Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Banestes (BEES)




Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: ikkii (fev/17) - jpma1977 (jul/16) - M39 (2016) - Paulo Prof (jul/16mar/172019) - Ronimendes (fev/16) - TLT123 (mar/17jul/17)

Carteiras
acf3025 (jan/17) - ademirdc (jun/16) - agressivo2 (jun/16jan/17) - colino19 (jun/18)  - disc126 (nov/16, dez/16nov/19) - effexop (set/17) - faghe2 (jun/16, jul/16) - harleyhr (jan/20) - ispholambra (jan/18) - Luis Henriques (jul/19) - palpitesacoes (jul/19) - paulo_prof (mai/16set/16fev/17mar/17,   mai/17ago/17,  out/17,   dez/17jan/18mar/18,   jun/18mai/19jun/19jul/19nov/19, dez/19abr/20) - robertoha (jun/19) - Ronimendes (jan/16) - TLT123 (mai/17ago/17) - uqaz (out/15jan/17)

Códigos de Negociação
Tipo
BEES3; BEES4


Balanços
A2019/4T2019 - DFP de 31/12/19
paulo_prof  -
Achei os Resultados Regulares, com aspectos positivos e negativos.
Positivos: no exercício, houve um aumento expressivo do lucro Líquido, uma boa evolução das receitas com taxas e serviços e despesas de pessoal, gerais e admionistrativas e tributárias sob controle; manutenção de um bom payout bruto (50,7%) e redução sensível da inadimplência.
Negativos: o aumento do lucro líquido em 2019 foi conseguido em parte devido a uma menor alíquiota efetiva de IR/CS (o resultado operacional foi menor); despesas excessivas com o PDD; "qualidade da carteira" (PDD total em relação ao tamanho da Carteira de Crédito) demorando para melhorar (a redução de 6,98% para 6,80% num ano é muito pouco ... outros bancos tem melhorado mais rápido); aumento muito pequeno das Operações de Crédito (seria compreensível se a qualidade tovesse melhorado muito); Redução dos Ativos.
Não gostei particularmente do Resultado do 4T19: queda relevante do resultado operacional, com lucro líquido mantido em parte via diferimento de ativo fiscal.
De uma manieira geral, acho que o ativo está bem precificado. Suspeito que em 2020 o banco terá dificuldades para postar resultados crescentes. Para tanto deverá reduzir as depsesas de PDD, aumentar as receitas com taxas e serviços, aumentar o resultado com seguros e reduzir as despesas com pessoal, gerais e administrativas e tributárias. Tenho lá as minhas sérias dúvidas.

3T2019 -

2T2019 -

1T2019 -

A2018/4T2018 -

3T2018 -

2T2018 -

1T2018 -

PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). DESEMPENHO ECONÔMICO = O lucro líquido acumulado entre janeiro a março de 2018 atingiu R$ 23 milhões, recuo de 39,2% em relação ao mesmo período do ano de 2017. O lucro líquido recorrente atingiu R$ 29 milhões no primeiro trimestre de 2018, redução de 7,8% sobre o mesmo comparativo de 2017. Em 2017 ocorreram reversões cíveis (R$ 12 milhões), enquanto que em 2018, os fatos extraordinários foram referente à constituição de provisão para processos de planos econômicos (R$ 9 milhões), provisão para alteração da alíquota da contribuição social (R$ 12 milhões) e receita com venda de ativos de tesouraria (R$ 17 milhões) e de bens imóveis (R$ 3 milhões). A margem financeira cresceu 7,2%, impactada pelo efeito da queda significativa da taxa de juros – Selic (de 12,25% no 1º trimestre de 2017 para 6,50% em março de 2018) nos ativos rentáveis e passivos onerosos pós-fixado, mas compensada pela elevação do spread na carteira de crédito pré-fixada e na carteira de títulos e valores mobiliários com taxas pré-fixadas e atreladas à inflação. As receitas da intermediação financeira (receita com juros) recuaram 30,8% em razão do resultado de operações com TVM que declinaram 40,7%, atenuado pelos recursos em carteira que expandiram 9,0% e pela receita gerada por vendas de títulos públicos (LTN). As receitas com as operações de crédito foram menores 1,5%, já impactadas em parte pelo retorno do crescimento da carteira (+2,0% no ano e +7,2% em 12 meses). As despesas da intermediação financeira (despesa com juros) reduziram 39,9%, em virtude de menores custos das operações de captação (-R$ 262 milhões), principalmente com recursos de obrigações compromissadas (-46,5%), de depósitos a prazo (-41,5%) e depósitos judiciais (-43,2%).

A2017/4T2017 -



2T2017 -


1T2017 -

A2016/4T2016 -

2T2016 -
De qualquer forma, o resultado deve ser considerado muito bom e, na minha opinião, o ativo está muito barato!

3T2015
paulo_prof  -
Mais do mesmo ... se não estou enganado na leitura da DRE de bancos, não fosse uma receita não recorrente de ativo fiscal diferido - IR/CS, de R$ 44 milhões), o Resultado Líquido poderia até ser negativo ... Eu não apostaria que o banco será capaz de manter o lucro trimestral na faixa dos R$ 40 milhões, como vem fazendo nos últimos 4 trimestres !!! Acho que se o lucro cair para um patamar na faixa dos R$ 20 milhões trimestrais já estará de muito bom tamanho ...
De qualquer forma, o preço atual seria compatível com um lucro trimestral constante, na faixa dos R$ 16 milhões reais. Ou seja, a margem de segurança é boa!

2T2015 -
paulo_prof -
Tudo parece estar sob controle ... ativo suportando bem a crise. Embora a carteira expandida seja menor do que aquela ao final do 2T14, o PDD total seja aprox. 21% maior e a inadimplência aprox. 50% maior em termos nominais, as despesas de PDD não explodiram e o banco está achando alternativas de lucro. Ativo super barato!

ZOTTI  -
BEES3 veio com um bom balanço também.

1T2015 -
danieljoseaa -
Belo resultado do Banestes(BEES3):
Baratim, baratim :)

paulo_prof  -
No dia em que este banco conseguir reduzir as despesas em Provisões para Créditos de Liquidação Duvidosa, o lucro vai pra estratosfera !!!
Muito bom os resultados do BEES no 1T15, mesmo considerando a qualidade super discutível de sua carteira total de créditos e despesas de PCLD decorrentes, bem como a taxa de crescimento indecente das despesas de pessoal, administrativas e tributárias do último ano, sobre o ano anterior.
O ativo BEES3 está super barato, de modo que os riscos de uma montagem de posição, são reduzidos. Enquanto o ativo não encontra o seu preço justo, o DY de 6,2% a.a. ao preço atual, que poderia ser melhor, ajuda a segurar as pontas!

3T2014 -
paulo_prof  -
A carteira total de créditos do BEES aumentou marginalmente (0,87%) em relação ao 2T14. Como a qualidade desta carteira melhorou um pouco, o PDD total diminuiu marginalmente em relação ao 2T14 (-0,72%). Embora as despesas de PDD tenham diminuído em relação ao 2T14 (-11,3%), todas as despesas de PDD do 3T14 (e mais um pouco) foram geradas pela inadimplência. Se a inadimplência e a qualidade da carteira forem controladas ... sai de baixo ... O ativo está barato prá caramba ...
Será que o mercado está sabendo de algo que ninguém me contou?

2T2014 -
paulo_prof  -
Ativo parece muito barato ... merece ser monitorado !!!

A2013/4T2013 -
paulo_prof  -
Banco parece ter melhorado em quase tudo ... em especial, o ROE médio que passou dos 9,34% em 2012 para 12,74% em 2013.

A2011/4T2011 – 
Paulo Prof - 
Bom o resultado

Características
Intermediação financeira inerente aos bancos múltiplos, por meio das carteiras autorizadas. inclusive operações de câmbio

Assembleias

Apresentações
18/02/2020 - Dados Financeiros - Press-release - 31/12/19

Guindance
17/02/2020 - projeções financeiras e operacionais referentes ao ano de 2020

Política de Dividendos
Dividendos Obrigatórios do Exercício é  assegurado  aos  acionistas,  ordinaristas  e preferencialistas, em cada exercício, o pagamento de 25%, no mínimo, não podendo exceder a 60% do lucro líquido ajustado, como dividendo obrigatório.

Prazo para recebimento dos Dividendos no prazo de até 60 (sessenta) dias da data em que for aprovado, ficará à disposição dos acionistas. O dividendo intermediário, declarado  após  o  período  contábil,  será  mantido  no patrimônio  líquido  do  Banco  enquanto  não  aprovado  pela Assembleia Geral Ordinária. 

Balanços (Calendário)

 Teleconferência DFP 2019

Teleconferência ITR 1T 2020

Teleconferência ITR 2T 2020

Teleconferência ITR 3T 2020

Proventos (Calendário)
Data PG
Descrição
Valor
Data Ex
02/03/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
03/02/2020
01/04/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
02/03/2020
04/05/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/04/2020
20/05/2020
JCP
5.507.884,00 (0,017434820 por ação)
8/5/2020
20/05/2020
Dividendos
19.788.116,00 (0,062637893 por ação)
8/5/2020
01/06/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
04/05/2020
01/07/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/06/2020
03/08/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/07/2020
01/09/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
03/08/2020
01/10/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/09/2020
03/11/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/10/2020
01/12/2020
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
03/11/2020
04/01/2021
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
01/12/2020
01/02/2021
JCP
6.700.000,00 (0,02120838006 por ação)
04/01/2021




11/03/2020 - parceria
firmou parceria estratégica com o Banco  BS2  S/A  e  com  a  BS2  Distribuidora  de  Títulos e  Valores  Mobiliários  S.A.,  a  qual  possibilitará  que  o Banestes S.A. atue como Correspondente no País para a prestação dos serviços de câmbio. A parceria possibilitará ao Banestes S.A. praticar junto a seus clientes, por conta e ordem do Banco BS2 S/A e BS2 Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., operações de compra e venda de moeda estrangeira em espécie  e  cartões  pré-pagos,  transferências  do  e  para  o  exterior,  além  de  possibilitar  a  recepção  e encaminhamento de propostas de operações de câmbio, conforme regulamentação em vigor.

367206 - paulo_prof  -  18 Fev 2020, 14:01
Achei os Resultados Regulares, com aspectos positivos e negativos.

Positivos: no exercício, houve um aumento expressivo do lucro Líquido, uma boa evolução das receitas com taxas e serviços e despesas de pessoal, gerais e admionistrativas e tributárias sob controle; manutenção de um bom payout bruto (50,7%) e redução sensível da inadimplência.

Negativos: o aumento do lucro líquido em 2019 foi conseguido em parte devido a uma menor alíquiota efetiva de IR/CS (o resultado operacional foi menor); despesas excessivas com o PDD; "qualidade da carteira" (PDD total em relação ao tamanho da Carteira de Crédito) demorando para melhorar (a redução de 6,98% para 6,80% num ano é muito pouco ... outros bancos tem melhorado mais rápido); aumento muito pequeno das Operações de Crédito (seria compreensível se a qualidade tovesse melhorado muito); Redução dos Ativos.

Não gostei particularmente do Resultado do 4T19: queda relevante do resultado operacional, com lucro líquido mantido em parte via diferimento de ativo fiscal.

De uma manieira geral, acho que o ativo está bem precificado. Suspeito que em 2020 o banco terá dificuldades para postar resultados crescentes. Para tanto deverá reduzir as depsesas de PDD, aumentar as receitas com taxas e serviços, aumentar o resultado com seguros e reduzir as despesas com pessoal, gerais e administrativas e tributárias. Tenho lá as minhas sérias dúvidas.
Os=


BEES3

PREÇO: R$ 7,40

PAYOUT (2018): 50,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 10,94

P/VPA 1,45

DY 4,63%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,677

ROAE 13,3%

ROAA 0,90%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 121.346

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,70%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,77%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -0,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,5%

RESULTADO OPERACIONAL -9,7%

RESULTADO LÍQUIDO +18,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +21,4%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -24,2%



b) 4T19 sobre 4T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +7,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,6%

RESULTADO OPERACIONAL -45,1%

RESULTADO LÍQUIDO +4,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -2,4%

PATRIMONIO LÍQUIDO +7,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +2,9%

PDD TOTAL +10,6%

ATIVOS TOTAIS -15,0%



c) lucro liquido, nominal

UA 18,05%

U2A 10,45%

U3A 9,82%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,57%

U2A 7,25%

U3A 8,40%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu, passando de uma média de 6,98% nos quatro trimestres terminaods no 4T18, para 6,80%. Em relação ao trimestre passado, houve redução marginal de 6,78% para 6,77%. O índice de inadimplência aumentou de uma média de 3,73% nos 4 trimestres terminados no 3T19, para uma média de 2,76% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,46

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -3,0%

18/02/2020 - Demonstracoes Financeiras - DFP de 31/12/19

18/02/2020 - Dados Financeiros - Press-release - 31/12/19


17/02/2020 - projeções financeiras e operacionais referentes ao ano de 2020

17/01/20 -
aprovação da elevação do Capital Social para R$ 1.295.000.000,00, sem emissão de novas ações, mediante incorporação parcial do saldo das “Reservas de Lucros”

365328 - paulo_prof  -  17 Nov 2019, 23:45
Em relação ao 3T19, os resultados foram regurlares. Despesas de PDD muito maiores (+93,0%) resultaram num Resultado Bruto de Intermediação menor em termos nominais (-8,6%). O aumento de receitas com a prestação de serviços e taxas bancárias e despesas de pessoal, administrativas e tributárias sob controle (+5,4%) levaram a um Resultado Operacional menor em termos nomoinais (-8,6%). Uma menor taxação de IR/CS e uma menor Participação Estatutária no Lucro levou a um Resultado Líquido maior (+5,5%).

Na comparação anual, a taxa de crescimento do lucro líquido em relação aos 12 meses anteriores diminuiu para 13,1%, ainda muito acima do que o preço atual exigiriam de acordo com a fórmula do FCD. Agtivo continua barato.

dN6m07MnuH0a0k8g4=

BEES3

PREÇO: R$ 5,69

PAYOUT (2018): 48,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 8.60

P/VPA 1.16

DY 5.66%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0.671

ROAE 13.5%

ROAA 0.87%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 153,353

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3.49%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6.78%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -4,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,4%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,2%

RESULTADO OPERACIONAL -0,2%

RESULTADO LÍQUIDO +13,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +7,3%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +16,4%



b) 3T19 sobre 3T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -8,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,4%

RESULTADO OPERACIONAL -8,6%

RESULTADO LÍQUIDO +5,5%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +93,0%

PATRIMONIO LÍQUIDO +11,0%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +3,3%

PDD TOTAL -1,5%

ATIVOS TOTAIS 3,1%



c) lucro liquido, nominal

UA 13,12%

U2A 12,58%

U3A 12,88%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,41%

U2A 7,55%

U3A 8,48%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu, passando de uma média de 7,28% nos quatro trimestres terminaods no 3T18, para 6,68%. Em relação ao trimestre passado, houve redução de 6,99% para 6,78%. O índice de inadimplência aumentou de uma média de 3,11% nos 4 trimestres terminados no 3T18, para uma média de 3,51% nos últimos 4 trimestres.



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,39

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -8,5%

363750  - paulo_prof   -  26 Ago 2019, 14:36
Em relação ao 2T18, o Resultado foi regular, impactado por uma muito maior despesa de PDD. Em relação ao 1S18, todos os resultados, exceto a despesa de PDD, evoluiram. Na comparação anual, percebe-se que a "gordura" é grande. Ativo muito barato.
p.php?pid=chartscreenshot&u=6owMdn1BwTun


BEES3

PREÇO: R$ 5,45

PAYOUT (2018): 48,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 8,24

P/VPA 1,12

DY 5,91%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,661

ROAE 13,6%

ROAA 0,75%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 126.126

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,87%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,99%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +2,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,8%

RESULTADO OPERACIONAL +14,6%

RESULTADO LÍQUIDO +21,7%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -16,7%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -9,9%



b) 2T19 sobre 2T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -16,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,5%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,3%

RESULTADO OPERACIONAL -29,4%

RESULTADO LÍQUIDO -21,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -+149,7%

PATRIMONIO LÍQUIDO +8,4%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +3,4%

PDD TOTAL +1,6%

ATIVOS TOTAIS 18,9%



c) lucro liquido, nominal

UA 21,66%

U2A 13,74%

U3A 10,89%



d) patrimônio líquido médio

UA 7,20%

U2A 7,99%

U3A 8,40%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu, passando de uma média de 7,33% nos quatro trimestres terminaods no 2T18, para 6,71%. Em relação ao trimestre passado, houve aumento de 6,66% para 6,99%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 3,35% nos 4 trimestres terminados no 1T18, para uma média de 2,90% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,26

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -9,0%

361235  - paulo_prof  -  15 Mai 2019, 01:12
Resultado Excepcional. Maior Lucro Trimestral da História. Ativo barato prá caramba!

BEES3

PREÇO: R$ 4,86

PAYOUT (2018): 48,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 6,95

P/VPA 1,01

DY 7,01%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,700

ROAE 14,5%

ROAA 0,86%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 103.703

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,43%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,66%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +9,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,5%

RESULTADO OPERACIONAL +34,7%

RESULTADO LÍQUIDO +38,1%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -38,9%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -35,0%



b) 1T19 sobre 1T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +21,8%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,6%

RESULTADO OPERACIONAL +74,9%

RESULTADO LÍQUIDO +171,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -40,2%

PATRIMONIO LÍQUIDO +9,3%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +1,2

PDD TOTAL -11,5%

ATIVOS TOTAIS 30,8



c) lucro liquido, nominal

UA 38,06%
U2A 17,02%
U3A 13,68%


d) patrimônio líquido médio

UA 6,24%

U2A 8,40%

U3A 8,42%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu sensivelmente, passando de 7,63% no 1T18 para 6,66%. Em relação ao trimestre passado, houve aumento de 6,30% para 6,66%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 3,87% nos 4 trimestres terminados no 1T18, para uma média de 2,39% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 8,75

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,0%

358593 - paulo_prof  -  19 Fev 2019, 15:21
Os Resultados do 4T18 foram apenas regulares, porque involuiram em relação aos resultados do 4T17, 2T18 e 3T18. Só foram melhores do que os resultados do 1T18.

Na comparação anual, os resultados evoluiram razoavelmente bem, excetuando o lucro líquido, que ficou estacionário em termos reais, impactados por uma maior despesa de IR/CS.

Em relação ao 4T17, evoluiram tanto a qualidade da carteira expandida de créditos (passou de 7,50% para 6,30%), quanto o índice de inadimplência (passou 3,81% para 3,67%)

Creio que ainda há margem para que o banco melhores estes índices, com menores dispêndios de PDD.

Acho que o ativo ainda continua barato ... mas não mais "prá caramba"!

BEES3

PREÇO: R$ 5,07

PAYOUT (2018): 48,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 8,85

P/VPA 1,07

DY 5,51%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,573

ROAE 12,1%

ROAA 0,65%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 160.055

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,67%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,30%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +6,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,0%

RESULTADO OPERACIONAL +15,6%

RESULTADO LÍQUIDO +3,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -23,5%

CRÉDITOS INADIMPLENTES +1,3%



b) 4T18 sobre 4T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -10,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,5%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -2,2%

RESULTADO OPERACIONAL -6,0%

RESULTADO LÍQUIDO -12,3

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -33,8%

PATRIMONIO LÍQUIDO +7,1%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +5,2

PDD TOTAL -11,6%

ATIVOS TOTAIS 22,7



c) lucro liquido, nominal

UA 3,33%

U2A 5,93%

U3A 6,27%



d) patrimônio líquido médio

UA 5,94%

U2A 8,31%

U3A 8,36%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 7,16

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -7,5%

355705 - paulo_prof  -  08 Nov 2018, 17:34
Resultados Excelentes ... praticamente uma réplica do excelente 2T18. Dos resultados que vi até o momento, o Banestes foi aquele que apresentou o melhor resultado operacional em relação ao 3T17. Aumento robusto de Receitas de Serviços e Taxas, Despesas de Pessoal, Adminstrativas e Tributárias contidas, melhora da qualidade da carteira de crédito. As despesas de PDD foram um pouco maiores do que aquelas do 2T18 e o Lucro Líquido foi um pouco menor do que aquele do 2T18. Ativo muito barato, especialmente considerando que os resultados líquidos expressivos foram alcançados sem o recurso de diferimento de ativo fiscal (nos 9M18 o banco, para um lucro líquido de R$ R$ 136 milhões, pagou R$ 98 milhões em impostos e contribuição social.

BEES3

PREÇO: R$ 4,00

PAYOUT (2017): 38,0%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 6,75

P/VPA 0,88

DY 5,64%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,593

ROAE 13,0%

ROAA 0,65%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 131.791

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,03%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO/ATIVO TOTAL 15,1%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,90%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +14,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,4%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,3%

RESULTADO OPERACIONAL +24,5%

RESULTADO LÍQUIDO +12,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -15,4%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -23,2%



b) 3T18 sobre 3T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +20,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +13,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -0,3%

RESULTADO OPERACIONAL +57,1%

RESULTADO LÍQUIDO +39,7

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -42,8%

PATRIMONIO LÍQUIDO +4,0%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +6,2

PDD TOTAL +3,2%

ATIVOS TOTAIS 30,5



c) lucro liquido, nominal

UA 12,03%

U2A 12,76%

U3A 4,97%



d) patrimônio líquido médio

UA 6,70%

U2A 8,51%

U3A 8,53%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 7,41

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,5%

352788  - paulo_prof  -  13 Ago 2018, 22:17
Resultados Excelentes, especialmente considerando os resultados pífios do 1T18. Dos resultados que vi até o momento, o Banestes foi aquele que apresentou o melhor resultado operacional em relação ao 3T17. Aumento robusto de Receitas de Serviços e Taxas, Despesas de Pessoal, Adminstrativas e Tributárias contidas, qualidade da carteira de crédito retomando a trajetória de melhora, inflexão nas despesas de PDD. Há que se ler o relatório para entender o que ocorreu, relativa a grande piora no 1T18 e grande melhora no 2T18. Ativo muito barato.

BEES3

PREÇO: R$ 3,81

PAYOUT (2017): 38,0%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 6,77

P/VPA 0,82

DY 5,61%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,543

ROAE 12,2%

ROAA 0,73%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 140.008

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,29%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,11%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +10,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,5%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,4%

RESULTADO OPERACIONAL +13,8%

RESULTADO LÍQUIDO +6,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -6,5%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -26,9%



b) 2T18 sobre 2T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +11,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,1%

RESULTADO OPERACIONAL +33,0%

RESULTADO LÍQUIDO +24,9%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -40,5%

PATRIMONIO LÍQUIDO +4,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +4,8%

PDD TOTAL +6,1%

ATIVOS TOTAIS 12,7%



c) lucro liquido, nominal

UA 6,33%

U2A 5,86%

U3A 3,14%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,79%

U2A 9,00%

U3A 9,02%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,79

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,5%

350813  - marcosvinicius2 -  06 Jun 2018, 15:29
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). DESEMPENHO ECONÔMICO = O lucro líquido acumulado entre janeiro a março de 2018 atingiu R$ 23 milhões, recuo de 39,2% em relação ao mesmo período do ano de 2017. O lucro líquido recorrente atingiu R$ 29 milhões no primeiro trimestre de 2018, redução de 7,8% sobre o mesmo comparativo de 2017. Em 2017 ocorreram reversões cíveis (R$ 12 milhões), enquanto que em 2018, os fatos extraordinários foram referente à constituição de provisão para processos de planos econômicos (R$ 9 milhões), provisão para alteração da alíquota da contribuição social (R$ 12 milhões) e receita com venda de ativos de tesouraria (R$ 17 milhões) e de bens imóveis (R$ 3 milhões). A margem financeira cresceu 7,2%, impactada pelo efeito da queda significativa da taxa de juros – Selic (de 12,25% no 1º trimestre de 2017 para 6,50% em março de 2018) nos ativos rentáveis e passivos onerosos pós-fixado, mas compensada pela elevação do spread na carteira de crédito pré-fixada e na carteira de títulos e valores mobiliários com taxas pré-fixadas e atreladas à inflação. As receitas da intermediação financeira (receita com juros) recuaram 30,8% em razão do resultado de operações com TVM que declinaram 40,7%, atenuado pelos recursos em carteira que expandiram 9,0% e pela receita gerada por vendas de títulos públicos (LTN). As receitas com as operações de crédito foram menores 1,5%, já impactadas em parte pelo retorno do crescimento da carteira (+2,0% no ano e +7,2% em 12 meses). As despesas da intermediação financeira (despesa com juros) reduziram 39,9%, em virtude de menores custos das operações de captação (-R$ 262 milhões), principalmente com recursos de obrigações compromissadas (-46,5%), de depósitos a prazo (-41,5%) e depósitos judiciais (-43,2%).:

BEES3
PREÇO: R$ 3,56
PAYOUT (2017): 15,68%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,02
P/VPA 0,81
DY 2,23%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,507
ROAE 11,49%
ROAA 0,83%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 158.789
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,62%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,67%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T17, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 12,93%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 8,18%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,56%
RESULTADO OPERACIONAL 8,16%
RESULTADO LÍQUIDO -0,81%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -2,75%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 54,10%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 9,78%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 11,70%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,08%
RESULTADO OPERACIONAL -16,22%
RESULTADO LÍQUIDO -39,25%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS 18,02%
PATRIMONIO LÍQUIDO 8,28%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,02%
PDD TOTAL 3,55%
ATIVOS TOTAIS -7,08%

c) lucro liquido, nominal
UA -0,81%
U2A 3,16%
U3A 4,12%

d) patrimônio líquido médio
UA 10,60%
U2A 9,53%
U3A 9,48%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,34
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -13% !!!!
[...]

349941  - paulo_prof  -  15 Mai 2018, 00:31
Bastante fraco o Resultado do BEES.

Melhores Resultados de Intermediação, de Prestação de Serviços, de Tarifas e de Seguros, foram fortemente impactados por um muito pior resultado líquido de outras receitas e despesas operacionais. Em resumo, no 1T17 houve uma forte receita de reversão de provisão e no 1T18 houve uma forte despesa também de provisões de contingências. Como cereja do bolo da sensível piora na última linha, as despesas de IR/CS do 1T18 foram muito maiores do que aquelas do 1T17.

Há mais duas observações a serem feitas, nenhuma positiva:

1-ao contrário do que tem ocorrido com outros bancos que já publicaram os resultados, as despesas de PDD do BEES não estão baixando. Depois de baixarem para a faixa dos R$ 30-40 milhões nos trimestres 1T17, 2T17 e 3T17, aumentaram para a faixa dos R$ 50 milhões nos últimos 2 trimestres.

2-os ativos totais do banco caíram mais de R$ 3 bilhões (-14%) do final do 4T17 para o final do 1T18. H[a que se ler o Relatorio para ver se há uma explicação.

Como o ativo continua barato, a forte queda no lucro líquido no 1T18 está folgadamente no preço ... mas o sinal de alerta soou!

BEES3

PREÇO: R$ 3,81

PAYOUT (2017): 38,0%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 7,52

P/VPA 0,86

DY 5,06%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,507

ROAE 11,5%

ROAA 0,82%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 159.562

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,79%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,63%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +10,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +7,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,3%

RESULTADO OPERACIONAL +5,8%

RESULTADO LÍQUIDO +-0,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -2,8%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -14,1%



b) 1T18 sobre 1T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +7,2%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,5%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,7%

RESULTADO OPERACIONAL -15,5%

RESULTADO LÍQUIDO -39,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +18,0%

PATRIMONIO LÍQUIDO +8,3%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO +3,0%

PDD TOTAL +3,3%

ATIVOS TOTAIS -7,1%



c) lucro liquido, nominal

UA -0,81%

U2A 3,16%

U3A 4,12%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,60%

U2A 9,53%

U3A 9,48%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,34

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -11,0%

Citação: celso araujo - Post #348452 - 28/Mar/2018 02:13
PAULO PROF
Na atual conjuntura economica, poderia citar empresas que ainda considere baratas nos atuais preços? Gostaria de estudar algumas indicações mais a fundo.
A atual conjuntura econômica é de incerteza ... eu acho que a probabilidade de elegermos um governo irresponsável é pequena, mas ... e vc?

A esquerda, bem como a extrema-direita de Bolsonaro, atrapalharam a proposta de reforma da previdência no que foi possível. Se houver um 2o. turno entre a esquerda e a extrema-direita, quais são as perspectivas de se reformar a previdência. Qual será a credibilidade do eleito para liderá-la. Quando o outro quer fazer sou contra e faço questão de atrapalhar ... quando eu vou fazer, quero que todos me ajudem?

Sem uma reforma da previdência suficientemente abrangente, não vejo como o governo equilibrar as contas. Quando não se consegue equilibrar as contas, as situações do Brasil no final do governo Diulma, do Rio, Minas e Rio Grande do Sul estão aí para ilustrarem as consequências.

Eu acho/espero/rezo para que não tenhamos que escolher entre populismos de esquerda e de direita. E se o centro (qualquer que seja) levar, acho que o ciclo (crescimento, inflação, etc) será virtuoso.

Como já mencionado, acho que bancões se dão bem em qualquer cenário. Se a inflação e os juros são altos, os ganhos de tesouraria aumentarão, compensando o aumento da inadimplência. Por outro lado, se a inflação continuar no patamar atual (ou aumentar moderadamente), a perda de rendimentos de tesouraria será compensada com o aumento do crédito e diminuição da inadimplência. Entre os bancões, ainda estou preferindo ITSA4. Entre os bancos médios vou de ABCB, BEES e BGIP.
[...]

348387  - marcosvinicius2 -  25 Mar 2018, 15:25
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO ( * ). LUCRO LÍQUIDO de R$ 175 milhões, 8,6% maior em relação ao mesmo período de 2016 e o maior já registrado em sua história, correspondendo a R$0,55 por ação. Rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROE) anualizada de 13,2% e retorno sobre os ativos totais (ROA) anualizado de 0,7%; O Faturamento somou R$3,2 bilhões, reduzindo 6,8% comparado a 2016, em decorrência da queda da Selic. O resultado Operacional foi de R$ 289 milhões, expandindo 9,8% no mesmo comparativo. Foi destinado aos acionistas o valor de R$66,6 milhões a titulo de juros sobre capital próprio, 15,6% a mais que em 2016, representando a distribuição de 38,0% do lucro liquido do período:

BEES3  
PREÇO: R$ 4,10
PAYOUT (2017): 15,68%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,39
P/VPA 0,93
DY 2,12%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,555
ROAE 12,57%
ROAA 0,78%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 156.767
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,82%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,57%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 11,02%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 5,64%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,91%
RESULTADO OPERACIONAL 12,71%
RESULTADO LÍQUIDO 8,59%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -14,20%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -12,65%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal  
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 11,02%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 5,64%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,91%
RESULTADO OPERACIONAL 12,71%
RESULTADO LÍQUIDO 8,59%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -14,20%
PATRIMONIO LÍQUIDO 10,39%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,91%
PDD TOTAL 1,74%
ATIVOS TOTAIS -11,19%

c) lucro liquido, nominal  
UA 8,59%
U2A 7,77%
U3A 9,43%

d) patrimônio líquido médio  
UA 10,74%
U2A 9,59%
U3A 9,66%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,94
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -11,5% !!!!
[...]

347532 - BAC 1000  -  27 Fev 2018, 22:39
Excelente resultado de bees3...

347529 - paulo_prof -  27 Fev 2018, 21:26
Citação: ronangb - Post #347523 - 27/Fev/2018 20:20
Professor boa tarde. Ao que se deve essa redução de ativos?
Em relação aos Ativos, o Release explica:

Ao final de dezembro de 2017, os Ativos Totais alcançaram saldo de R$ 22,7 bilhões, elevando-se 2,2% em comparação ao trimestre anterior. Na comparação com o quarto trimestre de 2016 houve uma retração de 11,2% comparada aos R$ 25,6 bilhões de dezembro de 2016. Contudo, excluindo o
efeito dealer sobre o Ativo Total, a redução foi de apenas 1,3%.

Não me pergunte o que seria o tal efeito "dealer" ...

No que se refere o índice de Basiléia, o comentário é o seguinte:

Ao final de dezembro de 2017, o Patrimônio de Referência do Conglomerado Prudencial alcançou o montante de R$ 1,4 bilhão frente aos ativos ponderados pelo risco (RWA) de R$ 9,5 bilhões. O Índice de Basileia ficou em 14,2% formado integralmente de Capital Nível I, apresentando retração de 1,0 p.p. e relação ao 3º trimestre e de 4,6 p.p. em 12 meses, reflexo da maior exposição aos ativos ponderados pelo Risco de Mercado e Risco Cambial. Ainda assim, o BANESTES apresenta um dos mais altos patamares de Capital Nível I do mercado. Importante ressaltar que o Banco espera uma recomposição desse índice para os próximos períodos, em função de trabalhos e ações já executadas dentro desse objetivo, voltando a patamares históricos confortáveis à operação e desenvolvimento de suas atividades bancárias e financeiras.

No meu mode de entender, este papo de afirmar que o banco apresenta um dos patamares mais altos de Capital de Nível I, é balela ... Por outro lado, se o atual índice fosse "normal", o relatório não se daria o trabalho de explicar que medidas estão sendo tomadas para elevar este patamar ... infelizmente, vamos ficar sem saner que medidas são estas.

347522 - paulo_prof  -  27 Fev 2018, 20:02
Nenhuma surpresa ... devagar e sempre! A qualidade da carteira ficou inalterada e os créditos baixados a prejuízo diminuiram. Em consequência, as despesas de PDD também foram reduzidas. O único aspecto levemente negativo que observei é o índice de Basiléia. Apesar da folga, se a tendência continuar haverá necessidade de aumentar o capital nível I.

Em termos da última linha, o resultado foi excelente, especialmente aquele na base trimestral, evoluindo 18,6%.

Não vejo qualquer ameaça ... ativo barato prá caramba. Deverá continuar propiciando um DY líquido na faixa de 5%, com o preço evoluindo acima dos 10% no ano.

BEES3

PREÇO: R$ 3,95

PAYOUT (2016): 38,0%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 7,12

P/VPA 0,90

DY 5,34%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,555

ROAE 12,6%

ROAA 0,79%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 158.008

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,86%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,11%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +9,2%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,8%

RESULTADO OPERACIONAL +9,8%

RESULTADO LÍQUIDO +8,6%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -14,2%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -13,1%



b) 4T17 sobre 4T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +17,7%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,9%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -1,3%

RESULTADO OPERACIONAL +23,7%

RESULTADO LÍQUIDO +18,6%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -17,1%

PATRIMONIO LÍQUIDO +9,7%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -0,1%

PDD TOTAL -5,3%

ATIVOS TOTAIS -13,7%



c) lucro liquido, nominal

UA 8,59%

U2A 7,77%

U3A 9,43%



d) patrimônio líquido médio

UA 10,74%

U2A 9,59%

U3A 9,66%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,94

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,5%

346419  - ispholambra   -  23 Jan 2018, 02:46
Citação: paulo_prof - Post #346417 - 22/Jan/2018 22:34
Citação: jonas_schwingel - Post #346414 - 22/Jan/2018 20:48
Reajuste de 10% cravados nos JSCPs do BRIV. Excellent!
Se os 0,27183 forem os novos 0,24714, é de se esperar uma correção de mesma magnitude nas cotações médias futuras.

Já os JCP mensais do Banestes foram reduzidos em exatos 14% ...
Esse é um mau pressagio Professor?

O so demonstra um conservadorismo exagerado por parte do banco?

Eu comprei uma pequena posicao em BEES3... era um dos ultimos bancos estaduais que eu nao tinha na carteira...

Tenho uma tese de que com o aperto gerado nas financas da maioria dos estados, um aumento expressivo de pagamento de dividendos e/ou uma venda do controle desses bancos podera vir a acontecer...

Pelo sim pelo nao tenho BGIP4, BSLI3 (pouquissima coisa), BRSR6 e agora BEES3....

341604  - marcosvinicius2  -  30 Ago 2017, 23:28
COMENTÁRIO: PAPEL SUBVALORIZADO (*). NOS ULTIMOS 45 TRIMESTRES, 45 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). MEDIA DE LUCRO LIQUIDO X 1.000 (U12M) = 40.359; (U24M) = 39.325; (U36M) = 38.575; (U48M) = 36.910; MAIORES VARIAÇÕES = 12M X 12M : RESULTADO OPERACIONAL (42,55%) E PDD (-26,98%); 2T16 X 2T15 : RESULTADO INT FINANC. (15,67%) E PDD (-17,13%). VALOR DE MERCADO (MIL) = 1.162.556; VALOR MAXIMO (MIL) = 1.233.112 NO 1T08; VE PSBE (MIL) = 4.753.176:

BEES3
PREÇO: R$ 3,68
PAYOUT (2016): 38,05%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 7,20
P/VPA 0,86
DY 2,26%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,511
ROAE 11,94%
ROAA 0,78%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 189.751
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,73%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,09%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 17,65%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 4,04%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 7,30%
RESULTADO OPERACIONAL 42,55%
RESULTADO LÍQUIDO 5,40%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -26,98%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -15,72%

b) 2T17 sobre 2T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 15,67%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 4,85%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 5,03%
RESULTADO OPERACIONAL 4,77%
RESULTADO LÍQUIDO 0,02%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -17,13%
PATRIMONIO LÍQUIDO 11,47%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -3,35%
PDD TOTAL -7,03%
ATIVOS TOTAIS 12,07%

c) lucro liquido, nominal
UA 5,40%
U2A 4,34%
U3A 8,14%

d) patrimônio líquido médio
UA 9,21%
U2A 9,14%
U3A 9,83%

DESTAQUES DO PERÍODO:

O Lucro Líquido acumulado pelo BANESTES até o 1º semestre de 2017 foi de R$ 84,76 milhões, estável (+0,1%) ao valor obtido no mesmo período de 2016, correspondendo a R$ 0,27 por ação e rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROE) anualizada de 12,6%. O retorno sobre os ativos totais médios (ROA) anualizado foi de 0,8%;

O Faturamento totalizou R$ 1,66 bilhão, crescendo 6,8% sobre o acumulado até junho de 2016. O Resultado Operacional atingiu R$ 139,14 milhões e expandiu 2,2% sobre o mesmo período;

Foi destinado aos acionistas a título de juros sobre capital próprio o valor de R$ 32,23 milhões, representando 38,0% do lucro líquido apurado até o segundo trimestre do ano;

O Patrimônio Líquido atingiu R$ 1,35 bilhão, 7,1% superior ao registrado em dezembro de 2016. A relação Patrimônio Líquido e Ativo Total foi de 6,5%. O Índice de Basileia alcançou 18,3% composto integralmente de capital nível I;

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340950  - paulo_prof   -  11 Ago 2017, 11:17
Os comentários anteriores continuam 100% atuais. As contínuas quedas nas despesas de PDD ano sobre ano (-27,0%) e inadimplência (-17,2%), não estão se traduzindo em aumento do lucro. Este permanece praticamente estagnado (+5,4% na base anual, +0,0% na base trimestral).

De qualquer forma, o preço atual subavalia os fundamentos e, em consequência, há uma grande margem de segurança.


BEES3

PREÇO: R$ 3,47

PAYOUT (2016): 35,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 6,69

P/VPA 0,80

DY 5,34%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,511

ROAE 11,9%

ROAA 0,77%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 191.599

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,72%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,02%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +16,60%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +4,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +7,1%

RESULTADO OPERACIONAL +37,5%

RESULTADO LÍQUIDO +5,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -27,0%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -17,2%



b) 2T17 sobre 2T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +13,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +4,8%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,8%

RESULTADO OPERACIONAL +3,7%

RESULTADO LÍQUIDO +0,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -17,1%

PATRIMONIO LÍQUIDO +11,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -5,6%

PDD TOTAL -7,65%

ATIVOS TOTAIS +12,0%



c) lucro liquido, nominal

UA 5,40%

U2A 1,58%

U3A 10,54%



d) patrimônio líquido médio

UA 9,21%

U2A 9,14%

U3A 9,83%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,55

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -16.0%

337842 - paulo_prof   -  12 Mai 2017, 20:09
Os resultados do BEES mostram alguns aspectos positivos:

a) as despesas trimestrais de PDD estão em queda;

b) a inadimplência está em queda;

c) os JCPs a serem distribuidos no exercício de 2017 sofreram um aumento de 6,4% em relação aos valores de 2016



Por outro lado, entretanto, embora na base anual o lucro líquido ainda mostre uma leve taxa de crescimento real, na comparação trimestral percebe-se que o crescimento do lucro estacionou em termos nominais, o que corresponde a uma taxa real negativa. Se não houver uma reversão deste aspecto nos próximos, a taxa de crescimento anual do lucro líquido também ficará em terreno negativo.

De qualquer forma, na minha opinião o ativo está barato.


BEES3

PREÇO: R$ 3,47

PAYOUT (2016): 35,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 6,79

P/VPA 0,85

DY 5,26%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,511

ROAE 12,5%

ROAA 0,77%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 185.740

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,54%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,60%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +12,8%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +7,9%

RESULTADO OPERACIONAL +39,4%

RESULTADO LÍQUIDO +7,3%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -29,5%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -17,2%



b) 1T17 sobre 1T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1,4%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +1,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,7%

RESULTADO OPERACIONAL +0,5%

RESULTADO LÍQUIDO +0,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -25,0%

PATRIMONIO LÍQUIDO +10,9%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -4,9%

PDD TOTAL -3,5%

ATIVOS TOTAIS +9,7%



c) lucro liquido, nominal

UA 7,28%

U2A 6,68%

U3A 13,64%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,46%

U2A 8,93%

U3A 10,51%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,55

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -15,5%

334568  - paulo_prof   -  22 Fev 2017, 18:26
Mais um ativo de banco barato ... A despesa de PDD no exercício de 2016 foi sensivelmente menor do que aquela de 2016, embora a qualidade da carteira expandida tenha piorado em relação a dezembro de 2015 (passou de 7,0% para 7,5%). Isto só foi possível devido à redução dos créditos baixados a prejuízo. Não vejo nenhuma nuvem negra no horizonte. Acho que um investimento nos preços atuais é de baixo risco.

BEES3

PREÇO: R$ 3,86

PAYOUT (2016): 35,7%



Múltiplos baseados nos Resultados dos últimos 12 meses

P/L 7,56

P/VPA 0,97

DY 4,73%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,511

ROAE 12,8%

ROAA 0,63%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 181.921

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,45%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,50%



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T15, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +12,7%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,9%

RESULTADO OPERACIONAL +40,3%

RESULTADO LÍQUIDO +7,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -22,7%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -21,8%



b) 4T16 sobre 4T15, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +15,9%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +3,4%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +14,0%

RESULTADO OPERACIONAL +79,0%

RESULTADO LÍQUIDO +48,4%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -4,3%

PATRIMONIO LÍQUIDO +8,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -4,8%

PDD TOTAL +2,3%

ATIVOS TOTAIS +41,1%



c) lucro liquido, nominal

UA 6,96%

U2A 9,86%

U3A 13,64%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,45%

U2A 9,13%

U3A 12,19%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 6,55

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,0%

334549  - ZOTTI   -  22 Fev 2017, 14:29
BEES3

1 - DESTAQUES DO ANO DE 2016
O ano de 2016 apresentou muitos desafios, dada a conjuntura econômica do país. Ainda assim, o BANESTES vem atingindo suas principais expectativas, possibilitando adequada remuneração aos acionistas.
Lucro Líquido de R$ 161,36 milhões, superior 7,0% em relação ao mesmo período de 2015, correspondendo a R$ 0,51 por ação. Rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROE) anualizada de 13,3% e retorno sobre os ativos totais médios (ROA) anualizado de 0,7%;
O Faturamento3avançou 25,4% comparado ao exercício de 2015 e somou R$ 3,40 bilhões. O Resultado Operacional foi de R$ 263,71 milhões, expandindo 40,3% no mesmo comparativo;
Foi destinado aos acionistas o valor de R$ 57,65 milhões a título de juros sobre capital próprio/dividendos, representando a distribuição de 35,7% do lucro líquido do período;
O Patrimônio Líquido atingiu R$ 1,26 bilhão em dezembro de 2016, 8,8% superior ao registrado no final de 2015. A relação patrimônio líquido e ativo totalfoi de 4,9%. O Índice de Basileia alcançou 18,8% composto integralmente de capital nível I;
O saldo dos Recursos de Terceiros Captados e Administrados alcançou R$ 25,37 bilhões, enquanto os Recursos Aplicados (Ativo Total) registraram saldo de R$ 25,61 bilhões, ambos apresentaram importante avanço de 41,1% sobre 2015;
A Carteira de Crédito Ampliada5 atingiu o montante de R$ 4,94 bilhões, evolução de 8,2% contra a posição de 2015. A Carteira de Crédito Comercial (conceito Bacen) alcançou R$ 3,75 bilhões, redução de 4,1% em 12 meses, reflexo da retração de demanda por crédito no mercado e maior seletividade aplicada pelo BANESTES na concessão de crédito. No segmento de pessoa física, as operações apresentaram redução de 2,8%, totalizando R$ 2,23 bilhões, enquanto as operações com pessoa jurídica atingiram R$ 1,52 bilhão, queda de 5,9%. A estratégia adotada pela Instituição é priorizar as carteiras com menor risco, como o crédito consignado e crédito imobiliário, que cresceram respectivamente 0,8% e 44,4%;
A Inadimplência (> 90 dias) da Carteira de Crédito Ampliada encerrou o ano em 3,6%, inferior à registrada em 2015 (4,1%). Enquanto a da Carteira de Crédito Comercial ficou em 4,7%, contra 4,8% no mesmo período do ano anterior, demonstrando os efeitos positivos das ações tomadas para conter a inadimplência. As despesas com provisões de crédito6 geradas nos últimos 12 meses representaram 3,8% do total da Carteira de Crédito Ampliada;
O Índice de Eficiência Operacional apurado no ano foi de 55,5% contra 51,7% no mesmo período de 2015 e a Eficiência Operacional Ajustada ao Risco ficou em 66,9% mesmo valor apurado no ano anterior. O desempenho ocorreu em função de uma menor demanda por crédito no mercado bancário e redução do spread nas operações de crédito e financeira;
As notas de rating em escala nacional para risco de crédito medidas pela Fitch Ratings e pela LFRating no período mantiveram-se inalteradas, em moeda local: A+(Bra) com perspectiva estável e A+ com perspectiva neutra, respectivamente;
As receitas com Serviços e Tarifas Bancárias elevaram-se 6,6% em 12 meses. Os Prêmios de Seguros reduziram 1,7%. O BANESTES manteve relacionamento com a base de 1.090.462 clientes (+1,0% sobre 2015). O número de contas correntes atingiu 728.311 no período, enquanto as contas de poupança somaram 533.045, maior 3,4% na mesma comparação.

333216  - grizzo -  28 Jan 2017, 16:38
Esta notícia interessa a mtos por aqui que eu sei que tem o papel em carteira, vamos monitorar!

Entidade aponta para nova ameaça de privatização do Banestes

29/12/2016às 16:30
Imprimir
bust_in_silhouetteLivia Francez
O Sindicato dos Bancários aponta para a ameaça no retorno das discussões em torno da privatização do Banestes. A entidade aponta que o governador não afasta a possibilidade de privatização do banco em caso de necessidade de capitalizar os cofres públicos. O governador Paulo Hartung já defendeu, inclusive nacionalmente, que a privatização de patrimônios estatais se faz necessária em momentos de crise.

O atual presidente da instituição, Guilherme Dias, fica no cargo até de fevereiro de 2017, quando deve assumir Michel Sarkis, oriundo do setor privado.

As ameaças ao Banestes público e estadual são frequentes, tanto que foi criado o Comitê em Defesa do Banestes Público e Estadual, que voltou a se reunir em 2016.

O banco apresenta lucro todos os anos há, pelo menos, quatro anos. Nos últimos três anos, o banco só cresceu, sendo que em 2013 o lucro foi de R$ 109,9 milhões (crescimento de 43,8% em relação a 2012); em 2014, R$ 133,7 milhões, 21,6% a mais que em 2013; e em 2015 o lucro do Banestes foi de R$ 150,9 milhões, montante 12,8% superior em comparação a 2014.

No mercado, especula-se que o valor da venda do banco seria de R$ 1,5 bilhão - valor que daria para cumprir cerca de quatro folhas de pagamento do funcionalismo. Em contrapartida, a estimativa é que o Estado tenha deixado de arrecadar anualmente R$ 1 bilhão somente em 2015 em renúncias fiscais, concedidas a setores empresariais.

O Banestes é o único banco que está presente, com mais de 800 postos de atendimento, nos 78 municípios capixabas e exerce importante papel no desenvolvimento econômico do Estado, oferecendo uma carteira completa de produtos e serviços a pessoas físicas, jurídicas e a administrações públicas, além de ser altamente rentável.

Justamente por ser rentável, o banco sempre despertou cobiça do setor financeiro privado e com o atual cenário econômico de austeridade e de redução do papel do Estado, ganha força o discurso privatista, o que acende os sinais de alerta com relação ao Banestes. 
Prof Paulo / Small qual a visão sobre a BEES3 ? Não parece descontado perante seus pares ? Qual o espaço para a valorização do ativo ?
Obrigado.
332461  - paulo_prof -  16 Jan 2017, 01:07
Quais ativos vc considera "seus pares"?
A tabela abaixo mostra alguns múltiplos relacionados aos ativos de bancos. O BEES sem dúvida está descontado em relação a alguns de seus pares, levando em consideração determinados múltiplos. Excluindo o que concerne a taxa de crescimento do lucro e o P/L referente aos últimos 12 meses, o BGIP também não está na foto. BRIV e CRIV também não decepcionam. Mas acho que não há dúvidas que o ABCB joga numa liga completamente distinta. 
Bancos2017587c1cdae3da3.png
                                                                                           ▲                                                                      ▲
325875  - paulo_prof  - 11 Ago 2016, 17:45
A inadimplência aumentou, no BEES, passando de 3,30% no 1T16 para 4,83%. A qualidade da carteira expandida de créditos, entretanto, melhorou de 7,55% ao final do 1T16 para 7,31%. Como também houve uma leve redução no tamanho da carteira expandida de créditos, as despesas com PDD no 1T16 foram as menores nos últimos 8 trimestres. Em relação ao 1T16 a redução nominal das despesas de PDD foi de R$ 20 milhões. De certa forma, portanto, o aumento de R$ 5 milhões no Resultado Operacional em relação ao 1T16 foi muito modesto.

De qualquer forma, o resultado deve ser considerado muito bom e, na minha opinião, o ativo está muito barato!

BEES3
PREÇO: R$ 2,55
PAYOUT (2015): 36,7%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,26
P/VPA 0,66
DY 6,99%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,485
ROAE 12,6%
ROAA 0,82%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 231.304
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,48%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 7,31%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -4,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +2,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,5%
RESULTADO OPERACIONAL -20,2%
RESULTADO LÍQUIDO -2,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -6,2%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +21,1%

b) 2T16 sobre 2T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -0,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +8,0%
RESULTADO OPERACIONAL +6,7%
RESULTADO LÍQUIDO +6,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -31,5%
PATRIMONIO LÍQUIDO +14,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -7,0%
PDD TOTAL -0,3%
ATIVOS TOTAIS +15,0%

c) lucro liquido, nominal
UA 15,51%
U2A 14,44%
U3A 17,22%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,03%
U2A 14,86%
U3A 14,42%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 4,85

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -19,0%

324671 - paulo_prof   -  25 Jul 2016, 16:01
Acho que é o ativo de um banco médio bem administrado, liquidez razoável, que hoje está relativamente barato, com múltiplos semelhantes à BRSR6, mas com um nível de risco e incertezas, menor.

310982  - paulo_prof  -  12 Nov 2015, 14:44
Mais do mesmo ... se não estou enganado na leitura da DRE de bancos, não fosse uma receita não recorrente de ativo fiscal diferido - IR/CS, de R$ 44 milhões), o Resultado Líquido poderia até ser negativo ... Eu não apostaria que o banco será capaz de manter o lucro trimestral na faixa dos R$ 40 milhões, como vem fazendo nos últimos 4 trimestres !!! Acho que se o lucro cair para um patamar na faixa dos R$ 20 milhões trimestrais já estará de muito bom tamanho ...

De qualquer forma, o preço atual seria compatível com um lucro trimestral constante, na faixa dos R$ 16 milhões reais. Ou seja, a margem de segurança é boa!

BEES3
PREÇO: R$ 1,94
PAYOUT (2014): 29,53%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 3,78
P/VPA 0,54
DY 7,80%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,513
ROAE 14,2%
ROAA 0,91%
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,12%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,69%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +12,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +20,9%
RESULTADO OPERACIONAL +5,0%
RESULTADO LÍQUIDO +28,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +90,5%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 109,7%

b) 3T15 sobre 3T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -18,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +0,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,9%
RESULTADO OPERACIONAL -66,8%
RESULTADO LÍQUIDO +16,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +71,9%
PATRIMONIO LÍQUIDO +9,8%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -3,9%
PDD TOTAL +19,0%
ATIVOS TOTAIS +13,8%

c) lucro liquido
UA 28,89%
U2A 25,45%
U3A 22,58%

d) patrimônio líquido médio
UA 9,91%
U2A 16,29%
U3A 9,54%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 5,13

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -22,0%

A qualidade da carteira de crédito melhorou marginalmente, passando de 6,82% no 2T15 para 6,69%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) aumentou sensivelmente, passando dos 3,87% (anualizados) do 2T15 para 7,73%.

303969  - paulo_prof -  13 Ago 2015, 17:16
Tudo parece estar sob controle ... ativo suportando bem a crise. Embora a carteira expandida seja menor do que aquela ao final do 2T14, o PDD total seja aprox. 21% maior e a inadimplência aprox. 50% maior em termos nominais, as despesas de PDD não explodiram e o banco está achando alternativas de lucro. Ativo super barato!

BEES3
PREÇO: R$ 1,95
PAYOUT (2014): 29,53%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 3,94
P/VPA 0,55
DY 7,50%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,495
ROAE 14,0%
ROAA 0,96%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 191.026
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,21%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,82%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +23,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +14,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +24,2%
RESULTADO OPERACIONAL +32,21%
RESULTADO LÍQUIDO +30,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +76,8%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 106,0%

b) 2T15 sobre 2T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +43,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +23,7%
RESULTADO OPERACIONAL +83,8%
RESULTADO LÍQUIDO +50,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +76,6%
PATRIMONIO LÍQUIDO +9,9%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -2,4%
PDD TOTAL +21,4%
ATIVOS TOTAIS +9,1%

c) lucro liquido
UA 30,90%
U2A 20,96%
U3A 38,72%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,22%
U2A 15,81%
U3A 9,15%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 4,95

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -21,0%

A qualidade da carteira de crédito piorou, passando de 6,42% no 1T15 para 6,82%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) também piorou, passando dos 3,75% (anualizados) do 1T14 para 3,87% no 3T13.

A piora da qualidade da carteira e aumento da inadimplência foram compensados pela redução do tamanho da carteira de créditos expandida (-2,64%), de modo que as despesas de PDD no 2T15 em relação ao trimestre anterior permaneceram constantes.

303941 - ZOTTI  -  13 Ago 2015, 15:39
BEES3 veio com um bom balanço também.

296625  - danieljoseaa -  07 Mai 2015, 12:51
Bom dia amigos,
Belo resultado do Banestes(BEES3):
https://www.rad.cvm.gov.br/enetconsulta/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?CodigoTipoInstituicao=2&NumeroSequencialDocumento=46553
Baratim, baratim :)

296633  - paulo_prof  - 07 Mai 2015, 14:00
No dia em que este banco conseguir reduzir as despesas em Provisões para Créditos de Liquidação Duvidosa, o lucro vai pra estratosfera !!!

Muito bom os resultados do BEES no 1T15, mesmo considerando a qualidade super discutível de sua carteira total de créditos e despesas de PCLD decorrentes, bem como a taxa de crescimento indecente das despesas de pessoal, administrativas e tributárias do último ano, sobre o ano anterior.

O ativo BEES3 está super barato, de modo que os riscos de uma montagem de posição, são reduzidos. Enquanto o ativo não encontra o seu preço justo, o DY de 6,2% a.a. ao preço atual, que poderia ser melhor, ajuda a segurar as pontas!

BEES3
PREÇO: R$ 2,14
PAYOUT (2014): 29,5%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 4,77
P/VPA 0,62
DY 6,20%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,449
ROAE 13,0%
ROAA 0,89%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 154.266
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,31%
PCLD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,42%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +17,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,5%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +16,9%
RESULTADO OPERACIONAL +27,7%
RESULTADO LÍQUIDO +29,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +31,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +32,7%

b) 1T15 sobre 1T14
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +14,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,6%
RESULTADO OPERACIONAL +22,4%
RESULTADO LÍQUIDO +26,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +62,7%
PATRIMONIO LÍQUIDO +10,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -1,2%
PDD TOTAL +29,3%
ATIVOS TOTAIS +8,7%

c) lucro liquido
UA 28,96%
U2A 23,27%
U3A 26,20%

d) patrimônio líquido médio
UA 13,74%
U2A 14,65%
U3A 8,42%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 4,49

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -17,0%

A qualidade da carteira de crédito (que sempre foi bastante ruim) piorou marginalmente, passando de 6,22% no 4T14 para 6,42%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) melhorou consideravelmente, passando dos 4,83% (anualizados) do 4T14 para 3,75%.

282603  - paulo_prof  -  11 Nov 2014, 13:26
A carteira total de créditos do BEES aumentou marginalmente (0,87%) em relação ao 2T14. Como a qualidade desta carteira melhorou um pouco, o PDD total diminuiu marginalmente em relação ao 2T14 (-0,72%). Embora as despesas de PDD tenham diminuído em relação ao 2T14 (-11,3%), todas as despesas de PDD do 3T14 (e mais um pouco) foram geradas pela inadimplência. Se a inadimplência e a qualidade da carteira forem controladas ... sai de baixo ... O ativo está barato prá caramba ...

Será que o mercado está sabendo de algo que ninguém me contou?

BEES3
PREÇO: R$ 0,40
PAYOUT (2013): 39,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 4,72
P/VPA 0,61
DY 8,32%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,085
ROAE 12,9%
ROAA 0,85%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 130.682
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,79%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,40%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +15,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +13,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +2,4%
RESULTADO OPERACIONAL +40,9%
RESULTADO LÍQUIDO +30,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +6,9%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -30,1%

b) 3T14 sobre 3T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +20,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +13,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +16,3%
RESULTADO OPERACIONAL +27,6%
RESULTADO LÍQUIDO +22,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +18,9%
PATRIMONIO LÍQUIDO +15,4%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +7,8%
PDD TOTAL +16,7%
ATIVOS TOTAIS +11,1%

c) lucro liquido
UA 30,02% 24,92%
U2A 23,36% 10,05%
U3A 8,36% 8,18%

d) patrimônio líquido médio
UA 24,92%
U2A 10,05%
U3A 8,18%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 0,85

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -17,5%

A qualidade da carteira de crédito, que não é lá aquela Brastemp, melhorou marginalmente, passando de 5,48% no 2T14 para 5,40%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) piorou bastante, passando dos 2,40% (anualizados) do 2T14 para 4,06%.

272171  - paulo_prof  -  14 Ago 2014, 22:08
Ativo parece muito barato ... merece ser monitorado !!!

BEES3
PREÇO: R$ 0,46
PAYOUT (2013): 39,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,69
P/VPA 0,72
DY 6,90%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,081
ROAE 12,6%
ROAA 0,86%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 113.520
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,44%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,48%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +5,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +13,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -1,6%
RESULTADO OPERACIONAL +24,1%
RESULTADO LÍQUIDO +19,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +14,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -30,1%

b) 2T14 sobre 2T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +39,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +14,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,4%
RESULTADO OPERACIONAL +152,9%
RESULTADO LÍQUIDO +90,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -14,8%
PATRIMONIO LÍQUIDO +20,7%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,0%
PDD TOTAL +22,1%
ATIVOS TOTAIS +8,7%

c) lucro liquido
UA 19,39%
U2A 47,59%
U3A -3,61%


d) patrimônio líquido médio
UA 20,59%
U2A 8,13%
U3A 6,92%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 0,81

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -13,0%

A qualidade da carteira de crédito piorou, passando de 4,90% no 1T14 para 5,48%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) também piorou, passando dos 0,84% (anualizados) do 1T14 para 1,00% no 3T13.

A piora da qualidade da carteira e aumento da inadimplência, associados a um aumento da carteira total de créditos levou a um aumento considerável das despesas de PDD no 2T14 em relação ao trimestre anterior: 55,6% ou R$ 18,4 milhões em termos absolutos.

258107  - paulo_prof  -  14 Mai 2014, 13:50
BEES3
PREÇO: R$ 0,43
PAYOUT (2013): 39,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 5,92
P/VPA 0,66
DY 6,63%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,073
ROAE 11,1%
ROAA 0,75%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 102.516
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,18%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,90%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +0,8%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,2%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -2,0%
RESULTADO OPERACIONAL +17,7%
RESULTADO LÍQUIDO +17,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +13,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -44,4%

b) 1T14 sobre 1T13
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +11,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +17,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,9%
RESULTADO OPERACIONAL +6,4%
RESULTADO LÍQUIDO +0,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +1,0%
PATRIMONIO LÍQUIDO +31,4%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +11,9%
PDD TOTAL +40,1%
ATIVOS TOTAIS +12,7%

c) lucro liquido
UA 17,83%
U2A 24,85%
U3A -12,21%

d) patrimônio líquido médio
UA 15,95%
U2A 6,03%
U3A 6,54%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 0,73

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -12,0%

A qualidade da carteira de crédito vem se mantendo praticamente constante, em torno de 4,90%. O PDD total, em relação à Carteira Total de Créditos, aumentou para 4,98% no 3T13 e depois diminuiu no 4T13 e 1T14 para voltar aos 4,90% do 2T13.

Por outro lado, a inadimplência (NPL), depois de piorar dos 1,59% (anualizados) do 2T13 para 2,80% no 3T13 e 3,04% no 4T13, melhorou no 1T14, para 1,83%.

Em termos absolutos, a inadimplência nos últimos 12 meses foi R$ 81 milhões menor do que nos 12 meses terminados no 1T13 !!!.

244177  - paulo_prof  -  06 Mar 2014, 00:43
Banco parece ter melhorado em quase tudo ... em especial, o ROE médio que passou dos 9,34% em 2012 para 12,74% em 2013.

BEES3
PREÇO: R$ 0,45
PAYOUT (2013): 39,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 6,20
P/VPA 0,70
DY 6,34%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,073
ROAE 11,4%
ROAA 0,78%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 116.292
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,62%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,95%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses anteriores terminados no 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +4,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -1,3%
RESULTADO OPERACIONAL +47,9%
RESULTADO LÍQUIDO +43,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +1,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -32,0%

b) 4T13 sobre 4T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -1,4%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -16,9%
RESULTADO OPERACIONAL +45,7%
RESULTADO LÍQUIDO +28,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +50,2%
PATRIMONIO LÍQUIDO +26,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +7,4%
PDD TOTAL +31,1%
ATIVOS TOTAIS +12,5%

c) lucro liquido
UA 43,85%
U2A 11,00%
U3A -13,01%

d) patrimônio líquido médio
UA 5,75%
U2A 2,99%
U3A 5,61%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu de uma média de 5,04% em 2012 para 4,69% em 2013. Já em referência à situação em 30DEZ, a qualidade da carteira piorou de 4,05% em 2012 para 4,69% em 2013.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, caiu de 4,23% (anualizado) em 2012, para 2,70% em 2013.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 0,73

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -11,5%

169669 - israel007 -  28 Fev 2013, 01:13
Empresa: BANESTES S.A. - BCO EST ESPIRITO SANTO Ação: BANESTES PN Setor: Financeiro e Outros Subsetor: Intermediários Financeiros
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 30,0 M no 4° trimestre de 2012, uma variação de -5,8% em relação ao 3T12, revertendo o prejuízo de R$ 26,6 M anunciados no 4° trimestre de 2011. A receita de intermediações financeiras atingiu R$ 295,7 M no quarto trimestre de 2012, 2,3% menor que o terceiro trimestre de 2012, que foi de R$ 302,6 M. No mesmo período do ano anterior, a receita de intermediações financeiras havia atingido o valor de R$ 384,0 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 42,3% contra 42,6% no trimestre anterior e 16,3% no quarto trimestre de 2011. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) atingiu 9,3% no quarto trimestre de 2012, contra 2,9% no 3T12, o que representa uma variação de 6,4 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 12,3 B, acréscimo de 22,8% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 872,6 M no 4° trimestre de 2012, valor 4,4% superior ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Nestes três meses, a ação oscilou 2,1% contra 3,0% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 727,3 M contra R$ 830,3 M no 4° trimestre de 2011.

157035 - paulo_prof -  14 Nov 2012, 17:49
 BEES3

As taxas de crescimento dos resultados dos 9M12 em relação aos 9M11 foram:
RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1,1%
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +6,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +3,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,8%
RESULTADO OPERACIONAL -0,9%
RESULTADO LÍQUIDO -2,4%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +37,2%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +10,8%

As taxas de crescimento ao final do 3T12 em relação ao final do 3T11 foram:
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +5,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -0,2%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +6,1%
ATIVO TOTAL +8,7%

Em relação à Carteira Total de Créditos:
O PDD Total passou de 5,79% no 2T12 para 5,08% no 3T12
Os créditos inadimplentes do trimestre anualizados passaram de 3,86% no 2T12 para 4,65% no 3T12

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA -16,40%
U2A -21,16%
U3A -17,14%

b) do patrijmônio líquido médio
UA 3,86%
U2A 8,97%
U3A 11,07%

Múltiplos baseados nos resultados dos últimos 12 meses
PREÇO: R$ 0,50
PAYOUT (2011): 52,8%

P/L 8,61
P/VPA 0,89
DY 6,13%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,058
ROAE 10,3%
ROAA 0,78%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 152.663
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,76%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,08%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: - 12,5%

156520 - rpiana -  13 Nov 2012, 00:45
BEES : luçro do 9T12

51.397

Lucro 3T12

31.843

http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/ResumoEmpresaPrincipal.aspx?codigoCvm=1155&idioma=pt-br

Tinha postado um CaRAJo, depois vi que o resultado não era do trimestre, mas dos nove meses. Mas o do 3T12 também é muito bom. Prof com a palavra.

156460 - israel007 -  12 Nov 2012, 21:51
BEES3

Empresa: BANESTES S.A. - BCO EST ESPIRITO SANTO Ação: BANESTES ON Setor: Financeiro e Outros Subsetor: Intermediários Financeiros
Resultado do 3º Trimestre de 2012

A companhia divulgou lucro líquido de R$ 31,8 M no terceiro trimestre de 2012, aumento de 438,9% em relação ao 2T12 e decréscimo de 38,0% em relação ao 1° trimestre de 2011. A receita de intermediações financeiras totalizou R$ 302,6 M no terceiro trimestre de 2012, 2,5% menor que o segundo trimestre de 2012, que foi de R$ 310,4 M. No mesmo período do ano anterior, a receita de intermediações financeiras havia atingido o valor de R$ 921,9 M.

144839 - rnelias -  15 Ago 2012, 22:47
Para quem possa interessar, saiu, diretamente do zoológico, o balanço da BEEScate...
O Lucro Líquido no 2º trimestre de 2012 somou R$ 5,91 milhões, ante os R$ 17,87 milhões realizados no mesmo período de 2011, sob influência, principalmente, do acréscimo de 79,62% (R$30,89 milhões) em despesas de Provisão para Devedores Duvidosos, face as operações com grandes empresas que mantiveram-se inadimplentes com o Banco no período.
lucrinho chinfrim e redução em quase 67% no lucro do 2T11

118872 - paulo_prof - 06/Mar/2012 10:47
BEEF3

PREÇO: R$ 6,56
PAYOUT (2011): 45,3%

Múltiplos relatgivos aos últios 12 meses

P/L 15,15
P/VPA 0,95
PSR 0,17
DY 2,99%
EV/EBITDA 5,69
MARGEM BRUTA 15,1%
MARGEM OPERACIONAL -2,3%
MARGEM LÍQUIDA 1,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,433
MARGEM EBITDA 8,7%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 282,9%
ROE 6,30%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,74

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA 117,31%
U2A -25,33%
U3A -159,48%

b) do patrimônio líquido médio
UA 23,24%
U2A 18,63%
U3A 9,06%

É importante observar que os lucros obtidos nos dois últimos exercícios (2010 e 2011) são "fictícios", uma vez que foram conseguidos via diferimento de impostos. Os Resultados Antes dos Impostos em 2010 e 2011 foram negativos, respectivamente, -R$ 21.526 mil e -R$ 92.406 mil. Estes resultados negativos produziram lucros mediante receitas, respectivamente de R$ 45.948 mil e R$ 134.401 mil, em diferimento de impostos. Em 2009, o imposto diferido também havia sido maior do que o imposto corrente, emb ora o Resultado Antes dos Impostos tivesse sido positivo. Mais dia, menos dia esta conta terá que ser paga!!!

O que pode eventualmente ser uma luz no fundo do túnel é que, pelas minhas contas, no 4T11 o Resultado Antes dos Impostos foi levemente positivo (R$ 5 milhões).

Aos interessados (Samu?) recomendo ler os relatórios.

117715 - paulo_prof - 28/Fev/2012 23:35
BEES3

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses:
PREÇO R$ 8,16
PAYOUT (2011) 53,6%
P/L 13,85
P/VPA 1,48
DY 3,87%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,589
ROAE 10,7%
ROAA 0,88%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 142.105
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,71%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,51%

Taxas de crescimento anual médio nominal:
a) do lucro líquido
UA -46,58%
U2A -17,52%
U3A -17,91%

b) do patrimônio líquido médio
UA 11,03%
U2A 13,43%
U3A 16,49%

Bom o resultado do 4T11. Se o mesmo for anualizado
P/L = 8,46
DY = 6,34%
ROE = 17,5%


117536 - danieljoseaa - 28/Fev/2012 13:27
BEES3: (payout superior a 50%...hum....)...mesmo assim, MICO!! rsrsr

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO
DE ADMINISTRAÇÃO DO BANESTES S.A. –
BANCO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO,
REALIZADA EM VINTE E SETE DE FEVEREIRO
DE DOIS MIL E DOZE, EM SUA SEDE SOCIAL.
Data, Horário e Local: 27 de fevereiro de 2012, às 14 horas.

Ordem do dia: Votos RCA n.ºs 010/12 (Destinação do Lucro Líquido e da
ratificação dos Juros sobre o Capital Próprio e Dividendos do Banco relativa ao exercício de 2011 e proposta de ratificação pelo Conselho de Administração do percentual de distribuição aos empregados) e 011/12 (Relatório da Administração e Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas do Banestes S.A., relativos ao exercício de 2011).

Deliberações Tomadas por Unanimidade. I. Voto RCA n.º 010/12 - considerando que o Banestes S.A. – Banco do Estado do Espírito Santo apresentou no exercício de 2011 Lucro Líquido da ordem de R$ 87.892.325,23 (oitenta e sete milhões, oitocentos e noventa e dois mil, trezentos e vinte e cinco reais e vinte e três centavos), aprovou a decisão tomada pela Diretoria em reunião de 10.2.2012, Voto DIRIF n.º 004/12, para que seja submetido aos acionistas, por ocasião da Assembleia Geral Ordinária, as seguintes proposições: (i) que o Lucro Líquido do exercício encerrado em 31.12.2011, no valor de R$ 87.892.325,23, tenha a destinação prevista no antigo artigo 73, atual artigo 83 do Estatuto Social deste Banco: Reserva Legal: R$ 4.394.616,26; Reserva Estatutária para Riscos em Operações de Câmbio: R$ 1.757.846,51; Reserva Estatutária para Margem Operacional: R$ 34.827.334,51 (nessa Reserva está contido o valor de R$ 234.762,97, referente à realização, por depreciação e alienação líquidas dos respectivos impostos (IRPJ e CSLL), da Reserva de Reavaliação de Imóveis de Uso Próprio e de Controladas); Juros sobre o Capital Próprio: R$ 47.147.290,92 (imputados ao valor dos dividendos mínimos obrigatórios, conforme estabelece o artigo 9º da Lei n.º 9.249, de 26.12.1995, na forma divulgada ao mercado; (ii) que seja submetido para homologação em Assembleia Geral Ordinária de 2012, o pagamento dos Juros sobre o Capital Próprio no valor de R$ 47.147.290,92, relativo ao exercício de 2011, dos quais R$ 39.289.409,10 já foram pagos aos acionistas em 2011 e R$ 7.857.881,82, nos meses de janeiro e fevereiro de 2012; Decidiu, ainda, ratificar a decisão tomada por este Conselho, de que a Participação dos Empregados nos Lucros ou Resultados – PLR seja a estabelecida pela Convenção Coletiva de Trabalho, celebrada entre a Federação Nacional dos Bancos - FENABAN e os respectivos Sindicatos dos Bancários. (iii) tomou conhecimento do inteiro teor do documento anexado a esse Voto, Anexo 9 – 1 – II, elaborado em atendimento à Instrução Normativa n.º 481, de 17.12.2009, da Comissão de Valores Mobiliários - CVM. II. Voto RCA n.º 011/12 - examinou o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas do Banestes S.A., relativos ao exercício de 2011, compreendendo Relatório da Administração, Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado, Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, Demonstração dos Fluxos de Caixa, Demonstração do Valor Adicionado e Notas Explicativas, acompanhados do Relatório dos Auditores Independentes, KPMG Auditores Independentes, do Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria e do Parecer do Conselho Fiscal desta Sociedade, e manifestou-se favorável à inteira aprovação dos referidos documentos. A matéria ora aprovada foi objeto de deliberação pela Diretoria deste Banco em reunião de 13.2.2012, Voto DIRIF n.º 008/12. Encerramento e Lavratura da Ata: nada mais havendo a ser tratado, foi oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém se manifestou, foram encerrados os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura da presente ata, a qual, após reaberta a sessão, foi lida, aprovada por todos os presentes e assinada. Vitória (ES), 27 de fevereiro de 2012.


117536 - danieljoseaa - 28/Fev/2012 13:27
BEES3: (payout superior a 50%...hum....)...mesmo assim, MICO!! rsrsr

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO
DE ADMINISTRAÇÃO DO BANESTES S.A. –
BANCO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO,
REALIZADA EM VINTE E SETE DE FEVEREIRO
DE DOIS MIL E DOZE, EM SUA SEDE SOCIAL.
Data, Horário e Local: 27 de fevereiro de 2012, às 14 horas.

Ordem do dia: Votos RCA n.ºs 010/12 (Destinação do Lucro Líquido e da
ratificação dos Juros sobre o Capital Próprio e Dividendos do Banco relativa ao exercício de 2011 e proposta de ratificação pelo Conselho de Administração do percentual de distribuição aos empregados) e 011/12 (Relatório da Administração e Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas do Banestes S.A., relativos ao exercício de 2011).

Deliberações Tomadas por Unanimidade. I. Voto RCA n.º 010/12 - considerando que o Banestes S.A. – Banco do Estado do Espírito Santo apresentou no exercício de 2011 Lucro Líquido da ordem de R$ 87.892.325,23 (oitenta e sete milhões, oitocentos e noventa e dois mil, trezentos e vinte e cinco reais e vinte e três centavos), aprovou a decisão tomada pela Diretoria em reunião de 10.2.2012, Voto DIRIF n.º 004/12, para que seja submetido aos acionistas, por ocasião da Assembleia Geral Ordinária, as seguintes proposições: (i) que o Lucro Líquido do exercício encerrado em 31.12.2011, no valor de R$ 87.892.325,23, tenha a destinação prevista no antigo artigo 73, atual artigo 83 do Estatuto Social deste Banco: Reserva Legal: R$ 4.394.616,26; Reserva Estatutária para Riscos em Operações de Câmbio: R$ 1.757.846,51; Reserva Estatutária para Margem Operacional: R$ 34.827.334,51 (nessa Reserva está contido o valor de R$ 234.762,97, referente à realização, por depreciação e alienação líquidas dos respectivos impostos (IRPJ e CSLL), da Reserva de Reavaliação de Imóveis de Uso Próprio e de Controladas); Juros sobre o Capital Próprio: R$ 47.147.290,92 (imputados ao valor dos dividendos mínimos obrigatórios, conforme estabelece o artigo 9º da Lei n.º 9.249, de 26.12.1995, na forma divulgada ao mercado; (ii) que seja submetido para homologação em Assembleia Geral Ordinária de 2012, o pagamento dos Juros sobre o Capital Próprio no valor de R$ 47.147.290,92, relativo ao exercício de 2011, dos quais R$ 39.289.409,10 já foram pagos aos acionistas em 2011 e R$ 7.857.881,82, nos meses de janeiro e fevereiro de 2012; Decidiu, ainda, ratificar a decisão tomada por este Conselho, de que a Participação dos Empregados nos Lucros ou Resultados – PLR seja a estabelecida pela Convenção Coletiva de Trabalho, celebrada entre a Federação Nacional dos Bancos - FENABAN e os respectivos Sindicatos dos Bancários. (iii) tomou conhecimento do inteiro teor do documento anexado a esse Voto, Anexo 9 – 1 – II, elaborado em atendimento à Instrução Normativa n.º 481, de 17.12.2009, da Comissão de Valores Mobiliários - CVM. II. Voto RCA n.º 011/12 - examinou o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas do Banestes S.A., relativos ao exercício de 2011, compreendendo Relatório da Administração, Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado, Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, Demonstração dos Fluxos de Caixa, Demonstração do Valor Adicionado e Notas Explicativas, acompanhados do Relatório dos Auditores Independentes, KPMG Auditores Independentes, do Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria e do Parecer do Conselho Fiscal desta Sociedade, e manifestou-se favorável à inteira aprovação dos referidos documentos. A matéria ora aprovada foi objeto de deliberação pela Diretoria deste Banco em reunião de 13.2.2012, Voto DIRIF n.º 008/12. Encerramento e Lavratura da Ata: nada mais havendo a ser tratado, foi oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém se manifestou, foram encerrados os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura da presente ata, a qual, após reaberta a sessão, foi lida, aprovada por todos os presentes e assinada. Vitória (ES), 27 de fevereiro de 2012.


102563 - danieljoseaa - 15/Nov/2011 23:24
citação: evalaretto
Creio ter sido precoce a venda de BEES, mesmo considerando o péssimo balanço.
Estou convencido de que o split sairá em menos de 120 dias e os mais experientes sabem oque isso significa.
Além disso existe a possibilidade de venda do banco, principalmente agora que seu balanço demonstra que o Estado do ES dificilmente continuará a ter elevação dos dividendos no curto prazo.
Estou com o Small, é para relembrar os tempos de miqueiro e encher o balde, só não pode é casar com o mico...rs...

Além disso teve esta provisão que impactou bastante o LL do banco:

Em 25 de outubro de 2011, o Banco Central do Brasil, através do Ato-Presi n.º 1.205, decretou a liquidação extrajudicial do Banco Morada S.A. confirmando a situação de insolvência do banco e a prática de violação das normas legais disciplinadoras da atividade da empresa, atestando a existência de passivo a descoberto e a inviabilidade de normalização dos negócios da empresa.

O BANESTES detém operações de aquisição de créditos consignados com coobrigação do cedente com a mencionada Instituição, cujo valor presente das operações, em 30 de setembro de 2011, era de R$ 28.836. O fluxo de recursos que o Banco Morada deveria repassar ao BANESTES, desde 28 de abril de 2011, data da intervenção, até 30 de setembro era de R$ 6.479 sendo efetivamente repassado R$ 3.072, desse montante R$ 1.193 referentes a repasses e R$ 1.879 às liquidações antecipadas. A provisão está constituída no montante de R$ 20.185, representando 70 % do saldo base da operação, conforme premissas da Resolução n.º 2.682/99, do Conselho Monetário Nacional.

102366 - paulo_prof - 14/Nov/2011 16:58
O BEES está doidinho para se tornar uma cópia do IDVL ...

Com o nível atual da inadimplência crescente, não vai a lugar algum ...

BEES3

múltipos baseados nos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 6,35
PAYOUT: 24%
P/L         9,15
P/VPA  1,19
DY          2,62%
LUCRO POR AÇÃO          R$ 0,694
ROAE    13,0%
ROAA    1,01%
CRÉDITOS INADIMPLENTES        121.962
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO   3,00%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO  4,77%

Resultados dos últimos 9 meses em relação a igual período de 2010:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -16,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 6,9%
RESULTADO OPERACIONAL -72,4%
RESULTADO LÍQUIDO -54,0%
DESPESAS DE PDD +32,3%

Crescimento do Patrimônio Líquido em 12 meses: +8,2%
Crescimento das Operações de Crédito em 12 meses: +25,6%

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA         -25,65%              
U2A       -17,51%              
U3A       -10,87%              

b) do patrimônio líquido médio
UA         14,33%
U2A       14,87%
U3A       18,32%



Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido durante 3 anos necessária para um preço justo 50% maior do que a cotação anual (perpetuidade de 0% real; taxa de desconto anual real de 10%): +12,5%


65061 - leamm - 03/Mar/2011 12:08
citação: small caps
citação: robertohaBEES3...+5,35%, contrariando a tese que balanço bom derruba a ação..

 É o que SEMPRE falo.
O povo pega o dia do balanço e esquece tudo o que antecedeu...

No caso de BEES3, o preço da ação não tinha subido entre uma divulgação e outra e o mercado não tinha a expectativa do resultado que saiu.

O que faz a ação subir não é apenas o balanço e sim a diferença entre a expectativa que se tem e o que de fato ocorre.

Abraços,
Small caps.

Bem como fazem com os dividendos... No dia seguinte é a choradeira, perguntando pq a ação caiu... qual a vantagem...


62341 - padrinho - 26/Jan/2011 11:04
Prof., dúvida eu não tenho nenhuma.... o problema mesmo parece ser a "sovinice" deste banco. Um DY´zinho de 4,3% fica devendo muito para outras opções como uma Cielo que por hora vai dar pelo menos o dobro em proventos sem fazer muita força. O ponto alto fica pelo constante e bom crescimento do patrimônio líquido do banco e isso, uma hora ou outra o "mercado cego" vai acabar enxergando.

62340 -  paulo_prof - 26/Jan/2011 10:55
Se, de fato, o lucro líquido do Banestes no exercício de 2010 for no mínimo R$ 159 milhões, o LPA será de R$ 1,056. Considerando um crescimento do LPA de 19% durante um único ano e depois uma perpetuidade de 3%, o preço justo da BEES3 para uma taxa de desconto de 14% seria de R$ 11,36, um upside de 93% sobre o preço atual.

Os demais múltiplos, com o lucro de R$ 159 milhões e PatLiq compatível (aprox. R$ 33 milhões superior ao do 3T10) ao preço atual de R$ 5,89, seriam:

P/L = 5,61
P/VPA = 1,14
DY = 4,36%
ROE = 20,3%
ROA = 1,77%



Alguma dúvida se o ativo está barato?


62332 - paulo_prof - 25/Jan/2011 23:45
Boas notícias para os detentores de BEES3

Além do banco resolver pagar os JCPs correspondentes ao mês de dezembro 2010 (os quais havia suspendido invocando o princípio da prudência para não ultrapassar os 25% do lucro líquido do exercício), majorou os JCPs relativos ao exercício de 2011 em 19%.

Se interpretei as coisas corretamente, podemos garantir que o lucro líquido do exercício de 2010 será superior a R$ 159 milhões, de modo que o lucro líquido do 4T10 deverá ser superior a 44 milhões.

Um lucro líquido de aprox. R$ 160 milhões, 21% maior do que o lucro postado em 2009, estaria em linha com os lucros de R$ 161 milhões postados nos exercícios de 2007 e 2008.

A majoração dos JCPs em 19% mostra que o banco deseja manter o nível de crescimento verificado no exercício de 2010.

Se o mercado não é completamente cego, o papel deverá reagir amanhã.


Análise Coin Valores
O Banestes, sociedade anônima de capital aberto e de economia mista criada em 1937, é, atualmente, um banco múltiplo controlado pelo Estado do Espírito Santo. O Banestes é um dos mais importantes agentes de políticas públicas do Estado, contribuindo, decisivamente, para o desenvolvimento socioeconômico regional.
Compõe, com mais três empresas (Banestes Seguros, Banestes Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários e Banestes Administradora, Corretora de Seguros, Previdência e Capitalização), o Sistema Financeiro Banestes. Detém, atualmente, a maior rede bancária do Estado do Espírito Santo. É a única instituição bancária com agências em todos os 78 municípios capixabas.
Possui, ao todo, mais de 800 pontos de atendimento, oferecendo um portfólio completo de produtos e serviços financeiros aos seus clientes pessoas físicas e jurídicas. Embora classificado na listagem Bovespa como “Nível Tradicional”, o Banestes, voluntariamente, adota alguns requisitos exigidos somente para empresas listadas no “Nível 1” e no “Novo Mercado”, tais como a atuação de mais de 20% de membros independentes no Conselho de Administração; a obrigação de realizar ofertas públicas de aquisição de ações sob determinadas circunstâncias; e a extensão, para todos os acionistas, das mesmas condições obtidas pelo acionista controlador quando da alienação de controle do Banco, entre outras.

RETROSPECTIVA 2010
Nos nove primeiros meses de 2010, o Banestes apresentou um montante de R$ 9,0 bilhões em Ativos Totais, com uma Carteira de Crédito Bruto da ordem de R$ 3,3 bilhões, 12,0% maior que no mesmo período do ano anterior. O Patrimônio Líquido chegou a R$ 749,0 milhões, um crescimento de 13,0% em relação a 2009.
O Resultado da Intermediação Financeira da companhia alcançou R$ 337,3 milhões, com Lucro Líquido de R$ 114,5 milhões. O Banco continuou o processo de ampliação de sua rede de atendimento além das fronteiras do Estado do Espírito Santo, inaugurando nova agência na cidade de Mantena (MG), integrando o grupo, já em funcionamento, de Teixeira de Freitas (BA) e Nanuque (MG).
2010 é o ano que marca fortes avanços do Banescard, o primeiro cartão de crédito e débito com bandeira própria de um banco comercial no país, consolidando a maior rede credenciada no estado e o alcance de mais de 500 mil cartões ativos.
Este ano marca também a retomada das operações com Crédito Imobiliário pelo Banco. Os produtos CDC Veículos e Banestes Financeira foram fortalecidos com novos sistemas, para atender à crescente demanda por essas linhas de crédito, projetando bons resultados juntamente aos produtos que já são destaque na Carteira Comercial, tais como Crédito Consignado, Capital de Giro e Conta Garantida.

PERSPECTIVA 2011
A expectativa é que o próximo ano seja marcado por um crescimento econômico um pouco menor que o sustentado este ano no Brasil. Contudo, as preocupações com o aumento da inflação, da balança comercial e da conta corrente devem permanecer na pauta econômica, sendo um dos principais desafios da equipe econômica do próximo governo.
Em relação ao Banestes, com o fim da exclusividade de bandeiras de cartão de crédito, o Banco pretende estabelecer parceria com redes credenciadoras de atuação nacional, para que o Banescard seja aceito em todo o País. O Banescard, cartão bandeira própria do Banestes, tem, também, previsão de chegar ao cliente não correntista na forma de Private Label (cartão de crédito associado a uma loja). Também tem pauta nos planos para o cartão uma reformulação de layout e a agregação de chip para propiciar maior segurança ao cliente.
A instituição planeja manter a política de ampliação da rede de agências, inclusive nas cidades limítrofes do Espírito Santo, assim como perseverar na ampliação da Carteira Comercial e buscar continuamente a redução de custos como forma de melhorar a eficiência operacional.


28946 - fhalves2 - 26/Fev/2010 09:59
BANESTES (BEES) - DEMONSTRACAO FINANCEIRA 31/12/2009 (CONS)
(26/02) BANESTES S.A. - BCO EST ESPIRITO SANT 31/12/2009 LS
Resumo dos Dados Consolidados Recebidos
R$ Mil Legislacao Societaria
Descricao
Nome de Pregao BANESTES
Periodo ANL - 12M
Data Encerramento 31/12/2009
Patrimonio Liquido 665.114
Receitas da Intermediacao Financeira 1.192.974
Resultado da Intermediacao Financeira 374.956
Resultado da Equivalencia Patrimonial
Resultado Operacional 202.059
Lucro (Prejuizo) Liquido 131.163
Numero de Acoes, Ex-Tesouraria ( Mil ) 151.488
Lucro (Prejuizo) por Acao - LPA 0,86583
Valor Patrimonial da Acao - VPA 4,39054
NOTICIAS - 26/02/10 - PROFITCHART DA NELOGICA

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - 1º TRIMESTRE/2010
Apresentamos o Relatório relativo a dados realizados no 1º trimestre de 2010 bem como as Demonstrações Contábeis Individuais e Consolidadas do BANESTES S.A – Banco do Estado do Espírito Santo, em conformidade com os padrões estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional, Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central do Brasil e Superintendência de Seguros Privados.

AMBIENTE ECONÔMICO

O cenário econômico brasileiro nos primeiros meses de 2010 caracterizou-se por manter o ritmo com que encerrou 2009, ou seja, o processo de recuperação da economia pós-crise esta cada vez mais consolidado. Os fatos mais marcantes do período, sucintamente, foram:
Em relação ao mercado de trabalho, os três primeiros meses do ano, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, registraram o melhor índice de emprego desde 1992. Somente no primeiro trimestre do ano foram criadas mais de 657 mil vagas, o que representou mais de um quarto da meta do governo de criar dois milhões de empregos com carteira assinada neste ano.
De acordo com dados disponibilizados pelo Banco Central do Brasil, o ritmo de crescimento das operações de crédito do sistema financeiro registrou aceleração em março, distribuída de forma equilibrada entre as carteiras referenciadas em recursos livres e direcionados. O estoque total de crédito atingiu R$1.45 bilhão em março, com elevações de 1,1% no mês e de 16,8% em doze meses, elevando a sua relação com o PIB a 45% ante 41% no mesmo período de 2009. Os bancos públicos seguiram apresentando desempenho mais favorável do que os bancos privados. A participação relativa das instituições públicas no total da carteira do sistema financeiro atingiu 41,5% da carteira total do sistema, somando R$ 603 bilhões em março, situando-se as representatividades das instituições privadas nacionais e estrangeiras
em 40,7% e em 17,8%, respectivamente. 

Conforme a FEBRABAN, a expectativa para todo o ano de 2010 é de expansão de 20,6% no total das operações de crédito. No crédito com recursos livres a previsão é de 21,3%. Já as operações com recursos direcionados a previsão é de 19,1%. A média do crescimento das operações com pessoas físicas foi projetada em 19,9% e a das pessoas jurídicas em 22,7%. A estimativa de inadimplência para o ano está em 4,6%.
No âmbito interno, o Espírito Santo pode apresentar um bom padrão de crescimento por causa da expansão da renda no Brasil e aumento nos preços das commodities.
1.
DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO BANESTES
O Resultado Líquido do BANESTES, neste 1º trimestre de 2010, após a reversão dos Juros sobre o Capital Próprio, foi de R$ 36,72 milhões sendo superior em 36,21% ao 4º trimestre de 2009. Com relação ao mesmo trimestre do ano de 2009, esse resultado ficou acima 0,48%.
Os principais eventos que influenciaram no resultado líquido do período, foram:
1.1 RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA
As Receitas da Intermediação Financeira, fecharam o 1º trimestre em R$ 271,53 milhões registrando queda de 16,50% quando comparado com o 4º trimestre de 2009 e queda de 7,96% quando comparado ao 1º trimestre de 2009. Esse resultado foi decorrente do desempenho das seguintes rubricas:
1.1.1 Receitas de Operações de Crédito
Nossas rendas com Operações de Crédito atingiram R$ 158,96 milhões sofrendo queda de 4,47% em relação ao 4º trimestre de 2009, entretanto, comparado ao 1º trimestre de 2009 cresceu 6,80%. Tal redução ocorreu, basicamente, em razão da queda da taxa média dos produtos de 1,75 para 1,68 em comparação ao trimestre anterior. Apesar do volume ter aumentado em 3,17% (quando comparado ao 4º trimestre de 2009), esse incremento não foi suficiente para compensar a queda da taxa média dos produtos.
As rendas oriundas de Empréstimos fecharam em R$ 130,61 milhões evoluindo 0,09% com relação trimestre anterior de R$ 130,49 milhões. Destaque para as rendas de Consignação em Folha (acima 9,11%), Conta Garantida (acima 7,41%) e Cartão Banescard ( acima 4,88%) superando o trimestre anterior. O aumento apurado nas receitas destes produtos foi função da elevação dos saldos em carteira.
As rendas com Títulos Descontados quando comparado com 4º trimestre de 2009 reduziram 16,24% alcançando neste 1º trimestre R$ 6,41 milhões. Quando comparado com o mesmo trimestre do ano anterior esta redução chega a 45,75%. Esta queda de receita é basicamente função da redução do volume em carteira deste produto.
As rendas provenientes dos Financiamentos encerraram o período com R$ 18,21 milhões sendo inferior 3,34% ao trimestre anterior. Entretanto, vale ressalvar o crescimento na receita de Financiamento de Veículos em 18,27%.
1.1.2 Resultado de Arrendamento Mercantil
O resultado com Operações de Leasing atingiram R$ 6,92 milhões nesse 1º trimestre ante R$ 6,76 milhões no 4º trimestre de 2009, o que representa evolução de 2,38%. Esse resultado apurado quando comparado ao 1º trimestre de 2009, foi superior em 5,52%. As rendas com Operações de Leasing cresceram 15,56% atingindo R$ 24,38 milhões no trimestre atual quando comparado com o 4º trimestre de 2009, puxado pelo crescimento de sua carteira em 5,60% quando comparado ao 4º trimestre de 2009 e pelo crescimento da taxa média em 12,99% no trimestre.
1.1.3 Resultado das Operações com Títulos e Valores Mobiliários
Apresentou no 1º trimestre de 2010 o montante de R$ 96,68 milhões. Este resultado foi inferior 24,03% ao resultado do trimestre anterior, o qual, foi de R$ 127,26 milhões, decorrente da queda de 4,84% nas receitas com Aplicações Interfinanceiras de Liquidez fechando o trimestre em R$ 65,96 milhões e da diminuição de 47,86% das receitas com Aplicações em Títulos de Renda Fixa e Variável que acumularam no trimestre R$ 30,11 milhões.
1.1.4 Resultado de Câmbio
O resultado com Câmbio foi de R$ 3,51 milhões ante R$ 3,96 milhões apurado no trimestre anterior, apresentando uma redução de 11,27% e, quando comparado ao mesmo período de 2009, esse resultado foi também inferior, numa magnitude de 34,84%.
1.1.5 Resultado com Derivativos e Aplicações Compulsórias
O resultado com Instrumentos Financeiros e Derivativos no trimestre atual foi R$ 87 mil, ficando 43,51% menor que o resultado do trimestre anterior e 70,90% inferior que o mesmo trimestre de 2009. O resultado com Aplicações Compulsórias foi de R$ 5,36 milhões, sendo inferior 74,05% ao trimestre anterior, contudo, apresentou crescimento de 21,05% sobre o mesmo trimestre de 2009. Esta queda com relação ao trimestre anterior deu-se em função de um fato não recorrente ocorrido no 4º trimestre de 2009 de reversão e estorno de créditos vinculados ao FCVS no valor de R$ 15,32 milhões.
1.2 DESPESA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA
As Despesa da Intermediação Financeira no 1º trimestre de 2010 foi de R$ 170,87 milhões apresentando um decréscimo de 24,39% quando comparado ao trimestre anterior e 15,16% quando comparado ao mesmo trimestre de 2009, decorrente da variação dos seguintes componentes:
1.2.1 Despesa de Captação no Mercado
Estas despesas somaram no trimestre o valor de R$ 135,37 milhões, ante os R$ 137,68 milhões no trimestre anterior, refletindo a queda de 1,68%. Se comparado ao mesmo trimestre de 2009 as despesas de captação no mercado sofreram queda de 20,05%, influenciado pela redução das despesas de captação com Depósitos em Poupança (7,35%), com Depósitos a Prazo (21,68%), com Depósitos Judiciais (14,60%) e com Operações Compromissadas (22,38%), em decorrência da queda da taxa média dos produtos: Depósito de Poupança de 0,60 para 0,49; Depósitos a Prazo de 0,98 para 0,69; Depósitos Judiciais de 0,76 para 0,59 e Operações Compromissadas de 0,91 para 0,67.
1.2.2 Despesa com Operações de Empréstimos e Repasse
As despesas com operações de Empréstimos e Repasses sofreram queda de 9,95% com relação ao trimestre anterior, fixando-se nesse trimestre em R$ 2,30 milhões. Em se tratando da relação com o valor apurado no 1º trimestre de 2009 de R$ 2,30 milhões, houve decréscimo de 0,13%. A queda apresentada na relação trimestre atual com o trimestre anterior deu-se em função da queda de 14,93% do volume em carteira das Obrigações por Repasse do País.
1.2.3 Provisões para Operações de Crédito/Outros Créditos
No grupo das Despesas com Provisões para Perdas de Operações de Crédito e Outros Créditos, o 1º trimestre de 2010 apresentou resultado inferior ao trimestre anterior, passando para R$ 33,20 milhões ante R$ 85,76 milhões. Em se tratando da comparação do trimestre atual com o mesmo trimestre de 2009, as despesas de Provisão cresceram 11,49%, provocado principalmente, pelo crescimento de 14,60% da Carteira de Crédito, Arrendamento Mercantil, Câmbio e Outros Créditos com Característica de Crédito.
1.3 RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA
O efeito dos fatores acima relatados, resultou em Resultado Bruto da Intermediação Financeira no valor de R$ 100,67 milhões. Este resultado foi superior em 1,48% ao trimestre anterior e 7,52% com relação ao 1º trimestre de 2009.
1.4 OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS
1.4.1 Receitas Operacionais
· Nossas Rendas de Prestação de Serviços fixaram-se em R$ 40,60 milhões, apresentando queda de 1,04% feita a comparação com 4º trimestre de 2009, entretanto, quando comparado com o 1º trimestre de 2009 houve evolução de 2,84%.
· As rendas com Tarifas Bancárias sofreram queda 3,89% sobre o trimestre anterior, registrando no 1º trimestre de 2010 o montante de R$ 4,25 milhões; enquanto, com relação ao mesmo trimestre de 2009 apurou-se acréscimo de 9,37% refletindo o aumento das operações bancárias da Instituição.
· As Outras Receitas Operacionais atingiram R$ 17,55 milhões no trimestre sofrendo redução de 14,07% sobre o trimestre anterior, fato devido, principalmente, pelo registro de uma reversão no trimestre anterior de R$ 12,50 milhões.
1.4.2 Despesas Operacionais
· As Despesas de Pessoal, no 1º trimestre de 2010 somaram R$ 45,42 milhões. Este valor foi inferior em 4,66% ao valor de R$ 47,63 milhões apurados no trimestre anterior. Com relação ao mesmo período de 2009 houve aumento de 10,98%.
· Outras Despesas Administrativas caíram 3,67% sobre o 4º trimestre de 2009, contudo, apresentaram aumento de 11,59% sobre o 1º trimestre de 2009. Este aumento é reflexo principalmente da expansão das atividades bancárias da Instituição.
· As Despesas Tributárias no trimestre foram R$ 11,74 milhões, reduzindo 12,86% sobre o trimestre anterior. Com relação ao 1º trimestre de 2009 houve crescimento de 3,96%.
· As Outras Despesas Operacionais no 1º trimestre de 2010 alcançaram R$ 19,26 milhões. Houve queda de 43,75% sobre as despesas apuradas no 4º trimestre de 2009. Contribuíram para este comportamento, o registro no 4º trimestre de 2009 de reforços de R$ 16,84 milhões em provisões trabalhistas, cíveis e adicional.
1.5 RESULTADO OPERACIONAL
O resultado operacional apurado neste 1º trimestre de 2010 apresentou saldo de R$ 51,18 milhões, ante os R$ 31,42 milhões do trimestre anterior e R$ 49,30 milhões do mesmo trimestre de 2009, registrando aumentos de 62,90% sobre o trimestre anterior e 3,82% sobre o resultado do 1º trimestre de 2009.
2. BALANÇO PATRIMONIAL DO SISTEMA FINANCEIRO BANESTES

2.1Recursos Captados
O saldo total das Captações, incluindo os Depósitos e Captação no Mercado Aberto no 1º trimestre de 2010 atingiu o montante de R$ 7,69 bilhões ante os R$ 7,39 bilhões do trimestre anterior, apresentando evolução de 4,17%. Com relação, ao saldo apurado no 1º trimestre de 2009, houve acréscimo de 11,35%. O referido aumento sobre o trimestre anterior, foi conseqüência, principalmente, do aumento de 20,54% no volume da carteira das Captações no Mercado Aberto que neste trimestre fechou com saldo de R$ 2,86 bilhões.
As Obrigações por Empréstimos e Repasses somaram no trimestre o montante de R$ 442,28 milhões ante os saldos de R$ 451,71 milhões no trimestre anterior e R$ 460,60 milhões no 1º trimestre de 2009. Os Repasses no País no trimestre atual apresentaram redução de 14,93% sobre o trimestre anterior e aumento de 9,62% sobre o mesmo período de 2009. As obrigações por Empréstimos evoluíram 10,07% sobre o 4º trimestre de 2009.
2.2 Recursos Aplicados
O saldo das Aplicações, composto pelas Disponibilidades, Aplicações Interfinanceiras de Liquidez, Títulos e Valores Mobiliários e as Operações de Crédito em 31/03/2010, foi de R$ 8,03 bilhões, evoluindo 4,13% sobre o saldo do trimestre anterior. Quando comparado com o mesmo trimestre de 2009, também observou-se um aumento, na magnitude de 14,17%, conforme demonstrado na tabela a seguir:
·As Operações de Crédito apresentaram crescimento neste 1º trimestre de 2010 de 3,17%, comparado ao 4º trimestre de 2009 e 16,23% comparado com o 1º trimestre de 2009. O saldo destas operações, passou de R$ 3,03 bilhões em 31/12/2009 para R$ 3,12 bilhões em 31/03/2010, sendo responsável no trimestre atual por 38,94 p.p. dos recursos aplicados pela Instituição. Em se tratando da comparação com 31/03/2009 houve um aumento de volume de negócios na ordem de R$ 436,81 milhões.
· As Aplicações Interfinanceiras de Liquidez apresentaram saldo de R$ 3,00 bilhões, apresentando aumentos de 7,22% sobre o saldo do trimestre anterior e 20,43% sobre o saldo do 1º trimestre de 2009. Seu volume em carteira no trimestre atual responde por 37,39 p.p. do total de recursos aplicados pela Instituição.
· Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros e Derivativos com saldo de R$ 1,78 bilhão no trimestre, apresenta acréscimos de 0,72% quando comparado ao trimestre anterior e 2,38% quando feita a comparação com o 1º trimestre de 2009.
2.2.1 Carteira de Operações de Crédito, Arrendamento Mercantil, Câmbio e Outros Créditos com Caraterística de Crédito
Após a inclusão das provisões, a evolução do total da carteira de crédito/ Arrendamento Mercantil/ Câmbio e Outros Créditos com Característica de Crédito foi de 3,97% com volume de recursos da ordem de R$ 3,30 bilhões frente os R$ 3,17 bilhões do trimestre anterior e R$ 2,94 bilhões em relação ao mesmo trimestre de 2009.

Os produtos que apresentaram melhor performance nesse 1º trimestre de 2010 quando comparado com o trimestre anterior, foram:
· Os Empréstimos evoluíram 6,35% sobre o trimestre anterior e 23,04% sobre o mesmo período de 2009. Os produtos que mais contribuíram para este crescimento foram: Consignação em Folha (acima 27,77%), Conta Garantida (acima 8,53%), Microcrédito (acima 4,86%), Renegociação de Dívidas (acima 7,34%) , Capital de Giro (acima 5,50%), Cartão Banescard (acima 13,34%), Cheque Confiança (acima 6,78%);
· Os Financiamentos reduziram 1,36% nesse trimestre, quando comparado ao trimestre anterior, entretanto, aumentaram 3,00% comparado ao mesmo trimestre de 2009. Os produtos que mais se destacaram quando feita a comparação com trimestre anterior foram: Financiamentos de Bens - PF e PJ (acima 1,76%) e Financiamentos - Veículos (acima 29,40%);
· Financiamentos Rurais reduziram 7,65% sobre o trimestre anterior, entretanto, quando comparado ao mesmo trimestre de 2009 foi maior 16,19%;
· Neste 1º trimestre do ano, o volume de negócios em Arrendamento Mercantil cresceu 5,60% tendo como parâmetro o 4º trimestre do 2009. Comparando-se com o mesmo trimestre de 2009, houve evolução de 10,51%;
· Adiantamento sobre contrato de Câmbio no trimestre atual obteve aumento de 6,62% quando comparado com o 4º trimestre do ano, o que representa um incremento em torno de R$ 15,00 milhões.
SERVIÇOS PRESTADOS PELOS AUDITORES EXTERNOS


Em atendimento ao artigo 2º da Instrução CVM nº 381/03, esclarecemos que os serviços prestados ao BANESTES pelo Auditor Independente, referem-se, exclusivamente, a auditoria externa.


21047 - paulo_prof - 14/Nov/2009 19:23
citação: herdsman

citação: octacmHerdsman,

Não consegui acessar o resultado de BEES você poderia passar o link?

Nem vi o release somente o que passou no plantão empresas.

O Banestes só disponibiliza os relatórios anual e semestral no site da Bovespa. Oportunamente (acho que na 2a. feira) o relatório do 3T09 deverá ser disponibilizado no site http://www.banestes.com.br/banestes_ri/resultados_trimestrais_2009.html

Normalmente (não se se é o caso do Banestes), as partes relevantes do relatório ou press release estão nas Notas Explicativas e/ou Comentário de Desempenho dos ITRs. Infelizmente, neste momento, o site dos ITRs na Bovespa está fora do ar.

Os números (relevantes para a minha planilha) que anotei contam a seguinte história:

a) despesas com o PDD continuam aumentando; após o aumento de 146% do 4T08 para o 1T09 e 26% do 1T09 para o 2T09, o aumento do 2T09 para o 3T09 foi novamente de 26%, para R$ 47 milhões.

b) a receita bruta de intermediação financeira, ficou inalterada do 2T09 para o 3T09; devido a depesas de PDD maiores em R$ 10 milhões, o Resultado da Intermediação Financeira foi menor (mmas só em R$ 5 mihões).

c) as despesas com o PDD já representam 116% do Resultado Operacional e 159% do resultado líquido; ou seja, no momento em que a inadimplência melhorar, os Resultados Operacional e Líquido vão automaticamente acompanhar.

d) o PDD total aumentou quase 12% no trimestre, e agora repreesenta 5,5% do volume total das Operaçãoes de Crédito (no 2T09 era 5%).

e) como o aumento do PDD foi de R$ 20 milhões e como a despesa de PDD foi R$ 47 milhões, no trimestre houve um 'write off" líquido de R$ 27 milhões; desde o início do ano, o "write off" líquido já totaliza R$ 57 milhões; quando a situação melhorar, parte destas "perdas" poderão ser recuperadas diretamente em lucros.

f) o nível das operações de crédito permaneceu estável; ao contrário da maioria dos bancos oficiais, parece que o Banestes não aumentou o crédito.

Ao preço de fechamento de 6a. feira, R$ 7,10, os novos múltiplos são:

P/VPA = 1,62

(P/L)12 = 6,96; (P/L)6 = 7,95; (P/L)3 = 9,03

(DY)12 = 3,44%; (P/L)6 = 3,01%; (P/L)3 = 2,65%

(RPL)12 = 23,3%; (RPL)6 = 20,4%; (RPL)3 = 18,0%

O payout do Banestes está próximo do mínimo (24%). Na minha estimativa, o LPA do exercício de 2009 deverá ficar em R$ 0,94. Se a política de payout for mantida, os proventos serão aprox. R$ 0,23/ação, faltando ainda distribuir R$ 0,04. 



20255 - padrinho - 10/Nov/2009 15:12
Aproveitei o dia para incorporar mais BEES3 a carteira confiante nos indicadores e acreditando que terá uma bom balanço do 3TRI. Imagino que se fosse para cair já o teriam feito a um bom tempo...O balanço divulgado pela Nossa Caixa serve como um indicativo, como disse o Prof. Paulo, do que está por vir.




20246 - paulo_prof - 10/Nov/2009 13:46
O resultado da NossaCaixa pode ser mais uma indicação de que os resultados do BEES e BGIP poderão ser positivos.

Houve aumento de 16,5% no resultado de intermediuação financeira e 4,5% na receita com prestação de serviços em relação ao trimestre passado. A provisão constituída no trimestre foi levemente inferior a do trimestre passado. Um prejuízo de 140 milhões no trimestre passado foi transformado em lucro de R$ 354 milhões no 3T09. Embora o montante total das Operações de Crédito tenha aumentado 13,5% em relação ao trimestre passado, o PDD total aumentou somente 2,1%. Em conseqüência, o PDD representou 5,87% dos Créditos. Pelas minhas contas, o "write off" líquido foi de R$ 208 milhões. Parte deste "write off" deverá ser recuperado no futuro.


16020 -  paulo_prof - 30/Set/2009 10:38
O BEES do meu amigo Kudlow decidiu (vide abaixo) alienar as suas 1,4 milhões de ações da Visanet. Na cotação de hoje, isto daria uma receita extra de quase R$ 25 milhões.
Mas a questão é: qual o lucro que o Banestes vai ter com a operação?
Tentei, nos balanços do Banestes, achar alguma informação relativa ao custo de aquisição destas ações. Não encontrei. De qualquer forma, suspeito ser bastante baixo, de modo que o lucro não recorrente desta alienação poderá ser apreciável, uma vez que o lucro líquido trimestral do Banestes fica na casa dos R$ 36 milhões.
Pelo que entendi da nova lei de contabilidade, os ativos tem que ser avaliados a valor presente. Isto significaria que as ações que o Banestes possui da Visanet deverão entrar no balanço do 3T09 a valor de mercado. Como no 2T09 ainda não existia um "mercado" para a avaliação do seu valor, é possível que no balanço do 2T09 este ativo ainda tenha sido avaliado pelo custo. Mas como não sou contador, tudo isto é especulação.
De qualquer forma, SE o lucro líquido do 3T09 receber um "reforço" de uns R$ 15 milhões, pode ser que o ativo tenha espaço para valorizar.
citação: Plantão Empresas da Bovespa(29/09) BANESTES (BEES) - Aprova alienacao de sua participacao no capital social da Visanet
DRI: Ranieri Feres Doellinger
Na RCA de 28/09/2009 foi tomada a seguinte deliberacao:
“Aprovou, com base nas informacoes e consideracoes descritas no Voto Dirif n. 038/09, a decisao tomada pela Diretoria em reuniao de 14.9.2009, de alienar ao mercado as 1.401.600 acoes ordinarias que o Banestes S.A. – Banco do Estado do Espirito Santo detem no capital social da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento (“Visanet Brasil”), a preco do dia constante na Bolsa BM&FBOVESPA. O resultado obtido, quando da alienacao, sera utilizado em sua totalidade em provisao para reforco de operacoes de creditos.”


9438 - jvarela - 23/Jul/2009 15:15
citação: pdraoPessoal, bees3 poderiam comentar? abs

Eu acho esse ativo muito devagar...não tem muita liquidez...ele so subiu quando o Banco do Brasil tentou comprar o Banestes... apos a desistencia a ação desabou... só compraria para LONGO PRAZO, pois quando o banco for vendido vai subir... tem ativos muito melhores para subir com segurança, com maior liquidez, e com melhor performance, exemplo: CNFB4, FHER3, VALE5, FESA4, e com um pouco maior risco, mas com um potencial incrivel: JHSF3...esta em 2,30 e valia 7,70...esta muito defasada. Outra coisa, tenho TODAS essas ações que estou te recomendando. Um abraço. Boa sorte.

obs: tembem tenho GGBR4, BBAS3, PETRO4, FFTL4, mas na minha opinião elas ja estão muuuuito altas para voce entrar agora. Espero ter ajudado, mas sou humano e posso errar, mas ate agora deu certo.


7924 - danieljoseaa - 29/Jun/2009 13:50
citação: rfalvaresdaniel o que acha de BEES nestes valores
Rfalvares, sinceramente, comparando com seus pares ainda está caro, ainda fico tranquilamente com IDVL4, BGIP4, PINE4, mas já não está tão caro como estava há uma ou duas semanas atrás, já vale olhada com maior atenção, um P/L de 5,84, um P/VP de 1,60 e principalmente um ROE de 27,4% não são indicadores de se jogar fora, porém seu DY é fraco para o setor, 4,4%, para uma carteira bem diversificada até valeria uma entrada nesses preços, mas se você ainda não tem IDVL4, BGIP4, PINE4, BRSR6, sou mais entrar nesses, por enquanto.
Em relação à possibilidade de ele ser adquirido pelo BBAS3, seu P/VP é de 1,60, não sei o quanto teria de "bônus" nesse caso, já que ele já está sendo negociado por quase 2x seu valor patrimonial, mas comprar só por isso, já foi falado várias vezes por aqui, não é nada aconselhável, se é por isso, também existe a chance de todos esses bancos que compramos serem também adquiridos, por outros bancos.


Resumindo, se você já tiver alguns desses bancos que tanto falamos por aqui, BEES3, acredito já valer uma atenção, até quem sabe uma primeira compra, se não tiver os bancos que citamos por aqui, esqueça ele por enquanto e compre os outros citados.


5525 - Kudlow - 12/Mai/2009 23:34
eu já falei que vários desses bancos pequenos terao que cortar dividendos, só tem resultado muito ruim, nem resultado médio eu vi até agora.
o minha aposta no setor (banestes, putz que vergonha) tá dificil de segurar essa jaca, ainda mais vendo o mercado subir, mas to na aposta co paulorizzi, dia 31 MAIO . rsrsrsrsrs
o BEES está com um ROE de 28% , só o banco do brasil está com ROE maior, quero ver o resultado deles essa semana pra ver se vai cair o ROE, apesar de tudo ainda nao aredito que uma empresa com um ROE desse seja vendida por 2 p/vp.


veremos!


3629 - k0ss - 05/Abr/2009 21:38
"O Banestes parece bem especulado, como estava o BESC. Quando o negócio saiu as ações derreteram."

"A valorização da Nossa Caixa é devido ao tamanho de suas operações: é o banco do governo que tem a maior arrecadação, do SIAFEM, dos depósitos judiciais, da folha de FP´s mais apetitosa fora os fp´s federais, com enorme capilarização, especialmente em cidades ricas do agronegócio... o banco teve problemas pontuais na lucratividade devido ao Serra ter ""vendido"" (bem cara!) a folha que o banco deveria receber de graça e pelas provisões para perdas devido a planos econômicos."

"Enfim nossa caixa reunia operações enormes e atrativas para o BB, que é fraco em SP. O Banestes está inserido em operações muito menores, não é só pegar os múltiplos e comparar."


3627 - Coutinho_Fundamentalista - 05/Abr/2009 20:32
"citação: Kudlowpessoal fica falando que o Nossa Caixa foi vendido por 2,5 p/vp , mas o ROE da Nossa Caixa é de 20% , o de Banestes é 29% mas costuma ser maior."

EBIT 12 meses BNCA3 49 milhões

"EBIT 12 meses BEES3 192,5 milhões"

ATIVO BNCA3 54 bilhoes

"ATIVO BEES3 8,5 bilhões"

"O Nossa Caixa era muito maior em termos de ativos, mas era um banco ineficiente que não consegue fazer lucro com esses ativos ao contrário do Banestes."

"Alem disso a receita da Nossa Caixa nos ultimos 5 anos cresceu em média -1%, enquanto o Banestes cresceu 16,9%."

"Tem aquela versão ""dos paulistas"" que acham que o Banco do Estado de São Paulo merece ser negociado a multiplos mais altos, eu não vejo porque, acima de tudo o dinheiro é igual em todo lugar, e em uma negociação entre Governo Federal e Governo Estatal, Brasília tem o dever de pagar caro mesmo."

"Não se empolgue tanto com o Banestes assim. Acredito que o preço final de aquisição ficará abaixo do atual. Mesmo que saia acima, não valerá a pena o upside pois não será grandes coisas."

"Talvez seja mais interessante trocar por outro banco médio (BIC, Pine, etc). Com certeza estão mais atraentes mesmo após altas expressivas. Banestes está 100% precificado."


484 - small caps - 03/Dez/2008 00:45
"(469), "BEES3 é um banco que tem boa rentabilidade patrimonial e bem administrado, mas não está com os múltiplos mais baixo do setor. Do setor de bancos estaduais, prefiro BGIP4 e BRSR6. Mas, no curto prazo, tudo é possível de acontecer."




116 - small caps - 08/Out/2008 23:15
"piubella, BEES3 já tem preços atraentes, mas tem uma coleção de bancos do mesmo porte ainda mais baratos, tais como PINE4, CZRS4, BRIV4, CRIV4, BRSR6, BGIP4, DAYC4, etc... a lista é grande e estes bancos estão mais baratos que o BEES3 que também foi alvo das famosas especulações do mercado que dão oportunidades de ouro para venda de ativos excessivamente avaliados. O fato de poder ser ou não incorporado pelo BB, na minha concepção, não deve ser motivo para a compra de qualquer ação. Boatos vão e vem. Que o diga o pessoal que pagou o preço na TELB4..."

Nenhum comentário: