Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 11 de outubro de 2009

Paranapanema (PMAM)



Recomendações
Compra: joaoricci (2017)
Carteiras
fridao (jan/18) - RRunner (jun/18)
Balanços
A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Achei os resultados da PMAM no 4T18 bastante razoáveis. Mais uma vez, a empresa conseguiu postar um ebitda positivo, se bem que algo menor do que aquele do 3T18. Em relação ao 3T18 houve, também, uma involução da receita e pequena queda na margem bruta. O lucro líquido veio positivo, auxiliado por um ótimo resultado financeiro que foi impactado pela valorização do real no período. Acho que a empresa ainda terá que melhorar, para completar o turn around.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Sim ... mas a margem bruta de 9% postada foi eventual. A taxa de câmbio média no 3T18 estava fora de lugar, impactando fortemente a Receita Líquida. No 4T18 a empresa possivelmente postará um resultado líquido positivo, devido ao Resultado Financeiro favorável.

Rocha Preta inc - 
Surpreendente.
Venda de cobre primário chamou muita atenção e os produtos de cobre também, considerando a parada para manutenção e "organização" da casa. O que tem de ser feito para salvar a Cia, está sendo executado. O K da Glencore vem ajudando.

2T2018 -
Rocha Preta inc -  
Resultado já esperado, a "esperança" estava no 3T18 com uma provável redução no prejuízo. Com essa questão da PF entrando, fica mais complicado analisar, pode haver risco de multas.
Em dia que a PF bateu à porta da Paranapanema na Operação Zelotes, mineradora registra balanço fraco com aumento no custo e prejuízo financeiro
Prejuízo R$ 288,04 mi (+294%)
LPA R$ -0,418
Receita R$ 951,75 mi (+48%)

A2017/4T2017 -
paulo_prof  -
Embora tenha havido uma expressiva melhora dos resultados operacionais da PMAM, incluindo geração de caixa medida pelo Ebitda positiva, ainda há chão a caminhar até a empresa sair do buraco. No 4T17 o Resultado Antes Financeiro e dos Impostos foi de R$ 12 milhões negativos ... Não há como uma empresa postar lucro e assim estancar a derrocada do patrimônio líquido e evitar a necessidade de aumento de capital se o seu operacional antes do financeiro continuar negativo, especialmente considerando que o enddividamento líquido é R$ 1.6 bilhões, implicando de no mínimo um Resultado Financeiro Trimestral Negativo em R$ 35 milhões.
Ainda não acho que seja o caso de apostar que a empresa será capaz de completar o turn around.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 25 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (54,3478%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 97.876 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = -73.161 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = -58.184. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MAIOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 81.619 X 3T17 = 49.826. VALOR DE MERCADO (MIL) = 795.770; VALOR MAXIMO (MIL) = 2.629.387 NO 2T07; VE PSBE (MIL) = ND.

3T2016 -
marcosvinicius2  -
A Receita Líquida Total somou R$1,1 bilhão no 3T16, 31% inferior ao 3T15. Do total de receitas, 42% foram oriundas do mercado interno (38% em 3T15) e 57% do mercado externo (61% em 3T15). Em Cobre Primário, a Receita Líquida alcançou R$213,9 milhões, 70% inferior ao 3T15 em função de menor volume de vendas, como também pela desvalorização do dólar no período. Do total de receitas deste segmento, 23% foram oriundas do mercado interno e 77% do mercado externo.
As Despesas Totais atingiram R$105,5 milhões, aumento de 30% em comparação com o 3T15. As Despesas Recorrentes apresentaram queda de 15%, ou R$7,7 milhões comparadas ao 3T15. As Despesas Não Recorrentes aumentaram R$31,8 milhões, principalmente pelo aumento de despesas de contingências jurídicas e ociosidade pelo menor volume de produção. As Despesas Operacionais Totais em relação à Receita Líquida apresentaram alta de 4,7 p.p. (de 5,3% no 3T15 para 9,9% no 3T16).
RESULTADO LÍQUIDO: O resultado líquido foi negativo em R$58,2 milhões vs. R$186,4 milhões no mesmo período do ano anterior, que apresentou ajuste de hedge significativo no 3T15.
EBITDA E EBITDA AJUSTADO: O EBITDA Ajustado atingiu R$70,2 milhões no 3T16, variação negativa (-56%) em comparação com o 3T15. A Margem do EBITDA Ajustado foi de 6,6% versus 10,4% no 3T15, uma variação de -3,8 p.p. Em relação ao 2T16, a margem caiu 1,5 p.p.
Características
Metalurgia do cobre e suas ligas
Links
358442  - paulo_prof  
Achei os resultados da PMAM no 4T18 bastante razoáveis. Mais uma vez, a empresa conseguiu postar um ebitda positivo, se bem que algo menor do que aquele do 3T18. Em relação ao 3T18 houve, também, uma involução da receita e pequena queda na margem bruta. O lucro líquido veio positivo, auxiliado por um ótimo resultado financeiro que foi impactado pela valorização do real no período. Acho que a empresa ainda terá que melhorar, para completar o turn around.

355092 - Rocha Preta inc - 26 Out 2018, 13:33
Comentário do 3T:

Surpreendente.

Venda de cobre primário chamou muita atenção e os produtos de cobre também, considerando a parada para manutenção e "organização" da casa. O que tem de ser feito para salvar a Cia, está sendo executado. O K da Glencore vem ajudando.

Vamos seguindo de olho.

355087 - paulo_prof  -  26 Out 2018, 11:26
Sim ... mas a margem bruta de 9% postada foi eventual. A taxa de câmbio média no 3T18 estava fora de lugar, impactando fortemente a Receita Líquida. No 4T18 a empresa possivelmente postará um resultado líquido positivo, devido ao Resultado Financeiro favorável.

354508 - FoxHoundBR -  04 Out 2018, 20:34
Paranapanema faz sua caça às bruxas

Há cobre e propina no subsolo da Paranapanema.
O RR apurou que investigações conduzidas pela própria companhia mínero metalúrgica indicam o envolvimento de ao menos três ex-dirigentes no esquema de pagamento de suborno a integrantes do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). A devassa, conduzida com o auxílio de consultores externos, deverá ser oficialmente concluída no mês que vem. No entanto, a empresa já teria encaminhado informações preliminares ao Ministério Público e à Polícia Federal no âmbito da Operação  Zelotes, que investiga a venda de sentenças no Carf. Os nomes fisgados  na auditoria interna são guardados a sete chaves pela alta direção da Paranapanema. Cabe lembrar que, no início de agosto, Luiz Antônio de  Souza Queiroz Ferraz Junior, presidente da empresa entre maio de 2005 a dezembro de 2012, foi alvo da 10a fase da Operação Zelotes. De acordo com a fonte do RR, o passo seguinte da Paranapanema será acionar judicialmente os ex-executivos -medida que já teria o sinal verde de Petros e Previ, principais acionistas da companhia. Procurados pelo RR, a Paranapanema e os fundos de pensão não se pronunciaram.

Fonte: https://relatorioreservado.com.br/assunto/paranapa...

352283  - paulo_prof   -  29 Jul 2018, 02:50
Está na planilha ... mas meio que desisti de acompanhar os detalhes operacionais da empresa. Posso estar redondamente enganado, mas a visão "macro" que tenho é um negócio praticamente inviável.

Para justificar o preço atual, a empresa deveria estar lucrando no mínimo uns R$ 75 milhões por ano. Vamos deixar barato, e supor que R$ 50 milhões estaria ok. R$ 50 milhões de lucro correspondem a um resultado antes do IR/CS de aprox. R$ 75 milh'oes. Um endividamento líquido de aprox. R$ 1,7 bilhões deve custar, ao ano, algo em torno dos R$ 170 milhões. O custo operacional anual está na faixa dos R$ 150 milhões. Consequentemente, para ficar no zero-a-zero, o resultado bruto anual teria que ser no mínimo de aprox. R$ 395/400 milhões. Supondo uma Receita Líquida anual de R$ 4,5 bilhões, a margem bruta teria que ser no mínimo 8,9%. Isto se as outras receitas/despesas operacionais forem positivas ou nulas, o que não tem sido o caso.

Na minha planilha estão informados os dados desde 2007. Nestes últimos 11 anos, a margem bruta máxima atingida foi 8,1%, no exercício de 2014. Assim fica difícil !!!

352256 - Rocha Preta inc -  27 Jul 2018, 11:56
A Heloisa comentou mais esmiuçado aqui:

https://twitter.com/helocruz/status/10226627073701...

352253  - fridao  -  27 Jul 2018, 05:10
Desconfio que não, mas, se estiver na planilha do prof. Paulo, talvez ele se preste a tecer uma opinião sobre o resultado.

352248  - Rocha Preta inc -  26 Jul 2018, 23:03
PMAM3

Resultado já esperado, a "esperança" estava no 3T18 com uma provável redução no prejuízo. Com essa questão da PF entrando, fica mais complicado analisar, pode haver risco de multas.

Em dia que a PF bateu à porta da Paranapanema na Operação Zelotes, mineradora registra balanço fraco com aumento no custo e prejuízo financeiro

Prejuízo R$ 288,04 mi (+294%)

LPA R$ -0,418
Receita

R$ 951,75 mi (+48%)

351194  - paulo_prof  -  14 Jun 2018, 19:49
De fato, este acordo muda pouca coisa ...

No que concerne a contabilidade da Paranapanema, uma contingência não provisionada de R$ 731 milhões foi trocada pelo reconhecimento de uma dívida de R$ 150 milhões.

No frigir dos ovos, do ponto de vista puramente contábil, a situação piorou ... Quando uma contingência é classificada com risco "possível", não necessita ser provisionada. Se não é provisionada, não afeta a DRE ou o Balanço Patrimonial.

Com o acordo, o Patrimônio Líquido da empresa deverá ser reduzido em R$ 150 milhões e nos próximos 10 anos, estes R$ 150 milhões gerarão despesas em juros.

O verdadeiro problema da Paranapanema parece ser operacional ... como não tenho me interessado pelo case, não sei se a produção é pífia porque a empresa não consegue ampliar as vendas, ou se as vendas são pífias por que a empresa tem dificuldade em produzir.

Quando a empresa dava lucro (como em 2014 e 2015), a margem bruta oscilava na faixa dos 7-8%, com a Receita Líquida na faixa dos R$ 5 bilhões. Nos últimos 12 meses, a Receita Líquida emplacou R$ 3,8 bilhões, com uma margem bruta abaixo dos 5%.

Não vejo como a empresa possa lucrar nestas condições. O turn around só poderá ocorrer se a empresa vender sensivelmente mais, com uma margem bruta sensivelmente maior.

Talvez o Barsi esteja sabendo algo que o mercado ainda não viu!

351182  - pinheiro87   - 14 Jun 2018, 16:02
Engraçado essa caso da Paranapanema, no dia 12/06 houve um volume de negociação de 70 milhões, mais de 10 vezes a média de negociação diária. No dia 13/06 sai matéria na mídia falando que o Barsi vai comprar, no melhor estilo Rei dos Micos, e na virada do dia 13 para o dia 14 sai fato relevante sobre o acordo com o Santander.

Resultado: ações subindo 40% em 2 dias.

Está óbvio que quem comprou dia 12 já sabia do acordo, não me surpreenderia se tivesse sido o próprio Barsi, comprando e divulgando depois. Manipulação de gente grande.

351181 - damonpena -  14 Jun 2018, 13:54
Prof Paulo .. o Turnaround da Paranapanema ( PMAM3 ) alertado pelo Barsi , faz sentido em tua opinião ?

Inclusive soltaram um fato relevante em 13/06

DIAS D’ÁVILA, 13 DE JUNHO DE 2018. PARANAPANEMA S.A. (“Companhia”, B3: PMAM3), a maior produtora brasileira não- integrada de cobre refinado, vergalhões, fios trefilados, laminados, barras, tubos, conexões e suas ligas, em atendimento ao disposto no parágrafo 4º do artigo 157 da Lei nº 6.404/76, conforme alterada, e na Instrução CVM nº 358/02, conforme alterada, vem informar aos seus investidores e ao mercado em geral que celebrou, com o Banco Santander (Brasil) S.A. (”Santander”), Termo de Acordo Vinculante com o objetivo de encerrar definitivamente as disputas judiciais e arbitrais existentes entre as partes (o “Acordo Vinculante” e as “Disputas”, respectivamente), conforme descrito no item 4.3 do Formulário de Referência e nas Notas Explicativas das demonstrações financeiras da Companhia, que indicam a causa classificada como risco possível no valor de R$731 milhões.
A conclusão do objeto previsto no Acordo Vinculante está sujeita à satisfação de determinadas Condições Suspensivas usuais para este tipo de acordo, e prevê uma confissão de dívida de R$150 milhões, a ser paga em parcelas anuais em 10 anos. Uma vez satisfeitas as Condições Suspensivas, as Partes deverão concluir o objeto previsto no Acordo Vinculante, ou seja, o encerramento definitivo das Disputas, independentemente de quaisquer decisões que venham a ser porventura proferidas durante esse período, sobre as quais os termos do Acordo Vinculante deverão prevalecer.
A Companhia manterá os seus acionistas e o mercado em geral informados caso haja qualquer avanço em relação ao assunto ora informado, nos termos da regulamentação aplicável. Mais informações poderão ser obtidas junto à área de Relações com Investidores da Companhia, por meio do telefone +55 (11) 2199-7604, ou por meio do e-mail
ri@paranapanema.com.br.
Dias d’Ávila/BA, 13 de junho de 2018.
André Luís da Costa Gaia
Diretor Financeiro e de Relações com Investidores

348209  - paulo_prof  -  18 Mar 2018, 20:07
Citação: cap7 - Post #348202 - 18/Mar/2018 17:11
Professor Paulo
Barsi comprando PMAM3.........vale?
Aliás o que tens comprado?
O Barsi tem dinheiro a vontade para jogar fora.Vai demorar para recuperar a grana investida ... se é que um dia vai conseguir!

Os números da empresa são ridículos ... Quando tido dá certo (quando não há necessidade de fazer provisões de qualquer natureza, fato que foi a regra nos últimos 2 exercícios, a empresa tem despesas operacionais da ordem de R$ 180 milhões. Ocorre que em outras despesas operacionais, a empresa contabiliza a ociosidade de suas instalações (com aprox. somente 50% de utilização). Em 2017, a ociosidade foi contabilizada em R$ 183 milhões.

Com um endividamento líquido de R$ 1,6 bilhões, se fizer tudo direitinho, o Resultado Financeiro será de no mínimo uns R$ 120 milhões negativos.

Para ficar no zero-a-zero, portanto, calculo ser necessário um Resultado Bruto de uns R$ 390 milhões (R$ 180 milhões em despesas, R$ 120 milhões do resultado financeiro, e uns R$ 90 milhões de ociosidade reduzida em relação aos níveis atuais). Como a margem bruta anda na casa dos 7% (7,5% no máximo), para ter chances de fechar o exercício no zero-a-zero, a Receita Líquida anual teria que ser superior a R$ 5,2 bilhões.

Para ter um aumento de Receita Liquida de R$ 1,7 bilhões, supondo que consiga vender com as mesmas margens, a empresa teria que aumentar a sua produção em aprox. 50%. Para tanto, teria que ter fòlego para comprar a matéria prima ... que é cara especialmente para quem carece de capital de giro em nível adequado.

Já informei que andei arriscando em ECOR3 (Lava Jato) e SAPR4 (Requião). Aumentei BEES3, ITSA4, ABCB4, QGEP3 e TAEE11.

346962 - paulo_prof  -  08 Fev 2018, 13:56
Embora tenha havido uma expressiva melhora dos resultados operacionais da PMAM, incluindo geração de caixa medida pelo Ebitda positiva, ainda há chão a caminhar até a empresa sair do buraco. No 4T17 o Resultado Antes Financeiro e dos Impostos foi de R$ 12 milhões negativos ... Não há como uma empresa postar lucro e assim estancar a derrocada do patrimônio líquido e evitar a necessidade de aumento de capital se o seu operacional antes do financeiro continuar negativo, especialmente considerando que o enddividamento líquido é R$ 1.6 bilhões, implicando de no mínimo um Resultado Financeiro Trimestral Negativo em R$ 35 milhões.

Ainda não acho que seja o caso de apostar que a empresa será capaz de completar o turn around.

346736 - goosse -  01 Fev 2018, 16:07
No mês de setembro PMAM3 teve margem EBITDA de 2,9% (e 1,2% no 3º Tri todo).

Considerando que ela possa chegar a 4% de margem EBITDA e um faturamento de 1 Bi no 4º Tri, seria um EBITDA trimestral de R$ 40 milhões. A perspectiva operacional parece boa.

346731 - evalaretto - 01 Fev 2018, 13:52
A única esperança para PMAM no curto prazo é a venda.

Por enquanto é loteria e a entrada tem de levar isso em conta.

Também sigo monitorando os balanços.

346730 - ispholambra -  01 Fev 2018, 13:50
Se a Paranapanema já fez seu break even ela tá barata...

Mas eu não sinto firmeza nela ainda... O lucro do terceiro trimestre foi em cima de créditos tributários...

O operacional da Cia ainda tá bem ruim...

Tinha comprado mixaria sem ler o ultimo balanço...depois que li desanimei e sai no 0x0...

346233  - paulo_prof   -  17 Jan 2018, 15:43
Embora o ativo esteja em minha planilha, confesso estar "por fora".

Os números são horríveis. Há 8 trimestres que o Resultado Antes dos Impostos é negativo e em nenhuma oportunidade isto parece ter sido gerado por um resultado financeiro desfavorável. Nos últimos 4 trimestres, até o ebitda foi negativo. Moral da história: o operacional da empresa é que parece ser pífio.

O release do 3T discorre sobre a reestruturação da empresa, via capitalização e renegociação do endividamento bruto. Parece que um endividamento em debêntures conversíveis foi transformado em capital. Mas vai saber o que isto custou à empresa (há que se ver qual o preço por ação desta conversão). O relatório também informa (com pompa e circunstância) que a ociosidade de 62% do 2T17 foi reduzida para 38% no 3T17 ... ou seja, que um operacional super pífio tornou-se pífio!

No frigir dos ovos, como estou completamente por fora do operacional da empresa (e pouco interesse em estudar), não há como avaliar se a empresa será capaz de produzir resultados positivos no curto prazo ... Parar de piorar não é o suficiente!

343815  - marcosvinicius2  -  11 Nov 2017, 10:17
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 25 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (54,3478%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 97.876 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = -73.161 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = -58.184. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MAIOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 81.619 X 3T17 = 49.826. VALOR DE MERCADO (MIL) = 795.770; VALOR MAXIMO (MIL) = 2.629.387 NO 2T07; VE PSBE (MIL) = ND:

PMAM3
PREÇO: 1,46
PAYOUT (2016): -21,93%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -14,32
P/VPA 0,80
PSR 0,24
DY 1,53%
EV/EBITDA -10,64
MARGEM BRUTA 8,10%
MARGEM OPERACIONAL -13,34%
MARGEM LÍQUIDA -1,69%
LUCRO POR AÇÃO -0,102
MARGEM EBITDA -7,60%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 117,03%
ROE -5,58%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,34

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -38,81%
RESULTADO BRUTO -41,09%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -217,07%
RESULTADO OPERACIONAL -361,61%
RESULTADO LÍQUIDO -149,07%
EBITDA -197,26%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -9,88%
RESULTADO BRUTO -29,48%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 23,19%
RESULTADO OPERACIONAL 379,31%
RESULTADO LÍQUIDO -268,22%
EBITDA -2229,90%

c) lucro (taxa média anual)
UA -149,07%
U2A ND
U3A -24,20%

d) patrimônio líquido médio
UA 4,12%
U2A -38,66%
U3A -34,47%

O Lucro Bruto atingiu R$57,6 milhões no 3T17, queda de 29% comparado ao 3T16. A Margem Bruta caiu 1,7p.p. com relação ao mesmo trimestre de 2016, e atingiu6,0% sobre a Receita Líquida no trimestre atual.A redução na margem bruta refere-se principalmente à queda na receita prêmio de produtos de cobre no mercado interno, por conta da sobre oferta, e pelo menor volume de receitas que eleva o custo unitário. Vale ressaltar que quando comparamos com o resultado do 2T17 houve melhora de 16%do resultado do Lucro Bruto (R$49,8 milhões) decorrente da maior disponibilidade de produtospara venda e evoluções no mercado de produtos de cobre fabricados em SP.

O EBITDA da Companhia ficou R$202,0 milhões negativo no 3T17, devido principalmente ao reconhecimento do passivo tributário decorrente da adesão ao PERT –Programa Especial de Regularização Tributaria, além de outras provisões jurídicas trabalhistas. Importante mencionar que R$149,4 milhões do EBITDA foram compensados com prejuízos fiscais acumulados sendo o efeito caixa pela adesão ao PERT de R$37,4 milhões.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

342203  - Gaijim -  20 Set 2017, 04:54
Grupo Paranapanema dribla a crise e se destaca com investimento no colaborador

18 de Setembro de 2017 às 12:19 Por: Redação BNews00comentários


A maior produtora brasileira não integrada de cobre refinado e de produtos de cobre (vergalhões, fios trefilados, laminados, barras, tubos, conexões e suas ligas) comemora a fase pela qual a empresa passa e exalta os feitos em tempos de crise. O Grupo Paranapanema, que possui três plantas industriais, sendo uma unidade de cobre primário localizada no município de Dias d'Ávila (BA), e duas plantas de produtos de cobre e suas ligas, instaladas em Santo André (SP) e Serra (ES), afirma que a empresa consegue colocar em prática uma das suas missões: garantir a produção de cobre e suas ligas, com sustentabilidade e valor percebido por colaboradores, acionistas, clientes e fornecedores.

DSC_0517.jpg

Para a diretora do grupo, Marcia Cubas, em entrevista concedida ao BNews, a Paranapanema tem como visão ser uma empresa de classe mundial, reconhecida pela competitividade de seus custos e pela excelência de produtos e serviços. "Os valores da companhia estão alicerçados na motivação para conquistar e manter clientes; capacidade de crDiretora do Grupo Paranapanema, Marcia Cubasescer com sustentabilidade; ética exemplar nas relações internas e externas; criatividade e inovação para alcançar a excelência; dedicação de Todos para enfrentar e vencer desafios; relação de trabalho baseada em confiança e respeito; e capacidade de adaptações para superar as adversidades", ressaltou.

Um dos principais e mais importantes focos da empresa é o colaborador. E, pensando nisso, a Paranapema criou o atendimento humanizado dos colaboradores. A iniciativa busca Individualizar e humanizar o atendimento aos colaboradores da companhia, por meio da criação do Programa Gestão de Apoio ao Profissional (GAP). O GAP realiza o treinamento de uma equipe de Assistentes sociais para apoiar os colaboradores em todos os momentos. "Os funcionários podem solicitar orientação para mediação de conflitos de ordem profissional e até pessoal. Um comitê de atendimento avalia os casos recorrentes e temas sensíveis que resultam em indicadores para entender melhor a evolução do perfil dos funcionários. A empresa entende que essa é uma forma de conhecer melhor e apoiar cada colaborador e dar suporte para prolongar e aprimorar suas carreiras dentro da Paranapanema", afirmou Cubas.

De acordo com a diretora, a Paranapanema está preocupada em manter um bom ambiente de trabalho para todos, no qual as pessoas estejam felizes, realizadas profissionalmente e comprometidas com o negócio. Por isso, mais do que garantir uma série de benefícios aos seus funcionários, como plano de saúde e odontológico, seguro de vida em grupo, previdência complementar e prêmio assiduidade, a Paranapanema tem promovido, ao longo do último ano, café da manhã com a diretoria, visita dos familiares dos colaboradores às fábricas, entre outras iniciativas. "A ação tem o propósito demonstrar a importância dos funcionários e seus familiares para a companhia e ampliar o orgulho desse público de pertencer à família Paranapanema", afirmou.

Fundi%C3%A7%C3%A3o.jpg

Crise
Não diferente de outras empresas, o Grupo também enfrenta as dificuldades trazidas pela crise econômica que assola todo o país. Dos pequenos aos grandes negócios, todos sentiram o impacto na redução dos números e na necessidade de criar estratégias para não fazer parte das estatíticas negativas desta fase. "A crise diminuiu a atividade industrial e restringiu o crédito usado no giro operacional e financeiro, impactou a Paranapanema assim como a diversas outras empresas. Diante desse quadro, a empresa intensificou suas vendas para o mercado externo de forma a compensar a queda de consumo no mercado nacional. A administração da empresa renegociou suas dívidas com os principais credores e está muito próxima de concluir a reestruturação acionária e de capitais para retomar a atividades operacionais plena da companhia", explicou Cubas.

Ações do Grupo
O dia da árvore, comemorado no próximo dia 23, sábado, será de festa e conscientização nas unidades da empresa. Os funcionários das três fábricas – Dias D’Ávila (Bahia), Santo André (São Paulo) e Serra (Espírito Santo) –, juntamente com filhos e familiares, realizarão o plantio de 500 mudas de árvores. A maior mobilização será em Dias D’Ávila, onde serão plantadas 300 mudas. A expectativa é de que, ao todo, a ação conte com a participação de 800 pessoas. Antes de definir as espécies destinadas para cada localidade, a empresa realizou uma avaliação da flora presente na região para sugerir a complementação da variedade de árvores. "A Paranapanema pretende deixar os ambientes de trabalho mais arborizado e mais agradável para os funcionários. Para garantir o crescimento das árvores fará um acompanhamento com uma empresa especializada nos próximos dois anos. A evolução das mudas será acompanhada ainda pelos jardineiros e equipe de Meio Ambiente da companhia", afirmou a diretora.

A diretora fez questão de registrar também os 16 anos do Programa Agentes Ambientes está inserido no contexto de estimular o comportamento sustentável nas comunidades lindeiras da planta de Dias D’Ávila. Lançado em 2001, a iniciativa foi reformulada e ampliada em 2015. Desde então, cerca de 1.500 pessoas já foram impactadas pelo projeto que promove, todos os anos, a capacitação de 14 agentes fixos (sete em Leandrinho e sete em Lamarão) em temas como aspectos e impactos ambientais e o papel do homem na preservação ambiental. "O curso preparatório tem duração de 16 horas. Para garantir a eficiência do Programa um plano de trabalho é elaborado no início de cada ano em parceria com os agentes", explicou.

De acordo com Cubas, as sugestões são ouvidas e incluídas na programação anual. Os agentes também realizam campanhas e programas ambientais nas escolas da região e interagem com a empresa no caso de algum evento ambiental para aproximar os moradores vizinhos da empresa e a empresa dos moradores. "Essa aproximação contribui com nosso gerenciamento ambiental e nós retribuímos, preparando e fortalecendo a atuação de representantes da comunidade, que multiplicam o tema desenvolvimento sustentável", comemora.

O Grupo Paranapanema conta também com um centro de distribuição no Rio de Janeiro, na cidade de Itatiaia. Com 2 mil colaboradores, a Paranapanema é dona de marcas consagradas no mercado brasileiro como Eluma e Caraíba.

Fonte: https://www.bocaonews.com.br/noticias/principal/informe/186551,grupo-paranapanema-dribla-a-crise-e-se-destaca-com-investimento-no-colaborador.html

341851  - Gaijim -  06 Set 2017, 13:28
Juntos com Glencore, acionistas devem manter apostas na Paranapanema

Coluna do Broadcast
06 Setembro 2017 | 05h00

Sete anos depois de os acionistas da Paranapanema receberem uma oferta da Vale, que avaliou a empresa em cerca de R$ 2 bilhões na época, e com uma grave crise financeira no meio do caminho, a fabricante de cobre pode ganhar, na próxima semana, a marca de uma grande mineradora, a anglo-suíça Glencore. A empresa já concordou em comprar R$ 66 milhões em ações da empresa em sua oferta subsequente restrita. Essa operação tem sido utilizada, em muitos casos, como um aumento de capital privado e pode ser feita de forma mais célere. Os papéis também estão sendo ofertados para alguns investidores qualificados no mercado. Os acionistas da Paranapanema – Caixa Econômica Federal e fundo de pensão do Banco do Brasil (Previ), além do investidor Silvio Tini, bastante conhecido no mercado acionário brasileiro – devem participar do aumento de capital. A exceção deve ser a Petros (Petrobrás), que precisa lidar com seu déficit e avalia que não é a hora de realizar um desembolso.

Arrependimento. A ação da Paranapanema é cotada hoje em R$ 1,60, o que representa um valor de mercado de cerca de R$ 510 milhões. Sua dívida, contudo, chega a R$ 2,5 bilhões. Em 2010, a Vale ofereceu R$ 6,75 por ação da Paranapanema em uma oferta pública na bolsa, mas fracassou por não conseguir alcançar o porcentual que havia colocado como mínimo de adesão, de 50% mais uma ação. Na época, a Petros teria vetado a operação.

Árduo. A oferta da Paranapanema faz parte de seu processo de reestruturação. A empresa acaba de firmar acordo com 11 bancos credores, o que soava impossível algum tempo atrás. Além dos bancos, o processo incluiu a reestruturação de passivo trabalhista e renegociação de acordos comerciais. Procurada, a Paranapanema não comentou por estar em período de silêncio.
Fonte: http://economia.estadao.com.br/blogs/coluna-do-broad/juntos-com-glencore-acionistas-devem-manter-apostas-na-paranapanema/

341033  - Gaijim   -  14 Ago 2017, 03:55
Postado no tópico de PMAM3
Créditos para o pedrascris
-----------------------------------------------------------------------------------------------------
Prezados, lendo agora o Manual e Proposta da Administração da AGE do próximo dia 28/08/2017, gostaria de chamar a atenção de vocês para algo muito importante! Conforme podem observar no trecho que destaco abaixo, a PMAM3 está estimando que, caso o montante total da emissão seja efetivamente subscrito no âmbito da Oferta Restrita, o patrimônio líquido da companhia (data base de 30/06/2017) vai saltar de R$ 375.000.000,00 para R$517.832.898,01, representando um valor de R$ 0,97 por ação (atualmente, o VPA é de 0,45), o que significa um aumento imediato no valor do patrimônio líquido da Companhia por ação de R$0,52 ou 117% para os acionistas existentes, e uma diluição de R$0,77 ou 44% por ação, apenas para novos investidores (portanto, não há diluição para os acionistas existentes!).

Outro detalhe a observar: no "Value Investing", o múltiplo P/VP indica quanto o mercado está disposto a pagar por um ativo ("valor de mercado"), em comparação ao patrimônio líquido da companhia ("valor real da companhia"). Atualmente, com o VPA em R$ 0,45, o múltiplo P/VP está em 3,4 (considerando a cotação do último fechamento em 1,55/0,45 = 3,4), o que significa que o mercado está pagando, hoje, cerca de 3x vezes mais pelo papel do que ele vale, em termos patrimoniais. Assumindo que haverá o aumento do VPA para R$ 0,97, como dito acima, e sendo mantido o apetite atual do mercado sobre o ativo (de cerca de 3x), isso significa que a cotação deveria teoricamente atingir o preço aproximado de R$ 3,30 (=0,97 x 3,4)! E isso independentemente da retomada do parque industrial, que naturalmente deve elevar o ROE da companhia, atualmente ainda muito comprometido. Em resumo, é papel pra comprar e segurar!

Segue o link do Manual da AGE e proposta da Administração: https://ri.paranapanema.com.br/Download.aspx?Arqui...

*Aos investidores insatisfeitos com a retenção dos dividendos, me compadeço dessa situação, mas ressalto, nas palavras do mestre Luiz Barsi Filho, a necessidade de "sentimentalizar a parceria", sugerindo, respeitosamente, a leitura da seguinte coluna de O Estrategista: http://www.valor.com.br/valor-investe/o-estrategis...
PMAM3Manual598fb7c5de41c.jpg
335387  - marcosvinicius2  -  13 Mar 2017, 12:41
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T08 X 2T08, 2T08 X 3T08 E 3T08 X 4T08 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
A Receita Líquida Total somou R$1,1 bilhão no 3T16, 31% inferior ao 3T15. Do total de receitas, 42% foram oriundas do mercado interno (38% em 3T15) e 57% do mercado externo (61% em 3T15). Em Cobre Primário, a Receita Líquida alcançou R$213,9 milhões, 70% inferior ao 3T15 em função de menor volume de vendas, como também pela desvalorização do dólar no período. Do total de receitas deste segmento, 23% foram oriundas do mercado interno e 77% do mercado externo.

PMAM3
PREÇO: 1,39
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 3,92
P/VPA 1,23
PSR 0,08
DY 0,00%
EV/EBITDA 10,77
MARGEM BRUTA 8,41%
MARGEM OPERACIONAL 3,12%
MARGEM LÍQUIDA 2,11%
LUCRO POR AÇÃO 0,355
MARGEM EBITDA 4,78%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 749,19%
ROE 31,40%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,82

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 9,06%
RESULTADO BRUTO 11,13%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 148,63%
RESULTADO OPERACIONAL -19,52%
RESULTADO LÍQUIDO -35,88%
EBITDA -16,50%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -9,21%
RESULTADO BRUTO 1465,98%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -65,38%
RESULTADO OPERACIONAL -57,01%
RESULTADO LÍQUIDO -46,20%
EBITDA -237,08%

c) lucro (taxa média anual)
UA -35,88%
U2A ND
U3A -208,21%

d) patrimônio líquido médio
UA -63,87%
U2A -48,02%
U3A -35,52%

As Despesas Totais atingiram R$105,5 milhões, aumento de 30% em comparação com o 3T15. As Despesas Recorrentes apresentaram queda de 15%, ou R$7,7 milhões comparadas ao 3T15. As Despesas Não Recorrentes aumentaram R$31,8 milhões, principalmente pelo aumento de despesas de contingências jurídicas e ociosidade pelo menor volume de produção. As Despesas Operacionais Totais em relação à Receita Líquida apresentaram alta de 4,7 p.p. (de 5,3% no 3T15 para 9,9% no 3T16).

68d529e970.png

68dc16f5dc.png

RESULTADO LÍQUIDO: O resultado líquido foi negativo em R$58,2 milhões vs. R$186,4 milhões no mesmo período do ano anterior, que apresentou ajuste de hedge significativo no 3T15.

EBITDA E EBITDA AJUSTADO: O EBITDA Ajustado atingiu R$70,2 milhões no 3T16, variação negativa (-56%) em comparação com o 3T15. A Margem do EBITDA Ajustado foi de 6,6% versus 10,4% no 3T15, uma variação de -3,8 p.p. Em relação ao 2T16, a margem caiu 1,5 p.p.

157141 - israel007 -  15 Nov 2012, 01:43
PMAM3

Empresa: PARANAPANEMA S.A. Ação: PARANAPANEMA ON Setor: Materiais Básicos Subsetor: Siderurgia e Metalurgia
Resultado do 3º Trimestre de 2012

A empresa anunciou prejuízo líquido de R$ 177,0 M neste trimestre, contra um lucro líquido de R$ 6,3 M no 3° trimestre de 2011 e um prejuízo de R$ -66,8 M no 2° trimestre de 2012. A receita líquida totalizou R$ 973,2 M no 3° trimestre de 2012, decréscimo de 8,1% em relação ao 2T12 e redução de 18,0% em relação ao terceiro trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 4,4% contra 4,0% no trimestre anterior e 3,0% no 3° trimestre de 2011.

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 4,0 B, aumento de 3,3% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 1,4 B no 3T12, valor -17,8% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

154733 - araujo83 -  01 Nov 2012, 17:11
É por ai, só a título de comparação:

O minério de ferro caiu do TH de 2008 até hoje, cerca de 35%;
Enquanto isso o cobre caiu menos de 12%.

Essa semana saiu no valor econômico uma matéria de 6 páginas, enfatizando o case "cobre"...e quais foram os anunciantes? claro,a Paranapanema.......

154721 - alisonvm - 01 Nov 2012, 16:07
Citação: small caps
Citação: alisonvm
PMAM3
Enquanto muitos se perguntam, o por que esta subindo?, enquanto muitos nem sabe que esta subindo....o ativo vai subindo...subindo...
Subiu 35% em outubro e mais 5% hoje....haja expectativa...
Pena que tenho dinheiro de bala lá.

Parece que o Cobre em alta... está desempenhando melhor que o minério de ferro (a cotação) ultimamente...
O ativo começou a arrancar pra cima após a venda de uns ativos podres(Cibrafertil fertilizantes), pois bem, logo em seguida veio o o resultado da VALE que mostrou justamente isso, o aumento das receitas de COBRE e junto ao aumento ou manutenção do preço.

Realmente pode ser isto....olho no resultado!!!!

151595 - pppadv -    10 Out 2012, 12:48
Há fundamentos por trás da alta de 25% das ações da Paranapanema?
Empresa vendeu a divisão de fertilizantes na semana passada, mas na avaliação do diretor de RI, investidores foram atraídos mesmo pelo preço bastante "deprimido" das ações
Por Paula Barra
|9h35 | 10-10-2012
http://www.infomoney.com.br/paranapanema/noticia/2580804

SÃO PAULO - Aos poucos, as ações da Paranapanema (PMAM3) vêm ganhando destaque na bolsa. Somente nos últimos quatro pregões, esses ativos saltaram 21,1%, estendendo a alta acumulada no mês para 24,9%. No pregão da última terça-feira (9), o desempenho dos papéis não fugiu desse recente histórico, já que fecharam com valorização de 5,59% aos R$ 3,21, em dia de queda de 0,64% do Ibovespa.

Esse rali teve início dois meses atrás: desde o fim de agosto até agora, os papéis da companhia subiram impressionantes 47,25%. De lá para cá, houve um aumento brutal no volume negociado pela empresa em bolsa, já que a média diária de 21 pregões pulou de R$ 770 mil no final de agosto para os atuais R$ 3,4 milhões, um avanço de 341,16%, muito superior inclusive à valorização da empresa, indicando uma procura muito mais forte por parte dos investidores.
depósito de minério de ferro na China

Em entrevista ao Portal InfoMoney, o diretor de Relações com Investidores da Paranapanema, Mário Lorençatto, chamou atenção ao fato de que o preço das ações estava bastante "deprimido", e muitos investidores devem ter visto como um interessante ponto de entrada para montar posições em PMAM3. Vale mencionar que em 15 de junho deste ano os papéis da Paranapanema chegaram a valer R$ 2,02, seu menor fechamento desde novembro de 2008, época em que a crise financeira mundial atingiu o seu ápice nas bolsas mundiais.

Venda da Cibrafértil não justifica alta, diz RI

O movimento das ações intensificou depois da venda da divisão de fertilizantes Cibrafértil à colombiana OFD Holding, controladora da Abocol Abonos Colombianos, no final da semana passada. Já na sexta-feira (5), dois dias depois do anúncio, os papéis dispararam 7,72%, para R$ 2,93. Contudo, tanto analistas de mercado que acompanham o setor quanto a própria empresa não enxergam na notícia da venda um motivo para a alta das ações, já que a Cibrafértil representava apenas 2% do faturamento da companhia. A venda deveu-se - e muito - ao prosseguimento do plano de reestruturação financeira da empresa.

"O movimento [de alta] das ações já vinha pegando força antes do anúncio da Cibrafértil e reflete um favorecimento externo da companhia, com a desvalorização do real frente ao dólar, os projetos de infraestrutura, que ainda devem manter uma demanda interessante para o cobre, além do ciclo de investimentos da empresa, em um valor de R$ 830 milhões, e o término de uma importante fábrica de tubos de cobre, que entra em operação no começo do ano que vem", explica Lorençatto.

A venda da Cibrafértil, contudo, pode ter certa relevância, pois reforça a estratégia da empresa em focar no segmento de cobre, já que ela não fazia parte do "core business" da Paranapanema. "O segmento de cobre era mais uma distração", disse Lorençatto. A Paranapanema, que já teve negócios de zinco, estanho e bauxita, além de marcar presença na área de construção, trabalha apenas com a produção de cobre. Atualmente, a empresa é líder em cobre refinado, entregando mais de um terço de produção nacional.

OPA descartada

Além disso, essa venda abriu espaço para especulação do mercado sobre os próximos passos da companhia, chegando até uma possibilidade de OPA (Oferta Pública de Ações), embora os rumores tenham sido negados por Lorençatto. Há dois anos, a Vale (VALE3; VALE5) fez uma oferta pública para adquirir 100% da Paranapanema por cerca de R$ 2 bilhões. Em setembro de 2010, a mineradora subiu a proposta aos acionistas, elevando de R$ 6,30 para R$ 6,50 o desembolso pretendido por ação ordinária da empresa.

A transação, no entanto, não foi para frente, apesar de ambas as companhias contarem com grandes acionistas em comum, como o fundo Previ e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Vale lembrar que, na época da OPA, as ações PMAM3 eram negociadas na faixa de R$ 6,00, sendo mais que 85% dos preços atuais do ativo. 

Análise Coin Valores
A Paranapanema atua no segmento de metais não-ferrosos possuindo uma divisão cobre, sendo a maior produtora não-integrada de cobre refinado no Brasil e líder de vendas com participação de cerca de 40% em volume de vendas no mercado doméstico com volume de produção é de 240mil ton/ano de cobre eletrolítico, devendo atingir cerca de 276mil ton/ano a partir de 2013. É também uma das maiores produtoras de semi-elaborados de cobre no Brasil (laminados, barras, tubos, conexões e ligas de cobre), produzidos nas plantas industriais da Eluma S.A. com volume atual de 72mil ton/ano devendo atingir 130mil ton/ano em 2013. Além disso, nossas operações incluem a divisão fertilizantes que atua na produção de superfosfato simples e fertilizantes complexos.

RETROSPECTIVA 2010
A Paranapanema finalizou seu processo de reorganização societária com a incorporação da Eluma S.A. – Indústria e Comércio em 31 de março de 2010, etapa que encerrou o ciclo de reestruturações iniciado em 2006. Esta nova estrutura organizacional consolida o segmento de
cobre da companhia, gerando maior sinergia, redução de custo, melhora na geração de caixa e
na estrutura de capital. Dando prosseguimento à política de melhoria da Governança Corporativa da companhia, em 22 de março de 2010, todas as ações preferenciais foram convertidas em ordinárias, preparando a Paranapanema para o Novo Mercado da BM&FBovespa em busca de maior liquidez de suas ações no mercado. Em 14 de julho de 2010, houve a criação do comitê de auditoria e reorganização dos comitês financeiro e de remuneração e gestão, não estatutários ligados ao Conselho de Administração, bem como a reorganização de outros comitês não estatutários ligados à Diretoria da companhia, buscando a melhoria dos controles internos. A companhia expandiu sua capacidade instalada e seu mix de produtos, disponibilizando maior volume de produtos ao mercado com qualidade. Seguindo a Política Corporativa de Gestão de Riscos de Mercado, intensificamos o foco na maximização da cadeia produtiva e no mercado interno.

PERSPECTIVA 2011

Considerando um cenário macroeconômico brasileiro favorável de 2011-2016, com crescimento do PIB de aproximadamente 5% a.a. e perspectivas positivas para a demanda de produtos de cobre com a continuidade do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Brasil, exploração de petróleo no pré-sal, dos eventos esportivos a se realizar no Brasil como a Copa do Mundo 2014 e das Olimpíadas em 2016, investimentos em energia elétrica e em energia limpa e aumento da demanda na construção civil, estamos realizando investimentos que somam R$ 510 milhões até 2013 que impulsionarão a demanda por cobre nos próximos anos, reforçando o posicionamento das marcas CARAÍBA e ELUMA, melhorando nossa competição no mercado com a capacidade de aumentar a oferta de produtos de elevada qualidade. Em linha com as oportunidade de investimentos, a companhia estabeleceu ações estratégicas firmando parcerias estratégicas e intensificando a reciclagem de cobre a fim de aumentar sua rentabilidade, cujo reflexo será mais significativo a partir de 2011.

9013 - paulo_prof - 15/Jul/2009 13:36
citação: luciomedeirosPessoal, sou novo no forum.
Parabéns pelas opiniões.
Estou começando no mercado e já estou lendo o livro do "Small Caps".
Gostaria de uma dicas que achei interessante: PMAM3, EUCA4, FRAS4, GPCP3 e UOLL4. Parece que os indicadores fundamentalistas são bons, o que acham?
Abraços a todos e novamente parabéns pelo nível das informações.
Estou de olho em PMAM3, mas acho que ainda não é o momento. O resultado do 4T08 (obtido pela diferença entre os resultados de 2008 e dos 9M08) é meio confuso. Parece que praticamente todo ele é não recorrente. O resultado do 1T09 veio horrível. A empresa vendeu abaixo do custo (resultado bruto negativo). E não é a 1a. vez que isto ocorre (no 4T07 e 4T08 também teve resultado bruto negativo). Recomendo esperar o 2T09 para ver no que vai dar.

6934 - paulorizzi - 08/Jun/2009 12:47
Estou de olho em PMAM3, mas acho que ainda não é o momento. O resultado do 4T08 (obtido pela diferença entre os resultados de 2008 e dos 9M08) é meio confuso. Parece que praticamente todo ele é não recorrente. O resultado do 1T09 veio horrível. A empresa vendeu abaixo do custo (resultado bruto negativo). E não é a 1a. vez que isto ocorre (no 4T07 e 4T08 também teve resultado bruto negativo). Recomendo esperar o 2T09 para ver no que vai dar.

5115 - paulorizzi - 03/Mai/2009 22:17
Em condições, digamos, normais de mercado, o problema da Paranapanema, nos últimos 2 anos, tem sido uma margem bruta que inviabiliza o seu negócio:
Em 2007, a margem bruta para uma Receita Líquida de R$ 3,95 bilhões foi de apenas 2,3% (R$ 92 milhões). Em 2008, a margem melhorou um pouco, mas ainda ficou longe do necessário para viabilizar o negócio: 5,4% para uma Receita Líquida de R$ 3,30 bilhões. Para vc ter uma idéia, em 2006 a margem bruta havia sido de 14,5% sobre uma Receita Líquida de 3,60 bilhões.
No 2o. semestre de 2008 a situação foi agravada pela desvalorizaçãodo do real e no último trimestre do ano a Receita Líquida simplesmente despencou (de uma média de R$ 980 milhões nos 3 primeiros trimestres, foi para R$ 520 milhões).
Não fosse a receita líquida de R$ 400 milhões obtida com a alienação de ativos (mineração Taboca e subsidiária Mamoré) , a Paranapanema amargaria mais um ano de enorme prejuízo (acima dos R$ 200 milhões).
A receita obtida na alienação dos ativos e uma operação de aumento de capital social foram utilizados para reduzir 2/3 da dívida (de R$ 2 bilhões para R$ 668 milhões).
Embora:
a) os encargos da dívida sejam menores;
b) a menor margem bruta da mineração Taboca (por não estar ainda operando a 100%) tenha sido eliminada; e
c) a valorização do real tende a beneficiar o resultado financeiro da empresa
resta verificar como/se a empresa conseguirá administrar a redução de 47% verificada na receita líquida no 4T08. Se não conseguir, vem mais prejuízo por aí. O balanço do 1T09 deverá ser esclarecedor. 

53 - small caps - 24/Set/2008 00:30
"TxMx, PMAM3 vive um longo processo de reestruturação. Tem tentado vender alguns ativos, ante o peso da sua dívida. É um ativo para ser analisado sob o enfoque de empresa em situação especial, turnaround. Ela tem um preço razoável, diante do risco associado à dívida. Comprar suas ações equivale a acreditar de que terá êxito nas negociações para venda de seus ativos, especialmente."
3590 de 5068 05/Abr/2009 00:53 0
jparthur Comentários: 169 - Desde: Mar 2007
Small.
"O balance da Paranapanema apareceu com positivo pela primeira vez. Você acha que ela poderá vir a ser un turn-around e valeria a pena de começar a encarteirar. O VPA dela é 3,80 e o valor atual é de 2,65 (PMAM3)."

Nenhum comentário: