Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Braskem (BRKM)



Subsetor
Segmento

Recomendações
Compracesarsousa (2017) - Small Caps (jan/09)

Carteiras
BAC 1000 (mai/17) - cesarsousa (ago/17)  - charles43 (jan/13) - FRBRAVIM (jun/19) - Gersonlp (mai/17set/17) - gguimaraes (mar/20) - Gusmaran (mai/17)  - Lucro Liquido (mai/18) - malaufer (ago/16set/16, out/16) - paulo_prof (ago/16, set/16, out/16, nov/16, dez/16, ago/17) - Peter Lynch do Agreste (set/17) - pocunha (ago/17jan/18)

Códigos de Negociação
Tipo
BRKM3; BRKM5; BRKM6
 Nível 1

Balanços
A2019/4T2019 ➤ DFP  31/12/2019 ➤ Apresentação de Resultados - 4T19

A2018/4T2018 -

3T2018 -

1T2018 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). OEBITDA foi de US$ 818 milhões, 29% e 10% inferior em relação ao 1T17 e ao 4T17, respectivamente, explicado principalmente pela menor disponibilidade de produtos em função: (i) da parada programada na central de Triunfo/RS; (ii) da interrupção no fornecimento de energia elétrica para as plantas do Nordeste do Brasil em março; (iii) do incidente na planta de cloro-soda de Maceió(AL); e (iv) do menor fornecimento de propeno para as plantas de PPno Brasil.; O lucro líquido foi R$ 1,1 bilhão na controladora, representando R$ 1,32 por ação ordinária e ação preferencial classe “A”2, 42% inferior ao 1T17 e 173% superior ao 4T17. A alavancagem corporativa medida pela relação dívida líquida/EBITDA em dólares foi de 1,98x; A geração livre de caixa da Companhia foi de R$ 1,8 bilhão ante R$ 423 milhões no 1T17.; Em abril, foi aprovada em Assembleia Geral Ordinária a distribuição de dividendos adicionais no montante de R$ 1,5 bilhão, que somados aos dividendos de R$ 1 bilhão distribuídos em dezembro de 2017 totalizam R$ 2,5 bilhões, o que representou 61% do lucro líquido do exercício de 2017.

A2017/4T2017 -

3T2017 -

2T2017 -


1T2017 -

2T2016 -

Características
Produção de produtos químicos e petroquímicos básicos. Resinas termoplásticas. Utilidades e Energia Elétrica; Prestação de Serviços Industriais; e Participação em Outras Sociedades.

Apresentações

Balanços (Calendário)
 DFP 2019

 Teleconferência DFP 2019
 ITR 1T 2020

Teleconferência ITR 1T 2020
 ITR 2T 2020

Teleconferência ITR 2T 2020
 ITR 3T 2020

Teleconferência ITR 3T 2020



23/01/2020 -
comunica que paralisará definitivamente a produção de cloro soda localizada em Camaçari, na Bahia, cujas atividades iniciaram em 1979 e com capacidade anual de produção de 79 mil toneladas de soda cáustica e 64 mil toneladas de cloro. Tal paralisação ocorre em razão do fim do prazo de vida útil desta unidade e terá início a partir de abril de 2020, seguindo os padrões de segurança aplicáveis e visando a proteção das pessoas, comunidades e do meio ambiente. As demais operações industriais da Braskem não serão afetadas por tal encerramento.

365348  - keep_calm  - 18 Nov 2019, 22:19
BRASKEM (BRKM5): A Braskem apresentou prejuízo de R$ 888 milhões no terceiro trimestre, em função do impacto negativo da depreciação do real frente ao dólar sobre a exposição líquida da Companhia não designada para hedge accounting, revertendo lucro de R$ 1,344 bilhão do mesmo período do ano passado.O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente somou R$ 1,549 bilhão, uma queda de 58% na comparação com o mesmo intervalo de 2018. A receita líquida atingiu R$ 13,368 bilhões, uma redução de 18%. A dívida líquida consolidada foi de US$ 6,566 bilhões, uma redução de 8% na comparação anual.No Brasil, o Ebitda atingiu R$ 919 milhões, uma queda de 59%. Já a receita recuou 17%, para R$ 10,002 bilhões. As vendas no Brasil de resinas recuaram 4%, enquanto de principais químicos caíram 5%. As exportações de resinas subiram 9% e os principais químicos diminuíram 9%.Alvo de ações judiciais que somam quase R$ 40 bilhões por conta de supostos prejuízos causados por atividade de mineração em Maceió (AL), a petroquímica Braskem anunciou o fim das atividades de extração de sal-gema na cidade.

359338 - paulo_prof  -  13 Mar 2019, 23:29
Como pode uma empresa postar resultados excelentes num trimestre, como no 3T18, para depois postar resultados horríveis, no trimestre seguinte. A margem bruta de 22,2% do 3T18 caiu para 13,3% no 4T18. No 4T17 havia sido 23,4%. Há algo de estranho aí.

No 4T18 outro resultado muito desfavorável foi financeiro, principalmente devido à desvalorização do peso mexicano e o alto endividamento em USD da subsidiária mexicana.

Eu não compraria a BRKM5 sem antes entender direitinho as razões da super queda na margem bruta do 4T18 e se esta qieda é reversível no curto prazo.

BRKM5

PREÇO: R$ 54,97

PAYOUT (2018): 93,1%



Múltiplos baseados nos últimos 9 meses anualilzados

P/L 15,26

P/VPA 6,45

PSR 0,75

DY 6,10%

EV/EBITDA 6,52

MARGEM BRUTA 20,0%

MARGEM OPERACIONAL 6,3%

MARGEM LÍQUIDA 4,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,601

MARGEM EBITDA 19,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 560,0%

ROE 42,23%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,93



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 9 meses anualizados vs 9 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -11,69%

RESULTADO BRUTO -32,39%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -11,59%

RESULTADO OPERACIONAL -49,43%

RESULTADO LÍQUIDO -47,34

EBITDA 31,20%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,49%

RESULTADO BRUTO -41,445%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -43,72%

RESULTADO OPERACIONAL -73,36%

RESULTADO LÍQUIDO passou de positivo para negativo

EBITDA -35,43%



c) lucro (taxa média anual) - baseado nos últimos 9 meses anualizados

UA -29,79%

U2A passou de negativo para positivo

U3A -1,52%



d) patrimônio líquido médio

UA 6,46%

U2A 23,45%

U3A 29,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 45,01

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses, necessária durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,0%

355922 - paulo_prof -  14 Nov 2018, 20:20
Resultado excelente. No meu julgamento, o ativo est[a relativamente bem precificado.

O que segue é baseado nos resultados dos 9M18 e 9M17 anualizados (para expurgar o terrível 4T16, impactado inclusive pela Lava Jato).


BRKM5

PREÇO: R$ 49,25

PAYOUT (2016): 31,9%



Múltiplos baseados nos últimos 9 meses anualilzados

P/L 9,98

P/VPA 5,47

PSR 0,68

DY 6,14%

EV/EBITDA 5,67

MARGEM BRUTA 22,3%

MARGEM OPERACIONAL 8,3%

MARGEM LÍQUIDA 6,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,933

MARGEM EBITDA 21,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 543,6%

ROE 54,74%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,90



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 9 meses anualizados vs 9 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,83%

RESULTADO BRUTO +1,37%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +77,72%

RESULTADO OPERACIONAL -30,44

RESULTADO LÍQUIDO -20,33%

EBITDA +0,29%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 34,42%

RESULTADO BRUTO +21,15%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -0,95%

RESULTADO OPERACIONAL +87,51%

RESULTADO LÍQUIDO +68,17%

EBITDA +30,37%



c) lucro (taxa média anual) - baseado nos últimos 9 meses anualizados

UA 212,76%

U2A 33,08%

U3A 9,81%



d) patrimônio líquido médio

UA 23,34%

U2A 26,78%

U3A 17,80%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizados durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 61,66

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses, necessária durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,0%

350998 - marcosvinicius2 -  08 Jun 2018, 21:09
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). OEBITDA foi de US$ 818 milhões, 29% e 10% inferior em relação ao 1T17 e ao 4T17, respectivamente, explicado principalmente pela menor disponibilidade de produtos em função: (i) da parada programada na central de Triunfo/RS; (ii) da interrupção no fornecimento de energia elétrica para as plantas do Nordeste do Brasil em março; (iii) do incidente na planta de cloro-soda de Maceió(AL); e (iv) do menor fornecimento de propeno para as plantas de PPno Brasil.; O lucro líquido foi R$ 1,1 bilhão na controladora, representando R$ 1,32 por ação ordinária e ação preferencial classe “A”2, 42% inferior ao 1T17 e 173% superior ao 4T17. A alavancagem corporativa medida pela relação dívida líquida/EBITDA em dólares foi de 1,98x; A geração livre de caixa da Companhia foi de R$ 1,8 bilhão ante R$ 423 milhões no 1T17.; Em abril, foi aprovada em Assembleia Geral Ordinária a distribuição de dividendos adicionais no montante de R$ 1,5 bilhão, que somados aos dividendos de R$ 1 bilhão distribuídos em dezembro de 2017 totalizam R$ 2,5 bilhões, o que representou 61% do lucro líquido do exercício de 2017.:

BRKM5
PREÇO: 44,95
PAYOUT (2017): 29,67%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,76
P/VPA 4,49
PSR 0,72
DY 2,76%
EV/EBITDA 5,72
MARGEM BRUTA 23,90%
MARGEM OPERACIONAL 8,70%
MARGEM LÍQUIDA 6,70%
LUCRO POR AÇÃO 4,176
MARGEM EBITDA 22,80%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 435,43%
ROE 41,67%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,94

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,32%
RESULTADO BRUTO -9,80%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -19,14%
RESULTADO OPERACIONAL 212,00%
RESULTADO LÍQUIDO 435,78%
EBITDA 23,32%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,41%
RESULTADO BRUTO -26,75%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 26,33%
RESULTADO OPERACIONAL -43,43%
RESULTADO LÍQUIDO -41,71%
EBITDA -26,49%

c) lucro (taxa média anual)
UA 435,78%
U2A -4,68%
U3A 67,36%

d) patrimônio líquido médio
UA 58,07%
U2A 45,06%
U3A 3,98%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 52,20
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,5% !!!!
[...]

348933  - marcosvinicius2 -  16 Abr 2018, 11:57
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LIQUIDA = a receita liquida tem se mantido estável nos ultimos anos: 47.282 milhões em 2015, 47.663 milhões em 2016 e 49.260 milhões em 2017.; RESULTADO BRUTO = Da mesma forma que a receita liquida, tem se mantido no mesmo patamar: 10.380 milhões em 2015, 12.723 milhões em 2016 e 12.859 milhões em 2017.; RESULTADO LIQUIDO = Neste ponto tem havido seguidas variações: 3.140 milhões em 2015, -2.488 milhões (PREJUIZO) em 2016 e 4.082 milhões em 2017.; MUITA ATENÇAO para a relação DIV. BRUTA/PATRIMONIO LIQUIDO = 5,59x:

BRKM5
PREÇO: 47,46
PAYOUT (2017): 29,67%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,27
P/VPA 5,81
PSR 0,77
DY 3,20%
EV/EBITDA 5,55
MARGEM BRUTA 26,11%
MARGEM OPERACIONAL 11,00%
MARGEM LÍQUIDA 8,29%
LUCRO POR AÇÃO 5,121
MARGEM EBITDA 24,94%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 558,69%
ROE 62,64%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,94

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,35%
RESULTADO BRUTO 1,07%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -35,28%
RESULTADO OPERACIONAL -3968,80%
RESULTADO LÍQUIDO -1092,29%
EBITDA 42,31%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,35%
RESULTADO BRUTO 1,07%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -35,28%
RESULTADO OPERACIONAL -3968,80%
RESULTADO LÍQUIDO -1092,29%
EBITDA 42,31%

c) lucro (taxa média anual)
UA -1092,29%
U2A 14,03%
U3A 67,81%

d) patrimônio líquido médio
UA 51,65%
U2A 41,14%
U3A -4,64%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 64,01
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -6,80% !!!!
[...]

344105 - paulo_prof   -  17 Nov 2017, 19:46
A BRKM parece que continua muito bem, obrigado, e as indicações s'ao de que pode estar relativamente barata.

O que segue é baseado nos resultados do 9M17 anualizado (para expurgar o terrível 4T16, impactado inclusive pela Lava Jato).


BRKM5

PREÇO: R$ 47,13

PAYOUT (2016): 31,9%



Múltiplos baseados nos últimos 9 meses anualilzados

P/L 7,61

P/VPA 4,85

PSR 0,77

DY 4,19%

EV/EBITDA 5,11

MARGEM BRUTA 26,2%

MARGEM OPERACIONAL 14,1%

MARGEM LÍQUIDA 10,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 6,192

MARGEM EBITDA 25,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 441,9%

ROE 63,76%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,86



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 9 meses anualizados vs 9 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +2,73%

RESULTADO BRUTO +3,74%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -52,32%

RESULTADO OPERACIONAL +134,67

RESULTADO LÍQUIDO +122,29%

EBITDA +10,36%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 1,51%

RESULTADO BRUTO +5,61%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -17,73%

RESULTADO OPERACIONAL -14,07%

RESULTADO LÍQUIDO -10,13%

EBITDA -8,50%



c) lucro (taxa média anual) - baseado nos últimos 9 meses anualizado

UA 122,29%

U2A 28,92%

U3A 82,42%



d) patrimônio líquido médio

UA 30,31%

U2A % 15,12%

U3A -10,97%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 9 meses anualizado durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 79,38

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 9 meses anjualizado, necessária durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13,0%

342373  - Maico2013 -  26 Set 2017, 17:32
Um grupo de minoritários da Braskem está se movimentando para barrar a recompra da companhia de saneamento Cetrel, hoje nas mãos da Odebrecht, controladora da petroquímica. A compra do ativo por R$ 610 milhões foi anunciada em janeiro e a assembleia de acionistas para deliberar sobre o tema está marcada para ocorrer nesta semana. O argumento dos minoritários é que o negócio de saneamento está fora do negócio chave da Braskem e que a transação apenas se justifica para que a Odebrecht obtenha liquidez, em um momento em que a empresa corre atrás de recursos para o pagamento de seu acordo de leniência. A Cetrel lucra anualmente cerca de R$ 18 milhões, o que, para os minoritários, evidencia o preço salgado da operação. A empresa, localizada no polo de Camaçari, foi vendida pela Braskem à Odebrecht em 2012.

Ajudinha. O grupo buscará reforço para seu pleito junto à Petrobrás, acionista da Braskem com 47% das ações ordinárias – aquelas com direito a voto. A Odebrecht possui 50,1% dessa classe de ações. Por ser uma transação entre partes relacionadas, a Odebrecht não pode votar na assembleia.

-----------------------------------------------------------

Uma confirmação que os minoritarios se organizam para evitar serem meras sardinhas isoladas. Foruns como este tem sido fundamentais para esta mudança. Sempre tive a esperança que a midia digital com acesso direto à informação iriam acabar com a impunidade nas negociatas dos politicos.

342137  - Gersonlp  -  18 Set 2017, 02:25
BRKM5
"O melhor está por vir" para ação que não se abalou nem com o furacão

De acordo com a Citi Corretora, a passagem do furacão Harvey pelos Estados Unidos deve impulsionar os resultados da empresa
http://www.infomoney.com.br/onde-investir/acoes/no...

341786  - marcosvinicius2  -  04 Set 2017, 15:30
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). NOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 12 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (26,0869%). MEDIA DE LUCRO LIQUIDO X 1.000 (U12M) = 324.553; (U24M) = 534.832; (U36M) = 496.377; (U48M) = 431.707; MAIORES VARIAÇÕES = 12M X 12M : RESULTADO OPERACIONAL (-39,15%) E RESULTADO LIQUIDO (-56,44%); 2T16 X 2T15 : RESULTADO OPERACIONAL (235,78%) E RESULTADO LÍQUIDO (163,90%). VALOR DE MERCADO (MIL) = 30.534.966; VALOR MAXIMO (MIL) = 30.534.966 NO 2T17; VE PSBE (MIL) = ND:

BRKM5
PREÇO: 38,30
PAYOUT (2016): -643,59%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 23,52
P/VPA 5,32
PSR 0,64
DY 4,71%
EV/EBITDA 6,50
MARGEM BRUTA 26,63%
MARGEM OPERACIONAL 5,27%
MARGEM LÍQUIDA 2,70%
LUCRO POR AÇÃO 1,628
MARGEM EBITDA 19,09%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 553,40%
ROE 22,62%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,82

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,98%
RESULTADO BRUTO 2,30%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -18,34%
RESULTADO OPERACIONAL -39,15%
RESULTADO LÍQUIDO -56,44%
EBITDA -17,80%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -0,13%
RESULTADO BRUTO -11,16%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -64,04%
RESULTADO OPERACIONAL 235,78%
RESULTADO LÍQUIDO 163,90%
EBITDA -0,33%

c) lucro (taxa média anual)
UA -56,44%
U2A -12,04%
U3A 10,94%

d) patrimônio líquido médio
UA 20,23%
U2A -11,60%
U3A -18,55%

O EBITDA consolidado no 2T17 foi de US$ 945 milhões, 10% superior ao 2T16, em função da contribuição do resultado do complexo do México, que no mesmo período do ano passado ainda estava no início do processo de ramp up. Em reais, o EBITDA foi de R$ 3.029 milhões, 1% superior ao 2T16.

No acumulado do ano, o EBITDA consolidado foi de US$ 2.092 milhões, 27% superior ao 1S16, impactado positivamente por: (i) maiores volumes de vendas de PP nos Estados Unidos e de PE no México; (ii) aumento dos spreads internacionais, principalmente de petroquímicos básicos que foram 57% superiores entre os períodos; e (iii) ganho de capital no montante de US$ 88 milhões referente à conclusão da venda da quantiQ em abril. Em reais, o EBITDA foi de R$ 6.636 milhões, 8% superior ao 1S16, impactado pela apreciação do real entre os períodos.

O lucro líquido registrado no 2T17 foi de R$ 1.142 milhões no Consolidado e R$ 1.089 milhões na Controladora. No acumulado do ano, o lucro líquido consolidado totalizou R$ 3.056 milhões e o lucro atribuível aos acionistas foi de R$ 2.897 milhões, representando R$ 3,63 por ação ordinária e ação preferencial classe “A”.

BRKM51.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

341357  - paulo_prof   -  23 Ago 2017, 12:26
No que se refere os números, sim ... Mas a análise da BRKM envolve o Project Finance da Braskem Idesa no México (algo na faixa dos USD 3,2 bilhões) e o hedge accounting adotado pela empresa. Há que se saber direito como funcionam um e outro, para estimar o impacto nos lucros futuros. No que concerne o Project Finance, entendo que será pago com o fluxo de caixa futuro da Braskem Idesa. Sem saber as regras do jogo, não dá para estimar impactos futuros. Por outro lado, o hedge accounting envolve também derivativos de proteção (puts e calls). Há que se dar uma estudada para estimar qual é o impacto, conhecida a variação cambial do período.

Há, também, a questão da liquidez corrrente, com passivos de curto prazo maiores do que os ativos correspondentes.

Isto posto, parece que após o terrível 4T16 impactado pela Lava Jato, a BRKM vai muito bem, obrigado, e há indicações de que pode estar relativamente barata.

O que segue é baseado nos resultados do 1S17 anualizado.


BRKM5

PREÇO: R$ 37,61

PAYOUT (2016): 31,9%



Múltiplos baseados nos últimos 6 meses anualilzados

P/L 5,17

P/VPA 4,64

PSR 0,61

DY 6,17%

EV/EBITDA 4,37

MARGEM BRUTA 26,9%

MARGEM OPERACIONAL 17,0%

MARGEM LÍQUIDA 11,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 7,280

MARGEM EBITDA 27,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 564,7%

ROE 89,90%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,82



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 6 meses anualizados vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,45%

RESULTADO BRUTO+6,59%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -54,18%

RESULTADO OPERACIONAL +104,91

RESULTADO LÍQUIDO +100,17%

EBITDA +16,82%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 1,27%

RESULTADO BRUTO -11,34%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -64,23%

RESULTADO OPERACIONAL +247,86%

RESULTADO LÍQUIDO +167,79%

EBITDA +0,60%



c) lucro (taxa média anual) - baseado nos últimos 12 meses, incluindo o impacto negativoh do 4T16

UA -56,63%

U2A -13,22%

U3A 10,07%



d) patrimônio líquido médio

UA 41,49%

U2A -4,78%

U3A -14,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 93,33

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -22,0%

338019  -  Gusmaran   -  17 Mai 2017, 01:04
Professor, saiu um call do UBS sobre o ativo e dois relatórios da Empiricus dão Call: as melhores ações da bolsa e o vacas leiteiras. O Carlos Herrera que é responsável pelo ultimo é muito criterioso. Ele escolhe empresas que se tornarão fortes cash cows em um futuro próximo. Na própria apresentação da BRKM existe uma tabela com todos os multiplos que nós gostamos de calcular: ev-ebitda, p/l, DL/Ebitda, FCF Yeld. Vale a pena. Segundo o Herrera as concorrentes negociam a 8x Ev/ebitda e com Dl/ebitda bem mais alto que Braskem. Acho que vc esta correto em não investir como holder, pois não entende o negócio, mas realmente existe uma abertura nos múltiplos que é rara. Acredito também que em breve o controle dessa empresa será revisto. Ps: TESA3 ja produz mais graos por hectare que a SLC e os resultados estão melhorando hein? Abs

338017  - paulo_prof   -  17 Mai 2017, 00:23
A Braskem é um case que demanda um estudo muito mais aprofundado para entender. Como acho que o caso é "enrolado", ainda não arrumei a paciência necessária para correr atrás:

a) ao ter firmado o acordo de leniência nos EUA, não sei se a pendenga está de fato resolvida no resto do planeta, ou se poderão surgir surpresas desagradáveis no acordo aqui no Brasilç

b) a empresa está a mais de 3 meses discutindo com os auditores ... na minha experiência, a demora para se chegar no acerto na grande maioria dos casos é a resistência da empresa em aceitar as exigências do auditor e se a empresa está "brigando" com o mesmo, muito provavelmente é porque a exigência do auditor deve ter um grande impacto negativo;

c) estou por fora de como funciona o project finance da Braskem Idesa no México ... sei que envolve um endividamento por volta de USD 3 bilhões, que não está contabilizado na análise do Itaú BBA (só considerou o endividamento líquido ex Idesa, de USD 5,246 bilhões, para um Ebitda UDM de USD 3,334 bilhões.

d) no 1T17, o resultado financeiro foi excepcional ... somente R$ 385 milhões negativos, quando nos 5 trimestres anteriores havia sido negativo em mais de R$ 1 bilhão, chegando aos R$ 1,88 bilhões no 2T16; ainda não consegui descobrir as razões para esta performance tão boa no 1T17.

Ou seja, se eu tivesse que apostar no escuro nos resultados do 2T17 e 3T17, colocaria as minhas fichas apostando que não chegarão à metade do resultado do 1T17.

337997  - Gusmaran -  16 Mai 2017, 18:24
Só agora vi esse comentário. Mesmo que eu tenha chutado pra cima, o P/L que o sr citou está muito bom, não acha? Vamos dizer que o Sr esteja errado e o P/l seja ainda pior, de 5x...Ev/Ebitda barato também. Hoje o Itau BBA escreveu o seguinte:

BRKM5: Fortes Resultados no 1T17
15.05 - 17:50 - Tiago Binsfeld

- A alavancagem continua baixa, com 1,6x de dívida líquida/EBITDA em USD. A alavancagem e o capex mais baixos, combinados com a maior geração de caixa, devem permitir altos pagamentos de dividendos.
- Nossos analistas não enxergam que o forte resultado do 1T17 seja uma base comparável para os outros trimestres do ano, porque os spreads petroquímicos tornaram-se mais fracos no 2T17.
Implicações para o Investimento: Nossos analistas mantêm o rating market perform para a Braskem, com um preço-alvo para o final de 2017 de BRL 38,0/BRKM5. Embora nossos analistas esperem que a Braskem gere um fluxo de caixa saudável em 2017 (13% de yield do FCFE, excluindo o pagamento de multa, com um câmbio de 3,27 BRL /USD), isto parece já estar precificado. Além disso, nossos analistas enxergam um potencial risco da valorização do BRL, para 3,10/USD, o que pode levar a uma redução nas estimativas de EBITDA, levando o índice EV/EBITDA para um patamar pouco atrativo de 5,5x.
Na própria apresentação da BRKM eles falam em FCFY de 10%. Pra mim cumpre o requisito de yeld. Acredito que com a selic baixando todos os ativos com yeld gordo devem valorizar proporcionalmente, ainda que embutam maior "risco" que a RF.

337977  - Gusmaran -  16 Mai 2017, 16:33
Confesso que estou surpreso. BRKM anunciou R$ 2,25 de lucro por ação (se fosse anualizar R$ 9,00 por ano) e o papel abriu ontem e R$ 35,00 e agora já perde 7% indo a R$ 32,30. Estou comprando mais, sendo que o yeld no preço atual, e se distribuíssem 25% do LL seria de 7%. Se distribuirem 50% estamos falando de quase 14%. Tendo em vista que Odebredtch está necessitando de grana, não duvido.
[...]

337931  - paulo_prof   -  16 Mai 2017, 01:20
Relativo ao 1T17 anualizado, BRKM5 está negociando a um P/L = 3,47. Mas o Resultado do 1T17 tem uma gordurinha não recorrente. A dívida líquida ao final de 2016, incluindo o project finance no México, era de aprox. R$ 33 bilhões. O Resultado Financeiro do 1T17 foi de apenas R$ 385 milhões negativo!!! O financeiro da Braskem parece ser muito bom, mas não é mágico! Num cenário de estabilidade cambial, o Resultado Financeiro trimestral ficaria numa faixa em torno dos R$ 650 milhões negativos, ou seja, num cenário de estabilidade cambial, o lucro ficaria na faixa dos R$ 1,7 a R$ 1,65 bilhões, o que anualizado resultaria num P/L = 4,14.

Por outro lado, EV/Ebitda = 4,35 (ficaria ainda menor para o ebitda do 1T17 anualizado) tambem é indicativo de ativo barato.

Do lado negativo, distoa o P/VPA = 4,98, e o custo ainda desconhecido do Acordo de Leniência.

337913  - TraderCenter  -  15 Mai 2017, 21:28
Análise Fundamentalista - Lupa Mercantil
Salve Galera ADVFN!! Estou compartilhando alguns dos últimos resultados positivos divulgados na nossa BOVESPA!!

Boa semana a todos, abraços!!

A Braskem, maior petroquímica das Américas, registrou um novo recorde de EBITDA da ordem de R$ 3,6 bilhões no primeiro trimestre de 2017. O desempenho significou um avanço de 16% sobre igual período do ano passado, segundo prévia não auditada dos resultados.

A petroquímica Braskem teve lucro líquido consolidado de R$ 1,905 bilhão no primeiro trimestre deste ano, alta de 147% em relação ao mesmo período de 2016, segundo balanço não auditado divulgado nesta segunda-feira (15).

A empresa ainda apurou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado recorde de R$ 3,598 bilhões entre janeiro e março, 16% superior ante igual período do ano passado.

O resultado da companhia no período foi beneficiado, entre outros motivos, pelo maior volume de vendas em todos os segmentos, pelo desempenho melhor de suas operações no México, aumento de preços no Brasil e redução de despesas financeiras, afirmou a empresa no balanço.

A Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobras) apurou lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 1,394 bilhão no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo líquido de R$ 3,898 bilhões de igual período de 2016.

Segundo a companhia, esse resultado foi influenciado por:

1) Resultado de participações societárias, de R$ 3,211 bilhões, influenciado, principalmente, pela receita da alienação de ativos (Celg D) no montante de R$ 1,525 bilhão e pelo efeito da Portaria nº 120, de 20 de abril de 2016, do Ministério de Minas e Energia, que estabeleceu as condições de pagamento e remuneração relativa à Rede Básica do Sistema Existente (RBSE);

2) Passivo a descoberto em controladas no montante de R$ 1,173 bilhão, impacto, principalmente, pelas controladas Amazonas Energia Distribuição (R$ 708 milhões), CGTEE (R$ 236 milhões) e Ceron (R$ 110 milhões); 3) Reversão de Provisões para contingências judiciais, no montante de R$ 2 milhões, decorrente, principalmente, de reversão de provisões relativas aos processos judiciais de empréstimo compulsório.

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) teve lucro líquido de R$ 674,4 milhões no primeiro trimestre, alta de 7,3% sobre o mesmo período de 2016.

A empresa informou que o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,353 bilhão entre janeiro e março, crescimento de 49,1 % na comparação anual.

Sua receita operacional líquida totalizou R$ 3,558 bilhões no trimestre janeiro-março deste ano, o que representou crescimento de 17,5% ante a receita líquida de R$ 3,027 bilhões apurada no mesmo período do ano passado.

A companhia elevou em 5,5% seus custos, despesas administrativas, comerciais e de construção no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2016, de R$ 2,406 bilhões para R$ 2,539 bilhões.

A Kroton Educacional teve lucro líquido ajustado de 577,1 milhões de reais no primeiro trimestre, superando em 17,6 por cento o desempenho de igual período de 2016, excluindo as operações da Uniasselvi, que foram vendidas em 29 de fevereiro do ano passado.

Conforme material de divulgação do balanço, o resultado foi ajudado pelo crescimento anual de 0,5 por cento na base de alunos, que superou a marca de 1 milhão, pela elevação de 17,9 por cento do ticket médio líquido em ensino presencial e pelo controle de despesas.

Em nota, a empresa esclarece que os números são ajustados pela amortização de intangível e por itens não recorrentes, especialmente relacionados a ganho de capital e impostos com a alienação da Uniasselvi.

Entre janeiro e março, as despesas operacionais consolidadas recuaram 9,7 por cento na comparação anual, para 132,435 milhões de reais. A empresa ainda desembolsou 110,737 milhões de reais com vendas e marketing, montante 8,1 por cento menor em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Enquanto isso, a provisão de perdas com inadimplência diminuiu 11,6 por cento, para 158,5 milhões de reais.

O Grupo CCR registrou lucro líquido de R$ 329 milhões no primeiro trimestre de 2017, o que corresponde a um aumento de 32,9% na comparação com os R$ 247,5 milhões reportados em igual etapa do ano anterior.

Já o lucro líquido mesma base ficou em R$ 338,5 milhões, um crescimento de 46,6% em relação aos R$ 230,9 milhões contabilizados há um ano.

O critério “mesma base” exclui a STP, cuja venda de participação foi concluída em 31 de agosto do ano passado e, nas comparações pró-forma mesma base, exclui-se a ViaRio e o VLT.

Excluindo efeitos não recorrentes, como a venda da controladora da Sem Parar, em meados do ano passado, e os novos negócios que não estavam operacionais na mesma etapa do ano passado, somou 338,5 milhões de reais, alta de 46,6 por cento.

Operacionalmente, o resultado foi mais fraco. O tráfego consolidado nas rodovias administradas pela CCR, teve queda de 2,7 por cento ano a ano, refletindo a recessão no país.

337891  - Gusmaran  -  15 Mai 2017, 14:37
FESA e BRKM fortes resultados. Acredito que a ultima está negociando a um p/l de 3,9x. Tendo em vista que tanto Odebredtch, quanto PETR estão precisando desalavancar seus balanços via venda de ativos, acredito que a BRKM pode sofrer onda de valorização se o novo controlador for sério. Os múltiplos já são convidativos por si só.

326442  - NumBroker -  26 Ago 2016, 18:35
Braskem – Atualizando estimativas

25.08 - 15:32 - Lucas Tambellini
Nossos analistas revisaram suas estimativas para a Braskem, incorporando um real mais apreciado. Apesar da redução nas projeções de EBITDA da companhia, os analistas consideram que a Braskem ainda apresenta fluxo de caixa e múltiplos atrativos. No entanto, o fluxo de notícias relativo à operação Lava Jato pode continuar pesando sobre o desempenho das ações, trazendo volatilidade no curto prazo. Em sua opinião, as perspectivas permanecem encorajadoras, uma vez que os spreads globais dos petroquímicos estão saudáveis, o mercado brasileiro está apresentando sinais de recuperação e a planta no México está apresentando bom desempenho. Os analistas mantêm a recomendação de outperform (desempenho acima da média do mercado), com novo preço justo para o final de 2017 de R$ 27,50 por ação.
Fonte: Itaú

Professor, 

Você acompanha BRKM?

Tem uma fábrica nova que ainda vai começar a agregar o EBITDA sendo que o financiamento já está no EV.

Os múltiplos muito favoráveis.

A cia conseguiu um resultado muito bom mesmo com a recente queda do barril, ora parcialemente recuperado.
... mais ou menos ... conheço os números mas não leio os relatórios

Na minha opinião, a BRKM5 tornou-se interessante com a queda dos preços do petróleo. Olhando a minha planilha, verifico as seguintes margens brutas:

2008: 15,7%
2009: 16,2%
2010: 16,0%
2011: 11,6%
2012: 9,5%
2013: 12,6%
2014: 13,0%
2015: 22,0%
1T16: 26,7%
2T16: 27,4%

Após resultados líquidos fracos em 2013 (R$ 510 milhões) e 2014 (R$ 864 milhões), a empresa emplacou R$ 3,14 bilhões em 2015 e R$ 2,98 bilhões nos últimos 12 meses, apesar dos resultados financeiros desfavoráveis devidos à valorização cambial.

A desvalorização cambial torna os resultados financeiros voláteis e esta volatilidade é refletida no lucro líquido trimestral. Uma medida melhor para avaliar a performance da empresa talvez seja a geração de caixa medida pelo ebitda, que tem se situado acima dos R$ 3 bilhões e 3 dos últimos 4 trimestres.

Finalmente, há que se destacar o baixíssimo valor do parâmetro EV/EBITDA = 3,92

BRKM5
PREÇO: R$ 20,91
PAYOUT (2015) 31,86%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,58 
P/VPA 2,90 
PSR 0,34 
DY 5,70%
EV/EBITDA 3,92 
MARGEM BRUTA 25,3%
MARGEM OPERACIONAL 8,4%
MARGEM LÍQUIDA 6,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,744
MARGEM EBITDA 22,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 609,7%
ROE 51,87%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,23

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,82%
RESULTADO BRUTO +65,26%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +81,69%
RESULTADO OPERACIONAL +78,21%
RESULTADO LÍQUIDO +77,63%
EBITDA +63,07%

b) 2T16 vs 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +2,54%
RESULTADO BRUTO +17,72%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +205,78%
RESULTADO OPERACIONAL -67,63%
RESULTADO LÍQUIDO -62,63%
EBITDA +15,19%

c) lucro (taxa média anual)
UA 77,63%
U2A 77,92%
U3A 129,17%

d) patrimônio líquido médio
UA -35,01%
U2A -32,96%
U3A -24,38%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 37,44. 

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,5% !!! 

Ativo me parece barato!!! 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
282382  - paulo_prof  -  08 Nov 2014, 01:45
Ótimo resultado em relação a geração de caixa. Lucro relativamente prejudicado pela desvalorização cambial. Resultados voláteis. Previsibilidade difícil.

BRKM5
PREÇO: R$ 18,95
PAYOUT (2013): 35,2%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 18,58
P/VPA 2,02
PSR 0,33
DY 1,89%
EV/EBITDA 5,63
MARGEM BRUTA 12,7%
MARGEM OPERACIONAL 2,7%
MARGEM LÍQUIDA 1,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,020
MARGEM EBITDA 12,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 267,7%
ROE 10,89%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,18

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,82%
RESULTADO BRUTO +17,48%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +10,10
RESULTADO OPERACIONAL +88,90
RESULTADO LÍQUIDO +4,00%
EBITDA +10,28%

b) 3T14 sobre 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,19%
RESULTADO BRUTO -3,23%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +17,72%
RESULTADO OPERACIONAL -41,83%
RESULTADO LÍQUIDO -32,50%
EBITDA -9,80%

c) lucro líquido, nominal
UA 4,00%
U2A passou de negativo para positivo
U3A 191,56%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -4,89%
U2A -6,87%
U3A -9,11%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 10,20

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +15,5%

271349  - paulo_prof  -  10 Ago 2014, 20:11
Empresa fora do radar do fórum small caps ... tremenda geração de caixa ... talvez valha a pena uma olhada mais de perto ...

BRKM5
PREÇO: R$ 14,14
PAYOUT (2013): 35,2%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 11,92
P/VPA 1,36
PSR 0,25
DY 2,95%
EV/EBITDA 4,75
MARGEM BRUTA 13,1%
MARGEM OPERACIONAL 3,3%
MARGEM LÍQUIDA 2,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,187
MARGEM EBITDA 12,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 225,8%
ROE 11,45%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,13

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,30%
RESULTADO BRUTO +40,81%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +3,87%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO +281,49%
EBITDA +28,82%

b) 2T14 sobre 2T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,35%
RESULTADO BRUTO +14,65%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,87%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo
EBITDA +6,39%

c) lucro líquido, nominal
UA 281,49%
U2A passou de negativo para positivo
U3A -16,43%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -3,81%
U2A -8,05%
U3A -7,98%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 11,87

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +4,5%

257161  - israel007  -  09 Mai 2014, 04:33
BRKM5

Ação da empresa Braskem S.A.
Atua no setor materiais b?sicos

Resultado do 1º Trimestre de 2014

A empresa anunciou lucro líquido de R$ 405,3 M no 1° trimestre de 2014, acréscimo de 1.582,0% em relação ao 4° trimestre de 2013 e crescimento de 93,1% em relação ao primeiro trimestre de 2013. A receita líquida atingiu R$ 6,6 B no 1° trimestre de 2014, aumento de 11,8% em relação ao quarto trimestre de 2013 e crescimento de 19,7% em relação ao primeiro trimestre de 2013.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 13,2% contra 10,5% no 4° trimestre de 2013 e 9,8% no mesmo período do ano passado. Já a margem líquida ficou em 6,1% no primeiro trimestre de 2014 contra 0,4% no trimestre ligeiramente anterior.

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 38,3 B, aumento de 5,5% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 8,3 B no 1T14, valor -5,7% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

166403 - israel007 -  07 Fev 2013, 13:31
BRKM5

Empresa: BRASKEM S.A. Ação: BRASKEM PNA Setor: Materiais Básicos Subsetor: Químicos
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia registrou lucro líquido de R$ 280,3 M no 4T12, revertendo os prejuízos de R$ 134,6 M anunciados no terceiro trimestre de 2012. No mesmo período do ano passado, o resultado havia sido negativo em R$ 197,0 M. A receita líquida somou R$ 5,4 B no 4° trimestre de 2012, redução de 1,9% em relação ao terceiro trimestre de 2012 e aumento de 21,8% em relação ao 4° trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 14,4% contra 12,4% no terceiro trimestre de 2012 e 11,5% no mesmo período do ano passado. Já a margem líquida ficou em 5,2% no quarto trimestre de 2012.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 35,4 B, acréscimo de 10,4% em relação ao saldo no 4T11. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 8,6 B no 4° trimestre de 2012, valor -11,9% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

155672 - israel007 -  08 Nov 2012, 11:49
BRKM5
Empresa: BRASKEM S.A. Ação: BRASKEM PNA Setor: Materiais Básicos Subsetor: Químicos
Resultado do 3º Trimestre de 2012

A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 134,6 M no 3T12, contra perdas de R$ -1,0 B apurados no 2T12. No mesmo período do ano anterior, o resultado havia sido negativo em R$ 1,1 B. A receita líquida somou R$ 5,5 B no 3T12, uma variação de 7,8% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e acréscimo de 9,6% em relação ao 3° trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 12,4% contra 10,2% no trimestre anterior e 15,1% no 3° trimestre de 2011.

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 35,6 B, aumento de 13,7% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 8,3 B neste trimestre, valor -16,4% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Neste período, a ação oscilou 6,7% contra 8,9% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 11,4 B contra R$ 11,2 B no 3° trimestre de 2011.

Análise Coin Valores
A Braskem é líder no mercado de resinas termoplásticas das Américas, com foco na produção de polietileno, polipropileno e PVC. Ocupa posição destacada entre as grandes petroquímicas globais e atua com a perspectiva de tornar-se a líder mundial em química sustentável. Criada em 2002 e controlada pelo Grupo Odebrecht, a Braskem é hoje uma das principais empresas exportadoras brasileiras, com presença em cerca de 60 países e em todos os continentes. Com 7 mil integrantes e capacidade produtiva de mais de 15 milhões de toneladas anuais de resinas termoplásticas, petroquímicos e químicos intermediários, a Companhia possui 28 unidades industriais no Brasil, localizadas em Alagoas, Bahia, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo, além de 3 unidades industrias nos Estados Unidos. A Braskem tem como bases de sua estratégia a promoção da competitividade da cadeia petroquímica brasileira e a autonomia tecnológica, alinhadas com o compromisso de promover o desenvolvimento sustentável. Com ações listadas na BM&FBovespa (BRKM5, BRKM6, BRKM3), Nova York (NYSE:BAK) e Madri (Latibex: XBRK), a Braskem está listada no Nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBovespa e garante 100% de tag along a todas as suas ações.

RETROSPECTIVA 2010
Em 2010, a Braskem deu dois grandes passos em sua estratégia de crescimento e internacionalização com a aquisição da Quattor no Brasil e dos ativos de Polipropileno da Sunoco Chemicals nos Estados Unidos. Essas operações expandiram a capacidade produtiva da
Companhia em 80%, e ampliaram seu Ebitda consolidado dos últimos 9 meses em 50%, sem
prejuízo de sua estrutura de capital. Em bases reais, a Braskem registrou faturamento de R$ 243 bilhões nos 9M10, com lucro liquido de R$ 476 milhões e Ebitda de R$ 2,8 bilhões. Avançando em sua estratégia de tornar-se líder mundial em química sustentável, a Braskem inaugurou em setembro de 2010 sua planta de 200 kt/ano de Eteno Verde, produto feito a partir do etanol, matéria prima 100% renovável, além de anunciar o projeto de produção de 30 kt/ano Polipropileno Verde a partir de 2013.

PERSPECTIVA 2011
A Braskem permanecerá focada na integração dos ativos adquiridos, e na captura de sinergias

provenientes da aquisição de Quattor, estimadas em R$ 400 milhões em Ebitda anual e recorrente a partir de 2012. Dentro do seu plano de crescimento de médio e longo prazo, a Companhia continuará com seus investimentos nos projetos prioritários de expansão de PVC em Alagoas com capacidade de 200 kt/ano e entrada em operação em 2012, e de acesso a matéria-prima competitiva no projeto integrado base gás no México com capacidade de 1 Mt/ano de eteno e 1Mt/ano de PE, com início de operação previsto para 2015. Em relação ao cenário petroquímico, a expectativa é de melhora do ciclo a partir da 2ª metade de 2011, como reflexo do melhor balanço entre a oferta e demanda mundial. Por outro lado, o bom desempenho do mercado brasileiro e a favorável perspectiva de crescimento, deverão continuar a favorecer a Companhia. A Braskem e seus administradores seguem com seu compromisso de crescimento e desenvolvimento sustentável, e continuarão a agir proativamente em busca de oportunidades de expansão de seus negócios, sempre com o objetivo de criar valor para os acionistas da Companhia, sem perder o foco em sua disciplina financeira.

29345 - paulo_prof - 04/Mar/2010 17:26
citação: luiz36prof paulo quando ao acionista de braskem e bom ou mal essa subscriçao poderia opinar a respeito grato
Na minha opinião, há duas questões:
a) aos preços atuais, seria um investimento em BRKM5 ou BRKM3 recomendável?
b) caso a resposta de a) seja sim, subscreve ou compra a mercado?
A resposta de b) é clara. Se vc já é acionista da Braskem, vc vai receber os direitos de subscrição. Para manter a sua participação é muito mais vantajoso comprar a mercado do que subscrever.
A questão, então, é se aos preços de hoje é recomendável investir na Braskem. Confesso que não tenho a resposta.
Os resultados do 4T09, com um prejuízo de R$ 893 milhões (o resultado financeiro negativo em R$ 655 milhões foi integralmente devido aos juros e multas s/ passivos tributários, que somaram R$ 758 milhões) foram sofríveis. Pelo lado positivo, a empresa se "livrou" de multas e juros de aprox. R$ 1,5 bilhões.
Por outro lado, adquiriu a Quattor, a Unipar Comercial, a Polibutenos e a Sunoco, dispendendo aprox. R$ 1,3 bilhões.
Qual o lucro anual potencial das empresas adquiridas? Eu não sei (nem me preocupei em estimar). Qual o patrimônio líquido após a consolidação das aquisições e do processo de subscrição? Também não sei. Qual o nível de endividamento que permanecerá após a subscrição?

29338 - paulo_prof - 04/Mar/2010 16:12
Esta subscrição da Braskem está cheirando sacanagem ...
A subscrição será feita a R$ 14,40, quando o preço atual é R$ 12,94!!! Nestas condições, os controladores poderão aumentar (em muito) a participação.
Embora a fixação do preço de subscrição tenha seguido a sistemática usual (cotação média nos últimos 15 pregões anteriores à data da divulgação, ao mercado, do Aumento de Capital), é facultado fixar valor menor, mais compatível com a cotação corrente de mercado. Ao "forçar a barra" está claro que o bloco de controle deseja aumentar a participação.
O bloco de controle se propõe a subscrever até R$ 3,5 bilhões (do total de R$ 4,5 bilhões). Na eventualidade de não haver subscrição de minoritários a preço acima de mercado, R$ 1 bilhão deixarão de ser subscritos, e a participação do bloco de controle, que hoje é de 34,2%, aumentaria para 57,3%. Se o bloco de controle subscrever também este R$ 1 bilhão adicional, a sua participação aumentaria para 58,9%.
Qual seria a sua decisão se vc fosse da diretoria da Pronor? Sinuca de bico!

26576 -  paulo_prof - 24/Jan/2010 23:06
De acordo com o Fato Relevante publicado pela Braskem ( http://www.braskem-ri.com.br/braskem/web/arquivos/Braskem_FR_20100122_port.pdf ) uma das etapas do processo refere-se a incorporação das ações da Quattor Participações detidas pela Petrobrás. Em troca dos 40% que a Petrobrás tem na Quattor, a Braskem dará ações de sua emissão.
Para fins de estabelecer a relação de troca, a Braskem e a Quattor foram avaliadas pelo Bradesco e pelo Pactual. Nesta avaliação, o valor econômico da Quattor foi fixado em R$ 1,362 bilhões, não muito distinto do seu patrimônio líquido em 30SET2009, de R$ 1,634 bilhões (Notas Explicativas do ITR).
A parte da Unipar, 60% do valor econômico informado acima, corresponderia a R$ 817,2 milhões.
A diferença entre o valor econômico e o valor a ser pago é de R$ 169,9 milhões, ou seja, mais uma vez parece ser o "rolo" com o BNDESPar.
Confesso, agora, não entender o que o texto abaixo realmente signifca:
acrescido da assunção proporcional da obrigação da UNIPAR frente ao BNDES Participações S.A. – BNDESPAR, decorrente da opção de venda das ações da Rio Polímeros, outorgada na forma do contrato de compra e venda de ações e outra avenças celebrado em 15/01/2008 (“Aquisição das Ações de Quattor”).
Procurei na web se encontrava o documento original que pudesse esclarecer. O que encontrei traz alguma luz sobre o tema, mas não esclarece.
Antes da criação da Quattor, a participação na Rio Pol era a seguinte:
Unipar (33,3%); Suzano (33,3%); Petroquisa (16,7%); BNDESPar (16,7%)
Numa etapa intermediária, era para a participação ficar:
Unipar (49,31%); Petroquisa + Suzano (25,69); BNDESPar (25%)
Finalmente, era para a participação ficar:
Quattor Participações (75%); BNDESPar (25%)
A Unipar de fato acabou entrando com os seus 33,3% mais a grana (R$ 380 milhões) para comprar 32,7% (16% da Suzano + 16,7% da Petroquisa), completando os 66% da RioPol. Na mesma ocasião, o BNDESPar também comprou (da Suzano) mais 8,3% para completar os seus 25%. Os 9% restantes são da Quattor Petroquímica (a sobra das ações originais detidas pela Suzano).
O que, nestas operações, gerou a obrigação da UNIPAR não está claro. Será que o BNDES entrou com parte dos R$ 380 milhões e a Unipar deu ações da Quattor em garantia? Será que os 8,3% comprados pelo BNDESPar na ocasião, de fato deveriam ter sido fornecidos pela Unipar para a constituição da Sociedade e, em conseqüência, a Unipar se comprometeu a comprar, no futuro, esta participação por preço determinado?
Em 31MAR2008 (antes das operações) o endividamento da Unipar era constituído de: circulante (empréstimos/financiamentos R$ 43 milhões; debêntures R$ 180 milhões); exigível a longo prazo (empréstimos/financiamentos R$ 886 milhões); TOTAL = R$ 1,109 bilhões.
Em 30JUN2008 o endividamento era de: circulante (empréstimos/financiamentos R$ 40 milhões); exigível a longo prazo (empréstimos/financiamentos R$ 886 milhões); TOTAL = R$ 926 milhões
Ou seja, após a operação, o endividamento ficou R$ 176 milhões menor. Para mim, isto quase certamente significa que a obrigação da Unipar com o BNDESPar não estava/está provisionada e, em conseqüência, um investimento recente em UNIP6 não deve ter sido um bom negócio.

25043 -  small caps - 11/Jan/2010 22:57
citação: fazambujSmall,
BRKM5 na tua carterira? Poderias me explicar as razões?
fazambuj,
do lado dos indicadores: PSR e P/EBITDA muito favoráveis. P/VPA razoável.
Do lado da macroeconomia: leve queda cambial, contribuindo com a dívida e menor preço da matéria prima, contribuindo para as margens operacionais.
Grande risco do investimento: Alta alavancagem financeira...

24609 - gustgef - 06/Jan/2010 15:40
citação: paulo_prof
citação: gustgefBom dia a todos!
Faz muito tempo que não posto, mas como gosto de compartilhar opiniões fundamentalistas pela ajuda que vocês já deram aí vai.
A BRKM5 (braskem) vai comprar a QUATTOR e, por conta disso, a UNIPAR vai receber algo em torno de R$850 milhões de reais. Para uma empresa que possui apenas metade do lucro advindo da QUATTOR e um valor de mercado de 1 bilhão, é como se vocÊs estivessem comprando METADE da UNIP6 por R$150 milhões!
Se isso não é pechincha, nesses tempos de vacas gordas, eu, sinceramente, não sei mais o que é!
Abraços!
Gustgef
Estou tendo dificuldades em encontrar os números corretos para fazer as contas. Pelo que me foi dado a entender:
dívida líquida da Unipar: R$ 7,4 bilhões
Qual a dívida da Quattor? R$ 6,6 bilhões? dívida líquida? bruta?
dívida líquida da Unipar após a venda: R$ 0,8 bilhões ?
Patrimônio líquido da Quattor no balanço da Unipar: 60% * R$ 1,5 bilhões = R$ 900 milhões
Patrimônio líquido da Unipar após venda: R$ 200 milhões + premio de R$ 400 milhões?
A unipar vai receber 900 milhoes pela QUATTOR a braskem assumindo todas as dívidas da empresa.
A relação P/VP QUATTOR UNIPAR eu não sei, o relatório só fornece os lucros de cada uma e nesse sentido as outras 3 unidades da unipar lucram metade do que a quattor lucra, embora seja claro que a receita líquida da quattor corresponda a 75% do total.
De uma forma ou de outra... a empresa está recebendo 900 milhões e vale 1 bilhão... você está pagando 100 milhoes pelas outras empresas que são lucrativas e possuem pouca divida ao contrário da quattor que possui uma dívida de mais de R$6bilhões eu acredito que o patrimonio líquido da unipar passe a ser de R$400 milhões, pela soma dos imobilizado + ativo circulante - passivo total, que sao as informações contidas no final do relatório dela.
Seria um patrimônio de R$400mi + R$900 mi que daria 1 bi e 300 para um preço de mercado de R$1bi, fora isso, esses R$900 milhões devem ser usados na criação de novos negócios que devem alavancar ainda mais as receitas da empresa no longo prazo.
Não chega a saltar os olhos, mas olhando presse mercado louco onde P/L 15 ta começando a parecer barato, um negocio desses parece agradar...

19357 - paulo_prof - 03/Nov/2009 15:53
Na minha estimativa, desconsiderando o impacto cambial, o resultado financeiro recorrente da Braskem é uma despesa de aprox. R$ 350 milhões. O resultado operacional do 3T09 sem condirar os efeitos financeiros foi de R$ 625 milhões.
Na hipótese de câmbio estável, portanto, o resultado operacional recorrente parece estar na casa dos R$ 275 milhões trimestrais, ou R$ 1,1 bilhão anual. Descontando o IR e contribuição social, chega-se a um lucro líquido anual de aprox. R$ 730 milhões.
Na cotação de R$ 11,88, ter-se-ia, então, os seguintes múltiplos:
P/L = 8,45; DY = 5% (supondo o mesmo payout de 2007)
Estimo que o efeito cambial no lucro líquido seja de aprox. R$ 45 milhões por ponto percentual (aumento/diminuição para valorização/desvalorização do real).
Finalmente, se não houver um "run for safety" até o final do ano, acredito que o Lucro Líquido do 4T09 será de aprox. R$ 365 milhões, de modo a elevar o Lucro Líquido do Exercício para R$ 2,175 bilhões !!!.
Na cotação de R$ 11,88, os proventos mínimos de lei por ação corresponderiam a um DY de 8,4%. Para um payout igual ao último praticado (de 41,9% em 2007), o DY aumentaria para incríveis 14,8%.
Se vc é daqueles que aposta que não há possibilidades do dolar disparar como no ano passado (repique da crise), a compra de BRKM5 talvez seja recomendada.

17405 - paulo_prof - 16/Out/2009 16:13
Paulo Prof, vc pode me esclarecer como conseguiu o valor de R$ 11,787 milhões de lucro para PNOR5 com a valorização da braskem. Pois pelas minhas contas o lucro bruto será de 17.815.532,16 => (11,26 - 7,18)x 4.366.552, ou seja, a cotação do dia 30/09/2009 subtraída da cotação do dia 30/06/2009, vezes o número de ações da braskem q a pronor possuí.
Hoje a Braskem já está cotada a 12,50. A Pronor já está tendo lucro financeiro com ela no 4 trimestre => (12,50 - 11,26)x 4.366.552 = 5.414524,48
Vc esqueceu de considerar o imposto de renda. Quando a Pronor fez a provisão, ela só provisionou 66% da diferença entre o preço que pagou pelas ações, e pelo que as ações valiam em 31DEZ2008.
Pense da seguinte forma. Vamos supor que a Braskem vire pó. O prejuízo da Pronor não é 100% do valor que ela pagou. Como, para fins de imposto e contribuições, ela pode abater este prejuízo, e como o imposto + contribuições soma 34% do lucro operacional, 34% do prejuízo é recuperável.
Como ela preovisionou somente 66% da diferença, à medida que BRKM5 valoriza, só pode contabilizar também 66% da valorização.
Por outro lado, note que esta diminuição na provisão entra diretamente na conta do lucro operacional. Este depois sofre a redução de 34% de imposto mais contribuições (a menos que haja base para diferir uma parte) e mais uma redução referente às participações.
Possivelmente, a Pronor vai diferir o imposto + contribuições sobre os R$ 11,787 milhões da BRKM5, mas não dá para ter certeza (não sei se ou quanto deixou de pagar de IR quando constituiu a reserva para a perda com a BRKM5, em 30DEZ2008).

17371 - paulo_prof - 16/Out/2009 01:27
citação: Marloscm2Paulo_prof concordo plenamente com sua colocação, só acredito que o lucro do 3Trim/2009 será na casa dos 20 milhões, e não 13,5 milhões. Principalmente pela forte valorização das ações da braskem, empresa que a Pronor (Pnor5) possui 4.366.552 de ações.
Marloscm
Eu certamente gostaria muito que o LL do 3T09 chegasse a 20 milhões. Mas creio que só por milagre :-)
A valorização das BRKM5 não pode ser contabilizada integralmente. Há que se descontar os 34% de imposto (originalmente foi feita uma provisão para cobrir o prejuízo e desta provisão foram descontados 34% relativos ao imposto). A "contribuição" das ações BRKM5 será, então, de exatamente R$ 11,787 milhões.
Excluído o resultado financeiro, não creio que a Engepack consiga ter um lucro operacional maior do que R$ 6,5 milhões.
Finalmente, não creio ser possível um resultado financeiro (excluído a BRKM5) maior do que R$ 2,5 milhões (haverá um ganho devido à valorização do real, despesas com juros e uma perda com derivativos).
Somando tudo chega-se a R$ 20,8 milhões.
Disto deve-se descontar aprox. 34% de imposto/contribuição social + uma parcela referente a participações/contribuições estatutárias.
Para mim, qualquer coisa que venha acima de R$ 13,5 milhões será ou por uma jogada de diferimento de impostos, ou diferimento de participações, ou uma surpresa operacional, tipo ter vendido mais garrafas PET do que o usual durante o inverno.

16503 - NotwenCardozo - 06/Out/2009 09:50
Braskem se valorizando, consequentemente Pnor5 (Pronor) também irá!!!!!!!
Braskem firma acordo com a J&J para embalagens
05 de Outubro de 2009 | 13:32
São Paulo - A Braskem anunciou hoje um acordo com a Johnson & Johnson (J&J) para a venda do polietileno verde que será produzido pela petroquímica a partir do final de 2010. O produto desenvolvido com cana de açúcar será utilizado pela marca de protetores solares Sundown. A Johnson & Johnson, segundo a Braskem, "terá exclusividade no mercado de proteção solar no Brasil e segue avaliando o uso do polietileno verde em outras linhas de produto e em outras regiões do mundo", destacou a petroquímica em nota. Os valores do acordo não foram divulgados.
A J&J se tornará a primeira marca de cosméticos do Brasil a iniciar o desenvolvimento de embalagens com polietileno verde. A Braskem. também já firmou acordo para a venda do insumo com a japonesa Shiseido, também do ramo de cosméticos, mas que não opera no mercado doméstico. Além das duas empresas, a Braskem oficializou negociações para vender o material ao grupo gaúcho Acinplas, controlador das empresas Suzuki, Koba, Plasa, Voti e Tashiro&Takata, à fabricante de brinquedos Estrela e à Toyota Tsusho, uma trading da companhia Toyota.
A previsão da Braskem e da Sundown é de que as primeiras embalagens desenvolvidas com o novo material sejam utilizadas na linha regular de protetores e bloqueadores e na linha de bronzeadores Sundown Gold no verão 2011/2012. "No que diz respeito a embalagens, possuímos diversos projetos de utilização de material reciclado pré e pós-consumo, mas realmente a utilização da resina verde é uma ação inédita da companhia em todo o mundo", afirmou em comunicado o gerente de grupo de Suncare da Johnson & Johnson, Marcelo Scatolini.
O polietileno verde será produzido pela Braskem no Rio Grande do Sul. A fábrica, cujos investimentos devem somar R$ 500 milhões, terá capacidade anual de 200 mil toneladas de eteno, que serão transformados em volume equivalente de polietilenos. O lançamento da pedra fundamental da unidade ocorreu em abril.
http://portalexame.abril.com.br/ae/economia/braskem-firma-acordo-j-j-embalagens -552305.shtml

13304 - paulo_prof - 02/Set/2009 00:00
citação: luiz36prof. paulo poderia analisar brkm5 no cp dezembro2009 o sr ve melhora nos preços de seus produtos pois a alta de brkm5 ajuda a valorizar as pnor5 em caso de resposta obrigado
Acho que a Braskem não terpa muitas dificuldades em produzir um lucro líquido de R$ 800 milhões no 2o. semestre, de modo a encerrar o ano tendo zerado todos os prejuízos acumulados. No fim do ano, o patrimônio líquido deverá ser de aprox. R$ 5,8 bilhões. A receita líquida total deverá ficar por volta dos R$ 14,8 bilhões.
Aos preços de hoje, um lucro anual recorrente de R$ 1,6 bilhões para um patrimônio líquido de R$ 5,8 bilhões e demais resultados corresponderia a P/L = 3,30; P/VPA = 0,91; ROE = 27,6%; PSR = 0,36
Em resumo, o ativo estaria barato.
Há, entretanto, riscos que não podem ser desprezados:
a) uma desvalorização cambial (por eventual recrudescimento da crise) de apenas uns 10% seria capaz de "queimar" todos os R$ 800 milhões de lucro líquido projetados até o final do ano; e
b) no curto/médio prazo, uma eventual aquisição da Quattor impactará negativamente.

1172 - small caps - 23/Jan/2009 23:14

"(1057) webloo, a BRKM5 tem sofrido bastante em razão do tamanho da dívida nada recomendável num cenário de retração da demanda e de aumento do custo de financiamento e do dolar. Tem uma parcela considerável da dívida atrelada ao câmbio e isto deve trazer prejuízos financeiros de elevada monta no quarto trimestre. É por isso mesmo que sofre tanto. Hoje a situação da empresa recomenda uma pequena posição e boa diversificação para que possa estar em carteira."

53 - small caps - 24/Set/2008 00:30
"BRKM5 tem situação muito parecida com a da UNIP6, custos atualmente elevados e dívida alta em dólar, que deve afertar seu resultado trimestral."
Para cálculo do PSR em considero o total de ações de todos os tipos multiplicado pelo valor unitário da ação analisada.

Nenhum comentário: