Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

sábado, 4 de maio de 2019

ItauUnibanco (ITUB)

Subsetor
Segmento

Recomendações
Compra: aprendiz quebrado do professor (2013) - edbmsev (2013) - MuadibGV (jan/17) - paulo_prof (jul/17) - Ronimendes (fev/16dez/17) - renato1631 (2013)
Carteiras
amigo_investidor (jan/16) - Amigosdahp (set/18) - aprendiz quebrado do professor (jan/13) - Barbado (abr/16) - bobsponja (abr/16) - ch3481 (fev/16, mar/16abr/16mai/16) - dissenha (fev/18) - fridao (jan/16fev/16mar/16) -  gguimaraes (jan/16, fev/16) - grizzo (mar/16) - ikkii (fev/16, mar/16, abr/16, mai/16jun/16jul/16, ago/16set/16, out/16, nov/16dez/16jan/17fev/17) - Jorge Tomaz (jan/17, fev/17, mar/17, abr/17mai/17, jun/17, jul/17, ago/17set/17) - luciomedeiros (jan/16, fev/16) - Molothrus bonariensis (dez/17) - MuadibGV (jun/16, jul/16mar/17) - paulo_prof (jul/17) - pinheiro87 (jan/16, fev/16mar/16mai/17fev/18) - rnelias (mar/16, abr/16)  - Ronimendes (mar/16) - sobral30 (jul/16, ago/16set/16) - Tnl (jan/13) - Utah100 (nov/16) - Valuation Master (dez/17) - ZOTTI (fev/16nov/16)
Balanços
1T2019 -
paulo_prof   -
Resultados Regulares ... com o Resultado Operacional e Lucro Líquido evoluindo em relação ao 1T18, um pouco acima da inflação.
Na comparação anual, os Resultados praticamente não mostram evolução em termos reais. As receitas com taxas e serviços estão evoluindo algo acima da inflação, mas assim também estão as despesas de pessoal, administrativas e tributárias.
Percebe-se uma melhora contínua na qualidade da carteira de créditos e no índice de inadimplência (se bem que houve uma piora do 4T18 para o 1T19).
O Ativo parece bem precificado.

A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Na comparação anual (exercício de 2018 comparado com o exercício de 2017) achei os resulados meia boca ... Apesar de uma despesa de PDD sensivelmente menor (R$ 4,68 bilhões ou -31,15), o Resultado Operacional de 2018 foi menor do que aquele do ano anterior. O Lucro Líquido do exercício de 2018 só foi maior do que aquele de 2017, devido a uma relativa menor despesa de IR/CS. O Resultado da Intermediação Financeira involuiu, as receitas com serviços e taxas aumentou acima da inflação e o aumento das despesas com pessoal, administrativas e tributárias foi controlado (aumento um pouco acima da inflação).
Houve uma sensível melhora na qualidade da carteira expandida de créditos (5,86% vs 4,87%) e do [indice de inadimplência (de 2,62% [ara 1,97%). A Carteira Expandida de Creditos e os Ativos Totais aumentaram, respectivamente, 12,7% e 9,7% no ano.
Na comparação trimestral (4T18 vs 4T17) a evolução é inequívoca, em praticamente todos os sentidos.
Na minha opinião, o mercado está enxergando o copo meio vazio, talvez porque esteja enxergando mais a comparação anual do que a comparação trimestral. Eu prefiro enxergar a enorme evolução do Resultado Operacional (R$ 5,64 bilhões no 4T17; R$ 9,34 bilhões no 1T18; R$ 3,59 bilhões no 2T18; R$ 8,44 bilhões no 3T18 e R$ 10,17 bilhões no 4T18) para uma visão mais otimista. Acho que o ativo está barato.

3T2018 -
Paulo Prof - 
Os resultados mostram estabilidade no que se refere o lucro líquido, com redução gradativa das despesas de PDD e inadimplência, consequência da melhora na qualidade da carteira de crétido (passou de 5,88% no 3T17 para 5,10% no 3T18).
Sem levar em conta uma possível melhora no ambiente econômico, o ativo parece estar bem precificado.

2T2018 -
Paulo Prof - 
Um dia ainda vou aprender a ler os resultados dos bancões ... Neste 2T18 os Resultados Operacionais do SANB, BBDC e ITIB vieram pífios ... a última linha, por sua vez, veio muito bem obrigado para todos. A salvação da lavoura foi provida pelo ativo fiscal diferido.
No 1T18, houve uma despesa de IR/CS de R$ 1,72 bilhões e uma despesa de R$ 1,37 bilhões referente ao ativo fiscal diferido. Já no 2T18, houve uma despesa de R$ 2,59 bilhões de IR/CS e uma Receita de R$ 5,5 bilhões referente ao ativo fiscal diferido. Com uma Receita destas, o banco é capaz de tapar qualquer buraco e postar um lucro de R$ 6,24 bilhões no trimestre.
Na comparação anual, excetuando o que se refere o Resultado da Intermediação Financeira e Resultdo Operacional, tudo é muito favorável ... redução da provisão necessária, redução da inadimplência, aumento expressivo das Receitas com Serviços e Tarifas e Despesas de Pessoal, Administrativas e Tributárias super controladas ...
Excetuando a incerteza que o comportamento do resultado operacional me causa, considerando somente a última linha, e admitindo que esta possa crescer da ordem de 4% reais ao ano, o ativo estaria relativamente barato. O risco de um investimento no mesmo não seria alto porque o DY projetado não é desprezível (ou seja, se o preço do ativo ficar andando de lado por um tempo considerável, os rendimentos de aprox. 6% ajudam a aliviar a espera.

marcosvinicius2 -
PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA também vem se MANTENDO ESTÁVEL: 3,01% no 2T15; 3,00% no 2T16; 4,07% no 2T17 e 2,66% no 2T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores EM LINHA quando comparadas com empresas do mesmo setor: 4,71% no 2T15; 6,01% no 2T16; 5,68% no 2T17 e 5,36% no 2T18: RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO = No período de janeiro a junho de 2018, registramos Lucro Líquido de R$ 12,5 bilhões, um aumento de 3,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado bruto de nossa intermediação financeira foi impactado negativamente pelo efeito fiscal do hedge de nossos investimentos no exterior, compensado nas linhas de tributos de nossa demonstração de resultados. Esse resultado também foi influenciado negativamente pelo ciclo de redução da Selic, iniciado em outubro de 2016, compensado pelas menores despesas de provisões para crédito de liquidação duvidosa.; Nossa carteira de crédito atingiu R$ 588,6 bilhões ao final de junho de 2018, representando aumento de 6,6% em relação ao mesmo período de 2017. No primeiro semestre de 2018, observamos o crescimento de nossas carteiras relacionadas a operações com pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas.

1T2018 -
Paulo Prof - 
Acho que o ativo está relativamente bem precificado. A evolução do Resultado Operacional, tanto na base anual quanto trimestral, é negativo. A evolução do Lucro Líquido, por sua vez, é positiva em ambas as bases. Isto só é possível se a despesa de IR/CS, relativamente, está diminuindo. Evidentemente, isto não é sustentável no longo prazo.
A qualidade da carteira total de crédito está melhorando ... devagar, Passou de 5,76% no 1T17 para 5,61%. Os créditos baixados nos últimos 12 meses somaram R$ 14,6 bilhões, 26,8% menor do que nos 12 meses anteriores (R$ 20 bilhões)

A2017/4T2017 -
paulo_prof -
O ITUB vai bem, obrigado, mas não gostei do resultado do 4T17. Achei fraco, considerando que o resultado operacional situou-se bem abaixo daquele postado na média dos 9M17. De positivo, a redução sensível das depsesas de PDD e o fato de que o PDD conta com uma parcela excedente (complementar de R$ 10 bilhões). Mais dia menos dia, esta "gordura" deverá ser transformada em lucro. O ativo não me parece caro. Em 15FEV será distribuída uma bolada em Dividendos e JCPs.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 47 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). CARTEIRA DE CREDITO: EM 30 DE SETEMBRO DE 2017, O SALDO DA CARTEIRA DE CRÉDITO, INCLUINDO AVAIS E FIANÇAS, ATINGIU R$ 539,1 BILHÕES, UMA REDUÇÃO DE 5,0% EM RELAÇÃO A 30 DE SETEMBRO DE 2016. SE FOR CONSIDERADO TAMBÉM OS RISCOS DE CRÉDITO QUE TEMOS NA MODALIDADE DE TÍTULOS PRIVADOS, A REDUÇÃO SERIA DE 4,9%.

1T2017 -
paulo_prof  -
O Resultado foi bastante bom se considerada somente a última linha, que cresceu em termos reais em relação aquela postada no 1T16. O lucrolíquido do 1T17 foi turbinado por uma menor despesa de IR/CS. Melhorou, também, o indicador da qualidade de crédito (o PDD como percentual da carteira expandida de créditos passou de 6,06% no 1T16, para 5,97% no 4T16 e 5,76% no 1T17) e o indicador da inadimplência relativa à carteira expandida de créditos: após aumentar de 2,97% no 1T16, para 4,18% no 4T16, diminuiu para 3,98% no 1T17.
A precificação do ativo parece ok.

3T2016 -
paulo_prof   -
Nos últimos 24 meses, o lucro líquido do Itaú somou aprox. R$ 45 bilhões. Neste período de 24 meses, o valor dos créditos inadimplentes baixados a prejuízo somou aprox. R$ 30 bilhões. Para fazer frente a esta inadimplência e se proteger de calotes adicionais, nos últimos 24 meses o banco dispendeu R$ 43 bilhões. A "qualidade" da carteira expandida de crédito, 6,20%, é uma das mais altas do setor. Do lado positivo deve ser mencionado que nesta provisão há uma "gordura" (a provisão é maior do que aquela exigida pelas regras do Bacen, mandatória). Quando e se a economia recuperar, além de dispender menos com provisões, o banco poderá reverter estes valores adicionais que provisionou, turbinando o lucro. 
Para aqueles que acreditam que a economia se recuperará no curto prazo, com o consequente crescimento real do lucro, o ativo pode ser considerado barato. Para os que acreditam que a recuperação da economia ainda vai demorar, é razoável admitir que o lucro permaneça no patamar real atual e, em consequência, o ativo parece bem precificado. 

2T2016 -
paulo_prof   - 
De certa forma, os resultados do ITUB refletem aprox. o que ocorreu com o BBDC.
Tendo mantido a "qualidade" de carteira (foi de 6,06% no 1T16 e passou para 6,01%) e tendo ocorrido uma redução importante nos créditos inadimplentes (passou de 2,97% no 1T16 para 1,70%), as despesas de PDD no 2T16 foram sensivelmente menores do que no 1T16 (redução de 19% em termos percentuais e de R$ 1,2 bilhões em termos nominais).
Com esta "colher de chá" do lado das despesas, o ITUB acabou lucrando R$ 400 milhões mais no 2T16 do que no 1T16. Evidentemente, se o 1o. semestre de 2015 for usado como termo de comparação, o banco andou prá trás ... (lucro menor em 8,7% no semestre).
Características
Atividade bancária em todas as modalidades autorizadas, inclusive a de operações de câmbio.
Links
360954  - paulo_prof   - 04 Mai 2019, 04:11
Resultados Regulares ... com o Resultado Operacional e Lucro Líquido evoluindo em relação ao 1T18, um pouco acima da inflação.

Na comparação anual, os Resultados praticamente não mostram evolução em termos reais. As receitas com taxas e serviços estão evoluindo algo acima da inflação, mas assim também estão as despesas de pessoal, administrativas e tributárias.

Percebe-se uma melhora contínua na qualidade da carteira de créditos e no índice de inadimplência (se bem que houve uma piora do 4T18 para o 1T19).

O Ativo parece bem precificado.

ITUB4

PREÇO: R$ 33,67

PAYOUT (2018): 94,98%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,13

P/VPA 2,74

DY 7,23%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,564

ROAE 20,8%

ROAA 1,51%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 12.041.062

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,72%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,71%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T18, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -3,2%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,7%

RESULTADO OPERACIONAL -2,9%

RESULTADO LÍQUIDO +3,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -24,1%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -17,7%



b) 1T19 sobre 1T18, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +5,5%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +1,5%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,2%

RESULTADO OPERACIONAL 5,7%

RESULTADO LÍQUIDO +6,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +7,6%

PATRIMONIO LÍQUIDO +1,1%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 13,1%

PDD TOTAL -5,0%

ATIVOS TOTAIS +8,3%



c) lucro liquido, nominal

UA 3,25%
U2A 5,34%
U3A 3,07%


d) patrimônio líquido médio

UA 2,24%

U2A4,57%

U3A 6,11%



O PDD Total como percentual das Operações de Crédito diminuiu sensivelmente, passando de 5,61% no 1T18 para 4,71%%. Em relação ao trimestre passado, houve redução, passando de 4,87% para 4,71%. O índice de inadimplência caiu de uma média de 2,43% nos 4 trimestres terminados no 1T18, para uma média de 1,77% nos últimos 4 trimestres.

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 32,05

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +1,0%

358238 - paulo_prof -  05 Fev 2019, 16:57
Na comparação anual (exercício de 2018 comparado com o exercício de 2017) achei os resulados meia boca ... Apesar de uma despesa de PDD sensivelmente menor (R$ 4,68 bilhões ou -31,15), o Resultado Operacional de 2018 foi menor do que aquele do ano anterior. O Lucro Líquido do exercício de 2018 só foi maior do que aquele de 2017, devido a uma relativa menor despesa de IR/CS. O Resultado da Intermediação Financeira involuiu, as receitas com serviços e taxas aumentou acima da inflação e o aumento das despesas com pessoal, administrativas e tributárias foi controlado (aumento um pouco acima da inflação).

Houve uma sensível melhora na qualidade da carteira expandida de créditos (5,86% vs 4,87%) e do [indice de inadimplência (de 2,62% [ara 1,97%). A Carteira Expandida de Creditos e os Ativos Totais aumentaram, respectivamente, 12,7% e 9,7% no ano.

Na comparação trimestral (4T18 vs 4T17) a evolução é inequívoca, em praticamente todos os sentidos.

Na minha opinião, o mercado está enxergando o copo meio vazio, talvez porque esteja enxergando mais a comparação anual do que a comparação trimestral. Eu prefiro enxergar a enorme evolução do Resultado Operacional (R$ 5,64 bilhões no 4T17; R$ 9,34 bilhões no 1T18; R$ 3,59 bilhões no 2T18; R$ 8,44 bilhões no 3T18 e R$ 10,17 bilhões no 4T18) para uma visão mais otimista. Acho que o ativo está barato.


ITUB4

PREÇO: R$ 37,87

PAYOUT (2018): 94,98%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,74

P/VPA 2,79

DY 6,44%

LUCRO POR AÇÃO R$ 2,570

ROAE 19,0%

ROAA 1,51%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 12.602.654

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,85%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,87%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -4,3%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +7,3%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +5,53%

RESULTADO OPERACIONAL -4,1%

RESULTADO LÍQUIDO +4,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -31,1%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -19,6%



b) 4T18 sobre 4T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +32,3%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +9,0%

RESULTADO OPERACIONAL 80,4%

RESULTADO LÍQUIDO +6,6%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -31,0%

PATRIMONIO LÍQUIDO +3,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 12,7%

PDD TOTAL -6,3%

ATIVOS TOTAIS +9,7%



c) lucro liquido, nominal

UA 4,23%

U2A 7,44%

U3A 2,26%



d) patrimônio líquido médio

UA 2,73%

U2A 5,39%

U3A 6,85%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 32,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,0%

355212 - paulo_prof -  30 Out 2018, 17:36
Os resultados mostram estabilidade no que se refere o lucro líquido, com redução gradativa das despesas de PDD e inadimplência, consequência da melhora na qualidade da carteira de crétido (passou de 5,88% no 3T17 para 5,10% no 3T18).

Sem levar em conta uma possível melhora no ambiente econômico, o ativo parece estar bem precificado.


ITUB4

PREÇO: R$ 48,08

PAYOUT (2017): 80,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,66

P/VPA 2,56

DY 6,32%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,798

ROAE 20,2%

ROAA 1,59%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 11.851.436

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 1,85%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,36%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -13,8%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,3%

RESULTADO OPERACIONAL -22,4%

RESULTADO LÍQUIDO +3,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -31,8%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -40,9%



b) 3T18 sobre 3T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -8,1%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +5,3%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +6,3%

RESULTADO OPERACIONAL -17,5%

RESULTADO LÍQUIDO +2,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -29,0%

PATRIMONIO LÍQUIDO -1,5%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 8,4%

PDD TOTAL -1,1%

ATIVOS TOTAIS +5,2%



c) lucro liquido, nominal

UA 3,83%

U2A 6,23%

U3A 1,99%



d) patrimônio líquido médio

UA 4,18%

U2A 5,96%

U3A 7,44%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 47,47

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,5%

353583 - marcosvinicius2 -  10 Set 2018, 22:40
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO ( * ). O ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA também vem se MANTENDO ESTÁVEL: 3,01% no 2T15; 3,00% no 2T16; 4,07% no 2T17 e 2,66% no 2T18.: A QUALIDADE DA CARTEIRA EXPANDIDA DE CRÉDITO vem apresentando valores EM LINHA quando comparadas com empresas do mesmo setor: 4,71% no 2T15; 6,01% no 2T16; 5,68% no 2T17 e 5,36% no 2T18: RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO = No período de janeiro a junho de 2018, registramos Lucro Líquido de R$ 12,5 bilhões, um aumento de 3,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado bruto de nossa intermediação financeira foi impactado negativamente pelo efeito fiscal do hedge de nossos investimentos no exterior, compensado nas linhas de tributos de nossa demonstração de resultados. Esse resultado também foi influenciado negativamente pelo ciclo de redução da Selic, iniciado em outubro de 2016, compensado pelas menores despesas de provisões para crédito de liquidação duvidosa.; Nossa carteira de crédito atingiu R$ 588,6 bilhões ao final de junho de 2018, representando aumento de 6,6% em relação ao mesmo período de 2017. No primeiro semestre de 2018, observamos o crescimento de nossas carteiras relacionadas a operações com pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas.:

ITUB4
PREÇO: R$ 42,60
PAYOUT (2017): 41,14%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 11,40
P/VPA 2,29
DY 3,61%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,737
ROAE 20,06%
ROAA 1,58%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 17.034.088
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,68%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,36%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T17, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -5,97%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 8,57%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 1,67%
RESULTADO OPERACIONAL -8,62%
RESULTADO LÍQUIDO 6,17%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -29,72%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 17,74%

b) 2T18 sobre 2T17, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -33,65%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 9,66%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 2,97%
RESULTADO OPERACIONAL -50,62%
RESULTADO LÍQUIDO 3,83%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -29,00%
PATRIMONIO LÍQUIDO 2,85%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,26%
PDD TOTAL -3,45%
ATIVOS TOTAIS 6,51%

c) lucro liquido, nominal
UA 6,17%
U2A 4,55%
U3A 2,56%

d) patrimônio líquido médio
UA 5,88%
U2A 7,21%
U3A 8,50%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 46,71
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,10% !!!!
[...]

352331  - Ricardo Borges  -  31 Jul 2018, 02:33
Notícias da Noite já disponível

http://www.ricardoborges.com/noticias.htm

ITAÚ (ITUB4) - Comunicando.

"O Itaú registrou lucro líquido recorrente de R$ 6,382 bilhões no segundo trimestre, uma alta de 3,4% na comparação com o mesmo período de 2017. O resultado ficou abaixo da projeção média de R$ 6,595 bilhões dos analistas consultados pelo Valor.

A carteira de crédito expandida somava R$ 623,256 bilhões no fim do primeiro trimestre, alta de 3,7% em relação ao saldo de dezembro e queda de 6,1% em 12 meses.

O custo do crédito, que considera as despesas com provisões contra calotes, descontos e baixas em títulos, ficou em R$ 3,601 bilhões no segundo trimestre, com queda de 4,9% em três meses e retração de 19,5% em 12 meses.

O índice de inadimplência (acima de 90 dias) caiu para 2,8% no segundo trimestre, de 3,1% em março e 3,2% em junho do ano passado. No Brasil, o indicador de calotes encerrou o semestre em 3,4%, uma redução de 0,3 ponto em relação a março e de 0,4 ponto em 12 meses." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:

https://www.valor.com.br/financas/5698287/itau-tem...

Para quem desejar acompanhar as notícias econômicas e financeiras dos principais jornais nacionais:

http://www.ricardoborges.com/manchetes.htm

352330  - paulo_prof  -  31 Jul 2018, 02:07
Um dia ainda vou aprender a ler os resultados dos bancões ... Neste 2T18 os Resultados Operacionais do SANB, BBDC e ITIB vieram pífios ... a última linha, por sua vez, veio muito bem obrigado para todos. A salvação da lavoura foi provida pelo ativo fiscal diferido.

No 1T18, houve uma despesa de IR/CS de R$ 1,72 bilhões e uma despesa de R$ 1,37 bilhões referente ao ativo fiscal diferido. Já no 2T18, houve uma despesa de R$ 2,59 bilhões de IR/CS e uma Receita de R$ 5,5 bilhões referente ao ativo fiscal diferido. Com uma Receita destas, o banco é capaz de tapar qualquer buraco e postar um lucro de R$ 6,24 bilhões no trimestre.

Na comparação anual, excetuando o que se refere o Resultado da Intermediação Financeira e Resultdo Operacional, tudo é muito favorável ... redução da provisão necessária, redução da inadimplência, aumento expressivo das Receitas com Serviços e Tarifas e Despesas de Pessoal, Administrativas e Tributárias super controladas ...

Excetuando a incerteza que o comportamento do resultado operacional me causa, considerando somente a última linha, e admitindo que esta possa crescer da ordem de 4% reais ao ano, o ativo estaria relativamente barato. O risco de um investimento no mesmo não seria alto porque o DY projetado não é desprezível (ou seja, se o preço do ativo ficar andando de lado por um tempo considerável, os rendimentos de aprox. 6% ajudam a aliviar a espera.


ITUB4

PREÇO: R$ 46,97

PAYOUT (2017): 80,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,45

P/VPA 2,50

DY 6,43%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,772

ROAE 20,1%

ROAA 1,58%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 13.534.030

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,12%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,36%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -6,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,6%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +1,7%

RESULTADO OPERACIONAL -8,6%

RESULTADO LÍQUIDO +6,2%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -34,0%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -34,6%



b) 2T18 sobre 2T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -33,7%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,0%

RESULTADO OPERACIONAL -50,6%

RESULTADO LÍQUIDO +3,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -33,4%

PATRIMONIO LÍQUIDO +2,9%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,5%

PDD TOTAL -3,4%

ATIVOS TOTAIS +6,5%



c) lucro liquido, nominal

UA 6,17%

U2A 4,55%

U3A 2,56%



d) patrimônio líquido médio

UA 5,88%

U2A 7,21%

U3A 8,50%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 47,15

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): 0,0%

352328  - Rocha Preta inc -  30 Jul 2018, 23:10
Itaú Unibanco publica balanço levemente acima do consenso do mercado

Lucro recorrente R$ 6,382 bi (+3,45%)
LPA R$ 0,98

349668 - paulo_prof   -  06 Mai 2018, 17:41
Acho que o ativo está relativamente bem precificado. A evolução do Resultado Operacional, tanto na base anual quanto trimestral, é negativo. A evolução do Lucro Líquido, por sua vez, é positiva em ambas as bases. Isto só é possível se a despesa de IR/CS, relativamente, está diminuindo. Evidentemente, isto não é sustentável no longo prazo.

A qualidade da carteira total de crédito está melhorando ... devagar, Passou de 5,76% no 1T17 para 5,61%. Os créditos baixados nos últimos 12 meses somaram R$ 14,6 bilhões, 26,8% menor do que nos 12 meses anteriores (R$ 20 bilhões)


ITUB4

PREÇO: R$ 47,18

PAYOUT (2017): 80,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,65

P/VPA 2,58

DY 6,32%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,729

ROAE 20,4%

ROAA 1,59%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 14.639.474

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,36%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,61%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T17, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -6,8%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +7,1%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,0%

RESULTADO OPERACIONAL -9,2%

RESULTADO LÍQUIDO +7,5%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -30,7%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -26,8%



b) 1T18 sobre 1T17, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -4,4%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,2%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,3%

RESULTADO OPERACIONAL -4,3%

RESULTADO LÍQUIDO +3,8%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -30,6%

PATRIMONIO LÍQUIDO +3,1%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,0%

PDD TOTAL -2,7%

ATIVOS TOTAIS +7,9%



c) lucro liquido, nominal

UA 7,48%

U2A 2,98%

U3A 3,92%



d) patrimônio líquido médio

UA 6,95%

U2A 8,09%

U3A 9,67%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 46,61

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +0,5%

349505  - Rocha Preta inc -  01 Mai 2018, 22:29
Lucro do Itaú cresce 3,9% e chega a R$ 6,4 bilhões, acima do esperado
Gustavo Kahil - 01/05/2018 - 18:17

O lucro do Itaú Unibanco (ITUB4) cresceu 3,9% no primeiro trimestre de 2018 na comparação com um ano antes, para R$ 6,4 bilhões, informou o banco por meio de um comunicado publicado na noite desta terça-feira (1). O número veio acima dos R$ 6,32 bilhões estimados pela média dos analistas.

O lucro das atividades de seguridade e serviços responde por 56% desse total. A rentabilidade recorrente anualizada sobre o patrimônio líquido médio foi de 22,2%. A carteira de crédito atingiu R$ 601,1 bilhões ao final de março de 2018, registrando aumento de 2,4% em relação a março de 2017 e de 0,2% em relação a dezembro de 2017.

“Temos observado uma contínua e gradual recuperação da atividade econômica, que tem levado ao aumento da confiança de consumidores e empresários, notadamente no segmento de micro, pequenas e médias empresas. Esse aumento de confiança tem naturalmente aumentado a demanda por crédito. No primeiro trimestre de 2018, concedemos 31% mais créditos para pessoas físicas e 27% mais créditos para micro, pequenas e médias empresas em relação ao mesmo período de 2017”, afirma Candido Bracher, presidente executivo do Itaú Unibanco.

Ao final do primeiro trimestre de 2018, o índice de inadimplência medido por créditos vencidos há mais de 90 dias manteve-se estável em relação a dezembro de 2017, em 3,1%. Em 12 meses, a inadimplência de pessoas físicas no Brasil apresentou melhora de 0,7 ponto percentual, de 5,3% para 4,6%, registrando a oitava melhora trimestral consecutiva ao final de março de 2018.
https://moneytimes.com.br/lucro-do-itau-cresce-39-...

346857 - paulo_prof -  06 Fev 2018, 01:29
O ITUB vai bem, obrigado, mas não gostei do resultado do 4T17. Achei fraco, considerando que o resultado operacional situou-se bem abaixo daquele postado na média dos 9M17. De positivo, a redução sensível das depsesas de PDD e o fato de que o PDD conta com uma parcela excedente (complementar de R$ 10 bilhões). Mais dia menos dia, esta "gordura" deverá ser transformada em lucro. O ativo não me parece caro. Em 15FEV será distribuída uma bolada em Dividendos e JCPs.

ITUB4

PREÇO: R$ 50,03

PAYOUT (2017): 80,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 13,50

P/VPA 2,55

DY 5,93%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,707

ROAE 18,9%

ROAA 1,59%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 15.674.088

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,87%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,49%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 4T16, nominal:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -5,6%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +7,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +0,8%

RESULTADO OPERACIONAL -8,2%

RESULTADO LÍQUIDO +10,7%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -30,3%

CRÉDITOS INADIMPLENTES -20,3%



b) 1T17 sobre 1T16, nominal

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -13,0%

RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,7%

DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,3%

RESULTADO OPERACIONAL -25,3%

RESULTADO LÍQUIDO +5,0%

PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -33,5%

PATRIMONIO LÍQUIDO +9,8%

OPERAÇÕES DE CRÉDITO -9,4%

PDD TOTAL -1,7%

ATIVOS TOTAIS +5,4%



c) lucro liquido, nominal

UA 10,75%

U2A 1,29%

U3A 5,79%



d) patrimônio líquido médio

UA 8,11%

U2A 8,97%

U3A 10,89%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 46,34

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +2,0%

344217  - marcosvinicius2  -  22 Nov 2017, 18:31
COMENTÁRIO: PAPEL DEVIDAMENTE PRECIFICADO (*). DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 47 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO POSITIVO (EXCELENTE). CARTEIRA DE CREDITO: EM 30 DE SETEMBRO DE 2017, O SALDO DA CARTEIRA DE CRÉDITO, INCLUINDO AVAIS E FIANÇAS, ATINGIU R$ 539,1 BILHÕES, UMA REDUÇÃO DE 5,0% EM RELAÇÃO A 30 DE SETEMBRO DE 2016. SE FOR CONSIDERADO TAMBÉM OS RISCOS DE CRÉDITO QUE TEMOS NA MODALIDADE DE TÍTULOS PRIVADOS, A REDUÇÃO SERIA DE 4,9%:

ITUB4
PREÇO: R$ 43,02
PAYOUT (2016): 48,89%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 11,96
P/VPA 2,29
DY 4,09%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,598
ROAE 19,16%
ROAA 1,62%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 24.833.009
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,21%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,88%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -3,55%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 6,58%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS 1,55%
RESULTADO OPERACIONAL -6,82%
RESULTADO LÍQUIDO 8,68%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -19,25%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 21,77%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 25,53%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 6,66%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS -3,57%
RESULTADO OPERACIONAL 47,56%
RESULTADO LÍQUIDO 12,65%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -33,69%
PATRIMONIO LÍQUIDO 7,77%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -6,45%
PDD TOTAL -11,25%
ATIVOS TOTAIS 4,78%

c) lucro liquido, nominal
UA 8,68%
U2A 1,08%
U3A 6,94%

d) patrimônio líquido médio
UA 7,78%
U2A 9,11%
U3A 11,60%

RESULTADO INT FINANC = Resultado da Intermediação Financeira antes dos Créditos de Liquidação Duvidosa: a redução de 10,8% em relação ao mesmo período do ano anterior no resultado da intermediação financeira antes dos créditos de liquidação duvidosa deve-se em maior parte aos efeitos fiscais do hedge dos investimentos no exterior. DESCONSIDERANDO-SE tais efeitos, haveria um aumento de 0,5%. O impacto dessa mesma reclassificação na linha de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) levaria a um aumento de 44,9% em relação ao mesmo período do ano anterior;

DESPESAS DE PESSOAL = Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas e Operacionais: aumento de 5,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, em função de maiores despesas com remuneração fixa, comercialização de cartões de crédito e processamento de dados e telecomunicações;

TOTAL DE ATIVOS = O total de ativos consolidados atingiu R$ 1,5 trilhão ao final de setembro de 2017, com aumento de 4,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Deste total, R$ 177,5 bilhões são referentes as operações na América Latina, que incluem o Itaú CorpBanca, consolidado nas demonstrações contábeis a partir do 2º trimestre de 2016.

Chart.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

340599  - herdsman   -  01 Ago 2017, 00:20
Itaú lucro do trimestre 6,2 bi.
crescimento anual
despesas com pdd caindo
É o que sempre pensei, não tem tempo ruim para alguns.
(ou acham que Coca-Cola um dia dá prejuízo com a venda de água com corante /?)
Por isso ITSA deve ser um 'benchmark' na hora de investir.
Está batendo ITSA? se sim: ok !
se não: justifica sua compra.( e precisa diversificar tbm)

339629  - edbmsev -  28 Jun 2017, 12:35
A propósito, vejam que impressionante a evolução dos proventos líquidos distribuídos por ação do Itaú desde 2000 até hj.
https://www.itau.com.br/relacoes-com-investidores/...

337714  - Feitumeng  -  10 Mai 2017, 04:26
Itaú comprará 49,5% da XP por R$ 6 bi, diz revista Exame
...“pela proposta que vem sendo discutida, o Itaú comprará 49,5% das ações da XP por cerca de R$ 6 bilhões. Os atuais sócios da XP, liderados pelo fundador Guilherme Benchimol, manterão o controle da companhia, que será administrada de forma independente.”...
http://www.braziljournal.com/itau-comprara-495-da-xp-por-r$-6-bi-diz-revista

337493  - paulo_prof  - 03 Mai 2017, 21:38
Comentário sobre resultados do ITUB podem ser encontrados em http://149.56.145.223/advfn/listar?filtro=itub4&us...

O Resultado foi bastante bom se considerada somente a última linha, que cresceu em termos reais em relação aquela postada no 1T16. O lucrolíquido do 1T17 foi turbinado por uma menor despesa de IR/CS. Melhorou, também, o indicador da qualidade de crédito (o PDD como percentual da carteira expandida de créditos passou de 6,06% no 1T16, para 5,97% no 4T16 e 5,76% no 1T17) e o indicador da inadimplência relativa à carteira expandida de créditos: após aumentar de 2,97% no 1T16, para 4,18% no 4T16, diminuiu para 3,98% no 1T17.

A precificação do ativo parece ok.

ITUB4
PREÇO: R$ 39,39
PAYOUT (2016): 54,95%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 11,42

P/VPA 2,24

DY 4,81%

LUCRO POR AÇÃO R$ 3,450

ROAE 19,6%

ROAA 1,59%

CRÉDITOS INADIMPLENTES 19.999.628

CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,22%

PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 5,76%



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 1T16, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +52,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +14,3%
RESULTADO OPERACIONAL +67,3%
RESULTADO LÍQUIDO -1,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -19,0%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +19,8%

b) 1T17 sobre 1T16, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1,1%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +7,2%
RESULTADO OPERACIONAL -0,5%
RESULTADO LÍQUIDO +16,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -29,0%
PATRIMONIO LÍQUIDO +7,9%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -1,7%
PDD TOTAL -0,7%
ATIVOS TOTAIS +10,1%

c) lucro liquido, nominal

UA -1,33%

U2A 2,19%

U3A 10,59%


d) patrimônio líquido médio

UA 9,26%

U2A 11,05%

U3A 12,84%


Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 44,23

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -2,5%

329532  - paulo_prof   -  06 Nov 2016, 01:05
Nos últimos 24 meses, o lucro líquido do Itaú somou aprox. R$ 45 bilhões. Neste período de 24 meses, o valor dos créditos inadimplentes baixados a prejuízo somou aprox. R$ 30 bilhões. Para fazer frente a esta inadimplência e se proteger de calotes adicionais, nos últimos 24 meses o banco dispendeu R$ 43 bilhões. A "qualidade" da carteira expandida de crédito, 6,20%, é uma das mais altas do setor. Do lado positivo deve ser mencionado que nesta provisão há uma "gordura" (a provisão é maior do que aquela exigida pelas regras do Bacen, mandatória). Quando e se a economia recuperar, além de dispender menos com provisões, o banco poderá reverter estes valores adicionais que provisionou, turbinando o lucro.

Para aqueles que acreditam que a economia se recuperará no curto prazo, com o consequente crescimento real do lucro, o ativo pode ser considerado barato. Para os que acreditam que a recuperação da economia ainda vai demorar, é razoável admitir que o lucro permaneça no patamar real atual e, em consequência, o ativo parece bem precificado.

ITUB4
PREÇO: R$ 36,75
PAYOUT (2015): 35,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 10,01
P/VPA 1,90
DY 3,52%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,671
ROAE 19,0%
ROAA 1,56%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 16.171.605
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,56%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,20%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 3T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +133,9%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +9,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +18,1%
RESULTADO OPERACIONAL +243,8%
RESULTADO LÍQUIDO -6,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -6,2%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +19,5%

b) 3T16 sobre 3T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA passou de negativo para positivo
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +10,4%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +25,7%
RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo
RESULTADO LÍQUIDO -9,3%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS -44,1%
PATRIMONIO LÍQUIDO +11,0%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO -0,9%
PDD TOTAL +14,4%
ATIVOS TOTAIS +5,8%

c) lucro liquido, nominal
UA -5,98%
U2A 6,08%
U3A 14,44%

d) patrimônio líquido médio
UA 10,47%
U2A 13,56%
U3A 13,15%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 36,71

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): 0,0%

337492  - TraderCenter -  03 Mai 2017, 21:37
Itaú Unibanco, maior banco privado do país, registrou lucro líquido recorrente (que desconsidera efeitos extraordinários) de R$ 6,176 bilhões no primeiro trimestre deste ano. O valor é 19,64% maior que o registrado no mesmo período de 2016 (R$ 5,162 bilhões).

Em comparação com o 4º trimestre de 2016, quando o lucro foi de R$ 5,817 bilhões, houve alta de 6,17%.
Segundo o banco, contribuíram para o crescimento do lucro em relação ao trimestre anterior a redução das despesas não decorrentes de juros em 7,8%, de impairment em 64,5% e das despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa em 7,4%, principalmente no segmento de varejo.

Na avaliação de Marcelo Kopel, diretor de relações com investidores do banco, 2017 será o ano da transição, em que a carteira de crédito tende a níveis próximos ao registrado ao final de 2016, mas com uma redução das despesas com provisões.

O resultado do maior banco privado do país é reflexo do controle de despesas administrativas e melhor qualidade de sua carteira, o que resultou em menos provisões para perdas com calotes.

A queda em despesas para calotes refletiu o controle da qualidade da carteira, mesmo num ambiente de longa contração do crédito. No fim de março, o saldo de empréstimos do banco, incluindo avais e fianças, era de R$ 550,3 bilhões, queda de 2,1% em três meses e de 8,4% ano a ano.
[...]

325346  - TraderCenter   -  03 Ago 2016, 22:01
O Itaú Unibanco encerrou o segundo trimestre com queda de cerca de 9% no lucro líquido recorrente para 5.575 bilhões de reais, ante 6.134 bilhões no mesmo trimestre do ano anterior.


Trata-se do segundo trimestre consecutivo de queda no resultado recorrente do Itaú, na comparação anual. Os números do período trazem, pela primeira vez, a consolidação da companhia resultante da união entre o Banco Itaú Chile e o CorpBanca, o Itaú CorpBanca. O Itaú é acionista controlador com participação de 33,58% no capital social do novo banco.

O banco, a exemplo do rival Bradesco na semana passada, ainda cortou projeções de desempenho para este ano. A estimativa para o crescimento da carteira de crédito total foi reduzida para o intervalo de queda de 10,5% a 5,5% o ante projeção anterior de recuo de 0,5% a crescimento de 4,5%.
Lupa Mercantil

325255  - paulo_prof   -  03 Ago 2016, 00:44
De certa forma, os resultados do ITUB refletem aprox. o que ocorreu com o BBDC.

Tendo mantido a "qualidade" de carteira (foi de 6,06% no 1T16 e passou para 6,01%) e tendo ocorrido uma redução importante nos créditos inadimplentes (passou de 2,97% no 1T16 para 1,70%), as despesas de PDD no 2T16 foram sensivelmente menores do que no 1T16 (redução de 19% em termos percentuais e de R$ 1,2 bilhões em termos nominais).

Com esta "colher de chá" do lado das despesas, o ITUB acabou lucrando R$ 400 milhões mais no 2T16 do que no 1T16. Evidentemente, se o 1o. semestre de 2015 for usado como termo de comparação, o banco andou prá trás ... (lucro menor em 8,7% no semestre).

ITUB4
PREÇO: R$ 33,83
PAYOUT (2015): 35,3%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 8,79
P/VPA 1,81
DY 4,01%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,847
ROAE 20,6%
ROAA 1,63%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 14.033.753
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,19%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,01%

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre os 12 meses terminados no 2T15, nominal:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -1,0%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,0%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +8,1%
RESULTADO OPERACIONAL -10,3%
RESULTADO LÍQUIDO +0,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +46,7%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +7,8%

b) 2T16 sobre 2T15, nominal
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +23,6%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +11,8%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +17,9%
RESULTADO OPERACIONAL +22,3%
RESULTADO LÍQUIDO -7,8%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +18,1%
PATRIMONIO LÍQUIDO +15,4%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +7,3%
PDD TOTAL +36,7%
ATIVOS TOTAIS +13,4%

c) lucro liquido, nominal
UA 0,75%
U2A 12,70%
U3A 17,90%

d) patrimônio líquido médio
UA 11,13%
U2A 14,20%
U3A 12,07%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 38,47

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -3,0%

321067 - NumBroker -  03 Mai 2016, 13:08
Lucro recorrente caindo 10 purça ano a ano e PDD aumentando mostrando um probleminha aumentando no futuro. Parece em linha com Bradesco...

Itaú Unibanco lucra R$5,2 bi no 1º tri; inadimplência e provisões disparam

SÃO PAULO (Reuters) - Um salto nas provisões para perdas com inadimplência e receitas pressionadas devido à retração na carteira de crédito levaram o Itaú Unibanco a queda no lucro do primeiro trimestre.

O maior banco privado brasileiro anunciou nesta terça-feira que seu lucro líquido do período somou 5,184 bilhões de reais, queda ante os 5,733 bilhões em igual período de 2015, o menor desde o segundo trimestre de 2014.

Na base recorrente, o lucro somou 5,235 bilhões de reais no período, queda de 9,9 por cento sobre um ano antes. A previsão média de analistas consultados pela Reuters para esta linha era de 5,195 bilhões de reais.

Numa mão, o índice de inadimplência acima de 90 dias atingiu 3,9 por cento, ante 3 por cento em igual etapa de 2015 e o pico desde setembro de 2013.

Com a alta do desemprego e dos pedidos de recuperação judicial de empresas numa economia em forte recessão, o banco fez provisões para perdas com calotes de 6,4 bilhões de reais, alta de 38,1 por cento na base sequencial e de 43,7 por cento sobre um ano antes. O número já deduz recuperação de crédito.

Em outra frente, o estoque de financiamentos do Itaú Unibanco, incluindo avais e fianças, caiu 4,8 por cento contra o primeiro trimestre do ano passado, a 517,484 bilhões de reais. Sobre dezembro, a queda foi ainda maior, de 5,6 por cento.

A contração foi liderada pelos empréstimos para compra de veículos (-31,2 por cento), para grandes empresas (-9,8 por cento) e das pequenas e médias (-9,9 por cento), todos na comparação ano a ano.

Um efeito desse movimento foi o recuo na margem financeira, que somou 16,6 bilhões no trimestre, montante 207 milhões menor do que no trimestre passado.

As receitas com tarifas e serviços, de 7,17 bilhões de reais, avançaram 4,4 por cento na comparação com o primeiro trimestre do ano anterior, número bem abaixo da variação da inflação no período, de cerca de 10 por cento.

Por outro lado, as despesas não decorrentes de juros, que incluem pagamento de salários, somaram 10,2 bilhões de reais de janeiro a março, recuo sequencial de 8 por cento e aumento de 3,4 por cento sobre um ano antes, também abaixo da inflação.

Mas isso foi insuficiente para impedir uma baixa de 4,5 pontos no retorno sobre o patrimônio líquido anualizado, de 19,7 por cento no trimestre. Em termos recorrentes, a queda foi de 4,6 por cento do índice, que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas.
fonte: http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN0XU10Y

318175 - pinheiro87  -  29 Fev 2016, 17:44
Trecho interessante do informativo do 4T15 do Itaú (recebido por email):

"O ano de 2015 também foi marcado pelo trabalho contínuo para nos tornarmos cada vez mais um Banco Digital, ampliando o nosso número de agências digitais para 94, um acréscimo de 63 em relação a 2014, e desenvolvendo novos canais para o cliente, como aplicativos e mecanismos de comunicação digital. No ano passado, 67% das transações realizadas no banco, equivalente a 8,9 bilhões de operações, foram provenientes de internet e celular. Além desta iniciativa vale destacar: a inauguração do nosso novo Data Center, mais eficiente em consumo de energia e que aumentará em 25 vezes nossa capacidade de processamento"

Relaciona-se com aquela velha discussão sobre a "necessidade" das agências físicas.

Calote pesa em resultado do Itaú

Por Vinícius Pinheiro, Felipe Marques e Daniela Meibak | De São Paulo

Itaú: "A inadimplência é a maior preocupação e está ligada à redução da atividade econômica neste ano"

Com a inadimplência crescendo além do esperado e projeções pouco animadoras para 2016, os resultados do Itaú Unibanco deixaram uma sensação de que o pior para o banco ainda está por vir. Apesar de apresentar um lucro líquido contábil de R$ 23,36 bilhões em 2015, um crescimento de 15,4% em relação ao ano anterior, os números do maior banco privado do país causaram alarme entre investidores e analistas, levando a ação do Itaú a figurar entre as maiores quedas da bolsa no pregão de ontem, de quase 9%.

O retorno sobre o patrimônio do banco foi de 22,3% - queda em relação aos 24% do trimestre anterior e de 24,7% dos últimos três meses de 2014. Apenas no quarto trimestre, o lucro líquido da instituição foi de R$ 5,698 bilhões, com alta de 3,2% ante o mesmo período do ano anterior.

O banco encerrou 2015 com 3,5% dos créditos em atraso há mais de 90 dias, um incremento de 0,2 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre e de 0,4 ponto na comparação com dezembro de 2014. A questão, porém, é que o índice teria sido maior, não fosse o banco ter tirado do balanço R$ 1,25 bilhão em créditos de empresas inadimplentes que ainda não haviam sido baixados para prejuízo. O Itaú vendeu essas operações a uma empresa dentro do próprio grupo, mas não divulgou qual. Sem essa manobra, o índice teria sido de 3,7%.

A instituição já tinha se valido dessa estratégia no segundo trimestre, quando vendeu um portfólio de R$ 1,08 bilhão em crédito corporativo inadimplente, que também reduziu "artificialmente" sua taxa de calotes.

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, deixou claro que a gestão do calote está no topo das prioridades do banco em 2016. "Essa é a maior preocupação e está ligada à redução da atividade econômica neste ano", disse o executivo, em entrevista a jornalistas sobre os resultados. "É difícil dar a medida correta do aumento da inadimplência, mas a expectativa é que suba um pouco."

O executivo também deixou aberta a possibilidade de o banco intensificar a venda de carteiras de crédito, em especial quando estiver concluída a compra da participação do BTG Pactual na Recovery, empresa especializada em recuperar créditos inadimplentes.

Não foi só a inadimplência que pesou sobre as ações do banco, mas também as estimativas que apresentou para 2016. O Itaú projeta de uma queda de 0,5% a um crescimento de 4,5% para o saldo consolidado da carteira de crédito em 2016 - depois de uma expansão de 4,6% em 2015, a R$ 548,07 bilhões. O banco também espera registrar um avanço de 2% a 5% na margem financeira com clientes em 2016, depois de um aumento de 15,6% no ano passado.

Já a despesa de provisão contra calotes, líquida das recuperações de crédito, devem fechar o ano entre R$ 22 bilhões e R$ 25 bilhões neste ano. O valor representa um aumento de 21,5% a 38,1% em relação a 2015, quando as provisões somaram R$ 18,1 bilhões, pouco acima do teto de R$ 18 bilhões projetado.

Nos cálculos do Credit Suisse, se o desempenho do Itaú neste ano ficar no meio das projeções apresentadas pelo banco, o lucro da instituição financeira vai encerrar o ano 17% menor em relação a 2015. Nesse cenário, o retorno sobre patrimônio cairia para 17,5%.

Em relatório, assinado por Marcelo Telles e equipe, o banco suíço avalia que se a velocidade da inadimplência aumentar, os números podem ser ainda piores. "Ainda que mais realistas que do Bradesco, as projeções do Itaú trazem ainda, na nossa visão, um grande risco de decepção", escrevem.

Na semana passada, o Bradesco já havia divulgado um índice de inadimplência superior ao esperado e acabou piorando suas expectativas para o comportamento do calote em 2016.

A renegociação de empréstimos também ajudou o Itaú a evitar uma alta ainda maior na inadimplência. A carteira de operações renegociadas encerrou 2015 em R$ 22,951 bilhões, com crescimento de 4,7% na comparação com o estoque registrado em setembro e de 38,2% no acumulado de 12 meses encerrados em dezembro. A linha está entre as que mais cresceram no banco, superando o consignado e o habitacional.

"Há relação entre a piora do cenário macroeconômico e o aumento da inadimplência, então há um esforço para reacomodar pagamento dos empréstimos às novas realidades", disse Setubal.

Foi esse o cenário que fez com que as ações do Itaú recuassem 8,71% no pregão de ontem, cotadas a R$ 23,25. O Ibovespa caiu 4,87%. Junto com os resultados, o banco anunciou a recompra de até 10 milhões de ações ordinárias (ON), o equivalente a 3,47% dos papéis em circulação, e de 50 milhões de papéis preferenciais (PN), ou 1,66% do total em circulação.

Entre os destaques positivos, analistas elogiaram o controle de despesas e o crescimento das receitas não relacionadas ao crédito, como a operação de seguros. As receitas de prestação de serviços e seguros aumentaram 11,9% no quarto trimestre, ante igual período do ano anterior, para R$ 9,25 bilhões Apenas a Itaú Seguridade reportou lucro líquido recorrente de R$ 667 milhões no quarto trimestre, com avanço de 1,9% na comparação anual.

O reforço no capital do banco também foi bem recebido, com o índice de Basileia encerrando o ano em 17,8%, o que representa um aumento de 1,7 ponto percentual em relação ao trimestre anterior, quando o indicador estava em 16,1%. A retenção de resultados, o menor uso de créditos tributários e a redução nas operações de crédito explicam o aumento. "Manteremos capitalização forte, em especial em momentos em que economia não vai bem", disse Setubal. (Colaborou Simone Cavalcanti)
arte03fin-102-itau-c8.jpg
Olá Dusteffen ...

Trabalhei longos anos no setor, a estratégia continua a mesma:

> único setor que está ganhando muito dinheiro, apesar da crise;
> como é que eles fazem para minimizar os lucros? Usam os provisionamentos;
> veja que a provisão foi quase igual ao lucro obtido, então carregaram na tinta para não pagar a "parte do leão" e sossegar os demais setores da economia que estão morrendo a míngua;
> imagine se eles tivessem colocado pouca tinta, o lucro seria fantástico, até o Padre da Paróquia de Álvares Machado iria dizer no sermão que os Bancos estão "ROUBANDO O POVO";
> os ROES dos bancões raramente ficam abaixo de 20% e ou superior a 24% então, estão dentro da média histórica;
> essa "gordura" do PDD poderá ser revertida e usada em exercícios futuros para melhorar a performance quando as vacas ficarem magras;

Obs: o pasto dos Bancões nunca ficam ruins em tempo algum.

Tenho posição razoável em ITUB3, mas no momento não pretendo nem vender nem comprar, estou como "coruja" em cima de mourão de cerca: prestando muita atenção. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
316726  - NumBroker   -  02 Fev 2016, 14:48
Sobre Itaú, acho que o motivo foi o aumento de PDD. Pode ser uma bomba se armando mais à frente...

De qq maneira é melhor banco.

No quarto trimestre de 2015, os destaques foram, conforme explica o Itaú em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, os crescimentos de 1,1% da margem financeira com clientes, de 7,9% das receitas de prestação de serviços e de 35,4% da recuperação de créditos baixados como prejuízo. "Houve também redução de 44,2% da margem financeira com o mercado e aumentos de 6,4% das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDDs) e de 1,9% das despesas não decorrentes de juros", acrescenta o banco, no documento.

Itau - ITUB4
PREÇO: R$ 34,40
PAYOUT 2012: 33,24%

Em relação a 2011, as taxas de crescimento nominal do exercício de 2012 foram:

RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -5,2%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +6,6%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,7%
RESULTADO OPERACIONAL -10,9%
RESULTADO LÍQUIDO -7,0%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +34,2%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +8,8%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +9,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +7,7%
ATIVO TOTAL +19,2%
CRÉDITOS INADIMPLENTES NO ANO: 58,9%

P/L 11,42
P/VPA 2,09
DY 2,91%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,012
ROAE 18,3%
ROAA 1,34%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 17.388.713
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,79%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,04%

Em relação ao 3T12, a "qualidade" da carteira de créditos medida em termos do percentual do PDD em relação ao tamanho da carteira melhorou marginalmente, de 6,12% para 6,04%. Os créditos inadimplentes contabilizados no 4T12, medidos como percentual da carteira de crédito aumentaram de 3,67% para 4,20% (anualizado). A relação entre os créditos inadimplentes no ano, para o tamanho da carteira no final do ano aumentou de 2,60% em 2011 para 3,79% em 2012.

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA -7,02%
U2A 1,01%
U3A 10,53%

b) do patrimônio líquido médio
U2A 15,43%
U3A 16,25%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses por toda a eternidade e taxa de desconto anual real de 8%: R$ 37,65

161542 - pppadv -  26 Dez 2012, 11:35
Por Paula Barra
https://infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/2644641/petrobras-espera-reajuste-gasolina-gol-anuncia-separacao-smiles
[...]
Itaú Unibanco: provisões devem cair em 2013
O Itaú Unibanco (ITUB4) vai gastar menos recursos em 2013 com provisões para créditos duvidosos, disse Rogério Calderón, diretor corporativo de controladoria e de relações com investidores, à Folha.

O maior banco da América Latina em valor de mercado vai se beneficiar da queda na taxa de inadimplência. "Não vamos ter períodos em 2013 com os mesmos níveis de provisionamento que tivemos nos primeiros três trimestres deste ano, que foi em torno de R$ 6 bilhões, disse Calderón.
[...]

153195 - paulo_prof -  23 Out 2012, 14:35
As taxas de crescimento dos resultados dos 9M12 em relação aos 9M11 foram:

RECEITA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA +1,6%
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -0,3%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +8,3%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +3,6%
RESULTADO OPERACIONAL +5,5%
RESULTADO LÍQUIDO -7,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +37,3%
CRÉDITOS INADIMPLENTES +54,9%

As taxas de crescimento ao final do 3T12 em relação ao final do 3T11 foram:

PATRIMÔNIO LÍQUIDO +15,8%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +7,1%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +12,0%
ATIVO TOTAL +14,7%

Em relação à Carteira Total de Créditos:
O PDD Total passou de 6,08% no 2T12 para 6,12% no 3T12
Os créditos inadimplentes do trimestre anualizados passaram de 3,38% no 2T12 para 3,67% no 3T12

Taxas anuais médias de crescimento nominal:

a) do lucro líquido
UA -7,06%
U2A 4,40%
U3A 16,46%

b) do patrijmônio líquido médio
UA 15,28%
U2A 38,20%
U3A 55,59%

Múltiplos baseados nos resultados dos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 28,46
PAYOUT (2011): 34,6%

P/L 9,32 
P/VPA 1,63 
DY 3,71%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,054
ROAE 17,5%
ROAA 1,44%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 15.519.856 
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 3,43%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,12%

114030 - paulo_prof - 07/Fev/2012 15:22
Vamos ver o que se pode falar da IUB4 ...

Em relação ao exercício de 2010 observa-se as seguintes taxas de crescimento nominais:
RESULTADO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA -5,5%
RECEITA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO +12,7%
DESPESAS PESSOAL/TRIBUTÁRIAS/ADMINISTRATIVAS +4,4%
RESULTADO OPERACIONAL -9,7%
RESULTADO LÍQUIDO +9,7%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS +46,8%
CRÉDITOS INADIMPLENTES -5,2%

Em relação à situação em 30DEZ
PATRIMÔNIO LÍQUIDO +11,3%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO +13,9%
PROVISÃO PARA CRÉDITOS DUVIDOSOS (TOTAL) +15,6%
ATIVO TOTAL +13,5%

Taxas Anuais Médias de Crescimento Nominal:

a) do lucro líquido
UA 9,74%
U2A 20,52%
U3A 23,28%

b) do Patrimônio lìquido médio
UA 19,11%
U2A 18,50%
U3A 25,94%

Multiplicadores relativos ao exercício de 2011

PREÇO: R$ 35,82
PAYOUT: 34,55% (2011)
P/L 11,06
P/VPA 2,27
DY 3,12%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,239
ROAE 20,5%
ROAA 1,72%
CRÉDITOS INADIMPLENTES 11.066.461
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,63%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,12%

Preço Justo calculado pela fórmula do FCD, considerando:

a) taxa anual média real de crescimento do lucro líquido: 5%
b) anos de crescimento do lucro líquido: 3
c) taxa de crescimento real na perpetuidade: 0%
d) taxa de desconto real: 8%

PREÇO JUSTO: R$ 46,39           

Por Cristian Tetzner
PERFIL DA EMPRESA:
-  O Itaú Unibanco Holding S.A é o maior banco do Hemisfério Sul, com números e dimensões superlativas. O novo banco nasceu em novembro de 2008, da associação entre o Itaú e o Unibanco, com cerca de 108 mil colaboradores, R$ 632,7 bilhões em ativos, R$ 271,9 bilhões em operações de crédito, R$ 272,2 bilhões em depósitos e operações de banco comercial, em todos os países do Mercosul. Suas ações são negociadas nas bolsas de valores de São Paulo (Brasil), Buenos Aires (Argentina) e Nova York (EUA).


Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )

Link do Balanço:  http://ww13.itau.com.br/PortalRI/HTML/port/infofinan/demon/Dcc_e_MDA/df300911/irr300911.pdf

Espelho Fundamentus: http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=ITUB4&x=0&y=0

Site do RI:  http://ww13.itau.com.br/portalri/

PAINEL DE INDICADORES        01/11/11                                                                     SELIC            11,50%
Ativo   R$       PL       VP       GR      DY      LA      Dv       Ml       EB       MS
ITUB4              32,73 13,4     2,01     27,0     3,1%    7,5%    0,0       0%       7,5%    -23,8%

PONTOS POSITIVOS:
- Obtivemos Lucro Líquido de R$ 3.807 milhões ( +18% 3Tx2T11 e +24% sobre 3T11x10 ) no terceiro trimestre de 2011. Esse montante engloba o impacto dos efeitos não recorrentes no resultado, os quais são apresentados na tabela abaixo, resultando no Lucro Líquido Recorrente de R$ 3.940 milhões no período.
- Despesas de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa 4,9B, queda de -2,7% no trimestre, mas ainda alta (+22%) no ano.
- O lucro líquido por ação no terceiro trimestre de 2011 teve uma evolução de 5,9% em comparação com o trimestre anterior,
atingindo R$ 0,84.
- A melhora do lucro por ação deve-se, além da evolução dos resultados em 2011, às recompras de 40.970.900 ações para
Tesouraria, que ocorreram até o final do terceiro trimestre de 2011 ao preço médio de R$ 31,69 (25.470.900 ações no terceiro
trimestre a preço médio de R$ 29,14).
- As receitas de prestação de serviços, incluindo as rendas de tarifas bancárias, apresentaram crescimento de 3,2% no terceiro
trimestre de 2011 em relação ao período anterior, totalizando R$ 4.820 milhões, devido, principalmente, às receitas relacionadas a cartões de crédito e serviços de recebimento.
- O ativo total em 30 de setembro de 2011 alcançou R$ 837,0 bilhões, uma evolução de 5,5% em relação ao final do trimestre
anterior e de 22,6% sobre 30 de setembro de 2010
- Em 30 de setembro de 2011, uma parcela de R$ 61,4 bilhões do total dos nossos ativos de crédito era denominada ou indexada a moedas estrangeiras, e a desvalorização do Real em relação a essas moedas contribuiu para o crescimento do saldo total das operações ao final do terceiro trimestre de 2011. Esse impacto está fundamentalmente refletido no aumento de 23,3% na carteira de crédito de nossas operações no Chile, no Uruguai, no Paraguai e na Argentina, bem como no acréscimo de 9,0% da carteira de grandes empresas.
-Nossa margem financeira gerencial totalizou R$ 12.960 milhões no terceiro trimestre de 2011, esse montante corresponde a um aumento de R$ 1.036 milhões ou 8,7% em relação ao segundo trimestre de 2011. Com relação ao período acumulado de janeiro a setembro de 2011, houve crescimento de 14,3% quando comparado com igual período de 2010.

PONTOS NEGATIVOS
- O índice de eficiência do terceiro trimestre atingiu 47,5%, redução de 0,8 ponto percentual em relação ao segundo trimestre de
2011 e de 3,1 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano anterior
- Em setembro de 2011, o índice de inadimplência total (operações de crédito com atraso superior a 90 dias) atingiu 4,7%, crescendo 0,2 ponto percentual em relação a junho de 2011 e 0,5 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano anterior. Caso desconsiderássemos o efeito da variação cambial na carteira de crédito, o índice de inadimplência total superior a 90 dias teria atingido 4,8%.
-    

VISÃO ESTRATÉGICA
-  
OPINIÃO DO ANALISTA
- Analisar banco é sempre complicado; tem um jeito fácil de saber se o banco é bom: veja se ele dá lucro e se o lucro é crescente. A fusão com o Unibanco a cada balanço mostra mais sinergia, trazendo mais e melhores resultados. O único senão da equação é o controle do risco, neste caso inadimplência que no balanço anterior deu as caras mas neste parece estar começando a arrefecer.  

CURIOSIDADES
- No segmento de pessoas físicas, tivemos como destaques no trimestre as carteiras de crédito imobiliário e de crédito pessoal,
com crescimentos de 14,7% e 10,0%, respectivamente. No período de 12 meses, os destaques recaem sobre as carteiras de
cartão de crédito, crédito pessoal e crédito imobiliário com evoluções de 22,0%, 43,4% e 79,3%, respectivamente
- O Índice de Basileia atingiu 15,5%, apresentando redução de 0,6 ponto percentual em relação a 30 de junho de 2011, influenciado pelo novo fator de ponderação de risco de 150% (Circular 3.515/BACEN) que passou a vigorar a partir de 1º de julho de 2011 e impactou nosso índice de Basileia em 0,4 ponto percentual, e pela recompra de 25.470.900 ações para a Tesouraria durante o terceiro trimestre de 2011. 

100359 - paulo_prof - 01/Nov/2011 19:11
Para o que possa servir, e meio com atraso, algumas informações relativas a ao ItauUnibanco.

Nos 9 meses de 2011, a Receita de Intermediação foi 29,9% maior do que em 2010. O Resultado Bruto, entretanto, foi somente 1,5% maior. A despesa com o PDD foi 18,8% maior.

As receitas com serviços foram 12,6% maiores, mas as despesas com pessoal, administrativas e tributárias foram maiores em 6,7%. Como conseqüência, o Resultado Operacional foi 8,3% menor do que em 2010.

A última linha, lucro líquido, foi 16% maior. Como o Resultado Não Operacional em 2011 e 2010, foi inexpressivo, um lucro maior para uma Resultado operacional menor, só se tiver alguma jogada de imposto de renda e contribuição social ...

A Carteira Total de Créditos ao final do 3T11 foi 24% maior do que aquela ao final do 3T10. No que se refere o PDD, o aumento foi de apenas 6,2%, indicando uma melhora na qualidade da carteira de crédito. O PDD passou de 7,15% da carteira no 3T10 para 5,85% ao final do 3T11.

O PDD do ItauUnibanco é somente constituído de provisões mandatórias. Não há, como no Bradesco, provisões voluntárias (gordura para queimar).

A soma dos créditos inadimplentes nos 9M11 foi 15,8% menor.

Para se ter uma idéia relativa das coisas, considere que o lucro líquido dos 9M11 foi 3,75% maior do que as despesas de PDD (nos 9M10 havia sido 6,3% maior).

múltiplos baseados nos últimos 9 meses:

ITUB4
PREÇO: R$ 32,02
PAYOUT: 33,68%

P/L      9,79
P/VPA            2,13
DY      3,44%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 3,270
ROAE 21,7%
ROAA            1,77%
CRÉDITOS INADIMPLENTES     10.233.461
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO  2,42%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO            5,85%

Taxas anuais médias nominais de crescimento
a) lucro líquido
UA      17,27%          
U2A    30,37%          
U3A    23,04%          

b) patrimônio líquido médio

UA      19,88%
U2A    18,36%
U3A    29,16%

Taxa anual média real requerida para um preço justo 50% maior do que a cotação atual: 15%

64341 - paulo_prof - 22/Fev/2011 12:00
citação: sobral30Itaú Unibanco supera BB e tem lucro de R$ 13 bilhões em 2010
22 de fevereiro de 2011 • 08h02 • atualizado 08h44comentarios
36
Noticia

Reducir Normal Aumentar Imprimir

O Itaú Unibanco divulgou nesta terça-feira lucro líquido recorrente de R$ 3,4 bilhões no quarto trimestre de 2010, contra R$ 2,8 bilhões um ano antes. Com isso, no acumulado do ano passado o lucro líquido recorrente da instituição foi de R$ 13 bilhões, ante R$ 10,5 bilhões no ano anterior, um avanço de 24%.

O resultado da instituição superou o Banco do Brasil (BB), que divulgou na última semana ganhos de R$ 11,7 bilhões. Segundo estudo da consultoria Economatica divulgado em 31 de janeiro, a maior instituição financeira do País liderava o ranking de maiores ganhos anuais de bancos brasileiros com o resultado. O melhor resultado do Itaú Unibanco até então tinha sido de R$ 10,067 bilhões, em 2009.

Em todo o ano passado, o ganho líquido da controladora cresceu 32,3%, para R$ 13,3 bilhões. A carteira de crédito do maior banco privado do País terminou o ano passado em R$ 335,5 bilhões, alta de 20,5% em 12 meses. O Itaú Unibanco tinha em dezembro R$ 755,112 bilhões em ativos, avanço de 24,1% sobre o final de 2009.

Já o índice de inadimplência total, que considera as operações com atraso de mais de 90 dias, ficou em 4,2% ao final do ano passado, comparado a 5,6% em dezembro de 2009. O Itaú Unibanco é o último dos grandes bancos no Brasil a reportar o resultado de outubro a dezembro passado.

Em 31 de janeiro, o Bradesco apresentou lucro de quase R$ 3 bilhões para o quarto trimestre. No início de fevereiro o Santander Brasil divulgou lucro líquido pelo padrão contábil local de R$ 831 milhões. Na semana passada, o Banco do Brasil anunciou ganho trimestral de R$ 4 bilhões.http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idnoticia=201102221102_R TR_1298371982nN21230601

Para o que possa servir, acho que vale um alerta para "como" este resultado foi conseguido.

O lucro do 4T10 foi "turbinado" por uma despesa de PDD extremamente baixa, completamente fora do padrão. Quando nos 3 trimestres anteriores a despesa líquida de PDD (despesa de PDD propriamente dita menos recuperação de créditos inadimplentes) estava na faixa dos R$ 3 bilhões, no 4T10 caiu para a faixa de R$ 1 bilhão. De outra forma, de maneira alguma o banco conseguiria um lucro líquido nem mesmo perto dos R$ 3,89 bilhões postados no 4T10.

Embora a qualidade da carteira de crédito tenha evoluído, como a própria carteira cresceu 8,5% em relação ao 3T10, o PDD total no 4T10 foi R$ 1 bilhão superior ao que havia ao final do 3T10. Em conseqüência, o que aconteceu na prática foi que os créditos inadimplentes foram zerados no trimestre! Uma vez que, num banco como o Itub, não há como não existirem créditos inadimplentes, para que a soma líquida seja zerada é necessário que a recuperação de créditos inadimplentes seja de igual valor. Isto só pode ser conseguido via uma repactuação dos créditos vencidos. Resta verificar se os credores inadimplentes vão agora honrar os compromissos como repactuados. A experiência mostra que, na maior parte das vezes, quem tem um histórico de mau pagador, continua mau pagador 

Os novos múltiplos, baseados no exercício de 2010, são:

PREÇO R$ 37,45
PAYOUT 40,78% (mesmo de 2009)
P/L 12,74
P/VPA 2,79
DY 3,20%
LUCRO POR AÇÃO R$ 2,939
ROAE 21,9%
ROAA 1,76%
CRÉDITOS INADIMPLENTES/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 2,94%
OPERAÇÕES DE CRÉDITO/ATIVO TOTAL 49,0%
ATIVO TOTAL/PATRIMONIO LÍQUIDO 12,40
RESULTADO/RECEITA DA INTERMEDIÇÃO FINANCEIRA 43,79%
PDD/OPERAÇÕES DE CRÉDITO 6,30%

1854 - paulorizzi - 24/Fev/2009 16:01
""A partir de uma olhada rápida no Fundamentus fornecendo P/L=8,66 e P/VPA=2,18 para ITAU4, e P/L=12,6 e P/VPA=2,83, tenho achado ITAU4 cara. Em conseqüência, não tive ainda paciência para tentar estimar os múltiplos após a consolidação da fusão. Acho que vou aguardar o balanço consolidado para poupar o trabalho. Os múltiplos de BBDC4 são melhores (P/L=8,26 e P/VPA=1,84). mas sou de opinião de que a ação ainda está cara (muito mais cara do que bancos médios e relativamente mais cara do que a do BB)."
"Além de estar bem mais barata do que ITAU4 e BBDC4, BBAS3 AINDA não tem o que na minha opinião é uma desvantagem: as suas ADRs negociadas na NYSE. Neste época de instabilidades, é dose ficar dependente de humores, totalmente desvinculados dos reais fundamentos. Itau, Bradesco, Bank of America, Citibank, etc., costumam ser colocados todos num mesmo saco."
"Acho que o Itaú está melhor posicionado para crescimento (no exterior) mas está caro para o momento atual da economia (apesar do JPMorgan estar sendo negociado hoje, na NYSE, com P/L de 11,5)."
"Como afirmei acima, sou de opinião de que BBAS3 deveria fazer parte de qualquer carteira de ações." 

Itaú Unibanco apresenta lucro líquido recorrente abaixo do esperado
Por: Rafael de Souza Ribeiro
09/02/10 - 10h12
InfoMoney
SÃO PAULO - Seguindo a temporada de resultados dos principais bancos brasileiros, o Itaú Unibanco (ITUB4) apresentou nesta terça-feira (9) seus números obtidos no acumulado do ano passado e na passagem do quarto trimestre.
Em 2009, o lucro líquido recorrente do banco somou R$ 10,49 bilhões, queda de 0,8% em relação ao resultado apresentado em 2008. Já no quarto trimestre, o lucro líquido totalizou R$ 2,81 bilhões, 4,7% superior ao terceiro trimestre de 2009.
O resultado ficou um pouco abaixo do esperado pelo Banco Espírito Santo, que projetava lucro de R$ 2,83 bilhões na passagem trimestral, como também ficou aquém das expectativas do Citigroup, que esperava lucro por ação de R$ 0,68, frente ao lucro por ação reportado de R$ 0,62. Do outro lado, este valor superou o cálculo do BofA Merrill Lynch de R$ 0,61 por ação.
O patrimônio líquido encerrou 2009 em R$ 50,68 bilhões, avanço de 16% em relação ao registrado na temporada de 2008. Os ativos totais em dezembro do ano passado alcançaram R$ 608,27 bilhões, queda de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Balanço trimestral
(em R$ milhões)
4T09
3T09
Variação
Res. Bruto de Intermediação Financeira*
7.590
7.108
+6,8%
Resultado Operacional
4.798
4.568
+5,00%
Lucro Líquido Recorrente
2.813
2.687
+4,7%


Balanço anual
(em R$ milhões)
2009
2008
Variação
Res. Bruto de Intermediação Financeira*
28.614
26.551
+7,8%
Resultado Operacional
17.832
17.276
+3,2%
Lucro Líquido Recorrente
10.491
10.571
-0,8%
*Saldo entre as receitas e as despesas com intermediação financeira, incluindo provisões com crédito de liquidação duvidosa

Crédito
A carteira de crédito total (avais, fianças, valores a receber com cartões de crédito e cessão de crédito) atingiu o montante de R$ 278,38 bilhões em 2009, apresentando evolução de em relação a 2008, quando a carteira ficou em R$ 271,94 bilhões.

1528 - small caps - 08/Fev/2009 21:54
"citação: abrantes_RJCaro Small eu sei que seu foco são smalls mas gostaria muito de saber sua análise/opinião sobre os grandes: BBDC, UBBR e ITAU e BVMF3. Desde já agradeço."

"UBBR e ITAU agora é um só com a fusão. Uma maneira de comprá-los é através da aquisição de ITSA4 ou BAHI4, que possuem participação no novo banco e as cotações revelam desconto em relação a esta quantia. Tenho ações de BAHI4, embora em menor proporção que BICB4 e PINE4, por exemplo."

Análise Coin Valores
No dia 3 de novembro de 2008, foi constituído o maior conglomerado financeiro privado do Brasil, o Itaú Unibanco, um dos 10 maiores Bancos do mundo em valor de mercado. O Itaú Unibanco surgiu da associação do Itaú, fundado em 1944 por Alfredo Egydio de Souza Aranha, e do Unibanco, fundado em 1924 por João Moreira Salles, unindo os valores e princípios adquiridos ao longo de mais de seis décadas de história.
O Itaú Unibanco atua em todos os segmentos do mercado financeiro e de capitais, sendo líder em diversos destes segmentos, como financiamento de veículos, faturamento de cartões de crédito, entre outros. Está presente no Brasil e no exterior, tendo suas ações negociadas na BM&FBovespa, NYSE (EUA) e BCBA (Argentina). A companhia está constantemente comprometida com as boas práticas de Governança Corporativa, buscando ser sempre transparente com seus diversos públicos  estratégicos.

RETROSPECTIVA 2010
Em 24 de outubro de 2010, ocorreu a finalização do processo de migração das mais de 1.000 agências do Unibanco para o Itaú. Em menos de 2 anos de fusão foram integradas as áreas administrativas e toda a rede de agências. Nos nove primeiros meses de 2010, o lucro líquido recorrente do Itaú Unibanco foi de R$ 9,6 bilhões, equivalente a um crescimento de 25,4% sobre o mesmo período de 2009. A carteira de crédito com avais e fianças cresceu 16,6% até 30 de setembro de 2010 em relação ao mesmo período de 2009, atingindo R$ 313,2 bilhões. Em 30 de setembro a carteira de crédito para Pessoa Física registrava crescimento de 15,9%, além do crescimento de 16,2% na carteira de crédito para Pessoa Jurídica e de 52,7% na carteira de crédito imobiliário em 12 meses.

PERSPECTIVA 2011
Expectativa de crescimento da economia mundial e de continuidade no crescimento econômico brasileiro, com a manutenção de um cenário favorável a atividade doméstica.
Está previsto para 2011 a finalização do tombamento das carteiras do Unibanco e a desativação destes sistemas.
O Itaú Unibanco continuará seguindo na continua busca pela geração de valor ao acionista, transparência, governança corporativa, responsabilidade social e ambiental e crescimento sustentável.

Nenhum comentário: