Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

domingo, 28 de abril de 2019

Eletropaulo (ELPL)

Recomendações
Compra: CAP7 (2018) - LOBO WALL STREET (jul/16) - tatobarreto (2017)
Carteiras
acf3025 (jan/17) - BAC 1000 (mar/16, abr/16, mai/16jun/16, jul/16, ago/16, set/16, out/16nov/16) - CAP7 (out/17, nov/17, dez/17, jan/18fev/18) - fridao (out/12) - goosse (mai/16jun/16, jul/16) - letzow (jun/16) - ljrechi (jan/16, fev/16) - paulo_prof (out/12, nov/12dez/12fev/17) - pobre (mar/16) - rafamcl (abr/16, mai/16jun/16jul/16, ago/16 , set/16, out/16nov/16, dez/16, jan/17, fev/17, mar/17, abr/17mai/17jun/17, jul/17ago/17)  - renatosp (out/12) - robsondrocha (nov/12) -  rnelias (nov/12) - SS2010 (jan/18)  - stlanna (jul/16)
Balanços
1T2019 - 
paulo_prof  -
Resultados meia boca ... Considerando os péssimos resultados dos últimos trimestres, até que os resultados apresentam um enorme avanço. Mas de considerarmos um horizonte de 10 anos, para justificar o preço atual, o lucro líquido do 1T18 anualizado teria que crescer 9% reais por ano.
Moral da história: o risco de um investimento no ativo nas condições atuais é muito alto.

A2017/4T2017 - 
paulo_prof  -
Os Resultados da ELPL, expurgados os efeitos do acerto com a Eletrobrás realizados no 4T17, foram bastante bons em ambas as bases: anual e trimestral. Embora o cenário se apresente promissor em termos do crescimento do ebitda e, eventualmente, também do lucro, a empresa está nitidamente vendendo o almoço para comprar a janta. A sua liquidez corrente é 0,77, e o seu endividamento líquido, considerando o passivo previdenciário é mais de 6 vezes o ebotda anual. Não vejo como a empresa possa escapar de uma capitalização no curto prazo. Se eu tivesse que apostar, diria que esta capitalização envolverá uma subscrição de pelo menos uma nova ação para cada 3 possuídas.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 07 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (15,2174%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 74.261 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 31.436 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = -32.539. VALOR DE MERCADO (MIL) = 2.528.568; VALOR MAXIMO (MIL) = 6.108.056 NO 4T11; VE PSBE (MIL) = 15.689.337.

2T2017 -
marcosvinicius2  -
Receita operacional líquida = A receita operacional líquida da Companhia é constituída substancialmente do fornecimento e distribuição de energia elétrica e de suas respectivas deduções, acumulando nos semestres findos em 30 de junho de 2017 e 2016 os montantes de R$ 5.866.350 e R$ 5.680.696, respectivamente.; Imposto de renda e contribuição social = As despesas de imposto de renda e contribuição social apresentaram aumento de R$ 7.541 ou 28,2% no 1S17, quando comparadas ao 1S16, acompanhando o aumento de 28,8% do resultado antes dos tributos sobre o lucro. O aumento de R$ 9.311 do imposto de renda e contribuição social diferidos foi influenciado principalmente pela realização dos créditos tributários e do benefício fiscal relacionados ao ágio incorporado na reorganização societária concluída em 2016, sendo parcialmente compensado pela redução de R$ 1.770 do imposto de renda e contribuição social correntes. 

paulo_prof   -
Em termos relativos, até que o resultado do 2T17 foi bom ... mas mesmo anualizando os resultados do 2T17 verifica-se que falta ainda muito para que o preço atual seja justificado.

1T2017 -
paulo_prof   -
Não vejo como a ELPL tornar-se uma empresa lucrativa sem uma re-estruturação de seu capital. Acho que o endividamento é incompatível com o seu operacional.

A2016/4T2016 -
paulo_prof   - 
Sinceramente, não tenho mais saco para ler os releases da Eletropaulo e, assim, tentar entender o que está acontecendo e qual é, realmente, a da empresa. Portanto, o meu acesso é exclusivo ao que está em minha planilha, ou seja, números! Se alguém tem um bom conhecimento da empresa, está convidado a informar e se a informação for interessante, quem sabe não me motive a correr atrás.
O Endividamento Líquido "tradicional" da empresa no 4T16 era de R$ 2,2 bilhões. Como o Ebitda gerado nos últimos 12 meses emplacou os R$ 734 milhões, teríamos uma relação de exatamente 3 entre o endividamento líquido e o ebitda anual. Mesmo aqueles que acham isto excessivo haverão de concordar que uma alavancagem de 3 em termos de ebitda, considerando um cenário de recessão econômica, não pode ser considerado mau e não deveria criar maiores problemas.
Ocorre que além do endividamento propriamente dito, a empresa tem responsabilidades com o plano de pensão e sa~ude pós emprego de seus funcionários. Em 30DEZ2016, a exposição era de R$ 3,78 bilhões, muito maior do que o endividamento líquido. A julgar pelos valores informados, esta exposição é quase aleatória ... ao final do 4T15 era de R$ 2,6 bilhões. Ao final do 4T14 era de R$ 2,8 bilhões. No 1T16 era de R$ 2,7 bilhões e no final do 2T16 saltou para R$ 3,66 bilhões. Além de "aleatória", é volátil, explosiva ... do 4T15 para o 4T16 aumentou em R$ 1,17 bilhões, ou 45%, em completa desassociação com os números da empresa (Resultado Bruto anual de R$ 244 milhões; ebitda anual de R$ 734 milhões). Como é que fica? Qual é o custo efetivo desta exposição, que em minha planilha é somada ao endividamento bruto? Ao efetuar a soma, a razão entre o endividamento líquido e o ebitda anual "explode" para 8,15!!!!
No mais, por ser uma distribuidora pura e devido à crise, a Eletropaulo é uma empresa que está sobre-contratada em energia (paga sensivelmente mais GWh do que consegue vender), está sujeita a uam inadimplência ampliada, etc. Só mesmo com a recuperação econômica as coisas devem melhorar.

3T2016 -
marcosvinicius2  -
Receita operacional líquida: A receita operacional líquida da Companhia é constituída substancialmente do fornecimento e distribuição de energia elétrica e de suas respectivas deduções, acumulando nos períodos de nove meses findos em 30 de setembro de 2016 e 2015 os montantes de R$ 8.599.814 e R$ 10.218.394, respectivamente.
Resultado financeiro: Nos 9M16 o resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$ 136.693, sendo inferior em R$ 136.517 em relação à despesa registrada nos 9M15, devido principalmente, aos seguintes fatores:
•Aumento de R$ 44.017 referente às receitas financeiras de multas, juros e atualização monetária sobre contas de energia elétrica em atraso; • Efeito positivo de R$ 173.720 das variações cambiais incorridas na compra de energia de Itaipu, refletindo a valorização do real frente ao dólar nos 9M16, enquanto que nos 9M15 houve desvalorização do real. • Aumento de R$ 14.891 das receitas com aplicações financeiras, em virtude do maior saldo médio de aplicações financeiras (R$ 767.346 nos 9M16 ante R$ 626.615 nos 9M15).

A2015/4T2015 -
small caps   -
Eletropaulo... e pensar que pagava R$ 4, 5, 6, 7,00 de proventos por ação ao ano...

1T2010 - 
resultado veio dentro do esperado
Características
Distribuição de Energia Elétrica
Links
360748  - paulo_prof  -  28 Abr 2019, 05:02
Resultados meia boca ... Considerando os péssimos resultados dos últimos trimestres, até que os resultados apresentam um enorme avanço. Mas de considerarmos um horizonte de 10 anos, para justificar o preço atual, o lucro líquido do 1T18 anualizado teria que crescer 9% reais por ano.

Moral da história: o risco de um investimento no ativo nas condições atuais é muito alto.


ELPL3

PREÇO: R$ 33,24

PAYOUT (2017): 23,75%



Múltiplos baseados nos últimos 3 meses anualizados

P/L 18,66

P/VPA 1,68

PSR 0,23

DY 1,27%

EV/EBITDA 9,15

MARGEM BRUTA 4,1%

MARGEM OPERACIONAL 1,9%

MARGEM LÍQUIDA 1,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,975

MARGEM EBITDA 8,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 402,3%

ROE 9,02%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,77



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 3 meses anualizado, durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 17,49

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +16,0%

352274 - ispholambra -  27 Jul 2018, 23:30
Postou mais prejuizos no segundo trimestre... e prejuizo robusto de novo....
Foi muito louco quem nao vendeu na oferta publica...mas sempre tem alguns doidos...
Com o operacional ruim... e a oferta primaria em andamento... eu permaneceria de fora....
Tem chao para cair bem abaixo de 20,00 de novo... mas o mercado as vezes e insano...

352271 - CAP7  -  27 Jul 2018, 21:45
Professor Paulo

ELPL3

Vendi tudo nos 45,22 e bateu em 26,00 chegando hoje nos 30,00.

O senhor acha interessante arriscar algo neste nível de preço, considerando a baixa quantidade de ações no mercado e possível saída do novo mercado?

Será que voltaria nos 45,xx com um baita lucro?

350612  - paulo_prof  -  01 Jun 2018, 16:09
Na minha opinião, a empresa não vale HOJE os 45 da OPA. Ou seja, se o capital da empresa continuar aberto (mais de 5% não vender), eu acho que a ELPL3 vai ser negociada bem abaixo dos R$ 45 no curto prazo. Depois de ser capitalizada, saneada, e os investimentos necessários realizados, a história será outra. Mas acho que vai demorar.

350591  - Alascio  -  01 Jun 2018, 10:48
Então a melhor opção para os minoritários será vender na opa a 45?

350589 - paulo_prof  -  01 Jun 2018, 03:26
A ELPL fechou o exercício de 2011 com um endividamento líquido (incluindo obrigações previdenciárias) de R$ 2,34 bilhões. Havia gerado um ebitda de R$ 2,85 bilhões e um lucro líquido de R$ 1,57 bilhões. Hoje, o endividamento líquido é de R$ 7,04 bilhões. Nos últimos 12 meses, a empresa gerou um ebitda recorrente de R$ 1,05 bilhões e um lucro líquido recorrente de R$ 145 milhões.

Ou seja, a ELPL de hoje nada tem a ver com a ELPL de dezembro de 2011. O resumo da ópera é que os americanos "depenaram" a empresa, deixando de investir o necessário e embolsando muito mais do que o devido.

Como a alavancagem é excessiva, a necessidade de capitalização é uma certeza. Falam em R$ 1,5 bilhões ... só será suficiente se a empresa for capaz de aumentar substancialmente o seu ebitda no curto prazo. Se, quem não vender a sua posição na OPA, não desejar ser diluído, terá que pagar aprox. R$ 45,00 por ação subscrita. Acho que não serão muitos os minoritários que não vão vender.

350571  - CAP7  -  31 Mai 2018, 21:58
Tota

Sou um dos abençoados por Deus que comprou bastante em 2013 ao preço médio de 7,48 que segurou e acreditou.

Confesso que em diversos momentos a tentação em vender foi muito forte, mas resisti e satanás fugiu....rss.....

O meu racional simples e singelo de não ter vendido:

Em 2012 preço estava em torno de 37,00 : dólar 2,10 = us$ 17,61 / ação.

Papel hoje sendo vendido a 34,00 : dólar 3,70 = 9,18

Ou seja, no valor do dólar hoje a Enel vai comprar muito barato.......

Mesmo nestes 45,22 ; 3,70 = us$ 12,22.........ainda muito barato.......entende?

Creio que o preço justo seria em torno de 65,00 reais......quem sabe ainda não chegue perto.......

350554  - menghele  -  31 Mai 2018, 10:30
Prezado TOTA,
Dentro da minha visão havia uma distorção INTRÍNSECA de valor, pois a AES CORP, cuja vocação internacional é no mercado de geração, participou e LEVOU no leilão de desestatização ocorrido em 1998 no Governo FHC/PSDB por cerca de R$2,00Bi o que na época correspondia, "grosso modo" a US$1,8Bi...foi uma aventura que tiveram em um terreno desconhecido e só se lambuzaram com os mega-dividendos da época 2008/2012...agora esta Empresa (amorem hunc nostrum inter nos) aqui TIDA COMO A PIOR DISTRIBUIDORA DO BRASIL (Boas são EKTR...., Coce....mais boas para QUEM?)...estava sendo "mal administrada", pois os americanos era anos que só queria remeter dólares para os EUA, e não trazer recursos para adequar o financeiro da ELPL, agora ...entre as "perolas" na análise da ELPL. HAVIA PRATICAMENTE NO CONTRATO DE CONCESSÃO ASSINADO EM 1998, QUASE QUE UMA RENOVAÇÃO AUTOMÁTICA PELO MESMO PRAZO.....A ANÁLISE DE UMA EMPRESA INICIA COM UM "DUE-DILIGENCE JURIDICO"...e ali você parte pela análise do PL "POTENCIAL" em condições de cruzeiro, ...mais estou falando "grego"....Vamos festejar a "caçada" e partir para outros ELEFANTES AFRICANOS...periquitos não me interessam

YO TAMPOCO SE COMO VIVIR... ESTOY IMPROVISANDO..

350550  - tota_57 -  31 Mai 2018, 01:38
Parabéns para quem acreditou que ELPL tinha muito valor, em especial para aqueles que "apostaram" quando estava valendo R$6,xx a R$8,xx.
https://g1.globo.com/economia/noticia/enel-faz-mai...

350268  - paulo_prof   -  24 Mai 2018, 21:48
Citação: cap7 - Post #350254 - 24/Mai/2018 18:43
quando seria a hora certa? Já vender neste preço de 34,xx?
Dificil dizer ... a questão está judicializada. A Neoenergia conseguiu uma liminar que garante que o processo não termina hoje. De acordo com a regra do jogo em vigor, se não aparecesse nenhum tertius interessado, o processo terminaria hoje, sendo vencedor quem oferecesse o maior preço. Na OPA, o preço vencedor seria ofertado aos minoritários que decidiriam vender ou permanecer sócios.

Se a liminar não for derrubada, o leilão deverá ser competitivo mesmo em não havendo um tertius interessado. Mas a liminar poderá ser derrubada e a questão complicar. A Enel poderia argumentar que é vencedora com a oferta de R$ 32,20 porque até a data limite (hoje), não apareceu um tertius interessado e a Neoenergia não ofereceu preço maior. Em tese, portanto, o risco do negócio acabar saindo por R$ 32,20 não é zero. Por outro lado, não sei dos detalhes da liquidação da oferta na OPA. Não sei se é questão de dias ou mês.

Moral da história: vendendo hoje vc sabe quanto e quando vai embolsar. Se deixar para a OPA, pode ganhar mais ... ou menos ... e receber depois.

350260 - paulo_prof  -  24 Mai 2018, 20:26
Na minha opinião, para um investidor "comum", minoritário, a Eletropaulo nem de longe vale o preço atual. Quem não tem o ativo, deve manter distância. Quem tem, deve ficar esperto e vender na hora certa. Independentemente de quem acabe sendo o controlador, acho que a empresa necessariamente terá que ser capitalizada. Ou seja, quem decidir permanecer sócio terá que participar do aumento de capital para não ser diluído. Não creio que o preço se sustentará após a OPA, pelo simples fato de que a empresa é hoje uma das piores distribuidoras do país e não será capaz de gerar resultados compatíveis com o preço no curto prazo. Quem, entre Enel e Neoenergia acabar prevalecendo se tronará a maior distribuidora de energia elétrica do país. Acho que a Neoenergia faria melhor proveito de sinergias, mas o interesse da Enel (que tem participação do governo italiano) pode ser outro ... geopolítico. Hoje em dia, com a informatização dos sistemas, uma distribuidora de energia elétrica acaba conhecendo o padrão detalhado de consumo/preferências/etc de seus clientes.

349346  - menghele  -  26 Abr 2018, 23:29
Bom, vamos lá. Tenho dificuldade em acompanhar o Fórum com o dinamismo dos demais Foristas...muitas vezes vejo comentários onde teria muito a acrescentar mais não consigo em tempo hábil/útil a dinâmica de uma discussão.

Tem perguntado isso a exaustão para o Prof_Paulo, e Ele sutilmente lhe sugeriu que não gosta da Empresa, e "por aqui" esta Empresa não goza/gozava dos "requisitos ideais" para ser acompanhada como um ativo capaz de gerar valor. (Pela "verdade bíblica" do FDC vale/valia sendo utilizados os últimos resultados apresentados dos cerca de R$13,00 assim o resto é auto-explicativo....Ah ...certo?)

Neste mister lhe digo que não preciso muito para "me sentir no seu lugar", pois Eletropaulo tem sido de longe minha maior aposta no setor elétrico brasileiro, seguida por CLSC4, a "trilogia" das CESP (3/5/6...a 5 uma pérola rara do Oceano índico se der certo a privatização), CPLE3, TAEE11. e.....Emae4 comprada em 1998. (Esta última é a "minha Eneva").

Assim, já que ainda estamos lhe dando com um "panorama macro" ainda confuso, principalmente pela ausência de coordenadas claras quanto a eleição presidencial, eu tem andado vendendo cerca de 25% da posição, até porque estava ponderando/ esperando que pudesse ter primeiro a Oferta Primaria (Follow On) e em seguida a Venda das participações AES/BNDES.

E como todos os Investidores de Bolsa, "são um covarde", e não acredito cegamente nos meus estudos/projeções assim quando o valor sobe muito acima do preço de aquisição ano vendendo para diversificar. O que eu fiz com os recursos vindo da venda das ELPL3? Comprei TAEE11 (bastante 20,20/20,50) Ecor3 8,80 Clsc4 26.70 (isso mesmo, sem medo de ser feliz) Sapr11 cerca a 55,00...e POR ORA não me dei nada bem, mais que assim prossiga.

349201 - tota_57  - 23 Abr 2018, 15:17
ELPL3 está sendo comprada. Até o momento tem 3 empresas brigando pelo ativo, Energisa, ENEL e Iberdrola (Neoenergia).

349197 - CIDOCA85 - 23 Abr 2018, 14:41 
Bom dia. Alguem notou o salto de ELPL3 nesta semana que passou ?

Alguém sabetia a razão da forte alta?

349084  - CAP7  -  19 Abr 2018, 19:28
Muito obrigado pelas considerações e mil desculpas da confusão...rss....dos valores que escrevi acima.

Realmente estou neste dilema, pois tenho uma quantidade considerável de papéis e estou inclinado a vender talvez 10 ou 20% do total nos 28,00 e assistir de camarote o leilão das gigantes européias.

Qual seria sua sugestão se estivesse em meu lugar

349076  - menghele   -  19 Abr 2018, 15:29
Prezado CAP7,

Tomo a liberdade de efetuar algumas correções / ponderações sobre essa sua graduatoria (equivocada) de possíveis compradores da (maioria?) das ações da ELPL.

Em comunicado, a Eletropaulo informou ter recebido um ofício da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) determinando que as OPAs (ofertas públicas de aquisição) de ações da Energisa e da Enel pelo controle acionário da empresa sejam realizados conjuntamente em 18 de maio.

A princípio, esta era a data prevista para a realização da OPA da Enel, que oferece R$ 28 por papel. A Energisa programou a sua OPA para 7 de maio, a R$ 19,38 por cada ação ELPL3. Assim, a Energisa terá que publicar um aditamento de sua oferta, com prorrogação do prazo. A CVM decidiu também que a B3 será responsável por determinar as regras dos leilões e o horário em que ocorrerão.

Vale destacar que, segundo o Estadão, a Neoenergia, controlada pela espanhola Iberdrola, poderá decidir nesta sexta-feira se continua ou não na briga pela Eletropaulo. Já estava marcada uma reunião do conselho de administração da empresa para validar a última proposta feita pela distribuidora na terça-feira. Como a oferta foi superada pela da italiana Enel, o mercado aposta que a espanhola pode fazer uma nova investida.

Na terça-feira, a Neoenergia havia feito uma proposta de R$ 25,51 por ação da Eletropaulo, mas poucas horas depois foi surpreendida pela oferta da Enel (de R$ 28). Agora, se quiser fazer uma contraproposta, ela terá de elevar o valor para, no mínimo, R$ 29,4 - que representa um acréscimo de 5% sobre a maior oferta, de acordo com as regras da operação.



Ademais percebo um certo "anseio" em deter essas ações em Sua carteira como se fosse buscar o "melhor preço" para vendê-las já, assim sugiro que pondere o seguinte:

- possíveis/prováveis ganhos de sinergia com as empresas do "grupo" arrematante" que poderão ser maiores o menores dependendo do vencedor.

- As duas atuais principais candidatas são EUROPEIAS, assim com o Euro na faixa dos R$4,20 os ativos brasileiros se tormam baratos em Euro, e a atual é uma otima conjuntura cambial para exposição a ativos brasileiros.

- O "vencedor", além de desembolsar o valor da compra das ações, vai injetar recursos na empresa através de aumento de capital, melhorando assim o nível de endividamento da ELPL.

- SE, POR ACASO, for a ENEL a arrematante, o Dr. Starace CEO da ENEL é um "duro" e não brinca em serviço. Não está promovendo a internacionalização da ENEL (hoje public company, o governo italiano tem uma participação grande ainda e tem golden share), para perder dinheiro. Acredito que esteja preparando a Empresa ENEL (para uma total saída do governo Italiano) mais crescida e estruturada no exterior. Ademais, como investir o dinheiro que as normativas europeias "antitrust" colocaram no caixa de "ex monopolistas" (tipo ENEL) que vejo da vendas de centrais na Italia? e a ENEL tem uma politica de payout muito boa, (cerca de 50% L.L.) proporcionando aos próprios acionistas dividendos em Euros (DY) de cerca 4/4,5% a.a.

- Veja a posição acionária atual da ELPL3 ON TOTAL

Bndes Participações S.A. - Bndespar 18,73 0,00 18,73
União Federal 7,97 0,00 7,97
Aes Holdings Brasil Ltda 16,84 0,00 16,84
Squadra Investimentos Gestão de Recursos Ltda. 1,02 0,00 1,02
Squadra Investments Gestão de Recursos Ltda. 4,03 0,00 4,03
Outros 49,58 0,00 49,58
Ações Tesouraria 1,83 0,00 1,83
Total 100,00 0,00 100,00
Mesmo adquirindo os 35,57% das ações pertencentes ao BNDES e ao Grupo AES, para a OPA ser bem sucedida e o vendedor conseguir deter mais de 50% das ações deverá "convencer" o mercado sobre a "politica" que irá adotar na gestão da Empresa....enfim....é para refletir SOBRE O QUE FAZER, certo que os R$28,00 que sejam, talvez, só talvez, não reflitam a MUDANÇA DE GOVERNANÇA QUE ESTÁ POR VIR/VIRÁ.

Boa Reflexão, Saudações

349062  - CAP7   -  18 Abr 2018, 20:42
ELPL3

Eletropaulo......Quem leva:

1. Italiana Enel (oferta r$ 19,00 / ação)

2. Mineira Energisa (oferta 19,38)

3. Espanhola Neoenergia, controlada pela Iberdrola, a mesma que fez fusão com a Elektro, a qual nosso prof. Paulo admira e tem em carteira (oferta 28,00 paus).

Façam suas apostas........

348734  - CIDOCA85  -  06 Abr 2018, 15:05
Pois é, tendo eu um PM de 32 (ou 21, descontados aqueles saudosos dividendos) e vendo a oferta de 19,38 e a ação a 20,88 agora as 11h00, acima da oferta, quero saber o que ta inflando a ação assim. Sera que eles nao alcançam a quantidade necessaria e poderiam vir a subir essa OPA?

Eu segurei CRUZ3 no passado, na 1a oferta e recebi um pouco mais, tres meses depois, que eles resolveram fechar o capital. Saí na marra mas com alguns reais a mais.

348723  - acquesta   -  06 Abr 2018, 13:00
OPA da Eletropaulo a R$ 19,38 , pela Energisa .
http://www2.bmfbovespa.com.br/empresas/consbov/frmNBC.asp?protocolo=607066

348084  - paulo_prof  -  15 Mar 2018, 02:15
Os Resultados da ELPL, expurgados os efeitos do acerto com a Eletrobrás realizados no 4T17, foram bastante bons em ambas as bases: anual e trimestral. Embora o cenário se apresente promissor em termos do crescimento do ebitda e, eventualmente, também do lucro, a empresa está nitidamente vendendo o almoço para comprar a janta. A sua liquidez corrente é 0,77, e o seu endividamento líquido, considerando o passivo previdenciário é mais de 6 vezes o ebotda anual. Não vejo como a empresa possa escapar de uma capitalização no curto prazo. Se eu tivesse que apostar, diria que esta capitalização envolverá uma subscrição de pelo menos uma nova ação para cada 3 possuídas.

No que segue, o Resultado Financeiro Negativo em mais de R$ 1,5 bilhões (referente ao acerto com a ELET) e seu impacto no Resultado Antes dos Impostos e Resultado Líquido, foi expurgado.

ELPL3

PREÇO: R$ 18,20

PAYOUT (2017): 23,75%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 18,66

P/VPA 1,68

PSR 0,23

DY 1,27%

EV/EBITDA 9,15

MARGEM BRUTA 4,1%

MARGEM OPERACIONAL 1,9%

MARGEM LÍQUIDA 1,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,975

MARGEM EBITDA 8,1%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 402,3%

ROE 9,02%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,77



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,94%

RESULTADO BRUTO +120,67%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +28,61%

RESULTADO OPERACIONAL +1.485,43%

RESULTADO LÍQUIDO +679,96%

EBITDA +44,65%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +15,48%

RESULTADO BRUTO +36,50%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -4,56%

RESULTADO OPERACIONAL +1400,83%

RESULTADO LÍQUIDO +131,37%

EBITDA +16,13%



c) lucro (taxa média anual)

UA 679,96%

U2A 27,03%

U3A passou de negativo para positivo



d) patrimônio líquido médio

UA 2,55%

U2A -3,34%

U3A 0,47%



e) ebitda (taxa média anual)

UA 44,65%

U2A 4,99%

U3A 27,45%

U4A 9,86%

U5A 10,82%

U6A -15,16%

U7A -11,06%

U8A -4,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 12,19

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10,0%

347763  - paulo_prof   -  04 Mar 2018, 01:03
No longo prazo, acho que a Eletropaulo tem que dar certo e ser negociada acima de P/VPA = 2. Afinal, hoje e uma das piores distribuidoras, atuando no principal mercado do país. Após equacionar os esqueletos que tem guardado no armário e ser gerida com competência, não há como o preço permanecer nos níveis atuais.

No curto prazo, entretanto, acho que o preço poderá apresentar uma alta vilatilidade. Os detalhes no acordo com a Eletrobrás ainda não são de fato conhecidos. Dependendo destes detalhes, o preço poderá variar. Os resultados do 4T17 e 2017 também podem impactar os preços no curto prazo. Finalmente, há a capitalização que virá com certeza. Mais uma vez, o tipo e tamanho da capitalização, bem como o preço da subscrição certamente impactarão o preço de mercado.

Sou da opinião de que todo e qualquer investimento deve ter um objetivo. Via de regra, se este objetivo foi atingido, o negócio é partir para outra. Por outro lado, enquanto o objetivo não for atingido, a menos que surjam razões fortes para uma mudança, o negócio é manter.

Se o investidor não tem um objetivo definido, o que seria um investimento se transforma num "trade". O sucesso deste depende muito de uma leitura correta de qual será a reação do mercado em relação aos eventos à medida que ocorrerem.

347759  - ispholambra   -  03 Mar 2018, 16:22
Cap, nao sou o professor... e nao vou analisar numeros... ate porque os numenros da ELPL3 mesmo tendo melhorado homericamente ainda estao bem longe de serem otimos...

Mas o momento que a empresa vive é bastante favorável...o resultado vem melhorando... a famigerada divida com a Eletrobras estao sendo finalmente solucionada e existem rumores no mercado que a AES Americana ou quer um socio para a ELPL ou quer vender o controle da empresa... e uma das candidatas seria a Energias do Brasil...

Nao tenho a empresa em carteira... ate ja tive, mas como sou mao de alface vendi bem antes da empresa chegar a esse patamer de preços...

Porem se eu tivesse a empresa em carteira nao a venderia agora... esperaria um pouco mais para ver o desenrolar desses fatores positivos citados acima...

E se eu decidisse vender ... nao venderia tudo... venderia somente uma parte... tipo... vendia o suficiente para recuperar o capital investido... e deixaria o "lucro" em carteira pra ver o que vai acontecer...

O atual momento, depois de muito tempo é favorável às distribuidoras... e dentre elas... uma das que mais tem chao para evoluir é a ELPL...

É só uma opiniao...

347749  - paulo_prof  -  03 Mar 2018, 01:45
Duas coisas que parecem 100% certas são:

a) a AES Corporation vai se desfazer de sua participação na Eletropaulo ... inclusive já lista o investimento na ELPL como descontinuado ... https://www.istoedinheiro.com.br/eletropaulo-confi...

b) haverá uma oferta primária para capitalização da empresa

347721  - CAP7  -  02 Mar 2018, 15:48
Professor Paulo,

Lembra que antecipei das suaves prestações da dívida da eletropaulo para eletrobras?

Entrada 300.000.000,00 paus, restante em 10 anuais

B3 lucra R$ 635 mi e mais 2 balanços; 2 notícias da Petrobras, italiana de olho na Ecorodovias e mais destaques - InfoMoneyVeja mais em: http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7314039/lucra-635-mais-balancos-noticias-petrobras-italiana-olho-ecorodovias-mais

347530 - paulo_prof -  27 Fev 2018, 21:36
Citação: cap7 - Post #347526 - 27/Fev/2018 21:10
Professor Paulo
ELPL3 subiu bem hoje.......seria um prenúncio de bom resultado?
Acho que a probabilidade do resultado vir ruim é pequena. Não apostaria, entretanto, que o resultado foi excepcional. Acho normal o mercado colocar algumas fichas no jogo, considerando que o risco (do resultado vir desastroso) ser muito pequeno.

347180 - paulo_prof   -  16 Fev 2018, 23:40
De onde vc tirou que os R$ 1,6 bilhões seriam pagos em "suaves" pretações?
O cara que escreveu o artigo publicado no Valor, ou estava bêbedo ou nada entende do riscado (ou talvez ambos). Digamos que o valor esteja correto ... e que também esteja correta a informação de que para pagar a conta a empresa recorra ao mercado de capitais para levantar R$ 1,5 bilhões. Aí o cara escorrega na maionaise ... por que fala em R$ 1 bilhão numa oferta primária e R$ 500 milhões numa oferta secundária ... Ora ... a grana da oferta secundária não entra no caixa da Eletropaulo ... vai para o bolso da AES que estaria caindo fora do negócio ... (na cotação de fechamento de hoje, a participação da AES no capital da Eletropaulo vale R$ 442 milhões).

Noutro trecho o jornalista informa que "No fim de setembro, a Eletropaulo tinha R$ 2,034 bilhões provisionados para pagar a dívida.. Ridiculo ... não há um único centavo proivisionado! Se, de fato, a Eletropaulo vai pagar R$ 1,6 bilhões, isto terá que ser contabilizado como despesa ... a DRE de 2018 registrará uma enorme última linha vermelha. Se o novo controlador assim o desejar, a empresa poderá não pagar proventos nos próximos aprox. 3 anos devido aos prejuízos acumulados. Do lado positivo, esta despesa gerará uma base negativa de IR/CS e boa parte da fatura acabar[a sendo paga pelo governo.

Hoje, o valor de mercado da ELPL não chega a R$ 2,5 bilhões. Se a oferta primária acabar sendo de R$ 1,5 bilhões, isto significa que os atuais acionistas, para não serem diluídos, terão que subscrever aprox. 1,5 novas ações para cada ação possuída.

Há um zum-zum por aí de que a CTG, via ENBR, estaria interessada em fazwer uma oferta pela Eletropaulo.

347160  - CAP7  -  16 Fev 2018, 18:12
Minhas ELPL3 andando querendo buscar seus 16,50 informado......esta saindo do forno........informação privilegiada rss....de Eletropaulo pagar 1.600.000.000,00 paus em suaves prestações a perder de vista, para a Eletrobras, da pendenga antiga.

347054  - paulo_prof  -  12 Fev 2018, 22:29
Não há como ...

Em 2015 a empresa lucrou R$ 101 milhões. Em 2016, R$ 21 milhões. Nos 9M de 2017, R$ 158 milhões anualizados. Nos 3T17, R$ 297 milhões anualizados. Vc me diga ... quanto vc chuta que a ELPL vai lucrar nos próximos 12 meses?

Vamos supor que seja possivel repetir o resultado do 3T17 nos próximos 4 trimestres, ou seja, R$ 300 milhões. Digamos que seja possível repetir estes R$ 300 milhões, em termos reais, por todos os séculos e que 8% (aprox. a WACC) seja uma taxa real de desconto razoável. Neste caso, vc chegaria a um valor intrínseco de R$ 22,41. Se vc acha os 8% excessivos, o valor seria maior, como também seria maior se vc supor que este lucro de R$ 300 milhões possa crescer, ano-a-ano, mesmo que modestamente em termos reais.

E daí? Considero uma taxa de desconto menor, ou não? Considero que o lucro vai crescer em termos reais, ou não? Caso afirmativo, quanto, e por quanto tempo?

Por outro lado, como vc sabe, ocorre que a empresa poderá ser obrigada a desembolsar até R$ 2 bilhões na pendenga com a Eletrobrás e Cteep e até R$ 760 milhões relativos à pendenga com a Aneel, envolvendo supostos ativos inexistentes. No total, isto representaria até R$ 16,50 por ação!

E daí? Quanto é que vc acha que tenho que deduzir do valor intrínseco, devido ao risco representado pelas contingências?

347046  - CAP7   -  12 Fev 2018, 13:28
Professor Paulo
Poderia informar o preço justo de ELPL3 hoje, segundo seus cálculos?
Estou comprado nos r$ 7,48 paus desde junho/2013 com um bom lucro, ou seja, praticamente 15% a.a.
Nesta situação, qual seria sua recomendação, considerando a empresa, venderia ou manteria em carteira?
Se vender...... trocaria por quais empresas?

345699  - christianklug  -  02 Jan 2018, 13:42
Eletropaulo (ELPL3)

Para o analista, a Eletropaulo apresenta um alto nível de endividamento, com risco de novos passivos, além de disputas que ainda não foram somadas nos balanços e planos de fusões e aquisições incertos. Atrelando esses fatores às negociações do ativos 1,6 vezes o múltiplo de valor da empresas sobre a base de ativos regulatória, o UBS aponta que a empresa está custando muito caro. A recomendação é de venda, com preço-alvo de R$ 9,00."
http://br.advfn.com/jornal/2017/12/2018-ubs-recome...

345690  - paulo_prof   -  01 Jan 2018, 20:21
No operacional, a empresa vai muito bem, obrigado! Mas o risco representando pelas contingências não é pequeno. Potencialmente, a empresa poderá ser obrigada a desembolsar até R$ 2 bilhões na pendenga com a Eletrobrás e Cteep e R$ 760 milhões relativos à pendenga com a Aneel, relativa a supostos ativos inexistentes. Para uma empresa com potencial de gerar um Ebitda de apenas aprox. R$ 1,2 bilhões, a perda destas ações com certeza implicaria na necessidade de um aumento apreciável de capital (algo como dobrar, no mínimo).

343705  - marcosvinicius2  -  09 Nov 2017, 12:05
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 07 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (15,2174%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 74.261 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 31.436 E MAIOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = -32.539. VALOR DE MERCADO (MIL) = 2.528.568; VALOR MAXIMO (MIL) = 6.108.056 NO 4T11; VE PSBE (MIL) = 15.689.337:

ELPL4
PREÇO: 15,11
PAYOUT (2016): 201,14%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 18,36
P/VPA 0,90
PSR 0,20
DY 10,95%
EV/EBITDA 9,29
MARGEM BRUTA 3,97%
MARGEM OPERACIONAL 1,62%
MARGEM LÍQUIDA 1,08%
LUCRO POR AÇÃO 0,823
MARGEM EBITDA 8,08%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 186,38%
ROE 4,89%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,91

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 4,50%
RESULTADO BRUTO 13,07%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,37%
RESULTADO OPERACIONAL 600,31%
RESULTADO LÍQUIDO 996,42%
EBITDA 11,76%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 29,09%
RESULTADO BRUTO 1163,50%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -28,36%
RESULTADO OPERACIONAL -359,10%
RESULTADO LÍQUIDO -328,22%
EBITDA 122,38%

c) lucro (taxa média anual)
UA 996,42%
U2A -38,64%
U3A -165,92%

d) patrimônio líquido médio
UA 9,96%
U2A 2,12%
U3A 2,44%

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO = No período de nove meses findo em 30 de setembro de 2017, a Companhia auferiu um lucro líquido no montante de R$ 118.277, ante um lucro líquido de R$ 1.511 no mesmo período do ano anterior. Os itens a seguir explicam os principais fatores que influenciaram o aumento de R$116.766 do lucro líquido da Companhia.

Receita operacional líquida = A receita operacional líquida da Companhia é constituída substancialmente do fornecimento e distribuição de energia elétrica e de suas respectivas deduções, acumulando nos períodos de nove meses findos em 30 de setembro de 2017 e 2016 os montantes de R$ 9.634.642 e R$ 8.599.814, respectivamente.

Imposto de renda e contribuição social = As despesas de imposto de renda e contribuição social apresentaram aumento de R$ 73.462 nos 9M17, quando comparadas aos 9M16, acompanhando o aumento do resultado antes dos tributos sobre o lucro. O aumento de R$ 75.089 do imposto de renda e contribuição social diferidos foi influenciado principalmente pela realização dos créditos tributários e do benefício fiscal relacionados ao ágio incorporado na reorganização societária concluída em 2016, sendo parcialmente compensado pela redução de R$ 1.597 do imposto de renda e contribuição social correntes.

ELPL42.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

342775  - CAP7-  06 Out 2017, 17:56
ELPL4
Comprei nas últimas quedas em 12,44.
Surgindo uma turn around interessante:

1- obterá ganhos/redução ou até liquidação na negociação de divida de aprox. 3 bi com o governo (Eletrobras, cteep).

2- a partir de jan/2.018 serão negociadas todas em ON no novo mercado, aumentando liquidez, demonstrando preocupação da empresa com os minoritários (maior aproximação).

3- estão arrumando a casa com troca de executivos antigos.

4- redução selic---> positivo para a empresa.

Preço teto calculado em 20,00 paus.

Neste preço eu largo!

342015  - marcosvinicius2  -  13 Set 2017, 22:57
Receita operacional líquida = A receita operacional líquida da Companhia é constituída substancialmente do fornecimento e distribuição de energia elétrica e de suas respectivas deduções, acumulando nos semestres findos em 30 de junho de 2017 e 2016 os montantes de R$ 5.866.350 e R$ 5.680.696, respectivamente.; Imposto de renda e contribuição social = As despesas de imposto de renda e contribuição social apresentaram aumento de R$ 7.541 ou 28,2% no 1S17, quando comparadas ao 1S16, acompanhando o aumento de 28,8% do resultado antes dos tributos sobre o lucro. O aumento de R$ 9.311 do imposto de renda e contribuição social diferidos foi influenciado principalmente pela realização dos créditos tributários e do benefício fiscal relacionados ao ágio incorporado na reorganização societária concluída em 2016, sendo parcialmente compensado pela redução de R$ 1.770 do imposto de renda e contribuição social correntes.

ELPL4
PREÇO: 16,19
PAYOUT (2016): 201,14%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 87,71
P/VPA 0,99
PSR 0,23
DY 0,83%
EV/EBITDA 11,63
MARGEM BRUTA 2,94%
MARGEM OPERACIONAL 0,28%
MARGEM LÍQUIDA 0,26%
LUCRO POR AÇÃO 0,185
MARGEM EBITDA 7,27%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 200,76%
ROE 1,13%
LIQUIDEZ CORRENTE 0,94

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,14%
RESULTADO BRUTO -21,75%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -15,19%
RESULTADO OPERACIONAL -55,05%
RESULTADO LÍQUIDO -22,63%
EBITDA -5,51%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 6,79%
RESULTADO BRUTO 86,73%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 36,62%
RESULTADO OPERACIONAL 317,46%
RESULTADO LÍQUIDO 811,19%
EBITDA 37,48%

c) lucro (taxa média anual)
UA -22,63%
U2A -75,18%
U3A -137,53%

d) patrimônio líquido médio
UA -2,01%
U2A 0,04%
U3A -0,22%

Resultado antes dos tributos sobre o lucro = O resultado antes dos tributos sobre o lucro atingiu R$ 78.254 no 1S17, montante superior em R$ 17.507 ou 28,8% em relação ao 1S16, explicado principalmente (i) pela maior receita operacional líquida em R$ 185.654; (ii) pela redução dos custos de Parcela A no montante de R$ 77.981, principalmente em função da redução dos encargos de ESS e do registro no 1S17 dos ajustes referentes ao alívio retroativo e CONER; (iii) redução de R$ 36.089 nos custos de PMSO, principalmente em função da redução das despesas com PCLD e das multas de DIC/FIC/DMIC/DICRI; compensados parcialmente (iv) pelo aumento de R$ 195.245 das despesas de entidade de previdência privada, depreciação e amortização e custo de construção; e (v) pela maior despesa, na ordem de R$ 86.972, do resultado financeiro.

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340834  - paulo_prof   -  08 Ago 2017, 19:51
Em termos relativos, até que o resultado do 2T17 foi bom ... mas mesmo anualizando os resultados do 2T17 verifica-se que falta ainda muito para que o preço atual seja justificado.

ELPL4

PREÇO: R$ 15,30

PAYOUT (2016) 110,8%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 82,89

P/VPA 0,93

PSR 0,22

DY 1,34%

EV/EBITDA 10,08

MARGEM BRUTA 2,9%

MARGEM OPERACIONAL 0,3%

MARGEM LÍQUIDA 0,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,185

MARGEM EBITDA 7,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 257,4%

ROE 1,13%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,94



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -6,68%

RESULTADO BRUTO +3,62%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +19,97%

RESULTADO OPERACIONAL -55,05%

RESULTADO LÍQUIDO -22,63%

EBITDA +7,33%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +6,79%

RESULTADO BRUTO +86,73%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +36,62%

RESULTADO OPERACIONAL +317,46%

RESULTADO LÍQUIDO +811,19%

EBITDA +37,49%



c) lucro (taxa média anual)

UA -22,63%

U2A -75,18%

U3A -137,53%



d) patrimônio líquido médio

UA -2,01%

U2A 0,04%

U3A -0,22%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,37

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%):+54,0%

337627  - paulo_prof   -  07 Mai 2017, 20:37
Não vejo como a ELPL tornar-se uma empresa lucrativa sem uma re-estruturação de seu capital. Acho que o endividamento é incompatível com o seu operacional.

ELPL4

PREÇO: R$ 15,29

PAYOUT (2016): 111,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 881,40

P/VPA 0,94

PSR 0,22

DY 0,13%

EV/EBITDA 10,60

MARGEM BRUTA 2,5%

MARGEM OPERACIONAL -0,1%

MARGEM LÍQUIDA 0,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,017

MARGEM EBITDA 6,8%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 261,3%

ROE 0,11%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,95



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,78%

RESULTADO BRUTO -18,69%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +35,62%

RESULTADO OPERACIONAL passou de positivo para negativo

RESULTADO LÍQUIDO -96,58%

EBITDA -6,75



b) 1T17 vs 1T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -0,16%

RESULTADO BRUTO +66,13%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +381,67%

RESULTADO OPERACIONAL -46,73%

RESULTADO LÍQUIDO -58,89%

EBITDA +30,44%



c) lucro (taxa média anual)

UA -96,58%

U2A -82,84%

U3A -42,79%



d) patrimônio líquido médio

UA -11,65%

U2A -0,98%

U3A -2,91%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 0,22

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +56,0%

334810 - paulo_prof   -  01 Mar 2017, 12:33
Relativo a Eletropaulo, há uma questão importante a se considerar.

Está na cara que a AES quer se desfazer de seus investimentos de distribuição de energia elétrica no Brasil. Vendeu a AES Sul para a CPFL e está se preparando para se desfazer da Eletropaulo.

Acho que está claro que a Eletropaulo necessita reduzir a sua alavancagem, via aumento considerável de capital. Estando interessada em vender a sua participação, não faria sentido a AES participar do aumento de capital necessário. Seria algo como investir para dar uma estrutura de capital mais adequada, e depois vender. A AES preferiu migrar a Eletropaulo para o Novo Mercado ainda este ano. A AES, desta forma, não terá mais que consolidar os resultados pífios da Eletropaulo em seu balanço (hoje, como controla a Eletropaulo, tem que faze-lo; após a migração para o Novo Mercado, a sua participação na empresa será menos que 20%). Por outro lado, a necessária capitalização da empresa após a migração provavelmente ficará muito mais fácil e a AES poderá decidir ser diluída, vendendo os seus direitos de subscrição.

Para o exercício de 2017, a AES projeta um lucro da Eletropaulo numa faixa entre R$ 170 e R$ 220 milhões. Pessoalmente, duvido que consiga mais do que uns R$ 120 milhões.

334804  - paulo_prof   -  28 Fev 2017, 22:06
Sinceramente, não tenho mais saco para ler os releases da Eletropaulo e, assim, tentar entender o que está acontecendo e qual é, realmente, a da empresa. Portanto, o meu acesso é exclusivo ao que está em minha planilha, ou seja, números! Se alguém tem um bom conhecimento da empresa, está convidado a informar e se a informação for interessante, quem sabe não me motive a correr atrás.

O Endividamento Líquido "tradicional" da empresa no 4T16 era de R$ 2,2 bilhões. Como o Ebitda gerado nos últimos 12 meses emplacou os R$ 734 milhões, teríamos uma relação de exatamente 3 entre o endividamento líquido e o ebitda anual. Mesmo aqueles que acham isto excessivo haverão de concordar que uma alavancagem de 3 em termos de ebitda, considerando um cenário de recessão econômica, não pode ser considerado mau e não deveria criar maiores problemas.

Ocorre que além do endividamento propriamente dito, a empresa tem responsabilidades com o plano de pensão e sa~ude pós emprego de seus funcionários. Em 30DEZ2016, a exposição era de R$ 3,78 bilhões, muito maior do que o endividamento líquido. A julgar pelos valores informados, esta exposição é quase aleatória ... ao final do 4T15 era de R$ 2,6 bilhões. Ao final do 4T14 era de R$ 2,8 bilhões. No 1T16 era de R$ 2,7 bilhões e no final do 2T16 saltou para R$ 3,66 bilhões. Além de "aleatória", é volátil, explosiva ... do 4T15 para o 4T16 aumentou em R$ 1,17 bilhões, ou 45%, em completa desassociação com os números da empresa (Resultado Bruto anual de R$ 244 milhões; ebitda anual de R$ 734 milhões). Como é que fica? Qual é o custo efetivo desta exposição, que em minha planilha é somada ao endividamento bruto? Ao efetuar a soma, a razão entre o endividamento líquido e o ebitda anual "explode" para 8,15!!!!

No mais, por ser uma distribuidora pura e devido à crise, a Eletropaulo é uma empresa que está sobre-contratada em energia (paga sensivelmente mais GWh do que consegue vender), está sujeita a uam inadimplência ampliada, etc. Só mesmo com a recuperação econômica as coisas devem melhorar.

Considerando os resultados contábeis informados, tem-se



ELPL4

PREÇO: R$ 12,53

PAYOUT (2016): 111,6%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 100,22

P/VPA 0,78

PSR 0,18

DY 1,11%

EV/EBITDA 11,00

MARGEM BRUTA 2,1%

MARGEM OPERACIONAL 0,1%

MARGEM LÍQUIDA 0,2%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,125

MARGEM EBITDA 6,3%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 261,6%

ROE 0,78%

LIQUIDEZ CORRENTE 0,96



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,69%

RESULTADO BRUTO -48,43%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -27,22%

RESULTADO OPERACIONAL -90,31%

RESULTADO LÍQUIDO -79,31%

EBITDA -23,80



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -11,28%

RESULTADO BRUTO +64,66%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +125,5%

RESULTADO OPERACIONAL -83,48%

RESULTADO LÍQUIDO +75,72%

EBITDA +32,14%



c) lucro (taxa média anual)

UA -79,31%

U2A passou de negativo para positivo

U3A -52,74



d) patrimônio líquido médio

UA -8,89%

U2A -0,56%

U3A 0,52%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,56

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +57.5%

ELPL4... rumo ao NM?
Na pratica o que muda com o NM?

Bem interessante o FR, ontem soltaram também outro anunciando um "Programa de Produtividade" onde deixaram claro a mesma ideia de valorizar a cia... basicamente, eles passam ao nível mais restrito de governança corporativa e com isso esperam gerar valor à cia, e tem a possibilidade de levantarem recursos com menor custo de capital... além da conversão das ELPL4 em ELPL3 que deve acontecer. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
333645  - marcosvinicius2  -  03 Fev 2017, 19:03
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T08 X 2T08 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
Receita operacional líquida: A receita operacional líquida da Companhia é constituída substancialmente do fornecimento e distribuição de energia elétrica e de suas respectivas deduções, acumulando nos períodos de nove meses findos em 30 de setembro de 2016 e 2015 os montantes de R$ 8.599.814 e R$ 10.218.394, respectivamente.
Resultado financeiro: Nos 9M16 o resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$ 136.693, sendo inferior em R$ 136.517 em relação à despesa registrada nos 9M15, devido principalmente, aos seguintes fatores:
•Aumento de R$ 44.017 referente às receitas financeiras de multas, juros e atualização monetária sobre contas de energia elétrica em atraso; • Efeito positivo de R$ 173.720 das variações cambiais incorridas na compra de energia de Itaipu, refletindo a valorização do real frente ao dólar nos 9M16, enquanto que nos 9M15 houve desvalorização do real. • Aumento de R$ 14.891 das receitas com aplicações financeiras, em virtude do maior saldo médio de aplicações financeiras (R$ 767.346 nos 9M16 ante R$ 626.615 nos 9M15).

ELPL4
PREÇO: 11,79
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 157,11
P/VPA 0,92
PSR 0,16
DY 0,00%
EV/EBITDA 9,89
MARGEM BRUTA 3,67%
MARGEM OPERACIONAL 0,24%
MARGEM LÍQUIDA 0,10%
LUCRO POR AÇÃO 0,075
MARGEM EBITDA 7,55%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 395,18%
ROE 0,59%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,12

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -8,58%
RESULTADO BRUTO -31,42%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 375,23%
RESULTADO OPERACIONAL -94,77%
RESULTADO LÍQUIDO -96,57%
EBITDA -20,56%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -17,25%
RESULTADO BRUTO 1,71%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 254,19%
RESULTADO OPERACIONAL 1038,41%
RESULTADO LÍQUIDO 529,14%
EBITDA 4,96%

c) lucro (taxa média anual)
UA -96,57%
U2A ND
U3A -60,18%

d) patrimônio líquido médio
UA -5,16%
U2A -1,12%
U3A -1,46%

PSBe - Preço Sugerido pelo Balanço, exponencial no lucro:

Citação: PSBe - Preço Sugerido pelo Balanço, exponencial no lucro

PSBe = ((Patrimônio Líquido + Receita Líquida12m + Resultado ñ operacional12m + (Lucro12m - Resultado ñ operacional12m) * ( SE( OU(Margem Líquida=0 ; ABS(Margem Líquida)>1) ; 1 ; ABS(Margem Líquida) ^ (-7,65 * ABS(Margem Líquida)))) * Cotação unitária) / nº de ações

Sendo que;
SE(Cotação unitária;1;1000); Cotação unitária não é preço da ação, indica se o lote negociado representa 1 ação ou mil ações.
Margem Líquida de 12 meses e descontada do 'Resultado ñ operacional12m'


PSBe = ND; PSBe-TAG = ND/ON e ND/PN

VE PSBe = ND

VE PSBe-TAG = ND

Valor de Mercado = 1.972.990.000 em 02/02/2017

( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

328942  - rafamcl   -  26 Out 2016, 18:24
ELPL4

Será que pode movimentar forte de novo? Estou achando que pode ter alguma coisa no ar.

Os termos estão disparando a um bom tempo, eles vêm subindo muito desde meados de agosto e já está quase igual ao n° de aluguéis, que se mantém estáveis a um bom tempo. Papel andando meio de lado, aqueles boatos de venda para os chineses e tal... tenho algumas em carteira com PM confortável, para aumentar posição teria que estar um pouco mais abaixo. Não sei se 3M de termos é realmente relevante para esse papel, mas se tiver gente grande apostando nele, estão deixando rastros.. tomara que venha coisa boa por aí.

http://www.dadosdabolsa.com/Termo/ELPL4

http://www.dadosdabolsa.com/Aluguel/ELPL4

323510  - los_gomes  -  28 Jun 2016, 16:16
Aneel aprova redução média de 8,1% em tarifas de energia da AES Eletropaulo

terça-feira, 28 de junho de 2016

(Reuters) - A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou em reunião nesta terça-feira uma redução média de 8,1 por cento nas tarifas da distribuidora de eletricidade AES Eletropaulo, da norte-americana AES.

O reajuste tarifário anual da empresa terá como efeito uma queda de em média 7,3 por cento para os clientes de baixa tensão, como consumidores residenciais, e de 9,74 por cento para clientes de alta tensão, como indústrias.

A AES Eletropaulo fornece energia em 24 municípios da região metropolitana de São Paulo, incluindo a capital.

321770  - ispholambra   -  16 Mai 2016, 03:29
Setor Eletrico...
De fato a vida do setor eletrico nao é nada tranquila... nem bem saimos de uma alta probabilidade de apagão... com a PLD estacionando por muitos e muitos meses no seu preço teto... e agora por causa da crise economica que resultou num consumo menor... aliada a entrada em operacao de muitos projetos contratados... o setor eletrico passa a ter um problema exatamente ao contrario do anterior... a sobre contratação... que é a sobra de energia contratada pelas distribuidoras junto as geradoras e que nao e consumida pelo mercado cativo...
Pelo que eu andei lendo somente 5% do volume que ultrapassar o consumo pode ser compensado via tarifas e repassado aos consumidores... e o restante tem de ser coberto pela distribuidora... ou seja... é energia jogada fora... é prejuizo liquido para as distribuidoras... e muitas delas ja estao gritando alto... com é o caso da Eletropaulo...apesar de que na epoca faltou energia... a Eletropaulo vendeu o excesso no mercado livre e embolsou ate 880,00 por MW... mas agora é a hora de pagar a conta...
O pior é que esse passivo monstruoso que vai ser gerado para praticamente todas as distribuidoras pode comprometer o equilibro economico do setor...
Eu nao tenho eletricas... e nao li o release de nenhuma distribuidora... mas eu acredito que um dos fatores que pode ter derrubado o lucro da maioria das eletricas foi esse...
Se alguem leu os releases posta ai pra gente...

http://www.apine.com.br/site/zpublisher/materias/Noticias.asp?id=19857

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/aneel-propoe-que-distribuidoras-e-geradoras-negociem-energia-contratada

http://www.abradee.com.br/imprensa/noticias/2895-nelson-leite-da-abradee-sobrecontratacao-e-problema-sistemico-canal-energia-online

321350  - rafamcl   -  09 Mai 2016, 18:08
ELPL sentido o efeito da inadimplência. Acho que aqui foi comentado que ELPL e outras do ramo iriam sofrer mesmo, e está aí. Trecho do resultado do 1T16:

"...Adicionalmente, nesse trimestre apresentamos um aumento do número de consumidores
inadimplentes que, combinado ao maior ticket médio das faturas, resultou em um aumento da
PCLD. Continuamos com o nosso plano de cobrança e em busca de novas ações visando contornar o
aumento da inadimplência em períodos futuros..."

319234  - small caps  -  19 Mar 2016, 21:34
ljrechi, para a Eletropaulo, as regras são estas, uma vez que aderiu ao nível 2 de Governança Corporativa da Bolsa:

"O foco da AES Eletropaulo está na criação de valor para seus acionistas. Acreditamos que a adoção de boas práticas de governança corporativa é essencial para a gestão estratégica e eficiente do negócio e, portanto, base para a criação de valor na empresa. Nesse sentido, a AES Eletropaulo trabalha para aprimorar continuamente suas práticas de governança.

Em 13 de dezembro de 2004 a Eletropaulo comemorou sua entrada para o Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa, sendo a 7ª empresa a se comprometer com o Regulamento de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa - Nível 2. A realização faz parte de um processo de crescente transparência da Eletropaulo com relação a todos os seus públicos.

Ao se classificar como Companhia Nível 2, a empresa e seus controladores adotam um conjunto bem mais amplo de práticas de governança e de direitos adicionais para os acionistas minoritários, o que cria diversos benefícios aos investidores, como (i) a maior acuidade na precificação das ações; (ii) melhora no processo de acompanhamento e fiscalização dos negócios da companhia; (iii) maior segurança quanto aos seus direitos societários; e (iv) redução do risco associado ao investimento.

Além de cumprir com todas as obrigações exigidas pelo Nível 1 de Governança, como a realização de ofertas públicas de colocação de ações por meio de mecanismos que favoreçam a dispersão do capital, a melhoria das informações prestadas trimestralmente, a apresentação das demonstrações do fluxo de caixa e a manutenção em circulação de uma parcela mínima de ações, ao aderir ao Nível 2 a Eletropaulo assumiu obrigações adicionais, como:

• Disponibilização de balanço anual seguindo as normas do US GAAP;

• Extensão para todos os acionistas detentores de ações ordinárias das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia (Tag Along) e de, no mínimo, 70% deste valor para os detentores de ações preferenciais;

• Ações preferenciais com direito a voto em algumas matérias;

• Obrigatoriedade de realização de uma oferta de compra de todas as ações em circulação, pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação neste Nível;

• Adesão à Câmara de Arbitragem para resolução de conflitos societários.

Todas as regras relacionadas à adesão ao Nível 2 estão consolidadas em um Regulamento de Listagem, e os compromissos assumidos pela companhia, seus controladores e seus administradores são firmados em contrato entre essas partes e a BOVESPA.

Novas Regras do Nível 2 de Governança Corporativa

Para adequar-se às mudanças de regulamentação aplicável ao mercado de capitais, a Bovespa alterou o regulamento do Nível 2 de Governança Corporativa. Atendendo às novas exigências, que entraram em vigor em 6 de fevereiro de 2006, a AES Eletropaulo, como empresa listada no Nível 2, submeteu-se ao novo regulamento, que determina, entre outras modificações:

• O aumento do “tag along” mínimo de 70 % para 80 % para detentores de ações preferenciais; e

• Um total de, pelo menos, 20 % de membros independentes no Conselho de Administração."

318032  - small caps   -  26 Fev 2016, 01:42
VALE... que porrada... outrora excelente pagadora de dividendos...

Eletropaulo... e pensar que pagava R$ 4, 5, 6, 7,00 de proventos por ação ao ano...

Grendene... essa soube surfar no dólar e na redução de custos proporcionado pela queda da matéria prima.

Apoly-Bi....a empresa está em processo de "transmutação".......toque de "Mirdas".

Eletropaulo já recebeu R$ 13,5 mi em multas por má prestação de serviços
Foram três autuações: a primeira e maior multa foi aplicada em 2011 (R$ 6,48 milhões)
Por Agência Brasil
|9h10 | 13-03-2013

SÃO PAULO – A Eletropaulo, concessionária que fornece eletricidade para 24 municípios paulistas, incluindo a capital, recebeu desde 2011 R$ 13,56 milhões em multas da Fundação Procon de São Paulo por má prestação de serviços. Foram três autuações: a primeira e maior multa foi aplicada em 2011 (R$ 6,48 milhões).

Em 2012 e em janeiro deste ano foram mais duas autuações no valor de R$ 3,54 milhões por problemas que incluem interrupção do fornecimento de energia ou não reembolso dos consumidores que tiveram prejuízos com as quedas de energia. A empresa recorreu de todas as penalidades e nenhuma foi paga até o momento.

Após os problemas no fornecimento na Grande São Paulo apresentados no dia 14 de fevereiro, o Procon abriu mais um processo que pode resultar em uma multa de até R$ 6, milhões. Na ocasião, além de deixar consumidores até 17 horas sem energia, um falha tirou do ar, por cerca de seis horas, o serviço telefônico de atendimento ao consumidor (SAC).
Procon recomenda que em caso de prejuízo causado pela falta de energia, o consumidor procure a empresa responsável pelo serviço para fazer a reclamação (Michaela Rehle/Reuters) Procon recomenda que em caso de prejuízo causado pela falta de energia, o consumidor procure a empresa responsável pelo serviço para fazer a reclamação (Michaela Rehle/Reuters)

A Eletropaulo responsabilizou a empresa que faz gestão dos sistemas de informação do SAC pela falha. A concessionária disse ainda que deixou à disposição dos clientes outros canais de atendimento, como as mensagens por celular, as lojas físicas e a página na internet. “Mas é evidente que se o consumidor não tem energia na sua casa, como ele vai acessar a internet?”, indaga o diretor de Fiscalização do Procon, Márcio Marcucci. “Independentemente da causa que gerou a indisponibilidade do SAC, a Eletropaulo responde perante os consumidores”, acrescentou sobre as justificativas da concessionária.

O Procon recomenda que em caso de prejuízo causado pela falta de energia, o consumidor procure a empresa responsável pelo serviço para fazer a reclamação. Entre os danos que podem ser reclamados estão desde aparelhos eletroeletrônicos queimados, produtos que necessitam de refrigeração e estragaram e problemas para entrega de trabalhos que dependiam da eletricidade para serem concluídos.

A Eletropaulo orienta que os pedidos de indenização sejam feitos pela página na internet ou pelos formulários distribuídos nas lojas conveniadas. O consumidor deve reunir o máximo de informações sobre o caso, detalhes sobre o aparelho danificado, horário da ocorrência e o problema apresentado pelo equipamento. Após perícia técnica, a empresa concederá a indenização ou apresentará uma justificativa por escrito com as razões do indeferimento do pedido.

Caso os canais oferecidos pela empresa não atendam adequadamente o consumidor, a pessoa que se sentir prejudicada pode procurar o Procon ou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

172513 - small caps -  13 Mar 2013, 14:04
Quando a situação está preta 2... diretamente da ELPL:

"1) da celebração do Quarto Aditamento à Escritura de Emissão
(“Quarto Aditamento”) para (i) alteração dos limites dos índices financeiros que devem ser mantidos pela Emissora nos termos da Escritura, (ii) alteração da definição de “Dívida” e “Despesas Financeiras” utilizadas para a determinação dos índices e limites financeiros e (iii) alteração da redação da Cláusula 7.1 (o) da Escritura para refletir tais alterações; e/ou; 2) do pedido de dispensa de cumprimento do limite do índice financeiro, conforme disposto no item (i) da alínea (o) da Cláusula 7.1 da Escritura, referente ao 1º Trimestre de 2013."

170090 - PANICO2011 -  04 Mar 2013, 12:41
Pherrou pra ELETROPAULO...

AES Eletropaulo e CPFL são multadas em R$ 15,7 mi

A AES Eletropaulo (ELPL4) e a CPFL (CPFE3) foram multadas na semana passada pela Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia de São Paulo) em um total de R$ 15,7 milhões, informou a Folha de S. Paulo.

A Eletropaulo foi multada em R$ 6,9 milhões por problemas no monitoramento nos níveis de tensão, entre outras falhas. A CPFL, em R$ 8,8 milhões por manter subestações, alimentadores, linhas, circuitos e transformadores com carga acima da capacidade admissível, além da falta de manutenção em suas subsestações.

Procuradas, tanto a Eletropaulo quanto a CPFL afirmaram que ainda não foram notificadas.

169433 - paulo_prof -  27 Fev 2013, 00:31
ELPL4
PREÇO: R$ 12,50
PAYOUT 2012: 52,2%

P/L 19,38
P/VPA 0,58
PSR 0,21
DY 2,69%
EV/EBITDA 7,95
MARGEM BRUTA 2,1%
MARGEM OPERACIONAL 1,5%
MARGEM LÍQUIDA 1,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,645
MARGEM EBITDA 6,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 110,0%
ROE 3,02%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,21

Taxas de Crescimento Nominal

a) exercício de 2012 vs 2011
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -24,94%
RESULTADO BRUTO -85,84%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 135,59%
RESULTADO OPERACIONAL -87,87%
RESULTADO LÍQUIDO -88,51%
EBITDA -76,47%

b) lucro (taxa média anual)
UA -93,13%
U2A -71,70%
U3A -53,35%

c) patrimônio líquido médio
UA -0,51%
U2A 0,95%
U3A 2,54%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,06

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10,5%

169426 - aprendiz quebrado do professor -  27 Fev 2013, 00:04
Cassildas
Eletropaulo tem prejuízo no 4º trimestre e lucro em 2012 despenca 93%

DA REUTERS

Distribuidora de energia do grupo AES, a Eletropaulo registrou prejuízo líquido de R$ 72,6 milhões no quarto trimestre --perda acima do esperado pelo mercado-- principalmente devido a despesas de compra de energia e encargos do setor, segundo balanço da empresa divulgado nesta quarta-feira (26).

No acumulado do ano passado, a empresa teve lucro líquido de R$ 107,9 milhões, forte queda de 93% na comparação com 2011, quando o lucro foi de R$ 1,57 bilhão.

A média dos analistas consultados pela agência de notícias Reuters previam que a empresa registrasse prejuízo de R$ 65,5 milhões nos últimos três meses de 2012. No quarto trimestre do ano anterior, ela teve lucro líquido de R$ 686,7 milhões.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) trimestral da companhia ficou negativo em R$ 14,5 milhões, ante R$ 1,13 bilhão positivo no mesmo período de 2011. No ano, o Ebitda somou R$ 655,6 milhões, 77% menor que o resultado do ano anterior.

O mercado na área de concessão da Eletropaulo cresceu 1% em 2012 ante 2011, totalizando 45.557 gigawatts-hora (GWh) de energia distribuída.

A empresa investiu R$ 831,1 milhões em 2012 e planeja investimentos de R$ 646,8 milhões de reais em 2013 --dos quais R$ 621 milhões serão recursos próprios e R$ 25,9 milhões, financiados pelos clientes.

A Eletropaulo informou também que propôs a distribuição de R$ 54,9 milhões em dividendos e juros sobre o capital próprios aos acionistas.

RECEITAS E DESPESAS

A receita operacional líquida da concessionária aumentou no último trimestre e no ano como um todo, mas também houve crescimento acima de 20% das despesas operacionais em 2012, o que pesou sobre os resultados da empresa.

No quarto trimestre, a receita líquida somou R$ 2,57 bilhões, alta de 4,5% ante o mesmo período de 2011. As despesas operacionais, por sua vez, cresceram 27,1% na mesma comparação, para R$ 2,3 bilhões.

A receita anual cresceu 1,3% ante 2011, para R$ 9,9 bilhões, mas as despesas operacionais aumentaram 20,9%, para 8,4 bilhões.

COMPRA DE ENERGIA

A compra de energia elétrica foi a principal despesa operacional da companhia em 2012, apresentando um crescimento de 29% no quarto trimestre ante mesmo período de 2011. A compra totalizou R$ 1,473 bilhão de outubro a dezembro, quando o preço médio da energia adquirida subiu 22,6%.

A despesa com encargos do uso da rede elétrica e de transmissão, por sua vez, totalizaram R$ 449,9 milhões no trimestre, aumento de 37,2% na comparação anual. O principal motivo foi o forte acionamento das termelétricas.

"Esse acréscimo é explicado pelo aumento de R$ 104,1 milhões dos ESS (Encargos do Serviço do Sistema), em função do expressivo aumento de despacho de térmicas no período, e de R$ 25,5 milhões com encargos da Rede Básica e do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), determinados pela Aneel", informou a companhia em nota.

169422 - ch3481 -  26 Fev 2013, 23:21
A estratégia pra quando acabar contratinho ELPL:

Em 2011, a Companhia definiu a estratégia de comercialização para a venda de energia após dezembro de 2015, quando vence o contrato bilateral com a AES Eletropaulo. O objetivo é acelerar o movimento para o aumento da base de clientes e ao mesmo tempo buscar obter margens na comercialização, posicionando a AES Tietê como importante agente no mercado livre, com participação representativa até 2016. Diante dessas iniciativas, o portfólio dos contratos bilaterais no mercado livre teve crescimento expressivo, sendo o portfólio atual da Companhia de 320 MW.
A intenção da Companhia é seguir essa estratégia, de tal forma que o contrato com a AES Eletropaulo seja totalmente substituído por uma diversificada carteira de clientes a partir de 2016.
---------------------------------------------------------------------
O Vilão (já conhecido)

No 4T12, a geração total da Companhia foi de 3.160 GWh, representando um volume total gerado 20,5% superior à sua garantia física. Apesar da geração da AES Tietê ter sido acima da garantia física no trimestre, parte desse volume gerado foi vendido ao MRE. Para atender os contratos já firmados, a Companhia precisou comprar energia no mercado spot, o que impactou negativamente os custos com compra de energia devido ao elevado preço praticado no mercado spot no último trimestre, vide “Desempenho Econômico-Financeiro”.

Os custos com energia comprada para revenda elevaram-se em 394,2%, atingindo o montante de R$ 101,0 milhões no 4T12 ante R$ 20,4 milhões no 4T11. Esse resultado foi influenciado pelo maior volume de energia comprada (674 GWh no 4T12 ante 379 GWh no 4T11) em função da estratégia da Companhia de formação de uma carteira de clientes e da exposição gerada pelo rebaixamento mensal da garantia física, que foi de 5,2% ou 133 GWh no trimestre. Além disso, o aumento no preço médio negociado no mercado spot na região Sudeste/Centro Oeste (R$ 305,17/MWh no 4T12 ante R$ 42,39/MWh no 4T11), dado o maior despacho de térmica em razão do baixo volume de chuvas, também contribuiu para este resultado.
Na comparação entre 2012 e 2011, os gastos com energia comprada para revenda registraram aumento de 136,5%, devido aos maiores preços verificados no mercado spot (R$ 166,64/MWh em 2012 comparado a R$ 29,55/MWh em 2011), além do maior volume de energia comprada (2.945 GWh em 2012 ante 1.581 GWh em 2011).
------------------------------------------------------------------
O Endividamento
Div.Liq/EBITDA - 0,3
Div.Liq/LL - 0,58
------------------------------------------------------------------
Olha a geração de caixa!!!

fluxo de caixa livre totalizou R$ 1.010,4 milhões em 2012, 33,8% superior ao ano de 2011. Esse desempenho
ocorreu em função dos seguintes fatores:
(i) geração de caixa operacional aumentou R$ 292,3 milhões (21,6%) quando comparado a 2011. Esse
aumento é decorrente da maior receita auferida com o contrato bilateral com a AES Eletropaulo e com a venda de energia no mercado spot; e
(ii) redução de 18,2% nos investimentos (R$ 126,8 milhões em 2012 ante R$ 155,0 milhões em 2011);
Parcialmente compensados pelo:
(iii) incremento de 18,8% no pagamento de imposto de renda decorrente do maior lucro auferido pela
Companhia no período.

169400 - PANICO2011  -  26 Fev 2013, 21:58
Pherrou pra eletropaul!!

Resultado do 4º Trimestre de 2012
A empresa anunciou prejuízo líquido de R$ 72,6 M no 4° trimestre de 2012, contra um lucro líquido de R$ 13,7 M no 3° trimestre de 2012 e de R$ 686,7 M no 4° trimestre de 2011. A receita líquida somou R$ 2,6 B no 4° trimestre de 2012, uma variação de 4,8% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e aumento de 4,5% em relação ao quarto trimestre de 2011.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 10,5 B, decréscimo de 2,5% em relação ao saldo no quarto trimestre de 2011. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 3,6 B no 4° trimestre de 2012, o que representou uma variação de -10,8% em relação ao saldo no quarto trimestre de 2011.

Qto. vale?

166201 - polycrav -  06 Fev 2013, 15:17
Citação: rnelias
Citação: padrinho
Rapaz, tava olhando aqui o diário de ELPL......ficou bizarro.....quem comprou na especulation quase lá nos 16 pilas deve tá como uma dor de corno daquelas.......KKKK

isso foi fechamento de vendido. Quem comprou, comprou na marra.
Esse movimento técnico de alta surgiu em meio à dificuldade em alugar os papéis da Eletropaulo na sessão anterior, explica o analista Luis Gustavo Pereira, da Futura Investimentos. Na ocasião, o limite da razão entre as posições vendidas e o free float (quantidade de ações em que a empresa deixa determinada à livre negociação no mercado) extrapolou o estabelecido pela BM&FBovespa.

Segundo o analista, a relação entre a posição vendida não pode ultrapassar cerca de 25% do free float ou capital social, limite este que pode ser observado através da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia), que liquida as operações realizadas no âmbio da BM&FBovespa. Desta forma, com a inibição de novos empréstimos de ação - e, consequentemente, de montar posições vendidas -, o movimento natural do investidor acaba sendo de recomprar os ativos da companhia, justificando esta forte alta, aponta o analista.

164553 - leamm -  25 Jan 2013, 11:41
Lembrete:
O resultado da EALT foi fraco no 04T11 e o do 04T12 deve ser, espero, bem melhor baixando ainda mais o já deprimido indicador PL. Acho uma boa compra para quem ainda não tem.

162262 - paulo_prof -  04 Jan 2013, 00:48
Citação: M84
Paulo Prof.
O senhor acha que as nuvens mais negras já se afastaram das elétricas?
Qual sua opinião sobre ELPL4?
Acho que a ELPL4 terá dois anos, 2013 e 2014, muito difíceis. Tentar avaliar o valor justo do ativo é missão quase impossível porque há incertezas demais. Além da questão judicial com a Eletrobrás e Cteep, há a questão das avaliações completamente distintas que a empresa e a ANEEL fazem relativamente aos investimentos realizados durante a vigência do último período de revisão tarifária.

Acho que a recente escalada de preços foi técnica (alguém foi pego de calças curtas e teve que comprar a mercado em pregões com movimento muito mais fraco do que o usual) e agora, a tendência é o preço voltar para o patamar anterior.

Eu aproveitei a alta de preços para me desfazer de 3/4 de minha posição. Como há outros ativos menos arriscados no mercado, decidi vender a R$ 17,90 com um muito bom lucro. Como o meu preço médio é baixo, mantive 1/4 da posição meio na teimosia e para longo prazo.


162122 - pppadv -  02 Jan 2013, 21:50
Horizonte turvo | 02/01/2013 06:30

As empresas terão um ano difícil, segundo o Credit Suisse
Algumas companhias começam 2013 com a perspectiva de resultados desanimadores, na estimativa dos analistas do Credit Suisse
http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/as-empresas-terao-um-ano-dificil-segundo-o-credit-suisse

Centro de operações da Eletropaulo: nas estimativas do Credit Suisse, empresa terá prejuízo em 2013

São Paulo - Se a virada do ano sugere bons recomeços, para um determinado número de empresas a perspectiva não é das mais otimistas: segundo estimativas do Credit Suisse, essas companhias deverão apresentar um resultado pior que o entregue em 2012. Fazem parte do time medalhões da economia como a Vale e a AES Eletropaulo.

Para a Eletropaulo, inclusive, os cálculos dos analistas traçam um cenário desalentador, especialmente se considerado o lucro de 1,1 bilhão de reais embolsado pela companhia há dois anos. A avaliação é que a empresa vá ganhar 352 milhões de reais no acumulado de 2012 (os resultados só serão revelados no começo do ano), e amargar um prejuízo de 60 milhões de reais em 2013.

Veja a lista das companhias que terá um 2013 desafiador, de acordo com as expectativas do Credit Suisse:

Empresa Analista Resultado líquido de 2012 Resultado líquido de 2013 Diferença
AES Eletropaulo Vinicius Canheu R$ 352 milhões R$ -60 milhões R$ 412 milhões
BR Malls Guilherme Rocha R$ 840 milhões R$ 544 milhões R$ 296 milhões
BR Properties Guilherme Rocha R$ 920 milhões R$ 409 milhões R$ 511 milhões
Fibria Viccenzo Paternostro R$ 139 milhões R$ -200 milhões R$ 339 milhões
Magnesita Ivano Westin R$ 206 milhões R$ 161 milhões R$ 45 milhões
OSX (pré-operacional) Emerson Leite R$ 29 milhões R$ -33 milhões R$ 62 milhões
QGEP Emerson Leite R$ 66 milhões R$ 33 milhões R$ 33 milhões
Vale Victor Schabbel R$ 10,4 bilhões R$ 9,3 bilhões R$ 1,1 bilhão

161944 - edbmsev -  31 Dez 2012, 11:49
Precisaria ser verificado se a pendenga com a Eletropaulo está ou não precificada como ativo contingente no balanço da Eletrobrás. Lembrando que não está contabilizada como passivo contingente no balanço da Eletropaulo.

Além disto, proporcionalmente um bilhão de reais é um valor muito mais significativo para a Eletropaulo do que para a Eletrobrás, o que acaba influenciando no maior ou menor impacto nas cotações. De qq forma, é bastante dinheiro.

Acredito que a alta de final de ano da Eletropaulo esteja mais relacionada a dinâmica do mercado de aluguéis, com fechamento de posições, do que em uma duradoura reavaliação da empresa pelo mercado. Mas sempre existe a possibilidade de os investidores terem entendido que o papel está barato.

161942 - marcelio2 -  31 Dez 2012, 03:05
A Cosern, por exemplo, perdeu uma ação trabalhista bilionária na Justiça ref. a terceirização de serviços, no qual ainda cabe recurso mas não há provisão feita no balanço. Vale ou não a pena aceitar um risco desta natureza?

A Cosern está com situação muito parecida com a Eletropaulo, pois ambas foram condenadas em ações bilionárias. Resta saber se essa condenação, trará a mesma reação do mercado a Cosern que trouxe a Eletropaulo que viu suas ações dispararem em duas semanas de mais 35%. Imaginem se ela tivesse saído vitoriosa no processo? Enquanto isso, a Eletrobrás que logrou êxito inicia no processo para receber mais 1Bi, andou de lado no mesmo período. Vai entender o mercado...

161897 - marcelio2 - 30 Dez 2012, 04:50
[...]
Elétricas também levam rasteira no ano
[...]
Na sequência, as ações da Eletropaulo (ELPL4) e Transmissão Paulista (TRPL4) registraram desvalorização de 47,40%, aos R$ 16,80, e 39,90%, aos R$ 32,99, respectivamente.

As ações das elétricas derreteram a partir de setembro, com analistas e investidores ajustando seus preços-alvo à nova realidade do setor. Os investidores se sentiram intimidados pelos estragos da MP vão causar nos próximos resultados das empresas.
[...]
Além disso, a Eletropaulo ainda foi penalizada no final do ano pela preocupação dos investidores com uma dívida de R$ 1,3 bilhão referente a um empréstimo contraído pela companhia em 1986. A quantia equivale a cerca de 40% do valor de mercado da Eletropaulo.

161150 - paulo_prof -  20 Dez 2012, 03:27
Se a empresa tiver sucesso no pleito junto à ANEEL, acredito que o ativo estaria barato mesmo de vier a perder a ação da Eletrobrás, desde que a ação transite em julgado somente daqui há 3 anos.

No caso de sucesso no pleito, não somente terá um aumento de receita de mais de 10%, como elimina a ameaça de ter que devolver receita antiga.

De qualquer forma, entretanto, será necessário ter paciência uma vez que não acredito que a política de um payout de 100% de proventos seja reinstituída antes do exercício de 2015.

161138 - paulo_prof -  20 Dez 2012, 00:57
Efetuar projeções envolvendo a Eletropaulo é uma missão quase impossível, devido às incertezas que envolvem valores expressivos de balanço.

Sem considerar a incerteza relativa à questão da ação judicial da Eletrobrás, com impacto potencial de mais de R$ 1,1 bilhões, há o pleito da Eletropaulo de ver reconhecidos, pela ANEEL, os investimentos efetuados no ciclo tarifário anterior e que foram "glosados" pela agência.

O problema é que se, de um lado, há chances da Eletropaulo ter um ganho se o pleito for bem sucedido, de outro, no caso do pleito não ser bem sucedido, há chances da Empresa ter que devolver o que faturou no ciclo anterior, supostamente sobre uma base "inflada" de ativos.

De qualquer forma, considerando os possíveis cenários de curto prazo (passivo regulatório de aprox. R$ 760 milhões, R$ 1,1 bilhões da ação eletrobrás e eventual passivo gerado sobre uma base de dados inflada), não acredito que a empresa se disponha a pagar mais de 1/3 de seu lucro líquido na forma de proventos.

Acho que dificilmente a ELPL pagará mais do que R$ 0,46 reltivos ao exercício de 2012, R$ 0,25 relativos ao exercício de 2013 e R$ 0,46 relativos ao exercício de 2014.

160472 - PANICO2011 -  14 Dez 2012, 15:00
Rumo aos 25 (centavos)

Eletropaulo perde disputa bilionária e ação despenca até 9%
Companhia é condenada a pagar R$ 1,3 bilhão à Eletrobras, mais de um terço de seu valor de mercado; empresa irá recorrer
Por Fernando Ladeira |10h32 | 14-12-2012 a a a SÃO PAULO - Condenada a pagar um empréstimo bilionário à Eletrobras (ELET3, ELET6), que estava em disputa na justiça, as ações da Eletropaulo (ELPL4) despencam 8,7% nesta sexta-feira (14), aos R$ 12,78, segundo cotação das 10h26 (horário de Brasília). Na mínima do dia a queda chegou a 9,29%.

Segundo comunicado enviado ao mercado, esse valor vem desde outubro de 1986, quando a Eletropaulo ainda era controlada pelo estado de São Paulo. A disputa envolve o pagamento de saldo de empréstimo contratado entre as duas elétricas. A Cteep (TRPL4) também estava envolvida na disputa.

Eletropaulo é conedada a pagar R$ 1,3 bilhão à Eletrobras, mas irá recorrer (Reuters)
No entanto, a 5ª Vara da Comarca do Rio de Janeiro determinou que a Eletropaulo é integralmente responsável pelo pagamento, cujo valor atualizado equivale a R$ 1,3 bilhão. O valor de mercado da empresa é de R$ 3 bilhões, segundo cotação do último fechamento.

As ações ELET3 avançam 0,61%, enquanto as ELET6 sobem 0,63% e as TRPL4 se valorizam em 0,64%.
http://www.infomoney.com.br/eletropaulo/noticia/2636255/eletropaulo-perde-disputa-bilionaria-acao-despenca-ate

160448 - paulo_prof -  14 Dez 2012, 13:26
Uma aposta razoável é ELET6. Se o prejuízo que a Eletrobrás vai ter no 4T12, por ter de fazer a baixa contábil da diferença entre os valores que contabilizou e que vai receber pelos ativos não totalmente depreciados envolvidos na prorrogação da concessão, não for capaz de "comer" todas a Reservas de Lucros, a ELET6 garante o pagamento de um dividendo mínimo que ao preço de hoje nenhuma renda fixa chega perto ...

O risco é a Reserva de Lucros sumir e, em conseqüência, a Eletrobrás poder se isentar de pagar. Um outro risco seria a Eletrobrás cancelar o dispositivo estatutário que a obriga a pagar um mínimo aos detentores de ações preferenciais. A Dilma já mostrou que não está nem aí para os minoritários (vide o uso da Petrobrás para conter a inflação, o uso de Eletrobrás para poder pagar uma promessa de campanha, etc.).

155583 - tota57 -  08 Nov 2012, 00:11
Eu acredito que vai melhorar. O contrato de concessão precisa ter equilíbrio econômico financeiro. Energia é essencial, a área da Eletropaulo é um mercado relevante na America do Sul. Nenhum investidor mantem um negócio que não remunere ao menos o custo de oportunidade, senão é melhor deixar a grana na "poupança".

Tem uma discussão na Aneel sobre a glossa de 700 milhões que foi feita na base de ativos da ELPL. A empresa alega que tem outros 600 milhões que não foram considerados na base.

De uma coisa eu tenho certeza, aquele absurdo de DY% não voltarão, mas esse jogo ainda vai virar. Eu tenho quase nada de ELPL, mas ela vai voltar para minha carteira. Atualmente tenho "apenas" 16% no setor elétrico, já tive 75%.

Tá difícil selecionar vacas leiteiras. Essas considerações que fiz sobre TRPL é importante que saibam que eu estou pensando na aposentadoria, ou seja, numa empresa que terá mais 30 anos de concessão e que poderá dar a volta por cima com a grana que receberá de indenização.

155354 -  paulo_prof -  07 Nov 2012, 00:39
Supondo que a Eletropaulo seja uma empresa que já esgotou o seu ciclo de crescimento, qual teria que ser o seu lucro anual hoje para que o preço atual (R$ 16,34) seja igual ao preço justo calculado pela fórmula do FCD, com perpetuidade real nula e taxa anual real de desconto de 8%?

Resposta: LPA = R$ 1,3072, ou lucro anual de aprox. R$ 220 milhões, ou ainda lucro trimestral de aprox. R$ 55 milhões.

Na minha avaliação, a Eletropaulo é capaz de gerar um lucro trimestral recorrente de no máximo 100 milhões.

Os R$ 45 milhões da diferença correspondem a um resultado antes dos impostos de aprox. R$ 70 milhões, ou R$ 280 milhões por ano.

Se não estou enganado, a partir de julho de 2013 e durante 2 anos, a empresa terá que devolver, via tarifa, um valor que hoje monta a R$ 930 milhões. Somando a contingência com a Eletropaulo, pode-se chegar fácil aos R$ 2 bilhões.

Não vejo como as contas poderão fechar ...

Considerando uma taxa de crecimento real de 1% na perpetuidade e reduzindo a taxa de desconto para 6% reais, o preço justo da ELPL4 hoje para que estes R$ 2 bilhões possam ser pagos em 4 anos seria de aprox. R$ 13,50-14,00 !!! Será???

Acho bom colocar as barbas de molho ...

155322 - danieljoseaa -  06 Nov 2012, 22:53
Lucro da Eletropaulo cai 96% no 3º trimestre
Compartilhar:
Por Natalia Viri | Valor
SÃO PAULO - A combinação da redução dos preços no terceiro ciclo de revisão tarifárias e custos pressionados derrubou o resultado da AES Eletropaulo no terceiro trimestre. O lucro da distribuidora de energia que atua no Estado de São Paulo recuou 96,1% em relação ao mesmo período de 2011, para R$ 13,7 milhões.

O reajuste tarifário mordeu R$ 264,1 milhões no faturamento da companhia, o que, associado a uma redução de 0,4% na venda de energia, resultou em uma queda de 3,8% na receita líquida na comparação com terceiro trimestre de 2011, para R$ 2,46 bilhões.

Mas a principal pressão veio dos custos, que subiram 23,5%. A parcela A, que engloba os custos chamados “não gerenciáveis” avançou 15,1%, para R$ 1,75 bilhão, impulsionada pela alta tanto no preço da energia comprada para revenda e quanto nos encargos para transmissão. Já os custos considerados gerenciáveis, que incluem gastos com pessoal material e serviços de terceiros, por sua vez, subiram 92,1%, para R$ 357,7 milhões.

Com isso, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 108,4 milhões, queda de 83,1% na comparação anual, com margem de apenas 4,4% em relação à receita, contra 25,1% um ano antes.

O resultado financeiro também contribuiu para a queda na última linha do balanço. O saldo líquido dos ganhos financeiros e das despesas com pagamento de juros e variação cambial ficou positivo em R$ 7,5 milhões, 36% abaixo dos R$ 11,8 milhões registrados entre julho e setembro de 2011.

Uma forte redução no pagamento de Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL) salvou a companhia do prejuízo. No terceiro trimestre, a Eletropaulo pagou R$ 8,4 milhões, contra R$ 179,1 milhões um ano antes.

No fim de setembro, a distribuidora tinha uma dívida líquida de R$ 3,1 bilhões, 5,8% maior do que a apurada no mesmo mês do ano passado. O endividamento bruto da companhia era de R$ 4,03 bilhões no período, contra disponibilidades de caixa de R$ 932,1 milhões.

154013 - paulo_prof -  27 Out 2012, 01:06
Citação: danieljoseaa
Prof......qual sua estimativa de LL da ELPL nestes 2 próximos trimestres e se não for pedir demais, um "chute" para o LL de 2013, ano que, se não me engano, ainda terá que fazer devoluções de lucros?????
O meu maior problema ao tentar efetuar estimativas relativas à Eletropaulo, é a insegurança em relação à metodologia que é empregada no cálculo do reajuste tarifário.

O Tota "garante" que os custos da Parcela A da Eletropaulo durante o 2T12 foram levados em consideração no cálculo do reajuste tarifário. Mas eu não consigo visualizar qual foi a mágica que a ANEEL fez ...

De acordo com as informações disponíveis relativas ao reajuste tarifário, a parcela A teria contribuído com 3,59% (do total autorizado de 5,51%). Ocorre que no Relatorio do 2T12, a Eletropaulo informa que os custos relacionados com a Parcela A aumentaram 23,1% relativamente ao custos incorridos no 2T11.

A conta de padeiro não "fecha" ... Se diluir o aumento de custos do 2T12 no ano todo (supondo o volume de energia inalterado e os custos dos demais trimestres inalterados em relação ao ano anterior), obtém-se um valor sensivelmente maior do que os 3,59% adotados. Para a conta fechar, é necessário que ou a energia comprada no 2T12 foi muito maior em volume do que aquela do 2T11, ou que os custos relativos à parcela A nos demais trimestres foi menor do que no ano anterior.

Se estes custos aumentados da parcela B não foram considerados no reajuste tarifário, a empresa estará gerando um ativo regulatório que poder´s compensar, pelo menos parcialmente, a devolução de tarifa da ordem de R$ 350 milhões, no ano 2013/2014.

Por outro lado, com a seca, certamente a Eletropaulo teve que comprar energia térmica, a qual custa muito mais do que aquela fornecida pela AES Tiete. Como o reajuste tarifário é valido no periodo 3T12 a 2T13, a empresa terá que financiar os custos não cobertos pelo reajuste.

A minha projeção para os lucros dos próximos 4 trimestres incluindo o 3T12, os quais não serão ainda impactados pela devolução de tarifa, é de uma média de R$ 80 milhões trimestrais, com R$ 140 milhões este ano e R$ 180 milhões em 2013.

Mas o lucro do 2S2013 deverá ser fortemente impactado pelo início da devolução tarifária. Não acredito num lucro maior do que aprox. R$ 120 milhões.

Resumindo:
exercício de 2012: lucro líquido de R$ 310 milhões
exercício de 2013: lucro líquido de R$ 300 milhões

Lembre que como os números acima foram baseados em hipóteses que podem estar completamente furadas, devem ser considerado como "chutes homéricos"!!!

153880 - paulo_prof - 26 Out 2012, 12:35
Citação: alisonvm
Professor
Na divulgação do 2T12 da ELPL4, o mercado especulou uma possivel oferta de ações, logo desmentido pela diretoria, mas agora vendo essa onda de OPA acontecendo, um 3T12 perigando prejuízo; não te preocupa isso??? uma possivel OPA...
Ao contrário talvez da maioria aqui, aumentos de capital via subscrição não me preocupam, desde que efetuados a preço justo e sem vantagens para o controlador.

Uma proposta de aumento de capital, por exemplo, como aquele último da Petrobrás, onde o minoritário entra com a grana e o governo entra com um terreno na lua, é o fim da picada.

Esta, por exemplo, é uma preocupação relativa à Telefonica. Vai que ela inventa de incorporar algum de seus ativos latino-americanos na VIVT. Ela faz um aumento de capital onde o minoritário entra com a grana e o controlador ... entra com o ativo ... supervalorizado, bem claro ...

No caso da Eletropaulo, se hoje me oferecessem a possibilidade de subscrever a R$ 15,00 uma ação para cada 2 possuídas (ou seja, um aumento de capital de aprox. R$ 1,25 bilhões) eu certamente não reclamaria ...

153343 - paulo_prof -  23 Out 2012, 23:43
Estou reiniciando uma posição ... modesta ... Acho que neste nível de preço e no curto prazo (antes que a ação judicial da Eletrobrás invesnte de acordar ...), o risco não é grande. Dá para pagar para ver ...

Eu não apostaria assim cegamente que os resultados do 3T12 serão bons ... O reajuste de preço ocorrido em julho foi negativo e os custos certamente serão bem maiores do que aqueles do 3T11 (além dos custos de manutenção, pessoal, etc. provavelmente terem aumentado acima da inflação, o custo da energia é provavelmente maior porque, com o real mais desvalorizado a energia de Itaipu custa mais e com a seca, a energia das termelétricas custa muito mais ...). Parte da majoração nos custos será descontada por ocasião do ajuste tarifário de 2013, mas 1/3 do déficit regulatório de mais de R$ 1 bi que a empresa tem também terá que ser devolvido. Em conseqüência, em julho de 2013 provavelmente o reajuste ficará próximo de zero.

147390 - small caps  -  05 Set 2012, 02:39
No preço atual, sim, é um risco que deve ser avaliado, com praticamente peso de turnaround... lembrando que:

Após iniciar o pagamento do R$ 1 BILHÃO em tarifas que tem que devolver nos próximos 2 anos a partir de julho de 2013 em 2015 (salvo engano) ela será "agraciada" com mais um revisãozinha e não duvido que a taxa de retorno do negócio permitida vai passar dos atuais 7,57% para algo próximo de 5%... mais uma "porrada", portanto. Isto porque os 7,57% foram definidos quando uma NTN-B pagava 6% a.a... agora que não paga nem 4%, a probabilidade é que se corte mais uma vez o retorno da distribuidora...

Até lá, claro, a ELET possivelmente terá recebido a 100a. emissão de capital subscrita pela República bolivariana... eis que o que a salva são as geradoras que vão ter a receita ceifada mais do que pela metade quando se encerrar a concessão...

O futuro continua sendo de cinzas e só vai mudar se e quando o caos for instalado... as distribuidoras ainda tem bastante gordura para chegar neste ponto em que nossos vizinho hermanos já chegaram....

Estou posicionado em empresas com concessões mais longas e com contratos também mais distantes, como ENBR3, TAEE e GETI3 (que a partir de 2015 também vai levar lambada em razão do término do contrato com a ELPL)... até TPIS acaba sendo mais "segura" apesar da sua notável excessiva dívida em razão de vários projetos em estágio inicial ao mesmo tempo...

154013 - paulo_prof - 26/Out/2012 23:06
citação: danieljoseaa
Prof......qual sua estimativa de LL da ELPL nestes 2 próximos trimestres e se não for pedir demais, um "chute" para o LL de 2013, ano que, se não me engano, ainda terá que fazer devoluções de lucros?????

Grato e um abraço!

O meu maior problema ao tentar efetuar estimativas relativas à Eletropaulo, é a insegurança em relação à metodologia que é empregada no cálculo do reajuste tarifário.

O Tota "garante" que os custos da Parcela A da Eletropaulo durante o 2T12 foram levados em consideração no cálculo do reajuste tarifário. Mas eu não consigo ainar qual foi a mágica que a ANEEL fez ...

De acordo com as informações disponíveis relativas ao reajuste tarifário, a parcela A teria contribuído com 3,59% (do total autorizado de 5,51%). Ocorre que no Relatorio do 2T12, a Eletropaulo informa que os custos relacionados com a Parcela A aumentaram 23,1% relativamente ao custos incorridos no 2T11.

A conta de padeiro não "fecha" ... Se diluir o aumento de custos do 2T12 no ano todo (supondo o volume de energia inalterado e os custos dos demais trimestres inalterados em relação ao ano anterior), obtém-se um valor sensivelmente maior do que os 3,59% adotados. Para a conta fechar, é necessário que ou a energia comprada no 2T12 foi muito maior em volume do que aquela do 2T11, ou que os custos relativos à parcela A nos demais trimestres foi menor do que no ano anterior.

Se estes custos aumentados da parcela B não foram considerados no reajuste tarifário, a empresa estará gerando um ativo regulatório que poder´s compensar, pelo menos parcialmente, a devolução de tarifa da ordem de R$ 350 milhões, no ano 2013/2014.

Por outro lado, com a seca, certamente a Eletropaulo teve que comprar energia térmica, a qual custa muito mais do que aquela fornecida pela AES Tiete. Como o reajuste tarifário é valido no periodo 3T12 a 2T13, a empresa terá que financiar os custos não cobertos pelo reajuste.

A minha projeção para os lucros dos próximos 4 trimestres incluindo o 3T12, os quais não serão ainda impactados pela devolução de tarifa, é de uma média de R$ 80 milhões trimestrais, com R$ 140 milhões este ano e R$ 180 milhões em 2013.

Mas o lucro do 2S2013 deverá ser fortemente impactado pelo início da devolução tarifária. Não acredito num lucro maior do que aprox. R$ 120 milhões.

Resumindo:
exercício de 2012: lucro líquido de R$ 310 milhões
exercício de 2013: lucro líquido de R$ 300 milhões

Lembre que como os números acima foram baseados em hipóteses que podem estar completamente furadas, devem ser considerado como "chutes homéricos"!!!

142731 - tota57 -05 Ago 2012, 16:51
Boa tarde Professor e amigos do tópico,

Na nova tarifa da ELPL, vigente desde Julho/12, o preço médio considerado foi de R$ 127,56/MWh, bem próximo do valor praticado no 2º Tri/12, vide pag 18 do documento que esta no link abaixo. Qualquer "bolha financeira" (ativo/passivo regulatório) dependerá de variações de preços que virão pelo futuro.

http://www.aneel.gov.br/cedoc/nreh20121319.pdf

Eu estou realmente sem muito tempo para estudar o ativo, esse setor é muito complexo e é preciso analisar muitos detalhes. Eu não tenho certeza, mas acredito que a ELPL já esta refletindo, no balanço do 1º Sem/12, algumas decisões da revisão tarifária, como por exemplo: novas taxas de depreciação de ativos e outras receitas que precisam ser contabilizadas na conta de obrigações especiais (gera resultado mas não pode ser distribuido como dividendos).

A situação é muito complicada. A empresa tomou uma multa de R$134 milhões pela falha na base blindada, multa que caberá recursos. O erro na base blindada vem desde a primeira revisão tarifária, em 2003. Esse erro provocou uma "receita incorreta" de R$730 milhões. Caso similar na Enersul fez a Aneel decidir pela devolução de forma parcelada. Todas as bases devem ter erros, que só vão ser corrigidos quando as empresas terminarem um recadastramento que esta sendo exigido pela Aneel. A ELPL alega que há ativos subavalidos na base, ou seja, há situações em que ela deixou de receber. É uma tremenda encrenca. Não bastasse tudo isso ainda tem a ação judicial com a Eletrobrás.

Aos amigos eu recomendo cautela. Podemos estar diante de uma oportunidade, mas há riscos envolvidos que precisam ser ponderados. Quando eu tiver condições, se é que vou conseguir chegar a uma conclusão com boa margem de segurança, venho aqui e posto para voces.

142726 - paulo_prof - 05 Ago 2012, 14:27
Acho que a verdadeira "história" da ELPL ainda está para ser contada. Parte dela poderia ser explicada pelo Tota e parte dependerá de desnvolvimentos futuros que poderão impactar o preço da energia.

No que tange as incertezas, no meu modo de ver, está a Base de Remuneração Regulatória. O índice definido pela Aneel para o retorno do capital investido só tem sentido se aplicado sobre uma estimativa "correta" do capital. Neste sentido, se entendi bem, há uma divergência de valor entre a Aneel e a ELPL que é apreciável. A ELPL interpos recurso administrativo. Se a ELPL ganhar o recurso, obterá um "leite extra" para gastar na devolução das tarifas cobradas a maior no exercício 2001/2002. Se perder, pelo menos teoricamente, corre o risco de ter que devolver o que potencialmente cobrou a mais a título de retorno de um capital que efetivamente era menor do que aquele calculado.

De duas, uma ... ou o capital regulatório em 2007 estava correto e aí não deve ser difícil efetuar as adições dos investimentos realizados no ciclo, ou o capital regulatório em 2007 havia sido levantado de forma equivocada. Estou descartando uma terceira hipótese, a de que a ELPL deliberadamente esteja informando investimentos no ciclo 2007/2011 que não fez, porque aí seria caso de polícia!

No que tange a questão do passivo regulatório, os R$ 1,09 bilhões a serem devolvidos nos exercícios 2003/2004 (1/3 do total) e 2004/2005 (2/3 do total), acho que há que se considerar que no ciclo 2002/2003 a empresa aparenta estar gerando um ativo regulatório, a maior parte do qual associada a um custo da energia comprada para revenda sensivelmente maior do que o custo estimado pela Aneel (talvez devido à rápida desvalorização do real).

Não sei onde buscar a informação do custo médio regulatório da energia comprada pela ELPL no exercício de 2012/2013. Supondo que este custo regulatório tenha sido aquele sofrido pela empresa no 1T12 (R$ 108,30/GWh) e considerando o custo sofrido no 2T12 (R$ 129,1/GWh), obtém-se uma defasagem percentual de aprox. 19%.

Não fosse este aumento de 19% no preço médio da energia comprada, a ELPL teria economizado R$ 211 milhões. Se admitirmos que o passivo regulatório seja de fato somente uns 60% deste valor (há que se considerar eventuais ativos regulatórios), chegaríamos a aprox. R$ 120 milhões.

Se os preços da energia praticados no 2T12 forem mantidos nos próximos trimestres, no final do exercício de 2012/2013 e empresa teria acumulado um passivo de aprox. R$ 500 milhões, ou seja, maior do que os aprox. R$ 360 milhões que terá que devolver.

Numa minha simulação de "padeiro", com a Receita Líquida dos últimos 12 meses aumentando 4%, uma margem bruta de 8,2%, resultado financeiro médio igual e IR/CS de 34% ter-se-ia:

PREÇO: R$ 18,63
PAYOUT: 50% (chutado)

Multiplicadores estimados para os resultados nos próximos 12 meses (3T12 a 2T13):
P/L 6,05
P/VPA 0,86
PSR 0,30
DY 8,26%
EV/EBITDA 4,82
MARGEM BRUTA 8,2%
MARGEM OPERACIONAL 7,5%
MARGEM LÍQUIDA 5,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,078
MARGEM EBITDA 12,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 116,1%
ROE 14,14%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,34

A menos que o Tota mostre que as minhas hipóteses/conjecturas estejam furadas (se tivesse que apostar ... apostaria que estão ... rsss), ou outra prova em contrário ... acho que se o mercado resolver bater no ativo ainda mais do que já fez, pode surgir uma ótima oportunidade de compra ... Como os riscos são grandes, um eventual investimento deve ser encarado quase como em turnaround ...

129647 - small caps - 05/Mai/2012 00:12
Cumpanheiros da ELPL4.

A análise de investimento é RACIONAL!
E racionalmente falando a empresa deixou BEM CLARO que seu lucro com os efeitos da nova revisão tarifária (previsão otimista) e considerando os gastos maiores da PARCELA A seria de MISERÁVEIS pouco mais de R$ 10 milhões!
Portanto, sugiro que diversifiquem um pouco, esfriem a cabeça e parem definitivamente de pensar que será COMO EM ANOS ANTERIORES. COM CERTEZA, NÃO SERÁ!
Todo meio de ano dos últimos períodos, houve REAJUSTE DA TARIFA. Este ano SERÁ DIFERENTE. Vai haver CORTE!

Por fim, sempre arduarmente criticamos os analistas e desta vez SEREVINE estava CERTO, ao meu Juízo e errados estavamos nós. Reconhecer este erro é o primeiro passo para se recuperar das eventuais perdas.

E please, parem de se iludir com este tal de "meu preço médio era X, Y Z.." o investimento na bolsa é PARA FRENTE, de hoje em diante, afinal, já ouviram falar que "rentabilidade passada não garante resultado futuro?" Aqui isto de aplica ainda mais.

Por fim, enquanto ELPL4 deu seus 100% em 4 anos, considerando os proventos, não faltaram ativos que deram de 500 a 1.000% exaustivamente discutidos por aqui. Portanto, não morram de amores por um ativo que deu um retorno meramente mediano.

129398 - paulo_prof - 04/Mai/2012 00:14
PREÇO: R$ 29,13
PAYOUT: (2011): 60,1%

múltiplos relativos aos últimos 3 meses anualizados:
P/L      14,61
P/VPA            1,60
PSR     0,65
DY      4,12%
EV/EBITDA  6,95
MARGEM BRUTA  7,8%
MARGEM OPERACIONAL          6,7%
MARGEM LÍQUIDA          4,5%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 2,634
MARGEM EBITDA 12,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       108,3%
ROE    10,96%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,41

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      -0,44%
U2A    10,90%
U3A    11,00%

b) do patrimonioo líquido médio
UA      -1,66%
U2A    4,09%
U3A    2,63%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido do 1T12 anualizado necessária, nos próximos 3 anos, para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD seja IGUAL aos R$ 25,00 da barraca do Floripa (perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%): -9%

120666 - paulo_prof - 14/Mar/2012 16:23
PREÇO: R$ 38,48
PAYOUT (2011): 58%

Relativo aos últimos 12 meses:

P/L      4,10
P/VPA            1,61
PSR     0,65
DY      14,15%
EV/EBITDA  3,08
MARGEM BRUTA  23,8%
MARGEM OPERACIONAL          23,6%
MARGEM LÍQUIDA          16,0%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 9,394
MARGEM EBITDA 29,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       92,9%
ROE    39,21%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,17

Taxas anuais médias nominais de crescimento:

a) do lucro líquido:
UA      16,65%        
U2A    21,60%        
U3A    15,24%        

b) do patrimônio líquido médio
UA      2,43%
U2A    4,10%
U3A    2,60%

Taxa anual média real de crescimento do lucro líquido, durante 3 anos, necessária para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD com taxa de desconto real de 10% e perpetuidade real nula seja 150% o preço atual (1,5*R$38,48=R$52,72): -16,5%

ou seja, se em termos reais, o lucro líquido decrescer continuamente numa média anual de 16,5%, ainda assim o preço justo calculado pela fórmula do FCD estaria 50% acima do preço atual ... isto, sem contar o DY de mais de 14%, se o payout e lucro atuais forem mantidos.

Ativo com muita gordura para queimar ... que venga el toro de la ação judicial ... que venga el toro de la revisão do 3o. ciclo ...

Por   Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:
- A AES Eletropaulo é a maior distribuidora de energia elétrica em consumo e faturamento da América Latina. Em 2010, chegou à marca de 6,1 milhões de clientes, atingindo o número de 16,5 milhões de pessoas atendidas. Sua área de concessão abrange 24 municípios da região metropolitana de São Paulo, inclusive a capital, onde se localiza a sede administrativa. Em 2010, a empresa comercializou mais de 43 mil GWh de energia, valor 5% acima do registrado em 2009, e apresentou lucro líquido de R$ 1,3 bilhão.
Para atender ao crescimento de seu mercado e elevar o nível de qualidade dos serviços prestados, em 2010 a companhia investiu R$ 682,3 milhões em obras de expansão, manutenção e melhoria nos serviços de atendimento ao cliente.  

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )


Link do Balanço:  http://ri.aeseletropaulo.com.br/Download.aspx?id=221898


Espelho Fundamentus:  http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=ELPL4&x=0&y=0

Site do RI:  http://ri.aeseletropaulo.com.br/

PAINEL DE INDICADORES
13/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
ELPL4
  31,30
4,0
1,49
5,9
22,5%
25,3%
0,7
13%
25,3%
158,3%





·  PONTOS POSITIVOS:

- O mercado cativo na área de concessão da AES Eletropaulo apresentou crescimento de 4,4% no 3T11, alcançando 11.404 Gwh.

- Os clientes livres, por sua vez, registraram crescimento de 3,7% no período, contribuindo para o incremento de 4,3% do mercado total.
- A evolução do Ebitda e o lucro líquido  foram positivamente impactados por:
    - reversões de provisões trabalhistas e tributárias no valor de R$ 73,2 milhões,
    - pelo recebimento da 3ª parcela do acordo com a Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP) no montante de R$ 75,5 milhões,
    - pelo reconhecimento de R$ 54,3 milhões a título de correção monetária e juros de mora sobre a contribuição ao Finsocial.
- Como evento subsequente, foi publicado Fato Relevante, no dia 31/10/2011, informando sobre a conclusão da venda da AES Atimus para a TIM. Com isso, o lucro líquido da AES Eletropaulo deverá ter um impacto de aproximadamente + R$ 457 milhões no 4T11.
- Receita Líquida 2,55B + 6,6% na Comparação 3Tx2T11
- Despesas Operacionais 1,7B estável na Comparação 3Tx2T11 ( ótimo considerando o aumento na receita )
- EBITDA  640M +22% na Comparação 3Tx2T11
- Margem EBITDA 25% + 3p.p.  +13% na Comparação 3Tx2T11
- Lucro Liquido   348M  +36,5%
- Patrimonio Liquido  3,5B  +2% na Comparação 3Tx2T11
- Dívida Líquida  2,91   -1% na Comparação 3Tx2T11
- Dívida / PL:  0,8    -11% na Comparação 3Tx2T11
- Indicador de Perdas 10,6  estável na Comparação 3Tx2T11
- Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC): 10,3    uma melhora de 1% no Trimestre ( era 10,4  2T11 )
- Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC):  5,42   uma melhora de 1% no Trimestre ( era 5,48  2T11 )
·  PONTOS NEGATIVOS

-


·  VISÃO ESTRATÉGICA
- Atualmente voltadas à melhoria da qualidade do serviço / redução de interrupções no fornecimento.  

·  CURIOSIDADES
-  De acordo com o contrato de concessão, a revisão tarifária da AES Eletropaulo deveria ter ocorrido no dia 04 de julho de 2011. Porém, pelo fato de a metodologia a ser aplicada no 3º Ciclo de Revisão Tarifária não ter sido finalizada, a data de revisão da Companhia foi postergada. Tal decisão é decorrente da Resolução Normativa 433/2011, divulgada pela Aneel no dia 12 de abril de 2011, por meio da qual o regulador definiu que as distribuidoras que tiverem revisão em 2011 teriam, quando necessário, as tarifas prorrogadas provisoriamente, por ato específico, até a publicação dos resultados definitivos dos processos de revisão tarifária. No caso da AES Eletropaulo, a resolução homologatória 1174 publicada do Diário Oficial no dia 04 de julho de 2011 prorrogou a vigência das tarifas homologadas no reajuste de 2010 até que a nova metodologia fosse aplicada. A ANEEL, em Reunião Pública de Diretoria realizada nos dias 08 e 09 de novembro de 2011, aprovou a metodologia do 3º ciclo de revisões tarifárias periódicas das Distribuidoras de energia elétrica, à exceção do item relativo às Outras Receitas, o qual deverá ser reavaliado e aprovado pela ANEEL nas próximas semanas. A documentação relativa à metodologia mencionada, aprovada pela Aneel, ainda não foi disponibilizada.          

·  OPINIÃO DO ANALISTA
- Uma excelente empresa, melhorando seus indicadores de desempenho a cada balanço e fazendo o dever de casa de uma empresa: lucrar. O evento recente da redução de payout serviu de motivo para muitos que estavam posicionados, venderem as ações e como acionista agradeço a todos pela oportunidade de aumentar a posição a um preço convidativo. O lucro da venda da Atimus no 4T11 tem de ser lembrado no futuro, já que é não recorrente e deverá elevar os números à um patamar fora do normal.

São Paulo, 14 de novembro de 2011 Resultado do 3T11
ELETROPAULO COMPRA
(ELPL4) PREÇO-ALVO: R$35,70

Destaques da Teleconferência do 3T11: Impulsionados por Itens Não Recorrentes;
Expectativa de Sólidos Dividendos
Márcio Prado Carolina Carneiro

Conclusão: A Eletropaulo divulgou sólidos resultados do 3T11 (superando nossas estimativas e as do consenso), em função de itens não recorrentes positivos e do atraso da implementação da revisão tarifária. Mesmo considerando o possível impacto da revisão tarifária e a redução esperada na distribuição de dividendos (estimamos 50%), acreditamos que o dividend yield ainda será atrativo (9%), considerando os itens não-recorrentes. Reiteramos nossa recomendação de Compra fora do consenso.

Notícia/Análise: No dia 9 de novembro, a Eletropaulo divulgou resultados que apresentaram crescimento surpreendente, em função de itens não recorrentes positivos e do atraso da implementação da revisão tarifária. A receita líquida totalizou R$2.557 milhões pela metodologia IFRS, alta de 3,9% A/A (R$2.315 milhões quando ajustada para excluir receita de construções, em linha com nossa estimativa). O EBITDA de R$668 milhões representou um aumento A/A de 11% (R$497 milhões, excluindo ganhos adicionais não recorrentes e não caixa com a IFRS, 16,6% acima da nossa estimativa). O lucro líquido apresentou alta de 6,1% A/A, atingindo R$348 milhões (R$211 milhões ajustado).

Destaques dos resultados:
(i) Receitas: volumes saudáveis, atraso na revisão tarifária A Eletropaulo informou que seu mercado total (cativo + clientes livres) apresentou crescimento de 4,3% A/A, ao passo que seu mercado cativo aumentou 4,4%.
O crescimento foi decorrente de sólidos desempenhos nos segmentos residencial e comercial, com alta de 6,2% A/A e 5,3% A/A, respectivamente.
(ii) Custos: itens não-recorrentes positivos. Os custos totais aumentaram 2,5% A/A (excluindo custos de construção e depreciação). O PMS (pessoal, materiais e serviços) apresentou crescimento de 7,8% A/A quando ajustado para não incluir despesas com fundos de pensão. Além do reconhecimento do pagamento da terceira parcela de seu acordo com o município de São Paulo (R$76 milhões, já esperado pelo mercado), a empresa beneficiou-se de uma reversão em provisões para contingências de R$73 milhões (resultados positivos em ações judiciais).
(iii) Finsocial. Durante o 3T11, a Eletropaulo recebeu uma sentença final favorável com relação a uma ação judicial envolvendo sua contribuição para o Finsocial (Fundo de Investimento Social) entre 1989 e 1992. Considerando a decisão final favorável, a empresa registrou R$54 milhões em resultados financeiros, impulsionando seu lucro líquido.

Dividend yield atrativo esperado para o 2S11. Mesmo considerando o impacto do EBITDA estimado em R$182 milhões e outros ajustes para ganhos não caixa decorrentes da metodologia IFRS, estimamos que a Eletropaulo ainda seja capaz de pagar um dividendo atrativo de 9% para o 2S11.

Destaques da Teleconferência:

- Revisão tarifária. A empresa foi questionada sobre suas premissas em relação à estimativa do Grupo AES (um impacto de R$182 milhões no EBITDA da Eletropaulo decorrente da revisão tarifária, que estava inicialmente programada para o mês de julho de 2011, porém não foi implementada pela Aneel). De acordo com a administração, essa estimativa foi baseada em uma combinação de variáveis do segundo ciclo e mudanças nas estimativas para o terceiro ciclo (portanto, após a divulgação final da revisão tarifária, a projeção da empresa será modificada). Com relação ao prazo, a revisão pode ser aplicada até abril de 2012, embora possa ser adiada até julho para ser aplicada juntamente com o reajuste tarifário.
- Dividendos: Novamente, a Eletropaulo afirmou que irá distribuir a quantia máxima possível, considerando os termos finais/impactos da revisão tarifária, geração de fluxo de caixa, impactos não caixa segundo a metodologia IFRS e seu plano de investimentos.

18368 - Barbado - 12/Nov/2011 00:29
Como está muito difícil analisar as variáveis que hoje estão envolvendo a empresa, eu só voltarei a falar dela, quando em abril/2012 anunciar os dividendos se é que existirão.

Só quero expor alguns pontos que já foram definidos:

Sobre os Dividendos, o Estatuto já dizia que eram 25% o mínimo obrigatório, o texto está no site da empresa, mas por liberalidade sempre pagou mais:

Esse é o texto atual:

• A Eletropaulo possui definido em seu estatuto o pagamento de dividendo mínimo de 25% do Lucro Líquido. Além disso, no estatuto social da empresa está determinado que as ações preferenciais tem direito a dividendos 10% (dez por cento) maiores que os atribuídos às ações ordinárias.

No primeiro semestre a empresa explicitou desta forma:

Lucro do Exercicio ‐ 30 de Junho de 2011 = 537,3
Realização de ajuste de avaliação patrimonia = l44,7
Constituição de reserva legal = zero
Base para distribuição de dividendos = 582,0
Proposta de distribuição = 291,0
Saldo remanescente = 291,0

Justificativas para a redução:

PÁGINA 19 de 36

A administração da AES Eletropaulo propôs a distribuição de 50% da base para distribuição de dividendos do 1S11 após a análise das seguintes questões:
(i)
projeção do fluxo de caixa da companhia incluindo programa de investimentos;
(ii)
devolução via tarifa dos passivos regulatórios, no montante de R$ 313,3 milhões, constituídos no ciclo 2010/2011;
(iii)
indefinição quanto à metodologia final para o 3º ciclo de revisão tarifária; e
(iv)
reforço de R$ 120 milhões em investimentos e despesas operacionais de 2011 e 2012 para assegurar o aprimoramento dos serviços prestados aos clientes.

Ao final do exercício de 2011, a Administração da Companhia reavaliará os fatores acima mencionados, dentre outros, para a definição da distribuição de dividendos do 2S11.

xxxxxx

Para esta AGE que será realizada agora em dezembro, existe também uma proposição de mudança no Estatuto da Empresa, dentre outras coisas há o artigo 24, onde a Direção poderá a qualquer tempo declarar dividendos extraordinários, fora das datas tradicionais.

A íntegra do artigo proposto.

Artigo 24. Ao final de cada exercício social serão levantados o balanço patrimonial e as demais demonstrações financeiras de acordo com as normas legais aplicáveis. A Companhia poderá, a critério do Conselho de Administração, levantar balanços semestrais, trimestrais ou em períodos menores de tempo, observadas as prescrições legais, e o Conselho de Administração poderá deliberar e declarar dividendos intermediários e/ou intercalares, inclusive como antecipação total ou parcial do dividendo obrigatório do exercício em curso.

102120 - paulo_prof - 12/Nov/2011 13:01
Resultados dos últimos 9 meses em relação a igual período de 2010:

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +4,6%
RESULTADO BRUTO -10,5%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -99,3%
RESULTADO OPERACIONAL -14,5%
RESULTADO LÍQUIDO -14,6%
EBITDA -8,2%

Crescimento do Patrimônio Líquido em 12 meses: -1,6%

Multiplicadores relativos aos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 31,37
PAYOUT: 65,0%
P/L      4,39
P/VPA            1,50
PSR     0,52
DY      14,81%
EV/EBITDA  3,59
MARGEM BRUTA  23,6%
MARGEM OPERACIONAL          17,8%
MARGEM LÍQUIDA          11,9%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 7,148
MARGEM EBITDA 22,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       106,5%
ROE    34,08%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,07

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA      -23,44%      
U2A    5,78%
U3A    33,28%        


b) do patrimônio líquido médio
UA 3,81%
U2A    3,09%
U3A    1,92%

Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido durante 3 anos necessária para um preço justo 50% maior do que a cotação anual (perpetuidade de 0% real; taxa de desconto anual real de 10%): -14%

66881 - paulo_prof - 24/Mar/2011 00:59
Devido a diversos eventos recorrentes positivos, os multiplicadores da ELPL4 relativos ao exercício de 2010 dizem muito pouco. Só para constar, seriam:

PREÇO R$ 34,30
PAYOUT 118,7%
P/L 4,26
P/VPA 1,54
PSR 0,59
DY 27,87%
EV/EBITDA 3,37
MARGEM BRUTA 26,0%
MARGEM OPERACIONAL 20,8%
MARGEM LÍQUIDA 13,9%
LUCRO POR AÇÃO R$ 8,053
MARGEM EBITDA 24,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 108,4%
ROE 36,06%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,31

DIVIDENDOS COMPLEMENTARES A SEREM DISTRIBUÍDOS EM ABRIL R$ 5,23/ação

Deve ser notado que a empresa dispõe mais de R$ 2 bilhões em reservas para se permitir o luxo de distribuir proventos à vontade. Evidentemente, não necessariamente terá caixa disponível para tal; neste caso terá que efetuar um empréstimo e/ou adiar/parcelar o efetivo pagamento.

O que realmente interessa é uma projeção do futuro, incluindo as prováveis perdas com a pendenga judicial.

Na minha projeção, em 2011 o Resultado Recorrente antes da Tributação somará aprox. R$ 1,9 bilhões. Se deste resultado substrair-se os aprox. R$ 1,2 bilhões da pendenga judicial, restariam aprox. R$ 700 milhões que correspondem a um lucro líquido nominal de aprox. R$ 460 milhões.

Para 2012, estou projetando um lucro líquido nominal de aprox. R$ 1,30 bilhões e para 2013, R$ 1,38 bilhões.

Para calcular o lucro real por ação nestes 3 anos, basta corrigir pelo índice de inflação. Supondo que este índice seja, em média, 6%, os LPA reais nos 3 anos seriam, respectivamente, R$ 2,5932; R$ 6,9139 e R$ 6,9239.

Supondo que após estes 3 anos o LPA real cresça a uma taxa real de 1,0% (sobre o LPA de R$ 6,9239) na perpetuidade, e supondo uma taxa anual real de desconto de 9%, o FCD fornece o preço justo de R$ 81,04.

Moral da história: mesmo levando em consideração a perda bilionária do angu com a Eletrobrás, a ELPL4 parece barata. Evidentemente, deve-se tentar aproveitar a queda nas cotações que quase certamente virá por ocasião da divulgação do FR relativo ao provisionamento para as perdas.

66852 - tittonel - 23/Mar/2011 23:21
Lucro líquido da Eletropaulo cai 52% no quarto trimestre, para R$ 299,7 milhões

Por: Anderson Figo
23/03/11 - 21h40
InfoMoney

SÃO PAULO - Com lucro líquido de R$ 299,7 milhões, a Eletropaulo (ELPL4) divulgou nesta quarta-feira (23) seu resultado referente ao quarto trimestre de 2010. O montante equivale a uma baixa de 52% na comparação com os R$ 624,9 milhões auferidos pela companhia entre outubro e dezembro do ano anterior.

"Essa queda deveu-se, principalmente, a redução de R$ 297,7 milhões devido ao efeito não-recorrente da adesão ao Refis no 4T09, além da baixa de ativos dos acordos com a SPTrans e EMTU (Empresa Metropolitana de Transporte Urbano) que totalizaram R$ 41 milhões", explicou a companhia em nota.

Já no acumulado de 2010, o lucro líquido da empresa chegou a R$ 1,347 bilhão, alta de 16,5% em relação aos ganhos de 2009. A Eletropaulo ressaltou que em 2010 seu lucro líquido foi impactado positivamente pela liquidação financeira das quotas da AES EP Telecom em R$ 175,1 milhões, assim como pelo acordo com o Banco Santos em R$ 70,1 milhões, pelo acordo com a PMSP em R$ 47,6 milhões e pela reversão de R$ 57,4 milhões referentes a processos de complementação de aposentadoria.

Receita líquida e Ebitda
No que se refere às receitas líquidas da companhia, elas totalizaram R$ 2,651 bilhões no último trimestre do ano passado, com alta de 8,4% em relação a igual período de 2009. No acumulado de 2010, as receitas líquidas da Eletropaulo totalizaram R$ 9,697 bilhões, crescimento de 10,4% frente ao ano anterior.

Na análise da própria companhia, o aumento registrado na receita líquida em 2010 decorre do crescimento de mercado e de tarifas entre os períodos, além do impacto positivo de R$ 176,1 milhões da adoção do IFRS (International Finantial Reporting Standards, regras internacionais de divulgação de resultados).

Em contrapartida, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) teve recuo de 10,6% no quarto trimestre de 2010 frente ao 4T09, somando R$ 542,6 milhões no período. Já na comparação de geração operacional de caixa acumulada entre 2010 e 2009, houve avanço de 35,9%, para R$ 2,413 bilhões.

Confira os resultados da Eletropaulo em 2010:
R$ (em milhões) 4T10 4T09 4T10 x 4T09 2010 2009 2010 x 2009
Lucro Líquido R$ 299,7 R$ 624,9 -52,0% R$ 1.347,7 R$ 1.156,5 +16,5%
Receita Líquida R$ 2.651,3 R$ 2.445,8 +8,4% R$ 9.697,2 R$ 8.785,6 +10,4%
Ebitda* R$ 542,6 R$ 606,8 -10,6% R$ 2.412,8 R$ 1.775,3 +35,9%
* Geração operacional de caixa

Consumo de energia
"Em 2010, os clientes cativos na área de concessão da AES Eletropaulo consumiram 35.434 GigaWatts/hora, crescimento de 2,9% em relação ao ano de 2009, impactado pelo bom desempenho das classes residencial e comercial. Já o mercado total apresentou evolução de 5% devido ao crescimento expressivo dos clientes livres", destacou Rinaldo Pecchio, vice-presidente e diretor de relações com investidores da companhia.

De acordo com a Eletropaulo, o aumento no consumo de energia no País ao longo do último ano foi possível diante de um cenário econômico favorável, com recuperação da produção industrial, queda na taxa de desemprego e aumento do crédito.

Investimento recorde
No último ano, a companhia investiu um montante recorde de R$ 682,3 milhões, alta de 32,3% em relação a 2009. O montante ultrapassou a cifra de R$ 673,3 milhões prevista para os investimentos da Eletropaulo em 2010. Isso deveu-se, segundo a empresa, aos investimentos com recursos próprios relacionados à modernização da rede subterrânea, equipamentos de campo e aquisição de transformadores de força e às aquisições de protetores de rede submersível, geradores de energia, transformadores de distribuição subterrânea e transformadores de força e equipamentos de campo.

http://web.infomoney.com.br//templates/news/view.asp?codigo=2068001&path=/i nvestimentos/

66829 - polycrav - 23/Mar/2011 22:08
- O lucro líquido da Eletropaulo ficou em R$ 299,7 milhões no quarto trimestre de 2010, menos da metade dos R$ 624,9 milhões registrados no mesmo período do ano anterior.

A concessionária atribuiu uma parte importante da queda, no valor de R$ 297,7 milhões, ao efeito não recorrente da adesão da companhia ao programa de parcelamento fiscal (Refis) no quarto trimestre de 2009.

A receita líquida cresceu 8,4% no trimestre, para R$ 2,65 bilhões, também no comparativo com o mesmo período de 2009. O mercado total da companhia cresceu 2,3%.

O resultado operacional medido pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) caiu 10,6% no trimestre, para R$ 542,6 milhões.

Para todo o ano de 2010, a Eletropaulo registrou aumento de 16,5% no lucro líquido, para R$ 1,35 bilhão. Houve um impacto positivo de itens não recorrentes, como o acordo com a massa falida do Banco Santos, no valor de R$ 70,1 milhões e a liquidação da venda de cotas à AES Eletropaulo Telecom, de R$ 175,1 milhões.

A receita líquida somou R$ 9,7 bilhões no ano, com alta de 10,4%. O consumo total na área de concessão cresceu 5% com relação a 2009, somando 43.345 GWh.

O Ebitda cresceu 35,9% no ano, para R$ 2,41 bilhões. A margem Ebitda avançou de 20,2% para 24,9%. O balanço obedece ao padrão contábil internacional (IFRS).

A queda do lucro no 04TR10 ja era esperado e para 2011 e 2012 deve ser menor ainda devido a revisao tarifaria de 2011 . Portanto para 2011 o DY vai cair quase pela metade considerando o de 2010 .

Análise Coin Valores
A AES Eletropaulo, principal distribuidora do Grupo AES Brasil é a maior distribuidora de energia elétrica da America Latina, atendendo a cerca de 6,1 milhões de unidades consumidoras cuja demanda aproximada é de 41 TWh por ano. Sua área de concessão de 4.526 km2, formada pela capital e por mais 23 municípios da Grande São Paulo, constitui o principal centro econômico do país. Entre os ativos da AES Eletropaulo estão 46 mil quilômetros de redes de distribuição além de cerca de 1,1 milhão de postes. A AES Eletropaulo possui diversos canais de comunicação com os seus consumidores como: lojas próprias, postos “Mais AES Eletropaulo” (agentes credenciados como, por exemplo, casas lotéricas), call center, chat, internet e SMS, garantindo fácil acesso à Companhia. As ações da AES Eletropaulo estão listadas no Nível II de Governança Corporativa da BM&FBovespa sob os códigos ELPL3 (ordinárias) e ELPL4 (preferenciais). A Companhia também possui ADRs negociados no mercado de balcão norte-americano sob as regras 144A e “Reg S” (Regulamento S) sob os códigos EPUMY e ELPSY (preferenciais).

RETROSPECTIVA 2010
Até novembro de 2010, a AES Eletropaulo conquistou importantes prêmios como o Índice de Satisfação do Consumidor (IASC) em que foi reconhecida como a melhor empresa da região Sudeste e 3ª melhor empresa do Brasil. Foi listada mais uma vez pela Revista Carta Capital como uma das empresas mais admiradas do país e conquistou o prêmio da Fundação COGE no quesito Ação de Responsabilidade Social com o programa “Casa de Cultura e Cidadania – Vivências que Transformam”. Posicionando a Companhia em patamares mundiais e reafirmando a excelência da gestão, a AES Eletropaulo foi a única empresa brasileira e receber o Prêmio Iberoamericano em 2010. O melhor desempenho econômico-financeiro da Companhia em 2010 quando comparado a 2009 foi gerado pelo crescimento do mercado no ano e foi alavancado pelos seguintes eventos extraordinários: (i) liquidação financeira de R$ 265,4 milhões referente à venda da AES Eletropaulo Telecom, (ii) recebimento de R$ 106,3 milhões em função do fim da discussão com o Banco Santos e (iii) pagamento da segunda parcela do acordo firmado com a Prefeitura de São Paulo em 2009 no valor de R$ 73,3 milhões. A Companhia realizou ainda duas emissões de debêntures cujo montante de R$ 800 milhões foi utilizado para a otimização da estrutura de capital e investimento na rede de distribuição visando uma qualidade ainda maior do serviço prestado. Em 2010, os investimentos em ações de combate a perdas comerciais (ou seja, fraudes e ligações ilegais) resultaram na redução de 1 p.p. em relação ao ano passado. A taxa de arrecadação da AES Eletropaulo manteve-se acima de 101%, conseqüência do constante processo de combate à inadimplência e de acordos para a recuperação de receitas de anos anteriores. Esses eventos, atrelados ao rígido controle de custos e despesas, impactaram positivamente o lucro líquido da Companhia e possibilitaram um maior volume de dividendos declarados aos acionistas da AES Eletropaulo que, desde 2007 são beneficiados pela prática de distribuição da totalidade do lucro líquido, com payout superior a 100% nos últimos três anos.

PERSPECTIVA 2011
Para o ano de 2011, a AES Eletropaulo mantém a meta de ser a melhor empresa de distribuição de energia do Brasil pelo Ranking Abradee. Para isso, a Companhia vem investindo para a melhora de seus indicadores operacionais. Em julho de 2011, a Companhia passará pela sua 3ª revisão tarifária, processo que ainda está sendo definido pela Aneel.
Em 2011, a Companhia estará listada pelo sexto ano consecutivo no Índice de Sustentabilidade
Empresarial da BM&FBovespa, evidenciando o comprometimento que a AES Eletropaulo tem
com o desenvolvimento sustentável.

6354 - Barbado - 22/Dez/2010 11:40
citação: sard1nes_77ispho... se o dolar cair mais algumas empresas que voce citou podem ter serios problemas (ja estao)

posi3 é interessante mais eu aguardaria o proximo resultado dela comprar faca caindo é sempre perigoso!

tnlp4 acho que esse desconto tem algo obscuro por tras! cuidado... o endividamento da oi ta batendo os 20 bilhões

sobre rdcd3 e ciel3 eu ficaria com ciel3 os fundamentos sao melhores

jhsf3 é uma otima escolha pra LP

as outras não posso opinar porque não conheço mas, quanto aos bancos a historia esta ai pra mostrar o que vem acontecendo...

gente queria trazer uma discussão polemica aqui... quando uma empresa tem um problema serio como bpnm4 o papel vai a leilão e ja abre com gap. muitos falam do stop como se fosse uma salvação, mas, sei que esses a maioria recebe beneficios das corretoras. pra mim o gerenciamento de risco mais eficiente não é só por ordem de stop mais por exemplo pela quantidade de capital que voce coloca em um papel e pela sua quantidade total de capital... pensemos um exemplo ce tem 20 mil reais e se tu coloca 18 mil em aplicação e 2 mil na bolsa pra começar tu tem un rendimento mensal proximo de 100 reais em um ano voce tem mil e 200 reais... quase metade do valor que vc aplicou na bolsa em caso do papel cair 50% ou mais sua perda é minima o q vcs acha desse metodo ?

outra maneira super simples é olhar o fundamento das empresas nao custa nda! gosto muito de olhar o nivel de endividamento acho isso importante!

Bom dia

Essa conversa de investidor Conservador, Moderado e Arrojado é invenção dos Bancos para ganhar dinheiro em cima dos clientes.

Eu acho Renda Fixa um péssimo negócio, basta fazer uma continha simples: Digamos que você consiga 100% da Selic 10,75% a.a., você deixa 22,5% de I.Renda nos primeiros 180 dias o que já reduz o seu ganho para 8,33%, bom mas você ainda tem que descontar a inflação para preservar o poder de compra de seu dinheiro, esse ano por volta de 6%, logo o seu ganho líquido é de 2,33% ao ano.

Um papel que esta pedindo "me compre" a um bom tempo é ELPL6, se o "Lucro líquido" da empresa cair 50% no ano que vem (o que não vai acontecer nem que a vaca tenha tosse), você ainda terá um rendimento superior a 10% (livres de I.Renda e Inflação).

Se me perguntarem porque livre de infação? Respondo: porque empresas de energia elétrica salvo uma catástrofe mundial, mantem crescimento um pouco acima da inflação, o que já garante a reposição de sua perda inflacionária no ano seguinte. Se nesse meio tempo, a empresa tiver ganho de produtividade (o que tem ocorrido um ano sim e outro também) você tará ainda ganhos extras.

É preciso ter convicção para investir em empresas de "valor" e que paguem bons dividendos, citei a ELPL6 porque na minha opinião ainda está barata, mas existem outras alternativas tais como: Coce3, Light3, Eter3, Tlpp3, Tnlp4 (eu continuo acreditando nela). Tem gente que gosta de outras como: Ambv4, Natu3 e Cruz3 (ótimas empresas) mas que já estão com os lucros dos próximos 10 ou mais anos embutidos no preço, até lá uma boa parte de nós já foi para a "casa dos pés juntos". Bom, vai do gosto de cada um.



A longo prazo, se você estudar, compreender as armadilhas do mercado, não ir atrás de modismos vai ganhar mais dinheiro do que deixar o seu dinheiro em Renda Fixa, fingindo que está ganhando.

53292 - paulo_prof - 04/Nov/2010 21:40
Para o que possa servir (com tanto lucro não recorrente os números perdem o sentido) os novos múltiplos da ELPL6, baseados nos últimos 12 meses, são:

preço: R$ 30,49
payout (2009): 105,4%
P/L 3,55
P/VPA 1,43
PSR 0,58
DY 29,67%
EV/EBTIDA 4,06
MARGEM BRUTA 15,4%
MARGEM OPERACIONAL 21,9%
MARGEM LÍQUIDA 16,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 8,584
MARGEM EBITDA 23,2%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 131,8%
ROE 40,29%
crescimento anual do lucro líquido: aprox. 50%

Considerando o lucro/ação acumulado nos últimos 12 meses, o preço corrente corresponderia ao valor presente do ativo para a hipótese de uma taxa de desconto anual de 16%, e um quebra de 53,8% no lucro líquido nos próximos 12 meses e crescimento vegetativo de 3% dai em diante.

Ou seja, se nos próximos 12 meses o lucro líquido por ação dos últimos 12 meses diminuir de 53,8% e, daí em diante, crescer vegetativamente a 3% ao ano, o preço atual seria o preço justo.

53292 - paulo_prof - 04/Nov/2010 21:40
Para o que possa servir (com tanto lucro não recorrente os números perdem o sentido) os novos múltiplos da ELPL6, baseados nos últimos 12 meses, são:

preço: R$ 30,49
payout (2009): 105,4%
P/L 3,55
P/VPA 1,43
PSR 0,58
DY 29,67%
EV/EBTIDA 4,06
MARGEM BRUTA 15,4%
MARGEM OPERACIONAL 21,9%
MARGEM LÍQUIDA 16,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 8,584
MARGEM EBITDA 23,2%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 131,8%
ROE 40,29%
crescimento anual do lucro líquido: aprox. 50%

Considerando o lucro/ação acumulado nos últimos 12 meses, o preço corrente corresponderia ao valor presente do ativo para a hipótese de uma taxa de desconto anual de 16%, e um quebra de 53,8% no lucro líquido nos próximos 12 meses e crescimento vegetativo de 3% dai em diante.

Ou seja, se nos próximos 12 meses o lucro líquido por ação dos últimos 12 meses diminuir de 53,8% e, daí em diante, crescer vegetativamente a 3% ao ano, o preço atual seria o preço justo.

53270 -  tota57 - 04/Nov/2010 19:55
Gostei do desempenho operacional.

- Redução de 1% nas Perdas
- Inversão na curva de Dec/Fec, ou seja, os apagões estão reduzindo.
- Arrecadação esta excelente, 100% daquilo que é faturado.

As despesas com serviços de terceiros tiveram uma elevação consideravel, decorrencia do aumento de equipes de manutenção e podas, parte das ações do plano de redução do Dec/Fec.

Para os que acompanham GETI, em paralelo, ELPL comprou mais energia.

"de forma a se atender o nível de contratação da Companhia para o ano, ocorreu maior compra de energia por meio do contrato bilateral com a AES Tietê de 2.639 GWh no 2T10 para 2.925 GWh no 3T10 devido à sazonalidade, paralelamente ocorreu redução de 4,6% do volume comprado nos contratos de CCEAR de energia existente.

O recebimendo do acordo com a Pref de SP foi parcial, a ELPL recebeu metade e os R$37 milhões restantes ficaram para recebimento em nov-10.

Para variar o aumento no Lucro Liquido teve boa parcela de eventos não recorrentes:

- R$29,5 milhões atualização monetária de venda de ativos fixos
- R$20,4 milhões de reversão de multas e juros de mudança na base de calculo no Confins, em 2004.

Por enquanto os numeros são excelentes, o problema é enfrentar as turbulencias previstas para 2011.

Boa sorte aos comprados.

49141 - paulo_prof - 07/Out/2010 16:43
citação: estadPorque falou que o dy não é mais 28%

O que passou ... já era. O que interessa é o que vem pela frente.

O capital da Eletropaulo é dividido em 167 milhões de ações. Os proventos de umas (ELPL6) são maiores do que de outras (ELPL3). Em termos da ELPL6, aprox. 105,4% do lucro líquido é distribuído em proventos.

Para estimar o DY corrente da ELPL6, basta dividir o lucro líquido da empresa esperado para os próximos 12 meses , pelo valor de mercado da empresa calculado em termos da ELPL6.

Qual será o lucro líquido nos próximos 12 meses? Se a empresa conseguir adiar a decisão judicial no processo da Eletrobrás, a minha projeção é de R$ 700 milhões (incluindo o 3T10).

O valor de mercado da empresa em termos da ELPL6 neste momento (com o preço da ação em R$ 30,35) é de aprox. R$ 5,08 bilhões.

DY = 105,4% * 700 / 5.080 = 14,5%

Mas, e se sair uma decisão da justiça antes de 30JUN2011? Então, em vez de um lucro de R$ 700 milhões, a empresa deverá ficar no zero-a-zero.

Se não existe lucro, o DY pode ficar em zero. Como a empresa dispõe de reservas, o controlador em princípio, poderia decidir distribuir parte destas reservas. Acho que dependerá do prazo que a justiça concederá para que a empresa liquide o débito (hoje na faixa dos R$ 1,1 bilhões).

46482 - Barbado - 17/Set/2010 22:04
citação: DanielRodriguesBoa noite a todos. Tentando descontaminar o fórum com esses papos de micos e análise técnica vou postar uma análise sobre a atual situação da ELPL6 rsrsrs. Na atual situação a empresa está barata ou cara?

Acredito que inúmeros resultados não recorrentes nos últimos trimestres acabaram mascarando um pouco a verdadeira situação da empresa. Levando em conta que as receitas da empresa crescem a taxas um pouco mais elevadas que o PIB me parece razoável estimar uma receita líquida de 8,8 Bi para esse ano. Excluindo os trimestres em que houve eventos não recorrente a margem líquida ficou próxima de 8% (no 1T10 foi de 7,35%), nos meus cálculos vou considerar um margem líquida de 8,50%. Portanto o lucro líquido recorrente desse ano seria de 748M.

Nos anos seguinte o PIB deve se expandir a taxas próximas de 5%, para a empresa vou considerar um crescimento das receitas de 8% ao ano. A revisão tarifária da ELPL6 é em 2012, pelos primeiras análises que vi o lucro líquido das distribuidoras deve cair de 10 a 20%, vou considerar uma queda de 12% dos lucros (percebam que estou sendo relativamente otimista, se não me engano o Small projetou uma queda dos lucros para as distribuidoras de 20 a 50%).

Portanto até 2012 teriamos o seguinte cenário:

Receita Líquida:
2010 - 8,8 Bi; 2011 - 9,504 Bi; 2012 - 10,265 Bi

Lucro Líquido Recorrente:
2010 - 748M; 2011 - 807,84M 2012 - 767,822M (redução da margem líquida para 7,48% em função da revisão tarifária)

Div. Yield levando em conta apenas o lucro recorrente(considerando payout de 100% e preço de 31,11):
2010 - 14,37%; 2011 - 15,52%; 2012 - 14,75%

Indicadores Fundamentalistas ao final de 2012:

P/L: 6,78
P/VPA: 1,52 (redução do patrimonio líquido atual em função do pagamento de dividendos)
PSR: 0,51
ROE: 22,38%
Div. Yield: 14,75%

Não dá para considerar a empresa um ativo caro, mas já não está tão atraente quanto no começo do ano. Além disso a decisão sobre a dívida de 1Bi com a eletrobrás pode sair a qualquer momento e as consequências para esse fato seriam as seguintes: aumento do endividamento da companhia e consequentemente redução do lucro líquido ( custo de uma dívida desse porte sairia por pelo menos 80M anuais) ou cancelamento de dividendos para pagar a dívida (deixando os acionistas um ano sem receber nada).

Conclusão: para quem busca apenas dividendos ainda é uma excelente opção, mas no longo prazo não vejo espaço para uma grande valorização das ações. O que acham?

Boa Noite Daniel.
Vou usar seus dados e fazer uma projeção:
Digamos que compramos hoje 1000 ações a 31,00 = 31.000,00
O lucro do 2S/10 será 748/2 = 374 + 100 Lucros n/recorrentes já conhecidos monta 474.
O número de ações da empresa é de 167,3 milhões. Então 474/167,3 = 2,83
Dividendos 2S/10 1000 x 2,83= 2.830,00.
Reinvestimos na empresa 2.830,00/31,00 = 91 ações. Total 1091 ações.
O lucro de 2011 = 807, o que resulta em 403,5 por semestre. Então 403,5/167,3 = 2,41
Dividendos 1S/11 1091 x 2,41 = 2.629,31.
Reinvestimos na empresa 2.629,31/31,00 = 85 ações. Total 1176 ações.
Dividendos 2S/11 1176 x 2,41 = 2.834,16.
Reinvestimos na empresa 2.834,16/31,00 = 91 ações. Total 1267 ações.
O lucro de 2012 = 768, o que resulta em 384 por semestre. Então 384/167.3 = 2,30
Dividendos 1S/12 1267 x 2,30 = 2.914,10.
Reinvestimos na empresa 2.914,10/31,00 = 94 ações. Total 1361 ações.
Dividendos 2S/12 1361 x 2,30 = 3.130,31.
Reinvestimos na empresa 3.130,31/31,00 = 101 ações. Total 1462 ações.
Lucratividade em 2,5 anos = 46,2%.
Agora tem um "plus" que não considerei que são os Juros sobre o capital próprio, que são pagos em dezembro, o que acrescenta mais alguma coisa.


Se alguém souber de uma ação que projete para os próximos anos, dividendos semelhantes, avise-me que vendo todas minhas ações da ELPL6 e entro de cabeça.

42904 - paulo_prof - 23/Ago/2010 10:34
citação: damonpenaProf Paulo , Small e Tota57 ... pelo que andei pesquisando a ELPL6 tá bem descontada em relação aos seus pares ...
O que vcs acham da empresa ? Na minha análise simplória eh um ótimo investimento no atual patamar de preço ...

Devo confessar que não compartilho muito com a noção de que ELPL6 esteja realmente tão descontada.

De forma alguma, pode ser esquecido que o lucro líquido do 1o. semestre de 2010 "já era" ... ou seja, já foi todo distribuído. Em conseqüência, tem que se enxergar a empresa exclusivamente com uma visão de futuro.

Qual será o lucro líquido nos próximos 12 meses, agora que (excetuando o pagamento da prefeitura de São Paulo) os eventos não recorrentes favoráveis parecem ter terminado? Na minha avaliação, o lucro líquido nos próximos 4 trimestres dificilmente ultrapassará os R$ 730 milhões. Isto equivale, ao preço corrente de R$ 34,18, a P/L = 7,8 e DY = 13,4%, para um P/VPA médio de aprox. 1,6. Se vc considerar a guilhotina de mais de R$ 1 bi que está pronta para cair ... é possível que haja opções, se não melhores, certamente menos arriscadas. Por outro lado a próxima distribuição de proventos se dará somente em meados de dezembro (isto só no caso de não haver uma decisão judicial desfavorável até lá, pois qualquer decisão desfavorável obrigará a empresa a efetuar a provisão, com a consequente despesa e prejuízo não recorrentes).
Em conseqüência, achei mais prudente reduzir a exposição para menos de 1/3 da anterior.

41196 - tota57 - 09/Ago/2010 21:12
AES Eletropaulo pretende investir cerca de R$ 700 milhões este ano

Apesar de problemas com contratação de empreiteiras, provocando atrasos no primeiro semestre, companhia acredita que meta será atingida

Dayanne Jadjiski, da Agência CanalEnergia, Investimentos e Finanças
09/08/2010

A AES Eletropaulo pretende investir R$ 691 milhões neste ano em sua rede de distribuição. Deste total, R$ 637 milhões serão financiados com recursos próprios. Apesar de a companhia ter tido problemas com a contratação de empreiteiras, provocando atrasos nos investimentos no primeiro semestre, o diretor financeiro e de Relações com Investidores da empresa, Rinaldo Pecchio, acredita que a meta será atingida."Tivemos problemas no começo do ano com contratatos de algumas empreiteiras. Mas já houve uma aceleração e acreditamos que vamos investir este valor até o final do ano", disse o executivo, que participou de teleconferência com analistas nesta segunda-feira, 9 de agosto.

No segundo trimestre deste ano, a companhia investiu R$ 131 milhões, valor 17% superior que o registrado no mesmo período de 2009. Segundo Pecchio, os projetos contemplados com estes recursos foram principalmente de manutenção, expansão do sistema e serviços ao consumidor. Entre as ações voltadas para a manutenção do sistema estão medidas preventivas e corretivas para os quais foram direcionados R$ 26 milhões, englobando 933 quilômetros de rede de distribuição. Foram realizados ainda projetos de automação no sistema elétrico e modernização subterrânea e de subtransmissão.

Neste período, ainda de acordo com o executivo, a concessionária destinou R$ 35 milhões em serviços para o consumidor voltados para a adição de 48,5 mil clientes da rede. Na recuperação de perdas, a companhia reduziu em 0,7% se comparado com os meses de abril a junho do ano passado. Entre as ações realizadas pela empresa estão a intensificação do programa de recuperação de perdas, regularização de instalações, substituição de medidores e inspeções.

40641 - polycrav - 04/Ago/2010 23:12
Essa aí só me dá tristeza...:-)



A Eletropaulo deve apresentar um resultado forte no segundo trimestre, mas com ganhos não recorrentes, na estimativa do analista Alexandre Kogake Claudio, da BES Securities, em relatório. A projeção é que a companhia elétrica registre um lucro líquido de R$ 418 milhões no trimestre. "O lucro líquido da Eletropaulo será impactado positivamente no segundo trimestre por R$ 238 milhões em ajustes não recorrentes. O primeiro é decorrente da definição do valor de venda da Eletropaulo Telecomunicações para a Brasiliana, cujo contrato de compra e venda havia sido assinado em setembro de 2005 e que teve agora o preço definido em R$ 296,3 milhões (efeito positivo de R$ 167 milhões no lucro líquido)", explica em relatório. "O segundo refere-se ao encerramento da disputa judicial com o Banco Santos, que resultou na reversão do passivo de R$ 108 milhões (efeito positivo no lucro líquido de R$ 71 milhões)." Com esses ajustes, a casa estima que os dividendos sejam positivamente impactados no que se refere ao primeiro semestre, mas que não deve se manter no futuro. Além disso, o analista já considerou nas projeções a probabilidade de perda de 30% no processo da Eletrobras. Por isso, a recomendação da casa é neutra para o papel, mas o preço-alvo foi reduzido de R$ 39,30 para R$ 38,40 por ação (ELPL6).

36855 - polycrav - 04/Jun/2010 12:18
E dá-lhe eletropaulo!
Eu acho é porco! heheh
Eletropaulo vende participação em AES EP Telecom e eleva dividendos


A Eletropaulo (ELPL6) anunciou que irá vender sua participação na AES EP Telecom para seu acionista controlador, a Brasiliana Energia, por R$ 296 milhões. A venda foi acordada em setembro de 2005, para se enquadrar a uma norma da Aneel que determina que distribuidoras de energia não podem ter participação em empresas cujo negócio seja diferente daquele estabelecido no contrato de concessão de energia elétrica. Para o analista da Itaú Corretora Marcos Severine, a notícia não era esperada e é positiva, representando um catalisador de curto prazo para as ações da Eletropaulo, na medida em que deverá ter um impacto líquido de R$ 167 milhões (ou R$ 1/ação) no lucro da companhia para o 2º trimestre de 2010, o que representa um dividend yield adicional de 3,2%. A Eletropaulo paga dividendos duas vezes por ano: depois dos resultados do 2º trimestre e depois dos resultados do 4º trimestre. Por isso, o analista avalia que o dividend yield do primeiro semestre deve subir de 6,3% para 9,6%.

35482 - padrinho - 14/Mai/2010 17:24
citação: renato1631
citação: morbutoEletropaulo, vamo que vamo, hoje ela é a comandante do trem. Apita ELPL6, Sai da freeente!!! Espero que não seja: sai de baiiiiiixo!!!
Eletropaulo: analista recomenda troca por AES Tietê
Os resultados de Eletropaulo (ELPL6) no 1º trimestre vieram em linha com as estimativas do analista Marcos Severine, mas abaixo do consenso do mercado quando se olha para o EBITDA (geração operacional de caixa). Por isso, ele acredita que as ações da empresa devam reagir negativamente na sessão de hoje. O analista reforça a recomendação market perform (desempenho em linha com a média de mercado) e o preço justo de R$ 43, o que representa um potencial de apreciação de 32%. Apesar do upside atraente, ele se mantém cético quanto à atratividade das ações da empresa neste ano. Na sua opinião, há opções melhores no setor em termos de dividend yield (GETI4), crescimento (CMIG4), resultados (ENBR3, CMIG4 e ELET3) e exposição à inflação (GETI4, ENBR3 e CMIG4). Além disso, os resultados do 1º trimestre trouxeram novos desenvolvimentos em relação à suposta dívida de R$ 1 bilhão da Eletropaulo com a Eletrobrás, o que pode pesar sobre a ação hoje. O fluxo de notícias em relação a essa questão pode se intensificar nos próximos meses, adverte o analista. Por isso, ele recomenda aos investidores que troquem Eletropaulo (ELPL6) por AES Tietê (GETI4).
O ajumentado do "analista" poderia pelo menos quebrar o galho dos seus investidores e indicar GETI3 pela segurança frente ao par. Aliás CMIG4 X ELPL6 não dá nem pra iniciar o "levar a sério"... 

35409 - danieljoseaa - 13/Mai/2010 21:00
Com bom desempenho da economia, Eletropaulo tem lucro 6% maior no trimestre
Recomendar!
Por: Equipe InfoMoney
13/05/10 - 19h29
InfoMoney
SÃO PAULO - A Eletropaulo (ELPL6) divulgou na noite desta quinta-feira (13) os resultados referentes ao primeiro trimestre de 2010, registrando lucro líquido de R$ 156,6 milhões, valor 6,2% superior ao registrado no mesmo período de 2009. A receita líquida teve aumento de 15,2% em relação aos três primeiros meses do ano passado.
Segundo a Eletropaulo, "além do bom desempenho do consumo e da economia, os resultados da companhia refletem também os efeitos do reajuste das tarifas a partir de julho de 2009".
Com o objetivo de atender o crescimento do mercado, a Eletropaulo investiu R$ 98,2 milhões no primeiro trimestre, com esforços na expansão do sistema e dos serviços ao consumidor. Além disso, a empresa direcionou investimentos para a recuperação de perdas e diminuição de ligações ilegais. Até o fim de 2010 a empresa planeja investir um total de R$ 691 milhões em sua rede de distribuição.
Confira os resultados:
R$ Milhões 1T10 1T09 Var.
Receita líquida 2.131 1.849 +15,2%
Ebitda 396,6 355,6 +3,9%
Margem Ebitda 17,3% 19,2% -1,9 p.p.
Lucro líquido 156,6 147,5 6,2%
Consumo
O mercado total (clientes cativos e clientes livres) da AES Eletropaulo atingiu o total de 10.344 GWh, alta de 6,7% em relação ao primeiro trimestre de 2009. A empresa atribui o resultado à "contínua recuperação do cenário econômico".
O mercado cativo apresentou participação de 82,6% do total vendido, correspondendo a 8.544 GWh, valor 5,2% superior ao 1T09. "Esse crescimento é explicado pelo maior volume das classes industrial e comercial, que apresentaram, respectivamente, incrementos de 9,2% e 5,5%", explica.
Para os clientes livres foram entregues 1.801 GWh, uma evolução de 14,4%. 

35389 - paulo_prof - 13/Mai/2010 18:32
O resultado da Eletropaulo veio dentro do esperado para este 1o semestre: lucro líquido entre R$ 150 e 160 milhões.
Os novos multiplicadores, para o preço R$ 32,69 e anualizados em relação ao 1T10, são:
P/L 8,73
P/VPA 1,59
PSR 0,64
DY 12,07%
EV/EBTIDA 4,35
MARGEM BRUTA 13,4%
MARGEM OPERACIONAL 11,1%
MARGEM LÍQUIDA 7,3%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,744
MARGEM EBITDA 17,3%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 70,6%
ROE 18,22%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,03
P/(CAP GIRO/AÇÃO) 48,06
GIRO ATIVOS 0,70
P/(ATIVO/AÇÃO) 0,45

30670 - small caps - 19/Mar/2010 17:22
citação: aderdSmall aproveitando sua disponibilidade, ELPL6 to esperando cair um pouco pra comprar agora tem essa questão dos dividendos, mas me parece um pouco "cara" nesse patamar, vale uma entrada?
ELPL6 tá razoável para comprar ainda. Mas é uma sensação de tomar um chopp com um pouco de água já... O Fockink sabe explicar melhor sobre o assunto :)


Mas considero um risco ainda atraente, sempre de olho nas observações que o Tota já fez sobre a empresa e seu litígio. A uns R$ 33 / 35,00 como ficou muiiiiiiiiiiiito tempo, era uma teta... até porque tinha divulgado aquele lucro extraordinária do REFIS por meio de fato relevante e na teleconferência do terceiro trimestre já tinha anunciado que pagaria full dividendos... 100% do lucro líquido.

30205 - tota57 - 14/Mar/2010 22:02
citação: pbelle1964Caro Tota,
Boa noite,
Sabe algum motivo para a acentuada queda da ELPL6 na sexta-feira?
Abracos,
ELPL tem dessas, vez ou outra dá uma corrigida dessas. Até 30-04, ultimo dia COM, a tendencia é valorizar, uma vez que pagará R$ 4,25 de dividendos. Ao meno foi assim no ano passado. 

30167 -  tota57 - 14/Mar/2010 16:16
Análise Resultados ELPL 2009
Vencimento Concessão – 2028
Governança – Nível 2
Estrutura Societária – A Americana AES e o BNDES são os principais acionistas. Em 2007 o BNDES sinalizou com possibilidade de venda da sua participação na Brasiliana, dona da AES ELPA, que controla 77,81% das ações ordinárias da ELPL.
Quantidade de ações - 167.343.887
Qualidade – Em 2009 a empresa ganhou o Premio Nacional da Qualidade (PNQ), da Fundação Nacional da Qualidade. A ELPL já havia sido finalista em 2008.
Mercado de Energia – Em 2009 o mercado cativo cresceu 1,7% em relação ao verificado em 2008, bem melhor que a redução de 1,1% registrada no consumo nacional. Os efeitos da crise tiveram um impacto menor nas distribuidoras de energia, pois a maior queda no consumo ocorreu nas grandes industrias, que compram parte dessa energia no mercado livre.
Perdas de Energia – Encerrou com 11,8%, abaixo dos 12,32% regulatório, ou seja, a tarifa esta cobrindo as perdas atuais. Houve um aumento de 0,2 pontos, em função da redução de consumo da classe industrial e alteração no calendário de faturamento dos clientes, reduzindo em 0,5 dia o período de registro dos consumos.
Arrecadação – Em 2008 a empresa teve um fraco desempenho na arrecadação, decorrência de mudanças nos sistemas informatizados, recebendo apenas 98,5% do que havia faturado. Em 2009, com a normalização nos sistemas informatizados, a arrecadação recuperou-se e atingiu 101,1% do que foi faturado no ano. A tarifa da ELPL cobre até 0,9% de inadimplência, logo o desempenho médio dos últimos 2 anos demonstra que a empresa não vem tendo prejuízos com a arrecadação.
Qualidade do Fornecimento de Energia – a quantidade de horas e numero de vezes em que houve desligamento de energia, indicadores conhecidos como DEC e FEC, apresentam desempenho piores que os de 2008. No DEC 11,86 hs, contra 9,2 hs em 2008. No FEC 6,17 vezes contra 5,20 vezes em 2008. No DEC o índice apurado violou o limite estabelecido pela Aneel, que é de 10,09. Esse fraco desempenho é decorrência do excessivo volume de chuva, raios e quedas de arvores, principalmente no segundo semestre de 2009. A ELPL estima que precisará pagar multas de aproximadamente R$ 12,7 milhões, pela violação do índice.
Endividamento - A maior parte é de LP e em moeda nacional, indexada ao CDI. Em 2010 há um vencimento, de uma só vez, de R$ 524 milhões, dos Euro Real Bonds, contrados com encargos de 19,13% a.a.
Divida Bruta = R$ 4,49 Bi
Dívida Liquida = R$ 3,22Bi
Divida Liquida/Ebitda = 2,05X
Custo Médio da divida = CDI + 2,8% a.a
Prazo Médio da divida = 7 anos
A empresa esta lançando debentures em 2 tranches de R$ 400 milhoes cada, com vencimentos para 4 e 10 anos, remuneradas em CDI + 1,25% e 1,5% a.a., respectivamente
Disponibilidades – R$1.249,2 milhões, no final de 2009. A empresa mantem suas disponibilidades aplicados em CDB.
Reajuste Tarifário – A Aneel autorizou um reajuste de 14,88%, vigente desde 04-07-2009.
Lucro – Em 2009 o lucro foi de 1,063 Bilhões, um LA = R$ 6,35. Observa-se porém que houveram 2 eventos não recorrentes que impactaram significativamente no resultado.
Refis = Efeito positivo de R$ 297,7 Mi
Pref São Paulo = Efeito positivo de R$ 76,6 Mi
Tanto em 2008 como em 2009 tivemos efeitos não recorrentes, que se expurgados remeteriam a um LL anual de R$ 658 Mi e R$ 805 Mi, respectivamente.
Proventos - O Pay Out será de 100% e haverá distribuição de dividendos complementares de R$ 3,87 para as ON´s e R$ 4,25 para as PN´s. Ultimo dia COM 30-04, data da AGO. A empresa prevê fazer o pagamento dos dividendos complementares em 2 parcelas, R$ 2,42 em 19-maio e R$ 1,45 em 15-Setembro.
Risco - Ação Eletrobrás X Eletropaulo/CTEEP- Em 1986 a Eletropaulo Estatal contraiu um empréstimo com a Eletrobrás. Uma ação judicial da Eletrobrás, contra a Eletropaulo Estatal, questionou a correção do pagamento desse empréstimo. O contrato determinava correção mensal e a Eletropaulo Estatal efetuou os pagamentos utilizando a correção anual. A diferença entre os dois tipos de correção representava, em dez-2008, R$ 937 milhões. A Eletropaulo Estatal, na época, perdeu em primeira instancia a discussão sobre o mérito. Perdeu e não recorreu, fazendo com que o processo continue em discussão até hoje, por inciativas da AES e CTEEP. O assunto foi ao Supremo que determinou que o tema voltasse a ser analisado em 1ª instancia.
Conclusão – ELPL continua sendo um opção interessante, mesmo com uma provável redução no lucro por ação, com o fim desses evento não recorrentes. O LL de 2010 poderá ser de aproximadamente R$ 900 milhões, considerando que a Pref SP pode impactar positivamente R$ 48 Mi e que o aumento no consumo de energia contribua com aprox R$ 50 Mi no LL. Essa projeção remeteria a um LA = R$ 5,37, que representa um P/L = 7,17, na ultima cotação de R$ 38,60. Lembrando que a empresa informou que o LL de 2009 seria de R$ 805 MI, expurgando os efeitos não recorrentes.
A ELPL apresenta ainda um interessante múltiplo EV/Ebitda = 5,87, bem abaixo dos aproximadamente 7,5 que creio tenham sido pago na parcela que a Cemig compro da Light.


Abaixo o Raio X com os múltiplos dos últimos 4 trimestres.

30151 - paulo_prof - 14/Mar/2010 12:24
citação: NotwenCardozo
citação: manoellobatoNos preços atuais é melhor comprar ELPL6 ou ELPL3? qual a previsão do mês em que ELPL vai ficar ex div?
Último dia "com" dia 18 de maio a não ser que divulguem algo diferente. Do relatorio de resultados da empresa:
PROVENTOS
Em 24 de setembro de 2009, a Companhia pagou o montante de R$ 322,7 milhões de dividendos intermediários, referentes ao 1º semestre de 2009.
O pagamento de dividendos complementares e juros sobre capital próprio, correspondentes ao saldo do lucro líquido do exercício de 2009, serão deliberados em Assembléia Geral Ordinária (AGO) no dia 30 de Abril de 2010.
O montante de dividendos complementares propostos pela administração da Companhia é de R$ 686,3 milhões e o de JCP de R$ 70,8 milhões, conforme quadro abaixo. Dessa forma, a proposta de 25 de 41 distribuição de proventos complementares da Companhia corresponde à R$ 3,87 por ação ON e R$ 4,25 por ação PN a serem pagos em data a ser deliberada em AGO prevista para 30 de Abril de 2010, da seguinte forma:
Juros sobre capital próprio
- R$ 0,39 por ação ON e R$ 0,44 por ação PN serem pagos em 19 de Maio de 2010.
Dividendos complementares:
- R$ 2,42 por ação ON e R$ 2,66 por ação PN serem pagos em 19 de Maio de 2010.
- R$ 1,45 por ação ON e R$ 1,59 por ação PN serem pagos em 15 de Setembro de 2010.
Considerando o preço médio ponderado das ações preferenciais classe B (PNB) em 2009, de R$ 32,83
por ação, o dividend yield do ano foi de 20,4%.
A menos que a AGO decida diferentemente, o dia "com" costuma ser o dia da AGO, 30 de abril, no caso. 

30023 - NotwenCardozo - 12/Mar/2010 10:44
citação: aderdNtowen vc acha que o elpl6 ta barata ainda ou é pelos dividendos mesmo???
Cara, já deu uma boa subida desde quando recomendaram aqui (estava 33,8x - 34,xx). Mas estas empresas valem a pena pelos dividendos. No caso de ELPL6, se vc nao tiver algo melhor para seu dinheiro, acho que vale a pena pois vai pagar a maior parcela dos dividendos em pouco tempo (19 de maio). Sem contar que o IBOV deu uma boa subida e ELPL6 é defensiva (normalmente cai pouco). ELPL6 eu tentaria comprar abaixo de R$39.
No mínimo vc terá prejuízos a compensar se vender posteriormente ao dia ex. Mas acho que no dia ex, o pessoal deve entrar comprando forte o que daria uma perspectiva de vc ganhar além do valor a compensar dos dividendos. 

29953 - tota57 - 11/Mar/2010 22:25
Maravilha esse resultado da ELPL. Em novembro eu tinha estimado 977 milhões de LL, ainda bem que errei para baixo. 1,063 Bilhões de LL e DY% de 20,4%...que maravilha.
Bem hoje estou duplamente feliz. A GETI fechou 2009 com 780 milhões de LL, 12,7% superior a 2008. 100% do LL vai ser distribuido na forma de dividendos. 

29938 - small caps - 11/Mar/2010 21:53
Dividendos show!
http://eletropaulo.infoinvest.com.br/ptb/1565/Release%20Completo%20Eletropaulo% 20-%202009-Final.pdf
Chega de sofrer com a FHER3 :) 

27091 - tota57 - 31/Jan/2010 10:36
Muita calma nessa hora. Lembrem-se que a Camargo Correa já controla a CPFE, que tambem paga bons dividendos, DY% na casa de 9% nos ultimos anos.
Quem tem ELPL6 pode ficar tranquilo quanto ao Tag Along. EV/Ebitida etimado para 2009 da ELPL esta na casa de 5,7, bem abaixo dos aprox 7,5 pagos pela Cemig na Light. Essa margem dá inclusive tranquilidade no caso de reconhecimento do passivo judicial com a Eletrobrás.
Eu acho que as ações da Eletropaulo valem mais do que o preço praticado atualmente. 

27090 -  tota57 - 31/Jan/2010 10:29
Lembrando que a ELPL6 tem Tag Along de 100%.
"Parágrafo Quinto - Adicionalmente, as ações preferenciais classe A conferirão a seus titulares o direito ao recebimento de um valor por ação correspondente a, no mínimo, 80% (oitenta por cento), e as ações preferenciais da classe B conferirão a seus titulares o direito ao recebimento de um valor por ação correspondente a, no mínimo, 100% (cem por cento), em cada caso, do valor pago aos acionistas titulares de ações ordinárias, na hipótese de alienação do controle da Companhia, nos termos do Capítulo X deste Estatuto Social."

27086 - tota57 - 31/Jan/2010 10:18
"Superelétrica" terá mais de um terço do mercado brasileiro
Com apoio do Planalto, Camargo Corrêa pretende comprar o controle da Eletropaulo, da AES Sul e da Neoenergia
Governo atua para formar grandes empresas de capital nacional, tendo o BNDES como o principal financiador dessas operações no país
LEONARDO SOUZA
LEILA COIMBRA
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
A empreiteira Camargo Corrêa recebeu o aval do Palácio do Planalto para constituir uma superelétrica na área de distribuição de energia.
A construtora assumiu no ano passado o comando da CPFL e conta agora com o apoio do governo para comprar o controle da Eletropaulo e da AES Sul, além de adquirir da Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil) e do BB a sua participação no grupo Neoenergia.
Se concretizadas as duas operações, a empreiteira terá nas mãos uma gigante que abastecerá mais de um terço do mercado nacional, incluindo praticamente todo o Estado de São Paulo -o mais rico do país- e três Estados do Nordeste, região atualmente com o maior potencial de crescimento.
Segundo pessoas próximas às transações ouvidas pela Folha, o presidente da Previ, Sérgio Rosa, abriu negociação com a Camargo Corrêa por interferência direta do Planalto.
Como a Previ possui participação relevante tanto na CPFL (31% das ações ordinárias, sendo 23% delas ligadas ao bloco de controle) quanto na Neoenergia (49% do capital total), há conflito de interesses.
Hoje os representantes da Previ precisam sair das salas de decisões da CPFL quando são discutidos detalhes sobre as negociações em curso para aquisições de outras distribuidoras de energia.
A fusão com a CPFL resolveria o conflito, porém a Previ passaria a ser minoritária na nova empresa, perdendo a gestão da Neoenergia. Marcelo Corrêa, atual presidente do grupo, é indicação do fundo de pensão do BB.
Grupos nacionais
Não é a primeira vez que o governo atua para formar grandes empresas de capital nacional, tendo o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) como o principal financiador dessas operações.
Entre 2008 e 2009, o banco estatal injetou quase R$ 7 bilhões para viabilizar a incorporação da Brasil Telecom pela Oi. Em 2007, o BNDES comprou cerca de R$ 4 bilhões em ações (a valores de 2009) dos frigoríficos JBS e Bertin, o que possibilitou a fusão dos dois grupos no ano passado.
No caso da BrT-Oi, o presidente Lula ainda teve que editar um decreto sob medida para permitir a união das duas empresas.
O setor elétrico está na esfera de influência direta da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), candidata à sucessão presidencial. Ela comandou a pasta de Minas e Energia no primeiro mandato do presidente Lula. Todos os grandes temas da área passam por sua mesa.
Concentração
A formação da superelétrica não enfrentará impedimento legal. Em 2008, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) derrubou a última barreira regulatória contra concentrações no setor. A operação, contudo, teria de passar também pelos órgãos brasileiros de defesa da concorrência.
Até então, a legislação limitava a participação dos investidores nas concessionárias da seguinte forma: até 20% no mercado nacional e até 25% nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. No Norte e no Nordeste a limitação era de 35%.
Segundo Jerson Kelmann, ex-diretor-geral da Aneel, a resolução 299, de 8 de janeiro daquele ano, extinguiu os tetos existentes.
As negociações para a fusão com a Neoenergia estão bem avançadas. O outro sócio da empresa, a espanhola Iberdrola, sofreu bastante com a crise financeira internacional e está bastante descapitalizado. Assim, dificilmente teria condições e interesse em comprar as participações da Previ e do Banco do Brasil.
No caso da Eletropaulo e da AES Sul, entretanto, a Camargo Corrêa ainda precisa superar alguns obstáculos.
As duas distribuidoras estão sob o guarda-chuva da empresa AES Brasiliana, que existe só no papel. O BNDES tem 53,85% dessa empresa, mas a operação das duas concessionárias (e também da geradora AES Tietê) é da americana AES.
Para vender sua participação na Brasiliana, o BNDES contratou o Citibank para elaborar a modelagem da operação. Pela legislação atual, o BNDES não pode negociar diretamente com nenhuma companhia interessada. A oferta das ações tem que ser feita em leilão.
Além disso, a AES tem direito de preferência na parte do banco e, neste momento, está capitalizada -a matriz recebeu uma injeção de US$ 2 bilhões do fundo soberano chinês, que adquiriu 15% da AES Corp.
Com o apoio do governo, contudo, a Camargo Corrêa espera entrar num acordo com os norte-americanos para que eles aceitem ceder o controle das duas distribuidoras. No passado, a AES chegou a anunciar que tinha a intenção de sair do país. Mas agora o discurso da empresa é o de permanecer ou mesmo de aumentar a sua presença no Brasil.
O interesse da Camargo se concentra na distribuição. No caso de uma união entre CPFL, Eletropaulo e Neoenergia, a maior sinergia estaria na ligação entre as duas primeiras, principalmente devido à proximidade geográfica, o que facilitaria o deslocamento de equipes para a manutenção das redes, por exemplo.
A CPFL está presente na grande maioria dos municípios do interior paulista. Já a Eletropaulo congrega a região metropolitana.
Serao respeitados, mesmo com a possivel expansao da eletropaulo.

25378 - danielbehar - 14/Jan/2010 23:44
Segue comentário jurídico sobre ELPL6, postado na comunidade "Ações - Buy and Hold - Bovespa" no ORKUT:

(Daniel) Vou meter o bedelho na discussão da ELPL6, pois sou advogado, acionista da Eletropaulo, e estou acompanhando a tramitação do processo.
A eletropaulo havia sido excluída da ação pelo Tribunal de Justiça, por entender que ela é parte ilegítima para compor o pólo passivo da demanda, porém o STJ deu provimento ao recurso especial da Eletrobrás, determinando que a execução prossiga contra a Eletropaulo, porque não seria a exceção de pré-executividade o instrumento correto para discutir a legitimidade, tendo em vista a questão fática ser complexo.
Com isto, a Eletropaulo será citada para ofererecer embargos à execução (no momento, os autos estão com a determinação do Juiz para citar a Eletropaulo, a fim de oferecer embargos à execução).
Ocorre que a Eletropaulo terá que garantir a execução, isto signfica depositar o valor em Juízo (algo em torno de R$ 1 bilhão). Houve dizer que ela contrataria fiança bancária.
Em 2010 certamente haverá um forte ruído sobre esta causa (utilizando a expressão do colega)."

"(Daniel) Pessoal, onde se lê: "houve", leia-se ouvi.
Mas, prosseguindo:
O depósito de R$ 1 bilhão alteraria o fluxo de dividendos da Eletropaulo, ainda mais porque atualmente é possível solicitar o levantamento do depósito (embargos à execução perderam o efeito suspensivo ordinário, embora o Juízo posso atribuir a ele tal efeito, se convencido da verossimilhança das alegações).
Evidentemente, a empresa continuará sólida e robusta, porém - em tese - haverá uma saída por parte dos investidores que buscam dividendos imediatos, com repercussão negativa na ação, que deverá cair.
Continuo, porém, com a Eletropaulo.
Vamos aguardar."



OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Não sou eu o Daniel que comenta sobre ELPL6 no ORKUT. rss 

25053 - small caps - 11/Jan/2010 23:30
citação: buric
citação: tota57Fala Small,
Blz??? Acabo de responder uma pergunta sobre dívida da ELPL, no forum do rcbocardo (ELPL). Lisonjeado com sua compra de Geti, mas fico mais tranquilo que o ativo tenha sido tão bem avaliado pelo prof paulo.
citação: tota57Buric,
Ação Eletrobrás X Eletropaulo/CTEEP- Em 1986 a Eletropaulo Estatal contraiu um empréstimo com a Eletrobrás. Uma ação judicial da Eletrobrás, contra a Eletropaulo Estatal, questionou a correção do pagamento desse empréstimo. O contrato determinava correção mensal e a Eletropaulo Estatal efetuou os pagamentos utilizando a correção anual. A diferença entre os dois tipos de correções representava, em dez-2008, R$ 937 milhões. A Eletropaulo Estatal, na época, perdeu em primeira instancia a discussão sobre o mérito. Perdeu e não recorreu, fazendo com que o processo continue em discussão até hoje, por inciativas da AES e CTEEP. O assunto foi ao Supremo que determinou que o tema voltasse a ser analisado em 1ª instancia. Veja abaixo trecho do relatório da administração de 2008, aonde fica claro que a ELPL não tem essa demanda provisionada em seu balanço.
"Os assessores legais da Companhia afirmam que as decisões citadas acima em nada mudam o mérito, mantendo a classificação de êxito como possível. Desta forma, de acordo com o que preceitua o NPC 22, aprovado pela Deliberação CVM nº. 489, de 3 de outubro de 2005, não é requerido qualquer provisão no encerramento do exercício de 2008.
A Eletrobrás poderá reiniciar o processo de execução contra a Companhia a qualquer momento, sendo que quando tal fato acontecer, para que a Companhia possa se defender será necessário apresentar garantia nos termos do Código de Processo Civil (CPC).
Ainda de acordo com o disposto no CPC, a Eletrobrás terá o direito de solicitar ao juízo da causa o levantamento da garantia ofertada pela Companhia, mesmo antes da decisão final. Na eventualidade da solicitação da Eletrobrás ser deferida, a Companhia poderá ter um desembolso de caixa e impacto negativo em seu resultado uma vez que o referido desembolso passará a ser tratado como um ativo contingente em vista da possibilidade de sua recuperação quando da decisão final do mérito da causa. Porém tais fatos não alterarão a classificação de risco."
Perfeito tota, obrigado. Vi aqui antes a resposta.
Conclusão: nem possível, nem impossível de perder. Talvez 50%. Um valor esperado negativo de 500 mil faz com que ela não distribua dividendos por um semestre de um ano bom, como deve ser 2010.
Outra maneira de ler isso é ajustar os dividendos na proporção de 50%. O yield de 17% vira 8,5% nesse raciocínio, além da ELPL6 certamente sofrer desvalorização. Não seria melhor partir para algo seguro, como deveria ser o papel de uma elétrica na carteira?
buric, raciocínio correto.
Você pode estar certo que se não fosse esta questão, ELPL6 não estaria nestes preços. Uma empresa premiada e reconhecida pela sua qualidade pelo orgão máximo sobre o assunto no país: http://www.fnq.org.br/site/407/default.aspx
Não fosse isto também, minha posição estaria nela igual a que tenho em COCE5. No entanto, equivale a 1/2... Estando também abaixo de ENBR3... 

25048 - tota57 - 11/Jan/2010 23:12 
Blz??? Acabo de responder uma pergunta sobre dívida da ELPL, no forum do rcbocardo (ELPL). Lisonjeado com sua compra de Geti, mas fico mais tranquilo que o ativo tenha sido tão bem avaliado pelo prof paulo.
citação: tota57Buric,
Ação Eletrobrás X Eletropaulo/CTEEP- Em 1986 a Eletropaulo Estatal contraiu um empréstimo com a Eletrobrás. Uma ação judicial da Eletrobrás, contra a Eletropaulo Estatal, questionou a correção do pagamento desse empréstimo. O contrato determinava correção mensal e a Eletropaulo Estatal efetuou os pagamentos utilizando a correção anual. A diferença entre os dois tipos de correções representava, em dez-2008, R$ 937 milhões. A Eletropaulo Estatal, na época, perdeu em primeira instancia a discussão sobre o mérito. Perdeu e não recorreu, fazendo com que o processo continue em discussão até hoje, por inciativas da AES e CTEEP. O assunto foi ao Supremo que determinou que o tema voltasse a ser analisado em 1ª instancia. Veja abaixo trecho do relatório da administração de 2008, aonde fica claro que a ELPL não tem essa demanda provisionada em seu balanço.
"Os assessores legais da Companhia afirmam que as decisões citadas acima em nada mudam o mérito, mantendo a classificação de êxito como possível. Desta forma, de acordo com o que preceitua o NPC 22, aprovado pela Deliberação CVM nº. 489, de 3 de outubro de 2005, não é requerido qualquer provisão no encerramento do exercício de 2008.
A Eletrobrás poderá reiniciar o processo de execução contra a Companhia a qualquer momento, sendo que quando tal fato acontecer, para que a Companhia possa se defender será necessário apresentar garantia nos termos do Código de Processo Civil (CPC).
Ainda de acordo com o disposto no CPC, a Eletrobrás terá o direito de solicitar ao juízo da causa o levantamento da garantia ofertada pela Companhia, mesmo antes da decisão final. Na eventualidade da solicitação da Eletrobrás ser deferida, a Companhia poderá ter um desembolso de caixa e impacto negativo em seu resultado uma vez que o referido desembolso passará a ser tratado como um ativo contingente em vista da possibilidade de sua recuperação quando da decisão final do mérito da causa. Porém tais fatos não alterarão a classificação de risco." 

25047 - small caps - 11/Jan/2010 23:05
citação: moquetaQual análise para LIGT3???
Muitos lucros não recorrentes no balanço...
ELPL6, por exemplo, parece estar melhor, apesar de que nesta também há lucros não recorrentes... mas ao menos devem se repetir... Cuidado, é claro, com a questão da dívida com a Eletrobrás, como bem analisado pelo ilustre Tota57, que nos brindou com sua análise sobre o setor...


Até em homenagem a ele, comprei algumas GETI3 :-)

23880 - paulo_prof - 16/Dez/2009 12:34
citação: DanielRodriguesBom dia a todos.Entre ELPL6 e EQTL3 voces escolhem qual e porque?O que me chamou atenção é que o ROE da ELPL é bem maior que o dar EQTL e o Div. Yield que é um pouco superior.
No 4T09 a ELPL6 deverá ter um lucro não recorrente de R$ 250 milhões (devido à opção pelo parcelamento de impostos). Na minha estimativa, isto elevará o seu lucro anual para algo no entorno de R$ 960 milhões, o que corresponde a um P/L de 9,60. Como a empresa adota uma política de distribuir integralmente o lucro, caberá à ELPL6 aproximadamenre R$ 6,00. Como já pagou R$ 2,00, deverá integralizar os R$ 4,00 até fins de abril (parte disto deverá ser distribuído/creditado ainda nesta semana ou na próxima). De qualquer forma, ao preço de R$ 36,00, estes R$ 4,00 de proventos já representam um retorno de 11,1% em pouco mais de 4 meses.
Para a EQTL3 estou prevendo um lucro líquido em 2009 de R$ 265 milhões, correspondente a P/L = 7,0 e proventos de R$ 1,90 por ação. Estes proventos costumam ser pagos até o final de março, com uma 1a. parcela sendo creditada provavelmente na próxima semana. Ao preço de R$ 17,50, os R$ 1,90 representam um ganho de 10,9% em pouco mais de 3 meses.
Não tenho condições de avaliar quanto o mercado já precificou os proventos, nem o quanto os ativos deverão cair no dia ex.
No médio e longo prazos, acho que a ELPL6 deverá ser mais "estável". Não sei avaliar o que vai acontecer com a EQTL. Será que parte da Light será vendida? Será que a EQTL vai continuar a ter estas suas performances completamente "fora do gráfico"? Ou será que está "maquiando" performance?


A minha aposta pessoal de curto prazo está na ELPL mas, talvez para um investimento hoje, seja mais prudente colocar um pé de cada lado

22276 - paulo_prof - 25/Nov/2009 18:07
Uma estimativa muito rápida que fiz foi considerar um lucro médio trimestral recorrente de R$ 150 milhões + a parcela da prefeitura: 4 * 150 + 50 = 650. A parcela líquida da prefeitura eu avaliei em R$ 50 milhões. Talvez, se fosse feita a estimativa do crescimento da receita líquida, etc, o resultado final seria um pouco maior (R$ 665 milhões), não o suficiente para fazer efetiva diferença.
De acordo com a empresa, o efeito esperado de R$ 250 milhões é no lucro líquido (não no resultado operacional), de modo que o lucro líquido nos próximos 12 meses seria 650 + 250 = 900 (sem considerar o crescimento da ordem de 3%, que deve adicionar uns 15-20 milhões).

22134 - tota57 - 24/Nov/2009 19:07 
citação: paulo_profTota, quais são as suas projeções?
De acordo com a minha avaliação, a ELPL6 tem hoje condições de apresentar um lucro líquido anual recorrente (incluídas as parcelas devidas pela prefeitura de São Paulo) de R$ 650 milhões.
Ao preço corrente de R$ 35,70, isto corresponderia para os próximos 12 meses a P/L = 9,2; P/VPA = 1,7; DY = 11,5%; ROE = 18,5%
Ocorre que este lucro será "engordado" pela parcela não recorrente de R$ 250 milhões que será gerada pela opção ao Refis.
Considerando esta parcela não recorrente, os indicadores ficam muito imteressantes: P/L = 6,64; DY = 15,9%; ROE = 25,6
Embora a Dívida Líquida deva mais do que dobrar, não deverá ultrapassar o Ebitda anual, de modo que deverá ser facilmente administrável.
Professor,
Depois desse Fato Relevante da Eletropaulo, à respeito do Refis, as minhas previsões para o final do ano ficaram mais auspiciosas.
Estimo que a empresa termine o ano com Lucro Liquido de aproximadamente R$ 977 milhões, remetendo aos seguintes multiplos:
LA = R$ 5,83
P/L = 6,12 (considerando a cotação de R$35,70)
DY% = 16,33% (considerando o pay-out de 100%)
Como ela distribuiu R$2,00 de dividendos, referentes ao lucro de 2009, ainda poderá haver uma distribuição de R$ 3,83, até o final de abril 2010. Nada mal, quase 11% em relação aos R$35,70...se bem que ela fechou um pouquinho abaixo.
Como o mercado é meio miope e graficamente ela ainda pode cair um pouquinho, talvez eu compre nos proximos dias.


21473 - small caps - 16/Nov/2009 23:42 
Escutei também a teleconferência da ELPL6.
Destaques:
Caso venham a reconhecer o ganho - R$ 250 milhões - com a adesão ao REFIS (depende da anuência de alguns controladores a adesão), vão financiar o valor a pagar (que será a vista) e pretendem manter a política de distribuir 100% do lucro líquido. Ou seja, pode vir mais uns R$ 3,50 por ação de DY (10% sobre a cotação atual), a ser divulgado no balanço anual, ano que vem...
Não há tantos fatores não recorrentes mais para impactar positivamente o balanço, como o dos últimos 2 anos (que já chega a R$ 1 bi com o 4o. trimestre deste ano).
Há ainda a renegociação com o Banco Santos, que deve trazer quase R$ 100 mi de lucro não recorrente, mas dificilmente sai este ano e o acordo com a Prefeitura (...).
A suposta dívida com a Eletrobrás que há quem diga chegue a R$ 1 bi, não está provisionada, e manterão o mercado informado a respeito da ação a cada teleconferência trimestral.
Logo, para quem gosta de dividendos, continua sendo um prato cheio, mas com o sempre presente risco da suposta dívida com a Eletrobrás. Parece meio com uma ETER3, com o seu amianto :)

20743 - paulo_prof - 13/Nov/2009 10:45
Se esta for uma figurinha repetida ... desculpem-me. Não tive ainda tempo de ler todas as 10 páginas desde que viajei, ontem.
De qualquer forma, acho importante porque no 4T09 a Eletropaulo vai aprsentar novamente um lucro líquido não recorrente muito importante, que deverá engordar sensivelmente os dividendos. A minha estimatgiva anterior de R$ 150 milhões de lucro no 4T09 devrá ser aumentada para aprox. R$ 400 milhões.
citação: Plantão Empresas da Bovespa(13/11) ELETROPAULO (ELPL-N2) - Fato relevante
DRI: Britaldo Pedrosa Soares
A Empresa enviou o seguinte fato relevante:
A Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de Sao Paulo S.A. (“Companhia” ou “AES Eletropaulo”) em cumprimento ao disposto no paragrafo 4o do artigo 157 da Lei n. 6.404/76 e nos termos da Instrucao CVM n. 358, de 03.01.2002, e demais disposicoes aplicaveis, comunica ao mercado que:
Em Reuniao do Conselho de Administracao realizada em 12 de novembro de 2009, foi aprovada a adesao ao Programa de Parcelamento Fiscal (“REFIS”) de tributos federais, referentes:
(i) ao processo judicial que discute a decadencia dos debitos de COFINS, decorrente de aumento de aliquota (de 2% para 3%) instituidos pela Lei 9.718/1998 no valor de R$ 842 milhoes em 30 de setembro de 2009. A liquidacao deste debito sera a vista com a contratacao de financiamento bancario;
(ii) ao processo judicial que discute a incidencia de CPMF sobre as operacoes simbolicas de cambio no valor de R$ 3 milhoes em 30 de setembro de 2009. A liquidacao deste debito sera na forma de levantamento de depositos judiciais; e
(iii) ao reparcelamento dos debitos de PIS Faturamento no valor de R$ 65 milhoes em 30 de setembro de 2009. A liquidacao destes debitos se dara na forma de parcelamento em ate 10 meses.
O valor total de tributos a serem incluidos no REFIS soma R$ 910 milhoes.O efeito esperado no lucro liquido do 4T09 e positivo em aproximadamente R$ 250 milhoes.
A adesao esta condicionada a aprovacao pelo BNDES Participacoes S.A. – BNDESPAR e AES Holdings Brasil Ltda. nos termos do Acordo de Acionistas da Brasiliana de 22 de dezembro de 2003.


Sao Paulo, 12 de Novembro de 2009.

19260 - tota57 - 02/Nov/2009 12:11
Concordo com sua observação no item a. Muita liquidez no mercado, o que facilita captações a taxas mais interessantes.
5 tota57Comentários: 5041 - Desde: Abr 2007
Eletropaulo lucra 235,3 milhões...show de bola.
paulo prof,
Brincadeira...mais uma vez vamos tirar o chapeu para voce.
paulo_prof - 02/11/2009 12:07
citação: tota57Paulo Prof,
Eu gostaria de saber se voce chegou a fazer alguma projeção para o lucro da ELPL. Estou pensando em aplicar os dividendos das minhas elétricas (tenho duas) num terceiro ativo.A ELPL é uma hipotese.
Ao analisar o relatorio anual chamou-me a atenção o vencimento de emprestimos de mais de 500 milhões em 2010, o que pode pressionar o resultado, caso não haja novas emissões para o alongamento.
Há ainda esse risco da Eletrobrás reiniciar o processo judicial e exigir o depósito da garantia, no valor de aprox R$ 1 Bilhão, o que pode comprometer o caixa. Não tenho dúvida de que a Eletrobrás irá reiniciar, já que até o momento a decisão lhe é favorável, uma vez que a Eletropaulo (na epoca estatal) perdeu a ação na 1a instancia e não recorreu.
Tota
a) não estou minimamente preocupado com o vencimento dos R$ 474 milhões em euro-real bonds no ano que vem; pelo contrário, pois a taxa de juros que a Eltropaulo vem pagando, de mais de 19% ao ano é absurda; acredito que não terá qualquer problema em lançar títulos no mercado externo, denominados seja em reais ou não, a taxas muito mais competitivas;


b) a minha projeção para o lucro liquido mínimo do exercício de 2009 é de R$ 700 milhões (R$ 230 milhões no 3T09 e R$ 170 milhões no 4T09); supondo um payout de 100% (em 2008 o payout da ELPL6 foi de 105,4%), isto daria R$ 4,18/ação. Como já foram distribuídos dividendos de R$ 2,00/ação, faltarão aprox R$ 0,35 a serem distribuídos em dezembro como JCP, e aprox. R$ 1,83 a serem distribuídos no final de abril de 2010, como dividendos.

19259 - paulo_prof - 02/Nov/2009 12:07
citação: tota57Paulo Prof,
Eu gostaria de saber se voce chegou a fazer alguma projeção para o lucro da ELPL. Estou pensando em aplicar os dividendos das minhas elétricas (tenho duas) num terceiro ativo.A ELPL é uma hipotese.
Ao analisar o relatorio anual chamou-me a atenção o vencimento de emprestimos de mais de 500 milhões em 2010, o que pode pressionar o resultado, caso não haja novas emissões para o alongamento.
Há ainda esse risco da Eletrobrás reiniciar o processo judicial e exigir o depósito da garantia, no valor de aprox R$ 1 Bilhão, o que pode comprometer o caixa. Não tenho dúvida de que a Eletrobrás irá reiniciar, já que até o momento a decisão lhe é favorável, uma vez que a Eletropaulo (na epoca estatal) perdeu a ação na 1a instancia e não recorreu.
Tota
a) não estou minimamente preocupado com o vencimento dos R$ 474 milhões em euro-real bonds no ano que vem; pelo contrário, pois a taxa de juros que a Eltropaulo vem pagando, de mais de 19% ao ano é absurda; acredito que não terá qualquer problema em lançar títulos no mercado externo, denominados seja em reais ou não, a taxas muito mais competitivas;


b) a minha projeção para o lucro liquido mínimo do exercício de 2009 é de R$ 700 milhões (R$ 230 milhões no 3T09 e R$ 170 milhões no 4T09); supondo um payout de 100% (em 2008 o payout da ELPL6 foi de 105,4%), isto daria R$ 4,18/ação. Como já foram distribuídos dividendos de R$ 2,00/ação, faltarão aprox R$ 0,35 a serem distribuídos em dezembro como JCP, e aprox. R$ 1,83 a serem distribuídos no final de abril de 2010, como dividendos.

19179 - tota57 - 31/Out/2009 19:29
A Eletropaulo teve um reajuste de quase 15% na tarifa, vigente desde julho de 2009. Esse reajuste vai dar um Up nos resultados, não tenha duvida.
O Ebitda e Lucro Liquido, no 2o tri, foram afetados principalmento por acordos e condenações trabalhistas de 43 milhões. Houve tambem um aumento de 22 milhões de gastos com Previdencia Privada. Por outro lado a Receita Liquida e consumo de energia foram maiores que mesmo periodo do ano passado, 3,7% e 1,7%,respectivamente, o que é positivo porque nessa época do ano passado não havia crise e no 2o tri desse ano ainda estavamos em crise.
Bem esse 43 Milhões adicionais das trabalhistas não devem se repetir. Cara eu não vou conseguir analisar os 4 ultimos trimestres, mas é preciso dar uma checada no 4o trim 2008, quando ela consegui fechar com um lucro de 500 Milhões.
Eu não tenho nada de Eletropaulo e resolvi não entrar por conta de um passivo de R$ 1 Bilhão que ela tem com a Eletrobrás, passivo aliás que não esta contabilizado.
Aparentemente fico com a impressão que ela esta mais para fechar o ano com resultado igual, ou pouco acima, que o de 2007. Não creio que vá fechar com lucro acima de 1 Bi, como 2008, mesmo com o reajuste de tarifa.

19124 -  small caps - 30/Out/2009 23:03
Quando qualquer setor começa a ter bons lucros, sempre aparece um monte de boca sedenta querendo agarrar a teta.
Vide os recentes casos da Vale e da Petrobrás, por exemplo. É só ver que a teta está com leitinho de primeira que a fila vai aumentando, todo mundo querendo meter a mão.
Veja se alguém fala em aumentar tributos para o setor petroquímico, fora da extração do óleo? Não dá, pois esta teta está totalmente seca!
E assim gira a economia.
Quando o setor bancário exibia seus ROE's invejáveis, muito acima do setor produtivo, lá estava o governo querendo mamar nos tetões do Bradesco, do Itaú, etc... e com isso aumentou a tributação.
O próximo setor que "despontar" em níveis de lucratividade terá o leão pronto para atacar com todas as garras :)

19122 - danielbehar - 30/Out/2009 22:56
citação: agssilvaAlguém tem informação sobre a Eletropaulo? Desabou no after. Só especuleta mesmo? Hoje não deu pra acompanhar o pregão.
Segue, abaixo, possível explicação:

Elétricas admitem devolver dinheiro - Folha de S.Paulo - 30/10/2009
As grandes distribuidoras do país admitiram ontem na CPI das Tarifas de Energia Elétrica, em Brasília, a devolução dos recursos cobrados a mais dos consumidores brasileiros em razão de um erro na metodologia de cálculo anual dos reajustes tarifários. A falha foi revelada pela Folha no último dia 18.
Além disso, as empresas assumiram o compromisso de discutir com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) ajustes legais na legislação do setor para eliminar a distorção já nos próximos reajustes.
O valor total de recursos que serão devolvidos ainda não foi calculado, mas o TCU (Tribunal de Contas da União) estimou em R$ 1 bilhão por ano a transferência de valores dos consumidores para o caixa das distribuidoras.
Segundo especialistas, a cifra pode superar os R$ 10 bilhões.
A expectativa dos órgãos de defesa do consumidor é que a devolução ocorra por meio de compensação dos valores devidos nos futuros reajustes das tarifas de energia.
A nova posição das distribuidoras é um recuo. A Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica) chegou a publicar anúncio nos jornais dizendo que não havia nenhuma cobrança adicional decorrente de brecha no contrato de concessão.
Ontem, o diretor-presidente da Cemig (Centrais Elétricas de Minas Gerais), Djalma Bastos de Morais, reconheceu a cobrança indevida e anunciou a nova posição do setor. "Nós vamos verificar o que houve no passado, de 2002 para cá. As empresas vão somar esse passivo e ver o formato que o órgão regulador e o ministério vão propor para a devolução [dos valores] ao consumidor", afirmou Morais na CPI.
Marcelo Maia de Azevedo Corrêa, diretor-presidente da Neoenergia, empresa responsável pelo abastecimento de 40 milhões de consumidores no Nordeste, a maior base de clientes de uma empresa do setor no país, também admitiu negociar a devolução de recursos e ajustes nos contratos para acabar com a distorção, embora tenha ressaltado que parte dos valores recebidos a mais foi investida na empresa.
"Vamos discutir com a agência reguladora, com segurança jurídica, os aditivos [para ajuste dos contratos]", afirmou Azevedo Corrêa.
O diretor-presidente do Grupo AES, que controla a Eletropaulo (de São Paulo) e a AES Sul (do Rio Grande do Sul), Britaldo Soares, fez coro com os colegas na CPI e anunciou que também vai negociar com a Aneel a mudança no contrato de concessão para encerrar a cobrança indevida. A empresa tem 16 milhões de consumidores, entre os quais os moradores da Grande São Paulo.
A reportagem tentou ouvir a Abradee sobre a mudança de posição das grandes distribuidoras, mas não obteve retorno.


Impacto deve ser relevante para as distribuidoras.

15562 - ch3481 - 25/Set/2009 08:46
[Nível 0] ch3481Comentários: 1105 - Desde: Nov 2008
A agencia de classificação de risco, Fitch, elevou os ratings da Eletropaulo (ELPL6) para “bb”. O rating nacional de longo prazo foi para “A+(bra)”, do anterior “A(bra)”.
Segundo a Fitch, a elevação reflete o perfil conservador da companhia e a estabilidade da estrutura regulatória no Brasil, que amadureceu ao longo dos últimos anos. Além disso, os analistas visam incorporar o resistente desempenho financeiro da empresa nos últimos três trimestres, mesmo sob condições adversas no período.
Segundo o relatório, a classificação da Eletropaulo remete ao perfil de baixo risco dos negócios da companhia, proveniente de sua concessão exclusiva para
operar dentro da sua área de serviço, além da natureza de monopólio das companhias de distribuição.


Por fim, a agência aponta para a atual posição de liquidez da Eletropaulo e sua cobertura de juros, como outros pontos de força na sua análise.

7545  - tota57 - 21/Jun/2009 19:21
Vou reproduzir alguns posts que coloquei no tópico das Ondas.
Desde sexta off line, final de semana corrido. Abaixo breve comentário sobre questões levantadas sobre elétricas desde sexta.
Elet3- Forte valorização na sexta, decorrente de nova especulação sobre o pagamento de dividendos atrasados das décadas de 70 e 80. O montante desses dividendos é de 10 bilhoes, sendo que 80% ficariam com o proprio governo, inclusive BNDES. As noticias são de que poderiam pagar ainda esse ano, metade em $$$ e metade em ações.A empresa tem 13 Bi em caixa e tem como honra esse compromisso, mas essa promessa vem se arrastando a tempo. Particularmente não tenho informação de nenhuma fonte de que o pagamento ocorrerá de fato. Eletrobrás tem 32% das usinas vencendo concessão em 2015, controla distribuidoras problematicas, vem participando de inumeros leilões em parceria com iniciativa privada, mas pode ser utilizada em projetos de baixo retorno, visando atender interesses politicos. Preço do ativo na sexta já esta bem proximo das maximas alcançadas nos ultimos 3 anos, mas a tem uma baixa relação P/VP. Pode ser uma baita oportunidade, mas eu não gosto da empresa devido a ingerencia do estado, mesmo tendo relação Preço Valor Patrimonial baixíssimo e possibilidade desse derrame de dividendos.
ELPL6- Forte valorização na semana passada. Coincidencia ou não surgem novas noticias de que o BNDES vendera a participação que tem na Brasiliana, que controla GETI e ELPL. Entre 2007 e 2008 a GETI andava a cada noticia de que o BNDES venderia suas ações. Lembrando que o Grupo AES tem prioridade na compra e já manisfestou de publico que exercerá esse direito. ELPL tem uma divida de R$ 1 BI em discussão com a Eletrobrás e dizem que ha chances reais de dançar. Esse passivo não esta contabilizado, mas a empresa gera caixa para pagar. Porem, convenhamos que 1 BI é um rombo e tanto.
Cesp6- Já chegou a valer R$50, mas tem 2/3 das concessões, Usinas de Jupiá e Ilha Solteira, vencendo em 2015. Creio que essas renovações de concessão vão acabar acontecendo, mas com onus, ou seja, o governo vai querer um contrapartida no preço da energia vendida pela empresa. Para voces terem uma ideia a GETI vende energia para a Eletropaulo a R$140 e Cesp nos ultimos anos vinha entregando energia na casa de R$85. Esses contratos estão vencendo e nos proximos anos talvez consiga preços mais interessantes, o problema é essa novela do vencimento da concessão.


Moçada...tanto Cesp como Elet são oportunidades de ganhos elevados, dependendo do desdobramento de todas essas pendengas. Eu estou fora e ficarei, ao menos que algum passarinho cante nos meus ouvidos...rsrssrrs


6027 - lycurgo - 21/Mai/2009 18:20
Retalhos sobre eletropaulo ELPL6:
01 TR09 div liq/ebitda= 7,72
A energia faturada novamente caiu. Mostra-se não ser uma empresa de crescimento e sim de valor, que distribui todo o seu lucro.
EBITDA -1,5%
Lucro liquido -2%
A grande queda no consumo se deu nas industrias -13,5%
Aumento das despesas com previdencia e ações trabalhistas.
é para quem procura dividendos, mas deve ser monitorada em seus resultados.


5676 - lycurgo - 14/Mai/2009 18:17
Concordo com Small sobre os eventos não recorrentes na eletropaulo que influenciara 2009.
Vejam:
1- Acordo com o pagamento de dividas por parte da prefeitura vai gerar como resultado 77 MILHOES
2-Em 29/01/09 realizou acordo com a massa falida do banco santos e pagou R$ 150 milhoes referente a operações cambiais. Estava provisionado no balanço anterior R$ 234 milhoes.
Somando temos um acrescimo de 161 MILHOES em seus resultados.
Temos então R$ 0,96 por ação. considerando que ano passado tivemos payout acima de 100%, preço atual de 31,5, podemos concluir assim possivel DY de 3% apenas nestas operações.


5612 - small caps - 13/Mai/2009 23:07
Kings os Leon, Se você quer estabilidade de resultados, vai de COCE5. Teve reajuste de pouco mais de 11% em abril e isto é garantia de lucros crescentes até o final do ano. Não duvido em mais de R$ 100 milhões de lucro no terceiro trimestre deste ano. O dividendo de 2010, relativo a 2009, tem tudo para superar os fartos dividendos já distribuídos este ano.
ELPL6 também está barata e paga ótimos dividendos (atualmente mais até do que COCE5). Mas os resultados estão inflados por questões não recorrentes, o que inclusive deve se repetir no balanço do primeiro trimestre. Além disso, há possibilidade de ter passivos não contabilizados... Mas tem um bom caixa para fazer frente a isto...


Atualmente a cada 2 COCE5, tenho 1 ELPL6.



5611 - Kings of Leon - 13/Mai/2009 23:02
Small uma última pergunta entre Eletropaulo e Coelce,pensando em dividendos, vc acha no momento mais interessante qual?


5182 - acmmattos - 05/Mai/2009 19:59
sem duvida EQTL e COCE são melhores no LP, mas acredito que no CP o mercado dê preferência e/ou valorize mais ELPL, inclusive as duas primeiras chegaram em sua maior cotação agora na crise.


e quando a alta realmente chegar (bonança) a tendência talvez seja de alguns investidores saírem um pouco das elétricas. E ELPL nestes casos acostuma acompanhar mais as altas. Porém, é claro que o DY cairá.


3808 - danieljoseaa - 08/Abr/2009 14:44
"citação: c4m1loAlguém saberia me dizer qual o último dia ""com"" da ELPL6 e o valor dos dividendos? Obrigada."
"O saldo remanescente no valor de R$614.689.100,02 (seiscentos e quatorze" "milhoes, seiscentos e oitenta e nove mil, cem reais e dois centavos), como" dividendos complementares a serem declarados na Assembleia Geral Ordinaria a "serem pagos em duas parcelas iguais, no valor de R$307.344.550,01 (trezentos e" "sete milhoes, trezentos e quarenta e quatro mil, quinhentos e cinquenta reais e" "um centavo) cada uma, equivalente a R$ 1,732320896 para cada acao ordinaria e R$" "1,905552986 para cada acao preferencial, sendo a primeira parcela paga em 14 de" "maio de 2009 e a segunda parcela paga em 10 de dezembro de 2009, aos acionistas" titulares de acoes da Companhia na data-base de 27 de abril de 2009.


3041 - gustgef - 27/Mar/2009 10:58
"Paulo, parece que pelo menos em 2009, o resultado vai se repetir. Vai receber 120 MILHÕES da prefeitura de São Paulo em julho, contando no total R$515 milhões, que já haviam sido provisionados. Notícia espetacular! Junto com os dividendos, não há razão para não encarteirar."
Por: Equipe InfoMoney
27/03/09 - 10h45
InfoMoney
SÃO PAULO - O Conselho de Administração da Eletropaulo (ELPL6) aprovou na última quinta-feira (26) o acordo assinado com a Prefeitura do Município de São Paulo para o pagamento de dívidas em atraso com a companhia.
"Em setembro de 2004, foi assinado um instrumento de acordo para o recebimento de créditos referentes ao fornecimento de energia elétrica para as instalações municipais no período entre o final de fevereiro de 1996 e o final de janeiro de 2001."
"Porém, no terceiro trimestre de 2005, a Eletropaulo provisionou o saldo contábil da dívida em virtude da ausência de perspectiva para a resolução desses débitos. O efeito líquido negativo no resultado do período foi de R$ 228,3 milhões."
Quantias a receber
"Com a aprovação do novo acordo, a companhia deve receber R$ 344,2 milhões em quatro parcelas, sendo R$ 117,8 milhões em 30 de julho deste ano e três parcelas anuais de R$ 75,5 milhões em 30 de julho de 2010, 2011 e 2012."
"Além disso, está prevista no contrato a realização de obras, por parte da Eletropaulo, dentro do município de São Paulo, totalizando R$ 172,1 milhões. R$ 86,9 milhões em enterramento de redes, R$ 28,3 milhões em iluminação e R$ 56,7 milhões em projetos de eficiência."

3004 - paulorizzi - 26/Mar/2009 21:54
citação: gustgefQue dividendo espetacular de ELPL6.. 21%! É sustentável?
"Não gustgef. R$ 200 milhões do lucro vieram de ""graça"""
citação: site bovespa(26/02) ELETROPAULO (ELPL – N2) - Fato Relevante
DRI: Alexandre Cesar Innecco
A empresa enviou o seguinte fato relevante:
"A ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SAO PAULO S.A. (Companhia) em cumprimento ao disposto no paragrafo 4o. do artigo 157 da Lei n. 6.404/1976 e nos termos da Instrucao CVM n. 358, de 03.01.2002, e demais disposicoes aplicaveis, comunica ao mercado que:"
"No periodo de 1989 a 1992, a Companhia recolheu a contribuicao ao FINSOCIAL com majoracoes de aliquotas previstas nas Leis 7.689/88, 7.787/89 e 7.984/89 e 8.147/90. Tais majoracoes de aliquotas (0,5% a 2%) foram reconhecidas como inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal para todas as empresas que exerciam atividade comercial ou mista (prestadora de servicos e comercial), razao pela qual a AES Eletropaulo impetrou uma acao judicial contra o Governo Federal em 30 de agosto de 1994."
"A partir de uma decisao desfavoravel em 1 . Instancia, a companhia ingressou com um Recurso no Tribunal Regional Federal (TRF) da Terceira Regiao, o qual em sessao realizada em 13.09.2006, por unanimidade de votos, deu provimento ao Recurso, reformando a sentenca de primeiro grau, para o fim de reconhecer o direito da ELETROPAULO a restituicao dos valores recolhidos indevidamente a titulo de contribuicao ao FINSOCIAL."
"Em face dessa decisao, o Governo Federal apresentou varios recursos culminando com o Recurso de Agravo de Instrumento perante o Supremo Tribunal Federal - STF, o qual em decisao proferida em 19.12.2008 negou seu seguimento. Desta decisao o Governo Federal foi intimado no dia 04 de fevereiro de 2009 tendo sido aberto prazo para recurso, o qual transcorreu sem que houvesse manifestacao por parte do Governo Federal. Assim a decisao do TRF-3a. Regiao, transitou em julgado."
"Em funcao da decisao proferida pelo STF, a Companhia reconhecera, em suas demonstracoes financeiras referentes ao exercicio findo em 31 de dezembro de 2008, o valor de R$194 milhoes, liquido de impostos, conforme determina o comunicado tecnico Ibracon n 02/2006."

2991 - small caps - 26/Mar/2009 19:24
Ata da Eletropaulo:
".4.2 A distribuição de lucros no valor total de R$1.042.974.224,97 (um bilhão, quarenta e dois milhões, novecentos e setenta e quatro mil, duzentos e vinte e" "quatro reais e noventa e sete centavos), equivalentes a 95% do lucro líquido ajustado" "do exercício, sendo: 5.4.2.1 R$359.471.700,64 (trezentos e cinqüenta e nove milhões, quatrocentos e setenta e um mil, setecentos reais e sessenta e quatro centavos)," "equivalente a R$2,026131059 para cada ação ordinária e R$2,228744165 para" "cada ação preferencial, como dividendos intermediários deliberados e aprovados na" "Reunião do Conselho de Administração realizada em 12 de agosto de 2008 ""ad" "referendum"" da Assembléia Geral Ordinária, pagos em 28 de agosto de 2008 aos" acionistas titulares de ações da Companhia na data-base de 13 de agosto de 2008; "5.4.2.2 R$68.813.424,31 (sessenta e oito milhões, oitocentos e treze mil, quatrocentos e vinte e quatro reais e trinta e um centavos), equivalente a" "R$0,387860897 para cada ação ordinária e R$0,426646987 para cada ação" "preferencial, como juros sobre o capital próprio, imputáveis aos dividendos" "obrigatórios, deliberados e aprovados na Reunião do Conselho de Administração" "realizada em 19 de dezembro de 2008 ""ad referendum"" da Assembléia Geral" "Ordinária, a serem pagos em 14 de maio de 2009;" "5.4.2.2.1 Não será devida qualquer atualização monetária ou remuneração correspondente aos juros sobre o capital próprio referidos no item 5.3.2.2 acima," entre a data de sua aprovação pelo Conselho de Administração e o seu efetivo pagamento aos acionistas titulares de ações da Companhia na data-base de 19 de dezembro de 2008;
"5.4.2.3 O saldo remanescente no valor de R$614.689.100,02 (seiscentos e quatorze milhões, seiscentos e oitenta e nove mil, cem reais e dois centavos), como" dividendos complementares a serem declarados na Assembléia Geral Ordinária a "serem pagos em duas parcelas iguais, no valor de R$307.344.550,01 (trezentos e" "sete milhões, trezentos e quarenta e quatro mil, quinhentos e cinqüenta reais e um" "centavo) cada uma, equivalente a R$ 1,732320896 para cada ação ordinária e R$" "1,905552986 para cada ação preferencial, sendo a primeira parcela paga em 14 de" "maio de 2009 e a segunda parcela paga em 10 de dezembro de 2009, aos acionistas" "titulares de ações da Companhia na data-base de 27 de abril de 2009."""


1283 - paulorizzi - 31/Jan/2009 14:53
"Entre as elétricas, para investimento a médio prazo (4-5 meses) um papel que poderá se mostrar interessante é ELPL6. Se conseguir repetir os resultados do 4T07 (já estaria bom demais considerando a queda no consumo industrial devido à crise), os proventos relativos a 2008 somaria R$ 3,05 Como já foram pagos R$ 2,65, existe um resto de R$ 0,40 a ser quitado (último dia ""com"" aprox. 25ABR). Relativo à cotação de 6a. feira, o DY é 11,5%."
"A política de pagamentos de proventos é faze-lo a cada 4 meses, de modo que não costumam haver grandes desvalorizações nos dias subsequentes ao ex."


"O histórico do papel sugere que há potencial de valorização maior do que o de GETI4 e de COCE5. Por outro lado, entretanto, não se pode deixar de levar em conta o valor bilionário que a Eletrobrás está cobrando na justiça."

767 - small caps - 04/Jan/2009 18:00
"(754) vitor_kalel2004, a reportagem disponibilizada pelo opportunity2 esclarece bastante sobre a atração da ELPL6. Como ponto fraco ela tem a possibilidade de ter passivos não contabilizados no balanço e o grande atrativo é o paytout próximo ou igual a 100% e um caixa bastante elevado. Ou seja, distribui todo o lucro líquido em dividendos. Como mencionei antes, do setor fica atrás de COCE5, CEPE5 e EQTL3 igualmente atrativas, e com bom DY."

Nenhum comentário: