Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 11 de outubro de 2009

IGB (IGBR)


Recomendações

Em Recuperacao Judicial

apolo20 (2013) - bibico (2013) - ecostaoli (2013) - robertoha (2013) - vlamirmsilva (2013)
Carteiras
polycrav (mar/13)
Balanços

Características
Eletroeletrônica
Links
        

342240  - Obrigado Ze natal  -  21 Set 2017, 16:59
gradiente andamento de processo? IGBR3 que vai nos 10 se for vdd!
ps: retirado de outro fórum

Enquanto isso, aguardamos movimentação no processo da marca Iphone...
ÚLTIMA FASE:17/08/2017 (15:43) CONCLUSOS PARA DECISÃO AO(À) MINISTRO(A) LUIS FELIPE SALOMÃO (RELATOR) - PELA SJD

Entre no link abaixo e click em consultar, daí aparece a movimentação, ok
https://ww2.stj.jus.br/processo/pesquisa/?tipoPesquisa=tipoPesquisaNumeroRegistro&termo=201701994288&totalRegistrosPorPagina=40&aplicacao=processos.ea

161065 qui_mico -  19 Dez 2012, 16:27
Gradiente vendeu a marca PlayStation para Sony no Brasil em 2002

SÃO PAULO - A disputa com a Apple em torno do nome iPhone não foi a primeira encabeçada pela Gradiente com uma multinacional, envolvendo uma marca famosa.

Em 2002, a empresa fundada por Eugenio Staub entrou em negociação com a Sony para vender a marca PlayStation, nome do console de videogame lançado pela multinacional japonesa em 1994. O valor da venda não foi divulgado.

Conforme informou o Valor em reportagem de 25 de novembro de 2002, a Gradiente comprou a marca PlayStation de duas empresas pernambucanas, Lismar e Ipertronic, em 1999, que atuavam em fliperama e diversões eletrônicas. As empresas tinham feito o registro da marca no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi) em 1993, antes, portanto, do lançamento do console da Sony.

Na época, a Gradiente informou que o objetivo de comprar a marca era usá-la em um computador multimídia com o nome Waps - Work and Play Station.

Hoje, a Gradiente divulgou o lançamento do seu “iPhone”, marca que registrou no Inpi em 2000 e da qual obteve a licença em 2008. A Apple só tentou registrar a marca iPhone no país em 2006, dois anos antes do lançamento do aparelho no Brasil.

Segundo o Inpi, diferenças da grafia na apresentação da marca não contam para permitir mais de um registro do mesmo nome. Ou seja: o iPhone da Apple é registrado em letras maiúscula e minúscula, enquanto que o da Gradiente é escrito apenas em letra minúscula. “Se o texto é o mesmo, não pode haver novo registro”, afirma Sílvia Rodrigues, coordenadora geral de marcas do Inpi.

(Daniele Madureira | Valor)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/empresas/2945136/gradiente-vendeu-marca-playstation-para-sony-no-brasil-em-2002#ixzz2FW2be2Ox

157495 - apolo20 -  18 Nov 2012, 22:27
"Partindo do pressuposto que a empresa siga um caminho sustentável , que é o que está acontecendo, a CBTD pagará TODAS as dividas da IGBR no prazo máximo de 10 anos (Contrato de arrendamento da marca).

A HAG será uma empresa enxuta , com poucos funcionários, que caberá administrar os ativos da empresa ou seja:

* Arredamento da marca Gradiente
* Valores Recebidos da Suframa
* Alugueis dos imoveis pertencentes a empresa
* Receita dos 40% da CBTD
* Valores auferidos com a "venda" dos créditos tributários.

Quanto ao passivo, caberá administrar os pagamentos da REJ e do REFIS, que já estão negociados e o dinheiro virá do arrendamento da marca para a CBTD.

Ou seja, uma empresa limpa, com dividas equacionadas, patrimônio Liquido Positivo, e administradora de bens....

entenderam a diferença entre a HAG e a CBTD

"DRUCOS"

157494 - apolo20 -  18 Nov 2012, 21:58
Algumas observações que considero importantes a respeito do Case IGBR3

Arrendamento de Ativos

A partir de 01/07/11 passou a vigorar o Contrato de Arrendamento de Ativos / Opções que a companhia celebrou com a CBTD – Companhia Brasileira de Tecnologia Digital.

Através de tal contrato, a companhia realizará entre julho de 2013 e março de 2020 um resultado de R$ 439,6 milhões, que se destinará a quitar os passivos com Credores (nota 10) nos mesmos prazos, vencimentos e indexação.

Os Passivos estão incluídos no Plano de Recuperação Extrajudicial homologado em maio de 2010 e posteriormente aditivado.

O arrendamento refere-se a bens de propriedade intelectual (75% do valor) e parte do ativo imobilizado da empresa (25% do valor).

A IGB arrendou cerca de 12% dos imóveis. Conseqüentemente não estão incluídos no
arrendamento 88% dos imóveis (terrenos e edificações) e ferramental da IGB.

Os recursos provenientes deste arrendamento quitarão diretamente o valor de R$ 439,6 milhões contabilizado na conta credores no passivo (exigível de
curto e longo prazo) da Companhia

Durante o ano de 2011, mais especificamente em 30.6.2011, foi proferida decisão pelo Supremo Tribunal Federal ("STF") negando provimento, por unanimidade de votos, ao Recurso Extraordinário n. 556854 interposto pela Superintendência da Zona Franca de Manaus –SUFRAMA, relativamente a Ação Ordinária de Repetição de Indébito n. 2001.32.00.000903-7 interposta pela IGB objetivando fosse reconhecido o direito à repetição dos valores indevidamente por ela recolhidos a título de taxa (Taxa SUFRAMA) no período de 5.6.1991 a 14.12.1999.

Em 11.11.2011, verificou-se o trânsito em julgado da mencionada decisão.

O processo foi recentemente remetido ao Superior Tribunal de Justiça para julgamento do prazo decadencial, após o que se dará início ao processo de execução de sentença, ocasião em que será apurado o valor do precatório ao qual a IGB faz jus, cumprindo o requerido valor estimado por possível ganho apurou-se o valor devido a receber de R$ 339.266.395,47.

Obedecendo o princípio do conservadorismo,foi efetuado a provisão para contingências no montante R$ 113 milhões.

Em 31 de dezembro de 2011, a Companhia e suas controladas possuíam processos de natureza tributária e trabalhista, decorrentes do curso normal de seus negócios. As respectivas provisões para contingências foram constituídas para processos, cuja possibilidade de perda foi avaliada como provável, com base na estimativa feita pelos assessores jurídicos externos da Companhia.
Dessa forma, constituiu provisão para perdas em valores considerados suficientes para cobrir eventuais desfechos desfavoráveis.

Redução das despesas financeira de R$ 87 milhões P/ 31 milhões

REFIS:

A Sociedade optou por aderir ao Programa de Parcelamento de Débitos Federais, intitulado REFIS IV, definido pela Lei nº 11.941/09, tendo em vista as condições favoráveis deste.

A adesão foi efetuada tanto para débitos que se encontravam parcelados em programas anteriores, bem como para novos débitos, no dia 13 de agosto de 2010.

A adesão abrangeu as contribuições previdenciárias, débitos juntos a Receita Federal e Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

O parcelamento foi realizado em 180 meses, com redução de 60% nas multas de mora, 25% nos juros e 100% nos encargos legais.

Em junho de 2011 a Receita Federal do Brasil efetuou a consolidação parcial dos débitos apontados pela Companhia, a parcela não consolidada é objeto de pedido administrativo.

Atualmente a Companhia cumpre com o pagamento das parcelas do REFIS já consolidada e aguarda a consolidação da parcela restante.

Complementando:

"REALIDADE DE HOJE: Uma empresa com PL POSITIVO, com as dividas equacionadas, com a marca GRADIENTE arrendada por uma valor excelente (pagamento da divida), com patrimônio imobiliário de cerca de R$100 milhões e com direito a 40% do lucro da CBTD."

Drivers de Curto Prazo:

"O QUE FALTA AGORA: Está na “boca do forno” a aprovação da CVM para empresa de capital aberto, ai teremos a tão sonhada OPA, com o split de 10X, o laudo do valor da HAG pela metodologia de fluxo de caixa descontado e finalmente a MIGRAÇÃO!"

157435 - apolo20 -  17 Nov 2012, 14:20
Poly,reforça a jaula pois parece que o "GORILÃO" quer escapar...fala sério seu mico leão dourado......hahaha.

"Resultado do 3º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 268,9 M no 3° trimestre de 2012, aumento de 1.740,8% em relação ao 2° trimestre de 2012. No mesmo período do ano passado, o resultado havia sido negativo em R$ 17,0 M. A receita líquida totalizou R$ 5,5 M no terceiro trimestre de 2012. No 2° trimestre de 2012 a receita líquida foi de R$ 2,6 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 89,2% contra 82,5% no 2T12. Já a margem líquida ficou em 4.871,1% no terceiro trimestre de 2012 contra 553,6% no trimestre ligeiramente anterior.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 1,2 B, acréscimo de 194,3% em relação ao saldo no 3T11. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 43,7 M no 3° trimestre de 2012.

Ao longo do trimestre, a ação oscilou 4,8% contra 8,9% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 112,4 M contra R$ 143,4 M no 3° trimestre de 2011."

152539 - aprendiz quebrado do professor -  17 Out 2012, 22:59
Ferrou
Ações da Gradiente despencam após possível abertura de capital da Hag
Papéis engatam forte oscilação nos últimos dias, diante de possível OPA de permuta dos ativos da companhia

Por Paula Barra

SÃO PAULO - Após cinco pregões consecutivos de alta, as ações da IGB Eletrônica (IGBR3), controladora da marca Gradiente, despencaram na sessão desta quarta-feira (16), enquanto o Ibovespa consolidou sua quarta alta consecutiva.
O movimento dos papéis veio após a Hag entrar com pedido de companhia aberta na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), holding de acionistas da Gradiente. Em reflexo, os papéis da companhia, que terminaram o dia com queda de 7,08%, a mínima do dia, aos R$ 10,50, enquanto o Ibovespa seguiu caminho oposto e terminou em alta de 0,56% aos 60.087 pontos

A marca Gradiente pertencia a IGB Eletrônica, que arrendou a marca para a CBTD (Companhia Brasileira de Tecnologia Digital) em 2011 para levantar recursos e pagar credores em seu programa de reestruturação. Essa substituição fazia parte do plano de recuperação extrajudicial da IGB, que deveria quitar seus débitos de longo prazo em R$ 91,2 milhões através do quarto Refis da Fazenda, bem como R$ 389,6 milhões de passivo em geral, e mais R$ 235 milhões em julgamento pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).
Com o projeto arquitetado, a Gradiente conseguiu voltar às prateleiras do varejo brasileiro já no segundo trimestre do ano. Atualmente, a CBTD tem o controle dividido, sendo 60% pertencente ao FIP (Fundo de Investimento em Participações) Enseada, que tem como cotistas os fundos de pensão Petros e Funcef, a AFEAM (Agência de Fomento do Estado do Amazonas) e a Jabil do Brasil. Os demais 40% pertencem à holding Hag, criada para abrigar os dois mil acionistas da IGB Eletrônica.
Na época da reestruturação, a companhia já apontava que a Hag faria uma oferta no Novo Mercado do BM&FBovespa para que os detentores dos papéis da IGB os trocassem por dez vezes mais ativos da nova empresa, um processo que pode estar engatando a forte oscilação dos papéis nos últimos dias.

151933 - aprendiz quebrado do professor -  13 Out 2012, 13:08
Gradiente lança fone de ouvido nostálgico
Companhia está lançando uma nova linha de produtos inspirado na aparência do antigo gravador “Meu Primeiro Gradiente”

Augusto Garcia, de info

São Paulo - A Gradiente está lançando uma nova linha de produtos inspirado na aparência do antigo gravador “Meu Primeiro Gradiente”. Além de câmera digital, tablet e DVD Player voltado ao público infantil, a empresa também lançou um fone de ouvido com a mesma cara do nostálgico aparelho. O fone é colorido – possui base vermelha, detalhes em amarelo e parte interior dos fones em azul.

O fone de ouvido “Meu Primeiro Gradiente” custa 100 reais e permite controlar o limite de decibéis recomendado para a idade do usuário. Os três cabos – vermelho, azul e amarelo – possuem limitador de volume. O vermelho foi desenvolvido para limitar 65 decibéis, recomendado para crianças de 3 a 5 anos. Já o cabo azul permite 75 decibéis, para usuários entre 6 e 14 anos e o cabo amarelo é desbloqueado e aconselhado para os mais velhos.

Além disso, o equipamento conta com um microfone removível e adaptador em Y, para entradas de microfone e fone de ouvido. O fone pesa 167 gramas e pode ser ajustado ao tamanho da cabeça do usuário. O fone não conta com regulador manual de volume.

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/gradiente-lanca-fone-de-ouvido-nostalgico

151918 - leitebiondi -  12 Out 2012, 18:24
Apolo, obrigado pela publicação do resumo e por compartilhar com outros colegas a oportunidade. O resumo, como vcs podem ver, é bem sincero. Escrevi para convidar amigos e familiares a investir na IGBR, portanto, fiz o possível para não fazer oba oba.

Seguem abaixo outros 2 pontos que um colega apontou, e que não estavam presentes nas minhas informações.

Um abraço e bom feriado, Biondi

4. Novos e interessantes catalisadores estão previstos para os próximos meses, com o lançamento de produtos de alta tecnologia agregada, como: lamp sound, home theather bar, monitores led com uma proposta excelente (42 e 55 polegadas), linkbox com marca nacional e novo karaokê, entre outros. A previsão é de que estejam no mercado até o final de 2012. E, em 2013, outros virão...

6. Importante destacar que a nova HAG poderá, sujeita à análise da CVM, entrar no NOVO MERCADO, proposta que também deverá ser encaminhada para apreciação ao longo de outubro.

151917 - apolo20 -  12 Out 2012, 16:49
Creio valer a pena uma análise do ativo
IGBR3
Ou melhor, segue abaixo, para o Apolo e para quem mais quiser aproveitar.

Prezado Apolo, respondo em atenção à sua mensagem solicitando mais informações sobre o momento atual da Gradiente. Aponto abaixo os bons motivos que vislumbro para investir no papel.

Claro que a decisão entre investir ou não é de cada pessoa - eu só estou compartilhando informações. De minha parte, estou arriscando razoavelmente nesse investimento, acreditando que vai valer a pena. Com o encadeamento dos itens citados abaixo, a ação da Gradiente deve subir bastante nas próximas semanas.

E tem um pulo do gato, que é a migração das ações da Gradiente para uma nova empresa, a HAG, que vai ser uma holding que controla a Gradiente e outras empresas (entre elas a CBTD, que é quem atualmente produz com a marca da Gradiente, arrendando-a). Eu pretendo migrar, pois acho que é onde vai se dar a verdadeira valorização. Mas quem quiser entrar na Gradiente para sair antes da migração, me parece uma alternativa muito boa também.

Enfim, seguem as infos. Se quiser conversar mais, conte comigo.
  
1. No final de setembro, a empresa ganhou de vez a causa da Suframa no STJ (mais infos abaixo, retiradas da coluna do Guilherme Barros na Istoé - http://www.istoedinheiro.com.br/blogs-e-colunas/coluna/18_GUILHERME+BARROS). Agora, a empresa vai executar a sentença do STJ na Justiça Federal do Amazonas. São 320 milhões de reais, aproximadamente! E a Gradiente deve colocar isso nas próximas informações trimestrais a serem publicadas até 15/11. Para isso acontecer, a diretoria da Gradiente ainda depende de um aval dos auditores, mas, em acontecendo, a empresa vai passar a ter patrimônio líquido positivo - sendo que hoje ele é negativo em cerca de 250 milhões de reais!

"Justiça
Bolada
O empresário Eugênio Staub, que acaba de relançar a Gradiente, ganhou no STF uma bolada contra a União numa briga com a Suframa (Zona Franca). O STJ, para onde a ação foi encaminhada para que fosse fixado o valor da ação, determinou em R$ 320 milhões o montante a ser pago a Staub."

2. A empresa voltou ao mercado, via CBTD (Companhia Brasileira de Tecnologia Digital). Está com campanha na Globo (horário nobre: Avenida Brasil, Jornal Nacional, entre outros) mostrando a ligação entre o Meu Primeiro Gradiente lá de trás e o Tablet Meu Primeiro Gradiente em 2012, aposta para o Dia Das Crianças ao lado de outros produtos (como uma câmera digital, fones de ouvido e dvd portátil para levar no carro). Se quiser assistir ao vídeo na íntegra, está no Youtube, com quase 65 mil views: http://www.youtube.com/watch?v=rmd41237JZc

3. As parcerias para produção estão fortes, com ligações com a Jabil e a Qualcomm, gigantes do mundo tecnológico atual.

4. Desde o começo do ano, os acionistas da Gradiente acompanham a possibilidade de migrar para a Holding dos Acionistas da Gradiente (HAG) que vai reunir os direitos dos sócios sobre a Gradiente e sobre a CBTD - além de outras empresas no futuro. A CBTD conta com a Jabil, Agência de Fomento do Amazonas, Petros e Funcef (fundos dos funcionários da Petrobras e Caixa) que possuem 60% das ações da empresa (a serem convertidas, hoje na verdade correspondem somente a debêntures), sendo que a HAG ficará com os outros 40% (55% do Staub e demais controladores e 45% dos minoritários). E essa migração deve ser iniciada AGORA, NO DECORRER DE OUTUBRO, segundo o Staub. Ele já furou com datas antes, mas estou acreditando que dessa vez sai, sim.

5. Em tudo isso, há todo um componente político, que passa por quem são os sócios da CBTD, pelo trâmite recorde no STF e no STJ do caso contra a Suframa e pela necessidade de o Brasil desenvolver sua indústria de tecnologia - algo acentuado agora pela compra da CCE pela chinesa Lenovo.

6. Por fim, a ação está subindo há vários pregões (saindo de 7,95 para 10,36) e agora está começando a chamar a atenção de novos investidores. Em parte, devido à expectativa de que a migração finalmente saia, mas em boa parte também pelo fato de a volta da empresa ser cada vez mais uma realidade. Em março, a ação estava na casa dos 13 reais para vc ter uma idéia. E os atrasos do Staub trouxeram o papel para essa cotação atual - que, tudo indica, chegou ao fundo, e agora tende a ir se recuperando.

34297 - small caps - 03/Mai/2010 23:45
citação: riadorracitação: riadorraAlguem deste forum esta comprado na gradiente ou de olho nela?Small, prof vocês tem algo a comentar sobre este ativo??obrigadopor favor, algem pode opinar? o que acham do processo de Rec Extra Jud.? Vai rolar, nao vai ...riadorra, fui entrevistado sobre o ativo pela InvestMais. Se não me engano a reportagem foi publicada na edição de abril.
Segue a íntegra da minha entrevista:
Comentários de Anderson Lueders.
Como você avalia a empresa?
A Gradiente enfrenta uma grave crise que praticamente paralisou suas atividades. A receita, que era superior a casa do bilhão de Reais, despencou para valores insignificantes nos últimos 2 anos. O setor de atuação não tem um bom histórico de competitividade no Brasil, especialmente após a abertura ao mercado exterior. Os produtos concorrentes chegaram com produtos de boa qualidade com preços muito competitivos.
Acredita de fato na recuperação da Gradiente?
Acreditar na recuperação da empresa sem qualquer balanço que comprove isto, sem um histórico que sinalize nesta direção é assumir um risco extremamente elevado. Particularmente, quando vejo o seu atual balanço, a decadência operacional, a paralisação quase que total, o volume das dívidas, prefiro esperar para ver do lado de fora.
Imagina que a empresa possa voltar a ativa ainda esse ano?
No mercado muitas coisas improváveis podem acontecer. Uma delas é toda a discussão que há em torno da volta da Telebrás. Havia/há algo mais improvável? Não obstante, este exercício de futurologia certamente não é o principal ingrediente para que o investidor venha a ser bem sucedido no longo prazo.
Como avalia as oscilações das ações nos últimos tempos?
Altamente especulativas. Não restam dúvidas de que a companhia tenta sobreviver com novos acordos, renegociações de dívidas, injeção de capital, etc... Isto desencadeou um movimento de esperança representado pelas altas das ações. Mas assim como “dispara”, também pode “despencar”, a cada notícia que tende a um dos lados da moeda.
Acredita num forte potencial de alta ou ela já rendeu o que poderia?
No curto prazo, já dizia Benjamin Graham, o mercado é uma urna de votos. No longo prazo, uma balança. Existem no mercado empresas sem qualquer atividade operacional que chegaram a valores de mercado absurdos. Mas não resistiram às evidências dos resultados empresariais. São eles que determinarão o futuro das cotações. Então, se de fato a companhia voltar a apresentar ao menos lucros operacionais, poderá render muito mais. A questão é saber quando e até que ponto é possível que o lucro volte a se tornar uma realidade para ao menos pagar os juros do passivo financeiro.
Quais as vantagens e desvantagens de apostar no que o mercado considera um mico?
É apostar no aleatório, num fato muito improvável, para se ganhar muito dinheiro de uma só vez. Alguns ganham. Muitos perdem anos, décadas de economia. Mas, assim como num bingo, neste caso também só fica “alardeando” os acertos quem ganhou. Quem perdeu, se encolhe num canto e nem gosta de falar no assunto. Assim como existem milhões de brasileiros que semanalmente investem nos jogos de Loteria, é normal que muitos que tenham esta preferência façam disto sua forma de atuação no mercado de ações.
A Gradiente, em sua opinião, é de fato um mico?
Não há qualquer balanço, desempenho empresarial recente que mostre que hoje a companhia não seja um mico. A empresa tem patrimônio líquido negativo de R$ 483 milhões, conforme balanço dos primeiros noves meses de 2009. Se para uma empresa com boa situação patrimonial é difícil apresentar bons lucros no setor de atuação, que dirá uma empresa que carrega um patrimônio líquido negativo desta magnitude.

24838 - MEDRADO2 - 09/Jan/2010 12:07
Gradiente vai propor em AGE 25/01 alterar nome para IGB Eletrônica
08/01 - 10:02 - Agência Estado
Gradiente convoca seus acionistas para assembleia geral ordinária e extraordinária no próximo dia 25 de janeiro para aprovar o acordo de recuperação extrajudicial e alterar a denominação social da Gradiente Eletrônica S.A.
para IGB Eletrônica.
A assembleia também irá examinar demonstrações financeiras, eleger membros para o conselho de administração e aprovar a cessão de ativos para a Compania Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD), conforme o plano de recuperação. A CBTD, empresa arrendatária, tem previsão de começar a operar no segundo trimestre deste ano, como informado pela Gradiente em dezembro. Os recursos obtidos com o arrendamento dos ativos, que inclui opção de compra, serão utilizados para pagamento dos credores.

23587 - paulo_prof - 11/Dez/2009 11:19
Sinceramente ... no longo prazo não acedito nos Staub. Conseguiram afundar uma empresa que operava num ambiente muito menos competitivo do atual. Tenho lá as minhas dúvidas se a Gradiente vai vender simplesmente pela marca. Durante um período, pode até ser. Depois, a competição forçará o produto Gradiente ser de 2a., 3a. linha e aí a marca estará perto do fim. Sem dúvida, todo este esforço possivelmente colocará vários milhões nos bolsos dos Staub. Desta vez acho que eles têm um plano para não ficar com as calças nas mãos quando a empresa afundar pela 2a. vez.
Evidentemente, haverá uma oportunidade para surfar o ativo antes dos mais desavisados ficarem com o mico nas mãos. Aliás, no mercado há gente mais do que suficiente que é atraída por micos. Basta desdobrar o número de ações de modo que o preço unitário fique na casa dos centavos, como um TOYB3 da vida.

23583 - robertoha- 11/Dez/2009 10:34
Bom dia Prof. Paulo, não seria este o verdadeiro turn around??????empresa hoje vale menos de 30 milhões na bolsa e voltará a operar em 4 meses...você teria uma estimativa de qual deveria ser o valor de mercado dela após a retomada da produção???
/12) GRADIENTE (IGBR) - Esclarecimentos (Reapresentacao) – Reabertura dos Negocios
DRI: Richard Jesse Staub
A BM&FBOVESPA efetuou a seguinte consulta a empresa:
Em noticia veiculada no jornal Valor Economico, edicao de 09/12/2009, consta, entre outras informacoes, que a Gradiente: tem uma divida fiscal de R$ 148 milhoes e, com a negociacao de multas por atraso e amortizacoes, a divida fiscal devera ficar em R$ 90 milhoes, com prazo de 15
anos para ser quitada; preve um aporte de R$ 130 milhoes por parte de novos investidores em uma nova empresa, a Companhia de Tecnologia Digital (CBTD) e utilizara a marca Gradiente para retomar a producao de televisores de LCD e estrear a producao de notebooks; fechara acordos com novos parceiros nos proximos dias com o objetivo de iniciar a producao dos equipamentos no segundo trimestre de 2010; vai continuar operando regularmente na bolsa e o acionista, se quiser, tambem tera a opcao de se tornar socio da CBTD.
Solicitamos esclarecimentos sobre o teor da referida noticia, detalhando quanto a opcao do acionista da Gradiente se tornar socio da CBTD, bem como outras informacoes consideradas importantes.
Solicitamos, ainda, informar quando o Plano de Recuperacao Extrajudicial dessa companhia for homologado.
Em atencao a nossa consulta, empresa enviou o seguinte comunicado:
GRADIENTE ELETRONICA S.A. (“Gradiente” ou “Companhia”), sociedade anonima de capital aberto, com sede social na Cidade de Manaus, Estado do Amazonas, na Av. Javari, n . 1.155, CEP 69075-110, e escritorios centrais e administracao localizados na Av. Chedid Jafet, n . 222, Bloco A, na Cidade de Sao Paulo, Estado de Sao Paulo, cujas acoes ordinarias encontram-se admitidas a negociacao na BM&FBOVESPA S.A. – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (“Bovespa”) sob o codigo IGBR3, informa que, em atendimento a consulta formulada pela Bovespa (GAE/CAEM 2612-09) a Companhia acerca da opcao dos acionistas da Gradiente se tornarem acionistas da CBTD – Cia. Brasileira de Tecnologia Digital (“CBTD”) e da homologacao do Plano de Recuperacao Extrajudicial da Gradiente, vem prestar os seguintes esclarecimentos adicionais a respeito do Fato Relevante divulgado ontem (9 de dezembro de 2009) sobre o processo de reestruturacao da Companhia (“Fato Relevante”):
Divida Fiscal
As obrigacoes fiscais consolidadas da Gradiente atualmente sao de R$ 148,28 Milhoes (segundo dados da contabilidade da Companhia). A Gradiente aderiu ao Programa de Parcelamento de Debitos da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e Secretaria da Receita Federal, instituido pela Lei n 11.941/09 (que vem sendo designado no mercado como “REFIS IV”). A Companhia aguarda atualmente a intimacao do Fisco Federal para a fase de consolidacao dos debitos e posterior formalizacao do parcelamento.
Aporte de Capital na Companhia Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD)
As negociacoes com Potenciais Investidores preveem um aporte na CBTD de R$ 68,0 milhoes. A Formalizacao do interesse dos Potenciais Investidores devera ocorrer ate o final de ano de 2009. Como ja informado, as negociacoes se encontram em estagio avancado, porem ainda nao foram concluidas. Tao logo o acordo com Potenciais Investidores seja firmado, divulgaremos informacoes adicionais ao mercado.
Acordos com novos Parceiros Tecnologicos
A Companhia concluira a formalizacao de acordos tecnologicos confidenciais para a viabilizacao de seu plano de negocios e inicio de suas atividades no segundo trimestre de 2010.
Informacoes sobre a Participacao dos Acionistas da Gradiente na CBTD Conforme mencionado no Fato Relevante, entre outras iniciativas, a Companhia pretende arrendar parte de seus ativos, incluindo a marca “Gradiente”, a CBTD, que devera receber investimentos de potenciais novos investidores (“Potenciais Investidores”), em termos e condicoes que se encontram em fase adiantada de negociacao.
Nao obstante a projetada capitalizacao a ser realizada pelos Potenciais Investidores, pretende-se assegurar aos acionistas da Gradiente (minoritarios e majoritarios, com tratamento equitativo) igualdade de oportunidade para participar da base acionaria da CBTD, sem prejuizo das suas respectivas participacoes na Gradiente, ou seja, nao se estuda a migracao de acionistas, mas
a garantia da oportunidade de, adicionalmente a participacao na Gradiente, adquirir participacao na CBTD. A esse respeito, cumpre esclarecer que a Gradiente nao sera acionista da CBTD.
Os termos e condicoes que vem sendo negociados com os Potenciais Investidores incluem a abertura de capital da CBTD e sua listagem na Bovespa. Nao e possivel, no entanto, estimar quando tais eventos ocorrerao. Os percentuais de participacao acionaria dos acionistas da Gradiente (“Participacao Atribuida aos Acionistas da Gradiente”) e dos Potenciais Investidores na CBTD ainda nao estao definidos. De acordo com os termos e condicoes que estao sendo negociados com os Potenciais Investidores, os acionistas da Gradiente deverao receber, gratuitamente, bonus de subscricao emitidos pela CBTD, que lhes conferirao o direito de subscrever acoes da CBTD por um valor simbolico.
A Participacao Atribuida aos Acionistas da Gradiente sera dividida entre eles de forma proporcional as suas respectivas participacoes acionarias na Gradiente, de forma que cada acionista da Gradiente tera, por meio do bonus de subscricao, o direito de subscrever quantas acoes da CBTD forem necessarias para se tornar titular de uma Participacao Atribuida aos Acionistas da Gradiente proporcional a sua participacao no capital social da Gradiente (ajustada para acomodar a participacao a ser adquirida pelos Potenciais Investidores). Tal procedimento visa assegurar aos acionistas da Gradiente uma participacao na base acionaria da CBTD sem onus (mediante a subscricao de acoes da CBTD por um valor simbolico) e sem prejuizo de suas respectivas participacoes acionarias na Gradiente.
Contudo, a implementacao do procedimento acima descrito, por meio do qual se busca permitir a participacao dos acionistas da Gradiente na base acionaria da CBTD, pode estar sujeita a previa aprovacao e/ou registro junto a Comissao de Valores Mobiliarios (“CVM”). Por essa razao (e tambem em razao das negociacoes ainda em curso com os Potenciais Investidores) nao e possivel prever, na
presente data, um prazo para a conclusao deste processo e tampouco fornecer maiores detalhes sobre como o mesmo sera efetivamente implementado. A Companhia informa que oportunamente divulgara mais informacoes a respeito do bonus de subscricao, se e quando vierem a ser emitidos ou mesmo se nao vierem a ser emitidos. A companhia esclarece, ainda, que a emissao dos bonus na forma mencionada neste comunicado esta condicionada a conclusao das negociacoes com os Potenciais
Investidores e ao atendimento de todas as exigencias legais e regulatorias aplicaveis.
Informacoes sobre o Processo de Homologacao do Plano de Recuperacao Extrajudicial
Conforme informado no Fato Relevante, o Pedido de Homologacao do Plano de Recuperacao Extrajudicial, nos termos do art. 163 da Lei 11.101/05, foi distribuido ontem, dia 9 de dezembro de 2009. Descrevemos abaixo as principais fases para que tal homologacao ocorra:
(i) o Juizo, apos exame da documentacao, considerando que o pedido esta devidamente instruido, determinara a publicacao de edital para que os credores, no prazo de 30 dias, apresentem impugnacoes que entenderem cabiveis;
(ii) no mesmo prazo, a Companhia devera enviar cartas aos credores informando sobre o pedido de recuperacao extrajudicial, as condicoes de pagamento previstas no plano e o prazo para impugnacoes;
(iii) nao havendo impugnacoes, findo o prazo de 30 dias da publicacao do edital, o Plano de Recuperacao Extrajudicial devera ser homologado pelo Juizo;
(iv) havendo impugnacoes, o Juizo determinara a manifestacao da Companhia, no prazo de cinco dias;
(v) com a manifestacao da Companhia, o Juizo, no mesmo prazo de cinco dias, devera decidir pela homologacao do plano ou pelo indeferimento do pedido. Oportuno e consignar que nao ha como fixar prazos para as etapas do processo que dependem de providencias do cartorio, decisoes judiciais e publicacao de edital. Observamos, ainda, que em razao das comemoracoes de final de ano (recesso
forense de 20 de dezembro de 2009 a 6 de janeiro de 2010) podera haver demanda de tempo maior.
Manaus, 10 de dezembro de 2009.
Nota: Ficam reabertos os negocios com as acoes de emissao dessa empresa a partir do pregao de 11/12/2009, sendo listados sob o titulo “Outros”. 

14298 - small caps - 12/Set/2009 13:33
citação: carvalho2009"Eugenio Staub buscou capital com investidores estrangeiros, com o BNDES e até parcelou impostos na Receita Federal. Desta forma, vai tentar voltar com a marca"ISTO É DINHEIRO DE HOJEhttp://www.terra.com.br/istoedinheiro/edicoes/623/artigo151578-3.htm
Será que depois de tanta cagada a marca vale alguma coisa ainda? Os milhares de clientes insatisfeitos vão "confiar mais uma vez"?. Gradiente só teve glória quando o mercado brasileiro era fechado e quando teve o negócio de celular com a Nokia, com a marca Strike. Depois que vendeu "a galinha dos ovos de ouro" foi prejuízo atrás de prejuízo.
Vários e vários projetos sem vingar. Dinheiro jogado fora e nem mesmo o BNDES parece querer enterrar mais dinheiro no saco sem fundo.
A verdade é que no segmento, com os asiáticos, não tem para ninguém.
Mas, devo confessar que este foi o maior ERRO de investimento que já fiz no mercado de ações. Cheguei a comprá-la na época que vendeu a participação com a Nokia e distribuiu 40% do valor da cotação em dividendos. Quem leu o livro deve ter osbservado que citei algo sobre isto... Depois disso foi só a "espera de dias melhores".
Um dia percebi que "os dias melhores" não vinham nunca e pulei fora do barco. Foi uma excelente decisão e a lição muito positiva.
Espero que também tenha casos como este.
Aprender tem seu preço e o problema é insistir no erro.
Agora, para quem gosta de uma mega-sena, pode ser um bom caminho...

7740 - mamutao - 25/Jun/2009 20:25
O retorno da Gradiente
Por Marcelo Onaga | 25/06/2009 - Revista EXAME (atual) - edição 946 ano 43 - 1/07/2009 - página 16.
O empresário Eugenio Staub, dono da marca Gradiente, está empenhado em promover a volta da empresa de eletroeletrônicos ao mercado. Staub já procurou as grandes redes de varejo e desenvolve uma linha de produtos que pretende lançar nos próximos meses. No portfólio estão televisores de LCD, computadores e DVDs. O empresário também trabalha em uma campanha para o ressurgimento da marca, fora das lojas e da mídia desde o ano passado. Para solucionar os problemas financeiros, Staub negocia o aporte de recursos por parte de fundos de pensão, do BNDES e de um parceiro americano. Procurado, ele não comenta o assunto.

6825 - paulorizzi - 06/Jun/2009 21:08
citação: carlosdanielqual a perspectiva pra IGBR3?? estava pensando em comprar
Só serve para especulação braba!
A Gradiente já era. Se o Staub conseguir que o BNDES enterre mais grana em seus projetos, será numa empresa zero km: CBTD. Por outro lado não acho que ele seja capaz de competir no mercado de hoje. Como nunca será capaz de ter volume para competir com as LGs, Philips, etc. terá que ter produtos diferenciados para um mercado de elite.

6340 - offtopic - 30/Mai/2009 20:27
Gradiente ensaia retorno ao mercado
Sábado, 30 de maio de 2009 16:27
Da redação
Envolvido em crises sucessivas nos últimos anos, o empresário Eugênio Staub, fundador da Gradiente, já caiu e levantou algumas vezes. Agora, em meio ao pior momento de sua história, Staub costura uma operação de salvamento com forte participação estatal. O plano é criar uma nova empresa, livre de dívidas, que teria os seguintes sócios: uma multinacional americana da área eletrônica chamada Jabil, a agência de fomento do governo do Amazonas, os fundos de pensão dos funcionários da Petrobrás (Petros)e da Caixa Econômica Federal (Funcef), além da própria família Staub.
Haveria ainda a participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, mas não como acionista da nova empresa. O BNDES emprestaria os recursos que a Gradiente precisa para acertar suas dívidas, de cerca de R$ 300 milhões, com bancos e fornecedores. A negociação é liderada por Staub e pelo Bradesco, um dos principais credores da empresa.
Símbolo da indústria eletrônica no passado, a Gradiente começou a perder o rumo nos anos 90, quando o País abriu suas fronteiras aos produtos importados. Como outras empresas nacionais, a Gradiente não resistiu à agressividade de novas marcas estrangeiras. Chegou a faturar mais de R$ 1 bilhão por ano. Hoje, duas de suas fábricas na Zona Franca de Manaus (AM) estão paradas e a terceira foi alugada à montadora de motocicletas Honda.
A operação de resgate já estaria quase toda combinada, mas sua concretização ainda depende de alguns acertos. O mais decisivo envolve os principais credores da Gradiente, que precisam aceitar um desconto significativo nas dívidas que têm a receber. Há cerca de um mês, Staub tinha conseguido 80% de adesão. De lá para cá, o processo não progrediu.
O empresário precisa da aceitação total dos credores para conseguir o financiamento do BNDES - e assim liquidar suas dívidas. Esse acerto, por sua vez, é condição essencial para a criação da nova empresa. Segundo o plano de negócios apresentado por Staub a parceiros, a nova empresa nasceria com um capital de R$ 150 milhões. Metade disso seria aportada pelos Staub, que entrariam com fábricas e equipamentos. A Jabil entraria com R$ 25 milhões, os fundos de pensão com R$ 17 milhões cada e a agência de fomento do Amazonas com o resto. (informações da Agência Estado)

838 - small caps - 10/Jan/2009 00:16
"(801) jackrds, IGBR3 também entra no cenário de empresa que depende de notícias para as cotações ""andarem"". Os preços também estão deprimidos, mas a empresa é um típico exemplo de sucessivos prejuízos. A melhor coisa que fez foi vender, em 2001, se não me engano, a galinha dos ovos de ouro que tinha. Era o negócio que tinha com a Nokia de produção de celulares. Seus preços, então, tem pouco haver com fundamentos e sim com notícias especulativas."

Nenhum comentário: