Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Marfrig (MRFG)





Recomendações
Venda: herdsman (out/16)
Carteiras
paulo_prof (fev/17) - polycrav (dez/12)
Balanços
3T2018 -
marcosvinicius2 -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LÍQUIDA = No 3T18, a receita líquida da Marfrig foi de R$ 11 bilhões, 21% superior ao 3T17 (base proforma). Esse aumento é explicado (i)pela depreciação do real em relação ao dólar, com impacto positivo de R$ 2.045 milhões; e (ii) pelo maior volume de vendas da operação na América do Sul, com variação positiva de R$ 857 milhões; que compensaram (iii) o menor preço médio de vendas com variação negativa de R$ 377 milhões e (iv) o efeito do menor número de semanas na operação da América do Norte, com impacto negativo de R$ 576 milhões; RESULTADO FINANCEIRO | Operação Continuada = O resultado financeiro líquido no 3T18 foi uma despesa de R$ 714 milhões. Excluindo-se a variação cambial, o resultado financeiro foi uma despesa de R$ 572 milhões, 29% superior ao 2T18, explicado (i) pelo aumento de R$ 38 milhões de despesas financeiras das operações de capital de giro em função do maior volume de vendas; e(ii) pela despesa temporária com juros e gastos de estruturação,relacionados ao “bridge loan” para a aquisição do controle de National Beef, no valor de R$90 milhões.; RESULTADO LÍQUIDO | Operação Continuada = No 3T18, o resultado da operação continuada foi negativo em R$ 126 milhões. Esse resultado foi influenciado pelo impacto negativo da desvalorização média do real de cerca de 10% no trimestre sobre juros e dívidas e pelos gastos temporários do “bridge loan”, que serão eliminados com a entrada dos recursos da venda de Keystone

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E PIOROU NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 43 TRIMESTRES, 27 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (62,7906%). LUCRO BRUTO E MARGEM BRUTAO LUCRO BRUTO CONSOLIDADO DO 3T17 FOI DE R$ 628 MILHÕES, O QUE REPRESENTOU UM AUMENTO DE 29% EM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR, REFLETINDO O CRESCIMENTO DE AMBAS AS DIVISÕES. A MARGEM BRUTA ATINGIU 13,0%, 176 PBS SUPERIOR AO 3T16, POSITIVAMENTE AFETADA PELA SÓLIDA PERFORMANCE DA DIVISÃO KEYSTONE.
Características
A Marfrig Alimentos S.A é uma multinacional brasileira de capital aberto, que atua no setor de alimentos e serviços, no Brasil e no Exterior. Suas atividades estão concentradas na produção, industrialização e processamento, comercialização e distribuição de alimentos provenientes de proteína animal (carne bovina, suína, ovina, avícola e industrializados), além da distribuição de outros produtos alimentícios (congelados, embutidos, pescados, pratos prontos e massas) e de couros semi-terminados e terminados.
Links
360274  - nao e possivel  -  10 Abr 2019, 18:24
Marfrig acirra disputa para fornecer hambúrguer para o McDonald's
Por: REPÓRTER ADVFN 10/04/2019

Boa tarde a todos

egundo o jornal Valor Econômico, a Marfrig (BOV:MRFG3) está em negociações avançadas para se tornar, no médio prazo, a maior fornecedora de hambúrgers ao McDonald’s no Brasil. Desde 2017, o único fornecedor é a JBS.


A reportagem apurou que a Marfrig se estrutura para fornecer 70% da demanda da rede de restaurantes – o que deve render mais de R$ 300 milhões anuais.

Com cerca de 970 restaurantes no país, a rede que faz o Big Mac consome, mensalmente, 3 mil toneladas de hambúrguer, de acordo com duas fontes. Segundo estimativas de mercado, o produto fornecido para o McDonald’s sai por aproximadamente R$ 13 por quilo. O contrato anual, portanto, é de mais de R$ 450 milhões.

Procurada pelo Valor, a Marfrig não comentou. Também procurado, o McDonald’s respondeu, em nota, que “não confirma as informações”.

Com a Marfrig no páreo, a JBS deixará de reinar absoluta no mercado de hambúrguer – a empresa dos Batista fabrica o produto em Lins (SP) e Campo Grande (MS).

Desde 2017, a JBS é fornecedora exclusiva de hambúrguer ao McDonald’s no Brasil. Naquele ano, a companhia desbancou a BRF, que até então fornecia parte do hambúrguer da rede. A perda do icônico contrato de hambúrguer aconteceu em meio ao encolhimento da divisão de food service da dona das marcas Sadia e Perdigão.

358840  - paulo_prof  -  28 Fev 2019, 19:32
Acho muito difícil analisar os resultados da Marfrig, sem estudar (e bastante) os detalhes. Durante o exercício de 2018, a Marfrig vendeu a Keystone e comprou a National Beef, a Quick Food e uma planta de processados em Várzea Grande. Fez ainda um acordo com a Keystone para manter uma planta de hamburgers no mercado americano. Houve, ainda, o incêndio em uma de suas plantas no Brasil.

Tudo o que se refere à Keystone, a empresa contabilizou na rubrica "atividades descontinuadas". O enorme lucro líquido postado em 2018 veio das atividades operacionais e venda da empresa.

O que interessa para o futuro, entretanto, é o que foi contabilizado como atividades continuadas, que não foram nem serão impactadas pela venda da Keystone.

No ano, houve despesas não recorrentes contabilizadas, devido à adesão ao PERT (R$ 616 milhões) e perdas estimadas com a frustração de receitas relativas a créditos tributários (R$ 727 milhões), totalizando R$ 1,484 bilhões.

No exercício, o Resultado das Operações Continuadas Antes do Financeiro e Impostos totalizou R$ 422 milhões. Adicionando as Despesas Não Receorrentes informadas acima, obtém-se um EBIT Operacional de aprox. R$ 1,9 bilhões.

O endividamento líquido ao final do 4T18 emplacou quase R$ 9 bilhões. Supondo, numa conta de padeiro, que este endividamento tenha um custo anual da ordem de R$ 1 bilhão, conclui-se que o Resultado Antes dos Impostos seria algo em torno dos R$ 900 milhões. Aplicando a alíquota padrão de IR/CS chega-se a um lucro líquido de aprox. R$ 600 milhões.

Isto dá, um LPA pouco menor do que R$ 1,00 que, se mantido em termos reais para todo o sempre, para uma taxa real de desconto de 8%, levaria a uma valor intrínseco de R$ 12,50.

O problema é que não há como separar, no lucro das operações continuadas futuras, a parte que cabe aos acionistas da empresa controladora. As operações continuadas geraram, para MRFG controladora, controladora, um prejuízo de R$ 2,2 bilhões!!!! Isto é maior do que os R$ 1,5 bilhões em despesas não recorrentes durante o ano. Por outro lado, as operações continuadas geraram um lucro de R$ 724 milhões para os acionistas não controladores (acionistas das empresas controladas parcialmente pela MRFG - provavelmente, a National Beef). Ou seja, em 2018, as operações das empresas nas quais a MRFG tem praticamente todo o capital (possivelmente, as operações brasileiras) a empresa estaria tendo prejuízo.

Em consequência, não há como dizer se o ativo está barato ou caro. Há que se aguardar os resultados do 1T19 para se ter uma melhor base, mesmo porque em 2018 nem todos os ativos da empresa estiveram 100% operacionais (houve incêndio, aquisições foram ao longo do ano,etc.).

O meu "chute" é que está caro!, pois o Patrimônio Líquido TOTAL do Consolidado é de R$ 4 bilhões, sendo que destes, R$ 3,3 bilhões correspondem aos não controladores!!!

356425 - marcosvinicius2 -  02 Dez 2018, 00:05
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RECEITA LÍQUIDA = No 3T18, a receita líquida da Marfrig foi de R$ 11 bilhões, 21% superior ao 3T17 (base proforma). Esse aumento é explicado (i)pela depreciação do real em relação ao dólar, com impacto positivo de R$ 2.045 milhões; e (ii) pelo maior volume de vendas da operação na América do Sul, com variação positiva de R$ 857 milhões; que compensaram (iii) o menor preço médio de vendas com variação negativa de R$ 377 milhões e (iv) o efeito do menor número de semanas na operação da América do Norte, com impacto negativo de R$ 576 milhões; RESULTADO FINANCEIRO | Operação Continuada = O resultado financeiro líquido no 3T18 foi uma despesa de R$ 714 milhões. Excluindo-se a variação cambial, o resultado financeiro foi uma despesa de R$ 572 milhões, 29% superior ao 2T18, explicado (i) pelo aumento de R$ 38 milhões de despesas financeiras das operações de capital de giro em função do maior volume de vendas; e(ii) pela despesa temporária com juros e gastos de estruturação,relacionados ao “bridge loan” para a aquisição do controle de National Beef, no valor de R$90 milhões.; RESULTADO LÍQUIDO | Operação Continuada = No 3T18, o resultado da operação continuada foi negativo em R$ 126 milhões. Esse resultado foi influenciado pelo impacto negativo da desvalorização média do real de cerca de 10% no trimestre sobre juros e dívidas e pelos gastos temporários do “bridge loan”, que serão eliminados com a entrada dos recursos da venda de Keystone:

MRFG3
PREÇO: R$ 6,27
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -4,62
P/VPA 18,98
PSR 0,16
DY 0,00%
EV/EBITDA 17,57
MARGEM BRUTA 13,36%
MARGEM OPERACIONAL -4,67%
MARGEM LÍQUIDA -3,45%
LUCRO POR AÇÃO R$ -1,356
MARGEM EBITDA 6,17%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 13753,94%
ROE -410,50%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,09

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 32,29%
RESULTADO BRUTO 53,65%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 7,52%
RESULTADO OPERACIONAL 7,16%
RESULTADO LÍQUIDO 14,98%
EBITDA 5,29%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 129,53%
RESULTADO BRUTO 141,26%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 67,04%
RESULTADO OPERACIONAL -308,40%
RESULTADO LÍQUIDO 30,40%
EBITDA 128,88%

c) lucro (taxa média anual)
UA 14,98%
U2A 18,15%
U3A 7,62%

d) patrimônio líquido médio
UA -38,29%
U2A 11,60%
U3A 8,96%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND !!!!
[...]

350146  - herdsman  -  21 Mai 2018, 23:20
Pois estava numa confraternização de imigrantes. Tinha um 'expert' holandês que acabou de voltar da China.

Perguntei: " e estes 'fraudes' dos frigoríficos vai demorar para recuperar mercado?"

Respondeu-me não vão recuperar mercados, e inclusive em 2 anos a China vai estar exportando carne suína para japão e hongkong.

Em tratando de coisas sensíveis como carne os importadores sempre "vão achar um pau para bater no cachorro".

350143  - pinheiro87 -  21 Mai 2018, 18:58
Herdsman, o que você acha da Minerva (BEEF3)?

Ação parece oscilar sempre dentro dessa banda dos 7-12. Pelo que andei vendo nas apresentações da cia o ciclo do gado saiu da fase ruim e tá entrando na boa.

Dólar alto vai machucar o financeiro (80% da dívida é em dólar pelo que vi), mas também vai turbinar as receitas. Não entendo muito do setor, alavancagem é altíssima, mas aparentemente a empresa gera muito caixa também.

344662   - marcosvinicius2  -  30 Nov 2017, 20:20
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E PIOROU NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 43 TRIMESTRES, 27 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (62,7906%). LUCRO BRUTO E MARGEM BRUTAO LUCRO BRUTO CONSOLIDADO DO 3T17 FOI DE R$ 628 MILHÕES, O QUE REPRESENTOU UM AUMENTO DE 29% EM RELAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR, REFLETINDO O CRESCIMENTO DE AMBAS AS DIVISÕES. A MARGEM BRUTA ATINGIU 13,0%, 176 PBS SUPERIOR AO 3T16, POSITIVAMENTE AFETADA PELA SÓLIDA PERFORMANCE DA DIVISÃO KEYSTONE.:

MRFG3
PREÇO: 6,96
PAYOUT (2016): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -5,90
P/VPA 1,67
PSR 0,23
DY 0,00%
EV/EBITDA 9,68
MARGEM BRUTA 11,50%
MARGEM OPERACIONAL -5,76%
MARGEM LÍQUIDA -3,96%
LUCRO POR AÇÃO -1,179
MARGEM EBITDA 7,75%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 443,28%
ROE -28,30%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,59

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 5,74%
RESULTADO BRUTO -1,91%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 12,31%
RESULTADO OPERACIONAL 50,11%
RESULTADO LÍQUIDO 21,40%
EBITDA -9,73%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,54%
RESULTADO BRUTO 29,00%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -10,15%
RESULTADO OPERACIONAL -70,03%
RESULTADO LÍQUIDO -63,81%
EBITDA 44,43%

c) lucro (taxa média anual)
UA 21,40%
U2A 4,12%
U3A 10,83%

d) patrimônio líquido médio
UA 101,82%
U2A 44,78%
U3A -8,21%

EBITDA Ajustado e Margem EBITDA Ajustado = O EBITDA Ajustado do 3T17 atingiu R$ 490 milhões e a margem foi de 10,1%, 210 pbs superior à margem do ano anterior. Destacam-se a performance da divisão Keystone, que registrou mais um novo recorde de resultado, e o ótimo resultado da divisão Beef, impulsionado pela bem sucedida execução da operação brasileira da divisão Beef.;

Resultado Financeiro = O resultado financeiro líquido no 3T17 apresentou despesa de R$ 427 milhões, uma redução de 12% quando comparada à despesa de R$ 488 milhões no 2T17. Excluindo-se da análise os efeitos da linha de variação cambial, o resultado financeiro apresentou uma despesa de R$ 384 milhões, R$ 32 milhões ou 8% inferior ao 2T17. Destacam-se a apreciação da moeda e seu efeito na tradução para o real dos juros em dólares e na marcação das operações de mercado, além do impacto da redução da taxa de juros no mercado brasileiro (Selic).;

MRFG3_rl_tri_bar.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722

150582 - pppadv -  01 Out 2012, 17:47
A endividada Marfrig

Desempenho em 12 meses: -33,01%
http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/as-12-acoes-mais-confusas-da-bovespa#10

A Marfrig (MRFG3), que está em meio ao processo de incorporação de ativos permutados com a BRF, está com dívidas em seu balanço que colocam seu desempenho em dúvida. Esse foi, inclusive, um dos pontos de destaques num relatório recente do J.P.Morgan sobre o setor de carnes.
http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/jp-morgan-projeta-volatilidade-para-as-acoes-do-setor-de-carnes

No final de 2011, a alavancagem da empresa tinha um índice de 4,39 vezes (relação entre dívida líquida e ebitda). A meta da companhia é reduzir esse indicador para algo entre 2 e 2,5 vezes no médio prazo.

Teoria do touro: O analista Alexandre Ruiz Miguel, do Itaú BBA, ainda aposta numa potencial valorização do papel no médio prazo. Em relatório distribuído para clientes, ele afirma que o panorama para carnes bovinas continua propício e que a Seara trabalha para obter sinergias e minimizar interrupções nas trocas de ativos. “Mantemos nossa preferência relativa pela Marfrig em relação à BRF, devido à menor exposição da primeira às exportações de carnes de aves e ao risco menor de uma redução nos ganhos”, acrescenta.

Teoria do urso: Ruiz Miguel afirma que no curto prazo a empresa ainda tem desafios pela frente. “A companhia irá enfrentar resultados desafiadores, determinados principalmente pelas condições difíceis do mercado de exportação de carnes de aves e pelas despesas não recorrentes relativas à incorporação dos ativos da BRF”, diz.

Operacionalmente melhores. Variação cambial responsável por prejuízo líquido. MANUTENÇÃO permanece.

A Marfrig divulgou hoje os resultados do 3T11, antes da abertura do mercado.

Os resultados operacionais foram acima de nossas expectativas, impulsionados principalmente pelo aumento de produtos com margens mais altas na carteira da empresa, além da melhor administração de custos e despesas, e da integração das estruturas das fábricas adquiridas.

A margem bruta alcançou 14,7% ante os 13,5% estimados. A margem bruta foi afetada positivamente pelo aumento no mix de produtos vendidos, com um aumento de participação de produtos com margens mais elevadas, como produtos industrializados e processados, sobretudo na marca Seara.

Corte de custos e despesas resultou na redução de despesas com vendas, gerais e administrativas. Melhor administração de custos e despesas e diluição de despesas fixas levaram ao aumento de 260 pontos-base na margem EBITDA, em relação ao ano anterior. O EBITDA totalizou R$430,9M, 52,5% maior do que nossa estimativa.

O aumento do fluxo de caixa de 184% ante o trimestre anterior.  A Marfrig atingiu um fluxo de caixa operacional de R$310,5M no 3T11, como resultado de: (i) melhor administração de capital de giro; (ii) redução do CAPEX; e (iii) melhor uso de impostos a recuperar no trimestre.

Dívida líquida/EBITDA atingiu 4,04x e a acendeu a luz amarela. A alavancagem da empresa aumentou no 3T11, sobretudo afetada pela valorização do dólar em relação ao real. Entretanto, não esperamos que a relação ultrapasse 4,75x, nível estabelecido para quebrar os covenants de debêntures.

Sustentamos nossa recomendação de MANUTENÇÃO para MRFG3

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

- A Marfrig Alimentos S.A é uma multinacional brasileira de capital aberto, que atua no setor de alimentos e serviços, no Brasil e no Exterior. Suas atividades estão concentradas na produção, industrialização e processamento, comercialização e distribuição de alimentos provenientes de proteína animal (carne bovina, suína, ovina, avícola e industrializados), além da distribuição de outros produtos alimentícios (congelados, embutidos, pescados, pratos prontos e massas) e de couros semi-terminados e terminados.

Com sede na cidade de São Paulo, o Grupo Marfrig opera em todo o território brasileiro e em outros 21 países (Argentina, Uruguai, Chile, EUA, França, Irlanda do Norte, Inglaterra, Holanda, África do Sul, México, Alemanha, Emirados Árabes, Kwait, Qatar, Bahrein, China, Tailândia, Malásia, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia), por meio de 150 unidades produtivas, centros de distribuição e escritórios comerciais, com capacidade de produção de mais de 90 mil toneladas de alimentos industrializados por mês. Presente nos cinco continentes, emprega mais de 90 mil colaboradores diretos e exporta seus produtos para mais de 140 países, incluindo Europa, Oriente Médio, Ásia e Américas. Em 2007, o Grupo abriu o seu capital no segmento de listagem do Novo Mercado da BM&F Bovespa.       

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )

PAINEL DE INDICADORES
13/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
MRFG3
    7,35
-5,6
0,44
-2,5
1,6%
-17,7%
2,0
-2%
-17,7%
-281,4%

·  PONTOS POSITIVOS:

- Receita líquida de R$ 5,52 bilhões +3,7% na comparação 3Tx2T11 e 45,1% acima dos R$ 3,81 bilhões do 3T10; 

- Geração positiva de Fluxo de Caixa Operacional de R$310,5 milhões;

- O EBITDA foi de R$637,5 milhões  +129% na comparação 3Tx2T11, com margem EBITDA de 11,5%.   

- Participação de processados atingiu 51,5% da ROL no 3T11, ante 36,8% no 2T11 e  contra 33,7% no 3T10;  ( maior valor agregado no processado que em natura )

- Nível de utilização de capacidade de cerca de 70%, com comparação a 64% no 2T11 e 60% no 3T10.
·  PONTOS NEGATIVOS
- Prejuízo líquido de R$540 milhões, reflexo dos efeitos não-caixa ocasionados pela depreciação R$ / USD.
·  VISÃO ESTRATÉGICA

- Estratégia Marfrig 2007 - 2011: Foco em Diversificação e Rentabilidade: 

    - Transformação e diversificação do mix de produtos em linha com as tendências de consumo de proteínas global e do Brasil.    

    - Crescimento em Produtos de Valor Agregado

    - Diversificação geográfica e foco em Produtos Elaborados e Processados, de maior valor agregado.

    - Lançamento de 73 Novos Produtos em 2011
·  CURIOSIDADES
- SEARA: •Almôndegas; •Cortes; •Hambúrgueres; •Kibes; •Lanches Prontos; •Pequenos Moldados; •Pratos Prontos; •Recheados; •Salgadinhos; •Steak; •Tortas.             

·  OPINIÃO DO ANALISTA

- Deu Fome, rs Bela estratégia, gosto de empresa que trabalha e desenvolve seu planejamento de 5 anos, com metas claras e objetivos tangíveis; interessante comparar com os concorrentes e ver que um prefere melhorar a base e o garantir o fornecimento de matéria prima e o outrp visa o produto final, o valor agregado no processo. O senão é a dívida absurda e a margem irrisória. Não gosto de ver as duas situações juntas na mesma empresa, ainda mais sem lucro. Continuarei fiel ao concorrente que tem indicadores melhores, apesar de neste momento estar em alta de 8% no pregão. Aliás, foi com essa aqui que o GWI Boy quebrou, não foi? Humm mais um motivo para ficar de fora, decididamente meu perfil é de investidor e não especulador.

Análise Coin Valores
A Marfrig é uma das maiores e mais diversificadas empresas globais de alimentos, orientada para o longo prazo com crescimento da participação dos produtos industrializados nas vendas e focada nos clientes. A Marfrig Alimentos S.A. é uma Companhia de alimentos com atividades nos segmentos de processamento e distribuição de produtos de carne bovina, suína, ovina e avícola In natura, Processadas e Industrializadas a clientes no Brasil e no exterior, além da distribuição de outros produtos alimentícios, como batata pré-cozida congelada, pescados e massas. A base operacional, diversificada e flexível, inclui 151 unidades produtivas, comerciais e de distribuição em 22 países e nos 5 continentes. Considerada uma das Companhias mais internacionalizadas e uma das mais diversificadas do setor de alimentos baseada em proteínas animais, o Grupo realizou 40 aquisições nos quatro últimos anos, a maior parte delas no exterior. Seus produtos são exportados para mais de 100 países. O Grupo Marfrig conta hoje com aproximadamente 90 mil funcionários. Em out/10, concluiu a aquisição da Keystone Foods, uma das mais importantes realizadas pelo Grupo. A Keystone é uma das maiores fornecedoras globais de processados de carnes a base de proteínas animais a várias redes de Food Service ao redor do mundo com presença em 5 continentes. A Marfrig Alimentos é listada no segmento Novo Mercado da BM&FBOVESPA (MRFG3) e está comprometida com as melhores práticas de governança corporativa. A Companhia também é pioneira em projetos e ações de sustentabilidade em toda cadeia produtiva. A formação de Comitês Internos de Gestão Socioambiental em todas as unidades garantem o cumprimento da legislação ambiental e trabalhista na cadeia produtiva, além de implementar e monitorar procedimentos
e práticas desenvolvidas e adotadas pelo Grupo.

RETROSPECTIVA 2010
Em 2010, iniciamos o processo de integração da Seara, que posicionou o Grupo como o 2º maior player nacional de produtos de carne de aves e suínos e trouxe uma marca forte e reconhecida nos mercados nacional e internacional para o seu portfólio. Em junho, anunciamos a aquisição da Keystone Foods, que foi sem dúvida, uma das mais importantes aquisições feitas pelo Grupo. Essa aquisição está em linha com a estratégia traçada pelo Grupo Marfrig e consolida a sua posição de trabalhar em todo o ciclo da cadeia produtiva, desde o abate até a entrega do produto ao cliente final, eliminando intermediários. A Keystone é uma das maiores fornecedoras no mundo de processados de carnes para as grandes redes de Food Service globais. Com 54 unidades nos Estados Unidos, Nova Zelândia, Austrália, além de países
da Europa, Ásia e Oriente Médio, a Keystone atende mais de 28 mil restaurantes e teve uma receita líquida de US$ 6,4 bilhões com suas operações de processamento de carnes e distribuição em 2009. No 3º trim/10 também tivemos conquistas importantes como a integração da O’Kane Poultry no Reino Unido - que já nos permite atuar de forma mais ampla e direta nos mercados europeus - e a conclusão bem sucedida do processo de aquisição da Keystone Foods, que passará a ter seu resultado consolidado em nossas demonstrações financeiras a partir de 01/out/10. Também, nossas ações passaram a integrar pela primeira vez as carteiras teóricas do Índice Bovespa, do IBrX-50 e ICO2 (índice Carbono Eficiente), um reflexo incontestável da liquidez, da alta performance e da sustentabilidade que os nossos ativos vem obtendo. Em 2010, a Marfrig recebeu 3 prêmios de Relações com Investidores no IR Global Rankings (IRGR) Awards. Fomos eleitos “A Melhor Empresa do Agronegócio” pela Maiores e Melhores da Revista Exame, a “Melhor Empresa em Gestão em Sustentabilidade Financeira” pela Revista Isto É Dinheiro e a “Melhor Indústria de Carnes” pela Revista Globo Rural. Em novembro, a Companhia foi premiada em duas categorias no “Prêmio Produz Brasil 2010” - dirigido às empresas do ramo agropecuário que desenvolvam projetos unindo crescimento econômico e sustentabilidade.

PERSPECTIVA 2011
O principal desafio para 2011 é integrar as empresas adquiridas e realizar as sinergias nas operações. Com a Seara, o estudo de uma consultoria externa estimou sinergias de R$ 200 milhões até 2011, sendo R$ 60 milhões ainda em 2010. Com a Keystone, integrada ao Grupo em outubro, as estimativas preliminares indicaram ser possível atingir US$ 100 milhões até 2013. Além disso, estamos otimistas com a recuperação econômica global, que deve acontecer gradualmente. Também estamos otimistas com o Brasil, que também deverá continuar a apresentar indicadores positivos na economia. A volatilidade cambial e as condições setoriais adversas em alguns mercados onde a companhia mantém suas operações, devem continuar gerando um cenário desafiador por mais um período, mas, acreditamos estar preparados para atingir nossos objetivos.

56100 - paulo_prof- 17/Nov/2010 00:18
citação: renato1631
citação: ffranklinsO resultado da Marfrig não me pareceu de todo ruim... posso estar enganado, mas operacionalmente a empresa aumentou a receita e ganhou market share (acho que todos os frigoríficos estão ganhando depois que o Independência praticamente faliu)...

O prejuízo é pontual nas despesas de juros de empréstimos contratados e hedge da compra da Keystone... Realmente agora é fácil falar que o hedge deu prejuízo, mas uma compra de mais de USD 1 bilhão não era mesmo para arriscar tomar uma paulada se captou o dinheiro em REAIS... poderia ser muito pior se tivesse se aventurado...

Resultados da Keystone somente a partir do 4T...

Vou continuar comprado na empresa e aguardar mais uma queda substancial para adquirir mais ações...

Espero pela opinião dos peritos do fórum...

tenho a mesma impressão sua
Mas espero por mais opiniões. Quero comprar mais. Estou esperando pelos búzios do Poly

A menos que esteja redondamente enganado, não acredito que a Marfrig possa ter um resultado operacional, excluído o financeiro, superior a R$ 250 milhões. Para atingir este resultado operacional, considerando despesas operacionais (excluídas as financeiras) de no mínimo R$ 500 milhões, e uma margem bruta de 19% (super otimista), a receita líquida teria que ser de R$ 3,95 bilhões.



Ocorre que a dívida líquida, após a despesa com a aquisição da Keystone, deverá emplacar uns R$ 5,5 bilhões. A julgar pelo histórico, o custeio desta dívida deverá alcançar aprox. R$ 230 milhões no trimestre. Se o resultado da variação cambial fosse nulo, na melhor das ´hipóteses a empresa postaria um lucro pífio de aprox R$ 20 milhões no trimestre. Para postar um lucro mais "decente", a empresa parece necessitar de um cenário cambial favorável.

56081 - ffranklins - 16/Nov/2010 22:57
O resultado da Marfrig não me pareceu de todo ruim... posso estar enganado, mas operacionalmente a empresa aumentou a receita e ganhou market share (acho que todos os frigoríficos estão ganhando depois que o Independência praticamente faliu)...

O prejuízo é pontual nas despesas de juros de empréstimos contratados e hedge da compra da Keystone... Realmente agora é fácil falar que o hedge deu prejuízo, mas uma compra de mais de USD 1 bilhão não era mesmo para arriscar tomar uma paulada se captou o dinheiro em REAIS... poderia ser muito pior se tivesse se aventurado...

Resultados da Keystone somente a partir do 4T...

Vou continuar comprado na empresa e aguardar mais uma queda substancial para adquirir mais ações...

56076 - renato1631 - 16/Nov/2010 22:24
E marfrig? Prejuízo? Do jeito que vai pode ser uma aposta para 2011, se voltar a dar lucro! A conferir

Marfrig Alimentos S.A.

Destaques 3T10
A Receita Bruta atingiu R$ 4,2 bilhões, superior em 10,3% e em 63,9% respectivamente, se comparada aos R$ 3,8 bilhões do 2T10 e aos R$ 2,5 bilhões do 3T09, impulsionada pelo aumento de
vendas nos mercados domésticos (incluindo Food Service) e de exportação das divisões de Bovinos -
Brasil e da Nova Seara - Brasil;
A Receita Líquida foi de R$ 3,9 bilhões, superior em 8,3% aos R$ 3,6 bilhões no 2T10 e em 60,5%
contra os R$ 2,4 bilhões do 3T09;
O Lucro Bruto foi de R$ 659,1 milhões, superior em 4,2% e 79,2% respectivamente se comparado com o 2T10 (R$ 632,3 milhões) e 3T09 (R$ 367,8 milhões). Já a margem bruta foi de 17,1% contra
17,8% no 2T10 e 15,3% no 3T09.
O EBITDA ajustado foi de R$ 282,6 milhões apresentando um aumento de 13,3% se comparado ao
2T10 (R$ 249,4 milhões). Comparado com o mesmo período de 2009 (R$ 203,7 milhões) o EBITDA
ajustado cresceu 38,7%.
A margem EBITDA ajustada foi de 7,3%, comparada com 7,0% no trimestre anterior e com 8,5% no
3T09, explicada pela absorção dos aumentos de custo de gado bovino na Argentina, Uruguai e no Brasil, pela entrada em operação de O’Kane Poultry na divisão Moy Park – Europa e pelo resultado
dos investimentos em marketing nas marcas da Marfrig.
A Companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 30,9 milhões no trimestre contra um lucro de R$ 127,4 milhões no 2T10 e R$ 200,5 milhões no 3T09, explicado pelo aumento das despesas financeiras gerado pelo aumento de juros provisionados e pela marcação a mercado do hedge causado pela proteção ao pagamento em dólares americanos da aquisição da Keystone Foods.
Em 22 de Setembro de 2010 a Companhia concluiu capitalização de R$ 2,5 bilhões de reais através da 2a emissão de debêntures mandatoriamente conversíveis em ações no prazo de 5 anos que foi utilizada na aquisição da Keystone Foods LLC em 01 de outubro de 2010, conforme anteriormente anunciado em Fato Relevante de 23 de junho de 2010.

Marfrig anuncia aquisição da Keystone Foods por US$ 1,26 bilhões
Recomendar!
Por: Vitor Silveira Lima Oliveira
15/06/10 - 06h08
InfoMoney
SÃO PAULO - A companhia Marfrig (MRFG3) deu mais um passo no movimento de consolidação do setor de proteína animal e anunciou, na noite da última segunda-feira (14), a aquisição da norte-americana Keystone Foods por US$ 1,26 bilhões.
De acordo com a nota emitida pela empresa, a operação foi negociada com a Lindsay Goldberg LLC e redundará na incorporação de 100% das ações emitidas pela Keystone. Espera-se que a operação esteja concluída até o segundo semestre deste ano.
Financiamento
Embora a negociação ainda dependa da aprovação de autoridades reguladoras da livre concorrência, a Marfrig já anunciou que irá emitir R$ 2,5 bilhões em debêntures conversíveis, com prazo de vencimento de 5 anos.
Será dada preferência aos atuais acionistas da companhia, com preço de conversão em R$ 21,50, a serem corrigidos por uma taxa de juro equivalente ao CDI, acrescida de 1%.Detalhes adicionais serão fornecidos em AGE (assembléia geral extraordinária) e em conferência no dia 16 de junho, às 9 horas.
A companhia norte-americana atuou em 2009 com 12,9 mil funcionários, distribuídos em 54 unidades, além de ter gerado US$ 6,4 bilhões em receita líquida no período.

28622 - paulo_prof - 21/Fev/2010 17:59
citação: andwilsonpaulo prof,

Sr. acompanha MARFRIG? Sabe o porque do salto no lucro da empresa neste ano?

Em 2008 a empresa aplicou R$ 1,47 bilhões em aquisições no Brasil (entre as quais a Seara) e no exterior, além de ter investido, durante 2008 e nos 9M09, R$ 625 milhões no aumento da produção. Do 1T08 para o 3T09, as receitas mais do que duplicaram. Além disto, com a valorização do real, teve um resultado financeiro líquido positivo importante este ano (R$ 262 milhões), quando no ano passado o resultado foi uma pancada negativa de R$ 700 milhões. Só aí houve um "swing" de quase R$ 1 bilhão no resultado operacional. Lembre-se que aprox. 3/4 da dívida é em moeda estrangeira (R$ 1,16 bilhões em moeda nacional, para R$ 3.43 bilhões em moeda estrangeira). Em 2008 esta relação era ainda maior (R$ 0,79 bilhões para R$ 3,52 bilhões). 

6302 - bergericardo - 29/Mai/2009 18:19
No setor de alimentos, os papéis da Marfrig dispararam após o anúncio de que a empresa contratou uma linha de financiamento de R$ 250 milhões junto ao Banco do Brasil com prazo de dois anos. Ainda no setor, os papéis da JBS ficaram com o destaque positivo do índice, com alta de 10,3%.
18507 de 1851926/Out/2009 22:41 0 paulo_profComentários: 720 - Desde: Jul 2009

A Marfrig teve, no 3T09, as mesmas receitas bruta e líquida do 2T09. O que melhorou sensivelmente foi o resultado bruto, devido a queda do custo dos produtos vendidos. A margem bruta de 13,7% do 1o. semestre passou para 15,3% no 3o. trimestre. As despesas comerciais, gerais e administrativas aumentaram em 5,2% relativamente à média do 1o semestre. O resultado financeiro, devido à menor valorização do real, foi 81,5% menor do que no 2T09. Em conseqüência, o resultado líquido foi 50% aquele obtido no 2T09.

Para o 4T09 projeto um lucro líquido de R$ 160 milhões, de modo que, para o exercício de 2009, na cotação de hoje, os indicadores serão, aproximadamente:

P/L = 7,48; P/VPA = 1,82; PSR = 1,82; ROE = 24,4%; DY = 3,3% 

5048 - jgerardo - 02/Mai/2009 15:33
"Venho acompanhando a MARFRIG, setor de frigorificos."
"Eh uma grande rede, porem menor que a JBS."
"A diferenca eh que a MARFRIG eh mais conservadora,nao se endividou e nao fez muitas aquisicoes e nao comprometeu capital."
Balanço 12/2006 12/2007 12/2008
Ativo Total
1.718 M 4.331 M 9.155 M
Patrimônio Líquido
220.988 k 1.282 M 2.730 M
Receita Líquida Operac.
2.131 M 3.340 M 6.204 M
Lucro Operacional EBIT
228.214 k 343.518 k 753.887 k
Lucro Líquido
64.304 k 84.955 k -35.500 k
Número de Meses
12 12 12

2644 - ffranklins - 19/Mar/2009 20:04
"Difícil comparar... a Marfrig (MRFG3) também atua no setor de aves e suínos, que foi onde teve o melhor desempenho.. o Minerva acredito que ainda não tem atividade com esses setores... isolando a divisão de bovinos do Marfrig a coisa foi mais feia ainda... se não me engano terminou com uso de 51% da capacidade instalada em 2008..."

2637 - WK2007 - 19/Mar/2009 16:23
"Para quem está comprado em Minerva (BEEF), saiu o resultado do Marfrig (MRFG3), e acho que é uma prévia para aquela: apesar de relevante melhora no ebitda, prejuízo trimestral e anual devido a GRANDES despesas financeiras, decorrentes da valorização do dólar."

2305 - paulorizzi 10/Mar/2009 19:52
citação: WK2007citação: Zeba1949Gostaria de entender : Por que a JBSS3 está subindo mais de 10% só hoje e a BEEF3 despenca sem parar ?

"A Marfrig também subiu forte hoje (8,87%). Como eu postei acima, o setor de frigoríficos (carnes bovinas, em particular) enfrenta uma situação dificílima. Nesse contexto, será que alguém tem informações privilegiadas acerca da situação (eventualmente precária) do Minerva?"

a) JBSS e Marfrig já apresentaram os balanços 2008; a Minerva ainda não! Acha pouco?

"b) JBSS e Marfrig apresentaram resultados pífios, é verdade, mas ainda positivos. O da Minerva já é negativo (e não pouco) sem contar o grande prejuízo que vem ainda no 4T08. Quer mais?"

"c) A dívida bruta da minerva é 2,2 vezes o patrimônio líquido (a dívida líquida é 6% maior do que o patrimônio líquido); os números da JBSS (82% e 43%) e Marfrig (148% e 96%) são bem mais palatáveis, especialmente considerando que, quase certamente, os números do 4T08 da Minerva virão muito piores."

"Nada indica que a situação de JBSS e Marfrig seja crítica. Por outro lado ... pode ser uma loteria! Se o investimento em BEEF3 não virar pó, certamente vai dar muitas alegrias!"

Nenhum comentário: