Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

terça-feira, 18 de junho de 2019

Tarpon Inv (TRPN)


Recomendações

Não negociado na B3 desde 17/07/2019

Carteiras
FRBRAVIM (set/17)
Balanços
1T2019 -
paulo_prof -
De acordo com a avaliação da Price, o preço justo da TRPN3 (obtido pelo FCD) seria algo entre R$ 1,03 e 1,09 !!!! Na análise, consideraram 10,25 anos utilizando os fluxos de caixa estimados pela empresa e perpetuidade considerando uma taxa média de inflação de 3,85% a.a. O "pulo do gato" (para justificar uma avaliação tremendamente favorável ao controlador que quer fechar o capital da empresa) está na taxa de desconto: 14,87% a.a. !!!!!!!!!!!!!!!
No que segue, em 2018 e no 4T18 foram expurgados os impactos do desenvestimento na Somos: R$ 95,3 milhões na Receita Líquida e Resultado Bruto; R$ 4,2 milhões no Resultado Financeiro; R$ 84,8 milhões no Resultado Antes dos Impostos e R$ 53,6 milhões no Lucro Líquido.
No 1T19 foram expurgados R$ 12,5 milhões do Resultado Antes do IR/CS e R$ 11,4 milhões do Lucro Líquido, referentes a operações descontinuadas.

A2018/4T2018 -

3T2018 -
Não há perspectivas de melhora. Pelo contrário, é mais provável uma grande redução do patrimônio dos fundos, pois a Tarpon está oferecendo o resgate em títulos (em vez de vender os títulos a mercado e pagar os resgates, pagar os resgates diretamente em títulos). Por outro lado, aprox. R$ 95 milhões de receita em taxa de performance dos fundos que carregavam ativos da Somos deverão entrar no caixa da empresa. Destes, quase R$ 35 milhões serão presenteados aos administradores e empregados da empresa. Da sobra, aprox. R$ 40 milhões líquidos deverão engordar o lucro da empresa no 4T18. No ano, o lucro deverá somar R$ 45 milhões, e se a empresa continuar a praticar a política de payout mínimo, os dividendos a serem distribuídos por ação somarão R$ 0,25. Entretanto, não há uma razão plausível para a empresa ficar engordando o caixa (se distribuir somente 25%, o caixa será superior a R$ 100 milhões).
O Valor Patrimonial da ação após o recebimento da taxa de performance relativa à venda da Somos será de aprox. R$ 2,35. Em consequência, eu não pagaria mais do que uns R$ 1,80 pelo ativo hoje.

marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LÍQUIDO = Resultado Líquido de R$ 1,443 milhões no 3T18 x R$ 3,106 milhões no 3T17; RESULTADO OPERACIONAL = R$ 2,198 milhões no 3T18 x 3,821 milhões no 3T17; RESULTADO FINANCEIRO = R$ 0,863 milhões no 3T18 x 0,434 milhões no 3T17; EBITDA = R$ 1,342 milhões no 3T18 x 3,470 milhões no 3T17; RELATORIO DA ADM = Desempenho dos Fundos de Portfólio: No 3T18, a estratégia de fundos de portfólio Hybrid Equity apresentou rentabilidade líquida no trimestre de 6,1% em R$ e -2,6% em US$. O retorno anualizado líquido histórico dessa estratégia é de -0,6% em R$ e de 5,2% em US$. No 3T18, a estratégia de investimento nos fundos de portfólio Long Only Equity apresentou rentabilidade líquida de 8,6% em R$ e 3,3% em US$. O retorno histórico anualizado dessa estratégia, líquido de taxas e despesas, é de 16,9% em R$ e 10,8% em US$. Apenas para efeitos ilustrativos, no 3T18, os índices Ibovespa e IBrX apresentaram retornos em R$ de 9,0%e de8,8% respectivamente. Em US$ os retornos para o Ibovespa e IBrX foram de 5,0% e 4,8% respectivamente,; Ativos sob Gestão = Os ativos sob gestão nos Fundos Tarpon totalizaram R$6,9 bilhões em 30 de setembrode 2018, um aumento de 2,5% quando comparado com o trimestre anterior e uma queda de -12,1% quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

2T2018 - 

A2017/4T2017 -

PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). FUNDOS DE PORTFÓLIO = No 4T17, a estratégia de fundos de portfólio Hybrid Equity apresentou rentabilidade líquida no trimestre de -6,9% em R$ e -4,4% em US$. O retorno anualizado histórico dessa estratégia é de -0,1% em R$ e de 6,9% em US$. No 4T17, a estratégia de investimento nos fundos de portfólio Long Only Equity apresentou rentabilidade líquida de -19,4% em R$ e -21,6% em US$. O retorno histórico anualizado dessa estratégia, líquido de taxas e despesas, é de 17,6% em R$ e 12,1% em US$.; RECEITAS OPERACIONAIS = As receitas operacionais são compostas por remuneração pelos serviços que prestamos aos Fundos Tarpon, referentes a taxas de administração – fluxo de receitas recorrente, calculado com base no montante do patrimônio líquido dos Fundos Tarpon – e a taxas de performance – fluxo de receitas de maior volatilidade, calculado com base na rentabilidade auferida pelos Fundos Tarpon. A receita operacional bruta, no 4T17, foi de R$12,3 representando uma redução de 12,1% quando comparado ao 4T16. Tal redução decorre da queda do saldo de AuM dos Fundos Tarpon no 4T17, comparado com o 4T16.

2T2017 -
paulo_prof   -
Finalmente o ativo parece estar bem precificado, compat[ivel com a competência (falta de) que a equipe da Tarpon tem demonstrado nos últimos 24 meses.
E pensar que já paguei acima dos R$ 16.25 neste ativo ... "Per fortuna", acordei bem antes do mercado.
Li, outro dia, que os fundos da Tarpon perderam R$ 1 bi nos últimos meses. É pouco ... especialmente se o tal Pedro de Andrade Faria continuar na presidência da BRFS.

A2016/4T2016 -
paulo_prof   -
Se tem algo que me deixa p da vida é lembrar que fui babaca o suficiente para um dia decidir comprar este ativo. Montei uma posição durante 2011, ao preço médio de R$ 16,25 e, depois de embolsar proventos durante aprox. 2 anos, caí fora em 2013, na faixa dos R$ 15,00. Demorei para perceber que a empresa Tarpon é excelente mesmo (e põe excelente nisto), para o seu pessoal. O custo anual de pessoal da Empresa é de aprox. R$ 30 milhões, para administrar aprox. R$ 8 bilhões em fundos de portfolio e fundos de investimento. Isto sem considerar a remuneração invariavelmente muito generosa do pessoal da Tarpon que constitui Diretorias e Conselhos das empresas investidas.
Acreditem se quiser ... Em 2016 este pessoa super competente da Tarpon conseguiu a proeza de emplacar um rendimento negativo de 18,4% no fundo Long Equity Only em R$ (em USD o tombo foi de 4,6%) e um tombo de 10,1% no fundo Hybrid Equity (+9,2% em USD). Evidentemente, com uma performance tão gloriosa, não houve taxa de performance e a Receita Líquida foi pífia (não ficaria surpreso, entretanto, se o pessoal amigo do rei tivesse recebido gratificações - as Notas Explicativas, talvez por vergonha, escondem a remuneração dos diretores e membros do conselho). As despesas, entretanto, continuaram a correr soltas ... para produzir um resultado bruto de R$ 55 milhões foram necessárias despesas de R$ 42 milhões.
Como se não bastasse todo este excesso de competência, o diretor financeiro conseguiu produzir resultados financeiros negativos nos 3 últimos exercícios, mesmo tendo endividamento líquido negativo substancial (em média de R$ 33 milhões em 2014, R$ 44 milhões em 2015 e média de R$ 41 milhões em 2016. Invariavelmente, os resultados financeiros negativos são resultados de apostas mal feitas em derivativos.
Considerando a performance da empresa, a precificação atual que o mercado está lhe dando é um mistério!

2T2016 -
paulo_prof   -
Péssimo o resultado da Tarpon, especialmente considerando que o Ibovespa está bombando!
A Receita da Tarpon é constituída das taxas de administração cobradas dos cotistas de seus fundos. Entre estas, de especial importância são as taxas de performance. Ocorre que quando os ativos nos fundos administrados são mal escolhidos e a performance é pífia, não há taxas de performance a engordarem a receita da empresa. 
No semestre, em reais, os fundos Long Only Equity e Hybrid Equity que administra perderam aprox. 16% cada um!!!!
O que mais enerva, entretanto, é a cara de pau dos caras para engordarem os seus próprios bolsos, via PLR, sem terem feito absolutamente nada para merecer! Nos últimos 12 meses, a empresa lucrou R$ 9,4 milhões. Por outro lado, as despesas de PLR e outros benefícios somaram R$ 14,5 milhões. Um prá vc, um e meio prá mim, tá legal seu trouxa?
É isto ... os incompetentes (convenhamos, para conseguir perder 16% do valor da carteira num semestre onde até defunto sobe, é necessário fazer muita força!) mamam uma parcela maior do que aquela destinada à distribuição aos acionistas!

A2010/4T2010 -
Prof Paulo -
achou sofrível
Características
 Empresa de Participações.
Links
362058  - manag3r   - 18 Jun 2019, 13:42
Bom dia pessoal, alguém veja se meu raciocínio está correto

TARPON INV (TRPN-NM)

Acoes ex-restituicao de capital.
TRPN3 amanheceu ex restituição de capital, a OPA vai ocorrer hj às 10:30h no código TRPN3L.

Essa restituição de capital baixou o valor da OPA de 1,09 para 0,35 pois todo acionista que dormiu comprado ontem vai receber 0,73 no dia 21/06 (sempre tem ajuste no preço da OPA quando se tem provento entre a divulgação do Edital e a data do Leilão, na verdade não muda nada, se recebeu 10 centavos de dividendos, o preço da OPA vai cair 10 centavos...). O grande pega da questão é o seguinte, o valor de 35 centavos torna a cia extremamente barata e já é garantido a qualquer acionista vender não só no leilão mas como nos próximos 3 meses, pelo mesmo valor da OPA reajustado, como é em qualquer cancelamento de registro.

Resumindo, na pior hipótese se o papel não decolar hoje como foi em unip quando tentaram fazer uma OPA com preço miserável, dá pra vender a R$ 0,35 reajustado pelo IPCA. Veja o item 6.10 do edital de OPA.

Término da Negociação e Venda nos 3 Meses Seguintes ao Leilão.Conforme o disposto no § 2° do artigo 10 da Instrução CVM 361, caso,em decorrência da OPA, a Ofertante vier a adquirir mais de 2/3 (doisterços) das Ações em Circulação, qualquer titular que deseje vendersuas Ações à Ofertante poderá apresentar um pedido à Ofertante paratal efeito durante os 3 (três) meses seguintes ao Leilão, ou seja, de18 de junho de 2019 a 18 de setembro de 2019 (“AquisiçõesSupervenientes”). A Ofertante estará obrigada a adquirir tais Ações epagará aos respectivos titulares o Preço por Ação, em moeda correntenacional, ajustado pela variação do IPCA desde a Data de Liquidaçãoda OPA até a data do efetivo pagamento, o qual deverá acontecer nomáximo até 15 (quinze) dias após a solicitação do titular para vendersuas ações em circulação. A liquidação das aquisições que a Ofertantevier a realizar nesse período não será realizada por meio da CâmaraBM&FBOVESPA, e, sim, por meio do Escriturador.
paulo_prof, boa tarde.

Sabe me informar como TRPN3 conseguiu ficar com esses múltiplos tão assustadores?

Ela já custou 20 reais, mas derrubaram com os anos. Valuations: P/VP: 0,82. PL 0,61. Ainda possui 64M em caixa. Dividend yield de 108%, é loucura isso?

Os múltiplos EFETIVOS, não são realmente estes!

Amanhã será realizada a OPA para fechamento de capital, com oferta a R$ 1,09. Se o cancelamento do registro for aprovado por mais de 2/3 dos minoritários, então será pago:

a) R$ 0,744/ação a título de restituição de capital;

b) o saldo até R$ 1,09, pelo controlador

No que se refere a DRE, a empresa teve no 4T18, uma receita extraordinária de R$ 95,3 milhões, relativa ao ganho com a venda da Somos. No 1T19, a empresa também teve R$ 12,5 milhões de Resultado Antes dos Impostos, relativo a operações que serão descontinuadas. Abaixo, está uma minha postagem onde calculo os múltiplos tentando expurgar estes efeitos.


Uma avaliação das operações continuadas da empresa resultou num valor "justo" entre R$ 1,02 e R$ 1,08. O avaliador usou uma taxa de desconto absurda (em minha opinião) para chegar a estes valores. Tanto assim, que o controlador propõe fechar o capital usando o próprio caixa da empresa. Note que a restituição de capital demandará aprox R$ 33 milhões. Para fechar o capital, o controlador necessitará de aprox. R$ 6 milhões adicionais. Como o controlador receberá aprox. R$ 20 milhões da restituição de capital, terá uma empresa com R$ 30 milhões no caixa e ainda terá aprox. R$ 14 milhões no bolso!


O preço de mercado é aprox. igual ao preço da oferta porque o mercado acredita que o controlador será bem sucedido na OPA. Na minha opoinião, se há um pessoal com ética discutível, é este da Tarpon. 
                                                                                           ▲                                                                      ▲
361444 - paulo_prof -  22 Mai 2019, 19:07
De acordo com a avaliação da Price, o preço justo da TRPN3 (obtido pelo FCD) seria algo entre R$ 1,03 e 1,09 !!!! Na análise, consideraram 10,25 anos utilizando os fluxos de caixa estimados pela empresa e perpetuidade considerando uma taxa média de inflação de 3,85% a.a. O "pulo do gato" (para justificar uma avaliação tremendamente favorável ao controlador que quer fechar o capital da empresa) está na taxa de desconto: 14,87% a.a. !!!!!!!!!!!!!!!

No que segue, em 2018 e no 4T18 foram expurgados os impactos do desenvestimento na Somos: R$ 95,3 milhões na Receita Líquida e Resultado Bruto; R$ 4,2 milhões no Resultado Financeiro; R$ 84,8 milhões no Resultado Antes dos Impostos e R$ 53,6 milhões no Lucro Líquido.

No 1T19 foram expurgados R$ 12,5 milhões do Resultado Antes do IR/CS e R$ 11,4 milhões do Lucro Líquido, referentes a operações descontinuadas.

TRPN3

PREÇO: R$ 1,06

PAYOUT (2018): 90,5%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 6,27

P/VPA 0,80

PSR 1,75

DY 14,45%

EV/EBITDA 7,59

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 35,7%

MARGEM LÍQUIDA 27,9%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,169

MARGEM EBITDA -7,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 12,80%

LIQUIDEZ CORRENTE 3,61



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -38,90%

RESULTADO BRUTO -38,90%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +117,33%

RESULTADO OPERACIONAL -23,40%

RESULTADO LÍQUIDO -16,44%

EBITDA passou de positivo para negativo



b) 1T19 vs 1T18

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -40,90%

RESULTADO BRUTO -40,90%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +155,53%

RESULTADO OPERACIONAL passou de negativo para positivo

RESULTADO LÍQUIDO passou de negativo para positivo

EBITDA passou de negativo para positivo



c) lucro (taxa média anual)

UA -16,44%

U2A -23,10%

U3A -10,39%



d) patrimônio líquido médio

UA 17,97%

U2A 17,43%

U3A 4,65%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,11

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -15,0%

358550 - paulo_prof -  17 Fev 2019, 19:48
Fim de feira ... A OPA para cancelamento de registro a R$ 1,09 deverá ser bem sucedida. Esta sempre foi uma empresa que "puxou a sardinha" para a brasa dos gestores e funcionários, que nunca deixaram de ser regiamente pagos mesmo considerando a incompetência mostrada em muitos investimentos. Para o acionista minortitário, o real valor desta empresa nunca chegou perto do valor patrimonial. P/VPA = 0,85 está de muito bom tamanho.

No que segue, foram expurgados os impactos do desenvestimento na Somos: R$ 95,3 milhões na Receita Líquida e Resultado Bruto; R$ 4,2 milhões no Resultado Financeiro; R$ 84,8 milhões no Resultado Antes dos Impostos e R$ 53,6 milhões no Lucro Líquido.


TRPN3

PREÇO: R$ 1,14

PAYOUT (2017): 90,5%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 19,41

P/VPA 0,85

PSR 1,60

DY 4,66%

EV/EBITDA -17,96

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 12,8%

MARGEM LÍQUIDA 8,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,059

MARGEM EBITDA -6,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 4,40%

LIQUIDEZ CORRENTE 1,76



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -33,71%

RESULTADO BRUTO -33,71%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +86,97%

RESULTADO OPERACIONAL -74,42%

RESULTADO LÍQUIDO -72,65%

EBITDA -114,78%



b) 4T18 vs 4T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -52,33%

RESULTADO BRUTO -55,33%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +139,40%

RESULTADO OPERACIONAL passou de positivo para negativo

RESULTADO LÍQUIDO -79,70%

EBITDA -130,83%



c) lucro (taxa média anual)

UA -72,65%

U2A -36,12%

U3A -48,78%



d) patrimônio líquido médio

UA 18,17%

U2A 15,38%

U3A 2,60%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 0,74

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10,5%

COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). RESULTADO LÍQUIDO = Resultado Líquido de R$ 1,443 milhões no 3T18 x R$ 3,106 milhões no 3T17; RESULTADO OPERACIONAL = R$ 2,198 milhões no 3T18 x 3,821 milhões no 3T17; RESULTADO FINANCEIRO = R$ 0,863 milhões no 3T18 x 0,434 milhões no 3T17; EBITDA = R$ 1,342 milhões no 3T18 x 3,470 milhões no 3T17; RELATORIO DA ADM = Desempenho dos Fundos de Portfólio: No 3T18, a estratégia de fundos de portfólio Hybrid Equity apresentou rentabilidade líquida no trimestre de 6,1% em R$ e -2,6% em US$. O retorno anualizado líquido histórico dessa estratégia é de -0,6% em R$ e de 5,2% em US$. No 3T18, a estratégia de investimento nos fundos de portfólio Long Only Equity apresentou rentabilidade líquida de 8,6% em R$ e 3,3% em US$. O retorno histórico anualizado dessa estratégia, líquido de taxas e despesas, é de 16,9% em R$ e 10,8% em US$. Apenas para efeitos ilustrativos, no 3T18, os índices Ibovespa e IBrX apresentaram retornos em R$ de 9,0%e de8,8% respectivamente. Em US$ os retornos para o Ibovespa e IBrX foram de 5,0% e 4,8% respectivamente,; Ativos sob Gestão = Os ativos sob gestão nos Fundos Tarpon totalizaram R$6,9 bilhões em 30 de setembrode 2018, um aumento de 2,5% quando comparado com o trimestre anterior e uma queda de -12,1% quando comparado ao mesmo período do ano anterior.:

TRPN3
PREÇO: R$ 2,24
PAYOUT (2017): 53,43%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 16,95
P/VPA 1,65
PSR 2,64
DY 3,15%
EV/EBITDA 4,20
MARGEM BRUTA 100,00%
MARGEM OPERACIONAL 32,68%
MARGEM LÍQUIDA 15,55%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,132
MARGEM EBITDA 27,14%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,15%
ROE 9,71%
LIQUIDEZ CORRENTE 6,70

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -23,12%
RESULTADO BRUTO -23,12%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 14,32%
RESULTADO OPERACIONAL -20,04%
RESULTADO LÍQUIDO -46,16%
EBITDA -26,06%

b) 3T18 sobre 3T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -34,14%
RESULTADO BRUTO -34,14%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 98,85%
RESULTADO OPERACIONAL -42,48%
RESULTADO LÍQUIDO -53,54%
EBITDA -61,33%

c) lucro (taxa média anual)
UA -46,16%
U2A 4,08%
U3A -35,44%

d) patrimônio líquido médio
UA 17,94%
U2A 9,41%
U3A 4,21%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,65
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +7,0% !!!!
[...]

Como os fundos Tarpon perderam muito capital devido as retiradas, a taxa de administração básica está minguando. Por outro lado, no que tange a taxa de performance, nos termos do próprio relatório

Os Fundos Tarpon seguem o conceito de ‘‘high water mark’’ (marca d’água). Assim, somente é devida taxa de performance se o valor da cota do respectivo fundo, no momento da apuração, superar o valor da cota no momento da última cobrança de performance, ou seja, última marca d’água, ajustada pelo respectivo parâmetro de rentabilidade.

Em 30 de setembro de 2018, não houve receita relacionada à taxa de performance. Ressalvados os fundos de propósito específico para investimento na Somos, o AuM dos Fundos Tarpon permanece substancialmente abaixo da marca d’água.

Como consequência, a Receita do 1T18, de R$ 9,8 milhões, caiu para R$ 8 milhões no 2T18 e, agora, para R$ 7,7 milhões. Nos primeiros 9 meses do ano passado, a Receita trimestral com a taxa básica somava, em média, R$ 11,7 milhões.

Não há perspectivas de melhora. Pelo contrário, é mais provável uma grande redução do patrimônio dos fundos, pois a Tarpon está oferecendo o resgate em títulos (em vez de vender os títulos a mercado e pagar os resgates, pagar os resgates diretamente em títulos). Por outro lado, aprox. R$ 95 milhões de receita em taxa de performance dos fundos que carregavam ativos da Somos deverão entrar no caixa da empresa. Destes, quase R$ 35 milhões serão presenteados aos administradores e empregados da empresa. Da sobra, aprox. R$ 40 milhões líquidos deverão engordar o lucro da empresa no 4T18. No ano, o lucro deverá somar R$ 45 milhões, e se a empresa continuar a praticar a política de payout mínimo, os dividendos a serem distribuídos por ação somarão R$ 0,25. Entretanto, não há uma razão plausível para a empresa ficar engordando o caixa (se distribuir somente 25%, o caixa será superior a R$ 100 milhões).

O Valor Patrimonial da ação após o recebimento da taxa de performance relativa à venda da Somos será de aprox. R$ 2,35. Em consequência, eu não pagaria mais do que uns R$ 1,80 pelo ativo hoje.



A=



TRPN3

PREÇO: R$ 2,54

PAYOUT (2017): 25,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 19,13

P/VPA 1,86

PSR 2,98

DY 1,31%

EV/EBITDA 5,50

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 32,7%

MARGEM LÍQUIDA 15,6%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,133

MARGEM EBITDA 26,9%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 9,71%

LIQUIDEZ CORRENTE 6,70



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -23,12%

RESULTADO BRUTO -23,12%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +14,32%

RESULTADO OPERACIONAL -20,04%

RESULTADO LÍQUIDO -46,16%

EBITDA -24,92%



b) 3T18 vs 3T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -34,14%

RESULTADO BRUTO -34,14%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +98,85%

RESULTADO OPERACIONAL -42,48%

RESULTADO LÍQUIDO -53,54%

EBITDA -60,58%



c) lucro (taxa média anual)

UA -46,16%

U2A 4,08%

U3A -34,71%



d) patrimônio líquido médio

UA 17,94%

U2A 9,41%

U3A 4,21%



e) ebitda (taxa média anual)

UA -24,92%

U2A -22,09%

U3A -32,86%

U4A -35,69%

U5A -28,55%

U6A -25,12%

U7A -32,83%

U8A -28,61%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 1,66

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +10,5%

Os resultados continuam pífios. O high water mark (critério para a cobrança da taxa de performance) ficou ainda mais distante, devido ao preço da BRFS3 em 30JUN2018 (atingiu R$ 18,00 quando em 31MAR2018 havia atingido R$ 22,83).

No 3T18, se o CADE aprovar a venda da Somos para a KROT, a empresa embolsará R$ 117 milhões. Ocorre que a maior parte desta receita não constituirá lucro da empresa. 35% (R$ 41 milhões) serão destinados aos administradores e empregados da empresa. Sobre o restante incidirá a mordida do IR/CS, aprox. R$ 25 milhões). Moral da história: o lucro da empresa decorrente da venda da Somos não deverá ultrapassar os R$ 50 milhões.

Dividindo este lucro pela base de ações daria R$ 1,13 por ação. Se a diretoria da empresa resolver distribuir este lucro não recorrente no curto prazo, o ativo hoje estaria barato. Ocorre que a diretoria da empresa não é confiável. O interesse do minoritário é totalmente desconsiderado. Se assim não fosse, a mudança de política de payout (de 100% até 2015, para 25% em 2017) teria sido devidamente explicada.

TRPN3

PREÇO: R$ 2,55

PAYOUT (2017): 25,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 15,00

P/VPA 1,96

PSR 2,71

DY 1,67%

EV/EBITDA 4,85

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 33,5%

MARGEM LÍQUIDA 18,1%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,170

MARGEM EBITDA 29,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 13,05%

LIQUIDEZ CORRENTE 7,00



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -17,17%

RESULTADO BRUTO -17,17%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +0,29%

RESULTADO OPERACIONAL -21,17%

RESULTADO LÍQUIDO -40,95%

EBITDA -23,53%



b) 2T18 vs 2T17

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -27,54%

RESULTADO BRUTO -27,54%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +61,33%

RESULTADO OPERACIONAL +20,51%

RESULTADO LÍQUIDO -29,30%

EBITDA +18,29%



c) lucro (taxa média anual)

UA -40,95%

U2A -10,73%

U3A -23,82%



d) patrimônio líquido médio

UA 16,07%

U2A ,45%

U3A 6,34%



e) ebitda (taxa média anual)



UA -23,53%

U2A -25,57%

U3A -26,60%

U4A -33,46%

U5A -26,01%

U6A -21,60%

U7A -32,21%

U8A -25,67%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,12

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +4,5%

349509  - paulo_prof  -  02 Mai 2018, 04:35
Citação: santos8 - Post #349507 - 01/Mai/2018 23:56
Prof. Paulo, qual é o preço justo para Tarpon nas suas contas?
É difícil estimar ... Não fosse a receita da taxa de performance, eu diria que seria algo na faixa R$ 2,40-2,80. Acho que com a receita da taxa de performance, a empresa terá um acréscimo nas despesas, devido ao exercício de opções. Deduzindo este acréscimo de despesas da taxa de performance e o IR/CS, deve dar algo na faixa dos R$ 90 milhões líquidos, ou R$ 1,80/ação (a base de ações também deverá aumentar).

O problema é como contabilizar este LPA. Se fosse distribuído integralmente ao acionista, então teríamos um valor intrínseco na faixa. R$ 4,20-4,60. Mas e se a empresa resolver distribuir o minimo legal, aumentando o caixa? Em princípio, se o financeiro fosse bom, a grana no caixa da empresa deveria ter aprox. o mesmo valor do que no bolso do acionista. Ocorre que o financeiro da empresa é muito ruim ... com uma caixa líquido médio de aprox. R$ 50 milhões em 2017, conseguiu um resultado financeiro de apenas R$ 1,5 milhões, ou 3%. Até a vovozinha aplicando na poupança consegue mais.

Suponha que dos R$ 90 milhões de lucro não recorrente, R$ 40 milhões não serão distribuídos para engordar o caixa. Para uma taxa de desconto de 8%, se estes R$ 40 milhões renderem 3% reais líquidos de IR ao ano por toda eternidade, o valor intrínseco seria de apenas aprox. R$ 25 milhões. Ou seja, se o financeiro não conseguir um rendimento adequado, o valor justo da grana retida é menor do que a mesma. Para uma taxa de desconto de 8%, o ganho financeiro líquido (já descontado o IR/CS) teria que ser de 3,9% reais ao ano, para que o valor justo do aumento do caixa seja igual a este aumento.

349506  - paulo_prof   -  02 Mai 2018, 00:08
Para o que possa servir, fiz algumas contas de padeiro com os dados do case TRPN3.

As hipóteses são as seguintes:

a) a venda da Somos propiciará uma receita não recorrente de R$ 145 milhões como divulgado pelo Valor Econômico;

b) a Receita com a taxa de administração será a mesma do exercício passado;

c) as despesas operacionais serão as mesmas do exercício passado;

d) a alíquido de IR/CS aplicável é 34%

e) o payout do exercício de 2018 será o mesmo do exercício passado (25%).

No exercício de 2017, o Resultado Antes dos Impostos emplacou R$ 15,6 milhões. Somando os R$ 145 milhões da Receita com a Taxa de Performance, obtém-se R$ 160,6 milhões. Deduzindo o IR/CS, obtém-se um lucro líquido de aprox. R$ 106 milhões, ou LPA = R$ 2,20 (para uma base de 48,193 milhões de ações.

Se o payout a ser praticado for de 25%, o dividendo/ação seria de R$ 0,55. Ao preço corrente de R$ 3,19, isto significaria um DY nominal de aprox. 17,2%.

Até o exercício de 2015 inclusive, a Tarpon costuma praticar uma política de payout de 100% do lucro líquido. No exercício de 2016 o payout caiu para 79,7% e no exercício passado, para 25%. Como os caras da Tarpon são "herméticos", não há como antecipar qual será a deles neste exercício. Se, na melhor das hipóteses, a Empresa resolver distribuir 100% do lucro, o DY ficaria na casa dos 69%.

Por outro lado, não há garantia de que as despesas operacionais neste exercício serão aprox. as mesmas do exercício passado, pois a administração da Tarpon tem um histórico de abocanhar parte do lucro via plano de opções e quando o lucro é gerado principalmente por Taxas de Performance, o plano de opções costuma acelerar. Isto, além de gerar despesas administrativas para a empresa, também acaba diluindo o acionista minoritário. Se, na pior das hipóteses, a administração resolver abocanhar 10% da Receita com a Taxa de Performance e o praticar o payout mínimo, o DY cairia para aprox. 15,8%.

Eu não confio nos caras ... Em dezembro de 2017, o capital social realizado de R$ 28,8 milhões era constituído por somente R$ 7,1 milhões de capital social integralizado. O resto (R$ 21,7 milhões) era constituído pelo Plano de Opções de Ações. Para ter um termo de comparação, em dezembro de 2009, a situação era de R$ 3,2 milhões em Plano de Opções para R$ 4 milhões de capital integralizado.

Podem estar certos ... a administração da Tarpon não visa criar valor para o acionista minoritário. Se for vantagem para os caras "cozinhar" o lucro do exercício de 2018, eles vão faze-lo até que as condições sejam favoráveis para então desovar os lucros acumulados.

349502 - Santos8  -  01 Mai 2018, 13:51
Verdade, mas é por isso que a TRPN3 está cotada a 3,00 e não a 20,00 como estava no início do processo "ladeira abaixo" desde 2012.

Não vai voltar a 20,00 pelos próximos muitos anos. Mas se voltar a 6,00 já está bom.

Quem sabe? O mercado é que vai decidir. O que também ajuda no caso é que o downside é agora limitado, já que uma empresa de gestão de recursos por definição não tem dívidas e só arrecada fees. Cotação a 2,5% dos AUM é muito baixa para esse tipo de empresa. Não há comparativos no Brasil, mas a tabela abaixo, em dólares de alguns meses atrás, mostra a comparação com alguns concorrentes estrangeiros:

De qualquer forma, Prof. Paulo, muito obrigado pelos excelentes comentários.

349501 - paulo_prof  -  01 Mai 2018, 13:20
Acho que não fui claro na minha argumentação ... No curto prazo, está claro que a Tarpon vai receber uma bolada ... em taxa de performance, mas depois pode levar anos para que receba um centavo adicional.

A composição dos Fundos da Tarpon não é a mesma ... nem é a mesma, a regra da taxa de performance.

Os fundos de investimento específicos para clientes que a Tarpon administra podem ser classificados em 2 grupos:

a) Fundos de Portifólio (Long and Hybrid): R$ 5,5 bilhões

b) Fundos de Co-Investimento (R$ 1,7 bilhões)

Entre os Fundos de Co-Investimento, há um que tem objetivo de investimento específico na Somos. Pelas informações disponíveis, em 30DEZ2017, o fundo específico para a Somos detinha aprox. R$ 1,2 bilhões. Uma conta de padeiro mostra que hoje o valor de mercado desta parcela seria de aprox. R$ 1,75 bilhões.

Este investimento NÃO ESTÁ sujeito à regra de high water mark. Pela regra deste fundo, a taxa de performance so é devida por ocasião do desinvestimento.

Resumindo: dos R$ 7,2 bilhões que a Tarpon administrava no final do ano passado, aprox. R$ 6 bilhões estavam sujeitos à regra do high water mark e aprox. R$ 1,2 bilhões, investidos exclusivamente na Somos, tinham regra de performance específica. Como a Tarpon não paga taxa por performance negativa, fica "devendo", ou seja, a perspectiva de pagamento de taxa de performance fica mais distante. Se os R$ 1,2 bilhões da Somos estivessem espalhados de forma equitativa entre os fundos, a performance destes seria muito melhor e as cotações estariam mais próximas do high water mark.

Como estes R$ 1,2 bilhões de 30DEZ2017 estão segregados, a Tarpon de fato vai vai embolsar a taxa de performance calculada no desenvestimento, mas depois poderá levar anos para conseguir levar os valores das cotas de seus fundos acima da high water mark corrente.

Moral da história: TRPN3 é um ativo da espécie "hit and run" ... compra, espera dar os frutos ... e cai fora!

349488 - Santos8   -  01 Mai 2018, 00:00
Paulo_Prof,
A pergunta é: O fundo é o mesmo? A Tarpon tem diversos fundos. Se a posição da Somos está num fundo diferente, que tem mais Somos do que BRF, entendo que o conceito de "high water mark" não prejudica. A mensuração deve ser obviamente por cada fundo e não por todos os fundos juntos.

Aliás, vamos ler um pouco mais do que diz a mesma reportagem do Valor: "Segundo duas fontes, a Tarpon vai receber R$ 145 milhões de taxa de performance NO FUNDO dedicado à Somos, que detém 54% da empresa de educação. Os OUTROS 20% detidos pela Tarpon na companhia estão em fundos de ações ou no fundo principal da casa, que tem outros ativos - por isso não há incidência dessa taxa de performance, já que o desempenho depende do restante da carteira. Para ter um parâmetro de relevância, o lucro líquido da Tarpon no ano passado foi de R$ 9,4 milhões".

Ou seja, a própria reportagem dá a entender que os fundos da Tarpon somavam 74% da Somos, mas desses, 20% não geram o efeito da taxa de performance. Só que 54% geram e é isso que importa no caso. Entendi, pela reportagem, que sobre esses 54% é que incide esses R$ 145 milhões de taxa de performance, já que NESSE FUNDO ESPECÍFICO o "high water mark" compensaria sim.

Ou seja, o prejuízo com as ações da BRF pode vir provavelmente de outros fundos e portanto (assim entendi) não necessariamente afetaria a performance DESSE fundo específico. Vou tentar checar se os demonstrativos da Tarpon também dão alguma pista sobre isso e confirmam a reportagem do Valor.

349487  - paulo_prof  -  30 Abr 2018, 22:24
Será?

Por que vc acha que a Tarpon vai receber R$ 145 milhões de taxa de performance pela venda da Somos?

Que eu saiba, a taxa de performance, é paga de acordo com a regra "high water mark" do valor de mercado dos fundos que ela administra, ou seja, se a Tarpon obtém um lucro cavalar com a venda da Somos e um prejuízo bestial na manutenção das ações da BRFS, acaba ocorrendo uma compensação, não?

Hoje, o valor de mercado das ações BRFS3 detidas pela Tarpon é de aprox. R$ 3 bilhões. Como a desvalorização da BRFS3 entre 30DEZ e hoje foi de 30%, o prejuízo só com as ações detidas hoje foi de aprox. R$ 1,8 bilhões. Se, por acaso, a Tarpon detinha mais ações em 30DEZ e reduziu a sua posição no período, o prejuízo terá sido ainda maior.

O valor de mercado hoje das ações detidas pela Tarpon na Somos monta a R$ 4,25 bilhões. Desde 30DEZ, a valorização foi de 47%. Em consequência, desde 30DEZ a Tarpon teria lucrado aprox. R$ 1,36 bilhões com a manutenção das ações da Somos. Mas de acordo com o Valor Econômico, o preço de venda teria sido R$ 4,57 bilhões, ou seja, 320 milhões acima do valor de mercado, hoje.

O ganho total da Tarpon desde 30DEZ, com a venda da Somos portanto, teria sido de aprox. 1,68 bilhões ... menos, em consequência, do que perdeu com a BRFS no período!

349469  - Santos8  - 30 Abr 2018, 20:22
Tarpon (TRPN3) parece ser uma das últimas pechinchas indiscutíveis da B3.

Há 3 motivos pelos quais, na minha opinião, ela deve voltar rápido para algo em torno de 5,50 ou 6,00, no mínimo:

1º MOTIVO: VALUATION SIMPLES ("CONTA DE PADEIRO") DE EMPRESAS DE GESTÃO DE RECURSOS (ASSETS MANAGEMENTS):

- Com o problema da BRF, eles estavam tendo resgates em torno de R$ 150m/trimestre, ou seja R$ 600m/ano.
- Com ativos sob gestão de R$ 7,2 bilhões em 31/12/17, admitindo que continuem perdendo ativos nesse ritmo por mais 3 anos ainda, ainda sobrariam mais de R$ 5 bilhões sob gestão (cenário pessimista).
- Uma empresa de gestão de recursos (asset management) é normalmente cotada, por baixo, a 5% dos ativos sob gestão.
- Assim, mesmo num cenário pessimista, a TRPN deveria valer, no mínimo, R$ 250 milhões, ou seja, R$ 5,67/ação.

2º MOTIVO: VENDA DA SOMOS.

- Segundo o Valor Econômico de 25/04/2018, na notícia de título "Venda da Somos Educação traz alívio à gestora Tarpon", lê-se explicitamente: "Segundo duas fontes, a Tarpon vai receber R$ 145 milhões de taxa de performance no fundo dedicado à Somos, que detém 54% da empresa de educação”. Ou seja, a Tarpon deve ganhar neste ano, só de taxa de performance por essa negociação, cerca de R$ 3,28 bruto por ação. OK, vai pagar impostos, etc, mas só por aí, ela já está com P/L 1 neste ano, à atual cotação. Claro que é um ganho não-recorrente, mas já podemos imaginar o dividendo que terá que ser pago por conta disso. (Existe também o risco remoto do Cade dificultar a venda da Somos à Kroton, mas as atuações do Cade no setor de educação, que é bastante pulverizado, não costumam complicar).

3º MOTIVO: GRÁFICO, COM POSSÍVEL DIVERGÊNCIA ALTISTA DO IFR EM FORMAÇÃO DE FUNDO

Ou seja, aparentemente enorme upside com downside mínimo.

Parece fácil demais. Mas às vezes é preciso acreditar em algo fácil mesmo.

De qualquer forma, isso é só a minha opinião. Não quero induzir ninguém a nada, e cada um só deve operar após fazer e acreditar em sua própria análise.

349157 - marcosvinicius2 -  20 Abr 2018, 22:25
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). FUNDOS DE PORTFÓLIO = No 4T17, a estratégia de fundos de portfólio Hybrid Equity apresentou rentabilidade líquida no trimestre de -6,9% em R$ e -4,4% em US$. O retorno anualizado histórico dessa estratégia é de -0,1% em R$ e de 6,9% em US$. No 4T17, a estratégia de investimento nos fundos de portfólio Long Only Equity apresentou rentabilidade líquida de -19,4% em R$ e -21,6% em US$. O retorno histórico anualizado dessa estratégia, líquido de taxas e despesas, é de 17,6% em R$ e 12,1% em US$.; RECEITAS OPERACIONAIS = As receitas operacionais são compostas por remuneração pelos serviços que prestamos aos Fundos Tarpon, referentes a taxas de administração – fluxo de receitas recorrente, calculado com base no montante do patrimônio líquido dos Fundos Tarpon – e a taxas de performance – fluxo de receitas de maior volatilidade, calculado com base na rentabilidade auferida pelos Fundos Tarpon. A receita operacional bruta, no 4T17, foi de R$12,3 representando uma redução de 12,1% quando comparado ao 4T16. Tal redução decorre da queda do saldo de AuM dos Fundos Tarpon no 4T17, comparado com o 4T16.:

TRPN3
PREÇO: 2,35
PAYOUT (2017): 53,43%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 10,95
P/VPA 1,96
PSR 2,19
DY 4,88%
EV/EBITDA 3,59
MARGEM BRUTA 100,00%
MARGEM OPERACIONAL 33,16%
MARGEM LÍQUIDA 20,03%
LUCRO POR AÇÃO 0,215
MARGEM EBITDA 30,66%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 4,59%
ROE 17,87%
LIQUIDEZ CORRENTE 5,54

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,43%
RESULTADO BRUTO -14,43%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -174,15%
RESULTADO OPERACIONAL 38,41%
RESULTADO LÍQUIDO 49,21%
EBITDA 4,72%

b) 4T17 sobre 4T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,43%
RESULTADO BRUTO -14,43%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -174,15%
RESULTADO OPERACIONAL 38,41%
RESULTADO LÍQUIDO 49,21%
EBITDA 4,72%

c) lucro (taxa média anual)
UA 49,21%
U2A -29,91%
U3A -11,86%

d) patrimônio líquido médio
UA 12,66%
U2A -4,40%
U3A 9,93%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,69
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -3,00% !!!!
[...]

347013  - paulo_prof   -  09 Fev 2018, 23:16
A incompetência continua ... No 4T17, os Fundos Long Only Equity apresentaram rendimento negativo de -19,4%. Os Fundos Hybrid Equity, -6,9%. No ano os rendimentos foram, respectivamente, -1,1% e 5,1.

Para conseguir este brilhante resultado, o ítem Pessoal consumiu R$ 23,5 milhões, de um Resultado Bruto de R$ 47 milhões. Ou seja, metade da receita de administração e pífia taxa de performance foi consumida pelo pessoal. Vai saber quanto foi para o bolso dos administradores. Provavelmente para não gerar questionamentos, o relatório não informa quanto foi gasto com o pessoal da adminisytração, inclusive gratificações.

A cereja do bolo foi a decisão da empresa decidir distribuir somente 25% do lucro. A empresa fechou 2017 com um caixa líquido de R$ 54 milhões. Se vc deduzir os R$ 2,3 milhões que serão distribuídos, sobram mais do que R$ 50 milhões. Para que deixar estes R$ 50 milhões nas mãos daqueles incompetentes, só Deus sabe.

TRPN3

PREÇO: R$ 3,07

PAYOUT (2016): 25,0%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 14,26

P/VPA 2,55

PSR 2,86

DY 1,75%

EV/EBITDA 5,71

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 33,2%

MARGEM LÍQUIDA 20,0%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,215

MARGEM EBITDA 30,0%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 17,87%

LIQUIDEZ CORRENTE 5,54



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,30%

RESULTADO BRUTO -14,30%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +38,41%

RESULTADO LÍQUIDO +49,21%

EBITDA +6,29%



b) 4T17 vs 4T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -12,25%

RESULTADO BRUTO -12,25%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -49,0%

RESULTADO OPERACIONAL +4,27%

RESULTADO LÍQUIDO -25,52%

EBITDA +11,75%



c) lucro (taxa média anual)

UA 49,21%

U2A -29,91%

U3A -11,86%



d) patrimônio líquido médio

UA 12,66%

U2A -4,40%

U3A 9,93%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,69

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +3,5%

341774  - paulo_prof  - 02 Set 2017, 20:59
Citação: willamsilva - Post #341773 - 02/Set/2017 16:16
Para quem souber/puder ajudar: a derrocada dos papeis da TRPN3 coincidiu mais ou menos com a queda da BRFS3. Isso significa dizer que se a BRFS3 voltar aos patamares anteriores (de preço e/ou lucratividade), a TRPN3 lucrará com isso ou nem tem nada a ver?
A Receita Líquida da Tarpon é constituída de duas fontes: taxa de administração e taxa de performance dos seus fundos.

Devido a incompetência de seus gestores, há muito tempo (acho que há mais de 2 anos) a empresa não recebe um centavo devido a performance. Por outro lado, a maior parte da receita com a taxa de admiistração (na faixa dos 75%) é dispendida internamente. Das Despesas Gerais e Administrativas, que somam ao ano mais de R$ 40 milhoes, aprox R$ 30 milhões são dispendidos com pessoal, incluindo bônus e opção ce compra de ações.

Os fundos de investimento da Tarpon detém aprox. 8,55% do capital da BFRS. Considerado a base de ações e o preço aprox. de mercado (R$ 40,00), conclui-se que o valor das ações da BRFS nos fundos da BRFS é de aprox. R$ 3 bilhões. Isto certamente representa um percentual relevante do patrimônio total dos fundos da Tarpon. Tudo indica que se/quando a performance da BRFS3 for superior ao índice definido para mensurar a performance, a taxa de performace deverá alterar significativamente a Receita.

Ocorre que não necessariamente a maior parte desta receita fluirá para o acionista. Sou capaz de apostar que a maior parte da Receita com a performance acabará no bolso dos gestores.

PS. Já não dera sem tempo ... finalmente o Conselho da BRFS emitiu o bilhete azul ao presidente da empresa e fundador da Tarpon. O cara não só conseguiu produzir o primeiro prejuízo da história da empresa, como está/estava tendo uma enorme dificuldade em reverte-lo.

341495  - paulo_prof  -  28 Ago 2017, 01:28
Citação: willamsilva - Post #341487 - 27/Ago/2017 14:06
Voltando para pedir ajuda sobre TRPN3. Pelo fundamentus, a empresa possui 44 MM de ações, sendo que a IPO da Omega girou uns 850 MM de reais. Minha indagacao: essa operação gera lucro (mesmo que não recorrente) para os resultados do 3T/17? Ou aumenta apenas o patrimonio? Estou vendo isso pq se gerar lucro vai dar dar um otimo retorno em dividendo. Alguem que acompanha pode ajudar a esclarecer/decifrar isso?
Como não acompanhei a IPO da Omega de perto posso ter ouvido o galo cantando no terreno vizinho ... O meu entendimento era que a IPO era dividida em duas partes: na primária, a grana entrou na Omega, de modo que se a Tarpon se beneficiou foi marginalmenteç na oferta secundária, quem vendeu (e em consequência deve ter tido um lucro) acho que foi o Fundo Warberg Pincus, no qual acho que a Tarpon não tem participação. De qualquer forma, mesmo se tivesse, como a oferta secundária da Omega movimentou no máximo R$ 300 milhões, o lucro de fundos bilionários seria perqueno em termos percentuais. Como TRPN só ganha uma taxa sobre a performance de seus fundos, acho que esta taxa seria pequena.

341234  - paulo_prof   -  18 Ago 2017, 17:53
Finalmente o ativo parece estar bem precificado, compat[ivel com a competência (falta de) que a equipe da Tarpon tem demonstrado nos últimos 24 meses.

E pensar que já paguei acima dos R$ 16.25 neste ativo ... "Per fortuna", acordei bem antes do mercado.

Li, outro dia, que os fundos da Tarpon perderam R$ 1 bi nos últimos meses. É pouco ... especialmente se o tal Pedro de Andrade Faria continuar na presidência da BRFS.

TRPN3

PREÇO: R$ 3,54

PAYOUT (2016): 79,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 12,26

P/VPA 3,27

PSR 3,11

DY 6,50%

EV/EBITDA 6,80

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 35,2%

MARGEM LÍQUIDA 25,3%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,289

MARGEM EBITDA 31,7%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%

ROE 26,65%

LIQUIDEZ CORRENTE 5,22



Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -23,20%

RESULTADO BRUTO -23,20%

RESULTADO FINANCEIRO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL +9,23%

RESULTADO LÍQUIDO +34,95%

EBITDA -27,56%



b) 2T17 vs 2T16

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -17,85%

RESULTADO BRUTO -17,85%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL -17,42%

RESULTADO LÍQUIDO -2,80%

EBITDA -23,23%



c) lucro (taxa média anual)

UA 34,95%

U2A -13,47%

U3A -36,07%



d) patrimônio líquido médio

UA -9,58%

U2A 1,78%

U3A 2,69%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 3,70

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): -1,0%

337192 - paulo_prof   - 28 Abr 2017, 02:29
Os incompetentes da Tarpon conseguiram um rendimento negativo de R$ 430 milhões em seus fundos de portfolio (ativos de R$ 5,2 bilhões) e um rendimento negativo de R$ 218 milhões nos fundos de co-investimento (ativos de R$ 2,2 bilhões).

Como empresa, a TRPN conseguiu postar prejuízo no 1T17. Este ano, entretanto, parece que os caras não tiveram a cara de pau de se locupletar com bônus milionários.

334762  - paulo_prof   -  25 Fev 2017, 22:08
Se tem algo que me deixa p da vida é lembrar que fui babaca o suficiente para um dia decidir comprar este ativo. Montei uma posição durante 2011, ao preço médio de R$ 16,25 e, depois de embolsar proventos durante aprox. 2 anos, caí fora em 2013, na faixa dos R$ 15,00. Demorei para perceber que a empresa Tarpon é excelente mesmo (e põe excelente nisto), para o seu pessoal. O custo anual de pessoal da Empresa é de aprox. R$ 30 milhões, para administrar aprox. R$ 8 bilhões em fundos de portfolio e fundos de investimento. Isto sem considerar a remuneração invariavelmente muito generosa do pessoal da Tarpon que constitui Diretorias e Conselhos das empresas investidas.

Acreditem se quiser ... Em 2016 este pessoa super competente da Tarpon conseguiu a proeza de emplacar um rendimento negativo de 18,4% no fundo Long Equity Only em R$ (em USD o tombo foi de 4,6%) e um tombo de 10,1% no fundo Hybrid Equity (+9,2% em USD). Evidentemente, com uma performance tão gloriosa, não houve taxa de performance e a Receita Líquida foi pífia (não ficaria surpreso, entretanto, se o pessoal amigo do rei tivesse recebido gratificações - as Notas Explicativas, talvez por vergonha, escondem a remuneração dos diretores e membros do conselho). As despesas, entretanto, continuaram a correr soltas ... para produzir um resultado bruto de R$ 55 milhões foram necessárias despesas de R$ 42 milhões.

Como se não bastasse todo este excesso de competência, o diretor financeiro conseguiu produzir resultados financeiros negativos nos 3 últimos exercícios, mesmo tendo endividamento líquido negativo substancial (em média de R$ 33 milhões em 2014, R$ 44 milhões em 2015 e média de R$ 41 milhões em 2016. Invariavelmente, os resultados financeiros negativos são resultados de apostas mal feitas em derivativos.

Considerando a performance da empresa, a precificação atual que o mercado está lhe dando é um mistério!


TRPN3

PREÇO: R$ 5,05

PAYOUT (2016): 79,7%



Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 35,25

P/VPA 4,62

PSR 4,05

DY 2,26%

EV/EBITDA 13,63

MARGEM BRUTA 100,0%

MARGEM OPERACIONAL 20,5%

MARGEM LÍQUIDA 11,5%

LUCRO POR AÇÃO R$ 0,143

MARGEM EBITDA 24,2%

DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,3%

ROE 13,11%

LIQUIDEZ CORRENTE 8,42



Taxas de Crescimento Nominal



a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -26,88%

RESULTADO BRUTO -26,88%

RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -45,03%

RESULTADO OPERACIONAL -58,32%

RESULTADO LÍQUIDO -67,07%

EBITDA -56,74



b) 4T16 vs 4T15

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -23,98%

RESULTADO BRUTO -23,98%

RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO passou de negativo para positivo

RESULTADO OPERACIONAL7,60%

RESULTADO LÍQUIDO +20,67%

EBITDA -35,27%



c) lucro (taxa média anual)

UA -67,07%

U2A -32,25%

U3A -55,97%



d) patrimônio líquido médio

UA -18,88%

U2A 8,59%

U3A -1,06%



Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 2,38

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +18,0%

325343 - paulo_prof   -  03 Ago 2016, 21:25
Péssimo o resultado da Tarpon, especialmente considerando que o Ibovespa está bombando!

A Receita da Tarpon é constituída das taxas de administração cobradas dos cotistas de seus fundos. Entre estas, de especial importância são as taxas de performance. Ocorre que quando os ativos nos fundos administrados são mal escolhidos e a performance é pífia, não há taxas de performance a engordarem a receita da empresa.

No semestre, em reais, os fundos Long Only Equity e Hybrid Equity que administra perderam aprox. 16% cada um!!!!

O que mais enerva, entretanto, é a cara de pau dos caras para engordarem os seus próprios bolsos, via PLR, sem terem feito absolutamente nada para merecer! Nos últimos 12 meses, a empresa lucrou R$ 9,4 milhões. Por outro lado, as despesas de PLR e outros benefícios somaram R$ 14,5 milhões. Um prá vc, um e meio prá mim, tá legal seu trouxa?

É isto ... os incompetentes (convenhamos, para conseguir perder 16% do valor da carteira num semestre onde até defunto sobe, é necessário fazer muita força!) mamam uma parcela maior do que aquela destinada à distribuição aos acionistas!

TRPN3
PREÇO: R$ 6,77
PAYOUT (2015) 99,4%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses
P/L 31,76
P/VPA 7,87
PSR 4,58
DY 3,13%
EV/EBITDA 12,21
MARGEM BRUTA 100,0%
MARGEM OPERACIONAL 24,7%
MARGEM LÍQUIDA 14,4%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,213
MARGEM EBITDA 33,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,6%
ROE 24,77%
LIQUIDEZ CORRENTE 11,16

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -14,52%
RESULTADO BRUTO -14,52%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +249,94%
RESULTADO OPERACIONAL -44,46%
RESULTADO LÍQUIDO -44,52%
EBITDA -28,62%

b) 2T16 vs 2T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -28,76%
RESULTADO BRUTO -28,76%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -78,44%
RESULTADO OPERACIONAL -20,61%
RESULTADO LÍQUIDO -17,07%
EBITDA -24,68%

c) lucro (taxa média anual)
UA -44,52%
U2A -56,00%
U3A -40,46%

d) patrimônio líquido médio
UA 14,57%
U2A 9,44%
U3A 16,09%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 2,13

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): +30,5% !!!

236869  - paulo_prof - 29 Jan 2014, 03:52
TRPN3
PREÇO: R$ 14,73
PAYOUT (2013): 89,3%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 9,11
P/VPA 9,49
PSR 5,21
DY 9,80%
EV/EBITDA 7,17
MARGEM BRUTA 100,0%
MARGEM OPERACIONAL 69,6%
MARGEM LÍQUIDA 57,1%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,619
MARGEM EBITDA 68,8%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,0%
ROE 104,09%
LIQUIDEZ CORRENTE 4,30

Taxas de Crescimento:

a) últimos 12 meses sobre 12 meses terminados no 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +33,71%
RESULTADO BRUTO +33,71
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -83,04%
RESULTADO OPERACIONAL +45,03%
RESULTADO LÍQUIDO +81,97%
EBITDA +58,65%

b) 4T13 sobre 4T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA +206,12%
RESULTADO BRUTO +206,12%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -123,27
RESULTADO OPERACIONAL +305,49%
RESULTADO LÍQUIDO +325,51%
EBITDA +422,27%

c) lucro líquido, nominal
UA 81,97%
U2A -17,77%
U3A -18,94%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA 5,09%
U2A -25,50%
U3A -12,22%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 10%: R$ 16,19

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 10%): -2,0%

220682  - paulo_prof  -  05 Nov 2013, 13:33
TRPN3
PREÇO: R$ 15,30
PAYOUT (2012): 71,8%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L 15,17
P/VPA 18,09
PSR 7,77
DY 4,73%
EV/EBITDA 12,40
MARGEM BRUTA 100,9%
MARGEM OPERACIONAL 63,7%
MARGEM LÍQUIDA 51,2%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,008
MARGEM EBITDA 59,5%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,1%
ROE 119,19%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,77

Taxas de Crescimento:

a) últimos 9 meses sobre 9 meses terminados no 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -6,62%
RESULTADO BRUTO -6,62
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO -58,43%
RESULTADO OPERACIONAL -8,28%
RESULTADO LÍQUIDO +18,13%
EBITDA -4,39%

b) 3T13 sobre 3T12, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -5,08%
RESULTADO BRUTO -5,08%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +14,51
RESULTADO OPERACIONAL -2,97%
RESULTADO LÍQUIDO 24,28%
EBITDA -4,64%

c) lucro líquido, nominal
UA 14,73%
U2A -34,87%
U3A -29,05%

d) patrimônio líquido médio, nominal
UA -32,66%
U2A -32,29%
U3A -19,80%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ 12,60

Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): +5,0%

165324 - paulo_prof -  01 Fev 2013, 14:17
TRPN3
PREÇO: R$ 16,09
PAYOUT 2012: 72,4%
Por ocasião da AGO, em 01MAR2013, deverão ser aprovados dividendos de R$ 0,464/ação.

múltiplos 12 meses
P/L 18,32
P/VPA 29,21
PSR 7,69
DY 3,95%
EV/EBITDA 12,59
MARGEM BRUTA 100,0%
MARGEM OPERACIONAL 64,2%
MARGEM LÍQUIDA 42,0%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,878
MARGEM EBITDA 58,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,7%
ROE 159,45%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,44

Taxas anuais médias nominais de crescimento:
a) do lucro líquido
UA -62,84%
U2A -45,90%
U3A 36,45%

b) do patrimônio líquido médio
UA -47,18%
U2A -19,78%
U3A 59,92%

Taxa de crescimento anual médio real do lucro líquido dos últimos 12 meses para que o preço corrente seja igualç ao preço "justo" calculado pela fórmula do FCD (perpetuidade real nula; taxa de desconto anual real de 8%): 14,5%

129978 - paulo_prof - 07/Mai/2012 22:05
TRPN3
PREÇO: R$ 14,06
PAYOUT (2011): 95,0%

Múltiplos relativos aos últimos 12 meses
P/L      9,98
P/VPA            10,43
PSR     3,71
DY      9,52%
EV/EBITDA  6,16
MARGEM BRUTA  99,3%
MARGEM OPERACIONAL          61,1%
MARGEM LÍQUIDA          37,2%
LUCRO POR AÇÃO           R$ 1,409
MARGEM EBITDA 55,4%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       0,6%
ROE    104,57%
LIQUIDEZ CORRENTE     6,91

Taxas anuais médias nominais de crescimento
a) lucro líquido
UA      -50,99%
U2A    -1,85%

b) patrimônio líquido médio
UA      7,53%
U2A    67,71%
U3A    179,14%

Taxa anual média de crescimento real do lucro líquido necessária nos próximos 3 anos para que o preço justo calculado pela fórmula do FCD seja 1,3 vezes a cotação atual (perpetuidade real nula; taxa de desconto real de 8%): +1,5%

Taxas nominais de crescimento relativas ao 1T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -70,11%
RESULTADO BRUTO -69,82%
RESULTADO FINANCEIRO POSITIVO +18,56%
RESULTADO OPERACIONAL -76,81%
RESULTADO LÍQUIDO -77,54%
EBITDA -78,62%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO -24,36%


Por exemplo, o high water mark seria o valor máximo atingido pela cota no trimestre: no 1T11 = R$ 2,5553866; no 1T12 = R$ 2,9921984 ou seja, uma valorização de 17,1%. Menor mas ainda bastante positiva.

Em dólar seria algo diferente ...

Também acho que a tendência, neste 1o. trimestre, é da performance gerar um bom lucro.

123686 - paulo_prof - 31/Mar/2012 01:43
citação: danieljoseaa

TRPN3:

Vamos lá, me ajudem a entender.

O valor investido em fundos da TRPN fechou o ano de 2011 com 6,9 bilhões.

Carteira do fundo Tarpon, fundo este que investe apenas em ações listadas na Bovespa........ ações contidas no fundo, de forma aproximada de acordo com os últimos relatórios e seus respectivos rendimentos de 01/jan a 30/mar:

BRFS3(36%) rendimento no ano - 1,2%
GGBR4(14%) rendimento no ano + 21%
AMAR3(10%) rendimento no ano + 45,3%
CYRE3 + DIRR3(em torno de 20%) rendimento no ano CYRE3 + 8,8% DIRR3 + 11%
CGAS5 + CLSC4(em torno de 8%) rendimento no ano CGAS5 + 5,5% CLSC4 + 19,46%

Nessas ações aí temos aproximadamente 88% do PL do fundo Tarpon, além dessas, há o investimento em DAYC4 rendimento no ano + 6,5%.

Se há outras ações compondo o portfólio, não consegui descobrir, mas deve ter, pois com essas não fechamos os 100%.

Algumas tiveram rendimentos espetaculares como AMAR3, CLSC4 e GGBR4, outras bons rendimentos como CYRE3, DIRR3, CGAS5 e DAYC4.

Apenas BRFS3 ficou no campo negativo, mesmo assim por pouco.

TRPN3 tem suas receitas provenientes de TAXA DE ADMINISTRAÇÃO, que é fixa e é recebida sempre, independente do desempenho dos fundos e também receitas relacionadas às TAXAS DE PERFOMANCE, que são recebidas quando o desempenho dos Fundos Tarpon supera um determinado parâmetro de rentabilidade (hurdle rate) mínimo. A maior parte dos ativos sob gestão tem como parâmetro valores absolutos variando entre 6% e indicador de inflação + 6% ao ano..


Os Fundos Tarpon seguem o conceito de ‘‘high water mark’’ (marca d’água). Assim, somente é devida taxa de performance se o valor da cota do respectivo fundo, no momento da cobrança, superar o valor da cota no momento da última cobrança de performance, ou seja, última marca d’água, ajustada pelo respectivo parâmetro de rentabilidade.mas pelos rendimentos das ações que compõem a carteira, tá muito mais para o campo positivo que para o negativo, tomando como base este fundo que eu citei, não há como não haver uma taxa de performance pelo menos razoável a gerar receita neste 1° tri.

Além deste fundo, há os fundos private equities, fundos estes que permitem o investimento em empresas de capital aberto, incluindo empresas do restante da América do Sul e em empresas de capital fechado, como foi recentemente a aquisição da "morena rosa".......este fundo aí é bem mais difícil de se projetar rendimentos.

Prof, ou alguém que quiser acrescentar ou corrigir algo, fique á vontade.


A maior parte da taxa de performance impacta o 1o. e o 2o. trimestre. No 3o. e 4o. trimestres, mesmo se a performance for muito boa, ela impacta um percentual pequeno do patrimônio dos fundos.


Vamos supor que o conceito de high water mark seja aplicado em dias fixos. Exemplo: o indicador para o cálculo da taxa de performance do 1o. trimestre é medido no fechamento do dia 5 de março.

Neste dia, em 2011, o valor da cota do TARPON CSHG MASTER FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES fechou em R$ 2,4177079.

No dia 05MAR2012, o valor de fechamento foi R$ 2,8887234, com uma valorização de 19,5%.

No que tange a taxa de performance aplicável ao Fundo Tarpon, denominado em reais e voltado para investidores brasileiros, tudo bem. O indicador seria positivo.

Mas e os dois fundos para investidores estrangeiros, denominados em dólar?

PTAX em 05MAR2011: R$ 1,64540
PTAX em 05MAR2012: R$ 1,73080

Desvalorização do real no período: 5%

Em dólar, portanto, a performance teria sido pior: valorização de 13,8%, mas ainda bastante positiva.

Mas o conceito de high water mark pode ser completamente distinto ...


123670 - paulo_prof - 31/Mar/2012 00:04
citação: jlc007

citação: paulo_prof
citação: jlc007
Boa noite Prof.Paulo,
Qual o motivo de sua animação toda por trpn3?
grato

Não vamos exagerar ...


A Tarpon tem se mostrado bastante competente em suas escolhas de investimentos, especialmente no que tange a parte de private equity em sua carteira. Se (note que é um grande SE) de fato o tsunami da Dilma ocorrer no 2o. semestre, acredito que a carteira da Tarpon terá boas chances de propiciar um rendimento bem acima do bench mark. Neste caso, a taxa de performance impactaria o lucro muito favoravelmente e o payout de 100% fecharia a equação.

Prof,

acho que fizeram alguma coisa errada...
se não , pode ser uma boa oportunidade de entrada. O DY está correto no fundamentus
abç


O problema é que ao contrário de empresas que fabricam ou comerciam produtos, o grosso do lucro da Tarpon é determinado por uma taxa de performance aplicada sobre os fundos de investimento que eles administram.

O lucro anual básico da Tarpon é aprox. R$ 30-35 milhões. Ao preço corrente, isto dá um P/L na faixa dos 19-20. Ou seja, se a Tarpon não turbinar o seu lucro com uma boa performance, o ativo hoje estaria caro.

Até o final de fevereiro as coisas estavam indo bastante bem. Em março as coisas, de certa forma, desandaram. Não deve ser esquecido que entre os fundos que a Tarpon administra há dois com ativos brasileiros mas que são denominados em dólares. Com a valorização do dólar a performance destes fundos muito provavelmente não é boa. Além da desvalorização do real, a performance dos ativos dos fundos em reais também não foi boa. Acho que do final de fevereiro ao final de março, com sorte, o valor das cotas ficou no zero-a-zero.

Por Tetzner
·  PERFIL DA EMPRESA:
- Brasil, presente no mercado desde 2002. A Companhia tem vasta experiência em investimentos públicos e privados de longo prazo distribuídos em uma variedade de setores, incluindo o varejo, agricultura, imobiliário, energia, siderurgia e serviços financeiros. As ações da Tarpon são negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa:Novo Mercado) sob o código TRPN3.     

Período Analisado: 3T11 -  3o Trimestre de 2.011  ( Julho/Agosto/Setembro )

PAINEL DE INDICADORES
20/11/11





SELIC
11,50%
Ativo
R$
PL
VP
GR
DY
LA
Dv
Ml
EB
MS
TRPN3
  15,38
6,8
14,95
101,1
16,3%
14,8%
0,0
44%
14,8%
51,3%

·  PONTOS POSITIVOS:

- Captações: No trimestre registramos captações líquidas de R$222 milhões  +160% x 2T11; 

- Ativos sob gestão: R$ 5,1 bilhões nos Fundos de Portfólio e R$1,2 bilhões nos fundos de co-investimento; totalizando R$6,2 bilhões sob gestão  +5% x2T11 e  +10% de crescimento quando comparado ao 3T 2010;

  
·  PONTOS NEGATIVOS

- As receitas brutas relacionadas com honorários de prestação de serviço de gestão dos Fundos Tarpon atingiram R$16,4 milhões no 3T11  -87% x 2T11, totalizando R$ 234,9 no ano de 2011 ( Honorários relacionados a taxas de administração: R$16,2 milhões no 3T11 e Honorários relacionados a taxas de performance: R$0,2 milhões )

- Lucro líquido: R$6,6 milhões no 3T11-83% x2T11  e R$101,2 milhões no ano.



·  VISÃO ESTRATÉGICA

- Foco em valor intrínseco

       Buscamos oportunidades com potencial significativo de valorização no longo prazo, cujo valor de mercado esteja substancialmente inferior ao valor intrínseco justo do investimento.

- Concentração de portfólio

       Acreditamos em concentração, o que contribui para que cada companhia investida tenha um impacto relevante no portfólio e nos permite obter conhecimento mais aprofundado sobre tais companhias.

- Abordagem de contramão

       Buscamos oportunidades de investimento pouco óbvias, normalmente subestimadas ou ignoradas, formando uma visão independente do consenso de mercado.

- Alta convicção 

       Buscamos adotar um processo de investimento disciplinado, o que nos permite atingir um elevado grau de convicção com relação a nossas decisões de investimento.

- Perspectiva de longo prazo

       Acreditamos que uma perspectiva de longo prazo seja essencial para maximizar o ganho potencial de cada investimento que realizamos.

- Geração de valor

      Freqüentemente, procuramos implementar uma agenda positiva de geração de valor junto às companhias em que investimos.    

·  CURIOSIDADES
-       
·  OPINIÃO DO ANALISTA
-  Excelente empresa, bons dividendos e tem a vantagem de ganhar muito quando o mercado de renda variável vai bem e ganhar menos quando vai mal; uma ação de empresa de investimentos, traz ao acionista o outro lado da moeda quando o assunto é investimentos. O trimestre foi ruim para o mercado e por consequência para a empresa, com um 4o Trimestre melhor o natal deve ser mais animador. Por hora como cotista agradeço o troquinho de final de ano :)

63256 - paulo_prof - 07/Fev/2011 17:46
Para quem possa interessar, desde a manhã de hoje estão disponíveis os resultados da Tarpon (TRPN3).

Como já esperado/antecipado, os resultados de 2010 vieram ótimos. Já os resultados do 4T10 vieram sofríveis.

Eu obtive os resultados do 4T10 subtraindo dos resultados para o exercício de 2010, a soma dos resultados dos 3 trimestres anteriores. Não li os comentários nem as notas explicativas para verificar se houve alguma mudança nas regras de contabilidade usadas. A minha impressão é que não houve mudança na forma de contabilizar os resultados. Se isto for um fato, os resultados do 4T10 vieram reamente ruins.

Para um lucro anual de R$ 139 milhões, o lucro do 4T19 contribuiu somente R$ 8 milhões. Da receita bruta total de R$ 217 milhões, somente pouco mais de 10% foram conseguidos no 4T10 (R$ 24 milhões).

Os multiplicadores baseados nos resultados de 2010 são bastante respeitáveis:

PREÇO: R$ 18,34
P/L 5,44
P/VPA 42,01
PSR 3,67
DY 18,40%
EV/EBTIDA 4,54
MARGEM OPERACIONAL 80,6%
MARGEM LÍQUIDA 67,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 3,374
MARGEM EBITDA 76,0%
ROE 772,76%

Já, anualizados com base no 4T10, são pífios:

P/L 22,32
P/VPA 42,01
PSR 8,16
DY 4,48%
EV/EBTIDA 24,24
MARGEM OPERACIONAL 57,3%
MARGEM LÍQUIDA 36,6%
LUCRO POR AÇÃO R$ 0,810
MARGEM EBITDA 31,6%
ROE 188,17%



Não verifiquei se a composição da carteira dos fundos administrados pela Tarpon variou sensivelmente. De qualquer forma, muitos dos ativos que compunham a carteira destes fundos até recentemente estão entre os que mais desvalorizaram este ano. Em conseqüência, ao que tudo indica o 1T10 também poderá vir pífio.

28187 - paulo_prof - 12/Fev/2010 17:37
citação: chee bunProf Paulo,em seu comentário no post 28160 de 28180 p/ nosso colega Notuen,o sr. fala da Tarpon investimentos deles terem sede nas bermudas etc....Por coincidência ela é detentora de 29% da cremer,devo ter algum receio?ou é mera coincidência?
No ano passado, as atividades de investidor nos mercados aberto e de private equity no Brasil, e de administrador de fundos de investimento, foram separadas em duas empresas:
Tarpon Investimentos S.A. - TISA (TRPN3): o braço prestador de serviço, que recebe comissões fixas e de performance para administrar os fundos Tarpon;
Tarpon Investment Group - TIG (TARP11): o braço investidor, que investe em ações no mercado aberto (através dos Fundos Tarpon) e de private equity no Brasil.


Todos os fundos da Tarpon tem a mesma constituição, tanto no que tange os ativos, quanto as suas respectivas participações. Quem tem 29% da Cremer não é a TISA, nem a TIG. Quem tem a participação na Cremer são os fundos geridos pela TISA, nos quais, a TIG é, além de outros, investidor.



28167 - WK2007 - 12/Fev/2010 13:15
TRPN e TARP sao empresas com o mesmo grupo controlador. A TARP investe capital proprietario, e a TRPN e gestora de recursos, inclusive da TARP, ou seja, a TARP investe em fundos sob a gestao da TRPN. 

28160 - paulo_prof - 12/Fev/2010 11:52
Os caras da Infomoney estão no desvio ... A Tarpon Investimentos é a TRPN3, uma empresa brasileira que gere ativos. O que eu ainda tenho um pouco é a TARP11 - TIG HOLDING, uma empresa das Bermudas que investe em ativos no Brasil. Vou cair fora porque o ativo não distribui proventos e porque o mercado definitivamente o está descontando exageradamente. Considerando o último preço que o ativo foi negociado, R$ 11,70, P/VPA = 0,71. Note que o Patrimônio Líquido, aqui, é praticamente a soma de suas disponibilidades e o valor de mercado de sua carteira de ações. Não há passivo e as despesas são pequenas. Acho 0,71 ridiculamente baixo.

28155 - NotwenCardozo - 12/Fev/2010 10:41
Tá feliz, PP?

Lucro líquido da Tarpon Investimentos totaliza R$ 16 milhões ao final de 2009

Por: Equipe InfoMoney

12/02/10 - 10h28

InfoMoney

SÃO PAULO - A Tarpon Investimentos (TARP11) divulgou seus resultados consolidados do acumulado de 2009, reportando um lucro líquido de R$ 16 milhões no período. Cabe lembrar que o montante reverte o prejuízo de R$ 7,524 milhões postado ao final de 2008.

No mesmo sentido, as receitas operacionais líquidas da companhia somaram o montante de R$ 40,55 milhões no ano passado, o que representa uma alta acentuada frente aos R$ 6,037 milhões acumulados em 2008.

Ativos

Em 2009, os ativos sob gestão da Tarpon somaram cerca de R$ 4 bilhões, configurando alta de 55% quando comparado ao acumulado em 2008 e avanço de 17% em relação ao terceiro trimestre de 2009.

A companhia destacou que a melhora econômica do País influenciou em seus fundos. "Seguindo a tendência do trimestre anterior de melhora no nível de confiança de investidores, consumidores, governo e companhias, a espiral positiva observada na economia brasileira influenciou positivamente a performance dos Fundos Tarpon", declarou.

Ao final do ano passado, a estratégia Long-Only apresentou performance média ponderada líquida de 76% em real, enquanto a estratégia Hybrid-Equity obteve performance líquida de 128% em dólar, segundo a companhia. Cabe lembrar que no mesmo período, os índices Ibovespa e IBX apresentaram retornos de 83%e 72% (ambos denominados em real), respectivamente. 

26602 - paulo_prof - 25/Jan/2010 14:39
Saiu o que acho ser o primeiro resultado de 2009: Tig Holdings (TARP11)

Aos não iniciados no ativo, trata-se de empresa que realiza investimentos em papéis brasileiros. De acordo com o Relatório (

http://www.tig.bm/files/site/75829_TIG%20Holding%20-%20dfs%2031%2012%2009_08_FI NAL.pdf ), em 30DEZ2009, o Valor Líquido dos Ativos (NAV) era de R$ 609,8 milhões:

Disponibilidades: R$ 113,3 milhões (18,6%)

Portfólio da Bovespa: R$ 372,8 milhões (61,1%)

Portfólio de Private Equity: R$ 123,6 milhões (20,3%)

NAV/ação = R$ 16,11

Preço no fechamento de 6a. feira = R$ 12,20 (75,7%)

Os principais ativos no Portfólio Bovespa são: PRGA3, PCAR5, MARI3, HGTX3, CLSC6, DAYC4, CGAS5, DASA3, PSSA3, CREM3, ALPA4, AGRO3, CTNM4, SGPS3 e IVTT3

Os principais ativos de Private Equity são Direcional Enga., Arezzo, Brenco, Omega e Brasil Agro.

No 4T09, a rentabilidade sobre o patrimônio líquido foi de 9,24%, para uma valorização do Ibovespa de 11,5%. No ano, a rentabilidade foi de 44%, para uma valorização do Ibovespa de 82,7%. 

23899 - paulo_prof - 16/Dez/2009 16:05
Tenho uma pequena posição em TARP11. Investi um pequeno valor muito mais para, como acionista, ter "moral" para receber informações do RI. O RI me atendeu muito bem, seja por telefone, seja por email, afirmando que qualquer acionista, pequeno ou grande, tem o mesmo tratamento.

Bom. A Tig Holding Ltd é uma empresa estrangeira que desde o início do ano foi separada da Tarpon Investimentos S/A (TRPN3). Em princípio, hoje a TARP é uma empresa que efetua investimentos em ativos no Brasil. A TRPN é uma empresa prestadora de serviços, que administra investimentos de terceiros, inclusive da TARP. Por ser uma empresa de investimentos em ativos negociados em bolsa, private equity e LTNs, não paga proventos. Os valores são reinvestidos e o crescimento é refletido na variação do patrimônio líquido.

Na tabela abaixo estão informados os patrimônios líquidos após a cisão (TARP/TRPN), a cotação de TARP11 e a razão P/VPA

data cotação Pat.Liq. P/VPA
30/03/2009 ... R$ 10,90 ... 412.353 ... 0,98
30/06/2009 ... R$. 9,39 ... 484.709 ... 0,72
30/09/2009 ... R$ 12,00 ... 558.158 ... 0,80
15/12/2009 ... R$ 11,41 ... 595.000* .. 0,71

* estimado em função da valorização da parte dos ativos negociados em bolsa (não está incluído eventual valorização do private equity, nem da parcela em renda fixa).

No exercício de 2009, o P/L aproximado é de 2,28.

Bom, a Tig tem investimentos em BRFS3, MARI3, HGTX3, CGAS3/5, CLSC6, PCAR5, DAYC4, CREM3 e outras na Bovespa (via cotas em fundos de investimento) e Arezzo, Brasilagro, Brenco (energia/álcool), Direcional Enga. e Omega (energia) em private equity.

De uma maneira geral (a menos talvez no que se refere a private equity), não é interessante investir numa empresa que investe em cotas de fundos de investimentos em ações negociadas em bolsa. Seria mais negócio investir direto, uma vez que os fundos cobram uma taxa de serviço (acho que é de 1,5%), mais uma taxa de performance e a empresa, embora reduzidos, evidentemente tem custos (no caso da TIG giram em torno dos R$ 7 milhões anuais).

A questão é o P/VPA projetado conservativamente em 0,71. Não estaria este valor baixo demais indicando, portanto, uma boa oportunidade de investimento?

Notem, a TIG não é uma holding com interesses em outras empresas. Os seu ativos são papéis que têm um valor de mercado líquido e certo. Como a empresa, após a cisão, não mais distribuirá proventos, quero crer que o seu P/VPA tenha que ser, de fato, menor do que 1. O quanto, não sei. 10%? talvez; 30% acho super exagerado.

O que vcs acham? 

Nenhum comentário: