dificilmente isto se repetirá. Em consequência, o DY deverá cair bastante no exercício de 2017 em diante.

Na minha opinião, o risco do preço atual ser exagerado não é pequeno!

HYPE3

PREÇO: R$ 27,25

PAYOUT (2016) 105,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 25,14

P/VPA 1,92

PSR 5,16

DY 4,13%

EV/EBITDA 14,24

MARGEM BRUTA 74,3%

MARGEM OPERACIONAL 26,7%

MARGEM LÍQUIDA 20,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,071

MARGEM EBITDA 34,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 10,1%

ROE 7,66%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,07

Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,23%

RESULTADO BRUTO +10,49%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -62,75%

RESULTADO OPERACIONAL +138,27%

RESULTADO LÍQUIDO +95,25%

EBITDA +19,12%

b) 4T16 sobre 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,53%

RESULTADO BRUTO +12,01%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +454,79%

RESULTADO LÍQUIDO +147,42%

EBITDA +27,58%

c) lucro líquido, nominal

UA 95,25%

U2A 29,43%

U3A 37,99%

d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 95,25%

U2A 29,43%

U3A 37,99%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 13,39

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +17,5% !!!!

HYPE3

Empresa: HYPERMARCAS S.A. Ação: HYPERMARCAS ON Setor: Consumo não Cíclico Subsetor: Diversos
Resultado do 3º Trimestre de 2012

A empresa divulgou lucro líquido de R$ 68,4 M no terceiro trimestre de 2012, revertendo os prejuízos de R$ 29,9 M anunciados no 2° trimestre de 2012 e de R$ 190,5 M no 3° trimestre de 2011. A receita líquida somou R$ 1,0 B no terceiro trimestre de 2012, acréscimo de 3,4% em relação ao segundo trimestre de 2012 e crescimento de 16,1% em relação ao 3° trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 57,6% contra 59,0% no trimestre anterior e 53,9% no 3° trimestre de 2011. Já a margem líquida ficou em 6,8% no 3T12.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 12,3 B, redução de 4,6% em relação ao saldo no 3° trimestre de 2011. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 6,7 B no 3° trimestre de 2012, valor 2,2% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.




18969 - Gusmaran - 01/Mar/2012 22:12
Dani, a Hypermarcas VEM Tocando Uma Nova Estratégia com Foco in rentalbilidade. Venderam Negócios com Menores Margens, Novos Centros montaram de Distribuição los Goiás. Nao Acho uma barata Empresa, Mas Acho Que ELA PoDE Ficar Carissima SE ESSE Plano Tocar com maestria. Se voce Acredita Nisso, mantenha como Ações. Se entende Que ISSO dificil e, OU arriscado, saia depois dos R $ 14, porqué o horóscopo Disse Que vai bater ISSO! kkkk Pensando in Carteiras, eu manteria HYPE3 Como Consumo, algoritmos Entre 5 a 10% do portfólio. Eu Acho Que PoDE si tornar UMA tambem blue chip. Liquidez JÁ TEM, tão Falta uma Operação ganhar Maior porte, EO gestão Entregar o orientação. Freirota, POIs é ... eu estava comendo bola com OS Ativos. Tinha Muito Lixo ali. Papéis Que eu nao acredito HÁ tempos, alguns setores in ruínas, e parágrafo piorar SEM Liquidez. Fico feliz Que voce Gostou. Os tempos e MUDAM e Semper bom Poder Evoluir, Aprendendo Mais, e acompanhando o Mercado com Maior curiosidade.

72543 - paulo_prof - 09/Mai/2011 16:59
citação: harisonoliveira
citação: leleteHYPE3 já não esta com exagero na queda?

meu amigo.. acho que nao!!! pelo contrário acho que a hype ainda está muito cara mesmo com esta quedinha de -11%
abraçoss

... os maravilhosos novos múltiplos da HYPE3, baseados nos últimos 12 meses, são:

PREÇO: R$ 18,10
PAYOUT: 25,2%

P/L 48,67
P/VPA 1,68
PSR 3,38
DY 0,52%
EV/EBITDA 16,69
MARGEM BRUTA 58,2%
MARGEM OPERACIONAL 11,9%
MARGEM LÍQUIDA 7,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,372
MARGEM EBITDA 23,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 50,5%
ROE 3,45%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,15

O lucro de 2009 foi de R$ 313 milhões. O lucro de 2010 foi de R$ 262 milhões. O lucro nos 12 meses findos no 1T11 foi de R$ 233 milhões. Quem arrisca a estimar qual será o lucro nos 12 meses findos no 2T11?



A dívida líquida está na faixa de 2 vezes o Ebitda obtido nos últios 12 meses e 1,8 vezes o Ebitda anualizado do 1T11. Deveria ser algo menor ...

Análise Coin Valores
A Hypermarcas detém o mais completo portfólio de marcas do Brasil nos segmentos de Beleza e Higiene Pessoal, Medicamentos, Higiene e Limpeza, e Alimentos. Sua história começou em 2002 e, desde então, com investimentos agressivos em marketing e múltiplas aquisições, construiu uma companhia detentora de um extenso portfólio de marcas reconhecidas no Brasil, entre as quais Assolan, Apracur, Benegrip, Biotônico Fontoura, Bitufo, Bozzano, Cenoura & Bronze, Doril, Engov, Epocler, Etti, Finn, Gelol, Jontex, Lisador, Lucretin, Luper, Monange, Neo Química, Olla, Paixão, Pom-Pom, Rinosoro, Risqué, Sanifill, Sapeka, Très-Marchand, York e Zero-Cal. Para maiores informações visite: http://www.hypermarcas.com.br.

RETROSPECTIVA 2010
O ano de 2010 foi caracterizado pela consolidação da Hypermarcas enquanto maior empresa de bens de consumo com capital de origem brasileira. Diversos fatores contribuíram para a concretização deste cenário favorável. No âmbito macroeconômico, observamos a retomada do crescimento após a crise financeira e a provável tendência de continuidade no campo político, com a eleição de Dilma Roussef. Internamente, a Companhia obteve níveis significativos de crescimento de suas receitas (72%), com índices bastante expressivos de crescimento orgânico. Aliado a isso, a Hypermarcas continuou a realizar aquisições estratégicas, tanto em Beleza e Higiene Pessoal (Sapeka, Sanifill, York, Bitufo e Pom Pom Sabonetes), como em farmacêuticos (Luper), segmentos que estão em ciclos de expansão, apresentando maiores margens e crescimentos mais elevados.
Dessa forma, a Hypermarcas seguiu sua estratégia de aliar crescimento orgânico a aquisições estratégicas, que permitem capturar sinergias com sua plataforma operacional.

PERSPECTIVA 2011
Dentre as principais perspectivas para 2011 estão a continuidade do modelo estratégico, combinando aquisições e crescimento orgânico (“same brands sales”), bem como a condução de diversas iniciativas de modo a acelerar o desempenho operacional da companhia. Dentre estas iniciativas, destacam-se o impulsionamento dos ganhos de distribuição, com presença em um maior número de PDV´s, bem como uma melhor exposição nos mesmos; os lançamentos de diversos novos produtos e extensões de linhas já existentes; além do relançamento de marcas adormecidas. Dentro da metodologia de integração da companhia, o principal destaque é a consolidação do parque industrial de farmacêuticos em Anápolis, no estado de Goiás, que resultará em uma significativa economia de recursos, tanto em termos


operacionais, como logísticos.

35031 - paulo_prof - 10/Mai/2010 14:05
Acho que está explicado ...


No passivo, tanto circulante como no exigível de longo prazo, há uma linha que se refere a Títulos a Pagar. No circulante, o valor é de 462.227 e no exigível de longo prazo é de 953.820. Se somarmos estes valores aos R$ 408 milhões de empréstimos bancários e debêntures, chega-se a uma dívida líquida total de R$ 1,82 bilhões (um pouco maior do que informada acima). Para uma dívida desta ordem, os R$ 60 milhões negativos do resultado financeiro começam a fazer sentido. Na minha opinião, entretanto, numa primeira impressão, parece ser uma dívida relativamente cara (13,2% ao ano).

35027 - NotwenCardozo - 10/Mai/2010 13:33
Ações da Hypermarcas disparam mais de 7% após divulgação de resultado
Recomendar!Por: Valter Outeiro da Silveira
10/05/10 - 11h14
InfoMoney
SÃO PAULO – As ações da Hypermarcas (HYPE3) disparam 7,20% nesta sessão, após o anúncio do resultado operacional do primeiro trimestre deste ano, com lucro líquido de R$ 62,1 milhões, queda de 18,7% na base anual.
Segundo a empresa, "este resultado representa uma lucratividade em relação à receita líquida de 9,5%", porém, "excluindo-se as despesas que não afetam o caixa, o lucro líquido caixa no primeiro trimestre de 2010 foi de R$ 132,4 milhões, 67% acima do lucro líquido caixa no primeiro trimestre de 2009, e o correspondente a 20,2% da receita líquida".
O Ebitda (geração operacional de caixa) totalizou R$ 178,8 milhões, avanço de 75,1% na comparação com período igual do ano anterior, em linha com a receita líquida, que cresceu 70,7%, para R$ 656,8 milhões.
Dívidas, margens e aquisições
Depois de anunciar diversas aquisições corporativas recentemente, a dívida líquida da Hypermarcas totalizou R$ 1,82 bilhão, avanço em relação aos R$ 1,07 bilhão visto no mesmo período do ano passado. No fim de 2009, a dívida líquida era de R$ 1,71 bilhão. A margem Ebitda (relação percentual entre a receita líquida e o Ebitda) subiu 0,7 ponto percentual, para 27,2%.
“A empresa realizou nos últimos 2 trimestres um total de nove aquisições nos mercados estratégicos de saúde, beleza e higiene pessoal, que fortaleceram ainda mais seu posicionamento no mercado e que possibilitarão captura de múltiplas sinergias em várias áreas ao longo dos próximos 2 a 3 anos”, discorre a companhia, em documento anexo aos resultado.
http://web.infomoney.com.br//templates/news/view.asp?codigo=1850597&path=/i nvestimentos/ 



35022 - paulo_prof - 10/Mai/2010 12:32 
Hypermarcas foi mais uma empresa a apresentar um péssimo resultado financeiro. Só lendo mesmo o Relatório para entender como uma dívida líquida de R$ 408 milhões pode gerar um resultado financeiro negativo de R$ 60 milhões. Anualizado isto representaria despesas de 58,8% ... é mole? 



28553 - FOCKINK - 20/Fev/2010 10:22
P/L vai pra 35 ..eu ainda acho muito elevado....mas::: pra quem tem grana sobrando vale a pena arriscar um pouquinho....vamos ver se conseguirão manter o crescimento!! 

28552 - Gersonlp - 20/Fev/2010 09:37
Hypermarcas anuncia um crescimento de vendas em 2009 de 52%, EBITDA de R$511,7 milhões e Lucro Líquido Caixa de R$444,4 milhões
São Paulo, 19 de fevereiro de 2010 – A Hypermarcas S.A. (Bovespa: HYPE3; Reuters: HYPE3.SA; Bloomberg: HYPE3 BZ) anuncia hoje seus resultados referentes ao quarto trimestre e fechamento do ano de 2009.
Destaques do ano
· Receita Bruta de R$2.631,6 milhões, 48% superior a 2008
· Receita Líquida de R$2.025,3 milhões, 52% superior a 2008
· EBITDA(1) de R$511,7 milhões, representando margem de 25,3% da Receita Líquida
· Lucro Líquido de R$313,4 milhões, 51% superior a 2008
· Lucro Líquido Caixa(2) (Cash Earnings) de R$444,4 milhões, ou 21,9% da Receita Líquida
http://www.mzweb.com.br/hypermarcas/web/arquivos/Hypermarcas_ER_4T09_20100219_p ort.pdf

23220 - FOCKINK - 07/Dez/2009 10:21
citação: fe_jsantos

Alguém acompanha HYPE3?? os caras tem uma politica extremamente agressiva de aquisições...

Eu ainda acho um ativo caro em relação a outros P/VP= 3,2

e P/L = 91...

Mas vale como uma aposta pra longo prazo (mais de 5 anos)...e ver se conseguirão superar a Procter 

23216 - fe_jsantos - 07/Dez/2009 10:04
Hypermarcas compra laboratório Neo Química por R$ 1,3 bi
Transação cria o terceiro maior laboratório de capital brasileiro e o quarto maior em operação no País
Luana Pavani, da Agência Estado
Tamanho do texto? A A A A
SÃO PAULO - A Hypermarcas anunciou nesta segunda-feira, 7, compra do Laboratório Neo Química, fabricante de medicamentos genéricos e isentos de prescrição que será incorporado pela subsidiária Hypernova Medicamentos Participações. O valor do negócio é de R$ 686,737 milhões e envolve emissão de 17,5 milhões de ações da Hypermarcas, a serem subscritas pelos acionistas do Neo Química. A operação total está avaliada em cerca de R$ 1,3 bilhão. Ao final da transação, os controladores do Neo Química deterão 7,3% do capital total da Hypermarcas e participarão do bloco de controle da empresa.
Em comunicado, a Hypermarcas afirma que a transação cria o terceiro maior laboratório de capital brasileiro e o quarto maior em operação no País. No setor a Hypermarcas atua com a divisão DM em medicamentos OTC e a Farmasa em medicamentos de prescrição. Após a aquisição, o segmento deve representar 40% do faturamento total da Hypermarcas, conforme comunicado à imprensa.
"Completamos cinco aquisições no ano, com valor total de cerca de R$ 2 bilhões, em linha com a estratégia anunciada durante a oferta pública de ações da companhia, em julho deste ano", afirma o CEO da Hypermarcas Claudio Bergamo em comunicado.
O montante será pago em três parcelas, a primeira, de R$ 235.737.931,00, na data de implementação da operação, que depende de "autorizações societárias previstas nos termos dos respectivos estatutos sociais, e desde que verificadas certas condições estabelecidas no acordo", conforme o fato relevante. As outras duas parcelas, de R$ 225,5 milhões cada serão pagas no primeiro e no segundo aniversários, com correção pela variação do CDI. A Hypermarcas convocará assembleia geral extraordinária (AGE) de acionistas para aprovar o negócio, em data ainda não divulgada.


Fundado em 1959, o Neo Química tem faturamento bruto de R$ 380 milhões, com Ebitda (lucro antes de impostos, depreciações e amortizações) de cerca de R$ 95 milhões.

3288 - paulorizzi - 01/Abr/2009 00:12
"citação: Capa_PretaAlguem acompanha HYPE (Hipermarcas)? Deu uma esticada monstra desde os R$ 10,00. Se nao me engano os ultimos dados nao eram bons. Fiquei curioso."
Abraco
Capa
"De positivo, só tinha o crescimento monstro do patrimônio líquido. De 30MAR08 para 30SET08 triplicou, de R$ 687 milhões para R$ 2,086 bilhões."
"Parece, entretanto, que no 4T08 começou a ""abrir"" o bico. O aumento das receitas e resultado bruto foi acompanhado de um resultado financeiro líquido extremamente perverso (em 6 meses, para um resultado bruto de R$ 500 milhões, somou mais de R$ 350 mlhões). Isto fez com que, em 6 meses, a dívida líquida que era negativa em R$ 390 milhões, passasse para mais R$ 290 milhões. Patrimonio líquido, liquidez corrente, etc, diminuíram sensivelmente no 4T08 e o prejuízo no semestre somou R$ 230 milhões."


"Na minha opinião, o alto crescimento (desordenado) da empresa não justifica a valorização absurda do ativo (60% desde fins de janeiro)."



1576 - tittonel - 10/Fev/2009 00:35
"concordo com vc paulo mas essa empresa possui mto valor intangivel, que sao as marcas que ela possui, assim o endividamento pode ser consequencia das aquisicoes, entretanto as dividas sao de longo prazo e o fluxo de caixa parece estar em dia... mas essa camuflada no balanço tambem me fez ficar com um pe atras..."

1569 - paulorizzi- 09/Fev/2009 23:07
"citação: tittonelSmall, paulo, oq vcs acham de hype3??"
[]s
"O relatório 3T08 não diz muita coisa. Achei o mesmo deliberadamente lacônico. Para se ter uma idéia, o prejuízo recorde de mais de R$ 113 milhões no trimestre não merece sequer uma palavra de comentário. O relatório prefere enaltecer o ""lucro líquido ajustado"", positivo em R$ 103 milhões (em resumo, é descontar do prejuízo as despesas de amortização de agio, de R$ 113 milhões, e os resultados da variação cambial negativa, de R$ 138 milhões) e o ""lucro líquido caixa"", que é o lucro líquido ajustado menos o imposto de renda e contribuição social diferidos (de R$ 60 milhões)."
"80% do endividamento bruto (R$ 860 milhões) está atrelado à variação cambial, indicando que uma pancada semelhante deverá se repetir no 4T08."
"De positivo, o apetite e o crescimento da empresa. A receita bruta no 3T08 foi quase igual à receita do 6T08. O patrimônio líquido passou de R$ 1,3 bilhões para R$ 2,1 bilhões. O custo da ação está 20% acima do valor patrimonial. O caixa (R$ 450 milhões) é razoável e deve ser suficiente para atravessar as ""intempéries"" do 4T08."


"Para mim, o papel está caro, levando em consideração as incertezas."



7 - small caps - 31/Ago/2008 21:58
"Benevides, depois vou dar uma olhada na HYPE3. Como o IPO é mais recente, estou aguardando alguns resultados para verificar a tendência."

5 - Benevides - 31/Ago/2008 21:44
"Small , beleza faz tempo mesmo , mas sempre acompanho seus ativos .Sempre é bom ouvir um analista fundamentalista ."

Apareça sempre.

"Vc acompanha a HYPE3 tb? depois faça uma análise dela , me parece boa."

Nenhum comentário: