Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sábado, 27 de abril de 2019

Grendene (GRND)


Recomendações
Compraalisonvm (2013) - aprendiz quebrado do professor (nov/12 e fev/13) - Assayd (2013) - bommauricio (2013) - danieljoseaa (ago/12  e nov/12) - darlancsg (2013) fridao (2013, jun/18) - gabg (2013) - ghfranco (2013) - harisonoliveira (2013) - jpma1977 (jul/16) - Jorge Tomaz (set/17) - kknove (2013) - LCrippa (dez/12) - leocardoso (jun/18) - ManoScience (2013) - no prat (2013) - pampneto (dez/12) -  paulo_prof (jan/13) - pedrosousa (2013) - Pro_fit (2013) - reginarj (jun/18)- renato1631 (2013) - rnelias (dez/12)  - robsondrocha (abr/16, mai/16) - rodrigoset (2013) - Rocha Preta inc (mai/18) - Ronimendes (jan/17dez/17) - smallcaps (dez/08 e mar/08) - suzisinha (2013) - Topore (2013) -  uqaz (ago/12) - Valuation Master (dez/17) - vellinhotrt4 (2013) -  vlamirmsilva (2013) - WILSONDAATIVA (2013)
Carteiras
17andre (mar/13) - alisonvm (nov/12, jan/13 e fev/13) - aprendiz quebrado do professor (dez/12) - Assayd (set/12 e fev/13) - BAC 1000 (nov/12) - Barbado (fev/13) - bhlpinvest (fev/13) - Blumenn (mar/13) - CAP7 (jul/18, abr/19) - cesar muzel (nov/12) - ch3481 (nov/12, dez/12fev/13abr/16mai/16, jun/16) -charles43 (jan/13) - DANIELBOSSAN (nov/12 e dez/12) - danieljoseaa (dez/12) - egfreitas (abr/18mai/18) - egidiosantanna (jan/13 e mar/13) - evalaretto (jun/18) - forayer (dez/12) - fridao (out/12 e fev/13) - ghfranco (dez/12)  - Guinsanity (nov/12) - harisonoliveira (jan/13 e fev/13) - Ikki de Phoenix (nov/12) - jbegood (nov/12) - jotajotajr (nov/12) - K78 (jan/13) - MuadibGV (fev/17) - pampneto (nov/12 e fev/13) - Paulo Prof (set/12dez/12, jan/13 e fev/13) -  pedrosousa (fev/13) - pobre (ago/17) - rosvd (fev/13) - rnelias (out/12, nov/12  e fev/13- SORTE2011 (fev/13) - samudutra (fev/13) - tittonel (fev/13) -  tota_57 (abr/18) - vellinhotrt4 (nov/12 e dez/12) - uqaz (fev/13) - WILSONDAATIVA (nov/12 e jan/13)
Balanços
Paulo Prof - 
Achei os resultados do 4T18 relativamente fracos. O Lucro Bruto, em termos reais, foi menor do que aquele postado no 4T17. O ótimo resultado financeiro (+23%) foi praticamente todo "anulado" pelo aumento de 20% nas despesas operacionais. Há que se ver no relatório se são relatados eventos não recorrentes. Em consequência, tanto o lucro líquido quanto o ebitda involuíram em termos reais. A reversão da tendência de queda do resultado financeiro pode ser um sinal de que a deterioração dos resultados pode ter terminado. Para isto, entretanto, o operacional não pode funcionar com taxas de crescimento negativas,
Na comparação anual, lucro e ebitda apresentaram taxas de crescimento negativas.
Na minha opinião, o ativo ficou caro.

3T2018 -
mostarda2 -  
Péssimo resultado da grendene, inclusive com queda no operacional

Paulo Prof - 
Os resultados do 3T18 foram, mais uma vez, impactados pelo resultado financeiro da variação cambial. Enquanto que no 3T17 o câmbio propiciou uma receita de R$ 3 milhões, no 3T18 o câmbio resultou numa despesa de R$ 11 milhões. A maior parte desta diferença ocorreu nas operações com derivativos (uma receita de aprox. R$ 5,1 milhões no 3T17, transformou-se numa despesa de R$ 9,3 milhões no 3T18).
A empresa sofreu, tamb[em, no operacional. Embora tenha sido enormemente beneficiada pela desvalorização cambial, houve uma sensivel redução de vendas no mercado internacional. Como o mercado interno também não deslanchou, a Receita Líquida permaneceu praticamente constante. Por outro lado, entretanto, aumentaram os custos de produção e, em consequência, houve uma perda de 2,5 pontos na margem bruta.
Continuo com a opinião de qie não há como a empresa manter o caixa astronômico no longo prazo. Como este caixa é proveniente de incentivos fiscais que não podem ser distribuídos aos acionistas, cedo ou tarde a empresa será obrigada a se decidir por novos investimentos, quem sabe, em geração elétrica como está fazendo a Ferbasa.
No 4T18 o Resultado Financeiro deverá ser mais favorável, pois tudo indica que o real se valorizará. Se as vendas recuperarem os patamares do 4T17, o resultado deverá ser positivo. Continuo com a impressão de que o ativo não está caro.

2T2018 -
Paulo Prof - 
Os resultados do 2T18 foram fortemente impactados pelo resultado financeiro da variação cambial. Enquanto que no 2T17 o câmbio propiciou uma receita de R$ 2,5 milhões, no 2T18 o câmbio resultou numa despesa de R$ 24 milhões. A maior parte desta diferença ocorreu nas operações com derivativos (uma despesa de aprox. R$ 1,7 milhões no 2T17 aumentou para R$ 28,5 milhões no 2T18.
Não vejo como a empresa manter o caixa astronômico no longo prazo. Como este caixa é proveniente de incentivos fiscais que não podem ser distribuídos aos acionistas, cedo ou tarde a empresa será obrigada a se decidir por novos investimentos, quem sabe, em geração elétrica como está fazendo a Ferbasa.
De qualquer forma, manyenho a opinião de que o ativo possa estar barato, especialmente se a empresa investir boa parte do caixa disponível. Evidentemente, a eventual decisão de investir encerra os riscos do novo negócio não vingar como antecipado.

marcosvinicius2 -
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = No 1S18 o resultado financeiro líquido foi positivo em R$72,4 milhões, mas R$64,1 milhões menor que o resultado financeiro obtido no 1S17; LUCRO LÍQUIDO = A queda no resultado financeiro no 1S18 em relação ao 1S17, foi de R$64,1 milhões, bem maior que o aumento no resultado operacional, EBIT, de R$15,7 milhões. Uma vez que por questões de sazonalidade o segundo trimestre é o de menor nível de atividade em nosso setor era esperado que o efeito da redução dos resultados financeiros fosse bem maior que o aumento de resultados operacionais resultando num lucro líquido menor.; DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS = A Grendene mantém sólida situação financeira. O caixa líquido (considerando caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo menos empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo) em 30/06/2018 totalizou R$1,79 bilhão, variação positiva de 7,7% em relação aos R$1,66 bilhão de 30/06/2017. A proporção da receita líquida acumulada em 12 meses mantida em caixa e equivalentes de caixa e aplicações financeiras ficou em torno de 84% em 30/06/2017 e 30/06/2018.

paulo_prof  -
Resultado dentro do esperado: involução do financeiro compensada pela evolução do operacional com o consequente crescimento robisto do ebitda, O que surpreendeu negativamente, foi o resultado líquido marginalmente negativo no 4T17. Há que se ler o relatório atentamente para verificar se houve algum evento não recorrente, porque a perda no resultado financeiro não foi compensada com folga no operacional, tendo ocorrido uma perda de margem no resultado antes do financeiro e tribitos, que passou de 27,4% em 2016, para 26,5% em 2017.
H[a que se monitorar os próximos resultados trimestrais, pois ainda serão impactados pelo menor resultado financeiro e é possível que a perda em resultado financeiro não compense integralmente o resultado operacional, com taxa de crescimento negativa do lucro.
Ativo parede bem precificado.

Rocha Preta inc  -
Sem surpresas. Reloginho!

3T2017 -
marcosvinicius2 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 46 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 146.727 FOI MAIOR QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 91.955 E EM LINHA COM O APRESENTADO NO 3T16 = 150.939. RESULTADO BRUTO FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 264.747 X 3T17 = 197.934. VALOR DE MERCADO (MIL) = 8.188.606; VALOR MAXIMO (MIL) = 8.188.606 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 10.141.156.

1T2017 -
paulo_prof   -
Resultado da GRND continua bem melhor se visto sob a base trimestral do que anual. Na base anual, a empresa apresentou involução na Receita e Resultado Bruto. A evolução no Resultado Líquido é devida ao grande crescimento no Resultado Financeiro Positivo. A geração de caixa medida pelo Ebitda evoluiu um pouco, em termos reais.
Na base trimestral, entretanto, ocorreram evoluções reais em todos os resultados e especialmente robustas tanto no lucro líquido, quanto no ebitda.
No que se refere os fundamentos numéricos e preço atual acredito que o ativo não esteja caro.

A2016/4T2016 -
paulo_prof  -
Resultado bem melhor se visto sob a base trimestral do que anual. Na base anual, a empresa apresentou involução na Receita e Resultado Bruto, só conseguindo evolução no Resultado Líquido devido ao grande crescimento no Resultado Financeiro Positivo. A geração de caixa medida pelo Ebitda estacionou em termos nominais, ou seja, involuiu em termos reais.
Na base trimestral, entretanto, apesar da involução da Receita Líquida e Resultado Bruto, ocorreram evoluções robustas tanto no lucro líquido quanto no ebitda.
No que se refere os fundamentos numéricos e preço atual (há que se ler o relatório para verificar se não há ameaças que os números não mostram) , acredito que o ativo esteja relativamente barato.

3T2016 -
marcosvinicius2 -
Receita Bruta: O comportamento da receita e preços no 3T16 teve uma forte influência da variação cambial parcialmente compensada com operações de hedge. Apesar de volumes maiores a participação da receita de exportação em reais caiu de 24,2% para 20,6% da receita total na comparação entre o 3T15 vs. 3T16.
Receita líquida de vendas: A receita líquida cai num percentual maior que a receita bruta no 3T16, devido à menor participação da receita de exportação que não tem impostos sobre faturamento.
Resultado Financeiro Líquido: O resultado financeiro líquido foi 206,2% maior no 3T16 que o 3T15 influenciado principalmente pelos resultados de operações de hedge, negativo no 3T15 e positivo no 3T16.
Geração de Caixa: Nos 9M16, o caixa gerado nas atividades operacionais de R$539,6 milhões foi destinado para pagamento de: empréstimos no valor líquido de R$88,1 milhões, investimentos em imobilizados e intangíveis no valor de R$52,1 milhões, aplicações financeiras no valor líquido de R$174,9 milhões, JCP e dividendos no valor total de R$222,6 milhões, no resultado líquido negativo de R$3,3 milhões na venda de ações em tesouraria para atender ao exercício dos detentores de opções de compra outorgadas pela empresa e R$0,6 milhões pelo aumento de participação societária de controlada, o que resultou na redução de R$2,0 milhões do valor mantido em conta corrente e aplicações financeiras de curtíssimo prazo.
Disponibilidades Líquidas: O caixa líquido (considerando caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo menos empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo) em 30/09/2016 totalizou R$1,5 bilhão, variação positiva de 40,4% em relação aos R$1,1 bilhão de 31/12/2015. 
A proporção da receita líquida acumulada em 12 meses mantida em caixa e equivalentes de caixa e aplicações financeiras subiu de 53,2% considerando a situação em 30/09/2015 para 76,9% em 30/09/2016.
A evolução das disponibilidades (caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo), empréstimos e financiamentos e do caixa líquido, podem ser vistas no gráfico a seguir:
Dividendos: No 3T16, a Grendene antecipa dividendos no valor de R$76,1 milhões, 41,5% superior ao dividendo distribuído no 3T15 (R$53,8 milhões) totalizando R$202,8 milhões nos 9M16, 22,9% maior vs.9M15 (R$165,0 milhões). De acordo com o estatuto social e a atual política de dividendos, estabelecida em 13/02/2014, divulgada em Fato Relevante na mesma data, a administração propõe a terceira distribuição antecipada de dividendos relativo ao saldo apurado até 30/09/2016, de conformidade com o art. 34 do Estatuto Social, “ad referendum” da Assembleia Geral Ordinária que aprovar as contas do exercício de 2016, no valor líquido R$ 76,1 milhões, cabendo aos acionistas titulares de ações ordinárias o valor de R$0,253036223 por ação que será pago a partir de 16/11/2016, do valor total de R$202,8 milhões, menos as parcelas antecipadas de R$81,2 milhões pagos em 18/05/2016 (JCP R$30,0 milhões e dividendos R$51,2 milhões) e R$45,5 milhões pagos em 17/08/2016, totalizando nos nove meses de 2016 o valor de R$0,674345040 por ação.

paulo_prof   -
A deterioração do Resultado Bruto é mais do compensada com um aumento no Resultado Financeiro. A geração de caixa medida pelo Ebitda, em consequência, também deteriora. Além de ter um caixa líquido de aprox. R$ 1,45 bilhões, a empresa tem no ativo mais de R$ 1 bilhão em Títulos que são mantidos até o vencimento. 

2T2016 -

A2012/4T2012 -
DANIELBOSSAN - 
um show a parte

polycrav - 
carajo

3T2012 -
smallcaps 
gostou

higorq -
achou sensacional

no prat - 
achou lindo

GEORGE CAVALCANTI - 
achou bom

1T2011 -
WK2007
achou modesto

3T2010 -
SmallCaps -
achou excelente

1T2010 -
lesoares -
achou fraco

A2009/4T2009 -
lesoares -
considerou razoável.
Características
Fabricação de Calçados em Geralpaga bons dividendos.
Links
360708  - paulo_prof   -  26 Abr 2019, 16:09
Se a própria empresa (com uma sinceridade raramente vista no mercado brasileiro) não tem idéia do que está acontecendo, quem dirá o mercado?

Com queda de 29,5% no volume de pares tivemos um péssimo início de ano. A queda ocorreu tanto no mercado interno (26,6%) quanto no mercado externo (37,0%). Dificilmente este resultado se deve apenas à queda no consumo, portanto devemos ter perdido market share tanto no mercado interno como externo. O consumo brasileiro em geral não foi forte e é provável que tenha caído mais uma vez, mas dificilmente na mesma proporção que caímos.

A queda nos volumes foi a principal razão na queda nos resultados. Tivemos queda em todas as margens e o lucro líquido caiu 51% em relação a igual período do ano anterior. É verdade que no 1T18 tivemos um bom crescimento de pares de 6,8% em relação ao 1T17, mas o número do 1T19 é o menor (em primeiros trimestres) desde que a empresa abriu capital em 2004 (o menor número de pares anteriormente atingido foi de 31 milhões no 1T05).

Em nossa avaliação, o principal problema enfrentado pela empresa no trimestre foi a falta de vendas de uma forma praticamente generalizada entre marcas, modelos e geografias.


O preço atual, R$ 7,60, é compatível com um lucro anual de aprox. R$ 550 milhões, mantido em termos reais indefinidamente. Como o lucro dos últimos 12 meses, R$ 527 milhões, está abaixo disto e mais chumbo provavelmente virá no curto prazo (a empresa precisa entender o que está acontecendo para reagir), não é improvável o preço ir buscar patamares menores.

360702  - aecg   -  26 Abr 2019, 14:13
Grendene joga a toalha para o crescimento do consumo de calçados em 2019

Gustavo Kahil - 26/04/2019 - 9:35

icon-share-color-facebook.svgicon-share-color-twitter.svgicon-share-color-whatsapp.svgicon-share-color-linkedin.svgicon-share-color-email.svg

As vendas menores, explica a companhia, ocorreram tanto no mercado interno (26,6%) quanto no mercado externo (37,0%).
A Grendene (GRND3), fabricante de calçados e dona das marcas Ipanema, Rider e Melissa, registrou uma expressiva queda de 51% no lucro líquido no primeiro trimestre de 2019, para R$ 76,5 milhões, informou a empresa por meio de um comunicado enviado ao mercado nesta sexta-feira (26). A margem líquida caiu 10,5 pontos percentuais. Segundo a empresa, os números são consequência da queda de 29,5% no volume e 22,5% na receita líquida (R$ 423,3 milhões).

As vendas menores, explica a companhia, ocorreram tanto no mercado interno (26,6%) quanto no mercado externo (37,0%).

“Dificilmente este resultado se deve apenas à queda no consumo, portanto devemos ter perdido market share tanto no mercado interno como externo. O consumo brasileiro em geral não foi forte e é provável que tenha caído mais uma vez, mas dificilmente na mesma proporção que caímos”, revela a administração em comentário publicados junto ao documento. A direção pontuou, contudo, que não projetava um recuo tão acentuado no mercado interno, ao contrário, “esperávamos um início de recuperação”.

O Ebitda apresentou recuo de 63,2%, a R$ 50,252 milhões, com a margem caindo 13,1 p.p. O Ebit, medida mais utilizada pela Grendene por considerar que por possuir uma grande posição de caixa que gera receitas financeiras expressivas, caiu 72,2% (R$ 33,5 milhões).

“Diante da realidade observado no primeiro trimestre de 2019 não podemos mais falar em recuperação de consumo de calçados no mercado brasileiro para este ano, permanecendo completamente indefinido como a economia, o consumo e o consumidor devem se comportar. A tão esperada recuperação ainda não começou e pode nem acontecer este ano”, declara a Grendene.
https://moneytimes.com.br/grendene-joga-a-toalha-para-o-crescimento-do-consumo-de-calcados-em-2019/

360699 - joaoricci -  26 Abr 2019, 13:09
resultado ruim da grnd3
inexplicável...

359423  - EMTC6 - 16 Mar 2019, 21:39
Sim, os dividendos são interessantes, em paralelo, um grande motivo para investir nas ações da Grendene é a alavancagem operacional que a companhia terá com uma melhora no consumo.

Com um capacidade de produção de 250 milhões de pares por ano, uma referência interessante é que 2013 a companhia vendeu 216,2 milhões de pares de calçados. Enquanto que em 2017, e em 2018, foram somente 175 milhões de pares comercializados em cada ano.

Portanto, aliado ao fato de que a Grendene continua sendo uma das líderes no setor, realmente existe um grande potencial de crescimento em todas as métricas de resultado da companhia

358519 - paulo_prof  -  15 Fev 2019, 23:28
Achei os resultados do 4T18 relativamente fracos. O Lucro Bruto, em termos reais, foi menor do que aquele postado no 4T17. O ótimo resultado financeiro (+23%) foi praticamente todo "anulado" pelo aumento de 20% nas despesas operacionais. Há que se ver no relatório se são relatados eventos não recorrentes. Em consequência, tanto o lucro líquido quanto o ebitda involuíram em termos reais. A reversão da tendência de queda do resultado financeiro pode ser um sinal de que a deterioração dos resultados pode ter terminado. Para isto, entretanto, o operacional não pode funcionar com taxas de crescimento negativas,

Na comparação anual, lucro e ebitda apresentaram taxas de crescimento negativas.

Na minha opinião, o ativo ficou caro.


GRND3

PREÇO: R$ 8,90

PAYOUT (2018) 53,8%



Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,68

P/VPA 2,31

PSR 3,43

DY 3,93%

EV/EBITDA 12,63

MARGEM BRUTA 47,4%

MARGEM OPERACIONAL 26,4%

MARGEM LÍQUIDA 25,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,650

MARGEM EBITDA 22,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,4%

ROE 16,90%

LIQUIDEZ CORRENTE 7,99



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,62%

RESULTADO BRUTO +0,49%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -33,39%

RESULTADO OPERACIONAL -12,53%

RESULTADO LÍQUIDO -11,41%

EBITDA -0,67%



b) 4T18 sobre 4T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,25%

RESULTADO BRUTO +2,16%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +23,01%

RESULTADO OPERACIONAL +0,62%

RESULTADO LÍQUIDO +0,34%

EBITDA ´-4,04%



c) lucro líquido, nominal

UA -11,41%

U2A -4,25%

U3A 2,03%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 7,96%

U2A 9,38%

U3A 10,11%



e) EBITDA, nominal

UA -0,67%

U2A 7,50%

U3A 4,78%

U4A 4,59%

U5A 3,70%

U6A 4,80%

U7A 13,44%

U8A 10,19%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +2,5% !!!!

355120 - paulo_prof -  27 Out 2018, 11:24
Os resultados do 3T18 foram, mais uma vez, impactados pelo resultado financeiro da variação cambial. Enquanto que no 3T17 o câmbio propiciou uma receita de R$ 3 milhões, no 3T18 o câmbio resultou numa despesa de R$ 11 milhões. A maior parte desta diferença ocorreu nas operações com derivativos (uma receita de aprox. R$ 5,1 milhões no 3T17, transformou-se numa despesa de R$ 9,3 milhões no 3T18).
A empresa sofreu, tamb[em, no operacional. Embora tenha sido enormemente beneficiada pela desvalorização cambial, houve uma sensivel redução de vendas no mercado internacional. Como o mercado interno também não deslanchou, a Receita Líquida permaneceu praticamente constante. Por outro lado, entretanto, aumentaram os custos de produção e, em consequência, houve uma perda de 2,5 pontos na margem bruta.

Continuo com a opinião de qie não há como a empresa manter o caixa astronômico no longo prazo. Como este caixa é proveniente de incentivos fiscais que não podem ser distribuídos aos acionistas, cedo ou tarde a empresa será obrigada a se decidir por novos investimentos, quem sabe, em geração elétrica como está fazendo a Ferbasa.

No 4T18 o Resultado Financeiro deverá ser mais favorável, pois tudo indica que o real se valorizará. Se as vendas recuperarem os patamares do 4T17, o resultado deverá ser positivo. Continuo com a impressão de que o ativo não está caro.

GRND3

PREÇO: R$ 7,27

PAYOUT (2017) 57,16%



Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,19

P/VPA 2,00

PSR 2,85

DY 5,11%

EV/EBITDA 9,70

MARGEM BRUTA 47,8%

MARGEM OPERACIONAL 26,8%

MARGEM LÍQUIDA 25,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,649

MARGEM EBITDA 23,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,0%

ROE 17,83%

LIQUIDEZ CORRENTE 8,91



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,70%

RESULTADO BRUTO +6,22%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -45,81%

RESULTADO OPERACIONAL -12,60%

RESULTADO LÍQUIDO -11,63%

EBITDA +8,75%



b) 3T18 sobre 3T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +0,46%

RESULTADO BRUTO -4,53%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -47,40%

RESULTADO OPERACIONAL -24,77%

RESULTADO LÍQUIDO -23,43%

EBITDA ´-10,89%



c) lucro líquido, nominal

UA -11,63%

U2A 0,26%

U3A 1,91%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 8,57%

U2A 9,88%

U3A 10,55%



e) EBITDA, nominal

UA 8,75%

U2A 10,93%

U3A 2,31%

U4A 7,26%

U5A 2,79%

U6A 8,94%

U7A 13,25%

U8A 13,29%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,11

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,5% !!!!

355108  - mostarda2 -  26 Out 2018, 17:57
Péssimo resultado da grendene, inclusive com queda no operacional

353528  - marcosvinicius2 -  10 Set 2018, 02:57
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO = No 1S18 o resultado financeiro líquido foi positivo em R$72,4 milhões, mas R$64,1 milhões menor que o resultado financeiro obtido no 1S17; LUCRO LÍQUIDO = A queda no resultado financeiro no 1S18 em relação ao 1S17, foi de R$64,1 milhões, bem maior que o aumento no resultado operacional, EBIT, de R$15,7 milhões. Uma vez que por questões de sazonalidade o segundo trimestre é o de menor nível de atividade em nosso setor era esperado que o efeito da redução dos resultados financeiros fosse bem maior que o aumento de resultados operacionais resultando num lucro líquido menor.; DISPONIBILIDADES LÍQUIDAS = A Grendene mantém sólida situação financeira. O caixa líquido (considerando caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo menos empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo) em 30/06/2018 totalizou R$1,79 bilhão, variação positiva de 7,7% em relação aos R$1,66 bilhão de 30/06/2017. A proporção da receita líquida acumulada em 12 meses mantida em caixa e equivalentes de caixa e aplicações financeiras ficou em torno de 84% em 30/06/2017 e 30/06/2018.:

GRND3
PREÇO: R$ 7,12
PAYOUT (2017): 57,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,38
P/VPA 2,01
PSR 2,80
DY 5,49%
EV/EBITDA 9,40
MARGEM BRUTA 48,45%
MARGEM OPERACIONAL 28,59%
MARGEM LÍQUIDA 26,99%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,686
MARGEM EBITDA 23,75%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,82%
ROE 19,36%
LIQUIDEZ CORRENTE 8,31

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,57%
RESULTADO BRUTO 7,49%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -36,21%
RESULTADO OPERACIONAL -6,72%
RESULTADO LÍQUIDO -6,44%
EBITDA 11,58%

b) 2T18 sobre 2T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 1,37%
RESULTADO BRUTO -0,81%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -66,68%
RESULTADO OPERACIONAL -29,67%
RESULTADO LÍQUIDO -28,44%
EBITDA 9,03%

c) lucro (taxa média anual)
UA -6,44%
U2A 4,75%
U3A 4,34%

d) patrimônio líquido médio
UA 9,29%
U2A 10,38%
U3A 11,18%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,58
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -4,5% !!!!
[...]

352292 - paulo_prof  -  29 Jul 2018, 16:08
Os resultados do 2T18 foram fortemente impactados pelo resultado financeiro da variação cambial. Enquanto que no 2T17 o câmbio propiciou uma receita de R$ 2,5 milhões, no 2T18 o câmbio resultou numa despesa de R$ 24 milhões. A maior parte desta diferença ocorreu nas operações com derivativos (uma despesa de aprox. R$ 1,7 milhões no 2T17 aumentou para R$ 28,5 milhões no 2T18.

Não vejo como a empresa manter o caixa astronômico no longo prazo. Como este caixa é proveniente de incentivos fiscais que não podem ser distribuídos aos acionistas, cedo ou tarde a empresa será obrigada a se decidir por novos investimentos, quem sabe, em geração elétrica como está fazendo a Ferbasa.

De qualquer forma, manyenho a opinião de que o ativo possa estar barato, especialmente se a empresa investir boa parte do caixa disponível. Evidentemente, a eventual decisão de investir encerra os riscos do novo negócio não vingar como antecipado.

GRND3

PREÇO: R$ 8,15

PAYOUT (2017) 57,16%



Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,85

P/VPA 2,29

PSR 3,20

DY 4,82%

EV/EBITDA 10,94

MARGEM BRUTA 48,5%

MARGEM OPERACIONAL 28,6%

MARGEM LÍQUIDA 27,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,688

MARGEM EBITDA 23,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,5%

ROE 19,36%

LIQUIDEZ CORRENTE 8,31



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +11,74%

RESULTADO BRUTO +10,09%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -37,96%

RESULTADO OPERACIONAL -7,21%

RESULTADO LÍQUIDO -7,03%

EBITDA +12,751%



b) 2T18 sobre 2T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,37%

RESULTADO BRUTO -0,81%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -66,68%

RESULTADO OPERACIONAL -29,67%

RESULTADO LÍQUIDO -28,44%

EBITDA ´+9,03%



c) lucro líquido, nominal

UA -7,03%

U2A 4,75%

U3A 4,34%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA % 9,29%

U2A % 10,38%

U3A 11,18%



e) EBITDA, nominal

UA 12,75%

U2A 10,33%

U3A 4,59%

U4A 7,56%

U5A 3,72%

U6A 12,87%

U7A 11,84%

U8A 17,47%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,60

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,0% !!!!

352267 - williamcw  -  27 Jul 2018, 19:32
Grendene (GRND): investindo na perda fixa
Grendene, resumidamente, é uma montanha de dinheiro que não pode ser tocada.

A companhia acumulou 50 por cento de todo seu ativo (os investimentos que a empresa utiliza para produzir calçados) em caixa.

Sim, este número é enorme.

Como o dinheiro vem de benefícios fiscais, Grendene não pode pagar dividendos com o caixa, só pode investí-lo na produção (ou comprar um concorrente).

Confiar tamanha poupança para o Sr. Grendene, com um histórico de investimentos, digamos, controverso é desaconselhável. São 1,9 bilhão de reais parados no caixa.

E os resultados de GRND refletem o estado de seu balanço.

Apesar de afetada pela greve dos caminhoneiros, a companhia vendeu volume maior no mercado interno, mesmo com queda em seu preço médio.

Receita líquida +1,4 por cento, Ebitda +9 por cento, mas lucro -28 por cento.

A montanha de caixa de Grendene rende apenas CDI, um CDI declinante.

Operacionalmente Grendene é ótima, mas o enorme caixa estraga a festa (nunca imaginei que fosse dizer isso).

Além disso, GRND não é nenhuma pechincha a 11x Ebitda e 12x lucros. Recomendamos continuar de fora de Grendene.
Bruce Barbosa
ANALISTA CNPI

350094 - Santos8  -  18 Mai 2018, 15:49
Os resultados da Grendene (GRND3) vão, sim, cair um pouco com a queda da SELIC. Mas ela é uma empresa tão boa que o efeito disso não será tão grande. Isto porque, como se sabe, cerca de metade do ativo que ela carrega é caixa e a outra metade, ativos operacionais. Ora, se ela em 2017, com uma taxa média de CDI de 14%, por exemplo, teve um ROE de 23%, uma conta simples, faz concluir que a "metade operacional" teve um retorno de pelo menos 32% (isso, mesmo num período de recessão). Com um pouco mais de atividade econômica, ela pode crescer facilmente esse retorno em 2 pontos, digamos, para 34%, ao mesmo tempo em que a "metade" financeira renderá apenas 6% a.a. Some-se o desempenho das "duas metades" e temos um ROE de 20% a.a, que é um retorno excelente e coerente com o histórico, business e metas da Grendene.

350090  - escalador - 18 Mai 2018, 15:23
Vocês estão com expectativas que as caracteristícas da empresa não podem entregar. GRND3 tem o resultado afetado pela queda da SELIC, mas é uma das melhores e mais bem administradas. É uma empresa segura, sem sustos, mas se quiserem retornos maiores tem que correr riscos maiores. Aparentemente o momento é do ciclo das comodities, tem que aproveitar em PETR e VALE. Outros setores vão reagir depois, é só aguardar. Construção por exemplo ainda vai demorar, mas deve subir também depois.

[...]
GRND3 5% - melhores fundamentos da bolsa na minha opinião, como o Diretor Financeiro fala é um CDB.
[...]

349406  - paulo_prof   -  28 Abr 2018, 23:50
Resultados completamente dentro das expectativas, com evolução robusta receita líquida e do ebitda nas base tanto anual quanto trimestral. A involução esperada do Resultado Financeiro, evidentemente, teria que impactar fortemente o lucro líquido.

Nos próximos trimestres, com a estabilização da curva de juros, o Resultado Financeiro deverá também estabilizar. A última linha, portanto, deverá seguir aproximadamente o comportamento do ebitda, que vem crescendo continuamente. Em consequência, acho que o ativo hoje está algo barato. Estimom um prçeo justo na casa dos R$ 36,00.


GRND3

PREÇO: R$ 27,21

PAYOUT (2017) 57,16%



Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,68

P/VPA 2,53

PSR 3,58

DY 4,51%

EV/EBITDA 12,51

MARGEM BRUTA 48,6%

MARGEM OPERACIONAL 30,2%

MARGEM LÍQUIDA 28,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,146

MARGEM EBITDA 23,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,3%

ROE 19,96%

LIQUIDEZ CORRENTE 5,49



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,27%

RESULTADO BRUTO +11,68%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -23,33%

RESULTADO OPERACIONAL -1,68%

RESULTADO LÍQUIDO -3,26%

EBITDA +11,91%



b) 1T18 sobre 1T17, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,99%

RESULTADO BRUTO +4,91%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -31,84%

RESULTADO OPERACIONAL -7,40%

RESULTADO LÍQUIDO -9,16%

EBITDA ´+9,62%



c) lucro líquido, nominal

UA -3,26%

U2A 7,54%

U3A 6,74%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 10,12%

U2A 10,84%

U3A 12,39%



e) EBITDA, nominal

UA 11,91%

U2A 12,16%

U3A 4,15%

U4A 6,34%

U5A 4,62%

U6A 14,65%

U7A 11,57%

U8A 15,74%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26,82

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,5% !!!!

347445 - paulo_prof  -  24 Fev 2018, 10:17
Resultado dentro do esperado: involução do financeiro compensada pela evolução do operacional com o consequente crescimento robisto do ebitda, O que surpreendeu negativamente, foi o resultado líquido marginalmente negativo no 4T17. Há que se ler o relatório atentamente para verificar se houve algum evento não recorrente, porque a perda no resultado financeiro não foi compensada com folga no operacional, tendo ocorrido uma perda de margem no resultado antes do financeiro e tribitos, que passou de 27,4% em 2016, para 26,5% em 2017.

H[a que se monitorar os próximos resultados trimestrais, pois ainda serão impactados pelo menor resultado financeiro e é possível que a perda em resultado financeiro não compense integralmente o resultado operacional, com taxa de crescimento negativa do lucro.

Ativo parede bem precificado.

GRND3

PREÇO: R$ 29,40

PAYOUT (2017) 57,16%

Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,38

P/VPA 2,75

PSR 3,93

DY 4,27%

EV/EBITDA 14,06

MARGEM BRUTA 48,9%

MARGEM OPERACIONAL 31,3%

MARGEM LÍQUIDA 29,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,198

MARGEM EBITDA 23,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,8%

ROE 20,54%

LIQUIDEZ CORRENTE 8,84



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +13,44%

RESULTADO BRUTO +13,24%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -13,65%

RESULTADO OPERACIONAL +4,81%

RESULTADO LÍQUIDO +3,48%

EBITDA +16,33%



b) 4T17 sobre 4T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +24,62%

RESULTADO BRUTO +22,30%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -42,76%

RESULTADO OPERACIONAL +0,50%

RESULTADO LÍQUIDO -0,29%

EBITDA ´+23,08%



c) lucro líquido, nominal

UA 3,48%

U2A 9,50%

U3A 10,47%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 10,81%

U2A 11,19%

U3A 12,88%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 27,47

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +2,0% !!!!

347386  - Rocha Preta inc  -  23 Fev 2018, 02:48
Grendene divulgou resultado. Sem surpresas. Reloginho!

343733  - marcosvinicius2 -  09 Nov 2017, 18:10
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 46 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 146.727 FOI MAIOR QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 91.955 E EM LINHA COM O APRESENTADO NO 3T16 = 150.939. RESULTADO BRUTO FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 264.747 X 3T17 = 197.934. VALOR DE MERCADO (MIL) = 8.188.606; VALOR MAXIMO (MIL) = 8.188.606 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 10.141.156:

GRND3
PREÇO: 27,23
PAYOUT (2016): 49,44%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,46
P/VPA 2,68
PSR 3,77
DY 3,97%
EV/EBITDA 13,85
MARGEM BRUTA 48,71%
MARGEM OPERACIONAL 32,18%
MARGEM LÍQUIDA 30,26%
LUCRO POR AÇÃO 2,186
MARGEM EBITDA 22,71%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 5,72%
ROE 21,51%
LIQUIDEZ CORRENTE 9,78

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,73%
RESULTADO BRUTO 3,47%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 2,15%
RESULTADO OPERACIONAL 10,03%
RESULTADO LÍQUIDO 13,03%
EBITDA 14,33%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 11,17%
RESULTADO BRUTO 9,25%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -12,20%
RESULTADO OPERACIONAL -2,17%
RESULTADO LÍQUIDO -2,79%
EBITDA 4,19%

c) lucro (taxa média anual)
UA 13,03%
U2A 9,09%
U3A 14,51%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,21%
U2A 11,55%
U3A 12,60%

Receita líquida de vendas = O crescimento da receita líquida (11,2% no 3T17 e 9% nos 9M17) reflete uma pequena recuperação no volume de pares (1,4% no 3T17 e 3% nos 9M17) e um mixde maior valor agregado que é vendido a preços mais altos (9,2% no 3T17 e 6,2% nos 9M17)

Custo dos produtos vendidos = No 3T17, assim como no 2T17, o CPV cresce um percentual (13,0%) ligeiramente maior que a receita líquida (11,2%), que foi prejudicada (nas exportações) por efeitos tributários já comentados na comparação com igual período de 2016. Por outro lado, em funçãode um mix de maior valor agregado o CPV/par cresceu 11,7% com os principais agregados de custos mantendo o mesmo percentual sobre a receita líquida quando excluídos os efeitos tributários.

EBITDA = O valor não recorrente de R$8,8 milhões nos 9M16 se refere a R$7,3 milhões ao reconhecimento (no 1T16) de provisão para provável perda de ação judicial e o valor de R$1,5 milhão (no 2T16) a acordo em ação judicial, e o valor de R$7,8 milhões nos 9M17 se refere a perdas cambiais com investimento, reconhecidas diretamente no Patrimônio líquido da Grendene (controladora) ao longo do tempo de forma acumulada e transferidas para os resultados no 1T17. Esta transferência é não recorrente, não tem efeito caixa e nemefeitos tributários.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

343733  - marcosvinicius2  -  09 Nov 2017, 18:10
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 46 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 146.727 FOI MAIOR QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 91.955 E EM LINHA COM O APRESENTADO NO 3T16 = 150.939. RESULTADO BRUTO FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 264.747 X 3T17 = 197.934. VALOR DE MERCADO (MIL) = 8.188.606; VALOR MAXIMO (MIL) = 8.188.606 NO 3T17; VE PSBE (MIL) = 10.141.156:

GRND3
PREÇO: 27,23
PAYOUT (2016): 49,44%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,46
P/VPA 2,68
PSR 3,77
DY 3,97%
EV/EBITDA 13,85
MARGEM BRUTA 48,71%
MARGEM OPERACIONAL 32,18%
MARGEM LÍQUIDA 30,26%
LUCRO POR AÇÃO 2,186
MARGEM EBITDA 22,71%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 5,72%
ROE 21,51%
LIQUIDEZ CORRENTE 9,78

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 3,73%
RESULTADO BRUTO 3,47%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 2,15%
RESULTADO OPERACIONAL 10,03%
RESULTADO LÍQUIDO 13,03%
EBITDA 14,33%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 11,17%
RESULTADO BRUTO 9,25%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -12,20%
RESULTADO OPERACIONAL -2,17%
RESULTADO LÍQUIDO -2,79%
EBITDA 4,19%

c) lucro (taxa média anual)
UA 13,03%
U2A 9,09%
U3A 14,51%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,21%
U2A 11,55%
U3A 12,60%

Receita líquida de vendas = O crescimento da receita líquida (11,2% no 3T17 e 9% nos 9M17) reflete uma pequena recuperação no volume de pares (1,4% no 3T17 e 3% nos 9M17) e um mixde maior valor agregado que é vendido a preços mais altos (9,2% no 3T17 e 6,2% nos 9M17)

Custo dos produtos vendidos = No 3T17, assim como no 2T17, o CPV cresce um percentual (13,0%) ligeiramente maior que a receita líquida (11,2%), que foi prejudicada (nas exportações) por efeitos tributários já comentados na comparação com igual período de 2016. Por outro lado, em funçãode um mix de maior valor agregado o CPV/par cresceu 11,7% com os principais agregados de custos mantendo o mesmo percentual sobre a receita líquida quando excluídos os efeitos tributários.

EBITDA = O valor não recorrente de R$8,8 milhões nos 9M16 se refere a R$7,3 milhões ao reconhecimento (no 1T16) de provisão para provável perda de ação judicial e o valor de R$1,5 milhão (no 2T16) a acordo em ação judicial, e o valor de R$7,8 milhões nos 9M17 se refere a perdas cambiais com investimento, reconhecidas diretamente no Patrimônio líquido da Grendene (controladora) ao longo do tempo de forma acumulada e transferidas para os resultados no 1T17. Esta transferência é não recorrente, não tem efeito caixa e nemefeitos tributários.


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

337666  - paulo_prof - 08 Mai 2017, 20:34
Pois é ... inclusive, se estes R$ 180 milhões forem subtraídos do Ebitda do 1T17, os números da ALPA ficarão horríveis. Com a descontinuação das marcas, também, o faturamento vai cair legal ... A Receita Líquida no 1T17 foi 18,8% menor do que no 1T16.


De outro lado, acho que não dá para comparar as empresas ... jogam em ligas completamente diferentes ...

a margem bruta da GRND em 2016 foi 48,7% (nos últimos 4 exercícios, 47,1%), a da ALPA foi 44,4% (42,4%)

a margem ebitda da GRND em 2016 foi 22,4% (nos últimos 4 exercícios, 20,6%), a da ALPA foi 14,7% (14,1%)

o ROE da GRND em 2016 foi 23,0% (nos últimos 4 exercícios, 22,8%) a da ALPA foi 18,70% (16,30%)


Acho que todo o esforço da ALPA (se desfazendo de marcas pouco lucrativas) é tentar ser uma GRND!

337175  - paulo_prof   -  27 Abr 2017, 23:35
Últmo comentário em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=grnd3&us...

Resultado da GRND continua bem melhor se visto sob a base trimestral do que anual. Na base anual, a empresa apresentou involução na Receita e Resultado Bruto. A evolução no Resultado Líquido é devida ao grande crescimento no Resultado Financeiro Positivo. A geração de caixa medida pelo Ebitda evoluiu um pouco, em termos reais.

Na base trimestral, entretanto, ocorreram evoluções reais em todos os resultados e especialmente robustas tanto no lucro líquido, quanto no ebitda.

No que se refere os fundamentos numéricos e preço atual acredito que o ativo não esteja caro.

GRND3

PREÇO: R$ 23,30

PAYOUT (2016) 55,4%



Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,57

P/VPA 2,36

PSR 3,37

DY 5,24%

EV/EBITDA 11,55

MARGEM BRUTA 49,1%

MARGEM OPERACIONAL 33,6%

MARGEM LÍQUIDA 31,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,204

MARGEM EBITDA 23,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,5%

ROE 22,36%

LIQUIDEZ CORRENTE 5,81



Taxas de Crescimento



a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,11%

RESULTADO BRUTO -1,93%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +24,15%

RESULTADO OPERACIONAL +17,88%

RESULTADO LÍQUIDO +18,78%

EBITDA +13,60%



b) 1T17 sobre 1T16, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,22%

RESULTADO BRUTO +10,99%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +3,80%

RESULTADO OPERACIONAL +19,30%

RESULTADO LÍQUIDO +19,65%

EBITDA ´+29,75%




c) lucro líquido, nominal

UA 18,78%

U2A 11,76%

U3A 15,71%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 11,57%

U2A 13,54%

U3A 11,95%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 28,25



Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -4.5% !!!!

335152  - Santos8   - 07 Mar 2017, 13:55
GRENDENE não é papel que precise ser "bombado" nos fóruns, kkkkk.

Tudo sempre pode mudar, mas em minha opinião ela é talvez a melhor empresa da bolsa, a um preço bom.

Alguns "reclamam" do fato dela ter R$ 1,6 bi em caixa. Não entendem que a empresa é tão boa que, mesmo sendo possível aplicar esse caixa a apenas 13% hoje, a GRND produz, consistentemente um ROE acima de 20%. Ou seja, o operacional é tão bom que deve render pelo menos 30% a.a para que o resultado final fique sempre acima dos 20%.

Alguns gostariam que a GRND "usasse" esse caixa para "crescer" (como se dinheiro queimasse na mão), mas não entendem que numa retomada de mercado boa parte desse caixa será usado para financiar os clientes e aí, em vez de aplicar como aplica hoje o caixa a 105% do CDI, a GRND vai aplicá-lo, financiando seu cliente em prazos de até 180 dias, talvez a 150% do CDI. Óbvio que boa análise de crédito (do cliente deles) é essencial que eles façam. Sei que fazem.

Dividendos trimestrais, respeito ao acionista. Lucros crescentes. Recentemente divulgou o balanço, aumentou o dividendo e o yield, que era 5%, aumentou para 6% (pelo aumento do dividendo, não por queda de preço). Agora, com a alta de ontem, já voltou para 5%. E isso é algo que se repete ano a ano e a boa performance da empresa acaba por se incorporar naturalmente aos preços ao longo do tempo. O gráfico abaixo diz muito. 600% de aumento de preço num dos 8 piores anos (em conjunto) da bolsa brasileira, CAGR de 27%, não por acaso um número próximo ao que costuma ser o ROE da empresa.

Resumindo: 1) Algumas empresas "inflam" o ROE por maiores dívidas (menor denominador, no caso o PL, maior o resultado). Não é o caso da GRND, que tem "dívida negativa" e ainda assim têm ROE alto; 2) Algumas empresas "inflam" o dividendo sem ter condições para isso ou tem o yield elevado por queda do preço das ações. Não é o caso da GRND que paga dividendos regulares e crescentes com base na sua geração de caixa, ao mesmo tempo em que o preço da ação sobre consistentemente ao longo do tempo.

Ninguém precisa vir aqui tentar "bombar" para seus trades de curto prazo. Muito melhor é comprar GRND aos poucos e constantemente e aproveitar as vantagens de ser sócio dessa excelente empresa, traduzidos em dividendos trimestrais na conta, crescentes ao longo do tempo.

http://br.advfn.com/p.php?pid=chartscreenshot&u=cq%2BP6XTyhaKqOUG30bcdwCZeiRScQLTl&kslash=s,

334288  - paulo_prof  -  17 Fev 2017, 01:25
Resultado bem melhor se visto sob a base trimestral do que anual. Na base anual, a empresa apresentou involução na Receita e Resultado Bruto, só conseguindo evolução no Resultado Líquido devido ao grande crescimento no Resultado Financeiro Positivo. A geração de caixa medida pelo Ebitda estacionou em termos nominais, ou seja, involuiu em termos reais.

Na base trimestral, entretanto, apesar da involução da Receita Líquida e Resultado Bruto, ocorreram evoluções robustas tanto no lucro líquido quanto no ebitda.

No que se refere os fundamentos numéricos e preço atual (há que se ler o relatório para verificar se não há ameaças que os números não mostram) , acredito que o ativo esteja relativamente barato.

GRND3

PREÇO: R$ 19,85

PAYOUT (2016) 50,1%


Multiplicadores baseados nos últimos 12 meses

P/L 9,41

P/VPA 2,04

PSR 2,92

DY 5,32%

EV/EBITDA 10,46

MARGEM BRUTA 48,7%

MARGEM OPERACIONAL 32,7%

MARGEM LÍQUIDA 31,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,110

MARGEM EBITDA 22,4%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,3%

ROE 21,71%

LIQUIDEZ CORRENTE 9,05


Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,16%

RESULTADO BRUTO -6,68%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +47,26%

RESULTADO OPERACIONAL +14,58%

RESULTADO LÍQUIDO +15,11%

EBITDA +0,68%

b) 4T16 sobre 4T15, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,31%

RESULTADO BRUTO -7,51%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +12,92%

RESULTADO OPERACIONAL +16,60%

RESULTADO LÍQUIDO +27,23%

EBITDA ´+18,10%

c) lucro líquido, nominal

UA 15,11%

U2A 13,76%

U3A 13,54%


d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 11,58%

U2A 13,93%

U3A 11,60%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 26.38

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -6.5% !!!!

334127  - marcosvinicius2 -  14 Fev 2017, 14:41
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 3T07 X 4T07, 1T08 X 2T08 E 3T15 X 4T15 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
Receita Bruta: O comportamento da receita e preços no 3T16 teve uma forte influência da variação cambial parcialmente compensada com operações de hedge. Apesar de volumes maiores a participação da receita de exportação em reais caiu de 24,2% para 20,6% da receita total na comparação entre o 3T15 vs. 3T16.
Receita líquida de vendas: A receita líquida cai num percentual maior que a receita bruta no 3T16, devido à menor participação da receita de exportação que não tem impostos sobre faturamento.

GRND3
PREÇO: 19,50
PAYOUT (2015): 47,27%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,08
P/VPA 2,11
PSR 2,80
DY 4,69%
EV/EBITDA 11,08
MARGEM BRUTA 48,84%
MARGEM OPERACIONAL 30,34%
MARGEM LÍQUIDA 27,77%
LUCRO POR AÇÃO 1,934
MARGEM EBITDA 20,60%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,14%
ROE 20,98%
LIQUIDEZ CORRENTE 9,19

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,68%
RESULTADO BRUTO -5,97%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 66,25%
RESULTADO OPERACIONAL 6,19%
RESULTADO LÍQUIDO 5,29%
EBITDA -12,96%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,81%
RESULTADO BRUTO -14,73%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 208,31%
RESULTADO OPERACIONAL 18,50%
RESULTADO LÍQUIDO 13,10%
EBITDA -11,67%

c) lucro (taxa média anual)
UA 5,29%
U2A 15,25%
U3A 8,24%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,90%
U2A 13,30%
U3A 11,06%

Resultado Financeiro Líquido: O resultado financeiro líquido foi 206,2% maior no 3T16 que o 3T15 influenciado principalmente pelos resultados de operações de hedge, negativo no 3T15 e positivo no 3T16.

Geração de Caixa: Nos 9M16, o caixa gerado nas atividades operacionais de R$539,6 milhões foi destinado para pagamento de: empréstimos no valor líquido de R$88,1 milhões, investimentos em imobilizados e intangíveis no valor de R$52,1 milhões, aplicações financeiras no valor líquido de R$174,9 milhões, JCP e dividendos no valor total de R$222,6 milhões, no resultado líquido negativo de R$3,3 milhões na venda de ações em tesouraria para atender ao exercício dos detentores de opções de compra outorgadas pela empresa e R$0,6 milhões pelo aumento de participação societária de controlada, o que resultou na redução de R$2,0 milhões do valor mantido em conta corrente e aplicações financeiras de curtíssimo prazo.

302df7d1e5.png

302fcf3519.png

Disponibilidades Líquidas: O caixa líquido (considerando caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo menos empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo) em 30/09/2016 totalizou R$1,5 bilhão, variação positiva de 40,4% em relação aos R$1,1 bilhão de 31/12/2015.

A proporção da receita líquida acumulada em 12 meses mantida em caixa e equivalentes de caixa e aplicações financeiras subiu de 53,2% considerando a situação em 30/09/2015 para 76,9% em 30/09/2016.

A evolução das disponibilidades (caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo), empréstimos e financiamentos e do caixa líquido, podem ser vistas no gráfico a seguir:

31847a300d.png

Dividendos: No 3T16, a Grendene antecipa dividendos no valor de R$76,1 milhões, 41,5% superior ao dividendo distribuído no 3T15 (R$53,8 milhões) totalizando R$202,8 milhões nos 9M16, 22,9% maior vs.9M15 (R$165,0 milhões). De acordo com o estatuto social e a atual política de dividendos, estabelecida em 13/02/2014, divulgada em Fato Relevante na mesma data, a administração propõe a terceira distribuição antecipada de dividendos relativo ao saldo apurado até 30/09/2016, de conformidade com o art. 34 do Estatuto Social, “ad referendum” da Assembleia Geral Ordinária que aprovar as contas do exercício de 2016, no valor líquido R$ 76,1 milhões, cabendo aos acionistas titulares de ações ordinárias o valor de R$0,253036223 por ação que será pago a partir de 16/11/2016, do valor total de R$202,8 milhões, menos as parcelas antecipadas de R$81,2 milhões pagos em 18/05/2016 (JCP R$30,0 milhões e dividendos R$51,2 milhões) e R$45,5 milhões pagos em 17/08/2016, totalizando nos nove meses de 2016 o valor de R$0,674345040 por ação.
(Para todas as considerações:
1. O lucro líquido LTM é igual ao de 2016;
2. O crescimento 2015 x 2016 é de 9M15 x 9M16;
3. A inflação LTM é igual a de 2016;
4. A inflação escolhida é IGP-M, a pior nestes últimos 12 meses. Ao longo dos anos é escolhida sempre a pior inflação de cada ano.)

Aí vc veja, desde 31/12/2012 a Grendene derrete seu lucro em termos reais a -0,66%aa com um P/L de umas 10x. Sem dívida.

Para RENT3, o mercado é muito bonzinho mesmo, desde 31/12/2011 derrete seu lucro em -1%aa, com 20 anos pra se dobrar um investimento. Possui dívidas, mas relativamente equilibradas, bem diferente de 2008, por exemplo.

Das duas, apenas Grendene vence marginalmente a inflação. Quer dizer, está apenas com um preço justo, sem qualquer boa gordura. 

As duas precisam de investimento bem baixo, Grendene precisa de uns 30% (último ano, tem gasto sempre abaixo de metade do lucro) do lucro pra manter o negócio, RENT só uns 15% (gasta por aí historicamente). Mas isso não é motivo pra essa disparidade na precificação.

Foram as primeiras empresas que soltaram seus resultados, e esses continuam horrorosos. Excluindo Grendene, parece q para os próximos (muitos) trimestres é isso, resultados bem díspares de preços. 
Durante os últimos dias eu tenho pensado bastante na relação risco x retorno atual da minha carteira. Até que ponto devo ser condescendente com o distanciamento expectativa (bolsa) x resultados (economia real).
Não sei se é um bom parâmetro de comparação, pois vem de um período extremamente complicado muito maior que o brasileiro, mas temos o caso argentino: http://oglobo.globo.com/economia/argentina-frustra-expectativas-de-recuperacao-rapida-20336915
Mesmo com a economia real não respondendo como previsto, a bolsa de lá não para de subir. O mercado é soberano.
Essa matéria aqui também é bem interessante e alerta para a baixa alocação dos investidores locais em bolsa. Não é errado afirmar que a maioria perdeu a porrada desse ano, quem sabe entrem atrasados na festa, o que talvez aumente ainda mais as apostas nas expectativas (bolsa): http://www.braziljournal.com/private-banking-manda-comprar-bolsa-(e-nao-e-a-prada)

DE acordo!
O jeito mais simples e com menos estresse é olhar para a sua alocação, de acordo com o perfil pré estabelecido.
Claro que não é o jeito mais rentável,que seria acertar todas o tempo todo, mas acredito que dá boa rentabilidade com boa segurança.E atualmente é oque tenho buscado. abs e sorte a todos

Mas aí é que está! A graça da coisa toda - pelo menos pra mim... - é encontrar investimentos com valor maior que o preço de mercado. Isso por si só alivia o "risco" - ou sua percepção - da sua carteira.

Por exemplo, a tese de investimento do small em fiis foi essa: uma visão robusta de o porquê daquele investimento. Não é pra investir pra 6 meses ou 1 ano, é coisa a perder de vista. O preço está/estava ridículo.

Ter perdido ou não o rally do ibov é o de menos, há de se ver o todo. Desde q eu invisto, o ibov ainda continua negativo. E lá se vão 7 anos disso...

Mas Ugaz, no caso específico de GRND, tem um caixa 1,5 bilhões, que por si só embute uns R$5,00 por ação ou não? A "divida" está no 3T em 109,2 milhões, que caiu este ano de cerca de 49,77% do 1T/2T e cerca de 18,14% do 2T/3T, enquanto isso o caixa aumentou cerca de 3,55% do 1T/2T e cerca de 4,51% do 2T/3T. Ressaltando que o caixa mais que triplicou de 2012 para 2016. Será que realmente tá no preço ou ainda tem uma gordurinha? kkk  

328804  - uqaz  -  24 Out 2016, 22:26
Pode ter triplicado o caixa, mas o que importa é dinheiro no bolso do acionista. Como mencionei acima, não houve crescimento real de lucros...a distribuição de dividendos (parte desse imenso caixa) foi de:

2016 0,79
2015 0,8664
2014 0,7861
2013 0,98
2012 0,916

Perda real, dá-lhe fiis.

Ao lembrar os 5,00/GRND3 vc faz apenas uma análise de valor, incompleta.

A Grendene é uma das empresas que conheço que pode ser vista ou pelo lado do valor, ou de crescimento. Pelos dois lados parece bem avaliada.

328807 - leocardoso - 25 Out 2016, 00:16
Vc pode ser conservador, simplesmente aguardando quedas grandes em qq mercado, como as recentes, e aí sim aumentar a mão e sair até bem antes do topo e ainda sim ganhar bastante.Não precisa ser exato, mas a partir de tal ponto , comprando de tal forma que seu PM não distancie tanto do preço de mercado e fazer mesma coisa na venda, qdo sua alocação desbalancear muito , após um bom lucro.Acho mais simples, mesmo pq os experts desses últimos anos , mostraram que não tava fácil pra ninguém.
Tenho certeza que até o small não está tão empolgado assim depois dessa subida dos fiis.Por fim, existem 1 milhão de caminhos,abs e sorte a todos
                                                                                           ▲                                                                      ▲
328700  - paulo_prof   -  21 Out 2016, 01:27
A deterioração do Resultado Bruto é mais do compensada com um aumento no Resultado Financeiro. A geração de caixa medida pelo Ebitda, em consequência, também deteriora. Além de ter um caixa líquido de aprox. R$ 1,45 bilhões, a empresa tem no ativo mais de R$ 1 bilhão em Títulos que são mantidos até o vencimento.

GRND3
PREÇO: R$ 18,97
PAYOUT (2015): 50,1%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 9,81
P/VPA 2,06
PSR 2,72
DY 5,10%
EV/EBITDA 10,57
MARGEM BRUTA 48,8%
MARGEM OPERACIONAL 30,3%
MARGEM LÍQUIDA 27,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,934
MARGEM EBITDA 20,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,9%
ROE 20,98%
LIQUIDEZ CORRENTE 9,19

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,68%
RESULTADO BRUTO -5,97%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +66,25%
RESULTADO OPERACIONAL +6,19%
RESULTADO LÍQUIDO +5,29%
EBITDA -12,97%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,81%
RESULTADO BRUTO -14,93%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +208,31%
RESULTADO OPERACIONAL +18,50%
RESULTADO LÍQUIDO +13,10%
EBITDA -11,69%

c) lucro (taxa média anual)
UA 5,29%
U2A 15,25%
U3A 8,24%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,90%
U2A 14,06%
U3A 11,06%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 19,34

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -0,5%

328697  - lapenti012   -  20 Out 2016, 23:29
GRND3 Destaques de 3T16 vs. 3T15:  Queda de 12,7% na Receita Líquida.  Lucro líquido de R$150,9 milhões – 10,7% maior.  Ebit de R$107,5 milhões – Queda de 16,9%.  Margens bruta, Ebit e Ebitda menores.  Aumento da Margem líquida em 5,9 p.p. – 28,1%.

325146  - salvador60 -  01 Ago 2016, 16:16
Sobre Grendene, sei dizer que é uma tremenda empresa, das mais seguras e rentáveis do mercado, pela forma como o seu negócio é conduzido, pelo seus produtos, pela sua liquidez patrimonial e dívida inexistente (muito mais caixa que dívida). Tentou negócios que não deram certo, saiu rapidinho assumindo o prejuízo e deixando o patrimônio livre de ameaça.

É excelente empresa para curto, médio e longo prazo. Muito confiável. É a maior exportadora brasileira de calçados.

As Melissas citadas vendem como água. Estamos em plena crise, mas entre numa loja Melissa num Shopping e observe o movimento.

Além de tudo isso, o seu dividendo é bem legal.
Só uso os seus chinelos e nada a reclamar.

Outra cujo bom resultado foi "auxiliado" pelo resultado financeiro !!!!

GRND3
PREÇO: R$ 17,19
PAYOUT (2015): 50,1%

P/L 9,16 
P/VPA 1,94 
PSR 2,38 
DY 5,46%
EV/EBITDA 9,64 
MARGEM BRUTA 49,2%
MARGEM OPERACIONAL 28,0%
MARGEM LÍQUIDA 26,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,876
MARGEM EBITDA 20,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 5,0%
ROE 21,16%
LIQUIDEZ CORRENTE 8,12

Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T15, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,61%
RESULTADO BRUTO +0,41%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +27,78%
RESULTADO OPERACIONAL +2,41%
RESULTADO LÍQUIDO +3,52%
EBITDA -6,00%

b) 2T16 sobre 2T15, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +7,10%
RESULTADO BRUTO +17,44%
RESULTADO FINANCEIRO POSITVO -1,86%
RESULTADO OPERACIONAL +17,25%
RESULTADO LÍQUIDO +7,18%
EBITDA +39,18% 

c) lucro líquido, nominal
UA 3,52%
U2A 14,02%
U3A 7,35%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 12,78%
U2A 13,66%
U3A 10,71%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 18,76

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -2,0% !!!!
Prof Paulo,
em que pese a significativa contribuição da receita financeira na última linha da DRE, acredito que cabe ressaltar que foi um trimestre melhor, devido aos seguintes pontos:
- crescimento de 8,1% na receita bruta;
- crescimento de 5,7% no volume de pares no 2T16 com preços 2,3% maiores;
- melhor desempenho no mercado interno com crescimento de 13,3% do número de pares no 2T16 quando no 1T16 tinha caído 30,8%;
- no 1T16 houve aumento no Lucro Líquido de 4,2% e queda no EBIT de 26,4% comparado com 1T15 e no 2T16 teve crescimento de 4,9% no Lucro Líquido, porém com crescimento de 28,6% no Ebit;
- elevações nas margens Bruta, margem Ebit e pequena queda de 40 bps na margem líquida. 
- caixa líquido de R$1,4 bilhão;
- no mercado interno onde foi observado a maior queda de receita bruta no 1T16 vs. 1T15, queda de 19,2%, foi observado neste 2T16 a maior recuperação com crescimento de 15,7% vs. 2T15.
- no mercado externo, queda, que é normal, devido à sazonalidade; e
- o CPV total caiu 0,1% no 2T16 vs. 2T15, enquanto a receita líquida cresceu 7,1% sendo que o CPV por par caiu 5,6% e o volume cresceu 5,7%. 

325122 - paulo_prof   -  31 Jul 2016, 15:04
Jorge ...

embora os resultados específicos de determinado trimestre possam estar mostrando uma reversão de tendência anterior, até prova em contrário prefiro "olhar" para um período mais longo (um trimestre específico pode estar sendo influenciado por um número maior/menor de dias úteis, encerramento em fim-de-semana, etc).

No que tange a Grendene, portanto, estou "enxergando" os resultados do 1S16 e comparando com aqueles do 1S15:

Receita Líquida: -3,2%
Lucro Bruto: +0,2%
Despesas Operacionais: +7,2%
Ebit: -11,3%
Ebitda: -8,2%
Resultado Financeiro Líquido Positivo: +36,3%
Resultado Líquido: +4,5%

Volume de Pares: -12,8%
Preço Médio: +11,1%

Como pode ser observado, há muito pouco o que se comemorar, especialmente se for considerada a inflação experimentada entre os períodos considerados.

Evoluiu favoravelmente o Resultado Financeiro Líquido Positivo (que impactou no lucro liquido, mas não o suficiente para superar a inflação) e o Preço Médio por par vendido (principalmente devido a valorização do dólar) ... bom, houve também um ganho de 1,6% na margem bruta!

325128  - Jorge Tomaz  - 31 Jul 2016, 23:29
Exato. Também olhei o 1S15 X 1S16. Vamos ver o que vamos ter no restante do ano, se este tri será um ponto de inflexão. De qualquer maneira, não influenciou em nada para mim pois já tenho uma posição e não devo aumentar tão cedo, creio..... 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
320736  - robsondrocha   -  29 Abr 2016, 15:00
Para quem gosta de GRND3:

Destaques do 1T16 vs. 1T15

Queda na receita líquida – 10,5%.
EBIT de R$82,3 milhões – queda de 26,4%.
Lucro líquido de R$143,6 milhões – aumento de 4,2%.
Manutenção da margem bruta, melhora da margem líquida e queda das margens Ebit e Ebitda.
Distribuição de JCP e Dividendos – R$81,2 milhões, ações ex-dividendo e ex-JCP a partir de 04/05/16 e pagamento a partir de 18/05/16.
Liderança de exportação – A Grendene mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros pelo 14º ano consecutivo – 35% dos pares de calçados brasileiros exportados no 1T16 (39,2% no 1T15).



R$ milhões 1T15 1T16 Var.%

Receita bruta 637,9 566,6 (11,2%)

Mercado interno 471,0 380,8 (19,2%)

Exportação 166,9 185,8 11,3%

Receita líquida 531,7 475,8 (10,5%)

CPV (282,7) (253,2) (10,4%)

Lucro bruto 249,1 222,6 (10,6%)

Desp. Operacionais (137,2) (140,3) 2,2%

Ebit 111,9 82,3 (26,4%)

Ebitda 125,2 96,0 (23,3%)

Res. Fin. Líquido 38,1 74,4 94,9%

Lucro líquido 137,8 143,6 4,2%

Lucro por ação (R$) 0,46 0,48 4,0%

Volume (mm pares) 46,8 34,9 (25,3%)

Mercado interno 34,4 23,7 (30,8%)

Exportação 12,4 11,2 (10,1%)

Preço médio calçados (R$) 13,64 16,23 19,0%

Mercado interno 13,72 16,04 16,9%

Exportação 13,43 16,65 24,0%


Margens % 1T15* 1T16 Var. p.p.

Bruta 46,8% 46,8% -

Ebit 21,0% 17,3% (3,7)

Ebitda 23,5% 20,2% (3,3)

Líquida 25,9% 30,2% 4,3

318073  - robsondrocha   -  26 Fev 2016, 17:44
GRND3

Relações com Investidores

Resultados do 4T15 e 2015

Prezado(a) ,

Informamos que está disponível em nosso site o Press Release referente ao resultado do 4T15 e 2015.

Web-site: http://ri.grendene.com.br

Para sua comodidade apresentamos a seguir os principais destaques e indicadores econômicos financeiros. Para a versão completa do relatório acesse o nosso site.

Destaques dos 2015 vs. 2014

Queda na receita líquida – 1,4%.
EBIT ajustado de R$454,7 milhões - crescimento de 13,7%.
Lucro líquido ajustado de R$603,0 milhões – aumento de 22,1%.
Melhora das margens ajustadas: Bruta, Ebit, Ebitda e Líquida.
Distribuição de JCP e Dividendos Complementares – R$95,9 milhões, ações ex-dividendo e ex-JCP a partir de 15/04/16 e pagamento a partir de 27/04/16.
Grendene decide não fazer investimentos adicionais no negócio de móveis e reconhece perda total nos investimentos já feitos neste negócio.
Liderança de exportação – A Grendene mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros – 37,0% dos pares de calçados brasileiros exportados em 2015 (40,3% em 2014).


Principais indicadores econômico-financeiros ajustados


R$ milhões 4T14* 4T15* Var. % 4T15vs. 4T14 2014* 2015* Var. % 2015 vs. 2014

Receita bruta 885,2 796,2 (10,0%) 2.719,4 2.630,0 (3,3%)
Mercado interno 653,4 530,6 (18,8%) 2.077,7 1.899,2 (8,6%)
Exportação 231,8 265,6 14,6% 641,7 730,8 13,9%

Receita líquida 740,4 674,9 (8,9%) 2.232,4 2.201,1 (1,4%)

CPV (370,1) (325,0) (12,2%) (1.206,8) (1.135,1) (5,9%)

Lucro bruto 370,3 349,9 (5,5%) 1.025,6 1.066,0 3,9%

Desp. Operacionais (196,1) (178,8) (8,8%) (625,7) (611,3) (2,3%)

Ebit 174,2 171,1 (1,8%) 399,9 454,7 13,7%

Ebitda 187,1 183,3 (2,0%) 447,3 507,0 13,3%

Res. Fin. Líquido 39,4 67,1 70,4% 135,1 184,3 36,4%

Lucro líquido 195,9 240,3 22,7% 493,7 603,0 22,1%

Lucro por ação (R$) 0,65 0,80 22,7% 1,64 2,00 22,1%

Volume (mm pares) 66,5 54,9 (17,5%) 204,9 180,4 (12,0%)

Mercado interno 50,7 40,2 (20,8%) 152,7 134,5 (12,0%)

Exportação 15,8 14,7 (7,0%) 52,2 45,9 (12,0%)

Preço médio calçados (R$) 13,30 14,50 9,0% 13,27 14,58 9,9%

Mercado interno 12,89 13,21 2,5% 13,60 14,12 3,8%

Exportação 14,60 18,00 23,3% 12,29 15,91 29,5%


Margens % 4T14* 4T15* Var. p.p. 2014* 2015* Var. p.p.

Bruta 50,0% 51,8% 1,8 45,9% 48,4% 2,5

Ebit 23,5% 25,4% 1,9 17,9% 20,7% 2,8

Ebitda 25,3% 27,2% 1,9 20,0% 23,0% 3,0

Líquida 26,5% 35,6% 9,1 22,1% 27,4% 5,3

318050  - pbelle1964   -  26 Fev 2016, 12:16
Bom dia a todos,

Como não houve comentários sobre o resultado da Grendene (o Small postou apenas uma observação), seguem os meus (brevissimos) comentários, baseados num modelinho estatístico bem pobre do tipo estatisticas do passado aplicadas a resultados futuros (extremamente questionável).

A receita líquida de vendas veio ligeiramente abaixo do esperado para o 4T. Eu esperava um mínimo de 695MM e veio 674MM.
O Lucro Líquido esperado era na faixa de 143 - 181 MM e veio de 194 MM. A diferença foi devida a um aumento no resultado financeiro!!

A empresa fez provisão de 28MM de prejuízo devido ao encerramento da divisão de móveis, mas compensou com um DIFERIDO de 33 MM. (Diferido sabem com é né! Não dá prá entender nunca!!).

A empresa anunciou também dividendos a serem pagos em abril (Data ex: 15/04/16).

Enfim, penso que o papel deveria subir hoje, mas se cair não vou me surpreender já que houve redução das vendas no mercado interno o que deve se agravar consideravelmente neste ano.

No meu modelo simplificado, estimando um crescimento de 12%aa, reportados no guidance do trimestre anterior, o preço justo para o papel, numa estimativa conservadora de LLanual = 465MM estaria no intervalo de 12,40 - 18,50. Como o LLanual veio de 551MM, os preços subiram para 14,60 - 21,90.

Não acredito muito nessa última estimativa, mas pretendo manter os papéis que tenho e vende-los lá pros 18,40. Se cair, paciência, o mercado é soberano!!

Att,

pbelle

PS: Ontem na Miriam Leitao, esteve presente um representante das Texteis. Ele afirmou que o setor está se recuperando bem nessa faixa de cambio, mas que os resultados ainda demorarão um pouco para aparecer pois terão que investir na recuperação de Market Share (perdido). Além aí acompanha as texteis exportadoras e pode me recomendar algumas?

318032  - small caps   -  26 Fev 2016, 01:42
VALE... que porrada... outrora excelente pagadora de dividendos...

Eletropaulo... e pensar que pagava R$ 4, 5, 6, 7,00 de proventos por ação ao ano...

Grendene... essa soube surfar no dólar e na redução de custos proporcionado pela queda da matéria prima.

175934 - dusteffen -  27 Mar 2013, 10:25
Depois de valorização extraordinária, potencial de Grendene divide analistas

Por Karla Spotorno | De São Paulo
.
A valorização extraordinária da Grendene nos últimos meses consegue produzir reações e sentimentos contraditórios. Quem comprou o papel no início do ano passado está, provavelmente, feliz da vida com o retorno de quase 200% da calçadista na BM&FBovespa (ver gráfico nesta página). Já quem apenas assiste ao sucesso alheio pode estar cheio de dúvidas e se perguntando: vale comprar agora? Essa ação vai continuar subindo?
.
A questão não tem uma resposta unânime entre os poucos analistas que cobrem regularmente a companhia. Alguns veem potencial de valorização até o fim de 2013, mesmo depois da alta de 132% em 2012. Nestes primeiros meses, a ação tem se comportado positivamente. Do início do ano até a última segunda-feira, subiu improváveis 27,71%, superando tanto o Índice Bovespa (Ibovespa), que acumula queda de quase 10%, quanto o indicador de consumo (Icon) da bolsa, que caiu 2,15% no intervalo.

Na XP Investimentos, a recomendação é neutra, apesar de o preço-alvo de R$ 22 para dezembro sugerir uma valorização. Na segunda-feira, o papel fechou cotado a R$ 21,06. Já Thiago Gramari, analista da BB Investimentos, recomenda compra. Ele calcula que a cotação possa chegar a R$ 24 em dezembro deste ano. Gramari estima o ganho tendo como base alguns fundamentos. O primeiro é a demanda do consumidor, lastreada pela tríade baixo desemprego, massa salarial crescente e melhora do Produto Interno Bruto (PIB). "Acredito que, neste ano, os consumidores vão priorizar produtos de menor valor. Muitos já compraram os bens duráveis [como eletrodomésticos de linha branca e automóveis]

", afirma.

As vendas brutas da Grendene, diz, já cresceram bem no ano passado (28%), muito acima do PIB (0,9%). O resultado, somado a melhorias na eficiência operacional, permitiu um aumento de 6,4 pontos percentuais na margem Ebitda (sobre lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização).

Apesar de concordar com os fundamentos micro e macroeconômicos do analista da BB Investimentos, Renato Prado, da Fator Corretora, tem uma recomendação oposta. Ele sugere a venda do ativo. "A empresa está muito bem operacionalmente, tem uma forte geração de caixa e de lucro, o que é importante para a proposta de distribuição de dividendos. O ponto é que não consigo enxergar potencial de valorização no papel", afirma Prado, que estima em R$ 20,73 a cotação em dezembro deste ano.

Em suas contas, o analista da Fator já embutiu, inclusive, o aumento de 20% na capacidade de produção da empresa com a inauguração de uma nova fábrica no Ceará, em agosto, e o projeto de abertura de novas lojas "Clube Melissa", feito em parceria com a Jelly. Segundo a Grendene, o objetivo é contar com aproximadamente 200 "clubes" até 2017. Prado considera a rede de lojas franqueadas importante para aumentar as vendas e a exposição da marca. Mas pondera que a contribuição das lojas para o volume de vendas tende a ser pequena. "De uma forma geral, não percebo o que poderia justificar um aumento no preço da ação", afirma.

Para Flavio Clemente e João Paulo Reis, sócios-diretores da Venture Investimentos, existem, sim, alguns vetores de crescimento dos negócios e, consequentemente, da cotação. Eles argumentam que a empresa tem feito coleções bem-sucedidas a um custo de produção imbatível: "Os produtos chineses não conseguem competir".

Além disso, a direção da Grendene tem investido para agregar valor à marca, com inovação e parcerias com estilistas famosos. A mais recente foi feita com Philippe Starck, um dos ícones do design contemporâneo. Para Reis e Clemente, que investem e acompanham a empresa há cerca de quatro anos, o comportamento extraordinário das cotações dos últimos meses não indica que o papel chegou ao preço máximo. "Significa que a ação estava muito depreciada. Por um tempo, foi mal vista em razão de problemas de governança. Quando começamos a investir, o pessoal torcia o nariz", diz Clemente.

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/financas/3061786/depois-de-valorizacao-extraordinaria-potencial-de-grendene-divide-anali

173192 - pppadv  -  15 Mar 2013, 15:59
Citação: los_gomes
Novas Melissas, minha Avó já dizia...gosto não se discute!
Vamos torcer para que caia no gosto do povão...( a este preço???)
http://br.mulher.yahoo.com/blogs/notas-mulher/veja-fotos-das-melissas-desenvolvidas-por-karl-lagerfeld-232850388.html
Quando ví na divulgação de resultados que o custo médio dos pares era de pouco mais de R$ 5 e os lojistas pagavam a Grendene pouco mais de R$ 12, oensei em montar uma loja do Clube Melissa aqui em Tere para vender para os pobres!
Mas a esses preços, fica difícil!
Conversei com a minha filha se ela já tinha visto uma loja do Clube Melissa e ela falou que tinha visto uma no Shopping , mas que quando passa em frente a loja tem um cheiro de plástico bem acentuado, que não convida a entrada!

173096 - PANICO2011 -  15 Mar 2013, 02:52
mas ainda tem coisa boa na boveaps (essa é a melhor de todas):

Após bom 2012, Grendene quer pagar ainda mais dividendos em 2013

Empresa distribuiu R$ 0,976 por ação aos seus acionistas em dividendos no ano passado, o que equivale a 8,4% do preço da ação
Por Paula Barra |16h47 | 14-03-2013 a a a SÃO PAULO - Conhecido pelo seu bom perfil de pagadora de proventos, a Grendene (GRND3), uma das maiores produtoras mundiais de calçados, pretende distribuir mais proventos aos seus acionistas em 2013 do que fez no ano passado, quando ela destinou o equivalente a R$ 0,976 por ação aos investidores da empresa.

O valor pago em 2012 representa um dividend yield (dividendo pago por ação/cotação da ação) de 8,4%, além de corresponder a 71,1% do lucro líquido obtido no período, que foi de R$ 429 milhões - ou R$ 1,43 por ação -, informou a companhia na apresentação da reunião Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) divulgada na última quarta-feira (13).

Para 2013, a companhia pretende distribuir aproximadamente 65% do lucro líquido do exercício após a constituição das reservas legais. Apesar do dividend payout (dividendo/lucro líquido) ser menor do que os 71,1% de 2012, o montante final será levemente superior ao que foi distribuído ano passado, tendo em vista a expectativa de melhores lucros nesse novo ano.

Acionistas da Grendene devem receber R$ 1 por ação em dividendos este ano (Reprodução)
Histórico favorável
A empresa apresenta bom histórico de pagamento de dividendos, que está aliado ao crescimento recorrente tanto dos lucros quanto das receitas. No mês passado, a empresa apareceu novamente entre as mais recomendadas nas carteiras de dividendos.

No ano passado, os papéis registraram um dos maiores ganhos da bolsa paulista, com alta de 113,89%, fechando a R$ 15,15.

Confira o histórico de dividendos distribuídos pela Grendene:

Ano Dividendo por ação Dividend Yield* Pay-Out**
2008 R$ 0,36 7,0% 46,6%
2009 R$ 0,36 5,9% 41,3%
2010 R$ 0,40 4,7% 39,9%
2011 R$ 0,73 8,5% 74,8%
2012 R$ 0,97 8,4% 71,1%
*Dividend yield: relação entre os dividendos pelo preço da ação;
**Pay-Out: valor calculado dividindo-se entre os dividendos pagos e o lucro líquido anual

173061 - aprendiz quebrado do professor -  15 Mar 2013, 00:29
Segurem as perucas

Aprendiz quebrado, Avisa

Após bom 2012, Grendene quer pagar ainda mais dividendos em 2013
Empresa distribuiu R$ 0,976 por ação aos seus acionistas em dividendos no ano passado, o que equivale a 8,4% do preço da ação

Por Paula Barra

SÃO PAULO - Conhecido pelo seu bom perfil de pagadora de proventos, a Grendene (GRND3), uma das maiores produtoras mundiais de calçados, pretende distribuir mais proventos aos seus acionistas em 2013 do que fez no ano passado, quando ela destinou o equivalente a R$ 0,976 por ação aos investidores da empresa.
O valor pago em 2012 representa um dividend yield (dividendo pago por ação/cotação da ação) de 8,4%, além de corresponder a 71,1% do lucro líquido obtido no período, que foi de R$ 429 milhões - ou R$ 1,43 por ação -, informou a companhia na apresentação da reunião Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) divulgada na última quarta-feira (13).
Para 2013, a companhia pretende distribuir aproximadamente 65% do lucro líquido do exercício após a constituição das reservas legais. Apesar do dividend payout (dividendo/lucro líquido) ser menor do que os 71,1% de 2012, o montante final será levemente superior ao que foi distribuído ano passado, tendo em vista a expectativa de melhores lucros nesse novo ano.

Histórico favorável
A empresa apresenta bom histórico de pagamento de dividendos, que está aliado ao crescimento recorrente tanto dos lucros quanto das receitas. No mês passado, a empresa apareceu novamente entre as mais recomendadas nas carteiras de dividendos.
No ano passado, os papéis registraram um dos maiores ganhos da bolsa paulista, com alta de 113,89%, fechando a R$ 15,15
http://www.infomoney.com.br/grendene/noticia/2701455/apos-bom-2012-grendene-quer-pagar-ainda-mais-dividendos-2013

170976 - paulo_prof  -  07 Mar 2013, 12:58
Acho que as perspectivas da GRND são ótimas, mas não vamos exagerar ...

A experiência no setor mostra que, de fato, durante alguns anos é possível manter taxas de crescimento muito altas, baseadas no desenvolvimento de novos negócios. Depois de aprox. 3 anos de crescimento acelerado da Receita Líquida e Lucro, a probabilidade maior é que o negócio comece a "patinar". Vide os casos da ARZZ, ALPA, HGTX, etc.

A expectativa é que o crescimento da GRND nos próximos 2 anos faça o mercado precificar a GRND3 como o fez com os seus pares. Quando/se o modelo que sustentará o crescimento se esgotar, será a hora de cair fora ...

169830 - Topore -  01 Mar 2013, 12:25
Grendene vai construir fábrica no Ceará
A fabricante de calçados Grendene (GRND3) vai investir em uma nova fábrica de sapatos no Ceará, após elevar em quase 28% suas vendas e em 40,5% o lucro líquido, batendo recordes no ano passado.
Serão R$ 60 milhões no complexo da empresa em Sobral. Francisco Schimitt, diretor financeiro da empresa, disse que o plano de ampliação da capacidade ficou engavetado em 2011 devido à má fase do setor. Além disso, a Grendene vai começar a produzir móveis de plástico em sociedade com o designer Philippe Starck, o banqueiro André Esteve e o publicitário Nizan Guanaes.
Noticia em infomoney:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/2690660/petro-questiona-regra-conteudo-local-mpx-pode-emitir-debentures-2013

169818 - dusteffen -  01 Mar 2013, 09:34
Grendene investe em nova fábrica

Por Marina Falcão | De São Paulo

Schmitt, da Grendene: "Estamos nos preparando para o pico de fim de ano".

Após ano de resultados recordes, a fabricante de calçados Grendene decidiu tirar da gaveta projeto de uma nova fábrica de sapatos e outro de diversificação dos negócios. A calçadista vai abrir uma subsidiária de móveis de plástico, em sociedade com o publicitário Nizan Guanaes, o banqueiro André Esteves e o designer francês Philippe Starck.

A nova fábrica, em Sobral (CE), demandará desembolso de R$ 60 milhões e ficará pronta em agosto, com capacidade para produzir 40 milhões de pares ao ano.

O projeto compõe o orçamento de investimentos da Grendene para o ano - entre R$ 120 milhões e R$ 140 milhões. Já estava previsto em 2010, mas ficou engessado em 2011 devido à retração da indústria calçadista no período. Os investimentos mais altos fizeram a Grendene reduzir de 75% para 65% a fatia do lucro destinada à distribuição de dividendos em 2013.

Pelo menos para a Grendene, a situação mudou no ano passado. A companhia conseguiu ampliar em quase 28% sua vendas brutas, para R$ 2,35 bilhões. Dona das marcas Melissa, Ipanema e Rider, entre outras, Grendene ganhou participação de mercado e aumentou a sua rentabilidade operacional (margem Ebitda) em 6,4 pontos percentuais, reflexo de melhoria nos processos de produção e diluição de despesas operacionais.

O ganho líquido alcançou R$ 429 milhões no ano, alta de 40,5%, o melhor desempenho da empresa desde a sua abertura de capital em 2004, diz Francisco Schmitt, diretor financeiro e de relações com investidores da Grendene.

A calçadista fabricou 185 milhões de pares em 2012 e chegou perto da sua capacidade máxima - 200 milhões de pares. "Em alguns meses já estamos com dificuldade de entregar. Estamos nos preparando para o pico de fim de ano", diz Schmitt.

A Grendene tem mais sete fábricas em Sobral, duas no Crato (CE), duas em Fortaleza (CE) e uma outra em Teixeira de Freitas (BA), a mais recente construída pela empresa, em 2007. De lá pra cá, a Grendene não fez nenhum grande investimento em expansão de capacidade e acumulou reservas. Em dezembro, tinha mais de R$ 700 milhões no caixa. "Não estávamos acumulando [caixa] para ganhar no financeiro, mas sim porque a demanda era fraca e tínhamos capacidade ociosa", afirmou.

Em paralelo à expansão de capacidade, a Grendene entrará em uma nova categoria de produto. Com 42,5% do capital total e 50,1% do votante, a Grendene vai controlar uma empresa de móveis fabricados com plástico, matéria-prima de boa parte dos seus sapatos. A ABCDEFGHI Participações, de Nizan Guanaes, o fundo Santana, de André Esteves, e o designer Philippe Starck serão minoritários.

O negócio tem investimento inicial de R$ 52 milhões, dos quais R$ 22 milhões partirão da Grendene. A gestão da empresa, que pode alcançar faturamento de R$ 100 milhões em dois anos, será compartilhada entre a calçadista e Starck, que assinará as peças. Por enquanto, a fabricação será terceirizada.

Schmitt não detalha a estratégia comercial da empresa, mas diz que os móveis estarão no mercado ainda este ano com "preço bastante competitivo" e apelo entre os consumidores da classe média.

A Grendene negocia, em fase avançada, a criação de nova grife internacional de calçados em parceria com Philippe Starck. Se vingar, o negócio terá potencial para alcançar faturamento de US$ 100 milhões em quatro ou cinco anos. Não seria a primeira vez que a Grendene trabalha com designers internacionais. A empresa já fez parceiras com Jason Wu, Vivienne Westwood, Jean Paul Gaultier, Karl Lagerfeld e o próprio Starck.

O lançamento da grife está alinhado à estratégia de ampliar exportações de produtos de maior valor agregado. Em 2012, o faturamento com exportações subiu 44,1%, para R$ 514 milhões. O valor representa 22% das vendas brutas da empresa, maior exportadora de calçados do país em volume de pares.

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/empresas/3027742/grendene-investe-em-nova-fabrica

169815 - paulo_prof -  01 Mar 2013, 04:16
Em honra ao resultado da GRND, farei uma exceção e vou trabalhar às 1 da matina ... depois de muita risada, um ótimo congrio e algumas garrafas de cabernet chileno ...

GRND3
PREÇO: R$ 18,343
PAYOUT 2012: 68,3%

P/L 12,83
P/VPA 2,82
PSR 2,93
DY 5,32%
EV/EBITDA 13,11
MARGEM BRUTA 46,9%
MARGEM OPERACIONAL 26,3%
MARGEM LÍQUIDA 22,8%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,430
MARGEM EBITDA 21,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 7,1%
ROE 22,02%
LIQUIDEZ CORRENTE 5,06

Taxas de Crescimento Nominal

a) exercício de 2012 vs 2011
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 26,96%
RESULTADO BRUTO 37,38%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -13,42%
RESULTADO OPERACIONAL 45,55%
RESULTADO LÍQUIDO 40,74%
EBITDA 82,48%

b) 4T12 vs 4T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 30,12%
RESULTADO BRUTO 33,64%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -29,25%
RESULTADO OPERACIONAL 48,92%
RESULTADO LÍQUIDO 38,97%
EBITDA 77,42%

c) lucro (taxa média anual)
UA 40,74%
U2A 17,31%
U3A 16,45%

d) patrimônio líquido médio
UA 6,84%
U2A 9,09%
U3A 9,73%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,88

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 1,0%

Eu acho que GRND3 ainda está barata ... e vc, o que acha?

169809 - bommauricio -  01 Mar 2013, 03:01
Para aqueles que reclamavam que aadministração da Grendene era muito parada e não se expandia com tanto caixa parado, olha ela aí na sua nova fase, dando a resposta:

Grendene abre subsidiária de móveis com aportes de Esteves e Guanaes

Por Marina Falcão | Valor

SÃO PAULO - A fabricante de calçados Grendene se associou ao publicitário Nizan Guanaes, ao banqueiro André Esteves e ao designer francês Philippe Starck para abrir uma empresa de fabricação e comercialização de móveis de plástico.

O novo negócio terá investimento inicial de R$ 52 milhões - dos quais R$ 22 milhões partirão da Grendene – e previsão de alcançar faturamento de R$ 100 milhões em dois anos.

A calçadista será controladora da empresa, com 42,5% do capital total e 50,1% do votante. A ABCDEFGHI Participações, de Guanaes, o fundo de investimento em participações Santana, de André Esteves e Philippe Starck serão minoritários.

A gestão do negócio será compartilhada entre a Grendene e Philippe Starck, que assinará as peças. Francisco Schmitt, diretor financeiro e de relações com investidores da Grendene, disse ao Valor que a fabricação dos produtos será terceirizada, por enquanto.

Sem detalhar a estratégia comercial da empresa, o executivo afirmou que as peças começarão a ser vendidas ainda este ano a um preço “muito competitivo” para cair no gosto da classe média.

169805 - bommauricio -    01 Mar 2013, 02:51
GRENDENE

Principais indicadores anuais:
P/L 12,86
P/VP 2,82
PSR 2,94
Div. Yield 6,58%
Payout 85%
Marg. Bruta 47%
Marg. Ebit 19%
Marg. Líquida 22,8%
ROE 22,0%
EV / EBIT 14,26
Liquidez Corr 5,06
Div Br/ Patrim 0,07
Preço alvo - PSBe 27,85
Preço alvo - FCD 30,50

Evolução frente ao ano anterior:
Receita Liq Vendas 27,0%
Custo prod vendidos 19,0%
Resultado Bruto 37,4%
Despesas Operac 14,2%
Resultado Operac 93,7%
Resultado Financ -13,4%
Provisão para IR 87,7%
Lucro liquido 40,5%
Divida Liquida -57,6%
Patrimonio liq 8,4%
Marg. Bruta 8,2%
Marg. Ebit 52,6%
Marg. Líquida 10,6%
ROE 29,5%
Preço alvo - PSBe 33,7%
Ou seja, frente aos seus pares, ainda tá barata pra caramba!

169800 - rappdav -  01 Mar 2013, 02:27
Press Release
http://ri.grendene.com.br/port/download/releases/4T12.pdf

169798 - rappdav -  01 Mar 2013, 02:24
GRND3
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia anunciou lucro líquido de R$ 168,0 M neste trimestre, acréscimo de 40,7% em relação ao terceiro trimestre de 2012 e crescimento de 38,2% em relação ao 4T11. A receita líquida atingiu R$ 607,5 M no 4° trimestre de 2012, aumento de 20,8% em relação ao 3T12 e acréscimo de 18,4% em relação ao 4° trimestre de 2011.

A margem bruta atingiu 47,3% neste trimestre contra 48,3% no trimestre anterior e 46,1% no 4° trimestre de 2011. Já a margem líquida ficou em 27,7% no 4° trimestre de 2012 contra 23,8% no 3° trimestre de 2012.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 2,2 B, crescimento de 7,7% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 2,0 B neste trimestre, valor 8,4% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Nestes três meses, a ação oscilou 22,3% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 5,0 B contra R$ 2,1 B no 4T11.

169785 - los_gomes -  01 Mar 2013, 00:37
Destaques de 2012 vs. 2011:
Aumento de 27,8% na receita bruta, 27,0% na receita líquida e 23,3% em volumes.
Lucro Líquido recorde de R$429,0 milhões (R$305,4 milhões em 2011), 40,5% maior.
Elevação das Margens: Bruta (360 bps), Líquida (220 bps) e EBIT (670 bps).
Distribuição de Dividendos do exercício de 2012 – 33,7% maior que 2011 - R$293.502.720,00 (saldo a ser distribuído de R$105.252.000,00).
Liderança de exportação – A Grendene mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros pelo 10º ano consecutivo – 40,0% dos calçados brasileiros exportados em 2012 (37,6% em 2011).
Grendene anuncia novos investimentos.

169743 - alisonvm -  28 Fev 2013, 19:26
GRND3
Hoje, 160 milhões de lucro, 0,40 cents de DY nos proximos dias, amanhã bate os 19,00 e encerra programa de recompra de ações.
uqaz... vai foguetar !!!
E tenho dito.

167984 - danieljoseaa -  20 Fev 2013, 16:53
Citação: pampneto
Rapaz e essa queda pre balanço de Grendene hein?
Mal comparando, a tal expectativa e precificação prévia do mercado, GRND3 é o contrário de POSI3...........POSI3 não esperam nada dela, se vier nos próximos trimestres algo de bom, sai de baixo, já GRND3 esperam lucros estratosféricos daqui para a frente, com crescimento monstro, se vier um bom, talvez ótimo resultado, mas que seja abaixo do que era imaginado pelo mercado........vide VLID3.

Mas, mesmo tendo hoje uma posição bem pequena em GRND3, acredito em um belo resultado, só não sei quais são as expectativas do mercado, principalmente quando virem os resultados do 1° e do 2° trimestres de 2013 menores que o do 4° tri que será anunciado, esquecendo a sazonalidade existente.

Só para colocar alguns pontos de interrogação na ação onde hoje só se falam coisas boas e que parece, pelo menos aparentemente, que ela só sobe e que nunca parará de subir, assim como acontecia com VLID.

Agora fui.........

166997 - paulo_prof  -  13 Fev 2013, 21:33
Citação: pampneto
Professor chuta um valor pro resultado da GRND3, com esse chute como ficariam seus multiplos?
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA .... 615.000 mil
RESULTADO BRUTO ........................ 300.000 mil
RESULTADO FINANCEIRO ................. 30.000 mil
RESULTADO OPERACIONAL ............ 180.000 mil
RESULTADO LÍQUIDO ....................... 160.000 mil
EBITDA ............................................ 130.000 mil

PREÇO R$ 18,07
PAYOUT 72%
P/L 12,91
P/VPA 2,80
PSR 2,96
DY 5,57%
EV/EBITDA 13,16

166081 - paulo_prof  -  06 Fev 2013, 01:31
Acho praticamente impossível a Grendene não postar o melhor lucro e o melhor Ebitda de sua história. Por outro lado, espero que os resultados do exercício de 2013 sejam ainda melhores.

166065 - small caps -  06 Fev 2013, 00:46
Citação: SORTE2011
Pessoal, qual expectativa para o resultado da nossa GRND3 no dia 28/02, será q vem algo semelhante com Marisa??? Hehehheehh
Provavelmente vem acima...

O quarto trimestre costuma ser o melhor da Grendene...

E, o melhor... Grendene custa menos que a Marisa...

Aliás, o P/L de Marisa anda meio estratosférico já....

De qualquer sorte, o balanço bom do segmento continuará a garantir a expansão dos shopping centers...

165511 - paulo_prof  - 02 Fev 2013, 16:45
Se fosse para eu ficar all in, num único ativo, provavelmente seria a GRND3. Acho que um investimento no ativo tem risco baixíssimo, porque:

a) na prática, a Grendene efetivamente não tem um real concorrente no mercado;

b) as margens do negócio são altas e a empresa opera com um ROE maior do que 20%;

c) a entrada no varejo provavelmente vai garantir: 1-crescimento da receita líquida e; 2-crescimento da margem bruta

Adotando uma taxa de desconto anual real de 8% (o que para uma empresa como a Grendene é um super exagero, considerado o nível de risco das condições de seu mercado alterarem subitamente - mais adequado seria algo em torno dos 6%) e uma perpetuidade real nula, o preço atual (R$ 17,40) seria compatível com uma taxa anual de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses de apenas 2% nos próximos 5 anos.

A menos que no mercado da Grendene haja um cataclisma, é provável que nos próximos 5 anos a taxa média de crescimento real supere os 10%.

Se efetuarmos a simulação com crescimento real de 10% durante 5 anos e adotarmos uma taxa de desconto mais camarada, de 6%, o "preço justo" fornecido pela fórmula do FCD seria R$ 32,63 !!!

Dois outros ativos que provavelmente fornecerão um bom ganho no médio prazo são UNIP6 e DIRR3.

Finalmente, se for possível comprar GETI3 abaixo dos R$ 18,00 eu não pensaria duas vezes ...

163542 - renato1631 -  15 Jan 2013, 20:54
Ações da Grendene perseguem o topo histórico
Priscilla Arroyo (parroyo@brasileconomico.com.br)
15/01/13 09:51

Caso as perspectivas não se confirmem, o Stop (valor recomendado para o fim da operação) é de R$ 16,50.

A Grendene agrega bons fundamentos com uma posição privilegiada no gráfico. Nos últimos 12 meses, a ação da empresa (GREND3) avançou 143%, chegando a ultrapassar durante pregão de ontem a máxima histórica de R$ 17,24.

O papel fechou a sessão com ganhos de 1,54%, cotado a R$ 17,16. "Em tendência de alta desde 2011, a ação mostra nova oportunidade de compra após alcançar a máxima histórica", destaca o analista técnico da Trader Brasil, Leandro Klem.

O papel busca agora o primeiro objetivo, de R$ 17,60. "Acredito que esse patamar seja alcançado ainda nesta semana. O volume de negócios está acima da média, o que deve contribuir para a alta do papel", afirma.

O segundo objetivo a ser perseguido é R$ 18,20. De acordo com Klem, a tendência positiva da ação tende a continuar, por isso ele recomenda compra para o investidor que busca ganhos no curto e também no longo prazo.

"Os bons fundamentos da empresa servem de incentivo para quem está buscando uma nova opção para a carteira", pontua. A companhia apresentou lucro líquido de R$ 119 milhões no terceiro trimestre de 2012, montante 43% maior em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os analistas estão otimistas em relação ao desempenho da empresa no 4º trimestre do ano passado. O balanço referente ao período será divulgado no próximo dia 28 de fevereiro. Caso as perspectivas não se confirmem, o Stop (valor recomendado para o fim da operação) é de R$ 16,50.

163321 - paulo_prof -  14 Jan 2013, 12:50
Citação: radiologistainvestidor
Não sei se já comentaram.
Mas KROT3 ou GRND3
e Porque?
Se vc anualizar o lucro dos 9M12 da KROT, usar uma taxa de desconto real de 8%, adotar uma perpetuidade real nula e supor um período de 5 anos de crescimento do lucro líquido, pela fórmula do FCD, para que o preço justo seja IGUAL à cotação atual da KROT3, de R$ 45,05, a taxa anual média de crescimento real deste lucro dos 9M12 anualizado teria que ser maior do que 17,5% ao ano.

Se vc adotar as mesmas hipóteses e efetuar o cálculo para a GRND3, a taxa anual média de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses durante os 5 anos teria que ser de apenas 1,5%.

O crescimento do lucro líquido da KROT no último ano foi explosivo ... eu não arrisco chutar quanto possa ser nos próximos 5 anos. Provavelmente será bem acima dos 17,5% acima, mas o risco desta taxa de crescimento dar uma "rateada" não é pequeno.

Já no que se refere a GRND, acredito que a menos que ocorra um cataclisma, certamente crescerá bem acima destes 1,5%.

Moral da história: eu acho que o risco de uma aposta em GRND3 é muito baixo. Acho que o risco de uma aposta em KROT é maior, pois embora o administração da empresa tenha afirmado que a ênfase será colocada em maximização das margens (em detrimento ao crescimento acelerado), ainda resta verificar com qual grau de sucesso isto será conseguido. Se a KROT tiver sucesso, não é improvável que uma aposta acabe por se mostrar mais lucrativa no médio prazo.

A minha aposta pessoal é em GNRD3 (7,5% da carteira) ... não tenho KROT3 em carteira.

163241 - marcelio2 -  11 Jan 2013, 20:36
2012 ruim para a bolsa? Veja as small caps que duplicaram de valor no ano

Empresas como Portobello e Kroton tiveram altas de mais de 130% em um ano em que o Ibovespa subiu apenas 7,4%

Por Felipe Moreno |16h15 | 11-01-2013 A A A

SÃO PAULO - Muito se diz que a houve "duas bolsas" em 2012 na BM&FBovespa: a que andou, e a que ficou de lado. Entre as que não tiveram um ano muito bom estiveram as pesos pesado do Ibovespa: Petrobras (PETR3; PETR4), OGX Petróleo (OGXP3), Petrobras (PETR3; PETR4), enquanto outras empresas menores tiveram um ano excelente.

No lado campeão, Kroton (KROT3), Grendene (GRND3), Forjas Taurus (FJTA4) e outras se destacaram com valorizações que superaram até os 100%. Com isso, a diferença de rentabilidade entre o Ibovespa, principal índice da bolsa, e o SMLL, que mede o desempenho de small caps foi forte: enquanto o primeiro subiu 7,40%, o segundo avançou 28,66%.

"Houve diversas razões para isso, mas o fato é que o mercado acabou migrando para outras empresas, que estão entregando resultados melhores", afirma Mitsuko Kaduoka, diretora de análise de investimentos da Indusval & Partners Corretora. Com muitas investidores ainda apostando nas grandes empresas, ainda é possível que bastante dinheiro migre para as outras.
[...]
Grendene: +132,81% em 2012

Outra empresa ligada ao varejo que teve um excelente ano foi a Grendene, que produz sandálias. A alta de mais de 100% foi beneficiada pela melhora dos resultados, que já eram vistos nos últimos meses de 2011 - sinalizando altas para a empresa no ano seguinte. "A empresa trabalhou para elevar as suas quantidades e para exportação", afirma.

A melhora demográfica do País também ajudou, a empresa, dona de marcas mais baratas, ganha com o aumento do poder de consumo das classes C e D. "E isso garantiu um crescimento maior do que sua grande rival, a Alpargatas (ALPA4), que possui marcas mais caras", finaliza Mitsuko.

163079 - paulo_prof -  10 Jan 2013, 23:04
As taxas médias anuais reais de crescimento da Grendene nos últimos anos, foram:

últimos 3 anos: 7%
últimos 2 anos: 12%
último ano: 18%
últimos 3 trimestres (2012 sobre 2011): 34%

Observa-se que a taxa real de crescimento anual do lucro líquido está em nítida aceleração.

Considerando uma taxa de desconto real de 8%, uma perpetuidade real nula e as taxas reais de crescimento acima mostradas supondo 5 anos de crescimento dos lucros, a fórmula do FCD fornece os seguintes "preços justos":

com a taxa de 7%: R$ 21,36
com a taxa de 12%: R$ 26,17
com a taxa de 18%: R$ 33,12

Com a taxa de 34%, mas supondo somente 3 anos de crescimento do lucro: R$ 36,34

Se a taxa de crescimento do lucro na perpetuidade for considerada algo acima dos 0% reais, ou se a taxa de desconto anual é considerada algo abaixo dos 8% reais, os "preços justos" acima aumentariam.

Por exemplo, para uma perpetuidade real de 1% e uma taxa de desconto real de 6%, o primeiro dos valores acima aumentaria dos R$ 21,36 para R$ 33,47. Imagine as demais simulações ... o preço iria para as núvens ...

Hoje GRND3 fechou em R$ 16,76. Se vc é investidor de longo prazo, qual será a diferença em pagar R$ 16,76 ou 4-5% a menos? Será que a diferença entre uma perspectiva de ganho de 200% ou de "apenas" 190% é substancial?

Se vc está decidido a investir na GRND3 visando o longo prazo, não faz o mínimo sentido ficar esperando uma realização que poderá nunca se materializar ...

162287 - farofinoaf -  04 Jan 2013, 12:28
Acabei de falar com a Franqueadora também.
Apenas corrigindo os R$45000 vão para a Franqueadora e não para a Grendene, de qualquer forma é dinheiro de pinga.
Os 2% não são royalties são uma taxa de propaganda sobre o valor da compra mensal da loja que vão para um fundo que é usado nas propagandas nacionais, propaganda local é por conta do franqueado.

Alguém se lembra exatamente quantas franquias eles queriam abrir esse ano?

Acredito que eram 50, mas não tenho certeza.

162284 - alesl -  04 Jan 2013, 12:09
Tive um contato com a empresa que faz a "seleção" de novos franqueados e vende a franquia, me passaram a informação que além dos 45.000 também tem os 2% de royelties no valor das compras da grendene.

Mas segue uma reclamação dessa empresa que é terceirizada (a responsável pela venda das franquias) já entrei em contato por fone e disse que gostaria e oficializar minha intenção de ser franqueado na minha cidade, que não tinha ninguém como prioritário, mas a grendene tinha como alvo a cidade. Por diversas vezes mandei emails solicitando os formulários e até agora nem se deram ao trabalho de me encaminhar nada. Se eles estiverem agindo assim com todos os pretendentes á franquia estão tratando mal o projeto da grendene.

Meu próximo passo será reclamar na ouvidoria da grendene, afinal também sou acionista da empresa e quero ver a questão das franquias dar certo, mesmo que eu não seja em deles.

162281 - farofinoaf -  04 Jan 2013, 11:43
Como vi uma discussão ontem aqui sobre o modelo das Franquias Melissa(GRND3) entrei em contato com o RI para saber qual era o objetivo da GRENDENE com as franquias.

Segundo o RI da GRENDENE as franquias do Clube Melissa tem como objetivo aumentar o volume de vendas, já que as franquias irão comercializar a linha completa de modelos, e a exposição da marca Melissa para a GRENDENE.

Se conseguir mais alguma informação relevante coloco aqui.

161899 - ch3481 -  30 Dez 2012, 10:28
Com p/l de 6 + dy uns5,5%+ results da venda para o BBPO + IPO seguridd o BBAS tb deve, mantidas as CNTP, experimentar uma valorização mais razoavel tb....assim penso, no que pese intervenção governo

GRND realmente andou bastante...nao resta duvida, todavia projeto Melissa ainda tem muito pra caminhar ( pra frente ou pra tras...rs.rs)
Serah que jah esta tudo devidamente precificado pelo Sr. Mercado???
[...]

159919 - renato1631 -  10 Dez 2012, 21:57
Todos esperamos

Ganhos da ação da Grendene ainda não terminaram
Lucas Bombana (lbombana@brasileconomico.com.br)
10/12/12

O papel da companhia já tem valorização expressiva no ano, e tem fôlego para buscar suas máximas históricas.

Mesmo com uma valorização acumulada em 2012 que já ultrapassa os 100%, as ações ordinárias da fabricante de calçados Grendene (GRND3) têm potencial para buscar patamares mais altos.

Pelo menos essa é a visão de Leandro Klem, analista gráfico da Trader Brasil, que acredita que o ativo pode testar nas sessões seguintes sua máxima histórica de R$ 15,50, a próxima resistência (ponto que, se superado, indica a possibilidade de continuidade de movimento de alta) do papel.

Na última sexta-feira (7/12), a ação GRDN3 encerrou os negócios cotada a R$ 15,28, queda de 0,13%, que levou a uma performance semanal positiva de 0,85%.

Em 2012, os ganhos do ativo já alcançam os 115,8%.

Nos últimos pregões da semana passada, a cotação da GRDN3 chegou a ultrapassar os R$ 15,50, mas não teve força para sustentar o nível superior até o fechamento, o que não configura o rompimento da resistência, explica Klem.

Caso confirme a expectativa e ultrapasse esse patamar, o investidor deve então ter como objetivo para o desempenho do papel da Grendene a faixa dos R$ 16,30.

"Em um cenário ainda mais otimista, a ação tem como próximo objetivo os R$ 17,50", diz o especialista.

Na hipótese da ação entrar em uma rota declinante, que não é o cenário mais provável com que trabalha o analista da Trader Brasil no momento, um suporte (patamar que, se perdido, aponta para uma chance de queda em sequência) importante encontra-se nos R$ 15,00.

"Se cair mais, é melhor 'stopar' a operação nos R$ 14,50", sugere Klem.

159507 - bommauricio - 06 Dez 2012, 13:06
E tem analista lendo o forum hehe. Se tiver gente seguindo-os, o book de venda de BGIP4 pode ficar pequeno ...hehe Banese começando a ficar conhecida...quem diria, ao lado de gigantes, como AMBEV e BRAP.

As melhores pagadoras de dividendos, de acordo com especialistas
Entre ações recomendadas estão presentes os setores de consumo e energia

Por Gabriella D'Andréa |9h50 | 06-12-2012 A A A
SÃO PAULO – Com a queda da taxa básica de juros, os investidores de renda fixa estão cada vez com mais dificuldades em conseguir retornos interessantes nas aplicações indexadas ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário). E entre as alternativas que garantem uma renda periódica consistente, estão as ações de empresas boas pagadoras de dividendos. Para saber quem são essas grandes pagadoras é preciso olhar o dividend yield de cada uma, isso é, a taxa de retorno do investimento, calculada com base no pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio.
O InfoMoney conversou com especialistas para saber quais são as ações que têm se destacado. Confira as indicações:
[...]
Grendene (GRND3) – A companhia tem demonstrado bons resultados com a situação financeira mais estável da população e o maior consumo proveniente dessa melhora. “É uma ação defensiva, com múltiplos baratos. O que a beneficiou foi o aumento do poder de compra das pessoas. Antes havia muitos inadimplentes, mas agora eles estão se resolvendo e retomando as compras”, explica Ribeiro.
[...]

159376 - vellinhotrt4 -  05 Dez 2012, 18:48
O que esatá acontecendo com a GRND3 que andou abaixo dos 14,90 hoje...
ouvi falar que fechou umas 4 fábricas e despediu uns 4 mil infelizes...
será que vai desandar, ou está operação vai valorizar o papél?@$#!!!

Corrigindo...

Grendene fecha 12 fábricas na Bahia
04/12/2012
tags: bahia, fábricas de calçados, grendene, setor calçadista, vulcabráspor Gilberto Simon
.A Vulcabras Azaleia, maior fabricante de calçados do país, anunciou o fechamento de mais 12 fábricas na Bahia, onde trabalhavam 4,o mil pessoas. A decisão causou mal-estar entre os governos estadual e federal, ambos do PT.

Em 2011, a empresa de Pedro Grendene já havia demitido 8,9 mil funcionários em todo o país após registrar o primeiro prejuízo em 15 anos. Na ocasião, a Bahia perdeu 6 das 18 fábricas no Estado da dona das marcas Azaleia, Olympikus e Reebok. A explicação agora foi a mesma: a concorrência desproporcional dos produtos asiáticos.

Em entrevista à Folha, o secretário da Indústria, Comércio e Mineração da Bahia, James Correa, disse que “o maior responsável” pela crise no setor é o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. “Eu lamento ter que falar isso, já que faço parte da base, mas é a verdade, que não posso esconder: eu credito todas essas demissões ao governo federal”, afirmou. Segundo Correa, o ministério privilegia o setor automotivo e “falta a mesma sensibilidade” para criar barreiras aos calçados estrangeiros. Ele afirma que o governo federal ignorou os pedidos pela criação de uma lei antidumping que não fosse restrita só à China.

158572 - alisonvm -  28 Nov 2012, 15:19
Sobre GRND3

1- Forte crescimento na participação de mercado a cada trimestre, tanto interno quanto externo.

2- A empresa não precisa gastar caixa com investimentos na produção...preservando seu caixa... apenas se preocupa em atender a demanda com que tem...e vem conseguindo isto, a exemplo neste trimestre reportou recorde de produção de pares.

3- O único investimento que a empresa promove e vem aumentado é a propaganda...o que fará toda a diferença.

4- Aumento significativo no mix de produtos...ganhando novos clientes com outros tipos de gosto.

5- Manutenção do dólar acima de 2,00...as receitas de exportação surpreenderam embora parte destes produtos seja de valores menos agregado....a empresa vem buscando mudar isso...fazendo produtos mais elaborados e com maiores preços...imagina isso aliado a alta do dólar.

6- Aumentos reais no salario minimo...aumento expressivo do poder de compra da classe média e baixa mostrado no governo Dilma.(vale ressaltar que este governo terá mais 6 anos de governar)

7- A empresa não tem dividas, somado a alta do dólar é como se ganhasse dobrado...já que se tem aumento nas receitas de exportação sem ter que perder do outro lado com as dividas.

8- Forte geração de caixa... potencializando ainda mais seu lucro.

9- Clube Melissa para os próximos anos...sem comentários.

10- Com o caixa que tem não duvido que a empresa venha fazer aquisições, assim como vem fazendo Alpargatas.

Se esqueci alguma coisa prometo postar logo mais.

No inicio do ano,

Mesmo sendo muito otimista com a empresa, mesmo assim a acabei subestimando.

Para 2012 havia projetado um aumento de 25% no LL para 380 milhões, e a empresa vem entregando +41% nos 9T12 (263 mi).
Para 2013 havia projetado uma aumento de 30% no LL para 2013 para 490 milhões.

Mas agora alterei um pouco minhas projeções rsrs... pra tentar acertar o fiofó da mosca. rsrs

É claro que seu LL tende a dar uma estabilizada nos proximos anos...uma hora isso vai acontecer...mas como acreditar nisso agora, com esses resultados reportados.

Com tudo isso, te digo mais, será ainda mais fácil a COTAÇÃO atingir meu projetado.

Por essas e outras que não me arrependo nem um pouco de ter largado JHSF3 na casa dos 6.


Mas talvez o Professor possa nos auxiliar ainda mais... minha bola de cristal pode estar totalmente furada. rsrs

158515 - alisonvm -  28 Nov 2012, 00:05
Citação: BAC 1000
Pessoal, muito boa tarde...
GRND3 está pagando DY de 10% ao ano ou não chega a isso?
Por conhecimento de causa, esta conta eu sei decorado rss

A empresa possui 300720 milhões de ações.

No exercício 2012 ja foram distribuídos 0,19 referente ao 1T12, 0,14 referente ao 2T12 e 0,28 referente ao 3T12. total de 0,61 centavos.

Para o 4T12 projeto um lucro de no minimo 165 milhões, aplicando o payout de 75% teremos um dividendo de 0,41 cents.
totalizando 1,02 reais de dividendos no exercicio de 2012.

Considerando a cotação de 15,05 daria um dividendo de 7% no ano.

GRND3 deve fechar este ano com um lucro por mim estimado de 420 milhões, para o ano que vem projeto algo em torno de 550 milhões...e cotação entre 22 e 25 reais no minimo.

OBS: para quem comprou o ativo em janeiro, esta recebendo mais de 14% em dividendos.

Um fenômeno !!!

157242 - araujo83 -  16 Nov 2012, 00:17
Então vamos falar do Brasil que dá certo:

"Visitei uma loja do "clube melissa", numa capital brasileira, num shopping de classe B.., numa quarta-feira à tarde a loja completamente cheia, muitas jovens exprimentando e comprando, vendedoras atenciosas e bem treinadas dando informações precisas sobre os produtos expostos" -

Aqui fica a sugestão para o pessoal que está posicionado em grnd, visite a loja de sua cidade, e poste aqui suas considerações......

155166 - lapenti012 -  05 Nov 2012, 23:08
Nos últimos meses a margem da Hering apertou um pouco, mas a da Grendene saltou no Brasil e no exterior, por causa do aumento do dólar, desoneração na folha e baixo custo da energia.
A Alpagartas está com os múltiplos bem mais elevados e não a vejo com um futuro mais promissor que a Grendene no momento.
Se no Brasil Kia e Hyundai são vendidos como os melhores carros do mundo, imagine o que um marketing bem feito não pode fazer pela Melissa. Estamos no país da imagem, coloca no pé de três famosas, e o negócio "bomba".
O facebook é um bom termômetro para sugerir um possível sucesso do marketing e da marca.

153935 - jbegood  -  26 Out 2012, 16:11
Citação: lapenti012
Alguem participou da teleconferência da Grendene? Pode dizer o que achou?
Participei, porém como era só pelo telefone, sem webcast, não consegui prestar 100% de atenção na apresentação.

O que deu pra entender foi que o foco da empresa é de crescer organicamente, sem aquisições. Uma aquisição só aconteceria se eles realmente vissem uma oportunidade de gerar valor para o negócio, ou seja, ter rendimentos superiores ao valor pago nessa possível transação.

Também ressaltaram o foco na eficiência e produtividade, que pretendem continuar melhorando as margens nesse sentido, ainda que a cada ano que passa isso se torna mas difícil (assim como manter os mesmos patamares de crescimento passados). Não pretendem ganhar margens com aumento de preço dos produtos.

Sobre investimentos, ele disse que o capex hoje é só um pouco superior à depreciação, basicamente devido a investimentos em melhorias de processos e/ou eficiência. A depreciação fica em torno de 38/39 milhões, e temos ai de 1 a 2 milhões em melhorias.

Em breve acredito que teremos o áudio pra baixar no site da empresa... espero ter ajudado.

153832 - small caps -  26 Out 2012, 01:15

fridao... não tem mais aquele gostinho inicial...

Mas ainda está barato... tem que acompanhar o desenrolar do novo negócio no varejo... se der certo... vai avoar muito ainda!

O dia da estréia de GRND3 em carteira foi este:
http://smallcaps.blogs.advfn.com/2009/04/05/bancos-medios-salvam-o-mes-da-carteira-small-caps-resultado-de-marco-e-mudancas-para-abril/

O breve comentário da época:

A Grendene (alta de 6,55% até o dia 03/04) negocia com P/L 5, P/VPA 0,98 e PSR 0,93. Tem DY de 9,1% e custa apenas uma vez o ativo circulante líquido, conforme site www.fundamentus.com.br. Também pode se beneficiar da alta do dólar em razão das exportações, o que já elevou substancialmente o preço médio em Reais praticado por unidade vendida para o exterior.

A compra, portanto, em preços ajustados, se deu um pouco acima dos R$ 3,00:

http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=GRND3

153766 - paulo_prof -  25 Out 2012, 19:58
PREÇO: R$ 14,42
PAYOUT (2011): 71,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 11,34
P/VPA 2,31
PSR 2,51
DY 6,34%
EV/EBITDA 10,97
MARGEM BRUTA 46,3%
MARGEM OPERACIONAL 24,9%
MARGEM LÍQUIDA 22,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,272
MARGEM EBITDA 18,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1,5%
ROE 20,38%
LIQUIDEZ CORRENTE 8,64

Taxas de crescimento dos 9M12 em relação aos 9M11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +25,31%
RESULTADO BRUTO +39,67%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -7,87%
RESULTADO OPERACIONAL +43,42%
RESULTADO LÍQUIDO +41,91%
EBITDA +86,78%

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA 24,78%
U2A 17,99%
U3A 12,33%

b) do patrimônio Líquido médio
UA 9,00%
U2A 11,60%
U3A 12,07%

Para que o preço atual seja igual ao valor intrínsico calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%, o lucro líquido postado nos últimos 12 meses terá que crescer, nos próximos 3 anos, a uma taxa anual real maior do que -3,5%.

Moral da história: ativo continua barato ...

153763 -  higorq -  25 Out 2012, 19:36
Sensacional o resultados da Grendene. Ganhos de margem expressivos, crescimento em todas as linhas. Imagina só quando as lojas melissa estiverem a todo vapor. Uma das poucas excelências que restam na bolsa.

147604 - paulo_prof -  06 Set 2012, 17:05
Qual é a sua melhor estimativa para a taxa média real de crescimento anual do lucro líquido nos próximos 5 anos?

O caro ou barato depende da performance futura que a empresa possa ter ...

Considerando os últimos 12 meses, o lucro cresceu somente 5,7% nominais, ou seja, abaixo do IPCA. Nos últmos 24 meses, a taxa de crescimento anual média foi de 21,3%. Nos últimos 36 meses, 7,7%.

Já o lucro do 1S12 cresceu 41% nominais em relação aquele do 1S11.

Uma parte relativamente importante na constituição do lucro da GRND é o resultado financeiro. Na minha estimativa, contribui aprox. 40% para o Resultado Antes dos Impostos. Em relação ao 1S11, o Resultado Financeiro do 1S12 cresceu 6,6% nominais, ou seja, praticamente empatou com a inflação. Com a queda dos juros, acredito que contribuição percentual do resultado finaceiro vai diminuir. Por outro lado, o Resultado Operacional propriamente dito, com a estratégia de lojas próprias, provavelmente vai aumentar.

Em princípio, acho que o consenso é que o lucro vai crescer nos próximos anos. Mas, quanto?

Considerando o lucro líquido postado nos últimos 12 meses, para uma taxa real de desconto anual nula e uma perpetuidade real nula, para justificar um preço 50% acima do atual (ou seja, R$ 19,20), o lucro líquido teria que crescer 7% reais ao ano, nos próximos 5 anos.

144682 - TUBINHA -   15 Ago 2012, 02:55
Agosto/2012
Hora de expandir

Grandes novidades! No final do mês de julho a Grendene entrou em negociações com a Jelly- franquia que vende exclusivamente calçados Melissa para se transformar na sua master franqueadora. Com o negócio firmado, a Melissa passa a fazer parte da gestão das 42 duas lojas da Jelly e (o melhor de tudo) pretende investir pesado no mercado de varejo com a abertura de mais de 200 lojas em todo o país nos próximos cinco anos.

Essa manobra estratégica da Grendene pretende aproximar a Melissa ainda mais das consumidoras finais e com isso afinar os lançamentos ao que as clientes aspiram. Imagine só, ter uma loja todinha da Melissa, com a nossa cara e todos os modelos da coleção bem pertinho de você?

Esse era um sonho antigo que começa a se transformar em realidade e não poderíamos deixar de compartilhar essa novidade com vocês, nossas fãs e maiores responsáveis pelo sucesso da Melissa.

http://www.melissa.com.br/blog2012/pt/arquivo/2012/8/hora-de-expandir

144563 - TUBINHA -  14 Ago 2012, 23:16
VLID3 e GRND3 atualmente melhores empresas para se investir no Brasil.

Empresas completas, Governança nota 1.000, lucrativas, altos dividendos, CRESCEM a taxas elevadas e defensivas para qualquer cenário de fim de mundo. Não vejo nada melhor que elas por aí.

Venho gritando de VALID desde os 22,00 (topo histórico de poucos meses atrás).

GRND3 comecei a gritar agora, depois do balanço bombástico desse trimestre, e pricipalmente pelo novo modelo de negócio ao abrir lojas próprias (Melissa), e vem mais crescimento, lucros e dividendos. GRND3 promente subir muito ainda, esse Topo histórico de 12,00 vai deixar saudades, assim como VLID deixou em 22,00.

Amanhã em homenagem a essas empresas vou gastar um $$$ com mulé.. vou pegar meu cartão de crédito da VALID e comprar uns sapatos e Bolsas na Melissa.

143566 de 335370 - Mr Turnaround - 09 Ago 2012, 20:46
Citação: jotajotajr
É isso mesmo?

Grendene com payout de 75%, lucro 41% maior do que o do ano passado a ação cai -2%, enquanto que a Petro apresenta preju de 1,3 bi e por especulação de aumento de preço de gasolina as ações disparam?

Oi?

Ficar vendo cotação diária e querer uma análise diferente todo dia vc fica doido ou começa a delirar. hehehe

Petrolixo decola pra mais de 10% após o prejuízo e o que falar de ALPA4 com aquele lixo de resultado, multiplos nas alturas, margens ridículas e consumindo caixa, MAS decolando +6% após os resultados.

GRND3 é pra Buy and Hold empresas como está está cada vez mais difícil de encontrar, ontem GRND3 subiu +0,50% com mais de 6M de volume, hoje despenca -2% com voluminho de 1M.

Especuleta! Imagina vc sendo um Fundo ou um grande player com 10M no caixa doido para comprar a melhor empresa que passou pelo seu filtro depois dos balanços, tem que colocar um terrozinho com menor capital possível para pegar do fracos (senão a cotação explode), eles tentam e conseguem colocá-los em dúvida, fazê-lo analisar de novo até encontrar algo errado. E vice-versa quando uma empresa que fica ruim, o players comprados, jogam pra cima até vc se convencer de que o resultados não foram tão ruins assim e depois tiram a escada e vem desova.

Vão agulhando com menor capital possível e aqueleas quedas de -1%, -2% some com puxadas de +6% e partem para compras sozinhos, pois a sardinhada que viu papel a 11,50 ontem, não consegue comprar a 12,00 no dia seguinte e o caminho fica livre para os que são realmente espertos.

Alguém pode até querer vender GRND3, mas gostaria que AVISAsse a compra de outro ativo aqui, provalvelmente seria uma outra grande oportunidade e de valia para o fórum. Agora vender um ativo desse com prejuízo, só RETARDADO mesmo.

Falando um pouquinho de especuletas e de minhas experiências como ex-operador da corretora Concordia, Espero ter ajudado!

143550 de 335370 - paulo_prof - 09 Ago 2012, 19:42
Citação: jotajotajr
É isso mesmo?

Grendene com payout de 75%, lucro 41% maior do que o do ano passado a ação cai -2%, enquanto que a Petro apresenta preju de 1,3 bi e por especulação de aumento de preço de gasolina as ações disparam?

Oi?

O mercado olha (pelo menos tenta) para frente ...

Para que o preço justo da PETR4 calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8% ao ano seja 30% maior do que a cotação atualç de R$ 21,00, é necessário que o lucro líquido anual cresça a uma taxa real de -3,5% ao ano, durante os 3 anos da fase de crescimento.

Já para a GRND3, é necessário que o lucro líquido dos últimos 12 meses cresça, duranto os 3 anos da fase de crescimento a uma taxa real de +1,5%.

Com o resultado pífio do 2T12, o lucro anual dos últimos 12 meses da PETR foi impactado para baixo. Ou seja, além de partir de uma base conjunturalmente mais fraca, o preço hoje da PETR4 tem uma margem de segurança de 30% mesmo se este lucro "pífio" praticamente ficar constante nos próximos 3 anos.

Já no caso da GRND, um lucro "inflado" pelos ótimos resultados do 1S12 terá que crescer, em termos reais, 1,5% nos próximos 3 anos.

Se formos dar uma olhada no comportamento do lucro líquido da GRND nos últimos anos, achamos, EM TERMOS NOMINAIS:

UA 5,72%
U2A 21,30%
U3A 7,69%

ou seja, o lucro dos últimos 12 meses praticamente não cresceu em termos reais, relação ao lucro dos 12 meses anteriores e em relação ao lucro líquido de 12 meses, 2 anos atrás.

Moral da história: o comportamento do mercado é compatível com a noção de que o "trabalho" futuro da PETR seria mais "fácil" do que aquele da GRND!!!

Será que o mercado está delirando?

Grendene vai investir no varejo
Por Marina Falcão | De São Paulo
Marca mais cara da calçadista Grendene, a Melissa deve começar a se expandir no varejo, depois de anos com atuação mais restrita ao canal de atacado. Hoje são apenas duas lojas exclusivas, mas estudos preliminares da Grendene indicam potencial para até 200 lojas só da Melissa em cinco anos, diz o diretor de relações com investidores da companhia, Francisco Schmitt.

O primeiro passo para atingir essa meta já foi dado. Há dez dias, a Grendene firmou um memorando de entendimentos para se tornar a franqueadora da rede Jelly. Com 42 lojas, a Jelly vende apenas calçados Melissa, mas, até então, atuava de forma independente da Grendene.

No ano passado, a Jelly comercializou 620 mil pares de Melissa. Dentro do total de vendas da Grendene no período (107 milhões de pares no mercado interno), o volume é pouco expressivo. Porém se torna representativo se considerada apenas Melissa, diz Schmitt. "Se atingir as 200 lojas exclusivas em cinco anos, é muito provável que a operação de varejo da Melissa fique maior do que o canal atacadista da marca", comenta.

A Grendene não divulga a fatia isolada de vendas de cada uma de suas marcas (Melissa, Rider, Ipanema, Grendha, Ilhabela e Grendene Kids). Schmitt informa apenas que, hoje, o tíquete médio da Melissa é de cerca de R$ 115, bastante superior ao tíquete médio de todas as marcas da companhia juntas, algo em torno de R$ 35.

O fortalecimento no varejo com a Melissa, segundo o executivo, é estratégico para Grendene, que sente necessidade de acompanhar mais de perto o seu consumidor. Com o controle das franquias, a companhia tem acesso rápido às respostas dos seus clientes e, portanto, consegue ofertar um mix de produtos cada vez mais acertado. "Além disso, sabemos que a experiência de compra é hoje tão importante quanto o produto oferecido", comenta.

Ainda não está definido se as próximas franquias abertas serão com as bandeiras Jelly ou Melissa. "Existe a possibilidade também de trabalharmos com as duas bandeiras ao mesmo tempo", conta.

No segundo trimestre, o lucro líquido da Grendene ficou em R$ 59,5 milhões, alta de 61,4% em relação a um ano antes. Na mesma comparação, a receita líquida subiu 35,2%, para R$ 330,5 milhões. Os números foram divulgados na noite de ontem.

Schmitt considerou o resultado "muito bom", mesmo assumindo que a base de comparação é atipicamente pequena. "De fato, não tivemos resultados bons no segundo trimestre do ano passado. As vendas caíram", diz.

Uma combinação de fatores justifica a retomada das vendas da calçadista agora. Com bastante exposição às classes C e D, a Grendene sente imediatamente os impactos de medidas como o aumento do salário mínimo. Ele considera também que, por ofertar produtos de tíquete baixo, a companhia pode ter absorvido consumidores de categorias mais caras, mais dependentes de crédito e diretamente afetadas pelo alto endividamento das famílias. "Nos Estados Unidos, eles chamam de 'efeito Walmart'. Quando há uma crise, as vendas do Walmart crescem mais porque é mais barato."

No mercado interno, a Grendene teve vendas brutas de R$ 322 milhões, em alta de 26,2%. No externo, o faturamento subiu 76,1%, para R$ 94,7 milhões. Em número de pares, as exportações cresceram bem menos (4,2%), reflexo da estratégia da companhia de crescer em produtos de maior valor agregado no exterior.

A Grendene registrou ganhos de rentabilidade na sua operação. Em boa parte, devido à diluição de despesas fixas diante do aumento das vendas, mas também a partir de melhorias de processos internos, explica Schmidt. A margem bruta avançou 6,8 pontos percentuais, para 41,8%, e a Ebitda subiu 7,3 pontos percentuais, para 12%.


102125 - paulo_prof - 12/Nov/2011 13:23 4
 Resultados dos últimos 9 meses em relação a igual período de 2010:

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,6%
RESULTADO BRUTO -5,4%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +31,7%
RESULTADO OPERACIONAL +5,6%
RESULTADO LÍQUIDO -3,1%
EBITDA -15,4%

Crescimento do Patrimônio Líquido em 12 meses: +9,6%

Multiplicadores relativos aos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 8,1
PAYOUT: 71,3%
P/L      7,95
P/VPA            1,40
PSR     1,66
DY      8,97%
EV/EBITDA  6,80
MARGEM BRUTA  43,0%
MARGEM OPERACIONAL          23,4%
MARGEM LÍQUIDA          20,9%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,019
MARGEM EBITDA 15,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       10,1%
ROE    17,62%
LIQUIDEZ CORRENTE     5,89

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      11,57%          
U2A    6,58% 
U3A    6,23% 

b) do patrimônio líquido médio
UA      13,22%
U2A    12,27%
U3A    14,22%

Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido durante 3 anos necessária para um preço justo 50% maior do que a cotação anual (perpetuidade de 0% real; taxa de desconto anual real de 10%): +6,5%

128121 - paulo_prof - 25/Abr/2012 20:26
citação: alisonvm

citação: danieljoseaa
GRND3: (bom)

Resultado do 1º Trimestre de 2012

A companhia registrou lucro líquido de R$ 82,1 M no 1T12, uma variação de -32,5% em relação ao 4T11 e crescimento de 29,1% em relação ao 1T11. A receita líquida totalizou R$ 374,8 M no 1° trimestre de 2012, redução de 27,0% em relação ao 4° trimestre de 2011 e aumento de 22,7% em relação ao 1° trimestre de 2011.

A margem bruta atingiu 42,46% neste trimestre contra 46,09% no trimestre anterior e 37,88% no primeiro trimestre de 2011. Já a margem líquida ficou em 21,89% no 1T12 contra 23,69% no 4T11.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 2,1 B, acréscimo de 5,1% em relação ao saldo no 1T11. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 1,8 B no primeiro trimestre de 2012, o que representou uma variação de 3,5% em relação ao saldo no primeiro trimestre de 2011.

Nestes três meses, a ação oscilou 28,74% contra 13,67% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 2,9 B contra R$ 2,6 B no 1T11.

MUITO BOM,

Mostra a retomada do crescimento, forte elevação de lucros, receita e geração de caixa, divida insignificante e baixa de custos. Contribuindo para isso o aumento real do salario minimo, taxa de cambio, exportação e participação de mercado.
Alem de pagar 75% de seu lucro liquido inteiro em dividendos, ou 0,19 só referente ao 1T12... ex-dividendo dia 04 de maio.

vai a 12,00 facil.

PREÇO: R$ 9,15

PAYOUT (2011): 71,9%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L      8,49
P/VPA            1,53
PSR     1,76
DY      8,46%
EV/EBITDA  7,56
MARGEM BRUTA  44,2%
MARGEM OPERACIONAL          23,3%
MARGEM LÍQUIDA          20,7%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,077
MARGEM EBITDA 15,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       6,2%
ROE    18,06%
LIQUIDEZ CORRENTE     5,94

Taxas anuais nominais médias de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      -1,54%
U2A    12,75%
U3A    7,24%

b) do patrimônio líquido médio
UA      7,98%
U2A    10,78%
U3A    12,29%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido necessária durante 3 anos para que o "preço justo" calculado pela fórmula do FCD seja 30% maior do que a cotação atual (perpetuidade real nula; paxa de desconto anual real de 8%): -4%

Taxas de crescimento em relação ao 1T11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +24,96%
RESULTADO BRUTO +40,63%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +11,68%
RESULTADO OPERACIONAL +32,27%
RESULTADO LÍQUIDO +29,15%
EBITDA +48,85%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +3,51%

Destaque para a excelente margem bruta; possivelmente é a melhor da história para os 1os. trimestres.

118433 -  small caps - 02/Mar/2012 23:07
Caríssimos, recomendo a audição:


http://ri.grendene.com.br/port/home/index.asp

40 anos completados de lucros.
Fala justamente sobre a margem ebit e o efeito decorrente da provisão para devedores.

Além disso, ficaram 2 milhões de pares retidos na alfandega em direção à Argentina... quase tudo já liberado...

LÍDER de mercado EM EXPORTAÇÕES há vários anos!

Já vou avisando: vou de novo de Grendene no encontro (chinelo de pobre segundo aquele analista) sem medo :)

118270 -  paulo_prof - 02/Mar/2012 01:06 
PREÇO: R$ 8,93
PAYOUT (2011): 71,9%
P/L      8,82
P/VPA            1,50
PSR     1,82
DY      8,15%
EV/EBITDA  8,84
MARGEM BRUTA  43,3%
MARGEM OPERACIONAL          23,0%
MARGEM LÍQUIDA          20,6%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,016
MARGEM EBITDA 14,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       6,1%
ROE    16,96%
LIQUIDEZ CORRENTE     7,91

Taxas anuais médias nominas de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      -2,23%           
U2A    5,93% 
U3A    8,47% 

b) do patrimônio líquido médio
UA      11,40%
U2A    11,21%
U3A    13,76%

PREÇO JUSTO PARA UMA TAXA ANUAL MÉDIA DE CRESCIMENTO REAL DO LUCRO LÍQUIDO NULA DURANTE TODO O SEMPRE E TAXA DE DESCONTO REAL DE 8%: R$ 12,70

77339 - small caps - 17/Jun/2011 23:03
Sobre a GRND3, especificamente, é bom que se saiba:
a) o segundo trimestre costuma ser O MAIS FRACO do ano. Então, não compre achando que vai bombar amanhã.
b) os proventos vão subir, eis que passará a pagar IR sobre parte do benefício fiscal, para possibilitar a distribuição de 75% do lucro (ou 80% não tenho certeza);
c) o maior IR sobre o lucro decorrente de benefício fiscal será muito bem compensado pelo maior ganho financeiro do aumento da SELIC (caixa robusto).
d) o câmbio continua péssimo para a indústria;
e) a estabilidade/queda dos preços das commodities deve contribuir para manutenção das excelentes margens.



Portanto, comprei GRND3, no final no fechamento do pregão quando vi que alguém queria fazer caridade, vendendo abaixo de R$ 8,00... torço para que chegue abaixo, para tenhamos mais um ativo com DY maior que 10%.

72252 - small caps - 06/Mai/2011 10:51
Teve um balanço dentro do possível para uma indústria no país.
Para quem não sabe, o número de pares exportadores no país no primeiro trimestre caiu uns 35%. Isto mostra que não é apenas a Grendene que está vendendo menos no exterior com este câmbio.
Só nos resta torcer que o super competente Ministro Mantega consiga resolver o problema.
Ainda bem que nossa maior estatal, a Petrobrás, está em mãos competentes como as dele.

72221 - WK2007 - 06/Mai/2011 03:46
Achei modesto o resultado de Grendene.
Apesar da maior eficiência operacional e redução de custos, melhorando as margens, as vendas (volumes)caíram muito.
Essa política de elevação contínua de preços tem limites. A concorrência no varejo é muito acirrada.
O resultado operacional praticamente se igualou ao financeiro (cerca de 36 milhões). Parece um banco. É salutar o aumento do pay out.


Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

- A Grendene foi fundada em 1971 e é uma das maiores produtoras mundiais de calçados e líder em vários segmentos no mercado brasileiro. Possui tecnologia proprietária e exclusiva na produção de calçados.Totalmente verticalizada, a partir de matrizaria e fábricas próprias, com uma logística de distribuição que atinge desde distribuidores a varejistas tradicionais e não-tradicionais em todo o território nacional e no exterior.

A empresa é detentora de marcas reconhecidas e de sucesso, como Melissa, Rider, Grendha, Ilhabela, Ipanema Gisele Bündchen, Ipanema, Grendene Kids e Grendene Baby; Em 2008 lançou mais uma marca – Zaxy com produtos inspirados nas principais tendências de moda mundial. Além disso, atua também através de licenciamentos de celebridades e personagens do universo infanto-juvenil.

A Grendene é totalmente integrada, com capacidade instalada em suas seis unidades industriais, compostas por 12 fábricas de calçados, com capacidade instalada total de 200 milhões de pares/ano, além de uma matrizaria e uma fábrica de PVC para consumo próprio na produção de calçados.

Em 2010 comercializou 169,5 milhões de pares produzidos inteiramente no Brasil.       

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


PAINEL DE INDICADORES
16/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
GRND3
    8,13
8,0
1,41
11,3
6,5%
12,5%
0,1
22%
12,5%
28,0%



·  PONTOS POSITIVOS:

- Lucro Líquido de 83,5M 3T11 +126% na comparação com o 2T11  ( R$184 milhões nos 9M11 com dividendos 87,4% maiores que o ano anterior ) e R$104,8 milhões no 3T10.

- Receita bruta 515M 3T11 +60% na comparação com o 2T11  ( 441M Mercado Interno / 73M Externo  x  255M / 53M ) 

- Receita líquida 414M  3T11 +70%

- Custo Bruto 221M  +38% ( positivo pois cresceu algumas vezes menos que o crescimento do Lucro, mostrando ótimo valor agregado )

- Lucro Bruto 192M  +125%

- Preço Médio   12,83 / par  +10% na comparação com 2T11

- Margem Bruta  46,5%  +16,5 p.p.

- Margem Ebit  12,9%   +11,2 p.p.

- Margem EBTDA 14,6%  +9,9 p.p.

- Margem Líquida 20,1%  +5 p.p. 

-     
·  PONTOS NEGATIVOS


·  VISÃO ESTRATÉGICA

- Metas para o período 2011-2015:

• Crescimento da receita bruta a uma taxa composta média (CAGR) entre 8% e 12% nos 5 anos (2011–2015).

• Crescimento do lucro líquido a uma taxa composta média (CAGR) entre 12 % e 15% nos 5 anos (2011–2015).

• A Grendene tem por objetivo manter neste período as despesas de propaganda e publicidade em média entre 8% e 10% da receita líquida.

Entendemos que neste período poderemos ter anos com crescimento maior que esta taxa e outros com crescimento menor, mas pretendemos na média atingir esta meta.    

·  CURIOSIDADES

- A Grendene mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros – 36,1% dos calçados brasileiros exportados nos 9M11 (37,2% nos 9M10).

- 3º distribuição de dividendos intermediários – R$60.444.720,00 acumulando R$132,3 milhões nos 9M11, 87,4% maior que igual período de 2010.

- A empresa mantém sólida situação financeira. O caixa líquido em 30/09/2011 resultou em R$942,3 milhões, 10,5% (R$89,8 milhões) acima dos R$852,5 milhões de 31/12/2010.             

·  OPINIÃO DO ANALISTA






- Empresa excelente, praticamente sem dívidas, com forte geração de caixa, bons lucros e agora grande distribuição de dividendos; eu não poderia definir melhor uma "cash-cow" a vaca leiteira que todo investidor precisa ter em carteira para os momentos difíceis. Óbvio que o mercado não gosta de empresa que antecipa más notícias, como ela fez ao noticiar a redução nas perspectivas de lucros futuros dado a deterioração do mercado de calçados e até da economia, como de fato vem ocorrendo. Considerando-se apenas o caixa e não o total em disponibilidades que é maior, a empresa possui mais de 3 reais dos 8 que está cotada em dinheiro vivo. Como acionista só tenho a agradecer a gestão pela transparência e o respeito com que trata seus acionistas!  

72189 - renato1631 - 05/Mai/2011 20:26
Grendene reduz custos, aumenta preços e lucro sobe 35,5%
Plantão | Publicada em 05/05/2011 às 19h27m
Valor Online

SÃO PAULO - A fabricante de calçados Grendene registrou lucro de R$ 63,53 milhões no primeiro trimestre deste ano, resultado que supera em 35,5% o montante de um ano antes (R$ 46,89 milhões).
O balanço mostra que a empresa conseguiu compensar a queda no volume de vendas com redução de custos operacionais e aumentos de preços. Fora isso, houve uma melhora de 53% no resultado financeiro, que somou R$ 35,42 milhões, em valores líquidos.
De janeiro a março, a receita líquida totalizou R$ 316,70 milhões, 15,4% abaixo do faturamento de um ano antes. Na mesma base de comparação, o resultado operacional medido pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) avançou 29,5%, para R$ 42,38 milhões.
A diferença se deve a uma redução de 24,1% no custo dos produtos vendidos, junto com a baixa de 5,3% das despesas operacionais. Os volumes vendidos caíram 29,1% em um ano, para 32,9 milhões de pares, mas o aumento do preço médio unitário - de 22,8% - permitiu que a receita não fosse de igual magnitude.
Em seu relatório trimestral, a Grendene afirma que conseguiu ganhos de produtividade ao melhorar a eficiência na utilização da mão de obra e ao otimizar processos industriais.


(Eduardo Laguna | Valor)

72178 - Cadu_28 - 05/Mai/2011 19:22
Bom resultado de GRND3.
Minha expctativa sendo realista-otimista, esperava um LL em torno de 60-65M.

O que ficou obvio, a empresa diminuiu o giro e aumentou as margens, reflexo do reposicionamento de preços feito no primeiro semestre do ano anterior. A vantagem disso se mostra nos numeros, onde embora a receita liq tenha apresentado queda, os custos tb cairam a um nivel maior, aumentando a margem bruta. Chamo a atenção tb para os resultados financeiros do gordo caixa aplicado, que cresceu mais de 50%. O EBITDA tb teve boa evolução no ano.

Metas para o período 2011-2015:

Em 05 de março de 2009 mudamos nossa política de guidance ao mercado e anunciamos metas para os
próximos 5 anos a partir daquela data: período de 2009-2013. Passados dois anos nos quais a companhia desempenhou satisfatoriamente na entrega das metas anunciadas, nos sentimos confortáveis em ampliar o período até o ano de 2015.
Crescimento da receita bruta a uma taxa composta média (CAGR) entre 8% e 12% nos 5 anos (2011–2015).
Crescimento do lucro líquido a uma taxa composta média (CAGR) entre 12 % e 15% nos 5 anos (2011–2015).
A Grendene tem por objetivo manter neste período as despesas de propaganda e publicidade em média entre 8% e 10% da receita líquida.
Entendemos que neste período poderemos ter anos com crescimento maior que esta taxa e outros com
crescimento menor, mas pretendemos na média atingir esta meta.
Razões para as Metas anunciadas:
Nestes dois anos, desde o anúncio de metas para o período 2009-2013 a receita bruta cresceu à taxa
composta (CAGR) de 12,6%, superando as metas previstas e o lucro líquido 14,2% resultando em ganhos nas margens e demonstrando o acerto de nosso modelo de negócios e das premissas assumidas para o mercado.

Os resultados obtidos no 1T11 superaram nossas expectativas de lucro e ficaram abaixo das expectativas no crescimento da receita o que, no conjunto, reforça nossa convicção de que podemos atingir as metas propostas.

A Administração mantém prudente otimismo com as perspectivas de crescimento do mercado interno de calçados apoiado na melhoria de renda da população, nos investimentos previstos no país para os próximos anos e nos eventos esportivos internacionais que acontecerão no Brasil em futuro próximo.
Internamente, manteremos o foco no fortalecimento de nossas marcas, na excelência operacional e no
ganho de market share.

Com base nestas expectativas, a Grendene está pronta para o crescimento e confiante no atingimento das metas para o período de 5 anos (2011-2015)

72167 - renato1631 - 05/Mai/2011 18:48
Lucro Líquido de R$63,5 milhões com crescimento de 35,5% no 1T11 vs. 1T10

No primeiro trimestre de 2011 a Receita Bruta não evoluiu de acordo com nossa expectativa, caindo 12,9%. Embora tenhamos previsto uma queda nas receitas de exportação que vieram em linha com nossa expectativa: queda de 21,7% em reais (de 15,4% em USD) esperávamos uma receita maior no mercado interno mantendo a receita total estável em comparação com igual período de 2010, o que não aconteceu: a receita bruta no mercado interno apresentou queda de 9,6% em comparação com o 1T10.
Neste período, como já vimos fazendo com especial ênfase desde meados de 2010, reforçamos um dos pilares fundamentais de nosso negócio: baixo custo e alto volume por modelo, ou seja, a busca obstinada por excelência operacional. O aumento de produtividade por redução nos desperdícios, menor consumo de matéria prima por produto e melhoria da eficiência da mão de obra estão sendo perseguidos de forma sistemática. Coerentes com nosso objetivo de recuperação de margens ajustamos os preços de nossos produtos que, combinado com o efeito de variação de mix, resultou numa elevação do preço médio unitário de 22,8%, 13,5% no mercado interno e 29,3% no mercado externo (39,9% em USD). Tivemos queda nos volumes no total de 29,1%, sendo 20,3% no mercado interno e 39,5% no mercado externo. Lembramos que a base de comparação de preços (1T10) é baixa pois iniciamos o movimento de recuperação de preços no 2T10. Por outro lado, e pelo mesmo motivo, base de volumes do 1T10 é elevada (crescemos 35% em volumes no 1T10 vs. 1T09), de forma que o ajuste para cima nos preços e para baixo nos volumes era esperado, embora a queda de volume no mercado interno tenha sido superior à nossa expectativa.
Preços melhores combinados com as melhorias operacionais significativas obtidas desde o ano passado nos garantiram uma robusta elevação de margens: margem bruta ganho de 7,1 p.p, margem EBIT ganho de 4,2 p.p e margem líquida ganho de 7,6% p.p, esta última também beneficiada pela alta da taxa selic e elevação de nosso saldo médio de caixa, atingindo assim os objetivos que nos propusemos – recuperação de margens.
O foco na recuperação das margens que já havia nos proporcionado excelentes resultados no 2S10, continuou. O custo unitário cresceu 7,1%, valor bem inferior ao incremento de 22,8% no preço unitário do 1T11 versus 1T10 e o CPV, reduziu em 24,1%, como consequência do menor volume, resultando numa margem bruta de 37,8%, 7,1 p.p. maior que a margem bruta obtida no 1T10 (30,7%).
Com os custos e despesas controlados o EBIT no 1T11 foi 36,5% superior ao obtido no 1T10: R$35,2 milhões versus R$25,8 milhões respectivamente. O Lucro Líquido obtido foi de R$63,5 milhões, 35,5% superior ao obtido em igual período de 2010.
Conforme destacamos, a empresa se encontra em outro patamar de eficiência operacional.
O impacto do câmbio no 1T11 foi uma redução na receita bruta total em R$8,0 milhões sendo que a receita bruta do mercado externo caiu 15,4% antes de considerar a variação cambial e 21,7% após considerar este efeito. A taxa cambial continua desfavorecendo às exportações, cenário que, segundo nossas expectativas deve continuar.


72157 - danieljoseaa - 05/Mai/2011 18:14
Destaques de 1T11 vs. 1T10:

Queda de 15,4% na Receita Líquida.

Lucro Líquido de R$ 63,5 milhões (R$ 46,9 milhões no 1T10).

Recuperação das Margens Bruta, Ebit, Ebitda e Líquida.

Distribuição de Dividendos referentes ao 1T11 – R$ 45.108.000,00

Liderança de exportação – A Grendene mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros – 39,2% dos calçados brasileiros exportados no 1T11 (42,9% no 1T10).

Margem líquida trimestral subiu de 12,5% para 20,1%

A empresa mantém sólida situação financeira. O caixa líquido em 31/03/2011 totalizou R$983 milhões, 15,4% (R$131 milhões) acima dos R$852 milhões de 31/12/2010.

Fatos Societários e Eventos Subseqüentes Política de dividendos:

De acordo com o Estatuto Social, o dividendo mínimo obrigatório é computado com base em 25% do lucro líquido remanescente do exercício, após constituições das reservas previstas na lei. Com base no 1T11, mantendo a política de antecipação trimestral de dividendos, a Companhia pagará dividendos intermediários “ad referendum” da Assembleia Geral Ordinária que aprovar as contas do exercício de 2011, no valor de R$45.108.000,00 a partir de 08 de junho de 2011. Farão jus ao recebimento, os acionistas titulares de ações ordinárias GRND3 inscritos nos registros da Companhia em 19 de maio de 2011 (data do corte). Desta forma, as ações da Grendene passarão a ser negociadas, ex-dividendos a partir de 20/05/2011, na BM&FBOVESPA.
0,15 por ação, data de pagamento 08/06......último dia "com" 19/05.




64379 - paulo_prof - 22/Fev/2011 21:03
Vou ficar muito surpreso se o resultado da Grendene não vier muito bom.

Em 13MAI2010, havia 75.683 mil ações no free float, de um total de 300.720 mil, ou seja, 25,17%. Nesta data o Conselho de Adminstração aprovou a aquisição de 1.000 mil ações a mercado, para permanência em tesouraria e posterior eliminação. À época já estava evidente que o percentual de free float cairia abaixo dos 25% exigidos.

Esta é uma "jogada" que não é incomum. Põe o bode na sala e depois solicita um prazo à CVM para retirá-lo. Há duas formas de recuperar o percentual exigido no free float:

a) revender ações que estão em tesouraria (como recentemente fez o Pine); ou
b) vender ações do controlador

Numa situação adversa de mercado, não há porque o controlador vender as suas ações. É muito mais "inteligente" resolver a situação com as ações em tesouraria.

Termina o ano (com o controlador sabendo perfeitamente qual foi o resultado) e só então resolve-se ir à compra do milhão de ações. Depois, o controlador muito "bonzinho", resolve aceitar vender 642 mil ações para ajustar o free float ... ora, pois ...

Alguém duvida que o resultado vem bom? Será que, se o Gaddafi e cia. deixarem, GRND3 consegue emplacar os R$ 10,00 até 30MAR?

citação: Plantão Empresas da Bovespa
(22/02) - GRENDENE (GRND - NM) - Acoes em Circulacao

DRI: Francisco Olinto Velo Schmitt.

Enviou o seguinte Comunicado ao Mercado:

"A Grendene S.A. (Bovespa: GRND3) comunica que realizou operacoes de compra de acoes da Companhia (GRND3), em Janeiro de 2011, no total de 1.000.000 de acoes para permanencia em tesouraria, conforme autorizado na Ata de Reuniao do Conselho de Administracao de 13 de maio de 2010 para posterior alienacao em cumprimento ao exercicio das opcoes outorgadas a seus executivos (Stock Options), onde nao foi observado o numero de acoes em circulacao (25%) em atendimento ao item 3.1 (v) do Regulamento de Listagem do Novo Mercado, reduzindo em 0,2137% (642.722 acoes) das acoes em circulacao.

Conforme correspondencia de 02 de fevereiro de 2011, enviada a BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros com o intuito de solucionar o problema, os acionistas controladores (pessoas fisicas) se dispuseram a vender as acoes necessarias para o reenquadramento do Free-Float, solicitando o prazo ate 31 de marco de 2011.

Em carta resposta de 08 de fevereiro de 2011 obtivemos a aprovacao do referido prazo (ate 31/03/2011) para enquadramento do percentual minimo de 25% de acoes em circulacao da Companhia, que sera recomposto pela venda de acoes pelos acionistas controladores somente a partir de 25/02/2011, em funcao da divulgacao dos resultados do 4T10 e do exercicio de 2010, previsto para o dia 24/02/2011, e conforme Termo de Adesao a Politica de Negociacao com Valores Mobiliarios da Companhia, originaria da observancia da Instrucao CVM n 358/2002, no periodo de 09/02/2011 ate 24/02/2011, nao serao permitidas operacoes de Compra e/ou Venda de Acoes de emissao da GRENDENE S/A. (GRND3), as pessoas que tenham conhecimento de informacoes privilegiadas da Companhia, que se incluem nossos controladores.
Análise da Bogari
A Grendene é uma das maiores produtoras e a maior exportadora de calçados do Brasil. Suas sandálias e chinelos são vendidos sob marcas conhecidas comoMelissa, Ipanema, Rider, Grendha, entre outras. A companhia teve sua origem na década de 70, quando produzia artigos plásticos. Através de inovações internas passou a produzir calçados injetados de PVC.
Ao longo do tempo, percebeu que criando marcas fortes poderia vender por preços diferenciados seus produtos. Seu modelo de negócios é baseado no forte investimento em marketing para dar suporte a suas marcas e ao lançamento de centenas de produtos anualmente. Em 2010, a companhia gastou em torno de R$ 130 milhões em propaganda e publicidade, o que segue em linha com seu guidance para esse grupo de despesas, de 8%-10% da receita líquida. As vendas nacionais, que representam 80% do total, são feitas em mais de 60 mil pontos de venda e nenhum cliente participa com mais de 5% da receita total da companhia. Seu processo produtivo, sendo baseado na injeção do PVC, requer menos mão de obra que uma empresa tradicional calçadista requereria. Isto permite que a companhia possa ganhar mais escala com o crescimento do volume e seja menos impactada com a atual escassez de mão de obra. Em contrapartida, a restrição de sua produção a apenas artigos injetados limita a sua atuação em outros segmentos de mercado. Uma forma de atenuar essa
limitação passa pela exportação de seus produtos. Encontramos na empresa características que gostamos em qualquer investimento: bom retorno sobre o capital, geração de caixa alto e baixa necessidade de investimentos. Adicionalmente, sua receita é relativamente estável, apresenta algum crescimento, não está alavancada financeiramente e possui controlador definido. Devido à crise mundial, a companhia adotou uma postura conservadora em 2009 e no começo de 2010, prejudicando consideravelmente seus resultados da primeira metade desse ano. Ainda em 2009, por acreditar que a demanda não seria forte no ano seguinte, a empresa preferiu não aumentar seus preços, acreditando que manteria os volumes de venda
e ocuparia suas fábricas. Entretanto, com os estímulos do governo e com a crise externa mais amena que esperado, a demanda acabou sendo mais forte que o previsto. A companhia preferiu manter sua política comercial de vários anos e não realizou reajustes de preços no meio da coleção. Com o mercado aquecido e o preço relativamente baixo, as vendas ficaram acima da expectativa. Foi necessário incorrer em custos extraordinários como turno adicional
e horas extras para atender aos pedidos dos clientes, afetando de forma relevante o custo dos produtos vendidos. Como consequência, os resultados da primeira metade de 2010 foram muito fracos. Uma das nossas hipóteses sobre o investimento era que tais resultados seriam
temporários e com uma retomada de preços seria possível que a empresa voltasse para seus patamares históricos de rentabilidade. Iniciamos a compra a preços bastante atrativos, o equivalente a pouco mais de 7x lucro de 2010, o que é bom em termos absolutos e melhor ainda para um mercado onde os preços dos ativos ligados ao mercado doméstico estavam em
patamares bem mais altos. Conforme esperado, o segundo semestre da Grendene foi muito bom, com a empresa apresentando bons volumes e preços mais altos, o que resultou em margens recordes. Esperamos que nos próximos anos a receita cresça moderadamente, mas o lucro da companhia continue crescendo de forma mais intensa. Adicionalmente, acreditamos que existem algumas opcionalidades no investimento não precificadas pelo mercado. A primeira, que acabou se concretizando no início de 2011, era o aumento de dividendos. Um ponto peculiar da companhia é a quantidade de caixa acumulado. Seu valor de mercado é de aproximadamente R$2,7 bilhões, sendo que seu caixa líquido é de R$850 milhões, ou seja, quase um terço do seu valor é caixa. O problema para o investidor neste caso é que enquanto a operação de calçados possui um retorno de mais de 25% a.a., o caixa rende um pouco mais de 10% a.a. (próximo ao CDI). E com uma geração de caixa relevante e sem grande necessidade de novos investimentos, a tendência era este caixa aumentar cada vez mais. A origem do excesso de caixa é que parte do lucro da Grendene é proveniente de incentivos fiscais. Até 2008, este resultado era contabilizado diretamente no patrimônio líquido e não podia ser distribuído aos acionistas, somente reinvestido na própria empresa. Com as mudanças advindas da convergência para padrões internacionais de contabilidade (IFRS), o resultado passou a ser passível de distribuição, desde que essa fosse tributada. Após uma consulta à Receita Federal, concluiu-se que a alíquota de tributação dessa distribuição seria em torno de 15%. Em seu anúncio dos resultados de 2010 foi divulgado que a companhia passaria a distribuir em torno de 75% do lucro a partir de 2011. Isto deve representar aproximadamente 9% do valor de mercado atual da empresa. Outra opcionalidade é a Grendene seguir o exemplo de  outras fabricantes de calçados e criar uma rede de lojas próprias. Ao entrar no varejo, a empresa teria um excelente canal de divulgação de sua ampla gama de produtos, um local para testar e ter feedback mais rápido dos produtos, além de capturar parte da margem final de venda, que hoje fica na mão dos lojistas. Finalmente, acreditamos que ter uma parte da receita em dólar, que hoje é um problema, também é uma
opção para o futuro. Apesar de ser de difícil visualização atualmente, a valorização do dólar eventualmente irá gerar margens maiores nas exportações. Em suma, mesmo em um mercado relativamente caro, encontramos um investimento seguro, com boas perspectivas e a um preço bastante adequado (provavelmente ainda é a empresa de consumo mais barata da bolsa). Além disso, ainda estamos levando de graça algumas opções que têm chances razoáveis de se concretizarem no médio prazo.


56061 - Paranaue - 16/Nov/2010 21:48
Por que investir na Grendene? (GRND3)
A empresa é dona de umas das marcas mais famosa do mundo fashion: a Melissa. Entrevistamos em Porto Alegre, o diretor que explica porque a companhia, que fez sucesso com a campanha do seu outro produto - Use Ryder e dê férias para os seus pés, é interessante para quem pensa numa aposentadoria confortável.
Por Cristiane Moraes

Como a Grendene, que hoje é uma empresa globalizada, começou no Rio Grande do Sul?
No início dos anos 70, o estado teve um grande movimento com a instalação do Pólo Petroquímico (Triunfo-RS). Naquela época, as empresas chamadas de 1ª geração, começaram a se instalar mas já havia um estímulo de investimentos das empresas de 2º e 3º geração, as transformadoras de plásticos. A Grendene iniciou em 71, em Farropilha, interior do estado. Os dois irmãos, gêmeos, compraram uma pequena empresa transformadora de plásticos e começaram a atuar nesse seguimento, produzindo peças para máquinas, componentes para calçados. Uma das curiosidades da produção foi a capa do garrafão de vinho, substituindo o de palha, um produto bem característico aqui da nossa região.

Como a Grendene se destacou no setor de calçados?
Com tempo a empresa passou a ter uma demanda crescente no setor calçadista. Nesse segmento, a tradição é produzir os calçados em componentes e depois fazer a montagem. Foi ai que a Grendene, que sempre teve uma veia para o lado da inovação, de fazer coisas diferentes, ingressou no setor de calçados, lançando um calçado totalmente injetado, feito de resina de PVC. E esse calçado, que foi a sandália Melissa, que já completa 30 anos no varejo e foi um grande sucesso para a empresa. Tivemos um crescimento astronômico, pelo baixo custo e já naquela época a sandália feminina de plástico conquistou personalidades, principalmente porque o assessório era usado em novelas e virou a moda da época!

E a criação de outras marcas como aconteceu?
A partir desse sucesso, a Grendene começou a lançar outros produtos e viu que havia a oportunidade de outro mercado. A marca seguinte foi a Ryder, calçado masculino. Esse chinelo fez um grande sucesso e a empresa viu que havia muitas oportunidades de atender o mercado atuando por segmentos. Passou então a desenvolver marcas para diversos segmentos e na medida em que foram crescendo, foram se reinventando, se subdividindo e criando, assim, outras marcas.

Por que ter a Small Cap Grendene na carteira de ações?
A Grendene exporta para mais de 90 países, é a maior exportadora brasileira de calçados e, apesar do cenário da taxa de câmbio desfavorável, vem conseguindo crescer no mercado externo. A empresa tem um modelo diferenciado, além de fazer o calçado montado. Ela faz o calçado injetado que utiliza uma quantidade menor de mão-de-obra e com um ciclo de produção muito mais rápido. A empresa é bastante competitiva e atua em setor que não é caracterizado, nem por grandes empresas e nem por uma taxa de retorno muito grande.

Qual a representatividade da empresa em números? Como é o pagamento de dividendos?
Temos um faturamento na ordem de R$ 1,5 milhão por ano, com um caixa líquido positivo capitalizado. Nesse ano, no meio da crise, em que muitas empresas estavam cancelando ou suspendendo dividendos, nos passamos para o pagamento trimestral. A distribuição é em torno de 45% e 50% em forma de dividendo. O que tem dado o dividend yeld em torno de 7% e 8%.

Como a ação tem reagido no mercado?
A empresa tem um tempo de capital aberto relativamente curto. Entramos em 2004, no Novo Mercado, da BM&FBovespa. Essa crise foi a primeira que empresa atravessou no mercado acionário. Essa situação serviu para os investidores verem como a empresa se comporta nesse cenário que foi bom para a empresa e nossa ação teve um crescimento com mais de 100% esse ano.

Qual recado você deixaria para quem pensa em investir na Grendene?


A Grendene é uma ação para o investidor que pensa no longo prazo. Porque é uma empresa que tem uma regularidade muito forte de resultados e nunca, na sua história, apresentou um trimestre com prejuízo. Não é uma empresa com um crescimento muito grande, mas constante, até porque, ela já tem um porte e quando chega num determinado tamanho já não consegue mais crescer numa velocidade tão grande. Temos uma excelente relação crescimento/dividendos e, por isso, é um atrativo para o investidor.


55948 - small caps - 16/Nov/2010 14:19
citação: guigui28Small,

O que achaste do resultado de grnd3?

Vale a pena montar posição a este preço?

Abraço

Excelente, um aumento de margem bruta de tirar o chapéu. E os demais custos controlados.

No dia do balanço, comentei que reforcei posição no after-market.


46088 - small caps - 16/Set/2010 00:32
citação: renato1631Small

Tenho ações da grendene. Fico sempre na expectativa da ação virar queridinha do mercado. Será que isso acontecerá? Qual sua expectativa para os próximos resultados? Ou há melhor opção?
Muito obrigado e valeu por todas as dicas e pelo excelente livro
Renato

Obrigado Renato.
Sim, mantenho 60% da posição que fiz em GRND3. A empresa disse nas suas teleconferências que as margens voltariam a melhorar no segundo semestre.
Acredito que a companhia tenha aumentado os preços ao mesmo tempo em que a matéria prima deve estar com preços estáveis.
O comércio exterior novamente será afetado negativamente com o câmbio. Coisa típica de país produtor de commodities que está cada vez mais adquirindo a famosa doença holandesa (é isto, não?).
No mercado interno é que temos esperança de bons lucros, eis que fortemente aquecido o consumo de seus produtos que atingem justamente a parcela da população que está aumentando com maior consistência a renda. Ao mesmo tempo parece que houve alta na taxação de produtos importados, também necessário para um país não se desindustrializar, principalmente depois que escolhe o caminho fácil do consumo imediato.
No preço atual, mantenho as ações.
Sobre melhores alternativas, no setor não creio, mas no mercado sim, como é o caso de BEES3. Este considero hoje o banco médio mais barato... peca apenas nos dividendos.

Análise Coin Valores
A Grendene é uma das maiores fabricantes de calçados no mundo. Sua primeira unidade fabril
nasceu em Farroupilha (RS), em 1971. As vantagens competitivas da companhia se fundamentam em tecnologia própria de produto e produção; na verticalização da sua produção (capacidade instalada de 200 milhões de pares/ano – além de matrizaria e fábrica de PVC para consumo próprio); na agilidade no aumento da capacidade instalada com investimento não relevante; nas marcas e designs próprios; na pesquisa, desenvolvimento e inovação constantes e no marketing forte e bem posicionado. Empresa listada no Novo Mercado desde a abertura de capital em Out/2004 com sólida estrutura de capital, forte geração de caixa e boa pagadora de dividendos. Produz calçados para o mercado interno e externo, atendendo ao público feminino, masculino e infantil (classes A a D).
A companhia é detentora de marcas como Melissa, Rider, Grendha, Ipanema, Ihabela, Zaxy,
Cartago, Pega Forte, Grendene Kids e Grendene Baby, além de uma linha de licenciamentos que contempla celebridades e personagens infanto-juvenis. A Grendene vende seus produtos por meio de representantes comerciais, distribuidores, exportações diretas e via subsidiárias no exterior (EUA e Argentina). As exportações, iniciadas em 1979, seguem, atualmente, para mais de 90 países, cobrindo todos os continentes.

RETROSPECTIVA 2010
A Grendene nos primeiros nove meses de 2010 entregou um lucro líquido de R$ 189,7 milhões
com crescimento na Receita Líquida de Vendas de 14,5% e fabricação de 120,2 milhões de pares de calçados, gerou R$ 242 milhões de caixa proveniente das atividades operacionais, pagou R$ 68,5 milhões de dividendos a seus acionistas e pelo 6º ano consecutivo mantém a liderança nas exportações de calçados brasileiros. Os bons resultados obtidos, em especial no 3º trim./10, ratificam a nossa visão da evolução do cenário econômico para o setor de consumo de baixo ticket assim como, as boas perspectivas para os próximos anos se mantém, consequência do desenvolvimento econômico e melhoria do poder de compra da população

PERSPECTIVA 2011
A expectativa que temos divulgado ao mercado é de crescimento de receita bruta e lucro a uma taxa média composta entre 8% e 12% para a receita e entre 12 % e 15% para o lucro nos 5 anos (2009-2013). Entendemos que neste período poderemos ter anos com crescimento maior que esta taxa, como foi o caso em 2009 e outros anos com crescimento menor, mas pretendemos na média atingir esta meta.
A Grendene deve reforçar a execução de sua estratégia em 2010/2011 com especial atenção à adequação de sua política de preços a um mercado com demanda forte, identificando novos segmentos de mercado, com novos licenciamentos, inovando em produtos, reforçando suas marcas com marketing agressivo através de múltiplas mídias e buscando a excelência na operação através das melhorias contínuas e reforçando seus relacionamentos com os canais de distribuição e clientes finais. O objetivo é ganhar escala crescendo com solidez e sustentabilidade tanto no mercado doméstico quanto no mercado externo com especial atenção para a manutenção das margens.
A evolução do consumo no Brasil não vem decepcionando e a inclusão de classes antes alijadas do mesmo vem acontecendo proporcionando crescimento em diversos mercados e gerando muitas oportunidades. Este quadro, por si só já é otimista, e é reforçado no Brasil pela previsão de grandes investimentos nos próximos anos: a copa do mundo, as olimpíadas e os investimentos no pré-sal, são alguns eventos que devem ter efeitos muito positivos na renda da população e no nível de consumo.


41726 - ch3481 - 12/Ago/2010 20:38
citação: Cadu_28Que porcaria GRND3...
http://www.bmfbovespa.com.br/empresas/consbov/ArquivoComCabecalho.asp?motivo=&a mp;protocolo=256723&funcao=visualizar&site=B

Nosso grande desafio continua sendo recuperar preços e margens sem perder volumes. Nesta conjuntura obtivemos receita superior ao 1S09 e margens inferiores, o que deve se inverter no segundo semestre deste ano. Lembramos que no 1S09 obtivemos resultados muito fortes o que constitui elevada base de comparação para este ano. A melhora das margens virá segundo nossa expectativa, no segundo semestre.

Os resultados obtidos, embora esperados não são satisfatórios e não mediremos esforços para retornar ao nível de margens robustas que costumamos entregar. Apesar disto estes resultados não são preocupantes uma vez que a posição da empresa no mercado está sólida, as relações com os canais de vendas excelentes, a aceitação dos produtos muito boa e a credibilidade geral da empresa nos sugere resultados melhores no futuro. Também os fundamentos econômicos que impulsionam nosso modelo de negócios continuam fortes com tendências positivas, principalmente no mercado interno. Já no mercado externo, a evolução da taxa de câmbio não tem sido favorável e devemos focar nosso crescimento menos em volume e mais em valor agregado.

Os drivers de consumo no curto prazo tem se confirmado e continuam atuantes: a baixa inflação e os aumentos do salário mínimo, que num primeiro momento impacta o custo mas logo após se transforma em demanda, o bolsa família, a realização da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul e a realização de eleições gerais no Brasil. Estes eventos, historicamente impulsionam o consumo no Brasil, o que vem se confirmando. O aperto esperado na política monetária está acontecendo sem, no entanto, afetar os volumes de forma significativa.


Continuamos realizando estudos para ampliação de nossas fábricas, mas provavelmente não iniciaremos investimentos novos em 2010. Acreditamos que os investimentos feitos no final de 2009 e os ganhos de produtividade possibilitarão o atendimento da demanda com eficiência adequada e sem novos investimentos no curto prazo. Além disso, uma política de preços mais agressiva deve conter o crescimento de volume, o que não aconteceu no 3T09 quando os preços baixos estimularam uma demanda já aquecida.


35420 - small caps - 13/Mai/2010 22:44
citação: danieljoseaaEm resultado "não satisfatório", Grendene vê queda de receita e lucro
Recomendar!
Por: Equipe InfoMoney
13/05/10 - 20h35
InfoMoney
SÃO PAULO - A Grendene (GRND3) anunciou nesta quinta-feira (13) os resultados trimestrais relativos ao primeiro trimestre de 2010. A receita líquida registrou 22,5% de crescimento, com faturamento de R$ 374,5 milhões
Por sua vez, o lucro líquido foi de R$ 46,9 milhões, com margem de 12,5%, 8,5 pontos percentuais abaixo do registrado no primeiro trimestre de 2009. "Os resultados obtidos, embora esperados, não são satisfatórios e não mediremos esforços para retornar ao nível de margens robustas que costumamos entregar", declararam os executivos da companhia.
No primeiro trimestre do ano, a Grendene apresentou queda de 23,2% no Ebitda (geração operacional de caixa), caindo de R$ 42,6milhões para R$ 32,7 milhões na comparação com o mesmo período do ano passado.
"Apesar disto, estes resultados não são preocupantes uma vez que a posição da empresa no mercado está sólida, as relações com os canais de vendas excelentes, a aceitação dos produtos muito boa e a credibilidade geral da empresa nos sugere resultados melhores no futuro", afirmou a empresa de calçados.
Confira os números:
em R$ milhões 1T10 1T09 Variação
Receita Líquida 374,485 305,802 +22,5%
Ebitda 32,735 42,648 -23,2%
Lucro Líquido 46,898 64,256 -27%
Vou ler o balanço, mas parece ser forte influência da queda do dólar em comparação ao primeiro trimestre... afetou muito as margens da exportação... o que era esperado... e a razão de já ter sido pior comparativamente no quarto trimestre...

35411 - danieljoseaa - 13/Mai/2010 21:22
Em resultado "não satisfatório", Grendene vê queda de receita e lucro
Recomendar!
Por: Equipe InfoMoney
13/05/10 - 20h35
InfoMoney
SÃO PAULO - A Grendene (GRND3) anunciou nesta quinta-feira (13) os resultados trimestrais relativos ao primeiro trimestre de 2010. A receita líquida registrou 22,5% de crescimento, com faturamento de R$ 374,5 milhões
Por sua vez, o lucro líquido foi de R$ 46,9 milhões, com margem de 12,5%, 8,5 pontos percentuais abaixo do registrado no primeiro trimestre de 2009. "Os resultados obtidos, embora esperados, não são satisfatórios e não mediremos esforços para retornar ao nível de margens robustas que costumamos entregar", declararam os executivos da companhia.
No primeiro trimestre do ano, a Grendene apresentou queda de 23,2% no Ebitda (geração operacional de caixa), caindo de R$ 42,6milhões para R$ 32,7 milhões na comparação com o mesmo período do ano passado.
"Apesar disto, estes resultados não são preocupantes uma vez que a posição da empresa no mercado está sólida, as relações com os canais de vendas excelentes, a aceitação dos produtos muito boa e a credibilidade geral da empresa nos sugere resultados melhores no futuro", afirmou a empresa de calçados.
Confira os números:
em R$ milhões 1T10 1T09 Variação
Receita Líquida 374,485 305,802 +22,5%
Ebitda 32,735 42,648 -23,2%

Lucro Líquido 46,898 64,256 -27% 

35394 -  lesoares - 13/Mai/2010 18:56
decepcionante o resultado de grnd3 hein...

muuuito fraco.. 

33215 - mlopes_ml - 19/Abr/2010 19:31
(19/04) GRENDENE (GRND - NM) - Deliberacoes de AGO/E / Distribuicao de dividendo
/ Forma de negociacao
DRI: Francisco Olinto Velo Schmitt
Enviou o seguinte Aviso aos Acionistas:
"Comunicamos aos acionistas que em Assembleia Geral Ordinaria, desta Companhia, realizada em 19 de abril de 2010, foi ratificada a aprovacao da distribuicao do saldo de dividendos do exercicio findo em 31 de dezembro de 2009, no montante de R$ 34.000.000,00 (trinta e quatro milhoes de reais). Os dividendos serao pagos a partir do dia 06 de maio de 2010, sem remuneracao ou atualizacao monetaria e nao havera retencao de Imposto de Renda. Farao jus ao saldo dos dividendos a pagar relativos ao exercicio de 2009, os acionistas inscritos nos registros da Companhia em 26 de abril de 2010. As acoes da Companhia ficarao ex-dividendos a partir de 27 de abril de 2010, na BM&FBovespa. Os acionistas detentores de acoes ordinarias nesta data receberao o dividendo de R$ 0,113334 por acao. Esta distribuicao de dividendos, somada ao montante de R$ 76.000.000,00 (setenta e seis milhoes de reais), pagos como antecipacoes em 2009, totalizam uma distribuicao de R$110.000.000,00 (cento e dez milhoes de reais), relativos ao exercicio social de 2009.
O pagamento dos valores distribuidos sera efetuado da seguinte forma:
a) Os acionistas que ja indicaram a conta bancaria terao seus creditos disponiveis de acordo com a conta corrente informada ao Banco Itau S.A.;
b) Para os acionistas que nao fizeram esta indicacao, o Banco Itau S.A., como Instituicao Financeira Depositaria enviara aviso contendo informacoes sobre o pagamento, o qual devera ser apresentado numa de suas agencias com as instrucoes para processamento do respectivo credito em conta bancaria.
Os acionistas terao seus creditos disponiveis na data de inicio do pagamento desse direito de acordo com a sua conta corrente e domicilio bancario fornecidos ao Banco Itau S.A."


Norma: a partir de 27/04/2010 acoes escriturais ex-dividendo e as acoes deixam de ser negociadas com distincao de dividendo. 

32626 - ltcrip - 09/Abr/2010 13:53
Fockink, a partir de quando teremos direito a subscrever GRND3? Pela notícia abaixo, eu entendi que já podemos negociar os direitos, pois se em 27/04 - fica ex-dividendo e ex-subscrição.. Porém não me foi creditado recibo de subscrição na minha custódia...
Abraço!
(01/04) GRENDENE (GRND - NM) - AGO/E - 19/04/2010 - 9H30 / Forma de negociacao
DRI: Francisco Olinto Velo Schmitt
Aprovar as demonstracoes financeiras relativas ao exercicio social/2009, a destinacao do lucro liquido e a ratificacao das antecipacoes e da distribuicao do saldo de dividendos. Homologacao do aumento de capital social por meio da emissao particular de novas acoes ordinarias, no ambito do Plano de Outorga de Opcoes de Compra ou Subscricao de Acoes, com o consequente aumento do capital social, no valor de R$4.541.493,75. O capital social que era de R$1.226.760.110,71 passa para R$1.231.301.604,46 e aumento de 720.000 acoes, passando o numero de acoes representativas do capital social da Companhia de 300.000.000 para 300.720.000 acoes ordinarias. As acoes emitidas farao jus ao recebimento de dividendos integrais que vierem a ser declarados pela Companhia a partir da data de sua subscricao, referentes ao periodo iniciado em 01 de abril de 2010, e a todos os demais beneficios que forem conferidos aos demais detentores de acoes ordinarias de emissao da Companhia a partir de entao, em igualdade de condicoes com as demais acoes de emissao da Companhia. Conforme RCA de 04/03/2010 foi aprovada a distribuicao de dividendo complementar, referente ao exercicio social/2009, no montante de R$34.000.000,00, correspondente a R$0,113334/acao, com base na posicao acionaria de 26/04/2010 (as 720.000 acoes emitidas na RCA de 22/03/2010 nao fazem jus ao referido dividendo). A partir de 27/04/2010 acoes escriturais ex-dividendo e as acoes deixam de ser negociadas com distincao de dividendo. 


32314 - paulo_prof - 06/Abr/2010 19:27
citação: NotwenCardozo
citação: paulo_prof
citação: mteixeira1968Prof Paulo,
Houve alguma coisa com a GRND3? Caindo mais de 3% agora.
Não seria um bom momento para entrar?
Um abraço
A minha projeção de lucro líquido em 2010 é de R$ 300 milhões. Se esta previsão se confirmar, o ativo está sendo negociado a aprox. P/L = 8,60; P/VPA = 1,57 e DY = 4,7%
Não se pode dizer que, no momento atual do mercado (focado na Vale, nas siderúrgicas e de olho na Petrobrás), o preço esteja uma pechincha. Por outro lado, em relação aos múltiplos que eram praticados até uns 3 meses atrás, o ativo poderia ser considerado barato.
Paulo, Além da subida de FRAS4, CREM3, TUPY3, sideruricas e VALE3/5 ... FESA3/4 tem subido bastante ultimamente. Se o Ferro subiu, as ligas da Ferbasa (FeCr e FeSi) devem ter subido também. Baseado no "monopólio" da Ferbasa para América Latina dessas ligas, acredito que a empresa pode surpreender nos balanços futuros e prefiro apostar nela do que em VALE.
Alguém sabe como está a demanda mundial dessas ligas e se o maior produtor mundial (Africa do Sul) conseguiu resolver os problemas de falta energia para produzí-las?
Se lembro bem, quem acompanhava (nem que fosse de longe) a situação do ferro-cromo eram o Herds e o Gustgef.

Aliás, por onde será que anda o cabra? Sumiu há séculos? 


29454 -  lesoares - 05/Mar/2010 16:34
eh...parece que não gostaram muito do resultado da grendene..
pra mim veio razoavelmente bem e o ativo continua num preço razoavel...

acho que vale ter em carteira com um peso baixo.. 


29426 - luiz36 - 05/Mar/2010 10:38
Lucro líquido da Grendene expande-se para R$ 85 milhões no quarto trimestre de 2009
Recomendar!Por: Equipe InfoMoney
05/03/10 - 09h33
InfoMoney
SÃO PAULO - A Grendene (GRND3) anunciou nesta sexta-feira (5) seus resultados referentes ao quarto trimestre de 2009, revelando um lucro líquido de R$ 85 milhões no período, valor 2,8% superior ao valor registrado em igual intervalo de 2008.
"Um excelente resultado em nossa opinião, considerando que são números recordes em um ano que anunciava muitas dificuldades", avaliam os executivos da companhia.
No mesmo sentido, a receita líquida da fabricante de calçados reportou expansão de 19,1% em bases anuais, para R$ 509,4 milhões. Ao passo que o Ebitda (geração operacional de caixa) caiu dos R$ 74,2 milhões para R$ 60,4 milhões - contração de 18,6%.
"Entretanto, não ficamos inteiramente satisfeitos com os resultados do segundo semestre. Os resultados do terceiro trimestre foram negativamente impactados (...) e no quarto trimestre superamos o Lucro Líquido do quarto trimestre de 2008 por pequena margem de 2,8%", afirmou a Grendene.
Acumulado do ano
No acumulado do ano, a companhia postou uma expansão no lucro líquido superior à observada na passagem trimestral. O indicador totalizou R$ 272,2 milhões, 13,7% acima do montante de 2008.
Do mesmo modo, a receita líquida também expandiu-se, indo dos R$ 1,324 milhões para R$ 1,545 milhões. Por sua vez, o Ebitda não registrou resultado positivo, caindo 5,3%, para R$ 177,1 milhões.
Confira os números do trimestre:
Resultado Trimestral
(em R$ milhões) 4T09 4T08 Variação
Receita Líquida 509,4 427,7 19,1%
Ebitda* 60,4 74,2 -18,6%
Lucro líquido 85,0 82,7 2,8%
Resultado Anual
(em R$ milhões) 2009 2008 Variação
Receita Líquida 1.545,2 1.324,6 16,7%
Ebitda* 177,1 187,0 5,3%
Lucro líquido 272,2 239,4 13,7%

* Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização 


29397 - paulo_prof - 04/Mar/2010 22:12
Abaixo, os múltiplos de duas empresas super bem administradas.
HGTX3 (R$ 33,70)
a) últimos 12 meses
P/L 15,89
P/VPA 5,75
PSR 2,53
DY 2,32%
EV/EBTIDA 11,91
MARGEM BRUTA 47,3%
MARGEM OPERACIONAL 22,6%
MARGEM LÍQUIDA 15,9%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,120
MARGEM EBITDA 21,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 36,5%
ROE 36,20%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,28
P/(CAP GIRO/AÇÃO) 7,49
GIRO ATIVOS 1,10
P/(ATIVO/AÇÃO) 2,78
b) últimos 3 meses anualizados
P/L 9,40
PSR 1,92
DY 3,92%
EV/EBTIDA 7,37
MARGEM BRUTA 52,1%
MARGEM OPERACIONAL 31,0%
MARGEM LÍQUIDA 20,4%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,584
MARGEM EBITDA 26,2%
ROE 61,20%
GRND3 (R$ 9,25)
a) últimos 12 meses
P/L 10,19
P/VPA 1,89
PSR 1,80
DY 3,96%
EV/EBTIDA 11,92
MARGEM BRUTA 42,4%
MARGEM OPERACIONAL 18,6%
MARGEM LÍQUIDA 17,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,907
MARGEM EBITDA 11,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8,9%
ROE 18,59%
LIQUIDEZ CORRENTE 6,01
P/(CAP GIRO/AÇÃO) 2,15
GIRO ATIVOS 0,88
P/(ATIVO/AÇÃO) 1,57
b) últimos 3 meses anualizados
P/L 8,16
PSR 1,36
DY 4,95%
EV/EBTIDA 8,74
MARGEM BRUTA 43,2%
MARGEM OPERACIONAL 17,0%
MARGEM LÍQUIDA 16,7%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,134
MARGEM EBITDA 11,9%


ROE 23,23%


29366 - FOCKINK - 04/Mar/2010 20:17
ao preço de hoje dá um P/L = 11,2...razoável....vamos ver agora a ALPA4...
prof. Paulo..Lembra de nossa aposta???


se bem que o senhor já deve ter liquidado ALPA4 nos R$ 130,00 ...não??


29365 - CINTRAPC - 04/Mar/2010 20:11
Já foi publicado o resultado da GRENDENE (GRND3).
Encontra-se na área de RI de seu site.
Alguns destaques:
Lucro líquido de R$ 272,2 milhões, 13,7% maior vs. 2008.
Receita Líquida de R$1.535,2 milhões, 16,7% de crescimento vs. 2008.
A Grendene entregou em 2009 um lucro líquido de R$ 272,2 milhões, com 85 milhões de Lucro Líquido gerado no 4T09, com crescimento anual na Receita Líquida de 16,7% e fabricação de 165,7 milhões de pares de calçados, gerou R$251,0 milhões de caixa proveniente das atividades operacionais e destinou R$110 milhões de dividendos a seus acionistas.


Em 2009, o lucro líquido do exercício foi de R$272,2 milhões, com margem de 17,6%, 50 pbs inferior à margem de 18,1% do ano de 2008 (R$ 239,4 milhões).


23061 - small caps - 05/Dez/2009 01:02
citação: FOCKINKe aí small acha que Grendene segura nos 9 conto até quando|??? hoje dei uma realizadinha...pra aumentar preço médio e me livrar do Leão....
e a tal Pnor5??? acha que realmente chega nos 4 conto???
Fockink, PNOR, como bem alertado há tempo pelo Prof. Paulo, quando custava mais barato, tinha e tem tudo para apresentar a tal "reação a resultados", uma vez que ficará com múltiplos mui chamativos.
No entanto, não é ativo para se casar com olhos fechados. Sugiro a leitura das notas explicativas do último balanço trimestral para que você verificar a quantidade de pendengas judiciais tributárias milionárias que podem fazer a empresas sofrer muito. Algumas delas não estão provisionadas.
Então, o posicionamento deve ser a nível de turnaround.
Quanto a GRND3, o quarto trimestre costuma ser o melhor do ano, mas é importante que se saiba que o resultado de sites que fornecem os múltiplos estão inflados no quarto trimestre, em razão da contabilização na DRE (demonstração de resultados do exercício) das subvenções de uma única vez. Este ano, estes resultados estão sendo contabilizados trimestre a trimestre.

Impressionante dela é a capacidade de gerar caixa e, com isso, pagar bons dividendos. 


20653 - lesoares - 13/Nov/2009 00:12
em relação a grendene, achei animador o fato de que boa parte da diminuição das margens e lucro ter sido atribuida a um aumento inesperado da demanda no mercado domestico, que fez a empresa trabalhar em 3 turnos e a contratar 5 mil funcionarios nesses trimestre, o que aumentou os custos.
As perspectivas são animadoras para os proximos trimestres! Eles até falam no relatorio que já estao pensando em ampliar de imediato as fabricas, o que só estava previsto para acontecer daqui a dois anos!


20626 - small caps - 12/Nov/2009 22:32
citação: FOCKINKsmall aproveitando que está no pedaço...dê sua opinião sobre os resultados da Grendene...Vou continuar com o papel por mais um bom tempo...mas acho que ficará oscilando nos R$ 8,00 a R$ 9,20 ....
FOCKINK, Grendene mostrou que o dólar afetou parcialmente a lucratividade das exportações. O quarto trimestre costuma ser o de maior lucro, historicamente. Se estivesse cara a companhia, com este resultado eu venderia.
Mas não acredito muito que o mercado vá gostar do balanço, embora fosse previsível o impacto do dólar...


Manterei o papel também, eis que a geração de caixa deles é "animal". Cada vez estão com mais $$$$ em caixa.


20340 - small caps - 11/Nov/2009 10:47
citação: Capa_PretaHermano,
isso já foi discutido aqui.
Não deixe de postar a fonte da informação. É uma demonstração de respeito com quem gastou seu tempo elaborando o conteúdo além de dar credibilidade ao que você posta (sei qu foi o INI mas...)
Abraço
Capa
hehehehhe, será que isto foi o catalizador para as altas recentes de GRND3?
Importante que o artigo desconsidera também algo básico: a sazonalidade dos resultados da empresa, conforme a época do ano e o seu longo histórico de "boas coleções" para implicar que se trata de obra do acaso o desempenho.


Poucas empresas conseguiram se adaptar tão bem ao dólar em vários cenários.


20328 - rjrodrig - 11/Nov/2009 09:27
Li na resenha ini ...acho que vale ....como alerta de cuidado ao analisar empresa...abs....
UM ASSOCIADO ENTROU EM CONTATO DIZENDO QUE A GRENDENE (GRND3) ESTAVA MUITO BARATA, POIS SEU P/L ERA INFERIOR A 7. VEJA NO ARTIGO A SEGUIR OS CUIDADOS COM ESSA INTERPRETAÇÃO.
Bom, antes de prosseguir é importante deixar claro que o associado não fez uma colocação baseada APENAS no P/L, mas elencou vários elementos que fizeram com que ele acreditasse que a empresa pudesse estar fora de preço, descontada ou, no popular, barata.
O presente artigo não tem a intenção de indicar se a empresa está cara ou barata, pois isso é função de analistas. O que vai ser debatido por aqui são os cuidados adicionais e as leituras complementares que os investidores vão precisar lançar mão antes de tomarem sua decisão.
Os argumentos do associado
O volume de boas razões para crer que a empresa estava barata foi elevado, vejam*:
Em valores ajustados, a empresa abriu o capital com lucro por ação de R$ 0,23 e valendo algo próximo a R$ 8,00. Em 2008 fechou o ano com lucro por ação de R$ 0,81 e com cotação menor do que a metade da abertura (R$ 3,98)**
O lucro apresentou bom crescimento nos últimos 4 anos, sendo que continuou aumentando nos 2 primeiros trimestres do ano de 2009, pós-crise.
O dividend yield sempre esteve acima de 6%, desde 2006.
O mercado interno é tido como relativamente afastado da crise internacional.
O P/L ao final de setembro estava inferior a 7.
A liquidez é razoável: negociada em 100% dos pregões nos últimos 12 meses, com média de R$ 1,5 milhão por dia.
O endividamento da companhia é relativamente baixo, 22%.
Seus múltiplos são os mais baixos do setor (tecidos, vestuário e calçados). Somente São Paulo Alpargatas e Cedro apresentam múltiplos P/L inferiores a 10, sendo que esta última não atua diretamente na área da Grendene e apresenta liquidez muito baixa.
*Dados retirados do balanço da CONTROLADORA na TIB.
** A Grendene fez um desdobramento de 200%, por isso os valores correspondem a aproximadamente 1/3 da época (exceto outros proventos).
Como se pode notar, não são argumentos vazios. Havia, realmente, motivo para crer estar diante de uma empresa descontada.
Mas as informações acima não bastam. Há alguns caminhos de avaliação complementares antes de prosseguir com a compra (ou venda) da ação.
Crescimento das vendas/lucros
Antes mesmo de buscar a leitura dos relatórios da empresa e de analistas independentes, a própria TIB poderia lhe indicar outros questionamentos.
Tomando como base o ano de 2005, um ano após a abertura de capital, a empresa saiu de uma receita de R$ 1,06 bi e chegou, em 2008, a R$ 1,28 bi, um incremento de 6,5% ao ano.
Bem inferior ao crescimento do lucro, que foi de R$ 84 mi para R$ 243 mi, crescimento de 43% ao ano.
Isso, por si, já indica que talvez o lucro tenha forte componente contábil ou não recorrente. É muito raro uma empresa conseguir um aumento de margem tão grande em tão pouco tempo. Mas não é impossível.
A receita traz boas surpresas no ano de 2009. Cresceu 11% em apenas 6 meses. Entretanto o lucro foi de R$ 0,81 por ação para R$ 1,10, crescimento de 35%.
Um dos principais ensinamentos dos livros e dos cursos do INI é levar em consideração PRINCIPALMENTE o crescimento de vendas, pois não está sujeito a ajustes contábeis e eventos não recorrentes. Ao menos o impacto é bem menor do que nos lucros.
O lucro apurado no último trimestre de 2008 deve ser investigado, pois foi 3 vezes superior ao apurado no mesmo período de 2007. É um evento raro e pode ter sido fruto de eventos não recorrentes e/ou ajustes contábeis.
A pergunta mais importante
Quando um investidor se deparar com uma empresa aparentemente descontada, com múltiplos muito baixos, deve se perguntar: - Eu acredito que essa empresa vai continuar crescendo para os próximos anos?
Responder de forma séria essa questão é condição básica para decisão de compra da empresa. Um múltiplo baixo pode indicar que o mercado está prevendo queda nos lucros para os próximos anos. De que adianta comprar uma empresa com P/L 5 se a estimativa de consenso do mercado é de que o lucro vá cair 75%?
Se as previsões se concretizarem, esse P/L, caso a cotação não se mexa, irá de 5 para 20 e a empresa deixará de apresentar um múltiplo descontado.
Leituras fundamentais
O investidor deverá investigar a fundo os motivos para o crescimento do lucro. Se tiver acesso a analistas que acompanham a empresa é fundamental ler seus relatórios ou tentar contato com eles apresentando suas dúvidas.
Caso não lhe seja fácil acessar esses profissionais, uma leitura dos últimos relatórios da empresa poderá ajudar.
A seguir, alguns elementos que puderam ser levantados na leitura dos relatórios e balanços.
IMPORTANTE!
Muitos investidores “congelam” por não saber por onde começar, de qual relatório, de qual ano. Por isso, e também por serem os mais relevantes para o preço atual, comece pelo relatório MAIS RECENTE!
Destaques – Relatório 2S09
A Grendene já reporta seus resultados no modelo IFRS. Esse modelo traz sofisticações contábeis que podem influenciar bastante os lucros, pois os ativos poderão ser reavaliados regularmente pelo seu fair value.
Apesar de serem menos representativas, as vendas no mercado externo subiram 2 vezes mais do que no mercado interno. Provavelmente fruto do dólar mais caro dos 2 primeiros trimestres de 2009. Isso, sem dúvida, representa um elemento que melhora as margens, pois os custos são denominados em Reais. Agora, por outro lado é fator não recorrente. O dólar, em outubro, já estava de volta à casa dos R$ 1,75.
O primeiro item a investigar é o crescimento das receitas financeiras, saindo de R$ 87 mi para R$ 121 mi. Mais adiante o relatório detalha esse lucro.
No guidance da companhia eles dizem que a perspectiva de encerrar 2009 com resultado superior ao de 2008 são muito boas. A companhia ainda afirma que os bons resultados do primeiro semestre de 2009 são, em parte, devidos ao excelente resultado da nova coleção. Evento que não tem garantias de que vá ocorrer novamente, apesar do histórico de sucesso nos lançamentos da marca.
As metas da empresa sugerem crescimento de receita bruta entre 8% e 12% ao ano para o período de 2009-1013 e de 12% a 15% ao ano, no mesmo período.
A leitura do relatório do primeiro semestre de 2009 não evidencia variações atípicas nas receitas e nos lucros. A receita financeira elevada é fruto, principalmente, de aplicações do caixa da empresa. As receitas provenientes de variações cambiais e ajustes a valor presente totalizaram pouco mais de R$ 13 milhões, pouco mais de 10% das receitas do semestre.
Destaques – Relatório 2008
É nesse ponto que se consegue verificar alguns motivos para o forte incremento nos lucros. O associado INI vai perceber que a TIB registra um lucro de R$ 125 mi em 2007 e de R$ 243 mi em 2008, enquanto que no release de resultados da companhia estão registrados lucros de R$ 265 mi em 2007 e R$ 243 em 2008. Ambos estão corretos, mas é preciso entender as diferenças.
Para entender essas diferenças o investidor vai precisar ler as notas explicativas do balanço de 2008, diretamente no site da BM&F Bovespa.
A TIB registra o valor do lucro líquido antes das alterações introduzidas pela Lei 11.638/07 e MP 449/08. O valor do lucro líquido de 2008, nas normas contábeis anteriores, seria de R$ 125 mi, aproximadamente o mesmo do ano anterior.
Há um item importante que foi adicionado como lucro líquido (R$ 133 mi em 2007 e R$ 132 mi em 2008), que é a Subvenção para investimento. O Pronunciamento Técnico CPC 07 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis estabeleceu que as subvenções para investimento devem ser registradas, de imediato ou a medida de sua realização, no resultado do exercício, afetando, portanto, o lucro líquido. Desta forma, as subvenções de imposto de renda, ICMS e de exportação, nos exercícios de 2008 e 2007, foram registradas diretamente em conta de resultado (lucro).
Algumas coisas começam a se encaixar. Por exemplo, a Grendene vinha com um payout (% de distribuição dos dividendos) superior a 90% nos anos anteriores. Esse percentual caiu para 44%, pois a base do lucro líquido ficou consideravelmente maior, reduzindo o percentual de distribuição.
Haverá, sem dúvida, um período de adaptação entre os balanços divulgados com normas anteriores e os divulgados em IFRS. Será um período onde o investidor precisará de atenção redobrada, pois de um ano para o outro os valores podem se alterar bastante.
Notas Contábeis
O novo modelo de demonstrações contábeis busca aproximar os ativos e passivos da empresa da realidade financeira vigente. Era muito comum aparecerem ativos subavaliados que, quando vendidos, acabavam dando um lucro extraordinário e não-recorrente que distorcia os resultados da empresa.
A tendência é que esses ativos e passivos sejam avaliados periodicamente, para reduzir essas distorções.
Voltando à Grendene...
A empresa demonstrou solidez, forte posicionamento de caixa, eficiência operacional, crescimento etc., porém o motivo inicial que levou o associado a declarar que “a ação estava barata” não era exatamente o que ele esperava.
A elevação do lucro de R$ 125 mi em 2007 para R$ 243 mi em 2008 foi fruto de aplicação de uma nova lei contábil. Ao se aplicar essa lei em 2007 o lucro ficaria levemente superior ao de 2008, denotando uma queda no lucro da ordem de 8% e não uma elevação de 94%.
E o veredicto é...
Nenhum.
Os leitores do informativo sabem que sua função não é e não será dar sugestões sobre ativos de bolsa.
A função é meramente educacional. O objetivo foi demonstrar cuidados adicionais que o investidor deve ter antes de comprar/vender um ativo julgando-o barato ou caro.
No caso citado, a empresa, caso mantivesse os padrões contábeis anteriores, teria um P/L de 16 e não de 8, como sugerido pelo associado. Não é um P/L absurdamente alto, mas também não se pode chamar de pechincha.
Nem tudo é o que parece...
postado por ini às 02:00


19285 - paulo_prof - 02/Nov/2009 15:11
citação: uqazVlw prof,
Vou expandir este pensamento para as minhas GRND3.
Estou com medo de o resultado vir ruim pela duplicação das vendas no exterior, uma vez que o dolar caiu sensivelmente. Mas se estes caras conseguirem manter o crescimento dos 2 primeiros trimestres deste ano os rotularei como bom administradores.
Obrigado de novo.
uqaz

Posso estar redondamente enganado (ou vai ver que intimamente esteja torcendo :-) mas eu acho que os fatores crise externa e câmbio têm pouco influência sobre os resultados da Grendene. O consumidor de Grendene não vai deixar de comprar Grendene para comprar uma porcaria chinesa qualquer. Os chineses estão longe de conseguirem desenvolver o design necessário para realmente competir no segmento. Se necessário, acho que a Grendene pode inclusive aumentar os preços no mercado externo e acabar não sendo penalizada fortemente no que concerne o volume. Vamos ver o que nos traz o 3T09. 


14074 - FOCKINK - 09/Set/2009 19:31
A Grendene é um caso à parte no setor calçadista brasileiro. Basta comparar os números: no primeiro semestre deste ano, as exportações da companhia (em dólar) cresceram 5,4% - e as do setor como um todo caíram 28,5%. No mesmo período, os preços dos calçados da Grendene sofreram um reajuste médio de 12,3% - já os do setor encolheram 2,8%. Como explicar a diferença?
"É tudo fruto do nosso modelo de negócios", explica Francisco Schmitt, diretor de relações com investidores da Grendene. "Temos uma agilidade muito grande para nos adaptarmos a diferentes conjunturas econômicas", detalha. Parte dessa agilidade vem do fato de que a Grendene adota uma operação totalmente verticalizada. A própria empresa faz a transformação da matéria-prima (a resina de PVC) e desenvolve as matrizes de seus calçados. A concepção e o design também são todos desenvolvidos dentro de casa. "Com isso, nós conseguimos adaptar nossa cartela de produtos muito rapidamente. Temos condições de atender sempre os segmentos mais promissores sem abrir mão da nossa estratégia principal", revela Schmitt. No ano passado, por exemplo, a empresa reagiu ao estouro da crise com o lançamento de duas novas linhas de produtos: a Zaxy e a Ipanema Gisele Bündchen, ambas para mulheres jovens e adolescentes. "É um nicho que compra muita moda e que não sentiu diretamente o impacto da crise", diz o diretor de relações com investidores.
Hoje, a Grendene lança uma coleção a cada 90 dias, em média. Cada uma chega ao mercado com pelo menos dois diferenciais em relação aos concorrentes chineses. O primeiro deles é o design, mais complexo e requintado. O outro é a força de uma marca já consolidada no mercado da moda - atributo que também costuma faltar ao produtos oriundos da China. "A Grendene nunca se pautou pela exportação de mão-de-obra barata. Não temos sequer a pretensão de concorrer em custo com os chineses", detalha Schmitt. Para ele, o enfoque na diferenciação é o que tem dado sustentação aos bons resultados da Grendene. Nos últimos oito anos, mesmo com os empuxos da crise, a companhia registrou um crescimento médio de 18% ao ano nas suas receitas de exportação. Para este ano, a meta é um pouco mais modesta - mas ainda bem superior à do setor calçadista como um todo: alta de 15%.
Tudo que caiu hoje tem uma explicação:


Trades alugaram 130% a mais de ações pra especular...Estão fazendo (de memnor proporção) o que fizeram com as Blues chips ( Ex: Petr4, Vale5, GGBR4 - tiveram seu preços inferiores ao valor patrimonial,...idem pra embraer há 2 meses atrás...)...


14033 - lesoares - 09/Set/2009 17:27
citação: Mota04Sobre a GRND3, pelas minhas contas, o PL dos últimos quatro trimestres é 7 (PL Projetado do último trimestre em 10) e um P/VPA de 1,7, com o fechamento de hj (R$ 23,19), sendo o , sendo que com a queda de hj, com o desdobramento das ações em 3 e levando em consideração o histórico de apresentar melhores resultados no segundo semestre, acredito que valha uma entrada...


se repetir o resultado do 1 semetre já daria um PL abaixo de 10, porém, como vc disse, o segundo semestre é sempre muito melhor do que o primeiro, de modo que o pl anual deve ficar entre 6 e 7. Soma-se as isso o desdobramento que dará mais liquidez as açoes e os dividendos generosos, alem de um p/vp razoavel e de um belissimo ROE, e acho que temos um dos melhores ativos da bolsa atualmente junto com eztc3


11580 - small caps - 13/Ago/2009 21:42 
[...]
HBOR3 e GRND3 são dois belos exemplos de empresas que conseguem lucrar mais mesmo no cenário de crise total... comprovando a tese de que mesmo com a economia definhando, sempre haverá alguém se sobressaindo...


[...]

11549 - Mota04 - 13/Ago/2009 17:40
Aumento de 70,8% no EBITDA, 45,8% no Lucro Líquido e 23,9% na Receita Líquida no 1S09.
Sobral, 13 de agosto de 2009 – A GRENDENE (BOVESPA: Novo Mercado -GRND3), divulga o resultado do 2T09 e 1S09. As informações são apresentadas de forma consolidada, com base de preparação e apresentação das demonstrações financeiras trimestrais elaboradas de acordo com o IFRS –International Financial Reporting Standards.
Destaques do resultado do
2T09 vs. 2T08 e 1S09 vs.1S08
Receita Bruta 286,9/371,7 +29,6%; 618,2/743,2 +20,2%
Receita Líquida 232,6/313,3 +34,7%; 511,9/634,3 +23,9%
Lucro Bruto 99,6/130,1 +30,6%; 198,4/260,3 31,2%
EBIT 14,2/25,3 +78,1%; 31,1/61,5 +97,6%
EBITDA 20,3/31,8 +56,7% 43,6/74,4 +70,8%
Resultado Financeiro Líquido 13,4/16,1 +20,1%; 27,9/35,8 +28,2%
Lucro Líquido 42,4/57,3 +35,2%; 83,4/121,6 +45,8%


LPA (R$ por ação) 0,42/0,57 +35,2% 0,83;1,22 +45,8%



9155 - paulo_prof - 17/Jul/2009 15:25
citação: jose26Alguém poderia me dizer se essa invasão chinesa no segmento de calçados afeta a GRND3?
Eu acho que o impacto é pequeno:
a) os calçados da Grendene, plástico injetado, não usam mão de obra intensiva; não é fácil competir tecnologicamente com a mesma;


b) todos os produtos que fabrica tem MARCA (o produto chinês não vai ocupar o mesmo espaço nas vitrines e prateleiras).


6554 - angeloep - 03/Jun/2009 10:20
(15/05) GRENDENE (GRND - NM) - 1a Distribuicao Antecipada de dividendos do exercicio de 2009. DRI: Francisco Olinto Velo Schmitt Enviou o seguinte Aviso aos Acionistas: "Comunicamos aos Acionistas que, o Conselho de Administracao, em reuniao realizada em 14 de maio de 2009, deliberou e aprovou "ad referendum" da Assembleia Geral Ordinaria que apreciar o balanco patrimonial e as demonstracoes financeiras referentes ao exercicio de 2009, a 1a distribuicao antecipada de dividendos referente o saldo disponivel no periodo ate 31/03/2009, o valor de R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhoes de reais). Os dividendos serao pagos a partir de 03 de junho de 2009, sem remuneracao ou atualizacao monetaria e nao havera retencao de Imposto de Renda. Farao jus ao recebimento destes dividendos, os acionistas inscritos nos registros da Companhia em 21 de maio de 2009. As acoes da Companhia ficarao ex-dividendos a contar de 22 de maio de 2009 na Bolsa de Valores de Sao Paulo. Os acionistas detentores de acoes ordinarias nesta data receberao o dividendo de R$ 0,25 (vinte e cinco centavos de real) por acao. O pagamento dos valores distribuidos sera efetuado da seguinte forma: a) Os acionistas que ja indicaram conta bancaria terao seus creditos disponiveis de acordo com a conta corrente informada ao Banco Itau S.A.; b) Para os acionistas que nao fizerem esta indicacao, o Banco Itau S.A., como Instituicao Financeira Depositaria enviara aviso contendo informacoes sobre o pagamento, o qual devera ser apresentado numa de suas agencias com instrucoes para processamento do respectivo credito de conta bancaria. Os acionistas terao seus creditos disponiveis na data de inicio do pagamento desse direito de acordo com a sua conta corrente e domicilio bancario fornecidos ao Banco Itau S. A." Norma: a partir de 22/05/2009, acoes escriturais ex-dividendo.


5893 - WK2007 - 18/Mai/2009 13:52
Calçados: Grendene vai pagar dividendos trimestrais para fortalecer imagem
Sérgio Bueno, de Porto Alegre
O bom resultado no primeiro trimestre estimulou a Grendene a investir no fortalecimento da imagem entre os investidores. Com 25% do capital pulverizado depois de aderir ao Novo Mercado da Bovespa em 2004, a empresa decidiu adotar o sistema de pagamento trimestral de dividendos a partir de agora, informou Francisco Olinto Schmitt, diretor de relações com investidores .
A Grendene pagava os acionistas em três parcelas, em agosto, novembro e após o fechamento do balanço anual, em março ou abril. A mudança serve como uma mensagem de "reforço" da companhia no momento em que outras empresas estão reduzindo ou mesmo cortando os dividendos.
O lucro líquido consolidado de janeiro a março cresceu 57% em comparação com o mesmo período de 2008, para R$ 64,3 milhões, de acordo com as normas internacionais de contabilidade (IRFS, na sigla em inglês). Desse montante, R$ 25 milhões serão distribuídos aos acionistas a partir de 3 de junho, na base de R$ 0,25 por ação. A Grendene tem 100 milhões de ações ordinárias e o pagamento será feito aos detentores de papéis registrados até o dia 21 deste mês.
O desempenho foi beneficiado pelo efeito da valorização do dólar sobre as exportações, pela venda de produtos de maior valor agregado e também porque o mesmo período de 2008 havia apresentado resultado inferior a idêntico intervalo do ano anterior. Em compensação, a taxa de crescimento do segundo trimestre talvez não seja tão "expressiva" quanto à do primeiro, até porque o lucro de abril a junho de 2008 já cresceu 44% sobre igual período de 2007.
A receita bruta consolidada da Grendene cresceu 12% de janeiro a março sobre o primeiro trimestre de 2008, para R$ 371,4 milhões, apesar da queda de 10% no volume comercializado, para 34,3 milhões de pares. A receita líquida avançou 15%, para R$ 321 milhões. Isso foi possível porque o preço médio das calçados vendidos pela empresa cresceu 24%, para R$ 10,81 o par. "Ganhamos espaço em segmentos de maior valor agregado", disse.
O desempenho foi melhor nas exportações, com altas de 34% na receita em reais, para R$ 132,1 milhões, e de 0,7% em dólares, para US$ 57,2 milhões. Os volumes embarcados recuaram 16%, para 15,7 milhões de pares, mas o câmbio e o aumento de 58% nos preços médios em reais (para R$ 8,40 o par) e de 19% em dólares (para US$ 3,63) compensaram a queda com folga. "Com o dólar acima de R$ 2 as margens das exportações são muito boas", disse o executivo.
No mercado interno a Grendene vendeu 18,6 milhões de pares, com queda de 4,2%, mas faturou R$ 239,3 milhões, 2,9% a mais do que no primeiro trimestre de 2008, graças ao aumento do preço médio dos produtos de R$ 11,96 para R$ 12,84. Com isso, a participação do Brasil caiu de 70% para 64% sobre a receita bruta, mas cresceu de 51% para 54% sobre o volume total de vendas no período.
Segundo Schmitt, a companhia não está sendo afetada pelas restrições impostas pela Argentina à importação de calçados brasileiros porque o país vizinho tem uma participação muito pequena sobre as vendas externas. A Grendene prevê expansão a uma taxa composta média de 8% a 12% para a receita bruta no período 2009-2013.
Fator – 02-JUN
Crescimento de 8,5% na projeção de receita líquida em 2009 (queda de 1,1%) e 0,4% em 2010 (queda de 1,0%), em função do crescimento de maiores preços médios praticados no mercado interno, de acordo com os resultados apresentados no 4T08 e especialmente no 1T09, apesar da redução na projeção de volumes e câmbio médio menos desvalorizado. Aumento no Lajida de 2009 e 2010 (6,0% e 16,0%, respectivamente), exclusive incentivos fiscais, em função do crescimento de receita em 2009 e de pequena melhora na projeção de margem bruta em 2010. · Ressaltamos que, de acordo com a nova legislação contábil, passamos a contemplar os resultados dos incentivos fiscais diretamente no resultado da companhia, e dessa forma, para efeito de avaliação de fluxos, não mais reconhecemos o valor dos incentivos trazidos a valor presente anualmente, e sim diretamente no resultado. Entretanto tais valores não integram a base de cálculo do lucro líquido para efeito de distribuição de dividendos. Os períodos de 2007 e 2008 foram ajustados de acordo com tais alterações contábeis.


5731 - Mr Turnaround - 15/Mai/2009 20:22
Pelo meus cálculos os novos números de GRND3 são:
PL = 5
Dividendos = 10,50% (Distribuidos trimestralmente e o primeira já pra semana que vem 0,25. Palmas de pé pra governaça corporativa)
P/VP = 1,10
Valor de mercado = 1,475 Bi
Posição líquida em caixa = 733 Mi
http://ri.grendene.com.br/port/download/releases/1T09.pdf
ALPA4 para comparação:
PL = 8
P/VP = 1,47
Valor de mercado = 1,425 Bi
Dividendos = 4,90%
Posição líquida em caixa = 190 Mi


Aumentei minha posição de forma que só dela já equivale 20% da carteira. Tô acreditando muito para os próximos 10 anos. Crise? que crise. São nesses períodos que as empresas que passam no filtro, merecem respeito e atenção vip.


5729 - Mr Turnaround - 15/Mai/2009 18:51
Que belíssimo resultado de GRND3 e com direito a mudança na politica de dividendos (trimestral agora) e que dividendos.


Maravilha de empresa. semana que vem rompe 15,10 e só correria depois.


5684 - danieljoseaa - 14/Mai/2009 20:30
Excelente também o resultado da Grendene:
Ebitda passou de 23,3 para 42,6, aumento de 83,1%
Receita líquida passou de 279,3 para 321,0 aumento de 14,9%
Lucro líquido passou de 41 para 64,3 milhões, aumento de 56,8%
Margens - % 1T08 1T09 Var.(bps)
Bruta 35,4% 40,5% 510
EBIT 6,1% 11,3% 520
EBITDA 8,3% 13,3% 500
Líquida 14,7% 20,0% 530
O caixa líquido em 31/03/09 totalizou R$733,0 milhões, 27,3% acima dos R$575,8 milhões de 31/12/08.


Além disso a empresa anunciou mudança na política de dividendos, que passarão a ser distribuídos trimestralmente, último dia com 21 de maio, 0,25 por ação, referentes ao 1° tri.

\
3762 - danieljoseaa - 07/Abr/2009 18:13
Comunicado da Grendene:
Aviso aos Acionistas
Distribuição de Dividendos
"Comunicamos aos acionistas que em Assembléia Geral Ordinária , desta Companhia, realizada em 06 de abril de 2009, foi ratificada a aprovação da distribuição do saldo de dividendos do exercício findo em 31 de dezembro de 2008, no montante de R$ 44.000.000,00 (quarenta e quatro milhões). Os dividendos serão pagos a partir do dia 23 de abril de 2009, sem remuneração ou atualização monetária e não haverá retenção de Imposto de Re nda."
"Farão jus ao saldo dos dividendos a pagar relativos ao exercício de 2008, os acionistas inscritos nos registros da Companhia em 08 de abril de 2009. As ações da Companhia ficarão ex-dividendos a contar de 09 de abril de 2009. Os acionistas detentores de ações ordinárias nesta data receberão o dividendo de R$ 0,44 por ação."


"Esta distribuição de dividendos, somada ao montante de R$ 65.000.000,00 (sessenta e cinco milhões de reais), pagos como antecipação em 2008, totaliza uma distribuição de R$109.000.000,00 (cento e nove milhões), relativos ao exercício social de 2008."



2543 - eurico22 - 16/Mar/2009 23:38
"O setor se beneficia do dólar a um preço mais alto, como na indústria textil, ou as empresas não sofrem muita concorrência dos produtos importados?"


2541 - paulorizzi - 16/Mar/2009 22:27
"GRND3: P/L = 4,96; P/VPA = 0,96; PSR = 0,91; DY2008 = 9,05%; EV/EBITDA = 3,36; ROE = 19,31%; Dívida/Pat Líq = 17,8%; Liq Corr = 6,74; P/(CAP GIRO/Ação) = 0,97"
"O subsídio representou 48,5% do Lucro Líquido de 2008; R$ 0,44/ação ainda a distribuir relativo a 2008 (data ""ex"" em 09ABR)"


Os incentivos fiscais que recebe são de longo prazo.


2218 - small caps - 08/Mar/2009 20:21
É isso mesmo Eurico.
O balanço anual foi o único que a empresa apresentou adaptado à mudança legislativa. Os trimestre anteriores permaneceram sem reapresentação.
"Assim, aparece esta diferença significativa no lucro líquido."
"De qualquer sorte, mesmo com os dados anteriores, eu já investia na companhia como opção defensiva para este momento de crise, uma que possui metade o valor de mercado em caixa líquido e pagava próximo de 10% de DY."
"Com o novo balanço, aumentei os aportes no investimento em ações da Grendene."
"A empresa também pode sofrer com a diminuição do consumo no país e no exterior, mas tem um caixa relevante que lhe permite passar por uma recessão bastante severa, o que não é a característica de todas as companhias listadas na bolsa."
"Pelo lado bom, o novo patamar de câmbio já trouxe benefício nas margens da exportação no quarto trimestre do ano passado."


"Por fim, é importante considerar a sazionalidade dos resultados da empresa. Como é do setor de consumo, o último semestre tem significativamente mais produção (e lucros também) que o primeiro, em razão do efeito calendário, especialmente na época de natal."


2214 - small caps - 08/Mar/2009 19:40
"O incentivo relativo ao ICMS, que é a maior parcela, vai até 2019 a 2024, se não me engano."
"O incentivo relativo à exportação vai de 2014 a 2017, também se não me engano. Estas informações estão nas notas explicativas do balanço da Grendene..."
Temos bastante tempo pela frente :)


2212 - eurico22 - 08/Mar/2009 17:01
"Pessoal: em relação à Grendene, reparei que os bons resultados são sustentados em grande parte por incentivos fiscais. Praticamente metade do lucro, principalmente em relação ao ICMS."
"Sem os incentivos, o ROE cairia muito, ficando na casa dos 13%."
É garantido que os incentivos irão continuar? Por quanto tempo?


2202 - danieljoseaa - 07/Mar/2009 18:33
"citação: danieljoseaaSmall, Paulo, amigos,"
"Alguém sabe me informar qual foi o Payout da Grendene nos últimos 3 anos, incluindo 2008."
"Em seu estatuto social consta a distribuição básica de 25%(menos reserva legal), porém pelo DY creio que a distribuição tenha sido maior que 25%."
"Se alguém puder ajudar, agradeço."
Abraço.
"Deixa pessoal, acabei de achar no balancete o Payout, que repasso agora para quem tiver interesse:"
"2004---- 31,8%"
"2005---- 41,6%"
"2006---- 50,1%"
"2007---- 45,1%"
"2008---- 44,8%"
Deixa eu dar uma viajada aqui:
"Vamos supor que ela repita o lucro do 4°tri nos próximos 4 trimestres--170x4= 680 milhões, dividido por seu número de ações(100 milhões), teríamos um lucro por ação em 2009 de 6,80 e vamos supor que repita o atual payout de 44,8%, teríamos uma distribuição de +ou - 3 reais por ação o que na atual cotação(11,59) daria um DY por volta de 25%."
"Nada mal, creio eu, lembrando que são suposições baseadas no atual lucro apresentado, ou seja, nada impossível de acontecer."


"OBS: Estou tirando o valor de 170milhões de lucro no 4°tri do site Fundamentus, porém no balanço da grendene o que achei foi um lucro líquido de 84milhões, se alguém puder confirmar seria bom, se o lucro real for de 84 milhões é só botar esses números da conta acima todos pela metade incluindo o lucro por ação e o DY projetado."


2178 - paulorizzi - 07/Mar/2009 08:59
"GRND3: mesmo após a valorização de hoje, é valorização certa no médio prazo. O valor de mercado da empresa é menor do que o seu capital de giro. No mercado externo, a redução na venda unitária está sendo mais do que compensada com o aumento dos R$/unidade devido à desvalorização do real; se já o seu ótimo resultado foi obtido com um ROE médio de 19,3%, o ROE médio dos últimos 6 meses (quando se deu a desvalorização do real) é de 26,2%. Isto significa que conseguirá manter a sua margem de lucro mesmo com redução adicional do número de unidades vendidas. Não paga um DY como o BICB4, mas 9,4% certamente não é nada mau enquanto se espera o mercado acordar!"

2175 - small caps - 07/Mar/2009 01:58
"Perfeito Paulorizzi. Com a mudança da legislação, os benefícios fiscais passaram a ser apresentados na DRE e a impactar o lucro líquido. No caso da GRDN3 isto equivaleu a praticamente dobrar a lucratividade. E tem mais companhias em que isto deve acontecer. (imagino que a COCE5 seja uma delas. Com a CEPE5 também ocorreu)"
"Com este caixa enorme e o preço abaixo do ativo circulante líquido, a mísera diferença no DY em relação aos 10% fica descartado, até porque o novo câmbio certamente vai ajudar a companhia a elevar as margens."

Isto já ficou evidente no relatório anual quando trata dos preços médios em Reais dos calçados exportados.


2165 - small caps -  07/Mar/2009 01:21
"herdsman, todo o segmento está com a luz amarela piscando para mim. Atualmente, tem companhias que pagam 10% ou mais de dividendos ao ano, tem grande quantidade de capital em caixa e custam abaixo do ativo circulante líquido. A estas tenho dado

preferência e às elétricas, bancos médios e telefonia. 50% da minha carteira até o final do ano terá DY recorrente superior a 10%. É minha meta atual."
Qualquer nova compra eu aguardaria o balanço. Semana que vem tem várias do segmento divulgando o seu.

"Na quinta a noite, o balanço da GRDN3 mostra que isto é válido. A companhia veio com o excelente lucro e foi possível comprar as ações com uma pequena alta de 2 - 3%. Insignificante se comparado ao potencial prejuízo de comprar uma empresa que venha com uma jogada contábil desprezível."


2129 - paulorizzi - 05/Mar/2009 22:35
paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007
"Crise? Ao que parece, não ainda para a Grendene (GRND3)."
"O 4T08 foi o melhor do ano. Os percentuais entre parênteses são relativos ao 3T08: Receita Bruta (+9%); Receita Líquida (+11%); Lucro Bruto (+8%); Déficit Financeiro (-59%); Resultado Operacional (+12%); EBITDA (+13,5%), Resultado Líquido (+12%)."
"Nas regras contábeis antigas, o resultado líquido do ano teria sido 5,5% maior."
"Os novos múltiplos são: P/L = 4,61; P/VPA = 0,89; PSR = 0,85; DY = 9,7%; EV/EBITDA = 2,91; Dívida Bruta / Pat Líq. = 17,8%; ROE = 19,3%; Liquidez Corrente = 6,74; P/(CAP GIRO/Ação) = 0,90."
Destaques: ROE superior 25% nos dois últimos trimestres; valor de mercado é somente 90% do capital de giro (ativo circulante - passivo circulante); bons dividendos (quase satisfazendo o critério do Small > 10%)
"Serão distribuidos ainda dividendos de R$ 0,44/ação possuída em 08ABR2009."

486 - small caps - 03/Dez/2008 01:16 
"(473) osnofa, GRND3 torna-se uma ação que passa a ser interessante nos preços atuais e no cenário que vivemos. Tem uma bela posição em caixa e a subida do dólar beneficia a empresa, dificultando a concorrência dos importados e favorecendo a receita das exportações (não sei qual o percentual que exporta para dizer a intensidade). Paga bons dividendos. Mas também foi vítima do efeito manada que tem levado aos preços ao chão."

Nenhum comentário: