Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sexta-feira, 6 de março de 2020

Positivo Tec (POSI)


Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: ikkii (2017fev/17) - Ikki de Phoenix (2013) - joaoricci (2017) - paulo_prof (mar/17) - SmallCaps (out/08) - tatobarreto (2017) - TLT123 (mar/17)
Carteiras
17andre (dez/16) - acarlos321 (nov/16) - BAC 1000 (out/12ago/16set/16out/16nov/16, dez/16jan/17) - Banzai10 (ago/17) - cesar muzel (dez/16jan/17, fev/17mar/17) - Chinese_Wall (jan/16, fev/16) - CPM22 (nov/16) - danieljoseaa (fev/13mar/13) - eduardojose (dez/17) - effexop (set/17) - empatobranco (out/16nov/16, dez/16jan/17) - fabioP10 (mai/17) - FRBRAVIM (out/16, nov/16set/17) - Gersonlp (out/16, nov/16) - Gusmaran (mar/17) - harleyhr (nov/17) - ikkii (ago/16set/16out/16nov/16dez/16jan/17fev/17mar/17abr/17mai/17jun/17) - ispholambra (set/16out/16, nov/16dez/16jan/17fev/17mar/17, abr/17, mai/17jun/17jul/17, ago/17, set/17, out/17nov/17) - Jorge Tomaz (set/16set/17) - letzow (fev/17mar/17) - malaufer (ago/16set/16, out/16) - Minkowski (set/16, out/16nov/16) - monedsan (set/16) - paulo_prof (fev/17mar/17, abr/17mai/17jun/17, jul/17, ago/17, set/17, out/17nov/17jun/18mai/19jun/19jul/19) - pobre (jan/13set/16, out/16jul/17ago/17) - polycrav (fev/13) - PURAT (jun/16fev/17) - RRunner (jan/17) - TLT123 (dez/16jan/17fev/17mar/17, abr/17mai/17jun/17, jul/17ago/17) - Trifloripasempre (fev/13) - ZOTTI (jan/17)
Códigos de Negociação
Tipo
POSI3
 Novo Mercado
Balanços

2T2019 -

A2018/4T2018 -

A2017/4T2017 -

3T2017 -


1T2017 -

A2016/4T2016 -

3T2016 -




2T2016 -

A2012/4T2012 -
Características
Fabricação de Hardware.
Assuntos mais Comentados

Links

Balanços (Calendário)

Dividend Yield
2020
2019






1,69%





Payout
2020
2019






27,7%










367628  - paulo_prof  -  05 Mar 2020, 13:29
Resultado positivo no sentido de que a empresa tenha conseguido postar uma última linha azul pelo 2o trimestre consecutivo. Negativo porque os resultados do 3T19 foram mais fracos do que aqueles do 3T18 e porque, a menos de que o hedge permita uma grande receita financeira, os resultados deverão regredir no 4T devido à desvalorização do real.

Se os resultados dos últimos 2 trimestres forem anualizados e um cenário de 5 anos for considetado, para justificar o preço atual teriam que crescer 9,5% reais a.a.

Não vai acontecer. O ativo, portanto, está caro!.

ec2y1dQ5ALnQ=

POSI3

PREÇO: R$ 7,40

PAYOUT (2016): 25%

MÚLTIPLOS RELATIVOS AOS ÚLTIMOS 12 MESES TERMINADOS NO 3T18

P/L 65,01

P/VPA 1,22

PSR 0,33

DY 0,39%

EV/EBITDA 5,94

MARGEM BRUTA 27,6%

MARGEM OPERACIONAL 1,5%

MARGEM LÍQUIDA 0,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,114

MARGEM EBITDA 8,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 129,6%

ROE 1,88%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,28

Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,97%

RESULTADO BRUTO +11,86%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +169,76%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +66,99%

b) 3T19 sobre 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,89%

RESULTADO BRUTO -6,55%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +274,35%

RESULTADO OPERACIONAL -6,59%

RESULTADO LÍQUIDO -36,25%

EBITDA +12,12%

c) lucro líquido, nominal

UA passou de negativo para positivo

U2A passou de negativo para positivo

U3A passou de negativo para positivo

d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 1,44%

U2A -3,74%

U3A -3,09%

e) Ebitda, nominal

UA 66,99%

U2A 7,72%

U3A 9,13%

U4A 8,82%

U5A -1,87%

U6A 4,60%

U7A 3,99%

U8A passou de negativo para positivo

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,42

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +44,0% !!!!


Os Resultados do 4T19 foram muito bons, se comparados com os resultados horr[iveis do 4T18, mas mediocres e muito abaixo do que seria compatível com a precificação atual.

No exerfcício, os resultados podem ser considerados bastante razoáveis, especialmente se comparados com aqueles do exercício de 2018.

Se tudo estivesse normal, acho que o ativo poderia ser considerado como bem precificado. Mas com o coronavirus, acho que a empresa sofrerá pelo menos nos próximos 2 triemestres.

Em consequência, acho um investimento no ativo aos pfreços atuais, arriscado.



ec2y1dQ5ALnQ=



POSI3

PREÇO: R$ 6,60

PAYOUT (2019): 27,7%



MÚLTIPLOS RELATIVOS AOS ÚLTIMOS 12 MESES TERMINADOS NO 4T18

P/L 16,41

P/VPA 1,08

PSR 0,30

DY 1,69%

EV/EBITDA 6,11

MARGEM BRUTA 25,1%

MARGEM OPERACIONAL 1,5%

MARGEM LÍQUIDA 1,8%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,402

MARGEM EBITDA 7,5%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 146,1%

ROE 6,59%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,25



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -1,85%

RESULTADO BRUTO -6,66%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +8,94%

RESULTADO OPERACIONAL +176,36%

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +26,21%



b) 4T19 sobre 4T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,23%

RESULTADO BRUTO -34,08%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -80,10%

RESULTADO OPERACIONAL -3,39%

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA -23,08%



c) lucro líquido, nominal

UA passou de negativo para positivo

U2A passou de negativo para positivo

U3A 57,83%



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 2,20%

U2A -2,15%

U3A -2,56%



e) Ebitda, nominal

UA 26,21%

U2A 8,24%

U3A 0,07%

U4A 12,44%

U5A -0,40%

U6A 0,55%

U7A 5,47%

U8A passou de negativo para positivo

U9A 0,07%

U10A -2,06%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 5,02

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +6,5% !!!!

05/03/2020 - Apresentações a analistas/agentes do mercado


04/03/2020 - DFP  31/12/2019

21/01/20 - Aprovou a oferta pública com emissão de 40.000 ações.

365569  - paulo_prof  -  29 Nov 2019, 15:00
Resultado positivo no sentido de que a empresa tenha conseguido postar uma última linha azul pelo 2o trimestre consecutivo. Negativo porque os resultados do 3T19 foram mais fracos do que aqueles do 3T18 e porque, a menos de que o hedge permita uma grande receita financeira, os resultados deverão regredir no 4T devido à desvalorização do real.

Se os resultados dos últimos 2 trimestres forem anualizados e um cenário de 5 anos for considetado, para justificar o preço atual teriam que crescer 9,5% reais a.a.

Não vai acontecer. O ativo, portanto, está caro!.
p.php?pid=chartscreenshot&u=A01nJ0nXlhmK


POSI3

PREÇO: R$ 7,40

PAYOUT (2016): 25%



MÚLTIPLOS RELATIVOS AOS ÚLTIMOS 12 MESES TERMINADOS NO 2T18

P/L 65,01

P/VPA 1,22

PSR 0,33

DY 0,39%

EV/EBITDA 5,94

MARGEM BRUTA 27,6%

MARGEM OPERACIONAL 1,5%

MARGEM LÍQUIDA 0,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,114

MARGEM EBITDA 8,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 129,6%

ROE 1,88%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,28



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,97%

RESULTADO BRUTO +11,86%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +169,76%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +66,99%



b) 3T19 sobre 3T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,89%

RESULTADO BRUTO -6,55%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +274,35%

RESULTADO OPERACIONAL -6,59%

RESULTADO LÍQUIDO -36,25%

EBITDA +12,12%



c) lucro líquido, nominal

UA passou de negativo para positivo

U2A passou de negativo para positivo

U3A passou de negativo para positivo



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA 1,44%

U2A -3,74%

U3A -3,09%



e) Ebitda, nominal

UA 66,99%

U2A 7,72%

U3A 9,13%

U4A 8,82%

U5A -1,87%

U6A 4,60%

U7A 3,99%

U8A passou de negativo para positivo



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,42

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +44,0% !!!!

364088  - paulo_prof  -  10 Set 2019, 05:06
Para variar um pouco, os resultados parecem terem sido bastante bons, especialmente no que concerne a Receita Líquida e Resultado Bruto. Em relação ao 2T18 houve ganho importante na Receita (+16,51%) e na margem bruta (passou de 23,6% para 27,3%).

Os Resultados Operacional (Antes dos Impostos) e Lucro Líquido teriam sido muito melhores não fosse um Resultado Financeiro sofrível. O custo do Endividamento Líquido de aprox. R$ 250 milhões no início do trimestre emplacou R$ 18,6 milhões, ou 7,44%. Anualizado, isto dá 33,2%, um absurdo! Como se isto não bastasse, a posítica de hedge também produziu uma resultado negativo em R$ 4,3 milhões.

A empresa ganhou market share no segmento de celulares, passando de 2,7% no 2T18 para 3,7%, ganho de 1 ponto percentual, ou 37%. Por outro lado, entretanto, perdeu mercado no segmento de PCs, passando de 16,9% para 14,3%, ou -15,4%.

A empresa aposta no crescimento de novos negocios (Positivo Casa Inteligente - IoT para casas e Positivo As a Service - locação de equipamentos) e no segmento corporativo, focando em pequenas e médias empresas.

Acho que pode valer a pena ficar de olho nos próximos resultados. Quem sabe, a empresa consegue entregar resultados positivos mais consistentes. Nos últimos 4 anos os resultados trimestrais apresentaram tremenda volatilidade.
p.php?pid=chartscreenshot&u=YX5s%2000cXZ


POSI3

PREÇO: R$ 3,45

PAYOUT (2016): 25%



MÚLTIPLOS RELATIVOS AOS ÚLTIMOS 12 MESES TERMINADOS NO 2T18

P/L 21,11

P/VPA 0,57

PSR 0,15

DY 1,19%

EV/EBITDA 4,02

MARGEM BRUTA 27,6%

MARGEM OPERACIONAL 1,5%

MARGEM LÍQUIDA 0,7%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,163

MARGEM EBITDA 7,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 126,9%

ROE 2,72%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,31



Taxas de Crescimento

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 2T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,16%

RESULTADO BRUTO +17,81%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +87,80%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +73,07%



b) 2T19 sobre 2T18, nominal

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +16,51%

RESULTADO BRUTO +34,51%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +211,87%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +526,58%



c) lucro líquido, nominal

UA passou de negativo para positivo

U2A 730,10%

U3A passou de negativo para positivo



d) patrimônio líquido médio, nominal

UA -0,30%

U2A -3,95%

U3A -4,14%



e) Ebitda, nominal

UA 73,07%

U2A 5,20%

U3A 8,39%

U4A 7,46%

U5A -1,33%

U6A 4,29%

U7A 3,44%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,04

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +13,0% !!!!

360061 - paulo_prof -  02 Abr 2019, 16:43
Os resultados do 4T18 só comprovam não estar de todo equivocada a opinão que expressei acima.

Inicialmente, reproduzo aqui os auto-elogios da empresa externados em seu relatório

DESTAQUES DO 4T18 E DE 2018

 Crescimento de 18,5% nas vendas de PCs no Brasil em 2018, sendo:

 20,2% no Varejo

 32,4% no Corporativo

 7% no Governo

 Ganho de 1,8 p.p. de market share¹ em PCs no Brasil em 2018, registrando 16,9%

 Em celulares, aumento de 0,2 p.p. de market share¹ em 2018, alcançando 3,2%

 EBITDA Ajustado de R$ 46,9 milhões (+100,5%) no 4T18, acompanhado de margem de 8,6% (+4,6 p.p.). Em 2018, EBITDA Ajustado de R$ 114,1 milhões

 Nível de endividamento controlado, com múltiplo Dívida Líquida / EBITDA Ajustado de 1,9x

 Entrada no mercado de servidores com aquisição de 80% da Accept

 Abertura de FIP para aportes em empresas de base tecnológica com recursos alocados das obrigações de investimento em P&D

 Renovação do contrato de patrocínio com o Corinthians para 2019



O que a empresa deixa de relatar é que com todos estes salameleques, não foi capaz de produzir lucro.

"Ahhh ... espera aí ... é o o Ebitda Ajustado de R$ 46,9 milhões, não conta? Não conta ... porque o investidor não viu a cor desta grana, seja em proventos, seja em ganho de PL (o PL aumentou aprox. R$ 3 milhões em um ano). O endividamento líquido, por outro lado, aumentou de R$ 135 milhões em 2017, para R$ 214 milhões em 2018.



Também deixa de ressaltar a falência de sua gestão financeira.

A margem bruta de 28,9% no 4T18 mais do que compensou a queda na Receita Líquida. No 4T18, a Receita Líquida foi 7% menor do que aquela do 4T17, mas naquela ocasião a empresa conseguiu uma margem bruta sensivelmente menor (apenas 20,5%). O Resultado Bruto do 4T18 seria mais do que o suficiente para a empresa fechar o trimestre no azul, não fosse, mais uma vez, a barbeiragem do Diretor Financeiro.

Não é de hoje que critico a peça ... não pode estar fazendo as coisas certas. Não dá para uma empresa que iniciou o trimesytre com um endividamento líquido de R$ 238 milhões conseguir postar um Resultado Financeiro Negativo de R$ 42,5 milhões.

No 4T18, a empresa teve uma despesa caixa de R$ 14,5 milhões devida ao hedge de insumos e mais R$ 8,4 milhões relativos a marcação a mercado e outros itens não caixa. O endividamento, propriamente dito, resultou num resultadi finaceiro negativo em R$ 14,8 milhões que, anualizado, correspondem a 27,3% !!! Vá ser ruim lá adiante!

356912 - paulo_prof  -  18 Dez 2018, 12:18
Para mim, a Positivo é uma empresa que não inspira confiança no que concerne resultados positivos sustentáveis. Ou seja, se "as coisas" dão certo é capaz de postar lucro. Caso contrário, a última linha é prejuízo. De um lado, isto é consequência de uma margem bruta pequena e relativamente volátil, devido à enorme competição que se verifica no setor. Quando a margem bruta é menor do que 26%, a probabilidadde da empresa postar prejuízo é grande. Um outro fator que é determinante para a "cor" da última linha da DRE é o efeito líquido do hedge cambial. Neste exercício, o efeito caixa do hedge dos insumos e a marcação a mercado e outros ítens não caixa somou R$ 14,5 milhões positivos (receita). No 3T18, foi contabilizada uma receita de R$ 10,7 milhões. Não fossem estas receitas financeiras, o empresa teria postado um lucro pífio no 3T18 e um prejuízo nos 9M18.

Moral da história: se vc me perguntar se espero lucro ou prejuízo no 4T18 terei que confessar: não faço idéia!

356458  - paulo_prof  -  03 Dez 2018, 19:16
Citação: aeronave - Post #356439 - 03/Dez/2018 12:15
Prof Paulo, qual sua analise de posi3?
teve lucro de 11 milhoes, reduçao de despesas administrativas e celular com maquininha da cielo parece vender bem? falta muito para completar turn around?
Não li o relatório em detalhes ...

Pelo que vi, não arrisco a afirmar nada ...

Os números dizem que o 3T18 foi caracterizado por uma melhora na margem bruta. Se a margem bruta

tivesse permanecido no nível do 2T18, o resultado líquido provavelmente teria sido negativo.

Em relação ao ano passado, o que melhorou foi o resultado do hedge, Nos 9M17, o hedge produziu um efeito caixa negativo dos insumos, de R$ 14 milhões. Por outro lado, a marcação a mercado e outros ítens não caixa produziu uma despesa financeira de R$ 5,8 milhões. Já nos 9M18 a situação se inverteu, com as despesas acima virando receita, respectivamente, R$ 2,9 e 11,6 milhões. Do total desta receita de R$ 14,5 milhões nos 9M18, R$ 10,7 milhões foram produzidos no 3T18 !!! Será que não foi esta a razão principal para o bom resultado? Não sei ...

348408  - paulo_prof   -  26 Mar 2018, 20:29
Citação: eduardojose - Post #348396 - 26/Mar/2018 13:43
Bom Dia!
Professor postou as análises referente aos resultados da Positivo?
Não ... não postei.

Estava seguindo a empresa mais de perto, desde o 2o. semestre de 2016, quando o Gusmaran chamou a atenção para a mesma.

A cada trimestre mais me convenço que a administração é fraca e, em consequência, como atua num mercado muito competitivo, dificilmente a empresa conseguirá postar resultados positivos de uma forma consistente.

O indicador mais claro da incompetência da administração da empresa é a abundância de justificativas para os resultados pífios que são postados, trimestre após trimestre. Em todo este período, nunca li ou ouvi uma única observação no sentido de, "erramos", temos que melhorar. Aos incautos fica então parecendo que os resultados são frutos inexoráveis das circunstâncias de mercado, do câmbio, do diabo a quatro ...

A justificativa apresentada para o desastre do 4T são os não recorrentes ... ocorre que, se não há trimestres sem não recorrências, apresentar qual seria o resultado sem os respectivos valores perde o sentido. Acaba sendo muito mais preciso o analista que soma todos estes valores, digamos, em 2 anos, e divide o resultado por 8 trimestres, obtendo uma valor médio trimestral de "não recorrentes", que deve ser levado em consideração.

No exercício de 2018, os "não recorrentes", que totalizaram R$ 52 milhões, foram os seguintes:

a) provisão para estoques "obsoletos": R$ 21 milhões - um cliente "governo" teria desistido de receber uma encomenda de notebooks com uma configuração especial, totalmente fora do usual - ou seja, está evidente que a empresa não exigiu as mínimas garantias e acabou ficando com o mico na mão ... no futuro, se conseguir utilizar parte desta "sucata" haverá uma reversão da provisão;

b) adesão ao PERT/Refis - R$ 23 milhões

c) fechamento de fábrica na Argentina e migração da produção de Curitiba para Manaus - R$ 8 milhões

Como o prejuízo no exercício foi de R$ 47,6 milhões, não tivessem ocorridos os supostos não recorrentes, a empresa teria postado um lucro de aprox. R$ 4,4 milhões.

Conversa para boi dormir ... Excetuando a adesão ao PERT, os demais não recorrentes ou são fruto de barbeiragens da administração, ou são parte recorrente da vida numa empresa (se vc está fechando uma fábrica em Cafundó ou abrindo outra em Maracangalia é porque vc conclui ser vantajoso.

Como aspecto positivo pode-se mencionar a redução de R$ 92 milhões do endividamento líquido no exercício, que terminou ao ano em R$ 135 milhões.

Para um endividamento líquido médio de R$ 230 milhões no exercício, a empresa postou um resultado financeiro negativo em R$ 83 milhões, ou 36%!!! é mole? só para constar, a variação cambial no exercício foi uma desvalorização do real de 1,5%. Mesmo considerando que devido a natureza do negócio a empresa tem necessidade de um capital de giro razoável, que deve ser pifiamente remunerado e, em consequência, é obrigada a contratar empréstimos muito superiores ao endividamento líquido, 36% é exagerado sob qualquer ponto de vista. Suspeito que a política de hedge seja completamente equivocada;

No que se refere a vendas, embora a Receita Líquida tenha aumentado 9,6% ano-a-ano, o volume vendido de PCs (-4,8%) e Celulares (-26%) diminuiu. O que aumentou foi a venda de tablets ( +158%), a maior parte no exterior (no país a redução foi de 68,9%), de forma circunstancial.

No que se refere a Receita Bruta, a variação foi de +3,6% em PCs, +14,8% em Notebooks, -19,1% em celulares, -50,7% em tablets, +306,3% fora do país.

As operações externas, embora tivessem gerado aprox. R$ 20 milhões de Ebitda para a empresa, deram prejuízo de R$ 6,1 milhões em equivalência patrimonial.

O Ebitda sem ajustes postado no exercício (Prejuízo Líquido + Depreciação - Resultado Financeiro + IR/CS - Equivalência Patrimonial) foi R$ 77,1 milhões (redução de 47,8% em relação a 2016). O Ebitda supostamente "Ajustado" para os eventos não recorrentes teria sido de R$ 122,9 milhões (redução de 14,5% em relação a 2016).

Finalmente, nem mesmo a pílula dourada apresentada pela empresa (o tal do lucro líquido ajustado) anima o investidor comprado:.. -49,7% em relação ao valor postado no exercício de 2016.

Não se pode afirmar que o investimento em marketing contratando o Neymar tenha sido positivo ... pois a receita com celulares caiu 19% ano-a-ano.

A tentativa agora é expandir a comercialização de smartphones para o mercado externo, procurando gerar mais musculatura para competir no mercado interno, e investir no Coringão, esperando que um percentual da massa alvi-negra seja induzido a consumir Positivo.

348081  - RRunner -  15 Mar 2018, 01:31
POSI3:

DESTAQUES DE 2017

Crescimento de 15,2% nas vendas de PCs no mercado brasileiro em 2017, sendo:

 +12,0 % no Varejo;

 +25, 0 % no Governo; e

 +14,6% no Corporativo

 Ganho de 5,2 p.p. de market share em PCs¹ no Brasil no 4T17, alcançando 17,8%

 Em celulares, ambiente altamente competitivo com concentração de vendas nas três maiores fabricantes

 Receita líquida de R$ 1,9 bilhão em 2017 (+9,8%)

 Redução das despesas gerais e administrativas recorrentes em 40,6% em 2017

 EBITDA Ajustado de R$ 122,9 milhões, com margem de 6,4%

 Lucro líquido ajustado² de R$ 4,4 milhões em 2017

 Forte redução do endividamento líquido para R$ 140,1 milhões (-33,2%) no fim de 2017, o menor fechamento anual desde 2009, com relação Dívida Líquida / EBITDA Ajustado de apenas 1,1x

344243  - PERIQUITO VERDE   -  23 Nov 2017, 01:11
Esqueçam empresas que fabricam eletrônicos. O setor está sofrendo severa concorrência dos Chineses e essa concorrência vai trazer grande tribulação para as empresas ocidentais. Exemplificando, hoje, um Flagship de uma fabricante chinesa de smartphones é ao menos 50% mais barato que seus concorrentes ocidentais, oferecendo a mesma qualidade. Passou o tempo em que os chineses deviam em qualidade.

Essa concorrência severa ainda não chegou no ramo da informática, mas está vindo aos poucos.

344056 - paulo_prof   -  16 Nov 2017, 22:10
Resultados dentro do esperado, mas medíocres. Há algo profundamento errado com a empresa ... mas não sei bem o que é. Estou convencido de que a empresa não é capaz de apresentar resultados consistentes. Num trimestre o resultado do segmento de smart phones é ótimo, mas o de computadores é medíocre. Noutro, é vive versa. Quando o operacional é bom, o financeiro é um desastre. Recorrente é sempre a informação de que uma grande receita está garantida no trimestre seguinte ... mas quando os resultados do trimestre seguinte são divulgados, sempre há um grande senão para frustrar a última linha.

No 3T17, o relatório culpa o segmento dos smart phones. Uma suposta guerra de preços entre as 3 empresas com maior market share teria sido responsável pela perda de market shar das demais, a Positivo inclusive.

O volume de smart phones vendido no 3T17 caiu 57% em relação aquele vendido no 3T16. No que concerne os feature phones, a queda em volume foi de 10,3%. Em relação ao 2T17. a venda de smart phones retraiu 7,6%, enquanto a de feature phones aumentou 7,9%.

No que concerne a Receita Líquida do segmento de celulares, a queda foi de 57,7 em relação ao 3T16 e de 21,3% em relação ao 2T17. No 3T17, o segmento de celulares gerou somente 17,2% da receita líquida total (um ano antes havia sido 43,3%). Não há como confiar numa empresa com esta volatilidade de resultados. A coisa parece totalmente aleatória. Ninguém me convence de que grande parte do problema não seja devida à má gestão.

O custo dos produtos vendidos cresce a cada trimestre, saindo de 66,2% no 4T16 para 74,2% no 3T17 e sem indicações de que a escalada vai parar por aí.

A conta da variação cambial somou uma despesa de R$ 1,5 milhões, composta de uma despesa de R$ 13,3 milhões com instrumentos de hedge mal montados (em minha opinião) e uma receita de R$ 11,8 milhões referente à oscilação cambial sobre obrigações em aberto denominadas em moeda estrangeira.

Resumindo, a valorização do real propiciou uma receita de R$ 11,8 milhões. Esta receita, e mais um pouco, foi totalmente disperdiçada nos instrumentos de hedge. Quando o real valoriza, a empresa leva na cabeça. Quando o real desvaloriza, a empresa leva na cabeça. Será que o financeiro da empresa não é capaz de acertar nunca?

O cara travou deve ter travado o dolar sensivelmente acima do dólar médio do trimestre. Enquanto os concorrentes tranquilamente devem ter praticado o dólar médio do trimestre, o dólar da Positivo saiu mais caro. Sem condições de competir, a empresa foi praticamente alijada do mercado de smart phones. Assim, nem o Neimar dá jeito!

O projeto TV digital forneceu a sua (modesta) contribuição, mas será carta fora do baralho no curto prazo.

A joint venture Hi technologies não cheirou, nem fedeu ... também não será carta para o curto o médio prazo.

Se entendi direito, a joint venture BGH produziu resultado positivo no 3T17.

Parece que as esperanças dos comprados devem ser colocadas no segmento de computadores (o que a empresa mais conhece e onde é competitiva) e no crescimento da contribuição da Joint Venture Positivo BGH.

No geral, entretanto, acho que não vale a pena. Embora o risco de perder capital nos preços atuais seja mínimo, há o risco da perda de oportunidade.pois há vários ativos infinitamente mais promissores do que POSI3.

No que segue, os multiplicadores são calculados com referência aos resultados do 3T17 anualizados. Se nos próximos 9 meses a empresa conseguir, em média, replicar os resultados do 3T17 já será um enorme avanço.

POSI3

PREÇO: R$ 2,89

PAYOUT (2016) 25,0%



Múltiplos baseados nos últimos 3 meses, anualizados

P/L 13,46

P/VPA 0,45

PSR 0,14

DY 1,86%

EV/EBITDA 4,04

MARGEM BRUTA 25,8%

MARGEM OPERACIONAL 1,1%

MARGEM LÍQUIDA 1,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,215

MARGEM EBITDA 7,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 114,0%

ROE 3,33%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,31



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,14%

RESULTADO BRUTO +9,80%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -8,21%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO NEGATIVO -98,59%

EBITDA +12,01%



b) 3T17 vs 3T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +5,65%

RESULTADO BRUTO -15,19%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -31,61%

RESULTADO OPERACIONAL -14,59%

RESULTADO LÍQUIDO -15,44%

EBITDA -7,58%%



c) lucro (taxa média anual)

UA resultado liquido negativo foi reduzido em 98,59%

U2A resultado líquido negativo foi reduzido numa média de 82,80%

U3A passou de positivo para negativo



d) patrimônio líquido médio

UA -1,77%

U2A -7,71%

U3A % -4,79%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 3 meses anualizado, durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 80%: R$ 2,76

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 3 meses anualizada necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +1,5% !!!

344045  - paulo_prof  -  16 Nov 2017, 20:14
Citação: fabib - Post #344034 - 16/Nov/2017 19:12
Professor, posi3 ainda tá valendo o risco?
POSI pode até surpreender algum dia ,,, Sou da opinião, entretanto, que não é um bom ativo para ter em carteira e ficar esperando a surpresa. Se é para arriscar, melhor arriscar numa HBOR3 da vida. Pelo menos vc sabe que, ou vai, ou racha, ou seja, se a empresa não falir como uma PDGR, ao prfeço atual vai dar um retorno altíssimo no médio prazo. Ou investe numa UNIP da vida, mesmo aos preços atuais, com baixíssimo risco.

344019  - marcosvinicius2  -  16 Nov 2017, 12:49
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E PIOROU NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 46 TRIMESTRES, 09 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (19,5652%). LUCRO Atribuído a Sócios da Empresa Controladora DO 3T17 = 4.623 FOI MAIOR DO QUE O LUCRO APRESENTADO NO 2T17 = 1.944 E MENOR (TAMBEM) EM RELAÇÃO AO APRESENTADO NO 3T16 = 5.467. RESULTADO BRUTO TAMBEM FOI MENOR NA COMPARAÇÃO ENTRE 3T16 = 133.100 X 3T17 = 112.877. VALOR DE MERCADO (MIL) = 252.864; VALOR MAXIMO (MIL) = 3.661.260 NO 4T07; VE PSBE (MIL) = 2.273.171:

POSI3
PREÇO: 2,88
PAYOUT (2016): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -395,72
P/VPA 0,46
PSR 0,15
DY 0,00%
EV/EBITDA 4,04
MARGEM BRUTA 29,41%
MARGEM OPERACIONAL 0,03%
MARGEM LÍQUIDA -0,04%
LUCRO POR AÇÃO -0,007
MARGEM EBITDA 7,43%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 117,18%
ROE -0,12%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,31

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,14%
RESULTADO BRUTO 9,80%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -8,21%
RESULTADO OPERACIONAL -101,16%
RESULTADO LÍQUIDO -98,59%
EBITDA 6,87%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 5,65%
RESULTADO BRUTO -15,19%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -31,61%
RESULTADO OPERACIONAL -14,59%
RESULTADO LÍQUIDO -15,44%
EBITDA -29,54%

c) lucro (taxa média anual)
UA -98,59%
U2A -82,80%
U3A -123,54%

d) patrimônio líquido médio
UA -1,77%
U2A -7,71%
U3A -4,79%

Despesas Gerais e Administrativas = No 3T17, as despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 25,5 milhões, praticamente estáveis na comparação anual. No período, o montante de R$ 5,0 milhões foi reconhecido como despesas obrigatórias com P&D e outros R$ 2,7 milhões como valores extraordinários, relativos principalmente a custos com rescisões, indenizações e honorários. Expurgando-se o histórico de itens extraordinários, de gastos obrigatórios com P&D e efeitos depreciação, esta conta teria registrado R$ 12,6 milhões, em linha com relação aos dados também ajustados do 3T16;

Resultado Financeiro = O resultado financeiro do 3T17 ficou negativo em R$ 13,6 milhões, o que representou uma melhora de 31,6% na comparação anual, em função dos benefícios com a queda dos juros básicos no Brasil e menores perdas com variação cambial, que totalizaram R$ 1,9 milhão. A conta de variação cambial está representada pela soma do (i) resultado dos instrumentos de hedge, que foi negativo em R$ 13,3 milhões; e (ii) do efeito da oscilação cambial sobre as obrigações em aberto denominadas em moeda estrangeira, que registrou um ganhoem R$ 11,8 milhões.

EBITDA = No 3T17, o EBITDA Ajustado registrou R$ 30,5 milhões, redução de 7,7% em relação ao 3T16, acompanhado de margem de 7,0% (-1,0p.p). Conforme mencionado, a ligeira redução foi decorrente dos efeitos do encarecimento de alguns insumos no mercado internacional, bem como o cenário competitivo desfavorável no mercado de celulares. Nos 9M17, o EBITDA Ajustado registrou R$97,4 milhões (-9,5%), com margem de 7,3% (-0,6p.p.), basicamente em função do menor resultado obtido com as joint ventures no início de 2017;


( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

341195 - Banzai10   -  17 Ago 2017, 20:11
Professor, concordo com o senhor, mas mantenho pequena posição na empresa somente pelos seguintes fatos:

1. Analisando o mercado Chinês, 4 das 5 marcas de smartphone com maior market share são marcas nacionais e pouco vendidas fora. Se a positivo conseguir qualquer coisa parecida no Brasil isso representa um crescimento de pelo menos 100% sobre a receita atual.
2. Vou dar chance ao novo produto de exames laboratoriais remotos. Eu sempre acreditei em inovação na medicina e um mercados pronto para disrupção e inovação, por ser tão atrasado e apresentar uma das piores experiências possíveis para o consumidor (no caso, paciente). Se eles Emplacarem esse produto em escala nacional, o mercado é gigantesco.

Os riscos estão ai e são conhecidos, as apostas, sempre serão apostas :D

341187  - paulo_prof   -  17 Ago 2017, 16:36
Nos últimos 12 meses, a empresa gerou um Ebitda de R$ 135,9 milhões. Ao preço atual, de R$ 3,41, EV/EBIDA = 3,96!!!

Parece muito bom, não é mesmo?

Ocorre que nos mesmos 12 meses, o Resultado Financeiro foi de R$ 98,3 milhões negativos. Mais R$ 1,1 milhões foram consumidos em IR/CS e R$ 32,3 milhões em investimentos.

Se, dos R$ 135,9 milhões do Ebitda, forem subtraídos os R$ 98,3 milhões do Financeiro, os R$ 1,1 milhões do IR/CS e os R$ 32,3 milhões dos investimentos, resultam R$ 4 milhões que podem engordar o bolso do acionista.

Dividindo estes R$ 4 milhões pela base de 86.1 milhões de ações dá um LPA de R$ 0,046 !!!

Quanto é que pode valer um papel com este tipo de retorno?

O fato é que a Positivo atua num mercado altamente competitivo, onde qualquer vacilo implica em perda de market share. Por outro lado, para manter a competitividade, a empresa tem que investir uma grande parcela de sua geração de caixa. Finalmente, como a fabricação de seus produtos depende fortemente de insumos importados, há um complicador adicional: a necessidade de manter uma eficiente política de hedge.

Basta uma destas componentes dar errado ... para a maionaise desandar!". Um trimestre o furo é no hedge, outro é perda de market share. Outro é receita frustrada devido a isto ou aquilo ... os astros parecem nunca estar alinhados!

Acho que a empresa ja demonstrou não ter a competência necessária para apresentar resultados consistentes de forma sustentável.

340941  - ispholambra  -  11 Ago 2017, 00:34
POSI3
Queimei as minhas poucas a 3,70... a empresa e muito irregular... mexe com tecnologia...
O setor de celulares que estavam dando uma melhorada na geracao de caixa da empresa minguaram no trimestre...
Acredito que falta muito pra virar turnaround ainda... mas se cair la pelos 3,00 eu compro de novo...

340336  - paulo_prof   -  25 Jul 2017, 01:33
Como o Gusmaran, decidi não ter mais POSI3 em carteira visando o médio ou longo prazo. Na última rodada de resultados vendi e depois refiz a posição abaixo de R$ 3,00 para mais uma rodada de resultados. Se vierem negativos queimo tudo novamente, torcendo para que caia bem e permita uma nova entrada.

O drama vai ser se os resultados vierem bons ... Sinceramente, acho que prefiro a POSI como promessa ... e surfar a onda. Cheguei à conclusão de que o setor de atuação da POSI é complicado ... é muito difícil a empresa ter e manter uma nítida vantagem competitiva. Ou seja, resultados tendem a ser voláteis. Quando consegue "emplacar" alguns produtos do portifolio, vai bem ... mas como não tem uma "grife", como Apple, Samsung, etc., terá seus altos e (muito) baixos.

339940  - paulo_prof   - 07 Jul 2017, 04:15
Acho que é muito cedo para ter uma idéia mais precisa ... O conceito é muito interessante, mas há que se ver quais exames o equipamento realmente é capaz de realizar, e os custos envolvidos ...

De uma maneira geral, os exames de laboratório que são massificados são relativa,emte baratos. A minha mãe, internada numa clínica de idosos com Parkinson/Alzheimer, volta e meia tem que fazer exames laboratoriais. A coleta do sangue é feita localmente (ou seja, ela não necessita se deslocar) e costuma fazer o hemograma completo (R$ 10,80), sõdio (R$ 8,10), potássio (R$ 8,10), Uréia (R$ 7,20), Creatininna (R$ 8,10) e PCR (R$ 27,00).

Excetuando o PCR, que na minha opinião poderia ser dispensado em exames de rotina, os demais são baratos.

Demonstrada a eficácia do aparelho e do esquema centralizado da emissão dos relatórios, há que se resolver como o esquema de indenização dos custos. Hoje o médico solicita os exames, o paciente faz a coleta, o laudo é transmitido ao médico e ao paciente, e o plano de saúde paga as despesas. Em princípio, pelo menos, o médico nada deveria receber pelo serviço. Com o hilab, as perspectivas certamente mudam, mas o médico só usará o novo esquema, se receber o seu quinhão por isto, e não será o paciente a faze-lo. Para viabilizar isto muita água ainda terá que rolar ...

339932  - pobre   -  07 Jul 2017, 01:47
Prof Paulo, qual sua visão sobre o aparelho hilab da Positivo?
É confiável? É revolucionário mesmo?

339676  - andremarafon  -  30 Jun 2017, 17:16
Falando em POSI3 essa semana tivemos o lançamento do Hilab da Hi Technologies, vale a leitura. Outro bom negócio da empresa que pode movimentar bem a ação com bons retornos.
http://www.infomoney.com.br/negocios/inovacao/noti...

337805  - paulo_prof  -  12 Mai 2017, 05:46
Citação: jviola - Post #337795 - 12/Mai/2017 00:50
Paulo Professor, poderia fazer uma análise do resultado de Posi3 por gentileza?
Está tarde ... deixo a análise para depois. A Positivo, para variar, continua tendo que arrumar desculpas para os seus fracassos. É uma despesa não recorrente na Argentina, é perda com a correção cambial ... é o diabo!

Na minha opinião, entretanto, bastaria trocar o difretor financeiro ... não parece mesmo ser do ramo ...

Uma dívida líquida média de R$ 240 milhões custar R$ 17,6 milhões no trimestre só pode ser uma piada! Isto dá 32,7% ao ano!!!!

337742  - floripa luc - 10 Mai 2017, 16:45
A ação “esquecida” pelo mercado que pode se valorizar mais de 100%
A empresa tem expandido seu foco de atuação, fazendo parcerias e entrando em novos mercados, além de registrar baixa alavancagem, aponta analista da XP

SÃO PAULO - O XP Connection desta quarta-feira (10) fez uma análise sobre uma ação "esquecida pelo mercado" que sobe mais de 35% no ano e, de acordo com a análise da XP Investimentos, tem espaço para uma valorização de mais de 100%. Trata-se da Positivo (POSI3).

De acordo com o analista da XP Investimentos Marco Saravalle, a empresa tem expandido seu foco de atuação, fazendo parcerias e entrando em novos mercados, além de registrar baixa alavancagem e já começa a dar os primeiros sinais de recuperação. O ano de 2017 deve ser de recuperação e expansão dos resultados e rentabilidade operacional.

Confira a gravação do XP Connection:

O programa XP Connection é transmitido ao vivo todas as quartas-feiras das 11h40 às 12h20 na InfoMoneyTV. Para conferir a grade completa com as gravações anteriores, clique aqui.
http://www.infomoney.com.br/positivoinf/noticia/6447888/acao-esquecida-pelo-mercado-que-pode-valorizar-mais-100

vazou o balanço de amanhã pós pregão

337800  - observando -  12 Mai 2017, 04:20
POSI3

Caramba, que LIXOOOOOOO!!!

Saiu de um lucro para um baita prejú!!!!!!!!!
*********************************************************************************
Resultado do 1º Trimestre de 2017

A empresa anunciou prejuízo líquido de R$ 8,3M no 1° trimestre de 2017, contra um lucro líquido de R$ 1,1M no quarto trimestre de 2016 e um prejuízo de R$ -10,4M no primeiro trimestre de 2016. A receita líquida totalizou R$ 453,5M no 1° trimestre de 2017, uma variação de 15,7% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e aumento de 20,7% em relação ao 1T16.

A margem bruta atingiu 29,5% neste trimestre contra 33,8% no 4T16 e 21,8% no mesmo período do ano passado.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 1,7B, redução de 4,7% em relação ao saldo no 1° trimestre de 2016. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 550,3M no 1T17, valor -1,5% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

Neste período, a ação oscilou 25,4% contra 7,9% do Ibovespa, enquanto que o valor de mercado alcançou R$ 298,9M contra R$ 125,1M no 1° trimestre de 2016.

337595  - edomr   -  05 Mai 2017, 23:49
Minha opinião, o povo quer câmera boa. Tu acha que 90% dos consumidores estão se importando com qual é o processador? Eu nao acredito.

336955  - pobre   -  20 Abr 2017, 15:13
- controlador comprou um milhão de ações

- estão lançando celulares atualizados

- comercial com Neymar garoto propaganda

- empresa da área médica também lançou produto novo

- adiantaram a data do balanço do 1trim

quer mais drivers bons??????????

336906  - Gusmaran  -  19 Abr 2017, 16:40
Segura a peruca! Quantum vai vender muito!
A curitibana Quantum, marca de smartphones produzida pela Positivo Tecnologia, fechou contrato com Neymar para uso de sua imagem na divulgação do modelo Fly em jogos da Copa do Brasil, Eliminatórias da Copa do Mundo e Libertadores. O craque do Barcelona estreou na semana passada durante partidas da Copa do Brasil.

O valor do milionário contrato é mantido em sigilo.

Professor Paulo, no mercado de ações existe o imponderável! A Hi Technologies que pertence 50% a Positivo, foi selecionada pelo painel internacional da Endeavor , presente em mais de 20 países! O valor que o mercado atribui a empresa hoje é zero, mas se o negócio deslanchar poderá trazer um up importante para os acionistas da Posi3

335914  - paulo_prof   -  23 Mar 2017, 13:55
Sem dúvida ... mas existe um grande SE ... o negócio deslanchar

Confesso não ter um "feeling" no que tange à reação que o mercado brasileiro poderá ter um relação ao equipamento para diagnósticos em casa. Acho que será uma pura loteria. Acho que a classe média brasileira está razoavelmente bem coberta por planos de saúde. Na prática, exames clínicos só demandam tempo, e eventual falta ao trabalho é sempre justificada. Por que o grande público iria gastar R$ 1.000,00 para ter o produto?
                                                         ▲                                               ▲

A POSI, de fato, está gerando um bom caixa medido pelo Ebitda. Ocorre que a parte do leão deste caixa está fluindo para os credores. Se o Resultado Financeiro Líquido foi negativo em R$ 111 milhões dos quais R$ 13,7 milhões referem-se a itens não caixa, o desembolso foi de mais de R$ 97 milhões.

Os investimentos somaram R$ 39,5 milhões ... mas pelo menos parte destes investimentos é necessária para a manutenção do status quo, oui seja, não cria valor. Como os proventos a serem distribuídos somarão pouco mais de R$ 2 milhões,o valor criado pela empresa ao acionista em 2016 foi pífio.

A grosso modo, a dívida líquida é 50% do Patrimônio Líquido. Então, 50% do Patrimônio Líquido gerou R$ 97 milhões de lucro antes dos impostos para o credor. Para o acionista, cujo capital envolvido é o dobro daquele do credor, deve ter sobrado no máximo uns R$ 45 milhões!.

Resumindo: 50% do Patrimônio Líquido geram para o credor, aprox. o dobro do valor que 100% do Patrimônio Líquido gera para o acionista!

335791  - jairmatoso2   -  21 Mar 2017, 09:57
Paulo, Olhando para frente, com a queda vertiginosa dá SELIC, esse custo financeiro despenca. Ano de 2016 a positivo pagou taxas da ordem de 130/135 % do CDI. Com SELIC a 14,25% realmente custou uma fortuna. Pra esse ano, com SELIC média aí na casa dos 10%, com redução tb das taxas que os bancos estão cobrando e redução dá Dívida bruta, o ganho será grande. E sem contar a recuperação dá receita.

335793  - paulo_prof  -  21 Mar 2017, 11:05
Mas a questão, não é esta ... é de princípio. Ao que consta, a empresa teria informado que à medida que os empréstimos caros vençam, não os renovará, reduzindo em consequência o tamanho do caixa.

Por que decidiu reduzir o tamanho do caixa agora, que o custo está diminuindo e com expectativa de aumentar a produção/compra de insumos? Ou seja, quando o custo é da grana alto, vc decide ser conservador ... quando o custo está em queda, aí vc decide arriscar mais? Sinceramente, não consigo entender. Eu, se tenho uma linha de financiamento que é muito cara para o momento econômico, não espero vencer, especialmente se tenho uma folga de caixa. Liquido no ato!

Um dos argumentos usados em favor da POSI é o seu reduzido EV/Ebitda. O que eu queria alertar acima é que o EV/Ebitda da POSI não é, digamos ... "normal". Se um percentual muito maior do que o usual do Ebitda tem que ser utilizado para cobrir os custos financeiros, o indicador fornece uma leitura errônea e perde a sua utilidade.

No caso da POSI, temos duas distorções que impactam o EV/Ebitda:

a) um endividamento liquido da ordem se 1,6 Ebitda Anual tem um custo financeiro muito maior do que aqueles de empresas comparáveis no mercado (me mostre uma empresa com uma mesma alavancagem que esteja paga algo semelhante); e

b) parte considerável do ebitda é gasto com hedge, o que não é o caso da maioria das empresas no mercado

Em razão dos efeitos acima, o "Ebitda" da POSI que está no denominador do indicador, deveria ser descontado/reduzido, e em consequência a razão éde fato maior do que parece.

335797  - Gusmaran   -  21 Mar 2017, 12:15
Na realidade o EBITDA Ajustado é limpo de hedge. É só acessar o release. Acredito que a simples visualização das apresentações já permite chegar a essa conclusão. No que tange à dívida, vai haver uma redução acentuada de seus custos, uma vez que a empresa já está trocando dividas de 150% do CDI que venceram recentemente por 110% do CDI sem oferecer garantias. Basicamente os juros que eram de 14% (SELIC) * 150 = 21% ao ano, virão ao final do ano a 9,5% (estimativa da SELIC do FOCUS) * 110 = 10,45%. Note que o custo e capital será reduzido pela metade. Se fizermos as contas para 2017, as novas rolagens já põem o custo da dívida la embaixo. 12,25%*110 = 13,47% ao ano, ou seja, notaremos paulatinamente a redução de despesas financeiras no decorrer do ano. Como nem todos empréstimos venceram, as melhoras começarão a ser mais notadas no segundo semestre.

A questão aventada pelo professor de quitar as dividas caras imediatamente é até possível, mas com o mesmo custo, pois os contratos assim estabelecem. Essa foi uma demanda minha com o RI e essa foi a resposta.

Quanto ao "Ebitda não representar a realidade de geração de caixa da Positivo", discordo plenamente. Se visitarem o release de 2008 verão que o Ebitda Ajustado da Positivo, quando a empresa trabalhou sem dívida líquida ou com caixa líquido pequeno, é muito próximo do lucro líquido da empresa. O Ebitda só não é igual ao LL por causa dos itens de depreciação e amortização.

335810  - paulo_prof   -  21 Mar 2017, 14:42
Acho que vc não entendeu, Gus. Não estou dizendo que o Ebitda ou Ebitda ajustado da POSI estão furados. Estou querendo argumentar que uma parcela muito menor do que a usual (quando comparada a outras empresas) de fato está disponível ao acionista.

Antes de poder ser utilizado a favor do acionista, a geração de caixa medida pelo Ebitda terá que cobrir eventual resultado financeiro negativo, impostos e aqueles investimentos necessários para a manutenção da Receita. Como o Ebitda aparece no denominador do indicador EV/Ebitda, qualquer ocorrência que sobre-estime o seu valor quando comparado com o usual, tende a baixar o índice. Se uma parcela maior do que a usual é necessária para cobrir as despesas mandatórias que não são consideradas em seu cálculo, então ocorre uma distorção.

Considere, por exemplo, a UNIP. O seu endividamento líquido médio nos últimos 12 meses foi aprox. R$ 300 milhões. O Ebitda gerado foi R$ 260 milhões, ou seja, uma relação de aprox. 1,15. O Resultado Financeiro negativo da UNIP nos últimos 12 meses foi R$ 64 milhões, ou aprox. 24,5% do Ebitda. OU seja, apenas 24,5% do Ebitda tiveram que ser usados para cobrir os custos do capital de terceiros. No caso da POSI, este percentual é muuuuuuito maior. Faça este mesma conta para praticamente qualquer empresa e vc chegará à conclusão que será difícil encontrar uma cujo resultado financeiro negativo represente um percentual maior do ebitda.

No que concerne Ebitda "Ajustado" como divulgado pela POSI, confesso não gostar da parcela referente aos 50% das joint ventures. Em 2016, esta parcela (R$ 36,2 milhões) teria correspondido a 25% do total. É muita coisa se de fato vc não tem a mínima ideia do quanto deste valor foi comido com impostos, custos de financiamento e necessidades de investimento. O que eu sei é que a Equivalência Patrimonial produziu um Resultado Bruto, para a Positivo, de R$ 23,5 milhões. Enfim, ao contabilizar R$ 36,2 milhões no Ebitda Ajustado, a Positivo está misturando estações ... Para o Ebitda que é gerado no país, sei os custos financeiros, impostos, etc. Já as despesas não contabilizadas como custos operacionais no ebitda do exterior não são conhecidas.

Portanto, eu prefiro trabalhar com um Ebitda que é simplesmente a soma do Resultado Antes do Financeiro e Impostos e da Depreciação/Amortização. Depois, deduzo as despesas mandatórias ainda não consideradas (Resultado Financeiro, impostos, capex de manutenção, etc.) para ter uma ideia do que está de fato disponível ao acionista.

335816  - Gusmaran  - 21 Mar 2017, 15:04
Ok, agora entendi. Só que esse quadro de o Ebitda estar sendo literalmente amputado pelas despesas financeiras é um quadro do passado estressante que a economia e a empresa viveram. Se a gente analisar este raciocínio com base nesse passado, ok, mas o que dá a entender pelo seu primeiro comentário - pelo visto não foi isso que quis dizer, é que essa situação deve se perpetuar...E é aí que se encontra a nossa divergência (ou não, rs, já não sei o que o Sr de fato está querendo dizer). O que importa é que do segundo semestre em diante - digo isso porque o RI tem nos dito que já quitou uma divida cara no 1T17 e quitará outra do mesmo peso em abril, o custo de carrego será bem menor. Notadamente acredito também que a empresa deva ir reduzindo a divida bruta e a divida líquida não só com os créditos fiscais federais e com a geração de caixa por meio da gestão de estoques, mas também com créditos fiscais estaduais de ICMS, uma vez que os conversores estão sendo produzidos em Curitiba.

Vale muito ressaltar também, que a minha estimativa de LL pro 4T16 não estaria errada, senão por duas variáveis difíceis de prever: 1) hedge dos insumos de conversores que impactou o LL em R$ 5 M, mas com receita de vendas pro 1S17; 2) Baixo nível de receita líquida (Cut-off de R$ 102 M a ser reconhecidos no 1T17 e completa ausência de faturamento pro Quênia). A empresa jogou muito faturamento pro 1T17 o que pode surpreender o pessoal que ficou pessimista e magoado com os resultados.

Ademais, embora "se minha vó tivesse bigode eu teria dois avôs", SE a Receita líquida viesse como eu ou o sr. estimamos, então nem estaríamos nessa discussão.

335736  - Peter Lynch do Agreste  -  20 Mar 2017, 01:11
Como eu tinha falado com o Gusmaran, a próxima empresa que eu iria dedicar o meu tempo estudando seria a Positivo. Fiz isso nos últimos dias e continuarei fazendo nos próximos. Aproveitando a queda que considerei exagerada na sexta feira, eu decidi iniciar uma posição. Comprei a 3,65 e também no leilão de fechamento. Liquidei a minha posição em Anima na sexta também, pois o resultado do 4T foi um desastre e depois dela cair na quarta por conta do resultado, na quinta e sexta a ação disparou (no mês está subindo 3,7%).

Quanto a Positivo, tem muitos usuários do fórum que entendem infinitamente a mais do que eu do case. Eu somente vou colocar as minhas impressões que tive a respeito da empresa, bem como os motivos pelo qual decidi me tornar acionista.

O ponto que o mercado mais detestou no resultado do 4T16 eu imagino que foram as despesas financeiras. Sobre esse tema vou falar mais para frente, mas algo que tem de ser ressaltado é que esse “problema” tende a diminuir ao longo dos próximos trimestres. Isso porque a empresa tem conseguido se desalavancar em uma velocidade considerável, devido a algumas estratégias que a mesma adotou. No 2S15 a empresa decidiu sacrificar as suas margens para diminuir os seus estoques (acredito que esse seja um dos grandes desafios que a empresa possui, ou seja, não deixar o seu estoque tornar-se obsoleto). O efeito disso foi um resultado ruim, mas em contrapartida uma diminuição do endividamento. Para 2016, a estratégia de migrar grande parte das suas operações de Curitiba para Manaus parece ter sido bem acertada, pois a Positivo tem monetizado os créditos tributários numa boa velocidade e, como isso tem efeito caixa, reflete numa diminuição do endividamento. Na apresentação do 4T15, a empresa fez uma simulação da eficiência tributária que ocorreria por conta dessa mudança. Os valores seriam de 80mi em 2016, 80mi em 2017, 25mi em 2018 e 16mi em 2019. O valor auferido no ano passado foi de 88mi, o que mostra que essa estratégia realmente tem funcionado. O resultado dessas duas medidas é que a Positivo encerrou o 4T16 com endividamento líquido de R$220MI, o menor patamar nos últimos 5 anos e a tendência é que esses valores continuem a cair, por conta dos créditos tributários e também pela própria geração de caixa da empresa.

O motivo que me fez entrar nesse case foi justamente o preço pago e os múltiplos aos quais a empresa negocia atualmente. Sendo conservador, se a empresa repetir o EBITDA ajustado de 2016 (acredito em aumento do EBITDA nesse ano) e o endividamento se reduzir na faixa de 80mi (somente por conta dos créditos tributários), teríamos uma empresa negociando ao final de 2017 com um múltiplo EV/Ebitda de 3,15. Com certeza é uma das empresas mais baratas da bolsa e, considerando que o setor que a empresa está inserida é muito dependente do PIB e também das finanças do Governo, é factível imaginar numa melhora para todos os players. Como a Positivo tem ganho share (principalmente em smart phones), ela pode capturar essa melhora na veia, o que ajudaria bastante nos resultados operacionais.

Contudo, um aspecto que me chamou atenção é em relação ao hedge que a empresa executa. Dado o modelo de negócios da empresa é necessário se proteger das oscilações cambiais, pois a grande maioria dos insumos são cotados em dólar. Logo é necessário a empresa se equilibrar entre passivos e ativos dolarizados, para que a oscilação cambial não faça grandes estragos. O ponto que gostaria de discutir e chamar a atenção é que na minha visão faria muito mais sentido e seria menos custoso a Positivo transformar parte do caixa atual em dólar e diminuir o máximo possível os empréstimos em moeda estrangeira e por consequência os hedges necessários para equilibrar toda essa conta. Ao final do 4T16, a empresa tinha R$271mi de contas a pagar a fornecedores no mercado externo, logo eu acredito que ter um equivalente a esse montante em dólar no caixa seria muito melhor para a empresa. Lembrando que eu não estou considerando a capacidade da empresa de conseguir tomar dívida em reais, talvez o que aconteceu foi que dado a escassez de financiamento bancário no Brasil a empresa viu como única alternativa tomar dívida em moeda estrangeira.

Me parece que a partir desse ano a empresa trabalhará para diminuir o caixa, não renovando os empréstimos que vencerão a partir de 2017. Isto é ótimo, pois ela toma empréstimo a 150% do CDI (fiz uma aproximação) e o caixa rende apenas a 100% do CDI (na verdade é menos, pois tem que se pagar os impostos). Outro fator que ajudará a empresa será a queda da Selic, pois o custo do hedge é CDI – cupom cambial. Fora que parte da dívida está em moeda local.

Minhas observações são essas e continuarei estudando o case!!

335740  - acarlos321 -  20 Mar 2017, 11:37
Peter lynch...estranho sua leitura sobre o ativo é parecidíssima com a do Gusmaran....muitos já postaram ser Peter = Gus....

O problema da positivo é ser sempre candidata a turn around e na pratica o lucro que é bom nada...

Monetizou 80M em impostos e o lucro anual de 8M...imagina se não tivesse monetizado????

As promessas da teleconferencia ficam só na teoria por enquanto

FCD calculada pelo professor paulo igual a R$1,30

desculpe mas a 3,6 está cara!!!! quem sabe a 2,80 eu pense no case.......

335842  - paulo_prof   -  21 Mar 2017, 20:26
Não tenho dúvidas de que o percentual do Ebitda necessário para cobrir o Resultado Financeiro negativo vai diminuir ... Quanto menor for este percentual, mais um baixo valor de EV/Ebitda representa de fato um ativo barato. Enquanto este percentual permanecer alto, o EV/Ebitda deve ser olhado com cuidado, pois não necessariamente será sinônimo de ativo barato.

Na tabela abaixo verifica-se, de uma maneira geral, que quanto maior a alavancagem, maior é a parcela do ebitda que é necessária para cobrir o resultado financeiro negativo. Percebe-se nitidamente que o caso da POSI está completamente deslocado. Pegue, por exemplo, o caso da VLID, cujo endividamento líquido em relação ao ebitda é parecido ao da POSI. Como uma parcela muito maior do Ebitda da VLID está disponível ao acionista, é óbvio que os EVs/Ebitdas de ambas as empresas não são comparáveis.

Usando a tabela abaixo, vc pode "monitorar" o percentual atingido pelo Resultado Financeiro da POSI, a medida que vai melhorando.
ResFinEbitda58d18b61b0a6f.png

Obs. No caso da POSI

a) o cálculo do endividamento líquido considerou também ativos/passivos resultantes de operações com derivativos;

b) Ebitda = Resultado Antes do Financeiro e Impostos + Depreciação/Amortização

335843  - Gusmaran  -  21 Mar 2017, 20:56

Os derivativos, no caso de POSI3, são excluídos do EBITDA, por serem considerados despesa/ganho operacional pela administração. Esse cálculo não está conceitualmente correto, pois o EBITDA Ajustado - descontando perdas e ganhos operacionais com hedge - foi de R$ 143 M. Desse montante, abate-se despesas financeiras de R$ 53 M (juros), depreciação e amortização (+- R$ 50 M) e despesas não recorrentes de diminuição do quadro de colaboradores para chegar ao LL. Portanto, se eu fosse realizar o mesmo cálculo, o percentual não seria de 65,2%, mas de 37%. Isso quer dizer que 37% da geração de caixa da empresa está servindo para pagar bancos. Eu acho isso alto. Não me entenda mal. Apenas estamos divergindo em conceitos contábeis.

335746  - Peter Lynch do Agreste -  20 Mar 2017, 12:28
A sua leitura quanto a monetização dos impostos e a relação com lucro líquido está equivocada.

Essa monetização não passa por resultados (DRE), simplesmente tem impacto no fluxo de caixa, conforme podemos verificar abaixo:
ScreenHunter_36Mar.2009.2058cfc93d7582e.
ScreenHunter_37Mar.2009.2058cfc96a10e71.

O ganho tributário de 2016 faz menção a uma diminuição dos impostos a recuperar no valor de 80MI e também a um aumento das obrigações tributárias no valor de 8MI. Tanto uma diminuição de um ativo quanto um aumento de um passivo na comparação ano a ano tem efeito positivo sobre o caixa da empresa.

Quanto a empresa ser um eterno turnaround, o desconto que ela negocia atualmente tem muito a ver com isso. Acredito que a partir do momento que ela entregar lucros consistentes a sua precificação em termos de múltiplos será outra.

335848  - paulo_prof  -  21 Mar 2017, 22:58
Como não há informações relativas ao resultado financeiro das operações no exterior, não se pode usar o ebitda "ajustado" conforme é calculado no release. Por outro lado, entretanto, não tenho objeções a se considerar a perda com hedge dos insumos, no valor de R$ 44,3 milhões, como parte do custo do produto.

Neste caso, entretanto, tem-se (da DRE e do Fluxo de Caixa)

3.05 ......... Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos Tributos . 121.275

6.01.01.02 Depreciação e Amortização ................................................. 49.870

................. Efeito caixa do hedge dos insumos ................................... - 44.300

EBITDA AJUSTADO ............................................................................ 126.845

3.06 ........ Resultado Financeiro ............................................................ -111.609

................. Efeito caixa do hedge dos insumos ...................................... 44.300

RESULTADO FINANCEIRO AJUSTADO ........................................... - 67.309

Percentual do Ebitda necessário para cobrir Resultado Financeiro Negativo = 53,1%

Note que vc não pode "sumir" com toda a variação cambial, mesmo que não tenha efeito caixa imediato. A parte da variação cambial referente ao hedge dos insumos, tudo bem. O resto (variação cambial líquida de ativos e passivos) qualquer empresa que tem ativos/passivos em moeda estrangeira também tem.

Abaixo como ficaria a Tabela com a correção do caso POSI (mesma base para todos os ativos)
POSI58d1afbd746ea.png

Obs. No caso da POSI

a) o cálculo do endividamento líquido considerou também ativos/passivos resultantes de operações com derivativos;

b) Ebitda = Resultado Antes do Financeiro e Impostos + Depreciação/Amortização - hedge dos insumos

335759  - paulo_prof  - 20 Mar 2017, 15:14
A POSI, de fato, está gerando um bom caixa medido pelo Ebitda. Ocorre que a parte do leão deste caixa está fluindo para os credores. Se o Resultado Financeiro Líquido foi negativo em R$ 111 milhões dos quais R$ 13,7 milhões referem-se a itens não caixa, o desembolso foi de mais de R$ 97 milhões.

Os investimentos somaram R$ 39,5 milhões ... mas pelo menos parte destes investimentos é necessária para a manutenção do status quo, oui seja, não cria valor. Como os proventos a serem distribuídos somarão pouco mais de R$ 2 milhões,o valor criado pela empresa ao acionista em 2016 foi pífio.

A grosso modo, a dívida líquida é 50% do Patrimônio Líquido. Então, 50% do Patrimônio Líquido gerou R$ 97 milhões de lucro antes dos impostos para o credor. Para o acionista, cujo capital envolvido é o dobro daquele do credor, deve ter sobrado no máximo uns R$ 45 milhões!.

Resumindo: 50% do Patrimônio Líquido geram para o credor, aprox. o dobro do valor que 100% do Patrimônio Líquido gera para o acionista!
                                                         ▲                                               ▲

Pessoal eu acredito que há uma má interpretação no que tange o hedge da Positivo. Este instrumento sempre fez parte do operacional da empresa, tanto é que ela divulga o Ebitda Ajustado por Hedge. Nos releases o RI deixa claro que, quando o dolar sobe, o hedge protege o resultado e as margens operacionais DIMINUEM (Aumento de CPV). Quando o dolar cai, a empresa sofre a despesa financeira com hedge, mas as margens operacionais aumentam. Notem que o custo de hedge foi menor no 4T16 em relação ao 3T16, e também que margem ebitda ajustada cresceu de 8 para 9%.

Por isso, o melhor indicador de geração de caixa da empresa é o EBitda Ajustado, e não o contábil.

A Positivo Informática, no meu entender, tem dois problemas, ambos prestes a ser solucionados: 1) Receita líquida baixa para suportar os custos fixos (despesas financeiras, depreciação e amortização, etc); 2) Endividamento Bruto exacerbadamente elevado para a posição de caixa. A questão da receita Líquida está sendo endereçada com a diversificação de segmentos em que a empresa atua e pode sofrer melhora significativa com a melhora de indicadores econômicos, notadamente crescimento de PIB e diminuição do desemprego. Dados do CAGED já mostram criação líquida de empregos formais (>30 mil vagas) depois de 22 meses seguidos de perdas; dados econômicos antecedentes já apontam leve recuperação do PIB. Já a questão da dívida x caixa sofrerá forte ajuste assim que as dividas forem vencendo - o RI informou que não estão rolando mais as dividas caras (150% do CDI) e forem quitadas ou trocadas por linhas baratas do BNDES. As reduções da SELIC serão um forte driver para a diminuição de despesas financeiras, pois a cada ponto percentual de redução pelo COPOM, temos 1,5% a menor de impacto nas dividas da companhia.

CASE abaixo de 4x EV/EBITDA 2016 Ajustado, e possivelmente abaixo de 3x em 2017. Segue uma barganha com beta elevado para surfar a melhora da economia e também a melhora que a empresa obteve com corte de despesas G&A, monetização de créditos fiscais, lançamento da Quantum, HT, Cielo Lio, Vaio, etc.

335686  - paulo_prof   -  18 Mar 2017, 00:24
Concordo contigo, Gus, que as maiores dificuldades da empresa são despesas operacionais excessivas para o nível de faturamento corrente (aprox. R$ 105 milhões trimestrais com vendas, gerais e administrativas) e o custo efetivo do endividamento líquido devido a um excesso de caixa de custo muito alto.

Podem agora afirmar que vão reduzir este caixa desnecessário e caro, mas a real questão é conhecer as razões que levaram a empresa a adotar esta política! Vc tem alguma ideia por que fizeram isto?

Embora reclame do hedge, de fato não tenho elementos para fazer uma análise. Não tenho ideia do percentual do custo das matérias primas e insumos que são importados, nem qual percentual destes estão protegidos via derivativos. Em 2016 foi pago uma média trimestral de R$ 300 milhões nesta rubrica. Vc tem uma ideia de qual seria a despesa trimestral média em USD?

Qual é a sua aposta para o dolar médio no 1S17? A do financeiro da Positivo é algo próximo dos R$ 3,38. Estas apostas foram contratadas no final do ano passado. Em 30DEZ2016 havia uns USD 115 milhões em contratos a termo (NDF Forward) e opções de compra de dólar. Como a média (site da Oanda) no 1T17 deverá ficar em R$ 3,15, lá vem mais despesas consideráveis de hedge. No 4T16 a média fornecida pelo Oanda teria sido R$ 3,30. Para ter conseguido gastar R$ 9,6 milhões no trimestre, qual não teria sido a cotação alvo? Acima de R$ 3,50?

A minha impressão (é só uma impressão) é que com um dólar alto, a empresa mira um dólar que acaba sendo menor do que o efetivo. Com o dólar baixo, ocorre o contrário. Mira um dólar que acaba sendo mais alto do que o efetivo. Ou seja, o financeiro tem uma forte tendência ao overshooting.

Mas, enfim, como não se sabe qual o percentual da exposição ao USD que é protegida via derivativos, não há realmente como criticar.
                                                         ▲                                               ▲

em relação a posi3
Mesmo com queda nas receitas oriundos da crise (varejo egoverno) e lembrando que 100 milhões de receitas do 4trim serão reconhecidas no 1trim de 2017 até que a empresa desempenhou um ótimo EBITDA. A parte ruim realmente foi por conta do financeiro (hedge e custos dá dívida)...

335604  - paulo_prof   - 17 Mar 2017, 01:09
Pois é ... o quadro abaixo mostra o Resultado Financeiro
PositivoResultadoFinanceiro58cb2d64ba172
O caixa e equivalente de caixa médio durante o exercício foi de R$ 490 milhões. Isto produziu uma receita de R$ 91 milhões, ou 18,6%.

O endividamento bruto médio foi de R$ 736 milhões, custando aprox. R$ 145 milhões, ou 19,7%.

Em consequência, o endividamento líquido médio, de R$ 246 milhões, acabou custando R$ 56 milhões, ou 22,0% !!!

Isto é excessivo ... coloco em dúvida a propriedade de manter um caixa tão expressivo nestas condições.

Gostaria que alguém me desse uma luz em relação a esta política que nitidamente está impactando os resultados. Uma empresa que não é capaz de lucrar mais do que R$ 9 milhões no ano, deveria termais cuidado com as finanças.

Por outro lado, a política de proteção cambial custou R$ 58 milhões. Vai saber em qual taxa de câmbio o financeiro travou o dólar. O efeito caixa do hedge, R$ 44,3 milhões, é aprox. 4% do custo dos insumos de R$ 1,17 bilhões.

Do lado positivo, deve-se notar que a margem bruta calculada com o CPV ajustado pelo efeito de hedge, vem aumentando continuamente:
PositivoMargemBruta58cb37d2847a3.png


No frigir dos ovos, o X da questão está na Receita Líquida ... Com Receita pífia, fica difícil!

335605  - pobre   - 17 Mar 2017, 01:28

Ainda há esperança professor...

Segundo consta a receita líquida teria sido 100 milhões maior e será reconhecida no 1trim17

Lembrando também que estamos dentro de uma crise sem precedentes=vendas menores e mesmo assim a empresa teve bom EBITDA e não teve prejuízo na última linha, coisa que há tempos atrás seria normal....

Se a crise passar e o financeiro acordar pra vida podemos ter um case de sucesso pois o resto parece estar melhorando, share aumentando e qualidade dos produtos também...

335606 - lapenti012 -  17 Mar 2017, 02:32
Paulo, A Positivo espera crescer pelo menos de 15% a 20% a receita em 2017. Continuamos ganhando share nos celulares e até PCs. A Positivo está entrando mais forte na linha corporativa e vendendo com credenciais de pós venda IBM. O mercado espera um aumento de 10% nas vendas de PCs para o mercado corporativo já em 2017. Acredito que chegamos ao fundo do poço no quesito varejo e governo com a recuperação da economia. Foi dito na apresentação a analistas que a empresa reduzirá seu caixa entre 20% a 25% com a estabilização da taxa de juros. Quanto a política de Hedges... você pode ver a exposição e média de preços nas notas explicativas.
                                                         ▲                                               ▲

Positivo lucro líquido de R$ 8,8 milhões em 2016

começou a sair na midia

em comparação anual saiu de um prejuízo de 80 milhoes para lucro de 8 milhoes

e so do 4t 2015 saiu de um prejuizo de 53 milhões para lucro de 1.1 milhão

                                                         ▲                                               ▲

335597  - paulo_prof   -  16 Mar 2017, 23:42
No que concerne os números, a receita líquida e a última linha do 4T16 decepcionaram. Vou agora ler o release, mas ao que indicam os números, o maior responsável pelo resultado pífio do 4T16 pode ter sido a política de hedge, ou mal planejada, ou desastrosamente executada. Aliás, no ano, não foi a primeira vez. Um endividamento líquido médio de R$ 246 milhões no exercício deve demandar não mais de uns R$ 40 milhões em despesas financeiras. Daí até os R$ 112 milhões do resultado financeiro negativo, haja hedge!

POSI3

PREÇO: R$ 4,10

PAYOUT (2016) 25,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 39,77

P/VPA 0,63

PSR 0,20

DY 0,63%

EV/EBITDA 4,03

MARGEM BRUTA 29,0%

MARGEM OPERACIONAL 0,6%

MARGEM LÍQUIDA 0,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,103

MARGEM EBITDA 8,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 126,3%

ROE 1,58%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,32



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -11,15%

RESULTADO BRUTO +25,34%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +551,39%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +30,16%



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -21,01%

RESULTADO BRUTO +53,33%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +80,43%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA +219,47%



c) lucro (taxa média anual)

UA passou de negativo para positivo

U2A -38,37%

U3A -17,24%



d) patrimônio líquido médio

UA -11,07%

U2A -6,90%

U3A -4,30%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 80%: R$ 1,32

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +31,0% !!!

335389  - marcosvinicius2  -  13 Mar 2017, 12:50
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 1T08 X 2T08, 2T08 X 3T08 E 3T08 X 4T08 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
Despesas Gerais e Administrativas: No 3T16, as despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 25 milhões. No período, o montante de R$ 7,9 milhões foi reconhecido como despesas com P&D e valores extraordinários, relativos principalmente a custos com rescisões do projeto de reestruturação do quadro administrativo Expurgando-se o histórico de itens extraordinários, de gastos obrigatórios com P&D e os efeitos depreciação e amortização esta conta teria registrado R$ 12,6 milhões, redução de 36,7% em relação aos dados também ajustados do 3T15 e 3,9% em relação ao 2T16.

POSI3
PREÇO: 4,01
PAYOUT (2015): -7,50%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -7,77
P/VPA 0,62
PSR 0,19
DY 0,97%
EV/EBITDA 4,86
MARGEM BRUTA 24,87%
MARGEM OPERACIONAL -2,45%
MARGEM LÍQUIDA -2,45%
LUCRO POR AÇÃO -0,516
MARGEM EBITDA 6,45%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 120,82%
ROE -8,01%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,33

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,84%
RESULTADO BRUTO 13,92%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 485,15%
RESULTADO OPERACIONAL 111,19%
RESULTADO LÍQUIDO 109,84%
EBITDA 144,67%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -6,53%
RESULTADO BRUTO 69,48%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -345,07%
RESULTADO OPERACIONAL 342,83%
RESULTADO LÍQUIDO 342,67%
EBITDA 401,12%

c) lucro (taxa média anual)
UA 109,84%
U2A ND
U3A 96,21%

d) patrimônio líquido médio
UA -13,29%
U2A -6,27%
U3A -3,99%

Resultado Financeiro: O resultado financeiro do 3T16 ficou negativo em R$ 19,9 milhões no 3T16. A conta de variação cambial encerrou o trimestre negativa em R$ 4,6 milhões, resultante da soma de: (i) perda com efeito caixa dos instrumentos de hedge de R$ 39,5 milhões; (ii) ganho com efeito caixa dos pagamentos a fornecedores denominados em moeda estrangeira de R$ 26,0 milhões; e (iii) ganho sem efeito caixa com marcação a mercado de derivativos e atualização de contas a pagar em moeda estrangeira de R$ 8,9 milhões.

68dd592e68.png

68de93c9d0.png

LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO: Foi apurado lucro líquido contábil de R$ 5,5 milhões no 3T16, aumento de 343,0% quando comparado ao resultado do 3T15. No acumulado do ano, a companha apurou lucro líquido de R$ 7,7 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 26,7 milhões registrado nos primeiros nove meses de 2015.

CAPITAL DE GIRO: O capital de giro financeiro, composto pelos estoques, contas a receber e fornecedores, totalizou R$ 410,6 milhões no fim do 3T16, redução de 14,5% em relação ao 3T15 devido às medidas adotadas pela companhia para otimização do capital empregado, com foco na conta de estoques.

Prof Paulo, bom dia.

O que poderemos esperar do balanço de Positivo3? Um lucro de mais de 10,? 20? seria possivel? parece que o hedge nao vai ser problema desta vez e a empresa está trabalhando no sentido de zerar suas dívidas, o que seria otimo pois já tomou bastante tombo na parte financeira.

E as margens dos smartphones, será que serão maiores que dos pcs?

Poderíamos estar num momento de turnaround clássico??????
Depende da Receita Líquida. Estou trabalhando com uma margem bruta de 30%, resultado financeiro negativo em R$ 20 milhões e despesas operacionais de R$ 105 milhões.

Se a Receita Líquida do 4T for parecida com aquela do 2T, eu não me surpreenderia com uma DRE parecida com

Receita Líquida R$ 560 milhões

Resultado Bruto R$ 168 milhões

Despesas Operacionais (R$ 105 milhões)

EBIT R$ 63 milhões

Resultado Financeiro (R$ 20 milhões)

Resultado Antes dos Impostos R$ 43 milhões

IR/CS (R$ 15 milhões)

Lucro Líquido R$ 28 milhões

Depreciação/Amortização R$ 12 milhões

EBITDA R$ 75 milhões

Agora ... não faço ideia de como realmente virá a Receita Líquida e de como se comportará a margem bruta na concorrência do Natal.

Paulo_prof, a minha análise não está tão dissonante da sua.

RECEITA LIQUIDA: R$ 550 M

MARGEM EBITDA: 10%

EBITDA CONTABIL: R$ 55 M

- Amortização e Depreciação: (R$ 12 M)

- Despesas financeiras: (R$ 15 M)

EBITDA AJUSTADO: R$ 50 M

- despesas com hedge: (R$ 5 M)

LUCRO LIQUIDO: R$ 23 M

DIVIDA LIQUIDA:

Saldo: R$ 210 M

Lucro Líquido: (R$ 23 M)

Monetização créditos fiscais: (R$ 20 M)

Divida Liquida findo 2016: R$ 167 M 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
334327  - PURAT   -  17 Fev 2017, 17:29
POSI3 Prf Paulo quis dizer
aprecio seu laboroso trabalho sempre
nossa POSI3 parece no caminho certo
viu o FR? tks!!!

POSITIVO INFORMÁTICA S.A.
CNPJ: 81.243.735/0001-48
NIRE: 41.300.071.977
(BM&FBOVESPA: POSI3)
COMPANHIA ABERTA

FATO RELEVANTE

Curitiba, 17 de fevereiro de 2017 - A POSITIVO INFORMÁTICA S.A. (“Companhia”) comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que celebrou com a EAD – Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (“Seja Digital”) aditivo contratual para o fornecimento de decodificadores set-top-box, no âmbito do programa de migração do sinal analógico para o digital da televisão aberta do Brasil (“Programa”).

Os aparelhos serão entregues em tranches a partir de fevereiro, com conclusão estimada para o terceiro trimestre deste ano. O volume até o momento contratado representa um faturamento de R$ 267 milhões para a Companhia em 2017.

Cumpre informar que estão previstas novas rodadas de tomadas de preço, por parte da Seja Digital, para aquisição de lotes adicionais de decodificadores. A Companhia continuará participando destas concorrências com o objetivo de ampliar sua participação no Programa.

Lincon Lopes Ferraz
Diretor de Relações com Investidores
http://siteempresas.bovespa.com.br/consbov/ArquivoComCabecalho.asp?motivo=&protocolo=548734&funcao=visualizar&Site=C

334311  - Gusmaran -  17 Fev 2017, 14:44
POSI3 anunciou receitas adicionais de R$ 267 M na venda de conversores que se estenderão de fevereiro de 2017 ao 3T17. O comunicado deixou aberta possibilidade de ampliação desse contrato. No fórum da POSI3 verificamos que o montante licitado seria de R$ 2 Bi. Normalmente a empresa ganha 60% de todas as licitações que disputa. Estamos falando de 13% do total. Mas é provável que fique em 25, 30%. Logo, existe uma probabilidade importante desse contrato mais que dobrar de tamanho.

Com esse contrato anunciado a minha planilha aponta R$ 225 Milhões de Ebitda pra 2017, mas vou trabalhar com o piso de R$ 200 M por conservadorismo. A Divida liquida, acredito, estará na faixa de R$ 100 M no final desse ano. Nesse cenário o papel estaria negociado a 2,25 x Ev/Ebitda e com razão DL/Ebitda de 0,5 x.

Portanto, olhos atentos. Numa bolsa em que tenho visto empresas pouco alavancadas (DL/Ebitda ~ 1x) negociar a 13x Ev/Ebitda e as alavancadas (Dl/Ebitda acima de 3x) a 9x, 2,25 é um achado.

Boa tarde a todos.

334293 - grizzo -  17 Fev 2017, 11:39
Notícia positiva...rsrsrsrs

Fato Relevante Curitiba, 17 de fevereiro de 2017 - A Positivo Informática S.A. (BM&FBOVESPA: POSI3) ("Companhia") comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que celebrou com a EAD - Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV ("Seja Digital") aditivo contratual para o fornecimento de decodificadores set-top-box, no âmbito do programa de migração do sinal analógico para o digital da televisão aberta do Brasil ("Programa"). Os aparelhos serão entregues em tranches a partir de fevereiro, com conclusão estimada para o terceiro trimestre deste ano. O volume até o momento contratado representa um faturamento de R$ 267 milhões para a Companhia em 2017. Cumpre informar que estão previstas novas rodadas de tomadas de preço, por parte da Seja Digital, para aquisição de lotes adicionais de decodificadores. A Companhia continuará participando destas concorrências com o objetivo de ampliar sua participação no Programa. Lincon Lopes Ferraz Diretor de Relações com Investidores Relações com Investidores

Citação: bandaseven - Post #333841 - 08/Fev/2017 13:26
Prof Paulo, poderia comentar TPIS3 e POSI3 por favor?
No que se refere a POSI, veja
Entretanto, o Gusmaran está mais qualificado para comentar ...
[...]
Obrigado Paulo, mas acho que a questão de POSI3 não é aquela coisa tipo "e se o balanço não vier com Ebitda tão alto, e se vier com pouco lucro? Ah que risco!" Não. Não é isso. Isso seria se fosse uma queridinha do mercado em que todos embutem um crescimento que justifique os altos múltiplos que costumam pagar: 10, 13 e até 20x Ev/Ebitda que é o caso da Drogaraia..

No caso e POSI3, ela negocia a 5,52x Ev/Ebitda de 2015 quando fez R$ 90 M de Ebitda. Em 2016 a empresa já fez R$ 107 M nos 9M, e há quem espere que termine em R$ 150 M. Eu sempre trabalhei com R$ 140 M - podem olhar os meus posts mais antigos - por tentar ser conservador. Nessa hipótese, o papel negocia a 3,55x Ev/Ebitda de 2016, o que é muito baixo. Talvez a ação mais barata que eu tenha conhecimento. E olha que eu gosto de buscar ativos estressados, turn arounds, etc, rs. Mesmo a SGPS3 que tem uma relação DL/Ebitda maior que 3x negocia a 4,5x Ev/Ebitda de 2016.

Porém, acredito que POSI3 possa fazer R$ 150 M de Ebitda em 2016. Nesse caso o múltiplo fica ainda mais baixo, por óbvio: 3,31x Ev/Ebitda.

Mas.....como o mercado olha pra frente, já temos indícios de que a companhia venha a alcançar Ebitda de R$ 200 M em 2017. Isso se consubstanciaria quando vemos: 1) venda de maquinas para Cielo; 2) Venda de conversores digitais para operadoras de telefonia; 3) constante aumento de share em smartphones; 4) Vendas para governos africanos; 5) manutenção da base de receita de 2016. Nesse caso, o múltiplos Ev/Ebitda - considerando a divida liquida esperada ao final de 2016 e não ao final de 2017 - já estaria em 2,48x.

Acho que o risco maior de estar comprado seria SE os múltiplos fossem muito altos oriundos de alta expectativa do mercado. Acho que não é o caso. Nesse interim, SELIC baixando, expectativa de retomada da economia no final de 2017, com retomada de vendas de PCs e notebooks (caíram 55% de 2014 para 2016) podem melhorar muito a base de receitas, o que comprimiria ainda mais os múltiplos.

Outra coisa bacana é que, caso a empresa venha a liquidar seu endividamento, o custo da divida iria praticamente à ultima linha, virando lucro. Obviamente haveriam tributos sobre isso, mas no geral a empresa teria mais caixa livre. É o caminho que imagino que eles estão percorrendo. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

333043  - Gusmaran  -  25 Jan 2017, 18:24
Paulo_prof, eles vão lançar agora em fevereiro para vender em farmácias. O Lincon que é o DRI da POSI3 disse na reunião publica que eles querem atacar o varejo exatamente via farmácias. Disse também que querem entrar no mercado da Fleury (Sic). Eles pretendem lançar o produto que custe R$ 1.000 no varejo. Hoje os oxímetros da HT estão na faixa de R$ 4k a R$ 8K, dependendo da funcionalidade (licença de software inclusa, etc)

Falar até papagaio fala, mas o plano da POSI3 é bem ambicioso. Eu, particularmente estou bem cético quanto a esse negocio, embora meus colegas de fórum que estão em contato permanente com o RI estejam confiantes. Sei muito bem como é dificil trabalhar um produto novo, e a POSITIVO é um exemplo disso, pois demorou bastante para emplacar as vendas de celulares. Agora que encontrou o produto (Quantum) que o consumidor gosta, é outro papo. Ainda sobre a HT eu acho que esse ano vamos começar a entender um pouco melhor. Lembre-se de que aqui as margens são enormes, pois os produtos são patenteados.

Aos que não sabem, a Positivo tem um departamento de "caçadores" de start ups e já ouvi boatos que já encamparam uma outra companhia com futuro bem promissor. Acho que estão no caminho.


Para quem leu o livro "Steve Jobs" sabe que a Apple comprou uma filial da Xerox que tinha desenvolvido o sistema de "janelas" que usamos até hoje. A microsoft copiou e a Apple entrou com uma ação contra eles. Quando Steve Jobs voltou a Apple, que quebraria em questão de meses, selou o acordo judicial com o Bill Gates para encerrar o processo por 1 bilhão de dolares. A Xerox que vendeu a tecnologia praticamente deixou de existir.

Profº Paulo admiro sua postura
se possível tecer comentários about Posi3 e fundamentos

tks!!! 
A menos que esteja enganado, suspeito que o mercado esteja "por fora" do case da empresa, ou não confia em sua política de hedge. A inclinação da curva do câmbio parece ter uma alta correlação com a tendência do preço, com este caindo com a valorização do dólar.

No que concerne os fundamentos da empresa estou "cautelosamente" otimista. Acredito que os sinais que estão sendo emitidos são mais do que suficientes para justificar estar comprado. Em minha carteira, o peso do ativo é 3,5%.

O meu otimismo é baseado nos resultados do 3T16 e nas perspectivas de curto prazo:

a) Normalização das vendas ao governo;

b) Aumento do share do Quantum (ticket e margem maiores) no faturamento

c) Monetização dos créditos fiscais

d) aceleração das vendas de máquinas para a Cielo

e) continuação do processo de redução da divida líquida

f) manutenção da margem bruta numa faixa acima dos 30%

g) geração anual de caixa medida pelo Ebitda acima dos R$ 150 milhões

Considerando o endividamento liquido ao final do 3T16 ( compatível com os meus critérios pessoais, que incluem ativos e passivos em derivativos e eventual REFIS) de R$ 211 milhões, e o valor de mercado atual de R$ 278 milhões (ao preço de R$ 3,25), EV/EBITDA = 3,26 ... uma pechincha!

332998  - ZOTTI -  24 Jan 2017, 20:37
Pois é prof,

É intrigante mesmo este desprezo do mercado. Acho que nem sabe que a Positivo vende celulares de qualidade(quantum) e estes drivers da cielo, etc. Eles tem também uma JV na área de tecnologia da saúde que parece interessante. Enfim, assim como o sr. eu tô pagando pra ver. Acho que vale no mín umas 2xx o que negocia. Talvez após a divulgação do 04T os indicadores fundamentalistas fiquem mais limpos e pessoal veja, rsrs.

Acho que tem bastante gente do fórum comprada.

O Sr não vê o aumento na concorrencia em celulares que houve do 2T16 para o 3T16 com reflexos na Receita se acirrando mais ainda nesse mercado num cenario de inadimplencia alta e credito caro aliado a queda de investimento do governo e empresas no setor de informatica devido a situação economica dos mesmos como fatores que põe em duvida os proximos resultados?

só para deixar claro,a exposiçaõ em posi3 é bem relevante na minha carteira

Aumento da concorrência em celulares? Acho que depende realmente do ponto de vista.

Houve uma redução "brutal" (-52,2%) no número de feature phones, do 2T16 para o 3T16. Por outro lado, um crescimento sólido (+34,8%) o número de smartphones vendidos. No número total de celulares vendidos, de fato, houve uma pequena redução (-5,9%).

Mas, qual é o problema de perder market share num segmento onde os preços e as margens são baixas, se vc ganha market share no mercado "premium"?

O preço médio do celular vendido passou de R$ 220 no 2T16, para R$ 281 no 3T16, um aumento de 27,7%! Em conseqüência, apesar de vender 5,9% menos celulares, a receita líquida na venda de celulares cresceu 21,2%.

No que concerne as vendas ao governo, vamos ver ... ficarei decepcionado se os números não forem substancialmente melhores do que no 3T16. Por outro lado, tenho consciência de que provavelmente as vendas ao governo nacional deverão declinar nos próximos anos. Mas nada impede que a receita de venda a outros governos cresça. A experiência que a empresa adquiriu ao vender para o governo brasileiro pode ser útil alhures. Por outro lado, a experiência e os canais de distribuição que a empresa adquiriu na venda de desktops, notebooks e tablets, deverá ser muito útil no desenvolvimento do mercado de smartphones.

Finalmente, no que concerne diversificação, há as maquininhas para a Cielo, que deve ir muito bem, e o desenvolvimento de produtos na área de saúde, mais para o longo prazo.

O X da questão é se a perda de faturamento em desktops, notebooks e tablets será compensada pelo ganho em celulares e demais produtos no portfolio.

Se eu tivesse certeza que a perda será compensada com sobras, a posição em carteira não seria tão tímida.

333016  - Gusmaran   -  25 Jan 2017, 11:49
o pauloprof foi muito feliz ao dizer que "o mercado parece não conhecer o case da Positivo". Eu mesmo tentei falar com o Felipe Miranda (WhatsApp) e o Bruce Barbosa (twitter) e aquele me disse que não estudavam a empresa. O ultimo nem me respondeu. Mas o tal do Ricardo que é responsável pelo dailypro da Empiricus emitiu seu parecer. Disse que a empresa está num setor onde várias multinacionais foram obrigadas a sair vendendo suas operações, pois o ramo de PCs e Notebooks (sic) é dominado pela informalidade, e as margens serão apertadas sempre. Nem sabem que a Positivo saiu do zero para 4,6% de share em smartphones; mal sabem das maquinas da Cielo, que devem adicionar algo entre R$ 500 e R$ 750 M em receita em 3 anos; mal sabem sobre a HI Technologies (aqui me permita corrigir o pauloprof: o negócio não é pra longo prazo. Eles vão lançar os produtos em fevereiro próximo, logo, estamos falando de curto e médio prazo para maturação); e também não sabem que a empresa cortou custos demitindo o alto escalão, que incluiu diretoria, gerencia, etc. O resultado de tudo isso é crescimento de receita, melhora de margens, aumento do Ebitda, e volta à lucratividade.

Alguém acima lembrou da EZTC3. Eu também lembrei logo quando comprei POSI3 no dia seguinte ao resultado do 2T16. Eu tive reuniões com o pessoal do Safra e eles diziam que não cobriam. O mesmo aconteceu quando o Itau BBA estava realizando road shows para o IPO da MGLU3. Eles não cobriam. Quem está cobrindo são os fóruns do ADVFN que estão antenadíssimos. Mas para repetir a valorização da EZTC3, POSI3 vai ter que entregar. Tudo indica que vai, mas nada é certeza nesse mundo.

333017  - Jonas_Schwingel  -  25 Jan 2017, 12:27
Recomendações de casas de análise nos melhores momentos? Nem a pau! Se informações que valem milhões forem disponibilizadas a um grande número de pessoas, ela deixa de valer milhões para poucos e passa a valer migalhas para muitos. O pessoal da grana pesada monta suas posições na surdina e recomenda compra bem depois, geralmente quando querem vender. Pra ganhar na bolsa a gente sempre tem que agir antes da precificação. Isso é óbvio e fácil de dizer, mas difícil de fazer. O momento pré-precificação é sempre de enorme incerteza, e geralmente quando o sentimento de mercado não é tão POSITIVO. rs

Obs.: Não tenho o papel, mas não acho má ideia tê-lo, desde que o peso seja adequado ao risco, que não é pequeno. O Prof. já deu a deixa sobre essa questão de peso vs. risco. Como sempre, concordo com ele. Se há alguém de boa fé aqui neste espaço, é o professor.

talvez minha pergunta não tenha ficado clara,o horizonte seria de 2 anos para cima,não somente em relação ao 4T16 quanto ao acirramento da concorrencia em celulares e smartphones

quanto ao governo e empresas brasileiras eu concordo que as vendas devam ser declinantes nos proximos 2 a 3 anos,podendo melhorar após esse prazo

e concordo também que o resultado do 4T16 já deve mostrar os numeros que por enquanto são dificeis de mensurar quanto as novas receitas,já que não há historico nenhum quanto a elas e suas margens 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

POSI3 sofrendo bastante nas últimas semanas, de novembro pra cá caiu de 4,20 para 3,00. Alguém comenta? Acho que tá dando entrada....
Se entendi direito, a exposição líquida da empresa ao dólar em 30SET2016 era de USD 37,4 milhões (R$ 121,5 milhões).

A exposição líquida é constituída do montante devido aos fornecedores estrangeiros (USD 88,2 milhões), empréstimos em moeda estrangeira (USD 79,3 milhões) e custo dos insumos importados necessários para os projetos vendidos ao governo (USD 7,4 milhões), menos o hedge cambial (USD 79,4 milhões de swaps cambiais, USD 46,2 de NDFs e USD 11,8 milhões em opções de compra).

Quando há uma desvalorização do dólar, a empresa ganha no custo dos produtos importados, inclusive aqueles necessários para cobrir os projetos de governo, e endividamento em moeda estrangeira. Mas perde nos instrumentos de hedge. Como a exposição ao dólar não é neutra (a empresa tem um passivo líquido em dólar), a desvalorização do dólar produz ganho líquido. Quando há uma valorização do dolar, ocorre o oposto.

Parte da exposição líquida ao dólar é impactada pela taxa média de câmbio no trimestre e parte pela taxa de câmbio no último dia do trimestre.

No que concerne a taxa média de câmbio no trimestre, após uma leve elevação do 4T15 para o 1T16, houve quedas fortes no 2T16 e 3T16. No 4T16, espera-se um aumento do dólar médio de aprox. 5% em relação ao 3T16. No que concerne o dólar no final do período, Depois de uma queda contínua do final do 3T15 ao 2T16 e uma leve aumento no 3T16, espera-se um aumento também de aprox. 5% no 4T16.

Como há um passivo em dólar e este está valorizando, o impacto será negativo nas contas da empresa. O custo dos produtos vendidos e o endividamento aumentarão e serão parcialmente compensados pelos ganhos nos instrumentos de hedge. Quanto mais o dólar valorizar neste final de trimestre, pior será para a empresa. Por outro lado, o impacto será tanto maior quanto maior for a Receita Líquida pois, a menos que os instrumentos de hedge forem algo turbinados, a exposição líquida ao dólar deverá também aumentar.

Não arrisco uma opinião sobre qual deverá ser a cor da última linha da DRE, se azul ou vermelha ... mas se o resultado vier bom, para mim será uma surpresa. 

Desculpe, mas é justamente o oposto que está ocorrendo. A companhia relatou perdas com hedge de R$ 5 M dado a desvalorização do dolar no período. Hoje a empresa tem USD 80 M travados a R$ 3,20/R$ 3,25 e a mensagem do RI é de que deverá haver lucro com esta operação.

Veja o que ocorreu no 1T16 quando o dolar perdeu valor em relação ao real. Abaixo, trecho do release do 1T16:

O resultado financeiro do 1T16 ficou negativo em R$ 37,8 milhões, impactado pela perda na conta de
variação cambial, proveniente de marcação a mercado de instrumentos de hedge de insumos e
atualização das obrigações futuras com fornecedores em aberto em moeda estrangeira, ambas sem
efeito caixa, no montante de R$ 26,5 milhões. A variação cambial negativa foi causada pela forte queda
da cotação do dólar, que passou de R$ 3,90 para R$ 3,56 ao longo do trimestre (-9%). A proteção cambial
contratada refere-se, principalmente, a projetos de governo já precificados para entrega no Brasil no
2T16 e 3T16.

Desconsiderando a conta de variação cambial, o resultado financeiro do 1T16 totalizou um montante
negativo de R$ 10,3 milhões, apresentado uma melhora em 9,5% na comparação anual, quando a soma de receitas e despesas financeiras resultou uma perda de R$ 11,4 milhões. 

331445  - paulo_prof  -  19 Dez 2016, 13:47
Quando o dolar desvaloriza, a empresa ganha no custo dos insumos e endividamento e costuma PERDER com os instrumentos de hedge ... acho que foi isto que afirmei acima ...

Vc afirma ... a companhia relatou perdas com hedge de R$ 5 M dado a desvalorização do dolar no período ... completamente em linha com a minha afirmação, ou não?

No 1T16, o dolar médio valorizou pouco, mas o dolar no final do período DESVALORIZOU muito ... em consequência, houve ganhos no que concerne o endividamento denominado em dólares mas perdas no que concerne instrumentos de hedge.

No 4T16, como o dólar vai valorizar tanto na média quanto no final do período, a empresa vai perder no que concerne o endividamento em reais (tanto com bancos quanto com fornecedores) e vai GANHAR nos instrumentos de hedge, como o RI da empresa explicou. Ocorre que o ganho com os instrumentos de hedge não deve ser suficiente para compensar o impacto da desvalorização do real no endividamento (incluindo fornecedores).

O problema de se analisar os números da Positivo é que na DRE, o custo dos produtos vendidos não leva em consideração os ganhos/perdas com o hedge de proteção ao preço dos insumos. Se o dolar valoriza, só é registrado o aumento de custo correspondente, sem "descontar" o ganho com o instrumento específico de hedge. Por outro lado, o Resultado Financeiro engloba tudo ... juros líquidos, variação cambial, ganhos/perdas com o hedge ... No press release, o efeito do hedge no custo dos produtos é informado mas, a menos que esteja enganado, este efeito de hedge específico no custo dos produtos, depois não é deduzido da conta do Resultado Financeiro, e quem faz a análise tem dificuldades em avaliar o real impacto do instrumento de hedge sobre o custo dos produtos e sobre o endividamento total, incluindo fornecedores.

331446  - Gusmaran -  19 Dez 2016, 14:04
Paulo, lendo seu segundo post, acredito que estamos alinhados, embora o primeiro post tenha trazido à tona uma preocupação bem maior que a necessária no meu modo de entender. Acredito que o seu ponto principal é: a alta do dolar vai afetar o endividamento nessa moeda e os instrumentos de hedge não serão o suficiente para proteger a exposição total. Me corrija se eu estiver errado, mas foi o que deu a entender.

Nos releases da empresa, ao contrário do que você comentou, a Positivo expõe a evolução do CPV com, e sem os instrumentos de hedge. Se você parar pra analisar este histórico, vai perceber que mesmo em oscilações abruptas do dolar o CPV não mudou mais que 0,5% da receita líquida, o que me leva a crer que este hedge tem funcionado muito bem. Se por um lado é verdade que o endividamento em dolar sofre com a apreciação dessa moeda, também é verdade que o hedge cambial vai gerar lucros na outra ponta. Vale constar que os instrumentos de divida em moeda estrangeira tem um percentual baixo no endividamento total da companhia. Por isso, acredito que apesar de o assunto ter bastante relevância, o impacto não seria esse que você deixou subentendido no seu primeiro post.

331456  - paulo_prof   - 19 Dez 2016, 19:29
Antes de mais nada quero deixar claro que o objetivo não é polemizar ... e se a minha preocupação de fato é bem maior do que aquela necessária ... ótimo ... pois embora a exposição seja baixa, estou comprado no ativo!

As únicas informações que tenho para basear, digamos, minhas preocupações, são aquelas que estão no press release e Notas Explicativas do ITR.

As Notas Explicativas do 3T16 informam que há uma exposição equivalente a R$ 121,5 milhões que não estaria protegida por hedge. Se a taxa de câmbio aumentar 5% em relação a 30SET2016, o impacto seria de aprox. R$ 6 milhões. Como o Lucro antes dos Impostos no 3T16 foi de R$ 5,5 milhões, R$ 6 milhões de aumento nas despesas já faria um estrago considerável.

Evidentemente, o resultado do 4T16 vai depender da Receita Líquida (se houve ou não evolução), do mix de produtos vendidos e se a empresa está sendo capaz de repassar pelo menos em parte o aumento na taxa de câmbio. Por outro lado, a empresa pode ter decidido diminuir a sua exposição cambial, aumentando o nível de proteção via aumento de contratação de derivativos. Simplesmente, não há dados para uma avaliação confiável.

Acima, vc afirma: Vale constar que os instrumentos de divida em moeda estrangeira tem um percentual baixo no endividamento total da companhia. Acho que não é bem assim ... De acordo com a minha planilha, o endividamento líquido em reais ao final do 3T16 seria de R$ 211 milhões (empréstimos de R$ 624 milhões + R$ 43 milhões em derivativos - R$ 455 milhões em caixa e equivalentes de caixa). Já o endividamento em dólares (vide Nota Explicativa do ITR do 3T16), seria de USD 79,4 milhões (ou R$ R$ 258 milhões) aprox 120% do endividamento líquido!!!

De qualquer forma, o endividamento em dólares não preocupa porque, ao final do 3T16, a empresa tinha swaps protegendo 100% da exposição (USD .79,4 milhões).

331460  - Gusmaran -  19 Dez 2016, 19:41
Paulo, a receita liquida foi afetada pela suspensão das compras de entes governamentais no 3T16 devido a legislação eleitoral. Já no 2T16, nas transcrição do webcast, e também em uma apresentação aos investidores, a empresa antecipou que as vendas ao governo do 2S se concentrariam no 4T16.

Só para se ter uma idéia, no 2T16 a receita líquida com vendas ao governo foi de R$ 188 milhões contra R$ 64 milhões no 3T16. O ebitda saiu de R$ 45 M para R$ 33 M, o lucro de R$ 12,6 M para R$ 5,5 M. Esse foi o item que prejudicou o resultado do 3T16.

Eu também não quero polemizar e estou apenas trocando informações de mercado. Tenho acompanhado a empresa e fui na ultima reunião pública. Acredito em aumento da receita líquida em todos os setores da empresa, com exceção de PCs e Notebooks no varejo. Smartphones, venda para governo, JV no exterior e vendas de maquinas para Cielo devem ser o destaque do 4T16.

331437 - paulo_prof   -  18 Dez 2016, 23:22
Se entendi direito, a exposição líquida da empresa ao dólar em 30SET2016 era de USD 37,4 milhões (R$ 121,5 milhões).

A exposição líquida é constituída do montante devido aos fornecedores estrangeiros (USD 88,2 milhões), empréstimos em moeda estrangeira (USD 79,3 milhões) e custo dos insumos importados necessários para os projetos vendidos ao governo (USD 7,4 milhões), menos o hedge cambial (USD 79,4 milhões de swaps cambiais, USD 46,2 de NDFs e USD 11,8 milhões em opções de compra).

Quando há uma desvalorização do dólar, a empresa ganha no custo dos produtos importados, inclusive aqueles necessários para cobrir os projetos de governo, e endividamento em moeda estrangeira. Mas perde nos instrumentos de hedge. Como a exposição ao dólar não é neutra (a empresa tem um passivo líquido em dólar), a desvalorização do dólar produz ganho líquido. Quando há uma valorização do dolar, ocorre o oposto.

Parte da exposição líquida ao dólar é impactada pela taxa média de câmbio no trimestre e parte pela taxa de câmbio no último dia do trimestre.

No que concerne a taxa média de câmbio no trimestre, após uma leve elevação do 4T15 para o 1T16, houve quedas fortes no 2T16 e 3T16. No 4T16, espera-se um aumento do dólar médio de aprox. 5% em relação ao 3T16. No que concerne o dólar no final do período, Depois de uma queda contínua do final do 3T15 ao 2T16 e uma leve aumento no 3T16, espera-se um aumento também de aprox. 5% no 4T16.

Como há um passivo em dólar e este está valorizando, o impacto será negativo nas contas da empresa. O custo dos produtos vendidos e o endividamento aumentarão e serão parcialmente compensados pelos ganhos nos instrumentos de hedge. Quanto mais o dólar valorizar neste final de trimestre, pior será para a empresa. Por outro lado, o impacto será tanto maior quanto maior for a Receita Líquida pois, a menos que os instrumentos de hedge forem algo turbinados, a exposição líquida ao dólar deverá também aumentar.

Não arrisco uma opinião sobre qual deverá ser a cor da última linha da DRE, se azul ou vermelha ... mas se o resultado vier bom, para mim será uma surpresa.

331438  - pobre   -  18 Dez 2016, 23:42
Em relação a posi3 estou bem otimista. ....

Empresa diminuindo a dependência em relação à manufatura de computadores e aumentando a exposição em celulares.

Dívida líquida diminuindo

Manufatura das máquinas da Cielo devem ajudar no aumento da lucratividade

Contratos para exportação para África de computadores e tablets em vigência

Hi tecnologia crescendo e com promessa de lançamento de novos produtos em 2017

Enfim, a marca de computadores positivo que tem rejeição muito grande (padrão CCE) pode estar sendo substituídapela marca quantum de celulares que parece estar sendo muito bem aceita pelo mercado e com isso um caso de turn around pode estar em curso. É minha aposta para 2017!!!
                                                                                           ▲                                                                      ▲
330385  - Marasmo   -  24 Nov 2016, 15:13
Positivo Informática transfere toda a produção de Curitiba para Manaus

Vantagens Tributárias:

ZFM – Zona Franca de Manaus

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO (II) – Redução de 88% sobre os insumos destinados à industrialização ou proporcional ao valor agregado nacional quando se tratar de bens de informática;

IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (IPI) – Isento
PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) e FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) – Alíquota zero nas entradas e nas vendas internas entre indústrias e de 3,65% nas vendas de produtos acabados para o resto do pais.

IMPOSTO SOBRE A RENDA (IR) – Redução de 75% do Imposto sobre a Renda e Adicionais Não Restituíveis, exclusivamente para reinvestimentos. Comum em toda Amazônia Legal.

Estadual
IMPOSTO SOBRE A CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS (ICMS) – Crédito Estímulo entre 55% a 100%. Em todos os casos as empresas são obrigadas a contribuir para fundos de financiamento ao ensino superior, turismo, P&D e às pequenas e microempresas.


Demais Regiões

1. PIS:
” Base de Cálculo: faturamento mensal.
” Alíquota: 0,65% para as empresas optantes pelo Lucro Presumido; e 1,65% para as empresas optantes pelo Lucro Real.
” Vencimento: até o vigésimo quinto dia do mês subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. Antecipa-se o recolhimento caso esse dia recaia em sábados, domingos ou feriados.

2. COFINS:
” Base de Cálculo: faturamento mensal.
” Alíquota: 3% para as empresas optantes pelo Lucro Presumido; e 7,60% para as empresas optantes pelo Lucro Real.
” Vencimento: até o vigésimo quinto dia do mês subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. Antecipa-se o recolhimento caso esse dia recaia em sábados, domingos ou feriados.

3. ISS:
” Base de Cálculo: valor dos serviços prestados no mês.
” Alíquota: cada município é livre para estipular as alíquotas de ISS sobre os serviços prestados, respeitando a mínima de 2% e a máxima de 5%.
” Vencimento: a legislação municipal é que estipulará o vencimento, mas geralmente, os dias 15 ou 30 do mês subseqüente aos serviços prestados são os mais utilizados pelas prefeituras.

4. ICMS:
” Base de Cálculo: valor da venda de mercadorias e prestações de serviços de transportes interestadual, intermunicipal e de comunicação.
” Variável de acordo com cada região do país, as alíquotas poderão ser de 12% ou 17% ou 25%; já para as operações interestaduais , as alíquotas poderão ser de 4% ou 7% ou 12%.
” Vencimento: até o 10° (décimo) dia após o encerramento do período de apuração.

5. IPI:
” Base de Cálculo: valor da venda dos produtos fabricados pela própria indústria ou industrializados por outra.
” Alíquota: são variadas e estão presentes na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI). Exemplos: café torrado 0%; relógio de pulso 20%; relógio de ponto 15%; pulseira de metal para relógio 10%; assentos de ônibus 4%; portas de madeira 5%; quebra-cabeça (puzzle) 10%.
” O vencimento será deverá ocorrer até o vigésimo quinto dia do mês subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. Para ME e EPP não optantes pelo Simples Nacional, o vencimento será até o último dia útil do mês subseqüente ao fato gerador.

6. IRPJ – Lucro Presumido:
” Base de Cálculo: receita bruta do trimestre.
” Alíquotas: – Indústria e Comércio – 1,20% do faturamento bruto trimestral;
– Serviços de transporte, exceto de cargas – 2,40% do faturamento bruto trimestral;
– Prestação de serviço Profissionais – 4,80% do faturamento bruto trimestral;
– Revenda de combustíveis – 0,24% do faturamento bruto trimestral;
– Serviços hospitalares e de transporte de cargas – 1,20% do faturamento bruto trimestral;
– Serviços em geral – 4,80% do faturamento bruto trimestral.
NOTA: No caso de atividades diversificadas, será aplicado o percentual correspondente a cada atividade.
” Vencimento: até o último dia útil do mês subseqüente ao encerramento do trimestre (31/01 -30/04 – 31/07 – 31/10).
Prestadores de serviços em geral, exceto serviços decorrentes de profissões legalmente regulamentadas, cuja receita bruta anual das atividades tenha sido de até R$ 120.000,00, poderão utilizar a alíquota de 2,40% para o IRPJ .

7. IRPJ – Lucro Real:
” Base de Cálculo: lucro mensal ou trimestral da empresa.
” Alíquota: 15% sobre o lucro real.
” Vencimento: até o último dia útil do mês subseqüente ao mês de apuração.

8. CSLL- Lucro Presumido:
” Base de Cálculo: receita bruta do trimestre.
” Alíquotas: – Indústria e Comércio – 1,08% do faturamento bruto trimestral;
– Prestação de serviço em geral e Profissionais – 2,88% do faturamento bruto trimestral;
NOTA: No caso de atividades diversificadas, será aplicado o percentual correspondente a cada atividade.
” Vencimento: até o último dia útil do mês subseqüente ao encerramento do trimestre (31/01 -30/04 – 31/07 – 31/10).

9. CSLL – Lucro Real:
” Base de Cálculo: no lucro mensal ou trimestral da empresa.
” Alíquota: 9% sobre o lucro real
” Vencimento: até o último dia útil do mês subseqüente ao mês de apuração.

330001  - paulo_prof  -  15 Nov 2016, 03:29
No que se refere os resultados da POSI nos próximos trimestres há duas grandes incertezas: a) performance de vendas de notebooks e desktops ao setor público e, b) adequação da política de hedge dos insumos.

No meu modo de entender, se não houver uma recuperação das vendas de computadores ao setor publico, a empresa não será capaz de apresentar resultados interessantes. Por outro lado, se a política de hedge dos insumos tiver sido mal feita, o resultado do 4T16 seria fortemente impactado.

Ao contrário do que ocorreu no 2T16 e 3T16 quando, devido ao real valorizado, as despesas com os insumos importados sofreram redução, com a consequente perda financeira nos contratos de hedge, no 4T16 ocorrerá o contrário: a despesa com os insumos deverá crescer, diminuindo a margem bruta, que será compensada com o ganho no hedge cambial.

De qualquer forma, no que se refere a POSI eu tenho olhado mais para a geração de caixa medida pelo Ebitda do que para o lucro líquido propriamente dito. Nos 9M16 o ebitda somou R$ 108 milhões, para um resultado financeiro negativo de R$ 86 milhões e investimentos de R$ 27 milhões ... não parece que sobre alguma coisa a ser distribuído ao acionista!

329946  - pobre   -  14 Nov 2016, 10:33
O resultado do 3 trim de posi3 veio ruim devido as vendas fracas de computadores para o setor público. (totalmente previsível). O lado bom é que mesmo com esta baixa na venda de pcs, a empresa não postou prejuízos, o que era normal a alguns trimestres atrás. E as boas vendas do celular quantum não foram contabilizados neste trimestre.
Celulares hoje em dia é considerado item de primeira necessidade e mesmo na crise todos compram. Se a empresa conseguir emplacar um modelo que caia no gosto popular é o primeiro passo para o sucesso. E parece que conseguiu com o novo modelo do quantum fly. Segundo a teleconferência são 14 mil pessoas na fila de compra e que serão atendidos nestes últimos dois meses do ano. Além disso a empresa está realizando atividades para melhorar suas margens via diminuição de custos e aumento de eficiência, uma das quais é a mudança física de Curitiba para Manaus. Outros investimentos também estão em andamento (para mais detalhes entre no forum específico da positivo aqui no advfn)
Pra mim vale a aposta a médio prazo como turn around, porém a curto prazo podemos ter turbulências no papel, visto que a arrancada desde o ultimo trimestre foi forte e a eleição do Trump também pode interferir causando turbulências na cotação. Faço aqui uma correlação com BRSR6 que no inicio do ano, a 4 reais ninguém queria, já a 10 reais os tubas se degladiavam entre si para compras!!!

pobre

PS.: na espera da análise do prof Paulo...rsrsrs

329941 - jorge tomaz - 14/Nov/2016 02:10
Pobre,
qual a sua ideia com POSI3?
O resultado veio meia boca, mas o Trump com o dólar jogou a dita cuja -15% em um dia.
E aí? Por enquanto vou ficar na espera....

Posi3
Com a palavra Prof Paulo :
Há alguns meses atrás na divulgação do segundo trimestre o Sr postou que positivo estava barato. De lá pra cá algumas ótimas notícias colocaram o papel em evidência, principalmente em relação à área de celulares. 
Seria posi3 uma ótima ação para ganhar um bom $$$$ com essa disparada da bovespa?
Não arrisco fazer alguma afirmação ... 

Com a valorização do real, os produtos importados ficam mais baratos. Em consequência, aumenta a concorrência. Por outro lado, sabe-se que a Positivo faz hedge dos insumos que importa, protegendo-se de eventual disparada do dólar. Se o hedge não foi bem feito, as despesas financeiras com a valorização do real podem ser substanciais, impactando o lucro. 

Em princípio, o resultado do 3T deverá vir bom ... mas eu não colocaria a mão no fogo!

328801  - pobre   -  24 Out 2016, 21:21
Obrigado professor!
É que notícias impactantes sobre a fabricação de celulares quantum estão vindo à tona também. O novo celular foi bem aceito no mercado e a positivo através da boreo está investindo mais de 600 milhões em uma nova fábrica de baterias de celulares em Manaus. Por isso a grande alta de hoje. !
E sobre qgep3? O Sr acompanha? 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

POSI3

A quem interessar possa, olhei a DF e ainda tem um restinho de reserva de lucros.

Já tem 2 milhões de lucro acumulado no 1S16. Se 3T e 4T repetirem 2T, fecharia com cerca de 27 milhões de lucro, PL 11,8 (de 2016, trimestre anualizado daria 6,3).

O dividendo mínimo de 25% seria de cerca de 7,7 centavos por ação.
Historicamente o 2% semestre da Positivo costuma ser bem melhor que o 1º...

No segundo semestre além das vendas no varejo de final do ano também entra nos resultados valores das compras governamentais...

O lucro anual deve superar com folga os 27 milhões...


A Positivo teve apenas dois prejuízos anuais e está caminhando para o 8º ano de lucro...

2015 - (79.881)

2014 - 23.271

2013 - 15.590

2012 - 30.190

2011 - (67.907)

2010 - 89.196

2009 - 118.717

2008 - 136.075

2007 - 65.775

Valor de mercado atual: 304.666

Me parece um valor de mercado atrativo principalmente pelo market share que a empresa vem conquistando no setor de celulares...

A cereja do bolo está no novo lançamento que promete disputar mercado com os tops de linha gringos...o smartphone Fly...
                                                                                           ▲                                                                      ▲

POSITIVO é um lixo de empresa. Componentes de péssima qualidade. Usa chipset SiS. Não fabrica.
Ter produtos "lixo" não significa ser um lixo de empresa (GRND?), assim como ter bons produtos não significa ser boa empresa (LLIS?).

328210  - Jonas_Schwingel  -  11 Out 2016, 16:35
É aquele ditado. Quando se está atrás de ovo, tanto faz a cor da galinha.

328211 - mbsilva - 11/Out/2016 15:37
Esse sabe do que está falando... Kkkk

Pelo visto, tem muitos comprados em POSI3. Gestão é tudo. LLIS3 pecou várias vezes. foi multado pelo MPT em 1 milhão de reais. se for falar, vai dar uma redação. 

GRND não tem produto lixo e como já falei, gestão é tudo.

MGLU3 eu to comprado desde Abril. Olhe oque o filho da TRAJANO revolucionou na gestão ??

328214 - guswerneck - 11/Out/2016 15:50
Poderia estar falando besteira, se não conhecesse a fundo.

328218 - minkowski - 11/Out/2016 16:07
POSI pode ser um lixo, mas os motivos que você citou não implicam nisso. Você poderia acrescentar valor ao fórum nos explicando melhor o motivo.

328221 - fridao - 11/Out/2016 16:11
Será que MGLU deixou de vender produtos da POSI...e melhorou?

O cara cria o perfil hoje pra vir falar mal de um ativo que bastante gente do fórum tem posição.

As cotações subiram bem nos últimos dias e o pessoal está fazendo um trocado.

Qual o seu propósito de vir aqui falar mal de um ativo que está fazendo os comprados felizes? Queria ter comprado também, perdeu o bonde e agora vem aqui praguejar? O que se passa? 

328223 - fvolpato  -  11 Out 2016, 17:16
Chipset dos celulares Quantum é MediaTek

Nos Vaio são usados Chipset Intel Nq82915gm

Não sei como pode avaliar uma empresa por usar chipset da Silicon Integrated Systems.

Talvez não seja um produto Hi-End, até pq o publico almejado por ela também não seja.

Será que Via Varejo inovou tanto, a ponto de subir 100% desde que vc comprou ?

Calma cara... Pense Positivo...

328229 - fridao -  11 Out 2016, 17:35
POSI pode ter/fabricar produtos lixo mas, certamente, MGLU e VVAR continuam vendendo-os em suas lojas...ainda mais que o povão adora comprar uns lixinhos...

328237  - Minkowski   -  11 Out 2016, 18:12
Concordo que Positivo não é para longo prazo. Mas conforme análise do Professor Paulo, está muito barata e qualquer provento distribuído ou bom trimestre pode dar um resultado bacana.

Até 1kg de bosta tem valor, pode ser usado como adubo.
                                                                                           ▲                                                                      ▲
328202  - Deva21 -  11 Out 2016, 06:00
Posi3 chegou a custar 37,00 e ainda não atuava na área de smartphones e máquinas de pagamento eletrônico,acredito muito nessa empresa,excelente potencial para crescimento!!!

327377 - BAC 1000  -  22 Set 2016, 02:01
SENSACIONALLLLLL

A curitibana Quantum completou um ano de existência no início do mês com três linhas de smartphones em seu portfólio, que tiveram uma recepção calorosa dos consumidores – o último modelo, o Quantum Fly, esgotou em menos de 24 horas. Mas, curiosamente, a empreitada mais ambiciosa da marca para os próximos anos pode estar um mercado bem diferente: o de soluções de pagamento.

A Quantum, que funciona como uma divisão de negócios independente da paranaense Positivo Informática, foi uma das empresas escolhidas para desenvolver e produzir a nova máquina de pagamento da Cielo, batizada de Cielo Lio. O aparelho tem funções semelhantes a um celular, incluindo conexão wi-fi e 3G, e utiliza um sistema operacional próprio baseado no Android, do Google – o mesmo sistema adotado nos smartphones da Quantum".

327375  - BAC 1000   -  22 Set 2016, 01:52
Esse novo celular, o Novo smartphone da Quantum já é um sucesso de vendas...
Já tem fila de espera pra adquirir o produto...
E agora com esta parceria com a cielo vai explodir...

327374 - BAC 1000   -  22 Set 2016, 01:49
Novo smartphone da Quantum se esgota em 24 horas
Com modelo top de linha, empresa quer brigar com gigantes do mercado
- See more at: http://www.amanha.com.br/posts/view/2803#sthash.j046qv19.dpuf

327373  - BAC 1000  -  22 Set 2016, 01:47
ESTADÃO PME » Informação » notícias

| 17 de setembro de 2016 | 5h 00
Lego fecha com a Positivo para vender kits educacionais

Em negociação de R$ 20 milhões, empresa paranaense ficará responsável pela distribuição dos kits de robótica desenvolvidos pela marca dinamarquesa
inCompartilhar
Renato Jakitas - O Estado de S.Paulo

Famosa pelos seus blocos de montar, o Grupo Lego acaba de fechar uma parceria com a Positivo Informática para tentar emplacar no País seu ainda desconhecido braço educacional, chamado de Lego Education. A empresa paranaense ficará responsável pela distribuição dos kits de robótica desenvolvidos pela marca dinamarquesa, que integram as tradicionais peças montáveis a um software e uma série de livros didáticos a serem utilizados como suporte dentro de conteúdo de aulas de linguagem, física e de matemática.

Fontes próximas afirmam que o contrato exigiu desembolso inicial de R$ 20 milhões por parte da Positivo, que compreende basicamente a importação dos kits. As empresas, no entanto, não revelaram os valores da operação.

Ainda segundo essas fontes, o contrato será por tempo indeterminado e sua manutenção ficará sujeita ao cumprimento das cláusulas anuais de desempenho. A ordem que chegou da Dinamarca, dada pelo diretor de mercados emergentes, Jorgen Skov, é a de expandir das atuais 3 mil para 10 mil o número de escolas que adotam a solução da empresa em dois anos.

O acordo com a Positivo vinha sendo costurado desde o começo do ano, quando o grupo rompeu o contrato com o parceiro que desenvolvia o mercado local para a Lego Education havia 17 anos e convidou a Mcassab, da família Cuitait, para assumir parcialmente a operação. A Mcassab é a responsável pela distribuição dos brinquedos da Lego desde 2004.

Na época, Robério Esteves, diretor da Mcassab, reconhecia a dificuldade em assumir sozinho a Lego Education. “Conhecemos bem a Lego, mas é verdade que (a MCassab) não tem experiência no setor de educação. Vamos começar do zero”, confidenciou Esteves na ocasião, ao Estado.

Exatamente por isso, a executiva Roberta Baldivia, responsável pela Lego Education no País, vinha conversando com outras duas empresas com vivência no setor. Pesou a favor do Positivo, que vai portanto dividir a distribuição com a Mcassab, o bom relacionamento com as escolas da rede públicas, tidas por Roberta como chave para sua expansão no Brasil. Hoje, das 14 mil escolas atendidas pela Positivo Informática, 11,5 mil são municipais ou estaduais. “Nossa meta é chegar a 5% das escolas brasileiras até 2018. Isso dá 10 mil escolas. Queremos repetir o tipo de contrato que fechamos com o governo de Recife, para fornecimento em toda a rede municipal de ensino”, diz Roberta. Contratada há três anos para desenhar a expansão, a executiva vê no processo de distribuição o principal obstáculo para popularizar seus kits.

“A gente estava há muito tempo atrás de um parceiro para integrar nossas soluções de robótica em educação”, conta Elaine Guetter, vice-presidente da Positivo Informática Tecnologia Educacional. “Assim que soubemos que a Lego Education estava buscando novos parceiros, fizemos um contato e começamos a negociar”, conta.

O primeiro produto da parceria envolve a incorporação da Linha Mais Matemática, lançada neste ano pela Lego Education, pelo programa multimídia Pense Matemática, da Positivo, composto por dinâmicas de aula, atividades, recursos digitais e materiais complementares para o ensino fundamental. “Vamos adaptar alguns produtos e, a partir de 2017, lançar alguns livros e sistemas novos com a Lego Education”, conta Elaine.

Preço. Para além da definição de novos parceiros, outro desafio histórico para ampliar o mercado educacional para a empresa é o preço. Um dos principais produtos, o kit para montagem de robôs Ev3, que conta com blocos de Lego, motores e sensores, é vendido por R$ 2,4 mil.

No início do ano, a empresa fez o lançamento mundial do Wedo, versão mais econômica e que deve custar no País R$ 1.150. "Em 2014, baixamos em 40% o preço de todos os produtos. Desde então, a matriz decidiu assumir o custo da variação cambial, para não repassar as altas de câmbio. Nossa percepção é que, neste momento, estamos com o preço mais baixo possível", diz Roberta.

Justiça. Enquanto o Grupo Lego vai definindo sua estratégia para seu braço educacional, quem parece mais sentir o golpe da nova realidade é a Zoom Education, a parceira que por 17 anos manteve a exclusividade na distribuição dos kits de robótica.

Um ano depois de assumir o controle da empresa, Victor Barros passou a encarar um cenário mais turbulento. Além de perder o contratou assinado por seu tio Marcos Wesleye (o fundador da empresa) em 1998, de quebra ainda viu sua empresa ser alvo de um processo provocado por sua base de franqueados.

Onze franquias da empresa não digeriram o novo momento da empresa e pedem na Justiça a quebra de contrato com a Zoom para manter os atuais clientes e negociar diretamente com os novos distribuidores, a Positivo e a Mcassab, a compra dos kits de robótica.

O processo corre sob sigilo na Justiça de São Paulo, mas de lado a lado, as acusações são mútuas, assim como é o cuidado de preservar a Lego Education de toda a discussão. "Eles lutam pelo direito de continuar vendendo os kits e não querem confusão com os dinamarqueses", diz uma fonte próxima.

"Eu paguei R$ 1 milhão para ter uma franquia da Lego Zoom. Agora que a empresa diz que não tem mais nada a ver com a Lego, queremos quebrar esse contrato e seguir com nosso negócio", afirma Marcio Lorenti, que tinha cinco franquias da empresa para atuar em todo o interior de São Paulo.

"Eu não posso comentar muito essa história, que está em segredo de Justiça. Mas a verdade é que algumas dessas franquias estavam em um momento de renovação de contrato e eles querem algo muito normal nesse ramo, que é sair da base de franqueados e levar os clientes", justifica Victor Barros. "Nosso negócio vai continuar. A gente vai comprar dos distribuidores e faturar R$ 40 milhões neste ano", conta.

FONTE:http://pme.estadao.com.br/noticias/pme,lego-fecha-com-a-positivo-para-vender-kits-educacionais,20000000180,0.htm

327371  - BAC 1000   -  22 Set 2016, 01:41
OBSERVEM O GRANDE POTENCIAL DA EMPRESA:

A curitibana Quantum completou um ano de existência no início do mês com três linhas de smartphones em seu portfólio, que tiveram uma recepção calorosa dos consumidores – o último modelo, o Quantum Fly, esgotou em menos de 24 horas. Mas, curiosamente, a empreitada mais ambiciosa da marca para os próximos anos pode estar um mercado bem diferente: o de soluções de pagamento.

A Quantum, que funciona como uma divisão de negócios independente da paranaense Positivo Informática, foi uma das empresas escolhidas para desenvolver e produzir a nova máquina de pagamento da Cielo, batizada de Cielo Lio. O aparelho tem funções semelhantes a um celular, incluindo conexão wi-fi e 3G, e utiliza um sistema operacional próprio baseado no Android, do Google – o mesmo sistema adotado nos smartphones da Quantum.

Além da Quantum, a empresa paulista Gertec, especializada em sistemas de automação comercial, também participa do projeto. A Cielo faz questão de apresentar o aparelho não como uma máquina, mas sim como uma “plataforma” para o varejo, voltada para o controle e gestão dos negócios. As primeiras unidades entraram em operação em maio deste ano.

Tanto a Quantum como a Gertec trabalham neste caso como prestadoras de serviço para a Cielo e ambas as marcas não aparecem no aparelho – tampouco nos materiais de divulgação e releases sobre a solução. O que surge como uma oportunidade de negócio única para as duas empresas é a dimensão dos planos da Cielo: a marca, líder de mercado, pretende atingir 50 mil unidades da Cielo Lio em operação no Brasil até o fim deste ano e um milhão nos próximos cinco anos.

veja também
Mercado de PCs baixa os preços e volta a crescer após um ano e meio no vermelhoO Quantum Fly vale a pena? Tudo sobre o celular que esgotou em 24 horasMarca de celular curitibana dribla concorrência e conquista espaço no varejo
Ao final de 2015, a empresa possuía uma base de 2,15 milhões de máquinas tradicionais de pagamento, que capturaram 6,2 bilhões de vendas no ano passado. A intenção agora é aproveitar esse contingente já conquistado de lojistas para disseminar a nova plataforma e, nas palavras da Cielo, “transformar o varejo brasileiro”.

“Da mesma forma que temos a inquietude como nossa marca registrada, estamos criando um mercado novo com o objetivo de provocar a nossa indústria e possibilitar a reinvenção do varejo”, afirma, em nota, Rômulo Dias, presidente da Cielo.

A Cielo não divulga quanto investiu na criação da plataforma e os detalhes da negociação envolvendo a Quantum e a Gertec – inclusive as funções específicas de cada empresa no projeto – são mantidos em segredo. Contatada, a Positivo Informática afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não poderia prestar quaisquer informações sobre a Cielo Lio.

A empolgação com o projeto, no entanto, não passou despercebida. No evento de lançamento do celular Quantum Fly, no fim de agosto, o presidente da Positivo Informática, Hélio Rotenberg, citou brevemente o negócio com a Cielo em seu discurso, limitando-se a afirmar que a companhia estava trabalhando em um “projeto com a Cielo para cartão de crédito”.

A afirmação, na ocasião, veio para reforçar a guinada no modelo de negócios da Positivo, que, segundo Rotenberg, “deixou de ser uma fábrica de computadores para ser uma empresa multimarca, de multidispositivos”. Em pouco mais de um ano, a companhia paranaense, abalada pela retração no mercado nacional de computadores, onde é líder, passou a comercializar no Brasil notebooks da marca japonesa Vaio, lançou a marca de smartphones Quantum, adquiriu 50% da startup de equipamentos médicos Hi Technologies e fechou uma parceria com a Lego para vender kits educacionais de robótica.

FONTE:http://www.gazetadopovo.com.br/economia/curitibana-quantum-esta-por-tras-das-novas-maquinas-da-cielo-que-prometem-transformar-o-varejo-3zy1e0ltfuj3qrjbporrt78o0 
Seria o caso de um típico turn-around???

Positivo Informática só noticias boas:

empresa voltou a postar lucros;

está sendo beneficiada na parte fiscal devido à mudança da área fabril para Manaus;

divisão de celular aumentando market share;

divisão de celular Quantum com lançamento todo vendido e lista de espera por segundo lote;

empresa vai começar a fabricar máquinas de pagamento de cartões;

acaba de anunciar parceria com a lego para venda de kits escolares;

analisando somente o ultimo semestre, P/L em torno de 5 e P/Vp=0,5

Se o lucro vier na casa dos 17 milhoes neste trimestre (o que é factível) P/L projetado na casa dos 3,5 !!! Isso sem contar nas premissas postadas acima.

Pode ser ainda considerada aposta, visto que a empresa ainda tem que "mostrar" os resultados esperados, porém, se eles vierem os investidores poderão ver esta ação dar um belo UP!
na expectativa
Pobre,
como deve ter visto no meu AVISA me posicionei em POSI3. Acho que as expectativas são muito boas. Como costumo olhar alguns releases das empresas antes de me posicionar (e isso já me fez perder oportunidades por falta de tempo), li os últimos quatro TRI. Gostei muito. A empresa vem:
- cortando custos; 
- diminuindo as despesas;
- aumentando as margens;
- transferiu fábrica para Manaus para se beneficiar na parte fiscal;
- venda de celular explodindo;
- estão deixando o negócio de tablet de lado, devido ao “mercado cinza” que dificulta a competição.
Resumo do resumo: a empresa está aumentando as receitas, diminuindo as despesas e se tornando mais eficiente (aumento das margens). Se isso não for um bom direcionamento não tenho ideia do que pode ser.
Não postei o meu racional antes porque fiquei enrolado. Aliás, vou desligar o PC. Estou em um hotel, patroa arrumando as crianças para o jantar, rsrsrs. Passei só para dar uma urubuservada. Amanhã de volta.

Obs.: nunca tinha estudado a empresa por ter uma certa “desconfiança” de uma empresa de banânia neste setor. Resolvi pagar para ver. 

Venda de celular explodindo é positivo ou Samsung?

POSITIVO

1T16
Forte crescimento da venda de telefones celulares, com volume de 366,8 mil aparelhos (+580,6%), representando 16,0% da receita líquida consolidada; 
Divulgação dos novos smartphones Positivo: Positivo Quattro X435 e Positivo Selfie S455.

2T16
Ganho de market share no mercado de celulares, atingindo 6,1%¹ (+3,9 p.p.): 
- Positivo assume a 4ª posição no ranking de maiores vendedores de celulares no Brasil; 
- Vendas atingem 748 mil aparelhos (+146%) e faturamento bruto R$ 164 milhões (+163%);
- Categoria já representa 26% da receita total da companhia.

................................ 3T14.....4T14........1T15........2T15.......... 3T15..........4T15.........1T16...........2T16
Smartphones.........53.889...141.847.....76.832....110.907.....194.645.....154.702.....191.873.....398.025
Features Phones...........9....105.032...120.442....192.908.....172.170.....173.100.....196.502.....349.495 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
327247  - pobre  -  19 Set 2016, 12:41
Seria o caso de um típico turn-around???

Positivo Informática só noticias boas:

empresa voltou a postar lucros;
está sendo beneficiada na parte fiscal devido à mudança da área fabril para Manaus;
divisão de celular aumentando market share;
divisão de celular Quantum com lançamento todo vendido e lista de espera por segundo lote;
empresa vai começar a fabricar máquinas de pagamento de cartões;
acaba de anunciar parceria com a lego para venda de kits escolares;
analisando somente o ultimo semestre, P/L em torno de 5 e P/Vp=0,5
Se o lucro vier na casa dos 17 milhoes neste trimestre (o que é factível) P/L projetado na casa dos 3,5 !!! Isso sem contar nas premissas postadas acima.
Pode ser ainda considerada aposta, visto que a empresa ainda tem que "mostrar" os resultados esperados, porém, se eles vierem os investidores poderão ver esta ação dar um belo UP!

na expectativa

POSI3 me lembra Eztc3 em 2008,ninguém queria quando custava 1,85-2,00,só o small e alguns fundamentalistas de opinião,depois de um tempo o pessoal comprava a 18,00 sem dó,posi3 esta com divida liquida baixissima,evolução de receitas mesmo com o mercado em recessão e ganhando market share nas area de smartphones(quantum fly)vendendo muito,diminuindo despesas administrativas,enfim otimos fundamentos!!!
326810  - Ronimendes -  06 Set 2016, 02:03
Mas tem uma diferença piubela... a eztec tinha, no máximo, concorrentes nacionais fabricando o mesmo tipo de produto.
A positivo enfrenta concorrente de nomes internacionais de peso.
Sinceramente, em minha humilde opinião, posi3 não cola...
Mas eh somente a minha opinião...
Do ponto de vista fundamentalista, a empresa ainda tem que provar muita coisa pra ser considerada boa...tem que dar lucro....consistentemente....tem que mostrar evolução do lucro...
Pra comprar posi3 agora, eh apostar.
Se for pra apostar, prefiro apostar em fiis com vacância do que em ações, apostar em fip-e como xpom11 ou esut11, apostar na reversão do preço do das commodities comprando vale5, brap4 ou goau4...
Mas, não me escute...estou perdido e não sei pra onde vou..

326811  - claubi   -  06 Set 2016, 02:24
Sobre POSI3 , copia e cola do press release 2º trim.

" Aceleração do ganho de market share no mercado de celulares, atingindo 6,1%1 (+3,9 p.p.):  Positivo assume a 4a posição no ranking de maiores vendedores de celulares no Brasil;  Vendas atingem 748 mil aparelhos (+146%) e faturamento bruto R$ 164 milhões (+163%);  Categoria já representa 26% da receita total da companhia;

 Expansão da parceria com a VAIO para início de vendas na Argentina, Chile e Uruguai;

 Entrada no setor de tecnologia médica com a aquisição de 50% da Hi Technologies:
 Empresa em preparativos para o lançamento de produtos inovadores em 2017;


 Redução do endividamento líquido para R$ 226,2 milhões, o menor nível em três anos, com
relação Dívida Líquida / EBITDA Ajustado de 1,9x."

Em outubro de 2015, foram iniciadas as vendas da marca VAIO no Brasil. Foi a primeira parceria internacional neste formato anunciada pela VAIO Corporation. Desde então, a companhia passou a atuar no segmento high premium de notebooks, que tem como característica ser menos suscetível às flutuações do mercado.

Expansão VAIO para outros países da América Latina: a parceria com a VAIO Corporation foi ampliada para os territórios da Argentina, Chile e Uruguai. Na Argentina, a partir de setembro, os notebooks VAIO terão fabricação, distribuição e pós-venda efetuados pela IFSA (joint venture da companhia com o grupo BGH). O avanço para Chile e Uruguai está previsto para o início de 2017, também em joint venture com grupo BGH.

Eu tenho 5% da minha carteira.

326813 - piubella -  06 Set 2016, 02:31
Obrigado Ronimendes,acredito que esse é o objetivo,trocar informações,mas o investimento em posi3 esta justamente em uma aposta,a empresa mostrou que está procurando acompanhar a evolução tecnologica,entrou no ramo de smartphones,transferiu toda sua linha de produçao para zona franca de manaus(monetização de impostos)também começou a fabricação de maquinas de pagamentos eletronicos,ainda aumentou sua participação em mercados como Argentina/Chile/Uruguai/Ruanda,enfim posso estar redondamente enganado,mas acredito que vale o investimento com uma certa moderação.
Grande abraço Ronimendes

Não estudei POSI. Mas curiosamente a marca tem aparecido na minha vida nas últimas semanas.

A empresa onde trabalho está fazendo atualização tecnológica. Comprou mais de 1000 desktops. Marca? Positivo.

Minha mulher precisou comprar um notebook. Pesquisou bem e foi de Positivo pensando no custo benefício. Está satisfeita, pelo menos por enquanto.

E tenho notado um aumento significativo de smartphones da marca por aí.

Enfim, estas coisas não significam muita coisa e não provam nada a respeito da empresa, mas... Pode até ser que a empresa consiga engatar um crescimento. Marcas são assim. Quando a coisa engrena e os consumidores são satisfeitos, o efeito manada faz um bom serviço.

Pode não ser o caso de competir com uma Samsung da vida. No mercado há diferentes nichos. Me parece que o caso da Positivo é vender para classes C e D.

Vou estudar a empresa. Talvez coloque uns pingados nela. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲

Jorge Tomaz

Já analisou POSI3?

Se a empresa mantiver o lucro do semestre o P/L é em torno de 5 !!!
Os celulares parecem estar batendo recordes de venda.
O Quantum Fly que lançou novo modelo já esgotou o lote inicial. 
A tranferencia para Manaus seguirá sendo eficaz em relação a isenção de impostos.
E parece que a empresa está entrando no ramo de máquininhas de pagamentos.

Prof Paulo, algum comentário???
Como não acompanho a empresa, não sei se há esqueletos escondidos ...

No que tange exclusivamente os números frios, as perspectivas parecem muito boas. Não me surpreenderei se o Resultado do 3T16 for sensivelmente melhor do que o do 2T16. No 2T16 (e maior ainda no 1T16), a empresa foi bastante impactada pelas operações de hedge cambial que visa proteger o custo dos insumos importados. Com a valorização do real, a empresa foi beneficiada pelo menor custo dos produtos vendidos e foi impactada negativamente pelas operações de hedge. Para se ter uma ideia, um endividamento líquido de R$ 252 milhões no 4T15 levou a um resultado financeiro negativo de R$ 38 milhões no 1T16 e um endividamento líquido de R$ 270 milhões ao final do 1T13 "custou" R$ 28 milhões no 2T16. Resumindo, o 1S16 na empresa emplacou um resultado financeiro negativo de aprox. R$ 66 milhões, para um endividamento líquido médio de aprox. R$ 260 milhões!!!

Ao que tudo indica, ao final de setembro a taxa de câmbio deverá estar apenas pouco acima daquele de fechamento do 2T16. Como consequência, o custo dos produtos vendidos deverá aumentar um pouco (possivelmente a margem bruta cairá algo próximo de 1%) mas as operações de hedge deverão ser neutras, ou levemente favoráveis. 

O meu chute é de um lucro líquido de aprox. R$ 17 milhões no 3T16, o que corresponderia a um P/L anualizado de 3,6!

Pobre,
olhando rapidamente parece que as perspectivas são boas. Mas, não li nenhum release, se vc acompanha o papel de uma analisada com os dados abaixo. De maneira geral, margens, RL, EBITDA, DivLiq/EBITDA e LL melhorando, não tenho a mínima ideia se é um movimento sustentável. A que se estudar os releases.
Apesar da melhora da DivLiq/EBITDA, me parece, pelo aumento do último, as Desp Financeiras continuam aumentando. Como está estruturada a dívida da empresa? Quanto da dívida é de curto prazo?

São só divagações. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
325768 - paulo_prof   -  10 Ago 2016, 17:26
Ao que parece, a Positivo está deixando a fase de prejuízos recorrentes para trás ...

O resultado me parece sólido, ou seja, replicável nos próximos trimestres.

No presente momento POSI3 está sendo negociada a um P/L do 2T16 anualizado de 4,28 e um EV/Ebitda = 4,07. Se não surgirem surpresas nos próximos 2 trimestres, me parece que apesar da alta de hoje, o ativo está barato. 
PAULO prof como bom apreciador das suas análises gostaria que desse uma pincelada sobre POSI3 ainda mais depois que entrou p/ o ramo de celulares tmb! thks como sempre!http://www.telesintese.com.br/positivo-encerra-2015-com-aumento-de-127-nas-vendas-de-celulares/
323384  - paulo_prof   -  25 Jun 2016, 06:46
No 1T16, em relação ao 1T15, a Positivo vendeu 1,0% menos computadores (desktops + notebooks), menos 79,2% tablets e 96,9% mais telefones celulares (smartphones e feature phones).

Em termos de receita líquida, os números dos 1T16 foram:
computadores (desktops + notebooks): -25,9%
tablets e outros: -43,5%
telefones celulares: +150,7%

Ocorre que em termos relativos, a receita líquida obtida com telefones celulares é pequena, tanto é que em termos da receita líquida total, houve uma involução de 16,9% em relação ao 1T15 em termos nominais. A involução foi sensivelmente maior em termos reais.

Como já havia postado anteriormente:


Não é trivial entender o Relatório da Positivo ...

No que concerne o Resultado Financeiro, além das receitas financeiras obtidas com o caixa disponível e as despesas financeiras decorrentes dos financiamentos, a Positivo contabiliza o (i) Efeito caixa do hedge dos insumos> e a Marcação a mercado e outros itens não caixa. Para ter uma ideia, no 1T16 estes efeitos somaram despesas de R$ 27,5 milhões que foram somadas ao custo do endividamento líquido, de R$ 10,3 milhões.

Este resultado financeiro mais negativo resulta numa redução do lucro líquido contábil ... para dourar um pouco a pílula, a empresa então "inventa" um lucro líquido ajustado, onde compensa a Marcação a mercado e outros itens não caixa.

No frigir dos ovos, o que interessa mesmo é o lucro líquido contábil, pois é sobre este que são distribuídos proventos. Mas este anda muito ruim ... nos últimos 12 meses a empresa postou um prejuízo de R$ 102 milhões, R$ 10 milhões dos quais no 1T16.

No que concerne o Ebitda, a contabilidade da empresa também apresenta um valor "ajustado" ... Mas nos últimos 12 meses, este valor seria de R$ 91,4 milhões, para um resultado financeiro negativo em R$ 77,5 milhões ... com uma suposta "sobra" de caixa de apenas R$ 14 milhões.


Não tivesse contabilizado a despesa financeira não caixa devido à desvalorização cambial, a empresa teria postado um lucro de aprox. R$ 16 milhões no 1T16.

No 1T16, o dólar desvalorizou 8,7% (passou de R$ 3,90 para R$ 3,56). Hoje, está em R$ 3,38, uma desvalorização adicional de 5,1%. Em consequência, se o dólar não disparar até o final do mês, o meu chute é que no 2T16 a empresa continuará a postar prejuízo.

Possivelmente, a empresa só passará a operar no azul quando o câmbio se estabilizar, ou o dólar valorizar.

323393 - rondap   -  25 Jun 2016, 15:19
Paulo_prof, acompanho posi3 desde 2008 (logicamente não comprado ;) . Concordo em gênero número e grau com sua análise. Só gostaria de acrescentar um detalhe que pode influenciar muito o resultado dos próximos trimestres. Que é o fato dela ter transferido boa parte da sua linha para Manaus. Isso garante que a empresa vai monetizar os "famosos créditos a compensar" referente aos impostos, que no caso da posi3 é uma parcela significativa do caixa. Ademais, peço sua permissão pra compartilhar este POST no fórum específico da Posi3. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
321801  - PURAT   -  16 Mai 2016, 19:55
neste espaço que aprecio alguém poderia opinar pela melhora nos fundamentos de POSI3? thanks!

Positivo Informática registra crescimento
de 151% da receita líquida de celulares
Curitiba, 13 de maio de 2016 – A Positivo Informática S.A. (BM&FBOVESPA: POSI3) anuncia hoje
seus resultados do 1T16. As informações financeiras e operacionais a seguir se referem aos resultados
consolidados da Positivo Informática S.A. e estão apresentadas em IFRS e em reais (R$). As comparações, exceto onde indicado, referem-se aos resultados do 1T15.


Forte crescimento da venda de telefones celulares, com volume de 388 mil aparelhos, já representando 20% da receita líquida consolidada;
 Expansão de 266% das vendas de PCs sob a marca Positivo BGH, impulsionada pelasentregas de novos projetos educacionais da joint venture na África e na Argentina;
 Contínua captura de eficiência em pós-vendas;
 Normalização da rentabilidade da operação brasileira, retomando patamares anteriores à crise;
 Redução das despesas gerais e administrativas de 30%, mesmo sob efeito de elevada inflação e do dissídio coletivo;
 Crescimento de 4,3% do EBITDA Ajustado para R$ 30 milhões;
 Lucro Líquido Ajustado de R$ 16,1 milhões, revertendo o resultado ajustado negativo apresentado no 1T15;
 Boa evolução da redução do excesso de estoques;
 Monetização de R$ 22 milhões em ativos tributários, como reflexo do deslocamento da produção para Manaus;
 Redução do endividamento líquido para R$ 244,7 milhões, o menor fechamento trimestral desde o 2T13, reduzindo a relação Dívida Líquida / EBITDA Ajustado para 2,

282632  - paulo_prof -  11 Nov 2014, 14:54
Vixe !!! Hay bida!!!

POSI3
PREÇO: R$ 2,30
PAYOUT (2013): 25,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 4,00
P/VPA 0,30
PSR 0,08
DY 6,28%
EV/EBITDA 2,83
MARGEM BRUTA 22,5%
MARGEM OPERACIONAL 2,0%
MARGEM LÍQUIDA 2,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,574
MARGEM EBITDA 6,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 75,4%
ROE 7,49%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,94

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses anteriores terminados no 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +1,45%
RESULTADO BRUTO +5,20%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -15,66%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo
EBITDA +43,91%

b) 3T14 sobre 3T13, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -3,23%
RESULTADO BRUTO +17,43%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -61,73
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo
EBITDA +37,05%

c) Ebitda, nominal
UA 43,91%
U2A 20,22%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 0,75%
U2A 1,02%
U3A 1,20%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 5,74

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -20,5%

297313  - danieljoseaa  -  15 Mai 2015, 00:21
POSI3.........
Postou um bom lucro líquido, porém apenas pelo resultado financeiro(estranho, tem que ler o relatório para saber como conseguiu essa façanha)...............operacional fraco, 10 milhões negativos.

Boa geração de caixa.

Mas tá barata né........ ruim com preço de péssima.

257166  - israel007  -  09 Mai 2014, 04:34
POSI3

Ação da empresa Positivo Informatica S.A.
Atua no setor tecnologia da informa??o

Resultado do 1º Trimestre de 2014

A empresa registrou lucro líquido de R$ 1,1 M no 1° trimestre de 2014, redução de 96,3% em relação ao 4° trimestre de 2013 e decréscimo de 90,3% em relação ao 1° trimestre de 2013. A receita líquida totalizou R$ 566,5 M neste trimestre, 20,1% menor que o quarto trimestre de 2013, que foi de R$ 709,2 M. No mesmo período do ano anterior, a receita líquida havia atingido o valor de R$ 551,1 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 20,9% contra 23,1% no quarto trimestre de 2013 e 22,0% no mesmo período do ano passado. Já a margem líquida ficou em 0,2% no 1° trimestre de 2014 contra 4,4% no trimestre ligeiramente anterior.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 1,7 B, aumento de 9,5% em relação ao saldo no 1° trimestre de 2013. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 637,0 M neste trimestre, o que representou uma variação de -1,9% em relação ao saldo no 1° trimestre de 2013.

242015 - paulo_prof  -  21 Fev 2014, 00:18
POSI3
PREÇO: R$ 2,64
PAYOUT (2013): 25,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 14,58
P/VPA 0,35
PSR 0,09
DY 1,72%
EV/EBITDA 4,43
MARGEM BRUTA 21,4%
MARGEM OPERACIONAL 0,6%
MARGEM LÍQUIDA 0,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,181
MARGEM EBITDA 5,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 85,8%
ROE 2,41%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,50

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses anteriores terminados no 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +12,80%
RESULTADO BRUTO +17,49%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +90,68%
RESULTADO OPERACIONAL -46,55%
RESULTADO LÍQUIDO -48,36%
EBITDA +40,42%

b) 4T13 sobre 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +18,43%
RESULTADO BRUTO +10,82%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO
RESULTADO OPERACIONAL +231,26%
RESULTADO LÍQUIDO +238,02%
EBITDA +78,16%

c) lucro líquido, nominal
UA -48,36%
U3A -44,09%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 0,68%
U2A 2,94%
U3A -2,11%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 1,81

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +9,5%

175519 - DANIELBOSSAN -  25 Mar 2013, 23:23
Muitos POSIcionados por aqui?

POSItivo e operante ou POSItivo inoperante???
http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/mercado-de-tablets-no-brasil-teve-crescimento-de-171-no-ano

Tablets no país tiveram crescimento de 171% no ano, diz IDC
Segundo o estudo, do total de tablets vendidos no País, 77% tinham o sistema operacional Android e quase 50% custaram menos de R$ 500

De acordo com estudo realizado pela IDC Brasil, o tablet é o dispositivo móvel que apresenta as maiores taxas de crescimento no mercado brasileiro. Durante o ano de 2012 foram vendidas 3,1 milhões de unidades no Brasil. Esse número representa um crescimento de 171% em relação a 2011, quando o País havia comercializado 1,1 milhão de equipamentos. Somente no quarto trimestre de 2012, foram comercializados de 1,1 milhões de unidades.

Ainda segundo o estudo, do total de tablets vendidos no País, 77% tinham o sistema operacional Android e quase 50% custaram menos de R$ 500. Dos 3,1 milhões de tablets vendidos em 2012, 88% foram para usuários domésticos e 12% para o mercado corporativo. Na comparação com 2011, o segmento doméstico cresceu 159% e o corporativo, 303%.

Para o ano de 2013, a IDC espera que sejam vendidos 5,8 milhões de tablets, número que é 89,5% maior do que o apresentado em 2012. No mês de janeiro de 2013 foram vendidos 350 mil unidades, número15% mais baixo quando comparado às vendas de dezembro de 2012. A queda é compreensiva, já que dezembro é o mês mais aquecido em vendas no ano por causa do Natal.

173119 - fiberman -  15 Mar 2013, 11:17
Minha observacao sobre a POSI, ja' que e' daqui da terrinha, e' dela ser uma empresa complicada. E' muito dependente de subsidios, seja em algum programa tributario do governo que reduza IPI/ICMS de equipamentos de informatica, seja por incentivo populista do "agora-todo-aluno-do-ensino-publico-vai-ter-um-tablet".

Os produtos da empresa nao sao de alta qualidade, nao ha' alto valor agregado - se olhar bem, Positivo e' so' uma montadorade placas e peças afins.
Em tecnologia, ganha o $$$ quem desenvolve valor, por exemplo em software, vide Apple e Microsoft. Montadores de hardware sao "meros" produtores de commodities. O exemplo sao todas as fabricas de China e Taiwan, sobrevivem pela alta quantidade fabricada, mas a margem e' sempre minusculas. Enquanto ate' pouco tempo a Apple foi a empresa mais valiosa do mundo, Foxconn (a montadora do Ipad, Iphone) enfrentava problemas de alto indice de suicidio entre seus funcionarios.

Por causa da margem baixissima, POSI esta' tentando se reinventar em telecom, telefones celulares, tablets... Mas parece mais crise existencial, sem rumo definido e sempre como novo entrante atrasado, o que significa que seu tablet nao e' o Ipad, seu telefone nao compete com o Samsung Galaxy, e so' lhe resta a sina de vender produto "menos bom" por margem apertadissima.

Teve problemas recentes de turnover muito grande, funcionarios da fabrica sem ter o que fazer, pois a linha de producao ficava parada, falta de transparencia da direcao aos proprios colaboradores mediante todo boato de que a fabrica ia ser vendida pra Lenovo, pra Dell, etc.

... e a direcao e' conhecida por seu temperamento sui generis.

173102 - paulo_prof -  15 Mar 2013, 03:12
POSI3
PREÇO: R$ 4,80
PAYOUT (2012): 24,8%

P/L 13,12
P/VPA 0,62
PSR 0,18
DY 1,89%
EV/EBITDA 7,72
MARGEM BRUTA 24,6%
MARGEM OPERACIONAL 1,4%
MARGEM LÍQUIDA 1,4%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,351
MARGEM EBITDA 4,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 74,9%
ROE 4,72%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,38

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 4,39

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 1,5%

173082 - aprendiz quebrado do professor -  15 Mar 2013, 02:07
Caro amigo danieljoseaa....

Já a margem líquida ficou em 1,6% no 4° trimestre de 2012 contra 1,7% no 3T12.

Aí fica difícil

Achei bem bom o release de POSI3.........melhorou em quase todos os quesitos, market share doméstico, receita bruta, receita líquida, Ebitda, se tornou a líder no mercado Argentino, a venda de tablets bombou..............a comparação com o 3° tri mostra uma bela evolução, um lucro líquido ajustado 123% maior.............a comparação com o 4° tri de 2011 é meio surreal né, todo mundo sabia que a empresa não ia chegar nem perto de repetir aquele resultado(se alguém esperasse isso, não estaria cotada como está sendo, ou seja, empresa falida) que aliás foi conseguido com uma receita menor do que a do 4° tri deste ano, me parece que boa parte do LL do 4° tri bombadão de 2011 foi graças a uma tal de "subvenções para investimentos", meio confuso.

P/L(espero eu, temporário) de 13......P/VP de 0,6..........P/Ebitda de 6.............PSR de 0,18..........situação financeira confortável com liquidez corrente de 1,38............e ainda vai voltar a pagar dividendos, poucos, mas vai pagar no final de abril(cerca de 0,088 por ação ou 1,91%).

Gostei do que vi, mantenho a posição que é pequena, integralmente com foco no MP e acompanhando balanços, a empresa está cotada à la empresa falida.

É uma das minhas apostas estilo turnaround e assim vai continuar, sinceramente até me surpreendi com os números apresentados.

A empresa é uma maravilha ou está uma maravilha ?? ÓBVIO que não, se fosse ou estivesse, não estaria cotada com esses indicadores, a precificação dela é esperando tudo de ruim, portanto, o que começar a aparecer de bom ou evoluir em 2013, é literalmente lucro.

173065  - nelsonnpires -  15 Mar 2013, 00:34
Positivo...

Resultado do 4º Trimestre de 2012

A companhia registrou lucro líquido de R$ 9,4 M no 4T12, uma variação de 24,2% em relação ao 3° trimestre de 2012 e redução de 79,4% em relação ao 4° trimestre de 2011. A receita líquida totalizou R$ 568,4 M no 4T12, uma variação de 25,3% em relação ao trimestre ligeiramente anterior e acréscimo de 9,0% em relação ao quarto trimestre de 2011.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 25,4% contra 23,0% no trimestre anterior e 27,1% no 4° trimestre de 2011. Já a margem líquida ficou em 1,6% no 4° trimestre de 2012 contra 1,7% no 3T12.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 1,7 B, crescimento de 16,4% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 640,0 M no 4° trimestre de 2012, o que representou uma variação de 3,4% em relação ao saldo no 4° trimestre de 2011.

167976 - danieljoseaa -  20 Fev 2013, 16:30
POSI3? para cima ou para baixo ?

Se for para baixo, torço para que ela vá para a casa dos 3 reais, assim como você, quanto mais baratinha, melhor, rs.......minha posição ainda não está formada, foi só iniciada.

Expectativa para cima? vai depender dos balanços, sinceramente minha compra inicial nela foi por ela estar muito barata, com indicadores extremamente depreciados, mesmo sabendo do "problema" comparativo do 4° trimestre, para mim isso já está(estava) precificado........não vi nos releases dela o que vi em BEMA, RDNI e na TRIS do Small, ou seja, aquela reversão da curva, em relação a mudança de foco da administração, redução da dívida líquida............o que vi foi apenas uma empresa barata, no estilo, pior que tá, dificilmente fica e com um consequente downside mínimo(pelo menos teoricamente), além disso outro fator que tende a ser positivo(sem trocadilho, rs) é o lançamento de diversos novos produtos, entre eles tablets e celulares.

Vamos acompanhando os balanços, acredito que dificilmente o LL de 2013 não superará o de 2012, mas isso é só "achismo".

O que penso em relação a Positivo é que o " mercado" não espera absolutamente NADA dela, nada x nada..........se em 2013 vier isso(nada) o mercado já esperava e já previamente a precificou de tal forma, agora, se vier algo acima do nada...................sai de baixo, ainda mais com os indicadores atuais, no nível de preço depreciado em que se encontra.
[...]

166770 - rafnob -  11 Fev 2013, 04:20
o pessoal que fala tanto da Positivo já usou algum produto da marca?

Vocês negociam papéis apenas por negociar ou vêem um fundamento de longo prazo e a qualidade dos produtos que a Positivo oferece?

Na boa, pode ser negociada a R$2,00 que eu não compro... o produto da Positivo é um lixo. A minha namorada comprou um laptop premium da marca e o mesmo deu problema na placa mãe um mês depois da garantia de fábrica acabar (e olha que ela só vê e-mail, sites e Office). Tem hora que ele liga e tem hora que se finge de morto e só esperando pra ele funcionar. Ligamos no call center perguntando o que eles poderiam fazer (claro que regras são regras, mas vai que...) e o atendente falou: "Sinto muito". Como se não bastasse, o carregador parou de funcionar e a positivo, pasmem, não vende o carregador(só comprando os genéricos). Enfim, não consigo ser sócio de uma empresa que tanto o produto quanto o pós venda são desreipeitosos e descartáveis.

166431 - danieljoseaa -  07 Fev 2013, 15:05
Citação: Trifloripasempre
Citação: danieljoseaa
Citação: Trifloripasempre
Citação: danieljoseaa
Citação: Trifloripasempre
Citação: small caps
Citação: Trifloripasempre
Small
Bom dia. Está em POSI3?

Salve Floripa.
Não estou não.
Este é um segmento que não considero o país competitivo. O preço dos produtos de informática estão sempre em queda e o investimento tecnológico não é desprezível.
O mais parecido que tenho com POSI, em termos de hardware, são as impressoras fiscais de BEMA3.
Mas, para trade de curto prazo, dependerá do próximo balanço. Nâo será uma tarefa trivial bater o quarto trimestre do ano passado. O ativo está barato pelo seu histórico.
Abraços,
Small caps.

Apesar do quarto trimestre do ano passado ter sido bastante expressivo, todos os trimestres do presente ano apresentaram resultados superiores ao ano anterior. E esse tal de tablet tá vendendo como água.......

"a companhia assinou ata de registro de preços com o FNDE (Fundo Nacional
de Desenvolvimento da Educação) para entrega de até 650 mil tablets. As entregas terão início a partir do
4T12 (inclusive), com receita potencial de até R$ 263 milhões, a ser reconhecida entre o final de 2012 e o
ano de 2013."

Daniel
Esse rapazzzz ainda vai aprender alguma coisa com a gente.......

Poizé, rs, também acho que o Small tem futuro :):):)

Oremossss......agora tudo mundo vai ficar ligado nassa orra de resultado do quarto trimestre da POSI3......kkkkkkkk.......comprei mais um pouco hoje, para melhorar o saldo mérdio.

hehe.....que virá menor que os 45 milhões do 4° tri de 2011, tenho certeza.....agora, penso que isso já tá precificado, se alguém esperasse novos 45 MI, não estaria cotada nesses 5 reais :):)
Nessa aí, uns 40%/50% de lucro, lá nos 7,00/7,50, começo a fatiar......uma hora bate lá, rs...........Os indicadores estão muito, mas muito no chão, pechincha detected!
Lançamento de tablets, lançamento de novos notebooks e desktops, lançamento de celulares....vamos ver como será 2013, tô botando fé :):)

Pegou ontem um financiamento no BNDES de 173 milhões com carência de 2 anos, que se for usado para pagar as dívidas circulantes mais onerosas, pode aliviar o resultado financeiro, mas, não sei se será usada pelo menos uma parte para isso....no comunicado, o objetivo é a realização de investimentos.........aliás, esse BNDES é uma mãe mesmo, carência de 24 meses, juros baixíssimos.

166325 - Guinsanity -  06 Fev 2013, 20:31
Positivo Informática aprova contratação de financiamento de até R$ 173,1 milhões junto ao BNDES

Curitiba, 06 de fevereiro de 2013 - A Positivo Informática S.A (BM&FBOVESPA: POSI3), maior fabricante de computadores do Brasil e líder na área de tecnologia educacional, aprovou, em Reunião do Conselho de Administração realizada nesta data, a contratação de empréstimo junto ao BNDES no montante de até R$ 173,1 milhões.

Os recursos serão destinados majoritariamente ao plano de inovação da companhia, com foco em atividades de pesquisa e desenvolvimento, novos produtos, convergência digital e smartphones. Adicionalmente, uma parte dos recursos apoiará a modernização da infraestrutura industrial e de TI da companhia.

A nova linha de crédito deverá fortalecer o balanço patrimonial da Positivo Informática, pois apresenta condições diferenciadas em termos de prazo e de custo. Os subcréditos possuem prazo de amortização total de 6 anos, com carência durante os 24 meses iniciais. As taxas de juros variam entre 3,5% a.a. para o subcrédito "A" e TJLP, atualmente em 5,0% a.a., com ou sem acréscimos para os demais subcréditos.

164487 - Crazy4you -  24 Jan 2013, 17:21
POSI3 - SMALL CAP

Essa ai pode dar um pulo sim.

E vai deixar muita gente lambendo os beiços.

Na prestação de contas do 3º Trimestre consta que a empresa lançou vários novos modelos e estreia no mercado de celulares, veja:

a) entrada no segmento de celulares com o lançamento de três modelos de smartphones e dois messaging phones, com início de vendas no 4T12;

b) Mais de 80 modelos da linha 2013: desktops, notebooks, ultrabooks e ultrafinos com Windows 8;

c) Nova geração dos tablets Positivo Ypy, em versões de 7” e 9,7” com sistema operacional Android 4.0 totalmente customizado e em português.

Quando você olha a receita ela vem subindo e após três trimestres com prejuízos cada vez menores veio dois trimestres com lucros crescentes.

Caso o 4º trimestre tenha um bom lucro, resultado de uma estratégia acertada e incremento de vendas, tudo estará indicando que caminhará na busca de excelentes resultados que já teve no passado e a cotação subirá a estilo da BEMA3.

Acredito que a cotação do dolar cria uma certa barreira contra excessos na importação de objetos de informática concorrentes.

Acho as valorizações da POSI3 pode ser semelhante a BEMA3 porque:

1º ) Ambas vinham de períodos de baixa lucratividade e os demonstrativos começaram a apresentar numeros consistêntes devido a estratégias acertadas de mercado.

2º ) A BEMA3 ficou vários tempos numa cogestão de fundo e é exatamente isso que vem ocorrendo a meses na POSI3.

Bom,

Coloquei uns Lotes da criança na Cueca...

Logo logo essa ai vai começar a dar pulos e vai haver muito lambedor morrendo de inveja... he he he..... ao menos, a partir de agora, começo torcer por isto.

------------------------------------------------------------------------
POSI3 - Óia a cara da criança

Se aparecer um pretexto qualquer... tipo algum fundo soltar um texto falando nela em um jornal... vixi... qualquer volume que entrar levante ela e vai subir mais que balão
p.php?pid=chartscreenshot&u=oFJREDfphd1jjAz0yE2iyReSVx6B0P%2BcRhRprB6YAFQ%3D

156257 - paulo_prof -  10 Nov 2012, 23:04
Não me dei o trabalho de ler os relatórios relativos ao 3T12.
[...]
A POSI3 é semelhante. Apesar de estar sendo negociada sensivelmente abaixo de seu VPA, a empresa está mostrando uma tremenda dificuldade para produzir lucros consistentes. O lucro trimestral médio em 2012 está abaixo dos R$ 7 milhões. Isto deverá melhorar no 4T12, mas o lucro no exercício não chegará perto dos lucros postados no período 2007 a 2010. Por outro lado, com a entrada da Lenovo no mercado, o mercado deve ficar mais competitivo e o risco da Positivo apresentar uma "recaída" não é pequeno.

156242 - paulo_prof -  10 Nov 2012, 20:38
POSI3
PREÇO: R$ 5,30
PAYOUT (2010): 23,3%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses:
P/L 6,89
P/VPA 0,71
PSR 0,21
DY 3,39%
EV/EBITDA 6,44
MARGEM BRUTA 25,1%
MARGEM OPERACIONAL 3,0%
MARGEM LÍQUIDA 3,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,769
MARGEM EBITDA 5,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 53,2%
ROE 10,36%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,49

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 9M12 em relação aos Resultados dos 9M11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +3,3%
RESULTADO BRUTO +27,9%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -76,0%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo
EBITDA passou de negativo para positivo

Taxas de Crescimento dos Resultados dos 3T12 em relação aos Resultados dos 3T11:
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +8,0%
RESULTADO BRUTO +2,1%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -57,1%
RESULTADO OPERACIONAL +102,5%
RESULTADO LÍQUIDO +53,2%%
EBITDA -12,1%

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal
a) do lucro líquido:
UA passou de negativo para positivo
U2A -28,80%
U3A -27,50%

b) do patrimônio líquido médio
UA 1,56%
U2A -2,77%
U3A 2,94%

Taxa anual média REAL de crescimento do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária durante os próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD com perpetuidade real nula e desconto anual real de 8% seja IGUAL ao preço atual: -19,5%

151721 - danieljoseaa - 10 Out 2012, 19:27
A salvação da POSI3 seria ser comprada por alguma gigante do setor, fora isso, a luta é árdua e provavelmente a tendência é que de tanto apanhar, seja nocauteada, a concorrência no setor é duríssima e a POSI se mostra cada vez mais perdida e sem forças......a entrada da Lenovo aqui, tem tudo para ser um golpe definitivo......a ver.......ou seja, para mim, não está barata, os preços apenas refletem às expectativas futuras em relação à empresa.

Daniel "apanhando em outubro" José.

151719 - alisonvm -  10 Out 2012, 19:18
concordo professor
tenho comparado positivo a uma empresa do setor aéreo, é a mesma coisa,
enquanto as aéreas lutam contra a alta dos custos e do petroleo,
a positivo luta contra a alta dos custos, mais a fortissima concorrencia, mais busca por novas tecnologias e inovação nos produtos,o que requer muita grana... enfim a empresa sempre precisa estar se reinventando, e isto custa caro enquanto seus produtos estão se desvalorizando e se desatualizando a cada trimestre.

ou seja... vai falir

151716 - paulo_prof -  10 Out 2012, 19:04
Citação: alisonvm
professor,
Sua opinião quanto a POSI3 é a mesma quanto a BEMA3?
ou seja ta fraco.

Acho que BEMA enfrenta concorrência bem menor, e tem perspectivas bem melhores.

Não se deve esquecer também, que a POSI deverá, no médio prazo, enfrentar a Lenovo/CCE. Não acho que os chineses aportaram em terras tupiniquins para brincar ...

144595 - aprendiz quebrado do professor -  15 Ago 2012, 00:13
Caro Professor ajuda o aprendiz quebrado com os indicadores

Positivo tem lucro de R$ 1,6 milhão no segundo trimestre

Por Gustavo Brigatto | Valor
SÃO PAULO - A fabricante brasileira de computadores Positivo Informática registrou lucro de R$ 1,6 milhão no segundo trimestre. O resultado reverte um prejuízo de R$ 88 milhões apurado no mesmo período do ano passado. O melhor desempenho entre abril e junho de 2012 foi alcançado mesmo com uma queda de 4,7% na receita, que ficou em R$ 522,6 milhões.

Parte da melhora do resultado pode ser atribuída à queda de 16% nos custos, que ficaram em R$ 388,8 milhões. De acordo com a companhia, a redução é reflexo da melhora na gestão de inventários e da racionalização do portfólio de produtos, além de ganhos de eficiência operacional - especialmente nos custos de mão de obra.

No segundo trimestre de 2012, a Positivo Informática vendeu 589,8 mil computadores, somando suas operações no Brasil e na Argentina, um volume 13,3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Os notebooks representaram 70,4% das vendas — 23 pontos percentuais a mais do que o registrado há 12 meses.

A Positivo informou ter iniciado, em julho, um contrato de montagem de PCs sob encomenda para um grande fabricante na Argentina. O acordo tem duração inicial de três anos e a expectativa é que ajude a aumentar o retorno sobre o capital investido na operação no país vizinho, uma vez que a ampliação da produção ajuda a diluir custos fixos.

156257 - paulo_prof - 10/Nov/2012 21:04

citação: luciomedeiros

paulo prof.
Os resultados de FRIO3 e POSI3 foram já postados.
São ativos que tiveram forte queda nos ultimos anos.
Será que vale a pena comprar em função da depreciação de suas cotações?

Não me dei o trabalho de ler os relatórios relativos ao 3T12.

De qualquer forma, no que tange FRIO, o resultado puramente operacional foi negativo. A empresa só teve lucro por causa do Resultado Financeiro altamente positivo. Isto certamente não é recorrente. Ou seja, não poderá ser repetido nos próximos trimestres. Tudo bem que FRIO3 está sendo negociado sensivelmente abaixo do de seu VPA. Mas se a empresa não encontra o caminho para o lucro, de que adianta?

A POSI3 é semelhante. Apesar de estar sendo negociada sensivelmente abaixo de seu VPA, a empresa está mostrando uma tremenda dificuldade para produzir lucros consistentes. O lucro trimestral médio em 2012 está abaixo dos R$ 7 milhões. Isto deverá melhorar no 4T12, mas o lucro no exercício não chegará perto dos lucros postados no período 2007 a 2010. Por outro lado, com a entrada da Lenovo no mercado, o mercado deve ficar mais competitivo e o risco da Positivo apresentar uma "recaída" não é pequeno.

130581 - paulo_prof - 10/Mai/2012 00:14
citação: renato1631

Mestre Paulo

O senhor teria os indicadores da Positivo?

Valeu


O problema da POSI é que devido ao prejuízo monstro no 2T11, o resultado líquido nos últimos 12 meses ainda é negativo.

Para o que possa servir, lá vão os indicadores baseados nos últimos 9 meses anualizados ...

POSI3
PREÇO: R$ 6,78
PAYOUT (2010): 23,3%

Múltiplos baseados nos últimos 3 trimestres anualizados
P/L      7,06
P/VPA            0,93
PSR     0,28
DY      3,31%
EV/EBITDA  5,51
MARGEM BRUTA  25,4%
MARGEM OPERACIONAL          3,7%
MARGEM LÍQUIDA          4,0%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 0,961
MARGEM EBITDA 5,9%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       27,8%
ROE    13,14%
LIQUIDEZ CORRENTE     1,94

Por  Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:

- A Positivo Informática é líder na fabricação e venda de computadores no Brasil, respondendo, em 2010, por 14,4% do número total de computadores vendidos no mercado brasileiro, correspondendo a uma participação de 19,5% no mercado oficial, de acordo com a IDC (base: 4T10). No mesmo período, obtivemos uma participação de 24,9% do mercado de varejo. Parcela substancial de nossa produção de computadores é vendida através de grandes redes de varejo, com as quais mantemos sólido relacionamento comercial, em função principalmente de nossos preços competitivos, da reconhecida qualidade de nossos produtos e assistência técnica.

A liderança e o relacionamento com o varejo colocam a Companhia em posição privilegiada para atender à crescente demanda por computadores no País, notadamente para as Classes B e C.        

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )

PAINEL DE INDICADORES
16/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
POSI3
    5,86
-5,4
0,90
-4,8
4,4%
-18,6%
0,8
-5%
-18,6%
-290,2%

·  PONTOS POSITIVOS:

- EBITDA¹ de R$ 24,8 milhões (+9,9%) 

- margem EBITDA¹ de 5,1% (+1,4 p.p.);

- Crescimento de 33,9% nas vendas de PCs sob as marcas Positivo e Positivo BGH:

  +13,5% no mercado de varejo;

  +82,0% no mercado de governo;

  +59,3% no mercado corporativo;

  +131,0% em notebooks, que representaram 72,0% das vendas de PCs do período;

- Redução de 41 dias no ciclo de conversão de caixa, totalizando 111 dias;

- Geração operacional de caixa de R$ 71,4 milhões, recorde para um terceiro trimestre;

- Redução de R$ 55,6 milhões na dívida líquida em relação ao 2T11;
·  PONTOS NEGATIVOS

- Receita Líquida   489M  -11%

- Lucro Bruto   116M   -15%

- Lucro Líquido    3,2M   -66%

- Margem Bruta 23,7%    -1,1 p.p.

- Margem Liquida   0,6%  -1,2 p.p.

- O resultado financeiro correspondeu a uma despesa líquida de R$ 15,7 milhões no 3T11, basicamente em função do reconhecimento de despesas com variação cambial



·  VISÃO ESTRATÉGICA
-  No 3T11, a Positivo Informática direcionou esforços para manter sua trajetória de crescimento em volume de vendas no mercado de varejo brasileiro, bem como para capturar a expansão originada por empresas SMB, contribuindo para elevar em 53,8% as vendas para o mercado corporativo nos 9M11 em relação ao mesmo período de 2010. As vendas para clientes do governo brasileiro apresentaram recuperação, conforme esperado pela companhia, alcançando volume de 244,8 mil unidades nos primeiros nove meses do ano. A atual estimativa de entregas para o mercado doméstico de governo é de aproximadamente 380 mil PCs em 2011 e contempla 170 mil unidades do Programa Um Computador por Aluno (PROUCA), projeto que sofreu um deslocamento de volume estimado em cerca de 80 mil unidades para o ano de 2012.   

·  CURIOSIDADES

-  Lançamentos:

  Positivo Ypy: linha de tablets completamente desenvolvida com base em pesquisas com o consumidor brasileiro;

  Mundo Positivo: ecossistema e loja virtual, com acesso a revistas e jornais nacionais, livros, filmes, jogos e aplicativos, como ferramentas de trabalho e redes sociais;

  Positivo 3D: recurso para a conversão 2D-3D de fotos e vídeos, visualização e postagem de imagens em três dimensões, incorporado a notebooks e desktops a preços acessíveis.            

·  OPINIÃO DO ANALISTA


- A empresa está tentando se recuperar e reverter a trajetória que assumiu no passado, mas ainda paga caro pela herança do passado, especialmento no operacional. Margens muito ruins e uma direção meio perdida, ainda procura seu rumo. Não creio que a nova linha de produtos trará de volta o vigor da companhia, visto que o produto não tem diferencial e sofre com a concorrência desleal do importado e do contrabando. 

64900 - paulo_prof - 01/Mar/2011 23:29
O resultado da Positivo (POSI3) confirmou a minha expectativa pessimista de uma empresa que, contra um câmbio desfavorável (competição externa), menos competitiva no segmento de notebooks e não competitiva no segmento de tablets, teria que vender a alma (margens) para sobreviver.

Neste cenário, apesar de uma economia interna "bombando", a empresa postou um lucro 19,5% menor do que em 2009 e 29,8% menor do que em 2008. O lucro líquido foi 44% maior do que em 2007. Consideradas apenas as "pontas" (2010 e 2007) o lucro líquido teria crescido à taxa anual média de 12,9%. No período mais recente, entretanto, o lucro líquido decresceu a uma taxa anual média entre 16% e 19%.

Os novos múltiplos são:

PREÇO R$ 9,72
PAYOUT 23,3%
P/L 8,76
P/VPA 1,22
PSR 0,36
DY 2,66%
EV/EBITDA 8,06
MARGEM BRUTA 27,5%
MARGEM OPERACIONAL 4,1%
MARGEM LÍQUIDA 4,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,110
MARGEM EBITDA 6,1%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 59,0%
ROE 13,93%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,86

Na minha avaliação, se a empresa não conseguir mostrar capacidade de crescimento do lucro líquido, POSI3 hoje (apesar de toda a desvalorização) estaria cara!

29802 - Cadu - 09/Mar/2010 22:51
(26/01) - POSITIVO INF (POSI-NM) - Volumes e Receitas do 4T09
DRI: Ariel Leonardo Szwarc
A Empresa enviou comunicado, no qual consta:
Registra receita bruta de R$ 702,1 milhoes no 4T09, crescimento de 20% 
Curitiba, 22 de janeiro de 2010 – A Positivo Informatica S.A. (BM&FBovespa: POSI3), maior fabricante de computadores do Brasil e lider no segmento de tecnologia educacional, anuncia hoje os dados preliminares e nao auditados de volume e receitas referentes ao 4T09 e 2009. As comparacoes, exceto onde indicado, referem-se aos dados do 4T08 e de 2008. A empresa adianta a divulgacao do seu top line, visando atender as requisicoes dos analistas de mercado, sendo que os dados poderao sofrer alteracoes.
1 . Volume
Em 2009, a Positivo Informatica registrou recorde historico de 1,778 milhao de computadores vendidos, significativo crescimento de 10,9% em relacao a 2008, tendo em vista o impacto da crise financeira mundial no volume do primeiro semestre de 2009. Destaca-se o bom desempenho no varejo, mercado em que as vendas totalizaram 1,432 milhao de unidades, crescimento de 21,4% em relacao ao ano anterior.
No 4T09, as vendas totalizaram 484,4 mil PCs, representando crescimento de 18,0% em relacao ao mesmo periodo de 2008 e reducao de 8,3% em relacao ao 3T09. Tal reducao decorre, principalmente, do deslocamento de grande parte do volume de vendas ao governo para o 1S10, originalmente previsto para ser registrado no 4T09, devido as alteracoes no cronograma de entregas, conforme anteriormente
sinalizado durante a divulgacao dos resultados do 3T09.Adicionalmente, no 3T09, foi antecipada parte da demanda do 4T09 de clientes de varejo, atraves do faturamento de ordens existentes naquele momento, sendo parte do plano de implantacao do projeto ERP, cujo inicio de operacao ocorreu em 1 de outubro de 2009. Esta acao, normal em implantacoes deste tipo de sistema, buscou proporcionar o correto fluxo de abastecimento dos produtos nos pontos de venda do varejo, contrabalanceando o periodo em que a producao industrial foi retomando gradativamente os niveis adequados de produtividade. A produtividade tambem foi impactada pela implementacao da maioria dos investimentos em ampliacao de capacidade, bem como pelo lancamento das novas linhas de produtos. Cumpre salientar que estas acoes permitirao capturar as oportunidades do mercado brasileiro de computadores esperadas para 2010.
A participacao dos notebooks registrou novo recorde, respondendo por 43,7% do volume de computadores vendidos no 4T09, impulsionada pelo consistente aumento da participacao desse produto no mix de vendas, especialmente no mercado de varejo. No periodo, esse form factor totalizou 211,5 mil unidades, sendo que os netbooks responderam por 9,5% desse volume.
Em 2009, foram vendidos 714,2 mil notebooks, crescimento de 50,2% em relacao a 2008.
Varejo: 80,5% das vendas de PCs em 2009 – 1,432 milhao de PCs No 4T09, a companhia vendeu 430,6 mil computadores no mercado de varejo, segmento em que e lider ha 20 trimestres consecutivos, segundo a IDC. Este volume representa um crescimento formidavel de 39,4% sobre o 4T08 e um desempenho praticamente estavel na comparacao com o 3T09.
Em 2009, mesmo tendo sofrido o impacto da crise financeira mundial durante o 1o semestre, as vendas neste mercado totalizaram 1,432 milhao de computadores, um expressivo crescimento de 21,4% sobre 2008. A massiva distribuicao dos computadores Positivo no varejo brasileiro, somado aos esforcos da companhia na execucao de sua estrategia de vendas neste segmento, foram responsaveis pelo desempenho destacado entre os canais de atuacao da empresa.
Para 2010, as perspectivas para o mercado de varejo no Brasil sao promissoras. Alem dos solidos fundamentos do mercado, como a baixa penetracao nos lares, o crescimento da renda da populacao, o barateamento do credito e a robusta confianca do consumidor brasileiro - que continua colocando o PC no topo da lista de desejos para 2010 -, o Governo Federal prorrogou, ate o final de 2014, a isencao da cobranca de PIS/COFINS para computadores de ate R$ 4.000, por meio da MP 472/2009, confirmando a inclusao digital como um dos pilares da politica social no pais.
Adicionalmente, em 21 de dezembro de 2009, a companhia anunciou ao mercado a compra da marca Kennex. Esta aquisicao vem a complementar a estrategia ja bem sucedida de vendas no varejo brasileiro.
Governo: 14,2% das vendas de PCs em 2009 – 251,6 mil PCs
No 4T09, foram vendidos 37,5 mil computadores para clientes de governo, contribuindo para um volume total de 251,6 mil PCs vendidos para esse mercado em 2009. Este volume e menor do que o anteriormente previsto, devido a postergacao do cronograma de alguns projetos, cujos volumes deverao ser reconhecidos no 1S10.
Corporativo: 5,3% das vendas de PCs em 2009 – 94,7 mil PCs As vendas no mercado corporativo registraram 16,3 mil PCs no 4T09, totalizando 94,7 mil unidades em 2009, reducao de 9,6% em relacao a 2008. Este segmento, que representa o menor volume de vendas da companhia, foi o mais impactado pela crise financeira mundial, devido a postergacoes na aquisicao de computadores por parte das empresas, o que causou a queda de 24,4% no tamanho deste mercado nos 9M09 em relacao aos primeiros 9 meses de 2008, segundo a IDC.
Para 2010, espera-se uma retomada do segmento corporativo, tendo em vista o aumento de contratacoes e a melhora das expectativas do empresariado. A companhia esta avancando significativamente nesse segmento, principalmente pelo bom desempenho das vendas diretas para grandes empresas e continuara investindo para capturar as oportunidades do mercado de pequenas e medias empresas (SMB).
2. Preco Medio
No 4T09, o aumento em reais no preco dos notebooks convencionais compensou a reducao do preco de desktops e netbooks, proporcionando um preco medio dos PCs praticamente estavel em relacao ao 4T08 e 3T09.
O preco medio dos desktops foi impactado principalmente pela menor proporcao de vendas para os segmentos governo e corporativo no periodo, mercados em que os precos sao significativamente superiores aos do varejo. Soma-se a isso a maior proporcao de vendas de desktops de marcas de livre preco no periodo, cujos precos medios sao usualmente menores do que aqueles com marca Positivo.
Com relacao aos notebooks, o preco medio dos convencionais apresentou aumento no 4T09, principalmente em funcao de configuracoes superiores e da introducao da nova linha de produtos.
No entanto, o preco medio dos portateis foi negativamente impactado pelo aumento da proporcao de netbooks.
4. Receita Bruta
No 4T09, a receita bruta totalizou R$ 702,1 milhoes, crescimento de 20,0% em relacao ao mesmo periodo de 2008, e uma reducao de 6,5% na comparacao com o 3T09. Tal receita contempla R$ 33,5 milhoes provenientes do contrato de locacao de maquinas para um cliente de governo, que foi contabilizado como leasing, conforme a CPC06, que regulamenta as operacoes de arrendamento mercantil. Expurgando-se a receita de leasing, a receita bruta do 4T09 teria apresentado crescimento de 14,2% em relacao ao 4T08 e reducao de 8,9% na comparacao com o 3T09.
Em 2009, a receita bruta registrou seu recorde historico e totalizou R$ 2,513 bilhoes, 12,8% maior do que a registrada no ano anterior, motivada tanto pelo crescimento de volume quanto dos maiores precos medios. Desconsiderando-se o efeito do leasing, esse crescimento seria de 10,5%.
No 4T09, o segmento de Hardware foi responsavel por 97,8% da receita bruta da Positivo Informatica, enquanto o segmento de Tecnologia Educacional representou 2,2%.
5. Receita Liquida
Acompanhando a mesma tendencia apresentada na receita bruta, a receita liquida atingiu R$ 614,5 milhoes no 4T09, o que representa um crescimento de 19,5% em relacao ao 4T08 e uma reducao de 4,4% contra o 3T09. Desconsiderando-se os efeitos do leasing, essas variacoes teriam sido de 13,6% e -6,9%, respectivamente.
Em 2009, a receita liquida totalizou R$ 2,180 bilhoes, 12,5% maior do que a registrada no ano anterior. Expurgando-se os efeitos da contabilizacao do leasing, esse crescimento teria sido de 10,1%.
A integra dos resultados do 4T09 sera divulgada no dia 10 de marco apos o fechamento do mercado e a teleconferencia sera realizada no dia 11 de marco


11710 - angeloep - 14/Ago/2009 16:46
citação: gustgefAmigos de fundamentos!
Resultado da Positivo, POSI3, veio EXCELENTE!! Em relação à a seu faturamento recorde de R$540 milhões, seu lucro de R$12 milhões veio baixo, mas as vendas foram recordes as margens da empresa melhoraram muito! E tende a melhorar ainda mais com o dolar mantendo-se nos patamares atuais! Vale a pena montar uma posição pequena ein, mercado de computadores sempre melhorando no Brasil a dois digitos, mesmo pulverizado tem espaço pra positivo crescer aí proximo dos dois dígitos também!
Lembrando que a empresa pode ser comprada a qualquer momento pela Lenovo, sendo que a China liberou credito para a aquisição, e no inicio do ano a Lenovo fez uma oferta de 18 reais (salvo engano, mas menos q isso nao foi) para empresa, oferta que foi recusada, pois seus controladores nao aceitam menos que R$ 25,00.
Tenho ela na carteira a um bom tempo, o ponto positivo da positivo eh distribuir dividendos ao longo do ano, soh q sua cotação ex jah ocorreu no inicio do ano, entao quem se posicionar agora não recebera os dividendos de dezembro. 

4388 - small caps - 21/Abr/2009 13:40
"citação: luisaocrjPrezados,"
Em fevereiro/ marco deste ano existiam varios papeis com o indicador P/ACL abaixo de um. Li um post do Small que dizia ter comprado POSI3 e LLXL3 naquela epoca. Atualmente ha poucos papeis com P/ACL
"LLXL3, P/L negativo, P/VP = 1,57 e P/ACL = 10,98"
"POSI3, P/L = 5,68, P/VP= 1,36, P/ACL = 0,80, ROIC = 20,1%."
Acredito que a margem de seguranca para um investimento de curto prazo na POSI3 eh bem elevada. Nao acham?
"Contudo, em um cenario onde a venda de POSI3 nao seja concluida, ha espaco para uma queda acentuada do papel?"
"Os indicadores fundamentalistas me parecem ok. Para quem conhece a empresa, caso a mesma decida que nao esta mais a venda, ha algum fato que a prejudique operacionalmente, por exemplo fim de incentivo fiscais?"
"luisaocrj, no caso de POSI3, a compra se deu aos R$ 3,50 e a venda aos R$ 12,00, no meio da boataria de venda do controle."
"O último trimestre da POSI3 foi muito ruim, e tudo indica que as vendas do primeiro trimestre não foram lá estas coisas. O que tornou os múltiplos de POSI3 interessantes foi a contabilização no resultado dos incentivos fiscais. O risco é que, no Brasil, são inúmeras as empresas do segmento de tecnologia, especialmente hardware, que não tiveram vida longa... O país parece não conseguir competir com os asiáticos."
"IGBR3, SHAP4, etc... são alguns exemplos."


"Então, seria interessante esperar o balanço do primeiro trimestre para decisão e, se comprar, manter-se sempre atento, para verificar se a companhia também não terá o destino de outras do segmento."


4234 - danieljoseaa - 17/Abr/2009 14:36
A notícia abaixo é sobre POSI3:
"1.d - Distribuir o total R$ 17.000.000,00 (dezessete milhões de reais), a título de dividendos, ou R$"
"0,19773075 por ação. Terão direito aos dividendos os acionistas assim identificados em 28 de abril"
"de 2009 e, a partir de 29 de abril de 2009, as ações serão negociadas ex-dividendos na Bolsa de"
Valores de São Paulo S.A. — BVSP (Bovespa). O pagamento acima referido será realizado em


"duas parcelas, iguais, nas datas de 31 de julho de 2009 e 30 de dezembro de 2009, sem correção monetária."


2853 - danieljoseaa - 24/Mar/2009 23:46
"citação: eurico22citação: danieljoseaaSmall, Paulo ou quem souber responder:"
"Esse lucro líquido da Positivo no 4°tri foi decorrente da nova forma dos balanços ou foi lucro, lucro realmente?"
Abraço.
Ótima pergunta.
"Pareceu lucro mesmo, mas eu não me estendi muito olhando o balanço."
O ROE está excelente.
"Eurico, acho que não, o lucro líquido , segundo consta no balanço foi negativo em 20 MI, só que os outros trimestres foram reajustados de acordo com a nova forma de balanços o que deu um lucro anual de 154 MI, o que aconteceu, é que no Fundamentus, por exemplo, pegaram esses 154 MI e diminuiram pelos lucros dos 3 trimestres sem ajustar de acordo com as novas regras e essa diferença eles pegaram e botaram automaticamente como lucro líquido, exatamente como aconteceu com a Grendene, caso que também foi discutido aqui, mais um vacilo do Fundamentus, não ajustaram os resultados dos trimestres anteriores como foi feito no balanço da empresa e a diferença eles jogaram no 4° trimestre."


"Podemos concluir que essa nova forma dos balanços foi extremamente positiva para a positivo, não é trocadilho,rs, elevando seus lucros nos 3° primeiros trimestres, mas nem assim conseguiu tornar o 4° trimestre positivo, que foi pior do que parece."


2808 - jose26 - 23/Mar/2009 22:51
"Pessoal, com o balanço da POSI3 que saiu hoje é possível comparar os indicadores com as demais do setor. Qual empresa do setor teria maior peso em uma carteira diversificada? POSI3, BEMA3 ou ITEC3? Mesmo sendo agrupadas em um mesmo setor, é válido compará-las?. Exceto pelo P/VPA (1,21), os múltiplos da POSI3 parecem atrativos, principalmente o DY. A ITEC3 parece ser a mais barata, exceto pelo P/L (7,76) que é o mais alto. A BEMA3 parece ser a mais cara em quase todos os indicadores."

2855 - paulorizzi - 25/Mar/2009 00:12
"Todo o lucro líquido anual da Positivo e mais um pouco é resultado de incentivos fiscais. Sem os incentivos fiscais, o resultado líquido anual teria sido negativo em aprox. R$ 47 milhões."
"Agora, nada há de errado uma empresa fazer uso de benefícios se eles são oferecidos. Ocorre que na contabilidade até o 3T08, estes incentivos não foram computados no resultado líquido. Se vc pega o resultado líquido anual (R$ 147 milhões) e subtrai o resultado líquido dos 9M08 (R$ 27 milhões) vc chegaria à conclusão errada de um lucro de R$ 120 milhões no 4T08. De fato, o resultado líquido do trimestre 4T08, incluindo a subvenção, foi um prejuízo de R$ 20 milhões (se não existisse a subvenção, este prejuízo chegaria a R$ 74 milhões). Incluindo a subvenção, o resultado dos 9M08 foi , de fato, R$ 167 milhões (os R$ 27 milhões reportados + R$ 140 milhões de subvenção).



683 - small caps - 19/Dez/2008 00:14
"(673) andressricardo, a especulação em torno da POSI3 foi fenomenal. Eu, como disse aqui no tópico mesmo, aproveitei para vender nos R$ 12,50, quando o risco do negócio não acontecer já deixava como considerável o caminho da queda das ações. Sempre que um ativo sobe com base em boatos, e não em resultados, eles caem na mesma velocidade que subiram. É como se tirassem a escada da especulação que teve grande colaboração da imprensa..."



616 - small caps - 12/Dez/2008 23:41
"(588) danieljoseaa, está semana mesmo realizei o lucro em POSI3, comprada quando estava abaixo do ativo circulante líquido subtraído das dívidas e aumentei a posição também em EQTL3. Tem ótimos indicadores fundamentalistas, está no novo mercado e paga bons dividendos. O resultado do terceiro trimestre foi muito bom mesmo sem os efeitos extraordinários que ocorreram no segundo trimestre."


574 - small caps- 11/Dez/2008 00:32
"(566 e 567), jose26 e Lycurgo, quando POSI3 atinge por volta de R$ 12,00, ela deixa de ser atrativa em relação às demais promoções existentes no mercado. Assim, havendo suspeitas de que não ira se confirmar a aquisição do controle da empresa por parte de outra companhia, o melhor é embolsar ao menos parte do lucro."
"Temos dois exemplos clássicos do que pode acontecer, ocorridos ainda este ano: Um foi com BAUH4, que a especulação em torno da compra pela Sadia fez as cotações atingirem mais de R$ 10,00, partindo de R$ 4,00. Quem vendeu naquela faixa ao menos parte das ações, lucrou bastante. Outro caso foi o do banco BNCA3. Quem segurou até o fim, lucrou bem mais do que aqueles que realizaram pela metade do caminho."


"Assim, como a alta não é motivada por melhorias do resultados e sim por boatos que podem não se confirmar, é recomendável ao menos garantir parte dos lucros, que já estão bem avantajados, diga-se de passagem. Pode até ser melhor segurar as ações, ao mesmo tempo em que pode voltar a patamares anteriores aos boatos se nada se confirmar."



418 - small cap- 22/Nov/2008 10:45
"409 - ldsandrade, ótima idéia. A POSI3 eu gostei quando chegou a R$ 3,50 pelos múltiplos que continha, até mesmo com DY em 12 meses superior a 20%. A empresa deve sofrer no curto prazo com o aumento do câmbio, que interfere nos seus custos. Mas isto deve prejudicar a todas que atuam no segmento, o que certamente levará à recomposição das margens."



255 - small caps - 01/Nov/2008 22:40
"12kk (244), como disse antes, POSI3 abaixo de R$ 5,00 é uma ótima opção. No caso de aquisição há vários métodos para determinar o preço para POSI3 em caso dela ser adquirida. Uns usam médias de cotações e pagam um prêmio, outros ao menos o valor patrimonial e outros consideram o valor econômico da empresa por meio de medição do fluxo de caixa futuro descontado a uma determinada taxa de juros. Mas depende essencialmente da capacidade de a administração estabelecer um bom preço que aproveitará a todos os acionistas, uma vez que ela é do novo mercado e fornece tag along aos minoritários."



254 - small caps - 01/Nov/2008 22:14
"Amaril, (241) tive a felicidade de comprar POSI3 na liquidação a R$ 3,50, naquela semana em que o mundo ia acabar e o dólar ia para R$ 5,00."












244 - 12kk - 31/Out/2008 23:26
"Small,"


"Você poderia comentar sobre POSI3, o valor de mercado já está batendo com o valor patrimonial. No caso de aquisiçao por outra empresa como devo proceder para calcular o valor que poderia ser pago pela POSI."


241 - Amaril - 31/Out/2008 18:57
"NÃO É SÓ A GENTE QUE TÁ DE OLHO NESSAS EXCELENTES EMPRESAS E SMALL CAPS COM QUASE 90% DE DESVALORIZAÇÃO. COM OTIMISMO, OU MELHOR, REALISMO VOLTANDO IRÁ COMEÇAR UM PERÍODO DE AQUISIÇÕES."
EM POSI3 POR ENQUANTO É BOATO. MAS NÃO DUVIDO. EU COMPRARIA DE OLHOS FECHADOS SE TIVESSE BILHÕES.
ATÉ!
"Positivo prefere não comentar rumores de venda, mas ações voltam a disparar"
39752.77431
InfoMoney
"SÃO PAULO - Segundo reportagem do portal Exame, empresas líderes do mercado mundial de computadores estão interessadas em comprar a Positivo Informática (POSI3), líder do mercado brasileiro de computação pessoal. HP, Dell, Lenovo e Acer estariam entre os potenciais participantes da negociação, que estaria sendo assessorada pelo banco de investimentos UBS Pactual."
"O fator atrativo aos grupos internacionais foi a enorme desvalorização da Positivo no mercado acionário, afirmou o portal. Somente em 2008, a empresa perdeu mais de 80% de seu valor de mercado."
"Em resposta à possibilidade de venda, porém, as ações subiram 28% na última quinta-feira (30) e fecharam cotadas a R$ 5,20, sendo que no fim de 2006, quando houve abertura de capital da companhia, os ativos valiam R$ 23,50."
"O bom desempenho da empresa também teria atraído a atenção em cunho internacional, uma vez que a Positivo registrou receita líquida de R$ 525,7 milhões no terceiro trimestre, o que representa um crescimento de 36,4% frente ao mesmo período de 2007."
Companhia não comenta rumor
"Em comunicado, a Positivo afirmou que sempre divulga qualquer ato ou fato que seja relevante à empresa, aos acionistas e ao mercado em geral. Segundo a própria, não comentará a reportagem, pois faz parte de sua política."
"""A companhia sempre teve por prática e política prestar todas as informações corretas e completas ao mercado e tem por política não comentar rumores divulgados pela mídia"", reforçou."
Mais uma disparada


"Nesta sexta-feira (30), as ações da Positivo voltaram a marcar forte desempenho na bolsa, encerrando o dia com valorização de 13,27%, a R$ 5,89."




210 - Amaril - 28/Out/2008 18:45
"POSI3 JÁ DIVULGOU UMA PRÉVIA DO BALANÇO E QUE VIRÁ OTIMO (PESQUISEM NO INFOMONEY). PV/P = 0,66. DIVIDENDOS DE 20%. P/EBIT = 5,44. PSR = 0,2. VALOR DE MERCADO UM POUCO MAIS DE 10% DO FATURAMENTO ANUAL."

116 - small caps- 08/Out/2008 23:15
"danieljoseaa, efetivamente a POSI3 está num preço muito mais atrante que na época que tinha ""unânimes"" recomendações. Para uma carteira diversificada, já está valendo uma aposta. Só tem que ficar de olho pois os custos da produção devem disparar com a alta do dólar e o arrefecimento dos financiamentos no varejo pode diminuir o ritmo de vendas."

115 - danieljoseaa - 08/Out/2008 16:02
"Small, boa tarde, amigo, deixe-me te explorar mais um pouco, você não acha que posi3 está num preço extremamente atraente, com DY de quase 20%, relativo ao preço atual, P/VP 0,7 e liquidez corrente de 2,46, não achas que seria uma ótima hora para adquiri-la.

106 -small caps - 06/Out/2008 23:25
"POSI3 enfim chegou num preço razoável para um setor que não tem competitividade no país em relação aos produtos asiáticos. Não sei como pagavam tanto por esta empresa e tinha tantas ""recomendações"" de analistas. Mas agora até vale uma pequena aposta, mas ciente da dificuldade do segmento de atuação que, inclusive, deve sofrer com a diminuição do crédito nas vendas e com o custo maior em razão do câmbio."

Nenhum comentário: