Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Sabesp (SBSP)


Recomendações

Carteiras
FRBRAVIM (jul/19) - paulo_prof (mai/17) - pocunha (jan/18) - tiagohv (jun/16)
Balanços
1T2019 -
paulo_prof   -
A Receita estagnou em termos reais, e houve uma redução da margem bruta, resultando nym menor resultado bruto do que aquele postado no 1T18. O Resultado Financeiro, entretanto, foi sensivelmente melhor, acompanhado de uma redução das despesas operacionais, de modo que houve uma boa evolução do lucro em termos reais.

Acho que os riscos de um investimento no ativo aos preços atuais é pequeno. De um lado, o ativo está barato considerando os seus fundamentos. Por outro lado, ainda há uma chance de que a legislação mude para permitir que a empresa seja desestatizada.

A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Como antecipado, com a valorização do real, o Resultado Financeiro do 4T18 foi amplamente favorável. Tendo iniciado o 4T18 com um endividamento líquido de R$ 13,1 bilhões, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 30 milhões. Em consequência, o Resultado do Exercício (e dos últimos 12 meses) foi fortemente turbinado. Teria sido melhor ainda se, no ano, a taxa de câmbio se mantivesse estável.
Acho que restam poucas dúvidas de que o ativo está relativamente barato. Na minha opinião, está mais barato do que a CSMG3, mas mais caro do que a SAPR4.

3T2018 -
Paulo Prof - 
O aumento de quase 8% na Receita Líquida foi quase todo "perdido" na redução da margem bruta (de 42,1% para 39,3%). O Resultado Financeiro ainda desfavorável (boa parte do endividamento é em dolar e a empresa não faz o hedge cambial), fez o resto do serviço! Pelo 2o. trimestre consecutivo, houve queda no Lucro.
Embora a taxa de crescimento do lucro líquido nos últimos 12 meses tenha sido negativa em 32%, acredito que tenha sido circunstancial, uma vez que o Ebitda cresceu 10%. Creio que num cenário de estabilidade cambial, a margem de lucro se recupere. Um outro indicador que parece indicar que o ativo está barato é o EV/EBITDA, especialmente considerando que o Ebitda deverá crescer. O preço atual pode ser uma oportunidade de entrada no ativo, já que o 4T18 deverá ser amplamente favorável.

marcosvinicius2 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA = No 3T18, a receita operacional líquida, a qual considera a receita de construção, totalizou R$ 3.810,8 milhões, um acréscimo de 7,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os custos e despesas, que consideram os custos de construção, totalizaram R$ 2.719,2 milhões, um acréscimo de 13,0% quando comparados ao mesmo período do ano anterior. O EBIT ajustado, no montante de R$ 1.092,1 milhões, diminuiu 3,5% em relação aos R$ 1.131,8 milhões apresentados no 3T17.; EBITDA = O EBITDA ajustado, no montante de R$ 1.434,6 milhões, diminuiu 1,5% em relação aos R$ 1.456,3 milhões apresentados no 3T17 (R$ 5.610,3 milhões nos últimos 12 meses).A margem EBITDA ajustada do 3T18 foi de 37,6%, ante 41,2% no 3T17 (36,9% nos últimos 12 meses). Desconsiderando os efeitos da receita e do custo de construção a margem EBITDA ajustada resulta em 46,0% no 3T18 (50,9% no 3T17 e 45,3% nos últimos 12 meses).; Custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção Custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção tiveram um acréscimo de R$ 313,3 milhões no 3T18 (13,0%). Desconsiderando os custos de construção, houve um acréscimo de R$ 299,9 milhões (17,5%). A participação dos custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção na receita líquida foi de 71,4% no 3T18, ante 68,0% no 3T17.

2T2018 -
Paulo Prof - 
O resultado do 2T foi fortemente impactado pela variação cambial (parte considerável do endividamento é em moeda estrangeira). Da mesma forma que o resultado financeiro no 2T18 foi de R$ 837 milhões negativos, no 3T17 foi de R$ 223 milhões positivos. Nos ultimos 12 meses, o Resultado Financeiro foi 9,3% do endividamento liquido médio, o que é bastante razoável.
A consequência do castigo que o ativo levou do mercado, foi ter ficado barato se considerado os fundamentos, especialmente a evolução do ebitda.

A2017/4T2017 -
Paulo Prof - 
O Resultado do 4T17 foi impactado por um Resultado Financeiro mais negativo do que seria normal, devido a desvalorização cambial. No exercício, o Resultado Financeiro também impacto a última linha. Em 2016, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 699 milhões. Em 2017, o Resultado Financeiro foi negativo em R$ 458 milhões, ou seja, uma diferença de R$ 1,157 bilhões. Isto explica as involuções dos Resultados Antes do IR/CS e Líquido no Exercício.
O total de m3 faturados, de água e esgoto aumentou 4,3% em 2017, em relação a 2016. Embora a Receita Operacional Bruta tenha aumentando 9,9% no exercício, a Receita de Construção diminuiu 15,6%. Na soma das duas receitas e dedução dos impostos, a Receita Líquida aumentou somente 3,6%. Mas como os custos foram menores, especialmente aqueles de construção, O Resultado Bruto avançou 14,6% na base anual.
As Despesas Operacionais Líquidas aumentaram 12,8%, ou seja, menos do que o Resultado Bruto.
Em consequência, os Resultados Antes dos Impostos e Líquido devem ser considerados bastante bons e isto foi confirmado pela evolução do ebitda.
O que não entendi foi a reação do mercado relativa a proposta de reajuste de 4,77% a partir de abril, depois que as tarifas foram reajustadas em 7,88% em novembro do ano passado. Considerando a inflação desde novembro não me parece tão mal assim.
Suspeito que o ativo esteja barato.

3T2017 -
paulo_prof   -
Resultados Operacionais, bastante bons, dentro do esperado. A menor receita liquida na comparação trimestral foi devida à menor Receita de Construção. A Receita Operacional Bruta, desconsiderados os Custos de Construção, aumentou 5,1%. Os custos, desconsideradas as depesas de construção, aumentaram 14%, de modo que o resultado bruto foi menor em 1,3%. As despesas operacionais reduziram 30%, de R$ 445 milhões para R$ 343 milhões, embora tivesse ocorrido um acréscimo de R$ 331 milhões nas obrigações previdenciárias. A compensação se deu principalmente nas rubricas relativas a Serviços (diferença de aprox. R$ 60 milhões) e despesas de PDD (diferença de aprox. R$ 125 milhões).
Devido à valorização do real, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 223 milhões, impactando fortemente o resultados antes dos impostos e lucro. A geração de caixa, medida pelo ebitda, evoluiu 8,9%.
Na minha estimativa, num cenário de estabilidade cambial acho que a empresa é capaz de gerar um lucro líquido anual na faixa dos R$ 2,5 bilhões. Em consequência, parece que o ativo está barato.

1T2017 -
paulo_prof   -
Os múltiplos podem sugerir compra, mas há detalhes que devem acender a luz amarela:
a) os meus cálculos mostram que haveria uma gordura de R$ 550 milhões (18%) no lucro anual, devida a valorização do real;
b) embora em nível ainda aceitável (alavancagem menor do que 3 vezes o ebitda anual), o endividamento líquido é alto;
c) como uma alavancagem muito alta impede uma aceleração dos investimentos, é possível que a Diretoria decida promover um aumento de capital via subscrição;
d) quase 50% do endividamento financeiro bruto (excluídas obrigações previdenciárias) é denominado em moeda estrangeira ... como o endividamento em moeda estrangeira não é "hedgeado", uma desvalorização do real fará um estrago considerãvel!!!

A2016/4T2016
paulo_prof  -
Mesmo considerando que o resultado de 2016 foi amplamente beneficiado pela receita cambial obtida via endividamento em dólar (aprox. 25% do lucro postado), o ativo me parece barato prá caramba!
Há que se ler com atenção o relatório para entender como no exercício de 2016 a empresa foi capaz de obter um aumento da Receita Líquida tão acima da inflação. Se foi somente devido à uma mão pesada no aumento das tarifas, ou se de fato houve uma explosão do consumo (tipo, quem não tomou banho na crise, agora está tirando a diferença ... kkkkk). Noutras palavras, há que se avaliar qual será o espaço para aumentar a receita e eficiência nos próximos exercícios.
Em minha planilha, considero a exposição aos encargos previdenciários (que no caso da Sabesp são consideráveis, aprox. 21,5% do endividamento bruto total) como dívida. Mesmo assim, a relação entre o endividamento líquido e o ebitda anual, 2,92, não é exagerada.

3T2016 -
marcosvinicius2 -
No 3T16, a receita operacional líquida, a qual considera a receita de construção, totalizou R$ 3,7 bilhões, um acréscimo de 17,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os custos e despesas, os quais consideram os custos de construção, totalizaram R$ 2,7 bilhões, um acréscimo de 4,9% quando comparados ao 3T15. O EBIT ajustado, no montante de R$ 1.057,3 milhões, aumentou 67,3% em relação aos R$ 631,9 milhões apresentados no 3T15.
O EBITDA ajustado, no montante de R$ 1.337,5 milhões, aumentou 48,1% em relação aos R$ 903,2 milhões apresentados no 3T15 (R$ 4.319,6 milhões nos últimos 12 meses). A margem EBITDA ajustada passou de 28,3% no 3T15 para 35,7% no 3T16 (32,2% nos últimos 12 meses). Desconsiderando os efeitos da receita e do custo de construção a margem EBITDA ajustada resulta em 49,6% no 3T16 (40,4% no 3T15 e 42,5% nos últimos 12 meses). No 3T16 houve um lucro de R$ 573,9 milhões, ante um prejuízo de R$ 580,1 milhões apresentado no 3T15.
Salários, encargos e benefícios e Obrigações previdenciárias = No 3T16 ocorreu um decréscimo de R$ 259,7 milhões, devido especialmente a: Decréscimo de R$ 307,4 milhões devido à migração de 3.572 participantes do Plano de Benefício Definido• (G1) para o Plano de Contribuição Definida (Sabesprev Mais), gerando uma redução antecipada de R$ 334,2 milhões no déficit atuarial, compensado pela contribuição extraordinária e incentivo de R$ 26,8 milhões. O decréscimo acima foi parcialmente compensado pelos seguintes fatores: Aumento de R$ 24,1 milhões ocasionado pelo reajuste salarial de 10,03%, ocorrido em maio de 2016;• Aumento de R$ 13,7 milhões nas provisões para verbas rescisórias (TAC); e• Aumento de R$ 8,8 milhões nas provisões com pagamentos complementares às aposentadorias e pensões• do Plano G0, em função de mudanças nas premissas atuariais.

2T2016 -
paulo_prof   -
O resultado da Sabesp no 2T16 e no 1S16 foi turbinado pela variação cambial de seu endividamento em moeda estrangeira: nada menos do que aprox. 35% do lucro do 2T16 e aprox. 42% do lucro do 1S16!!!
Em consequência, em minha opinião, o mercado está sobrevalorizando o ativo, considerados exclusivamente seus fundamentos. Se, em vez da última linha, focarmos na geração de caixa medida pelo Ebitda, observamos que, considerados os últimos 12 meses, EV/EBITDA = 7,86 ... bastante esticado!

3T2012 - 
aprendiz quebrado do professor  - 
achou excelente
Características
Abastecimento de água. Esgotamento Sanitário. Drenagem e Manejo de águas Pluviais Urbanas. Limpeza Urbana. Manejo de Resíduos Sólidos e Energia.
Links
361413  - paulo_prof   -  21 Mai 2019, 21:23
A Receita estagnou em termos reais, e houve uma redução da margem bruta, resultando nym menor resultado bruto do que aquele postado no 1T18. O Resultado Financeiro, entretanto, foi sensivelmente melhor, acompanhado de uma redução das despesas operacionais, de modo que houve uma boa evolução do lucro em termos reais.

Acho que os riscos de um investimento no ativo aos preços atuais é pequeno. De um lado, o ativo está barato considerando os seus fundamentos. Por outro lado, ainda há uma chance de que a legislação mude para permitir que a empresa seja desestatizada.


SBSP3

PREÇO: R$ 40,84

PAYOUT (2018): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,62

P/VPA 1,38

PSR 1,72

DY 2,90%

EV/EBITDA 6,11

MARGEM BRUTA 42,9%

MARGEM OPERACIONAL 24,7%

MARGEM LÍQUIDA 17,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,246

MARGEM EBITDA 41,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 75,1%

ROE 14,37%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,01



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,27%

RESULTADO BRUTO +18,45%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +86,17%

RESULTADO OPERACIONAL +19,62%

RESULTADO LÍQUIDO +19,65%

EBITDA +25,80%



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,83%

RESULTADO BRUTO -1,22%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -22,42%

RESULTADO O3PERACIONAL +11,54%

RESULTADO LÍQUIDO +11,52%

EBITDA +10,51%



c) lucro (taxa média anual)

UA 19,65%

U2A -1,53%

U3A 50,76%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,87%

U2A 11,12%

U3A 11,51%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 25,80%

U2A 15,44%

U3A 23,79%

U4A 19,67%

U5A 10,27%

U6A 10,67%

U7A 9,93%

U8A 10,36%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 53,07

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,5%

360300  - keep_calm  -  11 Abr 2019, 18:46
SBSP3): A Sabesp informou que a agência reguladora (Arsesp) autorizou a aplicação de reajuste anual de 4,72% sobre as tarifas de água e esgoto vigentes.

359990 - paulo_prof  -  30 Mar 2019, 00:59
Como antecipado, com a valorização do real, o Resultado Financeiro do 4T18 foi amplamente favorável. Tendo iniciado o 4T18 com um endividamento líquido de R$ 13,1 bilhões, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 30 milhões. Em consequência, o Resultado do Exercício (e dos últimos 12 meses) foi fortemente turbinado. Teria sido melhor ainda se, no ano, a taxa de câmbio se mantivesse estável.

Acho que restam poucas dúvidas de que o ativo está relativamente barato. Na minha opinião, está mais barato do que a CSMG3, mas mais caro do que a SAPR4.

SBSP3

PREÇO: R$ 42,00

PAYOUT (2018): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,13

P/VPA 1,47

PSR 1,78

DY 2,76%

EV/EBITDA 6,39

MARGEM BRUTA 43,5%

MARGEM OPERACIONAL 24,3%

MARGEM LÍQUIDA 17,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,148

MARGEM EBITDA 40,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 82,5%

ROE 14,50%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,04



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,11%

RESULTADO BRUTO +20,06%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +176,02%

RESULTADO OPERACIONAL +11,67%

RESULTADO LÍQUIDO +12,53%

EBITDA +24,13%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +22,00%

RESULTADO BRUTO +52,30%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO O3PERACIONAL +259,83%

RESULTADO LÍQUIDO +146,09%

EBITDA +66,74%



c) lucro (taxa média anual)

UA 12,53%

U2A -1,92%

U3A 74,20%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,04%

U2A 11,16%

U3A 10,97%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 24,13%

U2A 19,61%

U3A 18,06%

U4A 22,35%

U5A 10,30%

U6A 10,44%

U7A 10,69%

U8A 9,25%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 51,85

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -4,5%

356764 - marcosvinicius2 -  12 Dez 2018, 13:34
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA = No 3T18, a receita operacional líquida, a qual considera a receita de construção, totalizou R$ 3.810,8 milhões, um acréscimo de 7,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os custos e despesas, que consideram os custos de construção, totalizaram R$ 2.719,2 milhões, um acréscimo de 13,0% quando comparados ao mesmo período do ano anterior. O EBIT ajustado, no montante de R$ 1.092,1 milhões, diminuiu 3,5% em relação aos R$ 1.131,8 milhões apresentados no 3T17.; EBITDA = O EBITDA ajustado, no montante de R$ 1.434,6 milhões, diminuiu 1,5% em relação aos R$ 1.456,3 milhões apresentados no 3T17 (R$ 5.610,3 milhões nos últimos 12 meses).A margem EBITDA ajustada do 3T18 foi de 37,6%, ante 41,2% no 3T17 (36,9% nos últimos 12 meses). Desconsiderando os efeitos da receita e do custo de construção a margem EBITDA ajustada resulta em 46,0% no 3T18 (50,9% no 3T17 e 45,3% nos últimos 12 meses).; Custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção Custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção tiveram um acréscimo de R$ 313,3 milhões no 3T18 (13,0%). Desconsiderando os custos de construção, houve um acréscimo de R$ 299,9 milhões (17,5%). A participação dos custos, despesas administrativas e comerciais e custos de construção na receita líquida foi de 71,4% no 3T18, ante 68,0% no 3T17:

SBSP3
PREÇO: R$ 28,23
PAYOUT (2017): 18,61%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 5,02
P/VPA 1,03
PSR 0,75
DY 3,71%
EV/EBITDA 4,32
MARGEM BRUTA 40,35%
MARGEM OPERACIONAL 21,29%
MARGEM LÍQUIDA 14,92%
LUCRO POR AÇÃO R$ 5,628
MARGEM EBITDA 33,22%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 113,52%
ROE 20,48%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,33

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 78,16%
RESULTADO BRUTO 87,25%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -1709,87%
RESULTADO OPERACIONAL 39,16%
RESULTADO LÍQUIDO 34,81%
EBITDA 68,03%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,76%
RESULTADO BRUTO 0,56%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -217,90%
RESULTADO OPERACIONAL -36,94%
RESULTADO LÍQUIDO -37,24%
EBITDA -0,15%

c) lucro (taxa média anual)
UA 34,81%
U2A 25,02%
U3A 230,23%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,48%
U2A 11,21%
U3A 10,23%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 70,35
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -20% !!!!

rl_tri_bar.png

De acordo com o BALANÇO do 4T17 houve um RESULTADO NÃO RECORRENTE desta forma utilizaremos o resultado dos U9M ANUALIZADO (indicado abaixo) para retratar melhor a condição da empresa:

SBSP3
PREÇO: R$ 28,23
PAYOUT (2017): 35,05%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,90
P/VPA 1,03
PSR 1,29
DY 3,22%
EV/EBITDA 6,49
MARGEM BRUTA 40,94%
MARGEM OPERACIONAL 17,77%
MARGEM LÍQUIDA 11,87%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,590
MARGEM EBITDA 38,22%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 113,52%
ROE 9,42%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,33

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,00%
RESULTADO BRUTO 9,82%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -1685,30%
RESULTADO OPERACIONAL -32,86%
RESULTADO LÍQUIDO -37,97%
EBITDA 11,78%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 7,76%
RESULTADO BRUTO 0,56%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -217,90%
RESULTADO OPERACIONAL -36,94%
RESULTADO LÍQUIDO -37,24%
EBITDA -0,15%

c) lucro (taxa média anual)
UA -37,97%
U2A -15,20%
U3A 154,94%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,48%
U2A 11,21%
U3A 10,23%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 32,38
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,10% !!!!
[...]

355962 - paulo_prof  -  16 Nov 2018, 12:48
O aumento de quase 8% na Receita Líquida foi quase todo "perdido" na redução da margem bruta (de 42,1% para 39,3%). O Resultado Financeiro ainda desfavorável (boa parte do endividamento é em dolar e a empresa não faz o hedge cambial), fez o resto do serviço! Pelo 2o. trimestre consecutivo, houve queda no Lucro.

Embora a taxa de crescimento do lucro líquido nos últimos 12 meses tenha sido negativa em 32%, acredito que tenha sido circunstancial, uma vez que o Ebitda cresceu 10%. Creio que num cenário de estabilidade cambial, a margem de lucro se recupere. Um outro indicador que parece indicar que o ativo está barato é o EV/EBITDA, especialmente considerando que o Ebitda deverá crescer. O preço atual pode ser uma oportunidade de entrada no ativo, já que o 4T18 deverá ser amplamente favorável.

SBSP3

PREÇO: R$ 27,84

PAYOUT (2017): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,81

P/VPA 1,01

PSR 1,25

DY 2,85%

EV/EBITDA 5,72

MARGEM BRUTA 40,6%

MARGEM OPERACIONAL 15,2%

MARGEM LÍQUIDA 12,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,838

MARGEM EBITDA 36,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 88,8%

ROE 10,33%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,33



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,01%

RESULTADO BRUTO +10,97%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL -41,50%

RESULTADO LÍQUIDO -32,01%

EBITDA +10,34%



b) 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,76%

RESULTADO BRUTO +0,56%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO O3PERACIONAL -58,73%

RESULTADO LÍQUIDO -37,24%

EBITDA -1,49%



c) lucro (taxa média anual)

UA -32,01%

U2A -11,21%

U3A 162,86%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,48%

U2A 11,21%

U3A 10,23%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 10,34%

U2A 13,96%

U3A 16,86%

U4A 12,11%

U5A 7,59%

U6A 7,89%

U7A 8,84%

U8A 7,26%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 35,47

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,5%

352803  - paulo_prof  -  14 Ago 2018, 02:36
O resultado do 2T foi fortemente impactado pela variação cambial (parte considerável do endividamento é em moeda estrangeira). Da mesma forma que o resultado financeiro no 2T18 foi de R$ 837 milhões negativos, no 3T17 foi de R$ 223 milhões positivos. Nos ultimos 12 meses, o Resultado Financeiro foi 9,3% do endividamento liquido médio, o que é bastante razoável.

A consequência do castigo que o ativo levou do mercado, foi ter ficado barato se considerado os fundamentos, especialmente a evolução do ebitda.

SBSP3

PREÇO: R$ 25,59

PAYOUT (2017): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses699 milhõesss

P/L 7,69

P/VPA 0,96

PSR 1,17

DY 3,63%

EV/EBITDA 5,47

MARGEM BRUTA 41,3%

MARGEM OPERACIONAL 20,9%

MARGEM LÍQUIDA 15,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,329

MARGEM EBITDA 37,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 88,6%

ROE 12,49%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,22



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,64%

RESULTADO BRUTO +10,42%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +316,64%

RESULTADO OPERACIONAL -10,12%

RESULTADO LÍQUIDO -9,95%

EBITDA +13,42%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,08%

RESULTADO BRUTO +21,28%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 192,72%

RESULTADO O3PERACIONAL -50,98%

RESULTADO LÍQUIDO -45,18%

EBITDA+29,76%



c) lucro (taxa média anual)

UA -9,95%

U2A 31,94%

U3A 42,98%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,13%

U2A 12,12%

U3A 9,18%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 13,42%

U2A 20,40%

U3A 18,85%

U4A 9,97%

U5A 8,47%

U6A 8,41%

U7A 9,09%

U8A 8,00%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 41,61

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,5%

351071  - Ricardo Borges -  11 Jun 2018, 20:56
http://www.ricardoborges.com/noticias.htm

Comentários sobre resultados (ALPA3, SBSP3, MDIA3, BRSR6, BRAP4) e outras notícias

SABESP (SBSP3) - Com P/L de 6,8 e P/VPA de 0,9 (Fonte: Guiainvest), as ações estão atraentes para se comprar em movimentos de correção técnica dos preços..

Ativo_704_LucroLiquido_12M_180611090246_

Fonte: guiainvest.com.br

"A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) teve lucro líquido de R$ 580,431 milhões no primeiro trimestre deste ano, uma redução de 13,92% sobre o lucro de R$ 674,362 milhões no mesmo período de 2017. As informações constam das demonstrações financeiras enviadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta quinta-feira.

O resultado antes do resultado financeiro e dos impostos (Ebit, na sigla em inglês) ficou em R$ 1,082 bilhão de janeiro a março deste ano, 4,90% acima do R$ 1,032 bilhão do mesmo período de 2017.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 193,9 milhões no trimestre inicial deste ano, ante resultado financeiro positivo de R$ 3,7 milhões em igual período de 2017." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:

http://www.valor.com.br/empresas/5518045/lucro-da-...

Para quem desejar acompanhar as notícias econômicas e financeiras dos principais jornais nacionais:

http://www.ricardoborges.com/manchetes.htm

348566 - paulo_prof  -  30 Mar 2018, 01:08
O Resultado do 4T17 foi impactado por um Resultado Financeiro mais negativo do que seria normal, devido a desvalorização cambial. No exercício, o Resultado Financeiro também impacto a última linha. Em 2016, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 699 milhões. Em 2017, o Resultado Financeiro foi negativo em R$ 458 milhões, ou seja, uma diferença de R$ 1,157 bilhões. Isto explica as involuções dos Resultados Antes do IR/CS e Líquido no Exercício.

O total de m3 faturados, de água e esgoto aumentou 4,3% em 2017, em relação a 2016. Embora a Receita Operacional Bruta tenha aumentando 9,9% no exercício, a Receita de Construção diminuiu 15,6%. Na soma das duas receitas e dedução dos impostos, a Receita Líquida aumentou somente 3,6%. Mas como os custos foram menores, especialmente aqueles de construção, O Resultado Bruto avançou 14,6% na base anual.

As Despesas Operacionais Líquidas aumentaram 12,8%, ou seja, menos do que o Resultado Bruto.

Em consequência, os Resultados Antes dos Impostos e Líquido devem ser considerados bastante bons e isto foi confirmado pela evolução do ebitda.

O que não entendi foi a reação do mercado relativa a proposta de reajuste de 4,77% a partir de abril, depois que as tarifas foram reajustadas em 7,88% em novembro do ano passado. Considerando a inflação desde novembro não me parece tão mal assim.

Suspeito que o ativo esteja barato.

SBSP3

PREÇO: R$ 35,00

PAYOUT (2017): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses699 milhõesss

P/L 9,50

P/VPA 1,37

PSR 1,64

DY 2,94%

EV/EBITDA 8,61

MARGEM BRUTA 39,9%

MARGEM OPERACIONAL 24,0%

MARGEM LÍQUIDA 17,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,686

MARGEM EBITDA 29,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 85,8%

ROE 14,39%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,96



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,62%

RESULTADO BRUTO +14,63%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL -15,15%

RESULTADO LÍQUIDO -14,52%

EBITDA +15,26%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,41%

RESULTADO BRUTO +20,0%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO O3PERACIONAL -41,63%

RESULTADO LÍQUIDO -35,30%

EBITDA +15,30%



c) lucro (taxa média anual)

UA -14,52%

U2A 116,74%

U3A 40,78%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,27%

U2A 10,93%

U3A 7,49%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 15,26%

U2A 15,14%

U3A 21,76%

U4A 7,09%

U5A 7,89%

U6A 8,59%

U7A 7,28%

U8A 8,51%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 46,07

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -6,0%

344138  - paulo_prof   -  19 Nov 2017, 12:24
Resultados Operacionais, bastante bons, dentro do esperado. A menor receita liquida na comparação trimestral foi devida à menor Receita de Construção. A Receita Operacional Bruta, desconsiderados os Custos de Construção, aumentou 5,1%. Os custos, desconsideradas as depesas de construção, aumentaram 14%, de modo que o resultado bruto foi menor em 1,3%. As despesas operacionais reduziram 30%, de R$ 445 milhões para R$ 343 milhões, embora tivesse ocorrido um acréscimo de R$ 331 milhões nas obrigações previdenciárias. A compensação se deu principalmente nas rubricas relativas a Serviços (diferença de aprox. R$ 60 milhões) e despesas de PDD (diferença de aprox. R$ 125 milhões).

Devido à valorização do real, o Resultado Financeiro foi positivo em R$ 223 milhões, impactando fortemente o resultados antes dos impostos e lucro. A geração de caixa, medida pelo ebitda, evoluiu 8,9%.

Na minha estimativa, num cenário de estabilidade cambial acho que a empresa é capaz de gerar um lucro líquido anual na faixa dos R$ 2,5 bilhões. Em consequência, parece que o ativo está barato.

SBSP3

PREÇO: R$ 31,00

PAYOUT (2016): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,43

P/VPA 1,23

PSR 1,46

DY 3,76%

EV/EBITDA 6,75

MARGEM BRUTA 38,4%

MARGEM OPERACIONAL 27,3%

MARGEM LÍQUIDA 19,7%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,175

MARGEM EBITDA 35,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 88,2%

ROE 16,53%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,10



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +14,48%

RESULTADO BRUTO +43,59%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -75,78%

RESULTADO OPERACIONAL +6,12%

RESULTADO LÍQUIDO +15,95%

EBITDA +17,70%



b) 3T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,59%

RESULTADO BRUTO -1,32%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO O3PERACIONAL +54,42%

RESULTADO LÍQUIDO +56,92%

EBITDA +8,88%



c) lucro (taxa média anual)

UA 15,95%

U2A 416,85%

U3A 24,97%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,94%

U2A 9,60%

U3A 6,60%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 52,56

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13,0%

337936  - paulo_prof   -  16 Mai 2017, 02:30
Os múltiplos podem sugerir compra, mas há detalhes que devem acender a luz amarela:

a) os meus cálculos mostram que haveria uma gordura de R$ 550 milhões (18%) no lucro anual, devida a valorização do real;

b) embora em nível ainda aceitável (alavancagem menor do que 3 vezes o ebitda anual), o endividamento líquido é alto;

c) como uma alavancagem muito alta impede uma aceleração dos investimentos, é possível que a Diretoria decida promover um aumento de capital via subscrição;

d) quase 50% do endividamento financeiro bruto (excluídas obrigações previdenciárias) é denominado em moeda estrangeira ... como o endividamento em moeda estrangeira não é "hedgeado", uma desvalorização do real fará um estrago considerãvel!!!

SBSP3

PREÇO: R$ 30,25

PAYOUT (2016): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 6,91

P/VPA 1,28

PSR 1,41

DY 4,04%

EV/EBITDA 6,72

MARGEM BRUTA 37,6%

MARGEM OPERACIONAL 28,7%

MARGEM LÍQUIDA 20,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,378

MARGEM EBITDA 34,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 93,4%

ROE 18,60%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,91



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +19,22%

RESULTADO BRUTO +43,59%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +602,78%

RESULTADO LÍQUIDO +449,55%

EBITDA +15,03%



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +20,57%

RESULTADO BRUTO +21,16%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +198,47%

RESULTADO LÍQUIDO +253,37%

EBITDA +42,35%



c) lucro (taxa média anual)

UA 253,37%

U2A 100,62%

U3A 16,25%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,30%

U2A 6,95%

U3A 7,69%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 56,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -15,5%

337913  - TraderCenter  -  15 Mai 2017, 21:28
Análise Fundamentalista - Lupa Mercantil
Salve Galera ADVFN!! Estou compartilhando alguns dos últimos resultados positivos divulgados na nossa BOVESPA!!

Boa semana a todos, abraços!!
[...]
A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) teve lucro líquido de R$ 674,4 milhões no primeiro trimestre, alta de 7,3% sobre o mesmo período de 2016.

A empresa informou que o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,353 bilhão entre janeiro e março, crescimento de 49,1 % na comparação anual.

Sua receita operacional líquida totalizou R$ 3,558 bilhões no trimestre janeiro-março deste ano, o que representou crescimento de 17,5% ante a receita líquida de R$ 3,027 bilhões apurada no mesmo período do ano passado.

A companhia elevou em 5,5% seus custos, despesas administrativas, comerciais e de construção no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2016, de R$ 2,406 bilhões para R$ 2,539 bilhões.
[...]

336085 - paulo_prof  -  28 Mar 2017, 17:58
Mesmo considerando que o resultado de 2016 foi amplamente beneficiado pela receita cambial obtida via endividamento em dólar (aprox. 25% do lucro postado), o ativo me parece barato prá caramba!

Há que se ler com atenção o relatório para entender como no exercício de 2016 a empresa foi capaz de obter um aumento da Receita Líquida tão acima da inflação. Se foi somente devido à uma mão pesada no aumento das tarifas, ou se de fato houve uma explosão do consumo (tipo, quem não tomou banho na crise, agora está tirando a diferença ... kkkkk). Noutras palavras, há que se avaliar qual será o espaço para aumentar a receita e eficiência nos próximos exercícios.

Em minha planilha, considero a exposição aos encargos previdenciários (que no caso da Sabesp são consideráveis, aprox. 21,5% do endividamento bruto total) como dívida. Mesmo assim, a relação entre o endividamento líquido e o ebitda anual, 2,92, não é exagerada.

SBSP3

PREÇO: R$ 31,75

PAYOUT (2016): 27,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,36

P/VPA 1,41

PSR 1,54

DY 3,79%

EV/EBITDA 7,67

MARGEM BRUTA 36,1%

MARGEM OPERACIONAL 29,3%

MARGEM LÍQUIDA 20,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 4,312

MARGEM EBITDA 32,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 98,8%

ROE 19,11%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,89



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +20,38%

RESULTADO BRUTO +8,94%7,364

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +602,78%

RESULTADO LÍQUIDO +449,55%

EBITDA +15,03%



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +20,57%

RESULTADO BRUTO +21,16%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +63,15%

RESULTADO LÍQUIDO +105,43%

EBITDA +26,32%



c) lucro (taxa média anual)

UA 449,55%

U2A 80,66%

U3A 15,28%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,59%

U2A 5,64%

U3A 7,88%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 55,28



Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13,5%

335911  - marcosvinicius2 -  23 Mar 2017, 13:25
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T07 X 2T07 E 4T12 X 1T13 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
No 3T16, a receita operacional líquida, a qual considera a receita de construção, totalizou R$ 3,7 bilhões, um acréscimo de 17,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os custos e despesas, os quais consideram os custos de construção, totalizaram R$ 2,7 bilhões, um acréscimo de 4,9% quando comparados ao 3T15. O EBIT ajustado, no montante de R$ 1.057,3 milhões, aumentou 67,3% em relação aos R$ 631,9 milhões apresentados no 3T15.

SBSP3
PREÇO: 31,00
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,61
P/VPA 1,36
PSR 1,58
DY 0,00%
EV/EBITDA 8,54
MARGEM BRUTA 36,14%
MARGEM OPERACIONAL 27,67%
MARGEM LÍQUIDA 18,32%
LUCRO POR AÇÃO 3,601
MARGEM EBITDA 32,70%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 114,40%
ROE 15,85%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,83

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 18,56%
RESULTADO BRUTO 58,36%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -116,81%
RESULTADO OPERACIONAL -3596,43%
RESULTADO LÍQUIDO 2203,94%
EBITDA 20,21%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 17,17%
RESULTADO BRUTO 61,31%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -88,51%
RESULTADO OPERACIONAL -203,93%
RESULTADO LÍQUIDO -198,92%
EBITDA 40,35%

c) lucro (taxa média anual)
UA 2203,94%
U2A 29,74%
U3A 5,46%

d) patrimônio líquido médio
UA 8,29%
U2A 4,50%
U3A 6,94%

O EBITDA ajustado, no montante de R$ 1.337,5 milhões, aumentou 48,1% em relação aos R$ 903,2 milhões apresentados no 3T15 (R$ 4.319,6 milhões nos últimos 12 meses). A margem EBITDA ajustada passou de 28,3% no 3T15 para 35,7% no 3T16 (32,2% nos últimos 12 meses). Desconsiderando os efeitos da receita e do custo de construção a margem EBITDA ajustada resulta em 49,6% no 3T16 (40,4% no 3T15 e 42,5% nos últimos 12 meses). No 3T16 houve um lucro de R$ 573,9 milhões, ante um prejuízo de R$ 580,1 milhões apresentado no 3T15.

3c4510ef34.png

3c46798431.png

Salários, encargos e benefícios e Obrigações previdenciárias = No 3T16 ocorreu um decréscimo de R$ 259,7 milhões, devido especialmente a: Decréscimo de R$ 307,4 milhões devido à migração de 3.572 participantes do Plano de Benefício Definido• (G1) para o Plano de Contribuição Definida (Sabesprev Mais), gerando uma redução antecipada de R$ 334,2 milhões no déficit atuarial, compensado pela contribuição extraordinária e incentivo de R$ 26,8 milhões. O decréscimo acima foi parcialmente compensado pelos seguintes fatores: Aumento de R$ 24,1 milhões ocasionado pelo reajuste salarial de 10,03%, ocorrido em maio de 2016;• Aumento de R$ 13,7 milhões nas provisões para verbas rescisórias (TAC); e• Aumento de R$ 8,8 milhões nas provisões com pagamentos complementares às aposentadorias e pensões• do Plano G0, em função de mudanças nas premissas atuariais.

325981  - paulo_prof   -  14 Ago 2016, 20:46
O resultado da Sabesp no 2T16 e no 1S16 foi turbinado pela variação cambial de seu endividamento em moeda estrangeira: nada menos do que aprox. 35% do lucro do 2T16 e aprox. 42% do lucro do 1S16!!!

Em consequência, em minha opinião, o mercado está sobrevalorizando o ativo, considerados exclusivamente seus fundamentos. Se, em vez da última linha, focarmos na geração de caixa medida pelo Ebitda, observamos que, considerados os últimos 12 meses, EV/EBITDA = 7,86 ... bastante esticado!

SBSP3
PREÇO: R$ 29,46
PAYOUT (2015): 28%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 15,41
P/VPA 1,33
PSR 1,56
DY 1,81%
EV/EBITDA 7,86
MARGEM BRUTA 33,2%
MARGEM OPERACIONAL 15,3%
MARGEM LÍQUIDA 10,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,912
MARGEM EBITDA 30,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 77,9%
ROE 8,64%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,84

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +17,59%
RESULTADO BRUTO +44,26%
RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo
RESULTADO OPERACIONAL +119,26%
RESULTADO LÍQUIDO +67,91%
EBITDA +15,80%

b) 2T16 vs 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +21,81%
RESULTADO BRUTO +63,28%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +139,86%
RESULTADO OPERACIONAL +89,46%
RESULTADO LÍQUIDO +136,44%
EBITDA +47,66%

c) lucro (taxa média anual)
UA 67,91%
U2A -15,85%
U3A -13,00%

d) patrimônio líquido médio
UA 3,53%
U2A 4,88%
U3A 6,78%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 19,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +11,0%

325997  - TraderCenter  -  15 Ago 2016, 15:58
A estatal paulista de saneamento, Sabesp, reportou lucro líquido de R$ 797,5 milhões no segundo trimestre deste ano, conseguindo mais que dobrar os R$ 337,3 milhões vistos no mesmo período de 2015.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) registrou lucro líquido de R$ 797,5 milhões no segundo trimestre de 2016, montante 2,36 vezes maior que os R$ 337,3 milhões contabilizados no mesmo intervalo de 2015 (crescimento de 136,4%).

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado entre abril e junho desse ano ficou em R$ 1,117 bilhão, alta de 47,6% na comparação com o segundo trimestre do ano passado, quando o indicador ficou em R$ 756,6 milhões. A margem Ebitda ajustada ficou em 32,5%, ante margem Ebitda ajustada de 26,8% há um ano.

De janeiro a julho de 2015, em meio à crise hídrica, a Sabesp registrou um lucro líquido de R$ 655,5 milhões. Um ano depois, o valor acumulado no período foi de R$ 1,4 bilhões, um aumento de 117%. Nos últimos três meses, a receita da empresa subiu 21,8% em comparação com 2015.LUPA MERCANTIL - ANÁLISE FUNDAMENTALISTA

319503  - TraderCenter  -  28 Mar 2016, 23:20
O lucro líquido da Sabesp (SBSP3) cresceu 1.367% no quarto trimestre de 2015 para R$ 460,9 milhões. No entanto, em todo o ano de 2015 a companhia viu seu resultado líquido cair 40,6%, para R$ 536,27 milhões.


A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) anunciou na madrugada desta sexta-feira lucro líquido de R$ 460,9 milhões no quarto trimestre de 2015, alta de 1.369% ante o resultado de R$ 31,4 milhões registrado no mesmo período de 2014. No ano passado, a empresa entregou lucro de R$ 536,3 milhões, queda de 40,6% em relação ao resultado do ano anterior.

Jerson Kelman, diretor presidente da Sabesp, destaca, em relatório que acompanha as demonstrações financeiras da companhia, que o biênio 2014-2015 foi marcado por condições hidrologicamente adversas e pela pior seca registrada na história da região metropolitana de São Paulo. No entanto, a participação da população na economia de água, conforme ele, evitou uma convulsão social e a Sabesp sai dessa crise fortalecida.

"Mesmo que se repitam condições hidrologicamente tão adversas quanto a vivenciada no biênio 2014-2015, a segurança hídrica estará integralmente garantida quando outras três obras estiverem concluídas: Bacia do Rio Ribeira, Bacia do Rio Paraíba do Sul e Bacia do Rio Itapanhaú", ressalta Kelman, no documento.


A Sabesp (SBSP3), que vem sendo beneficiada pela recuperação dos seus reservatórios depois de ter sofrido um colapso em 2014, teve nesta segunda-feira (28) mais um motivo para comemorar. A empresa revelou um lucro de R$ 461 milhões no 4° trimestre de 2015, resultado quase 15 vezes superior ao registrado no mesmo período do ano anterior. Em resposta, as ações da companhia sobem 2,77% na Bolsa nesta sessão, a R$ 23,74, segundo cotação das 13h35 (horário de Brasília). Na máxima do dia, atingiram alta de 3,68%, a R$ 23,95.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 957,2 milhões nos três últimos meses de 2015, alta de 91,9% em relação aos R$ 498,7 milhões apresentados no mesmo intervalo de 2014. A margem Ebitda ajustada entre outubro e dezembro do ano passado ficou em 29,7% ante indicador de 17,5% identificado um ano antes.

No ano de 2015, o Ebitda ajustado totalizou R$ 3,974 bilhões, alta de 36,2% em relação ao resultado de 2014, de R$ 2,919 bilhões. A margem Ebitda ajustada ficou em 33,9%, ante margem de 26,0% em 2014.

A receita operacional líquida da Sabesp, que considera a receita de construção, totalizou R$ 3,223 bilhões no último trimestre de 2015, cifra que representa elevação de 13,3% em relação aos R$ 2,844 bilhões do mesmo período do ano anterior. Em 2015, o ganho foi de R$ 11,712 bilhões, expansão de 4,4% na base anual.

O resultado financeiro da Sabesp ficou negativo em R$ 86,7 milhões no quarto trimestre de 2015, mas foi menor que os R$ 304,0 milhões registrados um ano antes. Em 2015, ficou negativo em R$ 2,457 bilhões, também maior que o do ano anterior, quando foi registrado resultado negativo de R$ 635,9 milhões.

Mesmo com o anúncio feito pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) de que a crise hídrica em São Paulo é uma "questão resolvida", a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) não vai pedir revisão, em 2016, da tarifa "extra" cobrada na conta de água por causa da seca. O presidente da empresa, Jerson Kelman, disse ao G1 que a Sabesp fatura 18 metros cúbicos por segundo a menos, desde o início da estiagem. Um balanço para investidores também apontou queda de 40,6% no lucro líquido da empresa em 2015

Em maio do ano passado, a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) autorizou reajuste de 15,24% nas tarifas da Sabesp. A revisão tarifária extraordinária - para compensar as perdas por causa da crise hídrica e gastos com energia elétrica mais cara - representou 6,91% desse total. O restante foi para compensar a inflação. Em 2014, já havia sido aplicado reajuste foi de 6,49%.

A revisão extraordinária é diferente da multa para quem aumentou o consumo de água - esta deverá ser extinta, assim como o bônus para quem economizou.

Segundo Kelman, 2016 é um ano de reajuste da tarifa e a empresa discute com a Arsesp questões que ficaram pendentes nas revisões anteriores. A companhia, ainda de acordo com o presidente, não vai colocar em debate a taxa "extra" por causa da crise hídrica.

"São direitos da concessionária. Nós não diminuímos número de funcionários, número de carros, os custos fixos permanecem. As tubulações têm que chegar na casa de todo mundo, mesmo se o consumo for menor. As razões que nos motivaram a solicitar a revisão tarifaria extraordinária em abril de 2015 permanecem, porque de fato o consumo está reduzido, e isso não é mal, isso de fato deve ser comemorado. Esses temas [sobre a revisão extraordinária] serão discutidos na ocasião da revisão de abril de 2017", completou.

Para Maria Inês Dolci, coordenadora da Proteste, a revisão deste ano deve ser feita considerando que no ano passado já houve esse aumento extraordinário. "Se a crise acabou, isso deveria considerado agora no reajuste para o consumidor”. Ela critica também a adoção da multa para quem gastou acima da média durante o período de crise.

Para Carlos Thadeu de Oliveira, gerente técnico do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), o novo reajuste a ser aplicado neste ano deverá levar em conta que já foi feito um ajuste no ano passado. "A Sabesp não poderá mais repassar a totalidade do aumento de energia elétrica, que normalmente vem embutido em índices de inflação", diz. Ele defende ainda que a manutenção do bônus seria prudente até o próximo verão.

A crise hídrica impactou os lucros da Sabesp pelo segundo ano seguido em 2015, e a companhia projeta cortar pela metade novamente os investimentos nos serviços de água e esgoto previstos para 2016. É o que aponta do balanço divulgado na sexta-feira (25) pela empresa, em uma página voltada a investidores.

O relatório mostra que a companhia teve lucro líquido de R$ 536,3 milhões em 2015, 40,6% menos que os R$ 903 milhões do ano anterior. O desempenho é bem inferior ao de anos anteriores à seca, como 2012 e 2013, quando a companhia lucrava mais de R$ 1,9 bilhão.
No balanço, a Sabesp informa ainda que pretende reduzir os investimentos em 48,3% em 2016.

No total, está previsto R$ 1,8 bilhão para os serviços de água, tratamento e coleta de esgoto, número inferior ao de 2015 - aproximadamente R$ 3,4 bilhões. No início de 2015, a Sabesp já havia anunciado um corte de cerca de metade dos investimentos previstos.

Os reajustes não conseguiram livrar a Sabesp da queda no lucro líquido. A empresa comemora, porém, o aumento da receita operacional líquida, que ficou em R$ 11,7 bilhões em 2015, um acréscimo de 4,4% em relação a 2014. Já os custos e despesas, sinalizados no relatório com uma seta verde indicando desempenho positivo, caíram 5,2%.

Os impactos da crise hídrica aparecem em diversos pontos do balanço. O volume de água produzido pela Sabesp caiu 13,1% em 2015, assim como o volume efetivamente faturado nas contas, que caiu 8%. Outro número destacado pela Sabesp foi a concessão de R$ 926,1 milhões em bônus em 2015, o que ocasionou perda de 6,2% na receita operacional bruta.

Isso possivelmente explica outro comunicado divulgado pela Sabesp, no qual a empresa informa que solicitou à Arsesp o cancelamento do programa de bônus e multas na conta de água. O objetivo da empresa é acabar com o bônus para quem economiza e com a multa para os gastões a partir de maio. A solicitação feita à Arsesp também foi informada em página da Sabesp voltada aos acionistas da companhia.
http://lupamercantil.blogspot.com/

174866 - paulo_prof -  22 Mar 2013, 16:53
SBSP3
PREÇO R$ 90,86

P/L 10,83
P/VPA 1,77
PSR 1,92
DY 2,58%
EV/EBITDA 7,73
MARGEM BRUTA 39,9%
MARGEM OPERACIONAL 23,7%
MARGEM LÍQUIDA 17,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 8,392
MARGEM EBITDA 33,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 77,6%
ROE 16,32%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,88

Taxas de Crescimento Nominal

a) exercício de 2012 vs 2011
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,18%
RESULTADO BRUTO +9,68%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -52,44%
RESULTADO OPERACIONAL 47,84%
RESULTADO LÍQUIDO 56%,28
EBITDA 12,19%

b) 4T12 vs 4T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 9,79%
RESULTADO BRUTO -4,90%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -182,71%
RESULTADO OPERACIONAL 77,01%
RESULTADO LÍQUIDO 55,25%
EBITDA 5,01%

c) lucro (taxa média anual)
UA 56,28%
U2A 8,29%
U3A 11,64%

d) patrimônio líquido médio
UA 10,17%
U2A 2,76%
U3A 1,19%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 104,90

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,0%

174728 - danieljoseaa -  22 Mar 2013, 03:15
SBSP3:

Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia anunciou lucro líquido de R$ 765,4 M no 4° trimestre de 2012, uma variação de 111,6% em relação ao 3° trimestre de 2012 e crescimento de 55,3% em relação ao 4° trimestre de 2011. A receita líquida totalizou R$ 3,0 B no 4T12, uma variação de 9,7% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e acréscimo de 10,1% em relação ao 4° trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 39,7% contra 41,3% no trimestre anterior e 41,6% no 4T11. Já a margem líquida ficou em 25,7% no 4° trimestre de 2012 contra 13,3% no trimestre ligeiramente anterior.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 26,5 B, acréscimo de 5,8% em relação ao saldo no quarto trimestre de 2011. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 11,7 B neste trimestre, o que representou uma variação de 11,1% em relação ao saldo no 4° trimestre de 2011.

Neste período, a ação oscilou 4,7% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 19,8 B contra R$ 11,4 B no 4° trimestre de 2011.

157197 - paulo_prof -  15 Nov 2012, 15:38
Sem dúvida ... mas no seu setor o termo de comparação é uma Sanepar ... fica difícil ...

SBSP3
PREÇO: R$ 84,50
PAYOUT (2011): 47,3%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses:
P/L 11,74
P/VPA 1,69
PSR 1,84
DY 4,03%
EV/EBITDA 7,34
MARGEM BRUTA 40,4%
MARGEM OPERACIONAL 20,4%
MARGEM LÍQUIDA 15,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 7,196
MARGEM EBITDA 33,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 75,5%
ROE 14,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,87

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 9M12 em relação aos Resultados dos 9M11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,6%
RESULTADO BRUTO +11,6%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -22,8%
RESULTADO OPERACIONAL +35,0%
RESULTADO LÍQUIDO +57,0%
EBITDA +15,3%

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 3T12 em relação aos Resultados dos 3T11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,6%
RESULTADO BRUTO +16,9%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -78,6%
RESULTADO OPERACIONAL +347,1%
RESULTADO LÍQUIDO +432,3%
EBITDA +10,6%

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal
a) do lucro líquido:
UA 25,60%
U2A 4,10%
U3A 167,82%

UA 9,62%
U2A 0,44%
U3A 1,07%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: -2,0%

157179 - aprendiz quebrado do professor -  15 Nov 2012, 13:20
Excelente resultado. Mais um caro danieljoseaa

Lucro da Sabesp aumenta 432% no 3º trimestre, para R$ 361,8 milhões

A Sabesp, companhias de água e saneamento do Estado de São Paulo, anunciou lucro líquido atribuível aos acionistas controladores de R$ 361,8 milhões no terceiro trimestre, aumento de 432% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Segundo as demonstrações financeiras divulgadas nesta quinta-feira pela empresa, a receita líquida alcançou R$ 2,71 bilhões entre julho e setembro, comparada com R$ 2,59 bilhões em igual período de 2011, registrando alta de 4,6%. No acumulado do ano, a receita atingiu 7,76 bilhões, ante R$ 7,22 bilhões na mesma base de comparação.

A empresa apontou como principais fatores responsáveis pelo crescimento da receita o impacto do reajuste tarifário de 6,83% aplicado em 2011 e o crescimento do volume faturado em 3,2% no total da companhia.

O Ebitda da Sabesp no período apresentou aumento de 10,8% no trimestre encerrado em setembro, alcançando R$ 902 milhões. A margem do resultado operacional subiu quase dois pontos percentuais, para 33,3%.

Segundo o balanço, os custos de produtos e serviços prestados, despesas administrativas e comerciais cresceram 2,3%, correspondente a R$ 45,5 milhões. A participação desse item nas receita líquida caiu de 75% no terceiro trimestre do ano passado para 73,4% neste ano.
(Ivo Ribeiro | Valor)

122252 - paulo_prof - 23/Mar/2012 22:50
SBSP3
PREÇO: R$ 67,11
PAYOUT (2011): 47,6%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L      12,50
P/VPA            1,45
PSR     1,54
DY      3,78%
EV/EBITDA  6,78
MARGEM BRUTA  39,3%
MARGEM OPERACIONAL          17,3%
MARGEM LÍQUIDA          12,3%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 5,370
MARGEM EBITDA 32,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       81,9%
ROE    11,60%
LIQUIDEZ CORRENTE     0,94

Taxas anuais média nominais de crescimento
a) do lucro líquido
UA      -24,96%         
U2A    -5,63%           
U3A    167,98%        

b) do patrimônio líquido médio
UA      -4,15%
U2A    -3,02%
U3A    0,55%

Taxa de crescimento anual média real do lucro líquido dos últimos 12 meses, durante 3 anos, necessária para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10% seja 50% superior ao preço atual: +25,5%

·  PERFIL DA EMPRESA:
-A Sabesp é uma empresa de economia mista responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 364 municípios do Estado de São Paulo. 
Desde 2002 a Sabesp possui ações negociadas nas Bolsas de Valores de São Paulo e Nova Iorque.
Em número de clientes, pode ser considerada como uma das maiores empresas de saneamento do mundo. São 27,1 milhões de pessoas atendidas, quase duas vezes a população da Bélgica. 
Para oferecer serviços de qualidade, mantém uma gigantesca estrutura e nos últimos cinco anos investiu aproximadamente R$ 5 bilhões.
De 2009 a 2013 serão investidos R$ 8,6 bilhões para manter os índices alcançados, ampliar a coleta e tratamento de esgotos e oferecer:
100% de água tratada
 90% de esgotos coletados
 88% de tratamento de esgotos
Novos rumos - Além dos serviços de saneamento básico no Estado de São Paulo, a Sabesp está habilitada a exercer atividades em outros Estados e países e atuar nos mercados de drenagem, serviços de limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e energia.
A Sabesp também ampliou sua plataforma de soluções ambientais. Assim, grandes clientes podem se beneficiar dos seus conhecimentos e da tecnologia para uso racional da água, destinação adequada dos esgotos e preservação do meio ambiente. 
   

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
04/12/11





SELIC
11,00%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
SBSP3
  49,40
8,6
1,09
9,4
4,1%
11,6%
0,8
14%
11,6%
24,1%

·  PONTOS POSITIVOS:
- No 3T11, a receita operacional líquida totalizou R$ 2,6 bilhões  ( +13% x 2T11 2,3 bilhões ), um crescimento de 10,1% em relação ao 3T10. 
- Os custos e despesas, no montante de R$ 1,3 bilhão ( -23%  x 2T11 R$ 1,7 bilhão  ) apresentaram um acréscimo de 10,4% em relação ao 3T10. 
- O LAJIR avançou 1,6%, passando de R$ 635,6 milhões no 3T10 para R$ 646,0 milhões no 3T11  ( +6,6% x2T11 603,8 milhõe ). 
- O LAJIDA passou de R$ 776,8 milhões no 3T10 para R$ 814,2 milhões no 3T11   ( +5% x 2T11  775,4 milhões  ), um aumento de 4,8%. 
- A margem LAJIDA no 3T11 atingiu 31,4%, comparativamente a 33,0% ( estável ) no mesmo período do ano anterior. 
- Com relação ao índice de perdas, que fechou em 25,7% ( 26% 2T11 ) comparativamente a 26% no mesmo período do ano anterior,  
- Cabe destacar a evolução do número de ligações por empregado a qual passou de 852 no 3T10 para 876 no 3T11, uma evolução de 2,8% no período.
    
·  PONTOS NEGATIVOS
- Variação cambial sobre empréstimos e financiamentos externos, no valor de R$ 544,9 milhões ( -51M 2T11 ) decorrente da valorização de 18,8% do dólar norte americano no 3T11 ante uma desvalorização de 6,0% no 3T10VISÃO ESTRATÉGICA
-   
·  CURIOSIDADES      

·  OPINIÃO DO ANALISTA

- Boa empresa, tem um caráter mais defensivo e crescimento relacionado ao aumento populacional. Efeito do aumento da dívida em dólar não caixa foi a única ressalva negativa no balanço e se olharmos os outros indicadores, veremos uma empresa bem equilibrada, liquida, com baixo endividamento, pagadora de bons dividendos e com boa margem de segurança. Como acionista, gostei do balanço, vem trabalhando para reduzir as perdas e o valor da empresa se reflete no atual nivel de cotações.   

102162 - paulo_prof - 12/Nov/2011 22:07
SBSP3
Resultados dos últimos 9 meses em relação a igual período de 2010:

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,5%
RESULTADO BRUTO +-6,2%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +86,7%
RESULTADO OPERACIONAL -28,2%
RESULTADO LÍQUIDO -30,8%
EBITDA +41,2%

Crescimento do Patrimônio Líquido em 12 meses: -7,2% (efeito IFSR)

Multiplicadores relativos aos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 49,28
PAYOUT: 28%
P/L         8,60
P/VPA  1,09
PSR        1,16
DY          3,25%
EV/EBITDA         5,70
MARGEM BRUTA            39,8%
MARGEM OPERACIONAL            18,8%
MARGEM LÍQUIDA         13,5%
LUCRO POR AÇÃO          R$ 5,729
MARGEM EBITDA           32,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO                84,2%
ROE       12,62%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,24

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA         -13,71%              
U2A       291,08%              
U3A       10,29%

b) do patrimônio líquido médio (efeito IFSR)
UA         -7,98%
U2A       -2,95%
U3A       -0,36%

Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido durante 3 anos necessária para um preço justo 50% maior do que a cotação anual (perpetuidade de 0% real; taxa de desconto anual real de 10%): +10%

Análise Coin Valores
A SABESP é uma das maiores prestadoras de serviços de água e esgoto do mundo com base no
número de clientes. Está presente em 364 dos 645 municípios do Estado de São Paulo, atendendo a 23,6 milhões de pessoas com água, que representam aproximadamente 60% da população urbana do Estado de São Paulo, e 19,9 milhões de pessoas com esgoto. A Sabesp também fornece água tratada no atacado para sete municípios com população total estimada em 3,6 milhões de pessoas. As importantes transformações na regulação do setor de saneamento, ocorridas em 2007, geraram novos desafios e oportunidades para a Sabesp. O novo marco regulatório consolidou a integração entre os investimentos da prestadora de serviços e as prioridades estabelecidas pelo titular dos serviços, tornou a prestação de contas mais efetiva e transparente, e aumentou a segurança para investimentos. A Sabesp está autorizada atuar fora do Estado de São Paulo e exterior. O escopo de serviços prestados pela Companhia ampliou e inclui prestação de serviços de drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, serviços de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, além de planejamento, operação e manutenção de sistemas de produção, armazenamento, conservação e comercialização de energia. A Companhia vem se estruturando para ampliar a base de sua atuação e, ao mesmo tempo, passar a ser uma empresa de soluções ambientais. A Sabesp está inserida no Novo Mercado da BM&FBovespa (100% de ações ordinárias) e NYSE, onde 49,7% das ações estão em negociação. Desde dezembro 2007 faz parte do Índice de Sustentabilidade da Bovespa – ISE.

RETROSPECTIVA 2010
Até setembro de 2010, a Sabesp obteve receita líquida de R$ 5,4 bilhões, um crescimento de 9,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. O LAJIDA dos nove primeiros meses de 2010 foi de R$ 2,4 bilhões e a margem de 45,5%. Em junho de 2010 a Sabesp assinou Contrato de Prestação de Serviços Públicos de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário com o Estado de São Paulo e o Município de São Paulo, com o objetivo de assegurar o direito de explorar a prestação dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário na Capital pelo prazo de 30 anos, renováveis por mais 30 anos. O contrato estabeleceu a ARSESP como responsável pelas funções de regulação, controle e fiscalização dos serviços. Até setembro/09 a Sabesp assinou 199 contratos com prazo de 30 anos em municípios onde opera, formalizando em torno de 67% da receita. Com relação aos empréstimos e financiamentos destacamos a assinatura do Contrato de Empréstimo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, para financiamento parcial do Programa de Despoluição do Rio Tietê – Etapa III. O Investimento será de US$ 800 milhões, sendo US$ 600 milhões de financiamento e US$ 200 milhões de contrapartida da Sabesp. No mês de outubro a Sabesp assinou contrato de empréstimo com a Japan International Cooperation Agency - JICA, para financiamento do Programa Integrado de Melhoria Ambiental na Área de Mananciais da Represa Billings (ProBillings). O investimento total é de ¥ 12.357 bilhões, sendo ¥ 6.208 bilhões de financiamento e ¥ 6.149 bilhões de contrapartida da Sabesp. O prazo total será de 25 anos, com 7 anos de carência com taxa de juros de 1,2% a.a..

PERSPECTIVA 2011


Para o ano de 2011, a Sabesp continuará avançando no seu programa de investimentos. O Capex projetado para o ano de 2011 é de R$ 1.753 milhões. Os principais projetos são: i) o Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água, com perspectiva de redução do índice de perdas dos atuais 26,0% para 20,0% em 2013; ii) Programa Onda Limpa que tem como objetivo aperfeiçoar e expandir os sistemas de esgoto nos municípios que formam a Região Metropolitana da Baixada Santista; iii) Projeto Tietê 3ª fase cujo objetivo é dar continuidade à melhoria da qualidade ambiental da bacia do Alto Tietê. Serão investidos cerca de US$ 1,05 bilhão com previsão de conclusão em 2010. No mês de outubro a Sabesp negociou com a JICA os termos do contrato de empréstimo complementar para o programa Onda Limpa fase II. O valor deste novo financiamento é de ¥ 19,162 bilhões de ienes, 18 anos de amortização e taxa de juros entre 1,8 a 2,5% a.a.. O próximo passo para formalização do contrato é aprová-lo na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. A Sabesp também está em negociação com a JICA no valor de ¥ 33,5 bilhões para financiamento para o Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água. As negociações estão avançadas, tendo inclusive comprometimento do governo japonês no seu orçamento. Com a finalização dessas captações, a Sabesp já terá contratado 100% dos financiamentos necessários para a realização do CAPEX projetado até 2013. Com relação à renovação de contratos, a Sabesp continuará negociando com os municípios onde opera e ainda não formalizou ou renovou contratos.

49605 - paulo_prof - 12/Out/2010 10:41
citação: palpitesacoesProf Paulo,
O que você acha em inverstir em sabesp?
Se os resultados do 1S10 forem anualizados, tem-se o seguinte:

SBSP3
Preço = R$ 39,41
Payout = 28,7%
P/L = 7,19
P/VPA = 0,81
PSR = 1,27
DY = 3,99%
EV/EBITDA = 4,87
ROE = 11,2%
Crescimento anual médio da Receita Líquida = 8,75%

CSMG3
Preço = R$ 27,60
Payout = 47,5%
P/L = 6,76
P/VPA = 0,82
PSR = 0,85
DY = 7,03%
EV/EBITDA = 5,68
ROE = 12,1%
Crescimento anual médio da Receita Líquida = 23,11%

Percebe-se que, excetuando o P/VPA (praticamente igual) e o EV/EBITDA, a CSMG3 tem o DY muito superior e os demais múltiplos levemente superiores.

Apresentar múltiplos superiores, entretanto, não é uma garantia de melhor performance no mercado.

Desde 30DEZ2008, a SBSP3 valorizou 58,3%. Desde 30DEZ2009, 15,2%.

Já a CSMG3 valorizou 67,7% desde 30DEZ2008 e desvalorizou -10,7% desde o final do ano passado.

Talvez, este seja um caso a ser decidido pelos poly-buzios. Com a minha conhecida avidez por proventos, a tendência seria por uma preferência a CSMG3. Recentemente, entretanto, em vez de aumentar a posição em CSMG3, resolvi apostar que o governo Beto Richa no Paraná colocará a SAPR4 nos eixos. Não tenho SBSP3.

SAPR4 (também baseado no 1S10)
Preço: R$ 2,99
Payout = 30,2%
P/L = 5,90
P/VPA = 0,57
PSR = 0,87
DY = 5,12%
EV/EBITDA = 3,20
ROE = 9,72%
Crescimento anual médio da Receita Líquida = 6,02%



Se a ação do novo governador resultar num aumento do ROE e do crescimento da receita líquida, SAPR4 poderá surpreender.

31686 - rfalvares - 29/Mar/2010 21:44
citação: paulo_prof
citação: rfalvaresProf Paulo, vc comentou que o balanço da Sabesp veio melhor que o da Copasa, mas vi que existiram muitos fatores não recorrentes para isto.
Sim ... o lucro líquido recorrente da Sabesp em 2009 foi de aprox. R$ 1 bilhão, o que daria, para o preço de hoje (R$ 31,65), P/L = 7,2 e P/VPA = 0,68, para um DY = 4%.
No meu modo de entender, além dos resultados recorrentes da CSMG terem sido melhores e o aumento do payout (de 32,8% para 47,5%) no exercício de 2010 dever servir para esclarecer qualquer dúvida.
A única vantangem que vejo na SBSP3 é que é uma ativo, digamos, com mais "grife" no mercado. É possível que esta diferença em grife faça o ativo ter uma melhor performance durante 2010 mesmo apresentando resultados inferiores.

29556 - neojr - 06/Mar/2010 18:22
Especial Ibovespa: ação da Sabesp é investimento atrativo para conservadores

Recomendar!Por: Naiara Thaísa I. Bertão

05/03/10 - 20h00

InfoMoney

SÃO PAULO – Por ser um papel defensivo e com um dividend yield acima da média de mercado, analistas veem os papéis da Sabesp (SBSP3) como boas alocações para investidores com perfil conservador.

Destacando essas duas características, a equipe de análise da Brava Investimentos colocou a empresa em sua carteira de dividendos para pessoas que queiram ficar entre um a dois anos alocadas no papel.

“Em primeiro lugar, ela é uma empresa defensiva no mercado. No ápice da crise, a Sabesp voltou a ser badalada porque é vista como uma boa composição de defesa diante de muita volatilidade, em especial, pra baixo”, coloca o time de analistas da gestora.

Para eles, grande parte desta defesa provém das características do próprio setor em que a Sabesp se insere. Por ser uma área regulada pelo governo, é mais fácil de fazer previsões sobre o futuro da companhia e estimar uma taxa média de crescimento para os próximos anos.

“A Sabesp tem mostrado taxas de crescimento constantes, pequenas, mas constantes e independentes do cenário econômico. Eu acredito que ela vai conseguir manter essas taxas de crescimento na divisão de água entre 2,5% e 3,5% sobre perpetuidade, e no segmento de saneamento, crescimento de 3,10% a 3,5%”, projeta a Brava.

Grande parte dessas estimativas é baseada nas próprias expectativas de elevação no número de brasileiros (crescimento populacional), assim como no próprio desenvolvimento urbano, com o aperfeiçoamento e expansão da rede de água e esgoto. “E como ela está melhorando suas despesas operacionais, seu fluxo de caixa, no futuro fica ainda mais fácil de calcular quanto o investidor receberá anualmente de dividendos da companhia e recomendar a empresa como uma boa pagadora”.

Dividendos

Listada no Novo Mercado da BM&F Bovespa, a Sabesp já teria como exigência a destinação de 25% de seu lucro ajustado (ao retirar as reservas legal, de capital e sobre o lucro) a seus acionistas minoritários. Porém, a equipe da Brava Investimentos conta que o diferencial da empresa nesse tópico se encontra justamente aí.

“A empresa dá em média um bônus extra de 5%, sendo que o dividend yield dela fica pouco acima de 30%, por algumas vezes ela ter sobra de caixa maior”, aponta a Brava, destacando que é um número acima da média de mercado.

Contudo, os analistas falam que o dividend yield dela não é superior ao de outras empresas de saneamento, mas que o mais importante no case de dividendos da Sabesp é sua previsibilidade.

“O melhor é que ela tem uma previsão de fluxo de caixa constante, o que dá para presumir que vai partilhar todo ano o mesmo nível de proventos dos outros anos e isso é interessante para o investidor quando ele pensa em fazer uma carteira de longo prazo – tanto uma conservadora como uma de dividendos”, comentam.

Pontos positivos

Na visão do analista Felipe Rocha, da Link Investimentos, a Sabesp pode se beneficiar de outra questão: a nova metodologia sobre reajustes de preços que está sendo discutida e deve levar em consideração os investimentos a serem feitos nos próximos anos, assim como custos e despesas.

“Fazendo a comparação com a metodologia vigente, ela deve proporcionar retornos [margens] maiores para a empresa nos próximos anos. A partir da implantação dessa metodologia, os próximos reajustes tenderiam a ser maiores do que aqueles que vêm sendo feitos. Esse deve ser um ano em que o assunto avance”, explica.

Além disso, o analista da Link fala que, em termos operacionais, a empresa é saudável e que sua situação de endividamento tem melhorado no último ano. “Um dos riscos importantes que víamos no ano passado é a questão da amortização de dívida da Sabesp, que vem avançando desde 2009”, explica Rocha.

Ele destaca a recente notícia de que a empresa vai emitir R$ 900 milhões em debêntures simples, com valor nominal de R$ 1 mil cada. Os recursos dessa oferta serão destinados a amortizar de forma antecipada as notas promissórias emitidas em dezembro, também no valor de R$ 900 milhões.

“Com isso, há um alongamento do perfil de dívida da companhia e um de seus principais riscos de investimentos – o montante de dívidas – é, pelo menos em parte, mitigado”, comenta o analista.

Ele comenta que a dívida líquida da empresa no terceiro trimestre foi de R$ 5,7 bilhões e que a empresa vem controlando sua situação e rolando os débitos aos poucos. “Vemos que ela está controlada”, falou.

Encaminhado

Na sua avaliação do case da empresa, a Link também leva em conta as recentes negociações com a prefeitura de São Paulo para a renovação do contrato de prestação de serviços em água e esgoto. “Ela deve assinar em breve o contrato com o município de São Paulo, que também era um risco para a companhia. São Paulo representa mais de 50% da receita da companhia. É um fato importante e muito positivo”, destaca.

Além disso, o analista fala que outro risco do case Sabesp – seu alto capex (plano de investimentos) – também é administrável. Ele explica que a empresa planeja investir até 2013 R$ 8,6 bilhões em sua rede atual.

Somente para o município de São Paulo, os planos são de universalizar os serviços até 2018, movimento que demanda grandes somas de dinheiro.

“Eles anunciaram que têm a intenção de financiar boa parte desses recursos. Além dessas debêntures que vão servir para rolar dívida em 2010, a Sabesp anunciou que o BNDES deve subscrever R$ 826 milhões em debêntures, mas voltado para investimento até 2011 os recursos deverão ser utilizados”, conta Rocha.

O analista destaca que essa é uma das vantagens da empresa – sua aproximidade e certa facilidade em conseguir recursos de órgãos multilaterias, que acabam emprestando a custos mais baratos.

A Link recomenda “outperform” (desempenho acima da média de mercado) para os papéis da Sabesp, com preço-alvo de R$ 42,50, um potencial de valorização de 38,8% em relação ao último fechamento (R$ 30,62).

Investimentos

Outro tópico que acaba influenciando o case de investimentos da Sabesp é sua política de investimentos. Como explica o analista da XP Investimentos, Willian Alves, por ser um setor regulado pelo governo e voltado à utilidade pública, a empresa nem sempre consegue conciliar sua necessidade com lucratividade.

“Como é uma empresa de saneamento básico, não necessariamente ela vai investir em projetos que sejam rentáveis, mas sim em projetos que sejam necessários para a população”, avalia.

Alves conta que na época em que a Sabesp divulgou seus planos de investimentos para os próximos anos, a empresa foi um pouco penalizada pelo mercado, com suas ações caindo. Isso se deu, segundo ele, porque o governador de São Paulo, José Serra, determinou um alto nível de investimentos no planejamento da empresa, o que desagradou acionistas interessados especialmente nos dividendos.

“Essas empresas tendem a gerar caixa, e essa geração pode ir tanto para investimentos, como para dividendos”, explica Alves. Com isso, se os recursos do caixa da companhia são alocados em investimentos ao invés de pagos em proventos e que, muitas vezes, nem mesmo são rentáveis, o movimento é mal visto pelos investidores.

Além disso, o analista da XP Investimentos também lembra que o clima desagradável também pode surgir quando uma expectativa de reajuste não é atendida. Ele lembra o caso da companhia de saneamento de Minas Gerais, a Copasa.

“No caso de Copasa, por exemplo, eles esperavam um reajuste entre 9% e 10% e foi aprovado um de apenas 3,9%, e o mercado acabou reagindo na ação por conta disso”, lembra.

“É sempre o conflito entre público e privado, de empresas que são do governo e tem foco em população; o social acaba prevalecendo e é claro que o mercado pode não gostar”, conclui. A XP possui uma recomendação neutra para os papéis da Sabesp.

Pontos negativos

Além do risco natural de ser um ano eleitoral e a empresa, por ser controlada pelo estado, sofrer o risco de mudanças em sua gestão, o potencial de valorização também pesa negativamente para o case de investimentos da Sabesp.

“A previsibilidade do fluxo de caixa da Sabesp é o que faz que indiquemos a empresa para nossa carteira de dividendos, mas só para esse tipo de carteira, porque para outras modalidades, ela acaba fugindo um pouco do score; então Sabesp pra nós é só para dividendos mesmo”, destacam a equipe de analistas da Brava Investimentos.

Eles explicam que por ser defensiva, quando o índice Ibovespa sobe, os investidores que buscam rentabilidade desalocam recursos de Sabesp para investir em papéis mais voláteis e de risco. “Esse é o ponto negativo dela, a defesa que ela faz sobre a alavancagem do índice”, aponta a Brava.

Mais riscos

Além disso, a equipe de research lembra de um ponto ainda incerto no case da companhia de saneamento. “O que está mais impactando o papel, apesar de que acreditamos que até o final do ano tenha uma definição, é a republicação dos balanços de 2008, com uma revisão do seu lucro”, lembra.

No dia 18 de janeiro, a diretoria e o Conselho de Administração da companhia aprovaram o encaminhamento para a Assembleia Geral de Acionistas da republicação das demonstrações financeiras relativas a 2008. A ideia era reconhecer, no resultado daquele exercício, a provisão de despesas no montante de R$ 944 milhões relativos aos benefícios de aposentadoria e pensão privada da companhia.

“Até então, era quase certo que o Estado deveria arcar com essas despesas, mas após esse anúncio, o mercado reagiu à expectativa de que isso recaia sobre a Sabesp, especialmente em ano eleitoral”, comentou o time de análise.

Com a provisão, a republicação do balanço de 2008 resultaria em um lucro líquido de R$ 63,6 milhões, enquanto o anterior era de R$ 1.008 bilhão. Com a notícia, investidores realizaram suas posições na empresa e os papéis caíram 2,56% no dia e continuaram caindo por dois outros pregões.

Contudo, os analistas da Brava explicam que a notícia não muda a estrutura de valuation da empresa. “Essa medida de provisões não tem efeito de caixa na companhia porque é preventiva, ela apenas provisionou o dinheiro, mas não vai descontar do payout ou de seu dividend yield porque eles já foram provisionados também”, contam.

Como o caso ainda não foi decidido pela Procuradoria Geral do Estado, eles apenas alertam que o risco de que o mercado acabe reagindo novamente quanto o ponto final vier é grande. 

26557 - octacm - 24/Jan/2010 19:16
Sabesp revisa balanço de 2008 e lucro desaba em R$ 944,5 milhões

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou nesta sexta-feira que seu Conselho de Administração aprovou a republicação do balanço de 2008, o que resultou numa queda de R$ 944,5 milhões no lucro líquido da empresa no período.

Segundo documento encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a diferença refere-se a despesas da companhia com o pagamento de benefícios de aposentadoria e pensões a funcionários.

Um montante de R$ 409,1 milhões, referentes à complementação de benefícios, cuja responsabilidade inicialmente era do governo do Estado, controlador da empresa, teve que ser pago pela Sabesp por decisão judicial.

Além disso, diz o comunicado, a administração da companhia considerou necessário o reconhecimento de uma obrigação adicional com aposentados e pensionistas no total de 535,4 milhões de reais.

"Trata-se de efetuar provisão contábil em face da incerteza quanto ao recebimento do crédito", diz trecho do documento.

Com esses ajustes, o lucro líquido do exercício de 2008, que era de R$ 1,008 bilhão, caiu para R4 63,6 milhões.

Ainda de acordo com a empresa, a firma de auditoria PricewaterhouseCoopers informou que o parecer dos auditores independentes será reemitido sem ressalva. 

10737 - FabianoOttoni - 07/Ago/2009 21:34
SÃO PAULO (Reuters) - A Sabesp, empresa de saneamento do Estado de São Paulo, teve lucro líquido de 464,7 milhões de reais no segundo trimestre, alta de 29,1 por cento ante o resultado positivo de 360 milhões de reais obtido em igual período de 2008.

A receita operacional líquida de abril a junho foi de 1,62 bilhão de reais, contra 1,51 bilhão de reais no mesmo intervalo do ano passado.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) totalizou 666,8 milhões de reais, alta de 4,8% em relação ao segundo trimestre do ano passado, quando somou 636 milhões de reais. 

5730 - opportunity2 - 15/Mai/2009 20:04 
Estava lendo agora o resultado da sbsp3 1t09, e achei péssimo, mas como o mercado é retardado não duvido nada que dispare semana que vem. rs

Nenhum comentário: