Veja os melhores Comentários do Forum do Small Caps
Escolha abaixo as ações que deseja consultar

quarta-feira, 27 de março de 2019

Mangels INDL (MGEL)



Subsetor
Segmento

Recomendações

Carteiras
FoxHoundBR (out/17)
Balanços
A2018/4T2018 -
Paulo Prof - 
Os resultados da MGEL mostram evolução, mas ainda tem chão para que a empresa consiga postar uma última linha positiva.
No 4T18 isto ocorreu, mas somente devido à correção cambial positiva (+R$ 8,8 milhões). Não fosse a correção cambial, o resultado líquido teria sido negativo em aprox. R$ 1,5 milhões.
O Ebitda, mais uma vez, foi positivo.
No exercício, o Ebitda totalizou R$ 52,9 milhões. Desconsiderada a variação cambial, o Resultado Financeiro Líquido foi negativo em R$ 35 milhões e a despesa de IR/CS, R$ 2,1 milhões. O Capex, foi de R$ 28,5 milhões.

Em consequência, o Ebitda gerado não foi suficiente para cobrir as despesas financdeiras + IR/CS + capex. O deficit de aprox. R$ 12,7 milhões teve que ser financiado. Não foi informado qual é o capex de manutenção e qual é o capex visando crescimento da empresa.
De qualquer forma, os resultados do exercício mostram uma melhora nítida relativa ao exercício anterior.

1T2018 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). LUCRO BRUTO = O lucro bruto consolidado alcançou R$ 17 milhões no 1º trimestre de 2018, representando um aumento de 42% comparado com os R$ 12 milhões do mesmo período do ano anterior.Com esses valores temos a margem bruta de 14,7%, contra os 10,4% do mesmo período de 2017. Este desempenho foi possível graças às ações de reestruturação da fábrica que resultaram na redução dos gastos gerais de fabricação e melhora na eficiência produtiva. despesas com vendas, gerais e administrativas = As despesas com vendas, gerais e administrativas somaram R$ 9,1 milhões no 1°trimestre de 2018 e R$ 10,1 milhões no mesmo período do ano anterior, resultando assim uma redução no valor de R$1 milhão, equivalente a 10%, fruto da mudança de cultura implementada na Companhia.; EBITDA = O EBITDAdo 1º trimestre de 2018aponta um excelente desempenho alcançando R$ 12,9milhões, visto que no mesmo período no ano anterior tivemos R$ 8,7 milhões,isso significa um representativo aumento de 48%.

3T2017 -
marcosvinicius2  -
PAPEL SOBREVALORIZADO (*). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E MELHOROU (TAMBEM) NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 26 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (55,3191%). LUCRO BRUTO CONSOLIDADO ALCANÇOU R$ 14,9 MILHÕES NO 3º TRIMESTRE DE 2017, REPRESENTANDO UM AUMENTO DE 43% COMPARADO COM OS R$ 10,4 DO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR. ENQUANTO QUE NO ACUMULADO ATÉ SETEMBRO DE 2017 CHEGOU-SE AOS R$ 40,9 MILHÕES E AUMENTO DE 9% EM COMPARAÇÃO COM OS R$ 37,4 DO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR. COM ESSES VALORES TEMOS A MARGEM BRUTA DE 11,8%, MAIOR QUE OS 11% DO MESMO PERÍODO DE 2016.

3T2016 -
marcosvinicius2  -
As vendas brutas consolidadas da Companhia no 3º trimestre de 2016 tiveram um aumento de 2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. No entanto, as vendas brutas acumuladas até setembro de 2016 ficaram somente 0,25% abaixo do valor do mesmo período do ano anterior, apesar da forte contração dos principais segmentos onde a Mangels atua, conforme citado anteriormente no cenário econômico. 
As vendas líquidas consolidadas de R$ 103,8 milhões no 3º trimestre de 2016 se mantiveram no mesmo patamar R$ 103,6 milhões quando comparadas ao mesmo período de 2015. O crescimento de 1% no valor acumulado até setembro de 2016 comparado ao mesmo período do ano passado se deu, principalmente, ao crescimento de 115% das exportações, preponderantemente no mercado de Rodas.
O lucro bruto consolidado alcançou R$ 10,4 milhões no 3º trimestre de 2016, o que contribuiu para um valor expressivo de R$ 37,4 milhões no valor acumulado até setembro de 2016, com 30% de aumento em relação ao mesmo período de 2015, apesar de um faturamento líquido apenas 1% superior ao do ano anterior. Este desempenho foi possível graças às ações de reestruturação da fábrica que resultaram na redução dos gastos gerais de fabricação. 
As despesas com vendas, gerais e administrativas somaram R$ 10,2 milhões no 3º trimestre de 2016 e R$ 31,0 milhões no período acumulado até setembro do mesmo ano, versus R$ 11,5 milhões e R$ 34,3 milhões, respectivamente, no mesmo período do ano de 2015, resultando assim em redução no valor acumulado do ano em R$ 3,3 milhões, equivalente a 10%.
O EBITDA acumulado até setembro de 2016 foi de R$ 23,9 milhões, versus R$ 10,3 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior, refletindo um aumento significativo de R$ 13,6 milhões, ou seja, 132% superior ao resultado do ano anterior. 
O Resultado Financeiro positivo de R$ 13,1 milhões acumulado até setembro de 2016 foi significativo, frente ao alto valor negativo de R$ 133,4 milhões verificado no mesmo período do ano anterior. Esta melhoria se deu principalmente pela valorização do Real frente ao Dólar, o que provocou uma diminuição do valor da dívida, devido aos financiamentos em dólar. Este fator provocou, portanto, o reconhecimento de R$ 48,2 milhões de receita de variação cambial, frente à despesa de R$ 101,2 milhões no ano anterior. Estes valores não afetam o caixa da Companhia no curto prazo, pois praticamente toda a dívida da companhia é de longo prazo.

2T2012 - 
Small Caps - 
não gostou

3T2009 -
Small Caps - 
considerou excelente.
Características
Produção de relaminados. trefilados e perfilados de aço exceto arames.
Links
350661 - marcosvinicius2  -  02 Jun 2018, 13:45
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO ( * ). LUCRO BRUTO = O lucro bruto consolidado alcançou R$ 17 milhões no 1º trimestre de 2018, representando um aumento de 42% comparado com os R$ 12 milhões do mesmo período do ano anterior.Com esses valores temos a margem bruta de 14,7%, contra os 10,4% do mesmo período de 2017. Este desempenho foi possível graças às ações de reestruturação da fábrica que resultaram na redução dos gastos gerais de fabricação e melhora na eficiência produtiva. despesas com vendas, gerais e administrativas = As despesas com vendas, gerais e administrativas somaram R$ 9,1 milhões no 1°trimestre de 2018 e R$ 10,1 milhões no mesmo período do ano anterior, resultando assim uma redução no valor de R$1 milhão, equivalente a 10%, fruto da mudança de cultura implementada na Companhia.; EBITDA = O EBITDAdo 1º trimestre de 2018aponta um excelente desempenho alcançando R$ 12,9milhões, visto que no mesmo período no ano anterior tivemos R$ 8,7 milhões,isso significa um representativo aumento de 48%.:

MGEL4
PREÇO: 3,45
PAYOUT (2017): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -2,28
P/VPA -0,06
PSR 0,04
DY 0,00%
EV/EBITDA 19,27
MARGEM BRUTA 13,90%
MARGEM OPERACIONAL -7,51%
MARGEM LÍQUIDA -1,96%
LUCRO POR AÇÃO -1,515
MARGEM EBITDA 6,85%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -191,91%
ROE 2,75%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,36

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 6,23%
RESULTADO BRUTO 40,40%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 144,86%
RESULTADO OPERACIONAL 111,27%
RESULTADO LÍQUIDO 50,27%
EBITDA 28,98%

b) 1T18 sobre 1T17, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 0,15%
RESULTADO BRUTO 40,87%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO 95,32%
RESULTADO OPERACIONAL -24,68%
RESULTADO LÍQUIDO 18,33%
EBITDA 43,33%

c) lucro (taxa média anual)
UA 50,27%
U2A -37,77%
U3A -37,74%

d) patrimônio líquido médio
UA 10,95%
U2A 7,65%
U3A 24,99%

Preço justo fornecido pela fórmula do FCD para uma taxa média de crescimento real nulo do lucro líquido dos últimos 12 meses durante 5 anos, perpetuidade real nula e taxa de desconto real de 8%: R$ ND
Ou, taxa de crescimento real do lucro líquido dos últimos 12 meses necessária, durante os próximos 5 anos, para que o preço justo fornecido pela fórmula do FCD seja igual ao preço corrente (com uma perpetuidade real nula e taxa de desconto anual real de 8%): ND !!!!
[...]

344456 - marcosvinicius2  -  28 Nov 2017, 13:05
COMENTÁRIO: PAPEL SOBREVALORIZADO (*). RESULTADO LIQUIDO DO 3T17 MELHOROU EM RELAÇÃO AO 2T17 E MELHOROU (TAMBEM) NA COMPARAÇÃO COM O 3T16. DOS ULTIMOS 47 TRIMESTRES, 26 APRESENTARAM LUCRO LIQUIDO NEGATIVO (55,3191%). LUCRO BRUTO CONSOLIDADO ALCANÇOU R$ 14,9 MILHÕES NO 3º TRIMESTRE DE 2017, REPRESENTANDO UM AUMENTO DE 43% COMPARADO COM OS R$ 10,4 DO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR. ENQUANTO QUE NO ACUMULADO ATÉ SETEMBRO DE 2017 CHEGOU-SE AOS R$ 40,9 MILHÕES E AUMENTO DE 9% EM COMPARAÇÃO COM OS R$ 37,4 DO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR. COM ESSES VALORES TEMOS A MARGEM BRUTA DE 11,8%, MAIOR QUE OS 11% DO MESMO PERÍODO DE 2016.:

MGEL4
PREÇO: 4,25
PAYOUT (2016): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L -2,46
P/VPA -0,08
PSR 0,06
DY 0,00%
EV/EBITDA 18,20
MARGEM BRUTA 11,21%
MARGEM OPERACIONAL -6,32%
MARGEM LÍQUIDA -2,30%
LUCRO POR AÇÃO -1,730
MARGEM EBITDA 7,15%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -296,15%
ROE 3,30%
LIQUIDEZ CORRENTE 2,12

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses sobre 12 terminados no 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 0,90%
RESULTADO BRUTO 14,70%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -538,47%
RESULTADO OPERACIONAL -245,64%
RESULTADO LÍQUIDO -254,13%
EBITDA 6,55%

b) 3T17 sobre 3T16, nominal
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 8,52%
RESULTADO BRUTO 40,95%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -103,23%
RESULTADO OPERACIONAL -165,64%
RESULTADO LÍQUIDO -187,30%
EBITDA 109,59%

c) lucro (taxa média anual)
UA -254,13%
U2A -55,59%
U3A -31,36%

d) patrimônio líquido médio
UA 7,74%
U2A 17,38%
U3A 34,43%

RESULTADO FINANCEIRO = O Resultado Financeiro negativo de R$ 25,1 milhões acumulado até setembro de 2017 foi inverso, frente ao valor positivo de R$ 13,1 milhões verificado no mesmo período do ano anterior, efeito da variação cambial. Este comportamento, se deu principalmente pela flutuação da valorização do Real frente ao Dólar, o que provocou oscilações no valor da dívida, devido aos financiamentos em dólar. Este fator provocou o reconhecimento de R$ 6,8 milhões de receita de variação cambial no acumulado até setembro de 2017, frente à R$ 48,2 milhões de receita no mesmo período do ano de 2016.;

EBITDA = O EBITDAdo 3º trimestre de 2017 aponta um excelente desempenho alcançando R$ 13,5 milhões, visto que no mesmo período no ano anterior tivemos R$ 6,3 milhões. No acumulado até setembro de 2017 chegou-se aos R$ 31,0 milhões, versus os R$ 23,9 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior, isso significa um representativo aumento de 30%.;

MGEL4_rl_lucro.png

( * ) É PRECISO VERIFICAR NO RELATÓRIO DA ADM. A EXISTÊNCIA DE RESULTADO NÃO RECORRENTE:
( ** ) EMPRESAS DO SETOR FINANC onde houve necessidade de digitar os valores de REC INT FINANC (a pesquisa avançada não importou esses valores ) = BAZA3, BBDC3, BBDC4, BEES3, BEES4, BIGP3, BGIP4, BMEB3, BMEB4, BMIN3, BMIN4, BNBR3, BPAN4, BRIV3, BRIV4, BRSR3, BRSR5, BRSR6, BSLI4, CRIV3, CRIV4, IDVL3 IDVL4 ITUB3, ITUB4, PINE4, PRBC4, SANB11, SANB3, SANB4 E SFSA4;
( *** ) A VMCM = 5,56000000 foi calculada utilizando-se uma amostragem de 327 empresas com PL > 0 (Desta vez não foi utilizado o critério de LIQUIDEZ MÍNIMA). Na tentativa de um valor abaixo do indicado, a VMCM apresentou um valor < 5, o que indicaria um mercado subprecificado: forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?f=6&t=10754&start=620#p2082722
( **** ) Foram EXCLUÍDAS da amostragem inicial as empresas = DAGB33, MERC4, BRAP4, BRAP3, ECPR4, JBDU3, LFFE4, LFFE3, SBSP3, BAHI3, BMTO4, BMTO3 E LIPR3;

334935  - marcosvinicius2  -  03 Mar 2017, 13:39
EDIT.: Houve modificação significativa na quantidade de ações no período 4T07 X 1T08, 1T08 X 2T08 E 1T16 X 2T16 (desdobramento ou emissões?) e Resultado Não Operacional (Não Encontrado).
As vendas brutas consolidadas da Companhia no 3º trimestre de 2016 tiveram um aumento de 2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. No entanto, as vendas brutas acumuladas até setembro de 2016 ficaram somente 0,25% abaixo do valor do mesmo período do ano anterior, apesar da forte contração dos principais segmentos onde a Mangels atua, conforme citado anteriormente no cenário econômico.
As vendas líquidas consolidadas de R$ 103,8 milhões no 3º trimestre de 2016 se mantiveram no mesmo patamar R$ 103,6 milhões quando comparadas ao mesmo período de 2015. O crescimento de 1% no valor acumulado até setembro de 2016 comparado ao mesmo período do ano passado se deu, principalmente, ao crescimento de 115% das exportações, preponderantemente no mercado de Rodas.

MGEL4
PREÇO: 3,42
PAYOUT (2015): 0,00%

Múltiplos baseados nos últimos 12 meses

P/L 3,05
P/VPA -0,07
PSR 0,05
DY 0,00%
EV/EBITDA 19,37
MARGEM BRUTA 9,86%
MARGEM OPERACIONAL 4,38%
MARGEM LÍQUIDA 1,51%
LUCRO POR AÇÃO 1,122
MARGEM EBITDA 6,77%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO -214,11%
ROE -2,36%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,41

Taxas de Crescimento Nominal

a) últimos 12 meses vs 12 meses terminados no 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -2,37%
RESULTADO BRUTO 6,91%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -107,04%
RESULTADO OPERACIONAL -113,39%
RESULTADO LÍQUIDO -112,80%
EBITDA 666,31%

b) 3T16 vs 3T15
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 0,19%
RESULTADO BRUTO -3,10%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO -81,35%
RESULTADO OPERACIONAL -83,58%
RESULTADO LÍQUIDO -87,94%
EBITDA 9,08%

c) lucro (taxa média anual)
UA -112,80%
U2A ND
U3A -143,79%

d) patrimônio líquido médio
UA 27,88%
U2A 50,17%
U3A 261,97%

O lucro bruto consolidado alcançou R$ 10,4 milhões no 3º trimestre de 2016, o que contribuiu para um valor expressivo de R$ 37,4 milhões no valor acumulado até setembro de 2016, com 30% de aumento em relação ao mesmo período de 2015, apesar de um faturamento líquido apenas 1% superior ao do ano anterior. Este desempenho foi possível graças às ações de reestruturação da fábrica que resultaram na redução dos gastos gerais de fabricação.

As despesas com vendas, gerais e administrativas somaram R$ 10,2 milhões no 3º trimestre de 2016 e R$ 31,0 milhões no período acumulado até setembro do mesmo ano, versus R$ 11,5 milhões e R$ 34,3 milhões, respectivamente, no mesmo período do ano de 2015, resultando assim em redução no valor acumulado do ano em R$ 3,3 milhões, equivalente a 10%.

96751c91a7.png

9676bb3d3d.png

O EBITDA acumulado até setembro de 2016 foi de R$ 23,9 milhões, versus R$ 10,3 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior, refletindo um aumento significativo de R$ 13,6 milhões, ou seja, 132% superior ao resultado do ano anterior.

O Resultado Financeiro positivo de R$ 13,1 milhões acumulado até setembro de 2016 foi significativo, frente ao alto valor negativo de R$ 133,4 milhões verificado no mesmo período do ano anterior. Esta melhoria se deu principalmente pela valorização do Real frente ao Dólar, o que provocou uma diminuição do valor da dívida, devido aos financiamentos em dólar. Este fator provocou, portanto, o reconhecimento de R$ 48,2 milhões de receita de variação cambial, frente à despesa de R$ 101,2 milhões no ano anterior. Estes valores não afetam o caixa da Companhia no curto prazo, pois praticamente toda a dívida da companhia é de longo prazo.

326046  - rafael234   -  16 Ago 2016, 16:39
O papel já reagiu após a divulgação do resultado do 1 semestre!!!

Saiu o resultado de uma antiga vedete que já figurou na carteira de muitos aqui. Estou falando da mangels. A companhia está em recuperação judicial, mas vem cumprindo o plano rigorosamente e melhorando os seus resulatdos. Forte cheiro de trunaround!!! Seguem os dados.


As vendas líquidas consolidadas de R$ 113,2 milhões no 2º trimestre de 2016 tiveram redução de 5%, quando comparadas ao mesmo período de 2015. O crescimento de 1% no 1º semestre de 2016 comparado ao mesmo período do ano passado se deu, principalmente, ao crescimento de 126% das exportações, preponderantemente no mercado de Rodas.

Reparem no aumento das exportações!!!
O lucro bruto consolidado alcançou R$ 13,9 milhões no 2º trimestre de 2016, o que contribuiu para um valor expressivo de R$ 27,0 milhões no 1º semestre de 2016, com 51% de aumento em relação ao mesmo período de 2015, apesar de um faturamento líquido menor do que o do ano anterior, e graças às ações de reestruturação da fábrica que resultaram na redução dos gastos gerais de fabricação.

Lucro Bruto AUMENTOU 51%, isso é muito bom, sobretudo nesse cenário nebuloso pelo qual passa o nosso País.
Como consequência, a Companhia teve um resultado operacional de R$ 3,7 milhões no 2º trimestre de 2016 e R$ 8,1 acumulados no 1º Semestre de 2016, em forte contraste ao prejuízo de R$ 5,4 milhões no 1º semestre de 2015.
O EBITDA do 1º semestre de 2016 foi de R$ 17,6 milhões, versus R$ 3,8 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior, refletindo um aumento significativo de R$ 13,8 milhões, ou seja, quase quadruplicou o resultado do ano anterior.

325993  - rafael234   -  15 Ago 2016, 14:35
As vendas líquidas consolidadas de R$ 113,2 milhões no 2º trimestre de 2016 tiveram redução de 5%, quando comparadas ao mesmo período de 2015. O crescimento de 1% no 1º semestre de 2016 comparado ao mesmo período do ano passado se deu, principalmente, ao crescimento de 126% das exportações, preponderantemente no mercado de Rodas.

Reparem no aumento das exportações!!!
O lucro bruto consolidado alcançou R$ 13,9 milhões no 2º trimestre de 2016, o que contribuiu para um valor expressivo de R$ 27,0 milhões no 1º semestre de 2016, com 51% de aumento em relação ao mesmo período de 2015, apesar de um faturamento líquido menor do que o do ano anterior, e graças às ações de reestruturação da fábrica queresultaram na redução dos gastos gerais de fabricação.

Lucro Bruto AUMENTOU 51%, isso é muito bom, sobretudo nesse cenário nebuloso pelo qual passa o nosso País.
Como consequência, a Companhia teve um resultado operacional de R$ 3,7 milhões no 2º trimestre de 2016 e R$ 8,1 acumulados no 1º Semestre de 2016, em forte contraste ao prejuízo de R$ 5,4 milhões no 1º semestre de 2015.
O EBITDA do 1º semestre de 2016 foi de R$ 17,6 milhões, versus R$ 3,8 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior, refletindo um aumento significativo de R$ 13,8 milhões, ou seja, quase quadruplicou o resultado do ano anterior.

325992  - rafael234   -  15 Ago 2016, 14:32
Hoje saiu o resultado de uma antiga vedete que já figurou na carteira de muitos aqui. Estou falando da mangels. A companhia está em recuperação judicial, mas vem cumprindo o plano rigorosamente e melhorando os seus resulatdos. Forte cheiro de trunaround!!! Seguem os dados.

174448 - paulo_prof -  21 Mar 2013, 14:40
Acho que realmente não há uma linha divisória ... Se o "negócio" de uma empresa é viável em princípio, desde que bem administrado, sempre haverá um modo de reverter situações adversas críticas.

No caso da Mangels, a situação está deveras muito crítica. O custo da dívida líquida, que é de R$ 275 milhões, é excessivo (em 2012 o resultado financeiro foi negativo em R$ 57 milhões) considerada a geração de caixa (quando as coisas vão bem, a geração anual de caixa não ultrapassa os R$ 40 milhões).

Parte considerável do prejuízo de 2012 foi devida ao encerramento das operações em São Bernardo, praticamente terminando com a sua atuação no segmento aços (têmpera, relaminação, centro de serviços, estamparia para a indústria), mantendo somente as atividades para a indústria de motos em Manaus. De fato, dos 3 ramos de negócio da Mangels, Rodas, Cilindros e Ações, as margens do negócio Aço eram ridículas.

Mas só o alinhamento dos negócios da empresa com o estado da economia não é suficiente. Seria necessário, também, uma ampla renegociação das dívidas, visando o alongamento dos prazos e diminuição dos custos. Se possível, seria interessante, também, transformar parte da dívida em capital.

Se eu fosse o credor, entretanto, para aportar capital, alongar prazos e/ou diminuir os juros, exigiria uma completa mudança na Diretoria e Conselho da empresa. Já ficou comprovado que a família Mangels não tem competência para gerir a empresa. Portanto, quanto antes largarem o osso, melhor será para a empresa.

Ocorre que entre remuneração e outros benefícios (ou será que alguém tem alguma dúvida que a empresa paga pela maior parte dos custos pessoais dos membros da família?) calculo que o tamanho da "mamada" anual é superior a R$ 10 milhões. Difícil largar o osso nestas condições.

Na minha expectativa, antes de melhorar ainda deverá piorar ... Os próximos 2 trimestres ainda deverão ser de prejuízos ... e, em conseqüência, é provável que durante este ano o patrimônio líquido da empresa vá ficar negativo.

172510 - small caps -  13 Mar 2013, 14:00
Já, quando a situação está PRETA, o fato anunciado é assim:

"A Mangels Industrial S.A. (“Companhia”), em atendimento ao disposto no art. 2º, parágrafo único, inc. XI, da Instrução CVM nº 358/02, comunica a seus acionistas e ao mercado que, o Conselho de Administração, dando continuidade às ações de melhoria em seus resultados, em reunião realizada em 25/02/2013, aprovou a renegociação da dívida a vencer da Companhia perante os bancos credores, autorizando a Diretoria da companhia, bem como os procuradores por ela nomeados, a praticar todo e qualquer ato necessário a renegociação da dívida."

171317 - renato1631 -  08 Mar 2013, 14:29
Para o Samu e aprendiz quebrado
(08/03) MANGELS INDL (MGEL-N1) - Fato Relevante - Renegociacao da divida a
vencer
DRI: John Sam Koutras

A empresa enviou o seguinte fato relevante:

A Mangels Industrial S.A. ("Companhia"), em atendimento ao disposto no art. 2 , paragrafo unico, inc. XI, da Instrucao CVM n 358/02, comunica a seus acionistas e ao mercado que, o Conselho de Administracao, dando continuidade as acoes de melhoria em seus resultados, em reuniao realizada em 25/02/2013, aprovou a renegociacao da divida a vencer da Companhia perante os bancos credores, autorizando a Diretoria da companhia, bem como os procuradores por ela nomeados, a praticar todo e qualquer ato necessario a renegociacao da divida.
Sao Paulo, 07 de marco de 2013.

59981 - RRunner -  11 Dez 2012, 14:12
Metalúrgica Mangels vai fechar fábrica em São Bernardo e demitir 380 funcionários

A metalúrgica Mangels informou nesta terça-feira (11) o encerramento das operações da unidade de São Bernardo do Campo (SP), para cortar custos e reduzir dívidas. Com a decisão, todos os 380 funcionários que trabalhavam no local serão demitidos.

A metalúrgica, que é fornecedora da indústria automotiva e que em setembro concluiu a venda de sua área de galvanização em Guarulhos (SP) para a norte-americana Armco Staco por R$ 15 milhões, informou que com o fechamento da unidade em São Bernardo vai descontinuar negócios de têmpera, relaminação e centro de serviços de aço. O segmento de estamparia da fábrica paulista será transferido para Três Corações (MG).

As operações de São Bernardo do Campo correspondiam a 25% a 30% das receitas totais da companhia, que somaram R$ 447,8 milhões nos primeiros nove meses do ano.

Os resultados do encerramento das operações em São Bernardo do Campo como redução de custos, de dívida e aumento de rentabilidade serão informados pela companhia na próxima divulgação dos resultados trimestrais.

Em comunicado, a Mangels disse que os ativos da unidade, móveis e imóveis, podem ser colocados à venda. A medida tem o objetivo de alienar os ativos e cortar custos, para reduzir a dívida e melhorar a rentabilidade no médio prazo, informou a empresa.

De acordo com dados da consultoria Economática, a Mangels encerrou o terceiro trimestre com uma dívida de curto prazo de R$ 264,7 milhões, contra apenas R$ 167,4 milhões em caixa.

"A medida visa à alienação de ativos e corte de custos, com o objetivo de reduzir a dívida da companhia e melhorar sua rentabilidade no médio prazo, possibilitando maior foco em negócios que considera estratégicos ou em que é líder de mercado", informou a Mangels em comunicado ao mercado. A empresa decidiu focar suas atenções em negócios envolvendo rodas e cilindros e aços.

Fundada em 1928, a Mangels tem cerca de 12 unidades em oito Estados do Brasil, com mais de 2 mil colaboradores. A empresa não informou o número de empregados na unidade de São Bernardo.

A companhia acumula de janeiro a setembro prejuízo de R$ 24,8 milhões, ante resultado negativo de R$ 4,7 no mesmo período de 2011.

Com Reuters e Valor
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1199458-metalurgica-mangels-vai-fechar-fabrica-em-sao-bernardo-e-demitir-380-funcionarios.shtml

159969 - PANICO2011  -  11 Dez 2012, 12:35
Pherrou!! Vai phalir!!
A dívida só aumenta!!
Mgel é outra com Dívida cada dia mais impagável!!

Mangels decide fechar unidade São Bernardo do Campo
Medida visa cortes de custos, com o objetivo de reduzir a dívida da companhia e melhorar sua rentabilidade no médio prazo
Por Mariana Mandrote |9h45 | 11-12-2012 a a a SÃO PAULO - A Mangels Industrial (MGEL4) informou nesta terça-feira (11) que seu conselho de administração resolveu encerrar as operações da unidade de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo.

De acordo com comunicado, as atividades de estamparia da fábrica serão transferidas para a unidade de Três Corações, em Minas Gerais. No entanto, as operações de têmpera, relaminação e centro de serviços de aço serão extintas.

Operações de serviços de aço serão extintas (Getty Images)
"A medida visa à alienação de ativos e cortes de custos, com o objetivo de reduzir a dívida da companhia e melhorar sua rentabilidade no médio prazo, possibilitando maior foco em negócios que considera estratégicos ou em que é líder de mercado", diz a companhia, em nota.

http://www.infomoney.com.br/mangelsinds/noticia/2633083/mangels-decide-fechar-unidade-sao-bernardo-campo

156907 - danieljoseaa - 14 Nov 2012, 10:46
MGEL4:

Resultado do 3º Trimestre de 2012

A empresa anunciou prejuízo líquido de R$ 2,4 M no 3° trimestre de 2012, ante perdas de R$ -23,2 M apurados no 2T12. No mesmo período do ano anterior, o resultado havia sido negativo em R$ 10,0 M. A receita líquida somou R$ 155,6 M no terceiro trimestre de 2012, decréscimo de 0,4% em relação ao segundo trimestre de 2012 e crescimento de 445,0% em relação ao 3T11.

A margem bruta atingiu 10,6% neste trimestre contra 8,1% no 2T12 e 15,6% no mesmo período do ano passado.

Os ativos totais atingiram o saldo de R$ 763,2 M, crescimento de 66,9% em relação ao saldo no mesmo trimestre do ano anterior. O patrimônio líquido atingiu a soma de R$ 169,1 M neste trimestre, valor -23,8% menor ao saldo no mesmo período do ano anterior.

144314 - small caps - 14 Ago 2012, 12:53
O balanço da Mangels é de chorar:
Conseguiram piorar em tudo:


131762 - paulo_prof - 15/Mai/2012 16:52
O Samu ainda reclama do preju que ele tomou na MGEL ... Mas não agradece finalmente ter sido convencido a largar o osso ... Nesta altura do campeonato, já deve estar se dando razoavelmente bem por ter caído fora e comprado algo mais interessante ...


MGEL4
PREÇO: R$ 3,90
PAYOUT: 0%

P/L -2,03
P/VPA 0,35
PSR 0,10
DY 0,00%
EV/EBITDA 11,39
MARGEM BRUTA 14,0%
MARGEM OPERACIONAL -6,9%
MARGEM LÍQUIDA -4,7%
LUCRO POR AÇÃO -R$ 1,922
MARGEM EBITDA 4,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 249,5%
ROE -17,13%
LIQUIDEZ CORRENTE 1,56

Taxas anuais médias nominais de crescimento
a) lucro líquido
UA -264,38%
U3A 85,74%

b) patrimônio líquido médio
UA -6,61%
U2A -4,89%
U3A -0,90%

Taxas nominais de crescimento relativas ao 1T11
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -7,60%
RESULTADO BRUTO +11,05%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +198%%
RESULTADO OPERACIONAL -49,77%
RESULTADO LÍQUIDO -48,12%
EBITDA +8,16%
PATRIMÔNIO LÍQUIDO -11,24%
ENDIVIDAMENTO LÍQUIDO +1,2%

Contador/Diretor Financeiro parecem ser primários ... não há sentido algum em separar o resultado líquido entre os controladores e o free float

122639 - small caps - 27/Mar/2012 10:59
citação: paulo_profVejo que a Mangels publicou o seu balanço no Valor de hoje.


Prejuízo de R$ 32,6 milhões, ante um lucro de R$ 21,5 milhões em 2010.

Embora tenha demorado um século para cair fora, o Samu ainda saiu em tempo de economizar mais alguns dissabores ...

Pelo menos agora perceberam que a VACA estava indo para BREJO:


"CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS
O cenário macroeconomico mundial, de crise na Europa, do desastre natural no Japão, da redução
de crédito no mercado interno que promoveu desaceleração no ritmo de crescimento da economia
brasileira, influenciaram negativamente os nossos resultados.
Assim, várias medidas foram tomadas no decorrer do ano de 2011 com o objetivo de melhorar nosso desempenho economico / financeiro, presente e futuro, tais como: (a) a contratação de um novo Diretor de Finanças e Administração em 2011, o Sr. John Sam Koutras; (b) eliminação de venda de produtos com rentabilidade baixa e de alta necessidade de capital de giro; (c) eliminação de 441 postos de trabalho entre julho e dezembro de 2011, com gastos de indenizações na ordem de R$10milhões; (d) redução / adequação da capacidade de produção; (e) aceleração de iniciativas de ganhos de eficiencia produtiva e (f) estudos de alternativas e busca de oportunidades para capitalização da Empresa.

Muitas dessas ações iniciadas em 2011 terão continuidade ao longo de 2012. Desta forma, no inicio do ano, a Mangels contratou um Diretor de Operações, o Sr. Ivan Sartori Filho, com o objetivo de conduzir seus negócios com foco na recuperação das suas margens operacionais e do almejado retorno ao crescimento.

No nível macroeconômico, apesar das economias desenvolvidas continuarem na busca de soluções para problemas estruturais, a Mangels acredita que as condições econômicas brasileiras 10 em 2012 serão similiares às de 2011. A expectativa é de que a economia brasileira cresça 4%, calçada nos investimentos de infraestrutura, tais como preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olimpicos no Rio de Janeiro em 2016, e por investimentos na infra-estrutura brasileira em geral.

Já o setor automotivo, importante setor de atuação da Empresa, tem projeções de alta no volume de vendas entre 4% e 5% em 2012, esperando assim que seja maior do que 2011, quando ficou na casa dos 3,3%. Este cenário está atrelado ao aumento do IPI para veículos importados conjugado com a diminuição das restrições ao crédito.

O ano de 2012 também é um ano importante para a instalação de algumas novas fábricas de automóveis no Brasil, portanto a expectativa para 2012 é de otimismo. A tendência é que o Brasil  volte a subir no ranking mundial de vendas de veículos. Em 2011 o país ocupou a quarta posição  no mercado global, atrás da China, Estados Unidos e Japão, desbancando a posição da Alemanha, que foi a quarta colocada em 2010.

Assim, a Empresa, inicia o ano de 2012 com sua equipe comprometida com o objetivo de obter melhores resultados, apostando na sua capacidade de operar em momentos de adversidades e de prosperidade, sempre objetivando criar valor para seus acionistas."


113715 - paulo_prof - 05/Fev/2012 15:26
O x da questão da MGEL4 no 4T11


Considerando que a Receita Líquida da MGEL no 4T11 deverá ficar no entorno dos R$ 190 milhões, as despesas operacionais deverão ser de aprox. R$ 20 milhões e o Resultado Financeiro negativo em aprox. R$ 7,5 milhões, o x da Demonstração de Resultados do 4T11 é a margem bruta que a empresa conseguirá.

No 1o. semestre, a margem bruta foi de horríveis 11,6%. No 3T11, foi de excepcionais 21,7%. Qual foi a taxa efetiva no 4T11?

Façam as suas apostas ...

Se as premissas acima estiverem mais ou menos corretas, para que a empresa não apresente prejuízo no 4T11 seria necessário que a margem bruta do 4T11 fosse no mínimo de 14,5%. Por outro lado, se a margem do 4T11 repetisse o valor do 3T11, o lucro antes dos impostos seria de aprox. R$ 13,7 milhões (o que normalmente geraria um lucro de R$ 9,2 milhões se a oportunidade não for aproveitada para o pagamento de tributos anteriormente diferidos).

No Relatório do 3T11 a empresa informa o seguinte:

O custo dos produtos vendidos no 3T11 totalizou R$ 147,2 milhões, o que representou 78,3% da receita líquida, enquanto no 3T10, o custo representou 81,6%, uma queda de 3.3 p.p. Esta redução foi devido a ajustes de custos e despesas frente as expectativas de demanda; ajuste no quadro de colaboradores em julho devido a nova realidade do mercado; aos trabalhos de ganho de produtividade em todo parque fabril; e também pela recuperação de PIS e COFINS sobre insumos utilizados na produção.

O que não encontrei e é essencial para uma estimativa balizada, é o quanto esta tal de recuperação de PIS/Cofins (que parece ser eventual) permitiu reduzir os custos ... Por outro lado, a margem bruta do 3T10, de 17,8%, havia sido bem maior do que os 11,2% obtidos no 2T10.

O meu chute para a margem bruta do 4T11 é 16,5% ... nestas condições, o lucro do 4T11 antes dos impostos seria de aprox. R$ 3,8 milhões ... a ver !!!


112914 - small caps - 01/Fev/2012 02:10
citação: polycrav
citação: paulo_prof
citação: samudutra
citação: paulo_profVc quer ferrar o Small, samu??? ... acho bom nem pensar ... rsss ...

Ferrar por que ??

A pessoa tem de estar feliz com o que trabalha...

Eu por exemplo, não vejo a hora de 2016 chegar (e eu ainda estar aqui nesta terra) pra me mandar pra outro lugar (deste mesmo planeta) !!!

Cacete ... o Small comprou MGEL4 ... se passar pela sua cabeça comprar também, já viu onde a compra do small vai parar, não é? .... rsss ...

Égua Samu!

Até o Prof tira onda! kkkk

hahahahah, pessoal não perdoa mesmo hein...

Agora, algo muito me chamou a atenção no último balanço da MGEL4...

Mesmo com a forte alta do dólar, a dívida líquida DIMINUIU. Há muito vejo isto como o maior problema a ser administrado pela companhia.

O segundo maior são as MARGENS que, finalmente, se recuperaram um pouco.

Por fim, o P/EBITDA atual, com as últimas margens, é menor que 2.

Lembrete importante: aprecie com moderação. Compre no máximo um pneu. hehehehe


102133 - paulo_prof - 12/Nov/2011 15:10
Acho que o Samu definitivamente merece as congratulações por finalmente ter-se divorciado deste horror ...


Além de manter um diretor financeiro que já deveria estar na rua há séculos, suspeito que o contador da empresatenha sido formado numa destas ecolas de fundo de quintal ...

a) até agora, o cara ainda não entendeu o significado da divisão do lucro no consolidado
3.11 ..... Lucro/Prejuízo Consolidado do Período
3.11.01 .. Atribuído a Sócios da Empresa Controladora
3.11.02 .. Atribuído a Sócios Não Controladores
A interpretação do cara é que o ítem 3.11.01 se refere aos sócios que controlam a MGEL e o ítem 3.11.02 aos demais acionistas ... quando a interpretação correta é, no ítem 3.11.01, a participação da EMPRESA controladora no consolidado e o 3.11.02 a participação de enventuais minoritários em empresas controladas pela MGEL (no caso, não há, pois a Mangels controla todas as suas subsidiárias com 100% de participação;

b) no press release o cara fala na métrica dívida/Ebitda, mas não fornece o valor do Ebitda ...

Definitivamente ... o cara não é do ramo e a julgar pelas apostas que são realizadas pelo diretor financeiro (e não é de hoje) difícil de entender porque ambos não estão ainda na rua ...

MGEL4

Resultados dos últimos 9 meses em relação a igual período de 2010:

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA -4,2%
RESULTADO BRUTO -13,7%
RESULTADO FINANCEIRO NEGATIVO +171%
RESULTADO OPERACIONAL R$ 31,6 milhões positivo em 2010; R$ 9,4 milhões negativos em 2011
RESULTADO LÍQUIDO R$ 20,8 milhões positivo em 2010; R$4,7 milhões negativos em 2011
EBITDA -23,4%

Crescimento do Patrimônio Líquido em 12 meses: -3,9%

Multiplicadores relativos aos últimos 12 meses

PREÇO: R$ 5,90
PAYOUT: 26,2%
P/L      -25,93
P/VPA            0,45
PSR     0,13
DY      -1,01%
EV/EBITDA  7,67
MARGEM BRUTA  15,1%
MARGEM OPERACIONAL          -1,0%
MARGEM LÍQUIDA          -0,5%
LUCRO POR AÇÃO           -R$ 0,227
MARGEM EBITDA 7,0%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO       232,3%
ROE    -1,74%
LIQUIDEZ CORRENTE     2,18

Taxas anuais médias nominais de crescimento:

b) do patrimônio líquido médio
UA      0,84%
U2A    -0,10%
U3A    0,95%

101930 - small caps - 11/Nov/2011 10:13
Como esperado, mais uma bomba cambial na Mangels:

http://www.bmfbovespa.com.br/cias-Listadas/Empresas-Listadas/ConsultaArquivo.as px?codigoCvm=8397&protocolo=310906&motivo=&idioma=pt-BR

Mas algo me chamou a atenção... é possível lucrar mais com menor receita... faz tempo que a empresa só se preocupou com o crescimento a qualquer custo e com margens cada vez menores... desta vez, apesar da receita ter caído, o lucro opercional aumentou bem...



Que sirva de lição para os administradores aprenderem a pensar um pouco antes de botar um plano de crescimento a qualquer custo, como aquele feito por tantas empresas que habitam as varas de falência...

96748 - paulo_prof - 07/Out/2011 20:17
citação: 17andre
Prof. Paulo

Será que o resultado da Mgel4 vai vir assim tão ruim que justifique a cotação em R$5,xx? Conforme fundamentus, P/L 13,82, P/VP de 0,43, e ROE sofrível de 3,1. Apesar desses indicadores, seria interessante iniciar posição?

André

Em épocas normais, a empresa já me inspira pouca confiança. Sinto aquele "cheiro" de empresa familiar, com uma forte impressão de que não é gerida profissionalmente. Na minha opinião, ao não efetuar nenhuma provisão para o contecioso com a Receita relativo à questão do crédito prêmio de IPI Programa Befiex que no 3T09 já ultrapassava os R$ 150 milhões que posteriormente resolveu incluir no parcelamento fiscal e a desastrosa administração das finanças durante praticamente todo o ano de 2010, me fez perder toda a confiança.

Por outro lado, pelo menos no que se refere a atuação no setor automotivo, com uma queda de 20% na produção de veículos de agosto para setembro, parece que o mar não estará muito para peixe.

Finalmente, há a questão do câmbio, que impactará os resultados do 3T11.

Na minha opinião, as incertezas são muitas. Um investimento no ativo hoje é uma loteria. O fato do ativo MGEL4 estar sendo negociado a uma fração (0,41) do seu valor patrimonial, por si, não é justificativa suficiente. Acho que haverá mais do que tempo suficiente para, antes de comprometer recursos, esperar uma luz no fim do túnel.


73545 - small caps - 13/Mai/2011 21:21
Diretamente do balanço da Mangels, mais uma das heranças malditas do Governo Lula:

"No entanto, a margem bruta apurada no 1º trimestre de 2011, registrou queda de 1,1 p.p. em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Essa queda pode ser explicada pelos preços médios de venda menores, em função da concorrência com produtos importados e também de gastos com manutenção ocorridos no mês de janeiro deste ano, quando a Divisão fez a parada para manutenção sem o correspondente faturamento."

"Importante fato ocorre no mercado de veículos leves no Brasil: 825 mil veículos foram vendidos neste primeiro trimestre o que representou 4,7% de crescimento em comparação com o mesmo período de 2010. Entretanto, as vendas de veículos nacionais recuaram 2,1%, enquanto a venda de carros importados avançou 28,8% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Este fato representou menos vendas de rodas para as Empresas nacionais."


55321 - rpiana - 12/Nov/2010 09:52
citação: williamcwA Mangels Industrial S.A. anuncia resultado final de R$ 16,2 milhões
no terceiro trimestre de 2010.
http://www.mzcenter.com.br/Arquivos/327332.pdf

Se contarmos com o cenário de valorização do R$ frente ao US$ que temos pela frente, acho que MGEL4 ainda vai trazer muita alegria. Com o resultado do 4T10 que virá e substituirá o prejuízo não recorrente do 4T09, os indicadores voltarão a ficar positivos e teremos um céu de brigadeiro pela frente. Que venha 2011.

Nesse momento, se tivesse que migrar parte da minha carteira (concentrada) em função de ter buscado um bom preço médio para MGEL4 (54%) e GRND3 (29%), você venderiam parte de MGEL4 agora ou esperariam mais?

Tenho em mente voltar para algumas construtoras que vendi no 1S10 ou algumas oportunidades que estão se abrindo no setor bancário... EZTC3, HBOR3, JHSF3, PINE4, BGIP4. Qual a opinião de vocês


38836 -  small caps - 13/Jul/2010 12:27
MANGELS – comentários de Anderson Lueders para revista InvestMais.

A reportagem está bastante interessante, na edição de julho. Os meus comentários foram no seguinte sentido:

"A empresa Mangels Industrial S.A. apresentou excelente crescimento no primeiro trimestre de 2010 em termos de receita em comparação ao mesmo período de 2009, que passou de R$ 129,4 milhões para R$ 170 milhões, um incremento de 31,4%. O lucro EBITDA teve evolução ainda mais forte, ao partir de R$ 3,7 milhões para R$ 18,7 milhões. O lucro líquido foi impactado (R$ 5,1 milhões) pela dívida em moeda estrangeira e atingiu apenas R$ 2,1 milhões, revertendo o prejuízo do mesmo período de 2009. A empresa partiu de uma receita líquida de R$ 395 milhões no ano de 2003 para quase R$ 700 milhões em 2008. O ciclo de crescimento foi interrompido apenas em 2009 em função da grave crise econômica que atingiu a indústria brasileira, quando então a receita declinou aproximadamente 10%.

Os resultados empresariais da Mangels são visivelmente afetados pelo câmbio ou por fatores não-recorrentes negativos e isto amplifica as variações de valor de mercado. Apesar de o passivo ser de longo prazo, boa parte dele é denominado em moeda estrangeira e cada vez que o Real se movimenta, um resultado financeiro de elevada monta aparece no balanço. Em 2007, com o câmbio auxiliando, a empresa apresentou um excelente lucro líquido de R$ 36,5 milhões, o que ajudou suas cotações a subirem impressionantes 423,1% em apenas um ano. O ano seguinte, 2008, até o balanço do segundo trimestre, mostrava um forte aquecimento do setor, com lucros crescentes e um câmbio comportado. A virada da economia, no entanto, foi violenta e trouxe um pesado prejuízo cambial, que influenciou na queda de respeitáveis 75,7% das cotações.

O ano de 2009 começou ainda em meio à forte crise da indústria e a partir do segundo trimestre a atividade empresarial se elevou novamente e o câmbio contribuía com o balanço. O resultado disso se viu na valorização de quase 200% das ações no decorrer de 2009. A teleconferência de resultados do terceiro trimestre novamente trouxe um alerta: a companhia que ganhara questão tributária judicialmente viu mudança na jurisprudência e, medindo os riscos, aderiu a um parcelamento especial da Receita Federal que reduziu os juros e multas, mas que trazia forte impacto no balanço, uma vez que eram valores não provisionados. E foi na divulgação do balanço anual, já no ano de 2010, que os investidores que não escutaram a teleconferência se depararam com o forte impacto que resultou num prejuízo trimestral de valor próximo a R$ 35 milhões. Especialmente em razão disso, as ações da Mangels caem 50% apenas em 2010.

Com a cotação das ações preferenciais a R$ 7,06, conforme último negócio realizado no pregão de 21 de maio de 2010, o valor de mercado da empresa equivale a R$ 122,5 milhões. Seus indicadores fundamentalistas, conforme site do guiainvest, estão atrativos, com Preço/Lucro (nos últimos 12 meses) de 5,8 e Preço/Valor Patrimonial de 0,6. A Mangels custa o equivalente a 0,2 vezes o faturamento líquido de um ano. Deve ser considerado que parte relevante destes indicadores se deve ao efeito financeiro positivo decorrente da valorização do Real ocorrida durante o breve abrandamento da crise internacional, amortecido parcialmente pelo reconhecimento da dívida tributária. Portanto, é quase certo que o indicador Preço/Lucro aumentará ou até ficará negativo com a divulgação dos 2 próximos resultados trimestrais.

De qualquer sorte, estes indicadores relevam um dos menores - se não os menores Preço/faturamento líquido, preço/valor patrimonial e preço/Ebitda do setor. Além disso, é bastante plausível supor que a empresa é capaz de lucrar R$ 20 milhões anuais num cenário de estabilidade cambial e continuidade do ritmo da atividade econômica, o que deixaria sua relação preço/lucro bastante atraente.

A empresa tem mostrado apetite para crescer ao adquirir neste ano companhias que se relacionam a atividade de cilindros para gás natural. Trata-se de uma alternativa atrativa ao investidor que pretende se posicionar em ações de companhias favorecidas pelo crescimento do setor automotivo no país e do setor de bens de capital. O principal empecilho é o tamanho da dívida, apesar de equacionada, bem como a reduzida margem bruta. Portanto, para o investidor mais agressivo e ciente das peculiaridades da empresa, é uma boa alternativa de investimento que deve ser acompanhada, sabendo de antemão a amplitude das variações de preço da ação."


38835 - small caps - 13/Jul/2010 12:23 
citação: DanielRodriguessmall entre MGEL4 e CAMB4 para turnaround qual prefere?

Eu acredito que com o atual nível de lucratividade Mangels terá dificuldade para pagar suas dívidas. Outro problema é que boa parte dessa dívida é em dólar e qualquer alta da moeda america acaba com as margens operacionais da empresa.

Já Cambucci parece com um nível confortável de endividamento e no 1T10 já apresentou um belo lucro 5,2M. É uma pena a empresa ter um péssimo nível de governança corporativa se não fosse isso minha posição na empresa seria muito maior.

Daniel, minha proporção entre MGEL4 e CAMB4 é 1 por 1. A foto atual é melhor mesmo para CAMB4, mas o segundo trimestre tem boas possibilidade de mostrar uma MGEL4 por resultados mais robustos, se aproximando dos R$ 5 milhões, até porque tudo indica que conseguiram melhorar um pouco as margens. A teleconferência de resultados dá a entender isto.

A MGEL4 é a capa da investmais deste mês e lá tem meus comentários sobre ela. Vou colar aqui na sequencia... CAMB4 está a mais tempo nesta evolução positiva e não tem gerado surpresas negativas. Pelo contrário. Tem margens operacionais semelhantes a grandes empresas como a Alpargatas, do segmento. E considero a marca forte também.

O dólar na MGEL4 logo deve diminuir a influencia. A política de hedge é proteger os vencimentos dos próximos 18 meses. E parece-me que vence esta dívida cambial neste período. Ao que tudo indica, as últimas captações de recursos via debêntures ocorreram para refinanciar este futuro vencimento.

38323 - paulo_prof - 06/Jul/2010 21:56
citação: flavio613
citação: paulo_prof
citação: renato1631Alguém tem alguma estimativa do resultado da mangels no 2 trimestre?

Se conseguir recuperar a margem bruta (pelo menos para 16%) estou projetando um lucro líquido de R$ 4 milhões. Se a margem bruta ficar nos pífios 13% do 1T10, é prossível que o lucro líquido não chegue a R$ 1 milhão. Evidentemente, isto se não pintarem outras receitas e/ou outras despesas de monta (no 1T10 o resultado só foi positivo porque houve outras receitas líquidas de R$ 9,5 milhões.

Prof, o sr. acredita que, a longo prazo, é um bom investimento, ou a falta de transparência, combinada com a exposição à variação cambial, seria um indicador de que a empresa não tenha um futuro tão brilhante assim?

Em princípio, com todos os dólares que deverão entrar no país para a capitalização da Petrobrás, a tendência é de valorização do real. Por outro lado, uma melhora nas margens não poder ser descartada. Eu estou mantendo a minha posição. Vou esperar pelo menos os resultados do 2T10 para "sentir" melhor como a empresa está reagindo.


35693 - SCHIAVOS - 17/Mai/2010 15:13
17/05) MANGELS INDUSTRIAL S.A. 31/03/2010 LS
Resumo dos Dados Consolidados Recebidos
R$ Mil Legislacao Societaria
Descricao
Nome de Pregao MANGELS INDL
Periodo 3M
Data Encerramento 31/03/2010
Patrimonio Liquido 219.425
Receita Liquida 169.996
Resultado Bruto 22.167
Receita (Despesa) Financeira Liquida (8.561)
Resultado da Equivalencia Patrimonial
Resultado Operacional 3.937
Lucro (Prejuizo) Liquido 2.072
Numero de Acoes, Ex-Tesouraria ( Unida 17.349.638
Lucro (Prejuizo) por Acao - LPA 0,11943
Valor Patrimonial da Acao - VPA 12,64724


35615 - small caps - 15/Mai/2010 22:36
citação: H Trader
citação: pidainhoPelo q entendi (e como já era esperado) a margem da mangels foi impactada pelo aumento do aço e do alumínio, visto q o repasse não foi feito, ainda.
Eu gostei do resultado, pq pra mim veio dentro do esperado.
Pelo menos o financeiro da Mangels não faz besteira. Dá pra dormir tranquilo. O operacional veio em R 12,5 mi. Achei mto bom. Mas vai depender sempre do dólar, não adianta.
Margem bruta 13% e ebit 1,79%...Muito fraquinho ao meu ver.
Abraço. H-Trader
MGEL4, a meu juízo deve ser analisada da seguinte forma:
O que houve nos últimos 3 anos?
2007 foi um ano exuberante! hoje o lucro daquele ano seria um P/L entre 3 e 4!
MAS
2008, Tudo começou a "mil maravilhas" até que o apocalipse cambial chegou e levou QUASE TODO o lucro excepcional que vinha exibindo...
tudo bem, que venha 2009!
2009 começou em plena crise, com lucro baixo e na sequencia o lucro que deveria ter aparecido em 2008 veio com força no segundo trimestre em razão do câmbio... tudo excelente com mais um excepcional 3o. trimestre com ebitda já "bombando"... até que na teleconferência do terceiro trimestre veio a "causa mortis" da valorização... REFIS, O MALDITO REFIS! Questão ganha judicialmente com trânsito em julgado teve entendimento alterado e com isto um peso tributário gigantesco apareceu... lá se foi quase todo o lucro de 2009, de novo! Ela ia ficar a maior TETA da bolsa... com indicadores surpreendentes... e ia distribuir um DY que ia deixar o Fockink em coma de tanto tomar brahma!
Então, veio 2010 com o peso de dois trimestres intermediários sensasionais a serem "descartados"... Pesou muito... junto com qualquer alteração para pior no câmbio... Sem o câmbio, no primeiro trimestre, o lucro viria em R$ 5 MM... Pouco? Com o preço atual isto representaria um P/L próximo de 6,5... molezinha...
Em suma, surgiram fatos ruins nos últimos 2 anos, enquanto ela investia de forma pesada para ampliar a capacidade produtiva, o que implica em maior endividamente no curto prazo... só o câmbio pode prejudicar de novo este ano... os custos foram pesados para diversas empresas que dizem que estão repassando-os.. a inflação no atacado não os deixa mentir... Dá uma olhadinha no IPA do IGPM...
Uma leve recomposição das margens (o que já deve estar ocorrendo em toda a cadeia produtiva, desde grendenes, passando por providências até a nossa MGEL :) ) deixa o lucro muito melhor... basta o câmbio não prejudicar...
Qual o preço de hoje: O menor PSR do setor 0,21 (cerca de metade da segunda colocada). O menor P/EBITDA. Anualizando os R$ 18 MM, temos P/EBITDA inferior a 2... O problema se chama DÍVIDA... muita alavancagem... embora ela seja barata quando não impactada pelo câmbio, e de longo prazo...
RISCOS HÁ E MUITOS, mas também BOAS CHANCES DE SUBIR... se eles conseguirem maturar bem os investimentos, não sofrerem com a concorrência chinesa e o dólar não explodir... nada impede que volte a lucrar próximo de R$ 10 mm trimestrais, levando o P/L próximo de 3...
Logo, cabe a cada um avaliar o risco que quer correr... hoje, temos muitas empresas mais seguras e também baratas... mas aqui também temos um upside potencial muito bom...
Como muitos aqui realizei 50% da posição entre R$ 12,00 e R$ 13,00 ( ações compradas entre R$ 5,00 e R$ 9,00 ), e estou na moita esperando até onde vai a queda...


32694 - Ray Invest - 09/Abr/2010 22:51
O lucro líquido é totalmente dependente do câmbio, atualmente, então qq previsão é chute...
O ebitda de R$ 80 milhões achei meio otimista, pelo histórico.
Sobre surpresa, a que teve foi negativa no 4T/2009. Nem falo dos efeitos negativos do Refis, mas sim da queda na margem ebitda.
Apesar dos pontos citados vejo com bons olhos a ação, que está no meu radar, mas é necessário ver como vem os resultados do 1 e 2T/2010.
Sobre o novo mercado, não sei quando isso aconteceria...


32691 - pidainho - 09/Abr/2010 22:39
Outra coisa, estão trabalhando com receita líquida de qto para o primeiro trimestre? Estou estimando numa visão pessimista 165 milhões, uma vez q os dados de fabricação de veículos pioraram, mas temos agora a receita líquida das empresas q foram compradas, bem como a melhora na divisão de aços ...

32690 - pidainho - 09/Abr/2010 22:35
O q acharam do plano de investimentos da mgel4? Não acham q o nível de endividamento está ficando preocupante, levando em conta o investimento de 380 milhões para os próximos 5 anos? E planejando um Ebtida de 80 milhões para o ano corrente, vcs acham q ainda com a dependencia do cambio, a empresa conseguirá um lucro líquido de 30 milhões para 2010? Minha estimativa de receita líquida é de cerca de 730 milhões, o que observando a margem do último ano não ensejaria um lucro de 30 milhões, porém como a empresa tem investido bastante em produtividade, de repente pode pintar uma surpresa, o q acham?
.
Outra pergunta, foi dito q há o interesse de no futuro ingressar no novo mercado da Bovespa, à vista da possibilidade de captação de dinheiro via oferta pública para incrementar o plano de crescimento da empresa. Considerando q as ações atuais do free-float são preferenciais e abstraindo a discussão da proporção de troca q vá ser concedida aos preferencialistas, vcs acham q nessas ocasiões o preço da ação é puxado pra cima ou pra baixo? E é obrigatório o oferecimento de bônus de subscrição para os acionistas, correto? 

32608 - comc - 09/Abr/2010 13:02
Mangels planeja investimentos de cerca de R$ 382,2 milhões até 2014
Recomendar!Por: Equipe InfoMoney
09/04/10 - 11h01
InfoMoney
SÃO PAULO - A Mangels Industrial (MGEL4) planeja investir cerca de R$ 382,2 milhões até 2014, destinando cerca de 75% do montante para suas divisões de aço (R$ 151 milhões) e rodas (R$ 134 milhões), enquanto os 25% restantes ficarão com cilindros (R$ 35 milhões), galvanização (R$ 52 milhões) e setor corporativo (R$ 10,2 milhões).
Segundo nota divulgada pela companhia nesta sexta-feira (9), os investimentos “estão alinhados com as perspectivas de crescimento do Brasil” e “com os objetivos estratégicos da companhia”. A maioria dos investimentos previstos são direcionados ao aumento da capacidade e implementação de novas linhas de produção, além da aquisição de ativos.
Por fim, a Mangels informa que a cada ano “revisará e definirá o montante de investimento a ser realizado no ano seguinte”. Para tanto levará em conta “a capacidade financeira da empresa e as condições macroeconômicas vigentes”.
Perspectivas
Citando eventos como a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 no País, a empresa prevê que "além do cenário de crescimento do setor automotivo, para o qual a companhia destina mais de 50% de suas vendas, os investimentos em infraestrutura no Brasil, programados para os próximos anos, também deverão potencializar as vendas da Mangels". 


32594 - NotwenCardozo - 09/Abr/2010 10:43
(09/04) MANGELS INDL (MGEL-N1) - Perspectivas de investimentos
DRI: Adelmo Felizati
A Empresa enviou comunicado, no qual consta:
Sao Paulo, 8 de abril de 2010 - Os investimentos previstos no planejamento de 5 anos da Mangels Industrial S/A (2010-2014) devem somar cerca de R$ 382,2 milhoes. Estes investimentos estao alinhados com as perspectivas de crescimento do Brasil para os proximos anos, em especial de setores especificos da economia brasileira nos quais a Mangels tem significativa participacao. Estes investimentos tambem estao alinhados com os objetivos estrategicos da Empresa. E de se ressaltar que tais investimentos representam uma "Visao de 5 anos" da Empresa, sendo que a cada ano a administracao da Mangels revisara e definira o montante de investimento a ser realizado no ano seguinte, levando em conta a capacidade financeira da Empresa e as condicoes macroeconomicas vigentes.
Alem do cenario de crescimento do setor automotivo, para o qual a companhia destina mais de 50% de suas vendas, os investimentos em infra-estrutura no Brasil, programados para os proximos anos, tambem deverao potencializar as vendas da Mangels. A realizacao da Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olimpicos de 2016 no Brasil implicarao na antecipacao de inumeras obras. Os investimentos previstos no novo PAC e a exploracao do Pre-Sal (petroleo) tambem impulsionarao a industria como um todo e em especial os segmentos ligados ao aco, setor onde Mangels tem forte participacao, por intermedio da Divisao Acos e das Unidades de Negocios Cilindros e Galvanizacao.

Projeto de Investimentos Mangels - 2010 a 2014
Considerando as perspectivas de crescimento do Brasil, em especial dos setores automobilistico e de infra estrutura, e em linha com o seu planejamento estrategico, a Mangels elaborou seu Plano de Investimentos, contemplando acoes em todos os seus negocios:
Em milhoes de R$
DIVISAO / UNIDADE TOTAL
Acos 151,0
Rodas 134,0
Cilindros 35,0
Galvanizacao 52,0
Corporativo 10,2
TOTAL 382,2
A seguir os principais investimentos por Unidade de Negocio:

Divisao de Acos
Os principais projetos de investimentos sao:
o Implantacao de novas linhas de producao, objetivando novos produtos no portfolio;
o Aquisicao de novos equipamentos para o CSA na planta de Sao Bernardo do Campo;
o Aumento da capacidade instalada do CSA de Manaus;
o Novas linhas para produtos estampados de aco.
Com a entrada em operacao destes projetos, a Mangels espera:
o Atender as necessidades dos clientes atuais e conquistar novos clientes/mercados;
o Atender a demandas por produtos especificos do mercado, produzindo itens com maior valor agregado;
o Expandir e otimizar a utilizacao de sua capacidade produtiva.

Divisao de Rodas
O foco dos investimentos na Divisao Rodas e o aumento da capacidade de producao, sendo objetivos prinicpais :
o Expandir a fabrica atual de Tres Coracoes, com mais 700 mil rodas anuais de capacidade produtiva;
o Implantar em Manaus uma nova fabrica de rodas para motocicletas com capacidade de producao de 500 mil rodas por ano.
o Implantar uma nova fabrica de rodas para automoveis no Estado de Sao Paulo ou em outro pais da America do Sul.
Com estes investimentos, objetiva-se:
o Atender o crescente mercado automotivo;
o Otimizar a ocupacao de sua capacidade produtiva; e
o Atender a demanda dos fabricantes de motocicletas instalados na zona franca de Manaus.

Unidade de Cilindros
As principais metas do projeto de investimento desta Unidade sao:
o Aquisicao em Janeiro de 2010 da Superficie Ltda e da E.Koga Ltda, negocio este que inclui duas oficinas de requalificacao e de um centro de destroca.
o Implantacao de uma nova oficina de requalificacao de botijoes na Bahia, com inicio das operacoes a partir de Outubro 2010 e capacidade instalada de 805 mil botijoes/ano.
o Implantacao de linha de producao de pecas estampadas de aco na planta de Tres Coracoes, com fornecimento ja contratado junto a industria de eletronicos;
o Implantacao de uma linha de producao de radiadores na planta de Tres Coracoes, com fornecimento para a industria de materiais eletricos.

Estes investimentos na Unidade Cilindros devem:
o Completar a atuacao da Mangels na cadeia de cilindros para gas liquefeito de petroleo - GLP: fabricacao, requalificacao e destroca de botijoes;
o Angariar novos clientes, oferedendo novos produtos;
o Expandir sua atuacao no setor de servicos de GLP em nivel nacional, visando atender os mercados do Nordeste com nova oficina de requalificacao e Sudeste/Sul com as aquisicoes realizadas em jan/2010.

Unidade de Galvanizacao
Na Unidade Galvanizacao, os principais investimentos projetados sao para:
o Implantacao de uma nova fabrica com capacidade para galvanizar 60.000 toneladas anuais, substituindo a planta atual de Guarulhos em 2012;
o Implantacao de nova fabrica a ser instalada fora de Sao Paulo em 2013, com capacidade de 30.000
ton/ano.

Com a entrada em operacao da sua nova fabrica em Guarulhos, a Mangels busca:
o Atender os clientes atuais e novos clientes que necessitam galvanizar produtos com dimensoes que
excedem a capacidade da fabrica atual.
o Obter ganhos de eficiencia produtiva com uma fabrica mais moderna e eficiente ganhos de eficiencia energetica, ao instalar uma cuba de galvanizacao enclausurada, evitando assim desperdicios de calor e contribuindo com o meio ambiente.

31568 - Ray Invest - 28/Mar/2010 18:36
Small, Prof Paulo
A margem ebit da Mangels caiu de 9,43% no 3ºT/2009 para 3,76% no 4ºT/2009.
Imagino que os fatos não recorrentes (Refis por exemplo) não tem nada a ver com isso. Ou teriam? Eu achava que o Refis estava excluso do Ebit e do Ebitda e não iria impacta-los negativamente.
Então teríamos aí uma queda inexplicável da rentabilidade...
Se compararmos com o 4ºT/2008 veremos que está quase empatado, porém o 4ºT/2008 foi o olho do furacão da crise, principalmente na indústria!
Inclusive, com todo oba oba do apoio ao setor automotivo e recuperação forte dos demais setores da cia, eu estava projetando justamente o contrário: Uma margem ebit e ebitda forte, devido aos fatores que citei acima.
Pensei, se no 3ºT/09 está em mrg ebit 9,4%, no 4º marco 10% na minha planilha e o que vier a mais é lucro, aí cai a míseros 3,7%.
Agora to ficando meio preocupado.

31290 - paulo_prof - 25/Mar/2010 23:12
Acho que o seu "assustador" é bem mais descritivo do que o "preocupante" que eu queria usar, para dizer o mínimo.
Se não houvesse o fato não recorrente do parcelamento, mantendo tudo o mais, o lucro liquido do trimestre teria sido apenas de R$ 1,6 milhões. Uma mixaria.
A decepção começa com a queda de 8% na receita líquida. Muito pior, entretanto, foi a queda na margem bruta: 2,5 pontos percentuais, de 18,7% para 16,2%. É uma enormidade!
Em conseqüência, o resultado bruto caiu 20,5%. Com uma queda destas se apresentando no resultado bruto, os cintos deveriam ter sido apertados. Não foram. De uma média trimestral de R$ 16 milhões, as despesas em vendas, gerais e administrativas foram para R$ 20,3 milhões, um aumento de 26,3%. Será que cada empregado ganhou um carro de presente de Natal?
Trimestre muito ruim do ponto de vista operacional. Como não teve a valorização do real para compensar ... 



31285 - MuadibGV - 25/Mar/2010 22:07
A Mangels é uma caixinha de surpresas mesmo...
Desta vez veio uma bem negativa: o lucro operacional da empresa desabou de 16 mi no 3T09 para 6 mi no 4T09.
O release veio bem seco sem maiores explicações.
Vamos ver se na demonstração anual ou na tele-conferencia o motivo dessa queda é mostrado.
O prejuízo do parcelamento do IPI já era esperado e tinha sido mais do que precificado.
Mas esse desempenho pífio é assustador para médio e longo prazo.
Abraços!
PS. De bom apenas os dividendos. 



31277 - buric - 25/Mar/2010 21:32
citação: buric O LL de R$ 16M no ano implica (na cotação de 31/12) em um PL de 14,2, P/VP 1,11 e um DY de 1,83%.
Na cotação de hoje R$ 11,81 --> PL 0,95, PL 12,2, DY 2,14%.
Mesmo esperando um prejuizo forte no 4T, ficou MUITO abaixo do que eu esperava. Esperava algo como prejuizo de R$ - 29M e aparentemente veio algo como R$ - 35,5M. Se o impacto foi na receita (e não alguma despesa extraordinário), seriam R$ 40M (15%) a menos em receita do que esperava. Deixando-a abaixo do 3T '09.
Alguém viu algo de positivo? 


31212 - Ray Invest - 25/Mar/2010 14:50
Essa antecipação dos números da MGEL4 é pro pessoal não cair de costas quando sair a divulgação completa?
Pelo visto no 4ºT/2009 o preju foi feio. Pelo que entendi foi de 35 milhões. Parece que os valores não provisionados pesaram bem mais do que o esperado.
Não é pra menos que a ação está caindo mais de 4% 


31172 - paulo_prof - 25/Mar/2010 11:48
citação: lucasstsPelo que andei lendo as projeções do prof paulo eram bem mais otimistas em relação a Mangels .
Sim. O resultado vem uns R$ 12 milhões pior do que o previsto. Se o lucro operacional, excetuando o financeiro e o problema do parcelamento, vier acima dos R$ 17 milhões, não estou preocupado, pois isto corresponde a um lucro líquido anual de R$ 45 milhões, compatível com um preço de R$ 20,00 para a MGEL4.
Mas se, por outro lado, o lucro operacional excetuando o financeiro e eventos não recorrentes vier abaixo de R$ 10 milhões ... começarei a ficar preocupado. 


31156 - adelpeha - 25/Mar/2010 09:46
MANGELS INDL (MGEL - N1) - DISTRIBUICAO DE DIVIDENDO
Data: 25/03/2010 @ 09:29
Fonte: Notícias da Bovespa
MANGELS INDL (MGEL - N1) - DISTRIBUICAO DE DIVIDENDO (25/03) MANGELS INDL (MGEL - N1) - Distribuicao de dividendo DRI: Adelmo Felizati
A RCA de 15/03/2010 aprovou as demonstracoes financeiras referentes ao exercicio social/2009 e, "ad referendum" da Assembleia Geral Ordinaria, a proposta de destinacao do lucro liquido, no montante de R$ 16.745.262,70, conforme abaixo: a) R$ 837.263,13 serao destinados a Reserva Legal; b) R$ 4.246.818,62 para pagamento de dividendos aos titulares de acoes da Companhia, dos quais R$ 1.426.397,90 para os acionistas titulares de acoes ordinarias e R$ 2.820.420,72 para os acionistas titulares de acoes preferenciais, resultando em R$ 0,23 por acao para as ordinarias e R$ 0,253 por acao para as preferenciais. Os dividendos serao pagos aos acionistas a partir do dia 22 de junho de 2010, sem remuneracao ou atualizacao monetaria, com base na posicao acionaria de 30 de abril de 2010; c) R$ 10.426.539,02 para reserva destinada a aumento de capital; d) R$ 1.234.641,93 para reserva especial, sendo R$ 1.202.431,00 referente a pagamento de acoes que estavam em tesouraria e foram canceladas e R$ 32.210,93 a complemento de dividendos de 2008.
Norma: a partir de 03/05/2010 acoes nominativas ex-dividendo.
Para mim está ótimo. Eu esperava somente valorização do atimo, e agora vou receber dividendos. 

29631 - paulo_prof - 07/Mar/2010 14:35
Pela minha simulação, a Mangels terá um prejuízo de R$ 22,5 milhões no 4T09, e um lucro líquido de R$ 30 milhões em 2009.
Estes resultados serão comparados com os números de 2008: prejuízo de R$ 10 milhões no 4T08 e prejuízo de R$ 21 milhões no exercício.
Em conseqüência, além de achar que o mercado já mais do que precificou a adesão da Mangels ao Parcelamento, e considerando que o valor que tem sido mencionado é de uma despesa de R$ 55 milhões, é possível até que a MGEL4 se valorize tão logo seja anunciado o resultado.
Talvez ocorra algo como com IDVL4, que caiu de R$ 8,98 para R$ 8,35, mas que se recuperou em 5 pregões, e na 6a. feira já estava negociando em níveis acima daqueles pré-resultados.
Se o meu "chute" para os resultados do 4T09 estiver mais ou menos certo, os multiplicadores da MGEL4 relativos a 2009 seriam os seguintes:
P/L 6,78
P/VPA 0,86
PSR 0,31
DY 3,85%
EV/EBTIDA 5,75
MARGEM BRUTA 17,1%
MARGEM OPERACIONAL 6,9%
MARGEM LÍQUIDA 4,5%
LUCRO POR AÇÃO R$ 1,726
MARGEM EBITDA 10,6%
DÍVIDA BRUTA/PATRIMÔNIO LÍQUIDO 161,7%
ROE 12,74%
LIQUIDEZ CORRENTE 3,36
P/(CAP GIRO/AÇÃO) 0,69
GIRO ATIVOS 0,90
P/(ATIVO/AÇÃO) 0,27
Todos teremos que concordar que mesmo considerando a despesa extraordinária de R$ 55 milhões no 4T09, os múltiplos ainda são de muito respeito. Nada a ver com os múltiplos do IDVL.
Na minha opinião, para os não comprados, não vale a pena esperar uma eventual queda a R$ 11,00 ou menos. Se for possível constituir uma posição inicial a R$ 12,00, não vejo porque não faze-lo. 


29452 - lucassts - 05/Mar/2010 16:13
Acho difícil o balanço da Mangels vir ruim ( operacionalmente falando). Continua sendo um dos papéis mais baratos no momento.
Mercado em que atua crescendo
Empresa sólida
Valor de mercado quase igual ao que tem em caixa!!!
Enfim, a preços de hoje espero pelo menos 100% de valorização em 01 ano
Como nem tudo são flores, tem uma liquidez bastante ruim, além de correr o risco de uma subida do dólar. 


26188 - flavio613 - 21/Jan/2010 10:33
Boas novas da Mangels.
Autopeças: Objetivo é alcançar faturamento de R$ 1,4 bi até 2014
Mangels fixa meta de dobrar receita em cinco anos
Stella Fontes, VALOR ECONÔMICO
21/01/2010
A Mangels, maior fornecedora de rodas de alumínio para montadoras no Brasil, se prepara para dobrar o faturamento em cinco anos, aproximando-se de registrar receita líquida anual de º R$ 1,4 bilhão em 2014, e retomar os planos de internacionalização de suas operações. A força motriz de tal expansão será o negócio de rodas de alumínio, hoje responsável por cerca de 30% da receita líquida, que nos últimos anos girou em torno dos R$ 700 milhões - em 2009, a cifra não foi atingida em razão da crise econômica. Mas a divisão de aços (chapas, fitas e estamparia), que atualmente gera cerca de 50% das receitas, deve manter a participação relevante no balanço da companhia.
Em entrevista ao Valor, o presidente da empresa, Robert Mangels, conta que o momento é de definição dos investimentos que deverão ser executados em 2010, com vistas ao cumprimento da meta. Para este ano, a expectativa é a de que os desembolsos na operação totalizem R$ 50 milhões, em linha com o registrado em 2009. "O que já está definido é que nosso negócio de rodas será globalizado", diz Bob Mangels.
Segundo o executivo, integrante da terceira geração da família no comando da Mangels, Colômbia e Argentina passaram a integrar a lista de possíveis destinos da companhia brasileira. Antes da crise, que alterou a estrutura da indústria automotiva mundial e levou à lona grandes montadoras, o México era tido como provável escolha. "O México não está fora da lista, porque seria uma oportunidade de entrarmos na América do Norte. Mas passamos a olhar outras alternativas", acrescenta. Nesse mapa de possibilidades, até mesmo o Brasil aparece. Em Minas Gerais, na fábrica de Três Corações, a Mangels produziu em 2009 cerca de 2,3 milhões de rodas de alumínio, produção que saltará a 3,5 milhões por ano com a nova linha de pintura automática, em vias de entrar em operação. "De qualquer forma, até 2014 teremos de investir em uma nova fábrica (de rodas) para acompanhar o crescimento do mercado." A aposta no segmento - hoje, 95% da produção de rodas é destinada a montadoras - se justifica pelas perspectivas positivas para o setor automobilístico, especialmente nos países emergentes. "Provavelmente as Américas serão o primeiro alvo (para uma nova fábrica), mas tudo vai depender do que o cliente pedir. Nós acompanhamos as montadoras", acrescenta Bob, lembrando que, em 1999, a participação da Mangels nesse mercado era nula e, 10 anos depois, chegou a 45%.
Para financiar a expansão necessária para que se cumpra a meta de receitas, a companhia poderá lançar mão de diversas fontes e não descarta um aumento de capital. "Podemos partir ainda para o BNDES, que é acionista da companhia, para bancos de fomento estrangeiros ou emitir debêntures. Há diversas possibilidades", enumera Bob Mangels. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) detém cerca de 15% das ações preferenciais da empresa, tem assento no conselho e está entre os maiores acionistas da empresa junto com um clube de investimentos do Banco Fator, que possui outros 20% em ações preferenciais. Praticamente todas as ações ordinárias estão nas mãos da família, que possui 35% do capital total da Mangels.
Apesar de ser mais conhecida pelo público em geral por suas rodas de alumínio, a Mangels obtém importante parcela de seu faturamento da área de aços. De siderúrgicas como a CSN, maior fornecedora da empresa atualmente, a Mangels adquire bobinas de aço que são processadas e, então, vendidas em forma de fitas, chapas e estampados a clientes como Volkswagen e Honda. "Também estamos olhando oportunidades de crescimento neste setor", informa Bob. Como parte dos planos até 2014, a Mangels pretende triplicar o volume de aço processado, que em 2009 ficou em 50 mil toneladas. Nesse segmento, que engloba os Centros de Serviço de Aço (CSA), a aposta se explica pela elevada pulverização de fornecedores e pela participação ainda pequena no mercado, de 1,5%. "De uma forma ou de outra, 70% dos nossos negócios estão relacionados ao setor automotivo." 


25802 - buric - 18/Jan/2010 21:49
Interessante o que a empresa pode fazer quando está com caixa na hora certa:
citação: VALOR ECONOMICOMangels compra empresas de recipientes para gás
18/01/2010 18:29
SÃO PAULO - A Mangels, líder no fornecimento de rodas de alumínio para montadoras no Brasil, está expandindo sua atuação no segmento de cilindros para gás liquefeito de petróleo (GLP). A companhia adquiriu duas empresas paranaenses do setor, a Superfície Ltda e a E. Koga & Cia. Ltda, pelo valor total aproximado de R$ 16,24 milhões.
A compra, realizada pelas controladas indiretas Mangels Participações e Recman, será quitada em parcelas num prazo de 180 dias a partir do registro da transação na Junta Comercial.
Segundo as informações da Mangels, a Superfície opera com a requalificação de recipientes transportáveis de GLP, enquanto a E. Koga é especializada na separação e classificação de vasilhames vazios do produto. A intenção da Mangels é intensificar sua presença nesse setor " em especial nos Estados de São Paulo e Paraná, importantes centros consumidores do produto " , diz fato relevante distribuído pela companhia. As duas empresas acumularam receita líquida de R$ 26,7 milhões e lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 3,7 milhões nos 12 meses até novembro de 2009.
Leia mais: http://www.valoronline.com.br/?online/empresas/11/6055773/mangels-compra-empres as-de-recipientes-para-gas&scrollX=0&scrollY=320&tamFonte=#ixzz0d0ja qXDb 


24209 - octacm - 26/Dez/2009 23:36
citação: uqaz
citação: FOCKINKSerá que Mangels comprará latinha de brahma pra Fabricar rodas???...
As indústrias que adquirirem resíduos sólidos para fabricar seus produtos poderão receber o direito a ter crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de até 50% da alíquota do produto final, segundo Medida Provisória publicada hoje no Diário Oficial da União (DOU). "Os créditos gerados até 31 de dezembro de 2014 poderão ser utilizados", explicou o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira. Os estabelecimentos terão esse benefício se adquirirem os produtos diretamente de cooperativas de catadores de matérias recicláveis. Estas informações foram adiantadas ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante evento com catadores, realizado em São Paulo, e confirmada pela assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda. O secretário-adjunto confirmou que, com a medida, a renúncia fiscal do governo será de R$ 107 milhões por ano. A MP informa que é preciso definir ainda quais materiais adquiridos como resíduos sólidos darão direito ao crédito presumido.
Fock, gostaria de discutir um tema polêmico. Numa conversa de bar, eu e meus colegas conversávamos sobre a Mangels. Iniciei a conversa dizendo q tinha comprado um pouquinho de uma tal de mangels, felizmente eles reconheceram o nome, claro com a pronuncia um pouco diferente daquele q achava rs.
Meus colegas, diferente de mim, gostam muito desses acessórios para carros e me deram um baita de um banho de água fria. Afirmavam a baixa qualidade nas rodas de mangels. Tremi. Citaram várias outras marcas melhores...e eram muitas...
Mas aí pensei, não existem outros concorrentes da mangels NA BOLSA, neste setor de rodas. O que gostaria de expor é: E aí, qdo descobrem a impressão de consumidores sobre seus papéis, o que pensam, o q fazem?
A mangels é uma boa empresa para se investir não pela qualidade de seus produtos.
A empresa é boa porque vem conseguindo gerar grandes resultados financeiros devido a sua grande divida em dolares, que por sinal neste proximo trimestre o resultado financeiro deverá ser negativo e um lucro liquido provavelmente menor que o do nosso ultimo trimestre, sendo bastante otimista, confesso que não sei como essa historia do REFIS vai influenciar o resultado da empresa.
O que muitos aqui no forum se esquecem é que a empresa tambem tem unidades de negócios com botijões de gás e aços galvanizados, que apesar de serem menos significativos que o negócio de rodas, são negócios que ainda representam 40% do resultado da empresa. Quem vem lendo os relatórios dos ultimos trimestres sabe que a empresa dem aumentando a capacidade do negócio de aços galvanizados e a empresa vem buscando diversificar cada vez mais suas fontes de receitas. 


23465 - pppadv - 10/Dez/2009 10:34
Destaques - Mangels faz mais roda
Valor Econômico - 10/12/2009
http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2009/12/10/destaques-m angels-faz-mais-roda
A Mangels, uma das maiores fabricantes brasileiras de autopeças, investiu mais de R$ 20 milhões para ampliar a capacidade de produção de rodas de alumínio em 1 milhão de unidades por ano, para 3,5 milhões de unidades. Com o investimento para instalação de uma linha italiana de pintura automática de rodas, na fábrica de Três Corações (MG), a Mangels torna-se a maior fabricante da América do Sul. A companhia pretende ainda, a partir da operação da nova linha, ampliar as exportações, que hoje representam 10% da produção.


22124 - paulo_prof - 24/Nov/2009 18:22
citação: chee bunProf Paulo,a respeito da mgel4 ,o sr acha ainda viavel?ou com esta reversão ela virou um mico?
Enquanto a Mangels não publicar fato relevante a respeito, não se pode afirmar que realmente tenha aderido ao Parcelamento de que trata a Lei.
a) Se não aderiu ao parcelamento, nada muda. O lucro líquido do 4T09 deverá ser algo na casa dos R$ 12 milhões + eventuais efeitos cambiais se houver valorização do real relativo ao valor em 30SET2009;
b) Se aderir ao parcelamento e, de fato, tiver que contabilizar os supostos RF$ 55 milhões como despesa, a situação será aproximadamente a seguinte (hipótese de variação cambial nula):
Receita Líquida: R$ 175 milhões
Resultado Bruto: R$ 33 milhões
Resultado Financeiro: (R$ 2 milhões)
Despesas Operacionais: (R$ 16 milhões)
Outras Despesas: (R$ 55 milhões)
Resultado Operacional: (40 milhões)
Provisão para IR e Contribuição Social: R$ 14 milhões
Resultado Líquido: (28 milhões)
Resultado Líquido Anual: R$ 24,5 milhões
O que, ao preço de R$ 13,00, dá P/L = 9,23. Mas a empresa parece ser capaz de gerar um lucro anual recorrente, em 2010, de no mínimo aprox. R$ 38 milhões, o que dá um P/L = 5,94.
Uma eventual opção pelo parcelamento sem dúvida põe água no chopp, mas não seria aquela catástrofe.
Interessante notar que para o investidor de médio prazo, a opção pelo parcelamento´é nitidamente pior (pois quando e se a corda estourar ele já terá deixado o navio). Para a empresa (ou investidor de longo prazo) realmente não sei o que seria mais interessante. Acho que quem vai dizer são os advogados. A experiência mostra que "perder o bonde" de um Refis não necessariamente é negativo. Quase certamente haverá uma 2a. oportunidade. No caso da Mangels, o que poderia ter havido era uma constituição paulatina de uma provisão parcial.


21996 - buric - 23/Nov/2009 23:02
O efeito caixa é esse que você citou mesmo. O que eles se referem é que a MGEL contabilmente provisionará o valor que não estava provisionado.
Só para lembrar. A empresa ainda É barata, e bastante. Vale 0,9 do VP e tem um PSR de 0,36, vale 0,33 dos ativos. Rentável e em setores aquecidos.Ainda considero das mais baratas da bolsa.

21995 - FOCKINK - 23/Nov/2009 22:44
Peraí;;;;os 36 mi referente ao Refis serão pagos em 12 parcelas...portanto em 2009 pagarão: nov. 3mi + dez. 3mi...
Em 2009 já tem-se 53.8 mi de lucro
no 4T09 o lucro operacional líquido deve ficar nuns 8 mi (se pagarem 6 mi refis)..terá um lucro de 2 mi.
Com isso no ano de 2009: Lucro = 55,8 mi
LPA= 3,2 e
dividendo mínimo = R$ 0,80;;;;
me corrijam se eu estiver errado...
o problema que vejo será em 2010 que pagarão 30 mi (REfis)... no entanto, assim como falaram na teleconferêcia...a mangels tem um bom caixa (Caixa e equivalentes de caixa = 117 mi)..Sua liquidez corrente é apreciável também = 2,4:::
Fiz umas vendas de mgel4 esta semana...mas recomprarei novamente...
Na conjuntura atual, comparando com outras empresas do setor, mgel4 até os R$ 16,00 ainda está num bom preço...acima de R$ 22,00 já fica cara...


21988 - MuadibGV - 23/Nov/2009 22:25
citação: Blumenn
citação: MuadibGV
citação: Blumenn
Paulo-prof, primeiramente parabéns pelas suas análises, mas permita-me discordar da avaliação MGEL X FRAS, e trazer a minha pequena colaboração
Ouvindo a Webcast da Mangel (acesso pelo site do ri da empresa), a empresa informa que há um passivo NÃO PROVISIONADO de R$ 163 milhões referentes a uma autuação por utilização indevida de Crédito Prêmio de IPI, que estaria devidamente divulgado na Nota Explicativa 16, e que aderiu ao parcelamento em 12 meses da MP 470, o que permitiu reduzir o valor para R$ 55 milhões.
Conferi a Nota Explicativa 16 e lá a informação é um pouco diferente: o auto seria de R$ 125 milhões e a empresa informa que vai prosseguir com a discussão (o que seria infrutífero, pois o STF já editou súmula sobre o assunto, isto é, as chances de alguma empresa ganhar este tipo de crédito na justiça passaram a ser nulas para competências posteriores a 1990 - o que é o caso).
Desta forma, teremos um reconhecimento de despesas extraordinárias de R$ 55 milhões no quarto trimestre de 2009, o que deve piorar muito a estimativa de P/L que teremos no final do ano, pois o resultado negativo de R$ 10 milhões do 4T2008 deve ser substituido por outro ainda mais negativo (vamos deixar por R$ 40 milhões negativos que seriam a sua estimativa de 12-15 milhões para o 4T menos os R$ 55 milhões de reconhecimento de passivo não provisionado).
Quanto a parcela do lucro da empresa que não está relacionada a variação cambial, ainda segundo o Webcast, no 3tri2009 seriam apenas R$ 5,8 milhões (lucro líquido de R$ 20,2 milhões menos variação cambial de R$ 14,4 milhões, se utilizarmos como base para projeção do lucro da empresa em 2010 (4*5,8) chegaríamos a R$ 23,2 milhões de lucro projetado para o próximo ano (embora a sua projeção seja de R$ 37 milhões), portanto inferior a projeção de lucro da FRASLE.
A lucratividade histórica do patrimonio líquido da FRASLE variou de 14% a 43%, entre os anos de 2001 e 2008, enquanto a da Mangels variou entre -3% e 20% no mesmos período.
Como a FRAS apesenta um histórico de rentabilidade do PL bem mais consistente que a MGEL, acredito que seja melhor comprar um ótimo ativo por um preço razoável (FRAS), que um ativo razoável por um preço nem tão ótimo assim.
Em tempo, comecei a analisar ambas as empresas após os diversos posts deste fórum, portanto parabéns e muito obrigado a todos por dividirem o seu conhecimento.
Blumenn,
Pela minha conta o lucro líquido da Mangels no 3T09 seria 9,5 mi, excluídos ganhos cambiais. Acho que vc esqueceu o IR/CSLL no seu cálculo.
A informação da autuação não provisionada da Mangels é nova para mim.
A Fras-le também tem um passivo tributário não provisionado bem expressivo, classificado como possibilidade de perda possível/remota. Conforme as notas a empresa ganhou parcialmente na primeira instância administrativa e a causa está na segunda instância administrativa.
Abraços!
Obs.: Conforme o Prof.Paulo notou em post anterior, nos últimos dois anos a Fras-le tem declarado JCP na última semana de novembro. Fique de olho!
MuadibGV,
Se a FRASLE ganhou na primeira instancia administrativa, as chances dela perder em segunda instancia são realmente remotas, ao contrário do passivo da Mangels, que foi reconhecido pelo STF de maneira geral e pela própria empresa ao aderir ao parcelamento da MP 470 para ganhar um bom desconto (90% dos juros), pagando em 12 vezes.
Quanto ao lucro, realmente estava partindo do Lucro Liquido após o IR/Contribuição Social e retirando o efeito cambial, sem considerar o IR sobre este efeito.
Mas mesmo refazendo o cálculo do lucro recorrente, ainda há o efeito de R$ 55 milhões de passivo tributário pra ser reconhecido no 4T2009.
Desta forma teríamos:
Lucro acumulado até o 3Trim: 79 milhões
Reconhecimento do passivo tributário no 4Trim: - 55 milhões
Lucro operacional do 4Trim: 10 milhões (arredondando)
Lucro estimado para 2009: 34 milhões, mais a variação cambial do 4Trim
Dividindo os 34 milhões pelo número de ações (17,34 milhões), chegamos a um LPA de R$ 1,95, e se aplicarmos o mesmo percentual de IR/CSLL que a empresa sofreu nos primeiros 9 meses de 2009, chegamos a uma estimativa de LPA liquido de IR/CSLL de R$ 1,29 em 2009.
Considerando o pay-out mínimo (normalmente a Mangels paga perto de 25%) dariam dividendos de R$ 0,32 referentes a todo exercício de 2009.
Obrigado pelo aviso do pagamento dos JCP desta semana, já comprei as minhas FRAS.
Blumenn,
Vou expor meu cálculo e premissas sobre o que espero de lucro líquido anual da Mangels, com base na adesão ao novo refis.
Lucro líquido até o 3T09: 52,4 mi.
Resultado esperado no 4T09: 14,36 (lucro operacional depois das despesas financeiras , como no 3T09 + 5 mi (ganho cambial, puro chute meu) = 12,77 após IR/CSLL.
Na tele-conferência explicaram "de passagem" que os 36 milhões já levam em conta a redução de IR/CSLL (36 = 55* 0,66), uma vez que a empresa já havia pago IR/CSLL sobre o lucro acumulado até o 3T09.
Resultado anual : 52,4 - 36 = 29,17 mi
Lucro por ação: 1,68
dividendo mínimo de 25%: 0,42


21776 - danieljoseaa - 19/Nov/2009 22:22
Um breve comparativo dos números da Mangels(MGEL4) antes e após a divulgação de seus resultados do 3° trimestre:
P/L................204,7...............5,9
VPA..............13,80.............14,98
P/VP................1...................1
PSR................0,4................0,4
Marg. bruta......16%.............14,7%
Marg. Liq........(0,2%)............6,7%
ROE...............(0,5%)..........16,5%
Dívida............159,5%.........138,9%
Liq.corrente.......2,5................2,3
Ativo total.......718,0 M.........743,4 M
Pat. Líquido....237,1 M.........257,3 M
Acho que melhoraram um pouco né? :):):):)
Estes atuais números, já muito superiores, ainda contabilizam o resultado do 4° trimestre do ano passado que foi negativo em torno de 10 milhões.
Neste próximo trimestre, com o dólar continuando estável, se formos humildes e esperarmos um lucro por volta de 10 milhões, na atual cotação, 14,44, teríamos os seguintes números:
P/L.....................4,05
VPA..................15,24
P/VP...................0,94
ROE..................30,4%
LPA................R$ 3,56
DY estimado.........0,89 (6,2%), caso seja distribuído o mínimo de 25%.


21505 - Fabinho Trader - 17/Nov/2009 09:13
Descricao
Nome de Pregao MANGELS INDL
Periodo 9M
Data Encerramento 30/09/2009
Patrimonio Liquido 257.301
Receita Liquida
Resultado Bruto
Receita (Despesa) Financeira Liquida 9.123
Resultado da Equivalencia Patrimonial 46.407
Resultado Operacional 54.355
Lucro (Prejuizo) Liquido 52.446
Numero de Acoes, Ex-Tesouraria ( Unida 17.349.638
Lucro (Prejuizo) por Acao - LPA 3,02289
Valor Patrimonial da Acao - VPA 14,83034


20729 - paulo_prof - 13/Nov/2009 10:07
A Mangels arrebentou ... Eu tinha previsto um LL de R$ 18 milhões e ficaria muito satisfeito com um LL super conservativo de 15 milhões ... Ninguém mesmo poderá reclamar dos R$ 20 milhões. Houve um aumento de 9,5% na receita líquida em comparação com o 2T09 e as margens bruta e ebitda melhoraram. Num ambiente de estabilidade cambial a empresa mostrou ser capaz de gerar lucro líquido recorrente de aprox. R$ 15 milhões, ou seja, um P/L de 3,8. Se for considerado que o ativo está negociando aprox. 10% abaixo de seu valor patrimonial, a situação é hilariante.
O mercado vai devolver tudo o que tirou ontem, e muito mais, hoje!


20727 - small caps - 13/Nov/2009 10:00
Já a nossa querida Mangels:
Extraído do relatório
http://www.mangels.com.br/dynfiles/PressRelease_3T09_Portugues.pdf
"Perspectivas
As expectativas da Empresa para este 4º trimestre são positivas, pois o principal mercado de atuação da Mangels, o automotivo, continua aquecido, o que deverá proporcionar bons volumes de vendas nas Divisões Rodas e Aços. Ainda na Divisão Aços, o mercado de aços planos continua se recuperando, devendo influenciar positivamente o volume de vendas daquela Unidade. Em Galvanização, desde setembro, o mercado de construção civil e infra-estrutura dá sinais claros de retomada, devendo assimmanter o bom nível de atividade já verificado em setembro. E, finalmente, na Unidade Cilindros, a carteira de pedidos de cilindros para GLP está completa até o final do ano e o mercado de caminhões, responsável pelas vendas de tanques de ar, também dá claros sinais de retomada."


20708 - small caps - 13/Nov/2009 09:37
Excelente! O Ebitda com belíssima evolução!

20706 - opportunity2 - 13/Nov/2009 09:34
Saiu o resultado da mgel4
Mangels Industrial S.A. registra EBITDA Operacional
de R$ 23,5 milhões no 3T09, 24,4% superior aos R$ 18,9 milhões no 2T09
A Receita Líquida consolidada no 3T09 foi de R$ 177,2 milhões, 9,5% superior ao apresentado no 2T09 e 12,2% inferior quando comparada ao mesmo período do ano anterior;
O LUCRO BRUTO de R$ 33,2 milhões, deste trimestre, foi 22,8% superior ao obtido no 2T09.
Neste trimestre o EBITDA OPERACIONAL foi de R$ 23,5 milhões, 24,4% superior aos R$ 18,9 milhões do 2T09.
O LUCRO LÍQUIDO neste trimestre foi de R$ 20,2 milhões frente aos R$ 34,7 milhões de lucro registrado no 2T09, que havia sido influenciado pelo reconhecimento de receita de variação cambial no valor de R$ 41,3 milhões.
Os INVESTIMENTOS neste trimestre somaram R$ 11,5 milhões e no acumulado de nove meses o valor totalizou R$ 42,9 milhões, investimentos esses voltados para aumento da eficiência produtiva
Vamos ver o que o mercado acha.

19631 - brunovcn - 05/Nov/2009 11:14
citação: small capscitação: brunovcnSmall,
Qual a sua opinão, sobre MGEL4 no momento?
brunovcn, tudo indica que terá um resultado operacional melhor do que o do segundo trimestre, que já mostrou ótima evolução. Além disso, continua sendo beneficiada pelo câmbio, financeiramente.
Ficará, a partir do resultado anual especialmente, com indicadores fundamentalistas que certamente chamarão a atenção.

19107 - paulo_prof - 30/Out/2009 20:24
Mas confesso nunca ter visto algo semelhante. Em princípio, o patrimônio líquido deveria ser a diferença entre os ativos e as obrigações. Se o patrimônio líquido diminuiu, significa que as obrigações aumentaram ou os ativos diminuiram produzindo prejuízo.
Para mim, isto pode ser uma jogada contábil ... embora a empresa de fato tenha tido um prejuízo sem efeito de caixa (tipo, os seus ativos em USD sofreram uma desvalorização), ela camuflou este prejuízo com o eufemismo Ajustes acumulados de conversão . Me preocupa aquele meu sexto sentido que está dizendo que cedo ou tarde a empresa terá que relatar o prejuízo.
citação: FOCKINKo que me preocupa é o endividamento:
ENDIVIDAMENTO
Durante o 3T09, o endividamento da Embraer aumentou R$ 25,2 milhões, encerrando o período em R$ 3.603,9 milhões. O endividamento de curto prazo representou 47.0% do total das linhas de crédito da Empresa no 3T09, enquanto que no 3T08 esse valor correspondia a 44,5%. A manutenção dos níveis de endividamento de curto prazo da Embraer se justifica pelas linhas de financiamento de exportações que por natureza são linhas de curto prazo, mas com custo atrativo para a Empresa. No 3T09, 49,2% do endividamento total estava denominado em Reais, a um custo médio ponderado de 7,83% ao ano, o
que mostra uma evolução em relação ao 3T08, quando o endividamento em Reais era de 26,9% a um custo médio ponderado de 7,71%. O endividamento em outras moedas, basicamente o Dólar, é de 50,8% no 3T09, e o custo médio ponderado desse endividamento em outras moedas é de 3,88%, inferior, portanto, ao custo médio do 3T08 que era de 5,22%....
Poderiam dar suas contribuições????
A dívida bruta, entre o 3T08 e o 3T09, deu um salto de R$ 840 milhões (aumento de 30% sobre a dívida no 3T08). A maior parte do aumento da dívida se deu no 1T09 (o pior trimestre da crise). O restante deste aumento ocorreu no 2T09. A dívida líquida no 3T09 diminuiu em relação aquela do 2T09. Por outro lado, as disponibilidades no 3T09 permanecem as mesmas que exisiam no 3T08 e a liquidez corrente melhorou (era 1,54 e no 3T09 é 1,80).

19084 - buric - 30/Out/2009 17:35
FOCKINK, assumo que hoje quase vendi minhas MGEL, mas ai fui rever minhas anotações de porque a tinha comprado e desisti.
---------
Acho que vale o comentário acerca dos resultados da MGEL. Vejo nada menos que 11 catalizadores para o papel:
1) Tivemos o melhor lucro líquido da história, grande parte é verdade devido a efeitos cambiais
2) Fala-se do resultado operacional ter vindo alto somente pelo efeito cambio, o que não é uma verdade. Vou fazer quatro colunas para ilustrar: período, resultado operacional, resultado financeiro e um resultado operacional sem o efeito resultado financeiro
Periodo ROp RFin Resultado Operacional (sem RFin)
30/06/2009 52.789.000 39.718.000 13.071.000
31/03/2009 -4.521.000 -2.188.000 -2.333.000
31/12/2008 -25.742.000 -52.724.000 26.982.000
30/09/2008 -33.327.000 -62.506.000 29.179.000
30/06/2008 30.650.000 22.153.000 8.497.000
31/03/2008 7.040.000 -3.324.000 10.364.000
31/12/2007 13.499.000 1.703.000 11.796.000
30/09/2007 19.270.000 3.394.000 15.876.000
3) Um dos fatores que contribuiu para isso foi o aumento do volume de vendas, que contribuiu para um menor custo em relação a receita (=margem). O custo em relação a receita esteve em quase 70% em dezembro devido ao volume quase nulo de vendas e já vemos uma retomada para níveis mais saudáveis, ainda com espaço para melhora. O que é excelente para futuras valorizações do papel.
Periodo Custo/Receita
30/06/2009 64,9%
31/03/2009 68,2%
31/12/2008 69,4%
30/09/2008 60,0%
30/06/2008 59,6%
31/03/2008 61,8%
4) Redução do nível de estoques de um pico de R$ 98M em Dez para R$ 84M em Março e atualmente para R$ 69M, em linha com a média dos últimos dois anos e abaixo do mesmo período de 2008.
Periodo Estoques
30/06/2009 69.514
31/03/2009 84.278
31/12/2008 98.556
30/09/2008 90.498
30/06/2008 67.776
31/03/2008 70.825
5) Papel extremamente barato (algo raro atualmente) PVP de 0,6 e PSR de 0,2
6) Valor de mercado atual de R$ 151,8M (guia invest) e disponibilidades de R$ 165,4M, sendo R$ 133 em caixa e R$ 32 em títulos
7) Melhora na estrutura de capital: com redução do passivo circulante de R$ 195M para R$ 164, e do Passivo Exigivel a Longo Prazo de R$ 397M para R$ 317M
8) Dependencia muito pequena do mercado externo, das contas a receber de clientes apenas 10% é do exterior (nota exp. 7)
9) Melhoras nas margens, algo já em processo, atraves dos maiores volumes de venda.
10) Expectativa de valorização do real (minha) que trará mais resultados financeiros para o papel. O dolar terminou o 2T a R$ 1,95, já estamos abaixo disso e vejo ainda espaço para maiores apreciações
11) Recomposição do nível de estoque das montadoras. Até agora a venda de automoveis tem tido como efeito a redução dos estoques exorbitantes do final do ano passado. A partir de maio/junho as montadoras tem aumentado o nível de pedidos, e é nisso que a MGEL deve se beneficiar.

19066 - uqaz - 30/Out/2009 15:13
Caros, estava estudando a MGEL4 e finalmente entendi pq falam tanto dela...estah revertendo um resultado operacional bastante drásticco. O problema é que subiu demais, inviabilizando novas compras a meu ver.
Atualmente conhecem algum outro papel tentando formar esse mesmo tipo de "vale" no resultado operacional da MGEL4?
Percebi que tanto ROIC como ROE também se comportam ciclicamente, isto também pode ser um sinal de reversão clássico?
O engraçado é q o P/EBIT (5,98) e o EV/EBIT (35,13)não são lá essas coisas, mas aposto que já foram, antes de o papel ter dobrado de preço....procede?
A única coisa que permanece boa é o PSR (0,33).

17315 - FOCKINK - 15/Out/2009 17:54
Dúvida enviada a Mangels...Me responderam rapidamente, demonstrando que a empresa leva a sério seus investidores !!!!
Prezados Sou acionista da Mangels e recentemente ouvi um noticiário no qual dizia: Sexta-feira, 09/10/2009 Botijão de gás ganha novo formato e material. O novo modelo tem a metade do peso atual e é feito de plástico, semelhante ao que já é vendido nos Estados Unidos e na Europa. Gostaria de saber se a mangels fará parte da fabricação desses novos modelos. E como será a política assumida pela empresa, frente a este fato?
Bom dia.
Este botijão que você ouviu no noticiário é um botijão fabricado na Europa e que talvez comece ser vendido no Brasil, para isto o fabricante europeu precisa homologar o produto primeiro no Inmetro, o custo aproximado deste produto é o dobro do atual vendido no Brasil e também nos demais países incluindo também na Europa. Com relação a política comercial da Mangels para fabricação ou não deste produto não podemos dizer nada a respeito, pois como a própria palavra diz “política comercial da empresa”, não podemos ser divulgada se iremos fabricar ou não este tipo de produto.

16814 - small caps - 08/Out/2009 23:52
citação: fyamamoto
citação: paulo_prof
citação: LUCLEAOEstá ficando cada vez mais difícil escolher novo papel para entrada.
eu indico no caso a TIBR5, mas como já estou comprado e estou procurando outra ação, agradeço indicações, indicação recente foi a do Small, PNVL3, mas ainda estou avaliando.
Para o médio prazo (março de 2010), mesmo aos preços de hoje, continuo achando MGEL4 e PNOR4 muito baratas. Vou ficar muito desapontado se ambas não emplacarem uma valorização de no mínimo 50% até lá.
bom ... isto se o tal do W estiver mesmo descartado até lá!
Paulo_prof,
Gostaria de saber oq lhe chama atencao na MGEL4, dei uma "olhada" no ultimo ITR e nao achei interessante, pois a empresa so teve lucro por causa da variacao cambial se nao me engano.
Logico que com essa tendencia da valorizacao do real, e a MGEL4 com passivo atrelado ao dolar, vai gerar lucro contabil, mas nao financeiro.
fyamamoto, procure o release do resultado operacional do segundo trimestre. A primeira coisa que diz mata a sua dúvida:
A Mangels Industrial S.A. registra EBITDA Operacional
de R$ 18,9 milhões no 2T09, 410,8% superior aos R$ 3,7 milhões do 1T09

16350 - paulo_prof - 03/Out/2009 17:08
citação: pidainhoA margem da mangels é ridícula ... Não sei qto a outras empresas como Tegma, por exemplo, q aparentemente são mais rentáveis.
À qual margem vc está se referindo? Relativa a qual período?
A margem ebitda está em 10,2% na média e em 11,7% no último trimestre. Se o último trimestre for tomado como referência, as margens operacional (32,6%) e líquida (21,4%) devem ser consideradas (prá lá de) excelentes. O ROE anualizado do 2T09 (58,5%), então, nem se fala!
No 3T09 a margem ebitda provavelmente aumentará 1 ponto percentual. As margens operacional e líquida diminuirão, mas não exageradamente.
Quando o processe de apreciação do real terminar ... aí, sim, talvez sejam outros quinhentos!


14741 - paulo_prof - 17/Set/2009 20:07
citação: tota57paulo prof,
Muito interessante sua análise de MGEL. Vou estudar a empresa pode dar um caldo legal. Fabricam o que, além de rodas?
No 1S09, a participação das divisões foi a seguinte: Aços (42,9%); Rodas (33,5%); Clindros (18,0%) e Galvanização (5,6%).
A Divisão de Aços Especiais experimentou queda de vendas e diminuição das margens consideráveis em relação a 2008. A Receita Líquida do 1S08 caiu de R$ 155 milhões para R$ 125 milhões. O lucro bruto caiu de R$ 27,6 milões para R$ 16,2 milhões. A margem bruta caiu de 17,8% para 12,9%. Mas está havendo uma recuperação gradual. Tudo melhorou no 2T09 em relação ao 1T09: Receita Líquida passou de R$ 54,4 milhões para R$ 70,7 milhões, Resultado Bruto passou de R$ 6,5 milhões para R$ 9,7 milhões e margem bruta, de 11,9% para 13,1%.
A Divisão Rodas, embora tenha experimentado uma redução de vendas para o mercado externo, pouco sofreu. A receita líquida caiu de R$ 108 milhões para R$ 98 milhões. Houve uma queda muito grande no resultado bruto (e margem bruta): R$ 20,4 milhões (19,0%) para R$ 7,7 milhões (8,7%). O vilão foi o estoque antigo de alumínio, adquirido a preços consideravelmente mais altos no período pré-crise. Já houve uma melhora sensível do 1T09 para o 2T09, com o resultado bruto (margem) passando de R$ 0,8 milhões (1,8%) para R$ 7,7 milhões (14,5%).
A Unidade Cilindros já está a pleno vapor ... se, de um lado, houve uma pequena queda na Receita Líquida (R$ 55 para R$ 52 milhões), do outro, houve uma melhora na margem (de 20,7% passou para 22,8%), de modo que o resultado bruto aumentou, passando de R$ 11,3 milhões para R$ 11,9 milhões.
A Unidade de Galvanização foi a que mais sofreu, com queda sensível na Receita e na margem, de 2008 para 2009. Houve, inclusive, piora do 2T09 em relação ao 1T09. Como as margens desta unidade são relativamente bem mais altas, por se tratar de serviços (em "dias normais" chega a 40%), haverá um impulso nos resultados no momento em que a crise se normalizar completamente. Hoje, como a participação da unidade nos negócios da empresa é de somente 6%, o efeito é pequeno.
Não vejo como os resultados do 3T09, desconsiderando os aspectos financeiros, serem piores do que aqueles do 2T09. Pelo contrário. Se alguma aposta pode ser feita, é aquela de que os resultados do 3T09 virão melhores.
No que tange o resultado financeiro, é evidente que o 2T09 não poderá ser repetido, pois a valorização do real deverá ser aproximadamente somente a metade, no 3T09, do que fora no 2T09. Mas, de qualquer forma, o resultado financeiro virá positivo e será relevante.
Vou ficar muito surpreso se, no 3T09, o Resultado Liquido não for de pelo menos R$ 18 milhões.


14725 - paulo_prof - 17/Set/2009 18:57
citação: NotwenCardozo
citação: octacm
citação: jairmatoso2A mardita parece q acordou .. MGEL4
Foi o Nortwen que disse que ia passar o dia comprando hoje...
=P
Bem que eu tentei mas disparou. O jeito foi comprar um pouco de ABCB4 com a quedinha.
citação: FOCKINKQuase infartei hoje....estava ganhando os troco pro whisky de fim de semana em opções da petr...e de repente..o trem virou Titanic....questão de mais 5 minutos e eu teria que pagar a cachaça pro gringos...inda bem que meu Stop manual funcionou.....
Quanto a mgel4..estou indeciso...não sei se já compro logo e deixo de ser pão duro..ou espero uns trade realizarem amanhã e eu comprar com um desconto duns 20 cents...
?????????
enquanto isso segura o BGIPinhooo...
Notwen e Fockink
Na minha opinião, na prática, realmente tanto faz comprar MGEL4 a R$ 9,00 ou a R$ 10,00.
Se a minha projeção de lucros até o final do ano estiver correta (total de R$ 60 milhões no exercício), os múltiplos seriam:
MGEL4 a R$ 9,00: P/L = 2,60; P/VPA = 0,66
MGEL4 a R$ 10,00: P/L = 2,89; P/VPA = 0,73
Como pode ser visto, o ativo estaria super barato em qualquer uma das hipóteses.
Mas e se a minha projeção estiver errada, e o lucro do 3T09 for de somente R$ 10 milhões e no 4T09 não resultar lucro algum!!!!! Neste caso, o lucro líquido no exercício será de R$ 43 milhões, correspondendo a:
MGEL4 a R$ 9,00: P/L = 3,63; P/VPA = 0,66
MGEL4 a R$ 10,00: P/L = 4,04; P/VPA = 0,73
A interpretação do mercado será exatamente a mesma, qualquer que seja o caso.
Exemplificando com os extremos:
a) um ativo qualquer com P/L = 4,04 e P/VPA = 0,73
b) um ativo qualquer com P/L = 2,60 e P/VPA = 0,66
Vcs acham que a reação do mercado relativamente aos ativos acima seria muito diferente? Sou capaz de apostar que não. Ambos os ativos seriam considerados baratos e o mercado certamente se posicionaria comprador de ambos.
Na minha opinião, o risco de investir em MGEL4, pagando mais ou menos, é um eventual "derretimento" do mercado. Se vcs não acreditam nisto, não há porque ficar de fora.
PS. Informo estar comprado no ativo (6,6% da carteira) e afirmo não ter interesse algum numa valorização apreciável antes que os resultados do 3T09 sejam divulgados!

14473 - small caps - 15/Set/2009 09:41
citação: NotwenCardozoSetor irá favorecer empresas como MGEL4, AVIL3, USIM3/USIM5, TGMA3, RAPT3/RAPT4 etc. (...)
NotwenCardozo, hoje MGEL4 é possivelmente o melhor upside do segmento. Das poucas empresas que ainda possuem P/VPA abaixo de 1 e bons resultados operacionais...

11929 - octacm - 17/Ago/2009 10:54
Segue minha avaliação de MGEL4 comparativo entre o 1 semestre de 2008 e 1 semestre de 2009
A empresa se benficiou de 40 milhoes de redução nas despesas financeiras, devido a desvalorização do dolar.
A divida liquida da empresa que era de 250 milhoes no final de 2008 e atualmente esta divida se encontra 15% menor, muito provavelmente devido a desvalorização do dolar.
Passivo circulante e o não circulante da empresa cairam, cada um, 16% em relação ao 1 trimestre de 2009
Patrimonio liquido da empresa cresceu 17% em relação ao 1 trimestre de 2009
95% da divida da empresa é indexada pelo dolar, como há uma tendencia de queda no dolar, haverá tambem um grande beneficio para a empresa
Receita liquida da empresa caiu 13,7% em relação ao semestre, mas cresceu 25% de aumento no trimestre, o que demonstra uma melhoria para este segundo semestre.
EBTIDA caiu 37% em relação ao semestre passado - excluindo-se a venda de uma empresa não recorrente - este impacto foi causado praticamente 80% devido ao 1 trimestre da empresa
Lucro liquido da empresa caiu 8,7% em relação ao primeiro semestre do ano passado, principalmente impactado pelo 1 trimestre deste ano que encerrou negativamente, enquanto o segundo trimestre conseguiu compensar isto em parte.
O mercado externo corresponde a 3% da receita da empresa
Para o pessoal da AT
Media movel de curto prazo acima da de longo prazo indicando manter
O grafico continua em seu canal de alta indicando continuação de alta
O grafico passou a zona de resistencia das fibos e continua em tendencia de alta
A empresa apresenta uma relação p/vp de 0,65, excessivamente baixa para o setor que atua (siderurgia), vale reassaltar que a media do setor é de 1,2 a relação de pvp, o que demonstra que a empresa tem potencial de valorização de 100%. A empresa vem se beneficiando da redução do IPI para a industria automobilistica e pela redução do preço do dolar, visto que sua divida está intimamente ligada ao dolar.
A Mangels trabalha com 3 linhas de produtos:
Rodas (aros de carro, do tipo esporte e convencional - principais clientes fiat, ford, VW, e outras), aproximadamente, 40% da receita
Galvanizados (perfis em U V L de produtos galvanizados, acredito que os principais clientes sejam construção civil), aproximadamente 30% da receita)
Cilindros (Cilindros para envase de GLP), aproximadamente 30% da receita.
A participação exata na receita eu não me lembro, mas acredito que seja por volta disto que citei. Interessante notar que a emrpesa vem investindo 32 milhoes na linha de galvanizados, buscando maior diversificação de sua fonte de receita.
Considero tambem ser uma boa empresa.
http://twitter.com/octavioemacao

11865 - buric - 16/Ago/2009 15:30
citação: buric
MGEL4 é dos papeis dos mais atrativos da bolsa, inclusive para o CP.
1. Não subiu tanto quanto as outras small caps no ano
2. Indicadores: PVP 0,7 PSR 0,2
3. Perdeu bastante na valorizacao do dolar, agora deve apresentar ganhos financeiros (fechou 1T 09 a 2,32 e o 2T fechou a R$ 1,95 (ganho de 19%). Vai reduzir enormemente o valor dos emprestimos, que em moeda estrangeira somam R$ 455M, essa variação de 19% “traz de volta” quase R$ 90M para a empresa em ganhos financeiros
Sofre grande influencia do dolar, minha crença é que (além do que já perdeu) o dolar perde forca no LP, portanto vai continuar a melhorar o passivo. Porque falo do CP também?
a. Em 7/11/2008 quando divulgou prejuizo financeiro de R$ 67MM a açao caiu 15% no dia (http://web.infomoney.com.br//templates/news/view.asp?codigo=1428296&path=/i nvestimentos/)
"O lucro líquido do 3º trimestre de 2008 também foi fortemente influenciado pelo registro de variação cambial sobre os ativos e passivos indexados em dólares no valor de R$67,4 milhões, efeito da desvalorização inesperada do real frente ao dólar norte americano que estava cotado a R$1,59 em 30 de junho e terminou o trimestre cotado em R$1,91, desvalorização de 20,1% no período."
b. em contrapartida quando divulgou lucro recorde devido a variação cambial em 31/07 referente ao 2T, a ação saiu de 14,2 para 15,7 =+11% (http://web.infomoney.com.br//templates/news/view.asp?codigo=1244644&path=/i nvestimentos/)
4. No 1T tinha estoques com custos de MP ainda altos, devido a compras no ano anterior, agora comprou a custos extremamente baixos. Um dos motivos que deram maior competitividade a FHER e a fizeram a disparar.
5. Evolução das vendas INTRA-trimestre conforme explicitado no relatorio mostra evolução galopante do ritmo de vendas (R$35M, R$ 41M, R$ 52M)
6. Esse aumento de produção gera diluição dos altos custos fixos melhorando as margens novamente
7. Gosto de empresas que recompram ações em momentos de baixa, a MGEL recomprou 10% das ações em 2008
Só complementando, agora com os dados do 2T. Acho que depois de um resultado desses vale o comentário acerca dos resultados da MGEL. Vejo nada menos que 11 catalizadores para o papel:
1) Tivemos o melhor lucro líquido da história, grande parte é verdade devido a efeitos cambiais
2) Fala-se do resultado operacional ter vindo alto somente pelo efeito cambio, o que não é uma verdade. Vou fazer quatro colunas para ilustrar: período, resultado operacional, resultado financeiro e um resultado operacional sem o efeito resultado financeiro
Periodo ROp RFin Resultado Operacional (sem RFin)
30/06/2009 52.789.000 39.718.000 13.071.000
31/03/2009 -4.521.000 -2.188.000 -2.333.000
31/12/2008 -25.742.000 -52.724.000 26.982.000
30/09/2008 -33.327.000 -62.506.000 29.179.000
30/06/2008 30.650.000 22.153.000 8.497.000
31/03/2008 7.040.000 -3.324.000 10.364.000
31/12/2007 13.499.000 1.703.000 11.796.000
30/09/2007 19.270.000 3.394.000 15.876.000
3) Um dos fatores que contribuiu para isso foi o aumento do volume de vendas, que contribuiu para um menor custo em relação a receita (=margem). O custo em relação a receita esteve em quase 70% em dezembro devido ao volume quase nulo de vendas e já vemos uma retomada para níveis mais saudáveis, ainda com espaço para melhora. O que é excelente para futuras valorizações do papel.
Periodo Custo/Receita
30/06/2009 64,9%
31/03/2009 68,2%
31/12/2008 69,4%
30/09/2008 60,0%
30/06/2008 59,6%
31/03/2008 61,8%
4) Redução do nível de estoques de um pico de R$ 98M em Dez para R$ 84M em Março e atualmente para R$ 69M, em linha com a média dos últimos dois anos e abaixo do mesmo período de 2008.
Periodo Estoques
30/06/2009 69.514
31/03/2009 84.278
31/12/2008 98.556
30/09/2008 90.498
30/06/2008 67.776
31/03/2008 70.825
5) Papel extremamente barato (algo raro atualmente) PVP de 0,6 e PSR de 0,2
6) Valor de mercado atual de R$ 151,8M (guia invest) e disponibilidades de R$ 165,4M, sendo R$ 133 em caixa e R$ 32 em títulos
7) Melhora na estrutura de capital: com redução do passivo circulante de R$ 195M para R$ 164, e do Passivo Exigivel a Longo Prazo de R$ 397M para R$ 317M
8) Dependencia muito pequena do mercado externo, das contas a receber de clientes apenas 10% é do exterior (nota exp. 7)
9) Melhoras nas margens, algo já em processo, atraves dos maiores volumes de venda.
10) Expectativa de valorização do real (minha) que trará mais resultados financeiros para o papel. O dolar terminou o 2T a R$ 1,95, já estamos abaixo disso e vejo ainda espaço para maiores apreciações
11) Recomposição do nível de estoque das montadoras. Até agora a venda de automoveis tem tido como efeito a redução dos estoques exorbitantes do final do ano passado. A partir de maio/junho as montadoras tem aumentado o nível de pedidos, e é nisso que a MGEL deve se beneficiar.
Enfim quem quiser ver somente que houve melhora em receitas financeiras fique a vontade, eu tenho certeza que o papelo vale pelo menos metade do que deveria.


11747 - small caps - 14/Ago/2009 21:32
Capa, Ligt3 veio com um resultado operacional muito fraco. ELPL6 está bem melhor e imagino que a COCE5 também, quando soltar o lucro...
A querida CEPE5 já subiu seus 40 / 50% desde que comecei a falar dela como alternativa à renda fixa...
MGEL4 é um ativo muitíssimo mais arriscado que Ligt3, mas tem um upside estupidamente maior. A seu favor tem um resultado muito fraco para "defender" em relação ao ano passado no segundo semestre e muito dificilmente não terminará o ano com ao menos P/L 5 na cotação atual, sendo pessimista... é quase como bater em cachorro morto...
Só pude ler o balanço no after market e quando vi o ebitda que conseguiram no segundo trimestre, adivinha o que eu fiz?


Todas as demais ações do segmento e que tiveram lucros acabaram subindo mais e tinham esquecido da Mangels... hoje ela veio para que todos se lembrem dela...


11739 - small caps - 14/Ago/2009 21:07
citação: floripasempre
citação: herdsmanFloripasempredesconfiado, você viu que deram um jeito no Dowjones no finalzinho, para não estragar o fimdesemana. Muito obrigado yankees.
Kkkkkkkkk.....Tò adotando o estilo Capa.....só quero mamão com açucar....peguei um pouco de MGEL4 no começo de pregão....rs.
Pô pessoal, me deixaram na mão :)
Quando cheguei para ver, já tinha disparado...
Bela reviravolta... Dólar trazendo o lucro, mas o melhor é que o operacional já está ficando azul de novo...


Um dos menores PSR, P/VPA do mercado e em breve P/L :)


9260 - gustgef - 20/Jul/2009 10:39
citação: aprendiz_spGalera MGEL4 ou PLAS3 alguém poderia dar a opinião ??
Obrigado.


Entre as duas eu prefiro a PLAS3 porque é uma empresa muita bem administrada e muito bem colocada no mercado de autopeças, mas vale lembrar que é a empresa com uma das maiores valorizações no ano, sem, ao contrário de outras comentadas aqui, ter almejado os lucros por enquanto. MGEL4, pelo contrário, subiu apenas 50% e parece totalmente desacreditada. Empresas desacreditadas surpreendem, então uma analise mais profunda pode nos trazer boas notícias a respeito.


8119 - small caps - 02/Jul/2009 01:30
citação: pidainhoComo a MGEL4 ainda não disparou? Alguém explica ela estar valendo só isso?
pidainho, a "ineficiência do mercado" é evidente. Tem boa possibilidade de apresentar um bom lucro financeiro em razão da dívida cambial. Apenas a área siderúrgica que deve sofrer com resultados inferiores. A divisão de rodas deve ter se recuperado no trimestre, em relação ao 1o.


Vamos ficar no aguardo... Dentro deste time podem estar também FHER3, BEEF3, TPIS3,


7765 - alesl - 26/Jun/2009 11:36
textos retirados do relatório anual 08 da mangels:
"Esta desvalorização cambial causou impacto negativo no resultado fi nal e no endividamento da Empresa, uma vez que 86% da dívida da Mangels é atrelada ao dólar norteamericano.
Todavia, a dívida líquida da Empresa tem prazo médio de vencimento de 4,1 anos."
"As principais causas do aumento do endividamento líquido foram:
- Variação cambial de R$ 84,4 milhões.
- Aumento do capital de giro (ativo circulante menos passivo circulante, excluídos disponibilidades

e empréstimos) de R$ 57,2 milhões."

7730 - danieljoseaa - 25/Jun/2009 20:01
citação: eurico22
citação: manoellobatosmall, paulo e amigos
o que vcs acham de MGEL4? tem p/vpa de 0,5 porem tem apresentados prejuizo e não acompanhou outras smalls nesta última subida..... para longo prazo vale a pena montar posição? é um ativo considerado de alto ou baixo risco?
Oi, Manoel!
O risco é alto, sim, mas aparentemente menor do que BEEF3 ou FHER3. A dívida da empresa está toda em dólar, mas razoavelmente bem distribuída ao longo do tempo.
Tem hoje incríveis 271% de CCL/Preço.
Teve um balanço bem razoável no 1T09 e se beneficia com a queda do dólar... Se o dólar fechar o trimestre abaixo de 2 reais, sei não... não me surpreendo com uma alta até 8,xx, até 1 ou 2 semanas após a divulgação do balanço.
Andei comprando um bocadinho a 5,60, junto com o Amigo Daniel. Minhas maiores posições hoje são COCE5, MGEL4 e EZTC3, nessa ordem. Mas estou sendo papudo, as outras duas são bem mais seguras.
Abs!!
HEHE, é isso aí Eurico...
Hoje tentei pegar mais um pouco de MGEL4, mas como diria o Kiko, não deu.
Estava lendo o ITR da Mangels hoje e encontrei algumas coisas interessantes, entre elas:
- Está em andamento um programa de recompra de ações que prevê a compra de até 10% das ações PN, como a empresa tinha na data da aprovação do programa 8.602,260 ações, a quantidade de ações estipulada para aquisição é de 860.266.
Até o dia 31 de março deste ano foram adquiridas através deste programa 176.200.
- A empresa possui uma dívida bruta de 473.812,00 M, sendo que 456.750,00 são atrelados a moeda estrangeira e apenas 17.062,00 em moeda nacional através do BNDES, através deste fator(dívida em moeda estrangeira), como já falado várias vezes por aqui, surgiram seus últimos resultados não muito satisfatórios, o dólar subiu, levando junto o valor das parcelas a serem pagas pela empresa e também o valor da dívida da empresa.
Porém no dia 31/03 o valor do dólar era 2,32 e hoje é, se não me engano, 1,96, o que melhora sensivelmente essa situação.
- Desses 473.812,00 de dívida bruta, 127.612,00 correspondem a passivo circulante(junto com outras dívidas dá um total de 195.563,00) e 346.202,00 a passivo exigível a longo prazo(junto com outras dívidas dá um total de 379.194,00).
Vale lembrar que seu ativo circulante é de 466.089,00, lhe rendendo uma liquidez corrente de 2,38 e um P/Cap.giro de 0,37.
Juntemos esses indicadores Liq. corrente e P/capgiro, aliados a um PSR de 0,15 a um P/VP de 0,50, creio estarmos diante, como o Small gosta de dizer, de uma "pechincha", principalmente se tratando de uma empresa que apresenta lucros operacionais constantes, tendo como único problema conforme visto uma exagerada exposição de dívida em moeda estrangeira.


7699 - eurico22 - 24/Jun/2009 21:44
citação: manoellobatosmall, paulo e amigos
o que vcs acham de MGEL4? tem p/vpa de 0,5 porem tem apresentados prejuizo e não acompanhou outras smalls nesta última subida..... para longo prazo vale a pena montar posição? é um ativo considerado de alto ou baixo risco?
Oi, Manoel!
O risco é alto, sim, mas aparentemente menor do que BEEF3 ou FHER3. A dívida da empresa está toda em dólar, mas razoavelmente bem distribuída ao longo do tempo.
Tem hoje incríveis 271% de CCL/Preço.
Teve um balanço bem razoável no 1T09 e se beneficia com a queda do dólar... Se o dólar fechar o trimestre abaixo de 2 reais, sei não... não me surpreendo com uma alta até 8,xx, até 1 ou 2 semanas após a divulgação do balanço.


Andei comprando um bocadinho a 5,60, junto com o Amigo Daniel. Minhas maiores posições hoje são COCE5, MGEL4 e EZTC3, nessa ordem. Mas estou sendo papudo, as outras duas são bem mais seguras.

7323 - octacm - 17/Jun/2009 23:06
Faz tempo que estou de olho nela (MGEL4)... ainda nao sei se é o momento, ainda preciso de mais tempo para avalia-la, mas o que realmente me atraiu foi esse p/vp...
vou dar uma lida no balanco
A divida da empresa é quase 90% em moeda extrangeira, e os juros são baseados na libor, que é uma especie de selic inglesa (acho que não se aplica a toda a europa)
Derivativos
Como descrito anteriormente, a Empresa e controladas realizam operações envolvendo instrumentos financeiros derivativos para proteger os seus ativos e passivos ou exposição líquida em dólares norte-americanos dos efeitos de variações cambiais e dos riscos de flutuação na taxa de juros.
Os instrumentos financeiros derivativos são contratados com instituições financeiras no Brasil e no exterior, bem como na Bolsa de Mercadorias e Futuros - BM&F BOVESPA. As perdas e os ganhos com as operações de derivativos são reconhecidos mensalmente no resultado, considerando-se o valor justo (mercado) desses instrumentos. A provisão para as perdas não realizadas é reconhecida na conta "Financiamentos" no passivo circulante (balanço patrimonial), e a contrapartida no resultado é na rubrica "Despesas financeiras".
. Contratos de opções
Operações contratadas com o objetivo de minimizar as perdas geradas com instrumentos financeiros derivativos contratados com a finalidade de proteção.
. Contratos de "swap"
São contratados com o objetivo principal de trocar o indexador de dívidas em moeda estrangeira para o real.
. Dólar Futuro
Instrumento utilizado para proteção "hedge" das obrigações expostas em dólar norteamericano, incluindo as dívidas dos próximos 18 meses.
DIVISÃO AÇOS - 50% do faturamento - Atua no setor de relaminação de aços de baixo, médio e alto teor de carbono, ligados, aço inoxidável, fitas de aço para embalagem, tiras de aço etalizadas, aços temperados, peças estampadas, metalização e centro de serviço de aço. A Divisão atua também no setor de prestação de serviços de galvanização à fogo e eletrolítica. Nesta área, além da galvanização, também fabrica defensas para rodovias.
DIVISÃO CILINDROS - 31% do faturamento - Atua no setor de GLP, tanques e reservatórios para ar comprimido e combustíveis, equipamentos especiais para inseminação artificial e para pesquisa de baixa temperatura e requalificação de recipientes para acondicionamento de Gás Liqüefeito de Petróleo (GLP).
DIVISÃO RODAS - 15% do faturamento - Atua através da venda de rodas esportivas em alumínio e aço para automóveis e utilitários nos mercados de reposição e equipamento original.
O restante é advindo de Galvanização...
Somente ums 5 a 10% da receita da empresa é advindo de exportações...
RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO EM 31 DE MARÇO DE 2009
Senhores Acionistas:
O 1° Trimestre de 2009 foi marcado pelo esforço dos principais países para restabelecer a confiança e interromper o ciclo vicioso da crise econômica mundial que se iniciou no segundo semestre de 2008, incluindo pacotes de garantias ao sistema financeiro e de incentivos fiscais e monetários.
A oferta de crédito começou a dar sinais de recuperação, embora com custos elevados e prazos ainda significativamente reduzidos.
No Brasil, assim como observado no final de 2008, também neste 1° trimestre de 2009 a indústria buscou ajustar suas linhas de produção e os seus estoques às atuais condições de mercado. Em termos macroeconômicos mundiais, a combinação do ajuste dos estoques mundiais por parte dos produtores e a redução da produção, com o fechamento de unidades de produção ao redor do mundo, poderão trazer condições favoráveis para restabelecer o equilíbrio entre oferta e demanda nos próximos meses.
A recuperação da economia nacional, aliada à queda da inflação e expectativa futura de inflação moderada, permitiu que o Banco Central efetuasse cortes mais severos na taxa de juros, a partir de janeiro de 2009. A depreciação do Real em relação ao Dólar Norte-Americano, que foi significativa na segunda metade de 2008, deu sinais de estabilidade entre o início e o final do 1º trimestre de 2009.
Iniciamos 2009 com taxa de R$ 2,337 e fechamos o 1º trimestre com R$ 2,32 /
US$ - apreciação de 0,9% do Real no trimestre.
Para o setor automobilístico, principal setor onde a Empresa atua, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI nas vendas de veículos e a volta dos financiamentos de longo prazo para os consumidores, contribuíram para que as vendas a voltarem a patamares semelhantes aos verificados no 1º trimestre de 2008, mas produção de veículos ainda ficou 16,8 abaixo a verificada no 1º trimestre de 2008, devido, principalmente, a queda das exportações de automóveis.
Lucro Bruto caiu 50% em relação ao mesmo periodo do ano passado
O comportamento do mercado foi desigual ao longo dos três primeiros meses do ano: a receita líquida da Empresa em janeiro e fevereiro apresentou redução da ordem de 24% em comparação aos mesmos meses do ano anterior. Já em março a queda observada em relação a março de 2008 foi bem menor: 12%, o que representou um crescimento de 28% sobre fevereiro.
Muito embora os preços das commodities, particularmente de aço e de alumínio, principais matérias-primas utilizadas pela Mangels, tenham apresentado queda de preço neste trimestre, como mantínhamos estoques destas matérias-primas, adquiridas no final de 2008 a preços maiores do que os vigentes neste trimestre, ainda tivemos custos de produção relativamente altos. Aliado a este fato, as fábricas operaram ainda com grande ociosidade, principalmente em janeiro e fevereiro, não foi possível absorver seus custos fixos, o que afetou consideravelmente a rentabilidade e as margens dos nossos negócios.
DESPESAS DE VENDAS, GERAIS E ADMINISTRATIVAS
Neste trimestre as despesas de vendas, gerais e administrativas e outras operacionais somaram R$ 16,5 milhões versus R$ 17,3 milhões quando comparadas com o mesmo período do ano anterior, uma redução de 4,5%. A comparação com o 1º trimestre de 2008 é resultado de diversas ações para redução de custos e para ocupação da apacidade, dentro das limitações das condições de mercado atuais.
DESPESAS FINANCEIRAS LÍQUIDAS
A relativa estabilidade da moeda brasileira ao longo do trimestre possibilitou redução das despesas financeiras líquidas de R$ 2,3 milhões no 1º trimestre de 2008 para R$ 1,3 milhões neste 1º trimestre de 2009.
PERSPECTIVAS
A expectativa para o próximo trimestre é de que a demanda seja superior ao 1º trimestre de 2009, seguindo a tendência já observada no mês de março. Esperamos a recuperação da margem bruta no 2° trimestre pela recomposição dos custos das matérias-primas aos preços de mercado e da diluição dos custos fixos pelo aumento de produção que se vislumbra. A Empresa continua buscando a modernização de suas fábricas, menor custo administrativo, a eliminação dos desperdícios e o desenvolvimento de seus colaboradores, visando melhoria constante dos seus resultados e o crescimento sustentado.
Enfim,
Eu acredito que a empresa seja muito boa enquanto o dolar continuar caindo, caso venha a subir pode vir a se tornar um pessimo negocio...
O vencimento da divida da empresa para o proximo ano não será nada tão absurdo (15% dela aproximadamente), o que pesará será em 2011 (25% da divida) e o restante estará diluido até 2016.
Se alguem mais quiser tecer alguns comentários ficaria muito agradecdo


5969 - paulorizzi - 20/Mai/2009 01:12
citação: rafael234Paulo, vc já analisou os resultados de inep4 e mgel4?
Devo confessar que, nas circunstâncias, gostei dos balanços de ambas.
As principais dificuldades enfrentadas pela Mangels no 1T09 deverão ser minoradas/eliminadas no 2T09:
a) recomposição dos estoques das indústrias clientes da Divisão Aços (42% da Receita Líquida) que estavam muito altos ao eclodir a crise; e
b) normalização do custo do principal insumo da Divisão Rodas (34% da Receita Líquida) que no 1T09 estava defasado por ter sido adquirido a preços anteriores à crise.
Se nada de excepcional ocorrer no 2T09, não há como a Mangels não produzir resultado positivo.


Não fosse por sua grande dívida, cuja quase totalidade é de curto prazo, a situação da empresa seria tranqüila. De qualquer forma, o fato de ter a Petrobrás como cliente preferencial ajuda a convencer os credores a rolarem a dívida até que haja condições para a sua quitação. O lucro do 1T09, embora pequeno, foi gerado em atividades operacionais, ao contrário daquele conseguido no 2o. semestre de 2008, a partir da venda de ativos. Acredito que no 2T09 este lucro só terá um caminho a seguir: para cima.


4447 - paulorizzi - 22/Abr/2009 18:02
citação: fabiopinto
"Caro Paulo,"
"a MGEL possui um ótimo P/VPA E PSR, é pouco endividada entretanto seu PL foge aos outros PL acima e das proprias smalls indicadas pelo Anderson, ela ficaria entao como uma digamos.... opçao menos prioritaria? ou nada a ver ? oq ue vc pensa sobre essa empresa em especial ???"
se tiver oportunidade de nos esclarecer.....
abç
"A menos que esteja enganado, não há dados específicos do 4T08. Em conseqüência, a única forma de se ter uma idéia do balanço do 4T08, é subtraindo-se os números relativos aos 9M08, do resultado anual."
"O ""panorama"" da Mangels é (mais ou menos) o seguinte:"
"No 1o. semestre de 2008, a empresa obteve um resultado bruto de R$ 70 milhões (receita líquida de R$ 379 milhões), lucro líquido pouco superior a R$ 35 milhões, com resultado financeiro positivo em aprox. R$ 20 milhões."
"No 2o. semestre de 2008, a empresa obteve um resultado bruto de R$ 63 milhões, um prejuízo líquido de R$ 33 milhões, para um resultado financeiro negativo (câmbio) de R$ 126 milhões."
"Em conseqüência, no ano, o lucro líquido totalizou somente R$ 2 milhões. Daí o alto P/L que, no fundo, não diz muita coisa."
"Com a estabilidade cambial, certamente a empresa voltará a ter lucro. Entretanto, ocorre que, para uma receita líquida no 4T08 praticamente igual aquela do 1T08 (menos de 1% menor), o resultado bruto foi 41% menor, ou seja, a empresa experimentou uma queda importante na margem bruta. Como a expectativa para o 1T09 é uma redução em relação ao 1T08, não é improvável que, no próximo balaço, o resultado líquido nos últimos 12 meses venha negativo. Noutras palavras, o resultado líquido do trimestre deve vir positivo, mostrando uma melhora sensível relativo ao 4T08, mas pode mostrar uma piora em relação ao 1T08."


"De uma maneira geral, eu acho que vale um posicionamento inicial, por que a empresa é sólida, deve conseguir repetir os resultados de 2008, ou eventualmente até crescendo, no mercado interno e tendo um pouco de dificuldades com as exportações. O Balanço do 1T09 deve dar uma clareada na real situação."


3089 - small caps - 27/Mar/2009 15:34
"2Rath, esperava um prejuízo bem maior."
Parece que diminuiu do terceiro para o quarto trimestre o prejuízo de 3 meses.
"Manter um lucro anual com a aquela parcela de dívida (de longo prazo, ufa!) cambial era bastante difícil."


Até comprei mais um lote :)


3087 - 2Rath - 27/Mar/2009 15:30
Alguém comenta?
Mangels sente efeitos do câmbio e lucra 94% menos em 2008
Por: Equipe InfoMoney
27/03/09 - 12h35
InfoMoney
"SÃO PAULO - A Mangels Industrial (MGEL4) afirmou nesta sexta-feira (27) que encerrou 2008 com lucro líquido de R$ 1,9 milhão, valor inferior aos R$ 36,5 milhões registrados nos 12 meses anteriores."
"Segundo o relatório contábil da companhia, o resultado financeiro foi de R$ 14 milhões no positivo em 2007 para R$ 96,4 milhões no negativo em 2008, com maiores perdas trazidas com variações monetárias e cambiais (de R$ 106 milhões)."
"Em nota, os administradores afirmaram que a companhia tem adotado diversas medidas para superar a crise internacional, como intensificar as negociações como as usinas siderúrgicas e controlar as despesas, inclusive as de mão de obra."
Confira os resultados
(em R$ milhões) 2008 2007 Variação
"Receita Líquida 698,5 636,4 +9%"
"Resultado financeiro -96,4 14,0 -"
"Lucro Líquido 1,9 36,5 -94%"
Perspectivas
"Segundo os administradores, a empresa espera que, mesmo com a instabilidade nos mercados, seja possível aproveitar oportunidades de crescimento no mercado doméstico e ampliar os ramos de atuação."


"""Em momentos de menor crescimento, como se espera para 2009, nós estaremos atentos ao nível de endividamento, à implementação de investimentos que objetivem reduções de custos e produtividade, à preservação do caixa e à geração operacional""."


2458 - small caps - 14/Mar/2009 01:00
"""Alerto que o resultado das companhias Mangels, Heringer, Minerva e Metal Leve devem vir afetados negativamente por efeitos cambiais, podendo abrir boas oportunidades de compra com preços ainda mais depreciados. São ativos que devem ser avaliados conforme empresas em situação especial atualmente, e o posicionamento, dado os riscos envolvidos, deve ser em menor quantidade de capital. A relação entre o valor de mercados destas empresas e o faturamento líquido anual (PSR) é, na seqüência, 0,13, 0,06, 0,06 e 0,26. Ou seja, no máximo têm valor de mercado equivalente a um trimestre de faturamento. Estão no mesmo pacote que FTRX4, ESTR4 e WISA4, companhias que possuem patrimônio pesadamente negativo, muito diferente da situação daquelas, que, apesar do prejuízo cambial evidenciado até o terceiro trimestre, mantinham liquidez corrente superior a 1."""
http://smallcaps.blogs.advfn.com/2009/01/06/perspectivas-para-as-small-caps-em- 2009-newsletter-da-advfn/


"""Por fim, é interessante monitorar as empresas que tiveram pesados prejuízos contábeis no terceiro trimestre de 2008, o que certamente foi intensificado no último. Algumas destas companhias, apesar do impacto de curto prazo, poderão ser beneficiadas no médio e longo prazo, notadamente aquelas que exportam parte relevante da produção. Deve-se observar, quando ocorrer a estabilização do câmbio entre um trimestre e outro, como as margens se comportaram e como estariam os resultados expurgando os efeitos contábeis da dívida cambial em que não houve efetivo desembolso de caixa. Tais empresas representam maiores riscos e por isso o potencial de valorização em caso de êxito é bastante superior ao de companhias mais seguras, cujos preços caíram menos desde o início da crise. Há diversas empresas do setor de alimentos e de veículos nesta situação."""


2108 - paulorizzi- 04/Mar/2009 22:17
Acho que todas as três deverão apresentar resultados sofríveis no 4T08. O pior resultado deverá ser a da FHER3.
"Acho que a única que tem chance de ter um resultado positivo no 1T09 é, mais uma vez, a FHER3. Isto se ela conseguir ""queimar"" todo o seu estoque de insumos antigos, importados a preços bem maiores do que os vigentes. Parece engraçado, mas quanto pior for o resultado do 4T08 da FHER3, mais chance tem de apresentar um 1T09 positivo."
"De uma maneira geral, o meu ""feeling"" é que a MGEL4 está numa situação de mercado melhor do que a BEEF3. Para se dar bem no 2T09, entretanto, será necessário que o governo extenda o prazo da redução do IPI dos veículos (impacto no negócio de Rodas da empresa) e será necessário que a empresa"
"consiga, em seu negócio de Aços, atrair clientes que antes importavam o produto."
"Para BEEF3, infelilzmente, não vejo perspectivas pelo menos até lá para julho/agosto."


"Finalmente, acho que o relatório horrível de FHER3 no 4T08 pode propiciar um ótimo ponto de entrada para se gozar a recuperação."

1508 - paulorizzi - 07/Fev/2009 22:03
"citação: rafael234Caro small, o que podemos esperar de mgel4, será que ainda vai cair muito mais com o resultado do 4 tri e, quanto a queda na venda de veiculos pode impactar ao longo do presente ano?"
A Mangels tem 3 problemas:
a) em 30SET2008 tinha uma Exposição Líquida a USD 130 milhões
b) insumos importantes são importados (principalmente alumínio para as rodas)
c) diminuição dos negócios devido à crise
"No que se refere a exposição líquida à moeda estrangeira, no 4T08 deverá vir mais uma variação cambial violenta para impactar os resultados (o real se desvalorizou 20% no 3o. trimestre e 24% no último trimestre). Por outro lado, as rodas comercializadas no último trimestre foram vendidas a preços do 3o. trimestre, embora o seu principal insumo, comprado antes da crise e em estoque, tenha ficado muito mais caro. A redução dos negócios mais importante deve vir da divisão de aços. No mundo todo, temendo a falta do aço, indústrias que necessitam este insumo mantinham estoques elevados antes de eclodir a crise. Com a crise, estes estoques foram consumidos para um nível compatível, ocasionando uma queda violenta de demanda no 4T08. Aqui no Brasil não foi diferente, e o fato deve impactar os resultados da Mangels de forma importante."
Eu não ficaria muito surpreso se os resultados do 4T08 forem ainda piores do que aqueles relativos ao 3T08.
"No que se refere o 1T09, a situação se apresenta com perspectivas muito melhores:"
a) os efeitos da variação cambial deverão ser positivos;
"b) há retomada dos negócios (no segmento aço, bem como na industria automobilistica em geral, antigos estoques foram consumidos)"
c) no segmento rodas o preço foi ajustado ao custo
d) há melhores condições para competição no exterior
"Agora, como este resultado ruim do 4T08 vai impactar as cotações de MGEL4, não tenho a mínima ideía ... eu fiz um posicionamento inicial, muito tímido, no ativo e vou aguardar 27MAR (relatório) e subseqüentes, para ver o que acontece."


1252 - lycurgo - 29/Jan/2009 11:30
A mangel teve prejuiso no 3tr08 decorrente principalmente da variação cambial.
"Considerando uma redução provavel na receita em cerca de 20% no 4tr08(devido a queda de vendas na crise) e ainda a variação cambial, onde em Setembro de 2008, o dolar estava em R$1,91 com toda certeza a mangels apresentara prejuiso no 4tr08."
"A mangels vem fazendo recompra de ações no mercado para posterior alienação, julgando assim que estas ações ja se encontram baratas. Esta recompra vem impedindo que suas cotações rompa o suporte de R$ 5,00."
Não vejo melhora no cenario automotivo nacional. Portanto creio que deveremos aguardar os resultados e talvez ainda o 01TR09 para um melhor posicionamento.
Com a dificuldade de crédito as vendas do setor desabaram.
"Caso a empresa supere esta redução de demanda, o que é bem provavel devido a sua posição de caixa, poderemos ter gratas surpresas no segundo semestre."


Mas creio que ainda surgira preço melhor do que o atual.


Gostaria de saber mais sobre sua opinião a respeito desse papel.
Seria ele um caso parecido com o da Maxion citado em um dos seus comentários no blog?


Prefere que as perguntas dirigidas a você seja realizada nesse no fórum ou no blog? Percebo que você recebe mais mensagens por aqui.


Mangels planeja ter presença global
De Valor econômico - Gustavo Lourenção
"Em meio às comemorações dos 80 anos de sua fundação, a Mangels planeja uma série de mudanças nos próximos anos. A primeira da lista será o início de um projeto de internacionalização, que visa colocá-la como uma fornecedora global de rodas de alumínio para automóveis. Outra pauta em discussão interna é a preparação da sucessão da terceira geração da família Mangels no comando da companhia. Além disso, a empresa acaba de inaugurar um centro de serviços de aço em Manaus."
"A velocidade dos projetos, no entanto, poderá ser alterada, pois já em 2009 existe a previsão de que os impactos da crise financeira mundial em seus mercados possam acarretar em quedas de até 30% em suas de vendas do primeiro trimestre, de acordo com o nicho de atuação."
"O projeto de internacionalização vem ganhando força, segundo Robert Max Mangels, presidente da companhia, por conta dos contatos freqüentes de clientes para que o fornecimento de rodas de alumínio não aconteça apenas na América Latina. Uma das possibilidades mais viáveis, até o momento, é a instalação de um centro de desenvolvimento no Japão, onde são tomadas as decisões das montadoras japonesas. O executivo também não descarta uma iniciativa no mercado americano."
"“Temos o plano, para os próximos 10 anos, de nos tornarmos fornecedores globais, com unidades em outros países. Escutamos muito o que os nossos clientes nos dizem, e eles têm nos questionado sobre a possibilidade de fornecermos em outros países”, informou Mangels, ao declarar que entre os potenciais compradores estão a Honda, Toyota e Mitsubishi. “Então está claro que a Mangels tem de ter uma equipe de engenharia sediada no Japão, pois é lá que todos os modelos são projetados”, acrescentou."
"Já sobre o processo de sucessão, o executivo disse que há três anos a empresa vem trabalhando em conceitos de governança corporativa, preparando os membros da quarta geração da família para assumirem o comando. “É uma reflexão que temos feito sobre os valores da nossa família, que na nossa visão podem ser transportados para a empresa.”"
"Atualmente, além de Robert, fazem parte do conselho de administração os irmãos Mark Ross Mangels e Susan Jane Mangels Cox. Com a morte de Max Ernst Mangels, em novembro do ano passado, ocorreram mudanças no conselho de administração. A família deixou de controlá-lo e ampliou de sete para nove o número de integrantes. Entraram na companhia nomes como Wilson Ferreira Júnior, presidente da CPFL, Philippe Prufer da Eli Lilly e Maurício Luchetti, ex-executivo da AmBev."
"Para Robert, o perfil atual do conselho tem influenciado positivamente a administração da empresa, cobrando informações e “fazendo perguntas não tão fáceis de compreender”. Entre as medidas propostas está a criação de um comitê de finanças e outro de recursos humanos, além da definição dos planos de expansão."
"Parte deles vem ocorrendo desde 2004, quando a Mangels retomou seus investimentos. Na opinião de Mangels, os investimentos dos últimos quatro anos culminaram, entre outros resultados, na unidade inaugurada na quarta-feira passada em Manaus (AM)."
"O centro de serviços de aços instalado no pólo de produção de motocicletas, para atender principalmente a Honda, que há mais de 30 anos é cliente da companhia recebeu recursos da ordem de R$ 18 milhões. Segundo o presidente da Mangels, apesar de o momento econômico mundial ser extremamente delicado e inédito na história recente, as vendas para a fabricante japonesa de motocicletas já viabilizam a rentabilidade da unidade."
"“Forneceremos a partir de Manaus cerca de 2,5 mil toneladas de aço por mês para a Honda”, afirmou Mangels. A capacidade instalada do centro de serviços é de 8 mil toneladas por mês. A Mangels está prospectando também vender para os fornecedores da Honda, dos quais alguns já são clientes da empresa em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo."
"Além disto, a companhia está atenta aos fabricantes de eletroeletrônicos da região, que também consomem o metal. O centro de serviços de Manaus é o primeiro empreendimento da Mangels a ser inaugurado com todos os equipamentos e estrutura física novos."
"Também por conta dessa mudança de postura que o executivo acredita que a empresa esteja bem preparada para passar pelo agravamento da crise financeira mundial. “Temos R$ 200 milhões em caixa, o que nos deixa em uma posição relativamente confortável”, resumiu. Até o momento, a Mangels conseguiu manter estável o nível de empregos em suas unidades, reduzindo-os em menos de 10% desde a piora do cenário econômico. O que tem sido feito é a redução dos serviços terceirizados."
"A previsão para 2008 é de faturamento líquido de R$ 700 milhões, alta de 10% sobre o resultado do ano passado. Do total, a maior parte é oriunda do negócio de aços, que no terceiro trimestre representou 45,6% do resultado. Depois, vem a divisão de rodas de alumínio, com 33,2%, seguida pelas divisões de botijões de gás GLP (15,5%) e aços galvanizados (5,7%)."
"Em relação aos investimentos, o grupo tem programado para 2009 cerca de R$ 50 milhões. Neste ano, o valor investido foi de R$ 80 milhões, alta de 33% sobre 2007."


Valor Econômico 22 de dezembro de 2008.


1251 - bogaci - 28/Jan/2009 22:54
"Boa noite Anderson, mais uma vez estou aqui buscando mais conhecimento e tentando dividí-lo."
"Um papel que me chama muito a atenção é o MGEL4, tenho encarteirado ele aos poucos. Apesar da baixa liquidez, esse papel tem preços muito convidativos."
"Sob a cotação de 5,25 ; tem os seguintes indicadores e observações:"
"P/L = 4,65 ; P/VPA = 0,42 ; DY = 10% ; PSR = 0,13%; plano de recompra de ações em andamento, com recompra de até 10% dos papéis, preço muito próximo do valor mínimo de 52 semanas (4,95), e andando de lado desde dez2008"
"O que demonstra uma ótima oportunidade, apesar da baixassíma liquidez."
"Percebi que ele está presente na carteira SmallCaps desde agosto de 2007, quando tinha um cotação próxima à 12 reais, o que já representava então uma ótima oportunidade."u
"Venho levantar questões sobre esse papel, pois parece que os forums tem esquecido dele."
A última informação oficial da empresa foi o plano de recompra de ações em outubro de 2008 e o prejuízo atrelado ao dolar em 07/11/2008.


Em dezembro saiu essa notícia no valor econômico:



294 - small caps - 09/Nov/2008 20:52
"MGEL4 possivelmente deve apresentar mais um prejuízo no quarto trimestre, uma vez que o dólar continuou subindo após o encerramento do último trimestre. Após isto, é grande a chance de voltar a apresentar lucros, e suas ações estão muito atrativas caso este cenário se concretize. Tem PSR de mico já... embora não seja..."



289 - danieljoseaa - 08/Nov/2008 00:10
"Small vendi minhas mgel4 hoje após a apresentação do resultado(preju de 23 MI), como estava com lucro de 13% resolvi vender, pois segundo a própria Mangels o 4° também deverá ser de prejuízo, como você já havia me adiantado, tudo por conta do dólar, apesar dos resultados terem sido bons, o dólar pesou no lucro líquido."



273 - small caps - 05/Nov/2008 21:28
"Quanto à Mangels, acredito ser provável apresentar prejuízo contábil em razão da dívida cambial, pelo que me recordo. Os reesultados do primeiro semestre foram muito sólidos e provavelmente devem compensar os efeitos contábeis do trimestre atual. Caiu bastante e a empresa já anunciou recompra de ações."



106 - small caps- 06/Out/2008 23:25
"MGEL4 está também com preços no pré-sal. Apenas é possível que tenha também prejuízo contábil em razão do dólar. Aliás, muitas estão neste cenário, o que pode trazer grandes oportunidades, pois o mercado não sabe enxergar além da última linha do balanço..."

104 - danieljoseaa - 06/Out/2008 21:22
"Small, não conhecia mgel4, após ver sua indicação de compra, fui ao fundamentus.com e verifiquei que talvez trata-se da maior barganha atual, junto com fher, com p/l baixíssimo, dy alto e um lucro por ação no semestre de 2,00 reais."

Nenhum comentário: