Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

terça-feira, 16 de julho de 2019

CR2 (CRDE)



Recomendações
CompraPaulo Prof (2018) - SmallCaps (abr/09)
Venda: SmallCaps (jun/09)
Carteiras
2Rath (abr/18) - disc126 (fev/17) - harleyhr (nov/17) - paulo_prof (jul/19) - Peter Lynch do Agreste (set/17) -
Balanços
1T2018 -
marcosvinicius2 -  
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LIQUIDA = No 1T18, a Receita Líquida foi de R$ 962 mil, comparado a R$ 1,04 milhões no 1T17. No 1T18 a companhia apresentou prejuízo Bruto ex-Juros SFH de R$ 64 mil, comparado a um lucro de R$ 73 mil no 1T17.; DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS (G&A)= O G&A foi de R$ 2,1 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 30% em relação ao 1T17(R$ 3,0 milhões) e uma redução marginal de 17% em relação ao 4T17(R$ 2,5 milhões); RECEITA E LUCRO LÍQUIDOS= No 1T18 a companhia apresentou Prejuízo líquido de R$ 7.068 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 2.729 mil no 1T17.

A2017/4T2017 -
marcosvinicius2 -  
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). No 4T17, a Receita Líquida foi de R$ 5,496 milhões, comparado a R$ 3,624 milhões no 4T16. Já o Lucro Bruto ex-Juros SFH foi R$ 2.417 mil, comparado a R$ 1.177 mil no 4T16.; DESPESAS G&A = O G&A foi de R$ 2,6 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 18% em relação ao 4T16 (R$ 3,1 milhões) e uma redução marginal de 11% em relação ao 3T17 (R$ 2,9 milhões). RECEITA E LUCRO LIQUIDOS = No 4T17 a companhia apresentou lucro líquido de R$ 1.290 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 43.676 mil no 4T16. A receita líquida apresentou um aumento de 52% na comparação com o 4T16, sendo fortemente impactado pelo recebimento das primeiras parcelas referentes a venda do terreno Manaú.

2T2017 -
marcosvinicius2  -
RECEITA LIQUIDA = No 2T17, a Receita Líquida foi de R$ 3,422milhões, comparado a R$ 6,468milhões no 2T16. Já o Lucro Bruto ex-Juros SFH foi R$ 581mil, comparado a R$ 2,056milhões no 2T16; DESPAESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS = O G&A ficou ligeiramente abaixo de R$ 3,0 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 7% em relação ao 2T16(R$ 3,2milhões) e uma redução marginal de 2% em relação ao 1T17(R$ 3,0milhões).
RECEITA E LUCRO LIQUIDOS = O prejuízo líquido no 2T17foi de R$ 1.069 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 1.363 mil no 2T16. A receita liquida apresentou uma queda de 47% na comparação com o 2T16, refletindo a grande redução do volume de estoques da companhia.
ESTOQUE E VALOR DE MERCADO DE RECEBIVEIS = Fechou-se o 2T17 com R$ 12 milhões de estoque a valor de mercado, uma redução de 42% em relação ao 2T16. Os Recebíveis de Clientes (Contas a Receber de Clientes) ficaram em R$ 37milhões neste trimestre, uma redução de 39% em relação ao 2T16. Mantendo-se em mente o impacto decorrente da reprecificação dos recebíveis do Link, ocorrido no 4T16.

1T2009 –
SmallCaps -
não gostou do balanço.

4T2008 –
Smallcaps -
gostou.
Características
Incorporação Imobiliária
Links
350656  - marcosvinicius2 -  02 Jun 2018, 13:21
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LIQUIDA = No 1T18, a Receita Líquida foi de R$ 962 mil, comparado a R$ 1,04 milhões no 1T17. No 1T18 a companhia apresentou prejuízo Bruto ex-Juros SFH de R$ 64 mil, comparado a um lucro de R$ 73 mil no 1T17.; DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS (G&A)= O G&A foi de R$ 2,1 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 30% em relação ao 1T17(R$ 3,0 milhões) e uma redução marginal de 17% em relação ao 4T17(R$ 2,5 milhões); RECEITA E LUCRO LÍQUIDOS= No 1T18 a companhia apresentou Prejuízo líquido de R$ 7.068 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 2.729 mil no 1T17.:

CRDE3
PREÇO: 1,04
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -5,71
P/VPA 0,28
PSR 4,42
DY 0,00%
EV/EBITDA -2,44
MARGEM BRUTA 28,18%
MARGEM OPERACIONAL -94,97%
MARGEM LÍQUIDA -77,43%
LUCRO POR AÇÃO -0,182
MARGEM EBITDA -123,54%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,39%
ROE -4,98%
LIQUIDEZ CORRENTE 7,10

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,76%
RESULTADO BRUTO -3,40%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -30,76%
RESULTADO OPERACIONAL -62,55%
RESULTADO LÍQUIDO -81,32%
EBITDA -57,55%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -8,21%
RESULTADO BRUTO 55,32%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -43,46%
RESULTADO OPERACIONAL 304,89%
RESULTADO LÍQUIDO 159,00%
EBITDA 202,23%

c) lucro (taxa média anual)
UA -81,32%
U2A -51,15%
U3A -34,61%

d) patrimônio líquido médio
UA -13,08%
U2A -13,90%
U3A -17,92%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND !!!!
[...]

348768  - marcosvinicius2-  08 Abr 2018, 15:13
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). No 4T17, a Receita Líquida foi de R$ 5,496 milhões, comparado a R$ 3,624 milhões no 4T16. Já o Lucro Bruto ex-Juros SFH foi R$ 2.417 mil, comparado a R$ 1.177 mil no 4T16.; DESPESAS G&A = O G&A foi de R$ 2,6 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 18% em relação ao 4T16 (R$ 3,1 milhões) e uma redução marginal de 11% em relação ao 3T17 (R$ 2,9 milhões). RECEITA E LUCRO LIQUIDOS = No 4T17 a companhia apresentou lucro líquido de R$ 1.290 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 43.676 mil no 4T16. A receita líquida apresentou um aumento de 52% na comparação com o 4T16, sendo fortemente impactado pelo recebimento das primeiras parcelas referentes a venda do terreno Manaú.:

CRDE3
PREÇO: 1,23
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -13,27
P/VPA 0,30
PSR 5,19
DY 0,00%
EV/EBITDA -5,80
MARGEM BRUTA 28,19%
MARGEM OPERACIONAL -32,37%
MARGEM LÍQUIDA -39,08%
LUCRO POR AÇÃO -0,093
MARGEM EBITDA -64,21%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,76%
ROE -2,27%
LIQUIDEZ CORRENTE 8,27

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -32,80%
RESULTADO BRUTO -32,69%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,94%
RESULTADO OPERACIONAL -87,27%
RESULTADO LÍQUIDO -90,51%
EBITDA -77,78%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -32,80%
RESULTADO BRUTO -32,69%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,94%
RESULTADO OPERACIONAL -87,27%
RESULTADO LÍQUIDO -90,51%
EBITDA -77,78%

c) lucro (taxa média anual)
UA -90,51%
U2A -65,20%
U3A -49,90%

d) patrimônio líquido médio
UA -15,19%
U2A -16,20%
U3A -17,72%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND% !!!!
[...]

348381  - paulo_prof  -  25 Mar 2018, 03:30
Qual é a sua opinião sobre a CRDE3?

Ativo Total de R$ 221,9 milhões em 31DEZ2017, composto principalmente por

Caixa de R$ 24,2 milhões

Recebíveis de R$ 41,7 milhões

Estoques de R$ 124,2 milhões

Total de Obrigações (Circulante e não Circulante) de R$ 24,1 milhões

Como o caixa cobre TODAS as obrigações, por que é que o valor de mercado hoje, de R$ 61,5 milhões, é apenas 33% do Patrimônio Líquido de R$ 184,3 milhões? Desconsiderando outros ativos, porque o valor de mercado é somente 37% dos R$ 166 milhões disponíveis em recebíveis e estoques? Em qualquer lugar (decente) do planeta, o preço do ativo seria algo próximo de seu valor patrimonial, não seria?

Talvez a explicação esteja no descompasso entre as despesas gerais e administrativas (incluindo, como não poderia deixar de ser, o pessoal, especialmente aquele da administração e do conselho) e a Receita Líquida gerada.

Está mais do que claro (a menos que haja uma guinada violenta de rumo), que a empresa está num longo processo de liquidação, pois não lança nem pensamento, já há nem sei quantos anos.

Abaixo, listo as Receitas Líquidas obtidas nos últimos 4 anos, e as respectivas despesas gerais e administrativas.

2014: 19.713/23.156

2015: 29.446/20.975

2016: 17.094/13.243

2017: 11.488/11.514

TOTAL: 77.741/68.888

Se as despesas com vendas fossem incluídas, as despesas totais com vendas, gerais e administrativas nos 4 anos, R$ 79.951, seria maior do que a Receita Líquida.. Ridículo!

Em 2017, as despesas com pessoal emplacaram R$ 4 milhões, incluindo aprox. R$ 2,1 milhões para os membros da Diretoria e Conselho. Não tive saco de somar as despesas com pessoal no período de 4 anos de "desenvestimento", mas chuto que foram mais de R$ 20 milhões.

As perguntas que se devem fazer, são:

Considerado o objetivo geral de liquidar a empresa, quais são as efetivas responsabilidades da Diretoria e do Conselho de Administração?

Será que a remuneração da Diretoria/Conselho é compatível com estas responsabilidades?

Será que é razoável despender, com vendas e administração, mais do é arrecadado com a venda/queima de ativos?

Quantos anos ainda serão despendidos neste lenga-lenga que só é conveniente para alguns poucos atores do processo?

A cada ano há uma redução injustificável no patrimônio da empresa. Em tese, se este processo continuar indefinidamente, chegará o dia em que os acionistas terão que tirar do bolso.

341918  - marcosvinicius2  -  09 Set 2017, 14:56
RECEITA LIQUIDA = No 2T17, a Receita Líquida foi de R$ 3,422milhões, comparado a R$ 6,468milhões no 2T16. Já o Lucro Bruto ex-Juros SFH foi R$ 581mil, comparado a R$ 2,056milhões no 2T16; DESPAESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS = O G&A ficou ligeiramente abaixo de R$ 3,0 milhões neste trimestre, apresentando uma redução nominal de 7% em relação ao 2T16(R$ 3,2milhões) e uma redução marginal de 2% em relação ao 1T17(R$ 3,0milhões).

CRDE3
PREÇO: 1,43
PAYOUT (2016): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -1,47
P/VPA 0,37
PSR 6,71
DY 0,00%
EV/EBITDA -1,60
MARGEM BRUTA 17,92%
MARGEM OPERACIONAL -279,66%
MARGEM LÍQUIDA -454,82%
LUCRO POR AÇÃO -0,970
MARGEM EBITDA -340,66%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,34%
ROE -25,40%
LIQUIDEZ CORRENTE 8,55

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -62,97%
RESULTADO BRUTO -74,04%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 39,28%
RESULTADO OPERACIONAL 12,55%
RESULTADO LÍQUIDO 29,97%
EBITDA 27,42%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -47,09%
RESULTADO BRUTO -71,74%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 11,91%
RESULTADO OPERACIONAL -2,77%
RESULTADO LÍQUIDO -21,57%
EBITDA 24,67%

c) lucro (taxa média anual)
UA 29,97%
U2A 42,52%
U3A 19,24%

d) patrimônio líquido médio
UA -16,33%
U2A -20,36%
U3A -17,55%

RECEITA E LUCRO LIQUIDOS = O prejuízo líquido no 2T17foi de R$ 1.069 mil, comparado a um prejuízo líquido de R$ 1.363 mil no 2T16. A receita liquida apresentou uma queda de 47% na comparação com o 2T16, refletindo a grande redução do volume de estoques da companhia.

ESTOQUE E VALOR DE MERCADO DE RECEBIVEIS = Fechou-se o 2T17 com R$ 12 milhões de estoque a valor de mercado, uma redução de 42% em relação ao 2T16. Os Recebíveis de Clientes (Contas a Receber de Clientes) ficaram em R$ 37milhões neste trimestre, uma redução de 39% em relação ao 2T16. Mantendo-se em mente o impacto decorrente da reprecificação dos recebíveis do Link, ocorrido no 4T16.

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

335561  - paulo_prof   -  16 Mar 2017, 14:54
Vendo a DRE da CR2, um detalhe me chamou a atenção. No 4T, apesar de estar postando prejuízo, o IR/CS efetivo é positivo. Isto deve ser causado pelo diferimento de impostos no passado, e que agora terão que ser pagos.

Acredito que este será o caso da maioria das incorporadoras. Como esta despesa de IR/CS diferido é contabilizada no 4T, acho que a tendência será as incorporadoras apresentarem resultados piores do que os esperados no 4T.

A ver!

123041 -  paulo_prof - 28/Mar/2012 22:09
CRDE3
PREÇO: R$ 5,40
PAYOUT (2011): 33,65%

multiplos baseados nos últimos 12 meses:
P/L      35,28
P/VPA            0,63
PSR     1,34
DY      0,95%
EV/EBITDA  11,19
MARGEM BRUTA  38,6%
MARGEM OPERACIONAL          6,8%
MARGEM LÍQUIDA          3,8%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 0,153
MARGEM EBITDA 21,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       57,7%
ROE    1,79%
LIQUIDEZ CORRENTE     2,00
P/(CAP GIRO/AÇÃO)         1,16

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA      -84,21%         
U2A    -29,92%         
U3A    -41,78%         

b) do patrimônio líquido médio
UA      1,61%
U2A    3,11%
U3A    1,78%

Se comparados com os do exercício de 2010, os resultados de 2011 são pífios ... Mas considerando o desastre que foi o 1o. semestre, os resultados do 2o. semestre são surpreendentes.

Anualizando os resultados do 2o. semestre, obtém-se os seguintes indicadores:

P/L      4,08
P/VPA            0,63
PSR     1,05
DY      8,24%
EV/EBITDA  4,63
MARGEM BRUTA  55,8%
MARGEM OPERACIONAL          29,5%
MARGEM LÍQUIDA          25,6%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,323
MARGEM EBITDA 40,5%
ROE    15,48%

Taxas anuais médias de crescimento nominal do lucro líquido
UA      36,45%
U2A    106,01%
U3A    19,48%

Taxa semestral média real de crescimento do lucro líquido semestral durante 6 semestres, necessária para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto semestral real de 4,88% (10% ao ano) seja 50% superior ao preço atual: -9%

Se o lucro do 4T11 for anualizado, então, nem se fala ... o P/L vai para 2,75!!!

O Relatório merece ser lido ... se o lucro do 4T11 foi recorrente, o ativo pode ser uma opção muito interessante. Um outro dado positivo é o comportamento da dívida líquida ... as atividades operacionais geraram um caixa líquido, ou seja, os tempos de queima de caixa parecem ter ficado para trás.

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

-  CR2 Empreendimentos Imobiliários S.A. ("CR2" ou "Companhia") é uma das principais incorporadoras imobiliárias que atuam no Grande Rio e Grande São Paulo. A CR2 criou e implementou um modelo diferenciado de negócio, que tem como foco a incorporação imobiliária, baseando-se em parcerias para cada empreendimento que desenvolve e que são gerenciadas e controladas pela Companhia. Diferentemente de muitas das construtoras e incorporadoras tradicionais do Brasil, a CR2 foca na atividade de incorporação imobiliária, formando parcerias para cada um de seus projetos, especialmente com construtoras e empreiteiras locais, buscando aproveitar a expertise específica, conjuntamente à da Companhia na execução dos projetos.

Por meio do controle de suas parcerias, a CR2 é capaz de administrar ativamente o seu nível de risco e liquidez, determinando quando e até mesmo se deverá ocorrer uma incorporação imobiliária, a velocidade de execução de tal empreendimento e a sua estrutura de custo e preço, otimizando, assim, a velocidade de vendas e o retorno para aquele dado nível de risco.

A Companhia acredita que seu modelo de negócio baseado em parcerias, das quais detém o controle, especialmente em um mercado imobiliário altamente fragmentado como o brasileiro, promove múltiplas oportunidades de novas incorporações, que lhe permitem operar com eficiência em vários segmentos do mercado – do Segmento Residencial de Alta Renda ao Segmento Residencial Econômico, empreendimentos comerciais e Shopping Centers, variando de acordo com as condições do mercado. 

      
Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
24/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
CRDE3
    5,10
15,9
0,63
10,0
17,1%
6,3%
0,6
7%
6,3%
-35,7%

·  PONTOS POSITIVOS:

- Receita Operacional Líquida 55.050  +79% 3Tx2T11

- Lucro Bruto 25.740m  ( frente a prejuízo no 2T11 mostrando melhora operacional )

- Lucro Bruto (ex- Juros SFH) 28.690   +989% 3Tx2T11

- % Margem Bruta (ex-Juros SFH) 52,1%  +8,5p.p. 3Tx2T11

- EBITDA(1) 21.218   ( negativo no 2T11 )

- % Margem EBITDA 38,5% 3Tx2T11

- Lucro Líquido Antes Minoritários 14.369 m 

- A empresa anunciou lucro líquido de R$ 8,2 M no 3T11, uma variação de 1.831,5% em relação ao terceiro trimestre de 2010, revertendo o prejuízo de R$ 17,5 M anunciados no segundo trimestre de 2011.

- Patrimônio Líquido CR2 (PL CR2) 391.728m +2% 3Tx2T11

    
·  PONTOS NEGATIVOS

- Caixa   29.741m   -25%  3Tx2T11

- % Margem Bruta 46,8%  -2,9p.p.  3Tx2T11

- Dívida Corporativa 151.937 +19%  3Tx2T11

- Dívida (Caixa) Líquida / PL CR2 (ex-SFH) 31,2%   ( apesar de baixa proporcionalmente, aumentou 8,4p.p. no trimestre )

- No 3T11, as vendas contratadas líquidas de distratos foram R$12,3mm (%CR2 R$10,1mm), comparado a R$20,4mm (%CR2 R$15,8mm) no 2T11. No 9M11, as vendas totalizaram R$46,4mm (%CR2 R$35,0mm), comparado a R$142,9mm (%CR109,2mm) no 9M10. Esta redução no volume de vendas é decorrente do baixo nível de estoque da Companhia, foco em ganho de preços em detrimento da velocidade de vendas e distratos concentrados em projetos em fase de entrega

- Despesas Gerais e Administrativas 9.888  +10%  3Tx2T11





VISÃO ESTRATÉGICA
-   
·  CURIOSIDADES

- Niterói Plaza:

  Direito de incorporação torre comercial(SPE-31):

 VGV R$89 mm (%CR2 R$ 72mm)

Bookvalue 2T11: R$1,3mm (1,5% s/ VGV) Valorda Venda:R$32,27mm

Valor recebidona assinatura: R$6,27mm

Valor restante até Fev/14: R$26mm (corrigidopeloIPCA)    

         

·  OPINIÃO DO ANALISTA
- A empresa atua nos segmentos de obras mais econômicas de construção, onde as margens são menores e o impacto da redução do crédito é maior. Proporcionalmente não está com tanta exposição à dívida quanto as demais e continua a consumir caixa; mas suas cotações estão muito deprimidas apesar da melhora no resultado operacional.

Análise Coin Valores
A CR2 Empreendimentos Imobiliários S.A. é uma das principais incorporadoras imobiliárias que
atua no Rio de Janeiro e em São Paulo. Criou e implementou um modelo diferenciado de negócio, que tem como foco único a incorporação imobiliária, baseando-se em parcerias para cada empreendimento que desenvolve e que são gerenciadas e controladas pela Companhia.
Suas ações são negociadas no Novo Mercado, nível máximo de governança corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), sob o código CRDE3, e suas ADRs são negociadas nos EUA no mercado de balcão (OTC - Over The Counter), sob o código CREIY.

RETROSPECTIVA 2010
Nos nove primeiros meses de 2010, a Companhia entregou 5 projetos, com VGV total de R$ 230mm. Até o final de 2010, a empresa pretende entregar um VGV total acumulado de R$ 702,5mm, ou 69% do VGV lançado. Esse fato demonstra a atual posição da CR2 de entregar os
projetos lançados e reforçar o caixa da Companhia, para então iniciar um novo ciclo de lançamentos. Dos R$ 702,5mm previstos para entrega até o final de 2010, 94% se encontram vendidos ao final do 3T10, o que mostra a boa aceitação dos produtos CR2 no mercado.
Ao longo de 2010, a posição de caixa da Companhia passou de R$ 35,4mm no final de 2009 para R$ 63,7mm no 3T10. Além disso, em 5 de novembro de 2010, a Companhia emitiu sua primeira debênture, no valor total de R$ 60mm, com prazo de vencimento de 3 anos e início da amortização do principal em novembro de 2012. A taxa da debênture é de CDI + 2,5% a.a. e os recursos provenientes desta captação serão destinados ao reforço do capital de giro, à aquisição de terrenos e ao reperfilamento da dívida. Os bancos coordenadores desta operação foram o BB Banco de Investimento S.A. (coordenador líder) e Bradesco BBI S.A. Também em novembro, a Companhia retornou seu ciclo de lançamentos com dois projetos lançados no Rio de Janeiro: Jardim Paradiso IIB-III e Splendore Valqueire II. Os dois empreendimentos se enquadram no segmento econômico e somam um VGV total de R$ 126mm, sendo R$ 89mm provenientes do Jardim Paradiso IIB-III e R$ 37mm do Splendore Valqueire II. Este movimento está em linha com o momento da Companhia de entrega do VGV lançado, monetização dos recebíveis e fluxo de caixa operacional positivo.

PERSPECTIVA 2011
A CR2 está bastante otimista e motivada em relação ao ano de 2011, estamos prontos para retomar um ritmo mais elevado de lançamentos, aproveitando a privilegiada posição do nosso
land bank, focado no segmento de baixa renda e com exposição na região da Barra da Tijuca, positivamente impactada pela escolha do Rio como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. A retomada dos lançamentos irá impulsionar os resultados da Companhia em 2011, assim como


aumentar a visibilidade da CR2 no mercado.

31720 - lbiazao - 30/Mar/2010 12:50
Estou analisando o Resultado da CR2 empresa que no passado já investi em 2008. Neste periodo a CR2 tinha um Guidance de lançamento de R$ 800 Milhões. Fica bem claro que naquele momento não chegou nem perto disto.
Lendo a descrição no resultado da pra ver a grande incompetencia dos administradores, que como muitas outras pegaram o dinheiro da IPO torraram tudo que podia em Terrenos, sem deixar nada para o caixa e quando a crise apertou, faltou dinheiro para as obrigações:
"O ano de 2009 é claramente dividido em quanto que a crise, que foi principalmente uma crise de crédito, nos impactou e como foi a administração e saída da crise ao longo do ano.
Nossa única alternativa, dada a ausência de fontes de crédito, era nos adequarmos à realidade. Isto significou pararmos os lançamentos de novos projetos que compromentem caixa no futuro e ajustarmos o ritmo de obras ao caixa disponível. A consequencia inevitável é o impacto de tais medidas provocam na rentabilidade. Deixar de observar as medidas de administração de caixa iria contra nosso comprometimento de longo-prazo, que foi o que sempre nos guiou. "
Bom da vontade de chorar só de ler este texto no resultado.
Mas vem um pouco mais da prova de incompetencia tentando criar um otimismo:
"2010 promete ser uma continuação do final de 2009. É importante frisar que o fato da crise ter nos obrigado a suspender lançamentos de projetos já em carteira nos propiciou, na sua saida, ter um estoque de terrenos a preços que no momento seriam bem mais altos para adquirí-los."
Deviam ter vendidos estes terrenos para recompor o caixa e seguir com suas obrigações mas pagaram um alto preço pra manter este estoque.
Ainda lançaram um Guidance de R$ 400 Milhões, metade do guidance de 2008.
Bom os números estão pra mostrar.
% Margem Bruta: 21,7%
% Margem Liguida 5%
Muito fraco, realmente quando vamos investir tem que estudar bem quem são os controladores e saber se eles tem competencia para administrar o negócio ou se estão sendo apenas muito ambiciosos.
Espero que isto prove que CR2 não tem uma boa administração mesmo com multiplos que possam indicar o contrario. Mas neste caso. É Fria.

11920 - octacm - 17/Ago/2009 10:26
Segue minha avaliação sobre CRDE3 comparativo 1 semestre de 2009 e 1 semestre de 2008
Receita operacional subiu 44%
Lucro Bruto subiu 5%
Lucro liquido caiu 78% em relação ao semestre de 2008, porém subiu 173% em relação ao 1T09, o que demonstra uma melhora da empresa para o atual cenario.
EBTIDA caiu 50% em relação ao 2T08, porém subiu 243% em relação ao 1T09
Caixa da empresa caiu 75%, mas continuando positivo. O Caixa liquido da empresa caiu 93% - A empresa afirma que haverá uma entrada de caixa de aproximadamente 100 milhoes no 4T09, fazendo com que sua situação de caixa melhore significativamente
A empresa não apresentava dividas no segundo trimestre de 2008, porém hoje apresenta uma divida de 24 milhoes - A empresa afirma que esta divida será amortizada até o final do ano a medida que houverem os repasses do plano empresario, desta forma esta amortização não causará impactos ao caixa da empresa.
Apesar de não ter realizado nenhum novo lançamento, a empresa conseguiu vender 529 unidades de seu estoque, sendo 387 no 2 trimestre e 142 no primeiro trimestre
A empresa afirma que no segundo semestre há uma previsão de lançamentos, sendo 883 unidades no 3T09 sendo destes 89% vendidos e 1793 unidades no 4T09 sendo 73% destes já vendidos
O preço médio das unidades vendidas é de 120 mil reais, focando imoveis para o minha casa minha vida.
Atualmente 100% do seu banco de terrenos está focado para imoveis populares com foco no projeto minha casa minha vida do GF
A empresa apresenta um lucro 77 milhoes a apropriar, vale salientar que o lucro liquido do 2T09 foi por volta de 2,5 milhoes
Para analistas tecnicos
Media movel de curto prazo acima da de longo prazo indicando manter
O grafico continua em seu canal de alta indicando continuação de alta
O grafico tocou a zona de resistencia das fibos e reverteu em queda indicando queda temporaria
Considero que a empresa ainda é boa para comprar...
Apresenta ainda uma relação de p/vp de 0,83 (media do setor de 1,2, logo potencial de valorização de 50%), p/L de 8,92 com dy 6,5% e uma relação de div./patrimonio de 23%
http://twitter.com/octavioemacao 

8852 - paulo_prof - 13/Jul/2009 14:35
No 2T08, aconteceram os seguintes eventos:
a) lucro extraordinário não recorrente de R$ 15,3 milhões; e
b) despesa com JCP de R$ 11,2 milhões
Não fossem estes eventos, o lucro líquido do 2T08, em vez dos polpudos R$ 24 milhões divulgados (e que vc está usando para calcular os seus indicadores) não teria alcançado R$ 4 milhões. Isto significa que, nos últimos 12 meses, o lucro líquido recorrente foi de aprox. R$ 14,6 milhões (muito abaixo dos R$ 34,6 milhões usados em suas contas).
Se vc pegar o lucro líquido dos últimos 6 meses, vc vai chegar a R$ 3,4 milhões, o que dá R$ 7 milhões no ano e um P/L nas alturas.


Não estou afirmando, com isto, que o ativo deva ser desconsiderado. O que afirmo é que, do ponto de vista fundamentalista, não há HOJE elementos para garantir que um investimento em CRDE4 seja melhor do que um investimento HOJE em EZTC3 ou HBOR3. Eu esperaria os resultados do 2T09 e só embarcaria nesta canoa se o lucro líquido se mostrar acima dos R$ 10 milhões.

8848 - small caps - 13/Jul/2009 14:26
Octavio, estava levemente em CRDE3 e resolvi concentrar em HBOR3 e EZTC3.
Quando fiz isto, a relação P/VPA de ambas era muito próxima, mas a previsibilidade de resultados das duas citadas era bastante superior.
Pontos positivos da CRDE3:
baixa relação P/VPA
atuação em segmento bastante demandado.
Pontos negativos:
lucro inflado por fatores não recorrente - venda de participação em shoppings...
DY alto inflado pelo fator acima.
Preservação do caixa postergou lançamento num dos momentos aquecidos para o setor que atua - baixa renda. Penso eu que uma administração mais eficiente poderia ao invés de diminuir lançamentos, diminuir o dividendo pago.
baixas margens operacionais, característico do setor de baixa renda.
Talvez por isto tem relação hoje P/VPA menor que HBOR3 e EZTC3, que, ao contrário, mostraram vendas muito superiores neste trimestre, com lançamentos coroados de pleno êxito e que possuem melhores margens.


Mas há que se acompanhar se conseguem progredir nas vendas e na queima de estoques de modo a retomarem os lançamentos.

8748 - paulo_prof - 11/Jul/2009 21:51
citação: dbseveroProfessor Paulo,
Se for possível, gostaría de sua opinião sobre CRDE.......Não seria um boa alternativa de compra antes da divulgação do resultado do segundo trimestre.
Agradeço.
Diego
Comentei CRDE3 no odia 06JUN. O small também participou. Não há fato novo para mudar o comentário.
citação: small caps
citação: paulo_prof
citação: octacmSenhores,
Acabei de vender grnd3, estou pensando em comprar alguma para substitui-la...
Atualmente estou com fesa, eztc e cnfb...
estou pensando seriamente em comprar crde3 alguem pode comentar?
P/L 6,28 P/VP 0,58 DY 9%
Sinceramente, não sei o que o Small viu neste ativo (ele afirma que é a sua 3a. opção no setor). Confesso, entretanto, que não li os relatórios.
O que observei foi o seguinte:
a) aproximadamente a metade do lucro de 2008 é não recorrente, pois é resultado da venda de participação em empreendimento;
b) a dívida líquida no 1T08 era NEGATIVA em R$ 178 milhões ... no fim do 1T09 já era positiva em R$ 49 milhões, um "swing" de R$ 227 milhões;
c) se o lucro líquido dos dois últimos trimestres for anualizado, o P/L seria de 63,5;
d) a margem bruta (média de 21%) deve ser uma das mais baixas do setor.
Hoje, ao decidir aumentar a participação do setor em minha carteira (diminuindo TLPP3) não encontrei nada melhor do que aumentar as posições em EZTC3 e HBOR3.
Paulo_prof, você está certo. Não gostei do resultado do primeiro trimestre da CRDE3 e da velocidade de queima do caixa.


Vendi CRDE3 e aumentei HBOR3, EZTC3 e GSHP3. Hoje estou posicionado apenas nestas duas construtoras. E entres os do ramo de exploração de imóveis, estou em GSHP3 (comprado a R$ 1,72 :) e IGTA3).

7627 - lbiazao - 23/Jun/2009 17:51
Investi por um bom tempo nas açòes da CRDE3. Estava muito agressiva e muito bem posicionada até chegar a crise. Depois deste ponto mostrou pouca capacidade de dar a volta por cima. O ultimo resultado foi marcado por uma apresentação maqueada, mostrando o resultado no padrão de contabilidade antigo. Pois no atual seria um desastre. A empresa apresenta pouca transparencia.
Tão logo vi o resultado troquei tudo por HBOR3 e não me arrependi hoje ela tem um valor muito maior e uma expectativa de retorno melhor. Mais bem administrada e transparente. Eu mantenho em minha carteira 3 EZTC para cada HBOR3 mas estou migrando um pouco, para ficar mais equilibrada.
Apesar dos multiplos parecerem bons mostrou pouca competencia perante a crise, cancelou projetos, cortou todo o guidance. E ainda esta com dificuldade de baixar o estoque atual.
Vale a pena dar uma analisada nos calls e no resultado antes de se aventurar nela.

7604 - octacm - 23/Jun/2009 10:13
Não sou o small, mas gostaria de comentar, é um excelente ativo, assim como a eztc3...
eu estou de olho nela faz tempo, e quero comprar assim que passar esta maré de baixa...
acho que é um ativo que pode chegar a valer menos de 4,00 em breve...


A empresa deve se beneficiar com o projeto de casa populares do governo "minha casa minha vida"

6737 - small caps - 06/Jun/2009 00:05
Paulorizzi, você está certo. Não gostei do resultado do primeiro trimestre da CRDE3 e da velocidade de queima do caixa.


Vendi CRDE3 e aumentei HBOR3, EZTC3 e GSHP3. Hoje estou posicionado apenas nestas duas construtoras. E entres os do ramo de exploração de imóveis, estou em GSHP3 (comprado a R$ 1,72 :) e IGTA3).

5868 - danieljoseaa - 18/Mai/2009 10:43
Descricao Notas
Nome de Pregao CR2 ( 1 )
Periodo 3M
Data Encerramento 31/03/2009
Patrimonio Liquido 372.678
Receita Liquida
Resultado Bruto
Receita (Despesa) Financeira Liquida 238
Resultado da Equivalencia Patrimonial 4.298
Resultado Operacional (146)
Lucro (Prejuizo) Liquido 1.286
Numero de Acoes, Ex-Tesouraria ( Mil ) 46.136
Lucro (Prejuizo) por Acao - LPA 0,02787
Valor Patrimonial da Acao - VPA 8,07781
6734 de 688005/Jun/2009 23:34 [Citar este comentário] 0
[Nível 0] claubiComentários: 84 - Desde: Jul 2007
boa noite ,OCTACM.Esta empresa esta em minha lista pq:
-voltada para a construcao de renda baixa a media.
-60-70% de financiamento, dos seus empreendimentos, pela nossa caixa.
-nao foi nenhuma louca que continuou a construir no meio da crise.
-reduziu bem os seus estoques.deve reduzir os custos.
-terceira colocada nas contrutoras pelo small.
e pra segurar e nao largar ate o proximo balanco.
6735 de 6880Modificado em 05/Jun/2009 23:58 [Citar este comentário] 0
[Nível 0] paulorizzi Usuário PremiumComentários: 854 - Desde: Dez 2007
Sinceramente, não sei o que o Small viu neste ativo (ele afirma que é a sua 3a. opção no setor). Confesso, entretanto, que não li os relatórios.
O que observei foi o seguinte:
a) aproximadamente a metade do lucro de 2008 é não recorrente, pois é resultado da venda de participação em empreendimento;
b) a dívida líquida no 1T08 era NEGATIVA em R$ 178 milhões ... no fim do 1T09 já era positiva em R$ 49 milhões, um "swing" de R$ 227 milhões;
c) se o lucro líquido dos dois últimos trimestres for anualizado, o P/L seria de 63,5;
d) a margem bruta (média de 21%) deve ser uma das mais baixas do setor.


Hoje, ao decidir aumentar a participação do setor em minha carteira (diminuindo TLPP3) não encontrei nada melhor do que aumentar as posições em EZTC3 e HBOR3.

3780 - paulorizzi - 07/Abr/2009 23:44 
citação: rfalvaresCRDE3?


"Tenho muitas dificuldades em entender o setor da construção civil e às vezes fico com a impressão de que há balanços maquiados. Em termos de indicadores financeiros financeiros fundamentalistas, a trinca que indiscutivelmente se destaca é EZTC3, HBOR3 e CRDE3. Não arrisco uma opinião sobre qual seria mais recomendável. "

3343 - small caps - 01/Abr/2009 17:26
"citação: chedi12Small entrei nessa semana entrei em BMEB4, BRIV4,CNFB4, TO PAQUERANDO COM CRDE3 que gostei do resultado. Vc teria outra dica preciosa no momento."
eu agradeceria
abraço
"chedi12, fiz uma pequena postagem no blog sobre isto. Em breve vou fazer os comentários:"


CRDE3 também gostei do balanço e comprei um pouco. As maiores compras em razão dos balanços são os primeiros ativos que citei no blog.

3257 - small caps - 31/Mar/2009 12:09
"Ilustres, estive lendo vários balanços nos últimos dias :)"
Estamos no final da safra de balanços. Hoje é o prazo final.
"De antemão, digo que gostei do balanço de PRVI3 e da CRDE3 que saíram ontem."
"Da LLIS3, gostei do crescimento (que gera maiores despesas no curto prazo) e do payout."
"TGMA3 acabou bastante impactada com a queda do transporte de veículo, mas ao menos apresentou lucro líquido ainda. Achei interessante a estratégia de diversificação da empresa."
"Outra que pode ""ressurgir"" é a IENG... Mas tenho que ler melhor ainda como este elevado lucro não operacional pode ajudar a companhia."


Em breve vou divulgar os ativos que entram e que saem da carteira small caps. Ainda temos alguns balanços que saem hoje...

1539 - small caps - 08/Fev/2009 22:26
citação: rfalvaresCR2??? alguem opina.


"rfalvares, CRDE3 é a sexta na lista das construtoras que considero atrativas. Embora possua indicadores excelentes, como chegou mais tarde ao mercado, não pode lançar tantos empreendimentos na fase de euforia irracional e com isso tem menor quantidade de ""lucros a realizar"" em comparação às demais disponíveis em bolsa."

622 - small caps- 13/Dez/2008 00:18
"(611) Roderich, tenho uma pequena posição em CRDE3 pelo motivo que você mencionou. Se não me engano é administrada por um banco e talvez por isso não sofrerá com a ""crise de liquidez"". Mas do setor, prefiro a EZTC3 que está na mesma situação mas tem lucratividade bastante superior.

Nenhum comentário: