Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 12 de maio de 2019

Sulamerica (SULA)


Recomendações
Compramocosta (nov/17) - Paulo Prof (nov/18) - Small (nov/08)
Carteiras
charles43 (jan/13) - letzow (jul/16, ago/16) - Ronimendes (jul/16, ago/16
Balanços
1T2019 -
paulo_prof  -
Resultados Excelentes, principalmente porque a trajetória do Resultado Financeiro (que era de queda trimestre a trimestre) retomou o crescimento. Em consequência, há espaço para o lucro crescer a um ritmo maior do que a Receita, como ocorreu no 1T19: Resultado Bruto (+26%); Resultado Financeiro Positivo (+18%); Lucro (+58%).
Ativo parece barato.

A2018/4T2018 -
Paulo Prof -
Não li o Relatório para tentar entender o que ocorreu. Quando comparados aqueles do 4T17, os números do 4T18 não são bons. Suspeito, entretanto, que os números do 4T17 é que foram excepcionais. A verificar!
Embora a Receita Líquida tenha avançado 13% em termos nominais sobre aquela do 4T17, houve uma grande perda de margem (de 18,3% para 16,1%). Em consequência, o Resultado Bruto involuiu em termos nominais. Some-se a isto um Resultado Financeiro desfavorável, como esperado, e está explicada a invilução do Lucro Líquido.
Os resultados menos favoráveis do 4T18 acabaram impactando a comparação anual, que acabou crescendo a taxas, digamos, menos "chinesas".
No exercício de 2018, a margem bruta foi de 12,7%, um avanço em relação a 2016 (10,2%) e 2017 (11,4%). Não sendo do ramo, não sei efetivamente por quais razões a margem bruta estaria crescendo, com também não sei porque já foi muito maior no passado (acima dos 25% até 2014, inclusive). Se um especialista me garantir que a margem bruta continuará crescendo nos próximos anos, digo que o ativo ainda está relativamente barato. Enquanto não tiver esta garantia, acho que o ativo está relativamente bem precificado. Se eu tivesse em carteira, manteria. Não tendo, não compro.

3T2018 -
Paulo Prof - 
O resultado financeiro foi pifio mais uma vez (para um caixa líquido médio de quase R$ 13,5 bilhões, o o resultado financeiro foi de apenas R$ 155 milhões que, anualizado, dá aprox. 4,7%), o aumento de receita liquida e, mais uma vez principalmente, o aumento expressivo da margem bruta, garantiram um lucro líquido substancialmente maior do que aquele postado no 3T17. O aumento da margem bruta foi fruto da redução do índice de sinistralidade e do menor custo de comercialização.
Sou da opinião de que o ativo continua relativamente barato.

marcosvinicius2 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). DESPESAS ADMINISTRATIVAS = A Companhia continua com foco no controle de custos e despesas, ganho de eficiência e busca de sinergias nas suas operações. O índice de despesas administrativas (medido pela razão entre o total de despesas administrativas e as receitas operacionais totais) ficou em 8,6% no 3T18, estável em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Em termos absolutos, houve aumento de 10,7% no total de despesas administrativas do trimestre, explicado, principalmente, por maiores despesas com tributos diretos (PIS e Cofins) relacionadas à declaração antecipada de juros sobre capital próprio em subsidiárias controladas. No acumulado do ano, o índice ficou em 8,4%, um ganho de eficiência de 0,5p.p. em relação aos primeiros nove meses de 2017; RESULTADO FINANCEIRO = O resultado financeiro totalizou R$154,6 milhões no 3T18, 23,0% abaixo do registrado no 3T17. A variação negativade 10,4% no resultado de investimentos no trimestre, mesmo como aumento de 15,7% do saldo de ativos próprios da seguradora, acompanhou a redução da taxa média de remuneração dos ativos no período, cuja maior parte está indexada à taxa Selic, que teve queda relevante na comparação com o mesmo período de 2017. Por outro lado, essa redução tem contrapartida positiva na linha de resultado de empréstimos – que foi 4,3% melhor no 3T18–uma vez que o serviço da dívida da Companhia tambéme stá indexado a esse indicador.

2T2018 -
Paulo Prof - 
Embora o resultado financeiro tenha sido pifio (para um caixa líquido médio de quase R$ 13 bilhões, o financeiro conseguiu um resultado financeiro de apenas R$ 168 milhões que, anualizado, dá aprox. 5,3%), o aumento de recita liquida e, principalmente, o aumento da margem bruta, garantiram um lucro líquido substancialmente maior do que aquele postado no 2T17.
Em relação ao trimestre anterior, o lucro veio levemente abaixo.
Continuo com a impressão de que o ativo esteja barato, embora menos do que há 3 meses.

1T2018 -
Paulo Prof - 
Tendo R$ 12,5 bilhões líquidos para trabalhar no início do 1T18, o financeiro logrou um resultado de R$ 145 milhões. Anualizando este resultado, obtém-se 4,7% !!!! Tem ou não tem treta aí? Façam as suas apostas!
Achei o Resultado em termos do Lucro Líquido muito bom. O aumento da receita líquida e o aumento na margem bruta (aumento da participação no segmento de seguros mais rentável) foi mais do que suficiente para compensar o (muito) pior resultado financeiro.
No preço atual (não sei a razão pela qual o mercado castigou o ativo na 6a. feira), acho que o ativo está barato.

A2017/4T2017 -
paulo_prof -
Até hoje nunca consegui entender porque a SULA sempre tem o seu melhor trimestre no final do exercício. Deve ser devido à contabilidade.
Bom, no que diz respeito ao resultado, foi excelente, especialmente na comparação trimestral.
Um outro detalhe que não dá pára entender, é o resultado financeiro prá lá de pífio. Durante o ano, a média do caixa líquido foi de R$ 12 bilhões. O Resultado Financeiro de R$ 817 milhões corresponde a um rendimento financeiro de 6,8% no ano. Enquanto o Buffet compra empresas como os premios de seguro, o financeiro da SULA obtém rendimentos que provavelmente qualquer um de nós conseguiria superar. E para engordar o caixa para tais aplicações, a política de payout é distribuir o mínimo legal. O fim da picada!
De qualquer forma, o ativo parece relativamente barato.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 42 TRIMESTRES, 42 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 151.352 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 80.589 E EM LINHA COM O APRESENTADO NO 3T16 = 148.263. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MAIOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 386.254 X 3T17 = 480.061. VALOR DE MERCADO (MIL) = 20.929.576; VALOR MAXIMO (MIL) = 20.929.576 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 19.312.539.

paulo_prof  -
Operacional compensando a queda do resultado financeiro. Ativo parece bem precificado

2T2017 -
paulo_prof   -
Com a redução da rentabilidade da renda fixa, as seguradoras todas estão sofrendo. Não estão conseguindo compensar no operacional, a perda no financeiro. Na minha opinião, embora possa parecer bem precificada, considerando as projeções para os próximos trimestres, acho que o ativo está ficando caro. Eu teria muitas restrições a investir nos preços atuais.

1T2017 -
paulo_prof  -
Ativo relativamente barato. Acho que o risco de ujm investimento no ativo é pequeno.

A2016/4T2016 -
paulo_prof   -
Ativo relativamente bem precificado. Considero o risco de um investimento no ativo, relativamente pequeno

3T2016 -
paulo_prof   -
Considerado cenário econômico, até que o resultado não foi de todo mal!

2T2016 -
paulo_prof   -
Bastante bom o resultado da Sul America!

A2009/4T2009 - 
smallcaps  - 
considerou ótimo.
Características
A Sul América S.A. é a maior companhia independente de seguros no Brasil. Fundada há mais de 110 anos, a empresa opera principalmente no segmento de seguro de saúde, bem como em seguro automotivo, seguro patrimonial e de acidentes pessoais (P&C) e seguro de vida. O ING se tornou um importante acionista em 2001 e atualmente detém, direta e indiretamente, 36% da empresa. A Sul América abriu seu capital em outubro de 2007 e é controlada pela família Larragoiti desde a fundação.
Links

361157  - paulo_prof  -  12 Mai 2019, 13:21
Resultados Excelentes, principalmente porque a trajetória do Resultado Financeiro (que era de queda trimestre a trimestre) retomou o crescimento. Em consequência, há espaço para o lucro crescer a um ritmo maior do que a Receita, como ocorreu no 1T19: Resultado Bruto (+26%); Resultado Financeiro Positivo (+18%); Lucro (+58%).

Ativo parece barato.

SULA11

PREÇO: R$ 32,50

PAYOUT (2017): 26,3%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,74

P/VPA 1,93

PSR 0,62

DY 2,07%

MARGEM BRUTA 13,0%

MARGEM OPERACIONAL 7,3%

MARGEM LÍQUIDA 4,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,551

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 23,5%

ROE 15,17%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,93



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,86%

RESULTADO BRUTO +25,65%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -12,96%

RESULTADO OPERACIONAL +15,49%

RESULTADO LÍQUIDO +25,56%



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,31%

RESULTADO BRUTO +26,04%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +18,22%

RESULTADO OPERACIONAL +36,86%

RESULTADO LÍQUIDO +58,02%



c) lucro (taxa média anual)

UA 25,56%
U2A 17,25%
U3A 10,24%


d) patrimônio líquido médio

UA 12,05%

U2A 11,74%

U3A 12,35%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 31,89

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):+0,5%

358994 - paulo_prof  -  03 Mar 2019, 01:21
Não li o Relatório para tentar entender o que ocorreu. Quando comparados aqueles do 4T17, os números do 4T18 não são bons. Suspeito, entretanto, que os números do 4T17 é que foram excepcionais. A verificar!

Embora a Receita Líquida tenha avançado 13% em termos nominais sobre aquela do 4T17, houve uma grande perda de margem (de 18,3% para 16,1%). Em consequência, o Resultado Bruto involuiu em termos nominais. Some-se a isto um Resultado Financeiro desfavorável, como esperado, e está explicada a invilução do Lucro Líquido.

Os resultados menos favoráveis do 4T18 acabaram impactando a comparação anual, que acabou crescendo a taxas, digamos, menos "chinesas".

No exercício de 2018, a margem bruta foi de 12,7%, um avanço em relação a 2016 (10,2%) e 2017 (11,4%). Não sendo do ramo, não sei efetivamente por quais razões a margem bruta estaria crescendo, com também não sei porque já foi muito maior no passado (acima dos 25% até 2014, inclusive). Se um especialista me garantir que a margem bruta continuará crescendo nos próximos anos, digo que o ativo ainda está relativamente barato. Enquanto não tiver esta garantia, acho que o ativo está relativamente bem precificado. Se eu tivesse em carteira, manteria. Não tendo, não compro.

SULA11

PREÇO: R$ 30,61

PAYOUT (2017): 26,3%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,09

P/VPA 1,88

PSR 0,60

DY 2,01%

EV/EBITDA #DIV/0!

MARGEM BRUTA 12,7%

MARGEM OPERACIONAL 7,0%

MARGEM LÍQUIDA 4,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,339

MARGEM EBITDA 0,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 23,9%

ROE 14,40%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,89



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,65%

RESULTADO BRUTO +23,80%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -24,64%

RESULTADO OPERACIONAL +9,84%

RESULTADO LÍQUIDO +17,03%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,80%

RESULTADO BRUTO -0,80%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -17,47%

RESULTADO OPERACIONAL -19,07%

RESULTADO LÍQUIDO -4,63%



c) lucro (taxa média anual)

UA 17,03%

U2A 14,09%

U3A 7,21%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,72%

U2A 11,86%

U3A 12,34%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 29,24

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):+1,5%

356864 - marcosvinicius2 -  16 Dez 2018, 10:24
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). DESPESAS ADMINISTRATIVAS = A Companhia continua com foco no controle de custos e despesas, ganho de eficiência e busca de sinergias nas suas operações. O índice de despesas administrativas (medido pela razão entre o total de despesas administrativas e as receitas operacionais totais) ficou em 8,6% no 3T18, estável em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Em termos absolutos, houve aumento de 10,7% no total de despesas administrativas do trimestre, explicado, principalmente, por maiores despesas com tributos diretos (PIS e Cofins) relacionadas à declaração antecipada de juros sobre capital próprio em subsidiárias controladas. No acumulado do ano, o índice ficou em 8,4%, um ganho de eficiência de 0,5p.p. em relação aos primeiros nove meses de 2017; RESULTADO FINANCEIRO = O resultado financeiro totalizou R$154,6 milhões no 3T18, 23,0% abaixo do registrado no 3T17. A variação negativade 10,4% no resultado de investimentos no trimestre, mesmo como aumento de 15,7% do saldo de ativos próprios da seguradora, acompanhou a redução da taxa média de remuneração dos ativos no período, cuja maior parte está indexada à taxa Selic, que teve queda relevante na comparação com o mesmo período de 2017. Por outro lado, essa redução tem contrapartida positiva na linha de resultado de empréstimos – que foi 4,3% melhor no 3T18–uma vez que o serviço da dívida da Companhia tambéme stá indexado a esse indicador.:

SULA11
PREÇO: R$ 26,90
PAYOUT (2017): 12,29%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,47
P/VPA 1,74
PSR 0,55
DY 1,07%
EV/EBITDA -1,65
MARGEM BRUTA 13,08%
MARGEM OPERACIONAL 7,75%
MARGEM LÍQUIDA 4,80%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,344
MARGEM EBITDA 4,63%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 51,17%
ROE 15,21%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,94

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 10,90%
RESULTADO BRUTO 43,61%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,96%
RESULTADO OPERACIONAL 32,35%
RESULTADO LÍQUIDO 36,86%
EBITDA 231,01%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 11,64%
RESULTADO BRUTO 43,49%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -23,03%
RESULTADO OPERACIONAL 41,38%
RESULTADO LÍQUIDO 54,98%
EBITDA 169,88%

c) lucro (taxa média anual)
UA 36,86%
U2A 16,68%
U3A 8,14%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,74%
U2A 12,11%
U3A 12,46%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 29,30
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,0% !!!!
[...]

355460  - paulo_prof  -  02 Nov 2018, 18:35
O resultado financeiro foi pifio mais uma vez (para um caixa líquido médio de quase R$ 13,5 bilhões, o o resultado financeiro foi de apenas R$ 155 milhões que, anualizado, dá aprox. 4,7%), o aumento de receita liquida e, mais uma vez principalmente, o aumento expressivo da margem bruta, garantiram um lucro líquido substancialmente maior do que aquele postado no 3T17. O aumento da margem bruta foi fruto da redução do índice de sinistralidade e do menor custo de comercialização.

Sou da opinião de que o ativo continua relativamente barato.


SULA11

PREÇO: R$ 26,09

PAYOUT (2017): 23,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,94

P/VPA 1,66

PSR 0,53

DY 2,17%

MARGEM BRUTA 13,1%

MARGEM OPERACIONAL 7,7%

MARGEM LÍQUIDA 4,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,384

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 25,0%

ROE 15,21%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,94



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,90%

RESULTADO BRUTO +43,61%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -28,96%

RESULTADO OPERACIONAL +32,35%

RESULTADO LÍQUIDO +36,86%



b) 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,64%

RESULTADO BRUTO +43,49%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -23,03%

RESULTADO OPERACIONAL +41,38%

RESULTADO LÍQUIDO +54,98%



c) lucro (taxa média anual)

UA 25,11%

U2A 6,79%

U3A 9,32%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,54%

U2A 12,29%

U3A 12,33%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 29,80

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-3,0%

355459 - paulo_prof  -  02 Nov 2018, 18:19
Sim ... o resultado da SULA no 3T18 foi excelente. Mas no geral, prefiro a PSSA. Se o resultado da mesma vier parecido com o da SULA, estará mais descontada, além de particar um payout bastante superior (nos últimos 3 anos, o payout praticado pela SULA tem sido o mínimo legal, enquanto que na PSSA tem ficado acima dos 40%).

354816  - tucao  -  19 Out 2018, 02:45
Comigo aconteceu com sulamerica seguros... Acreditei na boa fé dessa empresa...

Ela fechou capital e não vendi no fechamento, pois acreditei que receberia dividendos com capital fechado, com claros sinais de força na redução do valor da ação para isso acontecer. Ainda, em aprovações internas ou sei lá o que, decidiram "pré decidido" recomprar as ações não compradas no fechamento e ainda com prazo definido.

Perdi tudo ou seja, todo investimento e sem direito a reclamação pelo prazo expirado e dentro da lei. Não vai cair nessa de capital fechado que vai perder.... Lembro da Tigre também, mesma historia.... mas nessa vendi no fechamento a preço inferior ao justo.

352488  - paulo_prof   -  02 Ago 2018, 22:51
Embora o resultado financeiro tenha sido pifio (para um caixa líquido médio de quase R$ 13 bilhões, o financeiro conseguiu um resultado financeiro de apenas R$ 168 milhões que, anualizado, dá aprox. 5,3%), o aumento de recita liquida e, principalmente, o aumento da margem bruta, garantiram um lucro líquido substancialmente maior do que aquele postado no 2T17.

Em relação ao trimestre anterior, o lucro veio levemente abaixo.

Continuo com a impressão de que o ativo esteja barato, embora menos do que há 3 meses.

SULA11

PREÇO: R$ 22,71

PAYOUT (2017): 23,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,47

P/VPA 1,50

PSR 0,47

DY 2,27%

MARGEM BRUTA 12,3%

MARGEM OPERACIONAL 7,3%

MARGEM LÍQUIDA 4,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,169

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 25,5%

ROE 14,34%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,98



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,42%

RESULTADO BRUTO +39,14%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -26,91%

RESULTADO OPERACIONAL +23,01%

RESULTADO LÍQUIDO +25,11%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,71%

RESULTADO BRUTO +72,54%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -20,90%

RESULTADO OPERACIONAL +64,06%

RESULTADO LÍQUIDO +68,00%



c) lucro (taxa média anual)

UA 25,11%

U2A 6,79%

U3A 9,32%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,54%

U2A 12,29%

U3A 12,33%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,11

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-4,0%

349669  - paulo_prof   - 06 Mai 2018, 18:16
Tendo R$ 12,5 bilhões líquidos para trabalhar no início do 1T18, o financeiro logrou um resultado de R$ 145 milhões. Anualizando este resultado, obtém-se 4,7% !!!! Tem ou não tem treta aí? Façam as suas apostas!

Achei o Resultado em termos do Lucro Líquido muito bom. O aumento da receita líquida e o aumento na margem bruta (aumento da participação no segmento de seguros mais rentável) foi mais do que suficiente para compensar o (muito) pior resultado financeiro.

No preço atual (não sei a razão pela qual o mercado castigou o ativo na 6a. feira), acho que o ativo está barato.

SULA11

PREÇO: R$ 19,7

PAYOUT (2017): 23,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,70

P/VPA 1,32

PSR 0,42

DY 2,45%

MARGEM BRUTA 11,5%

MARGEM OPERACIONAL 7,0%

MARGEM LÍQUIDA 4,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,031

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 28,5%

ROE 13,61%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,00



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,57%

RESULTADO BRUTO +21,96%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -23,80%

RESULTADO OPERACIONAL +7,29%

RESULTADO LÍQUIDO +9,49%



b) 1T18 vs 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,35%

RESULTADO BRUTO +17,11%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -35,35%

RESULTADO OPERACIONAL +9,66%

RESULTADO LÍQUIDO +9,97%



c) lucro (taxa média anual)

UA 9,49%

U2A 3,29%

U3A 11,21%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,43%

U2A 12,50%

U3A 12,42%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,34

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-5,5%

347561  - pocunha  -  28 Fev 2018, 15:26
São as mesmas amarras dos fundos de pensão, realmente o barco saiu do rumo ali, provavelmente por incompetência.

Quanto à retenção dos lucros, não faço ideia. Tem que tentar entender o controlador (Sulapar Participações). Talvez para eles valha mais a pena ter esse resultado em equivalência patrimonial do que em dividendos no momento atual. Ou estão planejando investimentos para 2018.

347558  - paulo_prof   - 28 Fev 2018, 14:46
Obrigado por esclarecer.

No que concerne as amarras impostas às seguradoras, eu acreditava que seriam parecidas com aquelas colocadas sobre fundos de pensão (pelo menos no que se refere ao PGBL e VGBL). Ou seja, que a seguradora teria uma certa liberdade para fazer aplicações em renda variável e participação em empresas.

Vc teria um palpite porque uma empresa que consegue um rendimento financeiro de apenas 6,8% no ano faz questão de reter a maior parte do lucro?

347550  - pocunha   -  28 Fev 2018, 13:30
Professor, acredito que isso seja um fato comum para todas as seguradoras. No último trimestre, caso as metas corporativas estejam incertas de serem batidas (o que é a maioria dos casos), recorrentemente as Seguradoras tentam turbinar o resultado atacando 3 rubricas contábeis, sendo elas:

1 - PSL Administrativa (Provisão de Sinistros a liquidar) - nessa conta estão provisionados todos os sinistros que não estão na esfera judicial mas ainda não foram pagos. Normalmente faz-se uma força tarefa para encontrar fatos que possibilitem justificar baixas de reservas de eventuais estimativas sobrevalorizadas. Como é mais usual as reservas estarem sobrevalorizadas (existem vários motivos, inclusive regulatórios, não vou entrar em detalhes), essa provisão acaba fazendo resultado positivo no último trimestre.

2 - PSL Judicial - igual a anterior, mas nessa estão os casos que estão em âmbito Judicial. Essa é mais difícil de baixar, mas é possível força tarefas para propor acordos menores que os valores em reserva, assim faz-se resultado positivo também.

3 - INBR (Incurred but not reported) - Essa provisão é atuarial baseada na própria experiência do passado da seguradora. Trata-se de uma provisão de sinistros que ainda vão ocorrer no futuro, com base no prêmio ainda não ganho da seguradora - é a provisão que garante a "cauda" da operação. Por exemplo, se uma Seguradora hoje para de emitir novas apólices, ainda assim ela terá apólices vigentes para as espera-se que nos próximos anos (principalmente nos próximos meses) ainda irão ocorrer sinistros. Essa provisão é reavaliada a cada trimestre, no entanto seu resultado deve ser fruto de um cálculo atuarial. Mas podem ocorrer marretadas dependendo da governança da companhia.

Enfim, assim como a IBNR, as duas primeiras provisões, por mais que permitam a possibilidade de se fazer resultado sem ter de descumprir a cartilha, também são passíveis de marretadas. Nesses casos, o problema é que mais cedo ou mais tarde as reservas terão de ser reconstituídas novamente...

Sobre o resultado financeiro, as amarras impostas as seguradoras limitam muito esse ganho, embora o da SULA tenha sido abaixo da média para o mercado. Com Juros em baixa, o resultado financeiro vai involuir mesmo...

347536 - paulo_prof -  28 Fev 2018, 00:57
Até hoje nunca consegui entender porque a SULA sempre tem o seu melhor trimestre no final do exercício. Deve ser devido à contabilidade.

Bom, no que diz respeito ao resultado, foi excelente, especialmente na comparação trimestral.

Um outro detalhe que não dá pára entender, é o resultado financeiro prá lá de pífio. Durante o ano, a média do caixa líquido foi de R$ 12 bilhões. O Resultado Financeiro de R$ 817 milhões corresponde a um rendimento financeiro de 6,8% no ano. Enquanto o Buffet compra empresas como os premios de seguro, o financeiro da SULA obtém rendimentos que provavelmente qualquer um de nós conseguiria superar. E para engordar o caixa para tais aplicações, a política de payout é distribuir o mínimo legal. O fim da picada!

De qualquer forma, o ativo parece relativamente barato.

SULA11

PREÇO: R$ 20,75

PAYOUT (2017): 23,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,38

P/VPA 1,43

PSR 0,45

DY 2,29%

MARGEM BRUTA 11,4%

MARGEM OPERACIONAL 7,1%

MARGEM LÍQUIDA 4,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,998

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 28,8%

ROE 13,75%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,93



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,14%

RESULTADO BRUTO +22,60%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -13,64%

RESULTADO OPERACIONAL +10,21%

RESULTADO LÍQUIDO +11,22%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,81%

RESULTADO BRUTO +48,48%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -34,35%

RESULTADO OPERACIONAL +28,57%

RESULTADO LÍQUIDO +31,16%



c) lucro (taxa média anual)

UA 11,22%

U2A 2,62%

U3A 12,12%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,99%

U2A 12,64%

U3A 12,40%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,97

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-4,0%

343821 - marcosvinicius2  -  11 Nov 2017, 12:07
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 42 TRIMESTRES, 42 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 151.352 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 80.589 E EM LINHA COM O APRESENTADO NO 3T16 = 148.263. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MAIOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 386.254 X 3T17 = 480.061. VALOR DE MERCADO (MIL) = 20.929.576; VALOR MAXIMO (MIL) = 20.929.576 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 19.312.539:

SULA11
PREÇO: 17,70
PAYOUT (2016): 26,13%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 31,00
P/VPA 3,86
PSR 1,21
DY 0,84%
EV/EBITDA 37,68
MARGEM BRUTA 10,10%
MARGEM OPERACIONAL 6,49%
MARGEM LÍQUIDA 3,89%
LUCRO POR AÇÃO 0,571
MARGEM EBITDA 1,55%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 46,22%
ROE 12,44%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,91

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,30%
RESULTADO BRUTO 908,30%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 2,35%
RESULTADO OPERACIONAL -1,76%
RESULTADO LÍQUIDO -0,52%
EBITDA -13,54%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 9,77%
RESULTADO BRUTO 24,29%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -15,83%
RESULTADO OPERACIONAL 3,61%
RESULTADO LÍQUIDO 2,08%
EBITDA 91,17%

c) lucro (taxa média anual)
UA -0,52%
U2A -3,88%
U3A 7,52%

d) patrimônio líquido médio
UA 12,49%
U2A 12,82%
U3A 12,36%

DESPESAS ADMINISTRATIVAS = A Companhia manteve o foco no rigoroso controle de custos e despesas e na busca por ganhos de sinergias operacionais. Os resultados apresentados ao longo do ano demonstram esforço contínuo para obtenção de ganhos de eficiência. O índice de despesas administrativas sobre as receitas operacionais atingiu 8,6%, uma piora de 0,5 p.p., dada a sazonalidade de algumas despesas, mas mantendo-se em patamar inferior ao índice acumulado de 8,8%, estável em relação ao ano anterior;

RESULTADO FINANCEIRO = O resultado financeiro total somou R$ 200,9 milhões no 3T17, apresentando uma redução de 15,8% em relação ao mesmo trimestre de 2016, em linha com a redução da taxa média de remuneração dos ativos. A rentabilidade da carteira de ativos próprios(ex-previdência privada) foi de 102,4% do CDI no terceiro trimestre de 2017 e de 100,8% do CDI no acumulado do ano.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

343603  - paulo_prof  - 07 Nov 2017, 13:09
Operacional compensando a queda do resultado financeiro. Ativo parece bem precificado

SULA11

PREÇO: R$ 17,93

PAYOUT (2016): 25,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,28

P/VPA 1,28

PSR 0,40

DY 2,50%

MARGEM BRUTA 10,1%

MARGEM OPERACIONAL 6,5%

MARGEM LÍQUIDA 3,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,745

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 21,2%

ROE 12,44%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,91



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,86%

RESULTADO BRUTO +1,36%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +2,35%

RESULTADO OPERACIONAL -1,76%

RESULTADO LÍQUIDO -0,52%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +9,77%

RESULTADO BRUTO +24,92%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -15,83%

RESULTADO OPERACIONAL +3,61%

RESULTADO LÍQUIDO +2,08%



c) lucro (taxa média anual)

UA -0,52%

U2A -3,88%

U3A 7,52%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,49%

U2A 12,51%

U3A 12,36%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 22,37

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-5,5%

341268  - paulo_prof   -  19 Ago 2017, 15:56
Com a redução da rentabilidade da renda fixa, as seguradoras todas estão sofrendo. Não estão conseguindo compensar no operacional, a perda no financeiro. Na minha opinião, embora possa parecer bem precificada, considerando as projeções para os próximos trimestres, acho que o ativo está ficando caro. Eu teria muitas restrições a investir nos preços atuais.


SULA11

PREÇO: R$ 17,39

PAYOUT (2016): 25,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,02

P/VPA 1,28

PSR 0,40

DY 2,57%

MARGEM BRUTA 9,8%

MARGEM OPERACIONAL 6,6%

MARGEM LÍQUIDA 4,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,736

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 21,5%

ROE 12,81%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,93



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,88%

RESULTADO BRUTO -3,59%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +7,83%

RESULTADO OPERACIONAL +6,04%

RESULTADO LÍQUIDO -8,85%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,28%

RESULTADO BRUTO -17,84%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -8,46%

RESULTADO OPERACIONAL -34,11%

RESULTADO LÍQUIDO -36,25%



c) lucro (taxa média anual)

UA -8,85%

U2A 2,19%

U3A 7,53%



d) patrimônio líquido médio

UA 13,04%

U2A 12,73%

U3A 12,42%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 22,25

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-6,0%

337670  - TraderCenter  -  08 Mai 2017, 22:00
[...]
A SulAmérica registrou lucro líquido após participação de não controladores de R$ 128,6 milhões no primeiro trimestre de 2017, aumento de 21,4% na comparação anual.

No comparativo com os três meses anteriores, o resultado encolheu 59,1%, como reflexo de questões sazonais. A empresa de seguros SulAmérica registrou um lucro líquido de R$ 128,6 milhões no primeiro trimestre de 2017, uma alta de 21,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

O total de receitas operacionais avançou 9,7%, passando para R$ 4,26 bilhões de janeiro a março. O destaque foi com o segmento de saúde e odontológico, com avanço de 11,5% na receita, sendo a principal contribuição no faturamento.
[...]

334534  - paulo_prof   -  22 Fev 2017, 10:47
Ativo relativamente bem precificado. Considero o risco de um investimento no ativo, relativamente pequeno

SULA11

PREÇO: R$ 20,79

PAYOUT (2016): 25,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,01

P/VPA 1,38

PSR 0,43

DY 2,57%

MARGEM BRUTA 10,2%

MARGEM OPERACIONAL 7,0%

MARGEM LÍQUIDA 4,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,077

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 28,5%

ROE 13,83%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,90



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,03%

RESULTADO BRUTO -1,61%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +15,27%

RESULTADO OPERACIONAL +1,65%

RESULTADO LÍQUIDO -5,32%



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,67%

RESULTADO BRUTO -11,66%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +25,90%

RESULTADO OPERACIONAL-1,51%

RESULTADO LÍQUIDO +5,54%



c) lucro (taxa média anual)

UA -5,32%

U2A 12,57%

U3A 13,11%



d) patrimônio líquido médio

UA 13,30%

U2A 12,61%

U3A 11,95%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 25,96


Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-5,0%

325089  - paulo_prof   -  30 Jul 2016, 03:42
Bastante bom o resultado da Sul America!

SULA11
PREÇO: R$ 17,24
PAYOUT (2015): 25,4%

P/L 7,81
P/VPA 1,22
PSR 0,36
DY 3,25%
MARGEM BRUTA 10,9%
MARGEM OPERACIONAL 7,1%
MARGEM LÍQUIDA 4,7%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,206
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20,0%
ROE 15,64%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,79

Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T15, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,82%
RESULTADO BRUTO -33,82%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +23,58%
RESULTADO OPERACIONAL +9.37%
RESULTADO LÍQUIDO +14,57%

b) 2T16 sobre 2T15, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,65%
RESULTADO BRUTO -1,06%
RESULTADO FINANCEIRO POSITVO +19,74%
RESULTADO OPERACIONAL +0,52%
RESULTADO LÍQUIDO +0,52%

c) lucro líquido, nominal
UA 14,57%
U2A 16,79%
U3A 18,69%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 12,43%
U2A 12,11%
U3A 10,85%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 22,06

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -5,5% !!!!

170172 - paulo_prof -  04 Mar 2013, 20:37
SULA11
PREÇO: R$ 18,94
PAYOUT 2012: 29,3%

P/L 10,79
P/VPA 1,56
PSR 0,50
DY 2,71%
EV/EBITDA #DIV/0!
MARGEM BRUTA 25,6%
MARGEM OPERACIONAL 6,8%
MARGEM LÍQUIDA 4,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,755
MARGEM EBITDA 0,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 16,0%
ROE 14,42%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,85

Taxas de Crescimento Nominal

a) exercício de 2012 vs 2011
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 16,72%
RESULTADO BRUTO 17,55%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -14,19%
RESULTADO OPERACIONAL 1,52%
RESULTADO LÍQUIDO 8,43%

b) 4T12 vs 4T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 14,81%
RESULTADO BRUTO 32,71%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -14,10%
RESULTADO OPERACIONAL 19,19%
RESULTADO LÍQUIDO 19,22%

c) lucro (taxa média anual)
UA 8,43%
U2A -11,29%
U3A 4,86%

d) patrimônio líquido médio
UA 8,17%
U2A 8,08%
U3A 8,67%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 21,94

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,0%

337553  - paulo_prof  -  05 Mai 2017, 10:21
Últimos Comentários sobre os resultados de SULA podem ser encontrados em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=sula11&u...

Ativo relativamente barato. Acho que o risco de ujm investimento no ativo é pequeno.

SULA11

PREÇO: R$ 17,05

PAYOUT (2016): 25,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,19

P/VPA 1,27

PSR 0,40

DY 2,80%

MARGEM BRUTA 10,4%

MARGEM OPERACIONAL 7,2%

MARGEM LÍQUIDA 4,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,854

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 24,9%

ROE 13,85%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,94



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,50%

RESULTADO BRUTO -0,17%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +15,08%

RESULTADO OPERACIONAL +6,04%

RESULTADO LÍQUIDO -2,55%



b) 1T17 vs 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,66%

RESULTADO BRUTO +19,20%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +10,97%

RESULTADO OPERACIONAL +27,90%

RESULTADO LÍQUIDO +21,42%



c) lucro (taxa média anual)

UA -2,55%

U2A 12,09%

U3A 10,13%



d) patrimônio líquido médio

UA 13,58%

U2A 12,92%

U3A 12,37%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 23,77


Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):-8,0%

329008  - paulo_prof   -  28 Out 2016, 02:30
Considerado cenário econômico, até que o resultado não foi de todo mal!

SULA11
PREÇO: R$ 18,48
PAYOUT (2015): 25,4%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 9,11
P/VPA 1,27
PSR 0,38
DY 2,79%
MARGEM BRUTA 10,7%
MARGEM OPERACIONAL 7,1%
MARGEM LÍQUIDA 4,2%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,028
MARGEM EBITDA 0,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19,6%
ROE 13,90%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,82

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,51%
RESULTADO BRUTO -20,81%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +16,52%
RESULTADO OPERACIONAL +5,87%
RESULTADO LÍQUIDO -7,12%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,33%
RESULTADO BRUTO +2,28%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +4,47%
RESULTADO OPERACIONAL +8,24%
RESULTADO LÍQUIDO -28,35%

c) lucro (taxa média anual)
UA -7,12%
U2A 11,77%
U3A 14,57%

d) patrimônio líquido médio
UA 12,54%
U2A 12,30%
U3A 11,37%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 20,28

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -2,0%

169643 - uqaz -  27 Fev 2013, 23:08
SULA
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 260,1 M no 4° trimestre de 2012, acréscimo de 143,7% em relação ao terceiro trimestre de 2012 e acréscimo de 19,2% em relação ao 4T11.

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 4,0 B, crescimento de 13,1% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 3,4 B no 4° trimestre de 2012, valor 9,0% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Neste período, a ação oscilou 19,0% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 5,0 B contra R$ 4,0 B no 4T11.

160247 - paulo_prof -  12 Dez 2012, 21:40
Professor qual sua opiniao sobre sula11!!!
"morna" ... considerando as incertezas (será que o resultado do 4T12 virá acima daquele do 4T11?), acho que o ativo está razoavelmente bem precificado. Eu esperaria o resultado do 4T12 para diminuir os riscos ...

154418 - polycrav -  31 Out 2012, 01:12
SULA!!
Lucro líquido da SulAmérica cresce 8,9%, para R$ 106 milhões

- A SulAmérica apresentou lucro líquido de R$ 106,7 milhões no terceiro trimestre, aumento de 8,9% sobre o mesmo período do ano passado.

As receitas com prêmios de seguros cresceram 14,2% no trimestre na comparação anual, para R$ 2,8 bilhões, como "resultado de melhor subscrição e maior volume de vendas", diz o relatório da administração.

O crescimento do faturamento foi puxado pelo seguro saúde, cuja receita cresceu 18,4%, com destaque para o segmento de pequenas e médias empresas, que cresceram 31,7% no trimestre.

O resultado também foi beneficiado pela queda da sinistralidade (relação entre a receita e o pagamento de indenizações) em todas as carteiras da seguradora. O índice caiu 0,2 ponto percentual, para 76%.

O índice combinado da seguradora ? que mede a eficiência operacional da companhia e quanto menor, melhor ? ficou em 99,1% no trimestre, 2 pontos percentuais menor que o terceiro trimestre de 2011. Abaixo de 100% mostra que a seguradora teve ganho na operação.

O resultado financeiro da companhia no trimestre foi de R$ 140 milhões, 18,7% abaixo na comparação anual, mas 30% acima do segundo trimestre, o que mostra recuperação. A queda na comparação anual era esperada pela companhia, devido à redução da taxa básica de juros (Selic).

154385 - paulo_prof -    30 Out 2012, 23:07
SULA11
PREÇO: R$ 15,60
PAYOUT: 49,7%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 9,73
P/VPA 1,35
PSR 0,43
DY 5,10%
MARGEM BRUTA 24,2%
MARGEM OPERACIONAL 6,5%
MARGEM LÍQUIDA 4,4%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,603
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 16,8%
ROE 13,87%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,82

Taxas de crescimento dos 9M12 sobre os 9M11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,4%
RESULTADO BRUTO +10,5
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -14,2%
RESULTADO OPERACIONAL -12,9%
RESULTADO LÍQUIDO -1,9%

Taxas anuais médias de crescimento nominal
a) do lucro líquido
UA -15,90%
U2A -2,73%
U3A 7,28%

b) do patrimônio líquido médio
UA 9,54%
U2A 10,08%
U3A 9,67%

Para justificar o preço atual pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%, o lucro líquido dos últimos 12 meses teria que crescer, em termos reais, nos próximos 3 anos, - 8,5%

Pessoalmente, pelas dificuldades que a empresa está encontrando para voltar aos níveis históricos de rentabilidade, acho que o ativo está meio caro ...

142491 - apolo20 - 03 Ago 2012, 17:24
O avanço da sinistralidade, coadunado com os efeitos da queda da taxa de juros em seus resultados financeiro, impactaram na performance da empresa neste 2T12.

Ademais, o ambiente altamente concorrencial não permitiu realinhamentos de preços satisfatórios. Todavia, para o médio prazo, acreditamos em recuperação da performance da empresa, por conta de um corolário favorável para a atividade econômica, repercutindo em prováveis melhores avanços nos prêmios auferidos, bem como acomodação de sinistralidade.

Vale dizer que o setor de seguros vem crescendo a elevadas taxas desde 2008, mesmo em épocas de residual queda do PIB, como foi em 2009.

O crescimento da renda e emprego, aliado ao controle inflacionário remeteram a uma nova camada da população com poder de consumo. Para 2012, a tendência é de crescimento, mas em taxa mais moderada. Os prêmios auferidos da companhia evoluíram 18,6% no 2T12, contra 2T11, sendo crível trabalhar com uma premissa de 15,0% para 2012.

Por outro lado, os riscos de regulamentação aumentaram para a empresa, visto que houve a venda de participação no capital da Brasilveículos para a BB Seguros em 2010, o que significa que suas operações ficaram mais concentradas no ramo de saúde. Contudo, a partir de julho de 2011 iniciou-se a sua parceria com a Caixa Seguros, o que deverá melhorar sua competitividade no ramo de automóveis para o médio prazo. Além disso, conta com os seguintes trunfos: i) adequado perfil financeiro e capacitada a efetuar aquisições, ii) confortável indicador de solvência, podendo mais que dobrar os prêmios auferidos sem necessidades de aporte de capital, e iii) sua administração mostra expertise na condução dos negócios.

129132 - paulo_prof - 03/Mai/2012 00:35
SULA11

PREÇO: R$ 15,71
PAYOUT (2011): 48,8%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L      9,53
P/VPA            1,41
PSR     0,47
DY      5,12%
MARGEM BRUTA  25,0%
MARGEM OPERACIONAL          7,3%
MARGEM LÍQUIDA          4,9%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,648
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       16,4%
ROE    14,78%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,81

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      -24,75%
U2A    3,75%
U3A    4,33%

b) do patrimônio líquido médio
UA      7,74%
U2A    9,03%
U3A    9,65%

Para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual a 1,5 vezes a cotação atual, adotando uma perpetuidade real nula e uma taxa de desconto anual real de 8%, é necessário que a taxa anual média de crescimento real do lucro líquido, nos próximos 3 anos, seja superior a 5%.

Taxas de crescimento nominal em relação ao 1T11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA     +15,8%
RESULTADO BRUTO        +7,78%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO            +2,98%
RESULTADO OPERACIONAL    -13,8%
RESULTADO LÍQUIDO    +10,6%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO   +8,76%

117732 - paulo_prof - 29/Fev/2012 00:14
SULA11


PREÇO R$ 18,31
PAYOUT (2010) 46,9%
P/L 11,19
P/VPA 1,62
PSR 0,56
DY 4,19%
MARGEM BRUTA 25,4%
MARGEM OPERACIONAL 7,9%
MARGEM LÍQUIDA 5,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,637
ROE 14,49%

Anualizando o excelente 4T11
P/L = 5,71
DY = 8,21%
ROE = 28,4%


28910 - renato1631 - 25/Fev/2010 19:48
Sul América S.A.
Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010 - A Sul América S.A. (Bovespa: SULA11) anuncia hoje os resultados do ano de 2009.
Destaques:
Lucro líquido é de R$149,7 milhões no 4T09, com crescimento de 68,1% em relação ao 4T08. No ano, lucro líquido alcança R$419,1 milhões com crescimento de 9,8% em relação ao lucro líquido recorrente de 2008. Rentabilidade do patrimônio atinge 17,6% no ano e a Companhia encerra o exercício com total de ativos de R$12,4 bilhões.
Prêmios de seguros crescem 12,6% no 4T09 em relação ao 4T08 (crescimento de 1,9% em relação ao 3T09), e totalizam R$2,3 bilhões. No ano, prêmios de seguros crescem 12,4% e atingem R$8,7 bilhões. Seguro saúde aumenta 12,6% no 4T09 em relação ao 4T08 (aumento de 3,6% em relação ao 3T09), com prêmios da carteira de saúde grupal crescendo 16,7% (crescimento de 4,2% em relação ao 3T09), e destaque para os prêmios do segmento de pequenas e médias empresas, que aumentaram 24,9%. No ano, prêmios de seguro saúde crescem 10,2% em relação a 2008. Prêmios de seguros de automóveis crescem 35,2% no 4T09 em relação ao 4T08 (crescimento de 5,8% em relação ao 3T09) e 25,0% no ano. Frota segurada atinge 2,3 milhões de veículos no final de 2009.
Índice de sinistralidade total é de 70,6% no 4T09, com aumento de 1,4 p.p. em relação ao 4T08 (queda de 3,4 p.p. em relação ao 3T09). No ano, índice de sinistralidade total tem incremento de 2,3 p.p. encerrando o período em 73,3%. Sinistralidade do seguro saúde atinge 79,1% no 4T09, com incremento de 3,8 p.p. em relação ao 4T08 (queda de 1,3 p.p. em relação ao 3T09). Seguros de automóveis registram sinistralidade de 57,2% no 4T09, com queda de 3,4 p.p. em relação ao 4T08 (queda de 5,4 p.p. em relação ao 3T09).
Índice combinado atinge 98,1% no 4T09, com queda de 0,4 p.p. em relação ao 4T08 (redução de 2,6 p.p. em relação ao 3T09). No ano, índice atinge 99,4% e apresenta crescimento de 1,0 p.p..
Resultado dos investimentos totaliza R$157,3 milhões no 4T09 com rentabilidade equivalente a 114,5% do CDI. No ano a rentabilidade é de 115,9% do CDI.


19540 - rcbocardo - 24/Dez/2011 18:22
SUL AMERICA

SULA11) PREÇO ATUAL R$13,10
PREÇO-ALVO: R$22,00

Henrique Navarro
Renato Schuetz

TESE DE INVESTIMENTO
􀂄 Acreditamos que o ambiente mais favorável de concorrência em 2012 deve representar um forte catalisador para a Sul América. No ano de 2011, a empresa foi afetada por uma combinação de fatores, incluindo pressão de custos (principalmente os vinculados à inflação) e guerra de preços. A notícia positiva é que o ambiente começou a melhorar durante o 3T11, pois tanto a inflação como as pressões competitivas estão abrandando. Esperamos que a Sul América possa começar a retornar a índices de sinistralidade mais racionais já no início do 4T11 e em 2012.

􀂄 A SulAmérica está entre as empresas com avaliação mais atrativa no setor de serviços financeiros do país, em nossa opinião. Acreditamos que o P/L de 7,4x para 2012E é atrativo em comparação aos múltiplos de 2012E de 10,3x e 14,2x, respectivamente, para as empresas de serviços financeiros e nomes de saúde no Brasil. Por fim, nosso preço-alvo para final de 2012 gera um potencial de alta que

está entre os maiores que projetamos para as empresas de serviços financeiros que cobrimos no país.


PERSPECTIVA PARA 2012
􀂄 Incorporamos estimativas menores para a taxa Selic em nossa análise. Embora isso possa se traduzir com uma redução no lucro líquido, a taxa Selic baixa costuma indicar que o Brasil desfruta de um bom momento macroeconômico. Consequentemente, esperamos que a redução na receita de financiamento deva ser compensada por aumentos nos prêmios vendidos e uma queda nas pressões

competitivas sobre os preços.

AVALIAÇÃO E RISCOS
􀂄 Avaliamos a Sul América usando um modelo de superávit de capital descontado, que desconta para o presente o capital gerado pela empresa em excesso ao capital necessário para financiar o crescimento esperado.

􀂄 Riscos: a empresa pode adotar uma estratégia para crescer por meio de aquisições; outros riscos incluem crescimento menor que o esperado, riscos regulatórios no segmento de saúde individual, acirramento da concorrência e preocupação negativa em relação ao mercado.


102613 - edbmsev - 16/Nov/2011 09:21
No 2T11, a Sul América apresentou lucro de apenas 30 milhões de reais em virtude de despesas não recorrentes provenientes de provisões. Portanto, tanto o 4T10, impactado positivamente pela venda da Brasil Veículos ao BB, como o 2T11, não devem ser utilizados como referência para avaliarmos o desempenho da empresa.


Pelos resultados trimestrais da Sul América, podemos concluir que o resultado recorrente anual da empresa é de cerca de 400 milhões de reais, o que daria um P/L de aproximadamente 9,7, relativo aos últimos 12 meses.

É difícil estimar a taxa de crescimento da empresa, pois houve reestruturação recente de suas atividades, com a venda de sua participação na Brasil Veículos e o fechamento de parceria com a Caixa Seguros no segmento de veículos. A empresa tem buscado crescimento no segmento odontológico, de margens superiores às praticadas nos planos de saúde, que atualmente respondem pela maior parte de suas receitas.

No caso de investimentos em seguradoras, devemos acompanhar a evolução do índice combinado e do rendimento da carteira. O índice combinado reflete a sinistralidade da carteira e as despesas operacionais. O rendimento da carteira representa a aplicação dos recursos financeiros pela seguradora.

O índice combinado da Sul América ficou acima de 100% no 3T11, o que é ruim, pois mostra que os prêmios auferidos foram insuficientes para cobertura da sinistralidade e das despesas operacionais. A rentabilidade da carteira foi de 110% do CDI e daí que foi obtido o lucro líquido trimestral de cerca de 100 milhões de reais no 3T11.

A Porto Seguro, focada no segmento de automóveis e não de seguro saúde como a Sul América, tem obtido performance operacional superior a Sul América, com índice combinado menor do que 100%, ou seja, com prêmios auferidos em montante suficiente para cobertura de sinistralidade e despesas operacionais. Tal desempenho tem sido obtido mesmo com a Porto Seguro tendo anunciado ao mercado que ainda não conseguiu implementar plenamente as sinergias com a Itaú Seguros. A rentabilidade da carteira da Porto Seguro tem sido similar à obtida pela Sul América, de 110% CDI.

Entendo que é natural que a Porto Seguro seja negociada com algum prêmio sobre a Sul América, por ter performance operacional superior e maior potencial de crescimento.

Um risco para Porto Seguro e Sul América seria uma baixa acentuada nas taxas de juros, pois grande parte do lucro das seguradoras é proveniente de seu resultado financeiro.


Por  Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

-  A SulAmérica é o maior grupo segurador independente do Brasil e atua em diversos ramos de seguros. De acordo com dados da SUSEP e ANS, em Junho de 2009, a Companhia ocupava a segunda posição no ranking das seguradoras brasileiras, em termos de prêmios de seguros. Desde outubro de 2007, a SulAmérica integra o Nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da BM&FBovespa, tendo realizado a maior oferta pública inicial de ações feita por um grupo segurador brasileiro, negociando 25 milhões de units e captando um total de R$775 milhões. Associada ao Grupo ING desde 2002, a SulAmérica conta com cerca de 37% de suas ações em circulação no mercado.

Em 2002, a SulAmérica celebrou uma parceria com o ING, uma Companhia de origem holandesa, com atuação mundial no ramo de serviços financeiros que, em 30 de setembro de 2009 detinha, direta e indiretamente, 36% do capital social total da SulAmérica. O ING tem 150 anos de experiência no mercado financeiro e oferece uma ampla variedade de serviços bancários, de seguros e administração de recursos em mais de 50 países. O ING contribuiu significativamente com as linhas de negócios da Companhia relativas a seguros de vida, previdência complementar e administração de recursos, compartilhando seu conhecimento nesses segmentos.     

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
06/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
SULA11
  13,59
7,1
1,34
9,4
8,2%
14,2%
0,1
6%
14,2%
45,1%

·  PONTOS POSITIVOS:

- Prêmios de seguros totalizaram R$2,4 bilhões no 3T11, crescimento de 9,6% em relação ao 3T10 e 6,9% sobre o 2T11;

- Prêmios de seguro saúde cresceram 18,1% sobre o 3T10 e 7,8% frente ao 2T11, com a carteira de saúde totalizando 2,4 milhões de beneficiários ao final do 3T11; 

- Prêmios de automóveis tiveram queda de 5,5% frente ao 3T10 e crescem 6,1% na comparação com o 2T11, com a carteira chegando a 1,5 milhão de veículos no

final do 3T11;   

- Sinistralidade total foi de 76,2% no 3T11, aumento de 5,7 p.p. sobre o 3T10 e redução de 2,0 p.p. frente ao 2T11;

- Índice combinado foi de 100,7%, com aumento de 5,3 p.p. em relação ao 3T10 e redução de 3,2 p.p. frente ao 2T11;

- Carteira de investimentos obteve rentabilidade equivalente a 110,3% do CDI (parcela não vinculada a previdência e VGBL);

- Lucro líquido do 3T11 foi de R$98,0 milhões, com queda de 19,6% em relação ao 3T10 e incremento de 227,1% frente ao 2T11.

- Não Recorrente: Para efeito de comparação do 3T11 com 2T11, bem como os períodos entre 9M11 e 9M10, as demonstrações financeiras aqui apresentadas contemplaram efeitos de decisão datada de julho de 2005, mediante a qual a ANS - Agência Nacional de Saúde autorizou a SulAmérica a reajustar em 26,1% os preços das apólices de seguro saúde individual emitidas anteriormente a 1º de janeiro de 1999. Os ajustes referentes à emissão dos prêmios complementares de seguro saúde individual foram registrados nas linhas de prêmios, outras despesas operacionais, despesas com tributos e imposto de renda e contribuição social no 1T10 e no 2T11, com efeitos no 9M11 e no 9M10.

- O lucro líquido do 3T11 foi de R$98,0 milhões, 19,6% inferior ao lucro líquido apurado no 3T10. O índice de rentabilidade do patrimônio foi de 14,4%, com redução de 5,3 p.p. em relação ao 3T10.  Na comparação com o 2T11, quando o resultado foi  impactado pelo aumento da provisão para insuficiência de prêmios no segmento de pessoas, o lucro líquido do 3T11 cresceu 227,1% e o índice de rentabilidade do patrimônio aumentou 10,2 p.p..
·  PONTOS NEGATIVOS
 
·  VISÃO ESTRATÉGICA

- Em julho, iniciaram as operações relativas ao acordo de parceria entre a SulAmérica Companhia Nacional de Seguros e a Caixa Seguros para o ramo de seguros de automóveis. Nos termos desse acordo, a Companhia também oferecerá suporte à operacionalização desta carteira.     

- A SulAmérica segue finalizando o processo de integração da Dental Plan no segmento de saúde e odontológico da Companhia.
·  CURIOSIDADES
- O índice combinado é um parâmetro usado em seguradoras, proveniente da soma dos índices de sinistralidade e índice de despesas. Caracteriza-se o lucro operacional em uma seguradora quando este índice é menor que 100%.  
·  OPINIÃO DO ANALISTA
- Já fui acionista da empresa no passado, mas à época achei que já havia atingido o preço justo e haviam oportunidades mais interessantes de investimento. Desde então a cotação começou a refletir os balanços da empresa, com uma piora na rentabilidade. Começo ver uma melhora a partir desde balanço, a qual deve ser acompanhada de perto para sabermos se irá perpetuar.   


Análise Coin Valores
Maior seguradora independente do Brasil, com sólida reputação e forte reconhecimento da marca, a SulAmérica adota um modelo de negócios multilinha, contando com um amplo portfólio de produtos e serviços de alta qualidade nos segmentos de saúde, automóveis e outros ramos elementares, pessoas, previdência e gestão de ativos, oferecendo cobertura a mais de 5 milhões de clientes. Atuando em todo o território nacional, a companhia conta com mais de 100 pontos de presença, incluindo 14 sucursais nas principais cidades do país, que garantem apoio aos mais de 29 mil corretores que distribuem seus produtos. A SulAmérica também mantém parcerias com algumas das mais respeitadas instituições financeiras brasileiras para comercialização de seus produtos e serviços, atingindo mais de 16 mil pontos de venda. Desde outubro de 2007, a SulAmérica integra o Nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da BM&FBovespa.

RETROSPECTIVA 2010
A SulAmérica e a indústria de seguros em geral, beneficiaram-se grandemente da expansão econômica, da melhor distribuição de renda e da expansão das operações de crédito observados nos últimos anos. A indústria de seguros atravessou o ano de 2010 mantendo um bom desempenho e mostrando que tem espaço para crescer em um mercado ainda subpenetrado. A incorporação de novos mercados de consumidores, como as pequenas e médias empresas, novos produtos e canais de distribuição contribuíram para que a indústria mantivesse a trajetória de crescimento observada nos últimos anos, ampliando sua penetração na economia nacional. Segundo dados da SUSEP e da ANS, os prêmios da indústria de seguros apresentaram crescimento de 13,4% nos seis meses de 2010 quando comparado ao mesmo período de 2008. A SulAmérica beneficiou-se de seu modelo multilinha, obtendo crescimento e rentabilidade em suas principais áreas de negócios. A companhia encerrou os primeiros nove meses de 2010 alcançando R$ 6,2 bilhões em prêmios de seguros, com crescimento de 13,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os prêmios de seguro saúde cresceram 16,2% em relação aos nove meses de 2009 e os prêmios de seguros de automóveis cresceram 27,7% no mesmo período, com a frota segurada alcançando 1,3 milhão de veículos em setembro de 2010. Cabe destacar que a o segmento de automóveis da SulAmérica alcançou uma participação de mercado de 10,5%, sendo o maior player independente no segmento e ocupando a 3ª posição no ranking por prêmios de seguros. O lucro líquido foi de R$ 268,4 milhões e o retorno sobre o patrimônio líquido anualizado foi de 13,7%.

PERSPECTIVA 2011


A SulAmérica manterá seu foco na ampliação de ofertas inovadoras e diversificadas, seguindo uma estratégia que tem apresentado excelentes resultados nos últimos anos, com a customização de produtos de seguros e o fortalecimento de sua relação com os corretores de seguros, principais parceiros comerciais da companhia. Além disso, a companhia poderá explorar regiões estratégicas, que ainda tem alto potencial de penetração de seguros, e são pouco exploradas pela companhia. O crescimento orgânico predominará entre os fatores que contribuirão para o desenvolvimento da companhia principalmente com ações de CRM, buscando incentivar as vendas cruzadas. A companhia buscará aumentar o alcance de suas parcerias de distribuição, permitindo uma maior diversificação dos seus canais de distribuição, complementando o principal canal que é representado por mais de 30 mil corretores de seguros. Além das oportunidades já mencionadas, o ano de 2011 exigirá um permanente controle dos custos em todos os seus segmentos. A SulAmérica continuará com seu programa de aprimoramento de eficiência operacional iniciado em 2009, focando na revisão e otimização de processos operacionais.


53283 - paulo_prof - 04/Nov/2010 21:11
Os novos múltiplos da SULA11, baseados nos últimos 12 meses, são:

Preço: R$ 20,65
Payout (2009): 47,8%
P/L 11,99
P/VPA 2,07
PSR 0,73
DY 3,99%
MARGEM BRUTA 27,5%
MARGEM OPERACIONAL 9,1%
MARGEM LÍQUIDA 6,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,722
ROE 17,30%
Crescimento anual médio de lucro líquido: aprox. 20%



Preço justo para crescimento de 20% durante 2 anos (perpetuidade de 3% e taxa de desconto de 16%): R$ 18,22

28923 - small caps - 25/Fev/2010 21:06
citação: renato1631Boa noite small
O que vc achou do resultado da sul américa?
O resultado pareceu ótimo
Grande abç
renato1631, SULA11 foi uma grande pepita, comprada a preço de seguradora falida :)
O resultado foi mais uma vez ótimo...
De qualquer sorte, já havia migrado parte dele para PRBC4, que também tem se destacado com os lucros da sua seguradora...



6711 - 2Rath - 05/Jun/2009 16:34
Quando o Small sugeriu SULA, abaixo de 20, olhei os gráficos e não imaginei que ela tivesse um upside tão grande, uma valorização de mais de 50%... Aconteceu com GRND e outras tb. Enfim, parabéns aos comprados. 



6707 - danieljoseaa - 05/Jun/2009 15:49
E a SULA11 do small hein, não comprei a 24 esperando que voltasse a 22, hoje tá batendo em 32 reais, essa eu perdi o bonde, excelente ação defensiva que além de tudo tá se valorizando muito, parabéns pra quem comprou.

1934 - small caps - 27/Fev/2009 00:11
Atualidades dos balanços:


"SULA11, ótimo lucro recorrente, mantendo P/L abaixo de 5."



1648 - cristians - 13/Fev/2009 20:22
"Somente para destacar... SULA11 está subindo muito devido a especulação da participação dela no meganegócio de seguros do Banco do Brasil. Ela está entre as candidatas mas não é certeza que seja a escolhida. Caso isso não ocorra, (a escolha dela), esperem uma boa queda de SULA11."


1590 - gvmachado - 10/Fev/2009 21:31
"Rio de Janeiro, 9 de fevereiro de 2009 – A Sul América S.A. (Bovespa: SULA11) comunica que inicia seu período de silêncio (""quiet period"") no dia 11 de fevereiro de 2009, data que corresponde aos quinze dias que antecedem a divulgação dos seus resultados consolidados referentes ao quarto trimestre de 2008."
"Durante este período, a Companhia não poderá discutir informações relacionadas aos seus resultados. Esta iniciativa atende às melhores práticas de governança corporativa e visa assegurar maior eqüidade no tratamento das informações."
"A divulgação de resultados está programada para 26 de fevereiro de 2009 após o encerramento do mercado, quando então se encerrará o período de silêncio."
Confira a agenda:
Evento Período Horário
Período de Silêncio 11/02/2009 a 26/02/2009 Até o encerramento do mercado
Divulgação de Resultados 4T08 26/02/2009 Após o encerramento do mercado
Teleconferências 27/02/2009 Português 10h00 (BR)
8h00 (US EST)
Inglês 12h00 (BR)
10h00 (US EST)
APIMEC - São Paulo 04/03/2009 08h30 (BR)


APIMEC - Rio de Janeiro 11/03/2009 08h30 (BR)


small caps
"(909) dax1, relevantes os seus comentários. Buffett sempre gostou das ações de empresas de seguro em razão do fluxo de caixa contínuo que a atividade gera e permite sempre buscar boas oportunidades de investimento. Também sou muito favorável a fazer isto nos investimentos pessoais. Ou seja, buscar alternativas de conquistar um bom fluxo de caixa financeiro, conforme análise multimercado das opções de investimentos. Ah se estas companhias do Brasil tivessem um Buffett para aprimorar a gestão do caixa. A PSSA3 andou tendo resultados financeiros não muito bons por ter pré-fixado algumas taxas de juros muito cedo. Após as taxas subiram muito e provocaram a diminuição da aplicação ""a valor presente"". Mas se manteve estas aplicações (tem que ver nas notas explicativas), teria um bom retorno no quarto trimestre, pois as taxas de juros caíram bastante, elevando o valor presente das aplicações."
"Os indicadores de PSSA3 estão razoáveis, mas nenhuma barganha. A grande oportunidade de compras (e por isso a crise sempre pode ser bem vinda) ocorreu com as cotações próximas a R$ 10,00."


"Já SULA11 tem indicadores muito mais atrativos, tratando-se de uma alternativa de investimento que hoje eu compraria para iniciar posição."



251 - small caps - 01/Nov/2008 22:00
"TUBINHA (235), realmente SULA11 também é uma boa oportunidade, principalmente agora nesta liquidação. Apenas atente que o valor em disponibilidade é superior ao patrimônio líquido, podendo haver alguma divergência de dados no fundamentus. Talvez as obrigações não estejam corretamente computadas. Mas independentemente disto, é uma boa opção."

235 - TUBINHA - 30/Out/2008 19:54
"Small,"

Garimpando um pouco encontrei uma penchincha daquelas... Irresistível...

SULA11 - Sul América.

PL = 4

"PV/P= 0,63"

"P/EBIT = 6,90"

"PSR = 0,2"

Patrimônio líquido: 2BI e 150M

Faturamento trimestral: 1BI e 700M

Valor de mercado: 1 BI e 360M

Endividamento: 277M

Agora o mais incrível:

CAIXA (DISPONIBILIDADES): 3BI e 800M (Vale na Bolsa cerca de 30% do que possui em caixa). INSANO.

2 comentários:

Anônimo disse...

olá pessoal estou entrando agora e to aki pra discutir e trocar informações sobre empresas segundo a óptica do value investor, sobre a sula11 o que acham? apesar de o mercado não estar muito atraente pra compra atualmente como diz graham pior é não comprar... podemos encontrar algumas que, acredito, estão mais em conta... grnd3, bema4, wege3, tble3, natu3, cnfb4, fesa4, scar3 e sula11. sula esta praticamente ao valor do caixa liquido, no entanto não vejo boas recomendações...devo ligar para elas?

Yan de Paula Martins disse...

olá pessoal estou entrando agora e to aki pra discutir e trocar informações sobre empresas segundo a óptica do value investor, sobre a sula11 o que acham? apesar de o mercado não estar muito atraente pra compra atualmente como diz graham pior é não comprar... podemos encontrar algumas que, acredito, estão mais em conta... grnd3, bema4, wege3, tble3, natu3, cnfb4, fesa4, scar3 e sula11. sula esta praticamente ao valor do caixa liquido, no entanto não vejo boas recomendações...devo ligar para elas?