Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Viver (VIVR) - Em Recuperacao Judicial


Recomendações
 Em Recuperacao Judicial
   
Códigos de Negociação
Tipo
VIVR3
 Novo Mercado

Balanços
A2019/4T2019 - DFP 31/12/2019

3T2013 -
small caps  -
VIVR3, mais um MERDAJO:
Não precisa nem ler o relatório para saber que no próximo trimestre vai ser melhor em razão de abobrinha, abobrinha e abobrinha...
A promessa é sempre de dias melhores... que nunca chegam...

Características
Incorporadora e construtora presente em todas as regiões do País e com foco de atuação no mercado residencial, particularmente, nos segmentos de média e baixa renda.

Aumento de Capital
20/03/2020 - foi aprovado o aumento do capital social da Companhia, dentro do limite do capital autorizado, para subscrição privada. O valor do Aumento de Capital será de,no mínimo,R$ 12.475,00 e, no  máximo,  R$ 5.796.709,00, mediante a emissão de, no mínimo,5.000 e, no  máximo, 2.323.330 ações  ordinárias. Preço de emissão de R$ 2,50 por ação. Prazo para Exercício do Direito de Preferência de 26 de março de 2020, inclusive, e encerrando-se em 24 de abril de 2020, inclusive

Apresentações

Assembleias

Balanços (Calendário)



o Instrumento Particular de Reestruturação e Outras Avenças com o intuito de viabilizar a conclusão do empreendimento imobiliário situado em Nova Lima - MG denominado Altos de Belvedere

355150 - marcelio2 -  28 Out 2018, 16:29
VIVR3

Quem pensa em especular na compra deste papel deve se posicionar a partir da expectativa que a empresa consiga conduzir o processo de RJ nos termos que vem apresentando até o momento. Seria uma compra numa perspectiva de melhora futura e não nos números apresentados no atual momento da empresa.


Nesse sentido, podemos observar que o mercado reagiu bem nas últimas semanas com forte aumento de volume na parte das compras quando o papel saiu de 0,17 e foi lá nos 0,81. Reparem no gráfico abaixo no I60 que nos próximos dias haverá mais um forte movimento. O volume diminuiu bastante na correção da última puxada. Nos dois últimos pregões observamos que o papel entrava em leilão quando havia aumento no volume das compras para segurar os preços.


Ainda esta semana teremos Realização de Reunião de Conselho de Administração



PRINCIPAIS DISCUSSÕES E/OU DELIBERAÇÕES:



- Discutir e deliberar sobre a contratação de um novo Financiamento na modalidade “debtor-in-possession financing” (“Financiamento DIP”) e outros assuntos da Companhia 30/10/2018.


- Envio da ata da Reunião do Conselho de Administração à BM&FBOVESPA 30/10/2018


- Realização de Reunião de Conselho de Administração


PRINCIPAIS DISCUSSÕES E/OU DELIBERAÇÕES:



(i) Apresentação dos Resultados Trimestrais 12/11/2018,



(ii) Homologação do Aumento de Capital (2ª tranche) e outros assuntos da Companhia


- Envio da ata da Reunião do Conselho de Administração à BM&FBOVESPA 12/11/2018

http://www2.bmfbovespa.com.br/empresas/consbov/frmNBC.asp?protocolo=647157&flnk

355135 - ozani  -  27 Out 2018, 19:40
Realmente a empresa tem que melhorar todos os indicadores. O PL já não vai ser mais negativo. Mas precisa de aporte de capital de giro para terminar seus empreendimentos e para começar novos. Mas está no caminho certo. O balanço do segundo semestre mostrou melhoras expressivas. Obrigao.
Prejuízo da Viver (VIVR3) diminuiu 68,05% no 2º trimestre de 2018
Por: REPÓRTER ADVFN 14/08/2018 2 Comentários
Compartilhar Tuitar Google+ LinkedIn Email
A companhia Viver anunciou um prejuízo líquido de R$ 27.39 milhões no 2º trimestre de 2018, valor 68,05% inferior ao prejuízo líquido de R$ 85.74 milhões apurado no mesmo período do ano anterior. Na comparação com o 1º trimestre de 2018 (prejuízo líquido de R$ 19.19 milhões), houve um crescimento de 42,76% nas perdas da companhia.

Já a receita líquida da companhia aumentou 431,34% de um ano para o outro, passando de R$ 2.87 milhões para R$ 9.52 milhões. Em relação ao último trimestre (R$ 2.31 milhões), a receita aumentou 312,31%.

Os ativos totais da Viver totalizaram R$ 771.13 milhões no 2º trimestre de 2018, soma 16,00% menor que o saldo de R$ 918.01 milhões registrado no encerramento do mesmo período do ano anterior.

O patrimônio líquido da companhia, por sua vez, apresentou recuperação de 83,18%, ao comparar todos os valores contábeis que os seus sócios possuíam no fechamento do 2º trimestre de 2018 (patrimônio líquido negativo de R$ 104.89 milhões) com a mesma data em 2017 (patrimônio líquido negativo de R$ 623.56 milhões).

A dívida líquida ficou em R$ 563.66 milhões no encerramento do 2º trimestre de 2018, queda de 45,55% ante os R$ 1.04 bilhão registrados no ano anterior.

Todos estes dados referem-se à consolidação do resultado financeiro da companhia Viver (BOV:VIVR3) com o resultado financeiro de todas as suas companhias subsidiárias (empresas controladas, de maneira direta ou indireta, pela companhia) relacionadas ao 2º trimestre de 2018. Destaque adicional para a redução da dívida líquida e melhora nos números do PL.

355134 - FoxHoundBR -  27 Out 2018, 19:31
As ações da Viver estão sendo alvo de uma forte especulação nesse fim de ano (muito por causa da renegociação de suas dívidas, dentro do seu plano de RJ), a empresa em si possui números sofríveis até mesmo para empresas em recuperação judicial e, para piorar, mesmo que o plano seja aprovado pelos credores a Viver vai demorar muitos anos para se reerguer (isso, se conseguir se reerguer), pois o seu foco de mercado são os imóveis de média e média-alta renda, e esse nicho de mercado será o último a sair da crise, pois com o alto desemprego, recessão e a iminente aprovação da lei dos distratos - que vai desestimular muito quem for tentar comprar um imóvel - os únicos imóveis que conseguem ter demanda são os do segmento econômico (MCMV), de modo que todos os setores que produzem imóveis mais caros vão continuar com estoques encalhados por mais alguns anos, o que significa prejuízo para as empresas que constroem esses imóveis.

355126 - nakalves  -  27 Out 2018, 12:47
VIVR3 - O patrimônio de afetação nas incorporações

Lígia Caram Petrechen*

São inegáveis os avanços trazidos pela Lei nº 10.931/04 (clique aqui) para o setor imobiliário. Uma dessas inovações é o chamado "patrimônio de afetação", incorporado à Lei de Incorporações Imobiliárias (nº 4.591/64 - clique aqui).
Apesar de facultativo ao incorporador, o patrimônio de afetação, uma vez adotado, acaba por vincular os bens afetados a determinados fins, seja para investimento ou administração da própria incorporação, representando, desta forma, uma garantia aos credores de que a incorporação contratada se efetivará, e de que as unidades autônomas serão entregues aos seus respectivos adquirentes.

https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI71737,51045-O+patrimonio+de+afetacao+nas+incorporacoes

258598  - israel007 - 16 Mai 2014, 03:41
[...]
VIVR3

Ação da empresa Viver Incorporadora e Construtora S.A.
Atua no setor construção e transporte

Resultado do 1º Trimestre de 2014

A empresa registrou prejuízo líquido de R$ 35,1 M no 1T14, ante perdas de R$ -122,1 M apurados no quarto trimestre de 2013. No mesmo período do ano anterior, o resultado havia sido negativo em R$ 40,1 M. A receita líquida atingiu R$ 42,0 k neste trimestre, redução de 77,7% em relação ao quarto trimestre de 2013 e redução de 98,5% em relação ao primeiro trimestre de 2013.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 1,2 B, redução de 27,3% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido alcançou a soma de R$ 273,1 M neste trimestre, valor -50,3% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.
[...]

224409 - small caps  -  15 Nov 2013, 01:48
VIVR3, mais um MERDAJO:

http://www.rad.cvm.gov.br/enetconsulta/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?CodigoTipoInstituicao=2&NumeroSequencialDocumento=33038

Não precisa nem ler o relatório para saber que no próximo trimestre vai ser melhor em razão de abobrinha, abobrinha e abobrinha...

A promessa é sempre de dias melhores... que nunca chegam...

173098 - danieljoseaa -  15 Mar 2013, 02:57
E a tal da VIVR3 tá cada vez mais no buraco, ou a empresa fali e quem tem perde tudo, ou a empresa consegue ressurgir das cinzas se seu processo de turnaround for bem sucedido e dá uma bela grana para aturma que tá entrando nesses preços......hoje tá mais para a 1° opção............essa o acompanhamento é "de fora", mas é bom ficar de olho, pois se esse processo de turnaround começar a dar sinais positivos daqui uns trimestres..........

Tem também a possibilidade, mesmo que remota, da empresa ser vendida, mas investir pensando nisso não rola.

Por enquanto a Viver tá MORTA!

166641 - apolo20 -  08 Fev 2013, 17:54
(08/02) VIVER (VIVR-NM) - Fato Relevante
DRI: Eduardo Ramos Canonico
Enviou o seguinte Fato Relevante:
Sao Paulo, SP, Brasil, 7 de fevereiro de 2013 - Nos termos do artigo 2 da Instrucao CVM n. 358/02, Viver Incorporadora e Construtora S.A. ("Viver" ou "Companhia"), vem comunicar que a Companhia, em linha com a estrategia de fortalecer sua estrutura de capital, firmou com a ASM ALICERCE 1 EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S.A. ("ASM"), sociedade pertencente aos Grupos Asamar e Alicerce, Memorando de Entendimentos vinculante para compra e venda da totalidade dos terrenos e glebas do complexo conhecido como "Lagoa dos Ingleses" localizado na Cidade de Nova Lima, Estado de Minas Gerais, perfazendo cerca de 29 milhoes de metros quadrados, pelo valor total de aproximadamente R$315 milhoes, sendo aproximadamente R$ 211 milhoes a serem pagos em moeda corrente nacional e R$ 104 milhoes a criterio da adquirente, em moeda corrente nacional, ou mediante a dacao em pagamento de unidades autonomas de empreendimentos imobiliarios desenvolvidos por empresas do grupo ASM, sujeito a determinadas condicoes para fechamento do negocio. O objetivo da Companhia e concluir a transacao ate 29 de julho de 2013.

161716 - marcelio2 -  28 Dez 2012, 14:39
Muito bom dia a todos.

Último pregão do ano hoje. Ótima oportunidade de repensar os erros e corrigir o rumo em 2013.

A matéria abaixo é um ótimo meio de visualizar que, talvez, algumas dessas listadas abaixo podem fazer um caminho diferente no ano que vem e se os preços atuais, se mostrarem uma grande "oportunidade" de investimento.

Lembrando que devemos comprar empresas boas e grandes em momentos difíceis e com bom desconto na cotação. Depois é ter tranquilidade e surfar na onda da alta quando os ventos virarem a seu favor.

O timing da "entrada" é o que faz a diferença de um bom investimento ou prejuízo certo. Cabe a todos estudar um pouco e garimpar as oportunidades que as crises oferecem. Boa sorte a todos nas suas decisões.

De falências até blue chips, veja os maiores micos da bolsa em 2012

Empresas como Mundial, Pet Manguinhos, OGX, HRT e Eletrobras apareceram como más apostas para os investidores; Facebook foi o destaque negativo internacional

Por Lara Rizério |9h42 | 28-12-2012 A A A

SÃO PAULO - O ano de 2012 foi bastante movimentado para aqueles que detinham ações de algumas empresas que acabaram se tornando "micos". Dentre elas, estiveram papéis de empresas que decretaram falência ou foram liquidadas até grandes companhias que sofreram com alto endividamento ou com uma produção bem abaixo da esperado pelo mercado.

Veja abaixo as ações que mais se destacaram - mesmo que negativamente - e que viraram notícia no ano que está acabando:
[...]
5. Viver: altamente endividada

Já a situação da Viver Incorporadora e Construtora (VIVR3) também está bastante delicada. As ações da companhia registram queda de 65,39%, aos R$ 0,64, em meio à deterioração na sua posição de liquidez, que viram suas perdas intensificadas em novembro.

Como forma de solucionar a delicada situação da companhia, a última reunião do conselho de administração da Viver, que ocorreu no último dia 5 de dezembro, tinha como uma das questões centrais discutir sobre a liquidez da empresa no curto prazo, porém nenhuma deliberação foi requerida em relação a este assunto. Desta forma, a companhia registrou m enfraquecimento do desempenho operacional e dos indicadores de crédito, fazendo com que as agências de classificação de risco Moody's e Fitch rebaixassem o rating da empresa, entre outubro e novembro.
No ano passado, a companhia mudou o antigo nome Inpar para Viver. A mudança veio após a entrada da Paladin Realty Partners no controle acionário da empresa, e que atualmente possui 40% de seu capital. A partir desse momento, a empresa implementou um profundo processo de reestruturação financeira e organizacional. Entretanto, poucas coisas foram feitas até então.

VIVR3 em 2012: -65,39%
[...]

158737 - PANICO2011 -  30 Nov 2012, 12:12
Pherrou
desse jeito vai Phalir
vivr3

Moody’s rebaixa incorporadora Viver por problema de liquidez
Desempenho operacional não deve melhorar antes de 2014, estima agência Gustavo Kahil, de

No ano, as ações da companhia acumulam uma queda de 48%

São Paulo – A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou a nota de classificação de crédito da incorporadora Viver (VIVR3) ao verificar uma deterioração nos indicadores de crédito e na posição de liquidez. A nota passou de B2 para B1 em escala global e a perspectiva permanece negativa. A empresa tem 300 milhões de reais em debêntures com vencimento em 2016.

“Apesar da empresa ter anunciado um plano de reestruturação, o qual inclui a venda de ativos não estratégicos e capitalização dos acionistas, Moody’s acredita que haja baixa probabilidade de que o desempenho operacional e os indicadores de crédito se recuperem substancialmente antes de 2014”, ressaltam os analistas Cristiane Spercel e Brian Oak.

A Viver apresentou no terceiro trimestre do ano um prejuízo líquido de 185,6 milhões de reais, um forte aumento das perdas na comparação com os 48,7 milhões de reais um ano antes. A receita líquida no período ficou em 15,9 milhões de reais. No ano, as ações da companhia acumulam uma queda de 48%.

157386 - PANICO2011 -  16 Nov 2012, 21:41
DESTRUTORA viver (VIVR3), ex-INPAR, fuja desse mico:

Resultado do 3º Trimestre de 2012
A companhia divulgou prejuízo líquido de R$ 185,7 M no 3T12, contra perdas de R$ -42,9 M apurados no segundo trimestre de 2012. No mesmo período do ano anterior, o resultado havia sido negativo em R$ 12,7 M. A receita líquida somou R$ 6,2 M no terceiro trimestre de 2012. No 2° trimestre de 2012 a receita líquida foi de R$ 3,8 M.

O resultado corresponde a uma margem bruta de 16,9% contra 62,8% no trimestre anterior e 12.989,1% no terceiro trimestre de 2011.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 2,3 B, redução de 6,3% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 752,7 M no terceiro trimestre de 2012, o que representou uma variação de -33,2% em relação ao saldo no 3° trimestre de 2011.

http://www.youtube.com/watch?v=fvEIC0SmGKs
http://www.youtube.com/watch?v=ht8bnPzJeBE

144680 de 335373 danieljoseaa - 15 Ago 2012, 02:52
Show de horrores:
Resultado do 2º Trimestre de 2012
A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 42,9 M no 2T12, ante um lucro líquido de R$ 10,3 M no 2T11. No trimestre ligeiramente anterior, o resultado havia sido negativo em R$ 21,8 M.

Análise Coin Valores
A Inpar é uma incorporadora e construtora fundada há 18 anos e conhecida por seus empreendimentos de alta qualidade e pelo pioneirismo nos padrões construtivos adotados. A
Companhia está hoje presente em todas as regiões do país e tem seu foco de atuação no mercado residencial, particularmente nos segmentos de médio padrão e padrão econômico, por meio da marca Viver, criada em 1999 para atender ao cliente em busca de sua primeira aquisição imobiliária. A Inpar é controlada pela Paladin Realty Partners, empresa de private equity baseada nos Estados Unidos, focada no segmento de incorporação imobiliária da América Latina. A Companhia também se beneficia da experiência profissional de sua diretoria e pela adoção de rígidos padrões de governança corporativa. A Inpar integra o Novo Mercado da BM&FBOVESPA e é negociada sob o código INPR3.

RETROSPECTIVA 2010
As importantes medidas adotadas pela administração desde que a Paladin Realty Partners adquiriu o controle da Inpar resultaram em um substancial turnaround, refletido nos resultados obtidos ao longo de 2010. Neste ano, a Companhia apresentou aumento nos lançamentos e vendas contratadas, obteve uma melhora expressiva em sua velocidade de vendas e continuou apresentando avanço em seus indicadores financeiros.
A Inpar iniciou o ano capitalizada, após a bem-sucedida conclusão de seu plano de capitalização no 1º trimestre que, aliado a seu importante banco de terrenos, permitiram à Companhia executar um programa mais ativo de lançamentos. Ao mesmo tempo, a administração continuou priorizando o aumento da eficiência operacional: em 2010, uma nova estrutura foi implementada na área comercial, para dar suporte ao crescimento da Companhia; deu-se início à implementação do software empresarial SAP, com o objetivo de fortalecer controles e otimizar processos internos e foi constituída a Inpar Vendas, empresa própria de vendas da Companhia que já conta com mais de 150 corretores.

PERSPECTIVA 2011
Em 2011, a Inpar manterá sua estratégia baseada no crescimento sustentável com foco no mercado residencial e no segmento Viver, direcionado aos compradores de primeira moradia nos segmentos de médio padrão e padrão econômico. Com (i) o significativo banco de terrenos no valor de R$ 11,2 bilhões em mercados identificados como estratégicos, (ii) comprovada capacidade operacional e (iii) sólida posição financeira, a Companhia espera, em 2011, continuar a executar os projetos de seu pipeline em uma trajetória de crescimento consistente e sustentável, visando entregar melhores resultados e trazer retornos consistentes a seus acionistas.

41767 - small caps - 13/Ago/2010 00:00
citação: fabiomezSmall saiu o resultado da Inpar, muito bom, acredito que podemos comprar ela tb agora.

Olha só :
Inpar Anuncia os Resultados do Segundo Trimestre de 2010
Lançamento de 9 projetos com VGV de R$185,8 milhões no trimestre Lucro Bruto aumenta para R$43,7 milhões, com Margem Bruta de 26,1% Eficiências operacionais levam a Lucro Líquido de R$14,4 milhões vs prejuízo de R$ 5,5 milhões no 2T09

o que acha ??

Fabío, os indicadores de EZTC e HBOR ainda dão um banho em Inpar.
Este lucro anualizado ainda dá P/L superior a 15.
O lucro líquido de EZTC e HBOR anualizado por volta de 6/7.
Bota nisso o "selo crise": Passaram pela crise sem apresentar um lucro trimestre sem prejuízo. Esta segurança deveria custar bem mais caro.

R$ 14,4 milhões x 4 = R$ 57,6 milhões.

24860 - paulo_prof - 09/Jan/2010 16:56 
citação: NyassadINPR3? Alguém acredita?
Diante de um mercado imobiliário bombástico, acho que é a mais atrasadinha e micada.
Lembro que essa bagaça chegou a valer quase 25,00 com preço alvo da FATOR em 45,00. Agora míseros 3,68.
No último trimestre mostrou lucro forte de 33 milhões. Será que vai? ABYA3 tá de vento em polpa.
Nyassad
Quando vc depara com um ativo que apresenta "lucro forte" como vc diz, vc tem que verificar se tal lucro é recorrente. No caso da Inpar, o lucro de R$ 33 milhões decorre de um lucro operacional de apenas R$ 9 milhões. Como é que é feita esta mágica?
Por não ser contador, não entendo direito, mas o lucro do 3T09 foi engordado por uma provisão para imposto de renda e contribuição social NEGATIVA. Deve ser por conta de uma base negativa de IR e contribuição social em anos anteriores que só produziram prejuízos. Mas isto não é sustentável.
Uma procura em http://small.granweb.net/index.php?s=inpr3&u=paulo_prof vai produzir o seguinte texto:
citação: paulo_prof em 08DEZ2009
Considere EZTC3. O seu P/VPA corrente é 1,31. O seu (P/L)U3M = 5,95 (anualizando o lucro do último trimestre) e o seu (P/L)U6M = 6,77 (anualizando o lucro do último semestre). Até mesmo o (P/L)U12M = 7,37 é bastante "decente". Note que o lucro vem crescendo, trimestre a trimestre. O seu (ROE)U3M = 22,1%, (ROE)U6M = 19,4%, ou (ROE)U12M = 17,8% é o melhor do setor.
As despesas operacionais trimestrais da Inpar são:
pessoal: (R$ 13 milhões)
administrativas: (R$ 17 milhões)
financeiras: (R$ 8 milhões)
A valor de mercado é (segundo o Fundamentus) R$ 714 milhões e P/VPA = 0,9. Considerando o P/VPA menor de INPR3 quando comparada a EZTC3, vamos adimitir um P/L, para INPR3, maior. Um lucro líquido anual de R$ 80 milhões produziria um P/L de 714/80 = 8,93!!! Para conseguir de forma recorrente um lucro líquido anual de R$ 80 milhões, o lucro operacional teria que ser de R$ 120 milhões. Como a despesa operacional anual é de aprox. R$ 150 milhões, o lucro bruto teria que ser de R$ 270 milhões, ou seja, quase R$ 70 milhões por trimestre. Mesmo admitindo uma margem bruta de 30% (que a empresa nunca apresentou em sua história), a receita líquida teria que ser de R$ 235 milhões por trimestre. Hoje a média trimestral está em R$ 121 milhões, praticamente a metade do que é necessário.
Moral da História: INPR3 = carta fora do baralh

14279 - paulo_prof - 12/Set/2009 00:33
citação: leogoesAlguem tem algum Palpite sobre INPR3 ?
ABraços...
Caro leo
O que lhe atrai em INPR3 para se dar o trabalho de solicitar uma opinião (melhor do que palpite)?
Normalmente olho RAPIDA e SUPERFICIALMENTE os principais números dos balanços de todas as empresas. Como são muitas as empresas, costumo ignorar aquelas cuja primeira impressão não tenha sido favorável. A Inpar é uma destas. Não li nenhum relatório para entender o que está acontecendo.
Que tal vc se dar a este trabalho e nos contar como o pessoal da Inpar justifica os péssimos resultados que a empresa vem apresentando?
A menos que esteja enganado, a empresa vem de 4 trimestres seguidos de prejuízo. O prejuízo acumulado já soma mais de R$ 190 milhões. É das poucas, no setor, com performance tão ruim. Se vc supor que a empresa inicie a apresentar lucro de 40 milhões por ano, só daqui há 5 anos é que iniciará a pagar proventos.
Embora o ativo esteja sendo negociado abaixo de seu valor patrimonial (P/VPA = 0,89), está caro, pois há dezenas de ativos com P/VPA substancialmente menores e em muito melhor situação. No próprio setor da contrução civil, CRDE3 está sendo negociada com P/VPA = 0,85, e com um histórico de 2 trimestres seguidos de (pequeno) lucro.
Para que a INPR3 esteja com o mesmo preço relativo à CRDE3 seria necessário que mostrasse ser capaz de apresentar lucro trimestral recorrente de no mínimo R$ 7,5 milhões. Enquanto o resultado trimestral estiver abaixo disto, esquece!

3294 - agressivo2 - 01/Abr/2009 09:54
"Pessoal, INPR3 soutou o balanço ontem às 14h, prejuízo de novo. Quando eu cheguei em casa resolvi, por um acaso dar uma olhada nos fatos relevantes do ativo e o resultado estava lá.Não hesitei em vender com um pequeno lucro.Eu tinha poucas ações. Acontece que a ação não tinha caído nada -0,65%."
"Ou ninguém sabia do balanço ou viram o balanço e acharam bom, eu saí fora, qualquer coisa entro depois de ver os comentários de quem entende do assunto."
"verifiquei que tinham aumentado a receita líquida, porém, aumentado em maior proporção as despesas operacionais."
"Queria que alguém por favor me explicasse aqueles resultados a apropriar no futuro, aquilo é bom?"
já com dois anos consecutivos de prejuízo.

892 - small caps - 13/Jan/2009 19:34
"citação: AlbertoOMacedoSmall, sobre a materia da ""Istoé Dinheiro"" que fala sobre o fundo Paladin que comprou acoes da InPar e que deverá tomar o controle pois a familia nao tem recursos para exercer opcao de acoes emitidas em 2008. Como avalia isso?"
"AlbertoOMacedo, está informação é relevante e positiva para a companhia, na medida em que a administração atual demonstrou não ter a competência necessária para gerenciar seu crescimento de forma responsável. Acreditou que quando fosse necessário o mercado estaria aberto para captação de recursos. Não é o melhor caminho o gerenciamento com base em algo que foge ao controle do administrador."
"Para ser um caso de turnaround bem sucedido, os novos passos da administração devem demonstrar que as medidas a serem tomadas, ou já tomadas, surtem efeito no desempenho empresarial."
"Desde o anúncio do negócio, as ações da companhia subiram razoavelmente, o que sinaliza que o mercado espera melhora nos resultados, ou ano menos, percebeu que os indicador P/VPA evidencia um razoável upside em caso de a empresa seguir um bom rumo."

400 - small caps - 19/Nov/2008 00:33
"(393) Gottardi, INPAR está entre os ativos da construção civil que mostrou ter uma administração pouco cautelosa, pois fez anúncios exorbitantes de lançamentos. Agora vão vender para quem e construir com qual $$$$? De qualquer sorte, os preços realmente estão bastante deprimidos, especialmente em razão do mencionado problema de ausência de recursos em caixa. Se ela conseguir livrar-se desta situação, guarda um bom upside. Mas é necessário cautela, uma vez que o risco é bastante elevado. Há empresas do segmento melhores gerenciadas e igualmente baratas, como EZTC3, BISA3, HBOR3, CCIM3, etc..."

363 - small caps- 15/Nov/2008 13:42
"(358) agressivo2, INPR3 deu passou maiores do que a perna. Foi muito agressiva nos lançamentos sem ter dinheiro em caixa para isto. Acreditou que a torneirinha do mercado estaria sempre aberta para captações a preços absurdos, como os vistos nos IPO's. É o preço que se paga por uma administração que deve ser meio emocional, que vive uma euforia e não se pergunta se isto vai durar para sempre. Esta desinvestindo em alguns de seus projetos para ter caixa..."
"Portanto, o invetimento na empresa é mais especulativo, na onda de notícias de novos sócios e algo do gênero."

306 - small caps - 09/Nov/2008 23:27
"INPR3 é um pouco mais arriscada em razão da pequena quantia em caixa. Saiu boatos de que estaria buscando por sócios para injetar $$$$, o que inclusive impulsionou as ações. Tem preços muito baixos, como P/VPA de 0,23 apenas. O risco, então, é não conseguir o capital de giro necessário para movimentar as obras."

14 - small caps -  15/Set/2008 00:15 
"sandro bugon, tudo bem? Vc trabalha com o Eduardo? Se sim, mande meus agradecimentos para ele."
"No setor da construção civil, estou me posicionando especialmente em EZTC3, HBOR3 e BISA3. A INPR3 também considero um risco interessante de ser corrido. O seu grande problema é a necessidade de caixa, num período de forte aumento do custo do capital. Custa muito pouco em termos de múltiplos P/VPA (0,30) e PSR (0,74). Mas não deve ser uma posição substancial, pois ela precisa ser eficiente para fazer caixa frente as necessidades de construção e, portanto, consumo de capital de giro."

13 - sandrobugon - 15/Set/2008 00:06
"Small,"
Parabéns !!!
"O seu livro já pode ser adquirido pelo site da Campus, link abaixo..."
"De quebra, se puder analizar o momento da INPR3 (inpar) eu lhe agradeço..."

Nenhum comentário: