Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 26 de maio de 2019

Metisa (MTSA)



Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: conservador22 (2013) - Paulo Prof (2019)
Carteiras
17andre (jul/18) - danieljoseaa  (mar/13) - eduardojose (dez/17) - effexop (set/17set/18, fev/19) - ikkii (nov/16dez/16jan/17fev/17abr/17) - Joe Slovack (2018) - renatosp (jan/13) - small caps (jan/13) - Tnl (nov/16) - vbreda (fev/13) - ZOTTI (mar/13)
Balanços
1T2019 -
paulo_prof   -
Resultado muito bom, excetuando talvez o financeiro. Boa evolução. Ativo continua barato.

A2018/4T2018 -
paulo_prof   - 
Resultados do 4T18 foram fracos. Se fosse contabilizada uma despesa "normal" de IR/CS, a empresa praticamente teria ficado no zero no que concerne a última linha. Ebitda praticamente nulo.
No exercício, o resultado deve ser considerado muito bom, com boa evolução em todos os resultados exceto o financeiro.
O ativo continua barato, mas sem "drivers" para uma valorização mais robusta.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Excelentes Resultados. O ativo está mais barato a cada trimestre. Infelizmente faltam-lhe "drivers" específicos para uma valorização em limha com os fundamentos. Mas algum dia virá!

2T2018 -
Paulo Prof - 
Resultados muito bons. Ativo muito barato. Na minha opinião, não há "drivers" para que o ativo posse ser precificado de acordo com os seus fundamentos. Payout poderia ser maior.

1T2018 -
Paulo Prof - 
Como esperado, o operacional evoluiu na comparação trimestral e com a estabilização do resultado financeiro, a última linha também evoluiu. Desde a divulgação dos resultados do exercício de 2017, o preço do ativo caiu sensivelmente. Em consequência, hoje está muito barato.

A2017/4T2017 -
paulo_prof   -  
Como o lucro do 4T veio acima dos R$ 4 milhões, o ativo está bem na fita. Entretanto, os bons resultados operacionais não conseguiram compensar completamente o pior resultado financeiro na comparação anual. Por isto ocorreu a leve involução do lucro líquido, na base anual. Daqui para frente, entretanto, com a suavização da queda do resultado financeiro, a tendência da última linha da DRE será voltar a crescer. O Resultado Líquido do 2o. semestre foi 133% maior do que aquele do primeiro. Na minha visão, considerando as expectativas, acho que o ativo está algo abaixo do preço justo.

3T2017 -
marcosvinicius2 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E FOI EM LINHA NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 47 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). VENDAS = NOS NOVE PRIMEIROS MESES DE 2017 A METISA OBTEVE UMA RECEITA OPERACIONAL BRUTA DE R$213.843,6 MIL, CORRESPONDENTES À VENDA DE 31.516,6 TONELADAS DE PRODUTOS. COMPARADA À IGUAL PERÍODO DE 2016, REGISTRA-SE UMA PEQUENA RETRAÇÃO DE 1,1% DA QUANTIDADE TOTAL VENDIDA. ESSE DESEMPENHO REFLETE A RECUPERAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, APESAR DA QUEDA DAS VENDAS AO MERCADO INTERNO.

paulo_prof  -
Embora um pouco mais fraco do que no ano passado, os resultados do 3T17 foram bons, sensivelmente melhores do que os resultados do 1S17. Se, nos próximos trimestres, conseguir manter os resultados do 3T17, o ativo estará bem na fita. De outra forma, é provável uma queda no preço. Para ficar bem na fita, o lucro no 4T17 deverá vir acima dos R$ 4 milhões.

2T2017 -
paulo_prof   -
A queda sensível do Resultado Financeiro foi compensada por um melhor operacional. Na minha opinião, entretanto, o ativo começa a ficar caro, com margem de segurança mínima. O fato do valor de mercado (R$ 103 milhoes) ser menor do que o capital de giro (ativo circulante - passivo circulante = R$ 134 milhões) não conforta muito, porque não há realmente drivers para a valorização do ativo. De maio para cá o ativo já valorizou 54%. Acho que n'ao tem mais muito espaço.

1T2017 -
paulo_prof  -
O Resultado Financeiro derrubou a última linha !!!

3T2016 -
marcosvinicius2  -
VENDAS: Nos nove primeiros meses de 2016 a METISA obteve uma receita operacional bruta de R$204.369,4 mil, correspondentes à venda de 31.855,9 toneladas de produtos. Comparada à igual período de 2015, registra-se um crescimento de 4,5% da quantidade total vendida, e um ligeiro aumento de 1,1% da receita operacional bruta. Esse desempenho reflete uma recuperação do mercado interno, apesar queda das exportações.
RESULTADO: Nos primeiros nove meses de 2016, a METISA obteve um resultado líquido de R$10.010,5 mil, valor esse 23,7% inferior aos R$13.117,1 mil, obtidos em igual período de 2015. A queda no resultado é decorrente do aumento do custo dos produtos vendidos, e da queda da margem de contribuição no mercado externo, aliado a valorização do Real frente ao US$.
MERCADO DE CAPITAIS: Durante os nove primeiros meses de 2016, o Ibovespa registrou uma alta de 34,6%, e nesse mesmo período as ações preferenciais da Metisa se valorizaram 13,1%. Foram negociadas na BOVESPA 447.882 ações preferenciais da Companhia.

paulo_prof  -
Há que se ler o relatório para verificar se o muito bom resultado (levando em consideração o estado atual do mercado) é sustentável. Em caso positivo, o ativo estaria muito barato.
Características
Fabricação de Máquinas e equipamentos para a agricultura e pecuária. Peças e acessórios,  exceto para irrigação.
Links
361513  - paulo_prof   -  26 Mai 2019, 22:39
Resultado muito bom, excetuando talvez o financeiro. Boa evolução. Ativo continua barato.

MTSA4

PREÇO: R$ 16,57

PAYOUT (2018): 35,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,53

P/VPA 0,64

PSR 0,53

DY 4,20%

EV/EBITDA 3,65

MARGEM BRUTA 24,0%

MARGEM OPERACIONAL 8,4%

MARGEM LÍQUIDA 6,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,942

MARGEM EBITDA 9,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 7,9%

ROE 7,45%

LIQUIDEZ CORRENTE 4,13



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,50%

RESULTADO BRUTO +12,45%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -34,65%

RESULTADO OPERACIONAL +31,69%

RESULTADO LÍQUIDO +17,65%

EBITDA +46,29%



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +14,43%

RESULTADO BRUTO +6,51%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -4,03%

RESULTADO OPERACIONAL +47,83%

RESULTADO LÍQUIDO +38,74%

EBITDA +58,45%



c) lucro (taxa média anual)

UA 17,65%

U2A 19,12%

U3A 7,80%



d) patrimônio líquido médio

UA 5,44%

U2A 4,72%

U3A 4,46%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 46,29%

U2A 55,47%

U3A 31,40%

U4A -0,56%

U5A -3,47%

U6A -2,42%

U7A 1,07%

U8A -1,77%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,27

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -8,5%

359523 -paulo_prof  Nível 7 - 20 Mar 2019
Resultados do 4T18 foram fracos. Se fosse contabilizada uma despesa "normal" de IR/CS, a empresa praticamente teria ficado no zero no que concerne a última linha. Ebitda praticamente nulo.
No exercício, o resultado deve ser considerado muito bom, com boa evolução em todos os resultados exceto o financeiro.
O ativo continua barato, mas sem "drivers" para uma valorização mais robusta.
[...]

355883 - paulo_prof  -  14 Nov 2018, 13:02
Excelentes Resultados. O ativo está mais barato a cada trimestre. Infelizmente faltam-lhe "drivers" específicos para uma valorização em limha com os fundamentos. Mas algum dia virá!

MTSA4

PREÇO: R$ 15,27

PAYOUT (2017): 37,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 7,65

P/VPA 0,59

PSR 0,51

DY 4,93%

EV/EBITDA 4,03

MARGEM BRUTA 26,1%

MARGEM OPERACIONAL 8,6%

MARGEM LÍQUIDA 6,7%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,996

MARGEM EBITDA 10,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 13,8%

ROE 7,70%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,21



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,38%

RESULTADO BRUTO +38,40%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -59,99%

RESULTADO OPERACIONAL +55,04%

RESULTADO LÍQUIDO +47,96%

EBITDA +108,59%



b) 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,31%

RESULTADO BRUTO +25,53%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -41,92%

RESULTADO OPERACIONAL +29,71%

RESULTADO LÍQUIDO +26,23%

EBITDA +50,02%



c) lucro (taxa média anual)

UA 47,96%

U2A 15,52%

U3A -1,27%



d) patrimônio líquido médio

UA 5,10%

U2A 4,46%

U3A 4,40%



e) ebitda (taxa média anual)

UUA 108,59%

U2A 61,61%

U3A 5,34%

U4A 1,22%

U5A -2,45%

U6A -1,00%

U7A 1,55%

U8A -2,02%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 24,95

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -11,0%

352790  - paulo_prof - 13 Ago 2018, 22:30
Resultados muito bons. Ativo muito barato. Na minha opinião, não há "drivers" para que o ativo posse ser precificado de acordo com os seus fundamentos. Payout poderia ser maior.

MTSA4

PREÇO: R$ 14,99

PAYOUT (2017): 37,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,07

P/VPA 0,59

PSR 0,52

DY 4,67%

EV/EBITDA 3,80

MARGEM BRUTA 25,6%

MARGEM OPERACIONAL 8,1%

MARGEM LÍQUIDA 6,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,857

MARGEM EBITDA 9,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 12,2%

ROE 7,36%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,62



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,16%

RESULTADO BRUTO +29,61%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -53,49%

RESULTADO OPERACIONAL +34,07%

RESULTADO LÍQUIDO +35,94%

EBITDA +88,48%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +19,84%

RESULTADO BRUTO +44,97%

RESULTADO FINANCEIRO passou de positivo para negativo

RESULTADO OPERACIONAL +79,63%

RESULTADO LÍQUIDO +69,38%

EBITDA +117,26%



c) lucro (taxa média anual)

UA 35,94%

U2A 21,11%

U3A -9,20%



d) patrimônio líquido médio

UA 4,47%

U2A 4,25%

U3A 4,29%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 88,48%

U2A 58,20%

U3A -3,54%

U4A -4,89%

U5A -4,44%

U6A -2,74%

U7A -1,13%

U8A 2,20%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 23,21

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -9,5

350313 - paulo_prof  -  25 Mai 2018, 23:39
Como esperado, o operacional evoluiu na comparação trimestral e com a estabilização do resultado financeiro, a última linha também evoluiu. Desde a divulgação dos resultados do exercício de 2017, o preço do ativo caiu sensivelmente. Em consequência, hoje está muito barato.


MTSA4

PREÇO: R$ 14,51

PAYOUT (2017): 37,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,80

P/VPA 0,59

PSR 0,53

DY 4,28%

EV/EBITDA 4,64

MARGEM BRUTA 24,2%

MARGEM OPERACIONAL 7,3%

MARGEM LÍQUIDA 6,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,649

MARGEM EBITDA 7,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 10,2%

ROE 6,67%

LIQUIDEZ CORRENTE 4,08



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,39%

RESULTADO BRUTO +17,41%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -40,28%

RESULTADO OPERACIONAL +11,56%

RESULTADO LÍQUIDO +20,61%

EBITDA +65,22%



b) 1T18 vs 1T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,92%

RESULTADO BRUTO +41,90%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -4,33%

RESULTADO OPERACIONAL +136,87%

RESULTADO LÍQUIDO +138,34%

EBITDA +213,32%



c) lucro (taxa média anual)

UA 20,61%

U2A 3,19%

U3A -11,44%



d) patrimônio líquido médio

UA 4,00%

U2A 3,98%

U3A 4,36%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 65,22%

U2A 24,54%

U3A -12,57%

U4A -12,99%

U5A -10,01%

U6A -4,97%

U7A -7,20%

U8A 10,09%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 20,61

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -7,5%

348565  - uqaz  -  30 Mar 2018, 00:45
Que bom que gostou do artigo, prof!
Sobre o setor industrial, tbm havia pensado em MTSA4, SHUL4, ROMI3 e EALT4. Small acertou ROMI3 na veia!

Só que fiquei pensando... existe uma siderúrgica mais voltada para o mercado interno, que seja mais afetada por ele como essas aí?

348525  - paulo_prof   -  29 Mar 2018, 21:27
Citação: celso araujo - Post #348452 - 28/Mar/2018 02:13
PAULO PROF
Na atual conjuntura economica, poderia citar empresas que ainda considere baratas nos atuais preços? Gostaria de estudar algumas indicações mais a fundo.
A atual conjuntura econômica é de incerteza ... eu acho que a probabilidade de elegermos um governo irresponsável é pequena, mas ... e vc?

A esquerda, bem como a extrema-direita de Bolsonaro, atrapalharam a proposta de reforma da previdência no que foi possível. Se houver um 2o. turno entre a esquerda e a extrema-direita, quais são as perspectivas de se reformar a previdência. Qual será a credibilidade do eleito para liderá-la. Quando o outro quer fazer sou contra e faço questão de atrapalhar ... quando eu vou fazer, quero que todos me ajudem?

Sem uma reforma da previdência suficientemente abrangente, não vejo como o governo equilibrar as contas. Quando não se consegue equilibrar as contas, as situações do Brasil no final do governo Diulma, do Rio, Minas e Rio Grande do Sul estão aí para ilustrarem as consequências.

Eu acho/espero/rezo para que não tenhamos que escolher entre populismos de esquerda e de direita. E se o centro (qualquer que seja) levar, acho que o ciclo (crescimento, inflação, etc) será virtuoso.
[...]
Como o ótimo artigo referenciado pelo uqaz mostra, quando a base monetária está em recuperação, o setor industrial costuma responder primeiro. MTSA4, SHUL4, ROMI3 e EALT4 parecem interessantes.
[...]

348338  - paulo_prof   -  23 Mar 2018, 10:02
Como o lucro do 4T veio acima dos R$ 4 milhões, o ativo está bem na fita. Entretanto, os bons resultados operacionais não conseguiram compensar completamente o pior resultado financeiro na comparação anual. Por isto ocorreu a leve involução do lucro líquido, na base anual. Daqui para frente, entretanto, com a suavização da queda do resultado financeiro, a tendência da última linha da DRE será voltar a crescer. O Resultado Líquido do 2o. semestre foi 133% maior do que aquele do primeiro. Na minha visão, considerando as expectativas, acho que o ativo está algo abaixo do preço justo.

MTSA4

PREÇO: R$ 18,00

PAYOUT (2017): 37,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,34

P/VPA 0,74

PSR 0,68

DY 3,06%

EV/EBITDA 7,96

MARGEM BRUTA 23,2%

MARGEM OPERACIONAL 6,4%

MARGEM LÍQUIDA 5,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,458

MARGEM EBITDA 6,6%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 12,0%

ROE 5,98%

LIQUIDEZ CORRENTE 5,34



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +10,16%

RESULTADO BRUTO +10,78%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -48,53%

RESULTADO OPERACIONAL -13,90%

RESULTADO LÍQUIDO -2,18%

EBITDA +49,31%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +28,54%

RESULTADO BRUTO +48,41%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -60,27%

RESULTADO OPERACIONAL +25,31%

RESULTADO LÍQUIDO +28,73%

EBITDA +634,21%



c) lucro (taxa média anual)

UA -2,18%

U2A -10,98%

U3A -12,95%



d) patrimônio líquido médio

UA 3,74%

U2A 3,89%

U3A 4,43%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 49,31%

U2A -8,38%

U3A -15,17%

U4A -16,22%

U5A -12,71%

U6A -8,45%

U7A -9,67%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 18,22

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 0,0%

344695 - marcosvinicius2 -  30 Nov 2017, 21:12
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E FOI EM LINHA NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 47 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). VENDAS = NOS NOVE PRIMEIROS MESES DE 2017 A METISA OBTEVE UMA RECEITA OPERACIONAL BRUTA DE R$213.843,6 MIL, CORRESPONDENTES À VENDA DE 31.516,6 TONELADAS DE PRODUTOS. COMPARADA À IGUAL PERÍODO DE 2016, REGISTRA-SE UMA PEQUENA RETRAÇÃO DE 1,1% DA QUANTIDADE TOTAL VENDIDA. ESSE DESEMPENHO REFLETE A RECUPERAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, APESAR DA QUEDA DAS VENDAS AO MERCADO INTERNO.:

MTSA4
PREÇO: 16,10
PAYOUT (2016): 35,83%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,10
P/VPA 0,67
PSR 0,65
DY 2,96%
EV/EBITDA 9,05
MARGEM BRUTA 22,36%
MARGEM OPERACIONAL 6,54%
MARGEM LÍQUIDA 5,34%
LUCRO POR AÇÃO 1,331
MARGEM EBITDA 5,76%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 14,12%
ROE 5,52%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,97

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,36%
RESULTADO BRUTO 1,96%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -34,33%
RESULTADO OPERACIONAL -17,12%
RESULTADO LÍQUIDO -9,80%
EBITDA 25,21%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 15,23%
RESULTADO BRUTO -0,14%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -27,99%
RESULTADO OPERACIONAL -8,76%
RESULTADO LÍQUIDO -3,08%
EBITDA 5,85%

c) lucro (taxa média anual)
UA -9,80%
U2A -19,35%
U3A -17,20%

d) patrimônio líquido médio
UA 3,83%
U2A 4,06%
U3A 4,51%

RESULTADO LIQUIDO = Nos primeiros nove meses de 2017, a METISA obteve um resultado líquido de R$8.733,8 mil, valor esse 12,8% inferior aos R$10.010,5 mil, obtidos em igual período de 2016. A queda no resultado é decorrente do aumento do custo dos produtos vendidos, e da menor margem de contribuição no mercado externo, aliada ainda a valorização do Real frente ao US$.;

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO = Na Reunião de Conselho de Administração, realizada em 09de Novembro de 2017, foi analisada, discutida e aprovada, pela unanimidade dos Conselheiros presentes, conforme o disposto no Artigo 25º do Estatuto Social da Companhia e ad referendum da Assembleia Geral, a distribuição e o pagamento de juros sobre o capital próprio, imputados aos dividendos obrigatórios relativos ao exercício social de 2017, de acordo com as seguintes condições: a)VALOR DO CRÉDITO DOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO: crédito de juros sobre o capital próprio, imputados aos dividendos obrigatórios, relativos ao exercício social de 2017, correspondentes a R$ 0,50 por ação ordinária e a R$ 0,55 por ação preferencial; b)DATA DO CRÉDITO: o crédito dos Juros sobre o Capital Próprio, nos registros contábeis da Companhia, ocorrerá na data de 07/12/2017,com base na posição acionária do dia 20/11/2017; c)NEGOCIAÇÃO DAS AÇÕES: as ações da Companhia serão negociadas ex-juros sobre o Capital Próprio a partir de 21/11/2017; d)IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE: os valores dos Juros sobre Capital Próprio estarão sujeitos ao Imposto de Renda retido na fonte, à alíquota de 15%, exceto para os Acionistas comprovadamente imunes ou isentos; e)COMPROVAÇÃO DE IMUNIDADE OU ISENÇÃO: os Acionistas imunes ou isentos de Imposto de Renda deverão, nos termos da Legislação Fiscal em vigor, apresentar prova de imunidade ou isenção até04/12/2017, na sede da Companhia, à Rua Fritz Lorenz, 2442, na Cidade de Timbó, Estado de Santa Catarina, CEP 89120-000, aos cuidados do Departamento de Atendimento aos Acionistas da Metisa e/ou do Banco Itaú S.A., instituição depositária, situado à Rua Ururaí, Nº 111, Prédio B, Térreo, Tatuapé, CEP 03084-010, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo; f)IMPUTAÇÃO DOS JUROS AOS DIVIDENDOS: os juros sobre o Capital Próprio serão imputados aos dividendos obrigatórios de que trata o Artigo 202 da Leinº 6.404/76; g)PAGAMENTO DOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO: os juros sobre o Capital Próprio serão pagos aos Acionistas na data de 15 de dezembro de 2017, com base nos dados cadastrais existentes no Departamento de Atendimento aos Acionistas da instituição depositária Banco Itaú S.A., na data de 20/11/2017

MTSA4_rl_tri_bar.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = XXXX;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = XXXX;

344283  - paulo_prof  -  23 Nov 2017, 21:06
Embora um pouco mais fraco do que no ano passado, os resultados do 3T17 foram bons, sensivelmente melhores do que os resultados do 1S17. Se, nos próximos trimestres, conseguir manter os resultados do 3T17, o ativo estará bem na fita. De outra forma, é provável uma queda no preço. Para ficar bem na fita, o lucro no 4T17 deverá vir acima dos R$ 4 milhões.


MTSA4

PREÇO: R$ 16,35

PAYOUT (2016): 36,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,12

P/VPA 0,67

PSR 0,65

DY 3,04%

EV/EBITDA 8,12

MARGEM BRUTA 22,4%

MARGEM OPERACIONAL 6,5%

MARGEM LÍQUIDA 5,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,349

MARGEM EBITDA 5,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8,5%

ROE 5,52%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,97



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,36%

RESULTADO BRUTO +1,96%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -34,33%

RESULTADO OPERACIONAL -17,12%

RESULTADO LÍQUIDO -9,81%

EBITDA +25,21%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +15,23%

RESULTADO BRUTO -0,14%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -27,99%

RESULTADO OPERACIONAL -8,76%

RESULTADO LÍQUIDO -3,08%

EBITDA +5,88%



c) lucro (taxa média anual)

UA -9,81%

U2A -19,36%

U3A -17,21%



d) patrimônio líquido médio

UA 3,83%

U2A 4,06%

U3A 4,51%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,29

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,0%

342193  - paulo_prof   -  19 Set 2017, 19:09
A queda sensível do Resultado Financeiro foi compensada por um melhor operacional. Na minha opinião, entretanto, o ativo começa a ficar caro, com margem de segurança mínima. O fato do valor de mercado (R$ 103 milhoes) ser menor do que o capital de giro (ativo circulante - passivo circulante = R$ 134 milhões) não conforta muito, porque não há realmente drivers para a valorização do ativo. De maio para cá o ativo já valorizou 54%. Acho que n'ao tem mais muito espaço.

MTSA4

PREÇO: R$ 17,50

PAYOUT (2016): 36,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,81

P/VPA 0,73

PSR 0,72

DY 2,88%

EV/EBITDA 10,00

MARGEM BRUTA 23,3%

MARGEM OPERACIONAL 7,1%

MARGEM LÍQUIDA 5,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,366

MARGEM EBITDA 5,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 31,8%

ROE 5,71%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,45



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,63%

RESULTADO BRUTO +6,43%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -11,26%

RESULTADO OPERACIONAL +8,87%

RESULTADO LÍQUIDO +7,91%

EBITDA +32,78%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,43%

RESULTADO BRUTO +1,56%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -62,99

RESULTADO OPERACIONAL -9,66%

RESULTADO LÍQUIDO -0,26%

EBITDA +50,44%



c) lucro (taxa média anual)

UA 7,91%

U2A -25,78%

U3A -18,68%



d) patrimônio líquido médio

UA 4,03%

U2A 4,19%

U3A 4,56%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,51

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 0,0%

337617  - paulo_prof  -  06 Mai 2017, 21:34
O Resultado Financeiro derrubou a última linha !!!

MTSA4

PREÇO: R$ 11,38

PAYOUT (2016): 36,9%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,33

P/VPA 0,48

PSR 0,46

DY 4,43%

EV/EBITDA 9,71

MARGEM BRUTA 23,0%

MARGEM OPERACIONAL 7,3%

MARGEM LÍQUIDA 5,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 1,367

MARGEM EBITDA 5,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 43,8%

ROE 5,79%

LIQUIDEZ CORRENTE 2,76



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,51%

RESULTADO BRUTO +3,46%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -9.56%

RESULTADO OPERACIONAL -12,41%

RESULTADO LÍQUIDO -11,72%

EBITDA -6,13%



b) 1T17 vs 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,46%

RESULTADO BRUTO +6,10%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -47,08

RESULTADO OPERACIONAL -50,56%

RESULTADO LÍQUIDO -47,43%

EBITDA +88,58%



c) lucro (taxa média anual)

UA -11,72%

U2A -24,11%

U3A -19,76%



d) patrimônio líquido médio

UA 3,96%

U2A 4,54%

U3A 4,49%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,53

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -10,5%

335233  - marcosvinicius2  -  08 Mar 2017, 14:24
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T10 X 2T10 E 1T15 X 2T15 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
VENDAS: Nos nove primeiros meses de 2016 a METISA obteve uma receita operacional bruta de R$204.369,4 mil, correspondentes à venda de 31.855,9 toneladas de produtos. Comparada à igual período de 2015, registra-se um crescimento de 4,5% da quantidade total vendida, e um ligeiro aumento de 1,1% da receita operacional bruta. Esse desempenho reflete uma recuperação do mercado interno, apesar queda das exportações.

MTSA4
PREÇO: 12,77
PAYOUT (2015): 29,03%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 8,66
P/VPA 0,55
PSR 0,53
DY 3,35%
EV/EBITDA 8,61
MARGEM BRUTA 22,67%
MARGEM OPERACIONAL 8,15%
MARGEM LÍQUIDA 6,12%
LUCRO POR AÇÃO 1,475
MARGEM EBITDA 4,76%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 41,57%
ROE 6,34%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,23

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,17%
RESULTADO BRUTO -19,93%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 87,80%
RESULTADO OPERACIONAL -24,63%
RESULTADO LÍQUIDO -27,90%
EBITDA -55,25%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 5,66%
RESULTADO BRUTO 13,51%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 272,47%
RESULTADO OPERACIONAL 82,93%
RESULTADO LÍQUIDO 72,24%
EBITDA 16,19%

c) lucro (taxa média anual)
UA -27,90%
U2A -20,68%
U3A -14,53%

d) patrimônio líquido médio
UA 4,29%
U2A 4,86%
U3A 4,30%

RESULTADO: Nos primeiros nove meses de 2016, a METISA obteve um resultado líquido de R$10.010,5 mil, valor esse 23,7% inferior aos R$13.117,1 mil, obtidos em igual período de 2015. A queda no resultado é decorrente do aumento do custo dos produtos vendidos, e da queda da margem de contribuição no mercado externo, aliado a valorização do Real frente ao US$.

01097bca9d.png

010af260ee.png

MERCADO DE CAPITAIS: Durante os nove primeiros meses de 2016, o Ibovespa registrou uma alta de 34,6%, e nesse mesmo período as ações preferenciais da Metisa se valorizaram 13,1%. Foram negociadas na BOVESPA 447.882 ações preferenciais da Companhia.

329645  - paulo_prof  -  08 Nov 2016, 23:13
Há que se ler o relatório para verificar se o muito bom resultado (levando em consideração o estado atual do mercado) é sustentável. Em caso positivo, o ativo estaria muito barato.

MTSA4
PREÇO: R$ 9,80
PAYOUT (2015): 29,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 6,55
P/VPA 0,42
PSR 0,40
DY 4,56%
EV/EBITDA 4,72
MARGEM BRUTA 22,7%
MARGEM OPERACIONAL 8,2%
MARGEM LÍQUIDA 6,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,496
MARGEM EBITDA 4,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 35,8%
ROE 6,34%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,23

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,17%
RESULTADO BRUTO -19,93%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +87,81%
RESULTADO OPERACIONAL -24,62%
RESULTADO LÍQUIDO -27,90%
EBITDA -55,25%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,66%
RESULTADO BRUTO +13,51%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +272,34%
RESULTADO OPERACIONAL +82,93%
RESULTADO LÍQUIDO +72,25%
EBITDA +16,15%

c) lucro (taxa média anual)
UA -27,90%
U2A -20,68%
U3A -14,53%

d) patrimônio líquido médio
UA 4,29%
U2A 4,86%
U3A 4,30%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 14,96

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -9,5%

173696 - nelsonnpires -  19 Mar 2013, 01:12
Metisa como sempre um relógio. Vendas fisicas 0,8 menor que 2011, mas venda em reais 6,4% superiores, basicamente influenciado pelo cambio mais favorável. Considerando a tragédia que foi o setor industrial em 2012, ela se comportou muito bem. 2013 tem tudo para melhorar se valendo do agronegócio em expansão.
Essa é mais umas das empresas que realizam investimentos com capital próprio, sempre um grande diferencial.
Dos comentários da administração achei interessante o colocado abaixo.

De modo a aproveitar as oportunidades que se apresentam, a Companhia vem empreendendo medidas que visam a abertura de novas bases regionais para distribuição e venda de seus produtos no mercado interno. Junto a isso, a melhoria da relação cambial deverá permitir o aumento das exportações e proporcionar melhores margens de contribuição.

173646 - danieljoseaa -  18 Mar 2013, 21:26
18/03/2013 às 17h26
Lucro da metalúrgica Metisa sobe com melhor mix de produtos e câmbio
Compartilhar:
Por Nelson Niero | Valor
SÃO PAULO - O lucro da Metisa Metalúrgica Timboense foi de R$ 6,1 milhões no quarto trimestre de 2012, 21% acima do mesmo período do ano anterior. A receita líquida de vendas cresceu 12%, para R$ 50 milhões.

Os valores foram calculados pelo Valor com base nas demonstrações contábeis publicadas hoje pelo fabricante de máquinas e equipamentos para a agricultura e pecuária de Timbó (SC). A empresa não divulgou dados trimestrais.

No ano, o lucro líquido foi de R$ 22,3 milhões (R$ 2,29 por ação), alta de 25,5% em relação a 2011, o que corresponde a 9,9% da receita operacional líquida e a 13,4% sobre o patrimônio líquido de 31 de dezembro de 2011.

Segundo o relatório da administração, a melhora do resultado é decorrente dos “esforços realizados para obtenção de um melhor mix de vendas direcionadas ao mercado externo, aliado, principalmente, ao impacto da desvalorização do real nas exportações”.

A receita líquida no ano cresceu 7%, para R$ 224,6 milhões.

A meta para o ano, segundo a administração, é o desenvolvimento de programas para promover o crescimento das vendas físicas e do faturamento, “tirando partido das boas perspectivas que se anunciam para o segmento agrícola”.

Entre as medidas estão a abertura de novas bases regionais para distribuição e venda de produtos no mercado interno. Além disso, “a melhoria da relação cambial deverá permitir o aumento das exportações e proporcionar melhores margens de contribuição”.

A ação preferencial da empresa (MTSA4), de pouca liquidez, era negociada há pouco por R$ 23,70, queda de 3,27%, com 3 negócios.

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/empresas/3049902/lucro-da-metalurgica-metisa-sobe-com-melhor-mix-de-produtos-e-cambio#ixzz2NvfA0esE


173557 - ch3481 -  18 Mar 2013, 12:40
Metisa

LL 2012 superior em 25% ao de 2011

foi de 22.288,00

vao bombar........ou naõ

parabens comprados

172462 - small caps -  13 Mar 2013, 01:28
Citação: marceleberle
Boa noite pessoal, Small algo no radar pra iniciar ou aumentar posição?
FJTA4 ou MTSA4 vale a pena a entrada antes do balanço?
E pós balanço BEMA3 ou PRBC4 ? (BEMA deu uma realizada boa, ta num preço agradável)
a) aumentei posição pós balanço em PRBC4. Mas o radar está bem ligado, pois nem metade dos balanços sairam. Reiniciei posição também em PRVI3 pós balanço, mas de leve...

b) não costuma ingressar em empresa envidada antes do balanço. Logo, FJTA4 tá fora desta possibilidade. E MTSA4 tirou o atraso no mercado nos últimos pregão. Melhor esperar o balanço também. Sempre surgem novidades neste período.

c) Entre BEMA e PRBC4, depende da sua concentração de outros ativos em carteira. Se tiver muito banco, BEMA tem espaço. Se couber um pouco mais de banco, o histório de PRBC4 é bem mais significativo.

172141 - BAC 1000 -  11 Mar 2013, 22:16
MTSA4:
DESEMPENHO
2010
Produção: 45.408 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 10,5% sobre 2009
2011
Produção: 50.400 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 10,6% sobre 2010
2012
Produção: 58.720 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 16,5% sobre 2011
2013 - Dúvidasque será melhor que 2012?

MTSA4 - Próxima GRND3 e BEMA3...

169933 - danieljoseaa -  01 Mar 2013, 22:27
Vamos lá Uqaz......desses resultados que saíram, sem falar nas TOPs(GRND, BGIP, etc) e que já temos posição, gostei bastante, bastante mesmo dos resultados de PRVI3 e SHUL4(essa já tô namorando desde antes do resultado, esse ITR do 4° tri só serviu para confirmar).
[...]

MTSA comprei por acreditar que esses 20 reais virarão passado em breve, nem quis esperar o resultado.

De qualquer forma, nas 2(PRVI e MTSA) comprei pouco, exatamente para poder aumentar, no caso de PRVI em uma quedinha na cotação caso aconteça e em MTSA, por querer esperar o resultado para um melhor posicionamento, como adepto da diversificação como você, preferi atirar um pouquinho em MTSA, em PRVI, e na próxima semana em SHUL4 e talvez em EALT4, do que usar o chumbo todo em uma só........conforme o ano for passando, conforme seus lucros forem sendo anunciados trimestre a trimestre, vou vendo qual merece ter a posição aumentada.

Dá uma lida nos 2 últimos ITRs de PRVI3 e SHUL4.

167976 - danieljoseaa -  20 Fev 2013, 16:30
[...]
Já MTSA4 tenho gostado bastante do que tenho visto ultimamente, depois daquela nossa "conversa", vi algumas matérias na internet e se ela mantiver no 4° tri, o patamar de LL do 3° tri, inicio posição, se deixarem, rs...............alías, espero o resultado dela e de EALT4 para me situar melhor na situação, no momento não tenho nenhuma das 2.
OBS: EALT4 já pagará dividendos relativos a 2012, já que venceu seus prejuízos acumulados.

Abraços e vou trabalhar, depois tento responder ao JBegood que me perguntou sobre CARD, mas já adianto o que penso é similar ao que pensam Small, Rodrigo e etc, nada de novo.

167149 - apolo20 -  14 Fev 2013, 20:40
MTSA4

Devo acrescentar que é também a indicação do SMALL CAPS para "Carteira Valor" do Fórum.

Metisa

Outra companhia com baixíssima liquidez que faz parte da carteira da Fama é a Metisa (MTSA4), empresa metalúrgica que atua em 6 linhas principais: peça para tratores, peças para implementos agrícolas, lâminas para corte de pedra, peças para implementos rodoviários, acessórios ferroviários, ferramentas manuais e arruelas.


Este é o investimento mais antigo da gestora (ações adquiridas em 1994) e também o de maior retorno - desde que foram compradas, as ações acumulam uma alta de 68.000%. “Apesar disso, as ações continuam bastante descontadas”, acredita a gestora.

167143 - apolo20 -  14 Fev 2013, 20:32
Eu cá na minha santa ignorância,faço questão de postar o texto da Fama Investimentos.
Vale a pena uma leitura.

Fama Investimentos apresenta duas micro caps com potencial
Um dos cases é a Tupy (TUPY3), companhia que desenvolve e fabrica componentes para a indústria automotiva

Por Diego Lazzaris Borges |12h36 | 14-02-2013 A A A

SÃO PAULO - A gestora de recursos Fama Investimentos divulgou cases de companhias classificadas como micro caps (com baixíssima liquidez na bolsa), mas que possuem boas perspectivas de crescimento. Na avaliação da gestora, o universo dessas empresas é composto por papéis que possuem um “timing próprio” e que, na maior parte das vezes, demoram um longo tempo para terem seu valor reconhecido.
[...]
Metisa

Outra companhia com baixíssima liquidez que faz parte da carteira da Fama é a Metisa (MTSA4), empresa metalúrgica que atua em 6 linhas principais: peça para tratores, peças para implementos agrícolas, lâminas para corte de pedra, peças para implementos rodoviários, acessórios ferroviários, ferramentas manuais e arruelas.

Este é o investimento mais antigo da gestora (ações adquiridas em 1994) e também o de maior retorno - desde que foram compradas, as ações acumulam uma alta de 68.000%. “Apesar disso, as ações continuam bastante descontadas”, acredita a gestora.

De acordo com a Fama, assim como a maior parte da indústria brasileira, a empresa enfrentou recentemente um cenário de curto prazo com pressão de custos, além do câmbio desfavorável. “Esses fatores fizeram com que a empresa, que vinha crescendo cerca de 15% ao ano até 2008, tivesse pouco crescimento de receita e margens mais baixas desde então – apesar de manter-se ainda bastante rentável”, diz a Fama Investimentos.
Entretanto, a companhia conseguiu recuperar produtividade e a nova taxa de câmbio lhe garantiu uma grabde melhora na competitividade externa. “Temos plena convicção de que ações empregadas pela administração da companhia resultem em um ano de 2013 significativamente melhor para a empresa e potencialmente também para suas ações que, independente disso, operam com enorme desconto versus seus pares”, aponta a gestora de recursos.

164059 – nelsonnpires – 20 Jan 2013, 02:19
Metisa é para diversificação, ela passou por esse periodo péssimo no setor industrial de forma surpreendente, gastos controlados e lucros constantes,tem tudo para se beneficiar desse novo ciclo onde governo mudando o foco de atenção.Sei que o fundo fama tem participação significativa na empresa, alias foi o que me fez ter esse papel,e os caras quando resolvem alavancar um papel, ninguem segura....aqui no forum, se comenta de muitos deles.Mas é preciso ter paciência,dividendos não são uma brastemp mas ajudam.

MTSA4
Para justificar o preço atual de R$ 21,00, supondo um lucro líquido real constante por toda a eternidade e uma taxa de desconto real de 8%, o lucro líquido anual por ação em reais de hoje teria que ser maior do que R$ 1,70. Isto corresponde a um lucro líquido anual de R$ 16,6 milhões.

Para justificar o preço atual de R$ 21,00, supondo um lucro líquido diminuindo 1% reais ao ano, por toda a eternidade e uma taxa de desconto real de 8%, o lucro líquido anual por ação em reais de hoje teria que ser maior do que R$ 1,91. Isto corresponde a um lucro líquido anual de R$ 18,65 milhões.

Para justificar o preço atual de R$ 21,00, supondo um lucro líquido diminuindo 2% reais ao ano, por toda a eternidade e uma taxa de desconto real de 8%, o lucro líquido anual por ação em reais de hoje teria que ser maior do que R$ 2,15. Isto corresponde a um lucro líquido anual de R$ 21 milhões.

164041 - paulo_prof -  19 Jan 2013, 20:44
MTSA4

Para justificar o preço atual de R$ 21,00, supondo um lucro líquido real constante por toda a eternidade e uma taxa de desconto real de 8%, o lucro líquido anual por ação em reais de hoje teria que ser maior do que R$ 1,70. Isto corresponde a um lucro líquido anual de R$ 16,6 milhões.

O lucro líquido postado nos últimos 12 meses foi de R$ 21,2 milhões.

As taxas anuais médias de crescimento nominal do lucro líquido nos últimos anos foram:

U1A 20,52%
U2A -0,13%
U3A -6,49%
U4A -8,30%
U5A 4,55%
U6A 12,43%
U7A 11,81%

164015 - nelsonnpires -  19 Jan 2013, 16:59
Ja que estão falando em metisa, excelente empresa,produtos focados na agroindustria, e melhor ainda, peças de desgaste, ou seja são produtos de reposição continuada. Dolar nesse patamar atual, influencia positivamente suas exportações,desoneração de folha idem, e finalmente diminuição no custo energético insumo muito representativo . Numeros saudaveis e de brinde tipica empresa que pode se beneficiar de eventos inexperados de consolidação. Agora liquidez é de doer....mas posição pequena deixar dormindo uma hora chega sim nos 30,00 e acho que não vai demorar.

161607 - edbmsev -  26 Dez 2012, 21:37
Movimento interessante a venda de ações da Grazziotin e da Metisa por meio da Hedging-Griffo.
[...]
Metisa é uma forma de se expor ao agronegócio, embora a empresa atue em metalurgia, pois grande parte da receita é proveniente da produção de peças para equipamentos utilizados no setor. Os múltiplos são bons apesar da liquidez ínfima. A gestora Fama detém participação relevante no capital da empresa que é controlada pelo dono da Elite Corretora. No caso, a venda de papéis pela HG, parece ser apenas como intermediadora, pois não identifiquei posição relevante desta gestora no capital da Metisa.

Faltam apenas dois pregões para o fechamento do ano. É natural que movimentos de maior volatilidade aconteçam em papéis de menor liquidez. 

A alta abrupta de ELPL4 deveria ser questionada pela CVM. É usual que o órgão regulador faça questionamentos em movimentos do tipo, a fim de evitar assimetria de informações entre os investidores.

164036 - renato1631-  19 Jan 2013, 20:13
Matéria do ano passado....

Metisa, forte como aço
30 de Maio de 2012 , por Cléia Schmitz

Metisa comemora 70 anos com crescimento e investe em setores estratégicos da economia para acelerar o ritmo

Crise mundial que nada! Foi com uma saúde de dar inveja que a Metalúrgica Timboense S/A (Metisa) – fabricante de artefatos de aço para os segmentos agrícola, rodoviário, ferroviário, sucroalcooleiro e da construção civil – comemorou seus 70 anos em janeiro de 2012. No último exercício, a produção da companhia cresceu 10,6%, chegando a 50.400 toneladas de aço. O volume de exportações, que respondem por 30% das vendas da metalúrgica, subiu 11,1%, um crescimento ligeiramente maior do que o registrado no mercado interno – 10,4%.

Companhia aberta, com ações negociadas na Bolsa de Valores, a Metisa ainda não havia liberado os resultados financeiros de 2011 até o fechamento desta edição. Em 2010, a empresa apresentou uma receita operacional bruta de R$ 240,7 milhões e um lucro líquido de R$ 19,8 milhões. “Temos crescido acima do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro”, afirma Edvaldo Angelo, presidente da empresa desde 1989. Engenheiro mecânico, ele chegou à companhia em 1972, quando a Metisa ainda era comandada por seu fundador, Richard Paul Júnior, falecido em 1978.
A boa fase da Metisa é resultado de investimentos em novas áreas de negócios, na eficiência da força de vendas e em parcerias tecnológicas com seus clientes. Sediada em Timbó (SC), a metalúrgica exporta para 41 países nos cinco continentes e mantém no mercado nacional um cadastro com mais de 10 mil clientes. “A cada três meses vendemos pelo menos para 3,5 mil clientes”, conta Angelo. Ele se diz um otimista convicto com a atual fase da economia brasileira – e mesmo com os negócios da Metisa no exterior.
Prova disso são as metas fixadas pela metalúrgica para 2012. Segundo o executivo, a expectativa é de que a produção chegue a 58.720 toneladas, um crescimento de 16,5% em relação aos resultados de 2011. A empresa quer aumentar as vendas para o mercado interno em 17% e as exportações em 15%. “Estamos vivendo um novo momento de crescimento da companhia em função dos investimentos que fizemos nos segmentos ferroviários e sucroalcooleiro”, explica o executivo. Para ele, o crescimento dessas duas áreas de negócio no Brasil é muito promissor.

O Plano Estratégico do Setor Sucroalcooleiro estima que a demanda por etanol prevista até 2015 vai exigir ampliação das áreas de produção de cana-de-açúcar em 3,8 milhões de hectares. Atenta a essa conjuntura, a Metisa começou a vender neste mês de março uma linha de peças agrícolas específica para o setor sucroalcooleiro. No segmento ferroviário, a empresa está produzindo peças como talas de junção para trilhos e, mais recentemente, dormentes de aço. Entre 1997 e 2010, as concessionárias que operam a malha férrea do País investiram R$ 24 bilhões.
Mas o carro-chefe da Metisa continua sendo o segmento do agronegócio, que responde por 40% das vendas. A metalúrgica fabrica desde ferramentas manuais (itens que deram origem à empresa) até implementos para máquinas que fazem a preparação do solo e o plantio e a colheita da produção. A companhia ainda fornece peças para montadoras de máquinas agrícolas, atendendo também o comércio de reposição. Para se ter uma ideia da saúde do agronegócio brasileiro, as projeções para os próximos 40 anos mostram que a produção de grãos deve saltar de 159 milhões para 299,5 milhões de toneladas.

A Metisa também é uma importante fornecedora de peças para tratores em geral. Trata-se de um mercado bastante consolidado pela metalúrgica, e que corresponde a 30% das vendas. Outra área bastante promissora para a companhia é a construção civil. A empresa fabrica lâminas para corte de granito e mármore. A área já responde por 18% das vendas da Metisa. Segundo Angelo, esse resultado é reflexo do crescimento do mercado de construções de alto padrão no Brasil, incluindo shopping centers e aeroportos. “E nós ainda temos a maior reserva de granito do mundo”, acrescenta o executivo.
Segundo Angelo, um momento decisivo na história da Metisa foi a entrada dos novos sócios, o Partbank, do Rio de Janeiro, no final da década de 1980. À consultoria coube reorganizar a metalúrgica depois das dificuldades impostas pela crise mundial do petróleo e a recessão no Brasil entre 1981 e 1986. “Tivemos uma queda vertiginosa na produção e foi preciso dar uma reviravolta”, conta Angelo. De acordo com a Partbank, a profissionalização promovida pela consultoria elevou as vendas da empresa de 18,4 mil toneladas, em 1987, para 44 mil toneladas, em 2005.

DESEMPENHO
2010
Produção: 45.408 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 10,5% sobre 2009
2011
Produção: 50.400 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 10,6% sobre 2010
2012
Produção: 58.720 toneladas de aço
Crescimento das vendas: 16,5% sobre 2011

METISA - FICHA TÉCNICA
Metalúrgica Timboense S/A – Metisa
Empresa de capital aberto com ações negociadas na Bolsa de Valores
Sede: Timbó (SC) (planta industrial)
Filiais: São Paulo e Recife (centros de distribuição)
Data de fundação: 8 de janeiro de 1942
Fundador: Richard Paul Júnior (falecido em 1978)
Principal executivo: Edvaldo Angelo (entrou na Metisa em 1972 e atua como presidente da empresa desde 1989)
Área construída: 36 mil metros quadrados
Número de funcionários: 1,1 mil
Capacidade de produção: 80 mil toneladas de aço ao ano
Número de clientes no Brasil: 10 mil (3,5 mil compram a cada três meses)
Número de clientes no exterior: 62 (41 países)
Participação do mercado nacional: 70%
Participação das exportações: 30%
Certificações: ISO 9002/94 (desde 1997) e ISO 9001/2000 (desde 2004)

AÇÃO SOCIAL E AMBIENTAL
- Mantém reflorestamento de 1 milhão de árvores plantadas
- Estimula a integração entre empresa, família e comunidade

PRESENÇA DE MERCADO
1. Agronegócio: Ferramentas manuais, como pá, enxada e picareta; Discos e peças para implementos agrícolas – 40%
2. Peças para tratores: Peças para montadoras e mercado de reposição – 30%
3. Construção civil: Lâminas para corte de granito – 18%
4. Ferrovias: Acessórios para trilhos, incluindo dormentes de aço – 6%
5. Rodovias: Peças para implementos rodoviários como reboques e semirreboques – 2,5%
6. Sucroalcooleiro: Peças para colhedoras de cana-de-açúcar – vendas começaram em 2012

O engenheiro Edvaldo Angelo chegou à Metisa em 1972, quando a empresa tinha 90 funcionários. Hoje, são 1,1 mil colaboradores. “Fui o primeiro engenheiro de Timbó”, brinca o executivo, nascido em Braço do Norte, no sul de Santa Catarina. O executivo conta que até então as peças eram feitas na base da experimentação. “Quando eu calculei e deu certo na primeira tentativa, eles ficaram impressionados e me questionavam: mas como é possível?” Assim, ele foi conquistando a confiança dos colegas e também da diretoria, na época comandada pelo fundador, Richard Paul Júnior.

Logo se tornou diretor e, em 1989, Angelo assumiu a presidência da empresa. Antes disso, já apostava suas fichas na Metisa. A herança que seus pais lhe deixaram serviram para comprar ações da metalúrgica. Sua filosofia como presidente, repassada constantemente aos funcionários da empresa, é: “Não pense na peça, pense na máquina. Não pense só na máquina, pense na fazenda. E não pense só na fazenda, pense no operador”.

25013 - small caps - 11/Jan/2010 17:31
Meus caros, no futuro certamente teremos cerejas como estas no nosso bolo. Algumas delas são discutidas hoje por aqui... Quem viver verá :)
Abraços,
Small caps.
Home
Em duas décadas, salta aos olhos a valorização de empresas brasileiras, entre elas desconhecidas como Panatlântica e Metisa
Feitas para durar
Nelson Niero e Daniele Camba, de São Paulo
11/01/2010
Texto: A- A+
Elas foram feitas para durar. Veteranas da bolsa de valores, sobreviveram ao confisco do governo Collor, à abertura de mercado, às crises do México, da Ásia e da Rússia e chegaram ao fim dos anos 2000 com uma valorização mais que robusta.
Uma carteira com os papéis de empresas como Gerdau, Itaú Unibanco, Vale e Petrobras trazida desde os turbulentos anos 90 até agora seria hoje uma garantia de aposentadoria milionária. Mas talvez nem o investidor mais ousado imaginaria que no topo da lista estariam empresas completamente fora do radar.
A produtora de chapas de aço de Gravataí (RS), Panatlântica, e a fabricante de peças para máquinas agrícolas, Metalúrgica Timboense, de Timbó (SC), valorizaram 148.355% e 49.791% no período, em valores corrigidos pela inflação, números espantosos para qualquer investimento. São papéis de pouca liquidez, algo que afugenta muitos gestores de carteiras, mas não se trata dos famosos "micos", empresas quebradas que continuam subindo e descendo desenfreadamente na bolsa. As duas têm uma história consistente de receita e lucro crescentes, o que é garantia de pagamento de dividendos todo fim de período.
No entanto, mesmo a valorização acima de 40.000% para uma "blue chip" como a siderúrgica Gerdau é sem parâmetros -o Índice Bovespa subiu 5.097% no mesmo período. Nos Estados Unidos, ressalvando-se que se trata de um mercado muito mais maduro, a campeã é a Dell, com 1.490%. Entre as empresas da América Latina, com base nos dados da consultoria Economática, não há nada que se compare com a valorização das companhias brasileiras.
As duas últimas décadas contam a história do renascimento do mercado de capitais brasileiro, um mercado muito mais consistente do que a desastrada experiência na época do "milagre econômico", nos anos 70. A retomada das aberturas de capital a partir de 2004 provavelmente não seria possível sem a estabilização da economia na década anterior, que livrou a gestão das empresas das garras da inflação.
Será difícil uma repetição de saltos como esses nos preços das ações nos próximos anos. É como se tivesse havido uma apreciação acelerada nas duas últimas décadas para trazê-las ao patamar de seus pares do mundo desenvolvido. Criar valor agora passa a ser uma questão mais milimétrica.
O processo de crescimento econômico brasileiro nos últimos anos, aliado a uma boa gestão, explica o desempenho de boa parte das vencedoras ao longo destas últimas duas décadas, acredita o diretor de investimentos da Fundação Cesp, Jorge Simino. "As histórias individuais das companhias são sempre importantes, mas certos eventos macroeconômicos são determinantes para o futuro delas", afirma.
É o caso de gigantes como Petrobras e Vale, que fazem parte do ranking das mais valorizadas. As ações da Petrobras despontaram principalmente após 1999, quando os combustíveis passaram a ser reajustados, para que a tradicional conta-petróleo pudesse contar positivamente no superávit primário de 3,25% que o Brasil tinha se comprometido em fazer junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Só para se ter ideia do impacto de tal medida para a Petrobras, suas ações ordinárias (ON, com voto) subiram 411,5% em 1999, corrigido pela inflação. "É inegável que a gestão da companhia melhorou ao longo dos anos, mas a medida macroeconômica na conta-petróleo foi mais importante do que qualquer governança", explica.
Para a Vale, o crescimento da China e, consequentemente, o expressivo aumento do minério de ferro foram decisivos para a valorização dos papéis, principalmente a partir de 2000. O preço do minério subiu de US$ 20 por tonelada para US$ 80 em alguns anos. No caso da mineradora, a privatização em 1997 foi um divisor de águas na gestão.
Existem também exemplos de boa gestão na veia. Gerdau é um deles. Simino lembra da época em que era analista e no banco em que trabalhava costumava-se dar três notas para as empresas: no aspecto financeiro, no operacional e no comercial. "Era muito difícil encontrar uma companhia que tivesse nota boa nas três áreas, e a Gerdau conseguia."
No grupo das perdedoras existe um denominador comum: a abertura comercial no início da década de 90, que dizimou o setor têxtil, por exemplo. Não é à toa que Teka, Tecelagem São José, Botucatu Têxtil, Schlosser e Tecelagem Blumenau estão entre as maiores desvalorizações. A abertura comercial também prejudicou o setor de autopeças.


A pergunta que todo investidor deve estar se fazendo agora é quais serão as ganhadoras dos próximos 20 anos. Simino acredita que nomes como Petrobras, Vale, Gerdau e Itaú Unibanco continuarão na lista. Já entre as debutantes, ele arrisca que estejam empresas do setor imobiliário, cujo crescimento parece estar apenas no começo.

3683 - small caps - 06/Abr/2009 13:43
"Sobre MTSA4, ela demonstra uma gestão superior realmente. Um ROE invejável e crescimento forte de margens e receitas nos últimos anos."
"Mas é provável que também sofra com os efeitos da crise. Pelo lado bom, haverá diminuição dos custos. Agora é necessário verificar sua carteira de pedidos. Se ela conseguir manter o nível de receitas, o preço atual pode ser uma oportunidade realmente."
"Mas é necessário cautela, pois o seu segmento de atuação como um todo tem múltiplos bem depreciados e os dela são um pouco superiores em razão de o mercado reconhecer o bom ROE (rentabilidade sobre o patrimônio líquido) e o crescimento dos últimos anos em receitas e margens." 

Nenhum comentário: