Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quinta-feira, 2 de abril de 2020

ABC Brasil (ABCB)


Subsetor
Segmento

Recomendações
 
Compraispholambra (mai/18jul/18) - Joe Slovack (2018) - ispholambra (jun/17) - M Boi Mirim (2018) - mocosta (nov/17) - paulo_prof (jul/16mar/17jul/17out/17,   dez/17mar/18ago/182019) - rafnob (jul/18) - small caps (set/08)

Carteiras
acf3025 (jan/17) - alesl (jun/17) - alisonvm (out/12nov/12jan/13) - amigo_investidor (jul/17) - Amigosdahp (set/18) - Barbadu (jun/18jul/18ago/18out/18) -  BAC 1000 (ago/15) - Barrueco (ago/18) - Biguelo (mar/18, abril/18, mai/18, jun/18jul/18) - buric (out/16, nov/16) - colino19 (jul/19) - Danielrp1986 (nov/17) - disc126 (fev/18dez/18) - dissenha (fev/18) - FRBRAVIM (set/17ago/18) - fridao (nov/17) - Guti21 (mar/18abr/18mai/18) - harleyhr (jan/20) - herdsman (nov/16) - ispholambra (jun/17jul/17, ago/17set/17out/17nov/17dez/17jan/18, fev/18mar/18jun/19) - izidoro (jul/17ago/17) - jbegood (mar/13) - johngringo (ago/18) - ikkii (mar/17abr/17mai/17jun/17jul/17ago/17) -luciomedeiros (jan/16, fev/16) - MOL5ON (dez/17) - M0rfeu (jul/17) - paulo_prof (mai/16, jun/16jul/16, ago/16set/16,  out/16, nov/16, dez/16, jan/17, fev/17mar/17abr/17mai/17,  jun/17jul/17ago/17set/17, out/17nov/17dez/17jan/18fev/18,  mar/18abr/18mai/18,  jun/18jul/18ago/18, set/18, out/18, nov/18dez/18jan/19, fev/19, abr/19mai/19jun/19jul/19nov/19, dez/19, abr/20) -  pobre (jul/16, ago/16) - pocunha (dez/17jan/18) -  rafamcl (mar/17abr/17, mai/17, jun/17, jul/17ago/17set/17, out/17, nov/17dez/17) - RRunner (mai/18jun/18, jul/18ago/18), sergio74 (set/18mar/20) - SS2010 (ago/18) - tiagohv (jul/16, ago/16) - Trifloripasempre (ago/15)

Códigos de Negociação
Tipo
ABCB4
  Nível 2

Balanços
A2019/4T2019 -
paulo_prof  -
Excetuando o que se refere a Receita com Taxas e Prestação de Serviços (que involuiu 1,8% na base anual e 14,8% na base trimestral), e Despesas de Pessoal, Gerais e Administrativas e Tributárias (que aumentaram 15,7% no ano e 4,9% no trimestre) todos os demais Resultados foram amplamente favoráveis em ambas as bases.
Há que se verificar se não houve algum PGV para justificar o aumento das despesas.
De uma maneira geral, não visualizo ameaças para a boa performance do bvanco no curto prazo. Haverá uma despesa maior de CSSL, mas deverá ser compensada com o crescimento da carteira de créditos e redução da inadimplência. Nos último ano, a carteira expandida de créditos aumentou 33% e a inadimplência refluiu 75,8%.
Continuo achando o ativo barato.

3T2019 -
paulo_prof  -
Como já reconheci inúmeras vezes, tenho dificuldades para analisar bancos. No 3T19, os resultados foram fortemente impactados pelas despesas com Operações de empréstimos e repasses, que somaram R$ 910 milhões, quando no 1o. semestre tinham somado somente pouco mais de R$ 80 milhões e no 3t18, R$ 424 milhões. Desta forma, embora as despesas com provisões tenha caído 34,8% em relação ao 3T18 (de R$ 33,1 para R$ 21,6 milhões), o Resultado Bruto de Intermediação caiu 8,7%, para R$ 101 milhões. Por outro lado, houve também uma redução nas receitas de prestação de serviços (-14,8% para R$ 82 milhões) e um aumento nas despesas de pessoal, gerais e administrativas e tributárias (+4,9% para R$ 102 milhões). Em consequência de um menor resultado bruto de intermediação e uma maior despesa líquida na rubrica Outras Receitas e Despesas, o Resultado Operacional involuiu 21,7%, para R$ 85 milhões. A última linha somente apresentou uma evolução (+12,4% para R$ 131 milhões), devido a uma maior diferimento de ativo fiscal. Na minha experiência com DREs de bancos, deve-se olhar os resultados de um trimestre particular com cautela. Tenho a impressão de que, desde que o faça dentro do exercício fiscal, o contador tem uma grande liberdade para contabilizar receitas, despesas, ativo fiscal diferido, etc., num determinado trimestre.
Na comparação anua percebe-se que, excetuando a Receita da Prestação de Serviços e Despesas de Pessoal, Gerais e Administrativas e Tributárias, que foram negativos e o lucro líquido, que em termos reais estscionaou, os demais resultados (Resultado Bruto, Resultado Operacional e Despesas de Provisão) foram amplamente positivos. Percebe-se, também, uma grande evolução da Carteira Expandida de Créditos, do Patrimônio Líquido e dos Ativos Totais.
Na minha opnião, o ativo está barato.

2T2019 -
paulo_prof   - 
Os resultados foram muito sólidos, excelentes. Os pontos nos quais o banco poderia tentar melhorar são aumentar a receitas de serviços e taxa e diminuir as despesas de pessoal, admnistrativas e tributárias.
Se o lucro líquido continuar evoluindo como nos dois últimos trimestres, o preço corrente deixará muita saudade.

1T2019 -
paulo_prof  -
Na minha opinião, os Resultados do ABCB mostram aspectos positivos e negativos.
O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu sensivelmente, passando de uma média de 3,09% nos quatro trimestres terminados no 1T18 para a média de 2,24% nos 4 últimos trimestres. Em relação ao trimestre passado, houve uma redução marginal, diminuindo de 2,37% para 2,29%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 1,86% nos 4 trimestres terminados no 1T18, para uma média de 0,70% nos últimos 4 trimestres. Como consequência, embora a Carteira Expandida de Crédito tenha aumentando em 21,4% em termos nominais nos últimos 12 meses, a despesa de PDD aumentou somente 19,3%.
Na comparação trimestral, embora a última linha tenha mostrado boa evolução (+10,1%), este aumento foi conseguido via ativo fiscal diferido (o resultado operacional encolheu 6%).
Não gostei, também, da Receita de Serviços e Tarifas, que evoluíram somente 0,1% em termos nominais e o grande aumento nas despesas de pessoal, administrativas e tributárias (+24,0%).
Especialmente no que concerne a Receita com Serviços e Tarifas, há algo de "esquisito", pois a queda no trimestre, em relação à média nos 3 trimestres anteriores foi de 18% (decréscimo de aprox. R$ 16 milhões) , o que não parece razoável. Suspeito que no 1T19 houve algum "problema" com a contabilização destas receitas, que deverá ser "normalizado" no 2T19. 
De qualquer forma, o ativo parece estar relativamente barato.

A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Sempre confessei ter dificuldades em entender a contabilidade de bancos. Muitas vezes, mais parece um samba do crioulo doido. No meu entendimento de leigo, o que deveria interessar é o Resultado Operacional (eventualmente considerando o Resultado Não Operacional). Afinal, é das operações que deve sair o lucro. Mas na contabilidade dos bancos há o tal de diferimento de ativo fiscal que distorce o quadro. Ao final do 3T18 no caso do ABCB, o Resultado Antes dos Impostos e Participações somou R$ 253 milhões. O Lucro Líquido foi contabilizado em R$ 336 milhões. Ou seja, com o diferimento de ativo fiscal, o banco contabilizou uma "receita" líquida de IR/CS. Por não ser sustentável, este quadro me preocupava. Felizmente, no 4T18 esyte quadro foi revertido. O Resultado Antes dos Impostos e Participações somou R$ 210 milhões, só um pouco menor do que fora postado nos 9M18 e 70% maior do que aquele postado no ano passado. Já o Lucro Líquido do trimestre caiu para R$ 82 milhões, sensivelmente menor do que aquele postado no 4T17 (-26%). Apesar do Lucro Líquido menor, no meu modo de entender, o 4T18 foi disparado o melhor trimestre do banco. O que será daqui em diante? Mais trimestres iguais ao 4T18 ou mais trimestres iguais à média dos 9M18? Não tenho bola de cristal! Façam as suas apostas!

3T2018 -
Paulo Prof - 
No que se refere a ultima linha, o resultado foi muito bom. A qualidade da carteira, embora tenha piorado algo em relação ao 2T18, melhorou sensivelmente em relação ao 3T17. Por outro lado, no 3T18 os créditos baixados a prejuízo foram mínimos. As despesas de PDD mantiveram o nível do 2T18, substancialmente abaixo da norma dos 3 primeiros trimestres de 2017.
O que preocupa é fato do resultado operacional nons últimos 12 meses ser sensivelmente menor do que o lucro. Isto é obtido por despesas de IR/CS negativas. Nos ultimos 9 meses houve uma receita líquida de IR/CS: receita de R$ 24,5 milhões em IR/CS corrente e receita de R$ 166 milhões em ativo fiscal diferido, totalizando mais de R$ 190 milhões. Isto é a parte mais substancial do lucro líquido postado no período, de R$ 336 mihões. Mais dia, menos dia, a conta há de chegar!

2T2018 -
Paulo Prof - 
A exemplo dos bancões, o ABCB também apresentou um Resultado Antes dos Impostos abaixo da crítica ... inclusive levemente negativo. A última linha, entretanto, veio em linha com os resultados trimestrais recentes, turbinada pela receita de ativo fiscal diferido. No semestre, o IR/CS efetivo foi de R$ 147 milhões positivos (receita), quando no 1T18 havia sido R$ 6 milhões negativos (despesa).
Desconheço os detalhes da contabilidade de bancos (possivelmente há rubricas que não são contabilizadas no 1o. e 3o. trimestres e, em consequência, uma melhor visão é obtida nas demonstrações do 2o. e 4o. trimestres ... algum contador aí para confirmar?) mas de qualquer forma, se o banco não tivesse ativos fiscais para diferir, teria postado um lucro semestral pífio (R$ 147 milhões menor). A maior responsável por esta queda no resultado operacional é a derrocada no Resultado de Intermediação.
No Release, o Banco informa que o lucro líquido contábil de R$ 112 milhões é recorrente ... aparentemente, então, está tudo bem. Mas eu fico com um pé atrás porque duvido que o banco teria ativos fiscais para diferir eternamente.
De qualquer forma, o ativo parece barato prá caramba!

1T2018 -
Paulo Prof - 
Eu achei os resultados do 1T18 muito bons. Embora o lucro recorrente na base trimestral tenha regredido um pouco, o que era de se esperar, porque a queda do CDI impacta a receita da remuneração do patrimônio líquido, reduzindo a margem financeira, houve crescimento da receita com serviços e redução das despesas de PDD. A qualidade da carteira expandida de créditos melhorou sensívelmente, passando de 2,85% no 4T17 para 2,34%. Há que se lembrar que o banco mantém uma provisão voluntária adicional (não exigida pelo Banco Central) de R$ 50 milhões. A enorme redução do PDD total ocorrida no trimestre (R$ 65,2 milhões), adicionada da despesa de PDD (R$ 22,5 milhões), permitiu baixar R$ 87,7 milhões a prejuízo.
Como explicado no post em resposta ao Ikki, para aplicar a formuleta do FCD, uso uma taxa de desconto real de 8%. É uma baita taxa ... A NTNB2045 está pagando hoje IPCA + 5,32% a.a. Se considerarmos inflação zero e IR de 15% (mínimo possível), o rendimento anual líquido seria de 4,52%, um pouco mais da metade dos meus 8%. Se alguma inflação for considerada, o rendimento será ainda menor, porque iuma parte do rendimento inflacionário é comida pelo IR.
Se eu considerar o LPA dos últimos 12 meses da ABCB4 e fizer as contas supondo que este lucro vá variar, em termos reais, nos próximos 10 anos, a taxa de crescimento do LPA compatível com o preço atual seria de -6,5%. Ou seja, mesmo que o LPA caia 6,5% em termos reais, todos os anos, durante 10 anos, o preço atual será aprox. igual ao preço justo e isto para uma taxa de desconto super exagerada no cenário econômico atual. Se a taxa de desconto for reduzida para 6%, o LPA poderia cair 9,5% por ano, durante os 10 anos.
Nem mesmo se a Dilma voltasse a se eleger presidenta!

Rocha Preta inc  - 
na minha opinião, tudo dentro dos conformes. Banco redondinho e com boa gestão de custos e PDD. Tesouraria caiu bem de 70 pra 50 mi (menor margem financeira), mas nada que assuste.

marcosvinicius2 -  
PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). Carteira de Crédito = A carteira de crédito (considerando empréstimos e garantias prestadas) atingiu R$ 22.569ilhões ao final de março de 2018(R$ 22.144 milhões ao final de dezembro de 2017 e R$ 21.191 milhões ao final de março de 2017). Em relação à qualidade da carteira, 95,3% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de março de 2017, de acordo com a Resolução nº 2.682/99 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 97,0%. O saldo de provisão para devedores duvidosos representou 2,76% do total da carteira de empréstimos ao final de março de 2018(3,27% ao final de dezembro de 2017 e 3,87%ao final de março de 2017).; O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA também vem se MANTENDO ESTÁVEL: 0,22% no 1T15; 1,09% no 1T16; 1,21% no 1T17 e 1,72% no 1T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores INFERIORES quando comparadas com empresas do mesmo setor: 2,15% no 1T15; 3,05% no 1T16; 3,69% no 1T17 e 2,34% no 1T18.

A2017/4T2017 - 
De qualquer forma, o ativo continua barato. Aos preços atuais, a margem de segurança é grande.

ispholambra  -
Numa primeira olhada achei um bom resultado...

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*).DOS ULTIMOS 45 TRIMESTRES, 45 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). No período de 9M17 aprox. R$ 185 milhões em créditos foram baixados a prejuízo o que, anualizado, dá 1,9881% da carteira expandida de créditos. Por outro lado, a "qualidade" da carteira SE RECUPEROU depois de sofrer uma deterioração nos TRIMESTRES ANTERIORES. Era 3,49% no 3T16, passou para 3,58% no 4T16, para 3,66% no 1T17 , para 3,84% e 3,33% no 3T17. A consequência é uma alta despesa de PDD (está na faixa dos R$ 55-57 milhões a 3 trimestres). O Resultado Operacional dos 9M17 somou R$ 468 milhões. O RESULTADO dos 9M16, R$ 577 milhões, 23% maior!!! No período, entretanto, o Lucro Líquido foi maior em 2017 do que fora em 2016: R$ 308 milhões vs R$ 298 milhões. Evidentemente, o responsável pela grande diferença foi o IR/CS. No período 9M17, o IR/CS líquido foi de R$ 39 milhões; no período de 9M16 havia sido de R$ 193 milhões. Uma parte importante é devida às DIFERENÇAS NA PROVISÃO PARA IR. Enquanto que em 2016 este foi negativo (despesa) de 74 milhões, em 2017 foi positivo (receita) de R$ 19 milhões. 

paulo_prof   -
O resultado, em termos do lucro líquido, vem evoluindo de forma levemente negativa em termos reais, tanto na base anual, quanto na base trimestral. Embora a "qualidade" da carteira expandida de créditos tenha melhorado (é preciso ver se a reversão é definitiva) o que no meu critério é inadimplência, aumentou sensivelmente (no meu critério, créditos com atraso maior do que 90 dias constituem inadimplência), passando de 1,02% há um ano, para 1,81%. Em consequência, não houve melhora no que concerne as despesas de PDD, que foram 11% maiores na base anual e 9,2% maiores na base trimestral. De qualquer forma, aos preços atuais acho que um investimento no ativo encerra riscos mínimos.

2T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SUBVALORIZADO (*). NOS ULTIMOS 42 TRIMESTRES, 42 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). MEDIA DE LUCRO LIQUIDO (U12M) = 103.826.000; (U24M) = 101.388.000; (U36M) = 95.017.000; (U48M) = 89.725.000; MAIORES VARIAÇÕES = 12M X 12M : RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO E CRÉDITOS INADIMPLENTES; 2T16 X 2T15 : RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA E RESULTADO OPERACIONAL. VM (MIL) = 3.370.389; VALOR MAXIMO (MIL) = 3.558.477 NO 1T17; VE PSBE (MIL) = 14.008.667: 
Rentabilidade dos Negócios : O Banco ABC BRASIL S.A. apresentou um lucro líquido de R$ 107,1 milhões no segundo trimestre de 2017 (R$ 104,1 milhões no mesmo período de 2016), representando uma rentabilidade sobre o patrimônio médio de 14,0% a.a. (15,7% a.a. no mesmo período do ano anterior). 
O aumento do resultado do banco, em relação ao mesmo período do ano anterior, reflete, principalmente, o aumento das receitas da 
intermediação financeira e das receitas operacionais, com destaque para as Receitas de Prestação de Serviços. O resultado foi parcialmente compensando por maiores Despesas da Intermediação Financeira e também por maiores Despesas de Pessoal e Outras Despesas Administrativas, na linha de Despesas Operacionais.
Carteira de Crédito: A carteira de crédito incluindo garantias prestadas atingiu R$ 21.216,0 milhões ao final 
de junho de 2017 (R$ 19.573,1 milhões ao final do primeiro semestre de 2016). Em relação à qualidade da carteira, 92,8% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de junho de 2017, de acordo com a Resolução nº 2.682/99 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 95,5%. O saldo de provisão para devedores duvidosos representou 4,00% do total da carteira de empréstimos ao final de junho de 2017 (3,93%ao final de junho de 2016).

paulo_prof  -
Não dá para afirmar que o resultado foi ruim ... mas certamente há margem para que fosse melhor. Pelas minhas contas, no 1S17 aprox. R$ 70 milhões em créditos foram baixados a prejuízo o que, anualizado, dá 1,15% da carteira expandida de créditos. Por outro lado, a "qualidade" da carteira continua deteriorando (embora levemente). Era 3,49% no 3T16, passou para 3,58% no 4T16, para 3,66% no 1T17 e agora, para 3,84%. A consequência é uma alta despesa de PDD (está na faixa dos R$ 55-57 milhões a 3 trimestres).
Há um detalhe na contabilidade de bancos que não entendo ... acho que terei que estudar melhor. O Resultado Operacional do 1S17 somou R$ 291 milhões. O do 1S16, R$ 446 milhões, 53% maior!!! No sermestre, entretanto, o Lucro Líquido foi maior em 2017 do que fora em 2016: R$ 204 milhões vs R$ 195 milhões. Evidentemente, o responsável pela grande diferença foi o IR/CS. No 1S17, o IR/CS líquido foi de R$ 9 milhões; no 1S16 havia sido de R$ 191 milhões. Uma parte importante é devida às diferenças no ativo fiscal diferido. Enquanto que em 2016 este foi negativo (despesa) de 69 milhões, em 2017 foi positivo (receita) de R$ 37 milhões. Como deverá chegar uma hora na qual esta "receita" em impostos terá que ser paga, não posso dizer que me sinto confortável com esta enorme queda do resultado operacional. Na comparação trimestral, esta queda foi de 73,3%.
De qualquer forma, na comparação anual o banco vai muito bem obrigado. O preço atual do ativo é compatível com uma queda sensível (acima dos 10% reais) do lucro líquido nos próximos anos. Como a foto do momento mostra a de estabilidade no lucro, acho que a margem de segurança é muito grande ... maior do que na ocasião da postagem acima.
Para quem gosta da expressão ... acho que o ativo continua barato prá caramba!

1T2017 -
paulo_prof   -
Embora sem grandes surpresas, esperava um resultado melhor no que concerne as despesas de PDD, qualidade da carteira e inadimplência. Por outro lado, sei que houve despesas não recorrentes que puxaram os números da última linha para baixo. Tenho que ler o relatório para entender os detalhes.
De qualquer forma, mesmo valorizando 9,2% desde a divulgação dos resultados de 2016, o ativo continua barato pra caramba!

A2016/4T2016 -
paulo_prof   -
O ABCB continua a entregar legal! Algum dia o mercado ainda vai enxergar! Considerando os fundamentos, estar sendo negociado a um P/L de 7,3 e em seu valor patrimonial não faz sentido. Despesas com provisões e inadimplência continuam sob controle. Não vejo grandes ameaças. Banco girando redondinho.

3T2016 -
paulo_prof   -
A qualidade da carteira de créditos melhorou, passando de 3,66% ao final do 2T16 para 3,49%, A inadimplência, no trimestre, também melhorou, passando de 1,83% na base anual, para 1,75%. Como consequência, a despesa bruta com a Provisão para Perdas com Devedores Duvidosos diminuiu marginalmente. De uma maneira geral, os resultados do 3T16 foram bons, sendo que a última linha praticamente repetiu aquela do trimestre anterior em termos nominais e praticamente repetiu aquela do 3T15, em termos reais. 
Na minha opinião, o ativo continua barato prá caramba!

2T2016 -
paulo_prof   -
Para variar, muito bom o resultado do ABCB em termos de última linha, embora com uma piora no que concerne a qualidade da carteira de créditos e o aumento na inadimplência. A medida da qualidade passou de 2,98% ao final do 1T16, para 3,66%. Um ano antes havia sido 2,29%. Os NPL (non performing loans) no trimestre, como percentual anualizado da carteira de crédito aumentou de 1,56% no 1T16, para 1,83%. Um ano antes, no 2T15, este percentual era de 0,56%. A consequência destas pioras é o aumento das despesas de PDD, que aionda não encontrara, o seu topo trimestral (R$ 32 milhões, 50 milhões e 54 milhões, respectivamente, no 4T15, 1T16 e 2T16).
O interessante, entretanto, é que o banco parece sempre encontrar uma forma de manter a sua lucratividade. No trimestre, ROAE = 15,5% e ROAA = 1,83% em valores anualizados.
Na minha opinião, o ativo está barato prá caramba!

3T2015 -
paulo_prof  - 
Mais do mesmo ...
Não li o Relatório em detalhes ... mas parece que o banco aproveitou a situação favorável para o uso do crédito tributário, para limpar a carteira de créditos dos créditos problemáticos. Além de "limpar" a carteira, constituiu provisão adicional (R$ 50 milhões) que representa 17% da provisão total.
Embora o cenário daqui para frente não se apresente róseo, parece que o ABCB está bem preparado para enfrentá-lo.
O ativo está barato!

2T2015 -
paulo_prof  -
O ABCB continua bombando ... margem de segurança muito alta!

1T2015 -
paulo_prof  -
Assim como os bancões Bradesco e Itaú, o ABCB pratica o hedge accounting. Assim como os bancões Bradesco e Itaú, o ABCB teve um Resultado Bruto de Intermediação super pífio (de fato, foi negativo) e um Resultado Operacional muito fraco em comparação com a média postada nos últimos trimestres. E assim como os bancões, o ABCB obteve uma baita receita de IR/CS, turbinando o lucro. Os bancos costumam fazer dívida subordinada de longo prazo captando recursos no exterior. Para proteger estes ativos denominados em outras moedas, são utilizados derivativos. Quando há uma desvalorização importante do real, o impacto negativo é todo sentido no Resultado Bruto de Intermediação. Por outro lado, o impacto positivo do hedge é parcialmente sentido em Outras Receitas Operacionais e complementado por um crédito no IR/CS.
Por alguma razão (o ABCB definitivamente não é uma queridinha!) o mercado resolveu bater no ativo hoje !!! Um sinal laranja foi aceso por ocasião da divulgação dos Resultados 2014, pois houve um aumento considerável das despesas de PDD, que passaram da faixa dos R$ 15-25 milhões para uma faixa acima dos R$ 40 milhões. Mas a última linha continuou saudável !!! Talvez o mercado esteja enxergando a coisa de forma equivocada ... talvez seja eu que esteja enxergando equivocado !!!
... no meu modo de entender ... o preço atual nada tem a ver com os fundamentos !!! O ativo continua barato prá caramba!

A2014/4T2014 -
paulo_prof  -
Alguns itens de resultado são estranhos ...
O Resultado Bruto de Intermediação Financeira, que no 3T14 já havia sido bem inferior ao do 3T13, mais uma vez situou-se muito abaixo do resultado do 4T13.
As despesas de PDD no 4T14 são muito maiores do que aquelas do 4T13 !!!
Acho que vou ter que estudar o Relatório para entender os detalhes ...
De qualquer forma, no que concerne a qualidade da carteira de créditos, inadimplência e a última linha, o banco continua voando ... Mais dia, menos dia, o mercado vai ter que corrigir o seu valuation do ativo ... considerados os fundamentos, parece-me que nunca esteve mais barato ...

3T2014 -
paulo_prof  -
Quedas importantes no Resultado Bruto Financeiro
e Resultado Operacional em relação ao 3T13 (respectivamente, -56,0% e -17,1%). A "salvação" veio na forma de uma receita de IR/CS diferido, que turbinou o lucro líquido em 17,9% em relação ao 3T13. Considerando a competência de administração e os multiplos, do banco, parece que o ativo está barato prá caramba !!! O ROE poderia ser um pouco maior !!!

2T2014 -
paulo_prof  -
O melhor banco médio brasileiro (disparado) continua barato prá caramba ... agora, ainda mais barato do que após a divulgação do 1T14.

1T2014 -
paulo_prof  -
Disparado ... o melhor banco médio no Brasil ... se os caras não estão lavando grana ... devem ser bons prá cacete ..

A2013/4T2013 -
paulo_prof  -
Embora a qualidade da carteira de crédito tenha apresentado uma piora e o volume dos créditos inadimplentes (NPL) tenha aumentado, o ABCB continua funcionando como um relógio ... e continua barato prá caramba !!!

small caps  -
Fantástico resultado para o cenário atual

3T2013 -
paulo_prof  -
A Eztec dos bancos brasileiros ... Se todos os bancos do Brasil fossem administrados como este ... Um relógio ... e barato prá caramba!

2T2013 -
paulo_prof  -
Um dos bancos no Brasil mais bem administrados. Um relógio ... e barato prá caramba!

3T2012 -


1T2011 -
pauloprof -
achou resultado promissor.

A2009/4T2009 -
smallcaps e lesoares -
gostaram.

3T2009 -
pauloprof -
gostou

rcricardo -
achou muito bom.

Características
Prática de operações ativas, passivas e acessórias inerentes às respectivas carteiras autorizadas pelo Banco Central do Brasil.


O Banco ABC Brasil S.A. é um banco múltiplo, especializado na concessão de crédito e serviços para empresas de grande porte, um dos únicos do país a contar com suporte de um controlador internacional e autonomia local.
 
Apresentações
06/02/2020 - Dados Financeiros - Press-release - 31/12/19

Balanços (Calendário)
06/02/2020
 DFP 2019

 ITR 2T 2020

 ITR 3T 2020



Excetuando o que se refere a Receita com Taxas e Prestação de Serviços (que involuiu 1,8% na base anual e 14,8% na base trimestral), e Despesas de Pessoal, Gerais e Administrativas e Tributárias (que aumentaram 15,7% no ano e 4,9% no trimestre) todos os demais Resultados foram amplamente favoráveis em ambas as bases.

Há que se verificar se não houve algum PGV para justificar o aumento das despesas.

De uma maneira geral, não visualizo ameaças para a boa performance do bvanco no curto prazo. Haverá uma despesa maior de CSSL, mas deverá ser compensada com o crescimento da carteira de créditos e redução da inadimplência. Nos último ano, a carteira expandida de créditos aumentou 33% e a inadimplência refluiu 75,8%.

Continuo achando o ativo barato.

Bd7EdtnoU4ZVokcRnrlBGGzKHkZMIQtMd5hYE=



ABCB4

PREÇO: R$ 23,75

PAYOUT (2018): 53,84%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,62

P/VPA 1,26

DY 4,43%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,469

ROAE 13,1%

ROAA 1,46%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 31.901

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,15%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,01%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +42,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -1,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 15,7%

RESULTADO OPERACIONAL +31,8%

RESULTADO LÍQUIDO +26,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -30,8%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -75,8%



b) 4T19 sobre 4T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -8,7%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -14,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,9%

RESULTADO OPERACIONAL -21,7%

RESULTADO LÍQUIDO +12,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -34,8%

PATRIMONIO LÍQUIDO +10,2%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +33,0%

PDD TOTAL +12,8%

ATIVOS TOTAIS +10,8%



c) lucro liquido, nominal

UA 26,39%

U2A 12,33%

U3A 9,13%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,98%

U2A 11,48%

U3A 12,45%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu, passando de uma média de 2,25% nos 12 meses terminados no 4T18 para uma media de 2,08% nos últimos 12 meses. Em relação ao trimestre passado, houve aumento, passando de 1,95% para 2,015%. O índice de inadimplência despencouu de uma média de 0,90% nos 4 trimestres terminados no 3T18, para uma média de 0,160% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 30,86

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,5%

364998 - keep_calm  -  06 Nov 2019, 17:21
Banco ABC (ABCB4): O lucro líquido recorrente do Banco ABC (ABCB4) atingiu R$123 milhões no terceiro trimestre de 2019, queda de 1,8% em relação ao trimestre anterior e aumento de 5,9% em relação ao mesmo período de 2018. O lucro líquido contábil totalizou R$130,5 milhões no trimestre, redução de 1,7% em relação ao trimestre anterior e aumento de 12,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. O Retorno Anualizado sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) recorrente foi de 12,5% no trimestre, redução de 0,5 p.p. em relação ao trimestre anterior e 0,8 p.p. em comparação ao mesmo período de 2018. O ROAE contábil foi de 13,3% no trimestre. A Carteira de Crédito Expandida encerrou setembro de 2019 com saldo de R$28,2 bilhões, crescimento de 4,3% em relação ao trimestre anterior e de 11,5% em 12 meses. No segmento Corporate, houve expansão de 8% no trimestre e de 25,6% em 12 meses. No segmento Large Corporate, a carteira apresentou crescimento de 1,2% no trimestre e de 1,5% em 12 meses. O Middle apresentou crescimento de 9,2% no trimestre e 11,9% em 12 meses. A Carteira de Empréstimos (2.682) apresentou uma performance sólida no trimestre, crescendo 11,4% em relação ao trimestre anterior e 22,2% em relação ao mesmo período de 2018.

364987  - paulo_prof  -  06 Nov 2019, 14:55
Como já reconheci inúmeras vezes, tenho dificuldades para analisar bancos. No 3T19, os resultados foram fortemente impactados pelas despesas com Operações de empréstimos e repasses, que somaram R$ 910 milhões, quando no 1o. semestre tinham somado somente pouco mais de R$ 80 milhões e no 3t18, R$ 424 milhões. Desta forma, embora as despesas com provisões tenha caído 34,8% em relação ao 3T18 (de R$ 33,1 para R$ 21,6 milhões), o Resultado Bruto de Intermediação caiu 8,7%, para R$ 101 milhões. Por outro lado, houve também uma redução nas receitas de prestação de serviços (-14,8% para R$ 82 milhões) e um aumento nas despesas de pessoal, gerais e administrativas e tributárias (+4,9% para R$ 102 milhões). Em consequência de um menor resultado bruto de intermediação e uma maior despesa líquida na rubrica Outras Receitas e Despesas, o Resultado Operacional involuiu 21,7%, para R$ 85 milhões. A última linha somente apresentou uma evolução (+12,4% para R$ 131 milhões), devido a uma maior diferimento de ativo fiscal. Na minha experiência com DREs de bancos, deve-se olhar os resultados de um trimestre particular com cautela. Tenho a impressão de que, desde que o faça dentro do exercício fiscal, o contador tem uma grande liberdade para contabilizar receitas, despesas, ativo fiscal diferido, etc., num determinado trimestre.

Na comparação anua percebe-se que, excetuando a Receita da Prestação de Serviços e Despesas de Pessoal, Gerais e Administrativas e Tributárias, que foram negativos e o lucro líquido, que em termos reais estscionaou, os demais resultados (Resultado Bruto, Resultado Operacional e Despesas de Provisão) foram amplamente positivos. Percebe-se, também, uma grande evolução da Carteira Expandida de Créditos, do Patrimônio Líquido e dos Ativos Totais.

Na minha opnião, o ativo está barato.

Gsfap9bf3SRZo=

ABCB4

PREÇO: R$ 18,13

PAYOUT (2018): 53,84%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,40

P/VPA 0,99

DY 6,41%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,159

ROAE 11,7%

ROAA 1,25%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 28.841

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,14%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,95%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +67,9%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +0,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 15,1%

RESULTADO OPERACIONAL +63,1%

RESULTADO LÍQUIDO +4,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -10,8%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -79,6%



b) 3T19 sobre 3T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -8,7%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -14,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,9%

RESULTADO OPERACIONAL -21,7%

RESULTADO LÍQUIDO +12,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -34,8%

PATRIMONIO LÍQUIDO +14,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +28,9%

PDD TOTAL +22,8%

ATIVOS TOTAIS +19,9%



c) lucro liquido, nominal

UA 3,95%

U2A 5,59%

U3A 4,81%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,33%

U2A 11,89%

U3A 12,87%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu, passando de uma média de 2,37% nos 12 meses terminados no 3T18 para uma media de 2,17% nos últimos 12 meses. Em relação ao trimestre passado, houve redução, passando de 2,08% para 1,95%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 0,97% nos 4 trimestres terminados no 3T18, para uma média de 0,16% nos últimos 4 trimestres.



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,99

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -8,5%

363178  - paulo_prof   -  05 Ago 2019, 15:42
Os resultados foram muito sólidos, excelentes. Os pontos nos quais o banco poderia tentar melhorar são aumentar a receitas de serviços e taxa e diminuir as despesas de pessoal, admnistrativas e tributárias.

Se o lucro líquido continuar evoluindo como nos dois últimos trimestres, o preço corrente deixará muita saudade.

Xn4TYc=
ABCB4

PREÇO: R$ 18,02

PAYOUT (2018): 53,84%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,60

P/VPA 1,00

DY 6,26%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,094

ROAE 11,6%

ROAA 1,29%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 20.698

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,11%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,08%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +42,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 14,1%

RESULTADO OPERACIONAL +42,2%

RESULTADO LÍQUIDO +3,5%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -18,3%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -91,8%



b) 2T19 sobre 2T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +5.180%%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -1,3%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +21,5%

RESULTADO OPERACIONAL +4.156,1%%

RESULTADO LÍQUIDO +18,9%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -78,5%

PATRIMONIO LÍQUIDO +13,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +33,5%

PDD TOTAL +18,9%

ATIVOS TOTAIS +23,1%



c) lucro liquido, nominal

UA 3,50%

U2A 4,11%

U3A 4,38%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,05%

U2A 12,49%

U3A 13,44%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu sensivelmente, passando de uma média de 2,64% nos 12 meses terminados no 2T18 para uma media de 2,25%% nos últimos 12 meses. Em relação ao trimestre passado, houve redução, passando de 2,29% para 2,08%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 1,87% nos 4 trimestres terminados no 2T18, para uma média de 0,12% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,17

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -8,0%

360970  - paulo_prof  -  06 Mai 2019, 14:45
Na minha opinião, os Resultados do ABCB mostram aspectos positivos e negativos.

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu sensivelmente, passando de uma média de 3,09% nos quatro trimestres terminados no 1T18 para a média de 2,24% nos 4 últimos trimestres. Em relação ao trimestre passado, houve uma redução marginal, diminuindo de 2,37% para 2,29%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 1,86% nos 4 trimestres terminados no 1T18, para uma média de 0,70% nos últimos 4 trimestres. Como consequência, embora a Carteira Expandida de Crédito tenha aumentando em 21,4% em termos nominais nos últimos 12 meses, a despesa de PDD aumentou somente 19,3%.

Na comparação trimestral, embora a última linha tenha mostrado boa evolução (+10,1%), este aumento foi conseguido via ativo fiscal diferido (o resultado operacional encolheu 6%).

Não gostei, também, da Receita de Serviços e Tarifas, que evoluíram somente 0,1% em termos nominais e o grande aumento nas despesas de pessoal, administrativas e tributárias (+24,0%).

Especialmente no que concerne a Receita com Serviços e Tarifas, há algo de "esquisito", pois a queda no trimestre, em relação à média nos 3 trimestres anteriores foi de 18% (decréscimo de aprox. R$ 16 milhões) , o que não parece razoável. Suspeito que no 1T19 houve algum "problema" com a contabilização destas receitas, que deverá ser "normalizado" no 2T19.

De qualquer forma, o ativo parece estar relativamente barato.

ABCB4

PREÇO: R$ 19,05

PAYOUT (2018): 53,84%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,64

P/VPA 1,08

DY 5,58%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,976

ROAE 11,2%

ROAA 1,27%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 111.630

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,65%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,29%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -15,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 8,5%

RESULTADO OPERACIONAL -20,0%

RESULTADO LÍQUIDO -0,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -13,0%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -54,0%



b) 1T19 sobre 1T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +3,4%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +0,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +24,0%

RESULTADO OPERACIONAL -6,0%

RESULTADO LÍQUIDO +10,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -21,6%

PATRIMONIO LÍQUIDO +11,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +21,4%

PDD TOTAL +18,7%

ATIVOS TOTAIS +19,3%



c) lucro liquido, nominal

UA -0,31%
U2A 2,02%
U3A 3,97%


d) patrimônio líquido médio

UA 11,75%

U2A 12,77%

U3A 13,65%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,70

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,5%

358255 - paulo_prof  - 06 Fev 2019, 13:19
Sempre confessei ter dificuldades em entender a contabilidade de bancos. Muitas vezes, mais parece um samba do crioulo doido. No meu entendimento de leigo, o que deveria interessar é o Resultado Operacional (eventualmente considerando o Resultado Não Operacional). Afinal, é das operações que deve sair o lucro. Mas na contabilidade dos bancos há o tal de diferimento de ativo fiscal que distorce o quadro. Ao final do 3T18 no caso do ABCB, o Resultado Antes dos Impostos e Participações somou R$ 253 milhões. O Lucro Líquido foi contabilizado em R$ 336 milhões. Ou seja, com o diferimento de ativo fiscal, o banco contabilizou uma "receita" líquida de IR/CS. Por não ser sustentável, este quadro me preocupava. Felizmente, no 4T18 esyte quadro foi revertido. O Resultado Antes dos Impostos e Participações somou R$ 210 milhões, só um pouco menor do que fora postado nos 9M18 e 70% maior do que aquele postado no ano passado. Já o Lucro Líquido do trimestre caiu para R$ 82 milhões, sensivelmente menor do que aquele postado no 4T17 (-26%). Apesar do Lucro Líquido menor, no meu modo de entender, o 4T18 foi disparado o melhor trimestre do banco. O que será daqui em diante? Mais trimestres iguais ao 4T18 ou mais trimestres iguais à média dos 9M18? Não tenho bola de cristal! Façam as suas apostas!

ABCB4

PREÇO: R$ 19,96

PAYOUT (2018): 53,84%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,96

P/VPA 1,14

DY 5,41%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,004

ROAE 11,4%

ROAA 1,28%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 132.048

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,83%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,37%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -21,9%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,9%

RESULTADO OPERACIONAL -19,3%

RESULTADO LÍQUIDO -0,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -28,9%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -33,7%



b) 4T18 sobre 4T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +56,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +14,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +10,6%

RESULTADO OPERACIONAL +70,1%

RESULTADO LÍQUIDO -26,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS passou de receita para despesa

PATRIMONIO LÍQUIDO +11,6%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +15,3%

PDD TOTAL -3,9%

ATIVOS TOTAIS +13,8%



c) lucro liquido, nominal

UA -0,15%

U2A 1,41%

U3A 4,07%



d) patrimônio líquido médio

UA 11,98%

U2A 13,20%

U3A 13,96%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 25,05

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -5,0%

356974 - paulo_prof  -  19 Dez 2018, 15:28
Citação: eduardojose - Post #356939 - 18/Dez/2018 18:43
Professor, estou com R$ para praticamente dobrar minha carteira.
Poderia citar alguns ativos que na sua visão, ainda estão interessantes para comprar?
Na minha opinião, FESA4 e UNIP6 não estão caras.

Na construção civil, acho que ainda dá para comprar TRIS3, TEND3, MRVE3 e DIRR3.

Uma outra que acho ter ainda chão para andar é a JSLG3.

Apesar dos preços correntes deprimidos, acredito no setro de papel e celulose. Acho que um mix de SUZB3 e KLBN11 para o longo prazo não tem erro.

Finalmente, há os bancos médios. Não vejo porque a ABCB4 não possa estar sendo negociada acima dos R$ 20,00 num prazo de 12 meses.

355572  - paulo_prof  -  06 Nov 2018, 16:32
No que se refere a ultima linha, o resultado foi muito bom. A qualidade da carteira, embora tenha piorado algo em relação ao 2T18, melhorou sensivelmente em relação ao 3T17. Por outro lado, no 3T18 os créditos baixados a prejuízo foram mínimos. As despesas de PDD mantiveram o nível do 2T18, substancialmente abaixo da norma dos 3 primeiros trimestres de 2017.

O que preocupa é fato do resultado operacional nons últimos 12 meses ser sensivelmente menor do que o lucro. Isto é obtido por despesas de IR/CS negativas. Nos ultimos 9 meses houve uma receita líquida de IR/CS: receita de R$ 24,5 milhões em IR/CS corrente e receita de R$ 166 milhões em ativo fiscal diferido, totalizando mais de R$ 190 milhões. Isto é a parte mais substancial do lucro líquido postado no período, de R$ 336 mihões. Mais dia, menos dia, a conta há de chegar!

ABCB4

PREÇO: R$ 16,70

PAYOUT (2017): 50,16%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,80

P/VPA 0,96

DY 6,43%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,142

ROAE 12,3%

ROAA 1,43%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 141.069

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,89%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO/ATIVO TOTAL 50,6%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,25%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -37,2%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -0,5%

RESULTADO OPERACIONAL -35,7%

RESULTADO LÍQUIDO +7,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -63,0%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -28,7%



b) 3T18 sobre 3T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -45,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +34,9%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -+0,5%

RESULTADO OPERACIONAL -40,8%

RESULTADO LÍQUIDO +11,5%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -39,5%

PATRIMONIO LÍQUIDO +12,1%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +27,5%

PDD TOTAL -14,0%

ATIVOS TOTAIS +16,1%



c) lucro liquido, nominal

UA 7,26%

U2A 5,24%

U3A 8,74%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,45%

U2A 13,65%

U3A 14,22%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,77

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,5%

355073 - BenGraham  -  25 Out 2018, 22:00
Prof Paulo, Iniciei posição no papel. Acho que suas preocupações em relação a crescimento são de fato um desafio. Mas na minha visão há um enorme upside devido a isso. Vejo tbm certa margem de segurança nesse segmento pouco mais defensivo. A empresa deve mostrar melhora de margem e começar a lucrar nos proximos trimestres. Houve um bom aumento de capital que vai ajudar a cia na melhora do capital de giro e margem na distribuição. A queda das despesas financeiras eh outro ponto dado a antecipação de pagamento das dividas. A empresa já conseguiu equilibrar o operacional com essa ultima rodada de Aumento de cap. Agora vão começar a entregar ebitda acima de 25MM a cada tri. E o varejo ganhando melhorando a margem de contribuição. Enfim, prefiro ir montando posiçao agora e aumentando com os resultados. Boa sorte a todos!!

355072  - paulo_prof  -  25 Out 2018, 21:58
ABEV não está no meu patuá ... em consequência, estou bastante "por fora" da empresa.

De qualquer forma, de uma empresa com P/L nas alturas, acima de 30, o mercado espera crescimento vigoroso e continuo dos resultados. Ocorre que a Ambev já é uma empresa na qual todos os processos estão otimizados. Não há mais como gerar maior resultado via aumenta da eficiência. O aumento do resultado, em maior parte, vem do aumento da Receita Líquida.

Nos exercícios de 2015, 2016 e 2017, a Receita Líquida da empresa patinou (R$ 46,7 bi em 2015, R$ 45,6 bi em 2016 e R$ 47,9 bi em 2017). O aumento da receita liquida de 2017 fora apenas 5% maior do que aquela de 2016 e numa média anual, apenas 1,3% maior do que aquela de 2015. Ou seja, a taxa de cresciimento real da Receita Liquida no período foi negativa.

No 1o. semestre deste ano, a Receita Líquida cresceu 7,6% nominais em relação ao 1o. semestre do ano passado ... mas houve a greve de um lado ... e a copa de outro. Em princípio, em ano de copa a receita líquida aumentar apenas 7,5% nominais é muito pouco ... mas houve a greve.

O 3T18, entretanto, jogou uma ducha fria no mercado, pois a Receita Líquida caiu 2,6% em termos nominais.

Aí, bicho ... é a corrida do homem pelado.

O problema das queridinhas de mercado, que trimestre após trimestre entregam o que delas se espera é o alto risco inerente a esta expectativa. Um dia entra areia na engrenagem e aí não tem mais jeito ... a empresa que era considerada excepcional vira uma empresa "normal" ... e para ajustar o P/L aquele de uma empresa normal s[o h[a um jeito: ferro na boneca!

Não sei o que o endividamento da AB-Inbev relativo à compra da SAB/Miller, impacta a Ambev. A menos que e steja enganado, a Ambev nada tem a ver com aquisições feitas por seu controlador. Em consequência, não acho que a decisão da AB-Inbev de reduzir dividendos para amortizar dívida vai impactar a Ambev. Pelo contrário, a Ambev terá que pagar dividendos para que o seu controlador reduza o seu endividamento. A menos, talvez, se o controlador decidir pegar grana de sua controlada, emprestada.

Ou seja, a causa da queda das ações da Ambev é performance mais do que pífia no 3T18.

352503  - paulo_prof  -  03 Ago 2018, 15:16
A exemplo dos bancões, o ABCB também apresentou um Resultado Antes dos Impostos abaixo da crítica ... inclusive levemente negativo. A última linha, entretanto, veio em linha com os resultados trimestrais recentes, turbinada pela receita de ativo fiscal diferido. No semestre, o IR/CS efetivo foi de R$ 147 milhões positivos (receita), quando no 1T18 havia sido R$ 6 milhões negativos (despesa).

Desconheço os detalhes da contabilidade de bancos (possivelmente há rubricas que não são contabilizadas no 1o. e 3o. trimestres e, em consequência, uma melhor visão é obtida nas demonstrações do 2o. e 4o. trimestres ... algum contador aí para confirmar?) mas de qualquer forma, se o banco não tivesse ativos fiscais para diferir, teria postado um lucro semestral pífio (R$ 147 milhões menor). A maior responsável por esta queda no resultado operacional é a derrocada no Resultado de Intermediação.

No Release, o Banco informa que o lucro líquido contábil de R$ 112 milhões é recorrente ... aparentemente, então, está tudo bem. Mas eu fico com um pé atrás porque duvido que o banco teria ativos fiscais para diferir eternamente.

De qualquer forma, o ativo parece barato prá caramba!

ABCB4

PREÇO: R$ 15,76

PAYOUT (2017): 50,16%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,25

P/VPA 0,91

DY 6,92%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,175

ROAE 12,6%

ROAA 1,41%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 251.861

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,57%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,04%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -19,2%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,4%

RESULTADO OPERACIONAL -17,4%

RESULTADO LÍQUIDO +4,7%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -52,4%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +61,8%



b) 2T18 sobre 2T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -95,4%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +20,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -2,0%

RESULTADO OPERACIONAL -96,2%

RESULTADO LÍQUIDO +4,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -41,5%

PATRIMONIO LÍQUIDO +11,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +29,9%

PDD TOTAL -31,0%

ATIVOS TOTAIS +16,5%



c) lucro liquido, nominal

UA 4,73%

U2A 4,83%

U3A 9,58%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,92%

U2A 14,14%

U3A 14,44%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,19

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -12,0%

352501  - Rocha Preta inc  -  03 Ago 2018, 13:34
O Banco ABC Brasil registrou Lucro Líquido Recorrente de
R$ 111,7 milhões no Segundo Trimestre de 2018

Destaques:

O Lucro Líquido Recorrente atingiu R$ 111,7 milhões no segundo trimestre de 2018, crescimento de 2,9% em relação ao trimestre anterior e de 4,2% em relação ao mesmo período de 2017.

O Retorno Anualizado Sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) recorrente foi de 13,0% a.a. no segundo trimestre de 2018, estável em relação ao trimestre anterior e redução de 1,0 p.p. em relação ao segundo trimestre de 2017.

A Carteira de Crédito Expandida* encerrou junho de 2018 com saldo de R$ 25,3 bilhões, crescimento de 1,9% no trimestre e de 10,6% em 12 meses. No segmento Large Corporate, a carteira apresentou crescimento de 1,0% no trimestre e de 6,6% em 12 meses, e no segmento Corporate, houve expansão de 5,9% no trimestre e de 31,8% em 12 meses.

Qualidade da Carteira: 94,9% das operações com empréstimos e 98,7% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de junho de 2018, de acordo com a Resolução 2.682 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 96,7%.

352197 - Rocha Preta inc -  24 Jul 2018, 22:43
https://exame.abril.com.br/negocios/abc-brasil-lan...

ABC Brasil lança plataforma para captar investimentos de pessoas físicas

350692  - marcosvinicius2 -  03 Jun 2018, 22:47
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). Carteira de Crédito = A carteira de crédito (considerando empréstimos e garantias prestadas) atingiu R$ 22.569ilhões ao final de março de 2018(R$ 22.144 milhões ao final de dezembro de 2017 e R$ 21.191 milhões ao final de março de 2017). Em relação à qualidade da carteira, 95,3% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de março de 2017, de acordo com a Resolução nº 2.682/99 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 97,0%. O saldo de provisão para devedores duvidosos representou 2,76% do total da carteira de empréstimos ao final de março de 2018(3,27% ao final de dezembro de 2017 e 3,87%ao final de março de 2017).; O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA também vem se MANTENDO ESTÁVEL: 0,22% no 1T15; 1,09% no 1T16; 1,21% no 1T17 e 1,72% no 1T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores INFERIORES quando comparadas com empresas do mesmo setor: 2,15% no 1T15; 3,05% no 1T16; 3,69% no 1T17 e 2,34% no 1T18.:

ABCB4
PREÇO: R$ 16,26
PAYOUT (2017): 50,11%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,69
P/VPA 0,97
DY 6,52%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,114
ROAE 12,59%
ROAA 1,52%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 242.915
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,72%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,34%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T17, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -29,85%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 11,35%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 5,25%
RESULTADO OPERACIONAL -12,05%
RESULTADO LÍQUIDO 4,41%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -41,08%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 66,88%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -13,44%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 1,69%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,12%
RESULTADO OPERACIONAL -3,47%
RESULTADO LÍQUIDO 12,07%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -61,21%
PATRIMONIO LÍQUIDO 12,80%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 16,94%
PDD TOTAL -25,79%
ATIVOS TOTAIS 10,02%

c) lucro liquido, nominal
UA 4,41%
U2A 6,18%
U3A 10,53%

d) patrimônio líquido médio
UA 13,78%
U2A 14,60%
U3A 14,73%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,43
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,9% !!!!
[...]

[...]
ABCB4 3% - faz milagre com dinheiro que tem
[...]

349641 - paulo_prof   -  05 Mai 2018, 02:09
Eu achei os resultados do 1T18 muito bons. Embora o lucro recorrente na base trimestral tenha regredido um pouco, o que era de se esperar, porque a queda do CDI impacta a receita da remuneração do patrimônio líquido, reduzindo a margem financeira, houve crescimento da receita com serviços e redução das despesas de PDD. A qualidade da carteira expandida de créditos melhorou sensívelmente, passando de 2,85% no 4T17 para 2,34%. Há que se lembrar que o banco mantém uma provisão voluntária adicional (não exigida pelo Banco Central) de R$ 50 milhões. A enorme redução do PDD total ocorrida no trimestre (R$ 65,2 milhões), adicionada da despesa de PDD (R$ 22,5 milhões), permitiu baixar R$ 87,7 milhões a prejuízo.

Como explicado no post em resposta ao Ikki, para aplicar a formuleta do FCD, uso uma taxa de desconto real de 8%. É uma baita taxa ... A NTNB2045 está pagando hoje IPCA + 5,32% a.a. Se considerarmos inflação zero e IR de 15% (mínimo possível), o rendimento anual líquido seria de 4,52%, um pouco mais da metade dos meus 8%. Se alguma inflação for considerada, o rendimento será ainda menor, porque iuma parte do rendimento inflacionário é comida pelo IR.

Se eu considerar o LPA dos últimos 12 meses da ABCB4 e fizer as contas supondo que este lucro vá variar, em termos reais, nos próximos 10 anos, a taxa de crescimento do LPA compatível com o preço atual seria de -6,5%. Ou seja, mesmo que o LPA caia 6,5% em termos reais, todos os anos, durante 10 anos, o preço atual será aprox. igual ao preço justo e isto para uma taxa de desconto super exagerada no cenário econômico atual. Se a taxa de desconto for reduzida para 6%, o LPA poderia cair 9,5% por ano, durante os 10 anos.

Nem mesmo se a Dilma voltasse a se eleger presidenta!

ABCB4

PREÇO: R$ 16,79

PAYOUT (2017): 50,16%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,82

P/VPA 0,98

DY 6,42%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,148

ROAE 12,6%

ROAA 1,52%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 242.915

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,72%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,34%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -32,9%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,3%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,1%

RESULTADO OPERACIONAL -12,3%

RESULTADO LÍQUIDO +4,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -41,1%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +66,9%



b) 1T18 sobre 1T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -20,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +1,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,9%

RESULTADO OPERACIONAL -4,0%

RESULTADO LÍQUIDO +12,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -61,2%

PATRIMONIO LÍQUIDO +12,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +16,0%

PDD TOTAL -25,8%

ATIVOS TOTAIS +8,3%



c) lucro liquido, nominal

UA 4,41%

U2A 6,18%

U3A 10,36%



d) patrimônio líquido médio

UA 13,78%

U2A 14,60%

U3A 14,73%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,85

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,5%

Esqueci de comentar, mas, na minha opinião, tudo dentro dos conformes. Banco redondinho e com boa gestão de custos e PDD. Tesouraria caiu bem de 70 pra 50 mi (menor margem financeira), mas nada que assuste.

Hoje beliscou os 17 reais cravados, um otimo preço.

349603  - Rocha Preta inc - 04 Mai 2018, 15:19
ABCB4
Resultados do Primeiro Trimestre de 2018

O Banco ABC Brasil registrou Lucro Líquido Recorrente
de R$ 108,5 milhões no 1T18

São Paulo, 04 de maio de 2018 - O Banco ABC Brasil (B3: ABCB4 - Nível 2 de Governança Corporativa) anuncia hoje seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2018.

Destaques:

O Lucro Líquido Recorrente atingiu R$ 108,5 milhões no primeiro trimestre de 2018, redução de 1,9% em relação ao trimestre anterior e de 2,4% em relação ao mesmo período de 2017.
O Retorno Anualizado Sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) recorrente foi de 13,0% a.a. no primeiro trimestre de 2018, redução de 0,6 p.p. em relação ao trimestre anterior e de 2,1 p.p. comparado com o primeiro trimestre de 2017.
A Carteira de Crédito Expandida* encerrou março de 2018 com saldo de R$ 24.855 milhões, crescimento de 1,3% no trimestre e de 8,4% em 12 meses. No segmento Large Corporate, a carteira apresentou redução de 0,2% no trimestre e crescimento de 4,2% em 12 meses, e no segmento Corporate, houve expansão de 8,8% no trimestre e de 32,0% em 12 meses.
Qualidade da Carteira: 95,3% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de março de 2018, de acordo com a Resolução 2.682 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 97,0%.

348525  - paulo_prof   -  29 Mar 2018, 21:27
Citação: celso araujo - Post #348452 - 28/Mar/2018 02:13
PAULO PROF
Na atual conjuntura economica, poderia citar empresas que ainda considere baratas nos atuais preços? Gostaria de estudar algumas indicações mais a fundo.
A atual conjuntura econômica é de incerteza ... eu acho que a probabilidade de elegermos um governo irresponsável é pequena, mas ... e vc?

A esquerda, bem como a extrema-direita de Bolsonaro, atrapalharam a proposta de reforma da previdência no que foi possível. Se houver um 2o. turno entre a esquerda e a extrema-direita, quais são as perspectivas de se reformar a previdência. Qual será a credibilidade do eleito para liderá-la. Quando o outro quer fazer sou contra e faço questão de atrapalhar ... quando eu vou fazer, quero que todos me ajudem?

Sem uma reforma da previdência suficientemente abrangente, não vejo como o governo equilibrar as contas. Quando não se consegue equilibrar as contas, as situações do Brasil no final do governo Diulma, do Rio, Minas e Rio Grande do Sul estão aí para ilustrarem as consequências.

Eu acho/espero/rezo para que não tenhamos que escolher entre populismos de esquerda e de direita. E se o centro (qualquer que seja) levar, acho que o ciclo (crescimento, inflação, etc) será virtuoso.

Como já mencionado, acho que bancões se dão bem em qualquer cenário. Se a inflação e os juros são altos, os ganhos de tesouraria aumentarão, compensando o aumento da inadimplência. Por outro lado, se a inflação continuar no patamar atual (ou aumentar moderadamente), a perda de rendimentos de tesouraria será compensada com o aumento do crédito e diminuição da inadimplência. Entre os bancões, ainda estou preferindo ITSA4. Entre os bancos médios vou de ABCB, BEES e BGIP.
[...]

348085  - paulo_prof  -  15 Mar 2018, 02:21
Citação: cjr017 - Post #348061 - 14/Mar/2018 19:07
Boa tarde, Professor ! Uma pergunta : aos preços atuais, se a ideia fosse aportar $ em bancos, o Sr. iria de ABCB4 (a R$ 18,1X) ou BRSR6 (a R$ 19,8X) ? Desde já agradeço.
Nestes preços, apesar dos múltiplos da BRSR6 serem melhores, eu iria de ABCB por ser bem mais confiável. Nunca se sabe os esqueletos que poderão sobrar para o banco de um estado falido.

347119  - paulo_prof   -  15 Fev 2018, 22:06
Considerando que não há tantos ativos óbvios para se comprar, eu só pensaria em começar a reduzir a minha posição em ABCB4 e realizar lucro acima da faixa dos R$ 28,00 .

347117 - paulo_prof  - 15 Fev 2018, 18:23
Que eu saiba, não há uma data precisa; As ações só serão creditadas depois (em até 4 dias) que o Banco Central homologar o aumento de capital do banco. Quero crer que um novo Aviso aos Acionistas deverá ser divulgado assim que houver uma manifestação do Bacen.

347115 - rappdav   -  15 Fev 2018, 17:34
São os recibos da subscrição de ABCB4.
Elas aparecem na custódia de quem subscreveu e posteriormente se transformam em ABCB4.

347113 - brunospc - 15 Fev 2018, 17:16
Aproveitando a discussão o que são as ABCB10?

347111  - uqaz  -  15 Fev 2018, 17:02
Ok, ok.
O camarada está vendendo várias posições em fiis... pra concentrar só em ABCB4...ná

Prof, isso é um subterfúgio de investimento, não uma tese completa de doutorado nesse troço kkk. Digamos que dá pra fazer isso com os pingadinhos, mas não com o principal da venda de fiis do colega disc126.

Vc vai de ABCB4 e eu de KNCR... e quando/se tudo desabar, paciência. Só lembrando disso aqui (P/L):

2004 6,99x
2005 7,25x
2006 10,40x
2007 10,00x
2008 12,00x
2009 17,10x
2010 14,43x
2011 9,10x
2012 13,90x
2013 12,30x
2014 10,70x
2015 11,80x
2016 6,24x
- Mas é uma boa empresa;

- Mas é PN

A mesma conversa de sempre. Interessante q em ciclos de excesso como o atual o pessoal fica de pileque mais rápido.

347110  - paulo_prof   -  15 Fev 2018, 16:40
Como é de seu conhecimento, uqaz, o ABCB promove 2 subscrições anuais: uma no meio do ano e outra no fim. Estas subscrições são integralmente pagas com o valor dos JCPs líquidos distribuídos nas mesmas oportunidades (e ainda sobra algum!). Se vc desprezar a diferença (do valor recebido para o valor pago na subscrição), a situação nos últimos 3 anos foi a seguinte:

2015: 3,86% e 5,70%, o que dá 9,78% pago no ano EM AÇÕES

2016: 4,87% e 4,37%, o que dá 9,44%

2017: 3,52% e 3,63%, o que dá 7,28%

De uma maneira geral, considerados os riscos, para mim está bom demais!

347034  - paulo_prof   -  11 Fev 2018, 14:56
Uma de minhas apostas é ABCB4. A menos que ocorra uma surpresa, acho que o lucro líquido deverá apresentar uma expansão (mesmo que pequena) em termos reais, nos próximos anos. Considerando a politica de um payout de 50% e o fato deste payout poder ser aplicado quase integralmente em subscrições com preço descontado, o DY de fato avcaba sendo maior do que o valor calculado, mesmo considerando o imposto de 15%. É minha convicção que o DY da ABCB4 pode ser estimado em aprox. 7% medido em ações. Por outro lado, por ocasião das subscrições, o preço da ação invariavelmente cai (fruto da imaturidade do mercado brasileiro), gerando oportunidades de compra. Acho que este fato também gera valor para o ativo. Independentemente disto, hoje eu não venderia as minhas ABCB4 por menos de R$ 27/28.
[...]

O Resultado expresso pela última linha foi ótimo ... mas confesso que há certos aspectos dos quais não gostei ,,,

Embora o banco tenha contabilizado uma RECEITA de PDD de R$ 8 milhões no 4T17, enquanto no 4T16 houve uma DESPESA de R$ 55 milhões, o Resultado Opearcional do 4T17 (R$ 126 milhões) foi 11,2% menor do que os R$ 142 milhões do 4T6. Como o lucro do 4T17 foi só 1,9% maior do que aquele do 4T16, há algo de estranho aí ... podem ter ocorrido não recorrências que engordaram o resultado do 4T16 ou emagreceram o resultado do 4T17.

De qualquer forma, o ativo continua barato. Aos preços atuais, a margem de segurança é grande.

ABCB4

PREÇO: R$ 18,47

PAYOUT (2017): 50,16%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,53

P/VPA 1,09

DY 5,88%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,165

ROAE 12,7%

ROAA 1,46%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 199.116

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,44%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,85%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -35,9%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,9%

RESULTADO OPERACIONAL -17,3%

RESULTADO LÍQUIDO +3,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -21,9%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +68,3%



b) 4T17 sobre 4T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -19,8%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +20,4%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -2,9%

RESULTADO OPERACIONAL -11,2%

RESULTADO LÍQUIDO +1,9%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS passou de positivo para negativo

PATRIMONIO LÍQUIDO +13,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +15,5%

PDD TOTAL -8,2%

ATIVOS TOTAIS +12,0%



c) lucro liquido, nominal

UA 2,99%

U2A 6,25%

U3A 10,46%



d) patrimônio líquido médio

UA 14,41%

U2A 14,95%

U3A 14,88%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,06

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -8,5%

346867  - ispholambra  -  06 Fev 2018, 12:01
Prof. Paulo,
O senhor gostou do resultado do Banco ABC? Numa primeira olhada achei um bom resultado...

345158  - Rocha Preta inc  -  12 Dez 2017, 12:44
Money Times - O BTG Pactual (SA:BPAC11) avalia que após quatro anos com perspectivas nubladas, a projeção agora é de céu azul para as ações do banco ABC Brasil (SA:ABCB4), revela um relatório enviado a clientes e assinado por Eduardo Rosman e Thiago Kapulskis. A recomendação de compra foi reiterada, com um preço-alvo de R$ 19. O valor corresponde a um potencial de valorização de 19%.

Segundo os analistas, as provisões para empréstimos ruins estão demorando mais tempo do que o esperado para desacelerar, mas afirmam que há sinais de melhora para 2018. Rosman e Kapulskis estiveram reunidos nesta segunda-feira (11) com o diretor financeiro da instituição, Sergio Borejo, e o analista sênior Vinicius Cardoso.

“Curiosamente, o Sr. Borejo nos disse que eles já estão sentindo (depois de muitos anos) uma mudança no ciclo econômico. Pode ser o início de um novo ciclo em que o portfólio de crescimento não está concentrado em apenas um ou dois setores”, explica a análise.

O BTG explica que o ABC renegociou créditos ruins e que uma originação mais saudável pode incentivar menores provisões para o ano que vem.

“O ABC também está bem preparado para crescer mais, se necessário. O banco tem uma boa capacidade de financiamento, com prazo de vencimento maior do que o portfólio atual, que suporta o alongamento da carteira”, avaliam os analistas.
https://br.investing.com/news/mercado-de-a%C3%A7%C...

344896  - fridao   -  05 Dez 2017, 20:00
O caso do ABCB4 é singular: ele possui um controlador pra lá de capitalizado, que é o Bank ABC, banco sediado no Bahrein, controlado
pelo Banco Central da Líbia e que possui mais de US$ 30 bilhões em ativos. E esse controlador, em tempos de crise, pode capitalizar o ABCB4...e pelo que consta, isso já ocorreu em 03 oportunidades.

Percebe-se por aí, então, que o ABCB, de certa forma, é privilegiado.

344870  - MuadibGV  - 05 Dez 2017, 15:07
ABCB4 está rodando mais redondinho.

Seria interessante comparar o resultado gerado pela intermediação financeira com o total de empréstimos, para ambos.

O ABC deve gerar spreads mais altos.

Quando eu comprei BICB4 os múltiplos estavam baratos, mas não levei em conta que o banco estava rodando num nível de spread-inadimplência no topo histórico, e dali em diante foi só abaixo disso.

Qual seria a mágica do ABC pra ter esse nível ? Qual o diferencial em relação aos demais médios que penaram na crise? Captação mais barata, etc?

344171  - marcosvinicius2  -  21 Nov 2017, 11:58
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*).DOS ULTIMOS 45 TRIMESTRES, 45 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). No período de 9M17 aprox. R$ 185 milhões em créditos foram baixados a prejuízo o que, anualizado, dá 1,9881% da carteira expandida de créditos. Por outro lado, a "qualidade" da carteira SE RECUPEROU depois de sofrer uma deterioração nos TRIMESTRES ANTERIORES. Era 3,49% no 3T16, passou para 3,58% no 4T16, para 3,66% no 1T17 , para 3,84% e 3,33% no 3T17. A consequência é uma alta despesa de PDD (está na faixa dos R$ 55-57 milhões a 3 trimestres). O Resultado Operacional dos 9M17 somou R$ 468 milhões. O RESULTADO dos 9M16, R$ 577 milhões, 23% maior!!! No período, entretanto, o Lucro Líquido foi maior em 2017 do que fora em 2016: R$ 308 milhões vs R$ 298 milhões. Evidentemente, o responsável pela grande diferença foi o IR/CS. No período 9M17, o IR/CS líquido foi de R$ 39 milhões; no período de 9M16 havia sido de R$ 193 milhões. Uma parte importante é devida às DIFERENÇAS NA PROVISÃO PARA IR. Enquanto que em 2016 este foi negativo (despesa) de 74 milhões, em 2017 foi positivo (receita) de R$ 19 milhões.

ABCB4
PREÇO: R$ 16,40
PAYOUT (2016): 47,61%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,74
P/VPA 1,00
DY 6,15%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,120
ROAE 12,91%
ROAA 1,54%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 197.811
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,59%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,33%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -37,78%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 19,36%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 13,59%
RESULTADO OPERACIONAL -17,67%
RESULTADO LÍQUIDO 3,25%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 10,23%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 72,55%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 30,38%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 7,84%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 14,08%
RESULTADO OPERACIONAL 34,12%
RESULTADO LÍQUIDO 1,31%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 9,61%
PATRIMONIO LÍQUIDO 14,03%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 12,01%
PDD TOTAL 6,97%
ATIVOS TOTAIS 14,64%

c) lucro liquido, nominal
UA 3,25%
U2A 9,71%
U3A 10,83%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,86%
U2A 15,11%
U3A 14,94%

Carteira de Crédito = A carteira de crédito incluindo garantias prestadas atingiu R$ 20.915,3 milhões ao final de setembro de 2017 (R$ 19.534,3 milhões ao final de setembro de 2016). Em relação à qualidade da carteira, 94,0% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de setembro de 2017, de acordo com a Resolução nº 2.682/99 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 96,1%. O saldo de provisão para devedores duvidosos representou 3,56% do total da carteira de empréstimos ao final de setembro de 2017 (3,63% ao final de setembro de 2016).

Carteira de Títulos e Valores Mobiliários = Ao final do período, o Banco ABC BRASIL S.A. possuía R$ 485,9 milhões em títulos e valores mobiliários classificados na categoria “Mantidos até o vencimento”, conforme Circular nº 3.068/01 do Banco Central do Brasil. O Banco tem capacidade financeira e intenção de mantê-los até o vencimento.

ASDA.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

343563  - paulo_prof   -  04 Nov 2017, 21:36
O resultado, em termos do lucro líquido, vem evoluindo de forma levemente negativa em termos reais, tanto na base anual, quanto na base trimestral. Embora a "qualidade" da carteira expandida de créditos tenha melhorado (é preciso ver se a reversão é definitiva) o que no meu critério é inadimplência, aumentou sensivelmente (no meu critério, créditos com atraso maior do que 90 dias constituem inadimplência), passando de 1,02% há um ano, para 1,81%. Em consequência, não houve melhora no que concerne as despesas de PDD, que foram 11% maiores na base anual e 9,2% maiores na base trimestral. De qualquer forma, aos preços atuais acho que um investimento no ativo encerra riscos mínimos.

ABCB4

PREÇO: R$ 16,90

PAYOUT (2016): 47,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,86

P/VPA 1,01

DY 6,05%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,150

ROAE 12,9%

ROAA 1,54%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 224.808

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,81%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,33%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -35,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,,4%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +13,5%

RESULTADO OPERACIONAL -17,5%

RESULTADO LÍQUIDO +3,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +11,0%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +98,6%



b) 3T17 sobre 3T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +28,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +7,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +14,0%

RESULTADO OPERACIONAL +33,1%

RESULTADO LÍQUIDO +1,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +9,2%

PATRIMONIO LÍQUIDO +14,0%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +12,0%

PDD TOTAL +7,0%

ATIVOS TOTAIS +14,6%



c) lucro liquido, nominal

UA 3,25%

U2A 9,48%

U3A 11,16%



d) patrimônio líquido médio

UA 14,86%

U2A 15,11%

U3A 15,01%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,56

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -12,0%

342091  - ispholambra -  15 Set 2017, 19:49
ABCB4
Porem aproveitei a maior parte dos rendimentos pagos hoje e aumentei a posicao em ABCB4... ainda e uma posicao bem pequena... e eu nao espero grandes retornos no curto prazo...

Essa posicao é só para capilizar a competencia que o Banco ABC vem conduzindo as suas atividades, com lucratividade sempre em alta e JCPs cada vez maiores...

Alem é claro da inteligencia de sempre fazer um aumento de capital em cima dos JCP pagos, dando um bonus no preço do ativo para quem entrar.....

Nao ha duvidas de que esse é de longe o mais competente dos bancos medios... e o melhor candidato a se tornar grande...

341508  - marcosvinicius2  -  28 Ago 2017, 15:33
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO (*). NOS ULTIMOS 42 TRIMESTRES, 42 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). MEDIA DE LUCRO LIQUIDO (U12M) = 103.826.000; (U24M) = 101.388.000; (U36M) = 95.017.000; (U48M) = 89.725.000; MAIORES VARIAÇÕES = 12M X 12M : RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO E CRÉDITOS INADIMPLENTES; 2T16 X 2T15 : RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA E RESULTADO OPERACIONAL. VM (MIL) = 3.370.389; VALOR MAXIMO (MIL) = 3.558.477 NO 1T17; VE PSBE (MIL) = 14.008.667:

ABCB4
PREÇO: R$ 17,74
PAYOUT (2016): 48,99%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 8,12
P/VPA 1,09
DY 6,04%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,186
ROAE 13,44%
ROAA 1,58%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 155.410
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,26%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,85%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -3,79%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 28,19%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 13,05%
RESULTADO OPERACIONAL 4,45%
RESULTADO LÍQUIDO 4,93%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -9,34%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 18,31%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -74,32%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 16,61%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 9,58%
RESULTADO OPERACIONAL -46,54%
RESULTADO LÍQUIDO 2,92%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 3,96%
PATRIMONIO LÍQUIDO 14,92%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 10,06%
PDD TOTAL 15,77%
ATIVOS TOTAIS 15,57%

c) lucro liquido, nominal
UA 4,93%
U2A 12,34%
U3A 12,03%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,36%
U2A 15,19%
U3A 14,95%

Rentabilidade dos Negócios : O Banco ABC BRASIL S.A. apresentou um lucro líquido de R$ 107,1 milhões no segundo trimestre de 2017 (R$ 104,1 milhões no mesmo período de 2016), representando uma rentabilidade sobre o patrimônio médio de 14,0% a.a. (15,7% a.a. no mesmo período do ano anterior).

O aumento do resultado do banco, em relação ao mesmo período do ano anterior, reflete, principalmente, o aumento das receitas da
intermediação financeira e das receitas operacionais, com destaque para as Receitas de Prestação de Serviços. O resultado foi parcialmente compensando por maiores Despesas da Intermediação Financeira e também por maiores Despesas de Pessoal e Outras Despesas Administrativas, na linha de Despesas Operacionais.

Carteira de Crédito: A carteira de crédito incluindo garantias prestadas atingiu R$ 21.216,0 milhões ao final
de junho de 2017 (R$ 19.573,1 milhões ao final do primeiro semestre de 2016). Em relação à qualidade da carteira, 92,8% das operações com empréstimos e 98,8% das operações com garantias prestadas estavam classificadas entre AA e C ao final de junho de 2017, de acordo com a Resolução nº 2.682/99 do Banco Central. Considerando as duas carteiras, o índice foi de 95,5%. O saldo de provisão para devedores duvidosos representou 4,00% do total da carteira de empréstimos ao final de junho de 2017 (3,93%ao final de junho de 2016).

ABCB41.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340824  - paulo_prof  -  08 Ago 2017, 15:58
Não dá para afirmar que o resultado foi ruim ... mas certamente há margem para que fosse melhor. Pelas minhas contas, no 1S17 aprox. R$ 70 milhões em créditos foram baixados a prejuízo o que, anualizado, dá 1,15% da carteira expandida de créditos. Por outro lado, a "qualidade" da carteira continua deteriorando (embora levemente). Era 3,49% no 3T16, passou para 3,58% no 4T16, para 3,66% no 1T17 e agora, para 3,84%. A consequência é uma alta despesa de PDD (está na faixa dos R$ 55-57 milhões a 3 trimestres).

Há um detalhe na contabilidade de bancos que não entendo ... acho que terei que estudar melhor. O Resultado Operacional do 1S17 somou R$ 291 milhões. O do 1S16, R$ 446 milhões, 53% maior!!! No sermestre, entretanto, o Lucro Líquido foi maior em 2017 do que fora em 2016: R$ 204 milhões vs R$ 195 milhões. Evidentemente, o responsável pela grande diferença foi o IR/CS. No 1S17, o IR/CS líquido foi de R$ 9 milhões; no 1S16 havia sido de R$ 191 milhões. Uma parte importante é devida às diferenças no ativo fiscal diferido. Enquanto que em 2016 este foi negativo (despesa) de 69 milhões, em 2017 foi positivo (receita) de R$ 37 milhões. Como deverá chegar uma hora na qual esta "receita" em impostos terá que ser paga, não posso dizer que me sinto confortável com esta enorme queda do resultado operacional. Na comparação trimestral, esta queda foi de 73,3%.

De qualquer forma, na comparação anual o banco vai muito bem obrigado. O preço atual do ativo é compatível com uma queda sensível (acima dos 10% reais) do lucro líquido nos próximos anos. Como a foto do momento mostra a de estabilidade no lucro, acho que a margem de segurança é muito grande ... maior do que na ocasião da postagem acima.

Para quem gosta da expressão ... acho que o ativo continua barato prá caramba!


ABCB4

PREÇO: R$ 16,50

PAYOUT (2016): 47,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,41

P/VPA 1,00

DY 6,42%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,227

ROAE 13,4%

ROAA 1,56%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 155.625

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,26%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,84%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -3,4%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +28,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +12,9%

RESULTADO OPERACIONAL +4,4%

RESULTADO LÍQUIDO +4,9%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS --9,3%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +18,5%



b) 2T17 sobre 2T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -73,3%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +16,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,3%

RESULTADO OPERACIONAL -46,2%

RESULTADO LÍQUIDO +2,9%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +4,4%

PATRIMONIO LÍQUIDO +14,9%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -2,2%

PDD TOTAL +15,8%

ATIVOS TOTAIS +16,8%



c) lucro liquido, nominal

UA 4,93%

U2A 12,09%

U3A 12,52%



d) patrimônio líquido médio

UA 15,36%

U2A 15,19%

U3A 15,02%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 28,54

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13,5%

339877  - paulo_prof  -  05 Jul 2017, 03:59
Citação: utah100 - Post #339844 - 04/Jul/2017 00:32
Prof. Paulo e demais foristas, o que acham da subscrição de ABCB4 ?
No nosso mercado, raramente um aumento de capital via subscrição privada deixa de impactar fortemente o ativo. No caso do ABCB, como o preço da subscrição é fixado com um deságio de 20% relativo ao valor de mercado (média ponderada das cotações de fechamento nos 10 pregões que antecedem o FR), a "neura" de derrubar as cotações para reduzir o gap em relação ao preço de mercado, invariavelmente acaba propiciando oportunidades para uma entrada ou um aumento de posição,

Quem tem ABCB4 em carteira obviamente deverá subscrever ... e considerar se não seria o caso de aumentar posição a mercado, aproveitando a moleza que este está oferecendo.

339408 - ispholambra -  19 Jun 2017, 01:20
Citação: bruno invest - Post #339404 - 18/Jun/2017 19:26
Boa tarde,
Qual banco seria mais interessante para comprar, ABCB4 ou BGIP4?
Ambos interessantes... mas no momento eu iria de ABCB4...

BGIP4 e um otimo ativo e ainda esta com multiplos interessantes... mas saiu da faixa de 11,00/12,00 e foi pra 29,90 em menos de um ano... acho que os bons fundamentos ja estao precificados... mantenho as minhas para fins de dividendos... mas nao compro mais...

Ja ABCB4 deu uma boa corrigida depois de esticar bastante tambem... saiu dos mesmos 10/11 e foi bater em mais de 20,00 no ultimo ano... mas essa corrigida deixou ele mais interessante... apesar de que pode corrigir ate uma faixa de 13,50/14,00 novamente... se eu fosse comprar agora compraria somente 1/4 do pretendido e acompanharia o ativo mais alguns pregoes... se comprar num tiro só... corre o risco de comprar e tomar uma corrigida mais forte... e se comprar 1/4 e ele engatar alta de novo dai compra mais...

É só uma opiniao... compras do mes praticamente fechadas já... só aguardando os juros do BGIP4 para comprar alguma coisa no finalzinho do mes... mas é merrequinha...

Estude comprar ITSA4/ITSA3 tambem... ela esta com bons multiplos e é bem falada por aqui...

339396  - ispholambra -  17 Jun 2017, 01:34
Muito bom professor!!!

Tenho acompanhado a estrategia inteligente do Banco ABC a um bom tempo... se os demais bancos medios tivessem feito o mesmo... e se capitalizado via emissao de novas acoes acredito que eles estariam em outro patamar... assim como o ABCB4 está...

O Banco ABC nao deixa o dinheiro ir embora... paga JCP pra economizar IR... e vende acoes mais baratas que os preços de mercado aos acionistas para que o dinheiro volte pra ele e nao vá embora... muito boa estrategia num ambiente de escassez de capital e altos custos de captacao!!!

De fato, se o senhor ja tem uma posicao generosa do ABCB4 em carteira agora e só aumentar ela 6% a.a reaplicando os JCP pagos nas novas emissoes de acoes...

Eu tenho um pinguinho dele em carteira e devo subscrever as que eu tiver direito tambem...

Estou de olho no ativo... mas ao contrario do BGIP4 que deu um salto muito grande de preço num prazo muito curto... acredito que o ABCB4 vai se valorizar devagarinho... sem grandes saltos... ou seja... nao vejo um grande desconto no ativo para dar saltos de preço em curto espaço de tempo... mas vejo um potencial interessante de crescimento para o medio/longo prazos...

339366  - paulo_prof  -  16 Jun 2017, 15:06
Citação: ispholambra - Post #339362 - 16/Jun/2017 13:13
Bom dia Professor Paulo!
Nos preços atuais o banco ABC é uma boa pedida para o medio/longo prazo?
O que o senhor acha?
Acho que no preço atual o risco é baixo ... mas ultimamente, nos preços atuais, andei preferindo ITSA3.

A posição de ABCB4 em carteira é considerável e é grande a probabilidade dos JCPs que serão distribuídos com data base em fins deste mes poderem ser utilizados num aumento de capital via subscrição. A minha expectativa é que distribuam JCPs de R$ 100 milhões, o que permitirá um aumento de capital de aprox. R$ 80 milhões. O preço da subscrição deverá ter um deságio de 20% sobre a média de preços dos 10 pregões anteriores à reunião da Adminstração, em fins de junho, ou seja, algo na faixa dos R$ 13,50.

Dividindo os R$ 80 milhões pelo preço, obtém-se aprox. 5,9 milhoes de ações, ou aprox. 3% a base atual.

Ou seja, vou poder subscrever um numero de ações correspondente a 3% a minha base atual, a um preço descontado. No meu caso particular, portanto, não há porque comprar a mercado no curto prazo.

339190  - toneguti -  09 Jun 2017, 14:24
Sobre o Banco ABC (ABCB4), a Suno Research fez uma análise recente (publicada ontem) onde conclui:

"Considerados todos os fatores que divulgamos neste breve resumo do Banco ABC Brasil, estamos adicionando o banco em nossa lista de monitoramento, com um preço-teto de R$ 15,50, ou seja, cerca de 8% abaixo do valor atual. "
Obs: preço-teto = máximo para a entrada no papel

337546  - paulo_prof   -  05 Mai 2017, 00:58
Comentãrio sobre resultados anteriores do ABCB podem ser encontrados em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=abcb4&us...

Embora sem grandes surpresas, esperava um resultado melhor no que concerne as despesas de PDD, qualidade da carteira e inadimplência. Por outro lado, sei que houve despesas não recorrentes que puxaram os números da última linha para baixo. Tenho que ler o relatório para entender os detalhes.

De qualquer forma, mesmo valorizando 9,2% desde a divulgação dos resultados de 2016, o ativo continua barato pra caramba!

ABCB4

PREÇO: R$ 18,29

PAYOUT (2016): 47,6%


Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,28

P/VPA 1,13

DY 5,74%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,209

ROAE 13,6%

ROAA 1,57%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 145.561

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,20%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,66%


Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +77,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +31,9%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +12,3%

RESULTADO OPERACIONAL +46,1%

RESULTADO LÍQUIDO +8,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -3,7%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +9,7%


b) 1T17 sobre 1T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -38,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +36,0%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +8,9%

RESULTADO OPERACIONAL -22,9%

RESULTADO LÍQUIDO +6,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +16,3%

PATRIMONIO LÍQUIDO +20,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -3,6%

PDD TOTAL +19,4%

ATIVOS TOTAIS +11,7%


c) lucro liquido, nominal

UA 7,98%

U2A 13,47%

U3A 14,42%


d) patrimônio líquido médio

UA 15,43%

U2A 15,20%

U3A 14,96%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 28,32


Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,5%

333893  - ispholambra -  09 Fev 2017, 11:38
ABCB4 - Uma estrategia inteligente...

Nao tenho esse ativo infelizmente... nao sei se o terei... mas acredito que no setor bancario ele é um ativo de excelência, apesar de nao ser um banco de grande porte ainda... mas tudo indica que o será num medio/longo prazo...

O banco, ao contrario de todos os demais, pequenos/medios/grandes privilegia a sua estrutura de capital ao maximo... distribui proventos somente como JCP, o que ja privilegia os ganhos fiscais e ao mesmo tempo que faz a distribuicao dos JCP faz um aumento de capital imediatamente, em condicoes muito favoraveis aos atuais acionistas e atraindo uma grande parte desses valores distribuidos para sua tesouraria novamente...

Ao realizar esses aumentos de capital em cima dos valores distribuidos atraindo expontaneamente os acionistas, o banco tem condicoes de captar recursos de forma barata e pode gerar cada vez mais retorno aos seus acionistas...

Acredito que nao é somente esse o diferencial desse banco... mas esse na minha humilde opiniao é uma grande diferencial... e faz a empresa ser ainda mais eficiente...

333889  - paulo_prof   -  09 Fev 2017, 09:57
O ABCB continua a entregar legal! Algum dia o mercado ainda vai enxergar! Considerando os fundamentos, estar sendo negociado a um P/L de 7,3 e em seu valor patrimonial não faz sentido. Despesas com provisões e inadimplência continuam sob controle. Não vejo grandes ameaças. Banco girando redondinho.

ABCB4
PREÇO: R$ 16,75
PAYOUT (2016): 47,6%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,33

P/VPA 1,03

DY 6,49%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,286

ROAE 14,1%

ROAA 1,58%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 118.293

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,99%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,58%


Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1.060%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +28,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +16,1%
RESULTADO OPERACIONAL +160,1%
RESULTADO LÍQUIDO +9,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -4,1%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +9,6%

b) 4T16 sobre 4T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -21,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +21,9%
RESULTADO OPERACIONAL -12,9%
RESULTADO LÍQUIDO +2,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +15,1%
PATRIMONIO LÍQUIDO +15,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -4,8%
PDD TOTAL +27%
ATIVOS TOTAIS 6,1%

c) lucro liquido, nominal

UA 9,61%

U2A 14,40%

U3A 15,57%


d) patrimônio líquido médio

UA 15,50%

U2A 15,11%

U3A 14,77%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 28,58

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -11,5%

332818  - uqaz   -  20 Jan 2017, 17:58
1. ABCB4 é um caso interessantíssimo, como já descrevi. Como já mostrei, quem comprou em 31/12/2008 é levando nos +11℅aa reais... mas antes desta pancada de 2016, lembro q esse número era de apenas +8℅aa... É muito difícil ser investidor nesse papel, um investidor teimoso foi muito mal remunerado. Em relação aos outros papéis BONS da Bolsa, noto que o o preço costuma subir muito mais que o lucro (o que denota exagero ou excesso de liquidez...Na América a direção é menor). Curiosamente, só em 2016, pra empresas BOAS (com ritmos de crescimento semelhantes de ABCB4), isso começou a melhorar um pouco, mas ainda nos últimos 10 anos prevalece um pouco de exagero. Falei de ABCB4 dando 11℅aa apenas desde o fundo de 2008... mas há empresas BOAS dando 20-25℅aa (essas é que tem q ser alvos, uma vez q compensam ser olhadas vs FIIs ou NTN-Bs) desde 31/12/2008. 2. Sobre as discrepâncias, algumas. Por exemplo, Grendene ou TOTV possuíam exageros de preço que ao longo de 2016 começaram a ser corrigidos, mas nada ainda muito relevante. Pelo lado negativo, a M. Dias disparou enlouquecidamente em 2016 (quando chegou a 60,00 em 2016 era uma boa compra, uma das poucos que em fev2016 eu me arrependo) sem motivos aparentes. Acontece como vc falou, vez ou outra parece haver dores de barriga em cotações, mas a ideia aqui é buscar conforto na resiliência da empresa. 3. Qto à intensidade da dor de barriga (no caso Cielo) fica claro uma coisa. Em 2011, qdo a empresa crescia bem mais q hoje, o P/L desabou até 10x. Hoje, 2016, os crescimentos nem se equiparam aos de até 2011: esses últimos 5 anos n foram tão bons assim. Natural q o papel fosse buscar esses 10x, pelo menos... mas n, parou apenas nas 15x! Vc entende bem q o cenário hoje é de queda constante, diferente de 2008, q foi um choque. Mas ainda tenho esperanças num choque de liquidez gringo. Minhas esperanças de queda n estão em Banânia.

329483  - paulo_prof   -  04 Nov 2016, 18:17
A qualidade da carteira de créditos melhorou, passando de 3,66% ao final do 2T16 para 3,49%, A inadimplência, no trimestre, também melhorou, passando de 1,83% na base anual, para 1,75%. Como consequência, a despesa bruta com a Provisão para Perdas com Devedores Duvidosos diminuiu marginalmente. De uma maneira geral, os resultados do 3T16 foram bons, sendo que a última linha praticamente repetiu aquela do trimestre anterior em termos nominais e praticamente repetiu aquela do 3T15, em termos reais.

Na minha opinião, o ativo continua barato prá caramba!

ABCB4
PREÇO: R$ 14,90
PAYOUT (2015): 37,26%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,24
P/VPA 0,94
DY 5,97%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,387
ROAE 14,3%
ROAA 1,71%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 113.179
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,02%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,49%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de negativo para positivo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,0%
RESULTADO OPERACIONAL +262,0%
RESULTADO LÍQUIDO +16,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -2,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +7,7%

b) 3T16 sobre 3T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de negativo para positivo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +48,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +11,5%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO +8,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -44,4%
PATRIMONIO LÍQUIDO +16,0%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -23,9%
PDD TOTAL +30,0%
ATIVOS TOTAIS -11,1%

c) lucro liquido, nominal
UA 16,09%
U2A 15,34%
U3A 17,61%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,36%
U2A 15,09%
U3A 14,60%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 23,87

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,5%

325395  - paulo_prof   -  04 Ago 2016, 14:36
Para variar, muito bom o resultado do ABCB em termos de última linha, embora com uma piora no que concerne a qualidade da carteira de créditos e o aumento na inadimplência. A medida da qualidade passou de 2,98% ao final do 1T16, para 3,66%. Um ano antes havia sido 2,29%. Os NPL (non performing loans) no trimestre, como percentual anualizado da carteira de crédito aumentou de 1,56% no 1T16, para 1,83%. Um ano antes, no 2T15, este percentual era de 0,56%. A consequência destas pioras é o aumento das despesas de PDD, que aionda não encontrara, o seu topo trimestral (R$ 32 milhões, 50 milhões e 54 milhões, respectivamente, no 4T15, 1T16 e 2T16).

O interessante, entretanto, é que o banco parece sempre encontrar uma forma de manter a sua lucratividade. No trimestre, ROAE = 15,5% e ROAA = 1,83% em valores anualizados.

Na minha opinião, o ativo está barato prá caramba!

ABCB4
PREÇO: R$ 14,18
PAYOUT (2015): 37,26%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,28
P/VPA 0,89
DY 5,93%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,258
ROAE 14,2%
ROAA 1,68%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 114.906
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,03%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,66%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +95,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -1,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,8%
RESULTADO OPERACIONAL +29,9%
RESULTADO LÍQUIDO +15,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +68,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +230,2%

b) 2T16 sobre 2T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +71,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +28,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,8%
RESULTADO OPERACIONAL +56,5%
RESULTADO LÍQUIDO +15,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +43,3%
PATRIMONIO LÍQUIDO +22,9%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -13,8%
PDD TOTAL +37,3%
ATIVOS TOTAIS -1,5%

c) lucro liquido, nominal
UA 15,51%
U2A 14,44%
U3A 17,22%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,03%
U2A 14,86%
U3A 14,42%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 22,58

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,5%

310614  - paulo_prof  - 06 Nov 2015, 11:13
Mais do mesmo ...

Não li o Relatório em detalhes ... mas parece que o banco aproveitou a situação favorável para o uso do crédito tributário, para limpar a carteira de créditos dos créditos problemáticos. Além de "limpar" a carteira, constituiu provisão adicional (R$ 50 milhões) que representa 17% da provisão total.

Embora o cenário daqui para frente não se apresente róseo, parece que o ABCB está bem preparado para enfrentá-lo.

O ativo está barato!

ABCB4
PREÇO: R$ 9,15
PAYOUT (2014): 32,18%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 4,22
P/VPA 0,60
DY 7,63%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,169
ROAE 14,2%
ROAA 1,31%
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,76%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,04%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de positivo para negativo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,9%
RESULTADO OPERACIONAL -53,2%
RESULTADO LÍQUIDO +14,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +156,8% (No 3T15 banco dispendeu R$ 50 milhões para provisão voluntária)
CRÉDITOS INADIMPLENTES +58,4%

b) 3T15 sobre 3T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de positivo para negativo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +0,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +10,9%
RESULTADO OPERACIONAL passou de positivo para negativo
RESULTADO LÍQUIDO +21,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +438,3% (No 3T15 banco dispendeu R$ 50 milhões para provisão voluntária)
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,7%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +21,0%
PDD TOTAL +52,8%
ATIVOS TOTAIS +37,9%

c) lucro liquido
UA 14,60%
U2A 18,38%
U3A 15,16%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,82%
U2A 14,23%
U3A 13,98%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu de 2,29% no 2T15 para 2,04%, apesar do banco ter constituído provisão voluntária adicional correspondente a 0,34% (ou seja, a qualidade da carteira total de créditos na realidade melhorou !!!)

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, explodiu de 0,56% (anualizado), para 2,48%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 21,69

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -19,5%

303534  - paulo_prof  -  11 Ago 2015, 13:25
O ABCB continua bombando ... margem de segurança muito alta!

ABCB4
PREÇO: R$ 10,15
PAYOUT (2014): 32,18%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 4,62
P/VPA 0,65
DY 6,96%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,196
ROAE 14,2%
ROAA 1,43%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 40.310
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,31%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,29%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -56,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,9%
RESULTADO OPERACIONAL -22,4%
RESULTADO LÍQUIDO +13,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +64,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -36,8%

b) 2T15 sobre 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +19,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +20,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +15,9%
RESULTADO OPERACIONAL +10,2%
RESULTADO LÍQUIDO +13,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +157,9%
PATRIMONIO LÍQUIDO +15,0%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +8,7%
PDD TOTAL +50,2%
ATIVOS TOTAIS +29,6%

c) lucro liquido
UA 13,38%
U2A 18,08%
U3A 12,68%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,68%
U2A 14,11%
U3A 13,78%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito aumentou de 1,66% no 1T15 para 2,29%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito,aumentou de -0,25% (anualizado), para 0,56%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 21,96

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -17,5%

296856  - paulo_prof  -  09 Mai 2015, 01:54
Assim como os bancões Bradesco e Itaú, o ABCB pratica o hedge accounting. Assim como os bancões Bradesco e Itaú, o ABCB teve um Resultado Bruto de Intermediação super pífio (de fato, foi negativo) e um Resultado Operacional muito fraco em comparação com a média postada nos últimos trimestres. E assim como os bancões, o ABCB obteve uma baita receita de IR/CS, turbinando o lucro. Os bancos costumam fazer dívida subordinada de longo prazo captando recursos no exterior. Para proteger estes ativos denominados em outras moedas, são utilizados derivativos. Quando há uma desvalorização importante do real, o impacto negativo é todo sentido no Resultado Bruto de Intermediação. Por outro lado, o impacto positivo do hedge é parcialmente sentido em Outras Receitas Operacionais e complementado por um crédito no IR/CS.

Por alguma razão (o ABCB definitivamente não é uma queridinha!) o mercado resolveu bater no ativo hoje !!! Um sinal laranja foi aceso por ocasião da divulgação dos Resultados 2014, pois houve um aumento considerável das despesas de PDD, que passaram da faixa dos R$ 15-25 milhões para uma faixa acima dos R$ 40 milhões. Mas a última linha continuou saudável !!! Talvez o mercado esteja enxergando a coisa de forma equivocada ... talvez seja eu que esteja enxergando equivocado !!!

... no meu modo de entender ... o preço atual nada tem a ver com os fundamentos !!! O ativo continua barato prá caramba!

ABCB4
PREÇO: R$ 12,57
PAYOUT (2014): 32,18%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 5,91
P/VPA 0,83
DY 5,40%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,127
ROAE 14,1%
ROAA 1,39%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 34.358
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,27%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,15%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -51,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,4%
RESULTADO OPERACIONAL -15,9%
RESULTADO LÍQUIDO +16,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +15,2%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -46,9%

b) 1T15 sobre 1T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de positivo para negativo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,6%
RESULTADO OPERACIONAL -73,8%
RESULTADO LÍQUIDO +13,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +63,9%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,6%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +10,5%
PDD TOTAL +42,0%
ATIVOS TOTAIS +25,7%

c) lucro liquido
UA 16,34%
U2A 18,34%
U3A 10,67%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,46%
U2A 13,96%
U3A 13,36%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito aumentou, de 1,62% no 3T14 e 1,80% no 4T14, para 2,15%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 21,27

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,0%

289537  - paulo_prof  -  04 Fev 2015, 20:53
Alguns itens de resultado são estranhos ...

O Resultado Bruto de Intermediação Financeira, que no 3T14 já havia sido bem inferior ao do 3T13, mais uma vez situou-se muito abaixo do resultado do 4T13.

As despesas de PDD no 4T14 são muito maiores do que aquelas do 4T13 !!!

Acho que vou ter que estudar o Relatório para entender os detalhes ...

De qualquer forma, no que concerne a qualidade da carteira de créditos, inadimplência e a última linha, o banco continua voando ... Mais dia, menos dia, o mercado vai ter que corrigir o seu valuation do ativo ... considerados os fundamentos, parece-me que nunca esteve mais barato ...

ABCB4
PREÇO: R$ 11,60
PAYOUT (2014): 32,18%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,62
P/VPA 0,80
DY 5,73%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,064
ROAE 14,2%
ROAA 1,50%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 71.914
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,57%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,80%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +8,8%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,9%
RESULTADO OPERACIONAL +11,6%
RESULTADO LÍQUIDO +17,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +8,1%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -4,1%

b) 4T14 sobre 4T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -41,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -0,1%
RESULTADO OPERACIONAL -10,2%
RESULTADO LÍQUIDO +9,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +66,2%
PATRIMONIO LÍQUIDO +15,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,4%
PDD TOTAL +14,2%
ATIVOS TOTAIS +20,1%

c) lucro liquido
UA 17,94%
U2A 17,08%
U3A 9,59%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,10%
U2A 15,57%
U3A 13,05%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito aumentou, de 1,62% no 3T14 e 1,72% no 4T13, para 1,80%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, diminuiu de 0,67% (anualizado) no 3T14, para 0,31%. No 4T13 havia sido 0,24%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 20,64

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,0%

282377  - paulo_prof  -  08 Nov 2014, 01:12
Quedas importantes no Resultado Bruto Financeiro
e Resultado Operacional em relação ao 3T13 (respectivamente, -56,0% e -17,1%). A "salvação" veio na forma de uma receita de IR/CS diferido, que turbinou o lucro líquido em 17,9% em relação ao 3T13. Considerando a competência de administração e os multiplos, do banco, parece que o ativo está barato prá caramba !!! O ROE poderia ser um pouco maior !!!

ABCB4
PREÇO: R$ 13,32
PAYOUT (2013): 31,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,50
P/VPA 0,94
DY 4,91%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,048
ROAE 14,5%
ROAA 1,60%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 69.822
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,58%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,62%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +19,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +11,2%
RESULTADO OPERACIONAL +17,3%
RESULTADO LÍQUIDO +24,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -10,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -30,8%

b) 3T14 sobre 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -56,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +20,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,8%
RESULTADO OPERACIONAL -17,1%
RESULTADO LÍQUIDO +17,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -9,7%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +3,6%
PDD TOTAL +7,3%
ATIVOS TOTAIS +11,7%

c) lucro liquido
UA 24,23%
U2A 16,35%
U3A 10,34%

d) patrimônio líquido médio
UA 17,38%
U2A 15,23%
U3A 13,74%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu levemente, de 1,66% no 2T14 para 1,62%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, aumentou de 0,41% (anualizado), para 0,67%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 20,48

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,0%

282104  - ZOTTI  -  06 Nov 2014, 14:09
O Banco ABC Brasil registrou Lucro
Líquido Recorrente de R$ 84,1 milhões no 3T14

São Paulo, 06 de novembro de 2014 - O Banco ABC Brasil (BM&FBOVESPA: ABCB4 - Nível 2 de Governança Corporativa) anuncia hoje seus resultados referentes ao terceiro trimestre de 2014.

Destaques

O Lucro Líquido recorrente atingiu R$ 84,1 milhões no 3T14, apresentando crescimento de 5,4% em relação ao 2T14 (R$ 79,8 milhões) e de 27,2% em relação ao 3T13 (R$ 66,1 milhões

O Retorno anualizado sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) atingiu 16,2% a.a. no 3T14, aumentando 0,3 p.p. em relação ao 2T14 (15,9% a.a.) e 1,7 p.p. em relação ao 3T13 (14,5% a.a.).

A Carteira de Crédito Expandida encerrou o 3T14 com saldo de R$ 19,3 bilhões, apresentando crescimento de 14,3% nos últimos 12 meses e permanecendo estável no trimestre. No segmento Corporate, apresentou crescimento de 14,2% nos últimos 12 meses e permaneceu estável no trimestre, e no segmento Empresas, apresentou crescimento de 15,4% nos últimos 12 meses e de 2,4% no trimestre.

A Carteira de Empréstimos encerrou o 3T14 com saldo de R$ 10,7 bilhões, apresentando crescimento de 19,3% nos últimos 12 meses e de 3,6% no trimestre.

A qualidade da carteira de crédito continua elevada, com 97,3% das operações classificadas entre AA-C ao final do 3T14, de acordo com a Resolução 2.682 do Banco Central. A partir deste trimestre passamos a divulgar os ratings da carteira de garantias prestadas, que apresentou 99,9% das operações classificadas entre AA-C ao final do 3T14.

270374  - paulo_prof  -  02 Ago 2014, 08:12
O melhor banco médio brasileiro (disparado) continua barato prá caramba ... agora, ainda mais barato do que após a divulgação do 1T14.

ABCB4
PREÇO: R$ 13,57
PAYOUT (2013): 31,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,60
P/VPA 0,98
DY 4,84%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,057
ROAE 14,8%
ROAA 1,65%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 48.342
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,40%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,66%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +42,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +11,8%
RESULTADO OPERACIONAL +24,4%
RESULTADO LÍQUIDO +25,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -20,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -38,3%

b) 2T14 sobre 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +312,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -5,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +10,6%
RESULTADO OPERACIONAL +59,5%
RESULTADO LÍQUIDO +32,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -52,8%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,0%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,6%
PDD TOTAL +11,9%
ATIVOS TOTAIS +11,2%

c) lucro liquido
UA 25,86%
U2A 14,21%
U3A 10,72%

d) patrimônio líquido médio
UA 13,77%
U2A 13,44%
U3A 12,57%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito permaneceu praticamente constante; diminuiu de 1,67% no 1T14 para 1,66%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, diminuiu de 1% (anualizado), para 0,41%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 20,57

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -9,5%

256362  - paulo_prof  -  06 Mai 2014, 13:10
Disparado ... o melhor banco médio no Brasil ... se os caras não estão lavando grana ... devem ser bons prá cacete ...


ABCB4
PREÇO: R$ 13,15
PAYOUT (2013): 31,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,87
P/VPA 0,97
DY 4,65%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,913
ROAE 14,1%
ROAA 1,52%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 64.759
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,55%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,67%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +7,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,8%
RESULTADO OPERACIONAL +16,0%
RESULTADO LÍQUIDO +22,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -3,0%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -33,4%

b) 1T14 sobre 1T132
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +18,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +24,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +12,1%
RESULTADO OPERACIONAL +18,3%
RESULTADO LÍQUIDO +20,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 50,3%
PATRIMONIO LÍQUIDO +13,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +19,7%
PDD TOTAL +23,0%
ATIVOS TOTAIS +31,6%

c) lucro liquido
UA 21,99%
U2A 8,94%
U3A 9,77%

d) patrimônio líquido médio
UA 13,89%
U2A 13,03%
U3A 12,42%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu de 1,81% no 4T13 para 1,67%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medidos como percentual das operações de crédito, aumentou de 0,29% (anualizado), para 1,00%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 19,13

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -8,5%

238516  - paulo_prof  -  05 Fev 2014, 13:31
Embora a qualidade da carteira de crédito tenha apresentado uma piora e o volume dos créditos inadimplentes (NPL) tenha aumentado, o ABCB continua funcionando como um relógio ... e continua barato prá caramba !!!

Vai ser difícil o PINE obter melhores resultados ...

ABCB4
PREÇO: R$ 11,753
PAYOUT (2013): 31,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,30
P/VPA 0,88
DY 5,06%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,864
ROAE 14,0%
ROAA 1,55%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 92.753
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,84%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,81%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +5,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +14,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +8,3%
RESULTADO OPERACIONAL +14,4%
RESULTADO LÍQUIDO +18,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -16,4%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +20,6%

b) 4T13 sobre 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -1,9%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +3,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +15,3%
RESULTADO OPERACIONAL +5,7%
RESULTADO LÍQUIDO +27,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 0,1%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +17,2%
PDD TOTAL +9,7%
ATIVOS TOTAIS +28,0%

c) lucro liquido
UA 18,38%
U2A 6,61%
U3A 9,88%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,23%
U2A 12,75%
U3A 12,24%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito que estava estável do 1T13 para o 2T13 em 1,63%, diminuiu para 1,56% no 3T13 e agora aumentou para 1,81%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medidos como percentual das operações de crédito, que permaneceu estável no 2T13 e 3T13, em 0,49% (anualizado), baixou para 0,29%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 18,64

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -10,5%

238476 - small caps  -  05 Fev 2014, 12:13
Fantástico resultado para o cenário atual....

Mas, por favor, esperem o puntaestanho e sua bola de cristal avisar exatamente o cú da mosca para comprar.

219866  - paulo_prof  -  01 Nov 2013, 18:07
A Eztec dos bancos brasileiros ... Se todos os bancos do Brasil fossem administrados como este ... Um relógio ... e barato prá caramba!

ABCB4
PREÇO: R$ 13,73
PAYOUT (2012): 37,7%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,31
P/VPA 1,12
DY 5,16%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,878
ROAE 15,4%
ROAA 1,91%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 92.728
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,04%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,13%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 9 meses sobre os 9 meses terminados no 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +7,8%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +18,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,8%
RESULTADO OPERACIONAL +17,6%
RESULTADO LÍQUIDO +15,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -21,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +136,3%

b) 3T13 sobre 3T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +16,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,0%
RESULTADO OPERACIONAL +18,6%
RESULTADO LÍQUIDO +22,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -43,3%
PATRIMONIO LÍQUIDO +19,1%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +27,6%
PDD TOTAL +4,5%
ATIVOS TOTAIS +33,2%

c) lucro liquido
UA 10,56%
U2A 4,73%
U3A 7,62%

d) patrimônio líquido médio
UA 13,71%
U2A 12,39%
U3A 11,95%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito que estava estável do 1T13 para o 2T13 em 1,63%, diminuiu para 1,56%

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medidos como percentual das operações de crédito, permaneceu estável, em 0,49% (anualizado)

Moral da história: continua não havendo núvens negras no horizonte no que se refere a qualidade da carteira de créditos e inadimplência. Nitidamente percebe-se um esforço do banco em reduzir despesas. Na minha opinião, provavelmente é o banco brasileiro melhor administrado. Um relógio!!!

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 21,80

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,0%

201821 - paulo_prof  -  09 Ago 2013, 13:44
Um dos bancos no Brasil mais bem administrados. Um relógio ... e barato prá caramba!

ABCB4
PREÇO: R$ 12,23
PAYOUT (2012): 37,7%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,84
P/VPA 0,91
DY 5,51%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,787
ROAE 13,3%
ROAA 1,46%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 103.395
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,95%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,63%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 6 meses sobre os 6 meses terminados no 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +2,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +26,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,2%
RESULTADO OPERACIONAL +17,0%
RESULTADO LÍQUIDO +11,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -7,9%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +352,8%

b) 2T13 sobre 2T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -20,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +38,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,4%
RESULTADO OPERACIONAL +23,0%
RESULTADO LÍQUIDO +17,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +8,0%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,6%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +19,6%
PDD TOTAL +2,1%
ATIVOS TOTAIS +26,9%

c) lucro liquido
UA 3,64%
U2A 3,85%
U3A 8,22%

d) patrimônio líquido médio
UA 313,33%
U2A 12,07%
U3A 11,71%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito permaneceu rigorosamente estável, em 1,63%

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medidos como percentual das operações de crédito, caiu cinsideravelmente, diminuindo de 1,62% (anualizado) no 1T13, para 0,48%.

Moral da história: não há núvens negras no horizonte no que se refere a qualidade da carteira de créditos e inadimplência. Nitidamente percebe-se um esforço do banco em reduzir despesas. Na minha opinião, é um dos bancos brasileiros melhor administrado. Um relógio!!!

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 22,36

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -7,0%

ABCB4
PREÇO: R$ 14,91
PAYOUT 2012: 38,33%

Em relação a 2011, as taxas de crescimento nominal do exercício de 2012 foram:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -15,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,8%
RESULTADO OPERACIONAL -14,4%
RESULTADO LÍQUIDO -4,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +119,1%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +12,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +19,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +36,7%
ATIVO TOTAL +28,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES NO ANO: 49,8%

P/L 8,82
P/VPA 1,19
DY 4,35%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,691
ROAE 13,5%
ROAA 1,68%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 62.229
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,66%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,94%


Em relação ao 3T12, a "qualidade" da carteira de créditos medida em termos do percentual do PDD em relação ao tamanho da carteira melhorou de 2,13% para 1,94%. Os créditos inadimplentes contabilizados no 4T12, medidos como percentual da carteira de crédito aumentaram de 0,75% para 1,44% (anualizado). A relação entre os créditos inadimplentes no ano, para o tamanho da carteira no final do ano aumentou de 0,53% em 2011 para 0,66% em 2012.

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA -3,99%
U2A 5,86%
U3A 14,45%

b) do patrimônio líquido médio
UA 11,29%
U2A 11,26%
U3A 10,67%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses por toda a eternidade e taxa de desconto anual real de 8%: R$ 21,14

165305 - israel007 -  01 Fev 2013, 11:59
ABCB4
Empresa: BCO ABC BRASIL S.A. Ação: ABC BRASIL PN Setor: Financeiro e Outros Subsetor: Intermediários Financeiros
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 59,6 M no 4° trimestre de 2012, aumento de 8,1% em relação ao 3T12 e redução de 1,7% em relação ao quarto trimestre de 2011. A receita de intermediações financeiras atingiu R$ 320,2 M no 4° trimestre de 2012, uma variação de -9,3% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e aumento de 15,4% em relação ao 4T11.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 35,2% contra 30,7% no 3T12 e 44,3% no mesmo período do ano passado. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) alcançou 13,5% no quarto trimestre de 2012, contra 13,9% no terceiro trimestre de 2012, o que representa uma variação de -0,4 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 13,5 B, aumento de 28,3% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 1,7 B no quarto trimestre de 2012, o que representou uma variação de 12,0% em relação ao saldo no 4° trimestre de 2011.

Ao longo do trimestre, a ação oscilou 16,7% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 1,9 B contra R$ 1,6 B no quarto trimestre de 2011.

162074 - paulo_prof -  02 Jan 2013, 14:29
Citação: c4m1lo
Prof. O Sr. acha que vale a pena comprar ABCB4 no preço atual para ter direito de subscrever no vl que estão oferecendo? Obrigada.
Supondo que o preço que vc vai pagar hoje pela ABCB4 não vai alterar amanhã (a tendência é que amanhã, dia ex, o preço abaixe), o ganho que vc teria com a operação é de apenas 0,6% (excluída a taxa de corretagem da compra das ações).

Ao preço atual de R$ 14,16, vc gastará R$ 1.416,00 + taxas para cada lote.

Cada lote que vc detiver hoje dará direito a subscrever 2,4776 ações a R$ 10,5657.

Em conseqüência, vc gastará mais R$ 26,18 para subscrever.

Ao final da operação, vc terá 102,4776 ações, pelas quais pagou R$ 1.432,18 + taxas. Supondo que amanhã o preço destas ações continuará R$ 14,16, as suas 2,4776 ações vão gerar 2,4776*(14,16 - 10,5657) = R$ 8,90 de lucro.

Muita mão de obra para pouco resultado ... não acha?

Só vale mesmo a pena se vc estiver pretendendo iniciar posição no ativo.

154459 - pppadv -  31 Out 2012, 13:15
Inadimplência das empresas reduz lucro do ABC Brasil
Autor(es): Por Carolina Mandl | De São Paulo
Valor Econômico - 31/10/2012
http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/10/31/inadimplencia-das-empresas-reduz-lucro-do-abc-brasil

O banco ABC Brasil lucrou R$ 55,1 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que representou uma queda de 5,83% na comparação com igual período de 2011. Mais uma vez, os calotes determinaram a retração, seguindo uma tendência vista em outros bancos.

O ABC teve uma despesa com provisão para devedores duvidosos de R$ 32,9 milhões de julho a setembro, valor 39,4% superior àquela registrada um ano atrás.

Voltado para os empréstimos às médias empresas, o ABC Brasil viu a inadimplência subir de 0,19% no terceiro trimestre de 2011 para 0,56% em igual período deste ano. Na comparação com o segundo trimestre deste ano, houve uma ligeira alta, de 0,04 ponto percentual.

Preocupado com a qualidade dos empréstimos feitos, o ABC Brasil optou por frear um pouco o ritmo de desembolsos. No trimestre, a carteira de crédito encolheu 0,6%, para R$ 8,47 bilhões, movimento puxado principalmente pela desaceleração dos recursos concedidos para as companhias com faturamento anual acima de R$ 250 milhões.

Em 12 meses, porém, a carteira total acumula uma alta de 9,2%. Quando consideradas também as garantias prestadas e os títulos privados, a alta em um ano desse estoque ampliado foi de 16,5%. "Vínhamos crescendo bem nos trimestres anteriores. É normal às vezes reduzir o ritmo", avalia Sérgio Lulia Jacob, vice-presidente financeiro do ABC.

O banco mantém a previsão já dada de crescimento das operações de crédito em um intervalo entre 17% e 21%. "Imaginamos que devemos encerrar 2012 na banda mais baixa da expectativa", afirma o vice-presidente.

Daqui até o fim do ano, Jacob espera um cenário de maior recuperação, principalmente por parte da qualidade de crédito das empresas. "Há otimismo para o futuro, a economia está melhorando", diz Jacob.

O índice de Basileia do ABC encerrou setembro em 15%, com um recuo de 0,8 ponto percentual na comparação com igual mês de 2011.

154297 - paulo_prof -  30 Out 2012, 12:23
PREÇO: R$ 11,10
PAYOUT (2011): 34,1%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,53 
P/VPA 0,91 
DY 5,21%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,699
ROAE 13,9%
ROAA 1,73%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 39.461 
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,44%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,13%

Resultados dos 9T12 comparados aos dos 9M11:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -18,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,8% 
RESULTADO OPERACIONAL -15,0%
RESULTADO LÍQUIDO -4,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +126,6%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +12,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +3,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +44,9%
ATIVO TOTAL +13,0%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -6,8%

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA -0,78%
U2A 6,18%
U3A 24,58%

b) do patrimônio líquido médio
UA 11,09%
U2A 23,39%
U3A 31,76%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido RECORRENTE necessária durante 3 anos para que o preço atual seja igual ao valor intrínsico calculado pela fórmulado FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto anual rela de 8%: - 21,0%

Ativo parece continuar barato ...


PREÇO: R$ 12,03

113810 - paulo_prof - 06/Fev/2012 10:56
Este ABCB é um relógio ...

Em relação ao exercício de 2010 observa-se as seguintes taxas de crescimento nominais:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +12,9%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +15,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +19,7%
RESULTADO OPERACIONAL +17,8%
RESULTADO LÍQUIDO +16,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +16%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -11,0%

Em relação à situação em 30DEZ
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +11,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +2,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +7,4%
ATIVO TOTAL +7,2%

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal:

a) do lucro líquido
UA         16,72%
U2A       24,96%
U3A       16,29%

b) do Patrimônio lìquido médio
UA         11,22%
U2A       10,37%
U3A       8,16%

Multiplicadores relativos ao exercício de 2011

PREÇO: R$ 13,03
PAYOUT: 35,24% (2010)
P/L         7,40
P/VPA  1,16
DY          4,76%
LUCRO POR AÇÃO          R$ 1,761
ROAE    15,7%
ROAA    2,25%
CRÉDITOS INADIMPLENTES        42.542
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO   0,54%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO  1,69%

Preço Justo calculado pela fórmula do FCD, considerando:

a) taxa anual média real de crescimento do lucro líquido: 10%
b) anos de crescimento do lucro líquido: 3
c) taxa de crescimento real na perpetuidade: 0%
d) taxa de desconto real: 8%

PREÇO JUSTO: R$ 28,74


Por Tetzner

·  PERFIL DA EMPRESA:

- O Banco ABC BRASIL, controlado pelo Arab Banking Corporation (ABC), é um banco múltiplo habilitado a operar nas carteiras Comercial, de Investimentos, Financeira, Crédito Imobiliário e Câmbio, contando ainda com uma agência nas Ilhas Cayman. Sob o banco temos uma distribuidora de Títulos de Valores Mobiliários e uma empresa de administração e serviços. Através de uma atuação sinergética estas empresas cobrem um largo espectro das atividades de intermediação financeira voltada aos interesses brasileiros, complementando os serviços financeiros oferecidos globalmente pelo controlador.
O Arab Banking Corporation é um banco internacional com sede em Bahrain e com ações negociadas em bolsas de valores. Na sua formatação o ABC procura manter uma gestão profissional e claramente voltada aos mercados internacionais. Com presença própria ou através de subsidiárias, o ABC atua em 21 países, o que o habilita a um bom grau de diversificação de portifólio e geração de oportunidades de negócios aos seus clientes.      



Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )





PAINEL DE INDICADORES
07/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
ABCB4
  11,46
6,8
1,06
7,2
5,1%
14,7%
0,0
0%
14,7%
50,9%



·  PONTOS POSITIVOS:

- A margem financeira (NIM) e o índice de eficiência apresentaram evolução no 3T11, atingindo 5,7% a.a. e 36,4%, respectivamente. ( era 38% e o indicador é quanto menor melhor despesas/receitas e o outro NIM era de 5,5%  onde NIM = Net Interest Margin  )
- Indice de Basiléia:  15,8%   ( era 15,4% no 2T11 e 16,9% no 3T10; sendo o limite 11% mínimo )
   

·  PONTOS NEGATIVOS

- A carteira de crédito incluindo garantias prestadas atingiu o saldo de R$ 12.529,0 milhões ao final de setembro de 2011, com acréscimo de 2,4% em relação ao final do trimestre anterior e de 16,8% em relação ao final do mesmo período de 2010. A qualidade da carteira continua elevada, com 98,0% de suas operações de crédito classificadas entre AA e C. ( aqui tenho de ser justo e classificar como negativo, qualquer expansão no crédito em clima de inadimplência em alta )
- O Lucro Líquido no 3T11 atingiu R$ 58,5 milhões, apresentando redução de 2,8% em relação ao 2T11 (R$ 60,2 milhões) e crescimento de 14,5% em relação ao 3T10 (R$ 51,1 milhões). < Reparem que quando a empresa não quer esconder, ela cita e compara mesmo e o próprio RI já lista Pontos Positivos e Negativos >
- O Retorno anualizado sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) atingiu 16,2% a.a. no 3T11, apresentando redução de 1,0 p.p. em relação ao 2T11 (17,2% a.a.) e crescimento de 0,4 p.p. em relação ao 3T10 (15,8% a.a.).
- O Lucro Líquido caiu -2,8% no Trimestre ( +14,8% x 3T10 )
- Provisão para Devedores Duvidosos Publicada  +1343,2%  ( aqui temos um problema de report provavelmente, antes era 1,7M e agora passou para 24,6M )
   Aqui a explicação: Créditos baixados para prejuízo no trimestre (% da carteira de empréstimos) segmento Middle  dobrou, levando à um aumento na provisão, então a qualidade do crédito tomado piorou, fazendo o banco ter que provisionar mais e ainda por cima tiveram evento de prejuízo com inandinplência.
- O resultado operacional apresentou redução de 4,8% em relação ao 2T11 e aumento de 12,9% em relação ao 3T10.
 

·  VISÃO ESTRATÉGICA

- A estratégia de negócios do ABC foca o relacionamento internacional do mundo árabe, em especial as relações e projetos de investimento originários ou dirigidos a essa região. A principal linha de negócios do ABC Brasil é a intermediação financeira voltada para operações que envolvam análise e assunção de riscos de crédito. As operações estruturadas, principalmente de mercado de capitais, com vistas ao financiamento corporativo, complementam esta atividade. A arbitragem de mercados, taxas e moedas, tanto decorrentes das operações demandadas pelos clientes, quando de posições proprietárias, são desenvolvidas regularmente. O Banco adota uma postura conservadora com baixa propensão ao risco nos seus negócios de crédito e tesouraria.
Em todas as linhas de produtos temos uma participação expressiva de operações que envolvem contrapartes no exterior, especialmente na condição de ofertantes de recursos para o financiamento de empresas brasileiras, o que nos coloca numa posição atraente para clientes que demandem soluções sofisticadas para necessidades locais e internacionais.    

·  CURIOSIDADES

-  As normas do Banco Central do Brasil exigem que os bancos mantenham um capital total igual ou superior a 11,0% dos ativos ponderados pelo risco, percentual esse superior ao de 8,0% previsto pelo Acordo da Basiléia. 
- A provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída em montante considerado suficiente para absorver eventuais prejuízos na sua realização e sua constituição leva em conta, além da experiência passada, a avaliação de riscos dos devedores e seus garantidores bem como características específicas das operações realizadas, consoante os requerimentos da Resolução nº 2.682/99 do Banco Central do Brasil.   
- Quando o Crédito é considerado :  AA  o Banco não precisa provisionar o PDD, se for A tem que provisionar 0,5%, B 1%, C 3%,  D 10%, E 30%,  F 50%, G 70%, H 100%       

·  OPINIÃO DO ANALISTA

- O Trimestre não foi muito bom para o Banco, com aumento de inadimplência e piora na qualidade do crédito, cenário que se torna a constante do 3T11 na grande maioria das empresas.

101040 - paulo_prof - 07/Nov/2011 13:45
Resultados dos 9M11 relativamente aos 9M10:

RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +37,8%
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +15,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +23,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +20,1%
RESULTADO OPERACIONAL +18,1%
RESULTADO LÍQUIDO +18,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +21,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES: -24,1%

Valores ao final do 3T11 relativamente à situação ao final do 3T10:

PATRIMÔNIO LÍQUIDO + 11,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +13,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +12,0%
ATIVO TOTAL +18,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
ABCB4
PREÇO: R$ 11,50
PAYOUT: 35,24%

P/L    6,72
P/VPA         1,06
DY    5,24%
LUCRO POR AÇÃO      R$ 1,710
ROAE         15,7%
ROAA         1,97%
CRÉDITOS INADIMPLENTES         37.306
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO  0,43%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO     1,52%

Taxas anuais médias nominais de cresicmento:
a) do lucro líquido
UA    13,62%       
U2A  39,59%       
U3A  8,44%        

b) do patrimônio líquido médio
UA    11,07%
U2A  9,57%
U3A  7,80%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido necessária nos próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD seja 50% superior à cotação atual (taxa de desconto real de 10%; perpetuidade de 0%): +0,5%

Ocorrência negativa:
No 3T11, o único fato nitidamente negativo foi o aumento da indadimplência no trimestre. A média trimestral dos créditos baixados a prejuízo nos trimestres 3T10 a 2T11 era de aprox. R$ 7,9 milhões. No 3T11 os créditos baixados a prejuízo somaram aprox. R$ 19,8 milhões, ou seja, mais do que dobraram em relação à média. Em conseqüência, a média trimestral das despesas de PDD no período, R$ 8,9 milhões, aumentou para 24,6 milhões no 3T11. Se esta ocorrência se mostrar como eventual, não há problemas. Mas se isto for uma indicação efetiva do aumento da indadimplência ... olho aberto!

Não fosse esta núvem no horizonte, a recomendação de compra seria inequívoca.

84910 - small caps- 08/Ago/2011 19:44
Gostei muito dos balanços de ABCB4 e DAYC4. Este último inclusive iniciei posição, eis que me surpreendeu fortemente.

Agora, interessante aguardar os balanços. Os preços de quase todos eles que não tiveram PREJUÍZOS na crise já estão ótimos. Como os balanços saem esta semana, vale a pena esperar. Dia 11 sae PRBC4 e PINE4.

Detalhe: como o setor representa um grande risco diante da crise financeira, não se esqueça de diversificar conforme as atividades deles: varejo estatal, atendimento ao middle, atendimento a grandes empresas, middle com banco de investimento, consignado, consignado e seguradora, etc...

Cada um reage de maneira diferente conforme o cenário econômico. Uns ganham depósitos, outros perdem, etc... Não tenha medo do que diz o noticiário, pois só vão mandar comprar estes ativos depois de subirem 500%. Exemplo: Cheguei a pagar R$ 1,61 em BICB4 (não ajustado por proventos) e o banco passou a ser recomendadíssimo lá pelos R$ 10,00. Os grandes ganhos são permitido por uma diversificação adequada e com um histórico de responsa.

Muitos esquecem que os bancos no Brasil já viveram com tudo que é tipo de situação: hiperinflação, crise de liquidez, falência de alguns deles, planos econômicos, etc... e na realidade, pouquíssimos sucumbem... aproveitemos, portanto, pois ainda que um venha a bancarrota, alguns pequenos acerto proporcionam lucros extraordinários quando comprados no MOMENTO CERTO, coisa que quem fez a lição de casa pode aproveitar..http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/ResumoEmpresaPrincipal.aspx?codigoCvm=20958

1710 - paulorizzi - 17/Fev/2009 19:42
"citação: sergio74Prezados, o que vocês acharam do balanço do ABC Brasil (ABCB4)?"
Houve uma queda bem considerável do Lucro Líquido em relação ao 3T08.
http://www.mzweb.com.br/abcbrasil/web/arquivos/ABCBrasil_ER_4T08_port.pdf
"Para analisar os resultados corretamente, há que se levar em consideração o PDD (Provisão para Devedores Duvidosos). Esta provisão, nos 3 primeiros trimestres do ano, foi:"

460 - small caps - 30/Nov/2008 00:59
"(449) altobelli9, ABCB4 também faz parte das ações que bancos médios que adquiri nas recentes promoções. Aliás, este setor é minha segunda posição na carteira particular, ficando apenas atrás das elétricas que pagam bom DY. ABCB4 tem como uma das vantagens, além do preço atraente, acesso a funding para financiamento por meio dos controladores."

359 - small caps - 15/Nov/2008 12:38
"(319), caban, também gostei muito do resultado da ABCB4, especialmente por dizer que tem funding no exterior quase que ""garantido"" pelos controladores. É uma das ações do segmento bancário que estou me posicionando."

326 - caban - 12/Nov/2008 21:42
"E de olho em ABCB4. 3T excelente, risco de funding baixíssimo e gráfico interessante e só vejo tuba comprando. Ninguém fala do papel, os caras vão só comprando, depois que já subiu, pessoal aparece pra comprar mais caro."

222 - small caps - 29/Out/2008 23:23
"danieljoseaa, hoje ABCB4 já soltou um belo balanço... por isso subiu tanto... se quiser, compre um pouco de cada. O upside de todas estão muito alto e o seu risco fica diluído."

21 - smallcaps - 16/Set/2008 23:18
A ABCB4lhos com bugalhos""."
"É o efeito da irracionalidade agindo sobre o mercado. Vários bancos estavam muitos caros na época dos IPO's e atingiram preços impensáveis. Agora, nada custa que fiquem excessivamente barato."
"Quando vige a emoção, é a hora de aproveitar e comprar ou vender, aproveitando-se das insanidades."


"A coleção de bancos médios pode ser composta pelo ABCB4 e também por CZRS4, PINE4, CRIV4, BRIV4, BRSR6 e BGIP4... tem para todos os gostos e perfis."

20 - Brauer- 16/Set/2008 08:42
Gostaria de Saber a sua opinião sobre a ABCB4.

"Não há muitas informações sobre ela no site www.fundamentus.com, mas é uma empresa que paga bons dividendos, tem tag along, e seu valor patrimonial esta acima do valor de mercado."

Nenhum comentário: