Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

terça-feira, 3 de março de 2020

Pine (Pine)


Subsetor
Segmento

Recomendações
 
Compraaprendiz quebrado do professor (fev/13) - paulo_prof (mai/16) - renato1631 (2013) - SmallCaps (set/12)


Carteiras
aprendiz quebrado do professor (jan/13) - bielzf (jan/18) - Blumenn (mar/13) - ch3481 (nov/12 e mar/13) - danieljoseaa (dez/12) - dianaeca (dez/12) - effexop (set/17) - fabioP10 (mai/17) - fridao (mai/16) - harleyhr (nov/17) - ispholambra (jun/17set/17) - los_gomes (dez/12) - monedsan (mar/13) - MuadibGV (mai/16mar/17mai/17) - NumBroker (mai/16) - padrinho (nov/12 e mar/13) - paulo_prof (2016, jan/17, fev/17, mar/17, abr/17, mai/17jul/17jun/18,  mai/19jun/19jul/19) - pedrosousa (fev/13) - polycrav (mar/13) - Small Caps - tittonel (nov/12) - vbreda (dez/12) - xakal (mai/18)

Códigos de Negociação
Tipo
PINE3; PINE4
  Nível 2

Balanços
A2019/4T2019 -DFP de 31/12/19

A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Como antecipado, não sendo mais possível produzir receitas de PDD e de IR/CS, a dura realidade iria prevalecer/
Nos 9M18, o banco contabilizou uma Receita de R$ 82,6 milhões e uma receita de IR/CS de R$ 19,2 milhões. Com a Receita "espúria", não recorrente de R$ 82,6 milhões o banco conseguiu um Resultado Oparacional negativo em "apenas" R$ 5,2 milhões que somados aos R$ 1,3 milhões do Resultado Não Operacional produziu um Resultado Antes dos Impostos negativo em R$ 3,9 milhões. Soma uma Receita de IR/CS de R$ 19,2 milhões e vc terá uma lucro líquido de R$ 15,3 milhões.
No 4T, não podendo mais produzir Receitas de PDD (houve uma despesa de R$ 2,8 milhões), a casa caiu ...
O banco produziu um Resultado Operacional negativo em R$ 58 milhões que, somado ao Resultado não Operacional de R$ 2,4 milhões produziu um Resultado Antes dos Impostos negativo em R$ 55,6 milhões. Não podendo mais "galinhar" com o IR/CS, o banco teve que contabilizar uma despesa de R$ 14,5 milhões em IR/CS. Resultado: prejuizo de R$ 75 milhões.
Parabéns ao presidente do troço!!!! Quiz dourar a pílula produzindo resultados trimestrais fictícios para depos ser obrigado a contabilizar um grande prejuízo. Para salvar a cara, muito melhor teria sido dividir a "gordura" de PDD nos 4 trimestres e assim contabilizar prejuízos menores em cada um.
Madeira!
Não vejo muita chance de recuperação do banco. A Receita com a Intermediação vem diminuindo, Sem poder usar o "esquema" de Receita de PDD o banco não consegue um Resultado Bruto de Intermediação positivo. As Receitas com Serviços e Taxas também estão diminuindo e as despesas de pessoal, administrativas e tributárias foram maiores em 2018 do que foram em 2017.
E a cereja do bolo, mais uma vez, a distribuição da participação nos resultados aos empregados, de R$ 18,8 milhões! beleza pura!
Tudo indica que o destino do banco deve ser algo parecido com aquele do Bic.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Embora o banco tenha contabilizado lucros em cada um dos últimos 4 trimestres, há que se observar bem como estes lucros foram obtidos.
No exercício de 2017, apesar do banco ter postado um prejuízo de R$ 263 milhões, os empregados do banco receberam R$ 15 milhões a título de Participação nos Resultados. Ou seja, para os empregados que não são demitidos não há tempo ruim, mesmo se mostrarem uma incompência total na condução dos negócios do banco.
Nos últimos 12 meses, a Participação nos Resultados somou R$ 15,5 milhões, para um lucro líquido de R$ 17,3 milhões.. Ou seja, o banco gerou aprox. R$ 33 milhões pa acionistas e empregados.
Para gerar este valor, foi necessário:
a) reversão de R$ 91 milhões em PDD
b) IR/CS negativa em 31 milhões
Ou seja, para gerar o resultado, o banco foi "auxiliado" com "receitas" de R$ 122 milhões. De fato, no que concerne o operacional "puro" o banco gerou resultado negativo em aprox. R$ 90 milhões.
Para ter um termo de comparação, no 3T18 a "Receita" com reversão de PDD e IR/CS negativo foi de R$ 40 milhões. A Participação nos Resultados (R$ 6,8 milhões) somada ao IR/CS negativo (R$ 7,8 milhões) nem chegou perto!!!!
madeira!

marcosvinicius2 -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA apresentou um aumento SIGNIFICATIVO no ultimo trimestre: 1,35% no 3T15; 1,94% no 3T16; 0,49% no 3T17 e 3,18% no 3T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores elevados quando comparadas com empresas do mesmo setor: 3,60% no 3T15; 5,56% no 3T16; 14,09% no 3T17 e 12,06% no 3T18.: RELATORIO DA ADM = Os investimentos em tecnologia realizados nos últimos trimestres permitiram ao Pine uma melhor racionalização dos processos, aumentando a eficiência da operação e criando as bases operacionais que darão suporte ao crescimento da base de clientes. O Internet banking logrou alcançar uma penetração de 73,3% na base de clientes (frente aos 38,7% ativos no 2T18), o que somado aos demais investimentos proporcionarão uma otimização da oferta de produtos além da redução das despesas administrativas e de pessoal. O total de captação atingiu R$ 6.933 milhões em setembro de 2018, apresentando um crescimento de 14,0% se comparado ao último trimestre e de 10,9% em 12 meses. O perfil de captação continua bastante adequado representado, principalmente, por investimento de pessoas físicas, que resultaram no final do terceiro trimestre em 80,3% da captação total, um ticket médio de captação da ordem de R$ 90 mil. Relevante destacar que apenas 2,1% das captações possuem liquidez diária.

2T2018 -
Paulo Prof - 
Excetuando os aspectos do operacional destacados pela empresa, e cujo impacto nos resultadaos de médio e curto prazo é difícil avaliar:
- Maior penetração em clientes com faturamento anual de até R$ 500 milhões, com saldo de carteira de R$ 267 milhões em 98 clientes ao final do 2T18, representando 5% da carteira expandida e 25% do total de clientes do Banco.
- Contínua pulverização da carteira, com a produção trimestral com ticket médio de R$ 3,5 milhões.
- Recorrência na geração de resultado operacional e lucro líquido positivos.
- Manutenção dos patamares de inadimplência, com convergência gradual para patamares de normalidade para o segmento corporativo.
- Índices de cobertura da carteira monitorada acima de 100%, considerando saldo de provisão e garantias reais das transações.
- Balanço bastante líquido, com caixa equivalente a R$ 1,5 bilhão.
- Pulverização da captação, com aproximadamente 78% representada por depósitos de pessoas físicas com ticket médio inferior a R$ 100 mil,
achei os resultados bastante ruins.
Apesar de no semestre o banco ter contato com uma receita de R$ 50 milhões (R$ 30 milhões no trimestre) relativa a reversão de PDD, conseguiu produzir uma resultado operacional negativo em R$ 9 milhões (R$ 19 milhões no trimestre). Para produzir lucro, portanto, o banco teve que contabilizar receitas liquidas de IR/CS,, em ambos os trimestres do exercício.
Como já havia especulado anteriormente, parece que o banco exagerou nas despesas de PDD no 3T17 (R$ 317 milhões), criando "espaço" para "dourar a pílula" nos trimestres subsequentes (no 4T também foi contabilizada uma Receita de PDD, de R$ 9 milhões).
É possível que o operacional do banco vá melhorar de modo a necessitar um menor "auxílio" do PDD e do IR negativo. A ver nos próximos trimestres.
De qualquer forma, não acho que o turn around do banco esteja ali na esquina ... não acho que sejka coisa para este ano!

1T2018 -
Paulo Prof - 
No 3T17, o banco Pine teve uma despesa de PDD monstro, de R$ 317 milhões. O PDD total aumentou de R$ 285 milhões no 2T17 para R$ 597 milhões no 3T17.
No 4T17, em vez de uma despesa de PDD, teve uma receita de PDD de aprox. R$ 9 milhões. O Resultado Operacional, entretanto, foi de apenas R$ 3 milhões, ou seja, bem menor do que esta receita de PDD. Agora, no 1T18, ocorreu o mesmo. O banco contabilizou uma receita de PDD de R$ 20 milhões e um lucro líquido de R$ 5 milhões.
Querem saber da melhor? No exercício de 2017, apesar do banco ter postado um prejuízo monstro de R$ 263 milhões, distribuiu R$ 19 milhões entre os seus empregados, a título de participação. Neste 1o. trimestre, a participação nos lucros emplacou R$ 8 milhões. Não ficaria surpreso se a maior parte desta participação tenha ido para o bolso dos diretores ... enfim, os únicos que se ferram são os acionistas.
Na minha leitura, o resultado positivo gerado no 1T18 foi "fabricado". Não tivesse o banco deliberadamente contabilizado uma despesa de PDD desnecessária no 3T17, o banco não teria postado lucros no 4T17 e 1T18. Como não sou contador, não posso afirmar que o prejuízo contabilizado no 3T17 foi, em grande parte, "fajutado" ... mas que a suspeita é grande ... não posso negar!

A2017/4T2017 -
paulo_prof -
Embora na minha opinião os resultados do PINE no 4T17 foram muito fracos, há indicações de que o turn around pode estar próximo.
Para início de conversa, o banco teve lucro no 4T17. O fato é digno de nota, mesmo considerando que este lucro tenha sido obtido meio na marra (no 4T, houve uma reversão de PDD, ou seja, em vez de ter uma despesa, o banco contabilizou uma receita de PDD de R$ 8,8 milhões. Comoos Resultados Operacional e Não Operacional no 4T somaram R$ 6,3 milhões, é evindente que sem a reversão de PDD a última linha ainda seria vermelha.
A "qualidade" da carteira expandida de créditos (PDD total/Carteira Total) continua horrível, com o indicador em 13,57% (ou seja, de cada R$ 100 emprestados, R$ 13,57 estão provisionados). No ano, aprox. 0,5% da carteira expandida de créditos foi baixado a prejuízo.
Continuo sem entender como uma empresa que gera um resultado operacional negativo em R$ 421 milhões, tem a cara de pau de distribuir R$ 19 milhões a seus funcionários, a maior parte evidentemente, para a diretoria, maior responsável pelo fiasco que vem sendo apresentando nos últimos 2 anos.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 45 TRIMESTRES, 05 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (11,1111%). TOTAL DE ATIVOS = O TOTAL DE ATIVOS MONTOU A R$ 9.039 MILHÕES EM 30 DE SETEMBRO DE 2017 COM UM PREJUÍZO LÍQUIDO DE R$ 244 MILHÕES NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2017. O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ALCANÇOU R$ 915 MILHÕES.

2T2015 -
paulo_prof  -
Um dia ainda vou entender a contabilidade dos bancos ...
No 1T15, o Pine só conseguiu lucro devido ao deferimento de impostos; ou seja, o Resultado Antes dos Impostos e Participações negativo em quase R$ 32 milhões ficou positivo devido à "Receita" de Impostos ... Além de azular um resultado vermelho, esta "receita" de impostos também produziu uma participação no Resultado, maior do que o lucro líquido dos acionistas.
No 2T15, o Pine só cnseguiu lucro devido à Reversão de PDD, ou seja, Com a redução do PDD e Inadimplência "negativa", houve uma "receita" de PDD. Ainda assim, não fosse mais uma contribuiçãozinha de IR/CS, o Resultado do Trimestre não chegaria a R$ 10 milhões.
Pelo andar da carruagem ... se o banco conseguir lucrar R$ 40 milhões no exercício já será motivo para festejar!

1T2015 -
paulo_prof  -
O PINE nitidamente está com o pé no freio ... a carteira expandida de crédito diminuiu 9,9% entre 31MAR2014 e 31MAR2015. Por outro lado, as despesas de PDD "explodiram", totalizando R$ 109 milhões nos dois últimos trimestres, quase 3 vezes mais da despesa incorrida nos mesmos 6 meses terminados no 1T14, de R$ 37 milhões. Em termos absolutos, a despesa de PDD no 1T15 foi R$ 33 milhões maior do que no trimestre do ano anterior ... só esta diferença já explica a queda no resultado líquido, de R$ 25 milhões.
No trimestre também deixaram a desejar as receitas com a prestação de serviços, que aumento abaixo da inflação. No últimos 12 meses, a Receita com a Prestação de Serviços caiu, nominalmente, 13,4%
Do lado positivo, as despesas com pessoal, administrativas e tributárias também foram reduzidas: de 15,6% nominais no trimestre e de 8,2% nos últimos 12 meses.
Finalmente, achei o resultado de tesouraria bastante fraco.
Suspeito fortemente que o banco tenha "administrado" a questão do PDD, empurrando para o 1T15 despesas que efetivamente teria que ter contabilizado no 4T14 ... ou seja, para melhorar a foto do 4T14, acho que não provisionou tudo o que devia ... se este for o caso, o quadro poderá melhorar nos próximos 2 trimestres ... ou seja, não acredito que nos próximos 2 trimestres as despesas de PDD vão somar os mesmos R$ 110 milhões dos últimos 6 meses ... A ver

small caps  -
Continuou ruim.

small caps  -
... quando um banco apresenta resultados ruins... é porque não é mais possível esconder que a situação está difícil...
Um resultado ruim é péssimo porque aumenta os juros de captação da instituição e acarreta resultados mais pressionados... é um círculo vicioso...

tadeutad -
Resultado do pine tenebroso.

A2014/4T2014 -
paulo_prof  -
Nitidamente, em relação há um ano atrás, o banco reduziu de tamanho em todos os sentidos ... não está claro quando a sangria vai terminar e o processo de encolhimento vai ser revertido ... acho que é uma boa hora para ficar olhando de fora!!!

3T2014 -
paulo_prof  -
Está um tanto quanto difícil de entender a DRE do banco Pine ... O Resultado Operacional pífio do trimestre foi impactado, de um lado, por uma Receita e PDD e, de outro, por uma "explosão" em Outras Despesas Operacionais.
Suspeito que o banco vendeu créditos inadimplentes (a preço de banana). Em consequência, o prejuízo teve que ser baixado como despesa (Outras Despesas Operacionais). O PDD associado a estes créditos podres, portanto, não seria mais necessário, sendo revertido. Finalmente, a "medida" dos créditos inadimplentes também foi impactada porque estes créditos podres simplesmente sumiram do balanço. No frigir dos ovos, a despesa originada pela venda dos créditos podres permitiu ficar bem na fita no que concerne a Despesa de PDD, o PDD total e a inadimplência (NPL) gerada no trimestre e nos últimos 12 meses.
De qualquer forma, o Resultado Líquido foi pífio ...

A2013/4T2013 -
paulo_prof  -
O sofrimento do banco continua claramente perceptível ... No 4T13 houve redução importante na receita de tarifas e serviços. Por outro lado, as despesas de pessoal, administrativas e tributárias no 4T13 aumentaram bem acima da inflação, ano-a-ano. Como estas despesas no ano aumentaram abaixo da inflação, deve ter tido uma compensação de despesas não pagas no 3T13.
Em relação ao 3T13, houve uma aceleração nas operações de crédito. Após uma relativa estabilidade do 2T13 para o 3T13, no 4T13 as operações totais de créditos aumentaram 7,87%.
A qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de uma média de 3,48% em 2012, para uma média de 3,08% em 2013.
Por outro lado, entretanto, a inadimplência (NPL) aumentou consideravelmente. A inadimplência média que em 2012 havia sido 1,26% da Carteira de Créditos, passou para uma média de 1,60% em 2013.
Em termos absolutos, a inadimplência em 2013 foi R$ 35,5 milhões maior do que em 2012. Só este fato explicaria a diferença no lucro líquido de um exercício para outro.
Hoje, o Banco ABCB me parece claramente superior (em tudo!) e a ABCB4 continua mais barata !!!

3T2013 -
jgebing  -
Gostei do resultado de PINE4...
Pode não ter vindo extraordinário, mas como bem disse o Small:
Para uma empresa com P/L de 6,xx, negociada abaixo do seu VPA e com um DY de 10%, está ótimo!
Continuo comprado e monitorando. Caso caia mais, ou não surja um CARAJO para mim alocar meu cash livre, vou aumentar posição em PINE4 mesmo.

paulo_prof  -
É claramente perceptível que o banco está sofrendo ... em 9 meses de 2013 o aumento de receitas de serviços em relação a 2012 foi pífia. Para compensar, deve ter tido gente sendo despedida, pois as despesas com pessoal, administrativas e tributárias diminuiu. No 3T13 sobre o 3T12 houve uma melhora na receita, mas as despesas continuaram contidas. O banco nitidamente pisou no freio. Veja que as operações de crédito permaneceram estagnadas na passagem do 2T13 para o 3T13.
Do lado positivo, a qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de 3,51% no 1T13, para 2,96% no 3T13, passando por 3,16% no 2T13.
Por outro lado, entretanto, a inadimplência (NPL) aumentou consideravelmente. O percentual anualizado, passou de 0,47% da Carteira de Créditos no 1T13, para 2,95% no 3T12, passando por 1,35% no 2T13.

small caps  -
ch3481, para resolver o questionamento, a filosofia é a seguinte:
Quantas ofertas de ações de empresas novas você viu este ano? Ou de debêntures?
Não tem como fazer milagre. O cenário está uma porcaria, volátil, cheio de dúvidas no ar.
Assim, este segmento é bastante impactado. No entanto, como ele tem um custo muito baixo de manutenção, conseguem sobreviver sem prejuízos.
Gostei do balanço. Depois do que vi em DAYC4, até pensei pudesse vir algo pior. Mas veio melhor que o segundo trimestre. O impacto da tesouraria deu uma arrefecida, mais ainda aconteceu.
Por fim, a cotação caiu bastante. Portanto, temos que ter isto em mente. Quando analisamos uma empresa com P/L 15, 20, a exigência DEVE ser muito maior.
Quando se está diante de uma empresa com P/L que revela oportunidade, balanços menos exuberantes não tem o mesmo nível de preocupação.
Esta é a GRANDE vantagem de se comprar empresas baratas, já que não se espera grandes resultados delas, conforme as cotações indicam.
Sigo bem comprado e feliz com os belos proventos proporcionados.
Ressalto apenas que estaria preocupado se estivesse diante de uma empresa com P/L 15 ou 20. Mas, felizmente, não é o caso... e é uma das principais razões que me impedem de manter muitas destas no meu portfólio de ações.

MuadibGV -
Bom resultado de PINE! Recompraram mais umas 700 mil ações, receita de serviços cresceu uns 10% para o outro ano, mas o lucro líquido foi prejudicado por participações nos lucros mais generosas. Qualidade da carteira melhorou pelo critério de vencidos, e parece que estão conseguindo crescer a carteira com qualidade (lembrar do BIC , bater na madeira)
Acho que se recuperou do susto do 2T2013. Distribuindo DY perto de 10% tenho que continuar sócio.

2T2013 -
paulo_prof - 
Muito ruim ...
Numa primeira olhada, até que a última linha parece razoável ... mas ela inclui um diferimento de R$ 21 milhões em IR/CS. Não fosse este diferimento, a participação nos resultados não passaria de R$ 2 milhões e o lucro líquido teria sido apenas de uns R$ 22 milhões.
Se não há erro em minha planilha, o tamanho da carteira total de créditos (inclui outros créditos) aumentou consideravelmente, do 1T13 para o 2T13 - teria passado dos R$ 5,6 bilhões para R$ 6,4 bilhões. A qualidade desta carteira, medida como a razão entre o PDV e o Total da Carteira, passou de 3,51% no 1T13 para 3,16 no 2T13. A inadimplência anualizada, medida como a razão dos NPL e a carteira total de créditos, passou de 0,47% no 1T13 para 1,35% no 2T13.

3T2012 - 

ch3481 
achou bom


2T2012  - 

3T2011 - 
Pauloprof - 
Ativo continua relativamente barato ... mas longe de estar tão barato como BBAS3

3T2010 - 
uqaz  - 
achou lucro humilde e lbiazao gostou

3T2009 - 
pauloprof  - 
gostou

1T2009 - 
líquido recuou 51,5% em comparação a 2008.

Características
Banco de atacado focado no relacionamento de longo prazo com clientes de grande porte e investidores. Oferece crédito, produtos de hedging. Mercado de Capitais. Serviços de Assessoria Financeira.

Apresentações

Balanços (Calendário)
18/02/2020
 DFP 2019
13/05/2020
 ITR 1T 2020
12/08/2020
 ITR 2T 2020
11/11/2020
 ITR 3T 2020




Prezado Paulo Prof.
Boa tarde; o sr. chegou a analisar PINE. Não lembro ter visto. Se analisado, por favor o link para dar uma olhada.
Obrigado !
Ainda não analisei ... dei uma olhada, não gostei do que vi ... e decidi deixar para outra hora. Até hoje não fui capaz de entender por que todos estes anos postando prejuízo atrás de prejuízo, os empregados recebem uma participação nos lucros que é positiva e crescente. A sensação que tive é que o banco está numa situação muito difícil e a sua administração não está sendo transparente. A menos que me provem o contrário, acho que a informação referente ao PDD é completamente manipulada. Não é possível no 1o. semestre o banco ter uma RECEITA de PDD de R$ 56 milhões, para no 2o. semestre ter uma DESPESA de R$ 149 milhões, sendo R$ 130 milhões somente no 4T19. Ou seja, a "qualidade" da carteira expandida de créditos (PDD Total dividido pela Carteira Expandida) ao final do 2T19, 7,27%, teria piorado para 8,28% ao final do 4T19. Praticamente impossível uma deterioração de 1 ponto percentual num cenário de economia em recuperação. Se este dado não estiver sendo manipulado (eu acho que é, ou seja, o banco exagera o tamanho do PDD, para nos próximos trimestres conseguir uma receita de PDD, enfim, para eventualmente conseguir dourar a pílula) a situação do banco é péssima, com a carteira de créditos mais furada que queijo suiço. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

Professor Paulo!
Algumas análise para o PINE? Pelo primeiro trimestre vi evolução de carteira,receita e redução de despesas. O que acha do ativo?
Acho que ainda está longe do turn around. Nos últimos 2 trimestres, o Resultado Operacional emplacou mais de R$ 50 milhões negativos, No 1T19, inclusive, o prejuízo operacional foi expressivo mesmo depois do banco contabilizar uma RECEITA de PDD, de R$ 30 milhões. Receitas com tarifas e serviços em queda. Despesas de pessoal, administrativas e tributárias aumentando. Se a minha planilha está correta, no 1T19 o banco contabilizou R$ 182 milhões em créditos NPL. Não dá para saber se as operações de crédito agora estão "limpas". Provavelmente não. Vamos ver o que os Resultados do 2T19 contam. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

PINE4

PREÇO: R$ 2,75

Como antecipado, não sendo mais possível produzir receitas de PDD e de IR/CS, a dura realidade iria prevalecer/

Nos 9M18, o banco contabilizou uma Receita de R$ 82,6 milhões e uma receita de IR/CS de R$ 19,2 milhões. Com a Receita "espúria", não recorrente de R$ 82,6 milhões o banco conseguiu um Resultado Oparacional negativo em "apenas" R$ 5,2 milhões que somados aos R$ 1,3 milhões do Resultado Não Operacional produziu um Resultado Antes dos Impostos negativo em R$ 3,9 milhões. Soma uma Receita de IR/CS de R$ 19,2 milhões e vc terá uma lucro líquido de R$ 15,3 milhões.

No 4T, não podendo mais produzir Receitas de PDD (houve uma despesa de R$ 2,8 milhões), a casa caiu ...

O banco produziu um Resultado Operacional negativo em R$ 58 milhões que, somado ao Resultado não Operacional de R$ 2,4 milhões produziu um Resultado Antes dos Impostos negativo em R$ 55,6 milhões. Não podendo mais "galinhar" com o IR/CS, o banco teve que contabilizar uma despesa de R$ 14,5 milhões em IR/CS. Resultado: prejuizo de R$ 75 milhões.

Parabéns ao presidente do troço!!!! Quiz dourar a pílula produzindo resultados trimestrais fictícios para depos ser obrigado a contabilizar um grande prejuízo. Para salvar a cara, muito melhor teria sido dividir a "gordura" de PDD nos 4 trimestres e assim contabilizar prejuízos menores em cada um.

Madeira!

Não vejo muita chance de recuperação do banco. A Receita com a Intermediação vem diminuindo, Sem poder usar o "esquema" de Receita de PDD o banco não consegue um Resultado Bruto de Intermediação positivo. As Receitas com Serviços e Taxas também estão diminuindo e as despesas de pessoal, administrativas e tributárias foram maiores em 2018 do que foram em 2017.

E a cereja do bolo, mais uma vez, a distribuição da participação nos resultados aos empregados, de R$ 18,8 milhões! beleza pura!

Tudo indica que o destino do banco deve ser algo parecido com aquele do Bic.

356549 - marcosvinicius2 - 05 Dez 2018, 13:42
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA apresentou um aumento SIGNIFICATIVO no ultimo trimestre: 1,35% no 3T15; 1,94% no 3T16; 0,49% no 3T17 e 3,18% no 3T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores elevados quando comparadas com empresas do mesmo setor: 3,60% no 3T15; 5,56% no 3T16; 14,09% no 3T17 e 12,06% no 3T18.: RELATORIO DA ADM = Os investimentos em tecnologia realizados nos últimos trimestres permitiram ao Pine uma melhor racionalização dos processos, aumentando a eficiência da operação e criando as bases operacionais que darão suporte ao crescimento da base de clientes. O Internet banking logrou alcançar uma penetração de 73,3% na base de clientes (frente aos 38,7% ativos no 2T18), o que somado aos demais investimentos proporcionarão uma otimização da oferta de produtos além da redução das despesas administrativas e de pessoal. O total de captação atingiu R$ 6.933 milhões em setembro de 2018, apresentando um crescimento de 14,0% se comparado ao último trimestre e de 10,9% em 12 meses. O perfil de captação continua bastante adequado representado, principalmente, por investimento de pessoas físicas, que resultaram no final do terceiro trimestre em 80,3% da captação total, um ticket médio de captação da ordem de R$ 90 mil. Relevante destacar que apenas 2,1% das captações possuem liquidez diária.:

PINE4
PREÇO: R$ 2,49
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 17,43
P/VPA 0,32
DY 0,00%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,143
ROAE 1,85%
ROAA 0,18%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 105.570
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,18%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 12,06%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T17, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -131,11%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -10,82%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 10,28%
RESULTADO OPERACIONAL -97,05%
RESULTADO LÍQUIDO -106,32%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -123,13%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 404,42%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -105,52%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -16,25%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 13,01%
RESULTADO OPERACIONAL -98,91%
RESULTADO LÍQUIDO -101,98%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -110,25%
PATRIMONIO LÍQUIDO 2,08%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -21,67%
PDD TOTAL -32,97%
ATIVOS TOTAIS 4,18%

c) lucro liquido, nominal
UA -106,32%
U2A 81,68%
U3A -21,47%

d) patrimônio líquido médio
UA -14,94%
U2A -10,90%
U3A -8,91%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,79
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +7,5% !!!!
[...]

355817 - paulo_prof  -  12 Nov 2018, 19:56
Acho que Pine continua uma lástima.

Embora o banco tenha contabilizado lucros em cada um dos últimos 4 trimestres, há que se observar bem como estes lucros foram obtidos.

No exercício de 2017, apesar do banco ter postado um prejuízo de R$ 263 milhões, os empregados do banco receberam R$ 15 milhões a título de Participação nos Resultados. Ou seja, para os empregados que não são demitidos não há tempo ruim, mesmo se mostrarem uma incompência total na condução dos negócios do banco.

Nos últimos 12 meses, a Participação nos Resultados somou R$ 15,5 milhões, para um lucro líquido de R$ 17,3 milhões.. Ou seja, o banco gerou aprox. R$ 33 milhões pa acionistas e empregados.

Para gerar este valor, foi necessário:

a) reversão de R$ 91 milhões em PDD

b) IR/CS negativa em 31 milhões



Ou seja, para gerar o resultado, o banco foi "auxiliado" com "receitas" de R$ 122 milhões. De fato, no que concerne o operacional "puro" o banco gerou resultado negativo em aprox. R$ 90 milhões.

Para ter um termo de comparação, no 3T18 a "Receita" com reversão de PDD e IR/CS negativo foi de R$ 40 milhões. A Participação nos Resultados (R$ 6,8 milhões) somada ao IR/CS negativo (R$ 7,8 milhões) nem chegou perto!!!!

madeira!

352546  - paulo_prof   -  07 Ago 2018, 01:50
Excetuando os aspectos do operacional destacados pela empresa, e cujo impacto nos resultadaos de médio e curto prazo é difícil avaliar:

- Maior penetração em clientes com faturamento anual de até R$ 500 milhões, com saldo de carteira de R$ 267 milhões em 98 clientes ao final do 2T18, representando 5% da carteira expandida e 25% do total de clientes do Banco.

- Contínua pulverização da carteira, com a produção trimestral com ticket médio de R$ 3,5 milhões.

- Recorrência na geração de resultado operacional e lucro líquido positivos.

- Manutenção dos patamares de inadimplência, com convergência gradual para patamares de normalidade para o segmento corporativo.

- Índices de cobertura da carteira monitorada acima de 100%, considerando saldo de provisão e garantias reais das transações.

- Balanço bastante líquido, com caixa equivalente a R$ 1,5 bilhão.

- Pulverização da captação, com aproximadamente 78% representada por depósitos de pessoas físicas com ticket médio inferior a R$ 100 mil,

achei os resultados bastante ruins.

Apesar de no semestre o banco ter contato com uma receita de R$ 50 milhões (R$ 30 milhões no trimestre) relativa a reversão de PDD, conseguiu produzir uma resultado operacional negativo em R$ 9 milhões (R$ 19 milhões no trimestre). Para produzir lucro, portanto, o banco teve que contabilizar receitas liquidas de IR/CS,, em ambos os trimestres do exercício.

Como já havia especulado anteriormente, parece que o banco exagerou nas despesas de PDD no 3T17 (R$ 317 milhões), criando "espaço" para "dourar a pílula" nos trimestres subsequentes (no 4T também foi contabilizada uma Receita de PDD, de R$ 9 milhões).

É possível que o operacional do banco vá melhorar de modo a necessitar um menor "auxílio" do PDD e do IR negativo. A ver nos próximos trimestres.

De qualquer forma, não acho que o turn around do banco esteja ali na esquina ... não acho que sejka coisa para este ano!

349729  - paulo_prof   -  08 Mai 2018, 01:48
No 3T17, o banco Pine teve uma despesa de PDD monstro, de R$ 317 milhões. O PDD total aumentou de R$ 285 milhões no 2T17 para R$ 597 milhões no 3T17.

No 4T17, em vez de uma despesa de PDD, teve uma receita de PDD de aprox. R$ 9 milhões. O Resultado Operacional, entretanto, foi de apenas R$ 3 milhões, ou seja, bem menor do que esta receita de PDD. Agora, no 1T18, ocorreu o mesmo. O banco contabilizou uma receita de PDD de R$ 20 milhões e um lucro líquido de R$ 5 milhões.

Querem saber da melhor? No exercício de 2017, apesar do banco ter postado um prejuízo monstro de R$ 263 milhões, distribuiu R$ 19 milhões entre os seus empregados, a título de participação. Neste 1o. trimestre, a participação nos lucros emplacou R$ 8 milhões. Não ficaria surpreso se a maior parte desta participação tenha ido para o bolso dos diretores ... enfim, os únicos que se ferram são os acionistas.

Na minha leitura, o resultado positivo gerado no 1T18 foi "fabricado". Não tivesse o banco deliberadamente contabilizado uma despesa de PDD desnecessária no 3T17, o banco não teria postado lucros no 4T17 e 1T18. Como não sou contador, não posso afirmar que o prejuízo contabilizado no 3T17 foi, em grande parte, "fajutado" ... mas que a suspeita é grande ... não posso negar!

346984 - paulo_prof -  09 Fev 2018, 01:33
Embora na minha opinião os resultados do PINE no 4T17 foram muito fracos, há indicações de que o turn around pode estar próximo.

Para início de conversa, o banco teve lucro no 4T17. O fato é digno de nota, mesmo considerando que este lucro tenha sido obtido meio na marra (no 4T, houve uma reversão de PDD, ou seja, em vez de ter uma despesa, o banco contabilizou uma receita de PDD de R$ 8,8 milhões. Comoos Resultados Operacional e Não Operacional no 4T somaram R$ 6,3 milhões, é evindente que sem a reversão de PDD a última linha ainda seria vermelha.

A "qualidade" da carteira expandida de créditos (PDD total/Carteira Total) continua horrível, com o indicador em 13,57% (ou seja, de cada R$ 100 emprestados, R$ 13,57 estão provisionados). No ano, aprox. 0,5% da carteira expandida de créditos foi baixado a prejuízo.

Continuo sem entender como uma empresa que gera um resultado operacional negativo em R$ 421 milhões, tem a cara de pau de distribuir R$ 19 milhões a seus funcionários, a maior parte evidentemente, para a diretoria, maior responsável pelo fiasco que vem sendo apresentando nos últimos 2 anos.

Pessoalmente, não consideraria como "alternativos" a QGEP3 e a UNIP6. Acho que o risco de um investimento nestes ativos nos preços atuais não é relevante. Ambos apresentam uma estrutura de capital muito boa para enfrentarem eventuais contingências.

Já o mesmo não pode ser afirmado em relação a RDNI3 e TCSA3, tampouco em relção a BMEB4 e PINE4. O investimento nestes ativos é especulativo por natureza e, como tal, os respectivos percentuiais devem em princípio ser pequenos.

344218  - marcosvinicius2  -  22 Nov 2017, 18:52
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 45 TRIMESTRES, 05 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (11,1111%). TOTAL DE ATIVOS = O TOTAL DE ATIVOS MONTOU A R$ 9.039 MILHÕES EM 30 DE SETEMBRO DE 2017 COM UM PREJUÍZO LÍQUIDO DE R$ 244 MILHÕES NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2017. O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ALCANÇOU R$ 915 MILHÕES:

PINE4
PREÇO: R$ 3,02
PAYOUT (2016): -188,90%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L -1,34
P/VPA 0,40
DY 141,39%
LUCRO POR AÇÃO R$ -2,260
ROAE -29,92%
ROAA -3,02%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 20.929
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,49%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 14,09%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -429,54%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 17,71%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 7,04%
RESULTADO OPERACIONAL -3585,59%
RESULTADO LÍQUIDO -5321,06%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 283,86%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -73,08%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -3750,93%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 0,08%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 30,66%
RESULTADO OPERACIONAL 3504,72%
RESULTADO LÍQUIDO 3597,70%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 1750,11%
PATRIMONIO LÍQUIDO -20,54%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,59%
PDD TOTAL 167,63%
ATIVOS TOTAIS 8,25%

c) lucro liquido, nominal
UA -5321,06%
U2A ND
U3A -229,46%

d) patrimônio líquido médio
UA -6,67%
U2A -5,73%
U3A -5,12%

Crédito Corporativo = O total da carteira de crédito atingiu R$ 6.318 milhões em 30 de setembro de 2017, alta de 1,3% comparado ao mesmo período do ano anterior. Terminamos o terceiro trimestre com um total de R$ 597 milhões em saldo de PDD e com uma cobertura da carteira E-H – Res. 2.682 - de aproximadamente 83%, em linha com os pares;

Captação = O total de captação atingiu R$ 6.252 milhões em setembro de 2017, apresentando uma queda de 0,4% no trimestre e crescimento de 5,8% em doze meses.

PINE4_rl_tri_bar.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

343946  - ispholambra -  13 Nov 2017, 21:29
Por falar em arcar com o peso das proprias escolhas... eu me ferrei em PINE4... nao esperava a bomba que foi jogada no ultimo balanço... ate porque a sinalizacao dos ultimos balanços nao indicava isso...

Perdi uma grana em PINE4... mas ja liquidei posicao... nao da pra seguir com um ativo aonde a cada divulgacao de balanço rasgam o que disseram no balanço anterior...

Se tem uma coisa que eu odeio de verdade sao mentiras...

343802 - MuadibGV -  10 Nov 2017, 20:32
Citação: manguito - Post #343747 - 09/Nov/2017 22:12
PINE4... Provisão PDD de 315 milhões
Quem te viu e quem te vê... Pine sempre foi redondinho, agora parece que vai pelo caminho do Indusval.

Algumas observações:

-uns tempos atrás o banco estudou fechar o capital, mas desistiu. Talvez já estivessem antevendo essas perdas que provisionaram agora. O VPA baixou uns 10% de uma pancada só. Mais barato pra fechar...

-o banco dizia que seu diferencial era "conhecer profundamente os clientes" mas agora está diminuindo o ticket médio de empréstimos concedidos e diversificando a base de tomadores. Meio contraditório.

-pagou uns 5 milhões nesse trimestre a título de provisões estatutárias, etc. que são bonificações. Com um resultado desses?!

Não está bonito na foto.

342113  - MuadibGV -  16 Set 2017, 15:44
Pine estive comprando mas vendi para fazer caixa. Tive um leve prejuízo nessa última venda, embora no geral seja uma das cias. que mais me deu lucro.

Gosto do banco e tal, mas creio que não existe um "nicho" para os médios atuarem . Existe sim sobras não atendidas pelos grandões, e que como sobras não tem tanta qualidade no risco x retorno.

Os prejuízos não assustam já que o desconto P/VPA é grande. O que assusta é a perspectiva do banco continuar assim indefinidamente.

342108 - BenGraham -  16 Set 2017, 04:00
Pessima qualidade de carteira de credito. Cheio de esqueleto. Alta rotatividade de front office. Muda toda hora de direcionamento. Controlador nao tem grana p fazer opa, e reza todo dia para aparecer comprador. Existem mais uns 3 bancos medios na mesma situacao. 1 solucao p ganhar grana aqui: venda do banco. Melhor seria chines querendo entrar no mercado...

342107  - Paturi -  16 Set 2017, 02:12

"O Banco Pine registrou prejuízo líquido de R$ 21,333 milhões no segundo trimestre, resultado três vezes superior ao prejuízo líquido de R$ 6,94 milhões aferido no mesmo período do ano passado.

Já as despesas com provisões para crédito de liquidação duvidosa saltaram de R$ 33,208 milhões, no segundo trimestre de 2016, para R$ 49,973 milhões no mesmo período deste ano.

Na divulgação de resultados, o banco destaca que a carteira de crédito expandida atingiu R$ 6,582 bilhões ao final de junho de 2017, com crescimento de 1,8% na comparação com o trimestre anterior, e de 5% em relação a junho de 2016. " (Fonte: Valor Econômico)

342106  - ispholambra -  16 Set 2017, 01:56
Pessoal,

Sou bancario e estava gerente de agencia ate a algum tempo atras... e posso dizer com um bom conhecimento de causa que o "grosso" da inadimplencia ja veio a superficie... vao ter casos recorrentes... ate porque muito das renegociacoes feitas, principalmente para as grandes e medias empresas nao resolveu o problema... apenas deu uma adiada....

Ou seja... teremos inadimplencia por algum tempo ainda... mas ela tende a ser cada vez menor...

Estranho é que o PINE pouco perdeu por inadimplencia ate agora... mesmo tendo reduzido drasticamente a sua carteira de credito...

Mas de qualquer sorte é posicao bem pequena... vai que aparece um banco Chines interessado nele... como foi o caso do Bicbanco...

Tambem concordo que uma negociacao agora seria perfeita...e daria um belo lucro para quem esta comprado nessa faixa de preços...

342090  - ispholambra -  15 Set 2017, 19:45
PINE4
Comprei mais um pouco de PINE4 visando um futuro turnaround... nao e uma posicao relevante na minha carteira tendo em vista os riscos bem mais elevados do ativo... mas acho que vale uma aposta para o futuro...

Dando uma olhada por cima nos ultimos balancos, vemos que o Pine apresentou prejuizos nos ultimos trimestres, mas nada que assuste a primeira vista, pincipalmemente quando comparamos o quanto diminuiram a carteira de credito de 2014 pra ca...

Porem pelos que foi dito nos ultimos releases, eles ja iniciaram um novo ciclo de expansao...

De qualquer sorte e uma aposta relativamente pequena...e para um prazo relativamente longo (entre 3 e 5 anos) ....

Vamos ver no que vai dar...

341159  - paulo_prof  -  16 Ago 2017, 22:19
Quando as coisas começam a andar mal num banco pequeno, a tendência é que piorem. O funding fica mais caro, o banco fica sujeito a ser mais cobrado por descontos e concessões, etc.

No frigir dos ovos, entretanto, a palavra chave é competência. Não está claro onde o Pine errou, mas que erros sérios foram cometidos não podem haver dúvidas.

Talvez o banco tenha ficado exposto demais em setores mais atingidos pela recessão, talvez a exposição a alguns clientes tenha sido excessiva, talvez garantias tenham sido inadequadas, etc.

Olhando apenas os números conclui-se que o 2T17 foi um desastre total ... As despesas de PDD, que desde o 3T16 estam em níveis abaixo dos FR$ 20 milhões (R$ 17, 11 e 17 milhões, respectivamente, no 3T16, 4T16 e 1T17), explodiram para R$ 50 milhões. De acordo com o Relatório da Adminstração, o PDD foi adversamente afetado pelo atraso de um cliente específico. Dessa maneira, o resultado líquido apurado no trimestre não reflete o avanço qualitativo obtido nas novas safras de originação de crédito. A operação responsável por este impacto tem garantias reais em alienação fiduciária, além de avalistas com patrimônio relevante. A estratégia de cobrança adotada ainda não finalizou a execução de tais colaterais e avais. Tal plano tem sido bem sucedido, e o Banco acredita que será vitorioso na completa recuperação do crédito. Acredite quem quiser! No meu modo de entender, um único cliente não deveria ter sido capaz de produzir tamanho estrago!

Olhando os números, dá para ter certeza de que não é só isto ... Se as despesas de PDD repetissem aquelas do 1T17, ainda assim o Resultado Operacional teria sido negativo.

As Receitas com Serviços estão estagnadas há um ano ... mostrando que a base de clientes pode até ter diminuído. As despesas (de pessoal, administrativas e tributárias) entretanto, só crescem.

A cereja no bolo, entretanto, é a Participação nos Lucros ... nos últimos 12 meses, o Pine postou uma prejuízo de R$ 36 milhões. No mesmo período, entretanto, a Participação nos Lucros foi de R$ 18 milhões.

Dá para acreditar que metade do prejuízo do banco foi devido a grana que foi para o bolso dos seus "colaboradores"?

Só neste país mesmo ... onde se acha normal premiar a incompetência!

341075  - ispholambra   -  15 Ago 2017, 01:20
PINE4
Prejuizo de 21 milhoes... despesas de intermediacao  financeira sairam de 81 milhoes do segundo trimestre de 2016 para  252.462 milhoes no segundo trimestre de 2017... ou seja a PCLD comeu  todo o resultado... nao fosse o IR Diferido o resultado teria sido muito pior...
https://www.rad.cvm.gov.br/ENETCONSULTA/frmGerenci...
Amanha cai a dois reais...kkkkkkkkk

339169 - paulo_prof  -  08 Jun 2017, 22:50
Citação: eduardocairo - Post #339168 - 08/Jun/2017 21:41
Prof. Paulo, Boa noite. O senhor pode nos agraciar com a sua análise de PINE4 para o curto/médio prazo?
PINE, só mesmo sendo mágico ... Enquanto a recuperação econômica não se fizer sentir de uma maneira inequívoca, é quase impossível estimar os resultados de um banco que vem postando prejuízos, como o Pine. Só quando a crise ficar definitivamente para trás é que será possível "chutar" com alguma propriedade.

337673  - pedrosousa -  08 Mai 2017, 23:37
08/05/2017 19:19 PINE (PINE-N2) - Fato Relevante - 08/05/17
Banco Pine S.A.
Companhia Aberta
CNPJ 62.144.175/0001-20
FATO RELEVANTE
São Paulo, 08 de maio de 2017 - O Pine (BM&FBovespa: PINE4), banco de atacado focado no relacionamento de longo prazo com empresas de grande porte e investidores, informa aos seus acionistas e ao mercado geral que o Conselho de Administração finalizou a análise do fechamento de capital e concluiu que, neste momento, o melhor caminho para o Banco no longo prazo é permanecer com o capital aberto, listado no nível 2 de governança corporativa da BM&FBovespa.
O conselho entendeu que os benefícios de ser uma companhia aberta tendem a gerar maior valor para seus acionistas na atual conjuntura. Adicionalmente, além dos aspectos relativos a governança corporativa e transparência, essa decisão mantém abertos os canais de acesso ao mercado de capitais.
O Banco Pine reafirma seu comprometimento com as melhores práticas de Governança Corporativa e permanece a disposição dos investidores, analistas e o mercado em geral para quaisquer esclarecimentos
BANCO PINE S.A.
Raquel Varela Bastos
Diretora de Relações com Investidores

337542  - MuadibGV   -  04 Mai 2017, 21:29
Veja bem... kkk...

No começo do ano dei uma olhada em PINE4, que estava cotada a 0,4 do valor patrimonial , e achei cara. Me lembro que o BBAS chegou a ficar abaixo de 0,5 do VPA.

De lá pra cá muita coisa subiu e PINE4 caiu mais um pouco, agora está valendo 0,33 do VPA. Ou seja, tanto relativamente aos demais ativos quanto em valor absoluto ficou mais barato.

Trata-se de um banco com histórico bom de respeito aos acionistas minoritários, pagava bons dividendos. Por outro lado a viabilidade dos bancos médios está em dúvida: eles não têm outras receitas e serviços que geram o ROE elevado dos bancões, vivem de emprestar mesmo, e os últimos anos foram terríveis , com redução nominal do crédito total.

Ou seja, não tenho certeza de que o Pine um dia voltará a ser lucrativo.

Mas acredito que o controlador é inteligente o bastante pra perceber que não faz sentido continuar rodando o banco dando prejuízos.

Então espero uma OPA eventualmente, caso não haja sinal de recuperação dos resultados do banco adiante.

E a margem de segurança dada pelo baixo P/VPA torna possível esperar sentado.

O banco perdeu 50 mi em 2016 antes dos impostos e participações. Com aquela história da expectativa de lucrar futuramente e compensar o prejuízo (créditos fiscais) o prejuízo reduziu pra 15 milhões. Mas vá lá e consideremos 50 milhões, que são menos de 5% do VPA atual. Ou seja, nesse ritmo de prejuízo dá pra esperar um bom tempo que ainda existirá margem no P/VPA.

Resumindo, a esperança é que o banco volte a dar lucro mas, se não der, que ao menos dê pra sair com um ganho (na eventual OPA) que pague meu custo de oportunidade.

Prof paulo PINE4 deu uma derretida hoje, neste patamar de 3,60 vale uma compra para M.P na sua opinião ?

335895  - paulo_prof  -  23 Mar 2017, 01:45
Acho que o PINE corre um risco (pequeno) de acabar se transformando num BIC ou IDVL. Por outro lado, há que se considerar um eventual fechamento de fechamento capital.

Acho que o PINE só voltará ao azul se/quando a economia normalizar, e com este congresso, o risco é grande.

Em consequência, não acho que seja recomendável comprar PINE neste momento. Se/quando a economia melhorar inequivocamente e com pouca chance de deteriorar, acho que haverá tempo suficiente para um bom ganho em PINE.

Quem investir agora provavelmente sofrerá nos próximos 6 ou 9 meses. Quem investir daqui há 6 meses provavelmente conseguirá comprar a faixa dos R$ 4,10 a 4,30. Até lá, pode ser bem mais inteligente investir em ativos com menor risco.
                                                         ▲                                               ▲

Pine, quem te viu, quem te vê:
14mm de prejuízo líquido

Prezado, ou algum outro forista que possa ajudar.
Vc sabe dizer se o resultado foi impactado pelo hedge em moeda estrangeira?

A menos que esteja enganado, em 2016 o Pine teve um resultado negativo em R$ 47 milhões em instrumentos derivativos e um resultado negativo em R$ 63 milhões em operações de câmbio.

334635  - herdsman   -  24 Fev 2017, 10:29
A primeira vista o resultado do Pine não foi um desastre.
Do Banco Mercantil não sei dizer , mas enquanto o patrimônio liquido não encolher e continuarem pagando 7% sobre valor do capital social para os PNs fico com a posição.

334676 - paulo_prof   -  24 Fev 2017, 19:26
O banco realiza hedge em todas as suas operações cambiais. No 4T, entretanto, o impacto foi pequeno (somente R$ 3 milhões).

No que concerne os resultados com instrumentos financeiros derivativos, no 3T16 (R$ 12 milhões) e 4T16 (R$ 15 milhões), foram positivos.

O que eu acho que está "pegando", é a margem de intermediação financeira, que não para de cair. Era 3,2% no 4T15, caindo para somente 1,0% no 4T16. Esta baixa margem de intermediação é parcialmente compensada pela redução das despesas de PDD (no 1S as despesas de PDD somaram R$ 50 milhões, no 2S as despesas de PDD cairam para R$ 28 milhões).

O banco argumenta que esta queda brutal da margem é em boa parte explicada pela forma de contabilização. O reconhecimento das receitas é efetuado pelo critério caixa (não de competência). Ou seja, somente receitas efetivamente recebidas no trimestre são contabilizadas (o valor "acruado" dos juros que vencem no futuro não é contabilizado). Como o portfolio de crédito está em expansão, além do numerador ser maior, a receita média também está em expansão.

Na minha opinião, o resultado não foi um desastre completo, mas acho que ainda tem chão para a última linha ficar azul

O pine sempre divulga que não faz operações com moeda estrangeira, a não ser pra "esterelizar" alguma operação de câmbio de clientes, etc.
O prejuízo desse ano é inadimplência mesmo.
Se o P /VPA cair pra uns 0,25 tamos ai pra comprar a ação.
Difícil esperar outro caminho que não seja o fechamento do capital.
                                                                                           ▲                                                                      ▲
325661 - NumBroker  -  09 Ago 2016, 02:18
Hummmm Pine, Pine, quem te viu quem te vê...

Prejú de 7 milhões, intermediação financeira descendo a ladeira de 71 (1T16) pra 52 milhões, ROAE anualizado de -2,4% e Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa aumentou de 196 pra 223 milhas.
http://ri.pine.com/Download.aspx?Arquivo=g0jXK0M6HTPxHMNoFQ3JkQ==

324682  - paulo_prof  -  25 Jul 2016, 17:50
O Pine tem uma política de pagar JCP no limite legal. Quando os resultados são ruins, o provento a ser distribuído pode acabar sendo maior do que o lucro. Foi o que ocorreu no exercício passado. Considerando o provento bruto (antes do desconto dos 15% de IR), o payout em 2015 cravou 193,5%.

Deu para perceber, na distribuição dos JCPs correspondentes ao 2o. trimestre, que o banco resolveu puxar o freio de mão, distribuindo somente aprox. 35% do máximo legal. Isto pode ser uma indicação de que o resultado do 2T16 vem bastante fraco. Admitindo uma risco alto do resultado vir fraco, há que se preocupar com o nível da inadimplência e deterioração da carteira. Nos últimos 12 meses de resultados, os créditos baixados a prejuízo já são 3,68% dos créditos totais, ou R$ 163 milhões. Por outro lado, o nível da Provisão para Devedores Duvidosos já é 4,42% dos créditos totais, 0,66% maior do que há uma ano.

Assim, as despesas de PDD são muito altas e facilmente poderão "explodir" (um total de R$ 196 milhões nos últimos 12 meses; R$ 163 milhões para cobrir os créditos baixados a prejuízo + R$ 33 milhões para contrabalançar a deterioração da carteira de crédito). Nos últimos 12 meses, o lucro acumulado é de R$ 41 milhões. É fácil perceber que se ocorrer uma pequena piora na inadimplência, este lucro é comido muito rapidinho em mais despesas de PDD.

Em consequência, qualquer aposta na PINE4 necessariamente é de cunho especulativo ... ou seja, antes dos resultados, eu não colocaria muito mais do que a grana da pinga.

303932 - paulo_prof  -  13 Ago 2015, 15:18
Um dia ainda vou entender a contabilidade dos bancos ...

No 1T15, o Pine só conseguiu lucro devido ao deferimento de impostos; ou seja, o Resultado Antes dos Impostos e Participações negativo em quase R$ 32 milhões ficou positivo devido à "Receita" de Impostos ... Além de azular um resultado vermelho, esta "receita" de impostos também produziu uma participação no Resultado, maior do que o lucro líquido dos acionistas.

No 2T15, o Pine só cnseguiu lucro devido à Reversão de PDD, ou seja, Com a redução do PDD e Inadimplência "negativa", houve uma "receita" de PDD. Ainda assim, não fosse mais uma contribuiçãozinha de IR/CS, o Resultado do Trimestre não chegaria a R$ 10 milhões.

Pelo andar da carruagem ... se o banco conseguir lucrar R$ 40 milhões no exercício já será motivo para festejar!

PINE4
PREÇO: R$ 4,55
PAYOUT (2014): 76,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 12,03
P/VPA 0,44
DY 6,36%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,378
ROAE 3,6%
ROAA 0,44%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 4.363
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,07%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,55%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -32,9%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -6,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -5,4%
RESULTADO OPERACIONAL -118,6%
RESULTADO LÍQUIDO -70,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -26,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -96,6%

b) 2T15 sobre 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +6,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +8,3%
RESULTADO OPERACIONAL passou de positivo para negativo
RESULTADO LÍQUIDO -71,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -276,1%
PATRIMONIO LÍQUIDO -4,9%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -13,1%
PDD TOTAL +36,7%
ATIVOS TOTAIS -6,1%

c) lucro liquido
UA -70,23%
U2A -50,50%
U3A -38,15%

d) patrimônio líquido médio
UA -1,90%
U2A 0,27%
U3A 6,89%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 3,78

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +4,5%

297238  - paulo_prof  -  14 Mai 2015, 13:21
O PINE nitidamente está com o pé no freio ... a carteira expandida de crédito diminuiu 9,9% entre 31MAR2014 e 31MAR2015. Por outro lado, as despesas de PDD "explodiram", totalizando R$ 109 milhões nos dois últimos trimestres, quase 3 vezes mais da despesa incorrida nos mesmos 6 meses terminados no 1T14, de R$ 37 milhões. Em termos absolutos, a despesa de PDD no 1T15 foi R$ 33 milhões maior do que no trimestre do ano anterior ... só esta diferença já explica a queda no resultado líquido, de R$ 25 milhões.

No trimestre também deixaram a desejar as receitas com a prestação de serviços, que aumento abaixo da inflação. No últimos 12 meses, a Receita com a Prestação de Serviços caiu, nominalmente, 13,4%

Do lado positivo, as despesas com pessoal, administrativas e tributárias também foram reduzidas: de 15,6% nominais no trimestre e de 8,2% nos últimos 12 meses.

Finalmente, achei o resultado de tesouraria bastante fraco.

Suspeito fortemente que o banco tenha "administrado" a questão do PDD, empurrando para o 1T15 despesas que efetivamente teria que ter contabilizado no 4T14 ... ou seja, para melhorar a foto do 4T14, acho que não provisionou tudo o que devia ... se este for o caso, o quadro poderá melhorar nos próximos 2 trimestres ... ou seja, não acredito que nos próximos 2 trimestres as despesas de PDD vão somar os mesmos R$ 110 milhões dos últimos 6 meses ... A ver

PINE4
PREÇO: R$ 5,30
PAYOUT (2014): 76,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 9,08
P/VPA 0,51
DY 8,42%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,583
ROAE 5,6%
ROAA 0,65%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 42.233
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,64%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,76%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -24,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -13,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -8,2%
RESULTADO OPERACIONAL -90,3%
RESULTADO LÍQUIDO -54,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +0,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -60,7%

b) 4T14 sobre 4T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de positivo para negativo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +4,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -15,8%
RESULTADO OPERACIONAL -166,9%
RESULTADO LÍQUIDO -71,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +345,5%
PATRIMONIO LÍQUIDO -2,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -9,9%
PDD TOTAL 31,2%
ATIVOS TOTAIS -3,3%

c) lucro liquido
UA -54,08%
U2A -39,01%
U3A -26,77%

d) patrimônio líquido médio
UA -0,46%
U2A 3,05%
U3A 8,77%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 5,83

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -2,0%

O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos piorou sensivelmente, passando de 2,72% no 4T14 para 3,76%, o nível histórico mais alto que tenho registrado na planilha.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre foi mais do que compensada pela variação cambial do PDD da agência no exterior ... (o efeito líquido foi uma "recuperação" de créditos inadimplentes ...

297011 - small caps  -  12 Mai 2015, 13:26
Continuou ruim.

296961  - small caps  -  12 Mai 2015, 00:16
... quando um banco apresenta resultados ruins... é porque não é mais possível esconder que a situação está difícil...

Um resultado ruim é péssimo porque aumenta os juros de captação da instituição e acarreta resultados mais pressionados... é um círculo vicioso...

296958 - tadeutad - 11/Mai/2015 20:47
Resultado do pine tenebroso.

289801  - paulo_prof  -  09 Fev 2015, 20:50
Nitidamente, em relação há um ano atrás, o banco reduziu de tamanho em todos os sentidos ... não está claro quando a sangria vai terminar e o processo de encolhimento vai ser revertido ... acho que é uma boa hora para ficar olhando de fora!!!

PINE4
PREÇO: R$ 4,55
PAYOUT (2014): 76,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,83
P/VPA 0,44
DY 13,11%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,780
ROAE 7,5%
ROAA 0,90%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 57.823
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,85%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,72%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +11,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -21,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -2,6%
RESULTADO OPERACIONAL -49,7%
RESULTADO LÍQUIDO -41,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -42,8%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -44,2%

b) 4T14 sobre 4T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -56,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -9,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -7,2%
RESULTADO OPERACIONAL -95,7%
RESULTADO LÍQUIDO -85,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +121,9%
PATRIMONIO LÍQUIDO -1,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -1,5%
PDD TOTAL 0,0%
ATIVOS TOTAIS -0,9%

c) lucro liquido
UA -41,64%
U2A -29,07%
U3A -16,42%

d) patrimônio líquido médio
UA 0,28%
U2A 8,42%
U3A 10,40%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 7,80

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,5%

O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos voltou ao mesmo nível do 4T13: 2,68% no 4T14 para 2,72% no 4T14.

Por outro lado, não houve inadimplência (NPL) no trimestre ... todas as despesas de PDD no trimestre foram destinadas ao aumento do PDD total ...

282740  - paulo_prof  -  12 Nov 2014, 00:57
Está um tanto quanto difícil de entender a DRE do banco Pine ... O Resultado Operacional pífio do trimestre foi impactado, de um lado, por uma Receita e PDD e, de outro, por uma "explosão" em Outras Despesas Operacionais.

Suspeito que o banco vendeu créditos inadimplentes (a preço de banana). Em consequência, o prejuízo teve que ser baixado como despesa (Outras Despesas Operacionais). O PDD associado a estes créditos podres, portanto, não seria mais necessário, sendo revertido. Finalmente, a "medida" dos créditos inadimplentes também foi impactada porque estes créditos podres simplesmente sumiram do balanço. No frigir dos ovos, a despesa originada pela venda dos créditos podres permitiu ficar bem na fita no que concerne a Despesa de PDD, o PDD total e a inadimplência (NPL) gerada no trimestre e nos últimos 12 meses.

De qualquer forma, o Resultado Líquido foi pífio ...

PINE4
PREÇO: R$ 6,50
PAYOUT (2013): 74,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,23
P/VPA 0,62
DY 11,93%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,044
ROAE 9,9%
ROAA 1,16%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 86.472
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,25%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,90%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +14,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -22,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,0%
RESULTADO OPERACIONAL -17,6%
RESULTADO LÍQUIDO -26,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -70,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -15,3%

b) 3T14 sobre 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +47,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -20,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -4,5%
RESULTADO OPERACIONAL -95,9%
RESULTADO LÍQUIDO -53,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS passou de despesa para receita
PATRIMONIO LÍQUIDO +0,7%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +8,1%
PDD TOTAL -30,6%
ATIVOS TOTAIS +3,6%

c) lucro liquido
UA -26,88%
U2A -19,59%
U3A 1,56%

d) patrimônio líquido médio
UA 2,66%
U2A 11,67%
U3A 13,15%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 10,44

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -11%

No 3T14 houve mais uma redução importante na receita de tarifas e serviços. Em compensação, as despesas de pessoal, administrativas e tributárias no 2T14 também diminuiram, ano-a-ano.

Em relação ao 2T14, as operações de crédito mantiveram o volume.

A qualidade da carteira de crédito continuou melhorando sensivelmente. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de 2,26% no 2T14 para 1,90% no 3T14.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) despencouno trimestre, passando de 2,43% (anualizado) no 2T14 para 0,30%. As despesas de PDD foram revertidas: no 3T14 houve uma provisão negativa, ou seja, uma Receita de PDD.

271584  - paulo_prof  -  12 Ago 2014, 02:08
PINE4
PREÇO: R$ 7,70
PAYOUT (2013): 74,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,30
P/VPA 0,73
DY 11,79%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,223
ROAE 11,6%
ROAA 1,38%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 128.588
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,83%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,26%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -13,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,2%
RESULTADO OPERACIONAL -0,1%
RESULTADO LÍQUIDO -17,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -0,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +40,9%

b) 2T14 sobre 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -84,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -20,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -4,7%
RESULTADO OPERACIONAL +37,1%
RESULTADO LÍQUIDO -8,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -53,0%
PATRIMONIO LÍQUIDO +0,9%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,7%
PDD TOTAL -21,6%
ATIVOS TOTAIS +2,2%

c) lucro liquido
UA -17,68%
U2A -10,86%
U3A 7,20%

d) patrimônio líquido médio
UA 2,48%
U2A 11,57%
U3A 13,08%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 12,23

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,5%

No 2T14 houve mais uma redução importante na receita de tarifas e serviços. Em compensação, as despesas de pessoal, administrativas e tributárias no 2T14 também diminuiram, ano-a-ano.

Em relação ao 1T14, houve uma redução de 3,3% nas operações de crédito.

A qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de 2,58% no 1T14 para 2,26% no 2T14.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) aumentou consideravelmente, passando de 0,56% (anualizado) no 1T14 para 2,43%. As despesas de PDD aumentaram levemente em relação ao 1T14.

Hoje, o Banco ABCB continua claramente superior em tudo, exceto no que concerne o DY.

258120  - herdsman  -  14 Mai 2014, 14:10
Escutei teleconferencia do Pine.
Nada exceptional. Crescimento da carteira moderada, por isso indice Basileia não preocupa. Controle de custos. NPL estabiliza em 0,7% que é a média historica.
Alguém pergunto da recompra, se não correm o perigo de ter que vender por um preço menor mais tarde. Resposta: tem muito vontade de comprar o lote nos prox mêses porque o preço atual não condiz com valor do banco (claro né), e tem bastante experiencia para por nos mercado com lucro, até porque conseguiram uma escalonamento da parte da Bovespa.
Pena que ninguém pergunto de política de dividendos.

Enquanto isso COPEL + 2%. (todas as elétricas, não dá pra entender mesmo)

257681  - paulo_prof  -  13 Mai 2014, 02:02
PINE4
PREÇO: R$ 7,82
PAYOUT (2013): 74,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,26
P/VPA 0,74
DY 11,86%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,249
ROAE 11,9%
ROAA 1,37%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 107.439
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,48%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,58%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -25,8%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -8.9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,5%
RESULTADO OPERACIONAL -20,5%
RESULTADO LÍQUIDO -19,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +17,4%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +49,1%

b) 1T14 sobre 1T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -8,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -31,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,8%
RESULTADO OPERACIONAL -32,2%
RESULTADO LÍQUIDO -23,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -4,2%
PATRIMONIO LÍQUIDO +0,8%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +30,9%
PDD TOTAL -3,5%
ATIVOS TOTAIS +8,3%

c) lucro liquido
UA -18,99%
U2A -7,52%
U3A 8,10%

d) patrimônio líquido médio
UA 6,68%
U2A 13,70%
U3A 13,43%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 12,49

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,5%

No 1T14 houve mais uma redução importante na receita de tarifas e serviços. Em cpmpensação, as despesas de pessoal, administrativas e tributárias no 1T14 aumentaram abaixo da inflação, ano-a-ano.

Em relação ao 4T13, houve uma aumento de 5% nas operações de crédito. Ano-a-ano, houve um aumento importante nas receitas das operações de crédito. Por outro lado, entretanto, o aumentou também o custo das captações. As operações "normais" de tesouraria resultaram em receitas sensivelmente maiores do que um ano antes. No 1T13, entretanto, houve um ganho excepcional em operações com derivativos, decisivo para explicar o maior resultado bruto obtido em 2013.

A qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de 2,68% no 4T13 para 2,58% no 1T14.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) também diminuiu consideravelmente, passando de 1,63% (anualizado) no 4T13 para 0,56%. Em consequência, em relação ao 4T13, as despesas de PDD foram reduzidas pela metade.

Em termos absolutos, a inadimplência nos últimos 12 meses foi R$ 35 milhões maior do que nos 12 meses perminados no 1T13 !!!. Só este fato explicaria a diferença no lucro líquido dos 12 últimos meses em relação aos 12 meses terminados no 1T13.

Hoje, o Banco ABCB continua parece claramente superior em quase tudo! (exceto no que concerne o DY).

257657 - BAC 1000  -  13 Mai 2014, 00:19
PINE4

Ação da empresa Bco Pine S.A.
Atua no setor financeiro e outros

Resultado do 1º Trimestre de 2014

A empresa registrou lucro líquido de R$ 35,0 M no 1° trimestre de 2014, redução de 5,7% em relação ao quarto trimestre de 2013 e redução de 23,2% em relação ao 1° trimestre de 2013. A receita de intermediações financeiras somou R$ 272,3 M neste trimestre, redução de 11,7% em relação ao quarto trimestre de 2013 e aumento de 19,9% em relação ao 1° trimestre de 2013.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 28,7% contra 15,7% no quarto trimestre de 2013 e 37,7% no mesmo período do ano passado. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) atingiu 11,9% no 1T14, contra 12,7% no 4T13, o que representa uma variação de -0,8 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 11,1 B, aumento de 8,1% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 1,3 B no 1° trimestre de 2014, valor 0,8% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.
[...]

241146  - paulo_prof -  18 Fev 2014, 14:34
Acho que a incógnita importante é qual será o comportamento dos créditos concedidos no 4T13. A carteira total de créditos aumentou R$ 500 milhões no trimestre ... evidentemente, ainda não há dados para avaliar a "qualidade" deste aumento da carteira. Por outro lado, também não houve tempo para este aumento de carteira performar. Ou seja, o banco teve que efetuar a captação no mercado, mas ainda não viu qualquer resultado. O aumento da carteira de crédito foi de aprox. 7,5%. Se a inadimplência não aumentar, é de se esperar que este aumento turbine os resultados nos próximos trimestres.

241062  - paulo_prof  -  18 Fev 2014, 11:04
PINE4
PREÇO: R$ 7,83
PAYOUT (2012): 74,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,75
P/VPA 0,73
DY 12,91%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,361
ROAE 12,7%
ROAA 1,53%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 103.678
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,50%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,68%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -28,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -2,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,7%
RESULTADO OPERACIONAL -15,7%
RESULTADO LÍQUIDO -13,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +21,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +52,2%

b) 4T13 sobre 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -27,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -15,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +14,3%
RESULTADO OPERACIONAL +6,1%
RESULTADO LÍQUIDO -22,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +30,3%
PATRIMONIO LÍQUIDO +4,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +28,4%
PDD TOTAL -1,4%
ATIVOS TOTAIS +1,3%

c) lucro liquido
UA -13,79%
U2A 0,03%
U3A 10,96%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,91%
U2A 15,83%
U3A 13,78%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 13,61

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,5%

O sofrimento do banco continua claramente perceptível ... No 4T13 houve redução importante na receita de tarifas e serviços. Por outro lado, as despesas de pessoal, administrativas e tributárias no 4T13 aumentaram bem acima da inflação, ano-a-ano. Como estas despesas no ano aumentaram abaixo da inflação, deve ter tido uma compensação de despesas não pagas no 3T13.

Em relação ao 3T13, houve uma aceleração nas operações de crédito. Após uma relativa estabilidade do 2T13 para o 3T13, no 4T13 as operações totais de créditos aumentaram 7,87%.

A qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de uma média de 3,48% em 2012, para uma média de 3,08% em 2013.

Por outro lado, entretanto, a inadimplência (NPL) aumentou consideravelmente. A inadimplência média que em 2012 havia sido 1,26% da Carteira de Créditos, passou para uma média de 1,60% em 2013.

Em termos absolutos, a inadimplência em 2013 foi R$ 35,5 milhões maior do que em 2012. Só este fato explicaria a diferença no lucro líquido de um exercício para outro.

Hoje, o Banco ABCB me parece claramente superior (em tudo!) e a ABCB4 continua mais barata !!!

220627  - jgebing  -  05 Nov 2013, 11:44
Gostei do resultado de PINE4...

Pode não ter vindo extraordinário, mas como bem disse o Small:

Para uma empresa com P/L de 6,xx, negociada abaixo do seu VPA e com um DY de 10%, está ótimo!

Continuo comprado e monitorando. Caso caia mais, ou não surja um CARAJO para mim alocar meu cash livre, vou aumentar posição em PINE4 mesmo.

220590  - paulo_prof  -  05 Nov 2013, 02:39
PINE4
PREÇO: R$ 10,7
PAYOUT (2012): 54,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,36
P/VPA 1,00
DY 7,41%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,454
ROAE 13,7%
ROAA 1,64%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 95.449
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,49%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,96%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 9 meses sobre os 9 meses terminados no 3T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -28,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +2,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -1,1%
RESULTADO OPERACIONAL -23,1%
RESULTADO LÍQUIDO -10,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +18,8%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +81,7%

b) 2T13 sobre 2T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -15,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +14,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -3,5%
RESULTADO OPERACIONAL -10,4%
RESULTADO LÍQUIDO -14,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +42,6%
PATRIMONIO LÍQUIDO +20,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +10,9%
PDD TOTAL -9,1%
ATIVOS TOTAIS +4,7%

c) lucro liquido
UA -11,57%
U2A 19,69%
U3A 11,50%

d) patrimônio líquido médio
UA 16,01%
U2A 17,56%
U3A 13,85%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 18,18

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -11,5%

É claramente perceptível que o banco está sofrendo ... em 9 meses de 2013 o aumento de receitas de serviços em relação a 2012 foi pífia. Para compensar, deve ter tido gente sendo despedida, pois as despesas com pessoal, administrativas e tributárias diminuiu. No 3T13 sobre o 3T12 houve uma melhora na receita, mas as despesas continuaram contidas. O banco nitidamente pisou no freio. Veja que as operações de crédito permaneceram estagnadas na passagem do 2T13 para o 3T13.

Do lado positivo, a qualidade da carteira de crédito vem melhorando. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos diminuiu de 3,51% no 1T13, para 2,96% no 3T13, passando por 3,16% no 2T13.

Por outro lado, entretanto, a inadimplência (NPL) aumentou consideravelmente. O percentual anualizado, passou de 0,47% da Carteira de Créditos no 1T13, para 2,95% no 3T12, passando por 1,35% no 2T13.

Hoje, o Banco ABCB me parece claramente superior (em tudo!) e a ABCB4 está mais barata !!! O tal de comprar mais ... por menos!

220570  - small caps  -  05 Nov 2013, 01:43
ch3481, para resolver o questionamento, a filosofia é a seguinte:

Quantas ofertas de ações de empresas novas você viu este ano? Ou de debêntures?

Não tem como fazer milagre. O cenário está uma porcaria, volátil, cheio de dúvidas no ar.

Assim, este segmento é bastante impactado. No entanto, como ele tem um custo muito baixo de manutenção, conseguem sobreviver sem prejuízos.

Gostei do balanço. Depois do que vi em DAYC4, até pensei pudesse vir algo pior. Mas veio melhor que o segundo trimestre. O impacto da tesouraria deu uma arrefecida, mais ainda aconteceu.

Por fim, a cotação caiu bastante. Portanto, temos que ter isto em mente. Quando analisamos uma empresa com P/L 15, 20, a exigência DEVE ser muito maior.

Quando se está diante de uma empresa com P/L que revela oportunidade, balanços menos exuberantes não tem o mesmo nível de preocupação.

Esta é a GRANDE vantagem de se comprar empresas baratas, já que não se espera grandes resultados delas, conforme as cotações indicam.

Sigo bem comprado e feliz com os belos proventos proporcionados.

Ressalto apenas que estaria preocupado se estivesse diante de uma empresa com P/L 15 ou 20. Mas, felizmente, não é o caso... e é uma das principais razões que me impedem de manter muitas destas no meu portfólio de ações.

220511  - MuadibGV -  04 Nov 2013, 22:58
Bom resultado de PINE! Recompraram mais umas 700 mil ações, receita de serviços cresceu uns 10% para o outro ano, mas o lucro líquido foi prejudicado por participações nos lucros mais generosas. Qualidade da carteira melhorou pelo critério de vencidos, e parece que estão conseguindo crescer a carteira com qualidade (lembrar do BIC , bater na madeira)
Acho que se recuperou do susto do 2T2013. Distribuindo DY perto de 10% tenho que continuar sócio.

202668  - paulo_prof -  13 Ago 2013, 02:02
Muito ruim ...

Numa primeira olhada, até que a última linha parece razoável ... mas ela inclui um diferimento de R$ 21 milhões em IR/CS. Não fosse este diferimento, a participação nos resultados não passaria de R$ 2 milhões e o lucro líquido teria sido apenas de uns R$ 22 milhões.

Se não há erro em minha planilha, o tamanho da carteira total de créditos (inclui outros créditos) aumentou consideravelmente, do 1T13 para o 2T13 - teria passado dos R$ 5,6 bilhões para R$ 6,4 bilhões. A qualidade desta carteira, medida como a razão entre o PDV e o Total da Carteira, passou de 3,51% no 1T13 para 3,16 no 2T13. A inadimplência anualizada, medida como a razão dos NPL e a carteira total de créditos, passou de 0,47% no 1T13 para 1,35% no 2T13.

PINE4
PREÇO: R$ 10,5
PAYOUT (2012): 54,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,86
P/VPA 0,98
DY 7,94%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,530
ROAE 14,3%
ROAA 1,72%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 91.230
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,42%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,16%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 6 meses sobre os 6 meses terminados no 2T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -33,9%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -3,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 0,2%
RESULTADO OPERACIONAL -48,7%
RESULTADO LÍQUIDO -8,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +4,5%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +459,5%

b) 2T13 sobre 2T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -48,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -2,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -6,9%
RESULTADO OPERACIONAL -10,2%
RESULTADO LÍQUIDO -15,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -1,5%
PATRIMONIO LÍQUIDO +19,5%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +10,8%
PDD TOTAL -2,9%
ATIVOS TOTAIS 4,2%

c) lucro liquido
UA -3,47%
U2A 22,32%
U3A 18,11%

d) patrimônio líquido médio
UA 21,47%
U2A 18,79%
U3A 14,13%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 19,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13,0%

167013  - paulo_prof -  14 Fev 2013, 00:50
Citação: dianaeca
Prof Paulo o que o Sr. está achando dessa subscrição do PINE?
Com o preço de mercado (13,82 = hoje) se mantendo abaixo do valor da subscrição (14,28) não tende a ser um fracasso?
Não entendo a lógica de subscrever a esses valores, tem alguma coisa ai que não estou sabendo?
Se o Sr. puder elucidar essa mente ignorante aqui eu agradeço.^^
De fato, não faz sentido o minoritário subscrever.

Ocorre, entretanto, que esta sociedade francesa Proparco comprometeu-se a subscrever as 1.887.605 ações que seria a cota do controlador, pagando por isto R$ 27 milhões.

Se nenhuma ação, além destas, for subscrita, a Proparco terá, ao final do processo, 1,7% do capital do banco.

O controlador, que tinha 68,17%, ficaria com 67,0% de um banco com um Patrimônio R$ 27 milhões maior. Se o preço de subscrição fosse "convidativo", muitos minoritários subscreveriam, o Patrimônio do banco aumentaria mais, mas o controlador também sofreria uma diluição maior.

No fundo, a operação é vantajosa para a Proparco (de outra forma teria que comprar as ações no mercado, eventualmente inflando o preço) e foi vantajosa para o controlador, pois melhorou a estrutura de capital do seu banco, sem sofrer uma redução sensível de participação.

166339 - paulo_prof -  06 Fev 2013, 22:27
Como no momento não tenho a PINE4 em carteira, dei só uma olhada superficial nos resultados. Como, entretanto, a base de ações de 2011 para 2012 aumentou quase 40% (passou de 84 milhões para 117,4 milhões) e como o minoritário teve que pagar por este aumento na base de ações para não ser diluído, a análise não é tão simples e imediata.

Como empresa, o Pine evoluiu em diversos aspectos, mas como o aumento da base de ações foi maior do que esta evolução, é provável que por ação, todos os fundamentos tenham tido piora.

Por exemplo, o lucro líquido em relação a 2011 aumentou 16%. Bom? Sim, mas o LPA caiu 16,9%.

O que foi ótimo sob qualquer ângulo foi a Despesa com PDD. Pois no exercício de 2012 foi menor do que em 2011. O que foi não tão bom foi a maior parte das despesas de PDD serem destinadas a cobrir a inadimplência e não para aumentar o PDD total em função do aumento da carteira de créditos. Aliás, da forma como eu considero a carteira de créditos (somando a parcela relativa a outros créditos) praticamente não houve evolução. O Pine foi super conservativo, preferindo ser muito seletivo em seus empréstimos em vez de procurar aumentar o montante total emprestado.

166174 - marcosheyse -  06 Fev 2013, 13:31
PINE melhorou ainda mais a inadimplência e a qualidade da carteira, correto??
Estou pensando em comprar mais com essa correção para o valor da subscrição...

166169 - paulo_prof  - 06 Fev 2013, 13:19
Banco Pine - PINE4
PREÇO: R$ 14,20
PAYOUT 2012: 54,5%

Em relação a 2011, as taxas de crescimento nominal do exercício de 2012 foram:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +12,8%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +95,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -5,7%
RESULTADO OPERACIONAL -8,4%
RESULTADO LÍQUIDO +16,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -6,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +1,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +8,8%
ATIVO TOTAL -6,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES NO ANO: +114,6%

P/L 8,89
P/VPA 1,37
DY 6,13%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,597
ROAE 15,4%
ROAA 1,80%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 68.121
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,26%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,49%

Em relação ao 3T12, a "qualidade" da carteira de créditos medida em termos do percentual do PDD em relação ao tamanho da carteira melhorou de 3,62% para 3,49%. Os créditos inadimplentes contabilizados no 4T12, medidos como percentual da carteira de crédito diminuíram de 2,70% no 3T12 para 1,97% (anualizado). A relação entre os créditos inadimplentes no ano, para o tamanho da carteira no final do ano aumentou de 0,60% em 2011 para 1,26% em 2012.

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA 16,06%
U2A 25,90%
U3A 30,12%

b) do patrimônio líquido médio
UA 19,89%
U2A 14,73%
U3A 11,37%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses por toda a eternidade e taxa de desconto anual real de 8%: R$ 19,96

166146 - ispholambra -  06 Fev 2013, 11:16
Resultados do Pine

Ate que foram bons na minha opiniao... vamos ver como as acoes reagem...

Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia anunciou lucro líquido de R$ 48,2 M no quarto trimestre de 2012, uma variação de 2,0% em relação ao 3° trimestre de 2012 e decréscimo de 13,9% em relação ao 4T11. A receita de intermediações financeiras totalizou R$ 247,6 M no quarto trimestre de 2012. No 3T12 a receita de intermediações financeiras foi de R$ 260,2 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 28,5% contra 32,4% no 3T12. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) atingiu 15,4% no quarto trimestre de 2012, contra 16,1% no 3T12, o que representa uma variação de -0,7 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 10,4 B, decréscimo de 5,3% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 1,2 B no 4T12, valor 20,2% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Neste período, a ação oscilou 4,2% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 1,6 B contra R$ 1,1 B no quarto trimestre de 2011.
http://www.guiainvest.com.br/resultado-trimestral/pine4.aspx

161701 - paulo_prof -  28 Dez 2012, 11:18
Citação: maspimentel
Paulo prof,
Para iniciar posição: BICB4 ou PINE4? Carteira de LP.
Embora o upside potencial do BICB seja maior (os ativos de qualquer banco que se preze não deveriam ser negociados abaixo de 1,1 VPA), está mais do que provado de que a administração do Pine é sensivelmente mais competente. Veja, por exemplo, a assimetria de decisão no Pine e no BicB: no Pine, o PDV como percentual da Carteira Total de Créditos aumentou, do 1T12 para o 2T12, de 3,2% para 3,61%. No 3T12, o Pine decidiu colocar o pé no freio, encolhendo a Carteira Total de Créditos e, assim, mantendo o índice em 3,62%. Já o BicB, com o índice diminuindo de 4,32% para 3,92% do 1T12 para o 2T12, decidiu continar com a expansão da Carteira de Créditos e o índice explodiu para 4,67%.

Para um investimento eventual no BICB eu aguadaria uma indicação segura de que os problemas de qualidade da carteira/inadimplência estão efetivamente equacionados.

160769 - padrinho -  17 Dez 2012, 18:24
[...]
Ao meu ver PINE é mais "sopa" que os demais....talvez teu problema seja diversificar mesmo dentro do setor de bancos.....rs Aliás quem comprou PINE4 nas últimas 2-3 semanas pegou por bom preço.
[...]

160577 renato1631 -  16 Dez 2012, 00:21
Não lembro se alguém postou

Banco Pine emite US$ 72 milhões no mercado chileno
Brasil Econômico (redacao@brasileconomico.com.br)
14/12/12

O BTG Pactual e a Celfin Capital - corretora chilena adquirida pelo BTG - atuaram como assessores financeiros na colocação dos títulos.

O banco Pine realizou captação de US$ 72 milhões em títulos emitidos no Chile, a uma taxa de 6,75% ao ano.

Os papéis emitidos são conhecidos como "Huaso Bonds", títulos de dívida emitidos no mercado chileno, por empresas estrangeiras, em moeda local. Trata-se da primeira operação realizada por emissor brasileiro.

O banco Pine é especializado no crédito para empresas que possuem faturamento anual acima de R$ 500 milhões.

O BTG Pactual e a Celfin Capital - corretora chilena adquirida pelo BTG - atuaram como assessores financeiros na colocação dos títulos

160385 - ch3481 -  13 Dez 2012, 21:41
São Paulo, 13 de dezembro de 2012 - O PINE (BM&FBOVESPA: PINE4), banco de atacado focado no relacionamento de longo prazo com empresas de grande porte e investidores, informa ao mercado que concluiu sua primeira captação no Chile, sob a modalidade denominada Huaso Bond.

O montante da operação foi de UF 1,5 milhões, aproximadamente US$ 72 milhões, com prazo de 5 anos, tendo como bookrunners Celfin Capital e JPMorgan.

Trata-se da primeira captação no mercado Chileno realizada por uma instituição fora do circuito hispânico. Esta operação reforça o compromisso do PINE com a contínua diversificação de suas fontes de captação e demonstra, mais uma vez, o pioneirismo característico

158706 - ch3481 -  29 Nov 2012, 21:36
PINE4

Bco médio já recorrente aqui do fórum, mas que vale um olhar atento

Bom funding....recente tiveram duas subscrições, para aumento de capital, uma de um banco de fomento da Alemanha (como se fora um BNDES alemão) e outra do Proparco, banco francês.

Aliás nesta última subscrição que foi a R$ 14,28 acabei "comendo mosca" no prazo, mas acabei fazendo depois a quantidade a que teria direito por R$ 13,70

A PINE INVESTIMENTOS vem aumentando a cada trimestre sua participação na receita do banco. Atendimento ao cliente na totalidade...a tal busca do cross-selling. Serviços mais direcionados pra o middle

Basiléia de de 17

Lucro 9M/2011 - 112.484
Lucro 9m/2012 - 151.342

No fechamento de hj a R$13,30 remete um P/L de 5,89 e DY de 8,91.

Tá bastante razoável para quem quer se posicionar bancos, ou até aumentar posição....

Enfim

157038 - paulo_prof -  14 Nov 2012, 17:51
PINE4

As taxas de crescimento dos resultados dos 9M12 em relação aos 9M11 foram:
RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +11,6%
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +7,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +13,9%
RESULTADO OPERACIONAL -11,4%
RESULTADO LÍQUIDO -7,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +42,1%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +29,5%

As taxas de crescimento ao final do 3T12 em relação ao final do 3T11 foram:
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +23,8%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +0,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +38,0%
ATIVO TOTAL +0,0%

Em relação à Carteira Total de Créditos:
O PDD Total passou de 3,61% no 2T12 para 3,62% no 3T12
Os créditos inadimplentes do trimestre anualizados passaram de 0,17% no 2T12 para 2,70% no 3T12

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA 62,01%
U2A 25,21%
U3A 32,58%

b) do patrijmônio líquido médio
UA 19,13%
U2A 12,79%
U3A 9,64%

Múltiplos baseados nos resultados dos últimos 12 meses
PREÇO: R$ 13,99
PAYOUT (2011): 46,7%

P/L 7,78
P/VPA 1,25
DY 6,00%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,797
ROAE 16,1%
ROAA 1,92%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 60.775
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,12%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,62%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: - 15,5%


156523 - small caps -  13 Nov 2012, 01:02
Com ROE de 18% pelo menos merecem um agrado... O phoda é quando a empresa distribui gentileza para os diretores com resultados medíocres.

Ademais, estes valores já entraram como despesa e afetaram o lucro final.

PINE4 tem diferencial em serviços... e se um destes cabeças sai é fácil fazer o mesmo em outro banco médio... isto se chama retenção de talento... que deve ser usando quando a gestão da empresa faz por MERECER... o que não acontece sempre por aí...

156518 - leamm -  13 Nov 2012, 00:32
Caros, com relação ao release de PINE na pág 12 consta:

Durante o 3T12, o PINE realizou recompra de ações, totalizando um montante de 713.395 ações. Estas ações encontram-se em Tesouraria e serão utilizadas como forma de remuneração aos diretores estatutários, de acordo com a Resolução 3.921 do Banco Central do Brasil. Assim sendo, o saldo final de ações em tesouraria no final do trimestre encerrou em 394.840 ações.

Compram com os lucros do banco/acionistas e passam para os diretores estatutários, certo? No 03T12 compraram 713.395 ações e chegaram a um saldo final de 394.840. No caso de não haver qq ação ao término do 02T12 teriam sido distribuídas 318.555 ações (cerca de R$ 4,5 milhões). O que acham disso???

156476 - GARUDA20 -  12 Nov 2012, 22:26
PINE TEM LUCRO LÍQUIDO DE R$ 47 MILHÕES NO 3T12, COM CRESCIMENTO
DE 23,7% EM RELAÇÃO AO 3T11
DIVERSIFICAÇÃO DE RECEITAS MANTÉM O ROAE EM TORNO DE 18%. PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATINGE
R$ 1,2 BILHÃO, +24% NO ANO

115869 - small caps - 16/Fev/2012 11:10
O PINE falou neste momento sobre a questão das margens e da necessidade de ver as linhas combinadas no balanço... :)

115825 - MuadibGV - 16/Fev/2012 07:29
Confesso que fiquei um pouco intrigado com o resultado de PINE. Explico:

O resultado líquido do ganho da ação judicial sobre a COFINS foi de 109 milhões.
O lucro líquido no trimestre foi de aprox. 57 milhões.
Afirmaram que para reforçar "ainda mais" o balanço esse lucro extra foi descarregado em diversas linhas, certamente para pagar menos impostos.
O lucro líquido recorrente "pró-forma" seria de 42 milhões, o que me deixaria bastante satisfeito.
O problema é que lendo o balanço não consigo ver em quais linhas conseguiram descarregar todo esse lucro extra, qua antes da tributação era superior a 150 milhões de reais.
A PDD extra foi inferior a 30 milhões.
A diferença entre 57 milhões de LL declarado e 42 de LL recorrente corresponde a uns 20 milhões antes dos impostos.
E o resto???

Será que descarregaram aqui? (nota 7 h das notas explicativas):
No período findo em 31 de dezembro de 2011, foram realizadas operações de cessões de crédito sem coobrigação de operações em curso normal no montante de R$303.651 para o Pine Crédito Privado Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Financeiros e de créditos de curso anormal no montante de R$137.971 (R$14.779 em 31 de dezembro de 2010) para outras empresas não ligadas ao Banco. Essas cessões resultaram em prejuízo de R$63.716 (R$14.099 em 31 de dezembro de 2010) em relação ao valor de face. Os resultados nas cessões estão registrados na rubrica "Outras despesas operacionais". Não houve resultado nas cessões realizadas para o Fundo (FIDC).

Já no 3T2011 encontrei o seguinte:
No período findo em 30 de setembro de 2011, foram realizadas operações de cessões de crédito sem coobrigação no montante de R$76.563 e não houve resultado no terceiro trimestre. As cessões apresentaram uma receita no montante de R$634 no acumulado. Os resultados nas cessões estão registrados na rubrica "Receitas de operações de crédito" e em "Outras despesas operacionais". Não houve cessões de crédito no terceiro trimestre de 2010.

No release disseram que as provisões do crédito remanescente do varejo foram “aceleradas”, e que as despesas devem diminuir muito a partir de agora. Pelo que entendi essas cessões foram principalmente os créditos do varejo.

115539 - paulo_prof - 15/Fev/2012 10:49
O Banco Pine, no final do exercício, tinha uma provisão adicional (além daquela exigida pelo BCB) de R$ 45 milhões. Não fosse esta provisão adicional (gordura para queimar no futuro) o lucro líquido teria sido sensivelmente maior.


Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses:
PREÇO:
PAYOUT (2011): 55,7%
P/L 6,64
P/VPA 1,06
DY 8,39%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,922
ROAE 15,9%
ROAA 1,45%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 31.737
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,59%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,21%

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA 36,56%
U2A 37,78%
U3A 6,69%

b) do patrimônio líquido médio
UA 9,79%
U2A 7,34%
U3A 4,45%

115533 - small caps - 15/Fev/2012 10:39
http://www.bmfbovespa.com.br/cias-Listadas/Empresas-Listadas/ConsultaArquivo.aspx?codigoCvm=20567&protocolo=320846&motivo=&idioma=pt-BR
Merece prêmio.

Banco médio melhor gerido a meu Juízo.

Sempre se diferenciando em serviços complementares.
Longa lida ao banco e buy and hold... para ele SIM!




Nenhuma das ações compradas entre R$ 3,00 e R$ 9,00 foram vendidas... e com este nível de DY vai demorar bastante para acontecer...


115529 - paulo_prof - 15/Fev/2012 10:32
Pine ... lucrão de R$ 161,5 milhões.


106964 - small caps - 13/Dez/2011 20:57
Estou fazendo a minha parte neste momento.


Achei a operação do PINE de extremo mal gosto.
Sou acionista, gosto muito da empresa e vou continuar sendo acionista, pois enxergo uma grande margem de segurança do negócio, inclusive com os serviços que presta que os diferenciam.

Mas, temos que defende o banco dos financeiros $*&¨% que possam estar por lá.
Segue o e-mail que mandei.
Sugiro que quem for acionista, não gostando de procedimento especulativos, também manifestem sua contrariedade.

ri@bancopine.com.br

"Prezado Norberto:

Sou acionista do Pine.

Recebi com tristeza e preocupação o último fato relevante emitido pelo banco.

E fico me perguntando qual a necessidade de o PINE fazer esta operação de swap de ações pelo CDI?

Eu acompanho quase todo o mercado de ações, escrevi o livro “Investindo em Small Caps” e quase todo mundo se dá mal neste procedimento.

Observa o Daycoval que fez isto e veja o quanto JÁ PERDEU DINHEIRO COM Isto.

Qual é a vantagem para o investidor de uma operação especulativa? O que ganham com isto?

A verdade é que se a crise lá fora se agravar e aumentar a inadimplência, a única coisa que o Banco consegue com esta operação é aumentar o seu prejuízo. NÃO É UM HEDGE NADA INTELIGENTE. Para falar a verdade, como acionista do banco, me sinto um trouxa vendo este tipo de operação.

Acredito que o banco não deve ficar especulando com o próprio papel.

Sugiro repensarem bem antes de executar uma operação de alto nível de especulação e que só serve para aumentar o prejuízo em período de crise. Na alta não precisamos disto, pois o lucro da atividade será suficiente para alegrar o acionista.

Peço, encarecidamente, que foquem no seu core business e não tentem vender ao mercado operações que aumentam o risco do banco.


São Paulo, 8 de novembro de 2011 Serviços Financeiros

BANCO PINE COMPRA
(PINE4) PREÇO-ALVO: R$18,00

Resultados do 3T11 e Destaques da Teleconferência
Henrique Navarro Renato Schuetz
Notícia/Análise: No dia 4 de novembro, o Banco Pine realizou uma teleconferência para discutir os resultados do 3T11. Os destaques são apresentados a seguir.

Margem de Intermediação Financeira Líquida (NIM): Diversos fatores contribuíram para reduzir a margem de intermediação financeira líquida no trimestre. Além de deter uma grande posição de caixa no 3T11, a administração mencionou que a maior parte do crescimento de sua carteira ocorreu no final do trimestre, distorcendo as margens. Além disso, a atividade de hedging dos clientes foi mais moderada, uma vez que eles parecem estar levando mais tempo para decidir quando efetuar o hedge, adiando essas operações. Ao discutir a NIM esperada para 2012, a empresa mencionou que teve um pequeno aumento no custo de captação. O crescimento mais conservador do crédito da empresa depende de conseguir repassar spreads maiores aos clientes. A administração acredita que a NIM ao final de 2011 deve ficar na faixa de 6,0-6,5%, implicando um risco de baixa para nossa estimativa para o final do ano.

Inadimplência: Os créditos com atrasos de 90 e 15 dias aumentaram durante o 3T11, e a administração acredita que estão próximos ao que a empresa considera serem os níveis normais, próximos aos históricos. Eles acreditam que a inadimplência pode subir um pouco mais no 4T11, onde deve estabilizar. A administração não espera que esse movimento de alta na inadimplência se estenda a 2012, e destacou que a maior parte desses empréstimos tem boas garantias. A administração vê os créditos com atrasos de 15 dias em uma faixa de 0,5-1,0%, com provisões crescendo em linha com essa carteira.

Redução nos impostos no 3T11: A alíquota tributária efetiva do Pine foi de 23%, com base na posição de overhedging do banco. Para propósitos fiscais, as variações da taxa de câmbio sobre os ativos do banco no exterior não são computadas na receita tributável da empresa. O efeito líquido desse movimento é que a margem de intermediação financeira líquida é prejudicada, ao passo que a empresa registra uma alíquota tributária menor no trimestre.


Conclusão: Considerando o alto crescimento registrado pelos grandes bancos no 3T11, o Banco Pine perdeu um pouco de seu brilho no 3T11. Os comentários da administração sobre "crescimento conservador daqui para frente" mostram seu compromisso com a lucratividade no longo prazo, mas representa um desafio maior para o banco aumentar outras linhas de receitas. Entretanto, mantemos nossa opinião positiva sobre a proposição de valor do banco, o potencial de venda casada e a abordagem de nicho. Os fatores negativos que afetaram os resultados do 3T11, como uma redução nas operações da mesa de hedging e a contribuição mais fraca da Pine Investimentos, podem ser revertidos no 4T11. Considerando que essa reversão será aliada ao crescimento sazonalmente superior do final do ano, as expectativas para os resultados do 4T11 podem ser favoráveis para a ação.


Por Jorge Tomaz
Prezados,
sou acionista do PINE mas confesso que vejo o banco mais para uma saída do que outra coisa. Como não é isso que retratam nos comentários que vejo do banco fico em dúvida do que estou entendendo do relatório. Vejamos:

- ROAE anualizado, Margem financeira antes de PDD, Margem financeira após PDD do 3T11 < 3T10 e 9M11 < 9M10;
- Índice de eficiência piorou em relação ao 3T10 e do 9M11 em relação ao 9M10, mas no relatório falaram em melhora em relação ao trimestre anterior (sempre a mesma estratégia...).
- O Lucro por ação diminuiu, também nas duas comparações (ou se preferirem, permaneceu praticamente estável).
- Resultado da intermediação financeira após provisão; Margem da intermediação financeira anualizada antes da provisão e após provisão pioraram, também nas duas comparações (3T11x3T10 e 9M11x9M10).
- Receitas de prestação de serviços, avisaram que há volatilidade trimestral, mas e no acumulado do ano? Não colocaram o percentual, mas eu calculei: 9M11 x 9M10: -20,63%.
- Como 2T11 ocorreram algumas despesas extraordinárias houve queda das despesas de pessoal e administrativas, mas no acumulado do ano.....: + 21,13%
- Provisão adicional do PCLD de +14,7%.
- O LL do ano deve empatar com o de 2010.
- A Receita Líquida dos últimos 12 meses vem caindo desde o 3T10.
- Pelo Guia Invest o preço justo (taxa de crescimento e LPA nos últimos 3 anos) é de R$ 10,11, margem de segurança -11%.

Acompanho o banco a apenas 3 trimestres, mas não gostei do que vi, me pareceu mais uma maquiagem de algo que deveria ter sido melhor. Sei das qualidades do banco, mas não me parece que esse relatório mostre algo positivo para o papel.


100588 - paulo_prof - 03/Nov/2011 12:09
Nos 9M11, relativamente aos 9M10, os resultados do Pine apresentaram:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +61,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -4,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -20,6%
RESULTADO OPERACIONAL -7,1%
RESULTADO LÍQUIDO +2,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +61,4%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -50,1%

Em relação ao final do 3T10, o final 3T11 apresentou
CARTEIRA TOTAL DE CRÉDITOS +10,7%
PDD TOTAL +89,6%
PATRIMÕNIO LÍQUIDO +12,5%
ATIVOS TOTAIS +10,8%

O PDD/CARTEIRA piorou de 2,25% no 4T10 para 2,63% no 3T11; no 2T11 havia sido 2,48%
O índice de créditos inadimplentes melhorou de 0,55% no 3T10 para 0,08% no 3T11; no 2T11 havia sido 0,36%

Do PDD Total atual, 12,8% (R$ 18,2 milhões) é voluntário (gordura para queimar).

Múltiplos relativos aos últimos 6 meses anualizados
PINE4
PREÇO: R$ 11,42
PAYOUT: 64,8%


P/L      6,47
P/VPA            0,98
DY      10,02%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,7646
ROAE 15,1%
ROAA            1,46%
CRÉDITOS INADIMPLENTES     11.692
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO  0,22%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO            2,63%

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) lucro líquido
UA      -3,23%           
U2A    19,94%
U3A    -8,80%           

b) patrimônio líquido médio
UA      6,78%
U2A    5,18%
U3A    3,34%

Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido nos próximos 3 anos para um preço justo 50% maior do que a cotação atual: -1%

Ativo continua relativamente barato ... mas longe de estar tão barato como BBAS3

73822 - small caps - 16/Mai/2011 09:48
PINE, nas duas contabilidades um pouco acima de R$ 30 milhões.
P/L atual por volta de 8. E sem considerar as despesas do segmento descontinuado, por volta de 7.
Não foi uma brastemp, mas é possível manter nestes preço.... mercado já tinha antecipado o balanço... mantendo-o barato.
Resultado mostra mais uma vez que nenhuma empresa vive numa ilha e as empresas do segmento já sinalizavam uma pausa na melhora trimestre a trimestre dos balanços.
A inadimplência que o Banco esperava que viria quando anunciou o balanço do quarto trimestre, de fato apareceu nos vencimentos a partir de 15 dias, mas ainda assim bem abaixo da média setorial. Sinal de apertos monetários...


http://ri.bancopine.com.br/web/arquivos/Press_0311_Final_port.pdf


71919 - small caps - 04/Mai/2011 11:45
Ontem, eu vi o free float do PINE e vi que tem aumentado o percentual de estrangeiros investindo na empresa... e as pessoas físicas estão saindo...
Isto pode explicar porque a cotação pode estacionar ou cair quando eles saem do mercado...


E também porque tanta pessoa física desiste do mercado :) (será que estão comprando ações mais seguras como MILK11, KEPL3, INEP4, TELB4, CBMA4??).


71636 - paulo_prof - 01/Mai/2011 15:54
citação: uqaz
citação: paulo_prof
citação: uqazProf paulo, voltando ao assunto de PINE4 e o risco daquela "dor de corno" rs...

Não achas muito estranho APENAS o banco PINE ter se utilizado desta artimanha de bombar o PDD em 53 mi enquanto os outros banquinhos não terem se utilzado desta tática, uma vez q todos se converterão para o IFRS?

Muito estranho isso...seria a administração do PINE tão "malandra" assim?rs

Se não me engano, excetuando alguns estatatais, o PINE seria o banco cujo capital mais estaria concentrado nas mãos do controlador/administradores: 75%.

Em tese, uma antecipação de despesa de PDD não é perdida. O ganho, temporário, seria sobre a tributação sobre esta despesa. Se o controlador acredita que o banco pode aplicar melhor os R$ do que ele próprio, não há porque desejar que o banco distribua proventos. Toda a grana não paga ao governo agora pode resultar em mais grana no futuro.

Aliás, como a legislação dos EUA não exige que um percentual mínimo do lucro seja distribuído na forma de proventos, parece que a Berkshire jamais distribuiu proventos. Acredita-se que no dia em que resolver distribuir dividendos, a sua cotação cairá sensivelmente!

Por outro lado, se as coisas começarem a ficarem ruins no setor de serviçoes bancários, o Pine teria uma "gordura" a queimar.

Por outro lado, entretanto, não se deve descartar a hipótese do banco ser super conservador e estar efetivamente se calçando para uma eventual crise.

Já havia me perguntado sobre essa possibilidade de o PINE4 se aproveitar disso para uma aplicação ou oportunidade financeira disponível apenas naquele momento (4T10). Mas de qq sorte, isso é singular.

Se a moda pega esse ano, a cotação despenca, mesmo que para o ano q vem o lucro exploda. Estou curioso para ver o resultado agora no 1T11: manterão essa "estratégia" ou não?

Sendo polêmico agora rs. Seria este um sintoma para a venda do banco (mantendo-se este comportamento de provisão absurda)?

Eu acho que o 1T11 vem "honesto", no sentido de que a "gordura" em PDD não vai nem aumentar, nem diminuir. Vai permanecer lá ... como gordura. O que deve ser observado é se, permanecendo inalterada a Provisão Voluntária:

a) qual será o comportamento da Provisão Obrigatória?
b) qual será o comportamento da Inadimplência?

No 2T10, as despesas de PDD somaram R$ 9,2 milhões, para um aumento de aprox. R$ 133 milhões na Carteira de Crédito e R$ 7,6 em créditos inadimplentes. Ou seja, somente R$ 1,6 milhões das Despesas de PDD foram destinadas a aumentar o PDD total. No início do período, PDD total representava 1,56% da Carteira de Créditos. Se a qualidade permanecesse a mesma, o aumento de R$ 133 milhões nesta carteira exigiria um reforço de R$ 2,1 milhões. Como o reforço efetivo foi de somente R$ 1,6 milhões, a qualidade da carteira melhorou (um pouco) no período.

De acordo com o Relatório do Pine, no final do 4T10 o PDD Obrigatório seria de R$ 97.853 mil, para uma Carteira de Crédito de R$ 4.828.847 mil, ou 2,03% (no meu critério, o tamanho da Carteira seria de R$ 5.111.943 mil, ou 1,81%).

Vamos ver como se comportam estes percentuais no 1T11. Por outro lado, vamos também ver se os créditos inadimplentes superam os R$ 12,4 milhões do 4T10.

Eu espero que o tamanho da carteira de créditos cresça aprox, R$ 230 milhões no 1T11. Como espero que a inadimplência fique em aprox. 0,15% da carteira, e a qualidade da carteira não deteriore, estou estimando Despesas de PDD de aprox. R$ 12 milhões no trimestre, só aprox. R$ 3 milhões acima daquelas do 2T10

112 - small caps - 08/Out/2008 00:00
"rodrigo_rs todos os ativos que fizeram oferta pública recentemente, quase sem exceções, estão amargando quedas gigantescas, fruto da irracionalidade de investidores que não sabem o que pagam. Os preços iniciais foram absurdos e as quedas atuais vão no mesmo sentido. PINE4 veremos se está protegido contra a desvalorização do Real no balanço. O mercado precificou já o pior para o banco que já está com um DY fora da realidade e um P/VPA de mico. A melhor decisão no momento é esperar os balanços e comprar as barganhas que vão surgir. Não será difícil encontrar empresas que projetam P/L 2, muito embora muitas terão prejuízos em razão do dólar. Não custa lembrar que quem compra nestes cenários nebulosos é um tal de Warren Buffett, que vende para os eufóricos de topos... que irracionalmente não têm nenhum medo de comprar quando está caro..."

109 - rodrigo_rs- 07/Out/2008 19:55
"Small, o que você acha do PINE4, sei que tem ótimos fundamentos, mas... e agora, com a falta de crédito no exterior e os empréstimos contraidos em dólar? Qual sua opinião?"

Nenhum comentário: