Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Schulz (SHUL)




Recomendações
Compra: Paulo Prof (2019)
Carteiras
ademirdc (jun/16) - BAC 1000 (mar/16) - bobsponja (abr/16) - danieljoseaa (mar/13, mar/16) - effexop (set/17set/18, fev/19) - hadevil (fev/16, mar/16) - herdsman (mar/16abr/16) - ikkii (jan/16fev/16, mar/16, abr/16, mai/16, jun/16jul/16, ago/16set/16, out/16, nov/16dez/16jan/17fev/17) - marcossiqueira78 (abr/16, mai/16) - M0rfeu (mai/19) - MuadibGV (ago/16mar/17) - pinheiro87 (jul/16) - pocunha (nov/18) - rafamcl (abr/16mai/16jun/16jul/16, ago/16 nov/16ago/17) - renato1631 (mar/13) - Ronimendes (mar/16)
Balanços
1T2019 -
paulo_prof  -
Resultados sólidos no que se refere a Receita e Resultado Bruto. O pior resultado financeiro impactou o Resultado Antes dos Impostos. Diferimento de impostos turbinou o resultado líquido. Crescimento sólido do Ebitda. Ativo muito barato.

A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Já está virando uma rotina. Ótimos resultados. Ativo barato considerando as taxas chinesas de crescimento do lucro e ebitda. Merece que se leia o relatório para verificar se há não recorrentes. Pode ser uma boa opção de investimento para o bullmarket que se configura após a reforma da previdência, se esta for minimamente consistente.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Já está virando uma rotina. Ótimos resultados. Ativo barato considerando as taxas chinesas de crescimento do lucro e ebitda. Merece que se leia o relatório para verificar se há não recorrentes. Pode ser uma boa opção de investimento para o bullmarket que se configura após a reforma da previdência, se esta for minimamente consistente.

marcosvinicius2 -
PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). RECEITA OPERAC BRUTA = No 3T18, a Schulz registrou uma receita operacional bruta de R$ 322,4 milhões, resultado que indica um crescimento de 12,4% na comparação com o trimestre anterior e de 41,0%em relação ao 3T17. Do total da receita operacional bruta no trimestre, 76,4%foram gerados no mercado interno e 23,6% no mercado externo. O mercado interno registrou um crescimento de 18,1% em relação ao 2T18 e de 39,5% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. No mercado externo houve uma queda de 2,7% em relação ao trimestre anterior e um aumento de 45,9% na comparação com o 3T17; RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = O resultado financeiro líquido no 3T18 foi negativo em R$ 3,2 milhões, uma redução de 58,2% em relação ao 2T18 e um aumento de 288,1% em relação ao 3T17, explicada principalmente pela queda das taxas das aplicações (CDI)–que se mantiveram abaixo dos custos –e pelo aumento do endividamento por conta dos investimentos.; EBITDA = O EBITDA (Lajida) atingiu R$37,2 milhões no terceiro trimestre de 2018, com uma margem de 14,46%, o que indica um aumento de 15,4% no valor e de 0,6p.p. na margem em relação ao 2T18, e um crescimento de 33,2% e queda de 0,8p.p. se comparado ao 3T17.

2T2018 -
Paulo Prof - 
Bons Resultados, Ativo barato. Na minha opinião, não há "drivers" para que o ativo posse ser precificado de acordo com os seus fundamentos. Payout poderia ser maior.

1T2018 -
Paulo Prof - 
Excelentes resultados e ativo parece muito barato ... ocorre que o payout pífio e a liquidez não permitem que os "drivers" necessários para uma valorização do ativo no curto prazo se instalem

A2017/4T2017 -
Paulo Prof - 
Muito bons os resultados da SHUL em ambas as bases, anual e trimestral. Ainda falta um pouco, mas ao que tudo indica a empresa está no caminho para conseguir reproduzir os ganhos observados em seu melhor exercício, O fundo da curva, o exercício de 2016, quando a receita líquida e lucro involuiram, respectivamente, 28,6% e 50,32% em relação aos topos observados em 2013, parece ter ficado definitivamente para trás.
Em consequência, o ativo parece barato.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 FOI EM LINHA EM RELAÇÃO AO 2T17 E MELHOROU NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 03 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (6,3830%). NO 3T17, A SCHULZ ATINGIU UM EBITDA DE R$ 27,9 MILHÕES, VALOR 10,3% SUPERIOR AO REGISTRADO NO TRIMESTRE ANTERIOR E 64,4% MAIOR QUE O 3T16. A MARGEM EBITDA 9M17 FOI 13,8%, UM AUMENTO DE 0,08 P.P. COM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO PASSADO.

1T2017 -
MuadibGV  -
Um balanço que veio razoável foi SCHULZ, dívida líquida continua caindo e o EBITDA se mantém nos 60 mi anuais , abaixo da média histórica mas razoável pra situação atual.
Dá pra imaginar que se sairmos dessa crise, o EBITDA vai se recuperar e a cia. estará muito barata.

2T2016 -
herdsman  -
Bons resultados
Características
Indústria Metalúrgica
Links
  
Prof Paulo, por favor, se puder contribuir na avaliação eu te agradeço!!

SCHULZ (SHUL4)

Empresa que vem crescendo sua receita e lucratividade. Acabou de fazer um investimento para possibilitar aumento de 25% da produção.

Atua em 2 divisões - o de compressores e o automotivo Investiu no 1tri19 31MM focado no automotivo conforme plano de expansão iniciado em 2017. Devido aos investimentos a divida líquida vem cresceu nos ultimos anos. Os indicadores de liquidez vem se mantendo em bons patamares.

A receita da empresa está ligada ao mercado interno 74% e ao ME 26% e comparado tri x tri aumentou em 14%

Lucro bruto melhorando na comparação TRI x TRI, assim como lucro e EBITDA

CaptureDADOS5d0e0ae1a6daa.PNG
Segue abaixo a tabela que uso para analisar, apenas salientando que o resultado do 1tri19 está somente o resultado deste tri, o que afeta alguns indicadores como a divida sobre o ebitda e os % de aumento de receita e lucro

O DCF que utilizo são com as seguintes premissas (muito parecido com a que o senhor utiliza)

> anualizei o LPA do 1 tri

> Desconto de 10% daqui até a perpetuidade

> Não coloquei nenhum crescimento dos lucros da hoje até a perpetuidade (ou seja o pior cenário)

Baseado nessas premissas encontrei uma margem de segurança de aproximadamente 15% em relação ao preço corrente. Ou seja, num cenário de nenhum crescimento a empresa estaria subavaliada, mesmo tendo grande valorização este ano.
dcf5d0e0bf4ec829.PNG
Acredito que as perspactivas são boas, pois a receita vem aumentando e o CAPEX da expansão já foi realizado, tendo agora que diminuir a alavancagem financeira da empresa e focar no aumento das margens. 
Sim ,,, já tinha comentado que o ativo estava (e continua) barato.
                                                                                           ▲                                                                      ▲

Resultados sólidos no que se refere a Receita e Resultado Bruto. O pior resultado financeiro impactou o Resultado Antes dos Impostos. Diferimento de impostos turbinou o resultado líquido. Crescimento sólido do Ebitda. Ativo muito barato.

SHUL4

PREÇO: R$ 7,20

PAYOUT (2018): 30,59%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,38
P/VPA 1,15
PSR 0,66
DY 3,82%
EV/EBITDA 6,97
MARGEM BRUTA 23,5%
MARGEM OPERACIONAL 7,2%
MARGEM LÍQUIDA 7,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,859
MARGEM EBITDA 12,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 92,6%
ROE 13,67%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,64


Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +30,05%

RESULTADO BRUTO +29,33%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +178,52%

RESULTADO OPERACIONAL +11,72%

RESULTADO LÍQUIDO +65,36%

EBITDA +22,37%



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 14,30%

RESULTADO BRUTO +10,10%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +190,93%

RESULTADO OPERACIONAL -2,65%

RESULTADO LÍQUIDO +50,54%

EBITDA +13,92%



c) lucro (taxa média anual)

UA 65,36%
U2A 61,00%
U3A 19,63%


d) patrimônio líquido médio

UA 10,55%

U2A 8,39%

U3A 7,26%



e) ebitda (taxa media anual)

UA 22,37%
U2A 31,82%
U3A 8,13%
U4A 0,81%
U5A -4,21%
U6A 0,27%
U7A 2,00%
U8A 1,47%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 10,74

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -9,0%

359221 - effexop  - 11 Mar 2019, 15:30
SHUL4: Quando os investimentos ficarem prontos, vamos colher o que aportarmos nela agora. Empresa de crescimento puro, payout mínimo e investimento máximo. Patrimônio Líquido e lucros crescentes. 25% de receita do mercado externo, filiais em Xangai etc. E as margens aumentando também, se ela chegar perto das de 2014 vai dar bonito. Quem sabe ela junto com MTSA podem seguir o caminho da WEGE, afinal são todas de cidades vizinhas lá em SC.

359179 - paulo_prof  -  08 Mar 2019, 22:23
Já está virando uma rotina. Ótimos resultados. Ativo barato considerando as taxas chinesas de crescimento do lucro e ebitda. Merece que se leia o relatório para verificar se há não recorrentes. Pode ser uma boa opção de investimento para o bullmarket que se configura após a reforma da previdência, se esta for minimamente consistente.

SHUL4

PREÇO: R$ 7,35

PAYOUT (2018): 30,59%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,31

P/VPA 1,21

PSR 0,69

DY 3,29%

EV/EBITDA 7,23

MARGEM BRUTA 23,8%

MARGEM OPERACIONAL 7,5%

MARGEM LÍQUIDA 7,4%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,789

MARGEM EBITDA 12,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 97,5%

ROE 12,99%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,76



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +37,83%

RESULTADO BRUTO +41,61%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +226,33%

RESULTADO OPERACIONAL +33,49%

RESULTADO LÍQUIDO +75,01%

EBITDA +33,63%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 34,58%

RESULTADO BRUTO +35,25%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +24,96%

RESULTADO OPERACIONAL +14,80%

RESULTADO LÍQUIDO +82,83%

EBITDA +13,45%



c) lucro (taxa média anual)

UA 75,01%

U2A 51,36%

U3A 13,44%



d) patrimônio líquido médio

UA 9,44%

U2A 7,40%

U3A 6,92%



e) ebitda (taxa media anual)

UA 33,63%

U2A 28,49%

U3A 3,01%

U4A 0,06%

U5A -5,00%

U6A 1,18%

U7A 0,79%

U8A 1,76%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,86

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -6,5

356827 marcosvinicius2 - 14 Dez 2018, 00:37
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). RECEITA OPERAC BRUTA = No 3T18, a Schulz registrou uma receita operacional bruta de R$ 322,4 milhões, resultado que indica um crescimento de 12,4% na comparação com o trimestre anterior e de 41,0%em relação ao 3T17. Do total da receita operacional bruta no trimestre, 76,4%foram gerados no mercado interno e 23,6% no mercado externo. O mercado interno registrou um crescimento de 18,1% em relação ao 2T18 e de 39,5% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. No mercado externo houve uma queda de 2,7% em relação ao trimestre anterior e um aumento de 45,9% na comparação com o 3T17; RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = O resultado financeiro líquido no 3T18 foi negativo em R$ 3,2 milhões, uma redução de 58,2% em relação ao 2T18 e um aumento de 288,1% em relação ao 3T17, explicada principalmente pela queda das taxas das aplicações (CDI)–que se mantiveram abaixo dos custos –e pelo aumento do endividamento por conta dos investimentos.; EBITDA = O EBITDA (Lajida) atingiu R$37,2 milhões no terceiro trimestre de 2018, com uma margem de 14,46%, o que indica um aumento de 15,4% no valor e de 0,6p.p. na margem em relação ao 2T18, e um crescimento de 33,2% e queda de 0,8p.p. se comparado ao 3T17.:

SHUL4
PREÇO: R$ 8,70
PAYOUT (2017): 19,07%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,68
P/VPA 1,04
PSR 0,53
DY 2,48%
EV/EBITDA 5,76
MARGEM BRUTA 23,90%
MARGEM OPERACIONAL 8,08%
MARGEM LÍQUIDA 6,85%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,133
MARGEM EBITDA 12,86%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 107,35%
ROE 13,50%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,98

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 65,47%
RESULTADO BRUTO 75,65%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 959,85%
RESULTADO OPERACIONAL 81,65%
RESULTADO LÍQUIDO 103,15%
EBITDA 65,19%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 40,86%
RESULTADO BRUTO 46,24%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 288,11%
RESULTADO OPERACIONAL 33,83%
RESULTADO LÍQUIDO 89,92%
EBITDA 33,22%

c) lucro (taxa média anual)
UA 103,15%
U2A 44,82%
U3A 7,62%

d) patrimônio líquido médio
UA 8,37%
U2A 6,58%
U3A 6,82%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 14,16
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -11% !!!!
[...]

352791  - paulo_prof  -  13 Ago 2018, 22:41
Bons Resultados, Ativo barato. Na minha opinião, não há "drivers" para que o ativo posse ser precificado de acordo com os seus fundamentos. Payout poderia ser maior.

SHUL4

PREÇO: R$ 7,30

PAYOUT (2017): 26,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,17

P/VPA 0,90

PSR 0,57

DY 2,86%

EV/EBITDA 5,96

MARGEM BRUTA 23,4%

MARGEM OPERACIONAL 7,8%

MARGEM LÍQUIDA 6,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,796

MARGEM EBITDA 13,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 91,1%

ROE 9,86%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,93



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +34,13%

RESULTADO BRUTO +45,00%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +1.100%

RESULTADO OPERACIONAL +74,56%

RESULTADO LÍQUIDO +76,88%

EBITDA +56,64%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 32,67%

RESULTADO BRUTO +26,60%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +972,42%

RESULTADO OPERACIONAL -0,10%

RESULTADO LÍQUIDO +38,98%

EBITDA +27,27%



c) lucro (taxa média anual)

UA 76,88%

U2A 7,78%

U3A -1,96%



d) patrimônio líquido médio

UA 7,20%

U2A 5,78%

U3A 6,96%



e) ebitda (taxa media anual)

UA 53,64%

U2A 5,69%

U3A -3,11%

U4A -5,81%

U5A -5,40%

U6A 0,78%

U7A -0,40%

U8A 3,24%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,95

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -7,0%

349893 - paulo_prof  -  12 Mai 2018, 05:14
Excelentes resultados e ativo parece muito barato ... ocorre que o payout pífio e a liquidez não permitem que os "drivers" necessários para uma valorização do ativo no curto prazo se instalem

SHUL4

PREÇO: R$ 8,25

PAYOUT (2017): 26,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,34

P/VPA 1,05

PSR 0,70

DY 2,31%

EV/EBITDA 6,56

MARGEM BRUTA 23,7%

MARGEM OPERACIONAL 8,4%

MARGEM LÍQUIDA 6,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,727

MARGEM EBITDA 13,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 84,6%

ROE 9,27%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,41



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +29,58%

RESULTADO BRUTO +36,35%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +364,69%

RESULTADO OPERACIONAL +73,55%

RESULTADO LÍQUIDO +56,75%

EBITDA +41,99%



b) 1T18 vs 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 44,47%

RESULTADO BRUTO +67,08%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL +125,28%

RESULTADO LÍQUIDO +98,45%

EBITDA +72,78%



c) lucro (taxa média anual)

UA 56,75%

U2A 1,75%

U3A -4,10%



d) patrimônio líquido médio

UA 6,28%

U2A 5,65%

U3A 7,17%



e) ebitda (taxa media anual)

UA 41,99%

U2A 1,64%

U3A -5,50%

U4A -9,90%

U5A -3,65%

U6A -1,05%

U7A -1,20%

U8A 4,46%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 9,09

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,0%

349359 - marcosvinicius2 -  27 Abr 2018, 11:42
EXATAMENTE por isso que eu deixei o seguinte DISCLAIMER ao final da respectiva análise:

( ** ) É IMPORTANTE SALIENTAR QUE A PRECIFICAÇÃO INDICADA ACIMA FOI BASEADA NUMA QUANTIDADE LIMITADA DE INDICADORES, NESTE CASO TRATA-SE APENAS DE UMA OPINIÃO PESSOAL, PORTANTO LONGE DE SER CONSIDERADA VERDADE ABSOLUTA, PARA QUALQUER TOMADA DE DECISÃO SERÁ NECESSÁRIO O INVESTIDOR ANALISAR OUTRAS PREMISSAS (QUALIDADE DA ADMINISTRAÇÃO, NÍVEL DA CONCORRÊNCIA, NOVAS TECNOLOGIAS, FATORES POLÍTICOS, MACROECONÔMICOS, CAPACIDADE DE INOVAÇÃO E ETC ), POIS NINGUEM DESTE FÓRUM SE RESPONSABILIZARÁ PELAS PERDAS DE TERCEIROS;

Estou percebendo que será necessário colocar os respectivos DISCLAIMERS ao final de cada análise que eu publicar neste fórum, inclusive com FONTE GRANDE, para que não continue gerando quaisquer duvidas.

349332  - Lucro Liquido - 26 Abr 2018, 18:16
Complicada essa comparação somente olhando múltiplos e indicadores, acho que seria importante entender essa diferença na precificação.

SHULTZ como a maioria das empresas nacionais tem sofrido nos últimos anos, mas a maior parte da receita é no mercado interno, ao contrário da TUPY que é uma exportadora. Em 2017 a SHULTZ inaugurou uma fábrica na china, e em 2017 + 70% da receita era do mercado interno, já a TUPY está no México desde 2012 sendo o mercado da América do Norte + 60% da receita.

Não consegui encontrar qual a % da receita da SHULTZ vem da unidade e compressores e da Automotiva, mas acredito que os compressores sejam bem mais relevantes para a Cia, já TUPY é focada no setor automotivo.

Acho que SHULTZ seria uma aposta na recuperação, e TUPY é pagadora de dividendos e com presença mundial mais diversificada, por esse motivo menos arriscada.

349329  - marcosvinicius2 -  26 Abr 2018, 16:03
COMPARAÇÃO ENTRE EMPRESAS DE SETORES DIFERENTES (TUPY3 X SHUL4):

TUPY3
PREÇO: 19,14
PAYOUT (2017): 108,21%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 17,99
P/VPA 1,39
PSR 0,74
DY 6,02%
EV/EBITDA 8,35
MARGEM BRUTA 16,36%
MARGEM OPERACIONAL 3,61%
MARGEM LÍQUIDA 4,14%
LUCRO POR AÇÃO 1,064
MARGEM EBITDA 12,07%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 92,96%
ROE 7,73%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,65

O P/VPA da TUPY3 corrente é 1,39. O seu (P/L)U3M = 49,51 (anualizando o lucro do último trimestre) e o seu (P/L)U6M = 15,28 (anualizando o lucro do último semestre). Até mesmo o (P/L)U12M = 17,99 é bastante "RAZOAVEL". Note que o lucro vem mantendo-se INSTÁVEL, trimestre a trimestre. O seu (ROE)U3M = 2,81%, (ROE)U6M = 9,11%, ou (ROE)U12M = 7,73% ESTÁ EM LINHA com o setor.

SHUL4
PREÇO: 7,87
PAYOUT (2017): 19,07%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,78
P/VPA 1,03
PSR 0,58
DY 1,95%
EV/EBITDA 5,91
MARGEM BRUTA 23,42%
MARGEM OPERACIONAL 8,03%
MARGEM LÍQUIDA 5,96%
LUCRO POR AÇÃO 0,805
MARGEM EBITDA 12,57%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 87,30%
ROE 10,54%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,26

O P/VPA da SHUL4 corrente é 1,03. O seu (P/L)U3M = 5,64 (anualizando o lucro do último trimestre) e o seu (P/L)U6M = 7,40 (anualizando o lucro do último semestre). SOMENTE o (P/L)U12M = 9,78 é considerado "ÓTIMO". Note que o lucro vem mantendo-se ESTÁVEL, trimestre a trimestre (EXCEÇÃO 4T17). O seu (ROE)U3M = 18,27%, (ROE)U6M = 10,54%, ou (ROE)U12M = 15,29% ESTÁ EM LINHA com o setor.


A partir dos indicadores apresentados podemos estabelecer algumas proposições:


i) Considerando o P/L menor da SHUL4 quando comparada a TUPY3, vamos admitir o mesmo P/L, para as duas empresas (P/L SHUL4 = P/L TUPY3). Um lucro líquido anual de R$ 283 milhões produziria um P/L de 19,14 X 144.178/283.101 = 9,74!!! Para a TUPY3 conseguir de forma recorrente um lucro líquido anual de R$ 283 milhões, o lucro operacional teria que ser de R$ 263 milhões. Como a despesa/receita operacional anual é de aprox. R$ 416 milhões (DG&A (U12M) = -416 milhões + Resultado EquivPatr (U12M) = 0 milhões) , o lucro bruto teria que ser de R$ 735 milhões, ou seja, quase R$ 184 milhões por trimestre. Mesmo admitindo uma margem bruta de 19% (DE ACORDO com sua história), a receita líquida teria que ser de R$ 959 milhões por trimestre. Hoje a média trimestral está em R$ 926 milhões, ou seja, praticamente 97% do que é necessário.


ii) Considerando o EV/EBITDA menor da SHUL4 quando comparada a TUPY3, vamos admitir o mesmo EV/EBITDA, para as duas empresas (EV/EBITDA SHUL4 = EV/EBITDA TUPY3). Uma disponibilidade de 1.965 milhões produziria um EV/EBITDA de 19,14 X 144.178 – 121.636 / 447.406 = 5,90!!! Para a TUPY3 conseguir de forma recorrente uma DivLiq de R$ - 121,636 milhões, as disponibilidades teriam que ser de R$ 1.965 milhões, a média mensal (U12M) = 1.000 milhões, ou seja, 50% do que é necessário,


iii) Considerando o PSR menor da SHUL4 quando comparada a TUPY3, vamos admitir o mesmo PSR, para as duas empresas (PSR SHUL4 = PSR TUPY3). Uma receita líquida anual de R$ 4.738 milhões produziria um PSR de 19,14 X 144.178/4.738 = 0,58!!! Para TUPY3 conseguir de forma recorrente uma receita líquida anual de R$ 4.738 milhões, a receita líquida trimestral deveria ser de 1.184 milhões, hoje a receita líquida trimestral da TUPY3 é de 926 milhões, ou seja, 78% do que é necessário.


iv) Considerando o P/VP menor da SHUL4 quando comparada a TUPY3, vamos admitir o mesmo P/VP, para as duas empresas (P/VP SHUL4 = P/VP TUPY3). Um PATRIMÔNIO LÍQUIDO de R$ 2.700 milhões produziria um P/VP de 19,14 X 144.178/2.700.000 = 0,91!!! O problema é que o PATRIMÔNIO LÍQUIDO hoje da TUPY3 é de 1.983 milhões, ou seja, apenas 73% do que seria necessário. Outra possibilidade seria o preço da ação, que deveria ser de R$ 14,20 para a obtenção do mesmo P/VPA, desta forma teríamos 14,20 x 144.178/1.983.318 = 1,03!!!, ocorre que a cotação da TUPY3 hoje é de R$ 19,14.


v) Considerando o ROE menor da TUPY3 quando comparada a SHUL4, vamos admitir o mesmo ROE, para as duas empresas (ROE SHUL4 = ROE TUPY3). Um lucro líquido anual de R$ 209 milhões produziria um ROE de 209.101/1.983.318 = 10,54%!!! Para TUPY3 conseguir de forma recorrente um lucro líquido anual de R$ 209 milhões, o lucro operacional teria que ser de R$ 189 milhões. Como a despesa/receita operacional anual é de aprox. R$ -416 milhões (DG&A (U12M) = -416 milhões + Resultado EquivPatr (U12M) = 0 milhões) , o lucro bruto teria que ser de R$ 661 milhões, ou seja, quase R$ 165 milhões por trimestre. Mesmo admitindo uma margem bruta de 18% (PERFEITAMENTE FACTÍVEL), a receita líquida teria que ser de R$ 940 milhões por trimestre. Hoje a média trimestral está em R$ 926 milhões, ou seja, praticamente O MESMO VALOR do que é necessário.


CONCLUSÃO: Diante das proposições apresentadas anteriormente, verificamos que SHUL4 demonstra FLAGRANTE vantagem em TODOS OS ITENS (i, ii, iii, iv e v), demonstrando NESSE MOMENTO melhor opção para investimento.
[...]

348563  - paulo_prof -  30 Mar 2018, 00:05
Muito bons os resultados da SHUL em ambas as bases, anual e trimestral. Ainda falta um pouco, mas ao que tudo indica a empresa está no caminho para conseguir reproduzir os ganhos observados em seu melhor exercício, O fundo da curva, o exercício de 2016, quando a receita líquida e lucro involuiram, respectivamente, 28,6% e 50,32% em relação aos topos observados em 2013, parece ter ficado definitivamente para trás.

Em consequência, o ativo parece barato.

SHUL4

PREÇO: R$ 7,80

PAYOUT (2017): 26,2%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,35

P/VPA 1,02

PSR 0,72

DY 2,12%

EV/EBITDA 6,70

MARGEM BRUTA 23,1%

MARGEM OPERACIONAL 7,7%

MARGEM LÍQUIDA 5,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,631

MARGEM EBITDA 13,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 82,9%

ROE 8,23%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,26



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,47%

RESULTADO BRUTO +18,45%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +78,36%

RESULTADO OPERACIONAL +48,80%

RESULTADO LÍQUIDO +30,90%

EBITDA +23,55%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 34,93%

RESULTADO BRUTO +53,65%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +634,29%

RESULTADO OPERACIONAL +148,47%

RESULTADO LÍQUIDO +69,44%

EBITDA +67,67%



c) lucro (taxa média anual)

UA 30,90%

U2A -8,67%

U3A -9,47%



d) patrimônio líquido médio

UA 5,40%

U2A 5,68%

U3A 7,48%



e) ebitda (taxa media anual)

UA 23,55%

U2A -9,55%

U3A -9,14%

U4A -12,77%

U5A -4,29%

U6A -3,84%

U7A -2,12%

U8A 4,73%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 7,89

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,0%

348565  - uqaz  -  30 Mar 2018, 00:45
Que bom que gostou do artigo, prof!
Sobre o setor industrial, tbm havia pensado em MTSA4, SHUL4, ROMI3 e EALT4. Small acertou ROMI3 na veia!

Só que fiquei pensando... existe uma siderúrgica mais voltada para o mercado interno, que seja mais afetada por ele como essas aí?

348525  - paulo_prof   -  29 Mar 2018, 21:27
Citação: celso araujo - Post #348452 - 28/Mar/2018 02:13
PAULO PROF
Na atual conjuntura economica, poderia citar empresas que ainda considere baratas nos atuais preços? Gostaria de estudar algumas indicações mais a fundo.
A atual conjuntura econômica é de incerteza ... eu acho que a probabilidade de elegermos um governo irresponsável é pequena, mas ... e vc?

A esquerda, bem como a extrema-direita de Bolsonaro, atrapalharam a proposta de reforma da previdência no que foi possível. Se houver um 2o. turno entre a esquerda e a extrema-direita, quais são as perspectivas de se reformar a previdência. Qual será a credibilidade do eleito para liderá-la. Quando o outro quer fazer sou contra e faço questão de atrapalhar ... quando eu vou fazer, quero que todos me ajudem?

Sem uma reforma da previdência suficientemente abrangente, não vejo como o governo equilibrar as contas. Quando não se consegue equilibrar as contas, as situações do Brasil no final do governo Diulma, do Rio, Minas e Rio Grande do Sul estão aí para ilustrarem as consequências.

Eu acho/espero/rezo para que não tenhamos que escolher entre populismos de esquerda e de direita. E se o centro (qualquer que seja) levar, acho que o ciclo (crescimento, inflação, etc) será virtuoso.
[...]
Como o ótimo artigo referenciado pelo uqaz mostra, quando a base monetária está em recuperação, o setor industrial costuma responder primeiro. MTSA4, SHUL4, ROMI3 e EALT4 parecem interessantes.
[...]

344715  - marcosvinicius2  -  01 Dez 2017, 12:28
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 FOI EM LINHA EM RELAÇÃO AO 2T17 E MELHOROU NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 03 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (6,3830%). NO 3T17, A SCHULZ ATINGIU UM EBITDA DE R$ 27,9 MILHÕES, VALOR 10,3% SUPERIOR AO REGISTRADO NO TRIMESTRE ANTERIOR E 64,4% MAIOR QUE O 3T16. A MARGEM EBITDA 9M17 FOI 13,8%, UM AUMENTO DE 0,08 P.P. COM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO PASSADO.

SHUL4
PREÇO: 6,60
PAYOUT (2016): 26,21%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,83
P/VPA 0,87
PSR 0,66
DY 2,22%
EV/EBITDA 6,55
MARGEM BRUTA 22,51%
MARGEM OPERACIONAL 7,36%
MARGEM LÍQUIDA 5,58%
LUCRO POR AÇÃO 0,558
MARGEM EBITDA 12,88%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 80,66%
ROE 7,35%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,50

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,09%
RESULTADO BRUTO -0,43%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -66,29%
RESULTADO OPERACIONAL 13,69%
RESULTADO LÍQUIDO 3,24%
EBITDA 0,41%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 24,93%
RESULTADO BRUTO 42,62%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 119,35%
RESULTADO OPERACIONAL 142,20%
RESULTADO LÍQUIDO 149,88%
EBITDA 64,41%

c) lucro (taxa média anual)
UA 3,24%
U2A -21,67%
U3A -11,83%

d) patrimônio líquido médio
UA 4,82%
U2A 6,05%
U3A 7,85%

Receita Operacional Bruta: No 3T17, a receita operacional bruta foi de R$ 228,7 milhões, aumento de 2,3% na comparação com o trimestre anterior e de 17,3% comparado ao 3T16.; Receita Operacional Líquida = No 3T17 a receita operacional líquida totalizou R$ 182,5 milhões, um número 4,6% superior ao do 2T17 e 24,9% acima do apresentado no mesmo período do ano anterior.;

EBITDA = O Ebitda (Lajida) atingiu R$ 27,9 milhões no terceiro trimestre de 2017, com uma margem de 15,29%, o que indica um aumento de 10,3% no valor e de 0,80 p.p. na margem em relação ao 2T17, e um crescimento de 64,4% e 3,67 p.p. se comparado ao 3T16.; LUCRO LIQUIDO = O Lucro Líquido foi de R$ 11,7 milhões no 3T17, um aumento de 3,8% em relação ao 2T17 e de 149,9% frente ao 3T16.;
[...]

337988  - MuadibGV  -  16 Mai 2017, 17:27
Um balanço que veio razoável foi SCHULZ, dívida líquida continua caindo e o EBITDA se mantém nos 60 mi anuais , abaixo da média histórica mas razoável pra situação atual.
Dá pra imaginar que se sairmos dessa crise, o EBITDA vai se recuperar e a cia. estará muito barata.
Comprei nos 3,xx e vendi nos 6,xx, mas estou de olho.

335907  - herdsman  - 23 Mar 2017, 12:36
Resultado do SHULZ. Vai ficando com P/L acima de 10. Vendas para exportação caindo.
http://www2.bmfbovespa.com.br/empresas/consbov/frmNBC.asp?protocolo=553338

Que acontece com SHUL4 ? insiders ?
Eu estava esperando resultado antes de realizar lucro ou manter, mas com essa correçao ja foi grande parte do lucro virtual embora.
329468  - Jonas_Schwingel -  04 Nov 2016, 15:15
Em papéis com baixa liquidez a coisa é assim mesmo. Pode ser gente sabendo que o resultado vem ruim zerando posição, pode ser gente sabendo que o resultado vem bom desdenhando do que quer comprar, pode ser outra coisa. A nós pequenos investidores a melhor estratégia é confiar no que você tem em mãos e não se deixar levar por quedas ocasionadas por baixa liquidez. Na maioria das vezes, esta é a melhor estratégia. Se o ativo é bom, o preço provavelmente subirá com a mesma velocidade com que caiu após esta movimentação pré-balanço. Cuidado com as arapucas. rs 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
  
Sempre acompanhamos o SCHULZ.
Bons resultados no 2T2016.
Mas já vendi, e não vou comprar nestes preços.
Tb tenho uma porção ínfima da carteira em Schulz, muito bem comprada, aliás.
Mas a minha não vendi, e estou tentado a aumentar... Se vc olha pra seis meses atrás o preço parece caro, mas veja o gráfico de 5 anos.
Os números que interessam:
pra um EBITDA de 100 milhões que a empresa está gerando, a cia gasta 10 milhões de juros ("INTEREST"), uns 20 milhões de impostos ("TAXES") e uns 10 milhões de investimentos. O que sobra após o serviço da dívida, serviço do governo (rs...) e investimentos de manutenção dá uns 15% da cotação atual.  
                                                                                           ▲                                                                      ▲
326042 - herdsman  -  16 Ago 2016, 16:22
Sempre acompanhamos o SCHULZ.
Bons resultados no 2T2016.
Mas já vendi, e não vou comprar nestes preços.
http://schulz.firbweb.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2014/03/itr-2T16.pdf

315877  - ikkii   -  21 Jan 2016, 19:47
Zepikeno e padrinho, obrigado.

Amigo, tenho ela em carteira. Empresa redondinha. Exporta parte da produção, cerca de 15%. Dívida líquida descendo, conseguiu aumentar os lucros em plena crise (vide resultado do 3T). Meu sogro vende e aluga máquinas para construção civil, ele diz que a Schulz já é top de linha há muitos anos.

O único fator negativo seria a sua ausência no Novo Mercado. Por coincidência entrei em contato com o RI essa semana. Infelizmente eles não têm o mínimo interesse em reverter essa situação. Não tem tag along, se tiverem que vender a empresa o minoritário estaria desprotegido.

No mais, creio que cabe tranquilamente numa carteira diversificada.

Bom, como vc sugeriu, comecei a ler os documentos sobre shulz. Meu faro deve estar muito ruim, não vi nada qu me agradasse...

Sei que a empresa opera em duas frentes: automobilistico e compressores. Sei que ela tem um market share de 70% da America Latina e rivaliza com os gringos. Mas fora isso, não vi lá grande motivadores pra comprar. A empresa lançou uma linha nova para hospitais de 56 produtos...mas daí a isso dar $$$ é outra coisa.

DFPs muito pobres...não consegui ao menos descobrir a proporção de compressores vs total da receita.

Quanto aos números, outro desapontamento. Não fosse um lucrinho não recorrente, este ano teria fechado bem mais feio. Além disso, dá pra ver abaixo que a empresa não quer agredir:

http://www.investsite.com.br/demonstracao_resultado.php?cod_negociacao=SHUL4

Margem Bruta
4T12 28,75%
3T12 29,29%
2T12 29,09%
1T12 28,67%
4T11 28,92%
3T11 29,02%
2T11 29,87%
1T11 30,41%
4T10 30,87%
3T10 29,12%
2T10 28,05%
1T10 26,75%
4T09 25,49%

Margem "Despesas"
4T12 -16,85%
3T12 -17,32%
2T12 -17,13%
1T12 -16,40%
4T11 -15,75%
3T11 -15,45%
2T11 -15,34%
1T11 -15,18%
4T10 -15,51%
3T10 -14,65%
2T10 -15,45%
1T10 -16,28%
4T09 -16,75%

Margem EBIT
4T12 13,13%
3T12 11,87%
2T12 11,74%
1T12 11,99%
4T11 12,71%
3T11 11,77%
2T11 12,82%
1T11 13,58%
4T10 13,80%
3T10 14,36%
2T10 12,85%
1T10 11,45%
4T09 10,17%

Margem Impostos
4T12 -15,62%
3T12 -14,60%
2T12 -13,55%
1T12 -12,57%
4T11 -11,94%
3T11 -10,80%
2T11 -10,99%
1T11 -10,55%
4T10 -10,33%
3T10 -10,25%
2T10 -10,12%
1T10 -10,31%
4T09 -10,34%

Eu não sei o que vc viu nessa SHULZ. Sinceramente, pelo que eu andei lendo, pelo dependência do mercado interno (85%), pela falta de proventos, não dá pra dizer que a shul vai pra algum lugar.

Não entendo o que vc viu nessa dona...Na metisa dá pra ver claramente uma melhora. Em shulz, tudo está estagnado, menos a fatia de impostos que só cresce.

Poderia tentar me convencer? rs

169934 - uqaz -  01 Mar 2013, 22:45
Vou dar uma lida sim, mas me interessou msm essa SHUL4. Há um tempo andei espiando uns números dela. Possui um P/L = 10, decente. Pelo pouco que vc escreveu e pelo que ainda vou ler (vou sim, me interessei), pode ser até alternativa a WHRL/BMTO, não acha?

Impressionante esse fluxo de caixa da SHUL4:

2012: 21.574
2011: 11.169
2010:-19.705

PRVI parece ser uma que está desabrochando, mas msm com essa bombada, esse P/L = 15. Isso dá uma brochada...e é como vc falou, a empresa apaga muito DY%.

Vamos ver...GRNDs vão virar mais MTSA4. Quem sabe, SHUL4 tbm.

169933 - danieljoseaa -  01 Mar 2013, 22:27
Vamos lá Uqaz......desses resultados que saíram, sem falar nas TOPs(GRND, BGIP, etc) e que já temos posição, gostei bastante, bastante mesmo dos resultados de PRVI3 e SHUL4(essa já tô namorando desde antes do resultado, esse ITR do 4° tri só serviu para confirmar).

SHUL4 fiquei pechinchando e não consegui comprar hoje, mas , acho que não necessita de pressa, a empresa vem desenvolvendo novos projetos, tem um market share de mais de 70% no ramo dos compressores, é líder absoluta, além disso, vem há 2 anos desenvolvendo compressores automotivos para sistemas de freio, investiram bastante, agora parece que chegou a hora de colher os frutos......fornecem mais de 500 tipos de peças para grandes empresas automotivas, Mercedes, etc..........fora do ramo automotivo que é onde detém 70% do mercado, vê ainda grande espaço para crescimento na área de grandes compressores, estão focando nisso.........estão esperando um crescimento de 2 dígitos este ano.............a ver.
[...]

169667 - israel007 -   28 Fev 2013, 01:13
SHUL4
Empresa: SCHULZ S.A. Ação: SCHULZ PN Setor: Bens Industriais Subsetor: Máquinas e Equipamentos
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 19,2 M no 4° trimestre de 2012, uma variação de 50,4% em relação ao 3T12 e crescimento de 20,1% em relação ao 4T11. A receita líquida atingiu R$ 182,4 M no 4° trimestre de 2012, 12,4% superior que o 3° trimestre de 2012, que foi de R$ 162,3 M. No mesmo período do ano anterior, a receita líquida havia atingido o valor de R$ 176,3 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 29,4% contra 28,4% no trimestre anterior e 31,3% no quarto trimestre de 2011. Já a margem líquida ficou em 10,5% no quarto trimestre de 2012 contra 7,9% no trimestre ligeiramente anterior.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 857,0 M, acréscimo de 3,8% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 315,2 M no 4T12, o que representou uma variação de 11,7% em relação ao saldo no quarto trimestre de 2011.

119676 - danieljoseaa - 08/Mar/2012 21:32
SHUL4:

A empresa divulgou lucro líquido de R$ 16,0 M no quarto trimestre de 2011, uma variação de 147,9% em relação ao 3° trimestre de 2011 e crescimento de 39,3% em relação ao 4T10. A receita líquida totalizou R$ 176,3 M no quarto trimestre de 2011, decréscimo de 2,9% em relação ao 3° trimestre de 2011 e crescimento de 8,0% em relação ao quarto trimestre de 2010.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 31,31% contra 27,75% no 3° trimestre de 2011 e 31,86% no mesmo período do ano passado. Já a margem líquida ficou em 9,06% no 4° trimestre de 2011 contra 3,55% no terceiro trimestre de 2011.


Os ativos totais registraram o saldo de R$ 825,8 M, crescimento de 18,7% em relação ao saldo no 4° trimestre de 2010. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 282,1 M no 4T11, o que representou uma variação de 15,4% em relação ao saldo no 4T10.

Nestes três meses, a ação oscilou 12,99% contra 8,47% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 638,2 M contra R$ 564,4 M no 4° trimestre de 2010.

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

-  Schulz S.A. é uma empresa de capital aberto, com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Atualmente a Schulz ocupa uma área de 319 mil m² onde 72.000 m2 são de área construída que seguem padrões mundiais de tecnologia e qualidade.

Com uma força de trabalho constituída por mais de 1450 colaboradores e um grande complexo industrial, a Schulz S.A. é uma das mais completas fábricas de compressores de ar do mundo, produzindo desde compressores alternativos de pistão, de diafragma e compressores de parafuso de 5hp a 250hp.

Possui uma moderna fundição de ferro nodular e cinzento, além de uma Usinagem com máquinas de última geração produzindo componentes para as indústrias automotivas.

Conta com equipamentos modernos como centros de usinagem horizontais e verticais de última geração, tornos verticais e horizontais "CNC" e máquinas de corte a laser, avançados laboratórios químico, metalográfico e de análise dimensional, além de um completo centro de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos com estações CAE - CAD - CAM e engenheiros altamente especializados.  

      
Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )

PAINEL DE INDICADORES
22/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
SHUL4
    8,92
12,8
2,08
26,6
3,2%
7,8%
1,3
6%
7,8%
-20,0%

·  PONTOS POSITIVOS:

-  A Schulz somou R$ 234,7 milhões ( 231M 2T11 +1,2% )  em receita operacional bruta no 3T11, 8,9% superior em relação ao 3T10. No período acumulado de 2011, a receita operacional bruta da Schulz foi de R$ 670,1 milhões, 21,0% superior aos valores apresentados no mesmo período de 2010. A explicação para este desempenho é proveniente da manutenção do crescimento das vendas para o mercado interno (crescimento de 7,1% na comparação trimestral e de 18,2% nos períodos acumulados) e a

recuperação expressiva das vendas para o mercado externo (crescimento de 23,5% na comparação trimestral e de 44,9% nos períodos acumulados).

- No 3T11, a receita operacional líquida totalizou R$ 182,5 milhões  ( 182,2M no 2T11 estável ) , um crescimento de 7,0% em relação ao 3T10, que foi de R$ 170,6 milhões. No período acumulado de nove meses de 2011, a Schulz somou R$ 525,2 milhões, 21,5% acima do valor registrado no mesmo período de 2010, sustentados principalmente pelos resultados apresentados no primeiro semestre do ano.

- Como resultado dos fatores mencionados anteriormente, o lucro bruto alcançou R$ 50,9 milhões no 3T11 ( 50,8M no 2T11 estável ), no mesmo patamar do 2T11, mas 4,3% abaixo dos valores apresentados no 3T10. No acumulado do ano, houve um aumento de 12,1% em relação ao 9M10, com o lucro bruto totalizando R$ 147,7 milhões. A margem bruta dos períodos comparativos apresentaram redução de 3,2% na comparação trimestral e de 2,4% no acumulado do ano, sendo de 27,9% e 28,1% respectivamente.

- As despesas operacionais foram de R$ 27,7 milhões no 3T11 ( 28,1M no 2T11 -1,5% ), uma redução de 0,9% em relação ao 3T10 e 1,52% em relação do 2T11, enquanto que no período acumulado dos nove meses de 2011, as despesas operacionais cresceram 17,8% em relação ao mesmo período de 2010, alcançando R$ 81,1 milhões. Como destaque, nos valores anteriormente mencionados estão contempladas algumas despesas e provisões que não existiram em 2010. As principais são: contingências trabalhistas, programa de participação no resultado (PPR/PSC), devedores duvidosos, e na Divisão Compressores despesas com campanhas publicitárias e com aluguéis transitórios de armazéns não previstos, este último no total de R$ 3.0 (milhões). Importante lembrar que nas despesas operacionais estão contempladas as despesas variáveis de vendas de fretes e comissões sobre

vendas.

- No 3T11, o EBITDA somou R$ 29,9 milhões ( 29,2 no 2T11 +2,3% ) o que representou uma queda de 4,4% em relação ao mesmo período de 2010, mas ainda assim, a margem de 16,4% apresentada no 3T11 representou uma pequena recuperação em relação ao 2T11, quando a margem EBITDA havia sido de 16,0%. No período acumulado de 2011 (9M11), o EBITDA alcançou resultado de R$ 86,0 milhões contra R$ 80,6 milhões apresentados no mesmo período de 2010, mas com margem inferior aos 18,7% apresentada nos 9M10 (16,4% nos 9M11), devido às variáveis de mercado já pontuadas nos parágrafos anteriores.

    
·  PONTOS NEGATIVOS

- O custo dos produtos vendidos totalizou R$ 131,6 milhões no 3T11 ( 131,3 no 2T11 estável ) , representando um crescimento de 12,0% em relação ao mesmo período de 2010 e no mesmo patamar dos valores apresentados no 2T11. A evolução do custo dos produtos vendidos superior em relação ao crescimento da receita líquida consolidada ( 72% e estável em relação ao 2T11 ) é explicada pelas seguintes razões: i) apreciação do Real frente ao Dólar e seu conseqüente impacto nas margens das exportações; o atraso das negociações de preços da Divisão Automotiva que deveriam ter sido concluídas no inicio do 3ºT11.

- As despesas financeiras líquidas somaram R$ 20,7 milhões nos 9MT11 ante os R$ 8,6 milhões registrados no mesmo período de 2010, sendo que esta piora no resultado financeiro de R$ 12,1 milhões está diretamente relacionada aos efeitos da variação cambial sobre a exposição cambial da companhia, haja vista a forte desvalorização do Real ocorrida em setembro/2011 (16,83% em relação a Agosto/2011). Se não fosse este efeito, nosso resultado foi e seria excelente, considerando que aquele efeito impactou somente no 3ºT11, mais especificamente em Setembro, que por conta disto, as despesas financeiras líquidas tiveram forte impacto.

- O lucro líquido apresentado pela Schulz no 3T11 somou R$ 6,4 milhões ( 15M no 2T11 -57% ), principalmente em razão do impacto da desvalorização do Real na exposição cambial que resultou numa despesa financeira(somente variação cambial) de R$ 12.1 (milhões) em Setembro. Não fosse esse impacto, o Lucro Líquido do trimestre seria ótimo.

- Em 30 de setembro de 2011, a empresa apresentou um caixa disponível de R$ 61,5 milhões, o que representa cerca de 40% do seu endividamento de curto prazo ( era de mais de 100% no trimestre anterior ), nível que consideramos confortável quando analisado à luz da nossa estratégia de tesouraria, e absolutamente alinhado com a capacidade de geração de caixa da companhia. Portanto, indica uma situação de liquidez a curto e longo prazo.



VISÃO ESTRATÉGICA

-  Para manter seu crescimento, a Schulz tem investido fortemente no aumento da sua capacidade produtiva, para estar preparada e aproveitar as oportunidades advindas do bom momento econômico do país e especialmente a retomada da atividade econômica no mercado externo. O total investido no ano de 2011é de R$ 52,2 milhões, sendo o foco principal o cumprimento do plano de expansão da Divisão Automotiva e de Compressores, que teve seu início no primeiro semestre de 2011. Os resultados do terceiro trimestre e do período acumulado de 2011 ratificam a retomada no mercado externo, que voltou a aumentar sua representatividade na composição da receita da

Companhia. No entanto, estamos também atentos aos fatores macroeconômicos, como o agravamento da crise econômica e fiscal européia e norte-americana, a pressão inflacionária nos custos, as despesas e os efeitos da desvalorização cambial e da queda dos juros. A Schulz está preparada para absorver o crescimento do mercado e as novas condições macroeconômicas e assim aumentar sua participação em cada um dos segmentos de atuação. 
·  CURIOSIDADES

- A equipe de Pesquisa e Desenvolvimento da Schulz busca garantir a qualidade das operações e a atualização contínua dos processos e tem como foco de atuação a realização de estudos e no acompanhamento de tendências tecnológicas para atender às demandas específicas do mercado e dos clientes. As novas técnicas são desenvolvidas por meio de convênios de troca de conhecimento com vários centros tecnológicos, acadêmicos e de design, e colocadas em prática em laboratório

próprio.    

·  OPINIÃO DO ANALISTA
- O trimestre foi ruim para empresa, com redução do lucro, aumento da dívida e o setor sendo massacrado pela câmbio; a empresa é bem administrada, sempre foi lucrativa e passou por um trimestre ruim, na maior parte por causa do dolar já que o operacional evoluiu. No preço atual não está convidativa para investimento, bem como não há nada que indique uma deterioração do seu negócio. Mas vale a pena um acompanhamento mais de perto.

55255 - small caps - 11/Nov/2010 23:26
Schulz que é a matéria deste mês, conforme citado pelo ilustre Bira:

SCHULZ – comentários de Anderson Lueders.

A empresa Schulz S.A. apresentou no primeiro semestre de 2010 receita líquida de R$ 261,5 milhões, superando em 63,2% a receita de R$ 160,2 milhões obtida em igual período de 2009. O ano de 2009 mostrou receitas em queda (-25%) sobre 2008, sinalizando o impacto que a crise econômica trouxe ao seu segmento de atuação. O crescimento da receita foi sistemático até 2008, partindo de R$ 115,8 milhões em 2001 para R$ 493,1 milhões. O lucro líquido atingiu R$ 14,9 milhões no primeiro semestre, inferior aos R$ 21,4 milhões de um ano antes, quando então o câmbio contribuiu decisivamente para este desempenho.

A companhia atua em dois segmentos de mercado: a) compressores de ar, onde é a maior fabricante da América Latina; b) Automotivo, produzindo e comercializando peças e componentes para o transporte pesado.

Com a cotação das ações preferenciais a R$ 32,57, conforme último negócio realizado no pregão de 27 de setembro de 2010, o valor de mercado da empresa equivale a R$ 415,7 milhões. Seus indicadores fundamentalistas, conforme site do fundamentus, são Preço/Lucro (nos últimos 12 meses) de 14,5, Preço/Valor Patrimonial de 2,9 e um ótimo ROE (retorno sobre patrimônio líquido) de 20,2%. A Schulz custa o equivalente a 0,9 vezes o faturamento líquido de um ano. Anualizando o lucro líquido obtido no segundo trimestre, o P/L ficaria mais atrativo, situando-se por volta de 10, uma vez que este indicador foi impactado negativamente com o tranco que o setor industrial sofreu com a crise econômica.

A empresa tem como pontos positivos: a) excelente capacidade de adaptação a cenários adversos, especialmente quando se considera a dificuldade que o setor industrial tem de se manter competitivo com o nível de câmbio atual: b) receita em crescimento, voltando no último trimestre a atingir níveis recordes, com previsão de bater R$ 1 bilhão em receita bruta por volta de 2012; c) importantes clientes, com destaque para o anúncio do contrato de exportação para o grupo Volvo na área de caminhões, que prevê uma receita de U$ 250 milhões entre 2011 e 2015; d) líder de mercado em compressores de ar; e) excelentes margens operacionais e ótimo retorno sobre o patrimônio líquido.

Como principais pontos negativos podem ser destacados: a) câmbio excessivamente apreciado prejudica as exportações e aumenta a concorrência interna dos produtos importados; b) alta elasticidade do faturamento em relação ao desempenho econômico do país, o que ficou evidente durante o ápice da última crise, aumentando a volatilidade dos resultados.

O desempenho de suas ações a partir do ano 2003 é digno de nota. Entre 1999 e 2003 suas cotações giravam abaixo de R$ 1,00. A partir de então, com a evidente melhora dos resultados e do crescimento do mercado de capitais brasileiros, suas ações atingiram no final de 2007 mais de R$ 30,00. Foram mais de 3.000% de alta! A crise trouxe nova oportunidade de compra quase na faixa dos R$ 10,00 no primeiro trimestre de 2009 e desde então se recuperou, praticamente na mesma velocidade da queda. São das famosas janelas de oportunidade que o mercado proporciona e que o investidor atento e preparado está apto a aproveitar.



O investidor que pretende comprar as ações da Shulz encontrará uma oportunidade que ainda não precifica totalmente o crescimento futuro que a companhia almeja alcançar e que tem surpreendido pela lucratividade no setor industrial brasileiro, embora não se trate mais de uma barganha esquecida pelo mercado como ficou por muito tempo. Cabe um acompanhamento e quem estiver interessado em se posicionar no segmento industrial e não se preocupa com a liquidez do ativo, é uma boa alternativa a ser considerada.

17309 - floripasempre - 15/Out/2009 17:40
Já deu para entender o seguinte (trecho extraído do Relatório da Adm).
Resultado financeiro líquido
O resultado financeiro líquido da Schulz no 2T09 foi positivo em R$ 20,4 milhões, principalmente em função do efeito da apreciação do real frente ao dólar sob a exposição cambial da Companhia. Com isto, as receitas financeiras aumentaram 158,7% em comparação com o 2T08 e 97,0% em relação aos R$ 16,4 milhões registrados no 1T09.


Ou seja, parte expressiva do resultado por vc apontado, foi decorrente da variação cambial.A Receita Bruta melhorou um pouco, relativamente ao trimestres anterior, mas mesmo assim bem aquém do ano anterior. A empresa vem promovendo ajustes em sua estrutura de custos. Conforme já discutido com o Prof. Paulo, tudo vai depender da efetiva recuperação do Setor. Não sei a opinião dos demais, mas eu aguardaria, no mínimo, o próximo resultado antes de tomar uma decisão.

5247 - Fabinho Trader - 06/Mai/2009 19:17
shul4..... prejuizo devido ao cambio...bem depreciada..

4294 - paulorizzi - 18/Abr/2009 20:35
"Se não estou enganado, vem então mais ""chumbo"" financeiro no 1T09: um resultado financeiro líquido negativo em pelo menos uns R$ 25 milhões (R% 4,5 milhões de juros + R$ 21,5 milhões em derivativos) e um aumento na dívida. Razão suficiente para colocar as ""barbas de molho"" e aguardar o balanço do 1T09."

4292 - elcarvalho2007 - 18/Abr/2009 19:44
Informações da SHUL4 retiradas do relatório de 2008:
Resultado financeiro líquido
"O resultado financeiro líquido da Schulz em 2008 foi negativo em R$ 98,0 milhões, basicamente decorrente das despesas financeiras ocasionadas pela desvalorização da moeda brasileira"
NOTAS EXPLICATIVAS:
Evento Subseqüente (Derivativos)
"Entre 05 e 06 de janeiro de 2009 a Companhia efetuou o desmonte antecipado de parte significativa das suas operações de derivativos em moeda estrangeira (desmonte de 9 das 15 verificações existentes em 31/12/2008), cujo ajuste pago totalizou R$ 21,5 milhões, o qual foi integralmente financiado pelas instituições financeiras através de operações de empréstimo com prazo de até 5 anos para pagamento."
"Este desmonte viabilizou uma redução de US$ 54 milhões na exposição cambial associada a derivativos, saindo dos até então US$ 68,6 milhões para US$ 14,6 milhões."
"Em março de 2009, a exposição cambial líquida com derivativos é de apenas US$ 6,6 Milhões."


"Para os demais instrumentos financeiros, a Sociedade utilizou critérios usuais aderentes às normas e preceitos contábeis, os quais refletem o valor de mercado destes instrumentos."

4283 - paulorizzi - 18/Abr/2009 15:32
"Até 30JUN2008, a empresa apresentava RecLiq de R$ 228 milhões; ResBrut de R$ 65 milhões e ResLiq de R$ 16 milhões. O resultado financeiro foi de R$ 1 milhão positivo."
"No 2o. semestre, como aponta o daniel josé, houve deterioração. Ao que parece, esta deterioração é exclusivamente devida ao resultado financeiro, pois no semestre apresentou RecLiq de R$ 265 milhões (R$ 123 milhões no 4T), ResBrut de R$ 95 milhões (R$ 53 milhões no 4T) e PrejLiq de R$ 29 milhões (preju de R$ 24 milhões no 4T). O O resultado financeiro do 2o semestre foi negativo em R$ 98 milhões, dos quais R$ 68 milhões só no último trimestre."
"Não fosse este resultado financeiro desastroso, provavelmente a empresa teria tido, disparado, o melhor resultado de sua história."
"Como afirma o daniel josé, há que se ler o relatório com atenção. Suspeito que o problema tenha a ver com o câmbio. Se o problema foi o de uma simples dívida em dólares, todo o prejuízo já foi contabilizado. Mas não conheço a empresa. Se for uma exportadora, é possível que tenha ""exagerado"" no hedge e apostado em derivativos. Neste caso, não é certo que o problema financeiro tenha terminado."
"Em 30JUN2008, a sua dívida líquida totalizava R$ 160 milhões, com 31% no curto prazo. Em 30DEZ2008 esta dívida líquida aumentou para R$ 278 milhões, com 35% no curto prazo (incluindo R$ 29 milhões em hedge)."
"A evolução da receita líquida mostra que houve redução de 14% nas vendas do 4T08 em relação ao 3T08. É quase certo que no 1T09 houve redução adicional. Em conseqüência, eu duvido que a empresa seja capaz de apresentar um resultado positivo já no 1T09."


"Acho que o ativo PODE ser bastante interessante, desde que os problemas cambiais não tenham sequela (só lendo os relatórios do 3T08 e 2008 para ter uma idéia mais precisa). Concordo com a recomendação do daniel josé de esperar o balanço do 1T09. "

4280 - danieljoseaa - 18/Abr/2009 13:41
"citação: fabiopintoPessoal tenho estudado SHUL4, a empresa me parece ser bastante interessante, mas seu P/L esta´por volta de - 11 !!!"

"qual o risco de comprar uma empresa que tecnicamente me parece ser boa, mas apresenta esse P/L ???"

alguém poderia me ajudar ???

grato e bom fds a todos...

"Fábio, o P/L está negativo devido ao seu resultado anual negativo, quando resultados são negativos o P/L não deve ser muito usado como parâmetro."

"Apresenta um PSR de 0,33 , P/EBIT 2,10(quanto menores esses índices, melhor, desde que no campo positivo, como efeito de comparação, BEEF3, outro turnaround de setor completamente diferente, só como comparação dos indicadores, apresenta um PSR de 0,08 e um P/EBIT de 1,32), além disso SHUL4 apresenta uma Marg. ebit 15,8% (esse quanto maior melhor)."

"Nos 2 últimos trimestres o resultado da SHUL4 foi negativo, o que botou o resultado anual lá pra baixo, o 4° tri então foi terrível, porém a receita líquida e o Ebitda foram positivos, tem que se averiguar o que levou a um lucro líquido desse porte, algo não recorrente, problemas de aplicações cambiais?, eu não sei."

"Caso queira investir, sugiro que faça como uma turnaround, compre pouco, aliás, se eu fosse você, esperaria o resultado do 1° tri de 2009, para me posicionar."

"Eu não compraria esse ativo, divida maior que o patrimônio líquido, Div Br/ Patrim 2,67, DY quase inexistente 1,1%, ativo bem pouco atraente, principalmente com tanta empresa boa sendo vendida a preço de banana."

"Mas caso comprasse compraria pouco, nível Turnaround."

Nenhum comentário: