Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sábado, 16 de agosto de 2014

Bicbanco (BICB)



Recomendações

Não negociado na BMF

Compra: Small Caps (out/08 e set/12) 
Carteiras
dianaeca (dez/12) - RRunner (fev/13)
Balanços
3T2013 -



4T2012 - 

2T2012 - 

4T2009 - 
2Rath - 
gostou. 

FOCKINK - 
achou o resultado dentro do esperado.

3T2009 - 
SmallCaps - 
achou razoável

3T2008 -
Small Caps -
lucro – 100 milhões (100% maior que o 3T2007), considerado excelente
Características
banco médio. Paga bons dividendos
Links
272432  - paulo_prof  -  16 Ago 2014, 14:11
O balanço do BicBanco traz um dado preocupante ...

No trimestre, as despesas de PDD somaram R$ 245 milhões (quando nos trimestres anteriores a média era de aprox. R$ 65 milhões. O PDD, como percentual da carteira de créditos total, que no 1T14 era de 3,88% passou para 5,59% !!!

Especulo que foram os chineses a "obrigar" o banco a efetuar o ajuste antes de formalizar a aquisição.

A pergunta que fica no ar é:

Este aumento cavalar do PDD foi realizado somente para prover um colchão de segurança mais espesso, ou foi realizado porque o PDD antigo era irresponsavelmente insuficiente? Na 2a. hipótese, qual seria a real situação dos demais bancos médios brasileiros?

219558  - marceleberle  -  31 Out 2013, 22:38
Parabéns a todos os comprados em BICB4, eu, como belo chupim-sardinha, dei uma de não de alface e vendi essa jóia rara a 5,13 tendo comprado a 4,51, achando que 15% de alta em dois dias já estava ficando perigoso... Assim como tive CSNA3 a 8,33 e vendi a 9,40...

Vivendo e aprendendo, com um ano e meio de bolsa já deu pra aprender muito. Tive um prejuízo de 30% nos primeiros meses, e consegui recuperar todo esse prejuízo e ainda chegar a 7% de lucro sobre o total investido. Graças a ajuda do grande amigo BAC1000 que após me jogar na vala, junto com ele, diga-se de passagem, me mostrou o caminho das pedras e me deu o livro do small pra ler!


Obrigado a todos do fórum que dão a sua contribuição sem a menor cerimônia.

E quanto a minha mãozada de alface, vou tentar corrigir... Hahah. Até porque BICB4 não foi a primeira e nem será a ultima ação boa a dar 100% de valorização.

Será que da pra comprar um lotezinho amanha até os 8,00?

219544  - 2Rath  -  31 Out 2013, 21:26
Carajo!!!

Tive que ficar fazendo hora extra no trabalho, mas com essa notícia do BICB4, sem lamentações!!!
Pena ter realizado metade do que eu tinha a 7,40, com 83% de alta do meu PM...
Será que amanhã já belisca esses 8,90? Daria pra buscar esses 100% de lucro, né? Em plena sexta feira? Bão demais da conta!!!

Obrigado pelos avisas, Small!!!
Ass.: Chupim radiante.

219540  - RickPiras  -  31 Out 2013, 21:14
Parabéns pelo resultado!

Melhor que muito bancão por aí. :)

219517  - small caps  -  31 Out 2013, 20:25
CARAJÂO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

FATO RELEVANTE


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S.A. (BM&FBOVESPA: BICB3 e BICB4), companhia aberta com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, nº. 4.440, 1º a 5º andares, Itaim Bibi, CEP 04538-132 (“Companhia”) e CHINA CONSTRUCTION BANK CORPORATION (“CCB”) vêm pelo presente, em cumprimento ao disposto no art. 3º da Instrução da Comissão de Valores Mobiliários (“CVM”) nº 358, de 3 de janeiro de 2002, conforme alterada, e no § 4º do art. 157 da Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (“Lei das S.A.”), conforme alterada, informar aos acionistas da Companhia e ao mercado em geral que os acionistas controladores, diretos e indiretos, da Companhia (os “Acionistas Vendedores”) encaminharam à Companhia um comunicado em que informam que foram celebrados, na presente data, Contrato de Compra e Venda de Ações por e entre os Acionistas Vendedores e o CCB (“Contrato”), o qual estabelece os termos e condições pelos quais o CCB se obriga a adquirir dos Acionistas Vendedores, de forma direta e indireta, 157.394.932 ações ordinárias e 24.702.582 ações preferenciais de emissão da Companhia, correspondentes a 72,00% (setenta e dois por cento) do capital social total (i.e. 73,96% do capital social total excluindo-se as ações em tesouraria) da Companhia (“Ações de Controle”), de acordo com os termos e condições resumidos abaixo (“Operação”):

1. Preço de Aquisição

Nos termos do Contrato, o preço de aquisição total das Ações de Controle será de 1.620.976.548,00 Reais, correspondente a 8,9017 Reais por cada ação ordinária ou preferencial de emissão da Companhia, preço este sujeito a ajustes positivos ou negativos após o fechamento da Operação, pela diferença entre (i) o valor de patrimônio líquido da Companhia de 7,8429 Reais por ação ordinária ou preferencial (excluindo-se ações em tesouraria), calculado com base nas demonstrações financeiras da Companhia datadas de 31 de março de 2013; e (ii) o valor de patrimônio líquido da Companhia por ação ordinária ou preferencial, apurado na data em que as Ações de Controle forem transferidas ao CCB ou a entidade controlada pelo CCB e por este designada (“Data de Fechamento”). Para fins do ajuste do preço de aquisição, (i) qualquer reversão de provisões com relação a determinados processos de natureza tributária acerca do cálculo do PIS (Programa de Integração Social) e COFINS (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) sobre receitas financeiras da Companhia e uma de suas subsidiárias (“Processos de PIS e COFINS”) está sujeita a obtenção de decisão final e irrecorrível no âmbito dos Processos de PIS e COFINS; e (ii) o lucro líquido obtido pela Companhia como resultado da liquidação no âmbito da operação de swap firmada com o Goldman Sachs e anunciada ao mercado por meio do Comunicado ao Mercado datado de 11 de maio de 2012, deverá ser computado na proporção de 50%.

Adicionalmente, nos termos do Contrato, os Acionistas Vendedores terão direito ao recebimento, na proporção que as Ações de Controle representam no total de ações de emissão da Companhia (excluindo-se ações em tesouraria), de reembolso dos montantes equivalentes a eventuais restituições ou créditos fiscais efetivamente recebidos e utilizados pela Companhia após a Data de Fechamento, se houver, no âmbito dos Processos de PIS e Cofins.

2. Condições Precedentes

A realização da Operação está condicionada à obtenção das aprovações e consentimentos necessários, em particular, do Banco Central do Brasil, da promulgação de um Decreto Presidencial, das autoridades regulatórias chinesas competentes e das autoridades bancárias das ilhas Cayman.

A Operação está sujeita, ainda, a demais condições precedentes previstas no Contrato, as quais incluem a realização de reorganização societária envolvendo a Companhia, as suas acionistas diretas Gemini Holding S.A. (“Gemini”) e BIC Corretora de Câmbio e Valores S.A. (“BIC Corretora”), e a sociedade Primus Holding S.A. (“Primus”), detentora de 100% (cem por cento) do capital social da BIC Corretora, por meio da qual (a) uma cisão parcial da BIC Corretora e uma cisão parcial da Primus serão implementadas, com o objetivo de (i) transferir as ações de emissão da Companhia detidas pela BIC Corretora para a Gemini; (ii) transferir as ações de emissão da BIC Corretora para pessoas físicas que fazem parte do grupo de controle da Companhia, de modo que a BIC Corretora não será adquirida pelo CCB no âmbito da Operação; e (b) sujeito à aprovação dos acionistas da Companhia em sede de assembleia geral de acionistas, a Gemini e a Primus serão encerradas e consolidadas na Companhia. Tendo em vista que no momento da incorporação da Gemini e da Primus na Companhia, a Gemini e a Primus não terão quaisquer ativos (que não as ações da Companhia) ou passivos, não haverá aumento de capital da Companhia como consequência da incorporação, ou qualquer diluição ou alterações na participação acionária dos acionistas no capital social da Companhia.

Demais informações sobre a reorganização societária descrita acima, inclusive nos termos da Instrução CVM nº 319, de 3 de dezembro de 1999, conforme alterada, serão divulgadas oportunamente.

3. CCB

O CCB é o segundo maior banco comercial na China com quase 60 anos de histórico operacional, considerando o total de ativos (14.859 trilhões Renminbi) e empréstimos (8,095 trilhões Renminbi). Suas ações são negociadas na Bolsa de Valores de Hong Kong - Hong Kong Stock Exchange (SEHK: 939) e na Bolsa de Xangai – Shangai Stock Exchange (SSE: 601939), e sua capitalização de mercado excede 180 bilhões de dólares americanos, tornando o CCB o 5º maior dentre os bancos de capital aberto no mundo. Seus principais negócios incluem serviços bancários corporativos e pessoais e operações de tesouraria. O CCB está entre os líderes de mercado na China em diversos produtos e serviços, incluindo empréstimos para infraestrutura, financiamentos imobiliários e cartões bancários, contando com uma extensa base de clientes, uma rede de mais de 14.000 filiais na China e em torno de 345.000 empregados. O CCB está expandindo ativamente sua presença no exterior e em Junho de 2013, possui 68 instituições estrangeiras que cobrem 14 países e regiões. A rede do CCB no exterior inclui filiais em Hong Kong, Cingapura, Frankfurt, Johannesburg, Tóquio, Seul, Cidade de Ho Chi Minh, Nova Iorque, Sydney, Melbourne e Taipé, bem como subsidiárias integrais e operacionais no exterior como CCB Ásia, CCB Rússia, CCB Internacional e CCB Londres.

A Operação irá demarcar, para o CCB, o início das suas operações diretas no Brasil. Prevê-se que a Companhia continue a operar como banco comercial, com foco no segmento de mercado de médio porte.

4. Oferta Pública de Aquisição de Ações da Companhia

Na conclusão da Operação, o CCB submeterá à CVM, em até 30 (trinta) dias contados da Data de Fechamento, pedido de registro de uma oferta pública obrigatória para a aquisição das ações de emissão da Companhia detidas pelos acionistas minoritários, em razão da alienação de controle da Companhia de acordo com os Artigos 4° e 254-A da Lei das S.A. CCB está avaliando se irá proceder com o cancelamento do registro da Companhia como companhia aberta e/ou a saída da Companhia do Nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBOVESPA. Espera-se tomar uma decisão com relação à essas questões, uma vez que todas as aprovações regulatórias relacionadas com a Operação tiverem sido obtidas. Adicionalmente, os termos e condições de quaisquer ofertas públicas descritas acima estão sujeitas a aprovação pela CVM e serão oportunamente divulgados.

5. Assessores Financeiros

O Citigroup atuou como assessor financeiro exclusivo dos Acionistas Vendedores na Operação.

São Paulo, 31 de outubro de 2013.

203561 - paulo_prof  -  15 Ago 2013, 03:14
Para os comprados, pelo andar da carruagem, vai ser necessária muita reza ... e vai demorar !!!

BICB4
PREÇO: R$ 3,45
PAYOUT (2012): 49,1%

Múltiplos baseados nos últimos 6 meses
P/L 24,12
P/VPA 0,44
DY 2,03%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,143
ROAE 1,8%
ROAA 0,21%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 602.588
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,89%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,60%

Taxas de Crescimento Nominal

a) 1S13 sobre o 1S12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -49,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,6%
RESULTADO OPERACIONAL -113,1%
RESULTADO LÍQUIDO -85,5%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -37,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +6,4%

b) 2T13 sobre 2T12
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -83,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +19,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,4%
RESULTADO OPERACIONAL -101,8%
RESULTADO LÍQUIDO -84,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -51,2%
PATRIMONIO LÍQUIDO -5,5%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -4,1%
PDD TOTAL -11,9%
ATIVOS TOTAIS -5,4%

c) lucro liquido
UA -77,60%
U2A -66,80%
U3A -53,06%

d) patrimônio líquido médio
UA -2,44%
U2A -0,78%
U3A 2,96%

O PDD Total como percentual das Operações de Crédito piorou sensivelmente ... passou de 3,29% no 1T13 para 3,60%.

Por outro lado, a inadimplência (NPL) no trimestre, também medida como percentual das operações de crédito, caiu sensivelmente, diminuindo de 7,08% (anualizado) no 1T13, para 1,53%.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,79

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +16,0%

175803 - K78 - 26 Mar 2013, 19:21
Citação: Mofaria
Pessoal, boa tarde!

Para algum craque de AF aqui, poderiam opinar sobre BICB4?Desde já minha gratidão.abço a todos.

Melhorando isto descrito no comentário do Small, acho que a ação não mofaria tanto... rsrs

Segue comentário do Small de 19/12/12:

"BICB4 merece ser acompanhado de perto. Já tiveram seus momentos de glória no passado. Mas estão tendo que rebolar bastante, pois os spreads cairam muito e a inadimplência disparou no Brasil.

Mas, um dos fatores fortes que me fez momentaneamente encerrar posição em BICB4 foi ver BBAS3 negociando abaixo do Valor patrimonial por ação. BBAS3 veio de uma queda de uns 20 / 30% e considerei mais viável correr este risco, aumentando um pouco a posição.

Considero, no longo prazo, mais fácil o ROE de BBAS3 ser maior que o de BICB4. BBAS3 tem uma base de captação muito mais barata e serviços adicionais que geram melhor margem. BICB4 ainda não conseguiu se diferenciar tanto, como um PINE por exemplo.

Mas claro, como todo bom investidor, uma boa medida de diversificação e controle de risco é sempre recomendável.

168281 - paulo_prof -  21 Fev 2013, 17:12
Eta banquinho ruim este BICÃO !!!!

O tal do Milto Bandini agora está dando uma de Dilma, culpando o cenário externo por todas as agruras que a empresa que adminstra está passando.

A desculpa, agora, é que o mar não está para peixe porque o número de Recuperações Judiciais de Pequenas e Médias empresas em 2011 havia sido 30% maior do que em 2010 e em 2012, 53% maior do que 2011. Mas omite informações como os percentuais de empresas em Recuperação, relativa ao universo existente.

Pela minha avaliação, os resultados do BIC são hoje quase como aqueles de uma loteria.

Até o 3T12, o banco vinha contabilizando Derivativos de Swap Cambial (tipo de hedge para o risco cambial de dívida assumida em dólares) pelos valores de face ... No 4T12 perceberam que teriam que avaliar estes instrumentos derivativos por seus valores justos ...

Para vcs terem uma idéia da volatilidade que esta mudança introduziu na DRE, basta ver o que aconteceu na última linha, o lucro líquido:

período ... lucro antigo ..... lucro novo
. 2011 ..... 232.400 mil .... 184.300 mil
. 1T12 ...... 41.100 mil ...... 25.100 mil
. 2T12 ...... 26.400 mil ...... 96.500 mil
. 3T12 ...... 20.100 mil ...... 60.600 mil
. 4T12 .......................... (110.500 mil)

O fato é que em 2012 o lucro líquido resgitrado foi de pífios R$ 110,5 milhões, o que dá um lucro médio de R$ 27,6 milhões por trimestre, não muito distante dos R$ 29,2 milhões trimestrais alcançados nos 9M12 pela contabilidade anterior.

BICB4
PREÇO: R$ 6,06
PAYOUT 2012: 108,1%

Em relação a 2011, as taxas de crescimento nominal do exercício de 2012 foram:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -10,7%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -3,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +12,2%
RESULTADO OPERACIONAL -45,2%
RESULTADO LÍQUIDO -40,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +11,5%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO -2,2%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +5,5%
ATIVO TOTAL +4,6%
CRÉDITOS INADIMPLENTES NO ANO: 42,1%

P/L 13,49
P/VPA 0,76
DY 8,02%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,449
ROAE 5,7%
ROAA 0,61%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 516.971
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,89%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,49%

Em relação ao 3T12, a "qualidade" da carteira de créditos medida em termos do percentual do PDD em relação ao tamanho da carteira melhorou de 4,67% para 4,49%. Os créditos inadimplentes contabilizados no 4T12, medidos como percentual da carteira de crédito aumentaram de 1,02% para 6,75% (anualizado). A relação entre os créditos inadimplentes no ano, para o tamanho da carteira no final do ano aumentou de 3,01% em 2011 para 3,89% em 2012.

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA -40,02%
U2A -43,70%
U3A -29,70%

b) do patrimônio líquido médio
UA -0,28%
U2A 2,72%
U3A 5,20%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses por toda a eternidade e taxa de desconto anual real de 8%: R$ 5,61

168168 - israel007 -  21 Fev 2013, 11:48
BICB4

Empresa: BCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S.A. Ação: BICBANCO PN Setor: Financeiro e Outros Subsetor: Intermediários Financeiros
Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia anunciou lucro líquido de R$ 22,5 M no quarto trimestre de 2012, aumento de 14,1% em relação ao 3° trimestre de 2012 e redução de 26,5% em relação ao 4T11. A receita de intermediações financeiras somou R$ 715,7 M neste trimestre, uma variação de 32,2% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e acréscimo de 135,4% em relação ao 4T11.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 27,5% contra 19,1% no terceiro trimestre de 2012 e 50,8% no mesmo período do ano passado. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) atingiu 5,6% no 4° trimestre de 2012, contra 5,8% no 3° trimestre de 2012, o que representa uma variação de -0,3 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 18,6 B, aumento de 9,0% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 2,0 B no 4T12, o que representou uma variação de -2,4% em relação ao saldo no quarto trimestre de 2011.

161701 - paulo_prof -  28 Dez 2012, 11:18
Citação: maspimentel
Paulo prof,
Para iniciar posição: BICB4 ou PINE4? Carteira de LP.
Embora o upside potencial do BICB seja maior (os ativos de qualquer banco que se preze não deveriam ser negociados abaixo de 1,1 VPA), está mais do que provado de que a administração do Pine é sensivelmente mais competente. Veja, por exemplo, a assimetria de decisão no Pine e no BicB: no Pine, o PDV como percentual da Carteira Total de Créditos aumentou, do 1T12 para o 2T12, de 3,2% para 3,61%. No 3T12, o Pine decidiu colocar o pé no freio, encolhendo a Carteira Total de Créditos e, assim, mantendo o índice em 3,62%. Já o BicB, com o índice diminuindo de 4,32% para 3,92% do 1T12 para o 2T12, decidiu continar com a expansão da Carteira de Créditos e o índice explodiu para 4,67%.

Para um investimento eventual no BICB eu aguadaria uma indicação segura de que os problemas de qualidade da carteira/inadimplência estão efetivamente equacionados.

161022 - small caps -  19 Dez 2012, 14:36
Citação: dianaeca
Obrigado Pelo esclarecimento Small.
Abusando da presença do mestre, a um tempo atrás vc comentou sobre um drive de mudança no balanço de BICBANCO no 2t, apesar de se não me engano vc ter fechado a posição que tinha montado nos R$6, vc mantem a expectativa após o balanço do 3t de turn around para 2013?
Sim, BICB4 merece ser acompanhado de perto. Já tiveram seus momentos de glória no passado. Mas estão tendo que rebolar bastante, pois os spreads cairam muito e a inadimplência disparou no Brasil.

Mas, um dos fatores fortes que me fez momentaneamente encerrar posição em BICB4 foi ver BBAS3 negociando abaixo do Valor patrimonial por ação. BBAS3 veio de uma queda de uns 20 / 30% e considerei mais viável correr este risco, aumentando um pouco a posição.

Considero, no longo prazo, mais fácil o ROE de BBAS3 ser maior que o de BICB4. BBAS3 tem uma base de captação muito mais barata e serviços adicionais que geram melhor margem. BICB4 ainda não conseguiu se diferenciar tanto, como um PINE por exemplo.

Mas claro, como todo bom investidor, uma boa medida de diversificação e controle de risco é sempre recomendável.

157037 - paulo_prof -  14 Nov 2012, 17:50
BICB4

As taxas de crescimento dos resultados dos 9M12 em relação aos 9M11 foram:
RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -16,8%
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -27,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -7,1%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +7,2%
RESULTADO OPERACIONAL -54,8%
RESULTADO LÍQUIDO -56,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -11,4%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +7,4%

As taxas de crescimento ao final do 3T12 em relação ao final do 3T11 foram:
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +0,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -0,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +12,0%
ATIVO TOTAL -0,4%

Em relação à Carteira Total de Créditos:
O PDD Total passou de 3,92% no 2T12 para 4,67% no 3T12
Os créditos inadimplentes do trimestre anualizados passaram de 4,66% no 2T12 para 1,02% no 3T12

Taxas anuais médias de crescimento nominal:
a) do lucro líquido
UA -56,75%
U2A -43,20%
U3A -22,48%

b) do patrijmônio líquido médio
UA 0,38%
U2A 4,30%
U3A 5,81%

Múltiplos baseados nos resultados dos últimos 12 meses
PREÇO: R$ 6,25
PAYOUT (2011): 49,1%

P/L 13,07
P/VPA 0,77
DY 3,76%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,478
ROAE 5,9%
ROAA 0,66%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 384.070
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,97%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,67%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: + 2,0%

156592 - uqaz -  13 Nov 2012, 11:40
BICB4

Resultado do 3º Trimestre de 2012

A companhia registrou lucro líquido de R$ 19,7 M no 3T12, uma variação de -24,0% em relação ao 2T12 e redução de 62,0% em relação ao 3T11. A receita de intermediações financeiras totalizou R$ 541,3 M no 3° trimestre de 2012, redução de 38,5% em relação ao segundo trimestre de 2012 e redução de 54,4% em relação ao 3° trimestre de 2011.

A margem bruta atingiu 19,1% neste trimestre contra 12,5% no trimestre anterior e 13,3% no 3° trimestre de 2011. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) alcançou 5,8% no terceiro trimestre de 2012, contra 7,4% no 2° trimestre de 2012, o que representa uma variação de -1,6 p.p..

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 18,1 B, aumento de 3,0% em relação ao saldo no 3T11. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 2,0 B no terceiro trimestre de 2012, o que representou uma variação de 0,1% em relação ao saldo no 3T11.

Neste período, a ação oscilou 26,9% contra 8,9% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado atingiu R$ 1,7 B contra R$ 1,7 B no 3T11.

155655 - small caps -  08 Nov 2012, 11:27
uqaz, o BICB4 ja comprei porque a R$ 6,00 dava para esperar a melhora recebendo uma boa remuneração e o histórico dele é zilhões de vezes melhor que o de IDVL4...

148389 - small caps -  12 Set 2012, 18:58
AVISA atrasado...

Na quinta, vendi OHLB3. Encerramento de posição. Uns 40% de alta em pouco mais de meio ano...

E recomprei meu estimado BICB4, pois enxerguei um ponto de inflexão no balanço. Próximo ano, e provável, será melhor que este. Os últimos 2 trimestres ainda serão mais fracos...

BICB4 foi pela primeira vez comprado a R$ 2,00, vendido a uns R$ 15,00, em média e agora foi recomprado por R$ 6,00, em média...

OBS: pena que não foi possível avisar no mesmo preço da compra... pois subiu rápido demais... talvez efeito da reunião pública de ontem e dos JCP's...

144434 - paulo_prof - 14 Ago 2012, 17:52
Quem te viu ... quem te vê ... eta banquinho que adora andar para trás ...
BICB4

PREÇO: R$ 5,72
PAYOUT (2011): 49,1%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 7,35
P/VPA 0,70
DY 6,68%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,779
ROAE 9,5%
ROAA 1,08%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 504.733
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,92%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,92%

Taxas de Crescimento Nominal em relação ao 1o. semestre de 2011 e 30JUN2011
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -28,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO -4,9%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,9%
RESULTADO OPERACIONAL -54,8%
RESULTADO LÍQUIDO -54,6%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -4,2%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO -1,0%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -6,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) -3,8%
ATIVO TOTAL -1,5%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +115,2%

A qualidade da carteira de créditos, medida pela razão PDD TOTAL/CARTEIRA TOTAL, passou de 3,79% no 2T11 para 3,92% no 2T12. Do 1T12 (4,32%) para o 2T12, entretanto, houve uma melhora.

No que tange os créditos inadimplentes, a coisa está feia ... os créditos inadimplentes no semestre aumentaram 115,2% (ano-a-ano), enquanto que a carteira total de créditos encolheu ...

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal
a) do lucro líquido
UA -39,98%
U2A -24,97%
U3A -11,91%

b) do patrimônio líquido médio
UA 1,00%
U2A 11,98%
U3A 18,36%

Taxa anual de crescimento real do lucro líquido necessária, durante 3 anos, para que o valor intrínsico fornecido pela fórmula simplificada da FCD seja 30% superior à cotação atual (perpetuidade real nula, taxa de desconto real de 8%): -9,0%

144310 - GARUDA20 - 14 Ago 2012, 12:51
Resultado do 2º Trimestre de 2012
A empresa registrou lucro líquido de R$ 26,0 M no segundo trimestre de 2012, decréscimo de 36,1% em relação ao primeiro trimestre de 2012 e redução de 61,2% em relação ao 2° trimestre de 2011. A receita de intermediações financeiras totalizou R$ 880,9 M no segundo trimestre de 2012, acréscimo de 59,4% em relação ao primeiro trimestre de 2012 e acréscimo de 27,6% em relação ao 2T11.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 12,5% contra 26,9% no trimestre anterior e 24,4% no 2° trimestre de 2011. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido (RPL) alcançou 7,4% no 2° trimestre de 2012, contra 9,5% no 1T12, o que representa uma variação de -2,0 p.p..

Os ativos totais registraram o saldo de R$ 17,8 B, crescimento de 0,6% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 2,0 B no segundo trimestre de 2012, o que representou uma variação de -1,2% em relação ao saldo no segundo trimestre de 2011.

183 de 5068 23/Out/2008 23:33 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"rfalvares, BICB4 foi um dos 11 bancos médios que escolhi para fazer parte da minha carteira de ações. Acredito que não vão todos quebrar juntos e se isto acontecer, nada mais vai valer, nada! Baixíssimo P/L e P/VPA e DY muito bom! Diante da histeria do mercado dos bancos, vale a pena fazer apostas em diferentes com perfis diversos."


210 de 5068 28/Out/2008 18:45 0

Amaril Comentários: 944 - Desde: Dez 2007

"BICB4 COM PL = 1,5. DIVIDENDOS DE 30% E PV/P = 0,27 É BOM DEMAIS."

221 de 5068 29/Out/2008 23:19 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"piubella, o desempenho de hoje do BICB4 ilustra bem o que poderá acontecer por diversos dias se o balanço vier em linha com o que o banco vem apresentando nos trimestres anteriores. Chegou a bater impressionantes P/L 1,5 e DY 30%. São estes ativos que, mantendo o desempenho operacional, apresentam as valorização futuras superiores a 1.000%. É claro que o cenário atual é muito mais desafiador, mas um P/L abaixo de 2 deixa até mesmo uma empresa mediocre (o que não é o caso) atrativa."


321 de 5068 12/Nov/2008 17:15 0

danieljoseaa Comentários: 430 - Desde: Jul 2008

"Resultado Bicbanco: Lucro líquido 100% maior que o 3° tri de 2007, lucro de 101 milhões."


322 de 5068 12/Nov/2008 18:33 0

TUBINHA Comentários: 1236 - Desde: Mar 2008

"BICB4 com esse lucrão, é uma das melhores alternativas daquelas de 1.000% para os próximos 3 anos... Imagina se tivessemos com mercado mais calmo..."


359 de 5068 15/Nov/2008 12:38 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(321) danieljoseaa, BICB4 realmente veio com um balanço excelente, projetando P/L abaixo de 2! E o DY anda por volta dos 20%. Gostei também do fato de não ter tido que recorrer, até a divulgação do balanço, à cessão de carteiras."


399 de 5068 19/Nov/2008 00:19 0

"(389) vitor_kalel2004, BICB4 e BRSR6 estão no rol de bancos médios com indicadores atraentes e que pagam bons dividendos. O mercado está muito pessimista com o segmento e só nos cabe comprar aos poucos e aumentar a posição após o anúncio dos resultados do último trimestre (o atual) em que os efeitos da falta de liquidez poderão ser melhor avalizados. De qualquer sorte, BICB4 na data de divulgação do balanço sequer tinha cedido carteiras de crédito e BRSR6 parece que inclusive comprou carteiras de bancos menores."


460 de 5068 Modificado em 30/Nov/2008 00:59 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(443) rafael234, se BICB4 e TGMA3 mantiverem seus resultados, podemos considerar bastante provável que a primeira mantenha o DY por volta de 20%, até porque negociaria com P/L próximo de 1,5! A TGMA3 dependerá da política da empresa, que tem sido a distribuição, até então, de praticamente 100% do lucro líquido. Se esta resolver incrementar o crescimento mais velozmente, com ampliação do market share, certamente não terá a mesma sobra de caixa para pagar 100% do lucro líquido. Mas seus múltiplos são muito atraentes independentemente de pagar todo o lucro em dividendos, sendo muito interessante para diversificação da carteira."


479 de 5068 03/Dez/2008 00:01 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(466) piubella, realmente o preço do BICB4 está bastante tentador. Acredito bastante num excesso de penalização do mercado ao segmento. Como sempre faz, o mercado se comporta como um verdadeiro bipolar e agora embute um pessimismo extremo em relação aos bancos médios. E quase sempre não acontece nem uma coisa, nem outra. Creio ser uma situação típica de efeito manada..."


510 de 5068 04/Dez/2008 22:47 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(495) TUBINHA, realmente, duas empresas que o mercado anda massacrando. BICB4 já paga dividendos equivalentes ao dobro da renda fixa nos últimos 12 meses. 1/4 do lucro atual é que justificariam parcialmente os patamares de preço. Haja crise para isto acontecer. A queda dos lucros possivelmente acontecerá, mas há uma excepcional assimetria entre a provável queda dos lucros e a queda do preço das ações já ocorrida


554 de 5068 09/Dez/2008 22:20 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"vendacoberta, nos últimos 12 meses BICB4 pagou o equivalente a 23,6% da cotação atual e PINE4 20,9%. É possível que o empoçamento da liquidez do sistema financeiro nos bancos maiores diminua um poucos estes índices. Mas mesmo que caía a metade, estará bom demais."


556 de 5068 09/Dez/2008 22:30 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"vendacoberta. Preços justos, especialmente aqueles veiculados pelos analistas estão muito próximos de preços ilusórios. Mas fazendo um exercício simples e considerando que diante da atual taxa SELIC um P/L 8 pode ser considerado razoável, o preço de BICB4 seria de uns R$ 10,00 e o de PINE4 por volta de R$ 14,50... Mas vamos adotar uma margem de segurança de que os lucros caírão 40% em razão da crise de liquidez e do aumento da inadimplência... Bem, sobrariam ainda uns 200% de alta... (dá para ter uma noção do pessimismo reinante em relação ao setor)..."


681 de 5068 18/Dez/2008 23:47 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(658) vitor_kalel2004, tanto o banco PINE como o BICBanco já atravessaram crises bastante complexas no Brasil. São bancos com boa tradição e que mostraram a capacidade que tem de passar por tais cenários. O vencimento dos empréstimos que fazem para os seus clientes tem boa concentração no curto prazo, facilitando a ação preventiva no caso de aperto de liquidez. Ambos não foram os primeiros a vender as carteiras de crédito e já vinham se ajustando em setembro ao cenário mais nebuloso."


845 de 5068 10/Jan/2009 01:21 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"BICB4 falei antes que é interessante aguardar chegar no valor patrimonial para pensar em realizar os lucros ou ao menos o balanço anual.

"Abraços,"

Small caps


879 de 5068 12/Jan/2009 13:00 0

cristians Comentários: 107 - Desde: Ago 2007

"O Bicbanco tem seu PL (patr. líq.) x PM (preço de mercado) abaixo de 1 e estará pagando dividendos trimestralmente. Comprei a R$ 2,50 e hj já está em R$ 4,70. para seu PL x PM se igualar a 1 teria que subir a R$ 6,80 e observadno os números do último balanço só consigo enxergar progressão (sei que nesse último trimestre os números dificilmente virão melhor que o 3o. trimestre), mas mesmo assim, penso que as perspectivas são excelentes e acredito um preço próximo de R$ 13,00 no final do ano. O que vc acha? Qual sua opinião sobre o bicb4 e a atual disparada do seu preço? Estaria chegando a hora de uma realização para pegar novo impulso? (embora percebo que ela ainda está com folego)."

obrigado


899 de 5068 13/Jan/2009 20:23 0

1 small caps Usuário Premium Comentários: 2794 - Desde: Fev 2007

"(878) jlc007,A BISA3 atua praticamente em todos os segmentos. As demais teria que observar o que consta nas notas explicativas e nos releases de desempenho. Como estas empresas estão no Novo Mercado, o nível de informações ao mercado é bastante superior."


1074 de 5068 Modificado em 21/Jan/2009 21:30 0

paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007

"Considerando as cotações de R$ 3,80 para BICB4 e R$ 5,80 para BICB3, os indicadores para BICB4 são:"

"P/L = 3,86; P/VPA = 0,79; PSR = 0,60"

"Não entendendo a razão da cotação de BICB3 estar em R$ 5,80, efetuando a simulação com preços iguas das ON e PN (R$ 3,80), estes indicadores seriam"

"P/L = 2,95; P/VPA = 0,60; PSR = 0,79"

"O LPA dos últimos 12 meses é R$ 1,29. Relativos ao exercício de 2008, já foram distribuídos R$ 0,463 por ação - correspondente a um payout de aprox 36% e um DY de 12%."

"Na minha opinião, somente um grande desastre fará com que o lucro líquido do 4T08 seja menor do que aquele do 4T07, de modo que o LPA relativo a 2008 será no mínimo R$ 1,29. No exercício de 2007 o banco praticou um payout de 30%, de modo que não deve mais pagar proventos relativos ao exercício de 2008."

"A próxima distribuição de proventos deve se dar na 1a. quinzena de março, já referente ao exercício de 2009."

"Mesmo considerando o pior cenário, acho que BICB4 está muito barata."


1554 de 5068 09/Fev/2009 10:55 0

herdsman Usuário Premium Comentários: 184 - Desde: Nov 2008

"Segundo as projeções, o Bicbanco teria um lucro líquido de aproximadamente R$ 357 milhões no ano passado, 83% aos R$ 200,9 milhões de 2007. Já o Indusval, deve chegar a um resultado líquido de R$ 83,356 milhões, contra 54,958 em 2007, uma expansão de 51%."


1745 de 5068 18/Fev/2009 10:26 0

marcosgomez Comentários: 1074 - Desde: Jan 2009

BICB4

(18/02) BCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S.A. 31/12/2008 LS

Resumo dos Dados da Companhia Recebidos

R$ Mil Legislacao Societaria

Descricao

Nome de Pregao BICBANCO

Periodo ANL - 12M

Data Encerramento 31/12/2008

Patrimonio Liquido 1.689.267

Receitas da Intermediacao Financeira 2.005.986

Resultado da Intermediacao Financeira 769.208

Resultado da Equivalencia Patrimonial 5.364

Resultado Operacional 401.335

Lucro (Prejuizo) Liquido 324.713

"Numero de Acoes, Ex-Tesouraria ( Mil ) 266.182"

"Lucro (Prejuizo) por Acao - LPA 1,21989"

"Valor Patrimonial da Acao - VPA 6,34629"


1746 de 5068 18/Fev/2009 11:03 0

damonpena Comentários: 682 - Desde: Mai 2007

"Resultado poderia ter sido bem melhor se não fossem as provisões ... o banco entra em 2009 com músculos para enfrentar a crise e possíveis inadimplências . Caso este cenário não se confirme e exista possibilidade de reversão de provisão , teremos ótimas surpresas ..."


1824 de 5068 21/Fev/2009 21:01 0

frommars1 Comentários: 530 - Desde: Mar 2008

"Obrigado pela resposta Paulo. Sigo comprado em Bic por acha-la barata. Quanto ao Fausto Botelho, creio que realmente misturou alhos com bugalhos. Ao criticar o buy and hold, por exemplo, ele deixou de observar o papel dos dividendos numa posição de longo prazo ou o que o Small sempre diz sobre vender suas ações após uma valorização irracional. Ou seja, uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa, como dizia um professor que eu tive."

"Buy and hold de ações baratas e que pagam bons dividendos dá lucro sim, como já preconizava o velho Bazin."


1885 de 5068 Modificado em 25/Fev/2009 21:56 0

paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007

"citação: Diogoafonsoola paulo,"

voce saberia o porque das acoes SDIA3 e SDIA4 estarem com uma diferenca tao grande de valores ?

ja que elas tem 80% de tag n estou certo ?

e vale um inicio de posicao nelas?

abraco!

"Ambas, BICB3 e BICB4 têm tag along de 100%. No entanto, hoje BICB3 fechou em R$ 4,80 e BICB4 em R$ 3,63. Será que o direito a voto (de um minoritário) vale toda esta diferença? Para mim não vale, de modo que eu só posso concluir que é a ignorância que faz com que investidores paguem este tremendo ágio."


1898 de 5068 25/Fev/2009 23:51 0

paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007

Pessoal

"Reproduzo aqui, mensagem interessante postada originalmente na lista de discussão do BicBanco."

"citação: lnerySrs.,"

"Boa entrevista com o vice-presidente do BicBanco, publicada ontem, no"

Jornal do Comércio do RS. Comenta inclusive sobre uma possível venda.

citação: Jornal do Comercio do RS

Segundo trimestre deve mostrar retomada

39869

"Aos primeiros sinais da crise econômica que assola o mundo, os bancos de pequeno e médio porte foram apontados como as vítimas iniciais da turbulência que arrasava instituições financeiras nos mais diversos países. Os prognósticos eram de que não conseguiriam sobreviver à escassez de liquidez e seu destino seria a falência ou a aquisição por outros maiores. Passados alguns meses e com a divulgação dos balanços de 2008 - principalmente com os dados dos últimos três meses, os mais críticos -, a realidade se mostrou diferente graças a estratégias adotadas por cada instituição e também por medidas tomadas pelas autoridades monetárias, avalia o vice-presidente do Bicbanco, Milto Bardini. ""O ano de 2008 foi extremamente positivo, com uma bela evolução que permitiu ao banco, no final do ano, reduzir um pouco do exercício para se proteger melhor em 2009"", destacou o executivo, após a divulgação dos resultados de um lucro líquido de 320,1 milhões, 76,2% maior do que o de 2007. O desempenho seria maior se a direção do Bicbanco - o 6º maior banco de capital nacional privado - não tivesse optado reservar R$ 101 milhões para reforçar o caixa no quarto trimestre."

Jornal do Comércio - O pior já passou?

"Milto Bardini - Não é fácil responder essa questão. Na análise dessa crise, a cada cabeça corresponde uma sentença. Cada um tem a sua maneira de ver. Se eu tento retirar alguns elementos que, penso, representam um consenso de análises de diversos agentes, você há de convir que se trata de uma crise sem precedentes. Fato é que ela não está poupando nenhum país economicamente importante. Surgem cada vez com mais força comentários sobre países da Europa do Leste que agora estariam entrando em uma tal crise que deixam preocupados os bancos europeus, porque estes últimos têm muitos financiamentos naquela região. Os instrumentos que tendem a mensurar a gravidade da crise estão sendo desafiados de uma tal forma que, no ano passado, sem que nenhum de nós se tivesse dado conta, migramos da quantificação em bilhões de dólares para passar aos trilhões de dólares, e hoje parece corriqueiro falar de trilhões de dólares. Há uma continuidade de agravamento das consequências dessa crise, que vem vindo, vai rondando algumas regiões por mais tempo, mas é difícil de imaginar que o Brasil seja uma ilha de prosperidade absolutamente imune a todo esse vendaval."

JC - Com qual particularidade ela chega ao Brasil?

"Bardini - Ela atinge o Brasil de maneira diferente. Enquanto que no hemisfério Norte a crise começou na área de bancos e se estendeu em seguida à economia produtiva, aqui ela aparenta ter primeiro impactado as indústrias e ao comércio, e agora cria preocupações para os bancos. Essa diferença talvez mude o impacto da crise, mas o fato é que ela vai chegar, vai impactar as previsões do PIB e ainda há muita incerteza. Isso nos leva a adotar uma posição de cautela, sem necessariamente apontar para um ou outro nicho específico. O fato é que 2009 será um ano mais difícil que 2008. Se o resultado de 2008 nos deu a possibilidade de apartar uma reserva, isso já foi extremamente positivo."

JC - No quarto trimestre do ano houve uma redução de crédito e de captações no quarto trimestre em relação ao terceiro. Isso é um reflexo da crise ou de ações adotadas pelo banco?

"Bardini - O Bicbanco não vende carteiras de crédito. Onde é que ele busca os recursos na hora que precisa atender a uma maior exigência de liquidez? Ele chama na sua própria carteira de crédito. Na medida em que vencem créditos, solicitamos parcialmente um reembolso por parte dos clientes e construímos um volume de liquidez que seja suficiente para atender às necessidades que as retiradas exigem. No fim de 2008, o total de caixa disponível do banco chegou a R$ 1,969 bilhão, o que é significativo e, acima de qualquer dúvida, mostra a capacidade de atender a qualquer demanda de liquidez porque, naquela ocasião, a liquidez era a principal preocupação do mercado. Passado esse período, a liquidez foi de uma certa maneira resolvida, com cada um encontrando à sua maneira as soluções. Liquidez exige um maior nível se os detentores de depósitos solicitam reembolso e foi o que eles fizeram no último trimestre. Nós tivemos, por consequência, uma perda de depósitos e, para suprir essa necessidade, vamos aos nossos beneficiários de crédito e solicitamos reembolso de parte ou do todo que eles já buscaram. Reduziram-se os depósitos e também as carteiras de crédito de tal forma que quem saiu ganhando foi o volume de caixa disponível, que cresceu bastante no período. Não é o modelo de negócios que preferimos. O que preferimos e estamos agora trabalhando é para reduzir o volume de caixa, que foi salutar e prudente no seu momento. Agora, o mercado está muito mais calmo e emite claros sinais de que já retoma sua movimentação. Logo, os aplicadores estão retornando, realizando novamente os investimentos. Por conseguinte, está havendo uma conversão, o que fundamenta nossa crença de que o primeiro trimestre ainda vai ser relativamente difícil no sentido de que não haverá crescimento notório, o segundo trimestre pode sim vir a prenunciar um movimento de retomada."

JC - Os bancos médios são os que realmente mais sofreram com a crise?

"Bardini - É importante diferenciar as particularidades de cada um. Há bancos que têm concentração de atividades em ativos como consignados e financiamentos de veículos, dois produtos que por essência requerem prazos longos. Não era nada díficil encontrar financiamentos de veículos de cinco anos. Ora, o mercado de captação não faz correlação com esses prazos. CDBs têm prazos de 90, 180 dias, talvez um ano, mas não existem CDBs de prazo superior a um ano, ou, se existem, é de maneira muito mais reservada, menos corrente. Em uma crise de liquidez, aquelas organizações que têm ativos longos com passivos curtos encontram uma necessidade de buscar outra solução, uma outra receita para sustentar as carteiras de crédito que possuem, e essa receita tem sido a venda de carteiras, como ocorreu no final do ano passado para aquelas organizações que precisaram fazer e sobretudo aquelas que têm um tipo de negócio no qual existe um descasamento entre ativos e passivos. As outras, que têm um casamento mais adequado entre os prazos de ativos e passivos, sofrem menos. Havendo uma redução de depósitos, ao mesmo tempo vencem os ativos e vai recebendo. É verdade que houve, em algum segmento, uma necessidade de liquidez que foi suprida por diversas atitudes, inclusive algumas do governo, mas acho que ela está suplantada. A questão agora é saber se essas organizações estão dispostas e interessadas em prosseguir e se haverá a partir de agora abundância de liquidez suficiente para que elas retornem a fazer um trabalho de empréstimo tão importante quanto faziam no passado."

JC - Como o senhor vê o movimento de fusões e aquisições que se desenrola no País?

"Bardini - Temos visto exemplos, todos eles correlacionados com bancos grandes, ou de alguma forma movimentos no setor público. Até agora, em aparência, os movimentos singem-se a dimensões maiores. O mercado existe, a regra do capitalismo é tal - aqui e em outros países - que se houver vantagens para os diversos agentes, uma fusão é possível, seja entre grandes com menores, seja entre menores ou grandes entre si. A medida que esses movimentos forem se realizando no topo da pirâmide, diminui o número de possibilidades naquele topo. Que eu saiba não há nada de importante que esteja ocorrendo. Eu não descarto que isso possa ocorrer porque é da índole do capitalismo procurar melhorar a situação."

JC - E poderia ocorrer até mesmo com o Bicbanco?

"Bardini - Embora não exista absolutamente nada nesse sentido, ninguém, e nem eu, jamais dirá que nunca isso ocorrerá. Nem por isso significa que esteja acontecendo uma tratativa ou uma conversa que leve a esse ponto. Repito bem a minha colocação: é da natureza do sistema capitalista que as oportunidades sejam analisadas por todas as partes. Se a análise redunda num estudo mais aprofundado ou numa implementação mais concreta também é parte da dialética muito natural do capitalismo."

JC - Qual o posicionamento estratégico do banco para este ano?

"Bardini - Consideramos que 2009, se ele nos permitir restabelecer os volumes que atingimos pré-crise, nesse momento de dúvidas e de incerteza, já terá sido uma performance extremamente positiva, e nós acreditamos que isso começará a ser possível timidamente a partir do segundo trimestre e um pouco mais intenso no segundo semestre. Nossa ambição é retornamos à nossa atividade credíticia, que sempre foi a nossa, que é aquela que queremos desenvolver, que essa crise importada nos impediu e nos interrompeu e nós gostaríamos muito de voltar a fazer como no passado, com uma contribuição expressiva para a atividade econômica do País."

http://jcrs.uol.com.br/noticias.aspx?pCodigoNoticia=11896&pCodigoArea=33


2178 de 5068 Modificado em 07/Mar/2009 08:59 0

paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007

citação: DiogoafonsoOla smal!!

ja estava sentindo falta dessas dicas!! rs

sem esquecer que o paulo nos ajudou muito por aqui!

"como ja comentado antes, me diga 5 acoes que o senhor acha com maior poder de lucro.... ou melhor, quais seriam sua escolha, se so pudesse escolher 5 acoes?"

"sabe como é neh, ainda estudo...rs consequentemente falta dindin !! hehe"

Paulo de suas dicas tbm!

abraco!

"BICB4: para mim é o banco médio que acumulou ""maior gordura"" para passar o inverno que aí está, sendo portanto aquele que oferece menos riscos; ao preço de hoje, como bônus, é um dos mais baratos (se não o mais barato) do mercado; com um DY seguramente acima de 10% (o DY corrente é quase 13%) é como se vc aplicasse na melhor renda fixa disponivel, enquanto vc aguarda o mercado dar ao papel o seu devido valor."


2296 de 5068 10/Mar/2009 18:29 0

frommars1 Comentários: 530 - Desde: Mar 2008

"Especificamente sobre o Bicb4, acredito que a queda dos últimos dias tem conexão com a diminuição acentuada do número de termos. Estes contratos dispararam por época da boataria da venda do Bic para o Bradesco, o que não se confirmou. O pessoal que aguardava um baita upside em função da aquisição está desfazendo posições e por isso a força vendedora é maior. Número de aluguéis também continua alto para uma smallcap."


2424 de 5068 13/Mar/2009 09:42 0

paulorizzi Usuário Premium Comentários: 702 - Desde: Dez 2007

citação: Plantao de Empresas Bovespa(13/03) BICBANCO (BICB – N1) - Concluiu o 2o Programa de recompra de acoes e aprovou seu 3o Programa

DRI: Milto Bardini

Enviou o seguinte Fato Relevante:

"“Sao Paulo, 12 de marco 2009 - O Banco Industrial e Comercial S.A (“BICBANCO”) (Bovespa: BICB3 e BICB4), nos termos da Instrucao CVM n. 358/02 e da legislacao em vigor, vem comunicar aos seus acionistas e ao mercado que concluiu em 11 de marco de 2009 o seu segundo Programa de Recompra de acoes de sua emissao, aprovado pela Reuniao do Conselho de Administracao realizada em 09 de dezembro de 2008, totalizando 8.491.000 (oito milhoes, quatrocentos e noventa e um mil) acoes preferenciais."

"O BICBANCO comunica, ainda, em atendimento a Instrucao CVM n. 10/80 e a legislacao em vigor, que seu Conselho de Administracao aprovou em 12 de marco de 2009 o que segue:"

"I – Proposta de cancelamento de 8.491.000 (oito milhoes, quatrocentos e noventa e um mil) acoes preferenciais da Companhia, que se encontram em tesouraria, sem reducao do capital social, adquiridas por forca do 2o Programa de Recompra de acoes;"

II – Alteracao do Artigo 5o do Estatuto Social da Companhia para refletir o cancelamento das acoes citado no item anterior;

III – Aprovar o 3o Programa de recompra de acoes com as seguintes caracteristicas:

102427 de 10245014/Nov/2011 22:47 4
 small capsComentários: 5442 - Desde: Fev 2007
Não existe buy and hold sem acompanhar os balanços:

Vide BICB4, que vive seu inferno astral, curiosamente pior do que aquele vivido no ápice da crise de 2008 em termos de resultado:

http://www.bmfbovespa.com.br/cias-Listadas/Empresas-Listadas/ConsultaArquivo.as px?codigoCvm=21113&protocolo=311230&motivo=&idioma=pt-BR

Os balanços, sempre eles, podem melhorar, mas também podem piorar...

Compre quando está bom e o preço minísculo e mantenho o tempo em que for necessário até o cenário mudar. Ou seja, se o preço ficar absurdo ou os balanços começarem a "falhar"....

Por isso que as vezes vale a pena realizar os lucros.

BICBANCO COMPRA

(BICB4) PREÇO-ALVO: R$13,80

Prévia do 3T11: Os Piores Resultados Até Agora?
Henrique Navarro Renato Schuetz

Notícia/Análise: O BicBanco divulgará seus resultados do 3T11 no dia 9 de novembro, antes da abertura do mercado.
Esperamos um alto nível de despesas com provisões, de forma similar ao 2T11. O crescimento do crédito deve também
acompanhar a tendência decepcionante do 2T11, de acordo com nossas estimativas, com contração de 6% T/T e levando a um
crescimento de apenas 3% A/A. O banco continuou a investir em ativos de menor retorno e alta liquidez (principalmente títulos
do governo) em uma tentativa de evitar a armadilha de captação encontrada com frequência no setor de bancos de médio porte.
A nosso ver, essa abordagem é boa para propósitos de capitalização, mas dilui a lucratividade do banco, pois seu custo de captação
excede os retornos (os títulos soberanos brasileiros, ponderados a 0% para propósitos de ativos ponderados pelo risco (RWA), são o
meio usado pelos bancos de médio porte para investir sem afetar os índices de capital). Os dois pontos positivos do 2T11 que podem
se repetir no 3T11 (mas em menor proporção) são: (1) alto nível de recuperação de créditos (no 2T11, esse valor atingiu R$42
milhões, 10 vezes superior à média histórica) e (2) créditos tributários (R$66 milhões no 2T11). Entretanto, como são fontes
não recorrentes de valor, o mercado não deve dar a elas muita importância, em nossa opinião. Com esse fraco desempenho
esperado do crédito, o índice BIS deve ser mantido no nível de 16% (Tier I próximo a 12%).
Conclusão: O BicBanco manteve neste trimestre sua estratégia de se proteger, reduzindo sua carteira de crédito. Essa
estratégia reduz sua pressão de custo de captação, ao mesmo tempo em que também adia necessidades de capital antes da
implantação do novo critério Basileia III. Por outro lado, considerando nossas expectativas de um crescimento decepcionante
do crédito, de apenas 3%, o banco perde o atrativo em comparação a seus pares, que estão crescendo a um ritmo mais forte,
com inadimplência mais controlada. Acreditamos que a principal razão para o fraco desempenho operacional do BicBanco
refere-se a questões internas (isto é, uma carteira de 2008 que provou ser mais arriscada que o esperado inicialmente), e não
externas (condições de mercado pressionando fontes de captação). Se nossas estimativas se concretizarem, poderemos ver um
grande risco de baixa para nossos números para o final de 2011, o que pode nos levar a rever nossas estimativas também para
2012. Esperamos uma reação negativa do mercado aos resultados do 3T11, apesar do fraco desempenho no acumulado do ano.

102585 de 10260815/Nov/2011 23:59 10

 paulo_profComentários: 5187 - Desde: Jul 2009
O BicB está dando toda a pinta de ser o próximo IDVL ou BEES.

O Milto Bardini (vice presidente executivo) gosta de frases de efeito (os escolhos do estreito de Messina; a insustentável leveza do NIM; à vaincre sans péril ...; quo usque tandem ...?, etc) e de grandes bostejos, como

Nem só de benefícios é feita a globalização, e a turbulência atual está a confirmá-lo. Não bastasse a lenta agonia da periferia europeia, ou as dúvidas sobre a continuidade do crescimento chinês, eis que o maior devedor do mundo pôs-se a jogar roleta russa – com a cabeça de terceiros. Tais e tamanhas foram as componentes de incerteza no 2T11, que o Banco optou por estacionar seus recursos no caixa ao invés de alocá-los à carteira de créditos. Por mais custoso que possa ser esse procedimento, em circunstâncias semelhantes é recomendável baixar as velas e reduzir a exposição aos ventos.

Assim, o caixa disponível alcançou R$ 3,2 bilhões, impulsionado pelo crescimento de depósitos (+4,8%), enquanto a carteira de créditos recuou R$ 627 milhões. Em ambos os casos o movimento repercutiu negativamente nos resultados e nos indicadores que lhes são relativos. Por seu lado, as perspectivas sombrias do cenário contribuíram para reforçar a conveniência, já pressentida em nosso Release do último trimestre, de reavaliar os níveis de provisionamento de uma série de clientes, cuja estrutura financeira suscitava questões quanto à capacidade de cumprimento de seus futuros compromissos. Esse incremento de provisões foi parcialmente compensado por receitas circunstanciais, seja de natureza fiscal, sejam provenientes de recuperações de créditos já reconhecidos em prejuízo.

O Banco permanece atento às variáveis formadoras dos cenários de riscos, global e individuais, que embasam o nível de provisionamento adotado. Embora a avaliação efetuada corresponda à atual exegese dos elementos, eventos futuros, em particular os vencimentos dos créditos cujos ratings foram rebaixados, serão determinantes para aquilatar a suficiência do esforço já consentido em matéria de provisões.

Ficam quaisquer indicadores de atividade relativos ao 2S11 integralmente dependentes da dissipação das incertezas reinantes. A percepção presente é que o caminho será permeado de desafios, cujo enfrentamento a afirmação de Corneille poderá, se tanto, enobrecer.

no 2o. trimestre, emais do mesmo no 3o. trimestre

Perpetua-se a situação de inconforto, derivada da névoa de incerteza reinante no mercado internacional. Como, em tais circunstâncias, não há blindagem perfeita (na globalização você não escolhe nem descarta, sujeita-se), continuou prevalecendo a posição de cautela adotada pelo Banco desde o 2T11. Frente à exacerbação da crise, ao gestor de riscos só resta comparar as possíveis perdas originadas de um excesso de cautela àquelas provocadas por sua insuficiência: num caso ele se veria privado de margens, noutro de principal. A opção impõe-se pela obviedade.

Em consequência, não foi ainda desta feita que as disponibilidades de caixa (R$ 3,7 bilhões) foram alocadas à carteira de créditos, a despeito do confortável limite de Basileia (17,5%), do clima positivo para as captações no mercado doméstico, ou ainda do favorável matching das durations (891 dias no Funding, contra 299 dias na carteira de créditos). Acossado pela aversão ao risco, o volume da carteira de crédito foi reduzido em 7,9%, comparativamente ao trimestre precedente.

Paralelamente, foi complementado o movimento de reforço de provisões para perdas, com vistas a elevar seu patamar a um nível julgado adequado e suficiente para resistir aos stress-tests que a crise se encarregará de aplicar. Foram integralmente destinadas a este fim as receitas circunstanciais provenientes de crédito tributário de afiliada.

Pressionado pelos efeitos negativos do caixa elevado, da redução da carteira de créditos e do incremento de provisões, o resultado do trimestre apresenta-se aquém do esperado para tempos de normalidade, mas compatível com o entorno da crise que o moldou.

Uma vez cessado o abusivo desafio ao qual eventos internacionais submetem nossa paciência, e tão logo o ambiente de incerteza migre decisivamente para o de risco, o Banco estará preparado para retornar às produção e performance usuais, o que se espera seja o caso para 2012.

mas o fato é que o banco vai mal das pernas.

Não é a simples pisada no freio (operações de crédito que chegaram a R$ 14,424 bilhões ao final do 1T11, emplacaram o final do 3T11 em R$ 12,985 bilhões) que preocupa. Não é difícil entender a decisão de se fetuar uma gestão conservadora da carteira de créditos até que se possa enxergar melhor através da bruma da crise global. Um enxugamento da carteira de crédito só tem sentido se for seletivo, ou seja, se a qualidade da carteira melhora no processo.

Não é o que está ocorrendo. A "qualidade" da carteira, quando medida em termos do PDD/Carteira Total, que estava em 3,23% no fima do ano passado e que havia melhorado ao final do 1T11 para 2,99%, piorou para 3,79% ao final do 2T11 e continuou piorando para 4,15% ao final do 3T11.

Os créditos baixados a prejuízo nos 9M11, no valor de R$ 273 milhões, superam em 35% os valores do ano passado, embora a carteira de crédito média nos 9M11 fosse somente 16,6% maior do que aquela de 2010.

Estes dois fatores são responsáveis pela "explosão" nas despesas de PDD: o valor despendido nos 9M11 (R$ 375 milhões) é mais do que o dobro daquele dispendido nos 9M10. O pior é que as despesas de PDD vêm crescendo continuamente: de R$ 65 milhões no 4T10, passaram para R$ 71 milhões no 1T11, para R$ 137 milhões no 2T11 e explodiram para R$ 167 milhões no 3T11.

Quem olha somente para a última linha da Demonstração de Resultados deve até estar achando que o trimestre foi razoável ... Mas o fato é que o lucro de R$ 54 milhões só foi possível devido ao diferimento de impostos: uma injeção de R$ 73 milhões na veia do lucro. Nos 9M11, não fossem os R$ 143 milhões injetados na forma de impostos diferidos, o lucro mal e porcamente emplacaria os R$ 150 milhões.

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:
- O BICBANCO é especializado na concessão de crédito corporativo ao segmento de Middle Market - empresas com faturamento anual entre R$ 50 milhões e R$ 500 milhões.
Possui ampla gama de produtos e serviços dirigidos à sua diversificada base de clientes, atendidos em todo o País. Com mais de 70 anos de experiência nessa atividade, destaca-se como um dos bancos mais tradicionais do Brasil, apoiando a sustentabilidade e perenidade de seus negócios graças a iniciativas relacionadas às boas práticas de governança corporativa, à ética empresarial e ao controle de riscos.
Em outubro de 2007, o Banco concluiu sua oferta pública de distribuição primária e secundária de ações, tendo celebrado o contrato de adesão ao Nível I de práticas diferenciadas de governança corporativa da BM&FBOVESPA.      
      

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )




·  PONTOS POSITIVOS:
- Captações totais atingiram R$ 14.904,5 milhões no 3T11, crescimento de 2,1% e 27,2% nos comparativos com 2T11 e 3T10, respectivamente. Os depósitos a prazo totalizaram R$ 7.916,1 milhões, recuo de 1,2% e expansão de 13,0% com relação aos mesmos períodos. 
- O índice de Basileia do BICBANCO, ao final do 3T11, era de 17,54%, aumento de 1,49 p.p. em relação ao 2T1,
- Operações de crédito 12.425,4 M  -7,9%  ( num cenário de crise e aumento de inadimplência, melhor previnir que remediar prejuízo )
- Títulos e valores mobiliários e derivativos  928,0 M  +16% comparação 3Tx2T11
- Ativos totais 17.997,2  ( estavel ) comparação 3Tx2T11
- Receitas de prestação de serviços 19,7 M  +9,5% comparação 3Tx2T11
- Remuneração aos acionistas (R$ milhões):  Juros sobre o capital próprio  26M   Dividendos  5M     +19%
- Índice de eficiência 56,3% +8,1p.p.  comparação 3Tx2T11
- Índice de Basileia 17,5%  +1,4p.p. comparação 3Tx2T11
- Margem financeira 8,4% +0,2p.p. comparação 3Tx2T11
    
·  PONTOS NEGATIVOS
- Operações de crédito alcançaram R$ 12.425,4 milhões em 30 de setembro de 2011, recuo de 7,9% ante o trimestre anterior, expansão de 1,5% em 12 meses. As operações de crédito acrescidas por avais e fianças totalizaram R$ 13.638,5 milhões.
- A rentabilidade (ROAE) anualizada foi de 11,1% no 3T11, diminuição de 2,8 p.p. ante o trimestre anterior. Nos nove primeiros meses de 2011, o lucro líquido atingiu R$ 202,3 milhões, proporcionando rentabilidade anualizada de 13,9%.
- Patrimônio líquido 1.997,0  -1,3% comparação 3Tx2T11
- Resultado da intermediação financeira  175,0M  -11,2% comparação 3Tx2T11
- ROAE 11,1%   -2,8 p.p. comparação 3Tx2T11
- ROAA 1,2% -0,3 p.p. comparação 3Tx2T11
- Despesas de pessoal (48,1)  +2,7%
- Despesas administrativas (44,2) +12%
- Resultado operacional  37,7  -36%
- Lucro líquido 53,5 -20%
- Inadimplência e provisão para perdas, NPLs no 3T11, que passou de R$ 253,3 milhões para R$ 344,9 milhões.  +36%


VISÃO ESTRATÉGICA
-   
·  CURIOSIDADES
- No decorrer do 3T11, foi iniciado e concluído o 4º Programa de recompra das ações BICB4. Em 30 de setembro de 2011, o Banco possuía 6.879.540 ações preferenciais em tesouraria, no montante de R$ 58,6 milhões, adquiridas no período de 06/07/2011 a 09/09/2011. O custo médio de aquisição das ações foi de R$ 8,51, o custo mínimo e máximo foram respectivamente R$ 6,96 e R$ 9,70.   
         

·  OPINIÃO DO ANALISTA
- O banco não teve um resultado bom, principalmente pelo conservadorismo no momento de crise, reduziu exposição ao risco e volumes de concessão de crédito, quando o setor como um todo foi na direção contrária. Aumentou em mais de 35% o PDD o que também não é um bom sinal e demonstra que o risco anda em alta. Possui um indice de basiléia elevado, consequencia do conservadorismo e aversão a alavancagem. Deixo a mensagem do presidente para reflexão, aqui vai do perfil de cada um, pode ser uma estratégia vencedora se realmente a crise vier de modo avassalador ou perda de tempo e mercado, caso perdure esta indefinição por um prazo muito longo: " Perpetua-se a situação de inconforto, derivada da névoa de incerteza reinante no mercado internacional. Como, em tais circunstâncias, não há blindagem perfeita (na globalização você não escolhe nem descarta, sujeita-se), continuou prevalecendo a posição de cautela adotada pelo Banco desde o 2T11. ...  Uma vez cessado o abusivo desafio ao qual eventos internacionais submetem nossa paciência, e tão logo o ambiente de incerteza migre decisivamente para o de risco, o Banco estará preparado para retornar às produção e performance usuais, o que se espera seja o caso para 2012. "

106686 de 106725 11/Dez/2011 15:04 gustgef Comentários: 357 -Desde: Abr 2008 citação: MuadibGV
Outro dia li o livro de finanças comportamentais do Aquiles Mosca. Uma das tendências inatas do comportamento humano que se manifesta nos investimentos é atribuir nossos sucessos à nossa "genialidade" (sou phoda, etc.) mas atribuir nossos fracassos à fatores externos que independem de nossa vontade (foi a crise, etc.). Parece que isso acontece para evitarmos a dor de reconhecer o erro (é sério mesmo, não é sacanagem). Estou falando isso porque acho que a coisa mais importante das "cagadas" que fazemos como investidores é o aprendizado que podemos ter , se formos espertos o bastante para isso. Minha última (se bem que não a pior) , por exemplo, foi comprar BICB4 na casa dos 11 reais achando que esse banco iria manter um ROE por volta de 20% de forma recorrente quando a grande maioria dos bancos que atua nesse setor não consegue isso. Lição aprendida e bola pra frente. A queda do ROE do BICBanco não foi por causa da falta de capacidade do banco de manter a rentabilidade elevada, e, sim, por conta do aumento do compulsório realizado pelo BC no final de 2010 (ou começo de 2011 não me lembro bem). O lucro dos bancos advém do famoso Spread (diferença entre o custo do dinheiro captado e o valor recebido pelo dinheiro emprestado), com o compulsório elevado os bancos superavitários (itaú, bradesco, banco do brasil) minguaram as ofertas de crédito pros bancos deficitários ( bicbanco, pine, abcbanco). Alguns conseguiram liquidez de outras formas, mas parece que o bicbanco foi o mais afetado de todos. Pensando dessa maneira, caso o BC volte a cortar o compulsório (possibilidade amplamente considerada nesse momento de desaquecimento econômico) o BICBanco passa a ser de "o banco médio menos interessante" para "o banco média MAIS interessante", apesar de que todos bombariam do mesmo jeito.

19534 de 1955124/Dez/2011 18:13 0
 rcbocardo Comentários: 4832 - Desde: Jun 2007
RELATÓRIOS SANTANDER:

BICBANCO (BICB4) PREÇO ATUAL: R$7,05
PREÇO-ALVO: R$12,80
APRESENTANDO PREÇO-ALVO DE R$12,80 PARA O FINAL DE 2012
Henrique Navarro
Renato Schuetz
TESE DE INVESTIMENTO
􀂄 A ação do BicBanco registrou um desempenho negativo de 30% abaixo do mercado
no acumulado do ano frente ao Ibovespa, em virtude de: (1) risco de “overhang”
(excesso de liquidez devido a uma emissão de capital) ; e (2) fraco desempenho
operacional em 2011. Isso trouxe sua avaliação para um nível a nosso ver atrativo,
negociada hoje a um P/VPA 2012E de 0,8x.
􀂄 Esperamos uma recuperação no desempenho operacional do banco em 2012. Em
2011, ele foi fraco, em especial no 2T11 e no 3T11, devido a uma combinação de:
(1) a necessidade de preservar a liquidez, investindo em ativos liquidos, como títulos
do governo, o que diluiu a lucratividade; e (2) a carteira de crédito apresentou risco
acima do esperado, exigindo um aumento nas provisões. Entretanto, em 2012,
esperamos que o crescimento do crédito acelere em linha com os padrões da
indústria, e estimamos que o índice de inadimplência (E-H) retorne a um nível de
4,0%.
􀂄 Computamos um desconto de 25% na avaliação para levar em consideração o risco
de “overhang” e ainda encontramos um potencial de alta atrativo em nosso preçoalvo
para o final de 2012. Embora o índice BIS do BicBanco de 17,5% deva ainda
permitir um aumento sólido em sua carteira de crédito, seu capital Core Tier I (de
acordo com as diretrizes Basiléia III) cria uma situação de impasse, em nossa
opinião, pois o banco ou perderia seu brilho ao crescer a uma taxa inferior a seus
pares, ou teria que aumentar o capital, aumentando, dessa forma, os temores de um
risco de excesso de liquidez.
PERSPECTIVA PARA 2012
􀂄 Com níveis normalizados de provisões, o BicBanco deve se recuperar do
crescimento inexpressivo de 1% do crédito no acumulado do ano que apresentou até
o 3T11, para atingir algo em torno de 15% em 2012, em linha com nossa expectativa
para o sistema bancário. Porém, salientamos que o banco está entrando em um novo
mix de estrutura de captação, que tem custo mais alto. A nosso ver, portanto, o
banco pode não retornar, no futuro próximo, aos níveis de ROE anteriores a 2011,
de 18%, e esperamos um nível na faixa de 10-15% daqui para frente.
Código B loomberg
6,91- 14,60
1.079
1,2
-0,5%
Website
* em US$

Dados da Empresa, 13 de dezembro de 2011
Período de 52 Semanas (R$)
www.bicbanco.com.br
TMCC do Lucro Líquido 3 Anos (10-13E)*
Vol. M édio Diário (US$ M ilhões)
Valor de Mercado (US$ Milhões)
BICB4 BZ
Fontes: Bloomberg e estimativas do Santander.

AVALIAÇÃO E RISCOS
Usamos um modelo de superávit de capital descontado para as operações bancárias do BicBanco, aplicando um múltiplo
P/VPA 2012E de 1,0x para o montante de superávit de capital e um valor presente líquido para avaliar os créditos
tributários do banco. Nosso preço-alvo para o final de 2012 substitui o alvo para o final de 2011 de R$13,80. Os riscos
incluem inadimplência acima do esperado, crescimento do crédito abaixo das expectativas, compressão de margens
decorrente do acirramento da concorrência, e risco regulatório em função de exigências mais severas de capital.
O Banco Industrial e Comercial S/A – BicBanco – fundado em 1938 e controlado pelo Grupo Financeiro Bezerra de Menezes,
é um dos mais antigos bancos privados do Brasil. Tem foco no crédito a PMEs, um segmento no qual tem mais de 70 anos
de experiência. O banco visa desenvolver forte relacionamento com seus clientes e obter um conhecimento profundo dos
mercados em que eles atuam, permitindo-lhe registrar índices de inadimplência e perdas com crédito abaixo da média. Seu
IPO na Bovespa foi realizado em outubro de 2007.

113828 de 11388706/Fev/2012 12:10 5
 paulo_profComentários: 5704 - Desde: Jul 2009
citação: dbcoelho
Prof, e quanto ao BICB4? Poderia comentar sua situação atual. Já deu muitas alegrias e parece estar em bom momento de novas entradas.
Agradeço desde já.
Abs.


Não há como efetuar previsões relativas ao BICB. Os resultados dependem demais do humor do Baldini e seus colegas.

Vc já deve ter percebido que, mais do que qualquer outro fator, o que determina mesmo o lucro de um banco são as despesas com provisões para devedores duvidosos. Isto acaba sendo mais importante do que o custo do levantamento de capital para empréstimos, receitas com serviços, etc.

Não há como efetuar projeções/previsões de lucro, portanto, se não se conseguir prever com alguma precisão, o tamanho das despesas de PDD.

No exercício de 2010, o BICB gastou uma média de aprox. R$ 62 milhões trimestrais com o PDD. Considerando um crescimento da carteira de crédito e dando margem para algum crescimento da inadimplência ou diminuição da qualidade da carteira, vamos dizer que para o exercício de 2011, despesas trimestrais de pDD na faixa dos R$ 80 milhões seriam "palatáveis".

No 1T11, estas despesas somaram R$ 71 milhões; no 2T11, R$ 137 milhões; no 3T11, R$ 167 milhões (mais do que o dobro do valor base projetado!!!).

Vc arriscaria chutar de quanto serão as despesas de PDD no 4T11?

O banco afirma que gastou tudo isto em PDD nos últimos 6 meses para se precaver de um cenário negro que seria causado pela crise européia ...

Como vimos, embora o céu não seja de brigadeiro, está longe de estar super negro ... Como é que Baldini e Cia. vão encarar o cenário corrente? De forma super conservativa ou vão relaxar a política de provisões?

Dependendo das despesas de PDD, o resultado líquido do 4T11 poderá variar entre os R$ 85 milhões e os R$ 135 milhões.

Nenhum comentário: